O Design Instrucional e suas etapas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Design Instrucional e suas etapas"

Transcrição

1 O Design Instrucional e suas etapas Régis Tractenberg 1. Definição O Design Instrucional, ou DI, é o processo sistemático e reflexivo de traduzir princípios de cognição e aprendizagem para o planejamento de materiais didáticos, atividades, fontes de informação e processos de avaliação (Smith e Ragan, 1999). Essa metodologia se distingue de outras formas de criação de materiais e projetos educacionais pelo seu caráter metódico e cuidadoso aplicado aos processos de análise, planejamento, desenvolvimento e avaliação. Sua prática orienta-se por resultados de pesquisas principalmente nas áreas de Educação, Psicologia e Comunicação. Trata-se de uma abordagem sistêmica, que pondera múltiplos fatores que influenciam a implementação de uma iniciativa de educação ou de treinamento. Mais adiante serão analisados alguns desses fatores. O DI possui quatro propósitos básicos: a) Criar processos e materiais didáticos efetivos, isto é, que atinjam seus objetivos pedagógicos. b) Estes materiais e processos devem ser eficientes e consumir o menor tempo possível. c) Devem ser agradáveis para os aprendizes. d) Precisam ser viáveis em seu custo-benefício. Segundo Smith e Ragan (1999), as vantagens do DI incluem: Situar o foco do processo de ensino-aprendizagem no aluno. Integrar o trabalho de designers instrucionais, designers gráficos, instrutores, gerentes e outros profissionais por meio de um processo de trabalho sistemático. 1

2 Facilitar o desenvolvimento de soluções alternativas às práticas usuais em um determinado campo de ensino. Levar à convergência dos objetivos, atividades e avaliações. O DI pode ser utilizado por qualquer pessoa que precise criar alguma forma de instrução. Sua prática não está restrita aos designers instrucionais, profissionais especializados em todas as etapas dessa metodologia. É essencial também a professores, coordenadores de cursos, gerentes de projetos educacionais, editores, especialistas na produção de mídias, profissionais de RH, dentre outros. 1.1 Aprendizagem, educação, instrução e treinamento Existem muitas definições para o que seja aprendizagem, conforme a filosofia educacional ou a teoria adotada. Em DI a aprendizagem costuma ser definida como o processo pelo qual um organismo muda seu comportamento em função de suas experiências, ou ainda o processo da experiência sendo transformada em conhecimento. São exemplos de aprendizagem: uma criança que toma um choque na tomada e nunca mais coloca seu dedo lá; ou um jovem que viaja pelo mundo, adquire novos conhecimentos e muda sua forma de pensar e agir perante povos de outras culturas. No quadro a seguir, Romiszowski (1999) situa a instrução entre outras formas de aprendizagem: Existem procedimentos e materiais para favorecer a aprendizagem? Existem objetivos de aprendizagem específicos? Sim Não Sim Não Instrução Aulas, cursos, livros, CD-ROMs etc. Projetos Estágios, pesquisas Visitas a museus, teatro, biblioteca etc. Aprendizagem incidental Quadro 1. Uma definição de instrução. Romiszowski,

3 Por educação entendem-se todas as experiências criadas para que as pessoas aprendam. Isso inclui a instrução, e as formas de aprendizagem em que não há objetivos claros e predefinidos. Quando existem objetivos predefinidos e um método para alcançá-los, chamamos isso de instrução, que toma a forma de cursos e materiais didáticos em geral. O termo instrução não é sinônimo de treinamento. A instrução pode ter finalidades acadêmicas ou de capacitação profissional e adotar abordagens didáticas as mais diversas. As outras formas de aprendizagem também têm valor: estágios ou visitas a ambientes educativos ampliam a cultura e favorecem a aprendizagem diversificada, que dificilmente poderia se dar em contextos estruturados. A aprendizagem incidental (ou informal como tem sido chamada atualmente), por sua vez, representa o modo pelo qual desenvolvemos novos conhecimentos em boa parte da vida, isto é, sem qualquer planejamento ou intenção educativa, fora de contextos especiais e sem materiais didáticos. Todos os tipos de aprendizagem são importantes e precisam estar presentes na vida de uma pessoa. Instrução é apenas uma categoria voltada a iniciativas focalizadas em objetivos bem definidos, que seriam alcançados de modo mais difícil ou mais lento por meios não formais. 1.2 Níveis do planejamento educacional A instrução encontra-se no plano mais elementar do planejamento educacional e diz respeito aos materiais didáticos (livros, apostilas, vídeos, tutoriais digitais), e às atividades educacionais (palestras, aulas, cursos, módulos online etc.). Os métodos do design instrucional podem ser aplicados também a propostas curriculares no mapeamento de objetivos de aprendizagem amplos. O quadro a seguir mostra a hierarquia entre os diferentes níveis do planejamento educacional: 3

4 Nível de planejamento Exemplo Social Organizacional Leis de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira; Parâmetros Curriculares Nacionais. Filosofia educacional de base construtivista, adotada no Colégio X. Curricular Currículo do Colégio X para os alunos do ensino médio / currículo de Física para o ensino médio. Instrucional Livro didático ou aula de Física em que o professor leva seus aprendizes a inferir as leis da termodinâmica. Neste curso, o TPDI, manteremos nosso foco de estudos no nível do planejamento instrucional e usaremos a definição de Gellevij (2001): Instrução é conseguir, por meio de um método, que um aprendiz, dentro de um sistema e sob certas condições, alcance um objetivo de aprendizagem pré-definido. Tal definição reflete as etapas que estudaremos a seguir. 2. Etapas do Design Instrucional O trabalho de um designer instrucional consiste em responder a três grandes perguntas: Aonde vamos? (os objetivos da instrução) Como chegaremos lá? (as estratégias e as mídias instrucionais) Como saberemos quando chegarmos? (a avaliação) 4

5 Existem muitos modelos que representam as etapas do processo de DI. O modelo ADDIE é bem simples e um dos mais utilizados. Sua sigla significa: Analize (analisar) Design (planejar) Develop (desenvolver) Implement (implementar) Evaluate (avaliar) 2.1 Analisar A fase de análise corresponde ao exame e à descrição do problema instrucional a ser solucionado. A expressão problema instrucional refere-se a uma diferença entre o desempenho atual e o desempenho desejado para um determinado público-alvo. Esse desempenho pode ser acadêmico ou profissional. É muito importante para um designer instrucional saber que o desempenho insatisfatório nem sempre se deve à falta de competências. Diversos outros fatores influenciam o desempenho humano, tais como: baixa motivação, equipamentos de trabalho inadequados ou processos de trabalho ineficientes e mal definidos. É um erro comum das organizações criar cursos ou materiais didáticos na expectativa de resolver problemas que não podem ser completamente atendidos por iniciativas de educação ou treinamento. Em muitos casos, a solução exige ações integradas de treinamento e comunicação, além de mudanças em práticas organizacionais. Quando a falta de conhecimento ou de competências é um elemento real e precisa ser atendido para o aprimoramento do desempenho, seja este profissional ou acadêmico, então isso é o que se chama de problema instrucional. 5

6 Para resumir O designer instrucional precisa compreender os problemas com que se depara e diferenciar os aspectos organizacionais e administrativos dos aspectos instrucionais. Um exemplo: O Colégio X caiu 23 posições na classificação geral do vestibular e a diretoria deseja melhorar esta situação. Após cuidadoso diagnóstico, um consultor experiente em DI identificou o seguinte: Problemas organizacionais: a) os professores estão insatisfeitos com seus salários e não se dedicam o suficiente; b) a coordenadora educacional não ouve as sugestões dos professores para melhorar o ensino no colégio; e c) os alunos, por modismo e falta de conhecimento, concentraram suas inscrições nos cursos universitários mais populares e disputados. Problemas instrucionais: a) após a saída de dois bons professores de Matemática e Física a qualidade do ensino nessas duas disciplinas se tornou deficiente. Análise Combinatória e Termodinâmica foram os assuntos que revelaram maior queda de desempenho perante as provas de vestibulares anteriores; b) os alunos também mostram pouco interesse nos estudos, pois não compreendem como tudo poderá lhes ser útil algum dia. Considere o exemplo acima. Adiantaria mudar apenas os livros didáticos ou contratar novos professores? Provavelmente não. Uma solução com chances de sucesso precisaria atender a vários elementos: um designer instrucional poderia propor mudanças na didática de Matemática e Física; um psicólogo poderia orientar melhor os alunos, permitindo-lhes dar mais sentido aos estudos; finalmente a escola poderia estudar formas de aumentar os salários e encaminhar as propostas de melhoria no currículo para atender, assim, às expectativas de seus professores. Mesmo quando existe de fato um problema que pode ser atendido por meio de instrução, é preciso que esta seja bem planejada. Outro erro comum é a implementação de medidas 6

7 desproporcionais ou inadequadas ao problema. Por exemplo: um curso online com 200 telas animadas, que só podem ser acessadas diante do computador, pode ser uma solução pior que um guia impresso de consulta rápida acessível durante o trabalho. Por esse motivo é necessário analisar fatores como o contexto, as características dos aprendizes e os objetivos de aprendizagem, no intuito de fundamentar decisões a respeito de uma solução viável e com boas chances de sucesso. Uma vez definidos os problemas organizacionais e identificados os problemas instrucionais procedemos com: A análise do contexto de aprendizagem que inclui fatores como a infraestrutura tecnológica, verbas disponíveis, elementos restritivos, prazos, políticas organizacionais, cultura local etc.; A análise do público-alvo que verifica as características cognitivas dos aprendizes, seu conhecimento prévio e competências relacionadas ao assunto em questão, características sociais e motivacionais etc.; A análise dos objetivos de aprendizagem que decompõe objetivos gerais em objetivos específicos e subobjetivos, para permitir que sejam identificados os tipos de aprendizagem necessários para se criar uma solução instrucional completa sem lacunas nem excessos no conteúdo. São perguntas-chave do DI na fase de análise: Levantamento de necessidades: qual é o problema? Análise do contexto: quais as condições? Análise do público-alvo: quem são os aprendizes? Análise dos objetivos: o que os aprendizes devem se tornar capazes de fazer? 2.2 Planejar Na etapa de planejamento, determinam-se as estratégias que serão aplicadas para atender ao problema instrucional, a fim de estimular as aprendizagens identificadas como necessárias. 7

8 Nessa fase selecionam-se os mediadores (professores, tutores etc.), as mídias e as tecnologias que melhor atendem à instrução em seu contexto. No planejamento, selecionam-se ainda os métodos de ensino/aprendizagem como: presencial ou a distância, supletivo (dar informação) ou generativo (propor desafios), em grupos ou individualizado, estratégias motivacionais etc. O conteúdo é sequenciado em disciplinas, unidades, lições e atividades. As fases de análise e planejamento da solução costumam ser sistematizadas em um documento chamado projeto instrucional. Além dos aspectos educacionais, a criação de materiais didáticos ou a implementação de programas de educação ou treinamento significa bastante trabalho. Iniciativas de grande envergadura exigem projetos gerenciais que tratam de questões como o cronograma de tarefas a cumprir, a composição da equipe de desenvolvimento, orçamento, riscos etc. Com frequência o designer instrucional desempenha o papel de gerente de projeto devido à sua formação abrangente e visão de conjunto sobre o propósito geral da instrução. São perguntas-chave do DI nesta fase: Que tipos de habilidades e conhecimentos se pretende ensinar? Quais são as estratégias mais adequadas para promover os diferentes tipos de aprendizagem? Como motivar os aprendizes? Quais são as mídias e as metodologias mais adequadas? Devem ser usadas abordagens generativas e/ou supletivas? Como deve ser sequenciada a instrução? Como os aprendizes serão agrupados? 8

9 2.3 Desenvolver Na fase de desenvolvimento, os materiais instrucionais e as atividades de aprendizagem são criados. Conforme o caso, será necessário capacitar professores, comprar equipamentos ou recursos didáticos que existam no mercado. É comum fazer protótipos ou rascunhos dos produtos para fins de testes. Diversos modelos de DI enfatizam a necessidade da avaliação formativa, isto é, a avaliação dos materiais e dos métodos instrucionais ao longo de todas as etapas do desenvolvimento. Existem quatro métodos básicos para a avaliação formativa: a revisão do planejamento, a validação pelos futuros alunos, a validação por especialistas e a avaliação contínua após a implementação (Smith e Ragan, 1999). São perguntas-chave do DI nesta fase: Os produtos em desenvolvimento estão de acordo com o plano instrucional? Como podem ser melhorados antes de sua implementação? 2.4 Implementar Em seguida, a instrução é oferecida (promovida, realizada) aos aprendizes conforme definido no plano instrucional. Com a finalidade de fazer ajustes e correções, é comum oferecer a instrução a um grupo-piloto antes de aplicá-la em grande escala. É pergunta-chave do DI nesta fase: A instrução está sendo implementada corretamente? 2.5 Avaliar Por fim, os resultados da instrução são analisados em sua efetividade em face dos objetivos propostos inicialmente. Isso se chama avaliação somativa. Com tais resultados, os processos e os materiais didáticos podem ser revisados e melhorados. 9

10 São perguntas-chave do DI nesta fase: Qual a efetividade dos resultados de aprendizagem? Como melhorar processos e materiais didáticos para as próximas implementações? Referências: Gellevij. M. (2001). Disciplina Principles of learning and instructional design Universidade de Twente, (não publicado). Romiszowski, A.J. (1999). Designing Instructional Systems: Decision making in course planning and curriculum design. London: Kogan Page. Smith, P.L., & Ragan, T.J. (1999). Instructional design. (2nd ed.). Toronto: John Wiley & Sons. 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 1 DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 Karine Xavier Freire Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal karine.xavier@gmail.com Categoria

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Educação Continuada em Enfermagem

Educação Continuada em Enfermagem Administração em Enfermagem II Departamento de Orientação Profissional Educação Continuada em Enfermagem VERA LUCIA MIRA GONÇALVES SUJEITO Organização Objetivos Expectativas Indivíduo Modernização das

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

07 PASSOS DO DESIGN INSTRUCIONAL CORPORATIVO

07 PASSOS DO DESIGN INSTRUCIONAL CORPORATIVO 07 PASSOS DO DESIGN INSTRUCIONAL CORPORATIVO Por que falar sobre Design Instrucional no Ambiente Corporativo? E quais são os 7 passos? 1º Passo: FUNDAMENTOS: Teorias e conhecimentos no qual a solução será

Leia mais

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ARTE-EDUCAÇÃO 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA 1 A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA Salvador- BA - maio 2012 Categoria: F Setor Educacional: 5 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: E / Meso: J / Micro:

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br Educação O povo feliz é o povo que mais se preocupa com a educação de seus filhos, seja na educação intelectual seja na educação dos sentimentos. Umpovoinstruídoamaotrabalhoesabecomocrescercomele. Ao nascer,

Leia mais

GUIA DO PROGRAMA INTEL EDUCAR

GUIA DO PROGRAMA INTEL EDUCAR GUIA DO PROGRAMA INTEL EDUCAR ÍNDICE O que é o Programa Intel Educar...3 Fundamentos Básicos......4 Fórum de Liderança......9 Série Elementos...15 Aprendizagem Baseada em Projetos......17 Avaliação na

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇÃO DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO O INTERCÂMBIO DE CURSOS ENTRE O TRT8 E O INTERLEGIS RODOPIANO NETO Assessor de Planejamento e Gestão OBJETIVOS 1. Orientar

Leia mais

Juliana Martins Curriculum Vitae

Juliana Martins Curriculum Vitae Juliana Martins Curriculum Vitae Dados Sou Psicóloga (Clinica Organizacional Vocacional/Profissional Esportiva e Conectada) + Coach Oficial dos Coachs no Brasil e Cursos de Coachs Designer Instrucional

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

GUIA DO PARTICIPANTE

GUIA DO PARTICIPANTE Curso Aprofundamento para INSPAC Submódulo Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Orientações Gerais GUIA DO PARTICIPANTE A Gerência Técnica de Capacitação - GTCA da Superintendência de Gestão de Pessoas

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

Ademanda crescente de formação continuada voltada para novos contextos de

Ademanda crescente de formação continuada voltada para novos contextos de Novas tecnologias da informação e comunicação no contexto da formação continuada à distância Juliane Corrêa Marçal 1 Aborda a economia informacional, as mudanças organizacionais e a demanda de novos perfis

Leia mais

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento)

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento) UM RELATO SOBRE A TRANSIÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO PRESENCIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS - ÓTICA DO DESIGNER INSTRUCIONAL 05/2008 Danielli Veiga Carneiro; Msc.

Leia mais

Apresentação. A Equipe do Semipresencial coloca-se à disposição para quaisquer informações adicionais através dos seguintes contatos:

Apresentação. A Equipe do Semipresencial coloca-se à disposição para quaisquer informações adicionais através dos seguintes contatos: Apresentação Este Manual de Orientações Gerais foi concebido com a intenção de fornecer todas as informações de que você precisa para cursar disciplinas na modalidade semi-presencial. Acompanhando as inovações

Leia mais

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR GESTÃO POR COMPETÊNCIAS http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR COMPETÊNCIA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS Competências individuais Competências organizacionais 1 Competências

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO. 24 de outubro de 2010. Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará ------/UFPA

ESCOLA DE APLICAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO. 24 de outubro de 2010. Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará ------/UFPA Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará Concurso Público para a Carreira do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico ESCOLA DE APLICAÇÃO ------/UFPA 24 de outubro de 2010 INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS Ana Patrícia de Souza; Keila Gomes Tavares; Graciene Matos Lopes; Denilson Diniz Pereira Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA EMENTAS A) Eventos de Capacitação do Ambiente Administrativo Aquisição de materiais e serviços Identificar métodos de aquisição de materiais e serviços, utilizando as ferramentas disponíveis no SIPAC.

Leia mais

Cursos de Língua Inglesa T&HMS

Cursos de Língua Inglesa T&HMS Cursos de Língua Inglesa T&HMS Acreditamos que a educação é essencial para o desenvolvimento das nações. Trabalhamos em conjunto com os alunos para contribuir para o desenvolvimento de líderes empresariais

Leia mais

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Projeto Básico (pdf) A Gerência de Sistemas GESIS, da Gerência Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação- GGCON, tem como objetivo Implantar

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

EaD = O futuro é agora!

EaD = O futuro é agora! Objetivos EaD = O futuro é agora! Apresentar e discutir os princípios fundamentais da EaD; Mostrar a evolução desta tecnologia no Brasil; Apresentar a proposta de EaD para os Formadores do Saber. Prof.

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 7 de 14 de janeiro de 2009, publicada no DOU em 26 de janeiro de 2009. Diretor da Faculdade: Fabiano Battisti Archer Coordenador

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS Santos SP - Maio/ 2010 Marta Fernandes Garcia Secretaria de Educação Prefeitura

Leia mais

MUITO AQUÉM do que expressa o referencial mínimo de qualidade. 2 Quando os indicadores da dimensão avaliada configuram um quadro

MUITO AQUÉM do que expressa o referencial mínimo de qualidade. 2 Quando os indicadores da dimensão avaliada configuram um quadro 1 O INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO, aprovado pelo INEP em 2008 e utilizado no processo de avaliação dos Cursos, presenciais e EaD, instituiu o Referencial Mínimo de Qualidade para cada

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Que as novas tecnologias de

Que as novas tecnologias de Resenha A teoria e a prática de EAD GIUSTA, Agnela da Silva; FRANCO, Iara Melo (orgs.). Educação a Distância: uma articulação entre a teoria e a prática Paulo Roberto Salles Garcia Mestre em Comunicação

Leia mais

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Dicas fundamentais para você decidir pelo curso ideal para a sua qualificação profissional 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> A importância da

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE 2010 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA:

Leia mais

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão 2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas. Prof. Augusto Gaspar

Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas. Prof. Augusto Gaspar Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas Prof. Augusto Gaspar Aspectos Humanos - Tendências Singularidade e Hiperconectividade Fevereiro 2011 Junho

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO FÍSICA: ANALISE DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Autor: Marcus Vinicius Candido de

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETO Gerenciamento de Projetos GP é o caminho para atingir

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto serão coordenados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY Daiyane Akemi Morimoto- Graduanda em Pedagogia- Unisalesiano de Linsday_akemi@hotmail,com

Leia mais

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Decreto n 5.707/2006 Marco Legal Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 Instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Minicurso: Utilizando Visual Basic no Desenvolvimento de Software Educacional

Minicurso: Utilizando Visual Basic no Desenvolvimento de Software Educacional Minicurso: Utilizando Visual Basic no Desenvolvimento de Software Educacional Odette Mestrinho Passos odette@ufam.edu.br Rene Ferreira La Spina Dourado dourado.spina@gmail.com OBJETIVO Colocar em forma

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES O Programa de Certificação de Formadores busca capacitar profissionais da área da educação como formadores de professores e gestores educacionais. Com esta certificação, os formadores poderão oferecer

Leia mais

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM Nicélio José Gesser Universidade Federal de Santa Catarina niceliogesser@gmail.com Sonia Palomino Bean Universidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS DISCIPLINAS LABORATORIAIS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS DISCIPLINAS LABORATORIAIS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS DISCIPLINAS LABORATORIAIS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO Fernanda Tavares Pacheco Psicóloga. Especialista em Docência Universitária/ Mestranda em Educação. Assistente

Leia mais

Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA

Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA ÍNDICE Leitura e Interpretação de Textos...2 Didática I...2 Psicologia da Educação...2 História da Educação...2 Conteúdo e Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa...3

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ariana Aparecida Soares Leonel 1 Ana Paula Ferreira 2 Natália Pereira Inêz 3 Frank José Silvera Miranda 4 RESUMO

Leia mais

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL Resumo Regiane Laura Loureiro 1 - UFPR Verônica Branco 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS. Decanato de Gestão de Pessoas Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação Coordenadoria de Capacitação

CATÁLOGO DE CURSOS. Decanato de Gestão de Pessoas Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação Coordenadoria de Capacitação (Foto: UnB Agência) CATÁLOGO DE CURSOS Aula de Libras (Foto: UnB Agência) Biblioteca Central (Foto: UnB Agência) 2016 A (Procap) vinculada à Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação (Dcade)

Leia mais

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA PLANO DE AULA É... Um guia e tem a função de orientar a prática do professor, partindo da própria prática e, portanto, não pode ser um documento rígido e absoluto. Ele é

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ São Paulo SP 05/2015 Tatiana Barbosa da Silva Hospital Alemão Oswaldo

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Florianópolis SC Maio 2014 Andreza Regina Lopes da Silva - Universidade Federal de Santa Catarina/Pósgraduação em Engenharia e

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PUC MINAS VIRTUAL 1. PERFIL DO CURSO Tratase de um Curso desenvolvido na modalidade à distância, condição que possibilita ao aluno realizar os estudos em local

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit

A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit Brasília/DF, maio/2012 Categoria: B- Conteúdos e Habilidades Setor Educacional: 5- Educação Continuada em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 24/2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia, na

Leia mais

Aula 08 Programas de Treinamento

Aula 08 Programas de Treinamento Aula 08 Programas de Treinamento Objetivos da aula: Conhecer os programas de desenvolvimento e métodos de treinamento utilizados nas empresas como sua política e prática de Recursos Humanos. Compreender

Leia mais

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com. O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br Educação e Desenho Universal FATO: NA ESCOLA SOMOS TODOS

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR ADMINISTRATIVO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais