Produção da safra 2017/2018 Total do Estado de São Paulo

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção da safra 2017/2018 Total do Estado de São Paulo"

Transcrição

1 RESULTADOS DA SAFRA 2017/2018

2 Produção da safra 2017/2018 Total do Estado de São Paulo 12,61 bilhões de Litros de etanol 46,6% Brasil 12,2% Mundo 347 milhões de toneladas de cana 24,64 milhões de toneladas de açúcar 62,4% Brasil 13,7 % Mundo Fonte: CONAB 2018, Renewable Fuels Association 2018, United States Department of Agriculture, 2017

3 Certificado Etanol Verde solicitações de renovação Existem 160 usinas em operação no Estado Unidades Agroindustriais 130 certificados concedidos Associações de Fornecedores de Cana 21 solicitações de renovação 21 certificados concedidos fornecedores de cana signatários As signatárias do Protocolo são responsáveis por aproximadamente 98% da produção paulista e 46% da produção nacional de etanol ha (23,5% da área agricultável do Estado) estão compromissados com boas práticas agroambientais pelas signatárias. Fonte: Protocolo Agroambiental, LUPA, CONAB, MAPA

4 Milhões de hectares Milhões de toneladas de CO2 eq Emissões evitadas pela redução das autorizações de queima 6 5,36 5,51 5,64 5,42 9,91 11,0 10,0 5 4,73 4,80 4,66 4,81 9, ,24 1,64 3,79 1,91 3,92 4,07 2,08 2,06 0,39 0,46 0,41 0,49 1,55 1,09 1,22 0,92 0,73 0,87 1,11 0,61 Emissões de GEE evitadas: equivalentes a 173 mil ônibus circulando durante 1 ano 1,50 1,59 0,61 0,26 0,19 0, / / / / / / / / / / / /2018 Total Emissão de CO2 eq evitada Área de Colheita Área de queima autorizada 0,64 0,05 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Desde o início do Protocolo, deixou-se de emitir autorizações de queima que resultariam na emissão de mais de 9,91 milhões de toneladas de CO 2 eq e mais de 59 milhões de toneladas de poluentes atmosféricos (monóxido de carbono, material particulado e hidrocarbonetos) Fonte: Protocolo Agroambiental, CETESB, CANASAT, Agrosatélite

5 Número de Colhedoras próprias Colheita mecanizada no Protocolo Agroambiental Evolução do Número de Colhedoras de Cana no Protocolo Agroambiental colhedoras terceirizadas / / / / / / / / / / / / % 80% 60% 40% 20% 0% Safras Responsável pela colheita mecanizada das propriedades dos fornecedores de cana signatários / / /2018 Usina Fornecedor Condomínio Agrícola Outro Os fornecedores de cana realizaram investimentos para aquisição de frentes de colheita mecanizada nas últimas safras para atingir as metas do Protocolo Agroambiental Fonte: Protocolo Agroambiental, UNICA, ORPLANA, CTC

6 Incêndios Florestais O combate aos incêndios florestais geralmente é realizado por usinas no âmbito de PAM/RINEM ou de acordos regionais. Cerca de caminhões pipa e brigadistas compõe a força de combate a incêndios florestais das usinas signatárias Participação das usinas signatárias em estruturas regionais de combate a incêndios florestais 83% 17% PAM, RINEM ou outros Nenhum Fonte: Protocolo Agroambiental

7 Áreas Ciliares hectares de áreas ciliares compromissados com a proteção e recuperação pelo setor sucroenergético Unidades Agroindustriais ha Fornecedores de cana ha Existem mais de nascentes declaradas nas áreas agrícolas administradas pelas usinas e pelos fornecedores de cana signatários Fonte: Protocolo Agroambiental

8 Milhões de mudas A maioria das usinas possui viveiros de mudas nativas e é agente regional de restauração Mudas de Árvores Nativas das Usinas Signatárias 6 Desde as safra 2012/2013, as usinas produzem uma quantidade de mudas nativas superior à quantidade plantada, contribuindo para a restauração ambiental de suas regiões ,95 2,84 2,59 3,06 3,30 3,89 3,91 4,05 4,35 4,86 4,14 4,59 4,47 3,67 3,75 2,74 4,17 2,94 3,49 2,54 4,86 3, / / / / / / / / / / /2018 Mudas produzidas em viveiro próprio Mudas Plantadas Desde o início do Protocolo Agroambiental, as usinas signatárias realizaram o plantio de cerca de 38 milhões de mudas de espécies nativas Fonte: Protocolo Agroambiental

9 M 3 de água/ t de cana processada Consumo de Água nas Usinas Desde 2010, houve 40% de redução no consumo de água das usinas para o processamento industrial da cana-de-açúcar Diminuição do consumo de água refletiu investimentos para atendimento às metas do Zoneamento Agroambiental. Fechamento de circuitos com reuso de água; Aprimoramento dos processos industriais: maior eficiência e redução da captação. Avanço da colheita crua e limpeza da cana a seco. Protocolo Agroambiental + Zoneamento Agroambiental Fonte: Protocolo Agroambiental

10 Produção de energia elétrica Usinas signatárias do Protocolo Bagaço de cana + palha 5,3 mil MW de potência instalada GWh de energia elétrica produzida GWh de energia elétrica exportada 36% do consumo residencial anual paulista Fonte: Protocolo Agroambiental e Balanço Energético do Estado de São Paulo 2017 Ano base 2016

11 Protocolo Etanol Mais Verde Firmado em junho de 2017 entre a SMA, SAA, CETESB, UNICA e ORPLANA para supercar os desafios trazidos pela mecanização da colheita da cana e consolidar o desenvolvimento sustentável do setor sucroenergético paulista. Eliminação da queima na colheita dos canaviais Adequação à Lei Federal nº /2012 Prevenção e combate aos incêndios florestais Conservação do solo Conservação e reuso da água Proteção e restauração das áreas ciliares Adoção de medidas de proteção à fauna Responsabilidade socioambiental e certificações Boas práticas no uso de agrotóxicos Aproveitamento dos subprodutos da cana O texto do Protocolo Agroambiental Etanol Mais Verde encontra-se disponível na íntegra no link Seus resultados estarão disponíveis a partir de 2019

12 Confira a lista das usinas e associações de fornecedores de cana signatárias do Protocolo Agroambiental em:

PROTOCOLO AGROAMBIENTAL DO SETOR SUCROENERGÉTICO ETANOL VERDE. Dep. ARNALDO JARDIM SECRETÁRIO DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

PROTOCOLO AGROAMBIENTAL DO SETOR SUCROENERGÉTICO ETANOL VERDE. Dep. ARNALDO JARDIM SECRETÁRIO DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO PROTOCOLO AGROAMBIENTAL DO SETOR SUCROENERGÉTICO ETANOL VERDE Dep. ARNALDO JARDIM SECRETÁRIO DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO PRODUÇÃO AGRÍCOLA E INDUSTRIAL PRODUÇÃO EM 2016/2017 CANA DE AÇUCAR PRODUÇÃO

Leia mais

GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM

GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM 23 de setembro de 2015 GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM Transformando o setor sucroenergético paulista os impactos sociais e ambientais do Protocolo Agroambiental Sobre a UNICA União da Indústria

Leia mais

Protocolo Agroambiental do Setor Sucroenergético Paulista: Dados consolidados das safras 2007/08 a 2013/14

Protocolo Agroambiental do Setor Sucroenergético Paulista: Dados consolidados das safras 2007/08 a 2013/14 Protocolo Agroambiental do Setor Sucroenergético Paulista: Dados consolidados das safras 27/8 a 213/14 1 Prefácio No passado recente, o crescimento da demanda interna e a potencialidade de crescimento

Leia mais

Programa de Gestão Ambiental (PGA) SF 2017/18 e SF 2018/19. Unidade Barra Grande

Programa de Gestão Ambiental (PGA) SF 2017/18 e SF 2018/19. Unidade Barra Grande Programa de Gestão Ambiental (PGA) SF 2017/18 e SF 2018/19 Unidade Barra Grande Sumário 1. Introdução 2. Objetivo 3. Filosofia Empresarial 4. Diretrizes de Sustentabilidade 5. Protocolo Etanol Mais Verde

Leia mais

A. Qualificação da Unidade signatária: Nome fantasia, Razão social, CNPJ, grupo econômico a que pertence (se for o caso);

A. Qualificação da Unidade signatária: Nome fantasia, Razão social, CNPJ, grupo econômico a que pertence (se for o caso); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE AÇÃO DE UNIDADES AGROINDUSTRIAIS PROTOCOLO AGROAMBIENTAL DO SETOR SUCROENERGÉTICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ETANOL MAIS VERDE Este roteiro apresenta o conteúdo mínimo a

Leia mais

Agroenergia e Meio Ambiente

Agroenergia e Meio Ambiente XII Fórum Abag Agroenergia e Sustentabilidade Agroenergia e Meio Ambiente Sustentabilidade do Etanol de Cana-de-açúcar Prof. Suani Coelho Piracicaba, 10 de outubro de 2008 Resumo da Apresentação Importância

Leia mais

Plano de Gestão Ambiental. Atualizado em 25 de junho de 2018

Plano de Gestão Ambiental. Atualizado em 25 de junho de 2018 Plano de Gestão Ambiental Atualizado em 25 de junho de 2018 Plano de Gestão Ambiental O Plano de Gestão Ambiental (PGA) visa efetivar a gestão ambiental integrada aos pilares econômico, social e ambiental,

Leia mais

UNIDADE BURITI Reunião com Fornecedores 12/06/2013

UNIDADE BURITI Reunião com Fornecedores 12/06/2013 UNIDADE BURITI Reunião com Fornecedores 12/06/2013 Programação Abertura Luiz Roberto Kaysel Cruz Estimativas de Moagem para safra 2013 Luiz Alberto Zavanella Aspectos Ambientais da produção de cana Sérgio

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO CONJUNTA SMA/SAA Nº 03, DE 06 DE ABRIL DE 2018

ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO CONJUNTA SMA/SAA Nº 03, DE 06 DE ABRIL DE 2018 PUBLICADA NO DOE DE 07-04-2018 SEÇÃO I PÁG. 328/329 RESOLUÇÃO CONJUNTA SMA/SAA Nº 03, DE 06 DE ABRIL DE 2018 Aprova o regulamento das Diretivas Técnicas do Protocolo Agroambiental Etanol Mais Verde, elaborado

Leia mais

Economia Verde. No Estado de São Paulo. José Pedro Fittipaldi Especialista em Meio Ambiente 09 de novembro de 2011

Economia Verde. No Estado de São Paulo. José Pedro Fittipaldi Especialista em Meio Ambiente 09 de novembro de 2011 Economia Verde No Estado de São Paulo José Pedro Fittipaldi Especialista em Meio Ambiente 09 de novembro de 2011 Contexto Crise financeira internacional 2008 Green Economy Initiative, ligada ao Programa

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora)

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Caderno de Biocombustíveis 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Cadernos FGV Energia A FGV Energia edita e atua em parcerias para a produção de publicações

Leia mais

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade Cana-de-açúcar - Energética 1 t de cana (colmos) 140 kg de açúcar 280

Leia mais

Suani Coelho. Centro Nacional de Referência em Biomassa USP Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Brasília, 25 de abril de 2006

Suani Coelho. Centro Nacional de Referência em Biomassa USP Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Brasília, 25 de abril de 2006 Suani Coelho Centro Nacional de Referência em Biomassa USP Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Brasília, 25 de abril de 2006 Por que biocombustíveis? Por que etanol de cana de açúcar? As

Leia mais

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Buriti 08/06/2016

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Buriti 08/06/2016 REUNIÃO FORNECEDORES SAFRA 2016/2017 Unidade Buriti 08/06/2016 Apresentação Abertura Sergio Luiz Selegato Planejamento de safra 2016/2017- Luiz Alberto Zavanella Produtividade Agrícola - Luiz Alberto Zavanella

Leia mais

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Nova Independência/SP, 17 de maio de 2018 REUNIÃO DE FORNECEDORES Pedra Agroindustrial S/A Usina Ipê Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Prof.

Leia mais

Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis

Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis Agrobiologia Seropédica, RJ Robert M. Boddey Embrapa Agrobiologia,

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Setembro de 2017 PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Elizabeth Farina Diretora Presidente Fotografia da crise no setor sucroenergético, no mercado de combustíveis e no Brasil Endividamento

Leia mais

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Zilmar José de Souza Thermal Energy LatAm 2012 Rio de Janeiro RJ 31 de janeiro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Leia mais

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol e Cogeração Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol - Cenário Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 2 Bioetanol - Cenário Uma importante alternativa

Leia mais

Plano de Gestão Ambiental. Unidade Rafard

Plano de Gestão Ambiental. Unidade Rafard Plano de Gestão Ambiental Unidade Rafard Unidade Rafard Em 1882 foi constituída a Usina Rafard por Júlio Henrique Raffard em sociedade com um grupo inglês. Juntos fundavam a The S. Paulo Sugar Factory

Leia mais

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO UFRJ DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO Estimativa do consumo de açúcar no mercado brasileiro Estimativa do consumo mundial de açúcar 166 182 201 Fonte: F.O.Licht, LMC e estimativa UNICA. Nota: o volume

Leia mais

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL - LAN 1458 Indústria sucroenergética: Açúcar

Leia mais

Desmatamento e Outros Impactos Ambientais - Expansão da Cana-de-Açúcar

Desmatamento e Outros Impactos Ambientais - Expansão da Cana-de-Açúcar Desmatamento e Outros Impactos Ambientais - Expansão da Cana-de-Açúcar Thayse A. D. Hernandes 07 de dezembro de 2017 Contexto ü Diminuição das emissões de GEE associadas à matriz Brasileira ü Expansão

Leia mais

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS Seminário Biotecnologia 4.0 São Paulo/SP 11 mai. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

Leia mais

Alternativas ao uso do fogo no manejo agrícola, pastoril e florestal. Prevenir é melhor do que apagar!

Alternativas ao uso do fogo no manejo agrícola, pastoril e florestal. Prevenir é melhor do que apagar! Alternativas ao uso do fogo no manejo agrícola, pastoril e florestal Prevenir é melhor do que apagar! Incêndios florestais O fogo tem sido utilizado como importante ferramenta de progresso ao longo da

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 794.911

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 773.422

Leia mais

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética 2 Argentina Brazil Canada China Denmark

Leia mais

Ações Estratégicas do Agronegócio: O caso da Indústria Sucroenergética Brasileira

Ações Estratégicas do Agronegócio: O caso da Indústria Sucroenergética Brasileira 1º Curso para Jornalistas: Como o Agronegócio está se preparando para a Rio+20? Ações Estratégicas do Agronegócio: O caso da Indústria Sucroenergética Brasileira Marcos Sawaya Jank Presidente da União

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Unidade Santa Luzia

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Unidade Santa Luzia 2019 PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL Unidade Santa Luzia Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivo... 4 3 Política sobre Sustentabilidade... 5-6 4 Protocolos, Certificações e Compromissos... 7 5 Indicadores e

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013

PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013 Perspectivas do Setor Sucroenergético MBF AGRIBUSINESS PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013 Luciano Rodrigues Gerente de Economia e Análise Setorial da UNICA Sertãozinho, 24 de maio de 2012 2000/01 2001/02

Leia mais

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar. Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar. Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro Rodrigo C A Lima Agroicone/Plataformaagro Ribeirão Preto 22/10/2013

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A mecanização e a sustentabilidade como componente de desenvolvimento para os fornecedores de cana. Mechanization

Leia mais

A Indústria Sucro-Alcooleira e as Oportunidades de Produção mais Limpa

A Indústria Sucro-Alcooleira e as Oportunidades de Produção mais Limpa A e as Oportunidades de Produção mais Limpa Eng Flávio Ribeiro Gerente da Divisão de Tecnologias Limpas e Qualidade Laboratorial Objetivo da apresentação: evidenciar o potencial de melhoria de desempenho

Leia mais

Departamento Agrícola:

Departamento Agrícola: Departamento Agrícola: 1. Levantamento com GPS: Levantamento com GPS de navegação: para conferir áreas para arrendamento, medição de área cortada para mudas, etc. Levantamento com GPS de precisão: medição

Leia mais

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas?

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? 1º Encontro Técnico do RenovaBio RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? Luciano Rodrigues UNICA/ESALQ Qual o valor da energia renovável, em especial dos biocombustíveis? Benefício ambiental

Leia mais

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 REUNIÃO FORNECEDORES SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 Apresentação Abertura - Sergio Luiz Selegato Planejamento de safra 2016/2017- Sérgio Luiz dos Santos Extranet Canal com o Fornecedor João Vitor

Leia mais

Programa de Certificação da Bioeletricidade

Programa de Certificação da Bioeletricidade Programa de Certificação da Bioeletricidade Iniciativa: Apresentação sobre as Diretrizes Gerais Zilmar José de Souza UNICA Parceria: São Paulo, 26 de janeiro de 2015 1. OBJETIVOS DA INICIATIVA Geração

Leia mais

Keywords: ethanol, innovation, harvesting sugarcane production system, Green Protocol

Keywords: ethanol, innovation, harvesting sugarcane production system, Green Protocol Inovação e impactos no setor canavieiro paulista: o caso dos fornecedores de cana-de-açúcar da região de Piracicaba, SP Innovation and impacts in São Paulo sugarcane industry: the case of providers of

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

HISTÓRICO DE DADOS. Evolução da área de cana cultivada. Milhões de ha. Fonte de dados safra 2003 a 2013: INPE

HISTÓRICO DE DADOS. Evolução da área de cana cultivada. Milhões de ha. Fonte de dados safra 2003 a 2013: INPE INÍCIO O Canasat é o único projeto brasileiro de monitoramento agrícola com imagens de satélite em escala regional. Foi desenvolvido em 2003 pela nossa equipe em sua passagem pelo Instituto Nacional de

Leia mais

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Definição A Agenda de P&D da Embrapa Cerrados é um documento de caráter estratégico, construído em consonância com o Sistema de Inteligência Estratégica

Leia mais

WAYS IN WHICH THE MOST RECENT CRISIS HAS TRANSFORMED THE INDUSTRY

WAYS IN WHICH THE MOST RECENT CRISIS HAS TRANSFORMED THE INDUSTRY 2 nd Sugar & Ethanol Summit Brazil Day WAYS IN WHICH THE MOST RECENT CRISIS HAS TRANSFORMED THE INDUSTRY Elizabeth Farina CEO - Brazilian Sugarcane Industry Association (UNICA) London. July 5 th, 2013

Leia mais

O POTENCIAL DE SÃO PAULO PARA GERAÇÃO COM BIOMASSA E O PAPEL DO ESTADO

O POTENCIAL DE SÃO PAULO PARA GERAÇÃO COM BIOMASSA E O PAPEL DO ESTADO O POTENCIAL DE SÃO PAULO PARA GERAÇÃO COM BIOMASSA E O PAPEL DO ESTADO PAINEL: OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM FONTES ALTERNATIVAS VIA PROGRAMAS DE INCENTIVO FÓRUM CANAL ENERGIA VIABILIDADE DE INVESTIMENTOS

Leia mais

UNIDADES PEDRA E IBIRÁ Reunião com Fornecedores 20/06/2013

UNIDADES PEDRA E IBIRÁ Reunião com Fornecedores 20/06/2013 UNIDADES PEDRA E IBIRÁ Reunião com Fornecedores 20/06/2013 Programação Abertura Luiz Roberto Kaysel Cruz Estimativas de Moagem para safra 2013 Hebert Trawitzki Aspectos Ambientais da produção de cana Sérgio

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Agenda de P&D da Embrapa Cerrados

Agenda de P&D da Embrapa Cerrados Manejo, conservação e uso de recursos naturais Recuperação de Áreas Degradadas: Desenvolvimento de tecnologias para restauração ecológica e recuperação de áreas agrícolas com baixa capacidade produtiva.

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico. Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC

RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico. Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC 1 48 anos, 100% brasileira. Acionistas representam mais de 60% da moagem no Brasil.

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Características dos projetos

Características dos projetos Características dos projetos O projeto para ser válido no âmbito do MDL deve: Garantir que haja adicionalidade; Não pode ser tipo de atividade já realizada; Provar que foi feito um esforço. Os projetos

Leia mais

Sumário. 1. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira. 2. Agenda Socioambiental - UNICA

Sumário. 1. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira. 2. Agenda Socioambiental - UNICA Semana de Meio Ambiente FIESP São Paulo 02/06/2008 Sumário 1. Vantagens Competitivas da cana-de-açúcar brasileira 2. Agenda Socioambiental - UNICA Protocolo Agroambiental Protocolo UNICA-FERAESP Grupo

Leia mais

A Questão do Meio Ambiente na Cadeia Produtiva dos Biocombustíveis no Brasil

A Questão do Meio Ambiente na Cadeia Produtiva dos Biocombustíveis no Brasil A Questão do Meio Ambiente na Cadeia Produtiva dos Biocombustíveis no Brasil Suani Coelho Centro Nacional de Referência em Biomassa USP Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Brasília, 25 de

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Potencial e disponibilidade de biomassa de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida

4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida 4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida Neste estudo se desenvolveu uma metodologia de cálculo para avaliar o uso de energia e emissões de GEE, que pode ser utilizada facilmente para gerar automaticamente

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

#SUSTENT #SUSTEN A T BILIDA ABILID DE ADE

#SUSTENT #SUSTEN A T BILIDA ABILID DE ADE 1 #SUSTENTABILIDADE Um compromisso de todos O Plano de Gestão Ambiental (PGA) apresenta um conjunto de atividades e ferramentas de gerenciamento e monitoramento, adotadas pela Usina em certos casos, voluntariamente,

Leia mais

PROPOSTAS PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PROPOSTAS PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO NO ESTADO DE SÃO PAULO PROPOSTAS PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO NO ESTADO DE SÃO PAULO Julho/2018 O presente documento apresenta uma agenda do setor sucroenergético para o Estado de São Paulo, destacando a importância da atividade

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ INDÚSTRIA DE AÇÚCAR ÇÚCAR E ÁLCOOL LCOOL Balanço energético da produção de etanol de cana de açúcar Dr. Luiz A. Horta Nogueira UNIFEI 1 2 CURSO ENERGIA NA INDÚSTRIA

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético Workshop de Resultados: Projeto SUCRE Zilmar José de Souza A bioeletricidade no setor sucroenergético Campinas SP 7 de dezembro de 2017 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/ Ø A União das Indústrias de

Leia mais

Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017

Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017 Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017 Legislação Constituição Federal Meio Ambiente - art. 225, 3º Ordem Econômica e Financeira art. 170, VI Política Nacional de Meio Ambiente

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, no Brasil, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional

Leia mais

Meio ambiente e sustentabilidade. Projetos ambientais, eficiência em tecnologia de energia, programas de compensação

Meio ambiente e sustentabilidade. Projetos ambientais, eficiência em tecnologia de energia, programas de compensação : overview O maior exemplo do engajamento do Grupo AB Concessões sobre questões ambientais é, sem dúvida, receber o merecido Prêmio Ambiental Chico Mendes 2014, na categoria Gestão Ambiental, com aproveitamento

Leia mais

Suani Teixeira Coelho. Alagoas, Maceió, 21 de maio de 2010

Suani Teixeira Coelho. Alagoas, Maceió, 21 de maio de 2010 Suani Teixeira Coelho Alagoas, Maceió, 21 de maio de 2010 !"#$! " # $ %& "%$!&'%$( $( #)$*+!$&,!$$( ( % $,-*$!!$( $!,!&!#$( "$!(.//0 $,!$,! 1%$%$! $*$!!!, 23 4 $( +'& '' &$ &(' ) ) *+&&,&) &)& &&%'- &&.

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

XIII Congresso Brasileiro de Energia. A Consolidação do Setor Sucroenergético e a Expansão da Bioeletricidade

XIII Congresso Brasileiro de Energia. A Consolidação do Setor Sucroenergético e a Expansão da Bioeletricidade XIII Congresso Brasileiro de Energia A Consolidação do Setor Sucroenergético e a Expansão da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Dantas Roberto Brandão Sumário Os Benefícios da Bioeletricidade

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

2017/2018. Apresentação Institucional

2017/2018. Apresentação Institucional 2017/2018 Apresentação Institucional DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais

Leia mais

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente Biodiversidade e biocombustíveis Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente DESAFIOS Continuidade da perda da biodiversidade (conversão do

Leia mais

#SUSTENTABILIDADE Um compromisso de todos

#SUSTENTABILIDADE Um compromisso de todos 1 #SUSTENTABILIDADE Um compromisso de todos O Plano de Gestão Ambiental (PGA) apresenta um conjunto de atividades e ferramentas de gerenciamento e monitoramento, adotadas pela Usina em certos casos, voluntariamente,

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de Negócios e Investimentos na Cadeia de Valor do Bioquerosene.

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de Negócios e Investimentos na Cadeia de Valor do Bioquerosene. LIVRO VERDE DO ETANOL Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de Negócios e Investimentos na Cadeia de Valor do Bioquerosene. Jose Antonio P. Souza Economista Gerência

Leia mais

Carvão. Vegetal. na produção do Aço Verde. Solução renovável a favor de uma economia de baixo carbono. Imagem ArcelorMittal /Eduardo Rocha

Carvão. Vegetal. na produção do Aço Verde. Solução renovável a favor de uma economia de baixo carbono. Imagem ArcelorMittal /Eduardo Rocha Carvão Vegetal na produção do Aço Verde. Solução renovável a favor de uma economia de baixo carbono. Imagem ArcelorMittal /Eduardo Rocha Carvão Vegetal Produto do setor de base florestal O Carvão Vegetal

Leia mais

Perspectivas das Novas Tecnologias para Biocombustíveis. Alfred Szwarc Consultor da União da Indústria da Cana-de-Açúcar

Perspectivas das Novas Tecnologias para Biocombustíveis. Alfred Szwarc Consultor da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Perspectivas das Novas Tecnologias para Biocombustíveis Alfred Szwarc Consultor da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Seminário BioTop São Paulo, 17 de junho de 2010 Apresentação da UNICA A União da

Leia mais

Plano de Gestão Ambiental

Plano de Gestão Ambiental Plano de Gestão Ambiental Abril/2017 O Plano de Gestão Ambiental (PGA) apresenta o conjunto de atividades e ferramentas de gerenciamento e monitoramento, adotadas com a finalidade de embasar decisões empresariais

Leia mais

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental São Paulo, 03/09/2012 Sustentabilidade Ambiental Econômica Social

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

BRASIL: POTÊNCIA AGROAMBIENTAL

BRASIL: POTÊNCIA AGROAMBIENTAL BRASIL: POTÊNCIA AGROAMBIENTAL DESAFIOS DO PLANETA E HUMANIDADE SEGURANÇA ALIMENTAR E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO Do que o mundo consome de carne bovina, quanto vem do Brasil? Participação do Agronegócio

Leia mais

Plano de Gestão Ambiental. Unidade Barra

Plano de Gestão Ambiental. Unidade Barra Plano de Gestão Ambiental Unidade Barra Unidade Barra Em 1944 foi constituída a Usina da Barra por Orlando Chesini Ometto, após 2 anos de funcionamento já produzia 49.380 sacas de açúcar e 107.269 litros

Leia mais

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Zilmar José de Souza Rio de Janeiro RJ 27 de novembro de 2017 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/ A União das Indústrias de Cana-deaçúcar

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás

Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás Workshop: O Biogás e seu papel na matriz energética brasileira e no meio ambiente Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás André Elia Neto Campinas

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Unidade Conquista do Pontal

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Unidade Conquista do Pontal 2018 PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL Unidade Conquista do Pontal Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivo... 4 3 Política sobre Sustentabilidade... 5 4 Protocolos, Certificações e Compromissos... 7 5 Indicadores

Leia mais

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Terceiro Seminário Internacional Uso Eficiente do Etanol Manoel Regis L.V. Leal CTBE/CNPEM Laboratório Nacional de Ciência

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEL: COGERAÇÃO DE BIOELETRICIDADE NAS USINAS SIGNATÁRIAS DO PROTOCOLO AGROAMBIENTAL PAULISTA

ENERGIA RENOVÁVEL: COGERAÇÃO DE BIOELETRICIDADE NAS USINAS SIGNATÁRIAS DO PROTOCOLO AGROAMBIENTAL PAULISTA ENERGIA RENOVÁVEL: COGERAÇÃO DE BIOELETRICIDADE NAS USINAS SIGNATÁRIAS DO PROTOCOLO AGROAMBIENTAL PAULISTA Sérgio Alves Torquato 1 e Rejane Cecília Ramos 2 RESUMO Este estudo tem por objetivo identificar

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Aspectos da Utilização dos Recursos Hídricos na Irrigação Canavieira

Aspectos da Utilização dos Recursos Hídricos na Irrigação Canavieira Aspectos da Utilização dos Recursos Hídricos na Irrigação Canavieira André Elia Neto Engenheiro consultor de meio ambiente e recursos hídricos da UNICA, representando a entidade no Conselho Estadual de

Leia mais