Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão"

Transcrição

1 Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Economia e Gestão SISTEMAS DE FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL Eduardo Augusto Bragança Pires Saldanha Luís Filipe Costa Marques Trabalho apresentado no Instituto Superior de Economia e Gestão no âmbito na disciplina de Economia dos Intermediários Financeiros do Curso de Mestrado em Economia Monetária e Financeira. Lisboa Julho 2001

2 ÍNDICE Pág. 1. INTRODUÇÃO 1.1. PLANO DE TRABALHO CARACTERIZAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL EM PORTUGAL 2.1. SITUAÇÃO ACTUAL E EVOLUÇÃO RECENTE ENQUADRAMENTO ECONÓMICO-SOCIAL SISTEMAS DE FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL 3.1. SISTEMAS DE REPARTIÇÃO E CAPITALIZAÇÃO GESTÃO PÚBLICA E GESTÃO PRIVADA SITUAÇÃO PORTUGUESA INTEGRAÇÃO E COMPLEMENTARIDADE REPENSAR A SEGURANÇA SOCIAL 4.1. PREVISÃO DA SEGURANÇA SOCIAL PRINCIPAIS CONTORNOS DO DEBATE ACTUAL O SISTEMA DOS TRÊS PILARES O CASO DO CHILE PROPOSTAS DO BANCO MUNDIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS 2

3 1. INTRODUÇÃO A segurança social é um dos debates mais acutilantes, quer no ponto de vista social, como académico e político. O objectivo deste trabalho é proporcionar uma abordagem sobre os sistemas de financiamento da segurança social, apresentando as análises e resultados dos modelos típicos de capitalização e repartição englobando a integração e complementaridade da gestão privada numa perspectiva do caso Português PLANO DE TRABALHO O trabalho está dividido em três capítulos distintos (2,3 e 4), o primeiro deste pretende analisar as principais alterações e desenvolvimentos da segurança social em portugal com especial relevo ao enquadramento económico e social. O segundo (3) visa abordar a teoria subjacente quer aos modelos de repartição como à integração e complementaridade das pensões privadas em capitalização. O último capítulo tenta orientar para as principais linhas que regem o pensamento e debate nas soluções prespectivadas para os sistemas de segurança social. São apresentadas as linhas mestras das propostas do Banco Mundial e posteriores críticas pela Organização Internacional do Trabalho e de uma nova revisão das propostas do primeiro interveniente. É também descrita a solução denominada dos Três Pilares ou Quatro. O trabalho em geral é realizado do ponto de vista de definir a discussão actual na procura de soluções, na passagem dum Estado de bem-estar, para uma Sociedade de bem-estar. 3

4 2. CARACTERIZAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL EM PORTUGAL 2.1. SITUAÇÃO ACTUAL E EVOLUÇÃO RECENTE O sistema português de segurança social tal como o conhecemos hoje tem origem na doutrina corporativista do período entre as duas guerras, quando se estabeleceu um sistema de previdência social. Este sistema inicial era bastante limitado, tanto no campo de aplicação pessoal (pessoas, ramos de actividade e profissões abrangidas) como no campo de aplicação material (eventualidades cobertas). A história da segurança social desde então é basicamente a do alargamento dos mecanismos de protecção social em ambas as dimensões: pessoal e material. Em 1933, foi adoptado o "Estatuto do Trabalho Nacional", que é a principal peça jurídica relativa às relações de trabalho produzida pelo regime, no qual se atribuiu aos Grémios e aos Sindicatos Nacionais a missão da criação de instituições de previdência - a Previdência Social. Dois anos mais tarde, foi definida a estrutura da Previdência Social, pela Lei n.º1884, de Até 1974 o alargamento referido anteriormente inclui particularmente os trabalhadores por conta de outrem na indústria, comércio e serviços, deixando-se inicialmente às Casas do Povo e Casas dos Pescadores um papel mais assistencial. Posteriormente (1970) o âmbito material relevante para estes casos alargou-se e passou a cobrir as eventualidades de doença, maternidade, invalidez, velhice e morte. Em 1973 alteraram-se os prazos de garantia para ter acesso a prestações por invalidez e velhice, reduzindo-se drasticamente os períodos de inscrição com entrada de contribuições e causando um aumento vertiginoso do número de pensionistas ao longo dos anos 70. Ainda em Janeiro de 1974 eliminou-se o plafond contributivo, para aumentar as receitas. A partir de 1974 deu-se uma modificação qualitativa no sistema, o qual evoluiu parcialmente na direcção de um modelo unificado. No campo de aplicação material criaram-se as 4

5 pensões sociais, para situações de insuficiência de recursos, o subsídio de desemprego, alargaram-se as prestações familiares, e os montantes das pensões de velhice passaram a incluir o 13º mês, para além de se ter aumentado as eventualidades cobertas no regime dos trabalhadores agrícolas. No campo de aplicação pessoal, deu-se a integração dos trabalhadores independentes e dos trabalhadores de serviço doméstico no regime geral. As pressões financeiras forçaram, entretanto, um aumento das taxas contributivas, a que se sucedeu a criação do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social. A Constituição da República de 1976 consagrou, em definitivo, o conceito de segurança social (artigo 63.º). Com efeito: - A Constituição reconhece o direito universal da segurança social; - O Estado assume-se como responsável pela organização e pela coordenação de um sistema de segurança social unificado e participado pelas organizações sindicais; - O Estado deverá subvencionar o sistema; - Os riscos de doença, velhice, invalidez, sobrevivência, desemprego bem como qualquer outro tipo de carência de recursos ou de capacidade de trabalho, deverão ser cobertos pelo sistema. No início dos anos 80 foram tomadas diversas medidas legislativas, nomeadamente: a criação do regime não contributivo de protecção social, a integração no regime geral da protecção do risco de doença profissional, a reformulação do regime dos trabalhadores independentes, a reordenação do esquema de protecção social dos profissionais de serviço doméstico, a criação do regime de seguro social voluntário, a criação do sistema de verificação de incapacidades permanentes (SVIP) e a reformulação dos regimes de protecção social dos trabalhadores agrícolas. 5

6 LEI DE BASES DE 1984 E DESENVOLVIMENTOS POSTERIORES Será necessário esperar até 1984 para o Parlamento aprovar a nova Lei de Bases da Segurança Social. A nova lei precisou o conceito de "sistema de segurança social" introduzido pela Constituição de Segundo a lei, é o conjunto de "regimes e instituições de segurança social" (artigo 4.º), orientados por dois objectivos: (i) A protecção dos trabalhadores e das suas famílias em situações de falta de recursos ou de perda de capacidade de trabalho, desemprego involuntário e morte, garantindo também a compensação dos encargos familiares; (ii) a protecção das pessoas sem recursos. O sistema é ordenado segundo oito princípios. Três destes estão ligados à formação de direitos - os princípios de universalidade, de igualdade e de garantia judicial. O princípio de solidariedade impõe a participação financeira do Estado. A gestão do sistema está organizada segundo os princípios: de participação - que prevê a representação dos interessados; de unidade - a unificação administrativa, que é no entanto "tendencial"; de eficácia das prestações e de descentralização das instituições. Os objectivos e o corpo dos princípios do sistema baseiam-se no conceito de garantia de recursos, o que subentende quer a substituição do rendimento, comutativa ou não, quer o rendimento de compensação. Definem-se apenas dois regimes obrigatórios de segurança social: 6

7 - O regime geral contributivo, cujo campo de aplicação inclui todos os trabalhadores (por conta de outrém ou independentes); - O regime não-contributivo, o qual protege os nacionais e, em certos casos, os residentes estrangeiros em situações de necessidade não abrangidas pelo regime contributivo Quase todos os regimes especiais foram integrados, no que diz respeito à gestão das contribuições; a unificação das prestações foi também concluída. Apenas existem fora do Sistema de Segurança Social os regimes dos funcionários públicos, dos bancários e dos advogados e solicitadores, que a lei pretende vir a integrar. O fundo de desemprego também foi integrado no sistema. Um domínio complementar de intervenção foi configurado, em articulação com os regimes: a acção social, que é dirigida às crianças, aos jovens, aos deficientes e idosos com falta de recursos ou em situação de exclusão social, quando não providenciada pelos regimes. Duas modalidades de financiamento das prestações estão previstas: - As cotizações dos trabalhadores e as contribuições das entidades empregadoras que se destinam ao regime contributivo; - As transferências do Orçamento do Estado, para o regime não-contributivo a acção social. Com a Lei Bases 1984 e legislação posterior, abriram-se perspectivas ao desenvolvimento de regimes complementares de iniciativa privada e dos particulares. 7

8 Desde a publicação da referida Lei houve um apreciável número de medidas importantes. Em 1986 criou-se a Taxa Social Única e integraram-se os trabalhadores agrícolas no regime geral, tendo os pensionistas do regime especial de segurança social das actividades agrícolas passado a constituir um grupo fechado. Em 1988, criou-se o regime da pensão unificada. O regime de protecção social no desemprego foi reformulado em 1989, tendo passado a idade a constituir critério definidor do período de concessão da prestação. No mesmo ano regulamentouse a protecção social complementar. Ainda na segunda metade dos anos 80 tomaram-se medidas de apoio ao emprego, com isenções contributivas para jovens e reduções contributivas para deficientes. No início dos anos 90 reformulou-se o enquadramento jurídico dos fundos de pensões, instituiu-se o regime de pré-reforma, criou-se o sistema de verificação de incapacidades temporárias (SVIT) e foi aprovado o Código das Mutualidades. Em 1993 houve uma reformulação das pensões de invalidez e velhice do regime geral, introduzindo-se a igualdade entre sexos para a idade da reforma, alterando-se o método de cálculo das pensões e ampliando-se os prazos de garantia. Foi então criado o complemento social, sem base contributiva. O regime dos independentes foi alterado com a introdução de um esquema obrigatório e outro facultativo. Mais recentemente, reforçaram-se as medidas de promoção do emprego e operou-se uma nova revisão do regime dos trabalhadores independentes. Em 1995, foi reforçado o quadro sancionatório dos regimes de protecção social, definindo e penalizando os crimes contra a segurança social através do alargamento do campo de aplicação do regime jurídico das infracções fiscais não aduaneiras. Na sequência de uma recomendação comunitária de 1992, em 1996 foi criado o Rendimento Mínimo Garantido, como prestação do regime não contributivo em conjunto com um programa de inserção social. A nova Lei de Bases, a Lei nº 17/2000 entra em vigor no início de Fevereiro de 2001, revogando a Lei 28/84. Esta lei tem um carácter inovador e estruturante em vários aspectos. Consagra o direito de todos à segurança social através do sistema de solidariedade e segurança social. Os três objectivos fundamentais 8

9 deste sistema são: a melhoria das condições e dos níveis de protecção social e o reforço da respectiva equidade; a eficácia do sistema e a eficiência da sua gestão; a sustentabilidade financeira do sistema. A Lei 17/2000 mantém os princípios da Lei Bases anterior: universalidade, igualdade, solidariedade, garantia judiciária, unidade, eficácia, descentralização e participação; e introduz novos princípios: Primado da Responsabilidade Pública, Equidade Social, Diferenciação Positiva, Inserção Social, Complementaridade. Os três subsistemas de protecção social previstos são: o Subsistema de Protecção Social de Cidadania, o Subsistema de Protecção à Família, o Subsistema Previdencial. O Subsistema de Protecção Social de Cidadania assegura os direitos básicos de protecção social, garantindo a igualdade de oportunidades e o direito a mínimos vitais, bem como a prevenção e erradicação de situações de pobreza e de exclusão. Os objectivos deste subsistema são concretizados através do Regime de Solidariedade (inclui o Rendimento Mínimo Garantido, as pensões sociais de invalidez, de velhice e de sobrevivência) e da Acção Social (inclui prestações em espécie, utilização ou financiamento à rede de serviços e equipamentos, programas de combate à pobreza, marginalização e exclusões sociais). Este Subsistema é exclusivamente financiado por transferências do Orçamento de Estado. O Subsistema de Protecção à Família garante a concessão de prestações pecuniárias às famílias. Está previsto, ainda, a atribuição de prestações em espécie, neste subsistema. Este subsistema é financiado por transferências do Orçamento de Estado (excepto no caso das prestações cuja atribuição é condicionada à verificação de carreiras contributivas). 9

10 O Subsistema Previdencial tem como objectivo garantir o direito à compensação da perda ou redução dos rendimentos resultantes da actividade profissional, nas eventualidades de: doença, maternidade, desemprego, acidentes de trabalho e doenças profissionais, invalidez, velhice, morte. Este subsistema é financiado pelas cotizações dos trabalhadores e pelas contribuições das entidades empregadoras. O financiamento do sistema de solidariedade e segurança social rege-se pelas seguintes grandes linhas: a dupla responsabilidade, por um lado, dos cidadãos, nos planos nacional, laboral e intergeracional. Por outro lado, do Estado, nas condições legalmente definidas. a obrigação legal do pagamento de cotizações pelos trabalhadores e de contribuições pelas entidades empregadoras. o financiamento do sistema obedece a dois princípios fundamentais: - da diversificação das fontes de financiamento, que implica a ampliação das bases de obtenção de recursos financeiros, tendo em vista a redução dos custos não salariais da mãode-obra. - da adequação selectiva, que consiste na determinação das fontes de financiamento e na afectação dos recursos financeiros, de acordo com a natureza e os objectivos das modalidades de protecção previstas na lei e com as situações e medidas especiais, particularmente as relacionadas com as políticas activas de emprego e formação profissional. uma parcela de 2 a 4% das cotizações, da responsabilidade dos trabalhadores, é aplicada num fundo de reserva, gerido em 10

11 regime de capitalização, até que aquele fundo assegure uma cobertura das despesas previsíveis com pensões, por um período mínimo de 2 anos. os saldos anuais do sistema previdencial, bem como as receitas resultantes da alienação de património e os ganhos obtidos das aplicações financeiras, serão geridos em regime de capitalização, as receitas principais do sistema de solidariedade e segurança social são: as cotizações dos beneficiários e as contribuições das entidades empregadoras, as transferências do Estado e de outras entidades públicas, as receitas fiscais, o produto de sanções pecuniárias, os rendimentos de património próprio e os rendimentos de património do Estado consignados ao reforço das reservas de capitalização. o regime financeiro que no quadro da Lei nº 28/84, era de repartição, deve conjugar as técnicas de repartição e de capitalização, tendo em conta as alterações das condições económicas, sociais e demográficas ENQUADRAMENTO ECONÓMICO-SOCIAL Evolução física da segurança social: beneficiários activos e pensionistas: O crescimento anual médio do número de beneficiários e pensionistas, desde 1985 até 1995, é 2% para os pensionistas e 2,71% para os beneficiários activos. Excepcionalmente, entre 1986 e 1988, o número de beneficiários aumentou mais de novecentos mil. As taxas de variação anual médias desde 1988 são zero para os beneficiários e 1,5% para o total dos pensionistas. O rácio beneficiários-pensionistas, aumenta de 1,59 em 1985 até 1,91 em 11

12 1988 e depois diminui para 1,71, em No entanto os pensionistas do regime não contributivo não dependem dos beneficiários para financiar as suas pensões, mas do Orçamento do Estado (OE), pelo que o rácio correcto é entre o número de beneficiários activos e o número de pensionistas do regime geral (contributivo). Naturalmente o valor deste rácio é mais elevado, mas a tendência é semelhante. O rácio cresce entre 1985 e 1988, de 2,68 para 3,06, declinando a partir de então até atingir 2,45 em Finalmente, note-se que os beneficiários activos são uma proporção relativamente constante, quer da população total, quer da população activa desde 1988, ao passo que os pensionistas de velhice e sobrevivência, ainda que ligeiramente, assumem peso crescente, ao contrário dos pensionistas por invalidez, cujo número vem a decrescer desde Condicionantes económicas a longo prazo: Um aspecto fundamental da envolvente económica dos sistemas de segurança social é a redução do crescimento da produtividade e dos salários reais e o aumento da taxa de desemprego estrutural que se tem verificado desde os anos 70 nos países europeus. De 1961 até 1973, o crescimento dos salários reais no conjunto dos países agora pertencentes à União Europeia tinha sido sempre superior a 4%, atingindo mesmo, em 1970, o valor de 7,7%. A partir de 1975, o crescimento dos salários nunca ultrapassou os 3,2%, sendo que, nas últimas duas décadas, esteve sempre abaixo dos 2,3%. Um menor crescimento dos salários implica um menor crescimento das contribuições e, logo, uma maior dificuldade em fazer face às responsabilidades dos sistemas em termos do pagamento das pensões e de outras prestações. A evolução do desemprego é duplamente relevante para a segurança social. Por um lado, mais desemprego significa uma diminuição das contribuições; por outro lado, mais desemprego 12

13 implica um aumento das despesas do sistema (mais desempregados a receberem o subsídio de desemprego). Tem-se verificado, ao nível dos países da OCDE, uma tendência para, após um ciclo económico negativo, o desemprego persistir a níveis superiores aos iniciais, mesmo depois de se iniciar a recuperação associada ao ciclo positivo, facto que tem sido referido como um aumento da taxa natural de desemprego. A situação em Portugal não parece ser tão grave como noutros países, mas tanto a evolução prevista dos salários (via crescimento da produtividade) como a do emprego, não permitem esperar, para os próximos anos, aumentos sustentados dos ritmos de crescimento da base salarial que gera as contribuições. Finalmente, desenha-se uma tendência para uma maior volatilidade dos empregos, com uma proporção crescente da população activa na situação de trabalhador independente, com mais trabalho a tempo parcial e com uma menor estabilidade no emprego para os trabalhadores por conta de outrem, com rotações mais frequentes entre situações de emprego, desemprego e formação. Condicionantes demográficas: Portugal, tal como os outros países europeus, tem experimentado um envelhecimento da sua população, quer na base da sua pirâmide etária ( percentagem de jovens na população a diminuir), quer no topo (percentagem de idosos a aumentar),. A razão principal desta evolução está, em primeiro lugar, na baixa da fecundidade e, em segundo lugar, no aumento da esperança de vida. Para os homens esta aumentou de 61,2 em 1960 para 71,6 em 1995 e para as mulheres de 66,8 para 78,6. Acontecem então, alterações no funcionamento das economias, na difusão das novas tecnologias e no desenvolvimento de novas procuras sociais. Por parte da população de terceira idade cresce a procura de apoio e assistência médica e social. A entrada maciça de mulheres no mercado de trabalho, assim como os novos 13

14 padrões de vida familiar, dinamizam uma procura renovada de serviços de apoio às famílias. Como consequência destas mutações, o acréscimo das despesas sociais torna-se de difícil controlo político e tende a dar-se a ritmo superior ao do crescimento das economias, pondo em questão os modelos vigentes de financiamento da protecção social baseados na repartição. Condicionantes sociais: Em Portugal as deficiências do Estado Providência são compensadas pela existência de uma rede, informal mas densa, de relações de comunidade, interconhecimento e ajuda baseada em laços de parentesco e de vizinhança, a que podemos chamar sociedadeprovidência. No entanto, temos razões para recear o declínio da sociedade-providência, já que esta assenta em laços pessoais e em redes de convívio mais próprios de pequenos centros urbanos e de meios rurais que dos grandes centros urbanos. As novas gerações vão-se afastando das origens rurais e com isso vai-se perdendo a intensidade nas interacções entre membros da família alargada e a capacidade desta servir de rede de protecção informal. O aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho também gera dificuldades em manter a rede de protecção informal, já que esta repousa, de uma forma assimétrica, no esforço e na utilização do tempo das mulheres, particularmente em todas as áreas que envolvam cuidados pessoais, como cuidar de crianças, doentes, idosos, etc. A falta de capacidade de resposta das redes informais acarretada pela absorção das mulheres no mercado de trabalho vai gerar problemas crescentes que terão de ser resolvidos por mecanismos formais, ou seja, quer directamente pelo Estado Providência quer pelo mercado, mediante regulação e financiamentos sociais. O envelhecimento é igualmente preocupante do ponto de vista social, já que os idosos foram identificados como um dos 14

15 grupos sociais mais vulneráveis à pobreza. No entanto, se a extensão da pobreza é um problema grave, a integração social constitui a primeira e principal necessidade para o bem-estar do idoso. Daí a importância de estarmos atentos à evolução das relações entre a população idosa e as estruturas familiares Em resumo, a evolução previsível dos problemas dos idosos, a multiplicação de famílias monoparentais, a desertificação das zonas do interior, a saturação das áreas metropolitanas, entre outros factores, fazem-nos antever um futuro em que os mecanismos de protecção social em geral e a segurança social em particular vão ser confrontados com a necessidade de dedicar uma porção maior dos seus recursos a minorar os problemas de grupos vulneráveis. A segurança social terá de resolver estes problemas economizando noutras áreas, em particular assegurando a auto-sustentabilidade dos regimes contributivos, por forma a poder usar as transferências do OE para as prestações e acções verdadeiramente ligadas à solidariedade. 3. SISTEMAS DE FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL 3.1. SISTEMAS DE REPARTIÇÃO E CAPITALIZAÇÃO Um sistema de capitalização corresponde aos esquemas de planos de pensões de responsabilidade social da empresa e de seguros privados, tendo sido adoptada também pelos sistemas de seguros sociais bismarckianos. Seguindo a técnica dos seguros privados, as caixas de seguro social recolhem contribuições dos trabalhadores segurados e das entidades empregadoras, numa determinada percentagem dos salários pagos, para constituir um fundo de capitais que é aplicado por forma a gerar rendimentos que irão pagar as prestações garantidas pelos sistemas. 15

16 O regime de capitalização nos Sistemas de Segurança Social instituem, assim, uma poupança forçada na sociedade para financiar as prestações previdenciais no futuro. Teoricamente, a determinação das contribuições, em cada momento, é feita segundo as técnicas actuariais, levando em conta a matemática financeira e a probabilidade dos indivíduos se encontrarem na situação de risco coberta (invalidez, velhice, sobrevivência). Todavia, mesmo na experiência pioneira da Alemanha do século passado, este sistema não pôde prescindir da participação do Estado na criação do fundo de capitalização e no financiamento das prestações servidas, pelo que a origem tripartida do financiamento da segurança social se encontra afinal no modelo bismarckiano de protecção social. O sistema de repartição, generalizou-se a partir de meados deste século, tendo sido adoptada pela primeira vez num sistema de segurança social, nos Estados Unidos, a partir de 1939, e consiste em recolher as contribuições dos trabalhadores e dos empregadores em cada ano, aplicando-as imediatamente nas despesa de segurança social desse ano. É o regime de repartição, que os americanos chamaram pay-as-you-go, implicando uma transferência importante entre diferentes gerações. Fala-se a este propósito de um contrato implícito entre gerações, uma vez que a contribuição presente de cada um financia, em larga medida, as prestações dos que contribuíram no passado; no futuro, serão as gerações então em actividade que pagarão as prestações dos que entretanto passaram à inactividade. As vantagens e inconvenientes de cada uma destas modalidades têm sido muito discutidas nos últimos 20 anos. A capitalização tem a vantagem teórica evidente de criar uma massa de capitais disponíveis para o investimento produtivo. Pode, assim, contribuir para o crescimento económico, criar empregos e 16

17 riqueza adicional. Porém, mostra-se vulnerável à instabilidade dos preços, dado que este sistema não assegura uma actualização anual dos prestações. Pelo contrário, a repartição limita-se a tributar os agentes económicos activos para distribuir os fundos recolhidos pelos beneficiários do sistema, que, numa parte mais ou menos importante, são inactivos. Todavia, estas afirmações devem ser relativizadas. Com efeito, demonstrou-se, nos anos 60, que na situação de um crescimento positivo estável da população (isto é, quando não varia a estrutura de idades dessa população), com a economia a crescer em equilíbrio, a repartição é mais vantajosa para o bem estar de todos e mesmo que a população não cresça, os efeitos de qualquer dos sistemas no bem estar da sociedade pode ser idêntico. Acresce, que a inflação não afecta directamente o poder de compra da segurança Social em regime de repartição, dado que as receitas comtemporâneas pagam os benefícios contemporâneos indexados. Compreende-se, deste modo, como o debate sobre as modalidades de financiamento veio a ser reaberto, quando a tendência para o envelhecimento rápido das populações dos países mais desenvolvidos (e com sistemas de segurança social mais desenvolvidos) foi confirmada e os Estados se viram confrontados com a perspectiva de encargos crescentes com pensões e de diminuição da proporção dos novos activos na população total. Em termos conceptuais, o debate transferiu-se-se teoricamente para o campo da decisão colectiva, permitindo a abordagem da public choice, pioneiramente por VERBON (1986). Em termos, de modelos formais económicos, existem várias apresentações, com porém os mesmos resultados. Apresentando um modelo de cálculo de custos e responsabilidades de Brown (1995) e Kotlikoff (1979), temos que, se um indivíduo se quer reformar à 17

18 idade x=ir com o rendimento anual de 1 unidade monetáriapago continuamente, a taxa de contribuição exigida num sistema de capitalização, se ele começasse a contribuir na idade actual x=ia, seria dado pela fórmula: C IR IA 0 e δ t ι IA+ t ( IR IA) ι IR δ t ι IA dt = e ι IA 0 e ι IA+ t ι IR dt o que, após simplificação, fornece a seguinte expressão: C IR = IR IA e e δ t δ t ι x dx ι dx x A taxa de contribuição de equilíbrio depende da taxa de rendimento δ e da probabilidade de sobrevivência do indivíduo em cada ciclo de vida. Se em vez deste sistema, o indivíduo, fazendo parte de uma geração x, utiliza-se um regime de repartição, em que a taxa de rendimento efectivo fosse r e a taxa compósita da população activa estável, então a sua taxa de contribuição seria: C rt e ι x IR = IR rt IA e dx dx 18

19 A taxa intrínseca r, deve captar duas influências: - A taxa de crescimento do grupo de activos n - A taxa de crescimento real dos salários s De uma forma geral, existe igualdade entre os regimes de repartição e capitalização, se s + n = δ. Nesta situação existe uma indiferença entre os dois sistemas, uma vez que as responsabilidades actuariais são perfeitamente cobertas pelos respectivos activos de cobertura. Os problemas surgem quando existe desigualdade. Se a taxa de crescimento dos salários reais e do emprego (s+n) for superior à taxa de rendimento de forma sustentada, então é preferível manter a repartição e em caso de queda da relação activo reformado actuar por forma a aumentar o numerador da fracção ou diminuir o denominador. O aumento do número de activos consegue-se nomeadamente através do incentivo do trabalho feminino, do aumento da imigração ou influenciando a taxa de fecundidade, tendo presente que neste último caso, a influência só se constata a longo prazo. A diminuição do numerador, consegue-se aumentando a idade de reforma, por forma a manter a equidade intergeracional. Não se coloca o problema da primeira geração, uma vez que os activos geram rendimentos suficientes para financiarem todos os reformados. Teoricamente póe-se o problema da última geração, uma vez que não existindo nova geração, ninguém assegura o consumo da última geração de reformados. Se a taxa de crescimento dos salários e do emprego for inferior à taxa de rendimento (num regime de capitalização) de forma sustentada, temos um problema análogo ao da última geração dum regime de repartição, uma vez que não estando garantida uma taxa de crescimento de equilíbrio, não é possível assegurar o mesmo consumo aos futuros reformados. Neste caso a capitalização é 19

20 preferível na condição de ser resolvido o problema dos direitos adquiridos dos activos actuais. É necessário financiar as componentes seguintes: A. O custo normal dos serviços futuros dos activos actuais. B. A amortização dos direitos adquiridos passados dos activos actuais. C. O pagamento das reformas em curso. Coloca-se o problema das componentes B e C, uma vez que a capitalização exige um período mínimo de constituição de reservas, sob pena de o seu custo ser insuportável para certas gerações futuras. Qual a combinação óptima entre os regimes de capitalização e repartição quando se verifica uma taxa crescimento inferior dos salários e emprego relativamente à taxa de rendimento? Não existe um modelo económico que permita relevar esta optimalidade, talvez a melhor resposta seja uma afectação pela teoria da carteira: Um sistema de capitalização misto tem a vantagem de integrar o melhor de duas alternativas e diminuir os inconvenientes de cada uma delas em particular. È equivalente à constituição de uma carteira óptima de rendimentos de reforma, sendo a componente pública o activo sem risco e a componente privada o activo volátil (Pereira da Silva, 2001) GESTÃO PÚBLICA E GESTÃO PRIVADA A capitalização e a repartição são mecanismos de financiamento da segurança social, são instrumentos técnicos de financiamento das prestações, pelo que a qualificação em pública ou privada pode incidir sobre qualquer dos sistemas. 20

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE ECONOMIA A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português Carlos M. Pereira da Silva Catedrático do ISEG 26 de Maio de 2006 1. Do Livro Branco da Segurança

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

António Maria Aniceto de Carvalho

António Maria Aniceto de Carvalho Relatório Final Sistemas de Poupança Complementar para a Reforma em Portugal António Maria Aniceto de Carvalho Orientador: Prof. Doutor Jorge Bravo Universidade de Évora, 29 de Outubro de 2010 Sistemas

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Associação Portuguesa

Associação Portuguesa Associação Portuguesa de Estudos sobre Aforro, Investimento e Pensões de Reforma Sistemas de Segurança Social em Portugal: Arquitectura de um Novo Modelo Social e Contributos para o Debate sobre a Reforma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7004-(8) Diário da República, 1.ª série N.º 252 30 de dezembro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 83-A/2013 de 30 de dezembro Primeira alteração à Lei n.º 4/2007, de 16 de janeiro, que aprova as bases

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

Lei de bases da segurança social

Lei de bases da segurança social Lei de bases da segurança social Lei n.º 4/2007, de 16 de Janeiro Aprova as bases gerais do sistema de segurança social A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão por Velhice (7001 v4.04) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Formacão em Seguro Social

Formacão em Seguro Social Formacão em Seguro Social Sessão:Introducao a alguns princípios básicos da Protecção Social Maputo, 9 de Novembro de 2009 Nuno Meira Simões da Cunha Coordenador do Programa STEP para Mocambique O que vamos

Leia mais

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012 Fundo de Pensões Ordem dos Economistas 2012 1 Agenda Plano de Pensões da Ordem dos Economistas Fundos de Pensões Site BPI Pensões 2 Âmbito A Ordem dos Economistas decidiu constituir um Plano de Pensões

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social

Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social Técnicas de financiamento de sistemas de segurança social Maria Teresa Medeiros Garcia IDEFF, 26 de Maio de 2015 Referência: Cichon, M.; Scholz, W.; van de Meerendonk, A.; Hagemejer, K.; Bertranou, F.;

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento I - INTRODUÇÃO Um dos principais desafios que se colocam para o futuro da sociedade europeia, assim como da portuguesa, é encontrar

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 232/X GARANTE E REFORÇA OS DIREITOS DAS PESSOAS IDOSAS

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 232/X GARANTE E REFORÇA OS DIREITOS DAS PESSOAS IDOSAS PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 232/X GARANTE E REFORÇA OS DIREITOS DAS PESSOAS IDOSAS A consagração pelas Nações Unidas do Dia Internacional do Idoso, a 1 de Outubro,

Leia mais

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014)

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) PROPOSTAS (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) Proposta de Recurso aos Excedentes Técnicos e ao Fundo de Reserva Geral para Cobertura dos Saldos Negativos dos

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores A agricultura familiar, entendida enquanto a pequena atividade agrícola que emprega sobretudo a mão-de-obra

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006

LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006 LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006 I. ENQUADRAMENTO Para a UGT, uma Segurança Social universal e pública é fundamental e inegociável, constituindo a principal

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Í N D I C E. LEI DE BASES DA SEGURANÇA SOCIAL...2 Lei n.º 32/2002 de 20 de Dezembro...2 Aprova as bases da segurança social...2

Í N D I C E. LEI DE BASES DA SEGURANÇA SOCIAL...2 Lei n.º 32/2002 de 20 de Dezembro...2 Aprova as bases da segurança social...2 Í N D I C E LEI DE BASES DA SEGURANÇA SOCIAL...2 Lei n.º 32/2002 de 20 de Dezembro...2 Aprova as bases da segurança social...2 CAPÍTULO I... 2 Objectivos e princípios... 2 CAPÍTULO II... 6 Sistema público

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Institui o seguro social voluntário, regime contributivo de carácter facultativo no âmbito da Segurança Social, em que podem ser enquadrados os voluntários. Este

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Cidadãos nacionais, e cidadãos estrangeiros ou apátridas residentes em Portugal há mais de um

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão 62-03 Informação actualizada a: 09/09/2009 Designação Comercial: Data início de Comercialização: 17/07/2009 Empresa de Seguros, Sociedade Anónima com endereço da sede social na Av. Columbano

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 11 16 de Janeiro de 2007 345. Artigo 3. o

Diário da República, 1. a série N. o 11 16 de Janeiro de 2007 345. Artigo 3. o Diário da República, 1. a série N. o 11 16 de Janeiro de 2007 345 Artigo 3. o Regulamentação O Governo adoptará no prazo máximo de 120 dias, a contar da data da entrada em vigor da presente lei, a regulamentação

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/22 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.04_2) PROPRIEDADE

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v 09) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto

Leia mais