Agilidade em Testes de Software: Um Relato de Experiência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agilidade em Testes de Software: Um Relato de Experiência"

Transcrição

1 Agilidade em Testes de Software: Um Relato de Experiência Ciro Grippi Barbosa Lima, Neilson Carvalho, Marcelo Santos de Mello, Guilherme Horta Travassos

2 Motivação Agenda Contexto Procedimentos para inserção de práticas ágeis Próximos Passos 2

3 Motivação

4 Motivação Estabelecimento de um corpo de conhecimento contendo os mapeamentos de práticas e características de agilidade para apoiar sua adoção em atividades de teste (Abrantes, 2012). Oportunidade de aplicação deste mapeamento em organização apresentando um processo de software definido, gerenciado e controlado avaliada no nível C do Modelo MPS_br. 4

5 Abrantes (2012) Caraterísticas Ágeis 1-"Being incremental" (Incrementalidade) 13- Emergence (Emergência)- 2-"Being cooperative" (cooperação) 14- Modularity (Modularidade 3-"Time-Boxing" (restrição de prazo) 15- Convergence (Convergência) 4-"Leaness" (Parcimônia) 16- Small Teams (Equipes Pequenas) 5-"Adaptability" (Adaptabilidade) 17- Constant Testing (Testes constantes) 6-"Being iterative" (Iteratividade) 18- Local Teams (Equipes Locais) 7- Being Collaborative (colaboração) 8-"Reflection and introspection" (Períodos de reflexão e introspecção) 9-"Feedback incorporation" ( Incorporação de Feed-back rápido ) 10-"Reflection and introspection" (Períodos de reflexão e introspecção) 11- Transparency (Transparência) 12- Auto-Organization (Auto-organização) 5

6 Abrantes (2012) Práticas Ágeis Práticas são as atividades que implementam os princípios que regem os processos ou métodos. Estes por sua vez, são ideias, entendimentos ou objetivos que estão por traz das práticas (Jiang e Armin, 2009). 51 práticas mapeadas. 17 consideradas mais relevantes em pesquisa de opinião. 1. Desenvolvimento orientado a testes 2. Integração contínua 3. Programação em par 4. Jogo de planejamento 5. Cliente presente 6. Propriedade coletiva do código 7. Releases curtas 8. Metáfora 9. Refatoração 10.Backlog de produto 11. Ritmo sustentável 12. Design simples 13. Padrões de código 14. Equipe completa 15. Visibilidade de projeto 16. Reuniões diárias 17. Espaço de trabalho aberto 6

7 Processo de Testes Adoção Processo de Teste Baseado IEEE 829 (Dias Neto, 2006). Planejar Testes Monitoramento, Controle e Replanejamento Projetar Testes Especificar Casos de Testes Definir Procedimentos de Testes Executar Testes Analisar Resultados dos Testes Encerrar Atividades de Testes Práticas 7

8 Mapeamento Atividades de Testes X Práticas Ágeis Revisão por Pares conduzida por Abrantes(2012) \Atividades Planejar Testes Projetar Testes Especificar CTs Definir Procedimentos Executar Testes Analisar Resultados Reuniões Diárias Liberações Frequentes Metáfora Equipe Completa Cliente Presente Design Simples Visibilida de Projeto Backlog de Produto Jogo de Planejamento Monitorar e Controlar o Processo de Teste 8

9 Trabalhos Anteriores - Práticas Ágeis e Atividades Testes Práticas Ágeis associadas às atividades de Teste de processo baseado na IEEE-829 [Dias Neto, 2006], [Abrantes, 2012]. Atividade Embasamento: os Jogos de Planejamento,.. Planejar Testes sendo contínuo e progressivo, com prioridades estabelecidas pelo cliente, pode apoiar o estabelecimento de um plano de testes alinhado com as necessidades do projeto. Projetar Testes com prioridades estabelecidas pelo cliente, pode apoiar o estabelecimento de prioridades no projeto de teste. Atividade Projetar Testes Especificar Casos de Teste Definir Procedimentos de Testes. Embasamento: o Design Simples, sem complexidade desnecessária... pode facilitar a identificação de casos e procedimentos de teste. pode facilitar a identificação de restrições e dependências com outros casos de teste. pode facilitar a identificação dos passos a serem seguidos durante os testes 9

10 Agilidades em Processos de Teste Aplicação no Campo - Processos específicos adequados ao contexto de cada Organização Atividades Atividade B Atividade D Atividade A Atividade C Atividade E Práticas 10

11 Contexto

12 Contexto das atividade de SW da Organização Visão da evolução através do estabelecimento de um programa de melhoria contínua. Ciclo 1 Ciclo 2 Ciclo 3 Nível G e Certificação ISO 9001 [2006/2007] Nível E [2007/2009] Nível C com Práticas do Scrum [2010/2011] Ciclos de Melhoria 12

13 Contexto das atividade de SW da Organização Processo de desenvolvimento padrão com 3 fases. Atividades de VER e VAL dispostas conjuntamente com atividades de PCP, ITP, GPR,GDE, MED, GCO, GQA, GRE e DRE : Especificação e Planejamento de Projeto (18 atividades) Análise Projeto e Construção de Software (31 atividades) Homologação e implementação (25 atividades) Processo especializado baseado no ciclo de vida incremental com adoção de práticas do método SCRUM. Iniciativas para ganho de produtividade no desenvolvimento: Utilização de linguagem dinâmica. Automatização de Testes. Projeto em curso para modelagem de Novos processos especializados para manutenção e desenvolvimento de pequenos aplicativos. 13

14 Procedimentos para inserção de Agilidade em Processos de Testes

15 Etapas, Atores e Instrumentos Abordagem baseada no paradigma de Melhoria Contínua (Basili, 1992) (1) Caracterização (2) Planejamento (3) Execução (4) Empacotamento. Atores envolvidos: Engenheiro de Software responsável pela introdução das práticas. Equipe responsável pelas melhorias nas atividades de desenvolvimento e testes ( Escritório de Projetos, Grupo de Qualidade, SEPG) Instrumentos necessários para execução: Processo de Teste baseado na IEEE-829 (Dias Neto, 2006). Planilha a ser preenchida para comparação entre as atividades de teste da Organização e processo de Teste baseado na IEEE-829. Mapeamento atividades de teste x Práticas de Agilidade (Abrantes,2012). Adoção de uma linguagem ou ferramenta para documentação do Processo de Teste da Organização e publicação na Intranet. 15

16 Caracterização

17 Documentação Atividades Processo Padrão (IEEE-829) e Atividades Teste e Desenvolvimento Organização Eclipse Process Framework 17

18 Comparação Atividades Processo Padrão (IEEE-829) e atividades de Testes da Organização Macroatividade Atividade Oportunidades de Melhoria (-)Planejar Testes Caracterizar Testes Pode apoiar a antecipação da determinação de riscos associados aos Testes. Pode subsidiar uma melhor determinação do esforço necessário para teste. [Convergência] (-)Projetar Testes Identificar Casos e Procedimentos de Testes Especificar CTs e definir procedimentos são realizados em uma única atividade. Pode apoiar a padronização de Projeto de Caso de Teste. [Modularidade] Inserção de atividade de Caracterização dos Testes na Fase 1 18

19 Entrevistas com as equipes de testes e SEPG Desenvolvimento de versões em paralelo (5350 CTs volume acumulado desde março de 2008 Fábrica de Software Ferramenta de GP). Merge das versões do produto 2 x por semana. TRAC para registro e monitoramento do tratamento das falhas encontradas. O projeto do Caso de Teste (CT) inicia somente após a especificação técnica. Na etapa de projeto analistas de testes relataram que passos já escritos anteriormente em outros releases são reescritos, gerando retrabalho. Testes funcionais executados manualmente. Não são adotadas técnicas de Testes. Não existe classificação de severidade de defeitos. 19

20 Entrevistas com as equipes de testes e SEPG Desenvolvimento de versões em paralelo (5350 CTs volume acumulado desde março de 2008 Fábrica de Software Ferramenta de GP). Merge das versões do produto 2 x por semana. TRAC para registro e monitoramento do tratamento das falhas encontradas. O projeto do Caso de Teste (CT) inicia somente após a especificação técnica. Na etapa de projeto analistas de testes relataram que passos já escritos anteriormente em outros releases são reescritos, gerando retrabalho. Testes funcionais executados manualmente. Não são adotadas técnicas de Testes. Não existe classificação de severidade de defeitos. 20

21 Entrevistas com as equipes de testes e SEPG Nome do Caso de Teste ID :: Test Case CT002 Verificar criação do form da geração do Dashboard de Projetos Pré-condição - Preparação massa de dados - Entradas Objetivo (Summary) - Passos Logar no sistema como Adm (testar também com outros usuários para verificar que somente pessoa com permissão Acessar todos os projetos tem acesso à geração do relatório. Ou seja, se a pessoa não tiver esta permissão não verá nem a opção Visões personalizadas) Cadastrar 1 projeto com 1 componente sem fim real Acessar Biblioteca >> Visões Personalizadas. Resultados esperados Exibição do formulário conforme protótipo disponível do documento de especificação técnica (página Dashboard de Projetos) 21

22 Seleção de práticas ágeis para adoção nas atividades de Testes da Organização \Atividades Reuniões Diárias Liberações Frequentes Metáfora Equipe Completa Cliente Presente Design Simples Visibilida de Projeto Backlog de Produto Jogo de Planejamento Planejar Testes Projetar Testes Especificar CTs Definir Procedimentos Executar Testes Analisar Resultados Monitorar e Controlar o Processo de Teste Já utilizada pela Organização Difícil adoção ou não aplicável Oportunidade 22

23 DESIGN SIMPLES Práticas ágeis selecionadas para o estudo Atividade Embasamento: a prática Observação Projetar Testes Especificar CTs Definir procedimentos Pode facilitar a identificação de casos e procedimentos de teste Pode facilitar a identificação de restrições e dependências com outros casos de teste Pode facilitar a identificação dos passos a serem seguidos nos testes Macro-Atividade dos CTs não seguia sequencia de atividades Processo Padrão Testes: Especificar CTs Definir Procedimentos Como consequência dados de entrada e pré-condições são codificadas nos CTs junto com os procedimentos dificultando o reuso dos Casos de Teste Estabelecimento de um padrão para projeto dos CTs!! 23

24 Sobreposição de Testes (ENGSTRÖM e RUNESON, 2012) Ausência de ferramentas que apoiem a visualização dos artefatos dos testes li 2 Clientes REQUISITOS FUNCIONAIS MUD101 Ctf0101_V Ctf MUD102 Ctf0201_V Ctf li 1 Sistema Gerencia Proj V01 REQUISITOS FUNCIONAIS RF-001 Casos de Uso UC-001 Ctf Ctf MUD2 Ctf Sistema Gerencia Proj V02 Sistema Gerencia Proj V03 REQUISITOS FUNCIONAIS MUD101 Ctf0101_V Ctf MUD102 Ctf0201_V Ctf REQUISITOS FUNCIONAIS MUD201 Ctf0103_V Ctf MUD202 Ctf0201_V Sistema Gerencia Proj V04 REQUISITOS FUNCIONAIS MUD301 Ctf Ctf MUD401 Ctf0201_V RELEASE 01 RELEASE 02 RELEASE 03 Tempo 24

25 VISIBILIDADE DE PROJETO Práticas ágeis selecionadas para o estudo Atividade Embasamento: a prática Observação Planejar Testes Melhorar a comunicação e auxiliar a elaboração de um plano de teste alinhado a realidade do projeto. Demanda de maior facilidade de recuperação e reuso de Casos de Testes entre versões do software. Projetar Testes/ Especificar Casos de Testes / Definir Procedimentos de Teste / Executar Testes / Analisar Resultados / Monitorar e Controlar o Processo de Teste Facilitar a integração das atividades de Testes com as de Desenvolvimento Implementação de novas formas de visualização dos Casos de teste!! 25

26 Planejamento 26

27 Atividades Documentação das mudanças sugeridas (Publicada na Intranet da Organização); Fornecimento de suporte para as mudanças sugeridas; Plano do Estudo de Caso Caracterização dos Participantes; Realização de Treinamento sobre material suporte; Geração de nova versão do Processo) 27

28 Fornecimento de material de apoio PADRÃO ATUAL Nome do Caso de Teste ID :: Test Case CT002 Verificar criação do form da geração do Dashboard de Projetos Pré-condição - Preparação massa de dados - Entradas Objetivo (Summary) - Passos Logar no sistema como Adm (testar também com outros usuários para verificar que somente pessoa com permissão Acessar todos os projetos tem acesso à geração do relatório. Ou seja, se a pessoa não tiver esta permissão não verá nem a opção Visões personalizadas) Cadastrar 1 projeto com 1 componente sem fim real Acessar Biblioteca >> Visões Personalizadas. Resultados esperados Exibição do formulário conforme protótipo disponível do documento de especificação técnica (página Dashboard de Projetos) 28

29 Caso de Teste Précondição Entradas Objetivo (Summary) Passos Resultados esperados Fornecimento de material de apoio ID :: Test Case CT002 Verificar criação do form da geração do Dashboard a) usuário cadastrado na base que possua permissão "Acessar todos os projetos" b) Projeto cadastrado com 1 componente sem fim real Projeto X ="Proj", Login Y="usuallProj", Senha S="usuallProj" Verificar se o formulário dashboard está visível. "Visões Personalizadas" 1-Autenticar login Y senha S 2- Selecionar o projeto X. 3- Abrir menu "Biblioteca" Opção "Visões Personalizadas" disponivel. 29

30 Caso de Teste Précondição Entradas Objetivo (Summary) Passos Resultados esperados Fornecimento de material de apoio ID :: Test Case CT002 Verificar criação do form da geração do Dashboard a) usuário cadastrado na base que possua permissão "Acessar todos os projetos" b) Projeto cadastrado com 1 componente sem fim real Projeto X ="Proj", Login Y="usuallProj", Senha S="usuallProj" Verificar se o formulário dashboard está visível. "Visões Personalizadas" 1-Autenticar login Y senha S 2- Selecionar o projeto X. 3- Abrir menu "Biblioteca" Opção "Visões Personalizadas" disponivel. Caso de Teste ID :: Test Case CT003 Verificar criação do form da geração do Dashboard Pré-condição a) usuário cadastrado na base que possua permissão "Acessar todos os projetos" b) Projeto cadastrado com 1 componente sem fim real Entradas Projeto X ="Proj", Login Y="usuallProj", Senha S="usuallProj" Objetivo (Summary) Passos Resultados esperados Verificar se o formulário dashboard está visível. "Visões Personalizadas" 1- Autenticar login Y senha S 2- Selecionar o projeto X. 3- Abrir menu "Biblioteca" Opção "Visões Personalizadas" disponível. 30

31 Fornecimento de material de apoio Organizando os elementos de um Caso de Teste 31

32 Fornecimento de material de apoio Desenvolvimento de um Editor de Casos de Testes 32

33 Editor de CTs Menu Procedimentos, Casos de Testes e Componentes 33

34 Editor de CTs Lista de Registro de Ocorrências de Testes 34

35 Editor de CTS Uso de Componentes (Rotina Preparação de dados p/ Pré-Condição ) 35

36 Editor de CTs Associação de componente à rotina de Pré-Condição 36

37 Editor de CTs Criação de Caso de Teste Recurso Auto Complete 37

38 Editor de CTs 38

39 Editor de CTs Rastreabilidade no sentido procedimentos -> Caso de Testes 39

40 Planejamento do Estudo de Caso. Objetivo: Observar a inserção das práticas ágeis Visibilidade de projeto e Design Simples através da proposição de mudanças nas atividades de projeto de teste, e adoção de um template para projeto e construção de Casos de Teste, com respeito ao favorecimento da visualização dos procedimentos e Casos de Testes e facilidade de projeto e reúso destes artefatos. Questões: Q1) Taxa de reutilização de procedimentos de Casos de Testes. Q2) O esforço dispendido nas atividades de Projeto e Construção dos Casos de Testes e procedimentos. Q3) O esforço dispendido na execução dos Casos de Testes. 40

41 Confounding Factors Características dos requisitos dos releases do software podem influenciar em baixa probabilidade de oportunidade de reuso; A forma escolhida para a implementação das práticas de Design Simples e Visibilidade de Projeto no projeto de Testes; Critério para classificação da complexidade dos Casos de Testes analisados; Tempo necessário para obter fluência no uso do template proposto, e efetividade do treinamento sobre o uso do template; Precisão dos registros de esforço dispendido em cada atividade; 41

42 Execução 42

43 Preparação para Execução do Piloto Aplicação Formulário de consentimento individual e de caracterização. Desenvolvimento material de treinamento do Editor e das mudanças no processo Instalação do Editor Seleção de procedimentos de CTs de releases anteriores para reescrita com adoção do template sugerido para avaliação de reuso Seleção e transformação em componentes de alguns procedimentos de verificação de pré-condições de CTs desenvolvidos originariamente com reincidência de uso em vários CTs. 43

44 Execução do Estudo de Caso Evento Atividades Descrição Participan tes Uso Processo de Teste Projeto e Construção de CTs de antes das mudanças Sistema para Gestão de propostas e uso da Projetos ferramenta TestLink. AT 1 Execução de CTs de Sistema para Gestão de Projetos Coleta dos esforços realizados e Procedimentos de CTs reutilizados Uso Processo de Teste antes das mudanças propostas e uso da ferramenta TestLink. Recuperação de dados de baselines nos repositórios de projetos da Organização TE PE 44

45 Evento 1 - Coleta dados de reuso de Procedimentos de CTs nos release A e B Abrangência procedimentos, rotinas de verificação de pré-condições e resultados esperados. Situações identificadas: CTs distintos com o mesmo nome, sugerindo serem responsáveis pelo mesmo conjunto de ações e no entanto apresentarem ações diferentes. Mesmo procedimento de CT sendo reutilizado em funcionalidades distintas, e a descrição do procedimento duplicada em cada CT. (REUSO) Utilizados esforços de projeto e construção por estória. Calculado esforço médio de projeto e execução de cada passo de cada estória. Esforço de projeto e execução de cada CT utilizou esforço médio e quantidade de passos do CT. 45

46 Evento 2 Treinamento Editor e Mudanças Processo Identificação Atividades Descrição Particip antes Treinamento Treinamento para uso AT, TE e do Template e do PE Editor EVENTO 2 Aplicação de Avaliação do formulário de Treinamento avaliação para AT e TE participantes Enfoque nos seguintes tópicos: Mudanças realizadas no processo padrão ; Novo template de projeto de CT; Diretrizes para identificação e Especificação de Cenários, CTs, Procedimentos e Pré- Condições de CTs; Funcionalidades da Ferramenta de Edição de CTs; 46

47 Evento 3 - Projeto e Construção de CTs c/ adoção das mudanças Identificação Atividades Descrição Participan tes Projeto e Construção de CTs Adoção do Processo de Testes de Sistema para Gestão de contendo mudanças sugeridas e Projetos Template baseado na especificação AT EVENTO 3 Execução de Casos de Testes de Sistema para Gestão de Projetos Coleta dos esforços realizados e Procedimentos de CTs reutilizados IEEE-829- Primeiro Ciclo Adoção do Processo de testes contendo mudanças sugeridas e Template baseado na especificação IEEE-829 Primeiro Ciclo Recuperação dados de Reuso e Esforços TE PE 47

48 Evento 3 - Categorização dos CTs Utilização de mediana ( 5 passos p/ CT ), primeiro quartil (3 passos p/ CT ) e terceiro quartil (8 Passos p/ CT ) Avaliados um Total de 499 Casos de Testes Categorização: Complexidade Baixa: Qtde Passos <= Primeiro Quartil Complexidade Média: Primeiro Quartil > Qtde de Passos <= Terceiro Quartil Complexidade Alta: Qtde de Passos > Terceiro Quartil Totalizadores Qtde Total de CTs produzidos Qtde CTs complexidade baixa Qtde CTs complexidade média Qtde CTs complexidade alta Release A Release B Consolidado de A e B Release C

49 Empacotamento 49

50 Avaliação e Análise Questão 1 - Reutilização de Procedimentos Release Categoria CT Total CTs A B C Mesmo procedimento Reuso CTS usando rotina pré-condição Total Reutilizações Reutilização / Total CTs Baixa ,35 Média ,02 Alta Baixa ,23 Média ,13 Alta Baixa Média ,85 Alta ,94 No release C reuso ocorreu tanto à nível de procedimento de execução do CT, como rotina de pré-condição. 50

51 Avaliação e Análise - Questão 2 - Esforço Projeto e Construção CTs Médias Rel. A Rel. B Média Releases A e B Release C Esforço médio Projeto CTs Baixa Complexidade (Min.) Esforço médio Projetar CTs Média Complexidade (Min.) Esforço médio Projetar CTs Alta Complexidade (Min.) 10,22 13,80 10,85-18,56 20,41 19,24 16,11 34,52 33,61 34,08 25,98 Esforços de retrabalho (replanejamento e re-teste) nos CTs decorrente de mudanças de requisitos não foram contabilizados separadamente e também podem constituir uma influência a ser avaliada; 51

52 Avaliação e Análise - Questão 3 - Esforço Execução CTs Médias Rel. A Rel. B Média Releases A e B Rel. C Esforço médio Execução CTs de Baixa Complexidade (Min) 4,16 6,62 4,59 - Esforço médio Execução CTs de Média Complexidade (Min) 9,67 13,03 10,90 7,50 Esforço médio Execução CTs de Alta Complexidade (Min) 17,76 13,52 15,74 12,41 Quantidade de CTs Quantidade de defeitos Melhor relação entre quantidade de CTs executados por quantidade de defeitos revelados no release C. 52

53 Avaliação Participantes Mudanças no Processo Antecipação atividade Planejar Testes para ser executada concorrentemente às atividades de Preparação da Integração do Produto e Especificação Técnica na fase de Análise, Projeto e Construção do Software. Pode trazer mais agilidade -> logo após a geração e validação do Documento de Requisitos, o projeto dos testes pode ser iniciado. (Gerente VVT) Equipe de testes tem atuação mais intensa nos projetos, diminui disponibilidade de alocação paralela. (Gerente Projetos ) Em relação à inserção da atividade Projetar testes do Produto pode promover um melhor projeto de Testes, por ajudar na priorização e identificação prévia dos CTs. 53

54 Avaliação dos Participantes Editor de CTs Contribuiu para o entendimento dos conceitos e definições das boas práticas para planejamento e realização de testes. Outro respondente contrapôs que a codificação de cada passo separadamente demanda um tempo de adequação pela equipe e costume. Uso de mapas para visualização da rastreabilidade apoiam a manutenção dos procedimentos dos CTs, e facilitam a recuperação dos CTs reutilizados um determinado procedimento. 54

55 Ameaças à Validade Fatores de riscos que não puderam ser mitigados: (a) Por conta de adiamentos solicitados pelos stakeholders não foi possível estender a observação para mais Sprints. (b)profissionais originariamente selecionados para participar do estudo foram alocados em outros projetos. (c) O lançamento no Time-Sheet dos esforços dispendidos pela organização não distinguem esforço associado ao projeto de testes daqueles decorrente de mudanças de requisitos. E nem o esforço gasto em teste do esforço de re-teste. 55

56 Próximos Passos Avaliação dos componentes criados pelo Processo de Gerencia de Reuso. Uso da ferramenta e Template nas próximas versões do software de GP. Incorporação do EPF para modelagem de processos. Nova coleta de dados de esforço e reuso do projeto em curso. Avaliação das propostas de evolução das medidas de Testes. 56

57 Referências ABRANTES J. F., (2012) Práticas e Características de Agilidade em Processos de Testes de Software, In UFRJ Tese de Doutorado, DIAS NETO, A. C., TRAVASSOS, G. H. (2006) Uma Infraestrutura Computacional para apoiar o planejamento e controle de testes de software Dissertação de M. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, DYBA T., DINGSØYR T., (2008) Empirical studies of agile software development: A systematic review Elsevier Science Direct, Information and Software Technology 50 (2008) ENGSTRÖM, E., RUNESON P., (2012) "Test overlay in an emerging software product line - An industrial case study, Inform. Software Technologies" (2012), GILB, T. (1985) Evolutionary Delivery versus the Waterfall Model In ACM SIGSOFT Software Engineering Notes Vol. 10 No 3 Jul IEEE Std (Revision of IEEE Std ). JIANG, LI. EBERLEIN, ARMIN. (2009), An Analysis of the History of Classical Software Development and Agile Development, In: IEEE International Conference on Systems, Man, and Cybernetics San Antonio, TX, USA October Persson, C., Yilmaztürk, N., (2004) Establishment of Automated Regression Testing at ABB: Industrial Experience Report on Avoiding the Pitfalls, 19th IEEE ICASE, SOFTEX, MPS. BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro- Guia Geral (v.2011). Disponível em: STOLBERG, S., "Enabling Agile Testing through Continuous Integration", In Agile Conference, 2009,

58 Agilidade em Testes de Software: Um Relato de Experiência Ciro Grippi Barbosa Lima, Neilson Carvalho, Marcelo Santos de Mello, Guilherme Horta Travassos

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

22/10/2012 WAMPS 2012. Implementação do MPS.BR na Informal Informática: Um Relato da Trajetória de Melhoria até o Nível C de Maturidade

22/10/2012 WAMPS 2012. Implementação do MPS.BR na Informal Informática: Um Relato da Trajetória de Melhoria até o Nível C de Maturidade 22/10/2012 WAMPS 2012 Implementação do MPS.BR na Informal Informática: Um Relato da Trajetória de Melhoria até o Nível C de Maturidade Tópicos 1. Institucional 2. Programa de Melhoria de Processos 3. Nível

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte

2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte 2.12- Criação/Implantação de Processo de Garantia da Qualidade para Empresas de Software de Pequeno Porte O MPS.BR tem como foco, ainda que não exclusivo, atender a micro, pequenas e médias empresas de

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Micaelly P. Soares e Silva, Carla I. M. Bezerra, Camilo C. Almendra, Enyo José T. Gonçalves Universidade

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Prof. Dr. Marcos Kalinowski (UFF) kalinowski@acm.org Agenda do Curso Motivação para processos de software Visão geral do programa MPS.BR e do modelo MPS-SW

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis 2.0 Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis U n iv e r s id a d e F e d e r a l d o P a r á Q R C o n s u lto r ia

Leia mais

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Leonardo Vieiralves Azevedo CMO Habber Tec 15 de Agosto de 2013 AGENDA 1. JUSTIFICATIVAS E CRITÉRIOS

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Cultura da Entrega Diária com EVDnC

Cultura da Entrega Diária com EVDnC Cultura da Entrega Diária com EVDnC Um Estudo de Caso Marcos Garrido Rafael Sabbagh Um Exemplo Real Empresa de Desenvolvimento de Software Monitoramento de Frotas de Ônibus cinco times rodando "Scrum"!

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Data: 20/10/2009 Agenda Empresa Problema Alternativas Implementação Forma de contratação Processo Aquisição

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações.

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações. GRC - Governança, Riscos e Compliance já é uma realidade nas organizações. Sua adoção, no entanto, implica no desenvolvimento e na manutenção de um framework que viabilize a integração e colaboração entre

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Release Notes Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Melhorias Comuns ao Sistema Help O Help Online foi remodelado e agora é possível acessar os manuais de cada módulo diretamente do sistema. Mapeamento de

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

Versão 7 TraceGP Ágil

Versão 7 TraceGP Ágil Versão 7 Cadastro de Produtos Será possível cadastrar todos os produtos da empresa bem como descrever suas características particulares através da seleção de atributos dinâmicos para cada produto. Manutenção

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

MANUAL UTILIZAÇÃO. Emuntech Software Solutions Página 1

MANUAL UTILIZAÇÃO. Emuntech Software Solutions Página 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO Emuntech Software Solutions Página 1 Acesso ao sistema Definições para acesso ao CRM Interatell. Acessando o CRM Interatell Utilizando o browser de internet acesse o endereço interatell.net

Leia mais

Mapeamento Sistemático sobre Métricas no Contexto de Métodos Ágeis aplicadas a Teste de Software

Mapeamento Sistemático sobre Métricas no Contexto de Métodos Ágeis aplicadas a Teste de Software sobre Métricas no Contexto de Métodos Ágeis aplicadas a Teste de Software Thaynã Gonçalves Mota Arilo Claudio Dias Neto (arilo@icomp.ufam.edu.br) Roteiro deste apresentação Introdução 2 Problema e Motivação

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Engenharia de Requisitos Níveis de Descrição dos Requisitos Tipos

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK

Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK 0 2015 Projeto: Conecta Contábil Sistema de controle e depreciação de patrimônio Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Plano de Gerenciamento desenvolvido para a realização

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C

Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C A experiência da Powerlogic Paulo Alvim (alvim@powerlogic.com.br) Roteiro 2:00 Sobre a Powerlogic 1:00 Por que Agile? 1:00 Por que MPS.BR? 5:00 Principais Desafios

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais.

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais. Quem Somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS Emerson Cordeiro Vieira emerson@7comm.com.br PAUTA Caracterização da empresa Motivação Arquitetura da solução Resultados Lições aprendidas

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Leonardo Manoel Mendes¹, Rogério Homem da Costa², Reinaldo Lorenso³ 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa VII Experimental Software Engineering Latin American Workshop (ESELAW 2010) Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa Natália Chaves

Leia mais