Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas"

Transcrição

1 Análise Financeira Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Lisboa, Abril de 2004 Preparado por: Filipe de Almeida Pereira NOTA; Para uso exclusivo dos alunos do ISEG Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

2 Sumário Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Os métodos do Valor Actual Líquido (VAL) e da Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) O Risco associado aos activos e aos negócios Relação risco e rendibilidade 2 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

3 Nas finanças, tal como noutros aspectos da nossa vida, o tempo tem valor: Se temos um determinado valor a receber, mais vale que seja já, do que daqui a 20 dias. No oposto, se temos uma certa quantia a pagar, é melhor daqui a 30 dias do que hoje. Este é o tema central do conceito do Valor Temporal do Dinheiro (Time Value of Money): É mais vantajoso receber 100 euros hoje do que 100 euros dentro de 6 meses. Se contrairmos um empréstimo hoje, quanto mais longo for o seu prazo de reembolso, maior será o valor total a pagar. 3 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

4 As relações fundamentais da actualização e da capitalização em regime de capitalização composta ou juro composto, são: Valor Actual = VF x FA Onde: Valor Final = VA x FC VA - Valor actual, valor a desconto ou o valor de hoje de algo que terá lugar no futuro, quer seja um recebimento ou um pagamento e cujo montante é conhecido; VF - Valor futuro, acumulado ou capitalizado, de algo cujo valor no presente se conhece; FA = Factor de actualização ou de desconto, um número que torna equivalente um montante futuro e conhecido com o do presente, que não se conhece. FA = 1 / (1 + i) n FC - Factor de capitalização, um número que toma equivalente um montante conhecido no presente, mas que não se conhece no futuro. FC = (1 + i) n onde i = taxa de juro (normalmente, anual) e n = tempo em anos 4 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

5 Como se pode constatar qualquer um dos factores de actualização e de capitalização depende das variáveis: Taxa de juro Tempo. O quadro a seguir sintetiza a implicação das variáveis nos factores. 5 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

6 Juro e taxa de juro O juro corresponde ao custo (para o devedor) ou ao rendimento (para o credor) de um capital aplicado durante um certo período. A taxa de juro corresponde à percentagem do custo ou do rendimento em relação ao capital e é reportada ao tempo respectivo. Factor de capitalização No que concerne ao factor de capitalização, podemos concluir que: Se investirmos num depósito a prazo por 3 anos, o valor final a receber é superior a outro feito por 2 anos, tendo ambos a mesma taxa de juro. Se investirmos num depósito a prazo por 2 anos, com uma taxa de 5%, receberemos mais do que com outro também por 2 anos, mas com uma taxa de 4%. 6 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

7 Factor de actualização Quanto ao factor de actualização, concluímos também que: Se recebermos um certo montante dentro de 3 anos, o seu valor hoje é inferior ao de outro do mesmo montante, mas que será recebido daqui a 2 anos, assumindo a mesma taxa de juro. Se recebermos um certo montante dentro de 2 anos e a que está associada uma taxa de juro de 6%, o valor presente desta situação é inferior a outra com o mesmo montante a receber, no mesmo prazo, mas a que está associada uma taxa de 2%. 7 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

8 Exercício prático 1 Sejam 2 depósitos de 10,000 euros por 2 e 3 anos com uma taxa de juro de 5%. Quais são os correspondentes factores de capitalização? E quanto será recebido no final? 8 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

9 Exercício prático 2 (resolução) Factor de capitalização: FC (2 anos) = (1+0,05) 2 = 1,1025 FC (3 anos) = (1+0,05) 3 = 1,1576 Valor futuro: No primeiro caso, receberemos: Enquanto que no segundo esse valor será de: VF (2 anos) = 10,000 euros x 1,1025 = 11,025 euros VF (3 anos) = 10,000 euros x 1,1576 = 11,576 euros 9 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

10 Exercício prático 2 Sejam agora os valores de 100,000 euros a receber daqui a 2 e a 3 anos, assumindo a taxa de juro de 5%. Quais serão os correspondentes factores de actualização? E quanto valem hoje esses montantes? 10 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

11 Exercício prático 2 (resolução) Factor de capitalização: FA (2 anos) = 1/(1 + 0,05) 2 = 1/1,1025 = 0,90703 FA (3 anos) = 1/(1 + 0,05) 3 = 1/1,1576 = 0,86384 Valor futuro: No primeiro caso, os 100,000 euros que receberemos daqui a 2 anos valem hoje: VA (2 anos) = 0,90703 x 100,000 = 90,703 euros Enquanto que os 100,000 euros que receberemos daqui a 3 anos valem hoje: VA (3 anos) = 0,86384 x 100,000 = 86,384 euros Como se verifica, os factores de actualização e de capitalização conduzem a resultados de sentido oposto. 11 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

12 Exercício prático 3 Para terminar esta pequena referência ao Valor Temporal do Dinheiro, vai assumir-se agora que nas situações atrás indicadas, a taxa de juro era de 8%. Quais seriam os resultados? 12 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

13 Exercício prático 3 (resolução) Exercício 1 FC (2 anos) = (1+ 0,08) 2 = 1,1664 VF (2 anos) = 10,000 x 1,1664 = 11,664 euros FC (3 anos) = (1 + 0,08) 3 = 1,2597 VF (3 anos) = 10,000 x 1,2597 = 12,597 euros Exercício 2 FA (2 anos) = 1 / (1 + 0,08)2 = 0,85734 VA (2 anos) = 0,85734 x 100,000 = 85,734 euros FA (3 anos) = 1/(1 + 0,08) 3 = 0,79383 VA (3 anos) = 0,79383 x 100,000 = 79,383 euros 13 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

14 Veja-se o quadro seguinte onde os resultados se obtêm com uma calculadora com funções financeiras: 14 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

15 A comparação dos resultados justifica o que foi anteriormente referido sobre actualização e capitalização. No entanto, o esquema a seguir ajuda ainda a uma conclusão final. 15 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

16 O recurso às tabelas financeira*, a uma calculadora com funções financeiras ou a uma folha de cálculo (MS excel) permite obter os valores para cálculo dos resultados. Do conteúdo das tabelas podemos ter acesso a quatro grupos de informação: Valor actual de uma importância Valor futuro de uma importância Valor actual de uma anuidade Valor futuro de uma anuidade (*) SOARES, CARLOS e MIGUEL CADILHE, Lições de Matemática Financeira e Noções Complementares, Edições ASA, 2" edição, Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

17 Tabela financeira (exemplo): 17 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

18 Notas à tabela financeira: A consulta às tabelas (para a taxa de 5%) apresenta os valores da 1ª e da 2ª coluna. Os valores da 3ª coluna obtêm-se com facilidade: O valor do 1 ano é igual ao da 2ª coluna, uma vez que o tempo é igual a 1. O valor do 2 ano obtém-se subtraindo ao valor do ano 2 o valor do ano 1, da 2ª coluna: 1, , = 0, A coluna (1) inclui os factores referentes ao valor futuro de um determinado valor e conforme o tempo os seus valores são o inverso da coluna (3). A utilização de uma calculadora com a introdução de (1,05) 2 conduzia ao valor de 1, De seguida, a tecla [1/x] conduz ao inverso, que neste caso é 0, Para os anos seguintes, o procedimento é igual: 18 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

19 Exercício prático Para suporte dos vários conceitos já apresentados, vai assumir-se a existência da Fundação CapMerg. Numa primeira situação, a fundação propõe-se suportar o custo de uma pesquisa para a qual pode doar euros por ano e durante 5 anos. Quanto valerá hoje esse auxílio com base numa taxa de 5%? 19 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

20 Exercício prático (resolução) O valor do factor pode ser obtido directamente da tabela a A n onde para n = 5 e para i = 5%, se obtém 4, Deste modo, o potencial auxílio da Fundação CapMerg vale hoje: euros x 4, = euros. O valor do factor 4, podia ainda ser calculado em relação em cada um dos 5 anos. Neste caso a coluna (3) da nossa tabela seria utilizada do seguinte modo: 20 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

21 Exercício prático (resolução) Neste exemplo, assumiu-se uma prestação normal em que as doações são efectuadas no fim de cada período. Se fosse no princípio o valor da doação seria o seguinte: Como se verifica, este último valor é mais elevado. 21 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

22 Exercício prático Assumindo agora que não era pacífica a doação em análise, o conselho da Fundação CapMerg desejava saber quanto valeria a decisão de investir aqueles montantes ao fim dos 5 anos. Estamos em presença de um valor futuro e o mais simples é recorrer à tabela e procurar o ano 5 na coluna (4). Como: Ter-se-á: 22 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

23 Intervalos discretos e intervalos contínuos A capitalização refere-se à frequência do cálculo dos juros e da sua adição ao valor principal ( principal ). Sempre que uma instituição bancária efectua o lançamento de juros numa conta de depósitos de um cliente, poderá fazê-lo de uma vez só por ano, ou por duas, três, quatro ou mais vezes. Diz-se que o faz em intervalos discretos, porque podemos contar o número de vezes por ano que os juros são calculados. Assim, se a uma aplicação de euros estiver associada uma taxa de 5% e se o cálculo dos juros for efectuado uma vez por ano, o valor acumulado será: VF (1 ano) = euros x 1,05 = euros E se os juros forem calculados trimestralmente? O que variará e o que significará a nova maneira de calcular os juros? 23 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

24 Intervalos discretos e intervalos contínuos (cont.) A expressão os juros calculados trimestralmente não quer dizer que se obtém todos os trimestres 5% sobre o capital investido: O significado da expressão é de que a conta será creditada por 1 / 4 de 5% e quatro vezes por ano. No primeiro trimestre, o capital de euros irá render 5%/ 4 ou 1,25%. Este montante será adicionado ao montante inicial passando o novo valor a ser de 1.012,5 euros (= ,5). Três meses depois, os 1.012,5 euros renderão 1,25% (12,66 euros) passando a conta a apresentar 1.025,16 (= 1012,5 + 12,66). O processo continuará até ao final do ano. Este valor acumulado com frequência trimestral é superior ao obtido com a frequência anual. O valor final poderia ser obtido com o uso das tabelas (1.000 euros x 1, = 1.050,94). 24 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

25 Intervalos discretos e intervalos contínuos (cont.) Esta forma de cálculo conduz-nos a adaptar a fórmula inicial do valor capitalizado: Sendo n o número de anos, em relação à frequência m (neste caso, trimestral = 4). A nova fórmula será: Se m for igual a 12 (frequência mensal), o valor capitalizado será: 25 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

26 Intervalos discretos e intervalos contínuos (cont.) Em síntese, e por período de capitalização do juros, temos: Podemos concluir que: Quanto mais elevada for a frequência de cálculo dos juros, mais elevado será o valor acumulado e mais elevada será a taxa efectiva. 26 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

27 Intervalos discretos e intervalos contínuos (cont.) No entanto o cálculo dos juros pode ser efectuado ao minuto, ao segundo ou mesmo em intervalos mais pequenos através do regime de capitalização contínua onde o número de intervalos é infinito. Assim, em vez da fórmula : Utiliza-se a seguinte fórmula: Este resultado constitui a base dos logaritmos naturais e sabendo que: Assim a equação anterior é alterada para: VF = VA x e in (1.000 x e 0,05 = 1.051,27) (em que, e = 2,71828) 27 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

28 Taxas nominais e taxas efectivas Conforme se pode verificar, para os intervalos contínuos e discretos, uma taxa de 5% conduziu a rendimentos diferentes, conforme as frequências do cálculo dos juros. Assim a taxa de 5% é uma taxa nominal, enquanto que cada frequência apresenta valores acumulados diferentes e por consequência, rendimentos específicos também diferentes. Cada um destes rendimentos constitui uma taxa efectiva. 28 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

29 Taxas nominais e taxas efectivas Frequentemente temos a necessidade de encontrar uma taxa de juro anual e efectiva, quando os juros são calculados em intervalos inferiores ao ano e conhecemos a taxa referente ao período, por exemplo, 0,75% ao mês. A taxa de juro anual e efectiva pode ser calculada em relação aos meses ou aos dias. Em que: i n = taxa de juro para cada período de tempo (ex: semestral) n = n.º de meses do período de tempo x = n.º de dias do período de tempo 29 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

30 Taxas nominais e taxas efectivas EXEMPLOS: Cálculo da taxa de juro anual e efectiva para: 30 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

31 Taxas nominais e taxas efectivas EXEMPLOS: Cálculo da taxa de juro anual e efectiva para: 31 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

32 Anuidades e perpetuidades sem crescimento Voltando ao exemplo da Fundação CapMerg vai assumir-se que o seu conselho de administração decidiu criar uma instituição de apoio que representará um custo de euros por ano, com início imediato e com uma distribuição uniforme e pelo prazo de 20 anos. Qual é o valor actual da nova situação? A fórmula a utilizar tem de ter em conta os aspectos contínuos na utilização dos fundos e será a seguinte: Em que, C é o capital de euros. 32 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

33 Anuidades e perpetuidades sem crescimento A taxa a utilizar será de novo de 5%. No entanto, agora será necessário encontrar uma taxa de capitalização contínua equivalente a 5% em regime discreto. Neste caso 1,05 (em regime discreto) = e 0,04879 (nota: e 0,04879 x 20 = 2,65329) VA = x 12, = ,64 euros Este é valor actual do investimento com utilização contínua dos euros por ano pelo prazo de 20 anos 33 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

34 O efeito do crescimento nas anuidades e nas perpetuidades Importa agora incorporar as situações de crescimento esperável. Por exemplo, se os fluxos de tesouraria (pagamentos ou recebimentos) crescerem a uma taxa de crescimento constante (g), a anuidade crescente será agora: Onde: C ( fluxos de tesouraria) g (taxa de crescimento) i (taxa de juro) A fórmula acima pode ser representada de uma forma mais curta: 34 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

35 O efeito do crescimento nas anuidades e nas perpetuidades O exemplo da Fundação CapMerg pode ser retomado, prevendo-se que as despesas vão crescer 2,5% por ano, pelo que o investimento será, nos anos posteriores e em cada ano, superior aos euros. Este valor é agora mais elevado do que o anterior, em que não se previa o crescimento das despesas em 2,5% por ano. 35 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

36 O efeito do crescimento nas anuidades e nas perpetuidades Por último, podemos considerar a hipótese de a Fundação CapMerg não limitar o horizonte temporal de apoio e desejar que tal seja perpétuo. Também aqui se vão colocar as hipóteses de não haver crescimento das despesas e de existir crescimento à mesma taxa de 2,5% por ano. No caso de não haver crescimento a fórmula a utilizar será: Aplicando os valores correspondentes, teremos: 36 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

37 O efeito do crescimento nas anuidades e nas perpetuidades Com o crescimento das despesas, a fórmula a utilizar seria: Esta fórmula parece difícil de utilizar; porém, nos casos em que a taxa de juro for superior à taxa de crescimento Apresenta-se de forma mais simples: O efeito do crescimento de 2,5% por ano nas despesas no horizonte perpétuo, faz dobrar o valor do investimento em relação à situação de não crescimento. 37 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

38 O efeito do crescimento nas anuidades e nas perpetuidades Em resumo, apresentam-se as fórmulas inerentes ao Valor Actual (VA) de anuidades e perpetuidades que, para efeitos de avaliação, nos parecem mais relevantes. 38 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

39 Sumário Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Os métodos do Valor Actual Líquido (VAL) e da Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) O Risco associado aos activos e aos negócios Relação risco e rendibilidade 39 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

40 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade Introdução Os métodos de avaliação mais modernos utilizam os conceitos do valor actual líquido (VAL) e da taxa interna de rendibilidade (TIR). Serão apresentados os modelos dos fluxos de tesouraria actualizados (sob a forma de dividendos ou de free cash flows) o EVA - Valor Económico Acrescentado e associados, o CFROI - Cash Flow Return On Investment, o CVA - Cash Value Added e outros. Todos têm por base os processos de actualização e capitalização introduzidos no ponto anterior. Daqui a sua importância. 40 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

41 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade O VAL: Valor Actual Líquido ("Net Present Value") O VAL - Valor Actual Líquido representa o valor actual dos fluxos de tesouraria (cash flows) de um projecto. É um método muito utilizado na análise de projectos de investimento e na avaliação de empresas e de negócios, que se constituem como investimentos. O processo técnico do cálculo do VAL consiste em: Actualizar todas as variáveis de proveitos e de custos inerentes a um projecto de investimento (resultados operacionais líquidos de imposto de um projecto) a uma determinada taxa de actualização. Calcular o valor líquido entre os valores atualizados positivos e negativo. No caso do VAL ser positivo, o projecto será seleccionado; se for negativo, o projecto pode ser rejeitado. 41 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

42 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade O VAL: Valor Actual Líquido ("Net Present Value") A fórmula essencial do VAL é a seguinte: onde, I = representa o investimento efectuado no período inicial do projecto (período O). t = representa qualquer período. CFt = corresponde aos fluxos de tesouraria esperados, quer sejam positivos ou negativos (Cash flow do projecto = Resultados operacionais líquidos de imposto + amortizações - investimento em necessidades de fundo de maneio - investimento em capital fixo (imobilizações). r = taxa de rendibilidade ou custo de oportunidade mínimo exigido aos capitais investidos no projecto (ou custo de capital do projecto). 42 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

43 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade O VAL: Valor Actual Líquido ("Net Present Value") Um exemplo simples pode ajudar a apresentar o método VAL: A empresa CapVAL está a considerar efectuar um investimento de euros num equipamento novo. Os fluxos líquidos de tesouraria (receitas - despesas) esperados são de euros no primeiro ano e de no segundo ano. A CapVAL só aceita projectos de investimento que apresentem uma taxa de rendibilidade superior a 15%. Será este projecto viável face à política de investimento em vigor na empresa? 43 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

44 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade O VAL: Valor Actual Líquido ("Net Present Value") Resolução: Tendo os fluxos de tesouraria sido actualizados à taxa de 15% e como o VAL é positivo, este projecto é seleccionado. 44 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

45 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade A TIR: Taxa Interna de Rendibilidade ("Internal Rate of Return") Este método está relacionado com o VAL: Se este for igual a zero (0) a taxa interna de rendimento do projecto equivale à taxa de actualização utilizada. No método do VAL a informação foi a de investir (VAL>0) com base numa taxa de actualização (hurdle rate) (1) de 15%. Porém, não conhecemos a taxa interna de rendibilidade específica do projecto: esse é o objectivo da TIR. O método da TIR procura determinar a taxa de actualização para a qual o VAL é igual a zero. A fórmula de base é a seguinte: VA investimento = VA fluxos do projecto (1) expressão anglo-saxónica para a taxa de actualização, hurdle rate (que significa que para o projecto ser seleccionado tem de apresentar uma taxa de rendibilidade superior, ultrapassando assim a barreira (hurdle) fixada pela empresa (taxa mínima de rendibilidade ou custo de capital do projecto). 45 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

46 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade A TIR: Taxa Interna de Rendibilidade ("Internal Rate of Return") Resolvendo, obtém-se: A TIR será então igual a 24,3%. O método da TIR indica que um projecto é seleccionado, sempre que a sua TIR for superior à taxa de actualização. Neste caso, a TIR de 24,3% é superior a 15%. 46 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

47 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade A TIR: Taxa Interna de Rendibilidade ("Internal Rate of Return") As funções do Excel ou de outra folha de cálculo ajudam a chegar aos valores da TIR e do VAL com grande rapidez. No caso do Excel deverão procurar-se em fx as funções financeiras: VAL (ou NPV, em inglês) TlR (ou IRR, em inglês) Embora se possa dizer que a TIR é um método complementar do VAL, no caso de os métodos darem informações em sentido oposto, investir/não investir, a decisão deverá ser tomada com base na informação do VAL. 47 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

48 Os métodos do Valor Actual Líquido e da Taxa Interna de Rendibilidade A TIR: Taxa Interna de Rendibilidade ("Internal Rate of Return") O conflito que existe entre o VAL e a TIR advém do facto de apresentarem pressupostos diferentes quanto ao reinvestimento dos fluxos de tesouraria (cash flows) que vão sendo gerados. O critério do VAL assume que todos os fluxos intermédios do projecto são reinvestidos à taxa do custo de capital O critério da TIR assume esse reinvestimento à taxa TIR. Este critério é mais agressivo e daí a preferência pelo VAL em caso de conflito de informação para a tomada de decisões. Também, quando os fluxos de tesouraria forem irregulares (ex: investimentos em vários anos) deve usar-se o VAL e não a TIR. 48 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

49 Sumário Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Os métodos do Valor Actual Líquido (VAL) e da Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) O Risco associado aos activos e aos negócios Relação risco e rendibilidade 49 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

50 O risco associado aos activos e aos negócios Introdução A compra de acções na bolsa implica uma troca de activos e uma substituição de riscos: do risco nulo (que é o dinheiro) para o risco das acções. Sendo nós por natureza adversos ao risco porque razão queremos assumir riscos? A resposta é óbvia: "esperamos obter mais rendimento como compensação pela troca de activos e pelo risco acrescido". Porém, mesmo na compra de acções, nem todas as pessoas se comportam do mesmo modo: Umas adquirem acções que parecem mais arriscadas, em linguagem técnica, mais voláteis, Enquanto outras adquirem as menos voláteis (a volatilidade está associada à amplitude das variações nas cotações). 50 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

51 O risco associado aos activos e aos negócios Algumas definições de risco "Risco constitui o conjunto de acontecimentos que não são procurados, nem são desejados". Dickson, G. A., Corporate Risk Management, IRM, 1995 quando numa determinada situação existe incerteza sobre os resultados e existe a possibilidade de que esses resultados sejam desfavoráveis". Vaughan E. e Vaughan T" Essentials of InsuranceA Risk Management Perspective, J. Wiley & Sons, "O risco existe porque o futuro é incerto; é uma condição em que se verifica a possibilidade de um desvio adverso em relação a um resultado desejado e que era esperado". Ferreira, Domingos, lnstitute for Financial Management, Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

52 O risco associado aos activos e aos negócios Definições de risco Estas definições de risco apresentam em comum a probabilidade de perdas. Esta contingência é a chave do risco: Se não queremos correr riscos, evitamos os acontecimentos em que existe probabilidade de perda. Assim, não investiremos em acções, pois embora exista a probabilidade de ganhar, também existe a probabilidade de perder. 52 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

53 O risco associado aos activos e aos negócios Tipos de risco Existem 2 tipos de risco associados às oscilações de um activo financeiro: RISCO NÃO DIVERSIFICÁVEL Inclui os factores sistemáticos (ex: inflação, politica monetária, orçamental, etc.) que afectam todos os investimentos de uma certa categoria (por exemplo, acções de empresas cotadas em bolsa). É também designado por risco de mercado ou sistemático. RISCO DIVERSIFICÁVEL (OU ESPECÍFICO) Este tipo de risco poderá ser gerido e reduzido através da diversificação. Tem por base o facto das oscilações positivas ou negativas de uns títulos poderem ser balanceadas por oscilações de outros em sentido oposto. A diversificação reduz o risco até um certo nível. A partir daí, o risco não decresce pois toca o nível da "cama de pedra". 53 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

54 O risco associado aos activos e aos negócios Tipos de risco 54 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

55 Sumário Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Os métodos do Valor Actual Líquido (VAL) e da Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) O Risco associado aos activos e aos negócios Relação risco e rendibilidade 55 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

56 Relação risco/rendimento Aspecto fundamental da relação risco/rendimento: Se tivermos dois investimentos que proporcionam o mesmo rendimento, aquele que apresentar menor nível de risco, terá maior valor. Quanto maior for o risco, mais elevado deverá ser o rendimento esperado para compensar o risco assumido. Em princípio, todos os investimentos apresentam risco (em maior ou em menor grau). Podemos, no entanto, investir em aplicações sem risco (risk-free rate), como é o caso dos títulos do tesouro. 56 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

57 Relação risco/rendimento A figura seguinte representa a relação risco / rendimento : A relação risco/rendimento tem por base o rendimento esperado, que é definido pela média ponderada de todos os rendimentos possíveis, onde as ponderações reflectem a probabilidade de cada rendimento individual. Uma das situações mais comuns e que induz em erro é a de que os títulos com mais risco apresentam rendimentos mais elevados. Poderá dizer-se que em investimentos com grau de risco mais elevado, os rendimentos esperados são maiores, embora na prática o oposto também se possa verificar. Se assim fosse, não tinham risco. 57 Copyright FAP_ISEG_Economia_aulas_2004_Rev 1

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Licenciatura em Gestão Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Noções Fundamentais Rendimento = Consumo + Poupança [Aforro] Aforro = Entesouramento + Investimento Financeiro Entesouramento

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 Índice Índice de casos propostos 13 Prefácio 17 Apresentação 19 Considerações e abreviaturas 23 Capítulo 1 Fundamentos do Cálculo Financeiro 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 2. Conceitos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras.

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras. Exercício nº 30 Objectivo: Funções financeiras Nome do documento: Funções financeiras Pedidos: 1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

1. Funções do gestor financeiro

1. Funções do gestor financeiro 1. Funções do gestor financeiro Depois de termos identificado as principais funções do Gestor em sentido amplo, vamo-nos agora restringir às funções do Gestor Financeiro. Uma abordagem possível é centrarmo-nos

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

Agenda. 5 - Microsoft Excel. Conceitos Fórmulas em Excel Operadores Endereços Funções em Excel. ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/

Agenda. 5 - Microsoft Excel. Conceitos Fórmulas em Excel Operadores Endereços Funções em Excel. ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana 5 - Microsoft Excel EXCEL V - 1 Agenda Conceitos Fórmulas em Excel Operadores Endereços Funções em Excel EXCEL V -

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade / Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Cálculo Comercial e Financeiro Semestre: 3 Nº ECTS: 6,0

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIMENTO

PROJECTO DE INVESTIMENTO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECONOMIA & GESTÃO 2001/2002 3.º TRABALHO ANÁLISE DE UM PROJECTO

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS)

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) Avaliação económica de projectos de energias renováveis Jorge Alberto Mendes de Sousa Professor Coordenador Webpage: pwp.net.ipl.pt/deea.isel

Leia mais

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS (versão 2006/2007) Rogério Matias EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS 1ª SESSÃO (Numeração dos exercícios do livro Cálculo Financeiro Teoria e Prática, excepto exercício designado por Extra

Leia mais

GESTÃO 6. Análise de Projectos de Investimento 1

GESTÃO 6. Análise de Projectos de Investimento 1 GESTÃO 6. Análise de Projectos de Investimento 1 Conteúdo Temático 6.1 A dimensão temporal e o cálculo financeiro 6.2 Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 2 6.1 A dimensão

Leia mais

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 Helder Joaquim Gomes Correia

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve.

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve. Produção Entendemos que quando há um aviso de greve nas folhas de decisões, a greve ocorre sempre. Entendemos que o único controlo que temos é impedir que volte a ocorrer no trimestre seguinte ao próximo.

Leia mais

Cálculo Financeiro. Aplicações no Secundário

Cálculo Financeiro. Aplicações no Secundário Cálculo Financeiro Aplicações no Secundário Introdução São inúmeras as situações do nosso quotidiano em que estão presentes conceitos de Cálculo Financeiro. Podem ser abordadas: numa ótica de investimento

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Avaliação Económica de Projectos. Prof. Jorge Nhambiu Faculdade de Engenharia UEM

Avaliação Económica de Projectos. Prof. Jorge Nhambiu Faculdade de Engenharia UEM Avaliação Económica de Projectos Faculdade de Engenharia UEM 2013 1. DEFINIÇÃO DE INVESTIMENTO Investimento implica comprometer recursos na expectativa de obter benefícios futuros. Ao comprometer recursos,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Capítulo 7 Noções de Matemática Financeira 1 O valor do dinheiro no tempo A operação básica da matemática financeira é a operação de empréstimo. Alguém que dispõe de um capital C (chamado de principal),

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A OBSERVAÇÕES: (i) A duração da prova é de 2 horas; (ii) Não é permitida a consulta de quaisquer elementos, nem são prestados quaisquer esclarecimentos; (iii) Responda ao Grupo I na tabela constante desta

Leia mais

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira.

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. BLOCO 7 ASSUNTOS: Orçamentos globais Orçamento financeiro PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. Recebimentos das vendas da

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO

ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO ANÁLISE DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto José Fernando Oliveira CONCEITO DE PROJECTO DE INVESTIMENTO Em termos gerais, um projecto de investimento pode ser

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira I O Conceito de VAL Exercício 1 Na figura seguinte, o

Leia mais

Para fazer um estudo econômico adequado alguns princípios básicos devem ser considerados, sendo os seguintes:

Para fazer um estudo econômico adequado alguns princípios básicos devem ser considerados, sendo os seguintes: NOTAS DE AULA Prof. Geronimo Todo o fundamento da engenharia econômica se baseia na matemática financeira, que se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. Podem-se citar como exemplos de aplicação: Efetuar

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

Introdução ao cálculo financeiro

Introdução ao cálculo financeiro Introdução ao cálculo financeiro Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 2ºANO 1ºSEM 2015/16 PROGRAMA 1. Introdução ao cálculo financeiro 2. Instrumentos financeiros de curto

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

incentivos do Estado: subsidios de capital e/ou juros; custos de financial distress.

incentivos do Estado: subsidios de capital e/ou juros; custos de financial distress. INSTITUTO POLITÉCNICO D VISU STGV Disciplina Finanças mpresariais Ano 1 Semestre 1º xercícios III 5ª dição Investimento, Adjusted Present Value (APV) e Weighted Average Cost of Capital (WACC). Na avaliação

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

Documentação de apoio aos livros de Rogério Matias Escolar Editora. Documentação de apoio aos livros. Documento elaborado em 2015-07-05 Versão 2.

Documentação de apoio aos livros de Rogério Matias Escolar Editora. Documentação de apoio aos livros. Documento elaborado em 2015-07-05 Versão 2. Documentação de apoio aos livros Cálculo Financeiro Escolar Editora Algumas funções financeiras do Microsoft Excel Versão 2.0 i EFECTIVA (EFFECT) Calcula a taxa anual efetiva =EFECTIVA(12%;4) =EFECTIVA(i

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEAMENTO FINANCEIRO: Nota técnica sobre um método expedito de cálculo das necessidades de financiamento previsionais 1

INTRODUÇÃO AO PLANEAMENTO FINANCEIRO: Nota técnica sobre um método expedito de cálculo das necessidades de financiamento previsionais 1 INTRODUÇÃO AO PLANEAMENTO FINANCEIRO: Nota técnica sobre um método expedito de cálculo das necessidades de financiamento previsionais. Importância do planeamento financeiro O planeamento financeiro é uma

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa

Novo Aeroporto de Lisboa Novo Aeroporto de Lisboa 22 de Novembro de 2005 ÍNDICE 1. Introdução 2. Abordagem Metodológica 3. Pressupostos Acolhidos 4. Cálculo do Valor Actual e de Taxas de Rentabilidade 5. Valor Residual do NAL

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA As finanças e a empresa Quais são os objetivos de uma empresa?

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão Trabalho realizado por: Alvaro Manuel Pinto de Magalhães Vitor Jesus Freitas Oliveira ee97029 ee97076 INTRODUÇÃO: Introduz-se aqui o relatório, relativo ao 3º trabalho da cadeira de, que tem como objectivo

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

3.3.2 Discount fluxo de caixa livre (DCF: Discounted Cash Flow) 3.3.3. Valor acrescentado económico (EVA: Economic Value Added-Abordagem)

3.3.2 Discount fluxo de caixa livre (DCF: Discounted Cash Flow) 3.3.3. Valor acrescentado económico (EVA: Economic Value Added-Abordagem) Valorizar Empresas 1. Introdução 2. Porquê avaliar uma empresa? 3. Métodos de avaliação da empresa 3,1 Métodos Clássicos 3.1.1 Método de valor substancial 3.1.2 descontando lucros 3,2 Métodos Mistos 3.2.1

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES,

INFORMAÇÕES IMPORTANTES, INFORMAÇÕES IMPORTANTES, que devem ser lidas, todas elas, na íntegra, por todos e por cada um dos alunos que estejam matriculados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I ou na disciplina TT 080 Economia

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (º ANO) Exercícios - Capitalização EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Calcule os juros simples produzidos: a) Por um capital de 500 aplicado durante

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4 Índice 1. Introdução..2 2. Gestão Financeira......2 a 4 3. Planeamento Financeiro de Curto Prazo:.. 5 3.1. Conta Previsional de Exploração e de Resultados...6 a 7 3.2. Orçamento Anual de Tesouraria..7

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas Avaliação de Investimentos Aula 2 Profa. Claudia Abramczuk Organização da Aula Proporcionalidade de taxas Equivalência de taxas Comparação entre proporcionalidade e equivalência VP e VF Contextualização

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros 1 MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ Disciplina: Cálculos Financeiros Material de Apoio ao Livro Texto: A Matemática das Finanças: com aplicações na HP 12C e Excel Autores: Adriano Leal Bruni e Rubens Famá 3 a.

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: MATEMÁTICA FINANCEIRA Código: Série: 3º ANO Obrigatória ( X ) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80H/A Período Letivo: 2015 Obs: Objetivos O discente, futuro profissional

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS ANÁLISE DOS S O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EMPRESA Alexandra Cardoso 1 O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EMPRESA DECISÃO DE EM CAPITAL FIXO (CF) DEVE INSERIR-SE NO QUADRO DO PLANEAMENTO GLOBAL DA EMPRESA,

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA DECISÃO DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Alexandra Cardoso 1 OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA DECISÃO DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS O CUSTO MÉDIO PONDERADO

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: MATEMÁTICA FINANCEIRA Código: Série: 3º ANO Obrigatória ( X ) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80H/A Período Letivo: 2015 Obs: Objetivos O discente, futuro profissional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Sistemas de Amortização... 2. Conceito... 2.2 Sistema Francês de Amortização (Sistema de Amortização Progressiva)... 2.2. Tabela Price... 3.2.2 Descrição das parcelas

Leia mais

CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE

CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE ANO LECTIVO : 2005/2006 DOCENTE RESPONSÁVEL : ROLANDO RODRIGUES 1 i) Objectivos e metodologias SUMÁRIO ii) iii) iv) Programa Geral Bibliografia recomendada Planificação

Leia mais