INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS"

Transcrição

1

2 INTRODUÇÃO Entre os dias 04 e 06 de junho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), durante a qual entidades da sociedade civil e delegações dos estados membros da ONU irão debater a relação entre sociedade, economia e meio ambiente. Espera-se que o evento avance a agenda da Eco 92, que foi realizada na cidade há quase 20 anos, e que os participantes proponham novas soluções e estratégias para enfrentar os problemas ambientais. A conferência será organizada em torno de dois temas principais: a) a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e; b) o combate à pobreza e a arquitetura institucional para o desenvolvimento sustentável. De maneira a contribuir de forma substantiva para o que será discutido na Conferência, no dia 21 de outubro de 2011 o BRICS Policy Center (BPC) promoverá o Workshop Agenda dos BRICS para a Rio+20: perspectivas brasileiras. O evento será composto por mesas redondas, nas quais pesquisadores, representantes do governo e da sociedade civil debaterão as agendas brasileiras para a Rio+20, bem como o posicionamento dos demais países BRICS nestas discussões. A RELEVÂNCIA DOS BRICS Os BRICS possuem um PIB combinado de aproximadamente 18,5 trilhões de dólares, reúnem cerca de 40% da população do mundo e abrangem mais de 25% da cobertura terrestre do planeta. Apesar da pegada ecológica per capita dos BRICS ainda ser menor do que a dos países industrializados, ela vem aumentando rapidamente com o acelerado crescimento econômico do agrupamento refletindo uma série de desafios ambientais e sociais. É natural, portanto, que a participação destes países na Rio+20 e na implementação de futuras medidas ambientais sejam objetos de atenção da comunidade internacional. Além de participarem individualmente nos debates internacionais sobre o meio ambiente (todos os BRICS ratificaram o Protocolo de Kyoto), os países do agrupamento possuem agendas de cooperação abrangentes que incluem vários temas relacionados ao desenvolvimento sustentável. Por exemplo, na cúpula mais recente dos chefes de Estado dos países BRICS, realizada em Sanya, na China, em 14 de abril de 2011, os BRICS se comprometeram a colaborar no combate à pobreza e ao aquecimento global. No que diz respeito à mudança climática, os BRICS concordaram em trabalhar pela conclusão das negociações da Conferência de Bali, que deve conduzir a um acordo internacional sobre aquecimento global a partir de A Declaração de Sanya deixa claro que os BRICS irão se empenhar para tanto de acordo com o princípio de equidade e responsabilidades comuns porém diferenciadas. No mesmo documento, são evidenciadas preocupações específicas entre elas a volatilidade das commodities, inclusive dos alimentos e da energia que ameaçam não apenas o bem-estar dos BRICS, mas também o desenvolvimento sustentável em nível global.

3 No entanto, a agenda de cooperação para o desenvolvimento sustentável dos BRICS não se limita à preocupação com a mudança climática. Além da defesa de condições que possibilitem o crescimento econômico, os cinco países compartilham o compromisso de combater a pobreza e buscar inovações para lidar com os desafios do desenvolvimento sustentável. Neste sentido, da agenda do grupo fazem parte temas como mecanismos de proteção social, trabalho digno, igualdade de gênero, juventude e saúde pú blica (incluindo a luta contra o HIV/AIDS). Em todos estes temas, os BRICS reconhecem a importância de se vincular o desenvolvimento socioeconômico à preservação dos recursos ambientais. ALGUMAS QUESTÕES-CHAVE Quais são as agendas dos BRICS para a Rio+20? O que está sendo incluído e o que está sendo deixado de fora da agenda? Como país sede da conferência, quais são os principais temas e objetivos sendo articulados em diferentes níveis do governo brasileiro, assim como pela sociedade civil e pelo setor privado? Como a agenda da Rio+20 é debatida em cada um dos países BRICS, bem como no cenário internacional? Quais são as principais oportunidades e desafios para a cooperação entre os BRICS na área do desenvolvimento sustentável? Até que ponto as divergências entre os BRICS representam desafios para a cooperação para o desenvolvimento sustentável?

4 PROGRAMA 9h30-10h - APRESENTAÇÃO JOÃO PONTES NOGUEIRA Diretor do Instituto de Relações Internacionais/Supervisor Geral do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS RICARDO HENRIQUES Presidente do Instituto Urbano Pereira Passos, Prefeitura do Rio de Janeiro ADRIANA ERTHAL ABDENUR Coordenadora Geral do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS/Professora IRI-PUC- Rio 10h - 12h - MESA 1 - AGENDAS PARA A Rio+20 Descrição da Mesa: Apesar da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável não ser um fórum para a elaboração de acordos internacionais, a Rio+20 oferecerá aos participantes uma plataforma para debater temas prioritários e divulgar posições oficiais sobre as questões-chave discutidas. No setor público, governos municipais, estaduais e federais terão a oportunidade de manifestar seus interesses e posicionamentos. O mesmo é válido tanto para a sociedade civil que aproveitará a oportunidade para organizar um evento paralelo, quanto o setor privado. Nesse contexto, o objetivo principal desta mesa é o de proporcionar aos diferentes segmentos que participarão da Conferência um espaço de troca de ideias e experiências, com o objetivo de tornar claras as posições de cada um e explorar as possibilidades de acordos. Como as diversas posições estão sendo articuladas, e quais os principais debates em torno das agendas do Brasil e dos demais países BRICS? Quais as principais convergências e divergências nas agendas dos países BRICS e dos demais participantes da Conferência? Convidados: FERNANDO LYRIO Assessor Extraordinário do Projeto RIO+20, Ministério do Meio Ambiente, Governo Federal QIU XIAOQI Embaixador da República Popular da China SUZANA KAHN Subsecretária Estadual de Economia Verde, Secretaria Estadual do Ambiente, Rio de Janeiro RODRIGO ROSA Assessor Especial do Gabinete do Prefeito, Prefeitura do Rio de Janeiro ADRIANA ERTHAL ABDENUR Coordenadora Geral do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS/Professora IRI-PUC- Rio Mediador: PAULO LUIZ MOREAUX LAVIGNE ESTEVES Professor IRI/PUC-Rio/Coordenador de Núcleo de Pesquisa do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS

5 12h -13h30 - INTERVALO 13h30-15h30 - MESA 2 - ECONOMIA VERDE NO CONTEXTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E DO COMBATE À POBREZA Descrição da Mesa: A economia verde busca conciliar a atividade econômica com o combate à pobreza e a preservação de recursos naturais. Esta abordagem pressupõe que é possível alcançar crescimento econômico, sem prescindir de melhorias no bem-estar social e do cuidado com o meio ambiente, especialmente por intermédio de inovações tecnológicas e de melhorias na governança global. De acordo com a ONU, a economia verde preocupa-se com a equidade social, com os riscos ambientais e com a escassez de recursos naturais. A implementação de práticas inovadoras depende de uma série de fatores, entre eles investimentos adequados, legislação apropriada e maior eficiência no aproveitamento de recursos naturais e financeiros. Esta transição também depende do engajamento da sociedade civil e do setor privado. Em todas essas áreas, o Brasil e os demais BRICS enfrentam grandes desafios. Ao mesmo tempo, os países do grupo agrupamento se empenham em formular soluções inovadoras que possam contribuir para o debate em nível global, especialmente no que diz respeito à segurança alimentar e energética, bem como ao acesso das populações de baixa renda aos recursos básicos. Qual a melhor forma de implementar a transição para a economia verde em nível global? Quais são (e como aproveitar) as principais inovações que permitem avançar práticas de economia verde e de combate à fome e à pobreza no Brasil e nos demais países BRICS? Como essas experiências poderão enriquecer (ou dificultar) os debates da Conferência? Convidados: SUZANA KAHN Subsecretária Estadual de Economia Verde, Secretaria Estadual do Ambiente, Rio de Janeiro RICARDO HENRIQUES Presidente do Instituto Urbano Pereira Passos, Prefeitura do Rio de Janeiro PEDRO DA MOTA VEIGA Diretor do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) SANDRA RIOS Diretora do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) PEDRO LEITÃO Presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUN- BIO) Mediador: LEANE CORNET NAIDIN Professora IRI/PUC-Rio/Coordenadora de Núcleo de Pesquisa do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS 15h30-17h30 - MESA 3 - A ARQUITETURA INSTITUCIONAL DO DESENVOLVIMENTO SUS- TENTÁVEL Descrição da Mesa: O tema da governança global tem sido recorrente na agenda dos BRICS, com ênfase para a governança econômica. Porém, no que concerne às questões ambientais, as posições do grupo agrupamento

6 ainda são relativamente pouco conhecidas. No âmbito da Rio +20, o sistema de governança global para o desenvolvimento sustentável será tratado em diversos debates, dentre os quais merecem destaque a reforma do Programa Ambiental das Nações Unidas, o fortalecimento da Comissão para o Desenvolvimento Sustentável, o estabelecimento de uma Organização Ambiental das Nações Unidas, e a criação de uma corte internacional de arbitragem ambiental. Quais são as principais instituições encarregadas de desenvolver, monitorar e implementar políticas de desenvolvimento sustentável? Como funciona a articulação das instituições globais com os mecanismos regionais e locais, assim como a participação das organizações não governamentais e do setor privado? O que pode ser feito para melhorar este sistema? O que o Brasil e os demais BRICS podem agregar a esse debate? Convidados: EDUARDO VIOLA Professor do Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília MARCELO CARDOSO Coordenador Executivo do Vitae Civilis ANDRÉ ARANHA CORRÊA DO LAGO Embaixador, Diretor do Departamento de Meio Ambiente e Temas Especiais - MRE PEDRO SPADALE Subsecretário de Relações Internacionais, Governo do Rio de Janeiro LUIZ FELIPE GUANAES REGO Diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC-Rio MARILENE RAMOS Presidente do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) CARLOS ALBERTO MUNIZ Vice-Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro/Secretário da SMAC/Representante da Prefeitura do Rio de Janeiro no Comitê Nacional da RIO+20* Mediador: MONICA HERZ Professora IRI/PUC-Rio/Coordenadora de Núcleo de Pesquisa do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS *a confirmar/ou representante

7 REALIZAÇÃO:

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC Indicação CONSEMAC nº 031/2013, de 19 de abril de 2013. Dispõe sobre a

Leia mais

Relatório da Cúpula de Sanya

Relatório da Cúpula de Sanya Agosto de 2011. Relatório da Cúpula de Sanya I. Introdução No dia 14 de abril de 2011, os líderes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul se reuniram em Sanya, na província de Hainan,

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL I. Introdução: Desde a Conferência RIO-92 diversas propostas foram discutidas e formuladas com um crescente conhecimento científico sobre a real condição

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável.

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável. BRICS Monitor Especial RIO+20 Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável Abril de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

Chefe de Gabinete do Prefeito

Chefe de Gabinete do Prefeito Chefe de Gabinete do Prefeito Compete ao Chefe de Gabinete do Prefeito chefiar as atividades atinentes ao Gabinete do Prefeito; organização de documentos, desempenhando estas atividades segundo especificações,

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA:

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: SERVIÇO SOCIAL CÓDIGO: SSC24 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il DISCURSO PROFERIDO POR SUA EXCELÊNCIA O SR. ALMIRANTE FELICIANO ANTÓNIO DOS SANTOS, EMBAIXADOR DA REPÚBLICA

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

A CAB. e os impactos do saneamento. impactos na saúde vida de seus clientes

A CAB. e os impactos do saneamento. impactos na saúde vida de seus clientes Doenças Relativas ao Saneamento ambiental inadequado (DRSAI) A CAB e os impactos do saneamento básico A na CAB e os impactos na saúde vida de seus clientes qualidade 1 índice APRESENTAçÃO 3 Objetivos da

Leia mais

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas GT 10 - Ensino e Educação em Direitos Humanos Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas Nair Heloisa Bicalho de Sousa ( Professora doutora da Universidade de

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE TERMO DE REFERÊNCIA Suporte Técnico Especializado em Inovação Sênior- Pessoa Física, visando apoiar a COTEC/SECITECE

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

Newsletter Rio+20. Junho 2012. Durante Junho de 2012, o Rio de Janeiro sediou a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Newsletter Rio+20. Junho 2012. Durante Junho de 2012, o Rio de Janeiro sediou a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. Newsletter Rio+20 Junho 2012 Eventos da BVRio Durante Junho de 2012, o Rio de Janeiro sediou a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. 13 de Junho - Apresentação da Bolsa Verde

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA: A Crise Hídrica no Estado do Rio de Janeiro: Impacto e Medidas de Enfrentamento

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA: A Crise Hídrica no Estado do Rio de Janeiro: Impacto e Medidas de Enfrentamento AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA: A Crise Hídrica no Estado do Rio de Janeiro: Impacto e Medidas de Enfrentamento A 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SANYA. Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011

DECLARAÇÃO DE SANYA. Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011 DECLARAÇÃO DE SANYA Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011 14/04/2011-1. Nós, os Chefes de Estado e de Governo da República Federativa do Brasil, da Federação Russa, da República

Leia mais

Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil

Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza no Brasil Capacitação Técnica no Chile sobre Políticas de Proteção Social destinadas às Famílias para a redução da Pobreza

Leia mais

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA 3º Seminário de Comunicação Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável P A L E S T R A COMUNICAÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA Relações Públicas P e Jornalista

Leia mais

Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS

Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS BRICS Monitor Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS Setembro de 2011 Núcleo de Cooperação Técnica e Ciência e Tecnologia BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

Leia mais

RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA

RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA No segundo semestre de 2011 foram realizadas as visitas aos 4 programas 3x3 da área de Química: Universidade Federal de Sergipe UFS Consultores:

Leia mais

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO Plano de Manejo da APA de Conceição da Barra - Volume 2 Planos e Programas Pág. 941 / 1008 5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO O item a seguir apresentará de forma integrada as informações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso ao receber o Prémio Príncipe

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Anexo II - Termo de Referência I IDENTIFICAÇÃO Contratação de pessoa jurídida para realizar estudo sobre O acesso e efeito dos programas de proteção social, em homens e mulheres trabalhadores na economia

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Newsletter. Europe Direct Baixo Alentejo julho de 2012. Eventos Notícias. Desenvolvimento. Sustentável. Carreiras Internacionais

Newsletter. Europe Direct Baixo Alentejo julho de 2012. Eventos Notícias. Desenvolvimento. Sustentável. Carreiras Internacionais Newsletter Europe Direct Baixo Alentejo julho de 2012 O Desenvolvimento Sustentável refere-se a um modo de desenvolvimento capaz de responder às necessidades do presente sem comprometer a capacidade de

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL DELOS Desarrollo Local Sostenible. Grupo Eumed.net y Red Académica Iberoamericana Local Global Vol 3, Nº 9 www.eumed.net/rev/delos/09/ ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE

Leia mais

Inteligência Tecnológica

Inteligência Tecnológica Cenários Tecnológicos Vale Inteligência Tecnológica Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual Diretoria de Tecnologia e Inovação 2014 Agenda Quem somos? Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Campinas Cidade Sustentável

Campinas Cidade Sustentável Campinas Cidade Sustentável A Prefeitura de Campinas adere hoje, com o Decreto que será assinado pelo Prefeito Jonas Donizette, ao Programa Cidades Sustentáveis da Rede Nossa São Paulo, do Instituto Ethos

Leia mais

PROJETO INTEGRADO ESCOLA VERDE: EDUCAÇÃO, SAÚDE E MEIO AMBIENTE. Sustentabilidade e Biodiversidade

PROJETO INTEGRADO ESCOLA VERDE: EDUCAÇÃO, SAÚDE E MEIO AMBIENTE. Sustentabilidade e Biodiversidade PROJETO INTEGRADO ESCOLA VERDE: EDUCAÇÃO, SAÚDE E MEIO AMBIENTE Sustentabilidade e Biodiversidade Profª. Monica Prantera, Prof. Wellington Matos e Biólogo Leandro Duarte Parceria: Bayer, Unigranrio e SME

Leia mais

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo -

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - Itabuna - julho de 2015. 1/3 I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo Objetivo Geral: Fortalecer

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social 1ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial - Conapir Eu tenho um sonho... de que um dia minhas quatro crianças viverão numa nação onde elas não serão julgadas pela cor da sua pele, mas pela

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

CNM Internacional. Campinas 26 de maio.

CNM Internacional. Campinas 26 de maio. CNM Internacional Campinas 26 de maio. O que é a CNM Internacional? A área da Confederação Nacional de Municípios responsável por promover a inserção internacional dos municípios brasileiros. Lançada em

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GT ESPIRITO SANTO

PLANO DE TRABALHO GT ESPIRITO SANTO PLANO DE TRABALHO GT ESPIRITO SANTO 1. INTRODUÇÃO O povo capixaba orgulha-se de sua vasta diversidade cultural, representada em uma pequena parte pelas ações dos Pontos de Cultura. Eles são iniciativas

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N 26/07 POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões N 02/01, 03/02,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

o brasil e o Meio Ambiente Antártico

o brasil e o Meio Ambiente Antártico coleção explorando o ensino o brasil e o Meio Ambiente Antártico 10 volume coleção explorando o ensino volume 10 o brasil e o Meio Ambiente Antártico ensino fundamental e ensino médio COLEÇÃO EXPLORANDO

Leia mais

SisEB Informa. Festival da Mantiqueira. SisEB Itinerante Próximo encontro regional será em São Carlos.

SisEB Informa. Festival da Mantiqueira. SisEB Itinerante Próximo encontro regional será em São Carlos. Ano II Número 4 Abril 2015 Festival da Mantiqueira SisEB realiza oficina de mediação de leitura para profissionais de biblioteca. 6 7 SisEB Itinerante Próximo encontro regional será em São Carlos. 8 Programa

Leia mais

GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL

GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL GOVERNANÇA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, INTEGRIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL Versão de subsídios aos debates por ocasião da Rio+20 Brasília, Junho de 2012 O Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL Lançado em 2000, o Pacto Global das Nações Unidas constitui uma convocação às empresas de todo o mundo para que alinhem suas estratégicas e operações

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA Brasília, 15 de junho de 2012 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: PLANEJAMENTO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: PLANEJAMENTO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria PLANEJAMENTO CATEGORIA: PLANEJAMENTO Município de Santana AP Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Relatório Mesa 7. I. Introdução

Relatório Mesa 7. I. Introdução OBJETIVO 7 Meta 9 Meta 10 Relatório Mesa 7 QUALIDADE DE VIDA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e reverter a perda de

Leia mais

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento CETEM 11 de setembro de 2009 Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente De Onde Vêm? Porque Juventude

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

REQUEIRO, nos termos regimentais, ao Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Finanças e

REQUEIRO, nos termos regimentais, ao Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Finanças e 25 - Requerimento Vereador Aurélio Nomura OFICIO SGP12 n 78/2013 - INFORMAÇÕES REQUEIRO, nos termos regimentais, ao Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Finanças e Orçamento que sejam solicitadas ao Secretário

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

Seminário Nacional. Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde

Seminário Nacional. Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde Seminário Nacional Comunicação, Informação e Informática em Saúde Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde Informação e Comunicação Que Qualidade? Que Pacto? Aurea Maria da Rocha Pitta

Leia mais

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7 Nosso Plano em Ação Conhecendo, Divulgando, Aplicando o IIPNPM Eixo 7 Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social Nos Meios Rural e Urbano, Considerando as Comunidades Tradicionais Mulheres

Leia mais

I Oficina de Restauração de. Paisagens Florestais. Rio Branco Acre - Brasil. Articulação entre atores na ação e aprendizagem

I Oficina de Restauração de. Paisagens Florestais. Rio Branco Acre - Brasil. Articulação entre atores na ação e aprendizagem I Oficina de Restauração de Paisagens Florestais Rio Branco Acre - Brasil Articulação entre atores na ação e aprendizagem para a restauração de paisagens florestais A abordagem de paisagem não é algo novo...

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Vinicius Diniz Vizzotto, LL.M Mestrando em Direito Internacional Econômico Universidade Federal do Rio Grande do Sul Fórum Fundo Vale 08 de maio de 2012

Leia mais

Mapa de Pessoal do Município de Guimarães - 2015

Mapa de Pessoal do Município de Guimarães - 2015 Mapa de Pessoal do Município de Guimarães - 15 Justificação da necessidade/atividade a desenvolver em 15 Efetivos 1 16 1 7 6 Proc.Con.Dec Técnico Superior: Instalação do serviço de gestão de informação

Leia mais

Capítulo 1 PREÂMBULO

Capítulo 1 PREÂMBULO Capítulo 1 PREÂMBULO 1.1. A humanidade se encontra em um momento de definição histórica. Defrontamo-nos com a perpetuação das disparidades existentes entre as nações e no interior delas, o agravamento

Leia mais

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II Questão 01 - O esquema a seguir representa, de forma simplificada,

Leia mais

1. Introdução. Igor Arsky 1

1. Introdução. Igor Arsky 1 A sustentabilidade dos programas e políticas públicas de captação e manejo de água de chuva para a garantia da soberania e segurança alimentar no semi-árido brasileiro. Igor Arsky 1 1 Coordenador do Programa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão Alexandre Martins Joca 1 Resumo: Nas últimas décadas o movimento homossexual brasileiro tem reivindicado

Leia mais

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS IV REUNIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DOS ORGAOS GESTORES DE SAÚDE AMBIENTAL DOS MINISTÉRIOS DA SAÚDE E I FÓRUM DE SAÚDE E AMBIENTE DA REGIÃO DAS AMÉRICAS Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 20 de abril de 2010 Auditório da FIRJAN RIO DE JANEIRO RJ APRESENTAÇÃO As fortes inundações ocorridas neste verão de 2010, provocadas

Leia mais

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 19/10/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 19/10/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 19/10/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Princípios para o Setor de Energia

Princípios para o Setor de Energia Princípios para o Setor de Energia Motivação e contexto O Brasil está experimentando uma das maiores crises econômicas da sua história. A crise tem causas mais imediatas associadas ao momento político

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 238, de 22 de dezembro de 1997

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 238, de 22 de dezembro de 1997 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 238, de 22 de dezembro de 1997 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 114 Pronunciamento no encerramento

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00.

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Organizador: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Contatos:

Leia mais

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, com o objetivo de trazer ao debate público

Leia mais

OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO

OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO A tradicional receita econômica, numa visão simplista, de curtissímo prazo, tem sido clara: para acabar com a pobreza, distribuir renda e gerar empregos, basta fazer

Leia mais

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo www.nossasaopaulo.org.br Facebook, Youtube e G+: Rede Nossa São Paulo Twitter: @nossasaopaulo Ata da oficina da Rede Social Brasileira

Leia mais

PROJETOS ÁREA DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA

PROJETOS ÁREA DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Direitos Individuais e Coletivos Fortalecimento 0 378 conselheiros que Marta Mendes da Rocha Institucional da Casa atuam em 11 Conselhos dos Conselheiros de Municipais de Juiz de Contribuir para o fortalecimento

Leia mais

Mercocidades/ UTDEL/ ES/ Ata Nº 01/ 2010

Mercocidades/ UTDEL/ ES/ Ata Nº 01/ 2010 Mercocidades/ UTDEL/ ES/ Ata Nº 01/ 2010 Reunião da Unidade Temática de Desenvolvimento Econômico Local (UTDEL) Belo Horizonte, 01 de dezembro de 2010. No dia 01 de dezembro de 2010, foi realizada a Reunião

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO José Nelio Monteiro Corsini APRESENTAÇÃO 1. ECONOMIA DA POBREZA E MICROCRÉDITO 2. PEQUENOS EMPREENDIMENTOS E MICROCRÉDITO 3. ELEMENTOS HISTÓRICOS 4. MICROCRÉDITO

Leia mais

Mensagem do Presidente do Grupo Banco Mundial

Mensagem do Presidente do Grupo Banco Mundial Mensagem do Presidente do Grupo Banco Mundial Robert B. Zoellick Presidente, Banco Mundial O desafio do Grupo Banco Mundial é superar a pobreza global e impulsionar o crescimento e as oportunidades. O

Leia mais

Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015

Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015 Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015 Jornal A Crítica Cidades Pág. C5 17 de Julho de 2015. Jornal A Crítica Cidades Pág. C5 17 de Julho de 2015. Jornal Em Tempo Dia a Dia pág. C3 17 de Julho

Leia mais