Unidade III. Mas a grande questão a ser levantada é o que é cultura? Para o dicionário Houaiss da língua portuguesa, cultura pode ser:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III. Mas a grande questão a ser levantada é o que é cultura? Para o dicionário Houaiss da língua portuguesa, cultura pode ser:"

Transcrição

1 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL Unidade III 11 DEFINIÇÃO Para definirmos marketing cultural temos, antes de qualquer coisa, de entender o conceito de marketing e saber o significado de cultura. As perguntas que devemos responder são: O que é marketing? E o que é cultura? 1 Para responder a primeira indagação citamos Philip Kotler (1993), para quem marketing é todo processo social e gerencial através do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e que desejam, por meio da criação e troca de produtos e valores. Para a American Marketing Association (AMA), marketing é o processo de planejar e executar a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de ideias, produtos e serviços, a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais. Ou seja, marketing deve ser uma ferramenta para a construção de um relacionamento a longo prazo, onde todas as pontas se sintam ganhadoras. Os profissionais de marketing devem criar ou despertar no consumidor a necessidade e/ou o desejo por algo. Mas a grande questão a ser levantada é o que é cultura? Para o dicionário Houaiss da língua portuguesa, cultura pode ser: Derivação: sentido figurado. O cabedal de conhecimentos, a ilustração, o saber de uma pessoa ou grupo social. 33

2 Unidade III Rubrica: antropologia. Conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes etc. que distinguem um grupo social. 1 Forma ou etapa evolutiva das tradições e valores intelectuais, morais, espirituais (de um lugar ou período específico); civilização. Complexo de atividades, instituições, padrões sociais ligados à criação e difusão das belas-artes, ciências humanas e afins. Como se viu, cultura tem um significado amplo na língua portuguesa, porém podemos tentar sintetizar tudo na definição de Muylaert (1994): O modo de vida de um povo; uma estrutura social no campo das ideias, crenças, costumes, artes, linguagem, moral e direito; leis que traduzem ações, sentimentos e pensamentos de um povo. Unindo as duas pontas, o que é marketing e o que é cultura, podemos finalmente entrar na seara do marketing cultural e defini-lo citando Fischer (02): marketing cultural é um recurso utilizado com a finalidade de fixar a marca de uma empresa ou entidade por meio de diversas ações culturais, tais como a música, a arte, o esporte, a literatura, o cinema, o teatro etc. 2 De certo ponto de vista, o marketing cultural pode ser caracterizado como uma espécie de marketing institucional também. 12 HISTÓRICO O apoio à cultura não é algo recente, na verdade é algo mais antigo do que muita gente pensa. A primeira forma de apoio à cultura surgiu com o mecenato, na Roma Antiga. Caio Cilino 34

3 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL Mecenas (60 a.c. 8 d.c). Mecenas era um rico diplomata e grande articulador entre o Estado e o mundo das artes. Ministro de Roma no governo de Caio Augusto, patrocinou inúmeros artistas, das mais variadas artes. O termo mecenas indivíduo rico que protege artistas, homens de letras ou de ciências, proporcionando-lhes recursos financeiros para que possam exercer suas atividades deriva, portanto, do sobrenome desse diplomata. 13 A RESPONSABILIDADE DO ESTADO E DAS EMPRESAS PRIVADAS 1 2 O desenvolvimento da cultura é de responsabilidade do Estado, porém, como os recursos de que este dispõe não são suficientes, faz-se necessária a participação do setor privado. Em vista disso, o Estado procura criar mecanismos que auxiliem e estimulem a iniciativa privada a apoiar a cultura. Entretanto, o papel do Estado na produção cultural continua sendo indispensável. É a parceria entre Estado e empresas que cria mais e melhores condições para que os projetos culturais possam ser realizados. Para a empresa apoiadora é uma alternativa atraente aliar seu nome a algum evento artístico. A comunicação diferenciada que resulta dessa iniciativa possibilita a construção de uma imagem corporativa favorável perante os consumidores de seus produtos ou serviços, o que se traduz no retorno financeiro e de imagem esperado. Por seu lado, a classe artística também se beneficia, pois seus projetos têm maior chance de realização. 30 a. Ganhos do setor privado As leis de incentivo fiscal foram criadas para incentivar a participação da iniciativa privada no fomento e no desenvolvimento da cultura. Esse mecanismo é, sem dúvida, vantajoso para o setor privado, mas representa muito mais: é uma 3

4 Unidade III forma de contribuição do empresariado para o desenvolvimento da cultura e da sociedade. Quando a ação de marketing cultural é bem feita, os ganhos se estendem ao marketing institucional por conta da associação que o público faz da marca e de seus valores e princípios com causas nobres. b. Por que as empresas fazem marketing cultural As ações de marketing cultural estão em expansão no Brasil por apresentar meios de comunicação alternativos que atendem a três necessidades básicas do mercado: necessidade de diferenciação das marcas; diversificação do mix de comunicação das empresas para melhor atingir seu público; 1 e necessidade das empresas de se posicionarem como socialmente responsáveis. Assim, a empresa patrocinadora da ação cultural acaba sendo identificada com os principais valores dos projetos que apoia, seja tradição, competência ou outro qualquer. No momento em que a empresa usa o desenvolvimento da cultura como ação de marketing, ela está fazendo marketing cultural. c. Incentivo às artes e à cultura está ligado diretamente a benefícios sociais: Para a comunidade: 2 Geração de emprego Geração de renda 36

5 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL Para a classe artística Apoio aos projetos Para os patrocinadores e organizações Incentivo fiscal Marketing institucional 14 FORMA DE APOIO Existem três formas básicas de apoio cultural: a. Mecenato 1 2 É a mais antiga das formas de apoio à cultura. Remonta a algumas décadas antes do período cristão. Nessa fase a doação era feita exclusivamente para incentivar a cultura, não se pensava em conseguir com isso algum tipo de compensação. A segunda fase nos remete à época do Renascimento, entre os séculos XV e XVII. Reis, rainhas e demais nobreza escolhiam artistas para serem financiados por eles. Era uma forma de demonstrar poder, inteligência e, em muitos casos, de impressionar seus pares. A terceira etapa ocorreu em meados do século XX, nos Estados Unidos, em meio ao crescimento industrial. Quando as famílias dos imigrantes europeus começaram a fazer fortuna, viram no mecenato uma forma de se aproximar da sociedade norte-americana. b. Doação O dicionário explica doação da seguinte forma: Substantivo feminino Ato, processo ou efeito de doar alguma coisa. 37

6 Unidade III Derivação: por metonímia O bem ou o conjunto de bens doados; doário. Rubrica: termo jurídico 1 Contrato pelo qual uma pessoa (doador) transfere bens e/ou vantagens do seu patrimônio a outrem (donatário). No universo do marketing cultural, podemos entender a doação como a cessão de algo (objeto) ou como o simples apoio (financeiro ou de outra forma) aos mais variados tipos de atividade artística e cultural. Deve ser considerada como uma transferência gratuita de posse em definitivo, sem caráter de lucro. O modelo de doação não é muito utilizado no Brasil. A população em geral não possui o habito de fazer doações para a construção de hospitais, escolas, centros universitários, entre outros. Como já comentado anteriormente, iniciativas dessa natureza costumam ser vistas no país como dever único e exclusivo do Estado. c. Patrocínio 2 Muylaert (1994) define patrocínio, de acordo com a Lei Rouanet, da seguinte forma: Transferência gratuita e em caráter definitivo, para pessoa física ou jurídica de natureza cultural com ou sem fins lucrativos, de numerário para a realização de projetos culturais com finalidade promocional ou institucional de publicidade. A Lei Rouanet, que será detalhada posteriormente, diz o seguinte: 38

7 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL Cobertura de gastos ou utilização de bens móveis e imóveis de patrimônio do patrocinador, sem a transferência de domínio, para realização de projetos culturais por pessoa física ou jurídica de natureza cultural com ou sem fins lucrativos. 1 MARKETING CULTURAL E AS LEIS DE INCENTIVO 1 Antes de falarmos das leis de incentivo à cultura é importante salientar que o marketing cultural não deve ser baseado apenas em incentivos fiscais. Marketing cultural é uma ação que busca abrir um canal de comunicação entre a empresa e seu público-alvo. Empresas não patrocinam projetos culturais por caridade. Ao participar de algum projeto sempre estão visando auferir algum ganho, que pode se dar por meio do retorno institucional da marca. Outro ponto importante a ser levantado é que o termo marketing cultural só existe no Brasil. Em inglês o termo não faz sentido e em outros países de língua portuguesa também não. Isso porque se entende que marketing cultural nada mais é do que se usar a cultura como ferramenta para ações de marketing. A criatividade brasileira e a imprensa têm responsabilidade nessa história, principalmente a partir de 1986, com a criação da Lei Federal nº 70, a chamada Lei Sarney. 2 a. As leis de incentivo Quando falamos de leis de incentivo fiscal em apoio à cultura, temos que ter ciência de que essas leis implicam que o Estado abre mão dos recursos a que tem direito por meio do recolhimento de impostos. Dessa forma o Estado divide a responsabilidade do incentivo cultural com os empresários e possíveis patrocinadores. Existem hoje leis de incentivo federais, estaduais e municipais: 39

8 Unidade III as leis federais oferecem isenção no Imposto de Renda das pessoas físicas ou jurídicas; as estaduais proporcionam isenção de ICMS; as municipais, de IPTU e ISS Lei Sarney (revogada) Apesar de já revogada, essa lei abriu a porta para o aparecimento de várias outras. Criada nos anos 80, estimulou o envolvimento das empresas no patrocínio de eventos culturais. Ela propiciou um forte vínculo entre arte e empresa, aproximando o marketing social e o marketing cultural. O grande problema dessa lei foi a falta de rigor na seleção dos projetos apresentados, além do grande número de fraudes e da utilização de verbas de forma inadequada. 1 Acabou por ser revogada no governo Fernando Collor. Lei Mendonça (Lei Municipal nº.923) Criada pelo vereador Marcos Mendonça, a Lei Municipal nº.923 criou uma série de oportunidades para pessoas físicas e jurídicas, aperfeiçoando a Lei Sarney. Foi um grande passo para a conquista de novos financiamentos à cultura. Permite ao contribuinte abater do IPTU e do ISS um percentual de até 70% do valor do patrocínio. O desconto não pode ultrapassar % do total do imposto. 40

9 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL A diferença entre a verba destinada ao patrocínio e o desconto do imposto pode ser lançada em favor do contribuinte para o pagamento de outros impostos no prazo de 24 meses. 1 Lei do Audiovisual (Lei Federal nº 8.68) A Lei nº 8.68 trouxe uma série de vantagens para o investidor. Foi a primeira a permitir a dedução de todo investimento como despesa operacional, que se dá com a aquisição de cotas representativas de direito de comercialização sobre obras aprovadas pelo Ministério da Cultura, e sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários. Os investidores, apesar de poderem ter lucro sobre o investimento, não possuem responsabilidade sobre eventuais prejuízos, concordata ou falência dos produtores. permite desconto fiscal para o contribuinte que comprar cotas de filmes em produção; são chamadas de cotas de investimento e dão direito à participação nos lucros e à comercialização do projeto; limite de desconto no IR de 3% para pessoa jurídica e % para pessoa física; limite do investimento é de R$ 3 milhões; 2 para se enquadrarem na lei, os projetos precisam passar pela comissão da Secretaria para o Desenvolvimento do Audiovisual; estabelece que as empresas que investirem na produção de filmes poderão abater do IR devido a totalidade do capital, até o limite de 3% do imposto. Pessoas físicas podem abater até %. 41

10 Unidade III Lei de Incentivo à Cultura (Lei Estadual nº 8.819) A Lei nº criou o Programa Estadual de Incentivo à Cultura e instituiu o Conselho de Desenvolvimento, órgão responsável pela análise dos projetos apresentados para desenvolvimento da cultura. a inscrição dos projetos deve seguir em formulário específico da Secretaria do Estado da Cultura; valor máximo para um projeto cultural é R$ 0 mil; o Estado não pode destinar recursos superiores a 80% do custo total do projeto. 1 Lei Rouanet (Lei Federal nº 8.313) A Lei nº , de 1991, mais conhecida como Lei Rouanet, instituiu o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), que canaliza recursos para o desenvolvimento do setor cultural, com a finalidade de: estimular a produção, a distribuição e o acesso aos produtos culturais (CDs, DVDs, espetáculos musicais, teatrais, de dança, filmes e outras produções da área audiovisual, exposições, livros das áreas de ciências humanas, artes, jornais, revistas, cursos, oficinas na área cultural etc.); proteger e conservar o patrimônio histórico e artístico; estimular a difusão da cultura brasileira e a diversidade regional e étnico-cultural, entre outras. 1. O Pronac funciona por meio dos seguintes mecanismos de apoio: a. Fundo Nacional de Cultura (FNC) 2 i. Com os recursos do FNC, o Ministério da Cultura pode realizar uma série de ações, tais como: concessão de prêmios; apoio para a realização de intercâmbios culturais e outros programas divulgados por edital; 42

11 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL apoio para propostas que não se enquadram em programas específicos, mas que têm afinidade com as políticas públicas e relevância para o contexto onde irão se realizar (demanda espontânea), entre outras. 1 b. Incentivos fiscais por meio deste mecanismo, titulares de iniciativas que não se enquadram nos programas do Ministério da Cultura e nas políticas públicas traçadas em determinado período, mas que têm consistência e relevância para competir no mercado, podem buscar apoio junto a pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) e empresas tributadas com base no lucro real, que por sua vez terão benefícios fiscais sobre o valor incentivado. c. Fundos de Investimento Cultural e Artístico (Ficart) mecanismo até o momento não implementado; consiste na comunhão de recursos destinados à aplicação em propostas culturais de cunho comercial, com participação dos investidores nos eventuais lucros. A gestão dos mecanismos de incentivos fiscais e do FNC para a execução de propostas culturais, atualmente está assim distribuída pelas secretarias do Ministério da Cultura: 1. Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura (Sefic) 2 a. Fundo Nacional da Cultura (demanda espontânea, edital e Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural) e incentivo fiscal. Áreas contempladas: artes cênicas, artes visuais, artes integradas e patrimônio cultural. 2. Secretaria do Audiovisual (SAV) 30 a. Fundo Nacional da Cultura (demanda espontânea e edital) e incentivos fiscais. Áreas Contempladas: audiovisual. 43

12 Unidade III O incentivo fiscal da Lei Rouanet Neste mecanismo de apoio, a proposta cultural passa por uma análise no Ministério da Cultura. Se aprovada, o seu titular poderá buscar recursos para a execução junto a pessoas físicas ou empresas tributadas com base no lucro real, que terão o total ou parte do valor apoiado deduzido no Imposto de Renda (IR) devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação. As pessoas ou empresas que apoiam projetos culturais com benefícios fiscais são chamadas incentivadoras. 1. Quem pode obter apoio a. pessoas físicas com atuação na área cultural (artistas, produtores culturais, técnicos da área cultural etc.); b. pessoas jurídicas públicas de natureza cultural da administração indireta (autarquias, fundações etc.); 1 c. pessoas jurídicas privadas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos (empresas, cooperativas, fundações, ONGs, organizações sociais etc.) 2. O que pode ser apoiado 2 a. as propostas culturais podem abranger os seguintes segmentos, entre outros: teatro, dança, circo, ópera, mímica e congêneres; literatura; música; artes plásticas e gráficas, gravuras e congêneres; cultura popular e artesanato; patrimônio cultural material e imaterial (museu, acervo etc.). i. todas elas são recebidas pela Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura (Sefic). ii. Tudo que é relativo à área audiovisual (curta e média-metragem, festivais nacionais, oficinas, 44

13 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL programas de rádio e TV, sites etc.) é recebido pela Secretaria do Audiovisual (SAV). 3. Quem pode apoiar a. pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda; b. empresas tributadas com base no lucro real. Não podem apoiar por meio do incentivo fiscal: Microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Empresas com regime de tributação baseada em lucro presumido ou arbitrado. Doador ou patrocinador vinculado à pessoa, instituição ou empresa titular da proposta, exceto quando se tratar de instituição sem fins lucrativos, criada pelo incentivador. 4. Formas de apoio: doação e patrocínio 1 O apoio pode ser efetuado de duas formas: doação ou patrocínio. a. A doação compreende as seguintes ações: i. transferência definitiva e irreversível de recursos financeiros em favor do titular da proposta cultural; ii. transferência definitiva e irreversível de bens, em favor do titular da proposta cultural; iii. também se configura como doação o valor despendido com as despesas de restauração, 4

14 Unidade III conservação ou preservação de bem tombado pela União, por pessoa física pagadora do Imposto de Renda ou pessoa jurídica tributada com base no lucro real dele proprietária ou titular. Esse tipo de gasto também pode ser objeto de benefício fiscal. Na doação é proibido qualquer tipo de promoção do doador e só podem se beneficiar dela propostas culturais de pessoa física, ou jurídica sem fins lucrativos. b. O patrocínio compreende as seguintes ações: i. transferência definitiva e irreversível de dinheiro; ii. transferência definitiva e irreversível de serviços; iii. utilização de bens móveis ou imóveis do patrocinador, sem transferência de domínio; 1 iv. o patrocinador tem direito a receber até % do produto resultante do projeto (CDs, ingressos, revistas etc.) para distribuição gratuita promocional. Se houver mais de um patrocinador, cada qual receberá o produto em quantidade proporcional ao valor incentivado, respeitado o limite de % para o conjunto de patrocinadores. 2 No patrocínio pode haver publicidade do apoio com identificação do patrocinador, e qualquer proposta aprovada pode se beneficiar dele, inclusive as que estiverem em nome de pessoa jurídica com fins lucrativos.. Percentuais de abatimento no IR Os percentuais de abatimento no Imposto de Renda são os seguintes, conforme o artigo 26 da Lei 8.313/91: 46

15 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL Empresas: 30% do valor patrocinado; 40% do valor doado. Pessoa física: 60% do valor patrocinado; 80% do valor doado. 1 A dedução é limitada aos percentuais estabelecidos pela legislação do Imposto de Renda vigente, que atualmente é de 4% para pessoa jurídica e 6% para pessoa física. A empresa pode ainda lançar o valor incentivado como despesa operacional. Com a publicação da Lei 9.874/99 e da Medida Provisória nº /01, a pessoa física ou a empresa que apoiam projetos enquadrados em determinados segmentos, estabelecidos pelo artigo 18, passaram a ter a possibilidade de deduzir até 0% do valor doado ou patrocinado, também dentro dos limites da legislação do Imposto de Renda vigente. Nesse caso, no entanto, o valor incentivado não pode ser lançado como despesa operacional. Os segmentos são: Artes cênicas; Livros de valor artístico, literário ou humanístico; Música erudita ou instrumental; Exposições de artes visuais; Doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos e cinematecas, treinamento de 47

16 Unidade III pessoal e aquisição de equipamentos para manutenção desses acervos; Produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média-metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual (apenas produções independentes e cultural-educativas de caráter não comercial, realizadas por empresas de rádio e televisão); Preservação do patrimônio cultural material e imaterial (só é considerado como patrimônio o bem cultural oficialmente tombado, em esfera federal, estadual ou municipal; processo de tombamento em andamento não é considerado). 48

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

a questão das leis de incentivo à cultura

a questão das leis de incentivo à cultura a questão das leis de incentivo à cultura 25/10/2004 Dia 25/10 - das 8h30 às 11h Tema: A questão das leis de incentivo à cultura Palestrante: Gilberto Gil Ministro da Cultura a questão das leis de incentivo

Leia mais

Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções. principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor.

Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções. principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor. Histórico Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções realiza projetos em diversificados setores, atendendo principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor. Em 2010 abriu escritório

Leia mais

Copyright 2015 Declarando.

Copyright 2015 Declarando. Este Guia tem como objetivo democratizar o conhecimento em relação ao Imposto de Renda Pessoa Física, trazendo informações claras mas sem perder a seriedade com as fontes e o compromisso com a construção

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 INCENTIVOS FISCAIS Cultura Esporte - Saúde - Social Legislação, Benefícios e Oportunidades Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 CENÁRIO ATUAL Os mecanismos de incentivo fiscal federal, estaduais e municipais

Leia mais

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 LEI N 2.295 DE 19 DE OUTUBRO DE 1999. Dispõe sobre o Incentivo Fiscal para a cultura, cria o Fundo Municipal da Cultura - FMC no Município de Dourados - MS e dá

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1

Leia mais

LEI Nº 8.313, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991.

LEI Nº 8.313, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991. LEI Nº 8.313, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991. RESTABELECE PRINCÍPIOS DA LEI Nº 7.505, DE 2 DE JULHO DE 1986, INSTITUI O PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À CULTURA - PRONAC E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS MARCONDES WITT Auditor-Fiscal e Delegado-Adjunto da Receita Federal do Brasil em Joinville I like to pay taxes, with them I buy civilization.

Leia mais

Lei Rouanet e Vale Cultura

Lei Rouanet e Vale Cultura Lei Rouanet e Vale Cultura Novas Perspectivas de Financiamento da Cultura Brasileira São Paulo (SP), 02 de setembro de 2013 Indicadores de Exclusão Cultural Fonte: MinC - Ipea, 2007 Quantos brasileiros

Leia mais

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Márcia Terezinha Brunatto Bittencourt Mestranda em Música da Universidade Federal de Goiás e-mail: marciatbbittencourt@yahoo.com.br Sumário: A

Leia mais

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Se você ou sua empresa deseja patrocinar um projeto cultural aprovado pelo Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, isso significa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PRONAC N. 148285 APRESENTAÇÃO DO PROJETO Anjos da Noite Teatro (18 anos); apresenta o projeto Cadê a água!? com a montagem do Espetáculo Teatral Cadê a água!? e sua Circulação por 07 cidades de Santa

Leia mais

Leis de Incentivo à Cultura. Área de Música 12:13

Leis de Incentivo à Cultura. Área de Música 12:13 Leis de Incentivo à Cultura Área de Música Cláudio Urgel claudiourgel@musica.ufmg.br Principais Finalidades Criar um instrumento de política cultural Apoiar uma área que necessita de recursos para crescer

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA

LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA CULTURA E INVESTIMENTO PANORAMA E PERSPECTIVAS LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA PORTO ALEGRE, 26 DE MARÇO DE 2015 Retrato da Doação no Brasil (Fevereiro/2014) Estudo

Leia mais

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002 DECRETO 5.570, DE 15 DE ABRIL DE 2002. Regulamenta a Lei nº. 13.133, de 2001, que cria o Programa Estadual de Incentivo à Cultura, institui a Comissão Estadual de Desenvolvimento Cultural e adota outras

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS À MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS UM TRAJETO DE DISCUSSÃO QUE CHEGA A SUA ETAPA DECISIVA Foram seis anos de debate com os setores artísticos, acúmulo interno e gestão do atual modelo de fomento à cultura.

Leia mais

Incentivo à Cultura. Investir em Cultura é um Bom Negócio

Incentivo à Cultura. Investir em Cultura é um Bom Negócio Incentivo à Cultura Investir em Cultura é um Bom Negócio O que é Incentivo Cultural? Trata-se de um instrumento complementar, que dinamiza e impulsiona o fazer cultural, ao envolver o conjunto da sociedade,

Leia mais

Proposta elaborada pela Comissão Cultura em Movimento. F M A C Fundo Municipal para Arte e Cultura

Proposta elaborada pela Comissão Cultura em Movimento. F M A C Fundo Municipal para Arte e Cultura Proposta elaborada pela Comissão Cultura em Movimento F M A C Fundo Municipal para Arte e Cultura F M A C - Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal para Arte e Cultura e dá outras providências. Considerando

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento da Dependência Química. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa Nacional

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI No 451, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI No 451, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI No 451, DE 2011 Institui o Programa Nacional de Apoio à Assistência Social PRONAS e dá outras providências. Autor: Deputado THIAGO PEIXOTO Relator:

Leia mais

LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard

LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard INCENTIVO À CULTURA O Governo do Estado do Rio de Janeiro investe no setor cultural através de diferentes mecanismos de fomento. Assim

Leia mais

É Simples e Não Tem Custos

É Simples e Não Tem Custos INVESTIR EM CULTURA É Simples e Não Tem Custos TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA PATROCINAR PROJETOS NA LEI ROUANET 1 SUMÁRIO Direção Cultura 3 Investir em Cultura Antoine Kolokathis 4 Afinal, o que é

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO

2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO 2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO A Constituição Federal Brasileira de 1988 dedica, em sua Seção II, um Capítulo específico que cuida apenas da proteção e incentivo à cultura. No artigo 215 da Carta

Leia mais

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados Data de elaboração da ficha: Abr 2007 Dados da organização Nome: Fundação Seade Endereço: Av. Casper Líbero, 464, São Paulo, SP Site: www.seade.gov.br

Leia mais

MANUAL DO PATROCINADOR

MANUAL DO PATROCINADOR MANUAL DO PATROCINADOR Neste manual você irá encontrar informações sobre os serviços que o trevo criativo oferece aos patrocinadores, além de informações sobre o funcionamento e benefícios das leis de

Leia mais

Incentivos Fiscais: Cultura. Marcelo de Aguiar Coimbra mcoimbra@cfaadvogados.com.br

Incentivos Fiscais: Cultura. Marcelo de Aguiar Coimbra mcoimbra@cfaadvogados.com.br Incentivos Fiscais: Cultura Marcelo de Aguiar Coimbra mcoimbra@cfaadvogados.com.br Data 28 de Outubro de 2008 Curriculum Vitae Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia,

Leia mais

Unidade II ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade II ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Entendendo a origem da palavra cultura Do latim: verbo colo: cultivar; Particípio cultus = cultivar a terra. Sentido ampliado (alemão):

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/ins/2011/in11312011.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/ins/2011/in11312011.htm Page 1 of 12 Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011 DOU de 22.2.2011 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para fruição dos benefícios fiscais relativos ao Imposto sobre

Leia mais

Tratados e Acordos Internacionais na Área Cultural

Tratados e Acordos Internacionais na Área Cultural Perfil do Administrador Cultural Conhecimentos Básicos no Campo da Administração Cultural Planejamento Estratégico È a base e o início do trabalho do Administrador Cultural. O conhecimento dos objetivos,

Leia mais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais A B B C Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais MARCELO DE AGUIAR COIMBRA Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia, Alemanha.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Incentivo à Educação Escolar Básica Gratuita (PRONIE). O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Programa Nacional de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento da Dependência Química. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento

Leia mais

perfil São utilizadas modernas ferramentas, atuantes nas seguintes áreas: Formatação de ações culturais, ambientais e sociais;

perfil São utilizadas modernas ferramentas, atuantes nas seguintes áreas: Formatação de ações culturais, ambientais e sociais; perfil A D'color Produções Culturais é uma empresa que tem como objetivo assessorar, planejar e executar projetos ambientais, sociais e culturais, em parceria com instituições, produtoras e artistas dos

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008. RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008. RESTABELECE O RECEBIMENTO DE PROJETOS CULTURAIS CUJA REALIZAÇÃO ESTEJA PREVISTA PARA O PERIODO COMPREENDIDO ENTRE JANEIRO E ABRIL DE 2009, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET. produções

PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET. produções PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET produções A CULTURA NO BRASIL Os últimos dados do MINISTÉRIO DA CULTURA destacam que: - Apenas 14% dos brasileiros frequentam as salas de CINEMA; - 92% da

Leia mais

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Módulo 2: Leis de incentivo André Fonseca Santo André / maio 2009 Pronac Programa Nacional de Apoio à Cultura (1991) estabeleceu três mecanismos de

Leia mais

Presidente do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura Augusto César Costa. Presidente do Banco do Nordeste do Brasil Roberto Smith

Presidente do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura Augusto César Costa. Presidente do Banco do Nordeste do Brasil Roberto Smith Concebida como um espaço de divulgação da Cultura em todas as suas vertentes, a Coleção Nossa Cultura constitui-se de duas linhas editoriais fundamentais: a Série Documenta, de caráter Institucional, define-se

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura Programa 0168 LIVRO ABERTO Objetivo Estimular o hábito da leitura, facilitando o acesso às bibliotecas públicas e propiciar a difusão do conhecimento científico, acadêmico e literário. Indicador(es) Taxa

Leia mais

Transforme seu imposto em música

Transforme seu imposto em música LEI FEDERAL DE INCETIVO À CULTURA LEI ROUANET Transforme seu imposto em música Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco O QUE É A LEI ROUANET A Lei Rouanet (Lei 8.313/1991), instituiu o Programa

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

Advogado militante e cientista social. Mestre em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC-SP. Conselheiro da OAB-RJ e Presidente da sua Comissão de

Advogado militante e cientista social. Mestre em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC-SP. Conselheiro da OAB-RJ e Presidente da sua Comissão de Advogado militante e cientista social. Mestre em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC-SP. Conselheiro da OAB-RJ e Presidente da sua Comissão de Direito Ambiental. Membro da CONDA ( Comissão de Direito

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA Programa de Voluntariado da Classe Contábil Com o objetivo de incentivar o Contabilista a promover trabalhos sociais e, dessa forma, auxiliar

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações importantes para o Contador da Empresa

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações importantes para o Contador da Empresa Informações importantes para o Contador da Empresa É a lei que institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura PRONAC, visando à captação de recursos para investimentos em projetos culturais. As pessoas

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni

Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni PANORAMA HISTÓRICO BRASILEIRO: Históricamente o Brasil viveu 20 (vinte) anos de regime militar. Neste período houve um grande esforço

Leia mais

A LEI ROUANET E SEUS MECANISMOS DE INCENTIVO À CULTURA

A LEI ROUANET E SEUS MECANISMOS DE INCENTIVO À CULTURA ESTUDO A LEI ROUANET E SEUS MECANISMOS DE INCENTIVO À CULTURA Kátia dos Santos Pereira Consultora Legislativa da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO MAIO/2009 Câmara dos Deputados

Leia mais

- Aspectos limitadores: Produção com custo alto; Orçamentos mal elaborados; Dificuldade na análise e avaliação; Inadequação ao perfil empresarial;

- Aspectos limitadores: Produção com custo alto; Orçamentos mal elaborados; Dificuldade na análise e avaliação; Inadequação ao perfil empresarial; MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL EAD MÓDULO XIX - RESUMO A evolução do ser humano no decorrer da história está associada diretamente ao conceito de cultura, que engloba os costumes e as experiências repassadas

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE CULTURA CENTRO DE CULTURAS POPULARES E IDENTITÁRIAS FUNDO DE CULTURA Nº. PROTOCOLO (Uso exclusivo da SECULT) FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

Leia mais

1º GV - Vereador Andrea Matarazzo. Lei Municipal n. 15.948 de 26 de dezembro de 2013 (PROJETO DE LEI Nº 43/2013 Vereador Andrea Matarazzo)

1º GV - Vereador Andrea Matarazzo. Lei Municipal n. 15.948 de 26 de dezembro de 2013 (PROJETO DE LEI Nº 43/2013 Vereador Andrea Matarazzo) Lei Municipal n. 15.948 de 26 de dezembro de 2013 (PROJETO DE LEI Nº 43/2013 Vereador Andrea Matarazzo) Institui o Programa Municipal de Apoio a Projetos Culturais Pro-Mac, dispõe sobre incentivo fiscal

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Disposições Gerais. Atenção para o prazo de inscrição. Data de inicio 11/01/2016. Data Final: 29/01/2016. Passo a passo do envio dos projetos

Disposições Gerais. Atenção para o prazo de inscrição. Data de inicio 11/01/2016. Data Final: 29/01/2016. Passo a passo do envio dos projetos Disposições Gerais As inscrições dos projetos serão aceitas com a entrega física do projeto com plano de trabalho, planilha orçamentária, folha de apresentação à Cemar e certificado de mérito ou protocolo

Leia mais

Nova Lei da Cultura. Material informativo sobre o projeto de lei de fomento e incentivo

Nova Lei da Cultura. Material informativo sobre o projeto de lei de fomento e incentivo Nova Lei da Cultura Material informativo sobre o projeto de lei de fomento e incentivo Nova Lei da Cultura Mais recursos, mais bem aplicados, para todas as dimensões da cultura, em todas as regiões do

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM ADMINISTRAÇÃO Núcleo de Estudos Avançados em Terceiro Setor

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM ADMINISTRAÇÃO Núcleo de Estudos Avançados em Terceiro Setor Eu rabisco o sol que a chuva apagou Renato Russo PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM ADMINISTRAÇÃO Núcleo de Estudos Avançados em Terceiro Setor Incentivos

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Índice. 1. O Natura Musical. 2. Tipos de projetos beneficiados. 3. Como participar dos editais. 4. Qual o caminho até o patrocínio

Índice. 1. O Natura Musical. 2. Tipos de projetos beneficiados. 3. Como participar dos editais. 4. Qual o caminho até o patrocínio 2015 Índice 1. O Natura Musical 2. Tipos de projetos beneficiados 3. Como participar dos editais 4. Qual o caminho até o patrocínio 5. Atendimento aos proponentes Anexos: Contrapartidas e 3 4 6 9 16 17

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Captação de Recursos Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Como Captar Recursos? Existem diversas maneiras das organizações conseguirem

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Outubro-2010 ESTADO BRASILEIRO SUBSIDIÁRIO COM A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL DEMAREST ADVOGADOS - CARLOS EDUARDO ORSOLON (CEORSOLON@DEMAREST.COM.BR) - RICARDO VALIM (RVALIM@DEMAREST.COM.BR) 29 DE MAIO DE 2014 INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

Leia mais

Incentivo Fiscal. Uma abordagem sobre a sua utilização em projetos sociais. PJW

Incentivo Fiscal. Uma abordagem sobre a sua utilização em projetos sociais. PJW Incentivo Fiscal Uma abordagem sobre a sua utilização em projetos sociais. PJW Objetivo Conhecer as principais leis de incentivo fiscal e sua utilização com foco em ações sociais. Compreender as dificuldades

Leia mais

CAPÍTULO I Da Caracterização do Sistema Estadual da Cultura - SIEC

CAPÍTULO I Da Caracterização do Sistema Estadual da Cultura - SIEC LEI Nº 13.811, DE 16. 08.06 (DO 22.08.06) INSTITUI, NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL, O SISTEMA ESTADUAL DA CULTURA - SIEC, INDICA SUAS FONTES DE FINANCIAMENTO, REGULA O FUNDO ESTADUAL DA CULTURA

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 MANUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS DOAÇÕES EFETUADAS À FFM São Paulo SP 2014 Índice Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 1. Doações a Entidades sem Fins Lucrativos... 5 1.1. Imposto de Renda e Contribuições

Leia mais

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura ANEXO IV CINE MAIS CULTURA BAHIA PROJETO TÉCNICO I. Identificação da Iniciativa 1. Nome da Proponente: 2. Esta ação é inscrita por: [Indique somente 1 (uma) alternativa] Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Prefeitura Municipal De Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal De Belém Secretaria Municipal de Finanças DECRETO MUNICIPAL N 35416, DE 25 DE JUNHO DE 1999. 02/07/99. Regulamenta a Lei n 7.850,17 de Outubro de 1997, que dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para a realização de Projetos Culturais

Leia mais

Incentivos Fiscais ao Esporte

Incentivos Fiscais ao Esporte Incentivos Fiscais ao Esporte Lei nº 11.438/06 (Lei Federal de Incentivo ao Esporte) José Ricardo Rezende Advogado e Profissional de Ed. Física Autor do Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte MECÂNICA

Leia mais

Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esportes. Túlio Gontijo Rocha Brasília, 14 de setembro de 2011

Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esportes. Túlio Gontijo Rocha Brasília, 14 de setembro de 2011 "A criação e a implementação de um programa de colaboração e intercâmbio programa de colaboração e intercâmbio de conteúdos culturais entre Estados que i t C id d d P í d integram a Comunidade dos Países

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios.

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. O Instituto Abramundo é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e com isso pode receber doações e incentivos para a execução de seus

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS OS INCENTIVOS FISCAIS Incentivos fiscais são instrumentos utilizados pelo governo para estimular atividades específicas, por prazo determinado (projetos). Existem

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES GRUPO VOLVO América latina

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES GRUPO VOLVO América latina POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES GRUPO VOLVO América latina índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS Do Grupo Volvo América Latina...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

A Cultura na Ponta do Lápis

A Cultura na Ponta do Lápis A Cultura na Ponta do Lápis Priscila Severo Ramos Resumo: O presente artigo tem como objetivo discutir a importância da execução de um planejamento para a realização da captação de recursos para projetos

Leia mais

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br As mudanças no funcionamento do Fundo da Criança e do Adolescente trazidas pela lei nº 12.594 de 18 de janeiro de 2012, que institui o SINASE, e as implicações para diferentes atores do Sistema de Garantia

Leia mais

Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural

Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural Consolidação das Propostas de Estratégias Âmbito Nacional Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural 1.1. Regulamentar a relação entre a produção de conteúdo independente e o sistema de comunicação.

Leia mais

Questionário do Mapeamento de Residências Artísticas

Questionário do Mapeamento de Residências Artísticas 1 Questionário do Mapeamento de Residências Artísticas Este questionário é dividido em partes. Na medida em que o respondente vai preenchendo cada parte, a seguinte é disponibilizada, neste caso, ele poderá

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Programa de Previdência OUROFINO. Manual do Participante

Programa de Previdência OUROFINO. Manual do Participante Programa de Previdência OUROFINO Manual do Participante Um excelente investimento no presente e a garantia de um futuro tranquilo Programa Previdenciário Empresarial Itaú - OUROFINO Regras do Programa

Leia mais

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Meta 1.1 Levantar e catalogar anualmente, dados e informações acerca da diversidade cultural, do município de Paranaguá; identificar a vocação

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INCENTIVO: MUDAR OU APERFEIÇOAR?

LEGISLAÇÃO DE INCENTIVO: MUDAR OU APERFEIÇOAR? LEGISLAÇÃO DE INCENTIVO: MUDAR OU APERFEIÇOAR? ANA FLÁVIA FERREIRA GODOI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CAPTADORES DE RECURSOS ABCR ABA MARKETING CULTURAL 16 DE JUNHO DE 2016 Quem é a ABCR? www.captadores.org.br

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais