Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008"

Transcrição

1 Licenciatura em Gestão Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Noções Fundamentais Rendimento = Consumo + Poupança [Aforro] Aforro = Entesouramento + Investimento Financeiro Entesouramento = A poupança diz-se entesourada quando é mantida sob a forma de moeda [Liquidez; Disponibilidade Imediata]. Investimento Financeiro = Aplicação em Activos que não gozam de disponibilidade imediata [ou, pelo menos, essa disponibilidade está sujeita a certas restrições ou custos], com vista à produção de um novo rendimento. 2

2 Noções Fundamentais Capital CREDOR DEVEDOR Capital + Juro 3 Noções Fundamentais Credor o que cede o capital durante um determinado período de tempo ficando impossibilitado de o utilizar, devendo como tal ser recompensado através do juro que lhe é devido. Devedor o que beneficia do uso desse capital, durante esse período de tempo, e, como tal, devendo compensar quem lho cedeu através do pagamento de um juro. 4 2

3 Noções Fundamentais Prazo de aplicação do capital Período de tempo que decorre entre a cedência do capital e o seu reembolso, acrescido do respectivo juro. Juro Diferença entre o valor entregue ao credor para saldar a dívida e o capital por este cedido. 5 Noções Fundamentais Taxa de juro Não é usual definir um valor monetário para o juro devido. O habitual é acordar um valor fixo e referente a um determinado período, a taxa de juro, que nos permite calcular o valor do juro. Assim, é normal falar-se em taxas de juro do tipo: 4% ao ano, 0,9% ao trimestre. A taxa de juro exige a indicação do período a que se refere. O juro, em cada período de capitalização, é igual ao capital no início do período, multiplicado pela taxa de juro aplicável a esse período (que pode ou não coincidir com o período de referência da taxa). 6 3

4 Regimes de Capitalização Regime de capitalização simples Juros são pagos periodicamente. Não há juros de juros (Juro Total = Juro Simples) Regime de capitalização dito simples Acumulação de juros ao capital mas não há juros de juros Regime de capitalização composta Juros acumulam ao capital. Há juros de juros (Juro Total = Juro Simples + Juro de Juro) 7 Regime de Capitalização Simples Capital inicial é Taxa de juro no período t é i Momento n Juro - J t,t- i i i... i Capital - C t Juro Total Pago periodicamente n JT = Jt, t = n C0 i t= 8 4

5 Regime de Capitalização Simples - Exemplo Capital inicial é 00 Taxa de juro no período t é 0% Momento Juro - J t,t Capital - C t Juro Total Pago periodicamente 4 JT = Jt,t = % t= 9 Regime de Capitalização Dito Simples Capital inicial é Taxa de juro no período t é i Momento n Juro - J t,t- i i i... i Capital - C t + J,0 = + i C + J 2, = + i + i = +2 i C 2 + J 3,2 = +2 i + i = +3 i... C n- + J n,n- = +(n-) i + i = +n i Juro Total Pago em n n JT = J,t = n C0 t= t i 0 5

6 Regime de Capitalização Dito Simples - Exemplo Capital inicial é 00 Taxa de juro no período t é 0% Momento Juro - J t,t Capital - C t = % 0 +0 = %+00 0% = % 20 +0= %+00 0%= % = 00 +(4-) 00 0%+00 0% = % Juro Total Pago em 4 4 JT = Jt,t = % t= Regime de Capitalização Composta Capital inicial é Taxa de juro no período t é i Momento n J t,t- i C i = (+i) i C 2 i = (+i) 2 i... C n- i = (+i) n- i Capital - C t + J,0 = + i = (+i) C + J 2, = (+i) + (+i) i = (+i) 2 C 2 + J 3,2 = (+i) 2 + (+i) 2 i = (+i) 3... C n- + J n,n- = (+i) n- + (+i) n- i = (+i) n Juro Total Pago em n JT n = Jt t=,t = C 0 n [( + i) ] 2 6

7 Regime de Capitalização Composta - Exemplo Capital inicial é 00 Taxa de juro no período t é 0% Momento J t,t- Capital - C t % 0 0% = 00(+0%) 0% 2 0% = 00 (+0%) 2 0% = % = 00(+0%) 0 + = 00(+0%) + 00(+0%) 0% = 00 (+0%) , = 00(+0%) (+0%) 2 0% = 00(+0%) 3 Juro Total Pago em 3 3 JT = Jt t=,t = 00 3 [( + 0%) ] 3 Regime de Capitalização Composta Juro de Juro t 2 3 C t- J t,t- JT t ,0 2, 33, JJ t,t- - 2, C t , 0 0% = 2 0% = 2, i = 0% 4 7

8 Regime de Capitalização Composta JJ t,t- = i JT t- E como JT t- = C o x (+i) t- - Então JJ t,t- = i x [ C o x (+i) t- - ] 5 Regime de capitalização composta Capital inicial é Taxa de juro no período t é i Momento n Capital - C t C = (+i) C 2 = (+i) 2 C 3 = (+i) 3... C n = (+i) n, C, C 2,..., C n representam o valor do mesmo capital em momentos diferentes C n éo valor futuro de (e de C, C 2, etc), capitalizado àtaxa i éo valor actual de C n (e de C, C 2, etc), descontado àtaxa i C k =C l (+i) k-l Doravante será sempre assumido o regime composto, salvo indicação em contrário. 6 8

9 Exercício O Sr. Esteves efectuou, há dois anos, um depósito a prazo de Euros o qual capitalizava semestralmente. Na altura, a taxa de juro semestral em vigor era de 2%. Hoje, passados dois anos, a taxa de juro semestral diminuiu para, 5%. Considerando que não se prevê que a taxa vá sofrer alterações, quanto dinheiro deverá receber o Sr. Esteves, se levantar o seu depósito daqui a 2 anos? Resposta - 488,54 7 Exercício t C t i t,t- (+i t,t- ) C t ,00 2,00%, , ,00 2,00%, , ,00 2,00%, , ,08 2,00%, , ,32,50%, , ,69,50%,050.5,49 6.5,49,50%,050.38, ,76,50%, , ,54 8 9

10 Exercício: Exemplo de Tabelas Financeiras 9 Exercício Extracto de Tabelas financeiras, i=2,0%, i=,5% 0000 x,08243 x,0636 =.488,

11 Regra de Equivalência entre Valor Actual e Valor Futuro Sempre que se opera com capitais respeitantes a diferentes momentos no tempo, temos obrigatoriamente de os referenciar ao mesmo momento: C k C k (+i) t-k k C t (+i) k-t t C t Duas taxas dizem-se equivalentes se a sua aplicação ao mesmo valor inicial, para o mesmo período de tempo, resulta no 2 mesmo valor final. Taxas Efectiva e Nominal Taxa nominal i (z) sendo z o factor de conversão da taxa nominal (regra geral anual) para obter a taxa efectiva, isto é, aquela que se aplica para calcular os juros: z Período de capitalização anual semestral trimestral mensal i i z (z) per.de cap. = Taxa efectiva no período de capitalização 22

12 Efeito da Frequência da Capitalização Frequência # Taxa proporcional Valor inicial Valor final Taxa anual efectiva Anual 0,00% ,000% Semestral 2 5,00% ,250% Trimestral 4 2,50% ,38% Mensal 2 0,83% ,47% Semanal 52 0,9% ,506% Diária 365 0,03% ,56% Contínua ,57% 23 Efeito da Frequência da Capitalização (i) Capitalização Discreta x t+ k = x t + R m mk X t+k > 0 m R = taxa de juro nominal; m = número de subperíodos [Ex (período = ano): Sem =2; Trim = 4; Mês = 2]; k = número de períodos de capitalização. 2

13 Efeito da Frequência da Capitalização (ii) Crescimento Contínuo Se m Donde: x = x t+ k x = x Rk t+ k e Logaritmizando obtém-se: R ln t t e Rk ( x ) ln( x ) t+ k = k t R = taxa de juro nominal; k = número de períodos de capitalização. e = 2,78288 [Nº de Neper] Ex: e 0% = 0.57,092 R = ln(0.57,092)- ln(00.000) = 0%/ano. Ex2: e 2,5%x4 = 0.57,092 R = [ln(0.57,092)- ln(00.000)]/4 = 2,5%/Trim. Efeito da Frequência da Capitalização (iii) Relação entre taxas de juro equivalentes nos casos discreto e contínuo Por um lado: R = taxa de crescimento contínuo (ou instantânea) r t+,t = taxa de crescimento discreto Por outro lado: Donde: x = x ( + r + t t t +, t x = x t+ t e R e = + rt +,t R R ( r t, t ) e = r + + R = ln + e t, t ) Ex: e 0% = 0.57,092 r t+,t =e 0% -=0,57092%. Donde: (+0,57092%) = 0.57,092. Ex2: (+0%) = 0.00,00. R = ln(+0%) = 9,530798%. Donde: e 9,530798% = 0.00,00. 3

14 Taxas de Juro Nominais e Reais i: Taxa de juro a preços correntes (dita nominal) g: Taxa de inflação i r : Taxa de juro real (a preços constantes) (+i) Preços correntes k t (+i) / (+g) Preços constantes ( + i r = ( + i) g ) - 27 Rendas Situação, num regime de capitalização composta, em que há lugar a várias transferências de capital (termos/prestações) realizadas de forma regular, no mesmo sentido e em momentos equidistantes no tempo. 28 4

15 Rendas - classificação Valor dos termos Constantes Variáveis Número de termos Temporária Perpétua (Perpetuidade) Período Renda Anual (Anuidade) Renda Semestral (Semestralidade) Renda Mensal (Mensalidade) Finalidade Acumulação Amortização Remuneração Momento de início Imediata Diferida Localização Antecipada Posticipada 29 Valor Futuro de uma Renda Postcipada de Termos e Taxa Constantes Para efeito de constituição de uma poupança são efectuados periodicamente, com início no momento, n depósitos de igual montante, P, os quais são remunerados à taxa efectiva i (o período da renda coincide com o período de capitalização). Pretende-se calcular o valor acumulado até ao momento n (C n ) n P P P P P P Juros totais: JT n = C n n P n (+ i) Cn = P i Demonstração: Soma dos termos de uma progressão geométrica. 30 5

16 Valor Futuro de uma Renda Antecipada de Termos e Taxa Constantes Suponha uma situação semelhante à anterior mas com uma única diferença: o primeiro depósito é feito no momento n - n P P P P P P C n (+ i) = P (+ i) i n 3 Exercício O Sr. A vem fazendo depósitos trimestrais de 400 euros desde há 5 anos atrás numa instituição financeira, que remunera os depósitos da seguinte forma: - Saldos até euros 3% por trimestre - Saldos iguais ou superiores a euros,25% por mês. a) Calcule o saldo da conta do Sr. A após o º depósito. b) Calcule o saldo hoje, logo após o 2º depósito. c) Calcule o total de juros recebidos pelo Sr. A até hoje. d) Hoje o Sr. B pediu um financiamento ao Sr. A de euros o qual seria pago através de 6 prestações bimensais, iguais e postcipadas calculadas à taxa de juro 3% por trimestre. Calcule o valor de cada uma dessas prestações. e) Sabendo que a partir de hoje os únicos movimentos efectuados na conta do Sr. A serão os depósitos correspondentes aos recebimentos de B, calcule o saldo da sua conta bancária daqui por 4 anos. 32 6

17 Valor Actual de uma Renda Postcipada de Termos e Taxa Constantes Suponha que é contraída uma dívida no momento 0 ( ) a qual deverá ser totalmente amortizada através de n prestações de igual montante, P, sendo a primeira entregue no momento. A taxa efectiva em vigor é i (o período da renda coincide com o período de capitalização) n.. P P P P P = (+ i) P i n Juros totais: JT n = n P 33 Demonstração: Soma dos termos de uma progressão geométrica. Valor Actual de uma Renda Postcipada Perpétua = Lim n P (+ i) i n = P i 34 7

18 Valor futuro / Actual de uma Renda Postcipada a Taxa Variável EXERCÍCIO: O prémio de um concurso consistiu em cinco pagamentos de 0000 euros cada um, a intervalos de um ano. O vencedor investiu sempre prontamente cada um desses pagamentos numa conta que foi remunerada às seguintes taxas: º ano: 2%; 2 ano: 3%; 3º ano: 3,5%; 4º e 5º anos: 4%. a) Qual será o saldo da conta ao completar-se o 5º ano? b) Se o prémio consistisse num só pagamento, de quanto teria que ser para que o valor final da conta fosse o calculado em a)? 35 Valor Actual com Crescimento dos Termos da Renda a Taxa Constante (i) Valor Actual de Uma Perpetuidade com Crescimento C0 P = i g Obs: ) Numerador reporta-se à data e não à data zero; 2) g<i. (ii) Valor Actual de Uma Anuidade com Crescimento P + g C0 = i g + i N 8

19 Valor Futuro/Actual de uma Renda Postcipada de Termos Crescentes a Taxa de Crescimento Constante EXERCÍCIO: A fim de constituir uma poupança para a sua reforma, um indivíduo decidiu investir todos os anos 5% do seu rendimento anual, com início dentro de um ano, terminando 4 anos depois dessa data de início. O seu rendimento anual é actualmente de e estima-se que crescerá 2% ao ano. Assumindo que a taxa de rendimento do fundo gerado pelo investimento é de 4% ao ano, calcule: a) O valor actual do investimento. b) O valor acumulado ao fim de 5 anos. 37 Determinação de N Resolução em Ordem a N: [Número de Períodos Necessários Para Atingir C N, Partindo de.] (i) Com Um Único Cash Flow (ii) Com Anuidades C ln C N = ln N 0 ( + i) P ln P C0*i N = ln ( + i) 9

20 Determinação de i Resolução em Ordem a i [Yield ou TIR] (i) Com Um Único Cash Flow [PV e FV N ] C i = C N (ii) Múltiplos Cash Flows N 0 Processo Iterativo. Taxa Interna de Rentabilidade TIR: a taxa à qual o valor actual de uma série de cash-flows é0. Exercício: Um carro cujo preço de venda (a pronto) é de 8000 é vendido por 36 prestações mensais de 400. O comprador deve ainda pagar uma entrada de 5000 e comissões de 00 no início de cada um dos 3 anos de prestações. Calcule a TIR. i = TIR (taxa efectiva mensal) = 0,69% 40 20

21 TAEG - Decreto-Lei nº 359/9, de 2 de Setembro Artigo 4.º Taxa anual de encargos efectiva global - A taxa que torna equivalentes, numa base anual, os valores actualizados do conjunto dos empréstimos realizados ou a realizar pelo credor, por um lado, e dos reembolsos e encargos realizados ou a realizar pelo consumidor, por outro, designa-se taxa anual de encargos efectiva global, abreviadamente TAEG, e é calculada de acordo com a expressão matemática constante no anexo n.º ao presente diploma, que dele faz parte integrante. 5- No cálculo da TAEG não são incluídas as seguintes despesas: c) As despesas de transferência de fundos, bem como os encargos relativos à manutenção de uma conta destinada a receber os montantes debitados a título de reembolso do crédito, de pagamento dos juros e dos outros encargos, excepto se, não dispondo o consumidor de liberdade de escolha para o efeito, tais despesas forem anormalmente elevadas, sem prejuízo do disposto na alínea a) do número seguinte; 6- Incluem-se igualmente no cálculo da TAEG: a) As despesas de cobrança dos reembolsos e pagamentos referidos na alínea c) do número anterior; b) As despesas de seguro ou de garantia que se destinem a assegurar ao credor, em caso de morte, invalidez, doença ou desemprego do consumidor, o reembolso de uma quantia igual ou inferior ao montante total do crédito, incluindo os juros e outras despesas, e que sejam exigidas pelo credor como condição para a concessão do crédito. Anexo I d) Os resultados do cálculo serão expressos com uma precisão de, pelo menos, uma casa decimal. 4 TAEG - Decreto-Lei nº 359/9, de 2 de Setembro Exercício: Um carro cujo preço de venda (a pronto) é de 8000 é vendido em 36 prestações mensais de 400. O comprador deve ainda pagar uma entrada de 5000 e comissões de 00 no início de cada um dos 3 anos de prestações. Calcule a TIR. i = TIR (taxa efectiva mensal) = 0,69% TAEG = 8,54% PV (400;36;0,56%) = 3000 Tx. Anual equivalente a 0,56% mensal = 6,98% 42 2

22 Determinação de P Resolução em Ordem a P [Anuidade, Semestralidade,...] (i) A Partir de C N P = C N N ( + i) i (ii) A Partir de P = C 0 ( i) + i N Sistemas de Amortização de Empréstimos Reembolso de Uma Só Vez Juro Pago Período a Período Juro Acumulado ao Capital Sinking Fund Sistemas de Amortização Periódica Sistemas de Pagamentos Constantes ( Sistema Francês ) Sistema de Reembolsos Constantes 44 22

23 Reembolso de Uma Só Vez com Sinking Fund Sinking fund: quando se constitui um processo de capitalização paralelo com o objectivo de reembolsar uma dívida (num outro processo de capitalização). Exemplo: Os termos de um empréstimo obrigacionista com reembolso de uma só vez prevêem pagamentos regulares para um sinking fund, administrado por um trustee. O pagamento pode ser na forma de cash ou então o emitente pode optar por comprar obrigações no mercado e entregá-las ao fundo. No primeiro caso o trustee sorteia obrigações e reembolsa-as ao valor nominal. 45 Amortização de Empréstimo a Taxa Fixa e com Prazo Fixo Através de Pagamentos Constantes Decomposição da prestação constante em duas parcelas: Juro do período (J t,t- ) Quota do capital (M t ) P P P P P = , , , , ,975 i=0% 46 23

24 Amortização de Empréstimo a Taxa Fixa e Com Prazo Fixo Através de Pagamentos Constantes Prestação = Quota do capital + juro = C = 8362,025 C 2 = 6560,253 C 3 = 4578,303 C 4 = 2398,58 C 5 = J,0 J 2, J 3,2 J 4,3 J 5,4 2637, , , , , , , ,83 239,86 M = 637,975 M 2 = 80,772 M 3 = 98,95 M 4 = 280,45 M 5 = 2398,58 M t = M t- (+i) 5 t= M t = 47 Amortização de Empréstimo a Taxa Fixa e com Prazo Fixo Através de Reembolsos Constantes Prestação = Reembolso constante + juro = C = 8000 C 2 = 6000 C 3 = 4000 C 4 = 2000 C 5 = J,0 J 2, J 3,2 J 4,3 J 5, M = 2000 M 2 = 2000 M 3 = 2000 M 4 = 2000 M 5 = 2000 M t = M t- 5 t= M t = 48 24

25 Bibliografia Chaves, C., Maciel, E., Guimarães, P. e Ribeiro, J. (999), Instrumentos Estatísticos de Apoio à Economia: Conceitos Básicos; McGraw-Hill. [Capítulo 4] Cadilhe, M., Matemática Financeira Aplicada (994), Edições Asa, 3ª Edição. Caderno de Exercícios nº2. 49 Licenciatura em Gestão Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] FIM 25

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27

Fundamentos do Cálculo Financeiro. 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 Índice Índice de casos propostos 13 Prefácio 17 Apresentação 19 Considerações e abreviaturas 23 Capítulo 1 Fundamentos do Cálculo Financeiro 1. Introdução: o valor temporal do dinheiro 27 2. Conceitos

Leia mais

Cálculo Financeiro. Aplicações no Secundário

Cálculo Financeiro. Aplicações no Secundário Cálculo Financeiro Aplicações no Secundário Introdução São inúmeras as situações do nosso quotidiano em que estão presentes conceitos de Cálculo Financeiro. Podem ser abordadas: numa ótica de investimento

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A OBSERVAÇÕES: (i) A duração da prova é de 2 horas; (ii) Não é permitida a consulta de quaisquer elementos, nem são prestados quaisquer esclarecimentos; (iii) Responda ao Grupo I na tabela constante desta

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS (versão 2006/2007) Rogério Matias EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS 1ª SESSÃO (Numeração dos exercícios do livro Cálculo Financeiro Teoria e Prática, excepto exercício designado por Extra

Leia mais

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras.

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras. Exercício nº 30 Objectivo: Funções financeiras Nome do documento: Funções financeiras Pedidos: 1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Análise Financeira Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Lisboa, Abril de 2004 Preparado por: Filipe de Almeida Pereira (filipepereira.iseg@iol.pt)

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade / Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Cálculo Comercial e Financeiro Semestre: 3 Nº ECTS: 6,0

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 1-jul-15 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS Ano letivo 2015/2016 INDICE Introdução ao cálculo financeiro... 3 Instrumentos financeiros de curto prazo... 7 Rendas... 9 Amortização

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira http://www.oportunity.ubbihp.com.br 1 CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA A consideração explicita do fator tempo em qualquer processo de transferência de recursos financeiros

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1.

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Negócio Clientes Empresa e Empresários em Nome Individual. Depósito à Ordem remunerado, que possibilita o acesso a um limite de crédito

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (º ANO) Exercícios - Capitalização EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Calcule os juros simples produzidos: a) Por um capital de 500 aplicado durante

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

Protocolo BBVA Soluções Financeiras

Protocolo BBVA Soluções Financeiras Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Associados do SPLIU. Para o BBVA cada

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

Curso. Matemática Financeira com HP 12C

Curso. Matemática Financeira com HP 12C Seja Bem Vindo! Curso Matemática Financeira com HP 12C Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Cálculo Financeiro. Elementos de. Informações; Acetatos e Demonstrações; Exercícios. Ano letivo 2014/2015. Curso de Gestão. Docente: Francisco Antunes

Cálculo Financeiro. Elementos de. Informações; Acetatos e Demonstrações; Exercícios. Ano letivo 2014/2015. Curso de Gestão. Docente: Francisco Antunes http://icons.mysitemyway.com/legacy-icon/104846-3d-glossy-orange-orbicon-alphanumeric-information1/ UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Elementos de http://boltcity.com/2006/08/25/the-comickers-endurance/ http://pixgood.com/funny-math-equations-cartoon.html

Leia mais

Matemática financeira

Matemática financeira Matemática financeira Apostila MATEMÁTICA FINANCEIRA - APOSTILA 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 4 AULA 1: REGIME DE CAPITALIZAÇÃO DE JUROS 6 INTRODUÇÃO 6 CONTEÚDO 6 INTRODUÇÃO 6 CONCEITO DE CAPITAL PRINCIPAL, JURO

Leia mais

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS?

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Juros Simples JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Os juros são a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Representam a remuneração do capital empregado em alguma atividade produtiva. Pode ser caracterizado

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro Regime Jurídico dos Certificados de Aforro (Decreto-Lei nº 122/2002 de 4 de Maio) A reforma dos certificados de aforro levada a cabo em 1986 com a publicação do Decreto-Lei n.º 172-B/86, de 30 de Junho,

Leia mais

CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE

CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE CÁLCULO FINANCEIRO E CONTABILIDADE ANO LECTIVO : 2005/2006 DOCENTE RESPONSÁVEL : ROLANDO RODRIGUES 1 i) Objectivos e metodologias SUMÁRIO ii) iii) iv) Programa Geral Bibliografia recomendada Planificação

Leia mais

E C O N O M I A D A E N G E N H A R I A MATEMÁTICA FINANCEIRA

E C O N O M I A D A E N G E N H A R I A MATEMÁTICA FINANCEIRA E C O N O M I A D A E N G E N H A R I A MATEMÁTICA FINANCEIRA e ANÁLISE de INVESTIMENTOS 2 CAP. 1 - JUROS 1.1- Valor do dinheiro no tempo O principal conceito existente na matemática financeira é o de

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL BENFMEMD_20130701 Benfica Member CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 3 26/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Capítulo 7 Noções de Matemática Financeira 1 O valor do dinheiro no tempo A operação básica da matemática financeira é a operação de empréstimo. Alguém que dispõe de um capital C (chamado de principal),

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA O valor do dinheiro ao longo do tempo ÍNDICE NOTA DE APRESENTAÇÃO... 21 I - Introdução... 25 II Capitalização simples... 29 2.1 Introdução... 31 2.2 Fórmula

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa Produto a comercializar Perfil do Cliente alvo da solução O é um produto financeiro complexo que resulta da comercialização combinada de um depósito a prazo simples, denominado SDA, com um seguro de capitalização

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Juros e Capitalização Simples Matemática Financeira 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o

Leia mais