RELATÓRIO & CONTAS 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO & CONTAS 2010"

Transcrição

1

2 RELATÓRIO & CONTAS 2010

3 2 RELATÓRIO & CONTAS 2010 ÍNDICE ÍNDICE 001 INTRODUÇÃO PÁG. 03 Brisa Perfil Brisa 4 Mensagem do Presidente 5 Principais Indicadores 9 Enquadramento Macroeconómico CONCESSÕES RODOVIÁRIAS PÁG. 15 Concessão Brisa 16 Concessão Atlântico 21 Concessão Brisal 23 Concessão Douro Litoral 25 Concessão Baixo Tejo 26 Concessão Litoral Oeste OPERAÇÃO E MOBILIDADE PÁG. 29 Brisa Operação e Manutenção 30 Segurança Rodoviária SERVIÇOS DE MOBILIDADE PÁG. 35 Via Verde 36 Mcall 38 BIT 39 Controlauto INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTE PÁG. 41 BEG 42 Ferrovia de Alta Velocidade 43 Aeroportos 43 TIIC SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL PÁG RELATÓRIO FINANCEIRO PÁG RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO SOCIETÁRIO PÁG NOTA FINAL PÁG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXOS CONSOLIDADOS PÁG ANEXOS: ESTATÍSTICAS DE TRÁFEGO PÁG ACTIVIDADE INTERNACIONAL PÁG. 45 Venda da participação na CCR 46 NWP 47 Movenience 47 BNV Mobility Brisa Nedmobiel Ventures 47 Brisa Feedback Ventures 48

4 3 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO 001 INTRODUÇÃO

5 4 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO 001 INTRODUÇÃO BRISA 2010 JAN Brisa apresenta a BIT Brisa inovação e Tecnologia, que resulta da integração da Direcção de Inovação e Tecnologia com a Brisa Access Electrónica Rodoviária. A BIT passa a constituirum centro de competência de vanguarda tecnológica na área das infra-estruturas de transportese a assegurar as actividades de investigação, concepção, produção, instalação e manutenção de todos os sistemas inteligentes de transportes. Auto-estrada A9 (CREL) cortada ao trânsito em ambos os sentidos, entre o Nó de Ligação à A16eoNódeBelas, na sequência de um deslizamento de terras. JUN Brisa celebra acordo, com os restantes accionistas, para a alienação de 6% do capital da brasileira CCR e de todas as participações relacionadas. No âmbito deste acordo,a Brisa fica livre para proceder à alienação do lote remanescente de acções ordinárias da CCR por si detidas, representativas de 10,35% do capital social da empresa. FEV Reaberta à circulação, no sentido Alverca-Estádio, o sublanço da A9 (CREL), entre o Nó de Belas e o Nó de Ligação à A16, encerrado em Janeiro devido a um deslizamento de terras. JUL SET Agência de rating Fitch atribui notação de rating de longo prazo à Brisa de BBB+ com rating watch evolving, tendo por base o impacto da Reorganização Societária. Brisa concretiza, nos termos anteriormente anunciados, a alienação de 6% do capital da CCR, por um valor de cerca de 430 milhões de euros. MAR Assembleia-Geral da Brisa aprova Relatório e Contas referente a 2009 e distribuição de dividendo de 31 cêntimos por acção. Brisa apresenta o Relatório de Sustentabilidade, auditado externamente e classificado com a notação GRI A+ Third Party Checked na avaliação dos indicadores da Glogal Reporting Initiative. Reaberta à circulação, no sentido Estádio-Alverca, o sublanço da A9 (CREL), entre o Nó de Belas e Nó de Ligação à A16. Restabelecida assim a normalidade da circulação na A9 (CREL) OUT Brisa procede à alienação de mais 15,1 milhões de acções da CCR, ao preço unitário de aproximadamente 46 Reais, numa transacção de cerca de 300 milhões de euros. 8º Investors Day da Brisa Brisa paga dividendo de 31 cêntimos por acção. NOV ABR MAI O agrupamento ELOS, co-liderado pela Brisa (16,3%) assina contrato de adjudicação da concessão da Ferrovia de Alta Velocidade, entre o Poceirão e Caia. A Concessão, outorgada por um período de 40 anos, inclui a construção e manutenção da infra-estrutura e compreende um investimento total de cerca de milhões de euros. Agência de rating S&P revê notação da Brisa de BBB para BBB-, com outlook stable. DEZ Brisa procede à alienação de cerca de 30 milhões de acções da CCR, ao preço unitário de cerca de 43 Reais, o que corresponde a uma transacção de cerca de 478 milhões de euros. Com esta operação, a Brisa conclui a venda da totalidade da participação de 16,35%,que detinha no início do ano no capital da CCR, por um montante total de cerca de 1,2 mil milhões de euros. Após a realização da Assembleia-Geral extraordinária de 17 de Dezembro, a Brisa conclui o processo de reorganização societária, que vinha sendo preparado ao longo dos últimos dois anos. Com a concretização desta operação passam a ser atribuídos às emissões de obrigações da Brisa Concessão Rodoviária, S.A. os ratings A-, pela Fitch, e Baa1, pela Moody s.

6 5 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO PERFIL BRISA Com 39 anos de actividade, a Brisa Auto-Estradas é uma das maiores operadoras de auto-estradas do mundo e a maior empresa de infra-estruturas de transporte em Portugal. Fundada em 1972, a Brisa detém em Portugal seis concessões rodoviárias - Brisa, Atlântico, Brisal, Douro Litoral, Baixo Tejo e Litoral Oeste, que integram 23 auto-estradas. A concessão Brisa destaca-se por abranger um total de km, distribuídos por 12 auto-estradas que cobrem o país de Norte a Sul e de Leste a Oeste. Internacionalmente, a Brisa controla a concessão Northwest Parkway, nos EUA, o primeiro activo detido no continente norte-americano. Na experiência internacional da Brisa inclui-se ainda a participação, desde 2001, no capital da maior operadora de infraestruturas da América Latina, a brasileira CCR -Companhia de Concessões Rodoviárias. Em 2010, a Brisa procedeu à alienação da participação que detinha na CCR, realizando um encaixe financeiro líquido superior a 1,1 mil milhões de euros. Para apoiar a sua actividade, a Brisa detém outras empresas de serviços rodoviários, destacando-se a Brisa Operação e Manutenção (Brisa O&M), que garante as operações de todas as concessionárias nacionais do Grupo. A Via Verde, um dos produtos mais emblemáticos da Brisa, é um serviço de pagamento electrónico da tarifa relativa à quilometragem percorrida em autoestrada, por débito automático na conta bancária do utilizador. Presente no mercado de capitais há mais de uma década, a Brisa está cotada na Euronext Lisboa e integra o seu principal índice, o PSI 20. No final de 2010, apresentava uma capitalização bolsista acima dos milhões de euros. A Brisa integra também o índice Euronext 100, que reúne as maiores empresas de França, Holanda, Bélgica e Portugal, o Bloomberg European 500, que congrega as 500 empresas europeias com maior capitalização bolsista e o FTSE4Good, referência europeia no que respeita à Responsabilidade Social. CONCLUSÃO DA REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA A Brisa concluiu em 22 de Dezembro de 2010 uma reorganização societária cuja implementação foi inicialmente aflorada na Assembleia Geral de Accionistas de Para a conclusão da referida reorganização foi fundamental o trabalho desde então desenvolvido com múltiplas contrapartes, designadamente o Concedente, o Banco Europeu de Investimento e demais parceiros financeiros, as agências de rating e as autoridades reguladoras e de supervisão. O processo de reorganização societária implementado pela Brisa assentou, entre outros aspectos, na autonomização da actividade de concessionária de auto estradas por si desenvolvida ao abrigo do contrato de concessão que se rege pelas bases anexas ao Decreto-Lei nº 294/97, de 24 de Outubro, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei nº 247-C/2008, de 30 de Dezembro e cuja minuta foi aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros nº 198-B/2008, de 31 de Dezembro, com a consequente criação de uma sociedade veículo exclusivamente dedicada ao exercício da mesma. Com efeito a Brisa, nos termos e ao abrigo do disposto na Base XLII anexa ao citado diploma legal e na cláusula 40 do aludido contrato de concessão, transferiu para a Brisa Concessão Rodoviária S.A. (BCR)- uma sociedade por si totalmente dominada - a posição de concessionária que detinha naquele contrato. Esta operação incluiu a transferência, para a BCR e mediante aumento de capital por ESTRUTURA APÓS A REORGANIZAÇÃO RESERVA FINANCEIRA SUPORTE ÀS NECESSIDADES FINANCEIRAS SUPORTE À POLÍTICA DE DIVIDENDOS NECESSIDADES DE RECAPITALIZAÇÃO OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO BCR BCR PERFIL FINANCEIRO FORTE PLATAFORMA FINANCEIRA SÓLIDA PARA ACESSO A FINANCIAMENTO OUTRAS CONCESSÕES BRISAL DOURO ATLÂNTICO BAIXO TEJO LITORAL OESTE OUTROS ACTIVOS PROJECT FINANCE COM AMORTIZAÇÃO GRADUAL E BAIXO RISCO DE REFINANCIAMENTO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

7 6 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO entradas em espécie realizado e subscrito em 22 de Dezembro de 2010, da totalidade dos activos e passivos afectos ao exercício das actividades compreendidas no objecto do referido contrato de concessão, nomeadamente Know-how, pessoal, posições contratuais e equipamento, passando a BCR a assumir a qualidade de concessionária e a ocupar-se, com carácter de exclusividade, da exploração e manutenção da rede viária que tinha sido concessionada à Brisa. Em relação à componente de passivos, e designadamente em relação à dívida, foram por esta via transferidas as emissões obrigacionistas efectuadas ao abrigo de um programa Euro Medium Term Note (EMTN), empréstimos bancários concedidos pelo BEI, uma operação de titularização de créditos e diversas linhas de crédito junto de instituições bancárias nacionais e internacionais. Para além da dívida transferida, foram igualmente transferidas posições contratuais em algumas operações de derivados de cobertura de risco de taxa de juro e algumas garantias bancárias. Para além desta importante etapa, será útil relembrar que o processo de reorganização contemplou outros passos necessários à implementação da estrutura final pretendida, designadamente: A autonomização de parte da actividade de operação e manutenção exercida pelo Grupo Brisa e respectiva afectação à Brisa O&M, S.A., sociedade integralmente dominada pela Brisa (esta componente foi concretizada em Dezembro de 2009); A autonomização da actividade de inovação e desenvolvimento do Grupo Brisa e respectiva transferência para à Brisa Inovação e Tecnologia, S.A., sociedade integralmente dominada pela Brisa (esta componente foi também concretizada em Dezembro de 2009); A reorganização das sociedades operacionais do Grupo Brisa (já existentes ou entretanto constituídas), através da criação de estruturas intermédias de detenção de participações para a exploração dos diferentes ramos de actividade e áreas de negócio; A manutenção da Brisa Auto-Estradas de Portugal, S.A. enquanto vértice do Grupo, como sociedade cotada, aberta ao investimento público, e desenvolvendo actividades operacionais próprias. A conclusão da reorganização societária, ao melhorar a eficiência organizacional, tanto na vertente operacional como financeira, permite potenciar a implementação de um novo modelo de gestão dirigido à concretização da estratégia de desenvolvimento, não só da concessão Brisa como também das diferentes áreas de negócio do Grupo Brisa, garantindo estabilidade para a prossecução dessa mesma estratégia numa óptica de longo prazo. Será importante referir que, associada à transferência da dívida para a BCR, foi implementado um novo pacote contratual, no qual foram agregados os termos e condições comuns aplicáveis à divida financeira da BCR, independentemente de ser contratada no mercado bancário ou emitida no mercado de capitais. Este novo pacote contratual inclui uma estrutura de covenants e garantias com algumas semelhanças em relação à existente noutros projectos de infra-estruturas rodoviárias, designadamente: O cumprimento de rácios e de deveres de informação adicionais; Restrições ao exercício de outras actividades; A contratação de dívida adicional sujeita a mecanismos de controlo específicos; A criação de contas de reserva destinadas a assegurar, entre outros, o cumprimento do serviço da dívida; A constituição de penhor sobre acções, contas bancárias e bens da BCR a favor dos credores; A celebração de um Acordo Directo com o Estado/Concedente. Este conjunto de obrigações contratuais asseguram um efectivo

8 7 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO ring-fencing da concessão Brisa, passando a exposição creditícia dos financiadores da BCR a ser unicamente a esta concessão, com consequente melhoria e estabilidade do respectivo rating, o qual passou a ser de A- (Stable) pela Fitch e BBB+ (Stable) pela Moody s. Por outro lado, e numa perspectiva mais exógena, a concretização do modelo de reorganização, ao associar à concessão Brisa uma estrutura contratual algo similar às restantes concessões (ou subconcessões, conforme o caso) permitiu um mais ajustado enquadramento da concessão Brisa na política de harmonização do sector rodoviário desenvolvida pelo Estado Português, garantindo também, através da existência de uma equipa de gestão dedicada, um maior enfoque na gestão da concessão e na relação com o Concedente. Destacam-se as seguintes vantagens decorrentes da implementação deste novo modelo de organização do Grupo Brisa: Permite que a nova BCR venha a ter um rating estável e forte como foi reconhecido pela Moody s (Baa1) e pela Fitch (A-). Merece destaque o facto desta classificação ter sido obtida num contexto de grande instabilidade financeira internacional que tende a penalizar as análises de risco feitas pelas agências e, sobretudo, numa conjuntura de degradação do rating da República Portuguesa. O reconhecimento pelas agências do ring-fencing proporcionado pela estrutura financeira inovadora da BCR foi crucial para a obtenção deste resultado em termos de notações de rating.a existência de uma BCR financeiramente forte, com um rating estável, é fundamental para assegurar o acesso futuro aos mercados de dívida internacionais proporcionando capacidade de refinanciamento particularmente importante nas condições de mercado actuais. Renegociação do financiamento com o Banco Europeu de Investimento. Foi possível, graças ao ring-fencing da BCR, negociar com o BEI a transferência dos financiamentos contratados pela Brisa Auto-Estradas de Portugal S.A. para a BCR no montante de 780 milhões. Em simultâneo com a transferência, foi negociada com o BEI a consolidação dos 16 contratos de financiamento existentes num único e uma extensão substancial da sua maturidade, até Esta renegociação permitiu reduzir em cerca de 275 M o reembolso de dívida ao BEI nos próximos 5 anos. Contribui para a estabilidade da política de dividendos da Brisa. Na medida em que reduz a incerteza em relação à capacidade de refinanciamento no futuro e diminui a pressão para a redução da dívida do Grupo a médio prazo, contribuí para o cumprimento da política de distribuição de dividendos divulgada pelo Grupo Brisa. Permite potenciar a concretização de oportunidades de crescimento. A diminuição da pressão para a redução da dívida a nível consolidado, permite que uma fatia maior dos recursos disponíveis possa ser afecta a investimentos criadores de valor para os accionistas. Proporciona uma maior visibilidade dos vários activos e do seu cash-flow. Permite que o Grupo Brisa adopte, em temos organizacionais, uma estrutura compatível com o seu posicionamento de gestor de um portfólio de Concessões. Vai permitir aumentar a eficiência das várias áreas de negócio. Através de uma melhor definição de prioridades e objectivos e do reforço das competências centrais e específicas a cada negócio. Aumento da eficiência na gestão da Concessão Brisa. Maior enfoque na optimização da operação e na gestão da relação com o Concedente assegurada por uma equipa de gestão dedicada.

9 8 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO

10 9 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO 001 MENSAGEM DO PRESIDENTE A Brisa viveu um ano especial em 2010, atingindo concretizações significativas. Se, por um lado, o Grupo foi afectado pela conjuntura macroeconómica muito difícil que dominou a agenda de Portugal, por outro, foram realizadas profundas transformações que potenciam a competitividade, a solidez e o crescimento da empresa. Conjuntura macroeconómica difícil A nossa actividade foi afectada por um conjunto de factores externos, em que a instabilidade dos mercados financeiros internacionais e o agravamento do risco soberano, assumiram uma importância central. Ao nível financeiro assistimos no mercado de capitais a uma excessiva correlação entre o aumento do risco soberano de Portugal e o desempenho negativo da acção Brisa. Ao nível económico observámos aumentos generalizados nos impostos directos e indirectos, bem como dos preços das matériasprimas. Estes, em conjugação com o reaparecimento da inflação e o aumento dos custos de financiamento contribuíram para uma forte diminuição do rendimento disponível das famílias. O trafego nas redes Brisa ressentiu-se desta diminuição e registou uma quebra de 3% em No entanto, parte desta quebra é atribuível ao impacto da concorrência nos primeiros 9 meses das SCUTS. Melhoria da eficiência operacional A operação foi uma das áreas que registou maiores transformações. A busca de uma maior eficiência de processos e de sistemas deu origem a um novo sistema de pagamento de portagens na Brisa a Via Manual. A face mais visível deste sistema é a máquina de pagamento semiautomático, através da qual o condutor pode proceder ao pagamento da portagem de uma forma manual, utilizando qualquer um dos meios de pagamento. Este projecto trará à cobrança de portagens uma maior eficiência, permitindo ganhos futuros consideráveis. Outro evento relevante para a nossa eficiência operacional foi a introdução de portagens reais nas SCUT do Norte do País. A adopção da cobrança electrónica de portagens nestas auto-estradas contribuiu para um crescimento significativo do número de aderentes à Via Verde e para o aumento do número de transacções totais realizadas, com impacto positivo nos custos por transacção suportados pelas concessionárias. No total, a Via Verde passou a estar presente em mais três auto-estradas, as quais abrangem mais 173 km com portagens. Com a conversão de mais quatro SCUTs, agendada para 2011, a Via Verde deverá duplicar o número de transacções, consolidando o seu papel como a referência nacional de cobrança de portagens. A Brisa prosseguiu entretanto o trabalho iniciado na gestão dos consumos de energia, água e combustíveis e das emissões de CO2. Neste sentido, o Grupo passou a recorrer a um Índice de Ecoeficiência Brisa, o qual mede a racionalidade da nossa operação conjugada com os respectivos impactos. Para além de ser uma ferramenta de eficiência e de gestão de riscos fundamental para o Grupo, este índice deverá constituir a base para a avaliação do desempenho da Brisa nos principais eixos da gestão ambiental. Gestão dinâmica da carteira A par do trabalho realizado na busca de processos e soluções mais eficientes, o Grupo continuou a dar passos assinaláveis na concretização da sua estratégia de crescimento. A assinatura do contrato de concessão do troço Poceirão-Caia, da Rede de Alta Velocidade, entre o consórcio ELOS e o Estado, marca a transformação da Brisa, de operador de infra-estruturas rodoviárias em operador de infra-estruturas globais de transporte, numa obra que envolve a construção de 167 km de linha de Alta Velocidade e um investimento de 1,5 mil milhões de Euros. A venda da posição na participada brasileira CCR Companhia de Concessões Rodoviárias, concluída em 15 de Dezembro, foi um momento-chave de viragem do posicionamento internacional.após ter desenvolvido uma operação de dez anos de sucesso em parceria com sócios locais, a Brisa decidiu sair do Brasil por não ser possível consolidar a sua participação minoritária, realizando um encaixe financeiro líquido superior a 1,1 mil milhões. Este negócio cria condições para a Brisa replicar, noutras geografias, o mesmo modelo aplicado no Brasil. Após análise das diferentes oportunidades existentes, elegemos a Índia e a Turquia como os mercados prioritários para a nossa actividade internacional. A constituição da joint-venture Feedback Brisa Highways, na índia, no final de Novembro, é prova do dinamismo desta nova fase de crescimento no exterior. Ainda no domínio da gestão de activos merece destaque o diálogo que a Brisa manteve com o Estado, no sentido de adaptar as Concessões Brisal e Douro Litoral ao modelo de subconcessão (receitas por disponibilidade), da empresa de capitais públicos EP - Estradas de Portugal. Conclusão da Reorganização Societária A maior transformação foi, contudo, aquela que resultou da reorganização da estrutura societária do Grupo Brisa, cujo aspecto fulcral foi a transferência da concessão Brisa, os seus activos e passivos para um veículo próprio, a BCR-Brisa Concessão Rodoviária. Este processo iniciado após a revisão do contrato de concessão da Brisa, em Dezembro de 2008, envolveu ainda a autonomização de áreas de negócio, a integração de competências em novas participadas e a redistribuiu dos recursos humanos que dão vida ao Grupo. A nova estrutura corportativa marca uma nova fase da história da Brisa, em particular pelas suas implicações na estrutura financeira do Grupo. A reorganização resultou num reforço da solidez financeira e da notação rating e maiores eficiência na gestão dos activos e visibilidade dos cash flows, permitindo uma opção pelo crescimento sustentado, em conjunto com a definição de uma política de remuneração accionista estável, a qual deverá ser no mínimo 31 cêntimos por acção nos próximos cinco anos. A Brisa entra, assim, em 2011, dotada de uma nova estrutura societária, financeiramente mais sólida, com uma organização operacional mais eficiente e flexível e com um potencial acrescido de desenvolvimento. Acreditamos ter construído, deste modo, as bases para uma política de dividendos estável e motivadora de crescimento.

11 10 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES DE DESEMPENHO REDE NÚMERO DE AUTO-ESTRADAS EM CONCESSÃO DIRECTA NÚMERO DE QUILÓMETROS DAS AUTO-ESTRADAS EM CONCESSÃO DIRECTA NÚMERO DE QUILÓMETROS DA CONCESSÃO DIRECTA ABERTOS AO TRÁFEGO NÚMERO DE QUILÓMETROS ABERTOS AO TRÁFEGO INCLUINDO PARTICIPADAS NÚMERO DE QUILÓMETROS ABERTOS AO TRÁFEGO, AJUSTADOS À % DE PARTICIPAÇÃO EXPLORAÇÃO (MONTANTES EM MILHÕES DE EUROS)* PROVEITOS TOTAIS DE EXPLORAÇÃO, EUROS RECEITAS DE PORTAGENS, EUROS PERCENTAGEM DAS PORTAGENS NOS PROVEITOS TOTAIS DE EXPLORAÇÃO 87% 89% 85% 87% 85% EBITDA MARGEM DO EBITDA, % 71% 71% 70% 71% 70% EBIT MARGEM DO EBIT, % 50% 44% 40% 32% 8% RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO ATRIBUÍVEL A DETENTORES DO CAPITAL Resultados antes de ganhos e perdas financeiros, impostos e amortizações 2 Resultados antes de ganhos e perdas financeiros e impostos BALANÇO (MONTANTES EM MILHÕES DE EUROS)* CAPITAL SOCIAL, INTEIRAMENTE SUBSCRITO CAPITAL PRÓPRIO E INTERESSES SEM CONTROLO PASSIVO ACTIVO LÍQUIDO TOTAL CAPITAL PRÓPRIO/ACTIVO LÍQUIDO TOTAL, % 35% 32% 24% 25,2% 31,1% RENDIMENTO DO CAPITAL PRÓPRIO (ROE), % 2 10,7% 15,3% 8,9% 11,0% 58,2% RENDIMENTO DO ACTIVO (ROA), % 3 3,8% 4,8% 2,8% 2,7% 14,7% 1 Com o valor nominal de um euro por acção 2 ROE (n) = Resultado Líquido (n) / Capital Próprio (n-1) 3 ROA (n) = Resultado Líquido (n) / Activo (n-1) DÍVIDA* DÍVIDA FINANCEIRA LÍQUIDA DÍVIDA FINANCEIRA LÍQUIDA/EBITDA, % 5,7 7 7,6 6,9 4,6 EBITDA/ENCARGOS FINANCEIROS, % 5,2 4,1 2,5 3,4 3,5 ACÇÃO NÚMERO DE ACÇÕES EMITIDAS, MILHÕES COTAÇÃO NO FINAL DO ANO, EUROS 9,45 10,05 5,35 7,18 5,22 CAPITALIZAÇÃO BOLSISTA NO FINAL DO ANO, MILHÕES DE EUROS RESULTADO LÍQUIDO POR ACÇÃO, CÊNTIMOS (DE EURO) DIVIDENDO POR ACÇÃO (BRUTO) ** PER NO FINAL DO ANO * IFRS ** Proposta de aplicação de resultados

12 11 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Os sinais de recuperação económica mundial registados no final de 2009 concretizaram-se em 2010, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) mundial registado um crescimento de 4,6%. O ritmo da retoma foi no entanto abrandando ao longo do ano, à medida que os factores temporários de crescimento, nomeadamente os estímulos orçamentais dos governos, foram desaparecendo sem darem lugar a uma dinâmica de crescimento auto-sustentável. Pelo seu lado, as economias emergentes estão também a crescer a um ritmo mais controlado, embora mais sustentável, o que deixa antever uma retoma moderada no curto prazo. Ao longo de 2010, as principais Bolsas mundiais continuaram a trajectória ascendente iniciada em 2009, superando os níveis précrise financeira, com destaque para o índice alemão DAX, o americano DOW JONES IA e o britânico FTSE100, que valorizaram 14%, 9% e 9%, respectivamente. A Bolsa portuguesa registou um comportamento inverso, com o PSI 20 a acumular perdas de 10% durante o ano, espelhando o aumento do risco da dívida soberana e o seu efeito nas empresas portuguesas. EUROPA E PORTUGAL A evolução da economia da Zona Euro em 2010 foi encorajadora, com o PIB a registar um crescimento surpreendentemente positivo (1,7% vs. -4,1 em 2009). Ao contrário do que se previa uma recuperação assente em factores temporários, como o ajustamento de stocks e as medidas de estímulo adoptadas - a retoma económica na UE está a concretizar-se em conformidade com as características de anteriores recuperações: Numa primeira fase, ancorada nas exportações, que têm registado um forte crescimento; Numa segunda fase, que está agora a iniciar-se, com o aumento das exportações a estimular o investimento. A fase subsequente, de criação de emprego, ainda não começou, uma vez que o mercado de trabalho reage com algum desfasamento temporal. Em 2010, a taxa de desemprego na Zona Euro superou os 10% e espera-se que as condições gerais deste mercado permaneçam frágeis, em resultado do fim dos incentivos temporários e dos ajustamentos estruturais em curso, em especial

13 12 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES MACROECONÓMICOS ZONA EURO PIB 2,9 0,4-4,1 1,7 INFLAÇÃO 2,1 3,3 0,3 1,5 DESEMPREGO 7,5 7,5 9,5 10,1 EUA PIB 7,9 0,0-2,7 2,7 INFLAÇÃO 2,7 3,3 0,2 1,7 DESEMPREGO 4,6 53,8 9,3 9,6 PORTUGAL PIB 2,4 0,0-2,6 1,3 INFLAÇÃO 2,4 2,7-0,9 1,4 DESEMPREGO 8,1 7,7 9,6 10,5 Fonte: Previsões de Outono da UE, Novembro 2010 no Sector Público. Neste contexto, a inflação manteve-se controlada (1,5% em 2010), apesar do aumento dos preços das matérias-primas e da fiscalidade indirecta em alguns Estados- Membros. Como resposta às medidas de consolidação orçamental adoptadas e às políticas estruturais para promover o crescimento sustentável, os défices públicos começam a diminuir. No entanto, a evolução nos diferentes Estados-Membros é díspar, o que, aliado ao abrandamento da actividade mundial e ao fim dos incentivos temporários, limita as perspectivas de curto prazo para a economia da UE. A economia portuguesa caracteriza-se por uma baixa produtividade e competitividade e por uma extrema dependência externa, tanto comercial como financeira, pelo que a sua evolução tem sido financiada com recurso a um crescente endividamento externo. Neste enquadramento, a contracção dos principais parceiros económicos, a deterioração do mercado de trabalho e a ausência de reestruturação de alguns sectores-chave, atingiram fortemente as Finanças Públicas e colocaram Portugal sob apertada desconfiança dos mercados financeiros, com imediata consequência nas taxas de juro da Dívida Pública. Para aliviar a pressão, o Governo anunciou dois pacotes de medidas de austeridade, em Maio e Setembro, algumas das quais implementadas ainda em Apesar de tudo, em 2010 o PIB terá apresentado um crescimento de 1,25%, construído essencialmente no 1º semestre do ano, quando o consumo privado beneficiou de reduzidas taxas de juros e antecipou a subida do IVA. PETRÓLEO E COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS Em 2010, apesar da elevada volatilidade do preço do petróleo - que oscilou entre mínimos de USD 70, registados várias vezes ao longo do ano, e os USD 90 do final de Dezembro asubidaface às cotações do inicio do ano foi muito inferior à verificada em 2009: 12% vs. 70%. A média das cotações do Brent situou-se em USD 79,5, o que representa um acréscimo de 28% em relação a Na Zona Euro, o aumento do preço do petróleo ao longo do ano foi de 17% (de EUR 80 para EUR 94 por barril), por efeito da evolução do USD face ao EUR, que em 2010 sofreu uma apreciação de 7%. Em 2010, à semelhança do verificado na generalidade das commodities, o preço do petróleo, no mercado americano, apresentou uma estabilidade não conhecida em anos anteriores. De facto, depois de em 2008 e 2009 ter registado amplitudes entre mínimos e máximos de 360% e 140%, respectivamente, em 2010 variou entre o mínimo de USD 66 em Maio e o máximo de USD 91 em Dezembro, uma variação global inferior a 40%. Assistiu-se, portanto, a uma menor volatilidade e a uma gradual fixação do preço do petróleo em níveis elevados, com o preço médio a subir para perto dos USD 80 em O preço do petróleo, na Zona Euro, acompanhou a tendência descrita anteriormente, variando entre o mínimo de EUR 70 e o máximo de EUR 94 por barril. MERCADO AUTOMÓVEL Em 2010, o mercado automóvel da União Europeia préalargamento a leste (UE15), manteve a tendência de decréscimo dos últimos anos, acumulando uma quebra de 36% desde A venda de automóveis, nas maiores economias mundiais, tem-se situado abaixo da tendência de longo prazo, o que indicia um risco limitado de persistência da evolução negativa das vendas. Em Portugal verificou-se uma recuperação das vendas para os níveis de 2008 ( veículos), explicada pela antecipação de aquisições, motivada pelo aumento do IVA em 2011, como o comprova o crescimento de quase 50% nas vendas em Dezembro face ao mês anterior.

14 13 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB (%) 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6, Fonte: Banco de Portugal Zona Euro EUA Portugal

15 14 RELATÓRIO & CONTAS INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DO PREÇO MÉDIO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS, ,70 1,60 1,50 1,40 1,30 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 J M M J S N J M M J S N J M M J S N J M M J S N Média Gasóleo Gasolinas EVOLUÇÃO DAS VENDAS DE VEÍCULOS NOVOS, % 5% 0% -5% -10% -15% -20% EU15-25% Portugal -30% Fonte: Instituto Nacional de Estatística

16 15 RELATÓRIO & CONTAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS 002 CONCESSÕES RODOVIÁRIAS

17 16 RELATÓRIO & CONTAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS 002 CONCESSÕES RODOVIÁRIAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS NO FINAL DO ANO DE 2010, O MERCADO PORTUGUÊS DETINHA 21 CONCESSÕES ROVOVIÁRIAS, ABRANGENDO CERCA DE QUILÓMETROS COM PERFIL DE AUTO- ESTRADA. DESTE TOTAL, A BRISA, ATRAVÉS DE SEIS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS, ASSUME A GESTÃO DE CERCA DE METADE DOS QUILÓMETROS, DISTRIBUÍDOS DA FORMA SEGUINTE: 1. A Brisa Concessão Rodoviária (100% Brisa), com uma rede que integra 11 auto-estradas e um total de km concessionados. Esta concessão termina em 2035; 2. Auto-estradas do Atlântico (50% Brisa), que detém a concessão de duas auto-estradas (A8 e A15), num total de 170 km. Esta concessão termina em 2028; 3. Litoral Centro (Brisal) (70% Brisa)que detém a Auto-estrada Litoral Centro (A17), com 93 km. Esta concessão termina em 2034; 4. Douro-Litoral (45% Brisa), uma concessão de 3 auto-estradas (A32, A41 e A43), que compreende um total de 129 km. Esta concessão termina em 2034; 5. Baixo Tejo (30% Brisa), concessão atribuída em Janeiro de 2009 e situada na margem Sul do Rio Tejo, com um total de 68 km Esta concessão terminam em 2038; 6. Litoral Oeste (15% Brisa), concessão atribuída em Fevereiro de 2009 e situada na Região Oeste, estendendo-se para Este, ligando a A1 (Concessão Brisa) à A17 (Concessão Brisal) e à A8 (Concessão Atlântico). Total de 112 km, dos quais 19 km com portagem. Esta concessão termina em CONCESSÃO BRISA A rede concessionada à BCR integra 12 auto-estradas, com um total de 1 101,9 km, sem contar com a quilometragem do futuro acesso ao Novo Aeroporto de Lisboa. Com a rede praticamente construída, encontram-se actualmente em exploração directa 11 auto-estradas, num total de 1 094,6 km em operação, sendo 1 012,8 km constituídos por sublanços com portagens. A finalização da rede realizar-se-á com a construção da A33, correspondente ao acesso ao Novo Aeroporto de Lisboa. Na rede em operação estão incluídas as ligações às plataformas logísticas de Lisboa Norte e Poceirão e ao Alto da Guerra, na EN10, ainda em fase de construção. A rede cobre o pais de Norte a Sul e Este a Oeste, abrangendo os seus principais eixos rodoviários - corredor litoral e ligação Lisboa- Madrid. Inclui também importantes vias radiais e circulares das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto. De acordo com o Contrato de Concessão, negociado com o Estado Português, a Concessão termina em ALARGAMENTOS, EXPANSÃO E CONSERVAÇÃO De acordo com o Contrato de Concessão, sempre que o Tráfego Médio Diário (TMD) de um sublanço seja superior a veículos ou a veículos, este deverá ser alargado, respectivamente, de duas para três vias e de três para quatro vias em cada sentido. Em 2010 foram concluídos os alargamentos para 2x3 vias no sublanço Estarreja Feira da A1 (Auto-estrada do Norte), e dos sublanços Coina Palmela A2/A12 da A2 (Auto-Estrada do Sul). Concluiu-se também a última parte do alargamento para 2x4 vias no sublanço Águas Santas Maia da A3 (Auto-estrada Porto/Valença). Estão em curso os alargamentos de cerca de 13,8 km no sublanço Maia-Santo Tirso da A3 (Auto-estrada Porto/Valença) e no sublanço Valongo-Campo da A4 (Auto-estrada Porto/Amarante). Em relação aos novos investimentos previstos contratualmente, em 2010, prosseguiu o desenvolvimento do estudo do acesso à plataforma logística do Poceirão e foi concluído o projecto do Nó de Soure. Foi ainda iniciada a construção do acesso à plataforma logística de Lisboa Norte, em Castanheira do Ribatejo, e da ligação ao Alto da Guerra (A12 EN10, em Setúbal).

18 17 RELATÓRIO & CONTAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS CARACTERÍSTICAS DA CONCESSÃO BRISA EM 2010 AUTO-ESTRADAS EXTENSÃO (KM) COM PORTAGEM SEM PORTAGEM TOTAIS 2X2 VIAS 2X3 VIAS 2X4 VIAS A1 AUTO-ESTRADA DO NORTE 277,8 17,4 295,2 160,6 127,3 7,3 A2 AUTO-ESTRADA DO SUL 225,2 9,6 234,2 202,8 32,0 A3 AUTO-ESTRADA PORTO/VALENÇA 101,3 11,5 112,8 104,4 8,4 A4 AUTO-ESTRADA PORTO/AMARANTE 48,3 3,0 51,3 51,3 A5 AUTO-ESTRADA DA COSTA DO ESTORIL 16,9 8,1 25,0 3,8 21,2 A6 AUTO-ESTRADA MARATECA/ELVAS 138,8 19,1 157,9 157,9 A9 CIRCULAR REGIONAL EXTERNA DE LISBOA 34,4 34,4 34,4 A10 AUTO-ESTRADA BUCELAS/CARREGADO/IC3 39,8 39,8 7,4 32,4 A12 AUTO-ESTRADA SETÚBAL/MONTIJO 24,8 24,8 5,2 19,6 A13 AUTO-ESTRADA ALMEIRIM/MARATECA 78,7 78,7 78,7 A14 AUTO-ESTRADA FIGUEIRA DA FOZ/COIMBRA NORTE 26,8 13,1 39,9 39,9 TOTAL 1012,8 81,8 1094,6 812,0 266,9 15,7 ALARGAMENTOS EM FASE DE CONSTRUÇÃO EM 2010 AUTO-ESTRADAS EXTENSÃO (KM) TIPO A 3 - AUTO-ESTRADA PORTO/VALENÇA SUBLANÇO MAIA SANTO TIRSO 12,8 2X3 A 4 - AUTO-ESTRADA PORTO/AMARANTE SUBLANÇO VALONGO - CAMPO 1,0 2X3 Ao nível da conservação, para além de diversas intervenções localizadas, destaca-se a conclusão das seguintes empreitadas de benefício e reforço do pavimento: Obras de beneficiação / reforço do pavimento do trecho Nó de Sacavém-Viaduto do Trancão, do sublanço Sacavém-São João da Talha da A1 (Auto-estrada do Norte); Obras de beneficiação do pavimento no sublanço Grândola Norte-Grândola Sul, sentido Sul/Norte da A2 (Auto-estrada do Sul); Obras de beneficiação do pavimento nos sublanços Braga Oeste EN 201-Ponte de Lima Sul da A3 (Auto-estrada Porto/Valença). Em 31 de Dezembro de 2010, estavam ainda em curso, as empreitadas para as obras de beneficiação do pavimento nos sublanços Alcácer do Sal-Grândola Norte da A2 (Auto-estrada do Sul) e Montijo-Pinhal Novo da A12 (Auto-estrada Setúbal/Montijo). Prosseguiram as inspecções periódicas às infra-estruturas bem como a auscultação de pavimentos cuja informação, depois de introduzida no sistema de Gestão de Pavimentos ou de Obras de Arte, serve de apoio aos estudos de beneficiação e reforço dos mesmos. Continuou também a instalação progressiva de barreiras acústicas ao longo da rede. INDICADORES ECONÓMICOS 1 PROVEITOS DE EXPLORAÇÃO 523,6 Milhões de Euros RESULTADO EBITDA 386,4 Milhões de Euros MARGEM EBITDA 73,80% NÚMERO DE TRABALHADORES 13 1 Valores pro forma De salientar, por último, a introdução de um novo tipo de via manual de pagamento semiautomática que, com um elevado nível de fiabilidade na cobrança, aumenta a disponibilidade de

19 18 RELATÓRIO & CONTAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS INVESTIMENTO DIRECTO NA CONCESSÃO BRISA TIPO DE INVESTIMENTO NOVOS LANÇOS 154,3 200,9 110,6 9,2 2,5 15,2 PROJECTOS COMPLEMENTARES 1 64,2 56,8 54,5 73,5 60,1 51,9 OUTROS 39,6 31,5 17,9 21,7 13,4 17,6 TOTAL 258,1 289,2 183,0 104,4 76,0 84,7 1 Reporta-se, fundamentalmente, a alargamentos. atendimento nas praças de portagem. Trata-se de um equipamento que mantém todas as funcionalidades da via manual: Todos os meios de pagamento estão disponíveis Assistência permanente através de câmaras de vídeo e contacto de voz Emissão de facturas Em 2010, este equipamento foi instalado em 249 vias de 84 barreiras de portagem da rede BCR, o que representou um investimento de cerca de 11,9 milhões de euros. INVESTIMENTO DIRECTO NA REDE O investimento directo na rede da Concessão Brisa totalizou 84,7 milhões de euros. A parcela mais importante foi canalizada para o alargamento de sublanços, no montante de 56,5 milhões de euros. TRÁFEGO NA CONCESSÃO BRISA Em 2010, o Tráfego Médio Diário (TMD) na Concessão Brisa foi de veículos, o que representou uma diminuição anual de 2,9% em relação ao ano anterior. O facto de um sublanço adicional da Circular Sul de Braga ter sido integrado na A3 explica a diferença entre a variação do TMD e da Circulação Total. Esta evolução resultou da conjuntura económica desfavorável, que se vem sentindo desde 2008, bem como do impacto da concorrência e da canibalização de que a Concessão Brisa foi alvo. Estes dados vêm demonstrar a resiliência do tráfego, cujo decréscimo do TMD, mesmo com efeitos exógenos, foi muito menor do que queda do PIB. A conclusão, em Setembro de 2009, da Concessão Costa de Prata (com a abertura ao tráfego do sublanço Angeja Estarreja), veio consolidar e prolongar o corredor viário Norte-Sul referido e permitiu uma nova ligação Lisboa-Porto por auto-estrada. Este novo corredor afectou negativamente os resultados da A1 (Autoestrada do Norte), durante os primeiros noves meses de 2010, contribuindo para o agravamento dos resultados globais da Concessão Brisa. Entre o fim de Janeiro e o início de Março, o sublanço A9/A16- Radial Pontinha da A9 (CREL-Circular Regional Exterior de Lisboa), esteve cortado ao tráfego, devido a um deslizamento de terras. Embora tenha sido um incidente localizado, afectou negativamente EVOLUÇÃO DO TMD E CIRCULA- ÇÃO NA REDE COM PORTAGEM DECOMPOSIÇÃO CRESCIMENTO TRÁFEGO MÉDIO DIÁRIO -2,9% CIRCULAÇÃO TOTAL -2,8% EVOLUÇÃO DO TRÁFEGO MÉDIO DIÁRIO (TMD) DECOMPOSIÇÃO CRESCIMENTO ORGÂNICO -1,1% EFEITO SCUTS -1,5% CORTE DA A9-0,2% TOTAL CIRCULAÇÃO -2,8% CIRCULAR SUL DE BRAGA -0,1% TOTAL TMD -2,9% os resultados de toda a auto-estrada, contribuindo igualmente para o agravamento dos resultados da Concessão Brisa. Na segunda quinzena de Outubro teve início a cobrança de portagens nas concessões Costa de Prata, Grande Porto e Norte Litoral, que até então eram estradas sem custos para o utilizador (SCUT). Com a introdução da cobrança de portagens registou-se uma redução na procura destas concessões, tendo parte da procura sido repartida entre as vias existentes na sua envolvente. A A1 (Auto-estrada do Norte), a A3 (Auto-estrada Porto/Valença) e A4 (Auto-estrada Porto/Amarante) foram as auto-estradas da Concessão Brisa que registaram um maior efeito positivo, ao terem captado parte do tráfego que deixou de circular nas concessões Costa de Prata, Grande Porto e Norte Litoral. ANÁLISE POR AUTO-ESTRADA Quando comparada com 2009, a evolução da circulação por autoestrada alterou os pesos relativos de cada via na rede com portagem da Brisa.

20 19 RELATÓRIO & CONTAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS CRESCIMENTO ANUAL DA CIRCULAÇÃO POR AUTO-ESTRADA 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% -1,0% 0,9% 2,2% -2,0% -3,0% -4,0% -3,3% -3,4% -1,3% -1,9% -3,5% -1,5% -2,8% -5,0% -6,0% -4,8% -4,8% -7,0% -8,0% -9,0% -10,0% A1 A2 A3 A4 A5 A6-9,0% A9 A10 A12 A13 A14 TOTAL PESO RELATIVO DA CIRCULAÇÃO DE CADA AUTO-ESTRADA NA REDE BRISA 50% 40% 30% 20% 10% 0% A1 A2 A3 A4 A5 A6 A9 A10 A12 A13 A

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

índice relatório e contas consolidado

índice relatório e contas consolidado 01. INTRODUÇÃO Brisa 2008 02 Perfil Brisa 03 Estratégia Empresarial 04 Principais Indicadores 05 Mensagem do Presidente 06 Enquadramento Macroeconómico 08 02. CONCESSÕES RODOVIÁRIAS Concessão Brisa 10

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

Workshop Cibersegurança: Aspectos Económicos. Rui Sousa Gil, Brisa

Workshop Cibersegurança: Aspectos Económicos. Rui Sousa Gil, Brisa Workshop Cibersegurança: Aspectos Económicos Rui Sousa Gil, Brisa Agenda 1. Rede Nacional de Auto-Estradas 2. Rede Brisa 3. Competências Brisa 4. Segurança de Sistemas de Informação / Tecnologias Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 Setembro, 2006 Índice: 1. Posição relativa dos Municípios face às Administrações Públicas; 3 2. Enquadramento da Proposta de Lei das Finanças Locais com o

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Brisa 2014. O Ano em Revista

Brisa 2014. O Ano em Revista ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 4 II - CONCESSÃO BRISA 13 III - OUTRAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS 19 IV - SERVIÇOS VIÁRIOS 26 V - INSPECÇÕES AUTOMÓVEIS 41 VI - OUTROS PROJECTOS 43 VII - NEGÓCIOS INTERNACIONAIS 45 VIII

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II - CONCESSÃO BRISA

ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II - CONCESSÃO BRISA ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II - CONCESSÃO BRISA 13 III - OUTRAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS 19 IV - SERVIÇOS VIÁRIOS 27 V - INSPECÇÕES AUTOMÓVEIS 41 VI - NEGÓCIOS INTERNACIONAIS 45 VII - INDICADORES DE ACTIVIDADE

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais