Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis"

Transcrição

1 Processos Ágeis Aprenda o que são processos ágeis Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis Leonardo Simas, Osias Carneiro, Vagner Fonseca e Weslley Leandro O desenvolvimento de tecnologias e a necessidade crescente de sistemas de informação vem desafiando as empresas responsáveis pela criação de aplicações. É difícil acompanhar as mudanças de tecnologias, as soluções cada vez mais complexas, as interferências do mundo externo, mudanças nos requisitos, entre outros. Para tentar amenizar esses problemas, a Engenharia de Software procura definir metodologias de desenvolvimento de software, que possibilitam uma organização nos processos e etapas desde sua especificação até a implantação, como os processos ágeis. Há diversas maneiras de se desenvolver um software de maneira rápida, por meio dos métodos ágeis de desenvolvimento de software. Essa metodologia de desenvolvimento evoluiu a partir da metade dos anos 90, com o fortalecimento da Engenharia de Software e com o surgimento de novas maneiras de se pensar ao construir um software. O objetivo deste artigo consiste em realizar uma abordagem a respeito das metodologias tradicionais e as metodologias de processos ágeis, apresentando um breve histórico e focando nas duas principais metodologias de desenvolvimento Scrum e Extreme Programing (XP). Metodologias Tradicionais O modelo em Cascata, um dos mais utilizados até pouco tempo atrás (LEACH, 2000), definia etapas que deveriam ser sequenciais, uma só deve ser iniciada após o termino da sua antecessora, como observado na Figura 1. Um modelo inflexível onde o cliente só poderia validar o que foi desenvolvido no final do processo depois do software completamente desenvolvido, alterações na especificação eram difíceis ou simplesmente impossíveis de serem realizadas durante o desenvolvimento. Muitas vezes gerava o famoso big bang onde no final o software já não atendia as necessidades por mudanças no ambiente externo ou precisava ser alterado e um novo fluxo se iniciaria. O modelo em Espiral (Figura 2) sugere uma sequência de etapas mas, diferente do cascata, o

2 software é divido em versões chamadas de incremento. Possui quatro atividades: 1. Determinação dos objetivos da iteração 2. Análise dos riscos 3. Desenvolvimento 4. Validação, Testes e planejamento da próxima iteração Figura 1. Etapas do modelo em cascata Dessa forma é possível lidar melhor com alterações durante o projeto e a validação do que se está desenvolvendo é melhor para o cliente, que acompanha o desenvolvimento. Mas assim como no modelo em cascata não permite etapas sendo realizadas em paralelo ou que precisem de comunicação com outras etapas. Figura 2. Modelo em Espiral O modelo Iterativo e Incremental apresenta um ciclo de vida iterativo baseado no aumento e no refinamento sucessivo de um sistema através de múltiplos ciclos de desenvolvimento de análise, de projeto, de implementação e de teste (LARMAN, 2000). Atualmente é o modelo mais utilizado, ou outros modelos baseados neste, que traz alguns benefícios como (MARTINS, 1999):

3 A redução de riscos com os custos e prazos planejados; A equipe fica focada com os objetivos de cada incremento, trabalhando de maneira mais eficiente; Um modelo emergente que combina um melhor gerenciamento e a preocupação com como as pessoas trabalham (CANTOR, 1999). Figura 3. Modelo Iterativo e Incremental Processos Ágeis As metodologias ágeis promovem o desenvolvimento com o trabalho em equipe, colaboração e adaptabilidade durante o ciclo de vida do projeto. Assim como no modelo iterativo e incremental, o software é dividido em versões, ou seja, possuem incrementos que são partes menores do software e são realizados em torno de uma a quatro semanas, passando por todas as etapas desde especificação até a fase de testes. Com o objetivo de minimizar a quantidade dos possíveis erros a cada iteração, ela pode não gerar uma versão com funcionalidade suficiente para o mercado e várias iterações podem ser necessárias para lançar uma nova funcionalidade. Há uma priorização na comunicação cara a cara entre os integrantes da equipe do que a documentação (não quer dizer que não há documentação) e por isso sugere que todos trabalhem na mesma sala. É necessário um representante do cliente para que se possa tirar dúvidas e esclarecer questões que possam surgir durante as iterações e que esteja disponível para atender os os demais participantes no projeto do software. Manifesto Ágil Ao passar dos anos as organizações passaram a estar mais focadas em resultados rápidos e

4 precisos, contratando empresas de desenvolvedoras de software para agilizar os seus processos institucionais e devido aos projetos de software sofrer diversas transformações, nos últimos tempos metodologias de desenvolvimento, como o Scrum e o XP, se fortaleceram. Entre elas, a metodologia de desenvolvimento ágil de software se consolidou no mundo de desenvolvimento de software e em 2001 o Manifesto Ágil termo criado após a criação da Aliança Ágil onde foram apresentados alguns métodos de desenvolvimento de software entre eles se destacam os métodos Scrum e Extreme Programming (XP), e também foram fundamentados alguns princípios e características entre os métodos. Esses métodos aumentam o desempenho e provendo mais qualidade ao produto final. Scrum No início do ano de 1986 Hirotaka Takeuchi e Ikujiro Nonaka, escreveram um artigo, foi observado que equipes pequenas e com baixo nível de especialização, obtêm melhores resultados do que equipes grandes, nisso há uma semelhança com uma equipe de rugby, quando uma falta é cometida, eles se arranjam em uma formação coesa de nome Scrum. O Scrum é uma metodologia ágil iterativa e incremental, pois trata-se de um framework que facilita a visualização de problemas, mesmo os que possuem de dificuldade elevada. Scrum tem por objetivo agregar o máximo de valor ao negócio com o menor tempo possível, focando no Retorno de Investimento (ROI), administrando complexidade, imprevisibilidade e mudança por meio da visibilidade, inspeção e adaptação (SUTHERLAND, 2002). Quanto aos papéis executados o Scrum determina três (SCHWABER, 2009): Scrum Master - Tem a função de líder de equipe, protegendo-a de obstáculos e problemas que a impeçam de realizar seu trabalho. Product Owner - Maximiza o trabalho do time Scrum, definir recursos, escolher datas de lançamento, fornecer feedback dos processos e garantir que as regras Scrum sejam seguidas, ou seja, é o cliente ou alguém que o represente. Time Scrum - Responsável pelo desenvolvimento do projeto, tem de 5 à 9 integrantes, define tarefas e o esforço para realizar as tarefas com a qualidade desejada pelo Product Owner. Para SUTHERLAND(2008) as princípais ferramentas do Scrum são o backlog do produto, backlog do sprint, burndown para entrega e burndown do sprint. SCHWABER(2009) define que o backlog do produto é um documento com requisitos separados por prioridades que são indispensáveis ao produto. Backlog do sprint é a lista de tarefas que a equipe executará para transformar o backlog do produto em um incremento entregavel ao cliente. Um burndown de versão para entrega mede o backlog de produto restante ao longo do tempo de um plano de entrega. O burndown de sprint mede os ítens do burndown de sprint restantes ao longo do tempo de uma sprint.

5 O scrum utiliza-se de eventos de duração fixa, planejamento de versão para entrega, sprint, reunião diária, revisão e retrospectiva da sprint Planejamento da versão: é onde os documentos que definem os requisitos do produto são concebidos (backlog de produto), suas prioridades e a estimativa de esforço para cada requisito. Reunião da sprint: aqui os requisitos são apresentados à equipe e são definidos, de acordo com a habilidade de cada um, a tarefa que executarão (backlog da sprint) essa reunião tem em média 3 a 12 horas dependendo da sprint. Sprint: para SCHWABER (2009) essa fase é a coroação do Scrum, com duração por volta de 30 dias, nesse momento os requisitos são desenvolvidos e implementados, ao final é entregue um incremento funcional ao cliente. Revisão da sprint: Reunião entre a equipe com no máximo duas horas de duração onde os resultados são apresentados, deve-se ter cuidado ao dizer realizado já que os resultados serão apresentados ao cliente. Retrospectiva do sprint: Nessa reunião verifica-se o que foi feito de positivo e também os pontos negativos, afim de revisar o que foi feito de errado para ser corrigido em versões posteriores, atualizando-se o backlog do produto. Figura 4. As etapas da metodologia Scrum e sua duração média Extreme Programming (XP) O Extreme Programming (XP), metodologia criada por Kent Beck, está voltado principalmente para pequenas e médias equipes, visando o desenvolvimento de software que se baseiam em requisitos vagos e que se modificam rapidamente (Beck, 1999). O método XP se diferencia dos demais devido a uma abordagem incremental, fortalecendo a comunicação (feedback) entre as pessoas envolvidas no processo de desenvolvimento. O XP possui quatro valores fundamentais: comunicação, simplicidade, feedback e coragem (Beck, 1999). Para alcançar sucesso na utilização do XP, é preciso seguir todos esses valores.

6 Comunicação: deve ocorrer da maneira mais direta (face-a-face) e eficaz possível, a fim de oferecer agilidade aos assuntos tratados, esclarecendo dúvidas de imediato e evitando especulações ou mal entendidos entre as partes. O cliente deve estar a disposição da equipe e membros introvertidos devem ser evitados. Simplicidade: é preciso simplicidade no desenvolvimento das funcionalidades solicitadas. O desenvolvedor deve implementar apenas o necessário para atender ao usuário, sem se preocupar com funcionalidades que podem ser importantes no futuro, pois elas podem nunca ser utilizadas. Feedback: com partes funcionais em mãos, o cliente estará apto a conduzir a equipe de desenvolvimento, estabelecendo prioridades e identificando erros imediatamente. Em contrapartida, o desenvolvedor poderá apontar riscos e estimativas. Coragem: por se tratar de uma metodologia nova, que contraria o modelo tradicional, a equipe precisa de coragem para implantar os três valores anteriores. Nem todos possuem facilidade de comunicação ou paciência para obter feedback constante do cliente. Além dos quatro valores básicos, o XP baseia-se em diversas práticas (Figura 5). Para Beck (1999) existem doze principais práticas de desenvolvimento, elencadas e descritas abaixo: Planejamento: consiste em definir o que será feito e o que será adiado. O foco deve estar nos requisitos atuais e não nos futuros. A escolha deve gerar o máximo de valor para o cliente. Entregas frequentes: trata-se de construir um software simples e em seguida adicionar funcionalidades conforme elas forem surgindo. Com isso, o feedback do cliente será mais rápido e surpresas serão evitadas. Metáfora: são comparações e analogias utilizadas para explicar situações mais facilmente, sem o uso de termos técnicos. Essa técnica facilita a comunicação e a fixação dos assuntos entre as partes. Projeto simples: o software desenvolvido deve ser o mais simples possível para resolver o problema atual do cliente, sem se preocupar com requisitos futuros. Esses devem ser adicionados assim que forem realmente necessários. Testes: garantem resultados corretos das funcionalidades. Os testes devem ser feitos de preferência antes do desenvolvimento (TDD - Test Driven Development). Programação em pares: dois desenvolvedores trabalharão em um único computador. Enquanto um codifica o outro observa, buscando estratégias para otimizar o código do colega. A troca de experiências e idéias é um dos grandes benefícios. Refatoração: consiste em reescrever um código ilegível, duplicado, despadronizado etc. sem alterar o seu comportamento. Propriedade coletiva: o código pertence a toda a equipe. Dessa forma, qualquer desenvolvedor que julgar necessário modificá-lo, poderá fazé-lo. Integração contínua: a integração entre as partes do software deve ser efetuada, preferencialmente, várias vezes ao dia.

7 40 horas de trabalho semanal: mais de 40 horas semanais de trabalho significa problema no projeto e deve ser resolvido com melhor planejamento, não com aumento de horas trabalhadas. Cliente presente: o cliente deve estar sempre disponível para tirar dúvidas, evitando atrasos na comunicação e implementações erradas. É interessante torná-lo parte da equipe de desenvolvimento. Código padrão: seguir padrões previamente acordados de codificação reforça a comunicação entre os programadores, facilitando o entendimento e a manutenção. Figura 5. Valores, princípios e práticas do Extreme Programming Relato - Implantação de Processos Ágeis Segundo o estudo de caso realizado no Banco Central do Brasil (MELO e FERREIRA, 2010), a implantação de processos ágeis pode solucionar questões que não são abordadas pelas metodologias tradicionais. A empresa utilizava um processo derivado do Rational Unified Process (RUP), um processo iterativo, mas robusto. A empresa planejou dois projetos pilotos com duas equipes contendo 7 e 6 pessoas respectivamente, sendo que a maioria dos desenvolvedores possuíam experiência de 2 ou mais anos na área de desenvolvimento, mas poucos conheciam as metodologias a serem utilizadas ou sobre os conceitos de processos ágeis. No início do primeiro projeto foram apresentados os conceitos sobre métodos ágeis e as metodologias Scrum e XP, para familiarização da equipe. Segundo o relato (MELO e FERREIRA, 2010), as equipes compreenderam e aplicaram facilmente as práticas de pares e de equipes do XP, sendo que a programação em pares foi de fácil compreensão e absorção pela equipe e a prática

8 da metáfora a mais complexa de ser interpretada. A prática de execução de testes pelo cliente bem como as entregas curtas, apesar de bem compreendidas, não foram de fácil aplicação devido cultura do cliente. Mesmo que as entregas agregassem funcionalidades de certo valor, a organização não tinha o costume de receber soluções inacabadas. A equipe relata que houve um ganho quanto a rapidez no aprendizado de tecnologias, conceitos e padrões. A produtividade foi medida nos dois projetos pilotos utilizando, a medição por pontos de função e pelas horas gastas nos mesmos. No primeiro houve um ganho de mais de 8% e no segundo mais de 30% em relação a média da organização. O primeiro era mais complexo que o segundo e a curva de aprendizado foi maior, pois foi a primeira vez que utilizaram processos ágeis e o segundo aprendeu com os erros do primeiro. Os clientes compararam os resultados obtidos com suas experiências passadas usando metodologias tradicionais, com isso foi gerado uma nítida satisfação do cliente, pois foi possível observar benefícios como: Redução no prazo de entrega Facilidade/possibilidade de alterações Entendimento aprimorado sobre os custos Maior segurança quanto aos testes realizados A implantação de qualquer metodologia em uma organização é um processo lento, complexo e exige mudanças na cultura organizacional da empresa, logo dois pilotos não foram suficientes para a mudança. Mas os ganhos com produtividade e satisfação do cliente compensam tais custos e obstáculos e favorece a implementação. Conclusão Neste artigo abordamos a respeito do Scrum e XP que são metodologias de desenvolvimento de software utilizadas nos projetos piloto do Banco Central do Brasil. Aplicar um processo ágil em uma organização requer uma mudança na cultura da mesma exigindo tempo e gerenciamento dessa implantação. A organização deve precisa ter um ambiente favorável a comunicação, o tamanho do projeto pode inviabilizar essa comunicação, são indicadas a formação de equipes de no máximo 20 ou 40 pessoas sendo ela composta por pessoas experientes. Os processos ágeis atendem muito bem projetos e organizações que preenchem esses requisitos mas apesar de já proporcionarem resultados de sucesso há aqueles que afirmam que ainda é preciso de mais resultados para comprovar o sucesso desses métodos. Referências

9 OLIVEIRA, Alexsandro; MATEUS, Andrade; VINICIUS, Corrêa; Uma Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software. Salvador, Bahia. SILVA, Maysa Alves da Conceição; FILHO, Heitor Roriz; SILVA, Helena de Fátima Nunes; Análise do BA durante o processo Scrum. Artigo apresentado no XVII Simpósio de engenharia de produção, Bauru, São Paulo, Brasil, BONA, Cristina. Avaliação de Processos de Software: Um Estudo de Case em XP e ICONIX f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Agile Alliance. Acesso em: 25 de julho de Disponível em: <http://www.agilealliance.org> Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software. Acesso em 26 de julho de Disponivel em <http://agilemanifesto.org/iso/ptbr/> Agile Software Development. Acesso em 29 de julho de Disponível em: <http:// en.wikipedia.org/wiki/agile_software_development> Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software. Acesso em 28 de julho de Disponível em: <http://www.inf.ufrgs.br/~dsogari/material/s5/inf01127/material/comparacao-metodos-ageis- Tradicionais.pdf> MELO, Claudia de O, FERREIRA, and Gisele R. M. Adoção de métodos ágeis em uma Instituição Pública de grande porte - um estudo de caso., In Proceedings of the Brazilian Workshop for Agile Methods (WBMA 2010) in the Brazilian Conference on Agile Methods (Agile Brazil 2010), pp June, Disponível em: <http://www.agilcoop.org.br/files/wbma_melo_e_ferreira.pdf> Leonardo Simas é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e estagiário no Instituto Recôncavo de Tecnologia. Osias Carneiro é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e estagiário no Instituto Recôncavo de Tecnologia.

10 Vagner Fonseca é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), foi coordenador do grupo de desenvolvimento da XI Escola Regional de Computação Bahia Alagoas Sergipe (XI ERBASE), participou do projeto de desenvolvimento de agente para sistema de Segurança de Notebooks Leadership e estagiário da Gerência de Informática da UNEB. Weslley Leandro é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e estagiário na Wcs Design.

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Extreme Programming I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Você gostaria de trabalhar assim? Análise de Requisitos Longe de acordo Requerimentos Complexo Anarquia Perto

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Prazos curtos Baixo custo Agregação ao negócio Fidelidade do cliente Competitividade Sobrevivência Cenário 2000 35% dos projetos apresentam sucesso 31% dos projetos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MIRILIAN CARLA ARAUJO CORILLO 1, ANDREA PADOVAN JUBILEU 2. 1 Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Roberto Costa Araujo Orientador: Cristiano T. Galina Sistemas de Informação Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS WESLLEYMOURA@GMAIL.COM INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução aos métodos ágeis Metodologias tradicionais Estes tipos de metodologias dominaram a forma de desenvolvimento de software

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Agilidade -foco no. por Yóris Linhares

Agilidade -foco no. por Yóris Linhares Agilidade -foco no conhecimento por Yóris Linhares Era uma vez em um reino distante onde se desenvolvia software... Todas as necessidades dos clientes eram conhecidas no início do desenvolvimento A equipe

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças.

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças. METODOLOGIAS ÁGEIS SURGIMENTO As metodologias ágeis surgiram em resposta ao problema dos atrasos no desenvolvimento de software e aos cancelamentos, devido ao fato dos sistemas demorarem muito tempo para

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Resumo artigo Agile Modeling- Overview

Resumo artigo Agile Modeling- Overview Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Disciplina: Projetos I Aluno: Diogo Ludvig 0313812-7 Resumo artigo Agile Modeling- Overview Este trabalho se refere ao resumo do artigo Agile Modeling,

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Claryanne A. Guimarães 1, Daniel Dias S. Rosa 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br O que é agilidade? Agilidade: Rapidez,

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 O que mudou nesses 5 anos? Danilo Toshiaki Sato dtsato@ime.usp.br Agenda PARTE 1 1. Introdução 2. O que é XP? 3. O que mudou em XP? Valores, Princípios e Práticas

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina Perquirere, 11 (1): 113-129, jul. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais