Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa"

Transcrição

1 Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014

2 Introdução: Este material foi desenvolvido com o intuito de mostrar aos profissionais responsáveis pela Gestão e Melhoria dos Processos Organizacionais uma abordagem prática e eficiente de como utilizar a metodologia de Mapeamento de Processos para visualizar um mapa das atividades desenvolvidas. Será interessante somente para empresas e profissionais que buscam essa abordagem e compreendem a necessidade de monitorar e gerir todos os procedimentos da empresa. A leitura deste material é direcionada à profissionais internos (Gestores, Qualidade, Processos) e externos (Consultores) das empresas no exato sentido de, Identificar os processos da organização em todas as áreas e todos os âmbitos e Definir tais processos para assegurar as diretrizes da empresa e a credibilidade da efetivação das operações, direcionando cada executor dos processos à concluir suas tarefas como exige a empresa e colaborando com o Gestor à monitorar essas tarefas.

3 Sumário Parte 1: 1. Como você monitora as atividades do seu funcionário? Melhoria x Remendo Porque devo definir os processos da minha empresa? Como seu cliente enxerga os processos da sua empresa Como você enxerga os processos da sua empresa?... 9 Parte 2: 6. Identificação dos processos Definição dos processos Equipe Interna x Equipe externa Responsabilidades...17

4 1. Como você monitora as atividades do seu funcionário? Quem deve deter e manter as informações é a empresa, nenhuma informação, regra ou modelo de negócio deve ficar na mente e, principalmente, na mão de algum funcionário ou Gestor, caso contrário, a empresa fica na mão deste funcionário, e pode ter certeza, as consequências não são boas. Toda empresa, de qualquer porte ou setor, tem um perfil mercadológico, traduzido pela cultura organizacional. Através deste perfil e das melhores práticas do mercado é que se define as regras internas e o modelo de Gestão proporcionando uma administração efetiva e lucrativa. Cabe ao Gestor, em qualquer nível hierárquico, controlar as atividades dos seus subordinados e suas tarefas, para que, no final o produto ou serviço seja entregue de forma satisfatória ao cliente. Não quero saber como é feito, só quero ver pronto. Esse é um conceito aplicado de forma equivocada por alguns Gestores, que só se preocupam com a eficácia (resultado final) do processo e não se atentam à eficiência (processos), não sabendo exatamente o que acontece sobre sua Gestão, não mantendo controle sobre os custos e os riscos da operações. Nesse modelo de Gestão, quando ocorre problemas, fica difícil identificar a raiz destes problemas, pelo fato de não haver um acompanhamento efetivo sobre todas as atividades e, principalmente, não haver ferramentas de mensuração das atividades que compõem o processo de ponta-a-ponta. O funcionário deve seguir exatamente as regras e procedimentos aplicados pela alta administração, sendo possível, pelo Gestor em qualquer nível hierárquico, controlar e mensurar as atividades do dia-a-dia, monitorando os processos, identificando e evitando problemas que comprometam os objetivos e metas da empresa. 4

5 2. Melhoria x Remendo Não só as exigências do mercado, mas as necessidades da própria empresa obrigam Gestores e funcionários a identificar nos processos, o que pode e deve ser melhorado no dia-a-dia das operações. Entende-se por melhorias, as ações que correspondam às melhores práticas ou à correção dos problemas detectados, seja por Indicadores de desempenho ou por análise dos profissionais envolvidos. Uma melhoria é efetiva quando modifica e otimiza a entrega do produto ou serviço ao cliente e quando traz benefícios à empresa no âmbito de custos, receita, controle, riscos, prazos, estratégias, trabalhistas, entre outras. Esta análise e constatação dos problemas pode ser realizada por Gestores, Funcionários e Consultores externos, desde que, a empresa, proporcione meios de mensuração e Gestão dos processos administrativos e operacionais. Apesar da análise e constatação dos problemas encontrados ser realizada por qualquer membro da equipe, a aprovação deve ser somente realizada pelo Gestor responsável. Esta visão deve ser encorajada, para que a empresa possa usar todos os seus recursos em prol de melhores condições de trabalho e de atingimento das metas, seja departamental ou corporativa. A proposta deve ser, efetivamente, de melhorias e não somente modificações por necessidades individuais ou fatos que não agregarão valor à operação e devem ser, principalmente, corretivas ou preventivas, não sendo viáveis ações temporárias que somente remendam o processo e depois os problemas voltam à acontecer ou até pioram a situação. 5

6 3. Porque devo definir os processos da minha empresa? O Mapeamento de Processos não possui um fim em si mesmo, ou seja, não se Identifica e define os processos simplesmente por fazer ou para manter um livro de todos os processos desenhados para apresentação. Dentro da finalidade do Mapeamento de Processos, podemos definir: Gerenciar (definir estratégias e metas) Padronizar Documentar Obter certificações Adequação do ERP Automação Como foi citado, a análise e a melhoria dos processos está diretamente ligada às estratégias e as metas da empresa, seja de curto, médio ou longo prazo, seja departamental ou corporativa, definindo as melhores soluções para os problemas, obtendo melhores condições operacionais, reduzindo custos e mitigando riscos e, desta forma, aumentando a lucratividade dos negócios. Uma meta pode ser corporativa, como aumento das vendas, ou departamental, como redução de horas extras. O Mapeamento de Processos vai definir um Plano de Melhorias eficaz para atingir essas metas. As estratégias só funcionam com eficiência se a empresa tiver padrão. A Padronização dos processos gera uma plataforma Gerencial e Operacional, disponibilizando ao Gestor um mapa de todas as atividades da empresa, podendo este, visualizar os negócios sobre sua responsabilidade e gerir sua equipe monitorando todos os passos da execução dos processos, identificando problemas na raiz e otimizando os resultados. 6

7 Com a Padronização é possível documentar tais processos, definindo um mapa de todos os procedimentos corporativos, onde cada funcionário deve seguir e cumprir as normas e políticas declaradas pela alta administração sobre esses procedimentos. Outra grande vantagem da documentação dos processos é o treinamento para novos funcionários, quando estes entram na empresa, os procedimentos padronizados torna o aprendizado sobre suas funções mais dinâmico e eficiente. Para uma empresa obter uma certificação em sua área de atuação ou certificações ISO, deve-se mapear e padronizar os processos e esta padronização será auditada pelo tempo determinado pela empresa certificadora. Outro aspecto funcional do Mapeamento de Processos é a adequação do ERP às atividades da empresa. É o ERP que tem que se adequar ao sistema da empresa e não a empresa se adaptar ao sistema de ERP. Atualmente, o monitoramento dos processos e dos procedimentos se tornou prioridade na Gestão das empresas focadas em Resultado. Para facilitar esse monitoramento e obter resultados positivos, muitas organizações estão adotando a Automação dos Processos como ferramenta, desta forma, permite-se aos Gestores de departamentos e à alta administração acompanhar as operações da empresa de modo a obter melhorias com os recursos disponíveis. A rotina diária de trabalho mistura: Problemas, Anomalias, Metas e Estratégias O Mapeamento e a Padronização dos Processos possibilita definir quem é quem e direciona cada item para a sua devida tratativa. 7

8 4. Como seu cliente enxerga os processos da sua empresa Já tentou olhar o seu produto ou serviço pela perspectiva do seu cliente? Com certeza, o cliente quer receber o produto ou o serviço pronto e com todos os benefícios que ele almeja, com toda a Qualidade que ele espera. O seu cliente não está preocupado com o custo de fabricação, de como sua empresa produz, de todos os trâmites legais e burocráticos que tem que ser realizados para que ele compre e se sinta satisfeito com isso. O que o cliente enxerga Para uma empresa obter Lucro, ela precisa vender. E a venda depende, diretamente, da necessidade do cliente até a compra que melhor atinja a satisfação desse cliente, ou seja, o produto ou serviço que atenda a expectativa do cliente. 8

9 5. Como você enxerga os processos da sua empresa? Para atender a necessidade do cliente, a empresa disponibiliza muitos recursos inerentes à produção. Apesar de, como declarado, o cliente enxergar e se interessar apenas pelo produto ou serviço finalizado, há um longo caminho percorrido pela organização para obtê-lo. Para o produto ou serviço chegar ao cliente de forma satisfatória, todas as etapas do processo devem ser concluídas de forma eficiente e eficaz, com a participação efetiva de todos, desde a alta administração até os colaboradores, passando por todas as áreas. O que você enxerga O exemplo do guarda-roupa citado é uma analogia pertinente para descrever as diferenças de visões, cliente e empresa. O cliente somente é atendido, dentro de suas perspectivas, se a Gestão da empresa valorizar e focar no resultado de cada etapa, seja administrativa ou operacional, monitorando as atividades, analisando através de indicadores, corrigindo falhas e melhorando os processos diariamente. Não existe processo mais ou menos importante, todos devem ser, dentro do Mapeamento, Diagnosticados, Analisados e Padronizados. 9

10 6. Identificação dos processos Com a leitura realizada até aqui, foi possível notar a necessidade e as vantagens competitivas das empresas que utilizam a Gestão por Processos para definir suas estratégias e atingir suas metas. Para Identificar os processos da sua empresa é necessário conhecer alguns conceitos para visualizar o que é necessário definir: O que são Processos: Processo é uma sequencia de atividades relacionadas dentro do mesmo contexto, a fim de, produzir um resultado para o próximo processo e/ou para a atividade fim da empresa. O processo implica na entrada de um recurso para que ocorram todas as atividades e análises na obtenção de um resultado, ou seja, outros recursos. Para melhor visualização e desenho do fluxograma, podemos definir: Macro Processo, Processo e Sub processo. Macro Processo: são os departamentos ou áreas da empresa, exemplo: Financeiro, R.H., Vendas, Expedição, Contábil, Produção, etc. Processo: é o Processo que está sendo apresentado no fluxograma. Sub Processo: São os Processos que sequenciam o Processo apresentado podendo ser do mesmo ou de outro departamento. Nesta metodologia, o termo Sub processo é utilizado somente para apontar o fim de um Processo e onde ele sequencia. O que são Atividades: As atividades são executadas por uma pessoa ou máquina, todas com seus motivos (porque), locais (onde), cronograma (quando) e procedimentos (como) e são partes dos processos. As análises são realizadas em documentos ou monitoramentos dentro das atividades, podendo ser uma atividade ou até tornar-se um processo. 10

11 Os Processos, no seu estado atual, tecnicamente são chamados de AS IS, são desenhados exatamente como são executados e demonstram, minuciosamente, como a empresa está trabalhando. É necessário utilizar um software de desenhos de processos para montar o fluxograma e visualizar todas as etapas executadas. (Pesquise no Google e encontrará vários softwares). O fluxograma relata as atividades executadas dentro de cada processo, passo-apasso, demonstrando todas as entradas de recursos, todas as ações tomadas para o desenvolvimento deste processo e o resultado final. Neste momento (As Is), o desenho do processo tem o propósito de ser diagnosticado e analisado para a elaboração do Plano de Melhorias. E como identificar os processos da empresa? Todas as atividades desenvolvidas pela empresa, em qualquer setor, colaboram com o produto final, por isso, todos os processos devem ser diagnosticados e analisados. Primeiramente, entenda o organograma da empresa para visualizar onde e como estão distribuídos os recursos disponíveis. Dentro destes recursos, podemos dividir os processos em Administrativos e Operacionais: Administrativo: São os processos de retaguarda, ou seja, as atividades que dão suporte às operações, realizando os trâmites burocráticos. Toda empresa, independente da atividade fim, necessita de um suporte eficiente. Exemplos: Folha de pagamento, Solicitação de materiais, Arquivo, etc. Operacional: São os processos relacionados à atividade fim da empresa. As operações que, independente de serviços ou indústria, realizam o produto que será entregue ao cliente. Exemplos: Atendimento ao cliente (serviço), Pintura da peça (indústria), etc. 11

12 O método mais utilizado para identificar os processos é através de entrevistas presenciais com os executores (funcionários). Tudo o que o executor do processo declarar deve ser anotado: como é feito, onde é feito, de onde vem os recursos que iniciam o processo, o que é feito com o resultado do processo, os problemas encontrados, os erros cometidos, os documentos e sistemas utilizados. Cada funcionário realiza vários processos e um processo pode ser realizado por mais de um funcionário. A primeira pergunta numa entrevista é: Quais processos você executa? O funcionário/executor vai declarar tudo o que ele faz durante o dia-a-dia de trabalho, como: Pagamento à fornecedores; Cadastro de novos fornecedores; Adiantamento de numerário à vendedores; Lançamento de nota fiscal Etc Todo processo vai iniciar como resultado de algum outro processo (sub processo) que pode ser do mesmo executor ou de outro, no mesmo ou outro departamento ou até de terceiros. Todo processo finaliza fornecendo recursos para subsidiar outro(s) processo(s) (sub processo), sendo este, no mesmo ou outro departamento ou o produto final. Após saber todos os processos e suas finalidades, o executor irá declarar como ele realiza cada processo para que se possa desenhar o fluxograma e analisa-los, direcionando as melhorias e estratégias da empresa. Organograma 12

13 E como desenhar o fluxograma dos processos? Diante do executor do processo, peça que relate passo-a-passo como este realiza os procedimentos. Tudo o que for relatado deve ser anotado para transpor para o fluxograma. Todo processo possui um título. Vamos usar como exemplo: Pagamento à fornecedores. O processo Pagamento à fornecedores declarado possui várias atividades que fazem-no movimentar as operações da empresa. Ele se inicia com o resultado de algum sub processo e termina fornecendo recursos para outro sub processo, no caso Lançamento de N.F. do depto Contabilidade Exemplo: Atividades do processo Pagamento à Fornecedores: Recebe a nota fiscal Confere se o preenchimento está correto Registra a nota no sistema Solicita a transferência bancária ao fornecedor Envia uma cópia da nota fiscal para a contabilidade Macro Processo Financeiro Processo Pagto à fornecedores Atividades Recebe a nota fiscal Confere se o preenchimento está correto Registra a nota no sistema Solicita transferência bancária ao fornecedor Envia uma cópia da nota fiscal para a contabilidade 1 Macro Processo Contabilidade Sub Processo Lançamento de N.F. 1 Sub Processos são os Processos que sequenciam o Processo apresentado podendo ser do mesmo ou de outro departamento, não sendo menos importante. No âmbito geral todos os Processos são importantes. 13

14 Após finalizar a entrevista e as considerações realizadas sobre o processo, usa-se o software para desenhar o processo utilizando a notação BPM. Os Processos são executados para cumprir as funções da empresa, numa sequência lógica, considerando prazo, custo, risco e tudo que é inerente para que a operação desenvolva às necessidades da empresa, atendendo e satisfazendo os clientes, geradores de receita e lucro. Neste sentido, os processos são considerados de ponta-a-ponta, onde todos os processos, independente do departamento e do executor, geram uma sequência de atividades correlacionadas formando o índice de todos os procedimentos organizacionais, incluindo suas políticas e normas, obrigações legais, controles internos, estratégias e metas. 7. Definição dos Processos É necessário definir o que realmente é Processo antes de desenhar o fluxograma, pois é um conceito confuso para os funcionários/executores dos mesmos. Durante a entrevista com os executores, tende-se a declarar tudo o que é realizado, por uma necessidade de expor uma quantidade grande de trabalho ou por considerar cada atividade como processo. Exemplos: Alguns processos declarados pelo executor 1. Emissão de nota fiscal; 2. Adiantamento de numerário à supervisores; 3. Agendamento de pagamento à fornecedores; 4. Pagamento à fornecedores; 5. Apoio à Gerência; 6. Arquivo de documentos. 14

15 Conforme exemplo, durante a entrevista foram anotados 6 (seis) processos e fazendo uma análise mais minuciosa, conclui-se: - Agendamento de pagamento à fornecedores: é uma atividade do processo Pagamento à Fornecedores, mesmo que, executado em tempos distintos, é a sequencia deste processo. - O citado processo: Apoio à Gerência é uma atividade esporádica e genérica, não tendo uma sequencia lógica para configurar um processo. - Arquivo de documentos também são atividades que podem ocorrer ao final de qualquer processo que são executados com documentos oficiais. Conclui-se, portanto, que dentre os seis Processos apontados pelo executor, somente 3 (três) serão desenhados, ou seja, configuram-se como Processos. Deve-se, exatamente, distinguir as atividades. Tudo o que for executado faz parte dos trabalhos, sendo assim, todas as atividades compõem, em algum momento, algum Processo. Toda atividade, análise, documento, registro devem compor os processos e devem estar descritos no fluxograma e, através do fluxo, ocorrerá as análises para correções e melhorias. Após a análise dos Processos (As Is) redesenha-se esses processos incorporando as melhorias e mudanças necessárias conforme a necessidade da empresa, tecnicamente chamado de Processos To Be. Um processo definido corretamente, determina exatamente, o que ocorre com as atividades da empresa e o que cada funcionário executa. Este trabalho, quando realizado profissionalmente, direciona os Gestores da empresa para definir estratégias e tomar decisões. Diagnóstico dos Processos As Is Mudanças e Melhorias Padronização dos Processos To Be 15

16 8. Equipe Interna x Equipe externa A alta Direção pode definir, conforme suas necessidades e possibilidades, uma equipe interna ou externa (consultores terceirizados) para realizar esse tipo de trabalho. Para chegar a uma conclusão sobre a melhor opção à adotar, alguns critérios devem ser analisados: Custo da operação; Vínculos pessoais; Know How do profissional responsável; Imparcialidade das análises; Resultado desejado Dentre os critérios citados e/ou os extraídos pela alta Administração da empresa, deve-se avaliar com cautela qual a melhor opção, pois se trata de um investimento que causará um impacto organizacional, e este impacto deve ser o mais positivo possível para os Gestores e funcionários, pois trarão conhecimento e melhorias para dentro da empresa, melhorando sua atuação no mercado, aumentando lucros, reduzindo custos, mitigando riscos, deixando-a mais competitiva e preparada para situações indesejadas. 16

17 9. Responsabilidades O resultado desejado somente é alcançado com o envolvimento de todos na empresa, desde a alta Administração à todos os níveis de funcionários. O comprometimento da Direção é o primeiro passo para o sucesso dos trabalhos à serem executados e o principal é comunicar à todos sobre o novo conceito que a empresa está incutindo no seu dia-a-dia. A colaboração geral se faz necessária em todas as etapas para que os trabalhos sejam conduzidos de forma à contribuir com a melhoria da rotina e do produto ou serviço final disponibilizado pela empresa ao cliente. Definir Multiplicadores como responsáveis pela comunicação das mudanças torna o processo mais efetivo e dinâmico, auferindo resultados satisfatórios e desejados. É essencial o cumprimento dos prazos, rigorosamente como combinados, vinculando cada etapa e seus resultados com a data prevista para execução. Agradecemos a leitura. Fique à vontade para entrar em contato e trocar experiências administrativas. Você pode contribuir com seus conceitos em nossos materiais e podemos contribuir com sua empresa com nossa expertise. Mateus Pizetta Aline Milani 17

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas.

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Controle Interno Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Exemplo: vendas, fabricação, compras. Quando exercido adequadamente sobre uma das funções acima,

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos Apresentação do Instrutor André Luis Regazzini, CSO, CISA, CISM, CGEIT Sócio IPLC do Brasil Ltda. albregazzini@iplc.com.br

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil Programação da Apresentação Evolução da Auditoria Interna de TI no Banco Central; Governança de

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional. Departamento Controles Internos e Risco

Política de Gerenciamento de Risco Operacional. Departamento Controles Internos e Risco Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Risco PROPRIEDADE DA FUTURAINVEST DTVM LTDA. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO SALVADOR, 31

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Programa. Erro Zero Atraso Zero

Programa. Erro Zero Atraso Zero Programa Erro Zero Atraso Zero Introdução O caso de sucesso da Fatto Soluções Contábeis em parceria com o Nibo A Fatto iniciou suas atividades em 2012 e, desde o início, tinha como objetivo oferecer um

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A 75 AGENDA FUTURA PARA A SUSTENTABILIDADE Como o tema Sustentabilidade pode contribuir para o objetivo último dos Fundos de Pensão, que é o de zelar pela aposentadoria de milhões de trabalhadores? Esta

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Agenda Conceito de Escritório de Projetos Por que implementar um Escritório de Projetos? Implementando um Escritório de Projetos Funções do Escritório de Projetos Modelo de Maturizade

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda

Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Gestão da Qualidade Prof. Dr. Fabiano Drozda Sumário O que significa ISO?; Como surgiu?; Qual o seu propósito?; Quem é o representante da ISO no Brasil?; O que é a ISO 9001 e sobre o que trata?; Qual a

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia GESTÃO PÉ NO CHÃO Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia Consultoria especializada no desenvolvimento integral de escritórios de advocacia Nos últimos meses publicamos

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente DICAS PARA ABRIR UM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Começar um empreendimento requer coragem. Estar preparado para esse momento é fundamental, pois não vale, em hipótese alguma, aplicar o seu dinheiro no desconhecido.

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Projeto de Implantação da Gestão por Competências no TRT 23ª Região Baseado na Metodologia do Inventário Comportamental Legislação Decreto n. 5.707/2006: institui a Política e as

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

O Marketing e suas áreas...

O Marketing e suas áreas... O Marketing e suas áreas... Business-To-Business (B2B) refere-se a mkt de produtos e serviços p/ organização, De Consumo produtos e serviços p/ uso pessoal ou doméstico, De Relacionamento conceito recente

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CINCO DICAS PARA PLANEJAR E CONTROLAR AS METAS DA SUA EQUIPE COMERCIAL

CINCO DICAS PARA PLANEJAR E CONTROLAR AS METAS DA SUA EQUIPE COMERCIAL CINCO DICAS PARA PLANEJAR E CONTROLAR AS METAS DA SUA EQUIPE COMERCIAL INTRODUÇÃO Não importa qual o tamanho da empresa: ela precisa saber aonde quer chegar. Para isso é preciso traçar um caminho e a melhor

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a Administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

Faculdades Integradas Paiva de Vilhena

Faculdades Integradas Paiva de Vilhena Faculdades Integradas Paiva de Vilhena Curso: Tecnólogo em Processos Gerenciais Disciplina: Gestão Estratégica da Informação A Importância da Informação Prof. Esp. Rodrigo Gomes da Silva Campanha 2009

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PO-08/2013 Unidade Responsável: Assessoria Jurídica OBJETIVO Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação do

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH)

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH) Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Administração e Finanças para Engenharia Departamento de Pessoal (DRH) Grupo: Thahenne O. Ribeiro Paulo Victor M. Cordeiro Eduardo Borges

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto Unidade II 3 IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS 3.1 Macroprocesso Tomando por referência a representação do Sistema de Gestão da Qualidade definida pela NBR ISO 9011:2008, observamos os principais

Leia mais

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu O Cenário - Pesquisa do SEBRAE - Pesquisas das grandes CONSULTORIAS nos USA e em diversos

Leia mais

Unidade 9: Diálogos deliberativos

Unidade 9: Diálogos deliberativos Unidade 9: Diálogos deliberativos Como podemos utilizar as sínteses de evidências? Informar os grupos de interesse Divulgação da síntese de políticas Informações adaptadas derivadas da síntese Meios de

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

Contabilidade. H S M M a n a g e m e n t 3 j u l h o - a g o s t o 1 9 9 7

Contabilidade. H S M M a n a g e m e n t 3 j u l h o - a g o s t o 1 9 9 7 Contabilidade Como garantir a qualidade total nas empresas com a introdução de elementos do método Deming no sistema de contabilidade. Por Joseph F. Castellano, Harper A. Roehm e Donald T. Hughes FINANÇAS

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Governança Corporativa ao Alcance de Todos

Governança Corporativa ao Alcance de Todos Autor: Charles Holland* Governança Corporativa ao Alcance de Todos Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa IBGC, governança corporativa são as práticas e os relacionamentos entre acionistas/quotistas,

Leia mais

"BUSSINES PLAN"- PLANO DE NEGÓCIOS

BUSSINES PLAN- PLANO DE NEGÓCIOS "BUSSINES PLAN"- PLANO DE! Os componentes do Business Plan.! Quem precisa fazer um Business Plan! Colocando o Business Plan em ação Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Módulo5 Módulo 5 Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição

Leia mais