Breves notas sobre condições de crédito na economia fluminense,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Breves notas sobre condições de crédito na economia fluminense, 1801-1808."

Transcrição

1 Breves notas sobre condições de crédito na economia fluminense, Mônica Martins 1 I. Introdução O objeto de estudo neste artigo são as relações de crédito tecidas na economia colonial fluminense (Rio de Janeiro) no início do século XIX. A partir da pesquisa realizada em Escrituras do 1º Ofício de Notas do Rio de Janeiro, localizadas no Arquivo Nacional, foi possível identificar alguns aspectos que caracterizavam essa economia, a partir do seu viés creditício, relacionados a quem recebia crédito e quem concedia, segundo sua condição social, gênero e ocupação. Sabemos que as relações de crédito na economia escravista até o século XIX estavam baseadas em relações de confiança e credibilidade garantidas por uma série de aspectos que envolviam as transações econômicas e o pertencimento a essa sociedade. O amparo legal para as transações creditícias só foi efetuado no Brasil com o Código Comercial, aprovado em Até esta data as transações contavam com registros de fé pública e, a maioria deles, apenas com a palavra daqueles envolvidos na transação. Ou seja, crédito, confiança e cumprimento da palavra eram elementos sociais e culturais fundamentais para a manutenção e funcionamento dessa economia, que não podia prescindir da boa reputação pessoal dos envolvidos. O contexto socioeconômico do Rio de Janeiro passava por intensas modificações desde a segunda metade do século XVIII, com a transferência da capital da colônia de Salvador para o Rio de Janeiro. Era a consagração do papel político, econômico e administrativo do Rio de Janeiro no auge da produção aurífera, mas também revelava a nova correlação de forças regionais estabelecidas, onde o eixo centro-sul angariava uma predominância política, ao mesmo tempo em que se concentravam aí as principais transações econômicas tecidas no universo colonial. Vários estudos historiográficos 1 Professora de História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Essa pesquisa foi realizada com Auxílio à Pesquisa concedido pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) para o projeto Relações econômicas no Brasil pré-capitalista: agentes e condições de crédito no meio urbano na primeira metade do século XIX. Para a coleta e organização dos dados, a pesquisa teve a fundamental contribuição das bolsistas de IC: Elizabeth Santos de Souza (PIBIC/CNPq), Daiane Estevam Azeredo (FAPERJ). 1

2 demonstram o crescimento dos investimentos e atividades financeiras exercidas no centro-sul, especialmente na região fluminense, além do fortalecimento de setores ligados aos negócios e a agricultura, atividades correlatas e intimamente relacionadas aos interesses escravistas. O uso das escrituras públicas como fonte de pesquisa tem sido utilizado por historiadores econômicos na tentativa de entender características dessa economia colonial. Deve-se registrar, no entanto, que a partir das Ordenações Filipinas faziam-se necessário o registro de transações que envolvessem bens de raiz no valor acima de 4$000 reis, e de bens móveis e dívidas no valor superior a 6$000 reis (SAMPAIO: 2003). Isso também foi constatado mediante o valor das transações que identificamos nas transações registradas no 1º Ofício enquanto, por outro lado, grande parte das transações de menor volume não foi registrada, constituindo esse universo das relações interpessoais, dos créditos concedidos à base da confiança. II. Atividades de crédito em uma economia colonial e escravista Há dois aspectos fundamentais na análise sobre as relações econômicas de uma determinada época e de suas relações de crédito: entender quem são os agentes econômicos e o que entendemos por crédito nesta sociedade. Nos dois casos, busca-se a pertinência da historicidade dos agentes envolvidos, o papel social desempenhado por eles e a demarcação dos múltiplos aspectos que circunscrevem as relações de crédito, em suas dimensões materiais e simbólicas. Outro aspecto importante é o entendimento relativo à lógica econômica estabelecida por tais agentes numa economia colonial, os aspectos concernentes a uma determinada cultura econômica. Essa lógica econômica da qual tratamos refere-se tão somente às ações que norteiam as práticas econômicas dos agentes sociais, no interior dessa economia colonial, como pensam e se comportam nessa economia e como atuam para que ela funcione a seu favor. Uma economia com características muito particulares, dada sua importância dentro do universo econômico do Império português. Manteve durante todo o período colonial e mesmo depois da Independência vigorando a escravidão, não apenas como característica econômica, mas como marca da sociedade patriarcal que se formou ali. Nessa sociedade forjou-se também uma cultura econômica onde as relações 2

3 interpessoais predominavam nas transações, sendo os elos entre os indivíduos estabelecidos mediante a sua inserção nas redes sociais e políticas e na sua credibilidade. Crédito, no universo das relações econômicas, consiste na ação que envolve pedir e conceder empréstimos. As transações comerciais só começaram de fato a ser juridicamente organizadas no Brasil com a promulgação do Código Comercial - Lei n o 556, de 25/06/1850 através do qual se estabeleceram as condições necessárias para o estabelecimento das relações de crédito, de comércio, organização da contabilidade e escrituração, contratos mercantis, etc. Até este período vários mecanismos eram utilizados pelos agentes envolvidos nas relações de crédito, a fim de que propiciassem segurança a ambas as partes. Até 1850 as transações econômicas eram mediadas pelo Tribunal da Real Junta de Comércio, baseando-se juridicamente nas Ordenações Filipinas. Contudo, um elemento central nessas relações baseava-se na confiança dispensada por aqueles que pediam empréstimos, mediante sua reputação e moralidade que o tornavam socialmente um agente confiável, onde as transações ainda não eram marcadas pela impessoalidade, característica das relações capitalistas de produção (POLANYI: 2000). Nessa sociedade, assim como apontou Craig Muldrew no caso da economia da Inglaterra moderna, não havia diferença entre crédito econômico e crédito social (MULDREW: 1998). É importante notarmos também como se organizava a base das relações comerciais no Brasil no período colonial, pautada pelo princípio fundamental de prestígio e distinção social baseado na posse do homem sobre o homem e sobre a terra, que conferia a pouquíssimos indivíduos o acesso ao prestígio a partir de foros de fidalguia e posições de mando. O exercício na vida política era atividade restrita a esses poucos integrantes da mais alta hierarquia social. Além disso, permanecia em Portugal a vigência do estatuto da pureza de sangue, que foi adotado no Brasil colônia, restringindo o acesso aos cargos eclesiásticos, públicos e títulos honoríficos aos cristãos velhos, ou seja, famílias de católicos há mais de quatro gerações. A origem dessas restrições remete-se às Ordenações Afonsinas, que ampliavam ainda essas restrições aos judeus e mouros, e às Ordenações Manuelinas e Filipinas, que estenderam essa restrição aos indígenas, ciganos, negros e mulatos (MATTOS: 2001, p. 141). 3

4 As atividades de crédito, no entanto, dependem e se relacionam com a condição dos fluxos monetários nessa economia. A partir do século XVIII a concentração e controle dos fluxos monetários foram realizados por um pequeno setor da classe dominante, cuja inserção nas atividades mercantis aprofundava-se. Esse controle não impediu, no entanto, que as transações creditícias se espalhassem no seio da sociedade, capilarizando-se por vários segmentos sociais (SAMPAIO: 2002), que dependiam do crédito para desenvolver suas atividades. III. Um breve perfil do crédito na sociedade fluminense do início do século XIX O trabalho desta pesquisa foi realizado com a consulta as Escrituras do 1º Ofício de Notas do Rio de Janeiro, localizado no Arquivo Nacional, destacando-se a consulta nas escrituras aos bens hipotecados, às ações descendiárias e de partilha de bens. Neste caso consideram-se os dados coletados nas escrituras que envolvem dívidas registradas nos livros de notas do 1º Ofício. A primeira parte do trabalho foi realizada com escrituras dos livros 188, 189, 190, 191, 192, 193, 194, 195, 196, 197 do 1º Ofício. Nesse universo, em 140 das 368 escrituras pesquisadas encontramos referências à quitação e destrate de dívida, ação que correspondia às liquidações de contas. Essa informação permite que identifiquemos as dívidas liquidadas, visualizando parcialmente o ciclo que envolvia empréstimo e quitação e os agentes envolvidos. Em grande parte delas, no entanto, essa informação não aparece, não sendo possível concluir sobre o pagamento ou não dessa dívida. Desse universo de 368 escrituras, 228 mencionaram a formação de redes de endividamento, relacionadas 108 delas às vendas de benfeitorias (casas, sítios, ilha, escravos, embarcação e outros). Assim, em relação ao universo de 368 escrituras de dívidas, vendas e quitação podemos identificar um perfil dos envolvidos nas transações: Perfil NC ND Homens Homens e Mulheres Mulheres viúvas

5 Mulheres (estado civil não mencionado) 6 4 Mulheres divorciadas 0 2 TOTAL Tabela 1. Perfil dos agentes envolvidos nas redes de crédito.. Escrituras de dívidas, vendas e quitação, livros 188 a 197, 1º Ofício de Notas. Arquivo Nacional. NC corresponde ao número de credores e ND ao número de devedores. Solta aos olhos nesses primeiros dados a grande participação de mulheres nessas relações de crédito, tanto entre credoras quanto entre devedoras. Daqueles dados onde identificamos as mulheres como únicas partícipes ou em co-participação com homens nas dívidas temos, em números percentuais, a presença de aproximadamente 21,5% delas nas transações. Como credoras o percentual é de aproximadamente 11,9% de mulheres nas transações. Contudo, as escrituras exibem poucas informações sobre as condições que envolvem a condição de credora ou devedora dessas mulheres. Apesar disso, nota-se que a presença delas nas tomadas e concessões de empréstimo apontam para uma participação significativa neste tipo de transação, e que a sua atuação como credoras extrapolava muito em relação ao status de devedoras, onde sua presença se restringia. 100% 80% 60% 40% 20% mulheres homens e mulheres homens 0% credores devedores Gráfico 1: Perfil dos agentes envolvidos nas redes de crédito.. Escrituras de dívidas, vendas e quitação, livros 188 a 197, 1º Ofício de Notas. Arquivo Nacional. Em relação ao universo masculino, as escrituras do 1º Ofício demonstraram a presença de profissionais diversos envolvidos nessas transações, conforme podemos verificar na tabela abaixo. 5

6 Ocupação/atividades Credores Devedores Negociante da Praça Vivem de Negócios e Bens Vivem de Lavoura Religiosos Especializados em Ofícios Militares Não mencionado Ilegível TOTAL Tabela 2: Profissões dos agentes. Escrituras de dívidas, venda e quitação dos livros 188 a197 do 1º Ofício de Notas. Arquivo Nacional. Foram reunidas as profissões ou atividades a partir das informações: eclesiásticos, funcionários da administração real, militares, doutores, homens de negócios, mercadores, carpinteiros, pequenos lavradores e outros. A ação de conceder e pedir empréstimo foi muito difundida durante todo o período colonial e no século XIX no Brasil, por um lado em decorrência da escassez monetária que marcou a vida econômica colonial, por outro, pelo fato de não haver sistemas de crédito consolidados. Somente em 1850 teve início no Brasil uma organização das relações econômicas e das atividades de crédito. Portanto, a atuação de particulares nessas transações sempre foi uma das principais características das relações de crédito, marcadas pela cobrança de juros nessas atividades, o que chegou a garantir altos lucros aos envolvidos nessas transações (FRAGOSO: 1998). Como já foi mencionado por autores que se dedicaram precisamente a este aspecto, a atuação dos particulares na economia mobilizava os aspectos pessoais, simbólicos e relacionados à reputação dos indivíduos nessas relações: destacava-se a figura do bom pagador e das relações que envolviam confiança e credibilidade pessoal dos agentes envolvidos nas transações (ALMICO: 2009). Portanto, os dados apresentados nos apontam aspectos singulares dessas transações, especialmente porque aparece a presença de agentes privados de diversos setores profissionais nas atividades de crédito, não apenas dos estratos mais altos da sociedade. E ainda, das 368 escrituras analisadas que mencionavam dívidas sendo quitadas ou negociadas para pagamentos posteriores, identificamos que em 159 delas as 6

7 dívidas eram realizadas mediante a compra de bens (casas, fazendas, sítios, ilhas, boticas, escravos, barcos e outros). Desse universo, 151 escrituras faziam referência às negociações decorrentes de empréstimos em dinheiro, ou seja, os credores emprestaram em moeda corrente os valores solicitados. Assim, a tipologia das dívidas se constitui, em sua maioria, de compra e empréstimo em espécie. Outras escrituras não faziam referências a nenhuma das duas tipologias citadas, apresentando informações referentes à prestação de serviços, reorganização da sociedade, partilha de bens e outros. Podemos inferir, portanto, que na primeira década dos oitocentos as transações de crédito com registros em cartórios eram principalmente fomentadas pelas vendas e empréstimos em moeda corrente. No que concerne aos instrumentos de proteção nas relações de crédito, a partir desse universo de 368 escrituras identificamos que 228 estavam negociando as formas de pagamento para quitação posterior da dívida. As hipotecas apareceram em 149 negociações como garantia: isso significa um universo de 40,48% das transações realizadas mediante a hipoteca como garantia. Ou seja, as hipotecas se constituíram como mecanismo fundamental de garantia do crédito nessas relações, em uma economia onde não havia mecanismos organizados institucionalmente de garantia do crédito. Os juros recebem especial destaque no interesse de indivíduos de diferentes estratos recorrerem ao expediente do crédito a fim de ganhar dinheiro: com a cobrança de juros, os credores poderiam obter condições vantajosas, dispensando mesmo os juros quando estendiam o prazo para o pagamento total. Desse universo de 368 escrituras, em 68 delas os juros aparecem como o elemento mais vantajoso na concessão de crédito. As negociações entre indivíduos parecem ter-se elevado consideravelmente na passagem do século XVIII para o XIX. Com a chegada da família real, em 1808, crescia o poder e as atividades de negócio frente à montagem de uma estrutura urbana e de um aparelho administrativo que abrigasse a Corte, mostrando o aumento de atividades ligadas ao comércio e também à entrada de firmas estrangeiras que progressivamente se instalam no Rio de Janeiro. Nesse período destaca-se também o surgimento de associações diretamente ligadas ao crédito, tais como as companhias de seguro; e, por outro lado, o fortalecimento político dos negociantes da praça fluminense, o que gerou um impacto sobre as transações realizadas antes por instituições leigas e religiosas 7

8 ligadas aos ofícios. Esses homens de negócios nada mais eram do que o [...] mais importante segmento econômico da cidade, sendo responsáveis pela circulação de mercadorias, integrando a estrutura do comércio atlântico português (PIÑEIRO: 2011). Um segundo passo da pesquisa foi a análise das escrituras dos livros 188, 189, 190, 191 e 194, referentes ao Primeiro Ofício de Notas do Rio de Janeiro. A nossa análise foi realizada a partir das escrituras de dívida e obrigação, escrituras de venda com bens hipotecados e as escrituras de quitação e destrate de dívida, sendo: 88 escrituras de quitação, 69 escrituras de dívida e 43 delas são escrituras de venda, totalizando 200 escrituras. 2 Esses livros de notas abrangem o período de 1802, 1803, parte de 1804 e parte de A partir dessas escrituras fizemos uma análise sobre quem eram os agentes participantes nessas relações de crédito nos primeiros anos do século XIX, segundo os critérios de gênero, ocupação e tipos de dívidas. Neste caso temos as seguintes tabelas elaboradas com base nessas fontes documentais: Tipos de empréstimos Empréstimos Percentual (%) Compras de bens de raiz Empréstimo em dinheiro Compra de escravos 02 1 Sociedade desfeita 04 2 Partilha de herança 02 1 Dívidas diversas Não mencionado Ilegível 02 1 Total Tabela 3: Tipos de empréstimos. Fonte: Livros 188, 189, 190, 191 e 194 do 1º Ofício de Notas do Rio de Janeiro. Arquivo Nacional. Agentes Credores Devedores 2 Os dados apresentados remetem-se as escrituras de dívida, venda e quitação dos livros 188, 189, 190, 191 e 194 sob a guarda do AN. 8

9 Homens Homens e mulheres 13 9 Mulheres viúvas 16 5 Mulheres solteiras 6 2 Mulheres casadas * 0 3 Mulheres divorciadas 0 1 Mulheres sem estado civil mencionado 1 2 Mulher preta liberta 1 0 Total Tabela 4: Agentes envolvidos nas redes de crédito. 3 Fonte: Livros 188, 189, 190, 191 e 194 do 1º Ofício de Notas do Rio de Janeiro. Arquivo Nacional. *Mulheres casadas que aparecem sozinhas nas escrituras Analisando os dados obtidos a partir das especificações de gênero, ocupação e tipos de dívidas, podemos observar que as negociações eram constituídas não apenas pelos grandes negociantes, embora eles predominassem nessas transações: conseguir um empréstimo ou comprar algo a ser pago posteriormente era acessível a todos que tivessem condição para cumprir o acordo estabelecido, como podemos constatar na tabela 4. Parte significativa das dividas arroladas eram para a compra de bens de raiz e para obtenção de empréstimos em espécie, ou seja, variavam desde as necessidades mais básicas, como móveis e escravos, até os de maior montante, como a aquisição de casas, terras ou lojas. Destaca-se nesses dados novamente a alta participação de mulheres como credoras e devedoras, sendo elas agentes principais ou secundárias. A partir das escrituras consultadas para este período há 13 mulheres na condição de credoras participantes (atuavam junto com um homem na qualidade de conceder crédito) e mais 24 mulheres que aparecem sozinhas na qualidade de credoras, além de 9 devedoras participantes (atuavam junto com um homem na qualidade de devedoras). 13 mulheres apareciam sozinhas como devedoras entre os anos de 1802 e Embora em números absolutos possa parecer pequeno este montante de mulheres como participantes das atividades de crédito, dentro de um universo de 163 e 178 credores e devedores 3 A análise dos dados foi feita por escrituras e não pelo número de agentes contidos em cada negociação. 9

10 réis. 4 Outro caso foi o de Antonio do Couto da Fonseca que, devido à venda de escravos masculinos, é significativo em termos percentuais, mediante as restrições impostas ao desempenho de atividades públicas de diversas categorias às mulheres. As relações de crédito extrapolavam limites relacionados à condição de gênero ou estado civil dos envolvidos. Podemos ainda perceber nessas transações a participação de parentes de 1º e 2º graus, como foi o caso de Gerturdes Maria filha de Manoel Pinto Delgado, viúva do Tenente João Antonio Gomes. No dia 2 de agosto de 1804, ela entrou com o pedido de registro de escritura de dívida e obrigação a fim de se constituir formalmente devedora de seu pai na quantia de duzentos e trinta e seis mil e oitocentos feita às suas sobrinhas Antonia Roza do Nascimento e Feliciana Angelica do Espirito Santo, em 10 de setembro de 1791, quando estas ainda eram menores de idade, pediu o registro de quitação da referida venda em 8 de maio de E mais: ficou registrado na escritura que as devedoras no momento da lavratura da escritura de quitação estavam casadas com os Alferes João freire Alamo e Joaquim Alvares Da Silva 5. Essas histórias de empréstimos e quitação de dívidas entre parentes e cônjuges somam-se à interpretação sobre o profundo significado do empenho da palavra na hora de pedir ou conceder empréstimo, visto como questão de honra. Esses aspectos ainda podem ser confirmados pelos dados apresentados abaixo: Outorgantes das Escrituras Quitação Dívidas Venda Credores/vendedores Devedores/compradores Total Tabela 5: Identificação dos outorgantes nas redes creditícias. Alguns dados podem nos levar a inferir sobre a importância da palavra no mercado de crédito no início do século XIX. O recurso à palavra era extremamente importante no ato de conceder e pedir empréstimo, dado que muitas transações não 4 Escritura de dívida e obrigação de 02/04/1804, sob a guarda do AN. 5 Escritura de quitação de venda de 08/05/1804, sob a guarda do AN. 10

11 eram formalizadas. Além disso, sem uma estrutura jurídica para as relações de crédito, a confiança na palavra e nos valores morais, como a honra, eram os expedientes necessários para a sobrevivência dessa economia. É importante registrar isso, uma vez que esses indivíduos esforçavam-se muitas vezes, como mostram esses dados, em registrar a quitação de suas dívidas também, bem como os seus empréstimos, como forma de selar o acordo cumprido. Isso pode ser ainda verificado mediante o quantitativo de 77 credores como outorgantes do pedido de registro de quitação, e por outro lado o pedido de apenas 11 devedores. Ou seja, os credores entraram com o pedido de quitação mais vezes que os próprios devedores, registrando as dívidas honradas. O que pede ser evidenciado nas escrituras de dívida é que 66 devedores do total de 69 escrituras de divida pedem que fique registrado que tomaram crédito com alguém. Essa confiança de cumprimento da dívida tinha valor fundamental para a reprodução dessa economia. Eram estabelecidos prazos para a quitação da dívida e boa parte delas passava da faixa de 5 anos. Prazo estabelecido QD Percentual (%) Até 1 ano De 1 a 2 anos De 2 a 5 anos Superior a 5 anos Não mencionado Ilegíveis 02 1 Total Tabela 6: Condições de negociação. 6 QD corresponde à quantidade de dívidas. Através desses dados podemos notar que das 200 escrituras a maior parte delas (41%) foi estabelecido com prazo de até 1 ano para pagamento, sendo a grande maioria empréstimos com prazos inferiores a cinco anos para quitação, que somados chegam a 59,5%. Prazos mais curtos possibilitam uma movimentação maior de empréstimos, essencialmente numa economia onde os agentes de crédito eram restritos. O registro em 6 Os prazos a que se referem a tabela diz respeito aos três tipos de escrituras analisadas: escritura de dívida, de quitação e de venda. Desta forma, os prazos mencionados referem-se a dívidas com prazos cumpridos e os programados a serem efetuados. 11

12 cartório, no entanto, apresentava-se aos poucos como condição importante na demarcação dos limites do crédito e também para oficializar as transações, fosse a concessão, fosse a quitação. Aos poucos isso indicaria maior estabilidade e garantia nas transações desse tipo. Perfil dos agentes NC ND Total Integrantes de ordens (religiosas e militares) Homens que vivem de lavoura Negociantes da Praça Vivem de seus negócios e bens Religiosos Especializados em algum ofício* Militares Mulheres viúvas Mulheres solteiras Mulheres casadas Mulher preta liberta Membros de irmandade Não mencionado Total Tabela 7: Perfil dos agentes envolvidos nas redes de crédito. 7 * Membros da Irmandade de São Crispim e São Crispiniano (corporação dos sapateiros). NC refere-se ao número de credores nas escrituras e ND ao número de devedores nas mesmas. As negociações identificadas aqui ocorreram entre os anos de 1802 e 1805 e confirmam o que outros autores já identificaram: o aumento da diversificação de agentes atuando como credores no início do século XIX, embora o percentual daquelas escrituras onde não há menção ao perfil desses agentes é bem maior que os demais. Nessas transações vemos essencialmente a presença de particulares como partícipes, sendo identificados alguns como membros de ordens ou irmandades. Instituições que participavam como credoras não são identificadas nos registros desses anos, tais como as irmandades leigas ou mesmo a Santa Casa de Misericórdia, confirmando o que 7 A análise dos dados foi feita pelo número de agentes contidos em cada negociação, por isso o número total de credores e devedores não coincide com o total de escrituras (200). Ou seja, algumas negociações tinham a participação de mais de um agente. 12

13 alguns estudos já demonstraram a respeito da queda progressiva das transações de crédito realizadas a partir de instituições, devido ao aceleramento das atividades mercantis desde o setecentos, levando vários agentes a novas fontes de aquisição de recursos, tanto para os que demandavam empréstimos quanto para os credores (SAMPAIO, 2000, PP.29-49). Os dados nos levam a conclusões significativas sobre esse mercado, mas não podem ser explicativos da totalidade das relações de crédito, especialmente porque grande parte das transações sequer era registrada nas escrituras. Outro aspecto importante a ser ressaltado é que o maior número de transações de determinados agentes, pertencentes a determinados segmentos sociais, pouco indica a respeito do volume dessas transações, o que deve ser ainda confrontado com consulta a outras fontes. Bibliografia: ALMICO, Rita de C da S. Dívida e obrigação: as relações de crédito em Minas Gerais, século XIX/XX. Tese de Doutorado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, FRAGOSO, João Luís R. Homens de Grossa Aventura. Acumulação e hierarquia na Praça do Rio de Janeiro Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MATTOS, Hebe Maria. A escravidão moderna nos quadros do Império Português: o Antigo Regime em perspectiva atlântica, In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVEA, Maria de Fátima (Org.). O Antigo Regime nos trópicos: A dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, pp MULDREW, Craig. The Economy of obligation: the culture of credit and social relations in early modern England. Palgrave Macmillan,1998. PIÑEIRO, Théo Lobarinhas. A política dos Negociantes e o Porto do Rio de Janeiro no século XIX. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH, São Paulo, julho POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá. O mercado carioca de crédito: da acumulação senhorial a acumulação mercantil ( ). In: Estudos Históricos, 29. Rio de Janeiro: CPDOC-FGV, pp Na encruzilhada do Império: hierarquias sociais e conjuntura econômica no Rio de Janeiro (c.1650-c.1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional,

PEDIR, RECEBER E CONCEDER: OS HOMENS VIRTUOSOS NA ECONOMIA FLUMINENSE (1801-1810)

PEDIR, RECEBER E CONCEDER: OS HOMENS VIRTUOSOS NA ECONOMIA FLUMINENSE (1801-1810) PEDIR, RECEBER E CONCEDER: OS HOMENS VIRTUOSOS NA ECONOMIA FLUMINENSE (1801-1810) Elizabeth Santos de Souza Mônica de Souza Nunes Martins Resumo: O presente trabalho tem o objetivo de analisar os vínculos

Leia mais

Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c.

Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c. Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c. 1780 Alexandre Vieira Ribeiro A proposta desse texto é apontar

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITO CARIOCA E A INSERÇÃO FEMININA NAS TRANSAÇÕES CREDITÍCIAS EM PRINCÍPIOS DO SÉCULO XIX

O MERCADO DE CRÉDITO CARIOCA E A INSERÇÃO FEMININA NAS TRANSAÇÕES CREDITÍCIAS EM PRINCÍPIOS DO SÉCULO XIX O MERCADO DE CRÉDITO CARIOCA E A INSERÇÃO FEMININA NAS TRANSAÇÕES CREDITÍCIAS EM PRINCÍPIOS DO SÉCULO XIX DAIANE ESTEVAM AZEREDO* 1. Introdução O crédito em sociedades pré-capitalistas assumiu uma função

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Guimaraes, Carlos Gabriel Angelo Alves Carrara

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo

Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo Saulo Santiago Bohrer A atividade de seguros foi fundamental para

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466)

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) Filipe Themudo Barata FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN JUNTA

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2 4.1 Introdução Moedas e bancos Capítulo IV Estudar a moeda é uma atividade que tem fascinado os homens desde a Antigüidade. Nossa sociedade é inconcebível sem a moeda, pois seu papel informacional e eliminador

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda OPERAÇÕES DE CÂMBIO CÂMBIO Câmbio é toda compra, venda ou troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou papéis que o representem ou vice-versa. No Brasil em decorrência da atual legislação, sempre uma

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 5

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 5 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 5 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. O Estatuto das Pequenas e Médias Empresas... 3 1.1.1. Origem e Evolução das Micro e Pequenas Empresas no Brasil...

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Empréstimos Bancários e seu Enquadramento na Ordem Jurídica Cabo-Verdiana

Empréstimos Bancários e seu Enquadramento na Ordem Jurídica Cabo-Verdiana 8º Encontro de Juristas Bancários de Expressão Oficial Portuguesa Empréstimos Bancários e seu Enquadramento na Ordem Jurídica Cabo-Verdiana Célio Quaresma Afonso Caixa Econômica de Cabo Verde 159 160 8º

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México da Silva Almico, Rita de Cássia Carlos Gabriel

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos.

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. Proc.º n.º C. N. 20/2009 SJC CT ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO PROBLEMA: O helpdesk do Balcão das Heranças e Divórcios com Partilha colocou

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Relações Econômicas Internacionais

Relações Econômicas Internacionais Relações Econômicas Internacionais Baseado no cap. 4 do livro Introdução à Economia: uma abordagem crítica, de Wilson Cano, 1998. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Nas aulas anteriores fizemos algumas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Armando de Melo Servo Constante PUC-SP Na segunda metade do século XIX o tráfico de escravos ruma para o

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) Professor: Eduardo Granha Magalhães Gomes 2 a 4 de fevereiro

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais