CIRCULAR N Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de 30/06/1993. Às administradoras de consórcio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCULAR N 2009. Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de 30/06/1993. Às administradoras de consórcio"

Transcrição

1 CIRCULAR N /06/1993. Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de Às administradoras de consórcio Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e remessa de demonstrações financeiras e esclarece critérios de avaliação e apropriação contábeis. Comunicamos que a diretoria do BANCO CENTRAL DO BRASIL, em reunião realizada em , com fundamento no art. 33 da Lei nº 8.177, de , DECIDIU: Art. 1º. Estender às administradoras de consórcio a obrigatoriedade de elaborar os documentos balancete e balanço geral analítico (documento nº 1 do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - COSIF -códigos 4010 e 4016), anexo I. Parágrafo 1º. O documento demonstração consolidada de recursos de consórcios, Anexo II, deverá ser elaborado, mensalmente, e mantido à disposição do Banco Central, em conjunto com as posições individualizadas que lhes deram origem, na sede da administradora de consórcio. Parágrafo 2º. Os totais dos débitos e dos créditos consolidados dos grupos de consórcios, apurados de acordo com a demonstração consolidada de recursos de consórcios, elaborada na forma definida pela Portaria nº 191, de , do Ministério da Economia,Fazenda e Planejamento, deverão constar dos balancetes mensais das administradoras de consórcio em contas de compensação, nos títulos ora criados no COSIF: CÓDIGOS TÍTULOS Recursos de consórcios Utilizados A utilizar Recursos coletados de consórcios Art. 2º. Para fins de elaboração dos documentos balancete e balanço geral analítico, as administradoras de consórcio devem observar os critérios de classificação contábil previstos no COSIF, bem como adotar o regime de competência mensal na apropriação das rendas, inclusive mora, receitas, ganhos, lucros, despesas, perdas e prejuízos, independentemente da apuração do resultado.

2 Parágrafo 1º. São aplicáveis às administradoras de consórcio os procedimentos previstos nas Circulares nºs , e 1.964, todas de Parágrafo 2º. O enquadramento total ao Cosif pelas administradoras de consórcio em nível de procedimentos de avaliação e apropriação contábil deverá ser efetivado a partir de 1º Parágrafo 3º. O reconhecimento da correção monetária patrimonial poderá, a critério da administradora, ser efetuado mensalmente, ou facultativamente de uma única vez, por ocasião do balanço patrimonial de Parágrafo 4º. Excepcionalmente, o balancete de deverá abranger o período de 9 (nove) meses. Art. 3º. A partir da data-base de , as administradoras de consórcio deverão remeter ao Banco Central do Brasil observado as disposições constantes do item 3-a, do capítulo:informações gerais - 1, do título: remessa de documentos e dados do Catálogo de Documentos - CADOC, os seguintes documentos, a serem entregues na central de recepção de documentos da sede ou das delegacias regionais: 4010); I - mensalmente, balancete geral analítico (documento nº 1 do COSIF - código II - em 30 de junho e em 31 de dezembro: a - balancete geral analítico (documento nº 1 do COSIF - código 4010); b - balanço geral analítico (documento nº 1 do COSIF - código 4016); Parágrafo 1º. A data-limite para a entrega do balancete geral analítico é o dia 20 do mês seguinte ao da respectiva data-base, exceto para os meses de junho e dezembro. Parágrafo 2º. A data-limite para a entrega dos documentos relativos aos meses de junho e dezembro é o dia 25 do mês seguinte ao da respectiva data-base. Parágrafo 3º. Quando a entrega não for efetivada até às 16:00 horas da data-limite, será expedida, à administradora de consórcio inadimplente, notificação de irregularidade com a concessão de prazo até o dia 25 ou 30 subseqüente, conforme se tratar, respectivamente, dos documentos mencionados nos parágrafos 1º e 2º deste artigo. Parágrafo 4º. Quando as datas-limite referidas nos parágrafos 1º e 2º deste artigo coincidirem com dia não útil, as mesmas serão automaticamente postergadas para o dia útil imediato. Parágrafo 5º. De acordo com a Circular nº 1.322, de , os documentos de que trata este artigo deverão ser entregues no Banco Central gravados em meio magnético, observadas as especificações técnicas definidas no anexo II daquele normativo, consideradas, ainda, as disposições constantes da Circular nº 1.095, de

3 Art. 4º. De forma a contribuir para acelerar a aplicação sistemática de que trata o parágrafo anterior, poderá ser obtido pelas administradoras de consórcio, sem qualquer ônus, no Departamento de Informática - DEINF, na sede, ou nas delegacias regionais do Banco Central do Brasil, produto de código PCOSW10, mediante entrega, pela administradora interessada, de 2 (dois) discos flexíveis de 5 1/4", face dupla, dupla densidade, nos quais o programa, em módulo executável, será gravado. que: Parágrafo único. Quanto ao referido produto (PCOSW10), deverá ser observado I - é vedada sua venda ou cessão com ônus, permitida sua duplicação ou cessão, sem ônus, a terceiros; II - destina-se a uso em microcomputador tipo IBM PC-XT ou AT, com, ao menos, uma unidade de disco flexível de 5 1/4" e uma unidade de disco rígido com 10 "megabytes" de capacidade, tendo sido testado com os sistemas operacionais MS-DOS 3.1, SIM- DOS v2.1 r02 e Sisne-Plus 3.30 r00; III - permite a gravação dos documentos contábeis de código 4010 e 4016; IV - sua utilização é limitada ao tratamento dos documentos contábeis em que os campos de valor preenchidos tenham, no máximo, 15 (quinze) algarismos significativos, isto é, contenham valores inferiores a CR$ ,00 (dez trilhões de cruzeiros). Art. 5º. A não observância dos prazos fixados nos parágrafos 1º e 2º do art. 3º desta circular sujeitará a administradora inadimplente, com base no art. 16 da Lei nº 5.768, de , a multa pecuniária incidente sobre o atraso na entrega de cada documento, aplicável a partir do dia subseqüente ao vencimento desses prazos e até a data da entrega do documento correto, segundo os dispositivos regulamentares estabelecidos pelo Banco Central do Brasil, observados os seguintes critérios: I - limite máximo: 40 (quarenta) vezes o maior valor fixado no inciso II do art. 21 da Lei nº 8.178, de 1º.03.91, acrescido de 70% (setenta por cento), conforme disposto no art. 11 da Medida Provisória nº 298, de ; II - prazo de aplicação: até 40 (quarenta) dias de atraso; III - faixa de incidência, em função do número de dias de atraso: a - até o 10º dia de atraso: 10 (dez) vezes o valor fixado no inciso II do art. 21 da Lei nº 8.178, de , acrescido de 70% (setenta por cento), conforme disposto no art. 11 da Medida Provisória nº 298, de ; b - do 11º dia ao 40º dia de atraso: 11 (onze) vezes a 40 (quarenta) vezes o valor fixado no inciso II do art. 21 da Lei nº 8.178, de 1º.03.91, acrescido de 70% (setenta por cento), conforme disposto no art. 11 da Medida Provisória nº 298, de

4 Parágrafo 1º. A multa pecuniária prevista neste artigo será aplicada pelo dobro do seu valor na hipótese de reincidência, nos termos do art. 16 da Lei nº 5.768, de Parágrafo 2º. Será emitida notificação de cobrança, discriminando o valor da multa pecuniária e o prazo para recolhimento junto à dependência do Banco Central indicada na referida notificação. Parágrafo 3º. A aplicação da multa pecuniária não eliminará a possibilidade de instauração de processo administrativo, sujeitando a instituição inadimplente às penalidades previstas na legislação em vigor. Parágrafo 4º. A não entrega de documentos corretos até o 41º dia após a data a partir da qual se iniciou a aplicação da multa pecuniária implicará a instauração automática de processo administrativo contra a instituição inadimplente e seus administradores. Art. 6º. Criar, no COSIF, o título contábil Rendas de Taxas de Administração de Consórcios, código , para registrar as rendas de taxas de administração de consórcios, a ser utilizado pelas sociedades administradoras de consórcios. Art. 7º. Esta circular entra em vigor na data de sua publicação. Brasília (DF), 8 de agosto de 1991 Gustavo Jorge Laboissière Loyola Luiz Nelson Guedes de Cincinato Rodrigues de Campos Carvalho Diretor Diretor Diretor ANEXO I À CIRCULAR Nº 2.009, DE 08 DE AGOSTO DE TÍTULO: PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF CAPÍTULO: ELENCO DE CONTAS - 2 SEÇÃO: RELAÇÃO DE CONTAS - 1 ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO DISPONIBILIDADES CAIXA CAIXA DEPÓSITOS BANCÁRIOS BANCOS DO BRASIL S.A. - CONTA DEPÓSITOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CONTA DEPÓSITOS OUTROS BANCOS OFICIAIS - CONTA DEPÓSITOS BANCOS PRIVADOS - CONTA DEPÓSITOS TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LIVRES TÍTULOS DE RENDA FIXA

5 LETRAS FINANCEIRAS DO TESOURO LETRAS DO TESOURO NACIONAL OBRIGAÇÕES DO TESOURO NACIONAL BÔNUS DO TESOURO NACIONAL LETRAS DO BANCO CENTRAL BÔNUS DO BANCO CENTRAL TÍTULOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS CERTIFICADOS DE DEPÓSITO BANCÁRIO CDB - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA LIGADA LETRAS DE CÂMBIO LC - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA LIGADA LETRAS IMOBILIÁRIAS LI - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA LIGADA LETRAS HIPOTECÁRIAS LH - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA LIGADA DEBÊNTURES OBRIGAÇÕES DA ELETROBRÁS TÍTULOS DA DÍVIDA AGRÁRIA DEBÊNTURES - SIDERBRÁS (-) RENDAS A APROPRIAR - RESOLUÇÃO OUTROS COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO COTAS DE FUNDOS DE APLICAÇÃO FINANCEIRA COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM QUOTAS DE FAF COTAS DE FUNDOS MÚTUOS DE RENDA FIXA COTAS DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL OUTRAS TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL OUTROS RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS CRÉDITOS VINCULADOS BANCO COMERCIAL - DEPÓSITOS DA LEI Nº 8.024/90 NO BANCO CENTRAL PRÓPRIOS OUTROS CRÉDITOS RENDAS A RECEBER SERVIÇOS PRESTADOS A RECEBER OUTRAS RENDAS A RECEBER DIVERSOS ADIANTAMENTOS E ANTECIPAÇÕES SALARIAIS ADIANTAMENTOS POR CONTA DE IMOBILIZAÇÕES CHEQUES A RECEBER CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS - IMPOSTOS DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DEPÓSITOS PARA AQUISIÇÃO DE TELEFONES DEVEDORES POR COMPRA DE VALORES E BENS IMPOSTO DE RENDA A COMPENSAR

6 IMPOSTO DE RENDA A RECUPERAR OPÇÕES POR INCENTIVOS FISCAIS PAGAMENTOS A RESSARCIR TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER VALORES A RECEBER DE SOCIEDADES LIGADAS DEVEDORES DIVERSOS - PAÍS OUTROS VALORES E BENS INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS (-) PROVISÃO PARA PERDAS EM PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS OUTROS VALORES E BENS BENS NÃO DE USO PRÓPRIO IMÓVEIS VEÍCULOS E AFINS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS OUTROS (-) PROVISÃO PARA DESVALORIZAÇÃO DE OUTROS VALORES E BENS DESPESAS ANTECIPADAS DESPESAS ANTECIPADAS P E R M A N E N T E INVESTIMENTOS PARTICIPAÇÕES EM COLIGADAS E CONTROLADAS PARTICIPAÇÕES EM COLIGADAS E CONTROLADAS AVALIADAS PELO MÉTODO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL - NO PAÍS AVALIADAS PELO MÉTODO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL - NO EXTERIOR ÁGIOS NA AQUISIÇÃO - NO PAÍS ÁGIOS NA AQUISIÇÃO - NO EXTERIOR (-) DESÁGIOS NA AQUISIÇÃO - NO PAÍS (-) DESÁGIOS NA AQUISIÇÃO - NO EXTERIOR OUTRAS SOCIEDADES (-) PROVISÃO PARA PERDAS EM SOCIEDADES COLIGADAS E CONTROLADAS INVESTIMENTOS POR INCENTIVOS FISCAIS CERTIFICADOS DE INVESTIMENTO - CI PARTICIPAÇÕES DE CAPITAL POR INCENTIVOS FISCAIS OUTROS INVESTIMENTOS POR INCENTIVOS FISCAIS (-) PROVISÃO PARA PERDAS EM INVESTIMENTOS POR INCENTIVOS FISCAIS AÇÕES E COTAS AÇÕES E COTAS (-) PROVISÃO PARA PERDAS EM AÇÕES E COTAS OUTROS INVESTIMENTOS OUTROS INVESTIMENTOS

7 (-) PROVISÃO PARA PERDAS EM OUTROS INVESTIMENTOS IMOBILIZADO DE USO MÓVEIS E EQUIPAMENTOS EM ESTOQUE MÓVEIS E EQUIPAMENTOS EM ESTOQUE IMOBILIZAÇÕES EM CURSO IMOBILIZAÇÕES EM CURSO IMÓVEIS MÓVEIS E EQUIPAMENTOS IMÓVEIS DE USO IMÓVEIS DE USO TERRENOS EDIFICAÇÕES (-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA DE IMÓVEIS DE USO - EDIFICAÇÕES INSTALAÇÕES, MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE USO INSTALAÇÕES MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE USO (-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA DE INSTALAÇÕES (-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA DE MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE USO OUTROS SISTEMA DE COMUNICAÇÃO EQUIPAMENTOS DIREITOS DE USO SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE DADOS SISTEMA DE SEGURANÇA SISTEMA DE TRANSPORTE (-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA DE OUTRAS IMOBILIZAÇÕES DE USO (-) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO - EQUIPAMENTOS (-) SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE DADOS (-) SISTEMA DE SEGURANÇA (-) SISTEMA DE TRANSPORTE DIFERIDO GASTOS DE ORGANIZAÇÃO E EXPANSÃO ÁGIOS DE INCORPORAÇÃO GASTOS EM IMÓVEIS DE TERCEIROS BENFEITORIAS FUNDO DE COMÉRCIO CONSTITUIÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DA SOCIEDADE GASTOS COM AQUISIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE LOGICIAIS INSTALAÇÃO E ADAPTAÇÃO DE DEPENDÊNCIAS OUTROS GASTOS DIFERIDOS (-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA DO DIFERIDO (-) ÁGIOS DE INCORPORAÇÃO (-) GASTOS EM IMÓVEIS DE TERCEIROS

8 (-) CONSTITUIÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DA SOCIEDADE (-) GASTOS COM AQUISIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE LOGICIAIS (-) INSTALAÇÃO E ADAPTAÇÃO DE DEPENDÊNCIAS (-) OUTROS GASTOS DIFERIDOS C O M P E N S A Ç Ã O CONTROLE RECURSOS DE CONSÓRCIOS UTILIZADOS A UTILIZAR OUTRAS CONTAS DE COMPENSAÇÃO ATIVAS T O T A L G E R A L D O A T I V O CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS E REPASSES EMPRÉSTIMOS NO PAÍS - INSTITUIÇÕES OFICIAIS OBRIGAÇÕES POR AQUISIÇÃO DE TÍTULOS FEDERAIS (-) DESPESAS A APROPRIAR DE EMPRÉSTIMOS NO PAÍS - INSTITUIÇÕES OFICIAIS EMPRÉSTIMOS NO PAÍS - OUTRAS INSTITUIÇÕES OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS NO PAÍS EM MOEDA NACIONAL EM MOEDA ESTRANGEIRA (-) DESPESAS A APROPRIAR DE EMPRÉSTIMOS NO PAÍS OUTRAS INSTITUIÇÕES EMPRÉSTIMOS NO EXTERIOR OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS NO EXTERIOR (-) DESPESAS A APROPRIAR DE EMPRÉSTIMOS NO EXTERIOR OUTRAS OBRIGAÇÕES SOCIAIS E ESTATUTÁRIAS DIVIDENDOS E BONIFICAÇÕES A PAGAR GRATIFICAÇÕES E PARTICIPAÇÕES A PAGAR RECURSOS PARA INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL COTAS DE CAPITAL A PAGAR FISCAIS E PREVIDENCIÁRIAS IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES SOBRE LUCROS A PAGAR IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECOLHER PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA DIFERIDO PROVISÃO PARA RISCOS FISCAIS DIVERSAS OBRIGAÇÕES POR AQUISIÇÃO DE BENS E DIREITOS PROVISÃO PARA PAGAMENTOS A EFETUAR PROVISÃO PARA PASSIVOS CONTINGENTES RECURSOS A PRAZO DE ACIONISTAS SUBSCRIÇÕES DE CAPITAL A INTEGRALIZAR

9 VALORES A PAGAR A SOCIEDADES LIGADAS CREDORES DIVERSOS - EXTERIOR CREDORES DIVERSOS - PAÍS (-) DESPESAS A APROPRIAR DE OUTRAS OBRIGAÇÕES RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS RECEITAS DE EXERCÍCIOS FUTUROS RECEITAS DE EXERCÍCIOS FUTUROS RENDAS ANTECIPADAS P A T R I M Ô N I O L Í Q U I D O PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL SOCIAL CAPITAL DE DOMICILIADOS NO PAÍS DE DOMICILIADOS NO EXTERIOR AUMENTO DE CAPITAL DE DOMICILIADOS NO PAÍS DE DOMICILIADOS NO EXTERIOR (-) CAPITAL A REALIZAR CORREÇÃO MONETÁRIA DO CAPITAL CORREÇÃO MONETÁRIA DO CAPITAL REALIZADO CORREÇÃO MONETÁRIA DE AUMENTOS DE CAPITAL RESERVAS DE CAPITAL RESERVAS DE ÁGIOS POR SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES RESERVA DE PRÊMIOS NA EMISSÃO DE DEBÊNTURES OUTRAS RESERVAS DE CAPITAL RESERVAS DE REAVALIAÇÃO RESERVA DE REAVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DE USO PRÓPRIO RESERVA DE REAVALIAÇÃO DE BENS DE COLIGADAS E CONTROLADAS RESERVAS DE LUCROS RESERVA LEGAL RESERVAS ESTATUTÁRIAS RESERVAS PARA CONTINGÊNCIAS RESERVAS PARA EXPANSÃO RESERVAS DE LUCROS A REALIZAR RESERVAS ESPECIAIS DE LUCROS DIVIDENDOS OBRIGATÓRIOS NÃO DISTRIBUÍDOS OUTRAS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (-) DIVIDENDOS E LUCROS PAGOS ANTECIPADAMENTE AÇÕES EM TESOURARIA (-) AÇÕES EM TESOURARIA CONTAS DE RESULTADO CREDORAS RECEITAS OPERACIONAIS RENDAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS RENDAS DE TÍTULOS DE RENDA FIXA

10 RENDAS DE TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL RENDAS DE APLICAÇÕES EM FUNDOS DE INVESTIMENTO RESULTADO DE TRANSAÇÕES COM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ÁGIOS NA COLOCAÇÃO DE TÍTULOS LUCROS COM TÍTULOS DE RENDA FIXA LUCROS COM TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL LUCROS EM OPERAÇÕES COM AÇÕES LUCROS EM OPERAÇÕES COM ATIVOS FINANCEIROS RENDAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS RENDAS DE ASSESSORIA TÉCNICA RENDAS DE TAXAS DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSÓRCIOS RENDAS DE OUTROS SERVIÇOS RENDAS DE PARTICIPAÇÕES RENDAS DE AJUSTES EM INVESTIMENTOS EM COLIGADAS E CONTROLADAS OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS RECUPERAÇÃO DE ENCARGOS E DESPESAS REVERSÃO DE PROVISÕES OPERACIONAIS DESVALORIZAÇÃO DE TÍTULOS LIVRES PERDAS EM APLICAÇÕES TEMPORÁRIAS EM OURO OPERAÇÕES DE CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA OUTROS CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA PERDAS EM PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS PERDAS EM SOCIEDADES COLIGADAS E CONTROLADAS IMPOSTO DE RENDA OUTRAS OUTRAS RENDAS OPERACIONAIS RECEITAS NÃO OPERACIONAIS LUCROS EM TRANSAÇÕES COM VALORES E BENS LUCROS NA ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS LUCROS NA ALIENAÇÃO DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS LUCROS NA ALIENAÇÃO DE VALORES E BENS OUTRAS RECEITAS NÃO OPERACIONAIS GANHOS DE CAPITAL RENDAS DE ALUGUÉIS REVERSÃO DE PROVISÕES NÃO OPERACIONAIS DESVALORIZAÇÃO DE OUTROS VALORES E BENS PERDAS EM INVESTIMENTOS POR INCENTIVOS FISCAIS PERDAS EM AÇÕES E COTAS PERDAS EM OUTROS INVESTIMENTOS OUTRAS OUTRAS RENDAS NÃO OPERACIONAIS RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA

11 AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA APURAÇÃO DE RESULTADO (*) APURAÇÃO DE RESULTADO (*) APURAÇÃO DE RESULTADO (*) CONTAS DE RESULTADO DEVEDORAS DESPESAS OPERACIONAIS DESPESAS DE CAPTAÇÃO DESPESAS DE DEBÊNTURES EM MOEDA ESTRANGEIRA EM MOEDA NACIONAL DESPESAS DE OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS E REPASSES DESPESAS DE EMPRÉSTIMOS NO PAÍS - OUTRAS INSTITUIÇÕES DESPESAS DE EMPRÉSTIMOS NO EXTERIOR RESULTADO DE TRANSAÇÕES COM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS PREJUÍZOS COM TÍTULOS DE RENDA FIXA PREJUÍZOS COM TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL PREJUÍZOS EM OPERAÇÕES COM AÇÕES PREJUÍZOS EM OPERAÇÕES COM ATIVOS FINANCEIROS DESPESAS DE PARTICIPAÇÕES DESPESAS DE AJUSTES EM INVESTIMENTOS EM COLIGADAS E CONTROLADAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS DESPESAS DE ÁGUA, ENERGIA E GÁS DESPESAS DE ALUGUÉIS DESPESAS DE ARRENDAMENTOS DE BENS DESPESAS DE COMUNICAÇÕES DESPESAS DE CONTRIBUIÇÕES FILANTRÓPICAS DESPESAS DE HONORÁRIOS CONSELHO FISCAL DIRETORIA E CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DESPESAS DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE BENS DESPESAS DE MATERIAL DESPESAS DE PESSOAL - BENEFÍCIOS DESPESAS DE PESSOAL - ENCARGOS SOCIAIS FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO PREVIDÊNCIA SOCIAL PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OUTRAS DESPESAS DE PESSOAL - PROVENTOS DESPESAS DE PESSOAL - TREINAMENTO

12 DESPESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DESPESAS DE PROMOÇÕES E RELAÇÕES PÚBLICAS DESPESAS DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE DESPESAS DE PUBLICAÇÕES DESPESAS DE SEGUROS DESPESAS DE SERVIÇOS DO SISTEMA FINANCEIRO DESPESAS DE SERVIÇOS DE TERCEIROS DESPESAS DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DESPESAS DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DESPESAS DE TRANSPORTE DESPESAS TRIBUTÁRIAS DESPESAS DE VIAGEM AO EXTERIOR DESPESAS DE VIAGEM NO PAÍS OUTRAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS APROVISIONAMENTOS E AJUSTES PATRIMONIAIS DESPESAS DE AMORTIZAÇÃO DESPESAS DE DEPRECIAÇÃO DESPESAS DE PROVISÕES OPERACIONAIS DESVALORIZAÇÃO DE TÍTULOS LIVRES PERDAS EM APLICAÇÕES TEMPORÁRIAS EM OURO OPERAÇÕES DE CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA OUTROS CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA PERDAS EM PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS PERDAS EM SOCIEDADES COLIGADAS E CONTROLADAS OUTRAS OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS DESPESAS DE CONTRIBUIÇÃO AO FINSOCIAL DESPESAS DE CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS DESPESAS NÃO OPERACIONAIS PREJUÍZOS EM TRANSAÇÕES COM VALORES E BENS PREJUÍZOS NA ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS PREJUÍZOS NA ALIENAÇÃO DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS PREJUÍZOS NA ALIENAÇÃO DE VALORES E BENS OUTRAS DESPESAS NÃO OPERACIONAIS PERDAS DE CAPITAL DESPESAS DE PROVISÕES NÃO OPERACIONAIS DESVALORIZAÇÃO DE OUTROS VALORES E BENS PERDAS EM INVESTIMENTOS POR INCENTIVOS FISCAIS PERDAS EM AÇÕES E COTAS PERDAS EM OUTROS INVESTIMENTOS OUTRAS OUTRAS DESPESAS NÃO OPERACIONAIS RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA RESULTADO DE CORREÇÃO MONETÁRIA

13 AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA AJUSTES DE PROGRAMAS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA APURAÇÃO DE RESULTADO APURAÇÃO DE RESULTADO (*) APURAÇÃO DE RESULTADO (*) IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PARTICIPAÇÕES NO LUCRO PARTICIPAÇÕES NO LUCRO ADMINISTRADORES EMPREGADOS FUNDOS DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA OUTRAS C O M P E N S A Ç Ã O CONTROLE RECURSOS COLETADOS DE CONSÓRCIOS OUTRAS CONTAS DE COMPENSAÇÃO PASSIVAS T O T A L G E R A L D O P A S S I V O (*) títulos de uso interno, não apresentando saldos nos balancetes/balanços. ANEXO II À CIRCULAR Nº 2.009, DE 08 DE AGOSTO DE 1991 DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DE RECURSOS DE CONSÓRCIOS INSTITUIÇÃO ADMINISTRADORA: C.G.C. QUANTIDADE DE GRUPOS CONSOLIDADOS: D É B I T O RECURSOS UTILIZADOS TAXA DE ADMINISTRAÇÃO AQUISIÇÃO DE BENS DESPESAS COM O REGISTRO DE CONTRATO DE GARANTIA DESPESAS COM SEGUROS DESPESAS JUDICIAIS DESPESAS DE COBRANÇA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE SOBRE APLICAÇÕES FINANCEIRAS CONSORCIADOS EXCLUÍDOS DEVOLUÇÃO DE TAXA DE ADESÃO OUTROS RECURSOS A UTILIZAR DISPONIBILIDADES

14 ABERTO CAIXA DEPÓSITOS BANCÁRIOS VINCULADOS APLICAÇÕES EM TÍTULOS VINCULADOS AO MERCADO OUTRAS DISPONIBILIDADES CRÉDITOS CHEQUES EM COBRANÇA OUTROS CRÉDITOS OUTROS RECURSOS BENS OUTROS VALORES TOTAL DO DÉBITO C R É D I T O RECURSOS COLETADOS TAXA DE ADESÃO CONTRIBUIÇÃO PARA A AQUISIÇÃO DO BEM TAXA DE ADMINISTRAÇÃO FUNDO DE RESERVA CONTRIBUIÇÃO MENSAL MULTAS E JUROS MORATÓRIOS RENDIMENTOS DE TÍTULOS VINCULADOS AO MERCADO ABERTO OUTROS RECURSOS (-) TRANSFERÊNCIAS PARA O FUNDO COMUM ( ) TRANSFERÊNCIAS DO FUNDO DE RESERVA PARA O FUNDO COMUM AQUISIÇÃO DO BEM REAJUSTE DO SALDO DE CAIXA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DESPESAS DE COBRANÇA PRÊMIO DE SEGURO REEMBOLSO DE DESPESAS COM O REGISTRO DE CONTRATOS DE GARANTIA REAJUSTE DO SALDO DE CAIXA REEMBOLSO DE DESPESAS DE COBRANÇA JUDICIAL (-) CONSORCIADOS EXCLUÍDOS (DESISTENTES E INADIMPLENTES) ( ) CONSORCIADOS EXCLUÍDOS CONSORCIADO SUBSTITUTO - CONTRIBUIÇÕES VENCIDAS E QUITADAS BENS APREENDIDOS OUTROS RECURSOS APURAÇÃO FINAL

15 TOTAL DO CRÉDITO

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

e) atualizar a Seção "Função e Funcionamento das Contas - 2", do Capítulo "Elenco de Contas - 2";

e) atualizar a Seção Função e Funcionamento das Contas - 2, do Capítulo Elenco de Contas - 2; CARTA-CIRCULAR N 2.030 REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DO PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (COSIF) Comunicamos que, com fundamento no artigo 4º, inciso XII, da Lei nº 4.595, de 31.12.64,

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS CNPJ -33.851.064/0001-55. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 30/06/11 E 30/06/10 R$ Mil

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS CNPJ -33.851.064/0001-55. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 30/06/11 E 30/06/10 R$ Mil MOBILIÁRIOS BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 30/06/11 E 30/06/10 ATIVO CIRCULANTE 4.101 4.314 DISPONIBILIDADES 555 624 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ - 77 Aplicações em Operações Compromissadas -

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008.

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. CIRCULAR Nº 2824 Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. Altera procedimentos para reavaliação de imóveis de uso próprio por parte de instituições financeiras, demais instituições

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 9.671.194,34 29.326.303,91 29.462.756,13 9.534.742,12 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 80.215,82 11.749.129,63 11.810.017,76 19.327,69 1.1.1.00.00-9 CAIXA

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 Ficha 01 - Dados Iniciais CNPJ: Situação da Declaração: Normal

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C A DD. DIRETORIA DO SOLIDÁRIA - CRESOL BASER Rua Nossa Senhora da Glória, 52ª - Cango Francisco Beltão - PR CNPJ: 01.401.771/0001-53 Balanço Patrimonial e Demonstração de Sobras ou Perdas consolidadas do

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 kpmg Caixa Econômica Federal Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 KPMG Auditores Independentes

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

GMAC Administradora de Consórcios Ltda.

GMAC Administradora de Consórcios Ltda. GMAC Administradora de Consórcios Ltda. Demonstrações Financeiras Referentes ao Semestre Findo em 30 de Junho de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200 - Bl.4

Leia mais

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1 4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1. Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais