2013 Relatório de Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2013 Relatório de Gestão"

Transcrição

1

2 Gestão para resultados.

3 Todos focados no crescimento. Todos compartilhando grandes resultados. Tudo que alcançamos é resultado de muita dedicação, trabalho e união. Foi assim que o Sicoob se transformou na maior instituição financeira cooperativa do país. E está pronto para continuar progredindo: somos hoje parte essencial da vida financeira de 2,5 milhões de associados. Números tão expressivos nos enchem de orgulho. Mas, ao mesmo tempo, trazem novos desafios: conquistar mais espaço e visibilidade, aumentar o número de associados e obter resultados ainda melhores. Por isso, o Sicoob Central Cecremge trabalha com foco na Gestão para Resultados, o que significa ficar atento às oportunidades do mercado, implantar uma gestão eficiente e investir em ações planejadas, sempre pensando no crescimento das cooperativas, para que elas sejam cada dia maiores, melhores e mais rentáveis. É cumprindo esse propósito que encerramos o ano de com grandes resultados e vamos começar 2014 dedicados a conquistar muito mais, junto com você.

4 Apresentação 09 Consultoria e Normas 44 Conselhos 11 Comunicação 47 Mensagem do Presidente 13 Tecnologia 48 Sicoob Sistema Cecremge 15 Educação Cooperativista 50 Incorporações 16 Sicoob Negócios 57 Livre Admissão 17 Comunicar Minas 58 Negócios 19 XIV Seminário das Cooperativas de Crédito 59 Gerenciamento Matricial de Despesas 25 Responsabilidade Social 60 Planejamento Estratégico 25 Dia de Cooperar (Dia C) 73 Gestão Financeira 28 Balanço Patrimonial 75 Fundo Garantidor Sicoob 35 Demonstração de Resultados 79 Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito 36 Relatório dos Auditores Independente Sobre as Demonstrações Financeiras 81 Supervisão 37 Parecer do Conselho Fiscal 83 Controles Internos 43

5 APRESENTAÇÃO Este relatório é a consolidação das atividades e iniciativas que o Sicoob Central Cecremge desenvolveu em, como resultado do processo de engajamento de todos os seus diretores e funcionários, bem como de suas cooperativas filiadas e associados. Rico em significados, este documento reforça, por meio de descritivos e gráficos, o compromisso da Central com a constante busca por inovação, aprimoramento e transparência. Essas características permitem solidificar a base necessária para dar continuidade à trajetória de expansão de suas singulares, assegurando seu efetivo papel de instrumento para o desenvolvimento socioeconômico do Estado.... constante busca por inovação, aprimoramento e transparência. 9

6 CONSELHOS Diretoria Executiva Luiz Gonzaga Viana Lage Diretor-presidente Ramiro Rodrigues de Ávila Júnior Vice-presidente Alfredo Alves de Oliveira Melo Diretor de Supervisão e Controle Márcio Olívio Villefort Pereira Diretor Administrativo e de Desenvolvimento Samuel Flam Diretor Comercial e Financeiro Conselho de Administração César Augusto Mattos Charles Drake Guimarães Gonçalves Cristiano Felix dos Santos Silva Darcy da Silva Neiva Filho Hélio Alves de Rezende Jacson Guerra Araújo Nelson Soares de Melo Ronaldo Siqueira Santos Urias Geraldo de Sousa Conselho Fiscal 11 Antônio de Ávila e Silva João Carlos Leite Osmano Diniz França Pedro-Waldo Fernandes de Cunha Rui Rezende Souza Zélia Maria Alves Rabelo

7 MENSAGEM DO PRESIDENTE Uma andorinha só não faz verão, mas muitas juntas, fazem 20. Partindo desta premissa, uma analogia simples, podemos exemplificar a nossa existência, pois vivenciamos juntos outros tantos de outonos, invernos e primaveras. Se foram fáceis ou difíceis as estações vencidas, cabe a cada uma das nossas cooperativas fazer sua autoanálise, mas com certeza, uma coisa nós sabemos, somos vencedores. Crescemos, ganhamos respeito em nossas comunidades, constituímos uma Confederação, criamos o nosso banco e trouxemos com ele, novos serviços e fontes de receitas, tão desejadas e queridas. Enfim, ousamos dizer que caminhamos perto de coisas e pessoas de verdade. Mas também, como mortais pode ser que um dia não mais existamos e, isto, é um fato. Mas a semente plantada lá atrás, há vinte verões passados, nos proporcionou para que juntos, fizéssemos uma gestão voltada a resultados financeiros a níveis de excelência e aprimoramento na gestão administrativa, não ficando assim, interrompida a corrente do saber, do querer e do fazer, tão próprias dos nossos princípios cooperativistas. E com isto, procuramos no curto espaço deste relatório, mostrar todo um trabalho de uma equipe profissional competente, desenvolvido no transcorrer de e também, a atuação de um quadro social participativo e sempre presente. 13 Agradecemos a todos aqueles, parceiros quase de sempre, que nos ajudaram a atingir nossos objetivos e, em especial, ao Sistema Ocemg, que durante todo o exercício findo de esteve conosco no desenvolvimento e treinamento de nossa gente. Luiz Gonzaga Viana Lage Diretor-presidente

8 SICOOB SISTEMA CECREMGE Fundada em 1994, a Central das Cooperativas de Economia e Crédito de Minas Gerais Ltda. (Sicoob Central Cecremge) foi criada para representar os interesses de suas cooperativas filiadas, orientando-as em todas as suas operações e serviços, promovendo a integração das mesmas com o cooperativismo e com o sistema financeiro nacional. Atualmente, o Sicoob Sistema Cecremge é composto por 73 cooperativas, originárias dos mais diversos segmentos econômicos, sendo comercial, rural, de empregados, profissionais liberais e livre admissão, divididas da seguinte forma: cooperativas formadas por comerciantes e empresários; 3 cooperativas formadas por profissionais liberais; 17 cooperativas formadas por empregados de empresas privadas; 18 cooperativas formadas por empregados de empresas públicas; 1 cooperativa formada por produtores rurais; 28 cooperativas de Livre Admissão.

9 As cooperativas filiadas à Central estão localizadas em todas as regiões do Estado de Minas Gerais. Distribuídas em 247 pontos de atendimento, prestam serviços financeiros a mais de 327 mil associados. Das 73 singulares que compõem o Sicoob Sistema Cecremge, 17 não operam com conta corrente e 56 dispõem desse serviço para seus associados por meio do convênio com o Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob). A soma de esforços da Central e de suas filiadas para fortalecer o cooperativismo de crédito lhes confere uma posição de destaque no mercado financeiro do Estado. Ao coordenar este movimento, o Sicoob Central Cecremge consolida dia a dia sua liderança e faz da crença no cooperativismo e em seus valores uma marca constante do seu trabalho. INCORPORAÇÕES LIVRE ADMISSÃO Regulamentada pela Resolução 3.859, de 27/5/2010, do Banco Central do Brasil (Bacen), a transformação de cooperativas segmentadas em cooperativas de livre admissão de associados representa um grande avanço para o setor e para a sociedade. Essa condição, que permite a coexistência de grupos de associados de diversas origens e atividades econômicas em cooperativas de crédito, tem sido cada vez mais aspirada pelas filiadas ao Sicoob Central Cecremge. Com maior diversidade na composição de seu quadro social, as cooperativas de livre admissão viabilizam o aumento de negócios e minimizam os riscos de operar em apenas uma atividade econômica. Assim, ela garante a redução de custo e o ganho em escala. Com isso, é possível vislumbrar a consolidação de um modelo de cooperativismo de crédito sólido e acessível a um número maior de pessoas, o que favorece o fomento das economias locais. Em, três processos de transformação de filiadas em livre admissão foram autorizados pelo Bacen A união entre cooperativas de crédito é um passo importante rumo à solidez e à credibilidade do Sicoob Sistema Cecremge, que percebe nas incorporações uma oportunidade de otimizar recursos humanos, tecnológicos e financeiros, ampliar a área de atuação das cooperativas e favorecer o crescimento sustentado do ramo em Minas Gerais. Em abril de, duas cooperativas aumentaram sua dimensão para melhor atender seus associados. A Cooperativa de Economia e Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino Superior e Pesquisas Científica e Tecnológica e dos Servidores do Ministério do Trabalho e Emprego de Minas Gerais (Sicoob Nossacoop) incorporou a Cooperativa de Crédito Mútuo dos Policiais Federais em Minas Gerais (Federalcred), ambas sediadas em Belo Horizonte. A Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Noroeste de Minas Ltda. (Sicoob Crediparnor), foi autorizada para atuar com a livre admissão em janeiro. Já a Cooperativa de Crédito de Livre Admissão Regional de Montes Claros Ltda. (Sicoob Credimontes) recebeu autorização em fevereiro. E, no final de, em dezembro, foi a vez da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Comerciantes de Confecções do Sertão de Minas Gerais Ltda. (Sicoob Sertão Minas) ser autorizada pelo Bacen. Com a decisão, aprovada por unanimidade por diretores e associados das singulares em Assembleia Geral Extraordinária conjunta, os 257 cooperados da Federalcrad, criada há 10 anos, passaram a fazer parte do quadro social do Sicoob Nossacoop, originalmente com cooperados. Essa aglutinação trouxe grandes benefícios para o quadro social ao impulsionar o desenvolvimento das singulares, com o ganho em escala. E os associados das cooperativas incorporadas passaram a ter acesso a novos produtos e serviços financeiros. Essa condição representa um caminho natural para as cooperativas que trilham na mesma direção, focadas no profissionalismo e na expansão do segmento.

10 NEGÓCIOS Com a missão de gerar soluções financeiras adequadas e sustentáveis, por meio do cooperativismo, aos associados e às suas comunidades, o Sicoob se empenha dia a dia para conquistar ganhos sistêmicos, oferecendo um portfólio de produtos cada vez mais competitivo, que já conta com soluções compatíveis com a realidade do mercado. Dessa forma, é de responsabilidade das Centrais a divulgação e o incremento da carteira de negócios de cada cooperativa filiada, a fim de proporcionar aos seus associados produtos e serviços de qualidade, facilitando sua vida e suas operações financeiras. Partindo dessa premissa, foi um ano marcado por intensa mobilização do Sicoob Central Cecremge nas singulares filiadas. Foram realizadas ações de incentivo, treinamento comercial e suporte técnico às cooperativas, com o objetivo de apresentar os resultados que podem ser obtidos com a comercialização dos produtos Sicoob. Assim, produtos como cartões, consórcio, poupança, seguros e previdência complementar também passaram a fazer parte do relacionamento com o associado. 19 Antes, as cooperativas focavam muito em capital e empréstimo. Após essas ações, o Sicoob Central Cecremge trabalhou de forma a quebrar esse paradigma, a fim de que as filiadas ambicionassem um futuro em que a composição das sobras passasse, também, pelo retorno de produtos comercializados de acordo com o perfil e as necessidades de cada cooperado.

11 Os gráficos a seguir demonstram o crescimento das singulares em resposta às ações propostas pela Central. Ranking do Sistema Sicoob Gráfico de Evolução do Sicoob Consórcios Sicoob Consórcios - Evolução RANKING NACIONAL SICOOB - DEZEMBRO/ IMÓVEIS POSIÇÃO CENTRAL NOME CENTRAL QTD TOTAL EM R$ 499 Cotas , Sicoob Central Cecremge ,00 RANKING NACIONAL SICOOB - DEZEMBRO/ VEÍCULOS 217 Cotas POSIÇÃO CENTRAL NOME CENTRAL QTD TOTAL EM R$ , Sicoob Central Cecremge , Cotas ,00 Jan Jun Dez Total da Produção: R$ ,00 Total em Cotas: 758 Evolução Seguros - Prêmio Líquido e n o de propostas R$ ,03 R$ , R$ , ,16%

12 Evolução Seguros - Comissionamento O Sicoob Sistema Cecremge também foi destaque nas campanhas do produto Sicoob Consórcios, promovidas pelo Bancoob: R$ ,57 R$ , % RESULTADO DA 1 a CAMPANHA NACIONAL 1 o Lugar Sicoob Coopemata Cooperativa filiada ao Sicoob Central Cecremge. RESULTADO DA 2 a CAMPANHA NACIONAL 1 o Lugar Sicoob Aracoop, e mais cinco cooperativas filiadas entre as 10 primeiras no ranking nacional. R$ , Evolução Sicoob Previ - Contribuições e n o de participantes R$ , participantes R$ , participantes 2434,6% Entre as ações realizadas durante o exercício, destaca-se ainda a promoção do Sicoob Negócios. Após o evento, percebendo o desenvolvimento da carteira de produtos nas filiadas, o Sicoob Central Cecremge elaborou e enviou um diagnóstico individual sobre cada cooperativa em relação a quatro serviços de alta rentabilidade: cartão, consórcio, crédito consignado e seguro. O Sicoob Central Cecremge chega ao final de com a confiança de que está no caminho certo para fazer do Sistema um exemplo de excelência na comercialização dos produtos e nos seus resultados. E ainda com a perspectiva de que as cooperativas filiadas que decidiram adotar uma postura mais ousada e diversificada em sua plataforma de negócios colherão bons frutos nos próximos anos, consolidando assim sua participação e efetividade na comunidade em que atuam. R$ 9.177,50 50 participantes

13 Cartão BNDES GERENCIAMENTO MATRICIAL DE DESPESAS A partir de abril de, o Sicoob passou a operar com o cartão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O produto é baseado no conceito de cartão de crédito, que tem a função de financiar os investimentos das micro, pequenas e médias empresas. As pessoas jurídicas de micro, pequeno e médio portes, associadas às cooperativas singulares, com faturamento bruto anual de até R$ 90 milhões, com sede no Brasil, de controle nacional, que exerçam atividades econômicas compatíveis com as políticas operacionais e de crédito do BNDES e que estejam em dia com o INSS, FGTS, RAIS e tributos federais, poderão obter o cartão BNDES. O Sicoob Central Cecremge, atento às oportunidades de negócios, realizou treinamentos do novo produto com as filiadas e contabiliza, hoje, 160 propostas enviadas, com 126 cartões já emitidos. A adesão possibilitou maior visibilidade do Sicoob e da Cabal frente ao mercado, uma vez que a Cabal foi a terceira bandeira a ser autorizada pelo BNDES e o Sicoob, a primeira instituição cooperativa a obter este credenciamento. O Gerenciamento Matricial de Despesas (GMD) consolidou-se no Sicoob Central Cecremge como uma ferramenta modelo para outras instituições. Importante instrumento de gestão orçamentária, esse sistema foi desenvolvido para monitorar os investimentos realizados pela Central, mensurando o cumprimento das metas previstas pelo orçamento anual. Em linhas gerais, o GMD consiste na análise detalhada dos gastos de cada área da Central, nas metas de redução específicas, nos desafios compatíveis com o potencial de ganho e na validação de contas. Implantado em 2004, o GMD vem sendo uma ferramenta acompanhada mensalmente pelos gestores, superintendentes e diretoria. As variações do realizado em relação ao orçado são analisadas, discutidas e apresentadas aos Conselhos Fiscal e de Administração PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O Sicoob Central Cecremge, em, revisou o seu Planejamento Estratégico (PE), em busca de uma consonância com o novo mapa estratégico definido pelo Sicoob Confederação. Para o efetivo cumprimento do Planejamento, foi adotada a metodologia As 4 Disciplinas da Execução, utilizada pelo Sicoob Confederação no acompanhamento do seu PE. As disciplinas destacadas são: Foque no Crucialmente Importante Atue sobre as Medidas de Direção Mantenha um Placar Envolvente Crie uma Cadência de Responsabilidade

14 Essa metodologia possibilita aos gestores focar nos objetivos e metas mais importantes, definir medidas claras de desempenho e estabelecer um modelo de acompanhamento e prestação de contas semanal. Portanto, utilizando As 4 Disciplinas da Execução, cada gerência do Sicoob Central Cecremge estabeleceu uma meta crucialmente importante a ser trabalhada durante o exercício e definiu as ações, ou medidas de direção, necessárias para alcançá-la, com o envolvimento de todo o quadro funcional. Esse método foi muito importante para a implantação de uma cultura voltada para a busca de resultados. Em 2014, o Sicoob Central Cecremge continuará conduzindo o seu Planejamento Estratégico utilizando a mesma metodologia, agora com uma cultura bem mais enraizada sobre a necessidade constante da busca de eficiência por meio do estabelecimento de metas atingíveis, porém desafiadoras para o Sistema busca de eficiência através do estabelecimento de metas atingíveis, porém desafiadoras para o Sistema.

15 GESTÃO FINANCEIRA Os gráficos a seguir apresentam evoluções no período entre 2010-: A Centralização Financeira é constituída pela movimentação do saldo disponível na conta corrente mantida na Central pelas cooperativas filiadas. Os recursos consolidados da Centralização são investidos em aplicações no Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob) e no Bancoob Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (Bancoob DTVM), empresa de administração e gestão de recursos do Sicoob. R$ Saldo Médio da Centralização Financeira (Em R$ Mil) 30,00% O gráfico a seguir demonstra o crescimento do saldo em conta corrente na Centralização Financeira em. R$ R$ R$ ,00% 20,00% Gráfico Saldo em Conta Corrente R$ ,00% Milhões R$1.600 R$1.500 R$1.400 R$1.300 R$1.200 R$1.324 R$1.335 R$1.355 R$1.345 R$1.378 R$1.398 R$1.464 R$1.513 R$1.570 R$1.589 R$1.574 R$1.597 R$ ,00% R$ 400 5,00% R$ R$- 0,00% Saldo médio Centralização Financeira R$1.100 R$1.000 JAN/13 FEV/13 MAR/13 ABR/13 MAI/13 JUN/13 JUL/13 AGO/13 SET/13 OUT/13 NOV/13 DEZ/13

16 Histórico da Rentabilidade da Centralização Financeira (em % do CDI) Dados consolidados do Sicoob Sistema Cecremge: 103,00 % 102,37 % 102,00 % 101,00 % 100,00 % 99,00 % 98,00 % 101,34 % 99,67 % 100,00 % Milhões R$ R$ R$ R$ Depósitos Consolidados das Singulares Filiadas R$ ,91 R$ ,44 R$ ,64 R$ ,77 O gráfico a seguir demonstra o comparativo entre a Carteira de Crédito e a Provisão de Crédito em. R$ R$ 500 Carteira de Crédito da Central X Provisão de Crédito em R$ R$70 3,00% Milhões R$60 R$50 R$40 R$30 R$20 R$10 2,08 % 1,79 % 1,81 % 1,75 % 1,81 % 1,83 % 1,85 % 1,91 % 2,00 % 2,03% 2,00 % ,00 % ,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% Milhões Operações de Crédito Consolidados das Singulares Filiadas R$ R$ ,65 R$ R$ ,91 R$ ,98 R$ R$ ,01 R$ R$ - JAN/13 Crédito FEV/13 MAR/13 ABR/13 MAI/13 JUN/13 JUL/13 AGO/13 SET/13 OUT/13 NOV/13 DEZ/13 0,00% R$ 500 R$ Provisão

17 Patrimônio Líquido Consolidado das Singulares Saldo Devedor Crédito Rural Repasse Bancoob Milhões R$ R$ R$ 800 R$ 600 R$ ,14 R$ ,98 R$ ,58 R$ ,57 R$ R$ R$ R$ R$ R$ ,85 R$ ,61 R$ ,68 R$ ,45 R$ 400 R$ 200 R$ R$ Saldo Devedor Crédito Rural Repasse Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social BNDES R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Sobras Consolidadas das Singulares Filiadas R$ ,97 R$ ,49 R$ ,77 R$ ,42 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ ,58 R$ ,02 R$ ,54 R$ ,72 R$ ,00 R$ R$ R$

18 Considerando os números projetados no Plano Empresarial do Sicoob para, o Sicoob Central Cecremge obteve o seguinte desempenho: Plano Empresarial Sicoob FUNDO GARANTIDOR DO SICOOB As cooperativas do Sicoob Central Cecremge participam do Fundo Garantidor Sicoob (FGS), criado em 2002 pelo Sistema Sicoob para proteger os depósitos à vista e a prazo de associados das singulares filiadas. Para fazer frente aos desafios do cenário mercadológico atual e se equiparar, em níveis de segurança, às instituições financeiras tradicionais, o FGS aumentou o seu valor de garantia para os associados do Sistema de R$ 70 mil para R$ 250 mil. A mudança foi aprovada em Assembleia Geral, realizada em 23/8/. 34 Além dos depósitos à vista e a prazo, o FGS cobre também as operações de Letra de Câmbio do Agronegócio (LCA). A garantia é válida, por CPF ou CNPJ, para o associado de cooperativas que, em algum momento, apresentarem situação de desequilíbrio patrimonial e econômico financeiro. Além disso, o FGS presta cobertura em processos de incorporação em que a cooperativa incorporada apresente estado de insolvência. 35 O Fundo encerrou com um patrimônio de quase R$ 255 milhões, apresentando um crescimento de mais de 25% se comparado com o exercício de Esses recursos estão aplicados integralmente em Títulos Públicos Federais, em cumprimento ao Regulamento do FGS. Previsto Realizado

19 FUNDO GARANTIDOR DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO SUPERVISÃO O Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) foi regulamentado por meio da Resolução nº do Conselho Monetário Nacional, de 5/11/, que aprovou seu Estatuto Social e seu Regulamento. Trata-se de um importante mecanismo para fortalecer o Cooperativismo de Crédito no Brasil, e tem por finalidade oferecer às cooperativas a mesma segurança que o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) proporciona aos bancos, além de evidenciar à sociedade a credibilidade dos sistemas cooperativos e tranquilizar os associados sobre a solidez da instituição. A associação ao FGCoop será compulsória a todas as cooperativas do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC). Os Bancos Cooperativos também serão associados. O objeto inicial será a cobertura dos depósitos à vista, dos depósitos a prazo e das Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) dos associados até o limite de R$ 250 mil por CPF e/ou CNPJ em situaçåo de liquidação extrajudicial. Posteriormente, quando atingir a reserva técnica prevista em Estatuto, poderá contratar operações de assistência e suporte financeiro. Supervisão Direta No intuito de atuar de forma mais eficaz frente às mudanças e ao crescimento de mercado, o Sicoob Central Cecremge aprimorou os processos de supervisão direta nas cooperativas singulares. Mantendo o seu compromisso de auxiliar e acompanhar a evolução dos controles internos, atuando de forma positiva nas rotinas de trabalho das cooperativas filiadas, a Central coopera nas correções das irregularidades identificadas por meio dos processos de pós-auditoria. Dessa forma, permite-se amenizar as situações de risco, além de garantir a sustentabilidade do Sicoob Sistema Cecremge. Diante dos aperfeiçoamentos na área, a equipe de Supervisão Direta também aprofundou seus conhecimentos, participando de treinamentos oferecidos pela Central e pelo Sicoob Confederação, o que proporcionou consideráveis melhorias nos trabalhos executados tranquilizar os associados sobre a solidez da instituição. Em, foram realizadas visitas de auditoria em todas as cooperativas filiadas, além de acompanhamentos indiretos e auditorias especiais em função de solicitações do Banco Central do Brasil, totalizando 132 visitas às singulares. O Sicoob Central Cecremge fez também o acompanhamento da regularização dos apontamentos constantes nos relatórios de auditoria externa, sendo que 97% das cooperativas filiadas participam do convênio operacional formalizado pela Central com a Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa (Cnac).

20 Supervisão Indireta Monitoramento e Gestão de Riscos O gráfico a seguir demonstra a evolução do triênio 2011/2012/ da Matriz de Risco das Cooperativas. Matriz de Risco 25 O sistema MGR também permite às cooperativas desenvolver, em tempo hábil, planos de ações para a regularização dos indicadores, caso estejam fora dos padrões, e ainda gerar diversos relatórios para acompanhamento e gestão Para avaliação da situação econômico-financeira das singulares, incluindo o acompanhamento dos limites legais vigentes e visando, inclusive, à antecipação de possíveis desconformidades, o Sicoob Central Cecremge utiliza o sistema de Monitoramento e Gestão de Riscos (MGR), que avalia e classifica mensalmente, por meio de indicadores, o nível de risco das cooperativas filiadas, com a elaboração de análises de risco. Em, devido ao bom trabalho realizado pelo Sicoob Central Cecremge, nenhuma das cooperativas filiadas foi classificada como Médio Risco Curto Prazo nem Médio Risco Médio Prazo. Além disso, houve a redução de 29 para 22 singulares enquadradas como Médio Risco Longo Prazo BRLP BRMP MRLP MRMP MRCP Sendo: BRLP = Baixo Risco Longo Prazo BRMP = Baixo Risco Médio Prazo MRLP = Médio Risco Longo Prazo MRMP = Médio Risco Médio Prazo MRCP = Médio Risco Curto Prazo

21 Controles Internos e Risco Operacional Prevenção a Fraudes e à Lavagem de Dinheiro O Sicoob Central Cecremge também é responsável pela coordenação do Gerenciamento do Risco Operacional e dos Controles Internos das cooperativas filiadas. Nesse processo, para o acompanhamento e mensuração do risco das cooperativas, é utilizado o Sistema de Controle Interno e Riscos (Scir) e a Lista de Verificação de Conformidades (LVC), que são os principais instrumentos de trabalho dos Agentes de Controle Interno e Risco (Acir) de cada filiada. O risco operacional de uma cooperativa é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos ou de eventos externos. Sendo assim, o Scir resguarda os procedimentos internos e a estrutura patrimonial da cooperativa, disponibilizando informações e dados para a mensuração do nível de risco de cada singular, além de registrar as perdas operacionais cadastradas pelas filiadas. Em, 68 cooperativas, das 73 filiadas ao Sicoob Central Cecremge, encerraram o ano com a classificação de risco enquadrada nos padrões do Sicoob Confederação, conforme a seguir: O Sicoob Central Cecremge e suas cooperativas filiadas adotam as políticas, normas, procedimentos e sistemas específicos, disponibilizados pelo Sicoob Confederação, para prevenir e/ou detectar a utilização da estrutura, dos produtos e dos serviços para fins de lavagem de dinheiro. Desta forma, no último exercício, a Central deu mais ênfase ao assunto com as singulares, de forma a minimizar as ações de golpistas, preparando melhor seus funcionários sobre como evitar que a cooperativa seja também utilizada para o crime de lavagem de dinheiro. Planos de Negócio e Relatórios de Conformidade Conforme normatizado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central do Brasil (BACEN), o Sicoob Central Cecremge acompanhou mensalmente o cumprimento dos planos de negócio de 17 cooperativas filiadas que ainda estão dentro do prazo regulamentar de 36 meses Sistema de Controle Interno e Riscos (Outubro/Novembro de e Novembro/Dezembro de ) O Plano de Negócio consiste em um projeto de viabilidade econômico-financeira, com metas a serem cumpridas pela cooperativa. A Central também preparou vários relatórios de conformidade para as cooperativas interessadas em fazer alterações estatutárias de área e de condições de associação de cooperados ou obter a Livre Admissão. Trata-se de um parecer do Sicoob Central Cecremge sobre a análise econômico-financeira e os controles internos da singular, além das informações prestadas pela filiada ao Banco Central do Brasil. Sendo: BRLP = Baixo Risco Longo Prazo BRMP = Baixo Risco Médio Prazo MRLP = Médio Risco Longo Prazo MRMP = Médio Risco Médio Prazo MRCP = Médio Risco Curto Prazo ARCP = Alto Risco Curto Prazo

22 CONTROLES INTERNOS Os princípios que norteiam as atividades de controle interno constituem-se no conjunto de diretrizes, procedimentos e sistemas informatizados, os quais possam prover razoável segurança às organizações, inclusive às cooperativas, no alcance dos objetivos estratégicos, tendo como premissas: eficiência, efetividade operacional, confiança nos registros contábeis/ financeiros e conformidade. As principais atribuições do Controle Interno são: identificar os controles necessários à segurança do patrimônio das cooperativas; sugerir a inserção de procedimentos de controles por ocasião de desenvolvimento de normas padrões para as áreas da organização; auxiliar as áreas na implantação de procedimentos de controle; avaliar periodicamente a observância e a aderência aos normativos aprovados e implementados nas áreas da entidade; relatar eventuais falhas de procedimentos de controles detectadas que possam vir causar prejuízos ao patrimônio das cooperativas e apresentar recomendações cabíveis; motivar os empregados a praticar a eficiência operacional e conferir a qualidade e a exatidão do fluxo de informações; entre outros. O Agente de Controle Interno e Riscos (Acir) é o profissional responsável por coordenar e executar o processo de monitoramento do Controle Interno das cooperativas e reportar ao Conselho de Administração sobre a efetividade dos controles instituídos. Dessa forma, o Acir deve contribuir para o desenvolvimento das atividades de todos os envolvidos nas questões relacionadas a controle interno e ter postura de colaboração, orientação e, quando necessário, supervisão, com reporte das deficiências ao Conselho de Administração. Com a vulnerabilidade de contaminação e identificação de problemas nas instituições financeiras, houve a necessidade de adoção de controles internos que fossem adequados ao tamanho da entidade e à complexidade das operações. Consciente dessa importância, o Sicoob Central Cecremge vem aprimorando cada dia a estrutura de seus controles, visando à mitigação dos riscos inerentes à sua atividade. Desta forma, para auxiliar no fortalecimento dos controles internos, o Sicoob Central Cecremge, em 2011, adotou a Política de Controles Internos e o Manual de Instruções Gerais (MIG) Controles Internos, ambos criados pelo Sicoob Confederação, tendo como objetivo estabelecer procedimentos-padrão que auxiliem as entidades do Sicoob na implementação, implantação e acompanhamento do Sistema de Controles Internos. 43 Neste sentido, os Controles do Sicoob Central Cecremge contribuíram fortemente para a redução do risco apurado pela Matriz de Risco da Lista de Verificação de Conformidade (LVC), que evoluiu sua classificação de Baixo Risco Médio Prazo (BRMP) em 2011 para Baixo Risco Longo Prazo (BRLP) em 2012, mantendo esta classificação em.

Quem faz parte do cooperativismo de crédito sabe que a transformação começa dentro da gente. São nossas atitudes e nosso trabalho que nos levam a

Quem faz parte do cooperativismo de crédito sabe que a transformação começa dentro da gente. São nossas atitudes e nosso trabalho que nos levam a 03 Quem faz parte do cooperativismo de crédito sabe que a transformação começa dentro da gente. São nossas atitudes e nosso trabalho que nos levam a grandes resultados. 07 08 09 10 12 13 15 20 20 21 29

Leia mais

Sicoob Central Cecresp. Institucional

Sicoob Central Cecresp. Institucional Sicoob Central Cecresp Institucional Gestão DIRETOR PRESIDENTE Carlos Augusto de Macedo Chiaraba Sicoob Nossacred DIRETOR VICE PRESIDENTE Francisco Rao - Sicoob Crediconsumo CONSELHEIROS Antonio João Batista

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Subitem Descrição Estrutura Organizacional (estrutura, atribuições e competências)

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO BALANÇO 213/2 RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO As incertezas do mercado econômico brasileiro no primeiro semestre de 213 jogaram para baixo as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) e elevaram

Leia mais

Relatório de Gestão 2014

Relatório de Gestão 2014 2014 3 Vinte anos com grandes resultados para comemorar. Porque todo sonho é possível. Acreditar em um sonho é o primeiro passo para transformá-lo em conquista. O segundo é se unir a pessoas com o mesmo

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Seminário Banco Central do Brasil sobre Governança Cooperativa - Norte Belém, 18 de maio de 2009 Risco da Informação Conflitos de Interesse

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

A centralização financeira do Sicoob SP evoluiu 249% de 2009 a 2012, tendo neste período alcançado 3 bilhões de reais. Acompanhe:

A centralização financeira do Sicoob SP evoluiu 249% de 2009 a 2012, tendo neste período alcançado 3 bilhões de reais. Acompanhe: A centralização financeira do Sicoob SP evoluiu 249% de 2009 a 2012, tendo neste período alcançado 3 bilhões de reais. Acompanhe: Os depósitos à vista e a prazo dos cooperados ocorrem nas singulares. Os

Leia mais

12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES

12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES PALAVRA DO PRESIDENTE 12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES RETROSPECTIVA Apesar de ter sido um ano adverso para a economia brasileira, foi estimulante para o nosso trabalho. Mais uma vez, o cooperativismo

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 19/02/2013 Prezados clientes, Selecionamos os acontecimentos mais marcantes no campo jurídico no ano de 2012 sobre

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás

A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás. Acordo de Parceria - Convênios 2011. AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás A Faculdade Certificada pela FGV em Goiás Acordo de Parceria - Convênios 2011 AFFEGO Associação Funcionários do Fisco de Goiás ACORDO DE PARCERIA - CONVÊNIOS 2011 Preparada Por: Empreza Educação e Serviços

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Boas Vindas! Boa Leitura!

Boas Vindas! Boa Leitura! porta aberta Edição 2º Semestre 2015 Informativo Distribuição Gratuita Boas Vindas! O dia 01 de Julho de 2015 torna-se uma data histórica para a Cecres, quando ela passa a fazer parte de um sistema cooperativo

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA COOPERATIVA SICOOB EMPRESARIAL 2013-2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA COOPERATIVA SICOOB EMPRESARIAL 2013-2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA COOPERATIVA SICOOB EMPRESARIAL 2013-2015 Vale dos Pássaros Fazenda Resort Luziânia/GO, 08 de dezembro de 2012 -1- DIRETORIA DA COOPERATIVA DIRETORIA EXECUTIVA João Ferreira

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Norte em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Edital MBA nº 001/2012

Edital MBA nº 001/2012 Edital MBA nº 001/2012 Edital de oferta de curso de pós-graduação latu sensu (MBA em gestão de Cooperativas) a ser realizada através de convênio entre SESCOOP/PA Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de revisão do questionário Agenda 14h-15h Abertura / Rodada de apresentações / Introd. do Coord. (1h) 15h- 16h Debate em grupos (1h) 16h- 16h15 Intervalo (15')

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES NOSSA MISSÃO Estimular e apoiar as organizações para o desenvolvimento e evolução de sua gestão, por meio da disseminação dos Fundamentos e Critérios de Excelência, para que se tornem sustentáveis, cooperativas

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Sul em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas incertezas

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) GVces Criado em 2003, o GVces é uma iniciativa da

Leia mais

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen desenvolvimento reg para nossa região. Credicampo Credicampo o Sicoob Credicampo é comprometido com o desenvolvimento dos seus associados. O Sicoob

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 RESOLUÇÃO 3.721 RISCO DE CRÉDITO Possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS

POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS POLÍTICA DE PATROCÍNIO DA ELETROBRÁS agosto de 2009 Eletrobrás Política de Patrocínio da Eletrobrás A Eletrobrás, alinhada a sua missão de criar, ofertar e implementar soluções que atendam aos mercados

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências. Terça-feira, 30 de Junho de 2015 Ano:XXI - Edição N.: 4832 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo LEI Nº 10.823, DE 29 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital.

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital. ATA DE REUNIÃO REV.1 1/11 LOCAL: EMPRESTA Data: 25/02/2014 Horário: 10:30 a 11:30 Capital Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar os Fundamentos da Excelência em Gestão para organizações

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais