-*SURGIMENTO - *gov./ditadura VARGAS - *na DITADURA DE *RETOMADA:78/79/80/81/82

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "-*SURGIMENTO - *gov./ditadura VARGAS - *na DITADURA DE 1964 - *RETOMADA:78/79/80/81/82"

Transcrição

1 S I N D I C A L Í S M O no Brasil-(1) -*SURGIMENTO - *gov./ditadura VARGAS - *na DITADURA DE *RETOMADA:78/79/80/81/82 Sua origem remonta no final do século XIX. Está vinculada ao processo de transformação de nossa economia, cujo centro agrário era o café: substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalariado; transferência do lucro do café para a indústria; e poder político nas mãos dos cafeicultores. Primeiras formas de organização: 1. Sociedades de Socorro e Ajuda mútuos; 2. União Operária (OFÍCIOS VÁRIOS); 3. Sindicatos Categorias Profissionais Um dos primeiros e mais importantes movimentos grevistas ocorreu no Porto de Salvador, na época o maior das Américas; Primeira Greve - Tipógrafos do Rio de Janeiro, contra as injustiças patronais e reivindicaram aumentos salariais; I Congresso Socialista Brasileiro. O objetivo da Criação do Partido Socialista Brasileiro não foi atingido; II Congresso Socialista Brasileiro - Influência de Marx e Engels.

2 S I N D I C A L Í S M O no Brasil-(2) I Congresso Operário Brasileiro; com 32 delegados na maioria do Rio e São Paulo, lançaram as bases para a fundação da Confederação Operária Brasileira (C.O.B.). Participaram duas tendências: 1. Anarco- Sindicalismo, eram contra formar partidos operários e privilegiavam a luta dentro da fábrica através da ação direta. 2. Socialismo. Reformista, tendência que propunha a transformação gradativa da sociedade capitalista. Defendiam a Organização Partidária dos Trabalhadores e participação nas lutas parlamentares e II e III Congresso Operário, tentando reavivar a Confederação Operária Brasileira. Desde essa época o governo tentava controlar o movimento sindical. Exemplo disso foi o Congresso Operário de 1912, que teve como presidente honorário Hermes da Fonseca, então presidente da República Sindicatos Amarelos (luta imediatista) nesta época, as lideranças sindicais eram obedientes à ordem burguesa. Embora dirigissem categorias combativas como os ferroviários e marítimos, conciliavam com o Estado. Enquanto isso, os Anarco-Sindicalistas, ao deflagrarem uma greve, viam como um momento da greve geral que destruiriam o capitalismo.

3 S I N D I C A L Í S M O no Brasil-(3) -Auge do Movimento Anarquista A crise de produção gerada pela Primeira Guerra Mundial e a queda vertiginosa dos salários dos operários, caracterizou-se por uma irresistível onda de greves a Greve geral em São Paulo, apoiada pela imprensa Libertária, iniciada no Cotonifício Rodolfo Crespi, recebeu a solidariedade e adesão inicial de todo o setor têxtil; seguida pelas demais categorias, com trabalhadores parados. Superação do Anarquismo - Suas limitações Reivindicações exclusivamente econômicas; Negação da luta política; Não exigia do estado sequer uma legislação trabalhista; Não admitiam a existência de um partido político operário; Não aceitavam alianças com os setores subalternos da sociedade. Estas e outras razões aniquilam o Anarco-Sindicalista que isolado torna-se presa fácil do Estado e de sua força policial repressora. Suas conquistas não conseguiram ir além dos reformistas amarelos.

4 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(4) A Revolução Russa influencia a dissidência anarquista, que funda em 1922 o PCB - Partido Comunista Brasileiro, atraindo número expressivo de trabalhadores(as) para o comunismo. O PCB marcou o início de uma nova fase no movimento operário brasileiro. O objetivo do PCB era dirigir a revolução no Brasil. Apesar da ilegalidade imposta o PCB passou a editar, a revista Movimento Comunista, publicou em seguida o Manifesto Comunista e em 1925 publicou o jornal A Classe Operária. Em 1929 criou-se a Federação Regional do Rio de Janeiro, realizou-se o Congresso Sindical Nacional, congregando todos os sindicatos de influencia comunista, quando se originou a CGT - Central Geral dos Trabalhadores A Coluna Prestes, movimento políticomilitar brasileiro, donde originou-se o ideal do "Soldado Cidadão", existente entre 1925 e 1927 e ligado ao tenentismo, insatisfeitos com a República Velha, exigiam o voto secreto, defesa do ensino público e a obrigatoriedade do ensino primário para toda população. Em sua marcha pelo Brasil, os integrantes da Coluna Prestes denunciavam a miséria da população e a exploração das camadas mais pobres pelos líderes políticos. Infelizmente não cocluiu seus intentos revlucionários.

5 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(5) Era Vargas Revolução de Conciliação entre os interesses agrários e urbanos, excluindo qualquer forma de participação da classe operária. O bloco operário e camponês (PCB na ilegalidade) candidatou Minervino de Oliveira. O eleito foi Julio Prestes, representante da burguesia cafeeira, no entanto um movimento militar barrou sua posse, resultando a ida de Vargas ao poder. Inicia-se uma nova fase no sindicalismo brasileiro. POLÍTICA DE CONCILIAÇÃO CAPITAL E TRABALHO. Lindolfo Collor, 1º Ministro do Trabalho. Lei sindical de 1931 (Decreto ), cria os pilares do sindicalismo oficial no Brasil. Controle financeiro do Ministério do Trabalho sobre os sindicatos. Definia o sindicalismo como órgão de colaboração e cooperação como Estado. Somente 25% dos Sindicatos: RJ, SP, MG e RS, aderiram a esta lei. GEVES conquistam: Lei de Férias, DSR, jornada de 8 horas, regulamentação do trabalho da mulher e do menor, entre outros. Categorias de maior peso, ferroviários e portuários já tinham. Tendências atuantes na época: Anarco-Sindicalistas - Federação Operária de São Paulo Socialistas - Coligação dos sindicatos proletários de Lutavam pela completa autonomia sindical.

6 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(6) Comunistas - Federação Sindical Regional(RJ / SP), realizam em 1935 a Convenção Nacional de Unidade dos Trabalhadores, reunindo 300 delegados representando trabalhadores, quando reorganizam a Confederação Sindical Unitária, central sindical de todo o movimento operário no Brasil. Junto com as lutas sindicais cresciam também as mobilizações das massas trabalhadoras. Em março de 1934, é fundada a Aliança Nacional Libertadora, dirigida pelo PCB, já com Luis Carlos Prestes. Foi citado no VII Congresso da Internacional Comunista como exemplo de frente popular democrática membros. No dia 4 de abril desse ano, foi realizado o primeiro comício da ANL-Aliança Nacional Libertadora. O governo reprimiu e decretou a Lei de Segurança Nacional, proibindo o direito de greve e dissolvendo a Confederação Sindical Unitária. Alguns meses depois, Felinto Müller (MILITAR e POLÍTICO) coloca a ANL na ilegalidade, estes optaram pelo levante armado e foram violentamente reprimidos. Foram criados o Estado de Sítio e a Comissão de Repressão ao Comunismo. Em 1939, o enquadramento sindical (Decreto-Lei 1402), passa a ser vinculado ao ministério do Trabalho. Nesse mesmo ano criou-se o imposto sindical.

7 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(7) - Ressurgimento das lutas sindicais a Debilidade do Estado Novo e Avanço das oposições; Movimento popular comandado pelo PCB, conquista a anistia ampla e irrestrita, libertando os políticos comunistas, presos durante todo o Estado Novo;.. Dezembro de Legalização do PCB - Eleições presidenciais. Convocação de Assembléia Nacional Constituinte;.. Lei Antitruste - Desapropriadas empresas estrangeiras lesivas aos interesses nacionais;.. Fechamento da Organização Sociedade Amigos da América, representante do imperialismo norte-americano. Reatam-se as relações diplomáticas com URSS... Vargas é deposto e no mesmo ano acaba a intervenção do Ministério do Trabalho nos Sindicatos; Criação do MUT - Movimento Unificador dos Trabalhadores. OBJETIVOS: Romper com a estrutura sindical vertical; Retomar a luta da classe operária; Liberdade sindical; Fim do DIP - Departamento de Imprensa e Propaganda; Fim do Tribunal de Segurança Nacional;.. Setembro de Congresso Sindical dos Trabalhadores do Brasil, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, delegados. Os comunistas criam a Confederação Geral dos Trabalhadores;

8 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(8) - Ressurgimento das lutas sindicais a 1964 Golpe de 29 de outubro de Reacionário e anti-popular, freou os avanços das classes populares. Apesar do golpe nas eleições de dezembro de 1945, o PCB, que em poucos meses de legalidade tornou-se o maior partido comunista da América Latina com cerca de membros, conseguiu 10% de eleitorado para presidente da República. Elegeu 14 deputados e um senador, Luis Carlos Prestes, o mais votado da República. Apesar do avanço dos setores operários e populares, a elite conservadora através da União Democrática Nacionalista - UDN e PSD, detinham 70% do parlamento e com isso barravam todas as investidas do PCB que na ação parlamentar fazia alianças com o PTB Dutra proibiu a existência do MUT Movimento Unificador dos Trabalhadores. e suspendeu as eleições sindicais Determina a ilegalidade do PCB, cassando o mandato de seus representantes no parlamento e nos municípios --INCLUSIVE: ARMANDO MAZZO(pref.) MIGUEL GUINLLEN, CARMEM SAVIETTO, ENNIO BRACALION (vers) Último governo Vargas. Novamente o movimento sindical atinge grande dimensão a a Classe trabalhadora dobra seu contingente trabalhadores nas indústrias. As greves tornam-se constantes Quase 200 paralisações trabalhadores paralisações.

9 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(9) - Ressurgimento das lutas sindicais a Luta da classe operária contra a fome e a carestia atingiu cerca de operários. Só em São Paulo realizaram-se mais de 800 greves. Neste ano realizou-se a greve dos trabalhadores de São Paulo (TÊXTEIS, METALÚRGICOS E GRÁFICOS). PCB imprimiu cunho político, acima das reivindicações econômicas. Reivindicavam: Liberdade Sindical, Contra a imperialista com Forças Armadas, Contra o Acordo Militar Brasil-EUA envolvendo Fernando de Noronha, Defesa das riquezas nacionais - campanha pela criação da Petrobrás Criado o pacto de Unidade Intersindical, depois transformou-se no PUA (Pacto de Unidade e Ação). Criou-se também o PIS (Pactos Intersindicais) na região do ABC / As grandes greves da região foram resultados de ações intensas dos sindicatos para as campanhas salariais. Governo JK - Juscelino Kubistchek (1955 / 1960) Sem novidades; III Congresso Sindical Nacional. Fundação do CGT - Comando Geral dos Trabalhadores, para combater o peleguismo, principalmente da CNTI, dominada por Ari Campista. Governo Jânio Quadros - 7 meses (1961); Fundação da CONTAG- Conf. Nac. Trabs. Agriculura Governo João Goulart - Setembro de Parlamentarismo. Janeiro de 1962, plebiscito, retorno ao presidencialismo. GOLPE em 31 de março de 1964.

10 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(10) - Ressurgimento das lutas sindicais a 1964 No campo, trabalhadores mobilizam-se desde 1955 com o surgimento da 1ª Liga Camponesa, no Engenho Galiléa. Antes, em 1954, foi criada a ULTAB - União dos Trabalhadores Agrícolas do Brasil. Começam a nascer os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, com apoio dos Metalúrgicos de Santo André. A bandeira principal era a Reforma Agrária. As ligas camponesas eram dirigidas por Francisco Julião (que visitou nosso Sindicato), e os sindicatos rurais pelo PCB. 13 de Março de Comício na Central do Brasil, Rio de Janeiro, pessoas pelas reformas de base. CONTRAPONDO-SE em represália, a elite conservadora à Marcha da Família, com Deus, pela Liberdade. 31 de Março de A longa noite do sindicalismo brasileiro Acaba a estabilidade no emprego e cria-se o FGTS Retomada(1) do movimento operário Cria-se o Movimento Intersindical Anti-Arrocho (MIA). Participaram os sindicatos dos metalúrgicos de São Paulo, Santo André, Guarulhos, Campinas e Osasco para colocar um fim ao arrocho salarial. Ações para Retomada: -1968/1978/1979 GREVES: OSASCO e CONTAGEM, Luta pela Democracia, Articulação Partidária -Janeiro de Diretores/ Militantes/ Trabalhadores metalúrgicos de Santo André levam em sua tese para o XI-Congresso Estadual dos Metalúrgicos em LINS (cidade paulista), a proposta da instituição de um partido político somente de trabalhadores;

11 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(11) A RETOMADA (2) A grande revolta de 1924 em São Paulo levou o governo federal atacar a maior capital do país, expulsando estrangeiros e atingindo os anarquistas que tinham muito peso principalmente na colônia italiana. Meio século depois, o movimento proletário cresceu surgindo o Novo Sindicalismo, que retomou as Comissões de Fábrica, propondo um modelo de sindicato livre da Estrutura Sindical Oficial e uma ação classista. Esse fenômeno foi constituído inclusive pelo ABDC paulista, nas cidades de: Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema. Retomada das lutas sindicais e criação do Comando Geral dos Trabalhadores CGT.) Greve de Osasco, sob o comando de José Ibrahim. Iniciada em 16 de julho, com a ocupação da Cobrasma. No dia seguinte, o Ministério do Trabalho declarou a ilegalidade da greve e determinou a intervenção no sindicato. Quatro dias depois, os operários retornam ao trabalho Greve em Contagem também contra o arrocho salarial, da mesma forma foi reprimida, e o movimento sendo vencido quatro dias depois.

12 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(12) - A Classe Operária volta à cena. 12 de março de 1978 os trabalhadores na Scania do Grande ABC. Primeira fábrica a entrar em greve, sob o comando de Gilson Menezes, Dir. do Sindicato de São Bernardo e Diadema. Em Santo André a greve explode nas empresas: PHILIPS/ ISAN/ COFAP/ GE/ CONSTANTA/ PIRELLI/ BROSOL/ ALCAN/ MOLINS; Março de 1979, os braços novamente estão cruzados. Começa a nascer a democracia. 1980/ 1981/ As grandes greves do ABCDMRPRGS, onde se destaca Luis Inácio Lula da Silva (cineasta Leon Hirszman documentário) Período de crescimento/potencialização (80/87) Direitos Trabalhístas / Diretas Já / CUT nasce o PT O Partido dos Trabalhadores cresce, se torna referência. Agosto de Nasce a Central Única dos Trabalhadores CUT; sindicalismo Classista e de Massas. 1)-O caráter classista da CUT implica em articular as lutas imediatas com o projeto histórico da classe trabalhadora. E, nesta condição, assumir o socialismo como perspectiva geral; 2)- O caráter de massa, pressupõe a participação de todos os trabalhadores, inclusive aqueles que ainda não chegaram ao sindicato.

13 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(13).1988 Constituição Democrática...ABRE PRECEDENTE Há no Brasil hoje, conforme dados do Mtb, sindicatos de empregadores e trabalhadores, 520 federações e 39 confederações, além das centrais sindicais. Devido ao número exagerado até para o Brasil Continental, fica difícil fiscalizar. Porém, países similares em tamanho apresentam uma organização de trabalho muito diferente, como China, Índia, Rússia e mesmo Estados Unidos. O problema é que a tendência vista aqui é de FRACIONAMENTO; enquanto em muitos países têm acontecido fusões. O Brasil tem lógica de sindicato na esfera do município e, em tese, isso não é preciso, afirma o Mtb / Período de descenso : Perdas de Direitos Conquistados Historicamente / Eternidade Negocial / Redução Associados/ QUEDA DA CREDIBILIDADE junto aos trabalhadores(as)... Ú N I C A Conquista Real Lula no Poder

14 SI N D I C A L Í S M O no Brasil-(14) PORTARIAS: ***Mtb REGULAMENTA: Novas regras para registro Sindical e Eleições 1)- Mtb- publicou em 04/03/13 a Portaria nº 326/201, dispondo sobre: Registro das entidades sindicais de 1º grau junto ao órgão do Executivo. 2)- O Ministério optou por endurecer as regras do processo de concessão de registro sindical e acompanhamento das Eleições. A nova portaria é uma resposta ao movimento sindical e vai dar mais celeridade, mais transparência, mais controle e BUSCAM GARANTIR A LEGITIMIDADE DOS PLEITOS DE REGISTRO SINDICAL. Garantindo REPRESENTATIVIDADE e AÇÃO EFETIVA, declarou o ministro Brizola Neto. Principais itens abordados pelo normativo: *MUDAM Alteração no ciclo de distribuição de processo e de recadastramento, adotando procedimentos que garantam mais segurança e legitimidade; * Adoção da certificação digital para todos os requerimentos ao Cadastro Nacional de Entidades Sindicais (CNES); * Necessidade de identificação e qualificação dos subscritores dos editais e requerimentos;

15 S I N D I C A L Í S M O no Brasil-(15) DESAFIOS SÉCULO XXI: Para quê e por que os trabalhadores lutam hoje? 1)-Luta Corporativa: PLR; ABONOS; Cargos, Funções e Salários; Condições de Trabalho (PROCESSO PRODUTIVO & SAÚDE FÍSICA E MENTAL); é papel dos dirigentes sindicais mobilizarem e organizarem as massas populares, indo para as ruas, debaterem com todos os setores sociais, como fazer as reformas necessárias para o coletivo se desenvolver com distribuição de renda e qualidade de vida; entre elas a reforma tributária, a reforma política, a regulamentação do sistema financeiro, o acesso à todas as camadas sociais ao sistema educacional formal e profissionalizante, a universalização e humanização do sistema de saúde, acesso aos bens de consumo, entre outros. A classe trabalhadora, embora tenha se afastado das ideologias primordiais, precisa lutar minimamente pelo emprego decente, que além da remuneração envolve estabilidade no emprego, segurança no trabalho, preservação da saúde e aposentadoria digna. Objetivos Gerais 1-RETOMADA DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE TRABALHADORA E UNIFICAÇÃO DAS LUTAS; 2-CONSCIENTIZAR AS EMPRESAS SOBRE SUA RESPONSABILIDADE SÓCIO- AMBIENTAL;

16 (15.1) 3-REATIVAÇÃO E POTENCIALIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E LUTAS NOS LOCAIS DE TRABALHO; 4-PROLIFERAÇÃO DAS CONCEPÇÃO E PRÁTICAS COERENTES, DESATRELADAS DAS FILOSOFIAS DAS CENTRAIS; 5-INCLUSÃO DOS TRABALHADORES INFORMAIS E ILEGAIS NO MUNDO DO TRABALHO E NO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL (TRABALHO DECENTE); Objetivos e Lutas Organizadas Política de implantação de projeto de Cargos/ Funções/ Salários; Reformas na Previdência eliminando o fator previdenciário e rastreando as aposentadorias fraudulentas, para serem extintas; Pressão pela ratificação das convenções 151 e 158 da OIT. Temas prioritários para os trabalhadores(as)... PRODUTIVIDADE ESTIMULADA VIA: Incentivo à Formação Profissionalizante e Educação Formal Equipamentos e máquinas novas. Melhores condições de trabalho

17 (15.2) JORNADA DE TRABALHO Redução da Jornada Semanal para 40 horas Fim das horas extras Não implantação do Banco de Horas PROTEÇÃO FÍSICA E MENTAL DO TRABALHADOR(A) Defesa intransigente da Qualidade de Vida no trabalho e na sociedade Segurança física e mental para trabalhadores(as) no ambiente de trabalho Manutenção preventiva nos sistemas de produção, equipamentos e máquinas Superar o conceito de CIPA e partirmos para o Comitê de Proteção da Saúde Física e Mental do Trabalhador, onde Sindicato e Trabalhadores(as), respaldados pelos Centros de Referências, serão os gestores plenos, no interno das empresas

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO

BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO BREVE HISTÓRICO DO SINDICATO UNIFICADO DOS TRABALHADORES SAPATEIROS E COUREIROS DE SÃO PAULO A organização sindical dos trabalhadores na indústria coureiro-calçadista de São Paulo, remonta ao início da

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição

Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição Transição política e reconstrução sindical no Brasil Adhemar Lopes de Almeida * Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição política e reorganização sindical pode ser divida

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE

TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE Conjuntura Internacional A crise do capitalismo, iniciada

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

Primeiro trimestre de 2004: lucro de US$ 355 milhões (crescimento de 135%)

Primeiro trimestre de 2004: lucro de US$ 355 milhões (crescimento de 135%) CNM/CUT - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS METALÚRGICOS DA CUT DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS SUBSEÇÃO CNM/CUT ALCOA BRASIL 1 ALCOA NO MUNDO Resultados financeiros:

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO SINDICAL E O PROJETO ACE: CONSTRUÇÃO OU DESCONSTRUÇÃO?

A ORGANIZAÇÃO SINDICAL E O PROJETO ACE: CONSTRUÇÃO OU DESCONSTRUÇÃO? Maíra Neiva Gomes 1 A ORGANIZAÇÃO SINDICAL E O PROJETO ACE: CONSTRUÇÃO OU DESCONSTRUÇÃO? 1. Introdução O intuito deste pequeno estudo é analisar o projeto de lei apresentado pelo Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

70 ANOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DE JUIZ DE FORA 1. Os trabalhos acadêmicos sobre a história da classe operária no Brasil, bem como sobre

70 ANOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DE JUIZ DE FORA 1. Os trabalhos acadêmicos sobre a história da classe operária no Brasil, bem como sobre 70 ANOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DE JUIZ DE FORA 1 Virna Lígia Fernandes Braga Os trabalhos acadêmicos sobre a história da classe operária no Brasil, bem como sobre o sindicalismo, estiveram desde

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

Notícias Bancárias Nº 761 - JUNHO 2012

Notícias Bancárias Nº 761 - JUNHO 2012 Notícias Bancárias Nº 761 - JUNHO 2012 1 2 Nº 761 - JUNHO 2012 Notícias Bancárias BRADESCO Trabalhadores mobilizados buscam negociações Atividade em Diadema fez parte das mobilizações que aconteceram no

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Nº 79 - dezembro de 2015

Nº 79 - dezembro de 2015 Nº 79 - dezembro de 2015 Balanço das greves em 2013 Balanço das greves em 2013 O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) apresenta, com este estudo, um panorama das

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

8ª MARCHA DA CLASSE TRABALHADORA POR MAIS DIREITOS E QUALIDADE DE VIDA. Pelo desenvolvimento com soberania, democracia e valorização do trabalho

8ª MARCHA DA CLASSE TRABALHADORA POR MAIS DIREITOS E QUALIDADE DE VIDA. Pelo desenvolvimento com soberania, democracia e valorização do trabalho 8ª MARCHA DA CLASSE TRABALHADORA POR MAIS DIREITOS E QUALIDADE DE VIDA Pelo desenvolvimento com soberania, democracia e valorização do trabalho A s Centrais Sindicais (CGTB, CUT, CTB, FS, NCST e UGT),

Leia mais

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Filho de Sebastião Joaquim Borges e Juvelina Ortiz Borges, Ney Ortiz Borges nasceu no antigo 8º Distrito de Soledade, hoje Barros Cassal, em 25 de junho de 1924. Aos 16 anos, por decisão

Leia mais

Partidos Políticos do Brasil

Partidos Políticos do Brasil Partidos Políticos do Brasil Fonte: http://www.suapesquisa.com/partidos/ INTRODUÇÃO 04.06.2012 Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO

DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO JANDIRA Feghali: 30 ANOS DE LUTA PELA SAÚDE Há 30 anos, a luta dos profissionais da área e a luta pelo SUS no Brasil tem uma combatente respeitada e

Leia mais

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I história Unidade 1 A vinda da família real portuguesa para o Brasil Os desdobramentos sociais, políticos e econômicos da independência do Brasil Os aspectos históricos do início do Império brasileiro O

Leia mais

Assédio Moral, agrotóxicos e trabalho infantil

Assédio Moral, agrotóxicos e trabalho infantil O gibi A saúde do trabalhador está por um fio nasceu do trabalho do Coletivo Estadual de Saúde, Trabalho e Meio Ambiente da CUT/SP, que integra a Secretaria de Políticas Sociais da CUT/SP. A publicação

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 9º ano Apostila 1: Segunda Revolução Industrial (características); Neocolonislimo; Brasil no século XX:

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

Jornal do SindSaúde-SP - ano XXI - nº 155 160 dezembro 2015 MOBILIZAÇÃO JUNTOS E FORTES

Jornal do SindSaúde-SP - ano XXI - nº 155 160 dezembro 2015 MOBILIZAÇÃO JUNTOS E FORTES Jornal do SindSaúde-SP - ano XXI - nº 155 160 dezembro 2015 2 0 1 5 MOBILIZAÇÃO JUNTOS E FORTES 2 0 1 6 2 Nossa Palavra #não ao golpe! O país vive uma crise política. Não é uma disputa entre petistas e

Leia mais

s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore

s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore 40 HORAS SEMANAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL A luta pela redução da jornada acontece desde os primórdios do

Leia mais

RESOLUÇÕES DO 2º CONGRESSO NACIONAL DA CUT 31 de julho e 1, 2 e 3 de agosto de 1986 Ginásio do Maracanãzinho - Rio de Janeiro - RJ

RESOLUÇÕES DO 2º CONGRESSO NACIONAL DA CUT 31 de julho e 1, 2 e 3 de agosto de 1986 Ginásio do Maracanãzinho - Rio de Janeiro - RJ RESOLUÇÕES DO 2º CONGRESSO NACIONAL DA CUT 31 de julho e 1, 2 e 3 de agosto de 1986 Ginásio do Maracanãzinho - Rio de Janeiro - RJ CONJUNTURA POLÍTICA E ECONÔMICA DO PAÍS 1- Manifesto do 2º Congresso da

Leia mais

De sindicalização, tendo como foco principal a juventude trabalhadora; Pela inclusão da Filosofia e da Sociologia no currículo do ensino básico;

De sindicalização, tendo como foco principal a juventude trabalhadora; Pela inclusão da Filosofia e da Sociologia no currículo do ensino básico; PLANO DE LUTAS DA CUT/SP CALENDÁRIO DE ATOS PÚBLICOS 24/05 Ato em Brasília pela estabilidade do serviço público. Dia Nacional de lutas em defesa do funcionário público admitido em caráter temporário. Estabilidade

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Vamos à luta, sabendo porque estamos lutando

Vamos à luta, sabendo porque estamos lutando Vamos à luta, sabendo porque estamos lutando Vivemos um período de crises do sistema capitalista onde a única saída para estes senhores donos do capital é privatizar as nossas vidas. Nessa sede em transformar

Leia mais

IBASE. OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32

IBASE. OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32 IBASE OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32 Idas e vindas da cidadania política no Brasil republicano Ao longo da sua história, o Brasil conviveu com diversos arranjos

Leia mais

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos As relações internacionais para além dos princípios westfalianos Diogo Bueno de Lima Durante boa parte do século XX as relações internacionais foram meramente pautadas por princípios westfalianos de relações

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15

RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15 RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15 Reunida em São Paulo no dia 17 de setembro de 2015, a Comissão Executiva Nacional analisou a conjuntura recente do País e aprovou a seguinte resolução política: A oposição

Leia mais

Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB

Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB Resolução da 5ª reunião do CC - eleito no 12º Congresso Lutar pelo êxito do governo Dilma e reforçar o papel do PCdoB A maioria da nação enalteceu a eleição de Dilma Rousseff para a presidência da República

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 2 PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Nos últimos anos, várias medidas adotadas

Leia mais

Quanto aos itens da pauta setorial, o MEC informou o que segue:

Quanto aos itens da pauta setorial, o MEC informou o que segue: Brasília, 7 de setembro de 2015 Reunião com Ministério da Educação (MEC) e com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) realizada dia 04/09/2015 e Contraproposta da FASUBRA ao Governo Na

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 0

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 0 S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 0 BANCÁRIOS. Com data-base em 1º de setembro, A Federação Nacional dos Bancos FENABAN objetivando a renovação da convenção coletiva de trabalho ofereceu

Leia mais

Regências e Segundo Reinado. Alan

Regências e Segundo Reinado. Alan Regências e Segundo Reinado Alan O Período Regencial Inicia-se com a abdicação de D. Pedro I, em 07 de Abril de 1831 e segue até o Golpe da Maioridade, em 1840. Trata-se de um período marcado por especial

Leia mais

DITADURA CIVIL MILITAR

DITADURA CIVIL MILITAR DITADURA CIVIL MILITAR Argentina + ou 25.000 mortos Chile + ou 4.000 mortos Brasil + ou 500 mortos ARGENTINA Parte forte do Vice Reino do Prata vitoriosa da Guerra do Paraguai Sociedade rural que aos poucos

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA.

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA. O que se exigia do sistema de saúde, do final do século XIX até metade do século passado, era uma política de controle de portos e espaços de circulação de mercadorias, com a finalidade de erradicação

Leia mais

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST 10 a 14 de fevereiro de 2014 Entre os dias 10 e 14 de fevereiro de 2014, ocorrerá, em Brasília/DF, o 6º Congresso Nacional do MST, para o qual são esperados

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. As sentenças a seguir se referem ao segundo governo de Getúlio Vargas. Marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas.

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS (PLR) OU AUMENTO DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR?

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS (PLR) OU AUMENTO DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR? PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS (PLR) OU AUMENTO DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR? A inserção da remuneração variável muda a cabeça do trabalhador. Eles passam a acompanhar os resultados da companhia

Leia mais

XIII. A República dos Marechais

XIII. A República dos Marechais XIII. A República dos Marechais Governo (Provisório) de Deodoro Primeiras medidas: - Federalismo - Separação entre Igreja e Estado (registro civil de nascimento e casamento civil) - Novos símbolos nacionais

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular

Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Atividade Mercosul da Marcha Mundial das Mulheres uma prática social da educação popular Líria Ângela Andrioli 1

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO ONG registra aumento no desmatamento Guatemala pede saída de presidente às vésperas de pleito ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ Tropeço da China eleva apostas de que EUA adiarão aumento nos juros ONG registra

Leia mais

8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde

8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde 8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde O que poderia sair, como linha de reflexão sobre saúde e assistência farmacêutica, de uma mesa composta por farmacêutico, economista,

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais