Regulamento do Plano Assistencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Plano Assistencial"

Transcrição

1 B Regulamento do Plano Assistencial

2 REGULAMENTO DO PLANO ASSISTENCIAL DA CEB ÍNDICE 1 Finalidade 02 2 Procedimentos não cobertos 02 3 Beneficiários 03 4 Carência 05 5 Utilização do Plano de Saúde 06 - Rede Credenciada 06 - Sistema de Livre Escolha 07 6 Custeio das Despesas 07 7 Assistência Médica 10 8 Assistência Hospitalar e Cirúrgica 10 9 Assistência Odontológica Assistência Fonoaudiológica Assistência Psicológica Assistência Fisioterápica Acupuntura Exames Laboratoriais Exames Radiológicos Material Corretivo Reembolso Acidente de Trabalho Das Penalidades 19

3 1. FINALIDADE 1.1 Este regulamento dispõe sobre a concessão e disponibilização do plano de saúde da CEB com os seguintes benefícios: a) Assistência médica; b) Assistência hospitalar e cirúrgica; c) Assistência psicológica; d) Assistência fonoaudiológica; e) Acupuntura; f) Assistência fisioterápica; g) Assistência odontológica; h) Exame laboratorial de complementação de diagnóstico (análises clínicas e anátomo-patológicas); i) Exame radiológico; j) Material corretivo de deficiência visual, auditiva e locomotora; e k) Reembolso de despesa médica, hospitalar, odontológica, exame laboratorial, exame radiológico, psicologia, fonoaudiologia, acupuntura, assistência fisioterápica, material corretivo de deficiência visual, auditiva e locomotora, e medicamentos. 1.2 Somente são autorizados e pagos procedimentos constantes nas tabelas adotadas pela FACEB. 1.3 A FACEB, como administradora do Plano de Saúde, se reserva o direito, nos casos em que julgar necessário e a critério da sua Diretoria Executiva, de submeter o beneficiário à perícia, antes, durante ou depois de prestados os benefícios de que trata este Regulamento A FACEB, na qualidade de administradora do Plano de Saúde, não se responsabiliza pelos resultados dos tratamentos realizados dentro ou fora do Plano de Saúde, visto que a escolha dos profissionais é prerrogativa do beneficiário. 2. PROCEDIMENTOS NÃO COBERTOS 2.1 A CEB não participa do custeio da despesa decorrente das seguintes assistências: a) Tratamento clínico ou cirúrgico experimental; b) Tratamento em estâncias hidrominerais ou de repouso; c) Massagem com finalidade não terapêutica, ducha, sauna e serviços assemelhados, bem como medicamentos relativos a essas assistências; d) Cirurgia plástica para fins estéticos; e) Inseminação artificial; f) Tratamento de rejuvenescimento ou de emagrecimento com 2

4 finalidade estética; g) Medicamentos com finalidade estética e produtos para limpeza de lentes de contato; h) Vitaminas; i) Vacinas, a exceção daquelas constantes no Guia Farmacêutico Brasíndice; j) Despesa com diária de acompanhamento hospitalar; k) Despesa com complicação decorrente de procedimento não autorizado pela FACEB, tais como cirurgia plástica embelezadora, lipoaspiração, recanalização de trompas, interrupção de gravidez, entre outros; l) Nutrição; m) Consulta e tratamento domiciliar; n) Remoção por via aérea; o) Despesa extra com internação; p) Exames para verificação de paternidade; q) Testes psicológicos para orientação vocacional e avaliação de QI; r) Procedimentos anticoncepcionais (pílulas, colocação de DIU e diafragma); s) Intervenção cirúrgica que vise a esterilidade, salvo se satisfeitas as exigências do Código de Ética Médica; t) Meia, cinta, atadura e calça elástica; u) Umidificador, nebulizador e vaporizador; v) Calçado ortopédico ou palmilha; w) Colchão ortopédico, magnetizado ou d`água, e x) Procedimentos não constantes nas tabelas adotadas pela FACEB. 2.2 Não é permitido utilizar ou substituir códigos das tabelas adotadas pela FACEB, de modo a atender procedimentos não cobertos pelo Plano de Saúde. 3. BENEFÍCIÁRIOS 3.1 Têm direito aos benefícios de que trata este Regulamento, respeitadas as diferenças de permissibilidade, os participantes e assistidos da FACEB, pertencentes as seguintes categorias de beneficiários: a) Empregados da CEB; b) Diretores da CEB; c) Ocupantes de Emprego em Comissão na CEB; d) Empregados da CEB aposentados por invalidez, que não tenha havido rescisão do contrato de trabalho; e) Dependentes dos participantes constantes das alíneas a, b, c, d, h, i e j ; 3

5 f) Aposentados e seus cônjuges; g) Pensionistas; h) Empregados da CEB em mandato eletivo; i) Empregados da CEB em exercício de funções especiais no complexo do GDF; e j) Autopatrocínio decorrente de adesão ao Programa de Desligamento Voluntário, caso o referido Plano ofereça este benefício. 3.2 Os benefícios de que trata este regulamento ficam automaticamente suspensos para os beneficiários relacionados no subitem 3.1, no mesmo período em que estiverem suspensos os seus contratos de trabalho por motivo de licença sem vencimentos. 3.3 É considerado aposentado, para os efeitos da alínea f do item 3.1, o ex-empregado que em até 6 (seis) meses, após seu desligamento da CEB, passe a receber o benefício de suplementação de aposentadoria pela FACEB. 3.4 É considerado pensionista, o cônjuge do participante falecido que recebe o benefício de pensão por morte junto à FACEB. 3.5 São considerados dependentes dos beneficiários constantes das alíneas a, b, c e d do item 3.1: a) Cônjuge ou companheiro (a), mediante entrega da cópia da certidão de casamento ou Declaração de Coabitação emitida pelo cartório de Registro Civil, respectivamente; b) Filho solteiro, menor de 21 (vinte e um) anos, mediante entrega da cópia da certidão de nascimento; c) Filho cursando o terceiro grau, menor de 24 (vinte e quatro) anos, mediante a comprovação semestral de renovação de matrícula em instituição de ensino superior, reconhecida pelo Ministério da Educação e Cultura MEC; d) Pai e mãe, mediante comprovação de dependência econômica emitida pela justiça ou dependência perante o INSS. A FACEB se reservará no direito de apreciar e avaliar, discricionariamente, a necessidade de apresentação de outros documentos, que não tenham sido disponibilizados, até que fique totalmente esclarecida a mencionada relação de dependência econômica; e) Enteado menor de 21 (vinte e um), ou menor de 24 (vinte e quatro) anos desde que comprove, na forma da alínea c, supra, estar cursando o terceiro grau, em ambos os casos, mediante entrega de cópia da certidão de nascimento e Documento de Guarda e Responsabilidade em nome do empregado, emitido pelo Juizado de Menores; e f) Dependente portador de necessidades especiais, sem limite de idade, após entrega da cópia da certidão de nascimento e aprovação da perícia médica da FACEB. 4

6 3.6 É considerado dependente portador de necessidades especiais, o beneficiário que apresenta patologia física, mental e/ou neurosensorial, decorrente de enfermidade de natureza congênita, perinatal ou adquirida de caráter permanente, que limite ou gere incapacidade para o desempenho das atividades da vida diária e/ou do trabalho O empregado tem o prazo máximo de 30 (trinta) dias contados do nascimento, para cadastrar na FACEB, os seus filhos recém-nascidos. 3.8 A FACEB pode, a qualquer tempo, solicitar documentos para subsidiar a análise da inscrição de dependente. 3.9 Cessam-se todos os direitos ao Plano de Saúde da CEB, nos casos de: menores emancipados, divórcio, separação, dissolução de união, cessação da condição de invalidez, extinção de adoção ou morte O dependente universitário menor de 24 (vinte e quatro) anos, terá o prazo de 31 de março (primeiro semestre) e 31 de agosto (segundo semestre), para renovar a sua declaração de escolaridade junto a FACEB Quando um beneficiário for excluído do Plano de Saúde da CEB ou perder a condição de dependência, o titular deve solicitar imediatamente à FACEB, o cancelamento de dependência, mediante requerimento pessoal e devolver a carteira de identificação do Plano O titular que se desligar da Patrocinadora, ou tiver seu contrato de trabalho suspenso, deve, imediatamente, devolver à FACEB sua carteira de identificação do Plano de Saúde, bem como de todos os seus dependentes, salvo as condições constantes das letras h, i e j, do item 3.1 do Regulamento do Plano Assistencial. 4. CARÊNCIA 4.1 Para a utilização dos benefícios descritos neste item, o titular do plano deve ter, no mínimo, 03 (três) meses de efetivo serviço: a) Assistência médica; b) Assistência hospitalar e cirúrgica; c) Assistência psicológica; d) Assistência fonoaudiológica; e) Acupuntura; f) Assistência fisioterápica; g) Exame laboratorial de complementação de diagnóstico (análises clínicas e anátomo-patológicas); h) Exame radiológico; i) Material corretivo de deficiência visual, auditiva e locomotora, e; 5

7 j) Reembolso de despesa médica, hospitalar, exame laboratorial, exame radiológico, acupuntura, assistência fisioterápica, psicologia, fonoaudiologia, material corretivo de deficiência visual, auditiva e locomotora, e medicamentos. 4.2 Para a utilização do benefício de Assistência Odontológica e de Reembolso de Despesa Odontológica, o empregado da CEB deve ter, no mínimo, 06 (seis) meses de efetivo serviço. 4.3 A utilização do Plano de Saúde pelo beneficiário dependente, está vinculada ao cumprimento do disposto nos itens 4.1 e 4.2 deste Regulamento. 5. UTILIZAÇÃO DO PLANO DE SAÚDE 5.1 O paciente que perder a condição de beneficiário do Plano de Saúde da CEB, e ainda estiver em tratamento de qualquer natureza, tem direito, exclusivamente, à conclusão dos procedimentos constantes da última guia autorizada pela FACEB, obedecendo-se os critérios estabelecidos neste Regulamento. 5.2 O beneficiário titular é o responsável direto pelas despesas praticadas em seu nome, por seus dependentes ou terceiros. Além da obrigatoriedade de devolução das despesas indevidas à Fundação, cabe a este a responsabilidade pelos atos lesivos ou abusivos praticados Para o beneficiário que se encontre fora da área de cobertura, é disponibilizado o atendimento mediante o Convênio de Reciprocidade firmado com algumas empresas de outros estados ou o Sistema de Livre Escolha. As informações referente aos procedimentos para a efetivação destes atendimentos, são obtidas junto à FACEB. REDE CREDENCIADA O serviço de saúde é prestado pela rede credenciada da FACEB, que abrange o Distrito Federal e Entorno. 5.5 É condição essencial para a utilização da rede credenciada da FACEB, a apresentação da Carteira de Identificação do Plano de Saúde da CEB acompanhada de documento oficial de identidade ou certidão de nascimento, quando o dependente for menor. 5.6 A primeira via da Carteira de Identificação do Plano de Saúde da CEB é fornecida sem qualquer custo. 5.7 A segunda via do supracitado documento, emitida em decorrência de perdas ou danos, é paga pelo beneficiário titular, competindo à FACEB fixar o valor do pagamento. 6

8 5.8 O beneficiário deve assinar a guia da FACEB, por ocasião do atendimento. 5.9 As faltas não justificadas com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas às consultas, podem ser cobradas por parte do credenciado e serão descontadas integralmente do associado. O valor será correspondente a uma consulta. SISTEMA DE LIVRE ESCOLHA 5.10 O Sistema de Livre Escolha consiste no reembolso de despesas até os valores previstos nas tabelas adotadas pela FACEB, obedecidas as condições e parâmetros do Regulamento e normas vigentes Fica a critério e sob a responsabilidade do beneficiário, a escolha do profissional ou instituição que executará o serviço Ao utilizar o Sistema de Livre Escolha na área de abrangência da rede conveniada da FACEB, o beneficiário deve seguir os mesmos critérios adotados quando da utilização da Rede Credenciada O pagamento da despesa é negociado pelo beneficiário, diretamente com o prestador do serviço As despesas realizadas pelo Sistema de Livre Escolha não poderão ser financiadas Os beneficiários do Plano de Saúde da CEB podem utilizar os serviços médicos, hospitalares, laboratoriais, radiológicos e odontológicos não conveniados à FACEB, entretanto, nenhuma responsabilidade quanto à qualidade dos serviços prestados será imputada à Fundação Todo tratamento odontológico pelo Sistema de Livre Escolha, independentemente do valor, deverá ser submetido à perícia inicial e final, as quais deverão ficar obrigatoriamente a cargo do mesmo profissional. 6. CUSTEIO DAS DESPESAS 6.1 O beneficiário titular tem seus custos assistenciais e de seus dependentes descontados em folha de pagamento, de acordo com os percentuais fixados a seguir, e em conformidade com as tabelas adotadas pela FACEB: a) Despesa com assistência médica, psicologia, fonoaudiologia, fisioterapia, acupuntura, laboratório, radiologia e material 7

9 corretivo auditivo e locomotor, são custeadas em 80% (oitenta por cento) pela CEB, e 20% (vinte por cento) pelo beneficiário; b) Cirurgia de miopia e/ou astigmatismo é custeada em 50% (cinqüenta por cento) pela CEB e 50% (cinqüenta por cento) pelo beneficiário; c) Despesa hospitalar com internação junto à rede credenciada, é custeada integralmente pela CEB; d) Despesas com tratamento psiquiátrico, psicológico e dependência química, com ou sem internação, são custeadas em 80% (oitenta por cento) pela CEB e 20% (vinte por cento) pelo beneficiário; e) Material Especial, Órtese e Prótese, necessários ou não ao procedimento cirúrgico, são custeados em 80% (oitenta por cento) pela CEB e 20% (vinte por cento) pelo beneficiário, acrescidos da taxa de comercialização; f) Tratamento odontológico é custeado pela CEB da seguinte forma: 70% (setenta por cento) das despesas com implante e exames associados; 70% (setenta por cento) das despesas com ortodontia para beneficiário até 21 (vinte e um) anos de idade; 60% (sessenta por cento) das despesas com ortodontia para beneficiário acima de 21 (vinte e um) anos de idade; 80% (oitenta por cento) para as demais despesas odontológicas. g) Aparelho corretivo visual para os empregados e seus dependentes é custeado pela CEB em 100% (cem por cento), limitado ao valor máximo de R$ 250,00 (duzentos e cinqüenta reais), sendo R$ 80,00 (oitenta reais) para a armação e R$ 170,00 (cento e setenta reais) para as lentes; h) Aparelho corretivo visual para os aposentados, seus cônjuges e pensionistas, é limitado ao valor de até R$ 250,00 (duzentos e cinqüenta reais), sendo R$ 80,00 (oitenta reais) para a armação e R$ 170,00 (cento e setenta reais) para as lentes. A participação do beneficiário titular é de 20% (vinte por cento) do valor autorizado pela FACEB; i) O reembolso de medicamentos é efetuado com base no Guia Farmacêutico Brasíndice, obedecendo-se os critérios descritos a seguir: reembolso de 100% (cem por cento) para medicamentos genéricos; reembolso de 80% (oitenta por cento) para os demais medicamentos; o reembolso de medicamento importado é feito pelo valor do medicamento nacional similar; 8

10 o valor do reembolso é o menor valor entre, o constante na nota fiscal e o preço do guia farmacêutico Brasíndice. j) O portador de necessidade especial permanente tem sua despesa médico-hospitalar custeada integralmente pela CEB. As demais despesas são custeadas na mesma proporção dos outros beneficiários, e; k) Despesa decorrente de acidente de trabalho é custeada integralmente pela CEB, desde que cumpridas as exigências do Acordo Coletivo de Trabalho O critério para custeio de tratamentos autorizados previamente pela FACEB, é aquele adotado na data de conclusão do tratamento O critério de custeio para reembolso de tratamentos realizados no Sistema de Livre Escolha, é aquele adotado na data de conclusão do tratamento. 6.2 Todas as despesas realizadas na rede credenciada podem ser parceladas em até 20 (vinte) vezes Até a 10ª (décima) parcela os valores são iguais, sem juros ou correção monetária A partir da 11ª (décima primeira) parcela os valores são corrigidos de acordo com a variação do INPC. O parcelamento em mais de 10 (dez) vezes deve ser solicitado pelo beneficiário titular mediante requerimento. 6.3 Somente é autorizado o parcelamento de despesas a partir de R$ 30,00 (trinta reais) O valor da parcela de despesa assistencial não pode ser inferior ao valor de desconto mínimo mensal, que equivale a 2% (dois por cento) da remuneração líquida do beneficiário titular O parcelamento da despesa é efetuado sobre cada verba separadamente Quando do surgimento de novos débitos, estes são alvo de outro parcelamento, obedecendo os critérios estabelecidos no subitem Os casos excepcionais, onde haja necessidade de financiamento superior a 20 (vinte) parcelas, são analisados pela Diretoria de Benefícios O percentual que cabe ao beneficiário é descontado em folha de pagamento do beneficiário titular. 9

11 6.4 Despesa hospitalar realizada no Sistema de Livre Escolha, desde que coberta pelo Plano de Saúde da CEB, é reembolsada com base nas tabelas da FACEB, no percentual de 80% (oitenta por cento). Nos casos de emergência, ou em locais onde não haja rede conveniada da FACEB ou dos convênios de reciprocidade, a cobertura é de 100% (cem por cento) Quando da internação de emergência, o beneficiário tem o prazo de 48 (quarenta e oito) horas para comunicar o ocorrido à FACEB. Cabe à família providenciar a transferência do paciente para a Rede Credenciada, a fim de que seja restabelecida a cobertura integral das despesas. 6.5 Os Planos de Saúde dos Convênios de Reciprocidade adotam Tabelas e Unidade de Serviços US diferentes das praticadas pela FACEB. A diferença gerada a maior, a taxa administrativa referente a esta diferença e os encargos, são cobrados 100% (cem por cento) do beneficiário. 6.6 Filha de beneficiário titular, dependente do Plano de Saúde, quando grávida, tem direito à utilização da rede credenciada, bem como autorização de internação hospitalar para o parto. Durante os 30 (trinta) primeiros dias, o bebê que não é dependente do titular, pode utilizar o Plano de Saúde da CEB, sendo que 100% (cem por cento) de suas despesas são custeadas pelo beneficiário, mediante desconto em folha de pagamento. 7. ASSISTÊNCIA MÉDICA 7.1 O tratamento esclerosante de varizes está sujeito ao limite-vida de 40 (quarenta) sessões por paciente. 7.2 O tratamento dermatológico (terapia e/ou cirurgia) estará sujeito à autorização prévia do perito da FACEB, após exame pericial com o paciente. 8. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E CIRÚRGICA 8.1 A internação para os empregados e seus dependentes é concedida em apartamento tipo B. 8.2 A internação para os aposentados, seus cônjuges e pensionistas é concedida, exclusivamente, em enfermaria No caso de internação hospitalar ou de procedimento cirúrgico, é necessária a autorização prévia da perícia da FACEB, determinando a quantidade de dias necessários à internação. 10

12 A autorização para internação eletiva, previamente marcada, deve ser solicitada com, no máximo, 10 (dez) dias de antecedência Para a solicitação da guia de internação clínica, é necessário o pedido médico contendo o CID (Código Internacional de Doenças) da patologia para que a FACEB proceda a perícia médica Para prorrogação de internação, é necessário submeter à análise da perícia médica o relatório médico contendo a quantidade de dias a serem prorrogados, o CID (Código Internacional de Doenças) da patologia e a justificativa da solicitação, cuja prorrogação de internação será concedida in loco, por auditoria médica contratada pela Fundação Para a solicitação da guia de internação cirúrgica, é necessário o pedido médico contendo o código da cirurgia, em conformidade com as tabelas adotadas pela FACEB, e exames pré-operatórios. 8.4 A cirurgia eletiva não é autorizada para realização após às 19:00, nem aos domingos e feriados. 8.5 Em caso de atendimento de emergência, a autorização deve ser solicitada em até 72 (setenta e duas) horas após o atendimento inicial, sempre nos dias e horários de atendimento do médico perito da Fundação. 8.6 No caso de prorrogação de internação, a guia deve ser solicitada em até 72 (setenta e duas) horas após vencida a última diária autorizada pela FACEB, sempre nos dias e horários de atendimento do médico perito da Fundação. 8.7 A cirurgia para correção de miopia e/ou astigmatismo é autorizada uma única vez por olho para o beneficiário que apresentar 02 (dois) graus ou mais de deficiência visual De 02 (dois) a 06 (seis) graus de miopia e/ou astigmatismo é autorizada a cirurgia PRK (Ablação Corneana) ou a PTK (Ceratotomia Radial e Astigmática), e acima de 06 (seis) graus de miopia e/ou astigmatismo, a Lasik (Ceratomileuses) Nos casos em que julgar necessário, a perícia médica da FACEB pode exigir a última receita oftalmológica do beneficiário. 8.8 A FACEB só autoriza procedimento cirúrgico para tratamento de obesidade mórbida, quando o paciente obedecer cumulativamente as seguintes condições: - Apresentar índice corporal acima de 40; - Não tenha obtido sucesso com tratamentos clínicos ambulatoriais; 11

13 - Tenha desenvolvido outras patologias paralelas, tais como - hipertensão arterial, problemas ortopédicos, psicossocial, entre outros; - Ter idade entre 18 (dezoito) e 60 (sessenta) anos; - Não ser portador de doença mental ou incapacitante; - Não ser portador de cardiopatia grave e coagulopatia. 9. ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA 9.1 Para os aposentados, seus cônjuges e pensionistas não há cobertura para as especialidades de ortodontia e implante. 9.2 Todo tratamento odontológico deve ser autorizado previamente pela FACEB. 9.3 A autorização para tratamento odontológico só é concedida se a margem consignável do beneficiário titular permitir tal despesa. Casos excepcionais deverão ser submetidos à análise da Diretoria de Benefícios da FACEB. 9.4 Para a autorização do tratamento ortodôntico, o profissional deve emitir laudo indicando a necessidade do uso para avaliação do perito O tratamento com implante só é autorizado se realizado por profissionais cadastrados como implantodontistas junto à FACEB Só é autorizado o tratamento, se realizado com marca de implante adotada pela FACEB. 9.6 O tratamento odontológico com custo a partir de 2000 USO (duas mil unidades de serviço odontológico), considerando-se os preços da tabela FACEB, deve ser submetido à perícia inicial e final O beneficiário tem o prazo máximo de 10 (dez) dias úteis para realizar a perícia final e devolver o odontograma assinado ao profissional que realizou o serviço. 9.7 O tratamento odontológico só é autorizado se o profissional for habilitado na especialidade indicada. 9.8 O tratamento odontológico deve estar em conformidade com as Normas Odontológicas da FACEB. 10. ASSISTÊNCIA FONOAUDIOLÓGICA 10.1 Somente poderá ser solicitado por odontólogos, médicos, psicólogos e fonoaudiólogos O tratamento fonoaudiológico está limitado a 08 (oito) sessões mensais. 12

14 11. ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA 11.1 O tratamento psicológico é limitado a 200(duzentas) sessões/vida Todo tratamento psicológico deve ser previamente autorizado pela perícia psicológica da FACEB No início do tratamento, deve ser emitido um laudo para análise e autorização da perícia da FACEB Somente será necessário apresentar novo laudo, nos seguintes casos: - Após completados 12 (doze) meses da primeira autorização; - Quando houver alteração na linha de tratamento autorizada; - Em casos de tratamentos interrompidos Os laudos devem ser entregues à FACEB diretamente pela rede credenciada. No Sistema de Livre Escolha, o próprio beneficiário providencia a entrega A assistência psicológica deve estar em conformidade com as Normas de Psicologia da FACEB. 12. ASSISTÊNCIA FISIOTERÁPICA 12.1 O tratamento somente poderá ser solicitado por médicos. 13. ACUPUNTURA 13.1 O tratamento somente poderá ser realizado por médicos A partir da 11ª sessão, deve ser solicitada autorização à FACEB Para autorização, o beneficiário deve submeter à análise da perícia da FACEB, laudo indicando a justificativa e a quantidade de sessões necessárias. 14. EXAMES LABORATORIAIS (complementação de diagnóstico análises clínicas e anatomo patológicas) 14.1 Exame laboratorial cujo preço na tabela da FACEB apresente custo a partir de 800 CH (oitocentos coeficientes de honorários), deve ser autorizado previamente pela FACEB. 13

15 14.2 Não é aceito pedido médico para realização de exames, emitido em modelo previamente impresso em gráfica. 15. EXAMES RADIOLÓGICOS 15.1 Exame radiológico com custo a partir de 800 CH (oitocentos coeficientes de honorários) deve ser autorizado previamente pela FACEB Não é aceito pedido médico para realização de exames, emitido em modelo previamente impresso em gráfica. 16. MATERIAL CORRETIVO 16.1 São considerados materiais corretivos: a) visual: óculos completo (armação e lente) e lente de contato; b) auditivo: aparelho de audição; c) locomotor: muleta e cadeira de rodas Todo material corretivo a ser adquirido junto à rede credenciada, deve ser previamente autorizado pela FACEB A autorização para aquisição de material corretivo auditivo e locomotor, só é concedida se a margem consignável do beneficiário permitir tal despesa. Casos excepcionais deverão ser submetidos à análise da Diretoria de Benefícios da FACEB Para a autorização de compra de material corretivo visual junto à rede credenciada é necessário apresentar a receita oftalmológica original, dentro da sua validade, que é de 6 (seis) meses, com o orçamento em papel timbrado, datado, carimbado e assinado. A receita oftalmológica original ficará arquivada na FACEB Entende-se como material corretivo visual completo, um par de lentes de contato ou o conjunto de armação com lentes A autorização para aquisição de óculos completo ou um par de lentes de contato é concedida uma única vez a cada 12 (doze) meses, por beneficiário. Havendo alteração de grau em período inferior, será autorizada apenas a aquisição de lentes, por uma única vez, a cada período de 12 (doze) meses São autorizadas lentes de contato descartáveis uma única vez a cada 12 (doze) meses. A quantidade e o período de duração das lentes devem ser especificados na indicação médica. A quantidade não pode exceder àquela necessária para o período de 12 (doze) meses. Havendo alteração de grau em período inferior, será autorizada apenas a 14

16 aquisição das lentes de óculos, hipótese em que a armação ficará a cargo do beneficiário Cadeira de rodas é limitada a 01 (uma) unidade a cada 60 (sessenta) meses Aparelho auditivo é limitado a 01 (uma) unidade a cada 60 (sessenta) meses, somente sendo permitido substituição mediante alteração das condições orgânicas do beneficiário, desde que não seja possível dispor de outro recurso Para autorização de compra de material corretivo auditivo, é necessário apresentar o laudo médico com CID (Código Internacional de Doenças) constando a indicação, exames e 3 (três) orçamentos em papel timbrado, datado, carimbado e assinado. Considera-se o de menor valor Só são autorizados aparelhos e objetos convencionais, sem sofisticação técnica que apenas redundem em maior comodidade e conforto para o paciente. Exceção feita nos casos em que seja imprescindível sua utilização, mediante justificativa médica. 17. REEMBOLSO 17.1 O reembolso é solicitado à FACEB através do formulário Solicitação de Reembolso de Benefícios Assistenciais, o qual deve ser preenchido e assinado pelo beneficiário titular Todos os documentos que acompanham a solicitação devem ser originais Deve ser anexada à Solicitação de Reembolso de Benefícios Assistenciais, a nota fiscal (pessoa jurídica) ou recibo (pessoa física) do procedimento a ser reembolsado A Nota Fiscal deve conter, de forma legível; a) Razão social e CGC; b) Data; c) Nome completo do paciente; e d) Discriminação dos materiais, medicamentos, procedimentos ou serviços realizados, com seus respectivos valores e quantidades Não é aceita Nota Fiscal que: a) Ultrapassar 90 (noventa) dias da data de sua emissão; b) Estiver rasurada, alterada, com emenda ou borrões; e c) Estiver com a data limite para sua emissão vencida. 15

17 17.4 O recibo deve conter, de forma legível: a) Nome completo, número do registro, CPF, carimbo e assinatura do profissional que prestou o serviço; b) Data; c) Nome completo do paciente; e d) Discriminação dos procedimentos ou serviços realizados com seus respectivos valores e quantidades O recibo não é aceito se: a) Ultrapassar 90 (noventa) dias da data de sua emissão; e b) Estiver rasurado, alterado, com emendas ou borrões Os documentos anexados ao pedido de reembolso ficam arquivados na FACEB A solicitação de reembolso para tratamento fisioterápico, acupuntura, exame laboratorial e exame radiológico, deve vir acompanhada do pedido médico original constando o código da tabela adotada pela FACEB Na solicitação de reembolso para tratamento fonoaudiológico, psicoterápico e fisioterápico, deve constar na nota fiscal ou recibo, a data do evento A solicitação de reembolso para tratamento odontológico, no odontograma, deve discriminar todos os procedimentos realizados pelo prestador de serviço, com os seus respectivos valores e quantidades, bem como, o mapa dos dentes assinalados e faces da arcada do paciente O reembolso da manutenção ortodôntica só é autorizado a partir da data de cadastramento do aparelho ortodôntico na FACEB, devidamente periciado A solicitação de reembolso para despesa hospitalar deve vir acompanhada do pedido médico constando o código da tabela e/ou CID (Código Internacional de Doenças) da patologia, boletim anestésico e documentação discriminando todos os procedimentos realizados com seus respectivos valores e quantidades. Sendo necessário, a FACEB solicita outros documentos Para reembolso de material corretivo visual, deve ser apresentado o original da receita oftalmológica, dentro da sua validade, que é de 06 (seis) meses, e a nota fiscal correspondente, discriminando separadamente, os valores da armação e da lente. 16

18 17.12 Quando da aquisição, unicamente, da armação do óculos, desde que obedecida a carência, excluí-se a exigência da receita oftalmológica, da documentação exigida pela FACEB Para o reembolso de aquisição ou aluguel de material corretivo de deficiência auditiva ou locomotora, devem ser apresentados: laudo médico com CID (Código Internacional de Doenças) constando indicação e plano de tratamento, exames e 2 (dois) orçamentos distintos do fornecedor do material, em papel timbrado, datado, carimbado e assinado. Considera-se o de menor valor Para o reembolso de órtese e/ou prótese, o beneficiário deve apresentar à perícia da FACEB os seguintes documentos: laudo com CID (Código Internacional de Doenças) constando indicação e plano de tratamento, exames e 2 (dois) orçamentos distintos do fornecedor do material. Considera-se o de menor valor. Órtese: dispositivo que auxilia ou melhora determinada função. Ex: Cadeira de rodas, muleta, balão de oxigênio, glicosímetro, etc. Prótese: dispositivo removível, ou não, destinado a complementar ou substituir a função orgânica. Ex: marca-passo, prótese mamária, parafuso, pino instalado em cirurgia ortopédica, etc Para a solicitação de reembolso de medicamento, devem ser observadas as seguintes condições: a) Somente é reembolsado medicamento reconhecido pelo Ministério da Saúde; b) A receita deve ser original e tem validade máxima de 06 (seis) meses, a contar da data de sua emissão; c) A receita original fica arquivada na FACEB. O beneficiário poderá solicitar o reembolso, mediante a entrega das correspondentes notas fiscais, no período de validade da receita, desde que não ultrapasse a quantidade prescrita; d) Toda receita para medicamentos de uso contínuo e/ou prolongado deve constar o CID (Código Internacional de Doenças) da patologia; e) Receita para medicamento de uso contínuo deve constar, além da prescrição médica, a indicação uso contínuo, e deve ser acompanhada de laudo médico original que especifique o período de validade; f) Receita para medicamento de uso prolongado deve constar, além da prescrição médica, a indicação uso prolongado, e deve ser acompanhada de laudo médico original que especifique o período de validade; g) No caso de medicamento controlado, o beneficiário pode apresentar a 2ª via ou cópia da receita, legível e devidamente datada; h) Medicamento importado só é autorizado se não houver similar nacional; 17

19 i) Receita médica com rasuras, alterações, emendas ou borrões não será aceita; j) A FACEB reembolsa, no máximo, a quantidade de medicamentos prescrita na receita médica; k) Para medicamento homeopático, dermatológico e endocrinológico, é necessário apresentar laudo médico e o CID (Código Internacional de Doenças) da patologia, para análise da perícia da FACEB e, se necessário, poderá ser solicitada a presença do paciente; l) Para reembolso de fitas reativas e aparelho medidor de glicemia será reembolsado 80% do valor apresentado, sendo exigido relatório do médico assistente informando tipo e nível de diabetes e quantidade de medições diárias. Será exigida na receita a informação da quantidade de fitas; m) Serão reembolsados medicamentos para obesidade quando o índice de massa corporal for maior ou igual a 35, comprovado em perícia médica realizada na FACEB, incluindo medição de peso e altura; n) O reembolso de despesas com hormonioterapia somente ocorrerá nos casos em que a patologia determinante for capaz de provocar agravo ou risco à saúde do beneficiário; São de inteira responsabilidade do beneficiário titular, as informações constantes nos documentos comprobatórios entregues à FACEB, inclusive quanto a autenticidade dos mesmos O reembolso deve ser creditado em até 30 dias, após a data de entrega da documentação na FACEB Se a data para a entrega na FACEB dos documentos para fins de reembolso coincidir com sábado, domingo ou feriado, o prazo é prorrogado automaticamente para o primeiro dia útil posterior Se a data para crédito do reembolso coincidir com sábado, domingo ou feriado, o mesmo será efetuado no primeiro dia útil posterior; A FACEB se reserva no direito de solicitar relatório demonstrando a necessidade de continuação da medicação constante dos laudos mencionados no item 17.15, alíneas e e f ; O relatório de que trata o item será fornecido pela perícia contratada pela FACEB e, somente, para os casos de laudos com prazo de validade por tempo indeterminado; 18. ACIDENTE DE TRABALHO 18.1 A CEB paga ou reembolsa o total das despesas a seguir, quando decorrentes do acidente de trabalho: 18

20 a) Médico-hospitalar; b) Eventuais próteses; e c) Psicológicas para a readaptação ao serviço Também têm cobertura integral pela CEB o medicamento, material corretivo e tratamento odontológico, desde que comprovadamente decorrentes do acidente de trabalho Em situação de emergência, logo após o acidente, pode ser utilizada a assistência mais próxima e conveniente, inclusive a prestada por entidades não incluídas nos convênios do Plano de Saúde da CEB Quando da continuidade do tratamento, é autorizada unicamente a Rede Credenciada da FACEB. Nestes casos, a CEB se responsabiliza pelo custo do transporte do empregado dentro ou fora do Distrito Federal, se necessário, sob a orientação da Área de Saúde Ocupacional da CEB A caracterização dos procedimentos, medicamentos, materiais ou serviços como decorrentes do acidente de trabalho, deve ser feita pelo serviço de medicina do trabalho da CEB. Para tanto, o empregado deve ser examinado pelo médico indicado pela CEB Os benefícios constantes deste capítulo são automaticamente cancelados, por ocasião da aposentadoria do empregado ou do seu desligamento da empresa. 19. DAS PENALIDADES 19.1 A FACEB pode suspender, total ou parcialmente, a utilização do Plano de Saúde da CEB, para o titular e seus dependentes, se comprovado o uso indevido para qualquer dos benefícios concedidos A FACEB pode, a qualquer tempo, suspender ou cancelar inscrições indevidas A despesa efetuada com o recém-nascido não cadastrado na FACEB no prazo de 30 (trinta) dias, será descontada integralmente do empregado, não tendo direito ao reembolso retroativo A despesa efetuada pelo dependente universitário que não estiver com a situação regularizada na FACEB, será descontada integralmente na folha de pagamento do beneficiário titular, não tendo direito ao reembolso retroativo A utilização indevida da Carteira de Identificação do Plano de Saúde da CEB, para atendimento de não beneficiários ou para outra 19

REGULAMENTO DO PLANO ASSISTENCIAL DA CEB

REGULAMENTO DO PLANO ASSISTENCIAL DA CEB 1 REGULAMENTO DO PLANO ASSISTENCIAL DA CEB ÍNDICE 1 Finalidade 03 2 Procedimentos não cobertos 03 3 Beneficiários 04 4 Carência 06 5 Utilização do Plano de Saúde 07 - Rede Credenciada 07 - Sistema de Livre

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ATO DELIBERATIVO Nº 8, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre o Programa de auxílio para aquisição ou locação de órteses e próteses médicas não-cirúrgicas e implementos médico-hospitalares. A PRESIDENTE

Leia mais

ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012

ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012 ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o Programa de auxílio para aquisição ou locação de órteses e próteses médicas não cirúrgicas e implementos médico-hospitalares. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Número Sistema : RECURSOS HUMANOS Sub-Sistema : Vigência : 01/05/2013 Emissão : 25/10/2013

Leia mais

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que:

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que: REGULAMENTO INTERNO DO PLANO DE SAÚDE DA PATROCINADORA SERCOMTEL S.A. - TELECOMUNICAÇÕES, ADMINISTRADO PELA SUPRE (autorização pelo OFÍCIO Nº. 3141/SPC/COJ, DE 31/10/2000) 1. Da Finalidade VERSÃO 2013

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 12.507, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Altera dispositivos do Decreto nº. 4.067, de 15 de setembro de 1976 do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (IPAM) e dá outras providências. JOSÉ

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE O PAS/SERPRO em Convênio de Reciprocidade com a CASSI foi criado de maneira a possibilitar o acesso de todos os empregados e seus

Leia mais

INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO

INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. ENTREGA DAS FATURAS: 1.1. Datas de faturamento 1.1.1. Observar as datas especificadas pelo STJ para entrega das faturas (Cronograma de entrega de faturas). Quando essas datas

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

MANUAL DE BENEFÍCIOS. ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel

MANUAL DE BENEFÍCIOS. ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel MANUAL DE BENEFÍCIOS ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel ÍNDICE 1. Princípios gerais da assistência prestada pela ABEP. 2. Normas gerais para concessão de reembolsos. 3. Beneficiários

Leia mais

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE MANUAL DO USUÁRIO DO PLANO CELOS SAÚDE AGREGADOS Revisado em 04/05/2011 O objetivo deste manual é orientar os usuários sobre a correta utilização do. As informações e instruções aqui contidas devem ser

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ESTE MANUAL TEM POR OBJETIVO FORNECER ORIENTAÇÃO GERAL AOS PROFISSIONAIS E INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS DO SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA SUPLETIVA DA CESAN. O FIEL CUMPRIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE

REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE 1. Finalidade Estabelecer critérios para concessão de reembolso de parte das despesas com a aquisição de próteses e órteses não implantáveis por ato cirúrgico. 2.

Leia mais

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29 TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO ODONTOLÓGICO PME + SAÚDE PME (NOVOS CLIENTES) ODONTOLÓGICO PME - CONTRATANDO SOMENTE O PLANO ODONTOLÓGICO 14,81 23,05 43,92 93,75 16,29 25,35 48,31 103,13 Saúde PME: O Valor

Leia mais

ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO

ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO Rotinas para Atendimento do Usuário Este manual tem por objetivo facilitar a utilização do seu Plano de Saúde. A observância das instruções nele contidas facilita o

Leia mais

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo 1. Definições 1.1. Apólice: é o documento emitido pela Seguradora que expressa o contrato celebrado entre a Seguradora

Leia mais

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do disposto no art. 36, alínea "c" do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66; RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Este manual visa esclarecer as regras e normas para o serviço

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Quais as vantagens do Benefício Farmácia?

Quais as vantagens do Benefício Farmácia? MENSAGEM DA GSAM/AMS Cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho de 2007/2008, a Petrobras Distribuidora implantou o Benefício Farmácia, que prevê condições especiais na aquisição de medicamentos pelos beneficiários

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB 1 º S E M E S T R E / 2 0 1 5 Plano de Saúde da CEB e Plano CEB-Saúde 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterada na 10ª reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterada na 10ª reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE SAÚDE (BAIXO RISCO) DA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA MG

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE SAÚDE (BAIXO RISCO) DA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA MG REGULAMENTO DO PROGRAMA DE SAÚDE (BAIXO RISCO) DA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA MG CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E DA GESTÃO DO PROGRAMA Art. 1º. A Companhia de Saneamento de Minas Gerais

Leia mais

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL REGULAMENTO DO PLANO AMBULATORIAL DA CAURJ* (*ENTIDADE REGISTRADA SOB O Nº. 34.782 PLANO REGISTRADO

Leia mais

EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015

EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 1. DISPONIBILIZAÇÃO DOS FORMULÁRIOS A FUNESO, por meio da Comissão de Responsabilidade Social e Filantropia, faz saber aos alunos,

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009;

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009; REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece orientações sobre a LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE E RESSARCIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR dos servidores do Instituto Federal

Leia mais

SABESPREV SAÚDE REEMBOLSO DE DESPESAS MÉDICAS

SABESPREV SAÚDE REEMBOLSO DE DESPESAS MÉDICAS Além de disponibilizar uma ampla rede de recursos credenciados, a SABESPREV ainda possibilita aos seus BENEFICIÁRIOS o reembolso de despesas com serviços de saúde em regime de livre escolha. O beneficiário

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO DECRETO Nº 11.395, DE 10 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta os artigos do Título II da Lei Complementar n 227, de 10 de novembro de 2005 O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, usando da atribuição que lhe

Leia mais

MANUAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA AUTOGESTÃO PERDIGÃO

MANUAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA AUTOGESTÃO PERDIGÃO MANUAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA AUTOGESTÃO PERDIGÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...4 OBJETIVOS DO PLANO DE SAÚDE...4 ABRANGÊNCIA DO PLANO DE SAÚDE...5 QUEM PODE UTILIZAR O PLANO DE SAÚDE...5 FORMA DE INCLUSÃO E IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário 1. GARANTIAS E VANTAGENS O SAÚDE PAS Medicina & Odonto é um Plano de Saúde direcionado exclusivamente aos servidores públicos estaduais, que opera em regime de autogestão, sem fins lucrativos e sob a filosofia

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA A modalidade Livre Escolha consiste no reembolso de despesas médicas e/ou hospitalares de procedimentos constantes da Tabela de Reembolso do PAS-SERPRO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

1. O QUE GARANTE O VALOR SAÚDE... 4. 2. A REDE DE PRESTADORES... 5 2.1. Em Portugal... 5 2.2. Em Espanha... 6 3. O CARTÃO DE SAÚDE...

1. O QUE GARANTE O VALOR SAÚDE... 4. 2. A REDE DE PRESTADORES... 5 2.1. Em Portugal... 5 2.2. Em Espanha... 6 3. O CARTÃO DE SAÚDE... GUIA Valor Saúde ÍNDICE 1. O QUE GARANTE O VALOR SAÚDE... 4 2. A REDE DE PRESTADORES... 5 2.1. Em Portugal... 5... 6... 7... 7... 7 4.2. Assistência Médica Hospitalar... 8 4.3. Assistência Médica Ambulatória...

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.2 Chamada para seleção de estudantes de graduação, candidatos

Leia mais

RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Nº 01.

RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Nº 01. RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Nº 01. Acusamos o recebimento tempestivo do pedido de esclarecimentos ao instrumento convocatório apresentado pela UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO, que

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA 1. APRESENTAÇÃO O Manual Nacional de Acidente do Trabalho tem por finalidade estabelecer normas, regras e diretrizes que norteiem o INTERCÂMBIO de Acidente do Trabalho entre todas as UNIMEDs do país, consolidando

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal:

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal: TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: CEP: Telefone: Representante legal: RG: CPF: 1. Por este termo, o associado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 102, DE 15 DE SETEMBRO DE 2014. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

RESOLUÇÃO Nº 102, DE 15 DE SETEMBRO DE 2014. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO Nº 102, DE 15 DE SETEMBRO DE 2014. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando os documentos constantes

Leia mais

MANUAL DO BENEFICIÁRIO PLANO A

MANUAL DO BENEFICIÁRIO PLANO A Página 1 de 12 MANUAL DO BENEFICIÁRIO PLANO A Prezado Beneficiário, Este é o Manual do Beneficiário da ELOSAÚDE. Nele você encontrará informações importantes para melhor usufruir dos benefícios oferecidos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça TABELA DE ODONTOLOGIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. Deverão ser faturados ao STJ somente os tratamentos concluídos. 2. Quando a(s) perícia(s) for(em) obrigatória(s) para

Leia mais

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Número Sistema : RECURSOS HUMANOS Sub-Sistema : Vigência : 01/12/2014 Emissão : 01/12/2014

Leia mais

São Paulo, Janeiro de 2014

São Paulo, Janeiro de 2014 Comunicado - Reembolso Prezado Cliente, Com o objetivo de aprimorarmos nossas rotinas operacionais e visando preservar a agilidade nos pagamentos dos atendimentos ocorridas na Livre-Escolha, informamos

Leia mais

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio Guia Prático do seu PLANO DE SAÚDE Rio Bem -vindo à ALIANÇA ADMINISTRADORA! Sumário Informações Importantes...3 Guia de Leitura Contratual...6 Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde...8

Leia mais

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Conheça os planos de benefícios e assistência médica da Fundação 2 3 SUMÁRIO 06 Apresentação 08 Glossário 10 Introdução Geral Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

MANUAL DE REEMBOLSO 2 ENDEREÇO PARA ENTREGA DAS SOLICITAÇÕES DE REEMBOLSO

MANUAL DE REEMBOLSO 2 ENDEREÇO PARA ENTREGA DAS SOLICITAÇÕES DE REEMBOLSO MANUAL DE REEMBOLSO 1 - O QUE É REEMBOLSO É a restituição ao beneficiário, das despesas médicas e hospitalares por ele custeadas em atendimento particular, ou seja, por prestador não credenciado à Medial

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

SISTEMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE REGULAMENTO TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I - DO OBJETIVO

SISTEMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE REGULAMENTO TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I - DO OBJETIVO SISTEMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE REGULAMENTO TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I - DO OBJETIVO Art. 1º. O Sistema de Assistência à Saúde SAS - tem por objetivo oferecer ações de saúde necessárias à recuperação

Leia mais

Assistência Multidisciplinar de Saúde ... ... ... ... ... ...

Assistência Multidisciplinar de Saúde ... ... ... ... ... ... Assistência Multidisciplinar de Saúde..................... AMS: Assistência Multidisciplinar de Saúde Benefício concedido pela Petrobras a todos os empregados, aposentados, pensionistas e seus respectivos

Leia mais

Atualizado em JANEIRO/2009 Informações e tabelas de preços cedidas pela UNIMED Guarapuava

Atualizado em JANEIRO/2009 Informações e tabelas de preços cedidas pela UNIMED Guarapuava A Unimed Guarapuava, tem por objetivo, oferecer sempre as melhores opções, com produtos que supram a necessidade de nossos clientes, garantindo-lhes inúmeras vantagens como: cobertura mais ampla, profissionais

Leia mais

1.1 - a inscrição de participantes a este programa se dará através de:

1.1 - a inscrição de participantes a este programa se dará através de: PROPOSTA DE REGULAMENTO VISANDO A IMPLANTAÇÃO DOS BENEFÍCIOS CONTIDOS NO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CELEBRADO EM DEZEMBRO DE 2011, QUE TRATA DO PROGRAMA DE APOIO AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA I - O Programa

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2015 Regido pela Lei Nº 8.666/93. Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA, MÉDICO- HOSPITALAR, PARAMÉDICA,

Leia mais

Contrato de Adesão Nº

Contrato de Adesão Nº Contrato de Adesão Nº A CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, com Sede no SBS Qd. 05, Bloco H, Lote 23 Ed. Sede II, Brasília (DF), inscrita no CGC/MF sob o no 33.719.485/0001-27 a seguir

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARCELAMENTO DIRETO ESTUDANTIL - PPDE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARCELAMENTO DIRETO ESTUDANTIL - PPDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARCELAMENTO DIRETO ESTUDANTIL - PPDE 1. OBJETO O objeto deste regulamento é a concessão d e Parcelamento Direto Estudantil concedido pelas FACULDADES INTA, que é um programa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA ANEXO I CARACTERÍSITCAS DO OBJETO Objeto: Contratação de operadora de plano de assistência médico-hospitalar, compreendendo os serviços clínicos e cirúrgicos, ambulatoriais, internação clínica, cirúrgica

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS Para que todos os empregados possam ter suas dúvidas esclarecidas, os questionamentos recebidos pela Comissão Saúde serão respondidos

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.005307/2011-73 Cobertura de Diária de Internação Hospitalar em UTI Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusula

Leia mais

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 Respostas aos questionamentos da Unimed Seguros PERGUNTA 1: Podemos entender que poderão participar do processo de credenciamento todas as empresas interessadas

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para o ressarcimento, mediante auxílio

Leia mais

3 Há alguma carência na adaptação de contrato, ou seja, quando o beneficiário já possui um plano?

3 Há alguma carência na adaptação de contrato, ou seja, quando o beneficiário já possui um plano? Navegue pelas perguntas mais frequentes respondidas pelo Santa Casa Saúde. Se sua dúvida não estiver nesta página ou as respostas não forem esclarecedoras, procure orientações no site através do link Atendimento,

Leia mais

ABRILPREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios da Abrilprev

ABRILPREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios da Abrilprev ABRILPREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ 73.000.838/0001-59 Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios da Abrilprev CNPB 1993.0008-11 1 DE PARA Justificativa 1 - DO OBJETO 1 DO OBJETO

Leia mais

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010 Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba - CODEVASF Área de Gestão Administrativa e Suporte Logístico - AA Gerência de Gestão de Pessoas

Leia mais

CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE ANIMAL

CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE ANIMAL CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE ANIMAL Contrato nº CONTRATADA NOME SITUADA na Rua, Vl. CEP Sorocaba / SP, Inscrição Estadual n., Inscrição Municipal n., CNPJ n., através de seu representante legal Nome, brasileiro,

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA REQUERIMENTO DE AUXÍLIO MEDICAMENTO E DE REEMBOLSOS DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO N 155/1999

INSTRUÇÕES GERAIS PARA REQUERIMENTO DE AUXÍLIO MEDICAMENTO E DE REEMBOLSOS DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO N 155/1999 INSTRUÇÕES GERAIS PARA REQUERIMENTO DE AUXÍLIO MEDICAMENTO E DE REEMBOLSOS DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO N 155/1999 AUXÍLIO MEDICAMENTO DE USO CRÔNICO Art. 20. O FASCAL assegurará auxílio aos associados regularmente

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso O envio da documentação pode ser por Correio - Carta Registrada ou Sedex para Caixa Postal 11.284 - CEP 05422-970 - São Paulo - SP - A/C SECOT.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007)

TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007) TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007) 1. OBJETO 1.1. O presente instrumento tem por objeto regular o plano de

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

Proteção Hospitalar Plus Familiar

Proteção Hospitalar Plus Familiar Proteção Hospitalar Plus Familiar Manual do segurado 1. OBJETIVO DO SEGURO PRODUTO PROTEÇÃO HOSPITALAR PLUS FAMILIAR MANUAL DO SEGURADO O presente Seguro tem por objetivo garantir o pagamento de uma Indenização

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES SOBRE O PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG APRESENTAÇÃO Com esta publicação, a da Universidade Federal de Minas Gerais (PRORH/UFMG) pretende informar os Servidores ativos e inativos e os

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

Reembolso de Despesas Médicas e Não Médicas Perguntas e Respostas. Vigência Julho/2015

Reembolso de Despesas Médicas e Não Médicas Perguntas e Respostas. Vigência Julho/2015 Reembolso de Despesas Médicas e Não Médicas Perguntas e Respostas Vigência Julho/2015 Além de disponibilizar uma ampla rede de recursos credenciados, a SABESPREV ainda possibilita aos seus BENEFICIÁRIOS

Leia mais

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 SÚMULA: Cria o Programa Remédio em Casa no Município de Pinhão, e dá outras providências. Autoria do vereador: Alain César de Abreu e Eu Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 11.977, DE 07 DE OUTUBRO DE 2003. (publicada no DOE nº 195, de 08 de outubro de 2003) Introduz

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

COBERTURAS E CARÊNCIAS:

COBERTURAS E CARÊNCIAS: PLANO REGIONAL E LOCAL UNIVERSITARIO PESSOA FÍSICA Lei 9656/98 ANS Beneficiários que residem em Guaratinguetá, Aparecida, Cunha ou Potim Definições: Unimed: Cooperativa de Trabalho Médico, regida pela

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais

RENDA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA RTI 699 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

RENDA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA RTI 699 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A RENDA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA RTI 699 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A CONDIÇÃO ESPECIAL DA GARANTIA BÁSICA DE RENDA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA

Leia mais

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA:

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: C o b e r t u r a C o n t r a t u a l ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: -ATENDIMENTO 24 horas; I - AS CONSULTAS DE URGÊNCIA serão realizadas com médico plantonista no HOSPITAL

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 01/2015 SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Foi publicado no Diário Oficial da

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE DIÁRIAS DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE DIH Acidente 1.

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE RORAIMA PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2008 Regido pela Lei nº 8.666/93.

Leia mais

A EMPRESA. Visão. Missão

A EMPRESA. Visão. Missão MANUAL DE RH 2015 A EMPRESA Com mais de 18 anos e com profundo conhecimento sobre saúde bucal, a DENTALPAR destaca-se no mercado odontológico pela qualidade nos serviços prestados e por promover e manter

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Especiais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Especiais SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Especiais Processo SUSEP 10.005463/99-80 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE DOENÇA TERMINAL DT 1. Objetivo do Seguro...2 2. Definições...2 3. Garantias do Seguro... 2 4. Riscos

Leia mais

Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Nome: Mãe: Endereço Bairro: Cidade: UF: CEP:

Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Nome: Mãe: Endereço Bairro: Cidade: UF: CEP: Requerimento de: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Plano: Padrão ( ) ou Especial ( ) Código MT - SAUDE: Titular ( ), Dependente ( ), Agregados ( ) Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão

Leia mais