Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1"

Transcrição

1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de

2 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar e enquadrar a necessidade de desenvolvimento nacional dentro de uma visão global a longo prazo adequando-o as demandas locais através da descentralização e personalização da prestação de serviços. Tomada de decisão é baseada na coordenação de vários níveis de decisão e na construção de consensos entre vários actores provenientes de múltiplos sectores e instituições

3 A tomada de decisão mais participativo e transparente. Transformação do sector público passar de prestador de serviços a facilitador de serviços e gerador de relações multisectoriais e multigovernamentais. Perspectiva cidadão-cliente. Aumento da capacidade de actuar em rede para maximizar o resultado público. Mudança de paradigma na Administração Pública

4 Passar de um modelo clássico da administração que se limita às meras funções burocráticas de controle da aplicação das regras e regulações para um modelo de gestão pública baseado na eficiência e nos resultados. Mais atenta e próxima das demandas do cidadão e das empresas prestando um serviço de qualidade com recurso cada vez maior às TIC s. Exigência de um conjunto particular de competências e capacidades

5 Parceria com o UNITAR (Instituto de Treino e Investigação das Nações Unidas). Plano de qualificação como elemento da gestão integrada dos RH com a preocupação de alinhamento com outros instrumentos e medidas: Racionalização de estruturas, PCCS, Mobilidade, novas práticas de recrutamento, avaliação de desempenho pessoal,

6 A necessidade de reforçar as capacidades Institucionais para a implementação da Reforma do Estado e da Administração Pública, com adaptação do modelo de governo a longo prazo. A necessidade de adequar as capacidades individuais às novas funções estratégicas definidas e às prioridades da Administração Pública, baseada no modelo de desenvolvimento do país, com ênfase, notadamente, na apropriação de processos e instrumentos modernos de gestão pública

7 Adequar o perfil técnico, profissional e pessoal dos Funcionários e dirigentes às exigências da Reforma do Estado e da Administração Pública tendo em vista a realização e sustentação dos objectivos de desenvolvimento

8 Contribuição à emergência de uma nova cultura organizacional na Administração Pública. Institucionalização de práticas de formação contínua na Administração Pública. Níveis elevados de desempenho individual e organizacional. Melhor serviço para os cidadãos e para as empresas. Melhor social ). governação (financeira, económica

9 Capacitação para Liderança e Gestão da Mudança. Capacitação em Planeamento Estratégico e Gestão de Políticas Públicas. Capacitação em Gestão Integrada de Recursos Humanos. Capacitação em Gestão Financeira e Patrimonial. Capacitação Institucional, Técnica e Pedagógica em Elaboração, Gestão e Avaliação de Programas de Formação

10 Capacitação dos Recursos Humanos Estratégicos da Justiça e da Segurança. Capacitação para a Interactividade Sectorial. Capacitação para a Gestão do Desenvolvimento Local. Capacitação para o Empreendedorismo e Inovação. Capacitação do Pessoal Administrativo, de Secretariado e Apoio

11 Aprovação do PQRH pelo Conselho de Ministros. Criar uma equipa de coordenação. Reforço das relações com os DGPOG s. Pontos focais sectoriais. Chefes de fila. Parceria com a Escola de Negócios e Governação (ENG) UNICV para executar as formações. Empresas privadas

12 Criação de um Dispositivo Nacional de Execução (DNE). Criação de um Fundo Nacional de Formação (FNF). Programação anual de acções de formação. Mobilização dos recursos financeiros

13 O PQRH foi aprovado no Conselho de Ministros. Foi criada a equipa de coordenação. Estreitamento das relações com os DGPOG s. Indigitação de Pontos focais sectoriais (adm. central e local). Identificação dos Chefes de fila. Assinatura de um protocolo de serviço com a Escola de Negócios e Governação (ENG) UNICV

14 Elaboração/aprovação da Resolução que cria o Dispositivo Nacional de Execução. Elaboração do diploma que cria o Fundo Nacional de Formação. Programação de acções de formação de Mobilização dos recursos financeiros (Orçamento de Estado, PNUD, Cooperação Francesa). Implementação do PQRH em Formação/apresentação para todos os intervenientes directos do PQRH

15 1- Gestão da formação; 2- Formação em planeamento e gestão de desenvolvimento; 3 -Liderança para chefias intermédias e jovens quadros; 4 -Atendimento e melhoria de serviço público; 5 -Cooperação, parcerias e contratos internacionais; 6 - Liderança e desenvolvimento gerencial; 7 - Capacitação para gestão integrada dos recursos humanos;

16 8- Processos orçamentais: programação, execução, controlo e TIC s; 8B Processos orçamentais: programação, execução, controlo e utilização de TIC s (Municípios); 9 Aperfeiçoamento de formadores da ENG. 10 Crescimento urbano, serviços desenvolvimento sustentável (não foi realizado). e Características: Os cursos foram estruturados em fases (presenciais, a distância e seguimento no posto de trabalho)

17 Público-alvo de acordo com o perfil exigido (dirigentes, DGPOG s e equiparados, técnicos superiores, pessoal de atendimento e apoio administrativo). Discussão e aprovação do programa dos cursos com os chefes de fila. Indigitação dos formandos pelos DGPOG s através dos pontos focais. Programa/conteúdos de formação flexível

18 As primeiras fases (presenciais) dos cursos foi muito positivo no tocante a participação dos formandos. As fases a distância teve muito pouca aderência A última fase (presencial) dos cursos a participação, na maioria dos casos, foi baixa. Razões da fraca participação/aderência: Alguma dificuldade em aceder o blogue criado para as partilhas de experiência ou a não compreensão do funcionamento do blogue

19 Falta de tempo e esquecimento, etc. A fraca participação na última fase foi devido a coincidência entre esta e o fecho do ano económico nos ministérios

20 Avaliaram de forma positiva: Os conteúdos corresponderam as suas expectativas e das suas necessidades. Formadores excelentes profissionais e com domínio dos conteúdos, boa capacidade de transmissão de conhecimentos. Metodologia adoptada adequada ao público alvo e muito interactivo/participativo, aproveitando as experiências vividas. A coordenação das formações feita pela equipa de coordenação do plano

21 Avaliaram de forma negativa: O tempo consideraram que o tempo é insuficiente. O horário muito intensivo. Muitas horas seguidas. Grupo muito heterogéneo

22 Analise por sexo

23 Analise por Função

24 Análise por função no curso de atendimento

25 Dirigentes por sexo

26 Dirigentes Sexo Masculino/Cursos

27 Dirigentes Sexo Feminino/Cursos

28 Tivemos formandos de todas as ilhas. Praticamente todos os DGPOG s participaram nas formações

29 Governo de Cabo Verde Orçamento do Estado ECV Nações Unidas PNUD ECV Cooperação Francesa ECV Total ECV

30 Custo final com as acções de formação ECV

31 Positivo conseguiu-se executar a maioria das condições prévias (já elencadas). Os cursos planeados foram executados na maioria (excepto uma por falta de recursos financeiros) com conteúdos adaptados as necessidades dos formandos. Conseguiu-se trabalhar em coordenação com os DGPOG e os chefes de fila. Houve uma grande procura/aceitação dos cursos pelos funcionários

32 Descentralizar as acções de formação. Investir na formação a distância através da plataforma e-learning. Acção de formação para membros do governo Acção de formação com todos DGPOG s. Melhor coordenação com os pontos focais na escolha dos formandos. Maior divulgação das acções de formação anual

33 Reforço das relações com as escolas/institutos da Administração Pública dos diferentes países parceiros. Plano de formação sectorial. Implementar mecanismos de seguimento e avaliação das formações executadas

34 Curso 1 Técnicas de Secretariado e Protocolo; Curso 2 Atendimento e Melhoria do Serviço Público; Curso 3 Capacitação dos Técnicos e Dirigentes do Fundo de Formação e Serviços Conexos; Curso 4 Capacitação em Direito Internacional; Curso 5- Higiene e Segurança no Trabalho

35 Curso 6 Modernização da Gestão Pública Local: Desenvolvimento Sustentável e Empreendedorismo; Curso 7 Práticas Integradas de Recursos Humanos: Módulo 1 Mapeamento e Avaliação de Competência; Módulo 2 Contratos de Gestão e Modelos de Gestão por Resultados; Módulo 3 Avaliação de Desempenho; Módulo 4 Gestão de Projectos de Desenvolvimento; Módulo 5 Concepção, Desenvolvimento, Seguimento e Avaliação de Formação. Módulo 6 - Capacitação para o domínio do quadro legal da APUB e da Reforma do Estado"

36 Equipa de Coordenação do PQRH Aurisa Santos Marcelina Chantre Suzan Reverdes

Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública, 2010-2015

Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública, 2010-2015 Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública, 2010-2015 Parceria com o UNITAR, mobilização de capacidades institucionais e serviços Plano de qualificação

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde

TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde ANTECEDENTES O Projeto "Apoio à implementação de um Programa

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP. Sessão de Abertura. Vítor Santos, Presidente da RELOP. Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP,

III Conferência Anual da RELOP. Sessão de Abertura. Vítor Santos, Presidente da RELOP. Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP, III Conferência Anual da RELOP Sessão de Abertura Vítor Santos, Presidente da RELOP Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP, Caro Dr. Nelson Hubner, Director Geral da ANEEL, Estimados colegas reguladores,

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Together We Create Value

Together We Create Value Together We Create Value APRESENTAÇÃO DA MUNDISERVIÇOS LISBOA 2015 A história da MundiServiços carateriza-se por um percurso de inovação e de investimento na excelência dos seus serviços, assim como por

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Pedro Costa Instituto Universitário de Lisboa ISCTE-IUL (Dep. Economia

Leia mais

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a mobilidade, a coesão social e a igualdade de género,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. SEMINÁRIO SOBRE EMPRESAS EUROPEIAS E AS QUESTÕES

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

Resposta e fundamentação dos critérios de seleção

Resposta e fundamentação dos critérios de seleção Para aceder à versão editável clique AQUI Programa Operacional Entidade: NIF: Nº Qualidade e diversidade de parcerias ou protocolos com instituições, empresas ou outros agentes a nível regional ou nacional,

Leia mais

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 Figura 41 Vulnerabilidade dos aquíferos. Figura 42 Infra-estruturas de transporte existentes e previstas. Figura 43 Evolução da população residente

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. www.vantagem.com PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. www.vantagem.com PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Um Mundo de Soluções

Um Mundo de Soluções Um Mundo de Soluções O ISQ Fundado em 1965 Sede em Portugal 30 + PARTICIPADAS O ISQ I&D 400 + projectos internacionais de I&D 1.200 + parceiros 1.400 colaboradores 800 em Portugal 55% + com formação superior

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada João da Cruz Borges Silva Palmarejo Praia, Cabo Verde Telefone (+238)927-05-39 Fax (+238)262-35-51 Correio electrónico

Leia mais

ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE

ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE 1 ACESSIBILIDADE DAS TIC PARA O ENSINO SUPERIOR EM CABO VERDE Resumo: 1-Maria de Lourdes Spencer Lopes dos Santos\ 2-Introduçao As TIC para o Ensino Superior em Cabo Verde cujo aparecimento é bastante

Leia mais

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL 1 Na concretização destas políticas dar-se-á seguimento à execução do actual Plano para a Integração dos Imigrantes onde o Governo contará com os contributos da sociedade

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos»

Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos» Anexo III Tese de Mestrado: O e-learning nos Processos de RVCC de Nível Secundário Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos» Tema Estudo O e-learning nos Processos de RVCC de Nível Secundário:

Leia mais

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo 1 Índice de Conteúdos Enquadramento Mensagem de Apresentação do Serviço de Apoio ao Investidor e à Viabilização Empresarial (SAIVE) Mensagem do Senhor Presidente

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Intervenção da Ministra da Saúde de Portugal, Ana Jorge (PECS) Caros Colegas, As vossas intervenções são demonstrativas da nossa

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Factos rápidos Países: Lesoto, Malawi, Moçambique, África do Sul Avaliação final Modo de avaliação: Independente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta Data elaboração 2010-04-21 Melhorar a participação das entidades interessadas Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração

Plano Nacional de Saúde 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 2011 2016 Visão, modelo conceptual e estratégia de elaboração 1/25 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivos de um Plano Nacional de Saúde... 3 O Plano Nacional de Saúde 2004 2010... 3 Alto Comissariado

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA SA11757 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA Antecedentes/Introdução: 1. Em 2004,

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 Pressuposto O impacto

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique,

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Senhores Membros do Conselho de Ministros Excelências, Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Exmo Senhor Secretário-geral da Organização

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

I. Actividade da APAVTForm

I. Actividade da APAVTForm FORMAÇÃO PROFISSIONAL Objectivos I. A actividade da APAVTForm II. O e-learning na Formação dos Profissionais de Turismo III. Projecto Madeira Specialist Email: pmoita@apavtform.pt 1 I. Actividade da APAVTForm

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Sumário das actividades do IPIM em 2009

Sumário das actividades do IPIM em 2009 Sumário das actividades do IPIM em 2009 Tendo em consideração a situação do mercado internacional e o crescimento económico local, o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM)

Leia mais

Políticas. Política da participação

Políticas. Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos seu cliente e à participação de outras entidades interessadas na melhoria dos processos da qualidade

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane

Universidade Eduardo Mondlane Universidade Eduardo Mondlane - Pobreza Urbana Intercâmbio entre a Ciência e a Prática - 16 Abril de 2008 Governação Municipal Participativa e a Redução da Pobreza Fernando Vieira 1 2 Estrutura e Objectivo

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONSULTORIA SOBRE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TERMOS DE REFERÊNCIA FEVEREIRO de 2014 INDICE 1.TITULO... 3 2. CONTEXTO.3

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO CADERNO FICHA 4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO 4.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA E TÉCNICA

RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA E TÉCNICA RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA E TÉCNICA PROPOSTA DE ANTEPROJECTOS DE DIPLOMAS QUE REGULAMENTAM A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS SISTEMAS NACIONAL DE CONTROLO DE ALIMENTOS - SNCA E INTEGRADO DE ALERTA

Leia mais

Apresentação Pública. Auditório do CITEVE, Vila Nova de Famalicão. 25 de Março de 2008

Apresentação Pública. Auditório do CITEVE, Vila Nova de Famalicão. 25 de Março de 2008 Muito Obrigado! Apresentação Pública Auditório do CITEVE, Vila Nova de Famalicão 25 de Março de 2008 OBJECTIVO Este trabalho não tem a pretensão de criar um Plano Estratégico formal, uma espécie de cartilha

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Caracterização do Curso de Formação de eformadores

Caracterização do Curso de Formação de eformadores Caracterização do Curso de Formação de eformadores 27 Titulo do Curso Curso de Formação de eformadores Titulo dos Módulos Módulo de Integração Módulo 1: Evolução Histórica e Teorias do Ensino e Formação

Leia mais

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa Guilherme Vilaverde Brasília 26 de Agosto de 2009 Objectivos da Apresentação Caracterizar o Sector Cooperativo de Habitação em

Leia mais

1. Introdução. 2. Objetivo geral. Av. Acordos de Lusaka, 2115 C.P. 2020 Maputo Telefone: 21466407, 21466244, 21465299 Fax: 21465849 1

1. Introdução. 2. Objetivo geral. Av. Acordos de Lusaka, 2115 C.P. 2020 Maputo Telefone: 21466407, 21466244, 21465299 Fax: 21465849 1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Direcção Nacional de Gestão Ambiental Projecto de REDD+ Termos de Referência Consultoria para Avaliação Ambiental e Social Estratégica

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência Consultoria Nacional Guiné-Bissau Identificação da Consultoria Contratação de consultoria

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

Prova de Conceito Saúde

Prova de Conceito Saúde Prova de Conceito - Saúde Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e Retalho Turismo

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO Certificação de Nível 1 A formação deste nível é, assim, iminentemente, residual, visto que a maioria dos docentes a

Leia mais

O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional.

O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional. O Secretariado da SADC é agora cumpridor dos padrões internacionais de boa prática de gestão institucional. 1 Intervenção 1: Capacitação durante a reforma institucional Contexto O Secretariado da SADC

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES 85 Actualidades III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES O Instituto de Seguros de Portugal participou, através do seu Presidente, no III Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões, realizado

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Política Francesa em matéria de Responsabilidade Social Empresarial Michel Doucin Embaixador para a Bioética e Responsabilidade Social Empresarial (RSE) França Maio - Junho 2013 Plano da

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa O papel do Entre Douro e Vouga Digital no combate à info-exclusão e no estímulo à participação cívica electrónica luis.ferreira@edvdigital.pt

Leia mais

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website.

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. marketing e comunicação SITE E IMAGEM INSTITUCIONAL Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. Entender o enquadramento

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira

Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira Dinâmicas de transformação das relações laborais em Portugal, DGERT, Colecção Estudos * Autora - Prof.ª Doutora Conceição Cerdeira Este Livro corresponde à publicação da Dissertação de Doutoramento da

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO INSTALAÇÕES B-TRAINING, CONSULTING

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: A Pós-Graduação em Gestão Estratégica dos Recursos Humanos e Inovação tem como objectivo geral dotar os gestores,

Leia mais