CUSTOMIZAÇÃO DE PROCESSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTOMIZAÇÃO DE PROCESSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE"

Transcrição

1 CUSTOMIZAÇÃO DE PROCESSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Marla Teresinha Barbosa Geller¹ Marialina Correa Sobrinho² João Elias Brasil Bentes Júnior³ Monilson Marinho 4 Resumo Este artigo descreve a pesquisa do Grupo de Trabalho Ágil GTA,formado por uma equipe de professores e alunos que desenvolvem as atividades dentro do ambiente acadêmico utilizando as disciplinas de desenvolvimento de software para testar a instanciação de processos adaptados a sistemas diversos. Os processos utilizados como base são processos já consolidados dentre eles o Processo Unificado, o SCRUM e Programação Extrema. Dentre os processos já instanciados estão Processo Ágil para Pequenos sistemas, o Processo Ágil para Software educativo e o Processo Ágil para Games. A descrição dos processos resultantes deste estudo inicial é o conteúdo principal deste trabalho. Palavras Chave: Engenharia de Software. Processo de Software. Metodologias Ágeis. Abstract This article describes the research of the Agile Work Group - GTA, comprising a team of teachers and pupils that develop activities within the academic environment using the disciplines of software development to test the instantiation of processes adapted to various systems. The procedures used are based on procedures already established including the Unified Process, Scrum and Extreme Programming. Among the processes already instantiated are PSI - Agile Process for Small Systems, PSeduc - Agile Process for Educational Software and Agile Process for Games. The description of cases arising from this initial study is the main content of this work. Keywords: Software Engineering. Software Process.Agile Methodologi ¹Professora e Coordenadora do Curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Santarém CEULS/ULBRA. Graduada em Informática e Mestre em Engenharia Elétrica com ênfase em Computação Aplicada pela Universidade Federal do Pará. Pesquisadora na área de Engenharia de Software mais especificamente em Melhoria de Processo de Desenvolvimento de Software. ²Professora do Curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Santarém CEULS/ULBRA e do Instituto Esperança de Ensino Superior de Santarém. Graduada em Pedagogia, com especialização em Informática na Educação e Mestre em Engenharia Elétrica com ênfase em Computação Aplicada pela Universidade Federal do Pará. Pesquisadora na área de Informática na Educação, mais especificamente em Objetos de Aprendizagem ³Bacharel em Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Santarém, desenvolve pesquisa na área de Melhoria de Processo de software para desenvolvimento de Jogos. 4 Aluno concluinte do Curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Santarém, desenvolve pesquisa na área de desenvolvimento de Jogos

2 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento de software de forma ágil e com qualidade, têm sido o grande desafio de todas as épocas. Atender as exigências de qualidade, obedecendo planilhas de custo e atendendo as necessidades do cliente é uma questão crítica para os desenvolvedores de software. Com maior intensidade nos tempos atuais, onde o equilíbrio do tripé custo, escopo e qualidade é alcançado somente com o auxílio de um bom processo para organização e acompanhamento no desenvolvimento do software. Estão disponíveis na literatura muitos modelos de processos, alguns modelos tradicionais bastante utilizados ainda, como o Modelo Cascata, ou modelos iterativos e incrementais, como o Processo Unificado, este que se tornou padrão para muitas empresas de desenvolvimento. Segundo Ambler (2004), o problema das perspectivas tradicionais é que elas enfocam procedimentos prescritivos e os produtos que devem ser criados. São considerados métodos pesados por fundamentar-se em regras definidas, inertes a mudanças dos requisitos e por possuírem um ciclo de desenvolvimento pouco adaptável e que devem ser completamente executados. Quanto ao Processo Unificado, a expectativa para que atenda o maior número de sistemas, torna-o muito genérico, voltado principalmente para equipes mais experientes. O aumento da demanda por projetos com características específicas como o desenvolvimento de software para pequenas empresas, de software educativo, de jogos eletrônicos, entre outros, é o que justifica a pesquisa. As particularidades de cada sistema impõem uma busca por processos customizados que atendam um contexto específico. O trabalho do GTA Grupo de Trabalho Ágil iniciou em 2007, onde na primeira etapa do projeto foram estudados os processos existentes e a especificação de um processo adaptado para atender o desenvolvimento de software para pequenos sistemas Ágil para Pequenos Sistemas). O processo definido foi testado inicialmente pela equipe no desenvolvimento de um sistema para dispositivos móveis. Em 2008, o processo instanciado objetivou atender o desenvolvimento de software educativo (Processo Ágil para Software Educativo) que é utilizado no desenvolvimento de software educativo por alunos do curso de Pedagogia em colaboração com os alunos do curso de Sistemas de Informação, no curso de pós graduação em Informática e as Novas Tecnologias Educacionais. Em andamento está a aplicação do processo para o desenvolvimento de jogos eletrônicos (Processo Ágil para Games), que está sendo aplicado na criação e um jogo eletrônico. As atividades de pesquisa do GTA devem ser permanentes e contínuas, e a aplicação, avaliação e melhoramentos nos processos devem fazer parte do conteúdo de diversas disciplinas no curso de Sistemas de Informação, que abordam o tema, formando um trabalho interdisciplinar avaliado a cada período de um semestre. Perspectiva Amazônica - - Santarém v.1 n.1 p p jul/dez jan O trabalho aqui relatado está organizado em tópicos, onde o próximo tópico faz a fundamentação teórica dos processos base e sua adaptação, o terceiro tópico descreve a metodologia utilizada para pesquisa e cita alguns trabalhos correlatos, a seguir descrevem-se os processos resultantes e finalmente nas considerações finais apresentam-se algumas conclusões com o uso dos processos e o que se pretende como trabalhos futuros. 2 PROCESSOS BASE EADAPTAÇÃO A pesquisa do grupo inicia com o estudo de processos já consolidados existentes no mercado, intensificando-se no detalhamento do Scrum, da Programação Extrema e do Processo Unificado.Aopção por estas meto 107

3 dologias deve-se a análises preliminares feitas com alguns processos de desenvolvimento de software disponíveis e conhecidos no mercado. Dos processos estudados já consolidados na literatura pode-se citar o Processo Pessoal de Software, Processo Espiral, Prototipagem, Crystal,Desenvolvimento Adaptativo de Software, entre outros.(pressman, 2006).Estudos correlatos foram também objetos de pesquisa para fundamentar o tema e conhecer outras propostas de soluções para o mesmo problema, podendo-se citar Paiva (2004), Garcia (2004), Schneider(2003), Hazzan (2006), Alves(2006). A prática de desenvolvimento de sistemas com o uso de um processo se dá em geral, com o auxílio do Processo Unificado, que é iterativo, porém prescritivo e definido. Ao mesmo tempo, incorporam-se ao mundo do desenvolvimento, os Processos Ágeis, que sugerem práticas e valores a serem utilizados no trabalho do dia a dia do desenvolvedor. Perspectiva Amazônica - - Santarém v.1 n.1 p p jul/dez jan Tem-se dessa forma, de um lado, os modelos tradicionais de desenvolvimento de sistemas voltados para documentação, que são opções, geralmente, pesadas para pequenos projetos. Por outro lado os métodos adaptativos como o Scrum ou a Programação Extrema, podem não ser suficientes para equipes sem muita experiência em desenvolvimento, pois suas práticas são rigorosas e disciplinadoras, mas não possuem uma prescrição da ordem de como as atividades devem ser realizadas. Neste cenário, é bastante comum, equipes iniciantes em desenvolvimento, não adotarem processo algum, por não se adaptarem ao trabalho árduo da documentação e nem conseguirem se organizar quando não é prescrito o que deve ser feito, ou seja, estão entre os dois extremos. (CHARETTE, 2001). Seguindo a teoria de Keenan (2004), que diz que um processo de desenvolvimento de software pode ser melhorado através da captura do que de melhor se adapta ao contexto, unindo práticas de processos conhecidos, o GTAtem por objetivo adaptar essas práticas para melhor atender projetos com características específicas. Dessa forma os processos propostos unem os princípios e práticas de métodos empíricos, como o Scrum e o XP, com o auxílio da organização do Processo Unificado que é um processo definido. 2.1 Scrum A metodologia Scrum compartilha com XP a adoção das práticas definidas no Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software, AgileManifest (2001). O foco da metodologia Scrum é a flexibilidade, a adaptabilidade e a produtividade. O resultado do processo deve ser um software que é realmente útil para o cliente. (SCHWABER, 2002). O ciclo de vida do Scrum é baseado em três fases: fase de planejamento, fase de desenvolvimento (Sprint) e fase de encerramento. A primeira e a última fase consistem em processos definidos, onde o fluxo de atividades é linear, podendo haver algumas iterações na fase de planejamento, como refereschwaber (1995). 5 Nesta fase define-se o ProductBacklog, que consiste em uma lista priorizada de todas as estórias de usuários que o sistema deve atender. Afase de desenvolvimento é dividida em ciclos chamados Sprints, que são realizados em tempo determinado (não mais que 30 dias). Um Sprint contém uma funcionalidade ou funcionalidades (Sprint 6 Backlog ) que devem ser implementadas. São os casos de uso priorizados. O Sprint Backlog é dividido em tare- 7 fas (Sprints Diários ) que não devem exceder24 horas. Tem-se a cada final de Sprint um release ou uma parte do 5 ProductBacklog: conjunto de requisitos do sistema. 6 Sprint Backlog: itens do ProductBacklog que a equipe se compromete em desenvolver em um período de até 4 semanas. 7 Sprints diários: definição da atividade a ser realizada em um dia e que faz parte do Sprint Backlog. 108

4 produto a ser avaliado ou até mesmo utilizado pelo cliente. Na fase de encerramento são feitas reuniões para analisar o progresso do projeto e demonstrar o software atual para os clientes. Nesta fase são feitas as etapas de integração, testes finais e documentação.(pressman, 2006). Uma equipe Scrum é formada pelo Scrum Master (gerente do projeto), que é responsável pela aplicação das regras do Scrum, que garante a plena funcionalidade e produtividade da equipe e que representa o escudo nas interferências externas; pelo ScrumOwner(dono do produto), que define as funcionalidades do produto, decide datas de lançamento do conteúdo, e pela equipe de desenvolvedores que deve ser pequena e multifuncional (programadores, testadores, desenvolvedores de interfaces, entre outros). Pode-se fazer uma analogia do Scrum com o jogo onde todos trabalham ao mesmo tempo para conseguir o mesmo objetivo, Takehushi (1986) descreve: O estilo de corrida de revezamento onde é dada a cada participante da equipe a responsabilidade de uma parte do projeto, quando aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos de velocidade e flexibilidade máximas. Na interpretação do texto de transcrito acima, tem-se a descrição do que acontece nos processos tradicionais. Ao invés disto, um estilo holístico, onde a equipe busca, como em um jogo de futebol, de forma integrada, chegar ao gol, com passes de bola, pode servir melhor às atuais necessidades competitivas. (TAKEHUSHI, 1986). 2.2 Programação Extrema - extremeprogramming - XP Conforme Beck (2004), XP é uma metodologia ágil para equipes pequenas a médias que desenvolvem software com requisitos vagos ou que mudam frequentemente. Baseia-se em quatro valores que são: comunicação, simplicidade, feedback e coragem. AXPpossui práticas que são aplicadas a qualquer outro processo e que agregam valor à equipe de desenvolvimento. Entre estas práticas estão: programação em pares, cliente presente, reuniões breves, testes freqüentes, refatoração do código, integração contínua, semanas de 40 horas. (TELES, 2004). A XP assim como o Scrum é um processo adaptativo, ou seja, adota a mudança, ou melhor, considera a mudança uma característica intrínseca aos sistemas. Portanto, ao invés de prever o que pode acontecer no futuro, adapta-se às mudanças, baseando-se em situações concretas, que realmente acontecem. XP recebe críticas, por ter uma análise de requisitos muito informal e por não valorizar tanto a modelagem como o Processo Unificado. 2.3 Processo Unificado Kruchten (2003) define o Processo Unificado como uma estrutura genérica de processo que pode ser customizado adicionando-se ou removendo-se atividades com base nas necessidades específicas e nos recursos disponíveis para um projeto. Possui quatro fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Dentro do Processo Unificado, fluxos de trabalho atravessam as fases do processo: Requisitos, Análise, Projeto, Implementação, Testes.(AMBLER, 2004). O Processo Unificado é um processo definido e preditivo que utilizado com a Linguagem de Modelagem Unificada, sugere a documentação do sistema através de modelos, como refere-se Scott (2003). Apesar de ter característica iterativa e incremental, prescreve as fases com planejamento e documentação mais extensa. 109

5 3 METODOLOGIADE INVESTIGAÇÃO E TRABALHOS CORRELATOS A metodologia utilizada para escolha dos processos base foi primeiramente o estudo de processos prescritivos para inserir no processo resultante o mínimo de organização necessária para orientar desenvolvedores inexperientes. Desta forma as etapas realizadas para instanciação do processo passaram por leitura e estudo dos diversos processos, dentre eles o tradicional Processo em Cascata. Através do Processo Cascata foi possível entender claramente os fluxos de Levantamento de Requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Testes, fluxos estes que atravessam ortogonalmente qualquer processo. Ao mesmo tempo, preocupou-se em proporcionar agilidade através de práticas que facilitassem o desenvolvimento de pequenos projetos. Dentre as práticas herdadas do XP, utilizou-se a adoção da programação em pares, da refatoração de código, do planejamento diário, da propriedade coletiva do código, dentre outras. O processo Scrum uniu-se ao XP e ao Processo Unificado para gerenciar cada processo instanciado. Perspectiva Amazônica - - Santarém v.1 n.1 p p jul/dez jan O estudo das metodologias ágeis incluiu a Programação Extrema descrita por Astels (2002), família Crystal, Desenvolvimento Adaptativo de Software, referidos porpressmann (2006) e Scrum por Schwaber (1995). Estudos referentes a desenvolvimento de software educativo foram também objetos de pesquisa para fundamentá-la e conhecer outras propostas de soluções para o mesmo problema, podendo-se citar: Paiva (2004), Garcia (2004), Schneider (2003), Hazzan (2003), Alves (2006), Bassani (2006), Benitti (2005), Falkembach (2005). Quanto às metodologias para desenvolvimento de jogos pode-se considerar as propostas de Cabral (2004), Credidio (2008) e Nascimento (2008). 4 PROCESSOS RESULTANTES Como resultado inicial desta pesquisa, apresenta-se a seguir os processos instanciados que possuem como características comuns serem voltados para pequenos projetos e desenvolvidos por equipes inexperientes. E como especificidades, atenderem ao desenvolvimento de software para pequenas empresas, software educativos e desenvolvimento de jogos. 4.1 Processo Ágil para Pequenos Sistemas O processo resultante - (Processo Ágil para Pequenos Sistemas), é descrito como sendo gerenciado pelo Scrum, adotando práticas XP e com fluxos organizados do Processo Unificado. O processo constitui-se de três etapas representadas em raias no diagrama de atividades da figura 1: Planejamento, Desenvolvimento e Encerramento que possibilitam a iteratividade. Inicia-se com a fase de Planejamento, onde a equipe de desenvolvimento trabalha na captura de requisitos para definir o Produto Total. Os recursos utilizados para esta atividade são reuniões, entrevistas com os clientes, questionários, entre outras, que resultam em estórias de usuários podendo ser representados através de diagrama de casos de uso. Recomenda-se se necessário a descrição dos cenários dos casos de uso mais complexos. Seguindo para a fase de Desenvolvimento, prioriza-se do Produto Total, uma funcionalidade ou pequenas funcionalidades, representadas por um ou mais casos de uso. Essa funcionalidade deve ser desenvolvida em um período determinado, (aconselhável não 110

6 mais que quatro semanas). A esse pequeno pacote com os casos de uso priorizados chama-se Funcionalidade Priorizada, que é solucionada em um fluxo diário de projeto, implementação e teste, ou seja, executa-se o projeto, desenhando e detalhando as classes, implementa-se o código e testa-se a unidade funcional diariamente, podendo este fluxo ser iterativo. Nesta fase utilizam-se os recursos do diagrama de seqüência da UML para definir atributos e métodos, obtendo-se um diagrama de classes de projeto. Figura 1: Diagrama de atividades do com as fases definidas por raias. As atividades desenvolvidas na fase de Encerramento incluem a revisão, demonstração e entrega da Funcionalidade Priorizadaao cliente. Neste ponto o processo retorna executando uma nova iteração com um novo conjunto de funcionalidades priorizadas, criando um novo pacote,passando por todas as fases. Quando o Produto Total estiver finalizado o processo encerra-se. O está sendo utilizado pelos acadêmicos do Curso de Sistemas de Informação em seus trabalhos de Conclusão de Curso, nos trabalhos de desenvolvimento das diversas disciplinas e nos trabalhos de Iniciação Científica, contribuindo desta forma para aprimoramento do processo. 111

7 4.2 Processo Ágil para Software Educativo No que se refere ao desenvolvimento de software educativo é importante que se tenha conhecimento das principais teorias de aprendizagem além de conhecimento de técnicas da engenharia de software que facilitem a produção do software com qualidade. Desta forma, tem-se a necessidade de trabalho colaborativo entre a área tecnológica (engenharia de software) e a área psico-pedagógica. (BASSANI,2006). Oliveira et al (2004) aponta 4 (quatro) parâmetros que distinguem um software qualquer de um software educativo: fundamentação pedagógica, conteúdo, interação aluno-software educativo professor e a programação. Nesta perspectiva, diversos autores têm apresentado algumas propostas metodológicas para o processo de desenvolvimento de software educativo. Entretanto, percebe-se que essas propostas tendem a contemplar aspectos educacionais e psicológicos, em detrimento dos aspectos computacionais, enfatizando o caráter descritivo. A proposta apresentada pelo GTA é uma adaptação do processo inicial atendendo os requisitos para o desenvolvimento de um software educativo, com o principal objetivo de facilitar o trabalho interdisciplinar entre as duas áreas (pedagógica e técnica), especificando cada papel no decorrer do processo, bem como sugerir os artefatos criados. Partindo-se deste cenário o foi dividido em quatro fases, apresentadas através do diagrama de atividades na figura 2. Figura 2: Diagrama de atividades do com suas fases definidas por raias. 112

8 Fase de Planejamento, onde é preciso considerar o produto a ser desenvolvido, definir os objetivos da aprendizagem e requisitos do software, além de definir o escopo e o público alvo conforme Benitti(2005). É preciso definir o tema, considerar as aplicações existentes e os recursos disponíveis. Fase de Modelagem - modelar um sistema é apresentá-lo em modelos gráficos com o objetivo de facilitar a compreensão, discussão e aprovação do sistema antes de começar a construí-lo. Uma aplicação que utiliza os recursos da hipermídia como a maior parte dos software educativos, inclui a criação de três modelos modelo conceitual, modelo navegacional e modelo de interface. A Fase de Desenvolvimento inclui as atividades de produção, reutilização, organização e integração das mídias. Cria-se os sons, as imagens, código, animações, vídeos e todo o recurso necessário para o sistema. (GELLER, 2009). Esta fase é facilitada quando se utiliza um Sistema de Autoria que ofereça os recursos para integrar todas as mídias em uma estrutura interativa permitindo uma navegação lógica e intuitiva (FALKEMBACH, 2005). Fase de Encerramento neste ponto o software já está em funcionamento, testado e corrigido. A equipe de desenvolvimento é responsável por confeccionar o manual do usuário e oferecer treinamento para todos aqueles que irão utilizar o sistema. 4.3 Processo Ágil para Games Este projeto iniciado em agosto de 2008 visa atender o desenvolvimento de um tipo peculiar de software, os jogos eletrônicos. O desenvolvimento de um jogo eletrônico é um processo criativo e em vários pontos artístico, com fases semelhantes às de um software comum, porém processos convencionais de desenvolvimento, não são adequados às necessidades desse tipo de projeto.(junior, 2002). No planejamento de jogos e simulações é de vital importância definir e fixar os objetivos da atividade, a determinação do contexto desejado para a mesma, a identificação dos recursos utilizáveis para se alcançar os objetivos finais e a determinação da seqüência de interações, ou seja, uma fase de planejamento bastante criteriosa. A aprendizagem dos processos de desenvolvimento e da utilização das ferramentas necessárias é essencial para a evolução de um projeto de desenvolvimento de jogos.(amazonas, 2007). O tem sua base no com a união das melhores práticas das metodologias de desenvolvimento de games mais conhecidas no mercado, como o processo Cabal da Valve Software Valve (2007). A estrutura do é uma mescla das fases de Planejamento, Desenvolvimento e Encerramento do com o modelo de Game Design apresentado por Schuytema, (2008) e Perucia et al (2005). O processo está divido em três grandes fases, como mostra a figura 3: Pré-Produção, Produção e Pós-Produção. O processo está sendo validado no desenvolvimento de um pequeno game, denominado Vivá (jogo para evidenciar conceitos de ecologia e sustentabilidade), que encontra-se em sua fase de Produção. O projeto de construção do jogo iniciou em outubro de 2009, com uma equipe liderada por acadêmicos do curso de sistemas de informação do CEULS/ULBRA. Durante a fase de Pré-Produção todas as atividades foram realizadas, sendo que após o Estudo de Viabilidade foram realizados brainstormings para produzir o Escopo do Jogo. A decisão foi tomada a partir da análise do Roteiro que gerou o Documento de Design Inicial. Durante a atividade Priorização de Level da Fase de Produção, a equipe definiu que o game seria desenvolvido na mesma ordem cronológica do Roteiro, com isso, o I Capítulo está sendo desenvolvido. Após a atividade de Priorização de Level, iniciou-se a criação da arte conceitual dos personagens principais. No momento, os desenhistas trabalham na produção dos modelos conceituais dos personagens principais do 1º level, e o game designer está trabalhando no roteiro. 113

9 4.3 Processo Ágil para Games Este projeto iniciado em agosto de 2008 visa atender o desenvolvimento de um tipo peculiar de software, os jogos eletrônicos. O desenvolvimento de um jogo eletrônico é um processo criativo e em vários pontos artístico, com fases semelhantes às de um software comum, porém processos convencionais de desenvolvimento, não são adequados às necessidades desse tipo de projeto.(junior, 2002). No planejamento de jogos e simulações é de vital importância definir e fixar os objetivos da atividade, a determinação do contexto desejado para a mesma, a identificação dos recursos utilizáveis para se alcançar os objetivos finais e a determinação da seqüência de interações, ou seja, uma fase de planejamento bastante criteriosa. Aaprendizagem dos processos de desenvolvimento e da utilização das ferramentas necessárias é essencial para a evolução de um projeto de desenvolvimento de jogos.(amazonas, 2007). O tem sua base no com a união das melhores práticas das metodologias de desenvolvimento de games mais conhecidas no mercado, como o processo Cabal da Valve Software Valve (2007). A estrutura do é uma mescla das fases de Planejamento, Desenvolvimento e Encerramento do com o modelo de Game Design apresentado por Schuytema, (2008) e Perucia et al (2005). O processo está divido em três grandes fases, como mostra a figura 3: Pré-Produção, Produção e Pós-Produção. Figura 3: Diagrama de atividades do 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Observa-se que a dificuldade de seguir um processo tradicional e definido tem sido um fator propulsor de pesquisas para encontrar um meio termo entre o desenvolvimento caótico e a rigidez das regras da Engenharia de Software. A prática da customização entre processos já existentes é considerada uma disciplina na área de desenvolvimento de sistemas. Como identificado nos processos descritos anteriormente a caracterização de um processo se dá pela intensidade de cada fluxo de trabalho dentro das fases que ocorre conforme as necessidades da aplicação. Assim tem-se que a característica principal do a evidência da complementaridade entre Scrum, XP e Processo Unificado. Enquanto XP não prevê análise de riscos, um sprint do Scrum ao ser organizado pelo fluxo do Processo Unificado analisa os riscos diariamente. As práticas do XP facilitam à equipe inexperiente o comportamento e relacionamento da equipe no dia a dia, como cliente presente, programação em pares, propriedade coletiva do código, reuniões em pé, integração diária, programação orientada por testes enquanto que a ordem dos 114

10 fluxos dada pelo Processo Unificado orienta as tarefas na seqüência do tempo. A natureza gerencial do Scrum possibilita a visão das atividades como um todo, fazendo com que a equipe trabalhe com um objetivo bem focado. No tem-se um fluxo de levantamento de requisitos e análise bastante criterioso e extenso colocando a Fase de Planejamento como uma das mais importantes, pois é nesta fase que a função da equipe psico-pedagógica irá definir o conjunto de requisitos a serem cumpridos. Como em um software educativo se utiliza muitas mídias já prontas e ferramentas facilitadoras, o fluxo de implementação inclui mais a integração dessas mídias do que propriamente criação de código. AFase de Encerramento do Processo para o software educativo tem como ponto principal o treinamento dos usuários, ou seja, a preparação dos professores, orientadores pedagógicos, diretores de escolas, entre outros, para utilização correta do software, a fim de que ele alcance seus objetivos reais. O procurou criar uma forma de nortear o desenvolvimento de um produto mais artístico do que sistemático. Isso se deu pela união dos conceitos de metodologias ágeis previstas no e no com os conceitos de Game Design e a metodologia do Cabal Process. Observou-se que é possível utilizar um processo com equipes inexperientes em desenvolvimento, porém é necessário que um acompanhamento das atividades seja realizado por um membro da equipe que tenha conhecimento dos princípios e práticas da engenharia de software. Desta forma é que se pode documentar as práticas positivas e as dificuldades para possíveis melhorias no processo. Também ficou claro que mesmo com um bom Game Designer conduzindo o projeto, é necessário capacitar a equipe que deve ser guiada por um processo adaptado às necessidades deste tipo de software. A dificuldade de se trabalhar pela primeira vez com um processo situa-se principalmente no fato de que não se tem histórico de experiências já realizadas e portanto é vital que se documente todo o processo com relato das dificuldades encontradas e das facilidades produzidas pelas regras. Assim foram elaborados relatórios de dificuldades encontradas em cada aplicação e conforme as necessidades os processos e estão sendo melhorados. A aplicação dos processos com vários sistemas e equipes diversificadas deve ser prática permanente do grupo GTA, para que boas experiências possam ser reproduzidas, relatadas e aperfeiçoadas a cada período. O Grupo de Trabalho Ágil espera com esta pesquisa encontrar não soluções, mas experimentar práticas capazes de facilitar a solução para sistemas específicos, enriquecendo os relatórios sobre as tentativas de customização de processos e de busca por recursos facilitadores para os engenheiros de software. Como trabalhos futuros pretende-se utilizar os relatos de experiências com os processos, considerar as dificuldades e pontos positivos e criar templates (modelo de documento) para facilitar a utilização do processo como documentação dos sistemas criados. REFERÊNCIAS Agile Manifesto, (2001). acessado em 20 de maio de AMAZONAS, D. S. Desenvolvimento de Jogos 3D em Java com a Utilização do Motor Gráfico Irrlicht.Monografia apresentada em 2007 na Faculdade Lourenço Filho, Fortaleza. Disponível em: Acesso em 3 de novembro de

11 Perspectiva Amazônica - - Santarém v.1 n.1 p p jul/dez jan AMBLER, S. Modelagem Ágil Práticas Eficazes para a Programação Extrema e o Processo Unificado. Porto Alegre: Bookmann, ASTELS, D. et al. Extreme Programming: Guia Prático. Campus, BASSANI, P. et al. Em Busca de uma Proposta Metodológica para o Desenvolvimento de Software Educativo Colaborativo. Novas Tecnologias para a Educação. CINTED,UFRGS. V. 4 No 1. Julho de BECK, K. Programação Extrema Explicada Acolha as Mudanças, Bookman, 2004 BENITTI, F. et al. Processo de Desenvolvimento de Software Educacional: Proposta e Experimentação. Novas Tecnologias na Educação. V.3 No1. Maio de CABRAL, Fátima A..Jogos Eletrônicos: técnica ilusionista ou emancipadora?.revista da USP, São Paulo, v. 000, p. 00, CHARETTE, R. Fair Fight?Agile Versus Heavy Methodologies.Cutter Consortium E-project Management Advisory Service, 2, 13, (2001). CREDIDIO, D. C. Metodologia de Design aplicada à concepção de jogos digitais f. Tese (Mestrado em Design). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, FALKENBACH, G. Concepção e Desenvolvimento de Material Educativo Digital. Novas Tecnologias na Educação. V.3 No 1. Maio de GARCIA, F. P. et al. easyprocess: Um Processo de Desenvolvimento para Uso no Ambiente Acadêmico. Anais do Workshop de Educação em Informática WEI, GELLER, M. et.al. Proposta de Customização de um Processo de Desenvolvimento de Software Educativo. In Anais do XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Florianópolis, SC , ISSN: Disponível em: HAZZAN,O e DUBINSKY Y. Teaching a Software Development Methodology: The Case of Extreme Programming. Proceedings of the 16th Conference on Software Engineering Educations and Training (CSEE&T 2003), Madrid, Spain, JUNIOR, A. et al. Um Estudo Sobre os Processos de Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos. Universidade Federal do Paraná Disponível em: Acessoem 3 de novembro de KEENAN, Agile Process Tailoring and problem analysis (APTLY). In Proceedings of the 26th International Conference on Software Engineering (ICSE'04). KRUCHTEN, P. Rational Unified Process made easy: A practioner's guide to the RUP, Addison-Wesley, 2003 NASCIMENTO, M. J. A. do. Modelagem De Ambientes Virtuais Para Jogos Eletrônicos f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia da Computação) Universidade Federal do Pará, Belém, OLIVEIRA, A. et. al. Interface Homem Computador para Software Educativo. In IV Congresso Brasileiro de Computação. CBComp PAIVA, D.M.B et al. Definido Implantando e Melhorando Processos de Software em Ambiente acadêmico. VI Simpósio Internacional de Melhoria de Processo de Software. São Paulo:2004. PERUCIA, Alexandre Souza et al. Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos: Teoria e Prática. 2. ed.são Paulo: Novatec, PRESSMAN, R.Engenharia de Software. 6a.ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006 SCHNEIDER, J.G and Johnston Lorraine. extreme Programming at Universities An Educacional Perspective. Proceedings of de 25th Internacional Conference on Software Engineering. Portland, Oregon, SCHUYTEMA, P. Design de Games: UmaAbordagem Prática. São Paulo: Cengage, SCHWABER, K..Scrum Development Process, OOPSLA'95 Workshop on Business Object Design and 116

Utilização de um Processo Adaptado para Desenvolvimento de Software Educativo em um Modelo de Ação Interdisciplinar

Utilização de um Processo Adaptado para Desenvolvimento de Software Educativo em um Modelo de Ação Interdisciplinar Utilização de um Processo Adaptado para Desenvolvimento de Software Educativo em um Modelo de Ação Interdisciplinar Marla Teresinha Barbosa Geller CEULS/ULBRA Brasil marla.geller@gmail.com Marialina Correa

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Micaelly P. Soares e Silva, Carla I. M. Bezerra, Camilo C. Almendra, Enyo José T. Gonçalves Universidade

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Criação de material educativo no formato epub utilizando um processo adaptado de Engenharia de Software

Criação de material educativo no formato epub utilizando um processo adaptado de Engenharia de Software 175 Criação de material educativo no formato epub utilizando um processo adaptado de Engenharia de Software Kássia L. Souza 1, Deivid S. Silva 1, Vanessa O. Silva 1, Ane Priscila Santos 1, Marla T. B.

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação

Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação Escolha e implantação de uma metodologia de desenvolvimento de software: um estudo de caso para o Laboratório de Aplicação em Tecnologia da Informação Elton A. dos Santos Departamento de Informática e

Leia mais

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Eduardo dos Santos Gonçalves 1, Heitor Boeira dos Reis Filho 1 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Av. Itacolomi, 3.600 Bairro São

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Claryanne A. Guimarães 1, Daniel Dias S. Rosa 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de

Leia mais

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MIRILIAN CARLA ARAUJO CORILLO 1, ANDREA PADOVAN JUBILEU 2. 1 Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis

Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis Processos Ágeis Aprenda o que são processos ágeis Conheça as metodologias Scrum e Extreme Programming e quais as diferenças entre as metodologias tradicionais e ágeis Leonardo Simas, Osias Carneiro, Vagner

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina

Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento do sistema Unidisciplina Perquirere, 11 (1): 113-129, jul. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Estudo de caso: aplicação das metodologias ágeis de desenvolvimento: Scrum e XP no desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Carina Alves Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Caixa Postal 50732-970 Recife PE Brazil

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil

Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Roberto Costa Araujo Orientador: Cristiano T. Galina Sistemas de Informação Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE Marcello Thiry thiry@univali.br Ana Frida da Cunha Silva anafrida@univali.br Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Campus São José

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha

Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha Uma abordagem de condução e avaliação para a disciplina de Tópicos Especiais em Sistemas de Informação com base em questões de múltipla escolha Marcelo Werneck Barbosa Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais 2 Jogos Educacionais Jogos estão presentes como uma prática habitual, eles tem sido concebidos como uma atividade lúdica que é bastante motivadora no processo de ensinoaprendizado. É assim que jogos educacionais

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios USP UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO Métodos Ágeis Alunos: Rogério Guaraci dos Santos - rgsantos@ime.usp.br Giulian Dalton Luz - gdaltonl@ime.usp.br Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Rodrigo L. M. Mota, Pablo B. S. Lima, Breno L. Romano Departamento de Computação e Matemática Instituto de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS:, SCRUM, E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARISON BETWEEN THE PROCESSES OF METHODS ÁGEIS:, SCRUM, AND ASD WITH RESPECT TO THE

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software

Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software MICHEL DOS SANTOS SOARES 1 Unipac - Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Tecnologia e Ciências de Conselheiro

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Metodologia de desenvolvimento de software de baixa complexidade: estudos iniciais Juliana da Rosa Dias juliana.da.rosa.dias@gmail.com Renan Alberto de Souza souza.renan@me.com Resumo: Esse artigo tem

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Metodologias Ágeis Extreme Programming e Scrum para o Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis Extreme Programming e Scrum para o Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis Extreme Programming e Scrum para o Desenvolvimento de Software Michel dos Santos Soares 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos, BR 482 Km 3, Gigante, Conselheiro Lafaiete, MG, Brasil

Leia mais

Uso de Jogos para o Ensino de Engenharia de Software

Uso de Jogos para o Ensino de Engenharia de Software Uso de Jogos para o Ensino de Engenharia de Software - - Relatos de Experiência - - Lucas Meirelles 1, Daniela Peixoto 1, Elizabeth Monsalve 2, Eduardo Figueiredo 1, Vera Werneck 3, Julio C. S. P. Leite

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software

Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software Ricardo Augusto Ribeiro de Mendonça Coordenação de Pós-Graduação Lato Sensu Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) Goiânia

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Uma Experiência de Engenharia de Requisitos em Empresas de Software

Uma Experiência de Engenharia de Requisitos em Empresas de Software Uma Experiência de Engenharia de Requisitos em Empresas de Software Carina Frota Alves Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil cfa@cin.ufpe.br Resumo. Este artigo apresenta uma

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ESTUDO DE FERRAMENTAS EM SOFTWARE LIVRE PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Trabalho de conclusão do curso Lato Sensu em Desenvolvimento de Sistemas em Software Livre da Universidade

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Paulo Júnior Varela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR paulovarela@utfpr.edu.br

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A.

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A. APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO André A. de Souza Ivo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Brasil,

Leia mais

RevISTa: Publicação técnico-científica do IST-Rio. nº 05 Data: Dezembro / 2012 ISSN 2178-5589.

RevISTa: Publicação técnico-científica do IST-Rio. nº 05 Data: Dezembro / 2012 ISSN 2178-5589. Oliveira, Júlio César da Silva, Gutierre da C. Resumo. O Projeto Integrador é uma iniciativa de caráter interdisciplinar que visa estimular o desenvolvimento de projetos de pesquisa científica em prol

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais