CONSOLIDADO ESTATÍSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSOLIDADO ESTATÍSTICO"

Transcrição

1 CONSOLIDADO ESTATÍSTICO MARÇO DE 2014 DESTAQUE A carteira consolidada dos Fundos de obteve rentabilidade de 1,06 no primeiro trimestre de 2014, ficando a meta atuarial em 3,48 (medida pelo INPC+5,50). A Renda Fixa, que representa 61,7 dos ativos, proporcionou retorno de 2,68 e a Renda Variável, com alocação de 27,6 dos recursos, rentabilizou -2,76. Observado o intervalo entre 2005 e o trimestre em análise, temos uma rentabilidade acumulada de 231, frente à uma Taxa Máxima Atuarial de 178. Os ativos das EFPCs representam 13,8 do PIB neste primeiro trimestre. I. CARTEIRA CONSOLIDADA POR TIPO DE APLICAÇÃO (R$ milhões) Discriminação dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 mar/14 Renda Fixa , , , , , , , , ,7 Títulos públicos , , , , , , , , ,3 Créditos Privados e Depósitos , , , , , , , , ,1 SPE 119 0, , , , ,0 Fundos de investimentos - RF , , , , , , , , ,3 Renda Variável , , , , , , , , ,6 Ações , , , , , , , , ,2 Fundos de investimentos - RV , , , , , , , , ,4 Investimentos Estruturados ND ND ND ND , , , , ,1 Empresas Emergentes 241 0, , , , ,1 Participações , , , , ,7 Fundo Imobiliário³ 927 0, , , , ,4 Investimentos no Exterior ND ND ND ND 357 0, , , , ,1 Ações 45 0,0 26 0,0 32 0,0 24 0,0 0 0,0 Dívida Externa 312 0, , , , ,1 Imóveis , , , , , , , , ,5 Operações com participantes , , , , , , , , ,7 Empréstimo a Participantes , , , , , , , , ,5 Financiamento imobiliário , , , , , , , , ,2 Outros , , , , , , , , ,3 Total Notas: ¹ Inclui Curto Prazo, Referenciado, Renda Fixa, Multimercado, Cambial e FIDC; ² Inclui Ações e Índice de Mercado; ³ Até 2009 consolidado no grupo Imóveis; 4 Outros Realizáveis, Derivativos e Outros. II. EVOLUÇÃO DOS ATIVOS POR TIPO DE 64,8 59,3 59,8 61,0 61,7 60,4 61,7 28,0 33,3 32,5 30,1 28,6 29,0 27,6 4,0 4,5 4,5 3,6 3,1 3,0 3,0 2,6 2,6 2,4 2,5 2,3 2,5 2,7 3,0 3,1 2,7 2,7 1,6 2,1 2, ,2 0,1 0,4 0,1 0,1 0,3 0,1 0,3 0,1 0,3 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 mar/14 Renda Fixa Renda Variavel Imóveis Operações com Participantes Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior Outros III. ORIGEM DAS RESERVAS DOS FUNDOS DE PENSÃO Setores dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 mar/14 Financeiro Serviços Industrial Petroquímica Siderúrgica Química Máquinas e equipamentos Automobilística Alimentícia Eletro eletrônica Bebidas Mineração Outros Total

2 IV. EVOLUÇÃO DOS (R$ bilhões) V. ATIVOS EFPC X PIB () , ,9 15,8 14,7 15,9 14,8 14,4 15, ,8 13, mar/ mar/2014 Fonte: ABRAPP O ativo representa o disponível + realizável + permanente * Valor estimado Fonte: IBGE / ABRAPP * PIB referente ao II, III e IV trim e I trim VI. RENTABILIDADE ESTIMADA Período TMA* CDI EFPCs ,35 19,00 19, ,98 15,04 23, ,47 11,81 25, ,87 12,38-1, ,36 9,87 21, ,85 9,77 13, ,44 11,58 9, ,57 8,40 15, ,63 8,02 3,28 1º TRI ,48 2,40 1, ,48 2,40 1,06 Acumulado 178,02 177,66 231,18 Acumulado anualizado 11,69 11,67 13,82 Fonte: ABRAPP / BACEN / IPEADATA * TMA - Taxa Máxima Atuarial INPC+6 até 2012 INPC+5,75 em 2013 INPC+5,50 em TMA* CDI EFPCs VII. QUADRO COMPARATIVO REGIONAL Regional* Quantidade de Entidades** Investimento (R$ Mil) Participantes Dependentes Centro-Norte 38 11, , , , ,6 Leste 16 5, , , , ,8 Nordeste 27 8, , , , ,6 Sudeste 58 18, , , , ,6 Sudoeste , , , , ,3 Sul 56 17, , , , ,1 Total geral , , , , ,0 * Composição Regional: Centro-Norte - RO, AM, RR, AP, GO, DF, AC, MA, MT, MS, PA, PI e TO. Leste - MG. Nordeste - AL, BA, CE, PB, PE, RN e SE. Sudeste - RJ e ES. Sudoeste - SP. Sul - PR, SC e RS. ** Fonte: PREVIC Estatística Trimestral - mar/14 VIII. COMPARATIVO POR TIPO DE PATROCÍNIO Regional Quantidade de Entidades* Investimento (R$ Mil) Participantes Dependentes Instituidor** 20 6, , , , ,2 Privado , , , , ,5 Público 85 26, , , , ,4 Total , , , , ,0 * Fonte: PREVIC Estatística Trimestral - mar/14 ** As informações de investimento e população se referem também a outros planos de benefício instituídos existentes em Entidades Multipatrocinadas

3 IX. ALOCAÇÃO DA CARTEIRA CONSOLIDADA POR TIPO DE PLANO* Segmento Benefício Definido Contribuição Definida Contribuição Variável R$ milhões Modalidade Segmento R$ milhões Modalidade Segmento R$ milhões Modalidade Segmento Renda Fixa ,9 64, ,1 13, ,7 22,9 Renda Variável ,9 88, ,0 2, ,1 8,5 Investimentos Estruturados ,5 79, ,9 2, ,1 17,7 Investimentos No Exterior 380 0,1 100,0 0 0,0 0,0 0 0,0 0,0 Imóveis ,7 90, ,6 1, ,1 8,3 Operações Com Participantes ,8 72, ,2 3, ,6 23,3 Outros ,2 62, ,2 8, ,4 29,3 Total * São considerados os investimentos dos Planos Previdenciais. X. RANKING DOS 15 MAIORES PLANOS POR MODALIDADE* BENEFÍCIO DEFINIDO CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Investimentos (R$ mil) Investimentos 1 PB1 PREVI PLANO PETROS DO SIST. PETROBRÁS PETROS REG/REPLAN FUNCEF PBS-A SISTEL PLANO BD REAL GRANDEZA PLANO BD VALIA PBB FAPES PSAP/ELETROPAULO FUNCESP PBB CENTRUS PLANO DE APOS. COMPLEMENTAR ITAUBANCO PBD POSTALIS PLANO A - PLANO SALD.BENEF.PREVID. FORLUZ PLANO V BANESPREV PLANOS I E II FUNDAÇÃO COPEL PLANO BANESPREV II BANESPREV PLANO ITAUBANCO CD ITAUBANCO PLANO DE BENEF. VISÃO TELEFÔNICA VISÃO PREV PLANO CD GERDAU GERDAU IBM - CD FUNDAÇÃO IBM CEEEPREV ELETROCEEE PLANO DE APOS. SANTANDERPREVI SANTANDERPREVI PAI-CD FUNDAÇÃO ITAÚSA PLANO ODEPREV B PREVINORTE PLANO DE APOSENTADORIA UNILEVERPREV EMBRAER PREV EMBRAER PREV CD ELETROBRÁS ELETROS VOTORANTIM PREV FUNSEJEM PMBP Nº 1 FAELBA PLANO SUPLEMENTAR CITIBANK CITIPREVI CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Investimentos 1 PLANO PETROS 2 PETROS NOVO PLANO FUNCEF XI. RENTABILIDADE ESTIMADA POR TIPO DE PLANO 51,40 49,76 46,38 40,41 3 B FORLUZ PLANO VALE MAIS VALIA PREVI FUTURO PREVI TELEMARPREV FATLÂNTICO PPCPFL FUNCESP PCD TELOS PLANO DE APOSENTADORIA PREVI-GM PREVI-GM PS-II SERPROS PLANO III FUNDAÇÃO COPEL PACV INFRAPREV POSTALPREV POSTALIS TCSPREV FATLÂNTICO MISTO CELOS Período Benefício Definido BD CD CV EFPCs Contribuição Definida Contribuição Variável EFPCs ,79 9,76 11,67 13, ,04 8,62 9,96 9, ,38 14,90 15,56 15, ,96 0,66 1,52 3,28 1º TRI ,81 1,82 1,61 1, ,81 1,82 1,61 1,06 Acumulado 51,40 40,41 46,38 49,76 * Dados de investimentos referentes a março14 e de população referentes a dez/13.

4 XII. EVOLUÇÃO DOS ATIVOS DOS PLANOS INSTITUÍDOS* XIII. RANKING DOS 15 MAIORES PLANOS INSTITUÍDOS* Investimentos PRECAVER QUANTA PREVIDENCIA UNIMED-BH PETROS OABPREV-SP OABPREV-SP ANAPARPREV PETROS PLANO ACRICEL DE APOS. HSBC INSTITUIDOR dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 O ativo representa o disponível + realizável + permanente * Valor em R$ milhões 6 PBPA OABPREV-PR RJPREV OABPREV - RJ SICOOB MULTI INSTITUÍDO SICOOB PREVI XIV. EVOLUÇÃO DO SUPERÁVIT DAS EFPC (R$ bilhões) 74,8 9 PBPA OABPREV-MG PBPA OABPREV-SC ,1 51,5 48,2 55,0 11 PLANJUS JUSPREV PLANO II MUTUOPREV nd nd 37,0 38,2 32,5 13 ADV-PREV OABPREV-GO COOPERADO PETROS PBPA OABPREV-RS mar/2014 * Dados de investimentos referentes a mar/14 e de população referentes a dezembro/13. XV. PARÂMETROS ATUARIAIS Taxa de Juros dos planos BD Tábua de Mortalidade dos planos BD AT AT < 5 a.a. 5 a.a. > 5 a.a. e < 5,75 a.a. =>5,75 a.a. IBGE RP Outras Fonte: PREVIC - Estatística Trimestral - dez/13 XVI. DEMONSTRATIVO DE BENEFÍCIOS XVII. ESTATÍSTICAS DE POPULAÇÃO* Tipo Valor ¹ Quantidade 2 Valor Médio Mensal 3 (R$) Participantes Aposentados Beneficiários de Aposentadoria Programada Aposentadoria por Invalidez Pensões Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino Faixa Etária Participantes Aposentados Beneficiários de Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino Até 24 anos 5,7 3,6 0,1 0,1 3,8 4,0 De 25 a 34 anos 20,4 11,6 0,1 0,0 0,8 1,8 De 35 a 54 anos 31,4 15,0 11,1 3,9 2,2 14,2 De 55 a 64 anos 5,7 2,8 30,2 13,8 2,2 19,7 De 65 a 74 anos 1,4 1,0 23,1 5,0 1,7 22,5 Aposentadoria Programada Aposentadoria por Invalidez Pensões 1 Valor acumulado até dezembro de Conforme IN MPS/SPC N o 24, de 05/06/08. 3 Média dos valores acumulados até dezembro de 2013 (R$). De 75 a 84 anos 0,6 0,4 8,6 1,7 1,3 17,9 Mais de 85 anos 0,2 0,2 1,9 0,4 0,8 7,0 Total 65,4 34,6 75,0 25,0 12,8 87,2 * Dados de 2013/ Amostra com 244 entidades e população de mais de 3,1 milhões de pessoas.

5 XVIII. DAS EFPCs FUNDOS DE PENSÃO ATIVOS FUNDOS DE PENSÃO ATIVOS ATIVOS + ASSIST. DEPENDENTES* ASSISTIDOS* ATIVOS + ASSIST. DEPENDENTES* ASSISTIDOS* 1 PREVI PREVIBAYER nd nd nd 2 PETROS PREVI-SIEMENS FUNCEF BANESES FUNDACAO CESP FUNSEJEM FUNDAÇÃO ITAÚ UNIBANCO FASC VALIA SANPREV SISTEL PRHOSPER FORLUZ FACEB BANESPREV SARAH PREVIDENCIA REAL GRANDEZA FAELCE FUNDAÇÃO ATLANTICO FIPECQ FAPES FUSAN POSTALIS FUNDACAO CORSAN CENTRUS PREVI-ERICSSON FUNDAÇÃO COPEL FORD PREVIDÊNCIA USIMINAS BRASILETROS TELOS HP PREV nd nd nd 18 HSBC FUNDO DE PENSÃO BASF FACHESF SAO BERNARDO ELETROCEEE PREVIG VISAO PREV SAO RAFAEL ECONOMUS ACEPREV SERPROS BASES CBS REDEPREV CERES PREVUNIAO GERDAU CIBRIUS FPI - FUND. PREVID. IBM ECOS FUNBEP FUNDACAO QUANTA ELETROS PREVIBOSCH CAPEF PREVISC PREVI-GM PREVI NOVARTIS FUNDACAO BANRISUL DESBAN MULTIPREV PREVDATA BRASLIGHT AERUS FIBRA ISBRE BFPP ABRILPREV CELOS FUNDAMBRAS INFRAPREV AGROS PSS - SEGURIDADE SOCIAL GEBSA-PREV PREVINORTE CELPOS FUNDAÇÃO LIBERTAS CARGILLPREV FUNDAÇÃO REFER SYNGENTA PREVI BB PREVIDENCIA PREVHAB ELOS FUNDIAGUA UNILEVERPREV CYAMPREV VOLKSWAGEN WEG SANTANDERPREVI DUPREV nd nd nd 48 CITIPREVI MB PREV FUNSSEST PREVSAN nd nd nd 50 FUNDACAO ITAUSA PLANEJAR FUND. GEAPPREVIDÊNCIA IAJA MULTIPENSIONS SERGUS FUSESC ELETRA SABESPREV COMPESAPREV PRECE COMSHELL ODEPREV SÃO FRANCISCO PREVIRB PREVEME MULTIPLA PREVIPLAN NUCLEOS FACEAL INSTITUTO AMBEV PREVICAT METRUS ULTRAPREV FUNEPP SEBRAEPREV ITAU MULTIPATROC FABASA REGIUS MENDESPREV BANDEPREV PREVICOKE nd nd nd 66 FAELBA HSBC INSTITUIDOR EMBRAERPREV DERMINAS ICATU FMP UNISYS PREVI JOHNSON & JOHNSON INDUSPREVI PREVDOW GASIUS ENERPREV nd nd nd 143 VIKINGPREV FUNDACAO PROMON PREVIM-MICHELIN

6 XVIII. DAS EFPCs FUNDOS DE PENSÃO ATIVOS +ASSIST. 145 GOODYEAR MAIS VIDA PREV FUTURA CAPAF SUPREV nd nd nd 150 ENERSUL CAPESESP FGV-PREVI BUNGEPREV CABEC PORTUS nd nd nd 156 FAPERS FUNDACAO BEMGEPREV PREVMON FUNTERRA PORTOPREV FAPA OABPREV-SP PREVIKODAK KRAFT PREV PREVISCANIA ALPAPREV P&G PREV PREVCUMMINS PREVINDUS DANAPREV CIFRAO PFIZER PREV FIOPREV RANDONPREV FASERN nd nd nd 176 FACEPI MSD PREV FAECES PREV PEPSICO VOITH PREV RBS PREV CASFAM PREVIP EATONPREV LILLY PREV SOMUPP PREVIDEXXONMOBIL FASCEMAR CAPOF SUPRE POUPREV AVONPREV CARBOPREV PREVICEL TEXPREV FUCAP KPMG PREV FASASS nd nd nd 199 MAUA PREV MERCAPREV RAIZPREV ROCHEPREV PREVIHONDA UTCPREV CASANPREV OABPREV-PR TOTAL INFORMADO DEPENDENTES* ASSISTIDOS* FUNDOS DE PENSÃO ATIVOS+ASSIST. Consolidado Estatístico é uma publicação da ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Av. das Nações Unidas, º andar - Fone (11) Fax (11) /8779/ CEP São Paulo - SP Produção: Núcleo Técnico - ABRAPP site: DEPENDENTES* ASSISTIDOS* 207 FACOPAC SICOOB PREVI ALPHA PREVIMA SIAS OABPREV-RJ INSTITUTO GEIPREV PREVBEP CAGEPREV PREVEME II FUNDACAO GAROTO BOTICARIO PREV FUNASA FAPECE VISTEON nd nd nd 222 FUMPRESC INERGUS RECKITTPREV TRAMONTINA PREV CAFBEP OABPREV-MG OABPREV-SC PREVYASUDA nd nd nd 230 JUSPREV SP-PREVCOM nd nd nd 232 MÚTUOPREV nd nd nd 233 UBB PREV CARFEPE PREVCHEVRON PREVILEAF OABPREV-GO ALBAPREV nd nd nd 239 PREVUNISUL M M PREV FUNDO PARANÁ DATUSPREV nd nd nd 243 FUNCASAL OABPREV-RS COHAPREV TECHNOS nd nd nd 247 MONGERAL SILIUS nd nd nd 249 BANCO SUMITOMO nd nd nd 250 OABPREV-NORDESTE UNIPREVI nd nd nd 252 CAVA ALEPEPREV FUTURA II FUCAE nd nd nd 256 MERCER PREV CNBPREV nd nd nd 258 ANABBPREV MAPPIN FECOMERCIO RJPREV nd nd nd 262 ORIUS CIASPREV CABEA nd nd nd 265 SUL PREVIDÊNCIA nd nd nd 266 EDS PREV PHILIP MORRIS - PMPREV nd nd nd 268 ACIPREV TOTAL ESTIMADO Investimentos Investimentos Participantes * Participantes * Dependentes* Dependentes* * * *Dezembro/13

DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 20, DE 20 DE MARÇODE 2015

DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 20, DE 20 DE MARÇODE 2015 DOU N 55 DE 23.03.2015, SEÇÃO I PÁGINA 30 E 31 DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 20, DE 20 DE MARÇODE 2015 Classifica as entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) em perfis, para fins de supervisão

Leia mais

Número 3. Divulgação das Despesas Administrativas do Exercício de 2011 das Entidades Fechadas de Previdência Complementar

Número 3. Divulgação das Despesas Administrativas do Exercício de 2011 das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Número 3 Divulgação das Despesas Administrativas do Exercício de 2011 das Entidades Fechadas de Previdência Complementar INTRODUÇÃO A eficiência do gerenciamento das despesas administrativas consiste em

Leia mais

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA RELATÓRIO DA CONTROLADORIA ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTÁRIO MARÇO ACUMULADO 2015 Distribuição: Jarbas Antonio de Biagi Vice-Presidente Devanir Silva Superintendente Geral Conselho Fiscal Quadro Associativo

Leia mais

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA RELATÓRIO DA CONTROLADORIA JUNHO ACUMULADO 2015 Distribuição: Jarbas Antonio de Biagi Vice-Presidente Devanir Silva Superintendente Geral Conselho Fiscal Quadro Associativo (via Portal dos Fundos de Pensão)

Leia mais

Pesquisa de Remuneração ABRAPP 2015

Pesquisa de Remuneração ABRAPP 2015 Pesquisa de Remuneração Junho/2015 Pesquisa de Remuneração Total Conteúdo 1. EQUIPE DO PROJETO... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO... 4 4. ETAPAS DO PROJETO... 8 5. METODOLOGIA...

Leia mais

2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Superintendência Nacional de Previdência Complementar Previc Estatística Trimestral Março 2015 Previc Março de 2015 2 2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2010 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Edição, Distribuição

Leia mais

2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Superintendência Nacional de Previdência Complementar Previc Estatística Trimestral Junho 2015 Previc Junho de 2015 2 2015 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

Leia mais

Informações Gerais. Fundos de Pensão GERAIS

Informações Gerais. Fundos de Pensão GERAIS Fundos de Pensão INFORMAÇÕES GERAIS EMISSÃO: SETEMBROD- 2003 Índice 1. POSTULADOS DOS FUNDOS DE PENSÃO 03 2. FUNDOS DE PENSÃO: UMA CONQUISTA SOCIAL 04 3. INFORMAÇÕES DAS ASSOCIADAS QUADRO COMPARATIVO REGIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA

RELATÓRIO DA CONTROLADORIA RELATÓRIO DA CONTROLADORIA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO DEZEMBRO 2013 Distribuição: Luis Ricardo Martins Vice-Presidente Devanir Silva Superintendente Geral Conselho Fiscal FLASH REPORT INDICADORES ECONÔMICOS

Leia mais

Maior Grupo de corretagem de seguros brasileiros, formado por 51 corretoras de sólida reputação e elevado recall de marca.

Maior Grupo de corretagem de seguros brasileiros, formado por 51 corretoras de sólida reputação e elevado recall de marca. EMPRESA A Brasil Insurance é a primeira consultoria de seguros de capital aberto a possuir ações comercializadas em bolsa de valores. Prezando pela transparência e operando sob o rigoroso controle imposto

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Informe Estatístico. Secretaria de Previdência Complementar

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Informe Estatístico. Secretaria de Previdência Complementar MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Informe Estatístico Secretaria de Previdência Complementar Dezembro / 2002 2002 Ministério da Previdência Social Secretaria de Previdência

Leia mais

Título do Trabalho: A Influência do Tipo de Patrocínio Sobre o Ativo de Investimento dos Fundos de Pensão que Atuam no Brasil

Título do Trabalho: A Influência do Tipo de Patrocínio Sobre o Ativo de Investimento dos Fundos de Pensão que Atuam no Brasil Área Temática: Finanças Título do Trabalho: A Influência do Tipo de Patrocínio Sobre o Ativo de Investimento dos Fundos de Pensão que Atuam no Brasil AUTORES CARLOS ANDRÉ DE MELO ALVES Universidade de

Leia mais

PORTARIA N 510, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA N 510, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015 EDIÇÃO 186, PÁGINA 44, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA N 510, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os planos de benefícios habilitados ao envio de Demonstrações Atuariais Simplificadas, relativamente

Leia mais

de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem

de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem Os últimos anos têm testemunhado a ampliação do tema de sustentabilidade entre os fundos de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem oportunidades e riscos aos investimentos

Leia mais

OFNDs BREVE HISTÓRICO

OFNDs BREVE HISTÓRICO OFNDs BREVE HISTÓRICO O Fundo Nacional de Desenvolvimento FND foi criado em julho de 1986, com o objetivo de prover recursos para realização, pela União, de investimentos de capital necessários à dinamização

Leia mais

CONTEÚDO. 04 Mensagem do Presidente. 06 Sobre o Relatório. 15 Perfil do Setor. 22 Governança Corporativa & Transparência

CONTEÚDO. 04 Mensagem do Presidente. 06 Sobre o Relatório. 15 Perfil do Setor. 22 Governança Corporativa & Transparência CONTEÚDO 04 Mensagem do Presidente 06 Sobre o Relatório 15 Perfil do Setor 22 Governança Corporativa & Transparência 33 Contribuições Previdenciárias & Econômicas 39 Contribuições Sociais 57 Contribuições

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DE PATROCÍNIO PÚBLICO E PRIVADO EM 2006 E EM 2007 RESUMO

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DE PATROCÍNIO PÚBLICO E PRIVADO EM 2006 E EM 2007 RESUMO ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DE PATROCÍNIO PÚBLICO E PRIVADO EM 2006 E EM 2007 RESUMO Welandro Damasceno Ramalho UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Carlos André

Leia mais

Conhecer a percepção dos participantes ativos e assistidos sobre:

Conhecer a percepção dos participantes ativos e assistidos sobre: Pesquisa ABRAPP Os Fundos de Pensão na Visão dos Participantes No mês de julho de 2009 foi realizada pesquisa pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar ABRAPP, em parceria

Leia mais

INDICADORES Nome - Presidente. por ativos por planos Principal Patrocinadora - Nº Patrocinadoras

INDICADORES Nome - Presidente. por ativos por planos Principal Patrocinadora - Nº Patrocinadoras 1-20 (R$ milh) Mistos (R$ milh) Renda Renda Imóveis c/partic. (R$ milh) (em R$) (em nº) Assistidos PL RECCOL RECCOL REALINV Fixa Variável Fixa (em Variável Imóveis c/partic. Mistos %) 1 Previ BB ; Sérgio

Leia mais

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015 Agenda Principais números da Fundação Estrutura organizacional Resultados Medidas implantadas a partir de março/2015 2 PRINCIPAIS NÚMEROS DA FUNDAÇÃO Maior entidade de previdência fechada multipatrocinada

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 SOBRE O RELATÓRIO

ABRAPP Relatório Social 2010 SOBRE O RELATÓRIO Esta 3ª Edição do Relatório Social das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, organizada pela Abrapp, dá continuidade e demonstra os esforços dos Fundos de Pensão em relação aos temas de Responsabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 DEMANDA HABITACIONAL O crescimento da Demanda Habitacional é influenciado principalmente por fatores como: Distribuição

Leia mais

Carlos Augusto Pacheco Pereira e Fabiano Romes Maciel

Carlos Augusto Pacheco Pereira e Fabiano Romes Maciel Carlos Augusto Pacheco Pereira e Fabiano Romes Maciel Mantendo o foco na gestão: Analisando a rentabilidade dos planos e entidades. Sistema de informações comparativas de indicadores do segmento dos Fundos

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Investimentos. Plano BD Plano CV I

Investimentos. Plano BD Plano CV I Investimentos Plano BD Plano CV I Julho/2015 DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Julho/2015 ANÁLISE GLOBAL DOS INVESTIMENTOS DO PLANO Os investimentos do Plano BD apresentaram, em julho, rentabilidade

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA RESULTADOS E INDICADORES JAN A MAIO 2010 09-07-2010 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PRESTAMISTA Esse conjunto encerrou o período com um volume de vendas de R$

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça:

Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça: Empresas participantes da 6ª Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça: 1. AC Eletrobras Distribuição Acre 2. AL Eletrobras Distribuição Alagoas 3. AL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 2007 A contribuição dos fundos de pensão para o desenvolvimento sustentável do Brasil

das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 2007 A contribuição dos fundos de pensão para o desenvolvimento sustentável do Brasil relatório SOCIAL das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 2007 A contribuição dos fundos de pensão para o desenvolvimento sustentável do Brasil relatório SOCIAL das Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA PARA CÁLCULO DE COTAS DE PLANOS DE BENEFÍCIOS

GUIA DE REFERÊNCIA PARA CÁLCULO DE COTAS DE PLANOS DE BENEFÍCIOS GUIA DE REFERÊNCIA PARA CÁLCULO DE COTAS DE PLANOS DE BENEFÍCIOS GUIA DE REFERÊNCIA PARA CÁLCULO DE COTAS DE PLANOS DE BENEFÍCIOS Comissão Técnica Nacional de Contabilidade novembro/2014 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no sacrifício da poupança presente, mas somente é admitida como

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL:

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL: VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 1- MERCADO GLOBAL: O segmento de Vida em Grupo detém o segundo lugar no ranking de vendas do Mercado, representando 10,92% das vendas totais em contra 10,48% do ano passado.

Leia mais

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF]

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] [ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] ESTUDO DE MERCADO REFERENTE AO TOTAL ARRECADADO ENTRE PRÊMIOS E CONTRIBUIÇÕES NO MERCADO Realizado Acumulado - 2009 / 2010 -

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COM OUTROS PRODUTOS. THIAGO FELIPE GONÇALVES Membro da CTNA

INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COM OUTROS PRODUTOS. THIAGO FELIPE GONÇALVES Membro da CTNA INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COM OUTROS PRODUTOS THIAGO FELIPE GONÇALVES Membro da CTNA Palestrante do Congresso: Sensações O conselho do Papa... Perfil da Família Brasileira até a

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

Carbon Disclosure Project 2011 Relatório Brasil

Carbon Disclosure Project 2011 Relatório Brasil Carbon Disclosure Project 2011 Relatório Em nome de 551 investidores com ativos de US$ 71 trilhões. Relatório produzido por: Fábrica Éthica Consultoria em Sustentabilidade (Facilitador Nacional) Carbon

Leia mais

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013 A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS Abril/2013 Índice Cenário Macroeconômico; Renda Fixa e Renda Variável; Investimentos; Rentabilidade dos Planos; Resumo do Processo de Perfis de Investimento

Leia mais

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

MEC. Censo da Educação Superior 2014

MEC. Censo da Educação Superior 2014 MEC Censo da Educação Superior 2014 BRASÍLIA DF 04 DE DEZEMBRO DE 2015 Tabela Resumo Estatísticas Gerais da Educação Superior Brasil 2014 Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Transportes Internacionais encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 85 milhões contra R$ 84 milhões

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

HIV/AIDS no Norte e Nordeste

HIV/AIDS no Norte e Nordeste HIV/AIDS no Norte e Nordeste Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br 04 de dezembro de 2014 Foco em populações chave 12% 10% 10,5%

Leia mais

Relatório Anual de Desempenho 2012

Relatório Anual de Desempenho 2012 Relatório Anual de Desempenho 2012 Brasília, janeiro de 2013 ALÔ SENADO Em 2012, o Alô Senado registrou 1.098.035 mensagens distribuídas. A maior parte dos atendimentos (95%) foram solicitações de envio

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Automóveis encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 4,3 bilhões contra R$ 3,4 bilhões de 2012, um crescimento

Leia mais

Treinamentos Siscomex Carga e Sistema Mercante

Treinamentos Siscomex Carga e Sistema Mercante Objetivo Treinar os participantes para o efetivo uso dos sistemas Siscomex Carga e Mercante. Público Alvo Profissionais que atuam nas seguintes áreas: - Agência Marítima; - Empresa de Navegação; - Agente

Leia mais

Carbon Disclosure Project Relatório 2009 Brasil

Carbon Disclosure Project Relatório 2009 Brasil Carbon Disclosure Project Relatório 2009 Brasil Em nome de 475 investidores com ativos de US$ 55 trilhões. Relatório produzido por: Fábrica Éthica Brasil Consultoria em Sustentabilidade (Facilitador Nacional)

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

CASTIGLIONE SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A SET DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: No seguro de vida podem ser contratadas garantias de morte ou invalidez, ambas por acidente

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 >> INFORMAÇÕES GERAIS Os treinamentos são realizados no Centro de Treinamento, nas instalações da Ciber Equipamentos Rodoviários

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: As características do seguro prestamista fazem com que o período de vigência seja de acordo

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente

Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente Formalização do Trabalho e dos Pequenos Empreendimentos no Brasil: Diagnóstico, Avanços e Propostas de Políticas Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Análise da aplicação dos princípios para investimentos responsáveis pelas entidades fechadas de previdência complementar

Análise da aplicação dos princípios para investimentos responsáveis pelas entidades fechadas de previdência complementar Análise da aplicação dos princípios para investimentos responsáveis pelas entidades fechadas de previdência complementar VICENTE BRUNO JÚNIOR Universidade Federal de Uberlândia ILIRIO JOSE RECH Universidade

Leia mais

(MLRV) SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO VIDA EM GRUPO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: No seguro de vida podem ser contratadas garantias de morte ou invalidez, ambas por acidente

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

FICHA DE CADASTRO PARA ADOÇÃO 1º PRETENDENTE (É obrigatório o preenchimento de todos os campos) Nome Completo

FICHA DE CADASTRO PARA ADOÇÃO 1º PRETENDENTE (É obrigatório o preenchimento de todos os campos) Nome Completo FICHA DE CADASTRO PARA ADOÇÃO 1º PRETENDENTE (É obrigatório o preenchimento de todos os campos) Nome Completo CPF Sexo ( )Masculino ( )Feminino Estado Civil ( )Solteiro(a) ( )Casado(a) ( )Viúvo(a) ( )Divorciado(a)

Leia mais

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição

Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição Empresas participantes do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça 5ª edição 1 AC Eletrobrás Distribuição Acre - Pública (Empresa de Economia Mista) 2 AL Eletrobrás Distribuição Alagoas Economia Mista 3

Leia mais