Estudo sobre oportunidades de negócios de saúde para a população de baixa renda no Brasil. Principais Conclusões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo sobre oportunidades de negócios de saúde para a população de baixa renda no Brasil. Principais Conclusões"

Transcrição

1

2 Estudo sobre oportunidades de negócios de saúde para a população de baixa renda no Brasil Principais Conclusões

3 Índice I. Apresentação...1 II. III. Parceiros...2 Sobre o estudo...3 Metodologia...4 Critério de renda utilizado...5 Segmentos de atuação em serviços de saúde considerados...6 IV. Análise do mercado de saúde para a população de baixa renda...7 Estimativa do tamanho das populações-alvo no estudo...8 Características marcantes do mercado de saúde...9 Principais entraves do mercado de saúde...10 Principais oportunidades do mercado de saúde...11 V. Principais conclusões sobre a análise do mercado de saúde...12 VI. Oportunidades no mercado de saúde para a população de baixa renda...28 Oportunidades identificadas...29 Análise das oportunidades... 30

4 Apresentação Objetivos Identificar as oportunidades de negócios mais promissoras, em função da carência de oferta e das potenciais restrições regulatórias, nos setor de saúde para a população de baixa renda no Brasil (com foco nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco) Parceiros Coordenação do estudo: Potencia Ventures Concepção e execução: Prospectiva Negócios Internacionais & Políticas Públicas Apoio: Artemisia Negócios Sociais e Vox Capital Cronograma Janeiro a Maio de

5 Parceiros Sobre a Potencia Ventures (www.potenciaventures.net) Instituição internacional sem fins de lucro que oferece capital financeiro e intelectual para o desenvolvimento de ecossistemas de negócios em mercados emergentes, cujos produtos e serviços contribuam para reduzir a pobreza no mundo. No Brasil, foi o primeiro investidor e principal parceiro estratégico na criação de diversas iniciativas-chave no campo dos negócios que servem a base da pirâmide no Brasil tais como Artemisia (www.artemisia.org.br) e Vox Capital (www.voxcapital.com.br) além de ter apoiado iniciativas de fortalecimento do ecossistema de negócios que servem a base da pirâmide na Argentina, Colômbia, Guatemala, Índia, México, Vietnã, África e Europa. Sobre a Prospectiva (www.prospectiva.com) Consultoria estratégica especializada em projetos relacionados a negócios internacionais, políticas públicas e regulatórias. Seu diferencial está em oferecer aos clientes análises que combinam as estratégias do negócio em questão com o conhecimento de ações governamentais que possam afetá-las. Atende empresas brasileiras e estrangeiras, associações empresariais, think tanks, organizações internacionais e órgãos governamentais. 2

6 Sobre o estudo

7 Metodologia 1 2 LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS Compilação e análise de 31 estudos que tratam do tema da saúde no Brasil de diversos ângulos Bancos de dados do IBGE, DATASUS e IMS Health, base de dados Prospectiva, fontes secundárias de dados e notícias, e informações disponibilizadas pela Potencia, Vox e Artemisia Sistematização e análise dos dados e informações ENTREVISTAS Amostra de diversos atores do mercado de saúde: especialistas na oferta de serviços privados e/ou na atuação do setor público, empreendedores e gestores públicos e privados. Entrevistas por telefone e presenciais para entender características do mercado, barreiras e oportunidades Análise das informações coletadas 4

8 Critério de renda utilizado (número de salários mínimos por domicílio) Classe A (acima de 10 SM) Classe B (de 5 a 10 salários mínimos) Classe C (de 2 a 5 salários mínimos) Classe D (de 1 a 2 salários mínimos) Classe E (sem rendimento a 1 salário mínimo) A segmentação por classes neste relatório buscou se aproximar dos critérios adotados pelo Plano CDE. No entanto, para permitir o cruzamento de dados entre as diversas bases de dados, optou-se pela utilização de unidades de salários mínimos (SM) ao invés de valores monetários para segmentar as classes sociais. O fato de se comparar dados de um curto período ( ) minimiza os efeitos da inflação e do aumento do valor monetário do SM; o que faz com que esta aproximação seja aceitável para os fins deste estudo. 5

9 Seguros e planos de saúde / telemedicina / ehealth / Gestão e automação / Acesso à informação / Acompanhamento de doenças crônicas Segmentos de atuação em serviços de saúde Prevenção Variáveis transversais Cuidados pessoais* Vacinação Medicamentos preventivos Diagnósticos precoces Saneamento básico Higiene bucal *Nutrição, atividades físicas e etc. Atenção básica Acesso a médicos generalistas / pediatria / ginecologia Medicamentos de baixa complexidade Atendimento domiciliar / comunitário Procedimentos médicos hospitalares Exames de diagnósticos mais comuns Tratamento dentário Atenção de média complexidade Produção Distribuição Acesso à informação Acesso a médicos especialistas Medicamentos de média complexidade Procedimentos médicos hospitalares Exames de média complexidade Cirurgias dentárias Transporte: ambulância / translado Atenção de alta complexidade Internação Acesso a médicos especialistas Medicamentos de alta complexidade Procedimentos médicos hospitalares Exames de alta complexidade Transplantes e outras cirurgias Serviços de emergência 6

10 Análise do mercado de saúde para a população de baixa renda

11 Estimativa do tamanho das populações alvo do estudo SP, RJ, MG e PE A B C D E 152 milhões A B C D E 64 milhões 8

12 Características Marcantes do Mercado de Saúde na Base da Pirâmide O mercado de saúde para a base da pirâmide é pouco explorado, dado o baixo poder de consumo até anos recentes. A regulação, inexistente ou desatualizada, retém o desenvolvimento de alguns segmentos, como microsseguros e telemedicina; O grupo CDE tornou-se bastante heterogêneo em relação aos gastos em serviços de saúde. Vários serviços oferecidos pela iniciativa privada estão em uma faixa de preço acessível à classe C, mas pouco acessível às classes D e E; Apesar de todas as deficiências, o SUS ainda é a única porta de acesso a serviços de saúde à 67% da população da base da pirâmide; Medidas de prevenção, saúde e higiene bucal, controle de epidemias (em especial dengue), encaminhamentos a médicos especialistas e filas de espera para atendimento e cirurgias estão entre as principais deficiências do sistema público; As crianças e os adultos com mais de 50 anos são os grupos que mais demandam serviços de saúde. Essa condição se agrava na classe E, que possui maior número relativo de crianças; As doenças crônicas já são a principal causa de morte no Brasil e representam o novo desafio da saúde pública. 9

13 Principais Entraves ao Mercado de Saúde na Base da Pirâmide A ação da Associação Nacional de Saúde (ANS), no sentido de assegurar uma ampla garantia aos beneficiários de planos e seguros de saúde, impede o desenvolvimento de alternativas de menor custo, como os microsseguros; Pacientes das classes CDE estão cada vez mais frustrados com as restrições legais de acesso a, por exemplo, exames e medicamentos do SUS, quando solicitados por seus médicos privados. A necessidade de passar por um médico do SUS aumenta as filas de espera e acabam por diminuir o interesse dos pacientes em buscar serviço privado de saúde; Telemedicina, ehealth e mhealth ainda estão presos a regulação restritiva e esparsa, o que dificulta estruturar um plano de negócios que esteja 100% adequado à regulação; Governo ainda é pouco ágil para adquirir novos produtos e serviços em saúde, especialmente quando agregam tecnologias inéditas; Poucas empresas direcionam seus serviços ao público CDE; Depois do governo e suas agências, os Conselhos Médicos (federais e regionais) são aqueles que mais colocam restrições ao desenvolvimento de novas soluções em saúde, especialmente em questões de preço, propaganda e comercialização da profissão médica. 10

14 Principais Oportunidades do Mercado de Saúde na Base da Pirâmide A possibilidade de entes privados se conveniarem ao SUS, tendo seus serviços reembolsados por esse, abre a possibilidade de ofertar diversos serviços gratuitos para os usuários do grupo CDE, em especial os de maior custo e complexidade; A quase total universalização da telefonia celular e a probabilidade de que o mesmo ocorra com a TV Digital e internet permitem o desenvolvimento de novas soluções com potencial de atingir o público CDE; A atuação da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) em incubadoras e start-ups na área de saúde, algumas vezes com recursos não reembolsáveis, permite filtrar diversas oportunidades em negócios novos fora do radar O crescente interesse de planos de saúde e farmacêuticas pela base da pirâmide possibilita o surgimento de parcerias com empresas privadas (B2B) que agreguem valor aos planos e medicamentos focados neste público; Este estudo também identificou oportunidades concentradas nas seguintes áreas: Acesso a informação; Automação; Telemedicina e Telediagnósticos; ehealth & mhealth; Cuidados pessoais e gerenciamento de doenças crônicas; Acesso a medicamentos e consultas médicas; Prevenção e saúde bucal 11

15 Principais conclusões sobre a análise do mercado de saúde para a população de baixa renda

16 Doenças que mais afetam a população (mais prevalentes, que causam mais internação ou que mais levam a óbito) Doenças Crônicas As doenças crônicas com maior prevalência no país são: circulatórias (hipertensão e coração), coluna e reumatismo, e respiratórias (asma e bronquite). Apesar de ser uma das que mais mata, o câncer não aparece entre as doenças de maior prevalência nas pesquisas. Doenças & Pobreza Contradição Internações e Mortalidade Há uma clara correlação entre doenças infecciosas, falta de saneamento básico e pobreza. Dengue ainda atinge um número significativo de pessoas todos os anos. Saúde bucal é precária entre os idosos mais pobres. Segundo diferentes pesquisas, há uma contradição entre a auto-avaliação das pessoas sobre seu estado de saúde e o diagnóstico recebido, dado que várias pessoas não se sentem bem mas não têm diagnóstico positivo da doença. Esta contradição pode indicar que pessoas das classes CDE procuram por ajuda médica tardiamente e/ou são mal diagnosticadas pelos médicos que as atendem. Gravidez é a principal causa de internação pelo SUS. Em seguida aparecem as doenças do aparelho circulatório, respiratório e digestivo. As principais causas de morte no Brasil são doenças circulatórias, câncer e respiratórias; embora algumas doenças possam ser complicações pós-internação e não sua causa inicial. 13

17 Doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) e políticas governamentais relacionadas Panorama brasileiro As DCNTs correspondem a 72% das causas de mortes, atingindo fortemente camadas pobres da população. Na última década, houve queda significativa na taxa de mortalidade, principalmente para doenças circulatórias e respiratórias crônicas. Esta redução é atribuída à expansão da Atenção Básica, melhoria da assistência e redução do tabagismo de 34,8% (1989) para 15,1% (2010). No entanto, as taxas de mortalidade por diabetes e câncer aumentaram. Obesidade como desafio Ações governamentais Oportunidades com o governo No Brasil, é crescente a preocupação do governo com o excesso de peso e a obesidade. A proporção de adultos com excesso de peso e obesidade cresceu de 29% em 1975 para 64% em O excesso de peso e obesidade infantil é ainda mais preocupante, com a incidência quadruplicando entre 1975 e 2008 (6% para 25%). Dado o impacto que as DCNTs têm para o orçamento do Min. da Saúde, o governo elaborou um Plano de Ações Estratégicas* que define ações e investimentos para deter estas doenças nos próximos dez anos. Por exemplo, ações de promoção à saúde e conscientização, organização da vigilância e uso da telemedicina. Considerando o engajamento do governo com ações preventivas para combate às DCNTs, verifica-se tanto a possibilidade de parcerias com o governo como também oportunidades no mercado privado, uma vez que, a população sob efeito das campanhas oficiais tenderá a procurar mais informação e ajuda profissional para melhorar seu estado de saúde e qualidade de vida. * Para mais detalhes, acesse o Plano de Enfrentamento das DCNTs: 14

18 Saúde infantil Gravidez Adolescente Estados mais carentes no Norte e Nordeste ainda possuem proporção significativa de mães adolescentes (20-25%). Ações afirmativas de planejamento familiar do governo não estão sendo suficientes. Segundo especialistas, gravidez em adolescentes possuem maior risco. Mortalidade Infantil O índice de mortalidade infantil nacional caiu significativamente na última década. Porém, ainda é o dobro da taxa média dos países da OCDE. As principais causas de morte são: aferições no período perinatal, doenças respiratórias e infecciosas (e.g. de fácil prevenção). Vacinação O programa nacional de vacinação é um dos serviços públicos de saúde mais bem avaliados pela população e mais bem reconhecidos mundialmente. As campanhas nacionais do quadro de vacinas obrigatórias tem atingido uma cobertura próxima a 100% das crianças. Políticas Públicas A principal estratégia nacional de atendimento ao público infantil está inserida no Programa Saúde da Família, que prevê acompanhamento pediátrico. Dados do Ministério da Saúde indicam uma alta correlação positiva entre investimentos neste programa e redução da mortalidade infantil. Além deles, subsidiariamente existem o programa de Incentivo ao Aleitamento Materno e o Projeto Cegonha. 15

19 Gastos públicos e privados em saúde Comparativo Internacional Proporção de gastos públicos em relação aos gastos privados é menor no Brasil do que nos BRICS/MEX/ARG, assim como a proporção dos gastos em saúde em relação a outros gastos do governo. Em termos per capita, os gastos totais em saúde no Brasil estão em primeiro lugar com cerca de USD 780 em Gastos Públicos Orçamento do Ministério da Saúde em 2012 será de R$72bilhões. 50% dos gastos públicos são com serviços hospitalar e ambulatorial. Gasto público em saúde cresceu em termos nominais mas participação nos gastos federais diminuiu. Regiões Sul e Sudeste recebem mais recursos per capita. Gastos Privados Há grandes diferenças regionais no perfil de gastos e no total de gastos em função da renda das famílias. Os gastos totais com saúde não crescem de forma proporcional ao aumento da renda. Quanto menor a renda, menor os gastos com planos e maior com medicamentos. Gastos relativos com seguro saúde são maiores em MG e RJ. Gastos com Medicamentos Mercado farmacêutico privado cresceu aproximadamente 4 vezes entre Programas governamentais de distribuição de medicamentos de baixa complexidade a baixo custo para a população da base da pirâmide cresceram, principalmente no Sul e Sudeste, mas cobertura ainda é baixa (cerca de 10%). 16

20 Gestão, compras públicas e terceirização Recursos Descentralização torna estados e municípios responsáveis pela maior parte do gasto público em saúde. Estes entes possuem autonomia, mas devem cumprir certas diretrizes federais. Parte significativa deste gasto está comprometida com folha de pagamento e pagamento de prestadores de serviços clínicos aos prestadores privados. Responsabilidades Oferta de equipamentos e serviços nãoclínicos ao SUS Terceirização da Gestão das Unidades do SUS Acordos e pactos entre os gestores das 3 esferas de governo definem as responsabilidades de cada ente federativo. Em geral, cabe aos municípios prover os serviços de saúde, com coordenação estadual e normatização federal. São serviços de suporte às atividades fim dos órgãos de saúde (e.g. consultorias, informática, manutenção de produtos e equipamentos diversos e de saúde). Em geral requerem investimento menor e há mais oportunidades. Porém, por seguir a lei de licitações não há tabela pré-fixada de valores de contratação. Podem demandar negociações prévias com os gestores para geração de interesse pelo produto/serviço. Há iniciativas para transferir a gestão das atividades de saúde pública à organizações sem fins lucrativos (OS e OSCIP). Já as organizações com fins lucrativos podem construir, reformar e em contrapartida gerir atividades não clínicas (e.g. alimentação, segurança) de hospitais localizados no estado de SP e BH, ou assumir a gestão completa daqueles localizados no estado da BA. Oferta de Serviços Clínicos para o SUS Oferta privada de serviços de saúde ao SUS (em troca de uma remuneração préestabelecida) é um dos maiores nichos de oportunidades com o governo pelo alto valor consumido. Porém, em geral, demandam escala e alto investimento inicial (e.g. hospitais privados onde internação dos pacientes é paga pelo SUS). 17

21 Inventário de serviços cobertos pelo SUS Recursos insuficientes e má gestão O sub-financiamento do setor somado à falta de formação gerencial dos profissionais e a ausência de sistemas integrados de informação e gestão, têm resultado em elevados índices de insatisfação popular com relação ao SUS. O modelo de incentivo por transferência de recursos da União aos municípios já está se esgotando, com os municípios chegando ao limite permitido por Lei de gastos com folha de pagamento. Leitos Médicos e outros profissionais de saúde Principais reclamações Outras deficiências Apesar do aumento do número de leitos públicos e privados, a taxa de leitos por habitantes diminuiu no Brasil e nos 4 estados selecionados. Com exceção da região Sul, o resto do país não atinge a taxa de leitos por habitante recomendada pela OMS (2,5 a 3 leitos por hab.). Postos de trabalho (médicos e outros profissionais da saúde) se concentram nos grandes centros urbanos e no setor privado. As estruturas do SUS de SP e RJ conseguem manter um número de postos de trabalho médico próximo ao do setor privado. Governo e Conselhos Médicos discutem atualmente como fixar médicos no interior; o interior de PE e norte de MG possuem menos de 1 médico por hab. As principais deficiências do SUS segundo a população usuária são a ausência e má qualidade de serviços de urgência e emergência, a má qualidade do atendimento nos centros e/ou postos de saúde e a falta de médicos especialistas. Há evidências que a falta de medicamentos e longas filas de espera para marcar consultas e agendar cirurgias também são problemas importantes. Serviço especializado está concentrado no setor privado, tanto em termos de hospitais e clínicas existentes como em número de médicos especialistas. Por exemplo, há quase o mesmo número absoluto de fisioterapeutas e cirurgiões dentista no SUS e no setor privado. Disponibilidade de equipamentos para exames e diagnósticos também é maior no setor privado. 18

22 Negócios complementares ao SUS Mercado de Seguros Apesar do crescimento do número de beneficiários de planos de saúde, cerca de 85 a 93% da classe DE ainda está descoberta. Nordeste e Sudeste reúnem os estados com maior número absoluto de pessoas não cobertas por plano de saúde, e portanto com maior potencial de mercado para serviços privados de saúde. Do lado da oferta, as seguradoras e operadoras de planos estão cada vez mais concentradas. Microsseguros Cartões de Saúde ehealth / mhealth Telemedicina A regulação da ANS proíbe que os planos privados de saúde excluam doenças prévias ou façam cálculos baseados no risco individual, exigindo uma cobertura mínima de procedimentos. Porém, algumas seguradoras estão oferecendo serviços de reembolso em farmácias e clínicas. Existem vários fornecedores de cartões de desconto e cartões pré-pagos no Brasil que oferecem descontos em médicos, clínicas, hospitais, laboratórios, etc. As principais limitações deste tipo de modalidade de pagamento são: serviços de alta complexidade permanecem inacessíveis, oposição da ANS e dos Conselhos Médicos, além da incerteza regulatória. Estão surgindo novas tecnologias baseadas em plataformas web, mobile e TV Digital. A maior parte delas chega às classes CDE quando financiada por terceiros (planos de saúde, farmacêuticas, etc.). As classes DE e pessoas mais afastadas dos grandes centros têm mais dificuldade de acesso a tecnologias. Pauta-se pela relação entre médicos para aprimoramento profissional e discussão ou resolução de casos clínicos. Por telefone, é permitido apenas orientações em emergências e esclarecimento de dúvidas simples para pacientes regularmente assistidos pelo médico orientador. Consulta presencial permanece insubstituível. Ainda não há uso de tecnologia por médicos do SUS localizados no interior para se comunicar com médicos mais experientes nas capitais. 19

23 Seguros e planos de saúde tiveram alto crescimento nas classes CDE Ano de fundação: 1979 Local: Fortaleza, Ceará Carteira de associados (2011): 1,8 milhão Faturamento (2010): R$ 754 milhões Receita média mensal por associado: R$ 39,46 Oferta de serviços: médicos e odontológicos Região de atuação: 11 estados nas regiões Norte e Nordeste Infraestrutura de saúde (2011): 20 hospitais; 12 pronto socorros; 53 centros médicos; Diagnóstico por imagem e laboratórios de análises clínicas Ano de fundação: 1968 Local: São Paulo, SP Carteira de associados (2011): 4 milhões Faturamento (2010): cerca de R$ 2 bilhões Receita média mensal por associado: R$ 56,11 Oferta de serviços: médicos e odontológicos Presença: Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste (com predominância no estado de SP) Infraestrutura de saúde (2011): - 9 hospitais; 9 pronto socorros; 85 centros clínicos; 5 maternidades Fonte: ANS, sites das operadoras e press clipping; elaborado por Prospectiva Características de operadoras de planos de saúde populares Foco em estados de forte dinamismo econômico Desenho de planos mais acessíveis e menos burocráticos Maior diversidade de pontos de vendas Investimentos em rede própria de hospitais (permite ter previsibilidade de custos e, com isso, há possibilidade de redução nos preços) Investimentos em tecnologia. (e.g. com um sistema interligado de totens de autoatendimento espalhados pelas cidades, que permite a marcação de consultas, exames e outros serviços, a empresa reduziu gastos com funcionários) Para reduzir custos com futuras internações, as operadoras têm trabalhado com ações preventivas para pacientes de doenças crônicas e gestantes. Há projetos que inclusive premiam beneficiários que adotarem programas de prevenção. Planos populares tem incluído a coparticipação, na qual o beneficiário desembolsa uma determinada quantia em alguns atendimentos, permitindo assim custos menores. Especialização para atender pessoas com determinadas tipos de doenças e estrutura regionalizada, com hospitais e centros médicos, de acordo com as necessidades do público atendido. 20

24 or outro lado, há entraves regulatórios no caso de microsseguros: Pontos contemplados pelo Marco regulatório Marco regulatório Lei 9.656/1998, regula os planos e seguros de saúde Lei n 9.961/ 2000, cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar Legislação complementar: resoluções ANS, Requisitos para operadoras de saúde (empresas) Autorização de funcionamento Regras de operação sujeitas à intervenção e liquidação Exigência de garantias financeiras Profissionalização da gestão Assistência à saúde e acesso (produtos) Qualificação da atenção integral à saúde (rol de procedimentos que devem ter cobertura mínima obrigatória) Proibição da seleção de risco Proibição da rescisão unilateral dos contratos Definição e limitação de carências (art. 11 / Lei 9656/1998) Rol de eventos não cobertos (art. 10 / Lei 9656/1998) Reajustes controlados Não há limites para cobertura para consultas médicas e fisioterápicas, exames CDE. e número de A Lei 9.656/1998 que regula planos/ seguros de saúde inviabiliza a estruturação de microsseguros em saúde para atender demandas específicas das classes dias em internações, mesmo em leitos de alta tecnologia (UTI/CTI). Modelo de atenção com foco em ações de promoção à saúde e prevenção de doenças Regras mais claras para os contratos Fonte: ANS; elaborado por Prospectiva 21

25 Cartões para Saúde Cartões de Desconto Funcionamento: por meio de uma anuidade, cliente acessa uma lista de médicos, clínicas, hospitais e laboratórios que oferecem serviços com desconto. O pagamento é feito diretamente pelo cliente ao prestador de serviço. Pontos positivos: anuidade de baixo custo, cliente obtém desconto e faz desembolsos apenas conforme custo. Pontos negativos: mesmo com desconto, serviços de alta complexidade permanecem inacessíveis; oposição da ANS e dos Conselhos Médicos; posicionamento de alguns players similar ao dos planos de saúde desfavorece o setor. Principal impeditivo é a Res. 1649/2002 do Conselho Federal de Medicina que considera infração ética a associação ou referenciamento de médicos a qualquer empresa que faça publicidade de descontos sobre honorários médicos (cartões de desconto são citados). Cartões Pré-Pagos Funcionamento: cliente adquire cartão com um valor de carga mínimo em um ponto de venda. Com este valor e recargas posteriores o cliente paga por produtos e serviços de saúde nos estabelecimentos profissionais conveniados a preços previamente tabelados. Pontos positivos: Controle dos gastos e obtenção de preços menores por tabelas de preços diferenciadas. Pontos negativos: custos dos serviços de alta complexidade permanece impeditivo; oposição da ANS e incerteza regulatória. Riscos se propaganda o associar a um plano de saúde. Possuem uma associação chamada ABRAPS (Associação Brasileira de Autoprogramas de Saúde), que diz defender os interesses das empresas de sistemas de pagamento antecipado, mas empresas de cartões de desconto também estão em seus quadros. 22

26 Disponibilidade da TV Digital como canal de serviços para classe CDE Em outubro de 2011, 480 municípios (11,6% do total) e 87,7 milhões de pessoas (46% da pop.) já dispunham de acesso a ao menos um canal digital. Em âmbito estadual, a disponibilidade de acesso à TV digital à população é : Pernambuco (42%), Minas Gerais (26%), Rio de Janeiro(68%) e São Paulo (71%). Não há dados sobre o total de conversores digitais / televisores com a tecnologia embutida vendidos nos últimos anos, o que não permite aferir o total da população que efetivamente dispõe do equipamento que permite receber o serviço. Para o uso das aplicações é necessário que os conversores ou televisores tenham instalado ou um software do fabricante do televisor ou o Ginga (plataforma gratuita para geração de aplicativos apoiada pelo governo). Em 2013, 75% dos televisores produzidos no Brasil devem ter o Ginga instalado. Percentual que subirá para 90% em 2014 No atual estágio tecnológico, os televisores recebem informações, mas não as enviam. O usuário poderá ter acesso a dados sobre o SUS e receber alertas, mas não poderá marcar consultas, por exemplo. Para isto serão necessárias adaptações técnicas para que os televisores se conectem a internet para transmitir dados. Também dependerá do sucesso do Plano Nacional de Banda Larga. O sinal analógico será definitivamente encerrado em 2016, quando apenas o sinal digital será disponibilizado. Primeiras aplicações desenvolvidas pelo CPqD para TV Interativa: PrevidênciaFácil (acesso ao INSS): IncluaSaúde (marcação de consultas no SUS) e ProcuraEmprego (busca de oportunidades de trabalho) A expectativa do governo é de que até 2016 todos disponham de acesso a TV Digital e recebam informações pela plataforma Ginga. Todavia, interatividade bidirecional (envio e recebimento de informações) depende de outros fatores, como sucesso do Plano Nacional de Banda Larga. 23

27 Inclua saúde: Sistema de agendamento de consultas no SUS através da TV digital Um pacote de aplicações e componentes de software para TV digital baseados na plataforma Ginga serão disponibilizados ao governo a partir de março de A previsão é de que a partir de 2013, estas aplicações estejam disponíveis nos novos aparelhos de televisão vendidos no Brasil. Na área de saúde está previsto o lançamento do Inclua Saúde, aplicação que permite agendar consultas em postos de saúde a partir da tela da TV. O público-alvo são as pessoas das classes C, D, E, que não têm acesso a PCs e, muitas vezes, não estão familiarizadas com computadores. Este conjunto de aplicações estão sendo desenvolvidos pelo CPqD desde 2008 como parte do Projeto Serviços Multiplataforma de TV Interativa (SMTVI), sendo financiados com recursos do Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações) e do Ministério das Comunicações. Durante o período de execução do projeto ( ), os recursos direcionados pelo CPqD para o Projeto SMTVI totalizaram R$ 16 milhões. 24

28 Siga Saúde: sistema integrado de gestão do atendimento em saúde Desenvolvido e implantado pela Secretaria Municipal de Saúde em Esta solução automatiza a agenda local nos estabelecimentos de atenção básica e permite a consulta on-line do Histórico de Atendimentos dos Pacientes. Além disso, controla o processo de Autorização de Procedimentos de Alto Custo e cria uma Central de Regulação para Marcação de Consultas e Exames Especializados, entre outras funcionalidades. Em linhas gerais, trata-se de uma ferramenta única para cadastramento de usuários (pacientes) totalmente integrada com os padrões do Cartão Nacional de Saúde. O SIGA Saúde foi desenvolvido pela Fundação Atech e sua incubada Vidatis, empresa que atua no setor de saúde fornecendo software e sistemas informatizados e automatizados de gerenciamento do setor. Atualmente, é considerado um dos sistemas de gestão da saúde pública em fase mais avançada de desenvolvimento, tanto que em abril de 2011 o Ministério da Saúde assinou um termo de cooperação com a Prefeitura de São Paulo para tornálo software padrão para a gestão dos recursos e serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em todos os municípios brasileiros. 25

29 Definições de ehealth, mhealth e Telemedicina Telemedicina - Uso de informações médicas enviadas de um lugar para outro via comunicação eletrônica para melhorar o estado de saúde do paciente. Serviços incluídos: referências de especialistas, consultas e monitoramento remoto de pacientes, educação médica e informações médicas e de saúde para consumidores. (Fonte: Associação Americana de Telemedicina). Telemedicina no Brasil - Exercício da Medicina através da utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em Saúde. A responsabilidade profissional do atendimento cabe ao médico assistente do paciente. (Fonte: Resolução 1643/2002 CFM). Nota: A Telemedicina no Brasil exige a presença de um médico assistente junto ao paciente. ehealth - Uso das tecnologias da informação e comunicação para saúde. Exemplos incluem tratamento de pacientes, condução de pesquisas, educação da força de trabalho em saúde, rastreamento de doenças e monitoramento de saúde pública (Fonte: OMS). mhealth - Prática médica ou de saúde pública apoiada por aparelhos móveis, tais como telefones celulares, aparelhos de monitoramento de pacientes, assistentes pessoais digitais (PDA s), entre outros aparelhos de conectividade sem fio. (Fonte: Global Observatory for ehealth OMS). 26

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul.

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. PROJETO TELESSAÚDERS Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. (TelessaúdeRS) O que é o TelessaúdeRS? É um serviço de suporte assistencial

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho ANS Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Setorial São Paulo, maio de 2011 Plano Coletivo

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

MAIS SAÚDE PARA SEU NEGÓCIO, MAIS BEM-ESTAR PARA VOCÊ.

MAIS SAÚDE PARA SEU NEGÓCIO, MAIS BEM-ESTAR PARA VOCÊ. MAIS SAÚDE PARA SEU NEGÓCIO, MAIS BEM-ESTAR PARA VOCÊ. SULAMÉRICA SAÚDE 03 A 99 VIDAS Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência, Investimentos e Capitalização, com 119 anos de história, é o

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS Perfil A AmilPar originou-se da Casa de Saúde São José, uma pequena clínica na cidade

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico Modelo Domiciliar de Modelos Assistenciais Assistência ao Doente Alternativos Crônico Panorama da Saúde no Brasil Aumento do poder aquisitivo Mudanças no Estilo de Vida Crescimento da População com Planos

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200 NOVO SPG 100 e EMPRESARIAL 200 SPG 100 Empresarial 200 NOVOS PRODUTOS, NOVAS OPORTUNIDADES. Diversas soluções, MUITAS VANTAGENS. Na busca contínua pela melhoria, a Bradesco Saúde é pioneira mais uma vez,

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

Agenda. Copyright 2015 Accenture. All rights reserved. 2

Agenda. Copyright 2015 Accenture. All rights reserved. 2 Agenda Visão Geral da Saúde Relação Provedor-Pagador Relação Pagador-Médico Relação Médico-Provedor Relação Provedor-Fornecedor Nossa Visão: Rede Integrada Copyright 2015 Accenture. All rights reserved.

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 467, de 2013, de autoria da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), que dispõe sobre

Leia mais

E-Saúde e soluções mobile

E-Saúde e soluções mobile MINISTÉRIO DA SAÚDE GOVERNO FEDERAL E-Saúde e soluções mobile Fórum RNP O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi A HISTÓRIA DO SUS Década de 1970 Sistema Nacional de Saúde: direito à saúde apenas aos dependentes

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS I A ANS e a Saúde Suplementar I A ANS e a Saúde Suplementar

Leia mais

www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903

www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903 www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903 Unidade da UFPE, fundada em Outubro de 2003 através do Projeto Piloto de Telesaúde no Programa de Saúde da Família financiado pelo Ministério da

Leia mais

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE Samuel Kilsztajn* Dorivaldo Francisco da Silva** Marcelo Bozzini da Câmara** Vanessa Setsuko Ferreira** RESUMO: O

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais