TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015"

Transcrição

1 Os desafios fiscais do Brasil Thiago Neves Pereira Fernando Honorato Barbosa Resgatar o equilíbrio das contas públicas será crucial para que o Brasil enfrente os desafios recentes que se colocam para a economia. A essência da volatilidade recente nos mercados está na falta de uma adequada ancoragem fiscal. Sem equilibrar as contas públicas, as taxas de juros, o risco país e o câmbio não interromperão a trajetória de deterioração. Isso porque, ao não equacionar o déficit fiscal haverá menor disposição dos investidores locais e estrangeiros em financiar a dívida pública, que vai cada vez mais tendo seu prazo reduzido e seu custo aumentado. Portanto, pode-se dizer que o país sofre de um problema de ancoragem, como debatido na literatura econômica. Sem a âncora fiscal não é possível precificar os ativos. Sem clareza da dinâmica fiscal daqui para frente, as expectativas se deterioram na direção de ainda mais inflação e menor crescimento, mesmo em relação aos níveis atuais. O objetivo deste Tópico Especial é descrever os desafios fiscais que o país terá que enfrentar para equacionar as contas públicas e colocar a dívida novamente em trajetória de estabilidade ou declínio nos próximos anos. A razão central para a deterioração dos preços dos ativos nas últimas semanas está na perspectiva de crescimento contínuo da dívida pública no Brasil. Como se pode notar no gráfico a seguir (Gráfico 1), mesmo usando hipóteses consideradas favoráveis, a dívida pública não para de crescer até pelo menos A dívida bruta no Brasil tem crescido nos últimos anos por conta da perda de capacidade de geração de superávits primários, pelo aumento dos empréstimos ao BNDES e pela contrapartida do carregamento das reservas internacionais 1. Alguns analistas sugerem que os juros são os verdadeiros responsáveis pelo crescimento da dívida pública. Os juros que um país paga, entretanto, refletem seu nível de inflação e a confiança nas contas públicas. Portanto, em nosso julgamento, os juros são claramente consequência dos desequilíbrios macro e não causa deles. Em essência, a despesa pública no Brasil cresce muito acima do PIB há inúmeros anos. 75,0 73,0 7 69,0 67,0 65,0 63,0 6 59,0 57,0 55,0 58,9 Gráfico 1 - Dívida Bruta (% PIB) 72,5 71,1 69,2 64,7 66,4 66,3 65,6 6 63,3 62,6 Fonte: Min. Planejamento, BRAM BRAM Governo (atual) Governo (início do ano) 1

2 Para estabilizar a dívida pública, o Brasil tem que ser capaz de voltar a produzir superávits primários robustos nos próximos anos. Como se pode notar na tabela a seguir (Tabela 1), supondo um crescimento de 2% do PIB e juros reais da ordem de 6,0%, é necessário que o Brasil economize cerca de 3,0% do PIB para estabilizar a dívida. Isso equivale a cerca de R$ 200 bilhões ao ano, um esforço expressivo quando comparado aos desafios que o governo encontra para zerar o déficit orçamentário de 2016, originalmente estimado em R$ 3 bilhões. Historicamente, o Brasil produziu superávits primários até mesmo superiores a 3,0% do PIB (Gráfico 2), mas essa capacidade se esgotou. Podemos separar as razões para esse esgotamento em quatro blocos: (1) rigidez constitucional dos gastos; (2) correção do valor de benefícios em descompasso com o equilíbrio de longo prazo (3) excesso de desonerações e incentivos tributários 2 ; (4) queda do crescimento econômico. Algumas das desonerações excessivas e algumas reformas do gasto vêm sendo endereçadas desde o início do ano, mas a rigidez dos gastos, as regras de reajuste dos benefícios e a retomada do crescimento irão requerer grandes reformas para serem equacionadas. A solução para o desafio fiscal do país, portanto, passa por uma combinação de reformas do gasto, avaliação de eficiência, aumento de impostos e reformas microeconômicas que estimulem o crescimento. Tabela 1 - Resultado primário necessário para estabilizar a Dívida Bruta Crescimento do PIB Elaboração: BRAM Estabilizar a Dívida em 69% (2016) Taxa de Juro Real 4% 6% 8% 0% 2,8 4,1 5,5 1% 2,0 3,4 4,8 2% 1,4 2,7 4,1 3% 0,7 2,0 3,3 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 - - Gráfico 2 - Resultado Primário: Setor Público Consolidado (%PIB) 3,7 3,7 3,2 3,2 3,2 3,2 3,3 2,6 2,9 2,2 1, Fonte: BCB, BRAM , , A elevada rigidez das despesas públicas dificulta enormemente a ampliação do superávit primário daqui em diante. Em 2002, as despesas passíveis de contingenciamento representavam 27,1% do orçamento da União e, atualmente, esses valores somam apenas 12,1%. Com menores despesas passíveis de contingenciamento, o ajuste fiscal no curto prazo fica muito dependente de cortes nos investimentos. Isso limita a amplitude do ajuste primário, é prejudicial ao país e evidencia a necessidade de um debate que altere regras e permita cortes e ajustes nas despesas que hoje não são contingenciáveis, como previdência e salários. O que a tabela a seguir ilustra (Tabela 2) é que as despesas com a previdência, assistência social e com os salários dos servidores públicos consomem sozinhas R$ 870 bilhões do orçamento total de R$ 1,2 trilhão, ou seja, 72% do orçamento. Sem reformas nessas áreas será impossível produzir flexibilidade adequada no orçamento para termos um colchão de segurança para crises e gerar resultados primários robustos no futuro. Apenas as despesas de Previdência, Saúde e Educação devem acrescentar 0,4 p.p do PIB às despesas totais por ano, até 2030, necessitando de uma nova CPMF 3, por exemplo, a cada quatro anos, apenas para neutralizar tal aumento de despesa 4. 2

3 Tabela 2 - Despesas - Orçamento Federal 2016 (PLOA 2016) R$ bi % PIB Despesas Totais 1.210,6 19,4% Despesas Obrigatórias 960,2 15,4% Seguridade Social e Benefícios Assistenciais 592,1 9,5% Salários 252,6 % Subsídios 46,8 0,8% Outras 68,7 1,1% Despesas Discricionárias Totais 250,4 % Saúde e Educação 124,9 2,0% Bolsa Família 28,8 % PAC 42,4 0,7% Outras 54,3 0,9% Fonte: Ministério do Planejamento O aumento do déficit da previdência que irá saltar de R$ 50 bilhões em 2013 para R$ 125 bilhões em 2016 decorre essencialmente de problemas estruturais. O Brasil gasta com previdência e assistência social o equivalente a 12,0% do PIB para uma parcela de idosos acima de 65 anos de apenas 7,5% da população. Quando comparado a outros países (Gráfico 3), o país gasta muito mais do que seria esperado para a parcela equivalente de idosos na população. Essa equação só será solucionada com o estabelecimento de regras de idade mínima de aposentadoria e de equiparação da idade e regras de aposentadoria entre todos os grupos da sociedade 5, dado o forte aumento da população de idosos esperado para os próximos anos. O déficit da previdência não se elevou apenas por conta das regras de aposentadoria, mas pela concessão de reajustes muito acima do compatível com o equilíbrio de longo prazo. A elevação do salário mínimo que atingiu o maior valor real em mais de 70 anos amplificou o problema das regras pouco rígidas na concessão de benefícios (Gráfico 4). As despesas com benefícios equivalentes a um salário mínimo cresceram 184% desde 2006, enquanto aquelas superiores a um salário mínimo cresceram 18,0% (Tabela 3), em parte, é verdade, em função da queda das faixas mais altas para a de um salário mínimo. A cada 10% de aumento do salário mínimo, por exemplo, as despesas previdenciárias e assistenciais se elevam em cerca de R$ 60 bilhões ao ano. Assim, além de reformar as regras de acesso, o componente de indexação dos salários à inflação passada poderia gradualmente ser substituído por alguma medida de inflação futura ou de produtividade, o que ajudaria no objetivo de desindexar a economia e a convergir os incentivos na direção de produzir a menor inflação futura possível para que os ganhos de salários reais fossem preservados 6. Gasto com Previdência (%PIB) Gráfico 3 - Gasto com previdência e perfil demográfico Brasil Turquia México Chile Polônia Luxemburgo Estados Unidos Itália Grécia Finlândia Japão Alemanha Fonte: OECD, UN % da população acima de 60 anos ,7 Gráfico 4 - Salário Minimo (R$) Preços Constantes* 547,3 278, Fonte: Ministério Previdência, BRAM. *Deflacionado pelo indicador disponível no período. 800,3 3

4 Tabela 3 - Valor dos Beneficios - Ano (Total R$ milhão) Total Benefícios menores do que 1 SM Benefícios maiores do que 1 SM Variação (%) 89,9 184,2 18,1 Fonte: Ministério da Previdência Social, BRAM Além da previdência, houve significativo aumento das despesas com programas sociais, saúde e educação nos últimos anos (Gráficos 5 e 6), também fruto de regras constitucionais e de avanços nos valores pagos. Os programas sociais (seguro desemprego, abono salarial, LOAS/ RMV e bolsa família), saúde e educação representavam 14,1% das despesas da União em 2002 (1,8% do PIB) e encerraram 2014 consumindo 23,4% das despesas da União (2,2% do PIB). O crescimento das despesas com saúde e educação seguiu a indexação determinada na Constituição, que até o ano passado definia que as despesas com saúde avançassem ao ritmo de aumento nominal do PIB, enquanto a educação dependia de uma parcela do imposto de renda (IR) e impostos sobre produtos industrializados (IPI). Para os próximos anos, os gastos com saúde serão vinculados a 15% da Receita Corrente Líquida da União (RCL), enquanto para a educação, o Plano Nacional de Educação (PNE) definiu atingir a meta de 10% do PIB até Assim, essas rubricas devem continuar ganhando espaço no orçamento federal nos próximos anos. O mesmo deve ocorrer com o seguro desemprego, abono salarial, LOAS/RMS e bolsa família. 2,5 2,0 1,5 Gráfico 5 - Despesas Programas Sociais (%PIB) 2,2 1,4 0,3 1,7 0,4 0,6 0,6 0, Seguro Desemprego e Abono LOAS Bolsa Família Fonte: STN, BRAM 0,7 Gráfico 6 - Despesas com Saúde e Educação* 2,5 (%PIB) 2,2 2,0 1,7 1,8 0,7 1,5 0,3 1,4 1,5 1, Saúde Educação Fonte: STN, BRAM; * Apenas despesas de custeio À primeira vista, essas despesas são essenciais para o país. Mas o que se nota nas comparações internacionais é que o Brasil não gasta pouco com saúde e educação, por exemplo, mas produz um gasto pouco eficaz. Os atuais níveis de dispêndios com saúde e educação no país são próximos àqueles observados em várias outras economias (Gráficos 7 e 8) com indicadores de desempenho estudantil e de saúde muito superiores aos brasileiros. De forma semelhante, o seguro desemprego registrava recordes sucessivos de desembolso nos últimos anos, enquanto o país apresentava a menor taxa de desemprego da sua história. As despesas com pensão por morte no Brasil são muito superiores àquelas observadas no Japão, Bélgica ou França, países muito mais ricos do que o Brasil. No caso do auxílio doença (Gráfico 9) e do seguro defeso, o crescimento das despesas também, chama atenção, desproporcional ao que seria esperado 7. Tentando 4

5 reverter esse quadro, o governo alterou as regras de concessão de alguns desses benefícios no início do ano, mas as novas regras ainda são insuficientes para adequar a despesa com abono, seguro desemprego e pensão por morte ao equilíbrio de longo prazo das contas públicas, o que irá requerer novas adequações no futuro. Nesse conjunto de despesas, o foco na eficácia e no controle permanente das regras de acesso é fundamental. A avaliação recorrente de políticas públicas, a focalização do gasto e a exigência de contra partida no Brasil 8 precisa ganhar dimensão e se espalhar para todos os programas de governo. 7,0 6,0 5,0 3,0 2,0 Gráfico 7 - Despesas com Educação* (% PIB) 6,3 6,4 4,6 4,9 5,1 5,2 5,3 3,6 3,8 3,9 Indonésia Japão Índia Chile Austrália México United States Euro area Fonte: Banco Mundial, BRAM. * União, Estados e Municípios Brasil África do Sul 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 3,0 2,0 1,2 1,3 Indonésia Gráfico 8 - Despesas com Saúde (% PIB) 8,1 8,1 8,5 Índia Fonte: OMS, BRAM 3,2 México 3,7 Chile 4,3 4,3 4,7 África do Sul Turquia Brasil 6,3 Austrália Estados Unidos Zona Euro Japão Gráfico 9 - Auxílio Doença (R$ milhão) Preços Correntes Fonte: MPS, BRAM As despesas com salários chamam atenção muito mais pelo tamanho do dispêndio do que pela sua dinâmica recente (Gráfico 10). As despesas com pessoal e encargos federais representavam 21,3% dos gastos da União em 2014 contra 30,6% em Com isso, essa despesa em percentual do PIB recuou de 4,8% para % no período. O quadro de funcionários cresceu 31% desde 2002 (Tabela 4), proporção semelhante àquela observada para o emprego na economia como um todo (29,8%) e abaixo do crescimento real do PIB, de 49% no período. Portanto, pode-se dizer inclusive que houve algum ganho de produtividade. Mas como as despesas com salários são relevantes no total do orçamento público, qualquer elevação de salário tem um impacto substancial nas contas públicas, da ordem de R$ 30 bilhões a cada 10%. Portanto, apesar do recuo desse dispêndio, seria oportuno introduzir regras que permitissem ajustes mais rápidos na folha de pagamentos federal em momentos de crise, evitando que os trabalhadores mais produtivos do governo tivessem seu aumento de salário limitado pela rigidez imposta pelas regras de desligamento do serviço público. 5

6 Gráfico 10 - Despesas com Pessoal e Encargos 5,0 Socias (%PIB) 4,8 4,8 4,6 4,4 4,4 4,3 4,2 3,8 3,6 3, Fonte: STN, BRAM Tabela 4 - Número de Funcionários - Ativos Total Executivo Legislativo Judiciário Fonte: Minist. Planejamento, BRAM Recuperar a capacidade de arrecadação é essencial no curto prazo e isso envolve redução de desonerações, de subsídios e algum aumento de impostos apesar da já elevada carga tributária. O primeiro passo para recuperar a capacidade de arrecadação é reverter as desonerações realizadas nos últimos anos, que somaram mais de R$ 100 bilhões em 2014 (Gráfico 11). Grande parte das desonerações foi revertida no início de 2015, mas outras ainda podem ocorrer nos próximos trimestres. Além disso, os subsídios voltados a estimular o crescimento sem muita efetividade até o momento somaram um valor importante (Gráficos 12 e 13). Dentre esses programas, os mais volumosos foram os do BNDES, do Minha Casa Minha Vida, da CDE (setor elétrico) e FIES (com impacto na dívida futura e não no fluxo). Todos, em alguma medida, passam por revisões. Ainda assim, esse conjunto de reversões de desonerações não será capaz de solucionar o problema fiscal, que requer ações de curto prazo para evitar uma deterioração ainda maior da dívida, o que irá requerer aumentos transitórios de impostos enquanto as reformas estruturais não são implementadas. Gráfico 11 - Desonerações - Ano (R$ milhão) Fonte: SRF, BRAM 0,9 0,8 0,7 0,6 0,4 0,3 0,2 0,1 Gráfico 12 - Despesas com Subsídios (%PIB) 0,9 0,2 0,4 0, * Subsídios e subvenções, CDE, Comp. RGPS e MCMV Gráfico 14 - Despesas com Minha Casa, Minha Vida (R$ milhão) Fonte: STN, BRAM 6

7 Por fim, é preciso considerar que a queda do crescimento tem afetado a arrecadação e comprometido o esforço fiscal. Até meados da década passada, as receitas líquidas apresentaram avanço médio acima do crescimento das despesas (Tabela 5), isso principalmente devido ao aumento de impostos (CPMF) e pela reforma da legislação do PIS/COFINS que elevaram a carga tributária. Contudo, esse cenário começou a mudar a partir de 2006, e de forma mais acentuada após O menor crescimento econômico e a ampliação das desonerações (Gráfico 15) reduziram a capacidade de arrecadação do governo, que ficou mais dependente das receitas extraordinárias para o cumprimento dos superávits primários. Essa queda das receitas não permitiu evidenciar certo esforço do lado das despesas, que vêm crescendo no menor ritmo dos últimos anos, apesar de ainda crescerem acima do PIB. A retomada do crescimento, entretanto, requer um conjunto de reformas microeconômicas cujo sucesso não pode prescindir do equilíbrio macro das contas públicas, que é a origem dos desajustes econômicos. Tabela 5 - Crescimento Receitas e Despesas (% preços constantes) Período (média) Rec. Líquida Despesas PIB ,5 5,5 2, ,0 6,4 3, ,7 7,9 4, ,3 5,4 2, ,7 6,1 0,1 2015* -2,9-2,2-2,5 Fonte: STN, BRAM. * Projeção BRAM 4% 3% 2% 1% % -1% -2% Gráfico 15 - Demanda doméstica e Arrecadação de impostos (YoY - variação real) arrecadação de impostos demanda doméstica 15,0% 1% 5,0% % -5,0% -1% Portanto, apenas com profundas mudanças na legislação das receitas e despesas o governo conseguirá elevar de forma significativa o superávit primário. O esforço até agora implementado tem sido importante, como se pode notar pela queda das despesas no ano. Mas será necessário rediscutir as regras de benefícios em vigência no país, reduzindo o ritmo de crescimento das despesas obrigatórias. Adicionalmente, o país também terá que elevar transitoriamente as receitas, seja pelo aumento de alíquotas ou pela criação de novos impostos. Como os ajustes nas despesas são limitados no curto prazo, essa nova agenda fiscal deverá ser de médio e longo prazo. Portanto, para o país voltar a registrar níveis mais elevados de superávits primários, capazes de recolocar a dívida bruta em trajetória descendente, exigirá pelo lado do governo reformas estruturais, perseverança no controle dos gastos, análise permanente da eficiência e alguma elevação de impostos para financiar a transição da atual fase de desequilíbrio para um quadro de estabilidade e crescimento ancorado em reformas microeconômicas e aumento da produtividade. 7

8 Notas de rodapé: 1) Quando o tesouro transfere recursos para o BNDES, a dívida bruta aumenta. Ao mesmo tempo, o governo gera um crédito contra o BNDES. Assim, a dívida líquida (dívida bruta menos ativos do governo) permanece estável. Algo semelhante ocorre com as reservas internacionais. Ao comprar dólares, o Banco Central entrega reais ao mercado que, para não produzirem inflação e queda da taxa de juro efetiva, são resgatados do mercado com a emissão de dívida. Esses títulos elevam a dívida bruta e as reservas servem de ativo, mantendo a dívida líquida estável. As agências de rating em geral preocupam-se mais com a dívida bruta, por isso o foco deve se concentrar nela. Para uma discussão mais detalhada desse tema veja Tópico Especial de Novembro de 2012, A trajetória de dívida bruta como barômetro fiscal e base das outras metas fiscais. 2) A literatura fiscal especializada chama essas desonerações de tax expenditures (gastos tributários) pois tratam-se de incentivos equivalentes a gastos do governo. 3) No auge da CPMF, com alíquota de 0,38%, o tributo arrecadava 1,5% do PIB. 4) Mansueto Almeida, Samuel Pessoa e Marcos Lisboa em O Ajuste Inevitável ou o país ficou velho antes de se tornar desenvolvido, São Paulo, julho/2015, mimeo. 5) Há inúmeros artigos publicados a esse respeito, em relação à necessidade de harmonização de regras de acesso entre homens, mulheres, professores, militares e trabalhadores rurais, para citar alguns. A previdência rural, por exemplo, seria mais bem caracterizada como assistência social, uma vez que seus beneficiários não contribuem para o sistema. Há inúmeras propostas que preveem separar no orçamento as despesas com previdência daquelas tipicamente de assistência. Ainda que isso não resolva o problema fiscal, torna mais transparente as escolhas orçamentárias. A previdência rural acumulou um déficit de R$ 48,5 bilhões entre janeiro e julho de 2015, sendo que apenas 9% da população se enquadra nessa categoria, com 1/3 dos novos pedidos de aposentadoria vindo dos trabalhadores rurais. As regras de acesso à previdência dos funcionários públicos foram aprimoradas nos últimos anos, transformando o déficit da previdência dos funcionários públicos (RJU) um problema menor comparativamente ao dos funcionários da iniciativa privada (INSS). 6) Alguns economistas sugerem desvincular o valor do benefício da aposentadoria do salário mínimo, uma vez que, em tese, não se devem transferir ganhos reais para os setores que não mais produzem na economia. Mas isso pode gerar uma incompatibilidade entre o valor de um benefício e o que o país considera válido e necessário como mínimo para sobrevivência. 7) Para uma discussão detalhada desse tema, veja Tópico especial de Novembro de 2013, Dispêndios do governo com os programas abono e seguro-desemprego. 8) A focalização do gasto, em oposição às políticas de universalização do gasto, prevê que as transferências públicas sejam feitas sob critérios muito estreitos em que se tenha certeza que o beneficiário do recurso realmente se enquadra nos requisitos considerados necessários para obter aquele benefício. No caso da contra-partida, é fundamental restabelecer critérios para a continuação do recebimento do benefício, seja a matrícula de filhos na escola, seja a reavaliação em prazo bastante curto dos acidentes de trabalho, seja a busca de qualificação quando há pagamento de seguro desemprego. 8

9 FERNANDO HONORATO BARBOSA Economista-chefe ANDRE NASCIMENTO NOGGERINI DANIEL XAVIER FRANCISCO JOSE LUCIANO DA SILVA COSTA HUGO RIBAS DA COSTA THIAGO NEVES PEREIRA Tel.: Material produzido em 25/09/2015 às 15h00 Outras edições estão disponíveis no Site: As opiniões, estimativas e previsões apresentadas neste relatório constituem o nosso julgamento e estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio, assim como as perspectivas para os mercados financeiros, que são baseadas nas condições atuais de mercado. Acreditamos que as informações apresentadas aqui são confiáveis, mas não garantimos a sua exatidão e informamos que podem estar apresentadas de maneira resumida. Este material não tem intenção de ser uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. BRAM - Bradesco Asset Management é a empresa responsável pela atividade de administração de recursos de terceiros do Banco Bradesco S.A. BRAM - Bradesco Asset Management - Todos os direitos reservados. 9

Política Fiscal e Demanda Agregada

Política Fiscal e Demanda Agregada Política Fiscal e Demanda Agregada Apresentação para o Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANBIMA São Paulo, 14 de junho de 2013 Política fiscal e demanda agregada A política fiscal dos últimos

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal Joaquim Vieira Ferreira Levy Secretário do Tesouro Nacional Brasil: Pilares do Crescimento Responsabilidade

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A crise financeira do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)? 1 Déficit no FAT deve subir para R$

Leia mais

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 1 Reequilíbrio macro e crescimento O crescimento sustentado depende do aumento do

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 DISCURSO DO MINISTRO NELSON BARBOSA POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE TRANSMISSÃO DE CARGO Senhoras e Senhores, Em primeiro

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Julho

TÓPICO ESPECIAL Julho Julho O SAMBA do Banco Central brasileiro José Luciano Costa Thiago Pereira A estimativa do impacto de choques, inclusive externos, em uma economia é um exercício complexo, que pode ser auxiliado pelo

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Ministério da Fazenda Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Reunião de 28 de janeiro de 2016 1 Prioridades da Política Econômica

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais

O custo financeiro do Estado brasileiro

O custo financeiro do Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 48 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O custo financeiro do Estado brasileiro 1 O comportamento dos juros da dívida pública A gastança

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS Área: ECONOMIA BUENO, Elizabete Cristina PONTILI,RosangelaMaria Resumo: Desde a década de 1930

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL MARÇO

TÓPICO ESPECIAL MARÇO MARÇO Brasil e México: uma análise comparativa Fernando Honorato Barbosa Thiago Neves Pereira Hugo Ribas da Costa Nas últimas décadas, Brasil e México têm se alternado na preferência dos investidores estrangeiros

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro FNQ- Reunião do Conselho Curador São Paulo, 26 de agosto de 2010 Luciano Coutinho 1 Brasil retomou o ciclo de crescimento sustentado pela

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação

Leia mais

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens - Brasil: Vulnerável à Crise? - Por que Ainda Estamos Positivos? - Onde Estamos Pior? - Inflação Será Mais Alta? Outubro 2008 Pág. 2 Brasil: Vulnerável à Crise?

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS 1 A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS Conferência realizada no 34 0 Encontro Nacional do Conjunto CFESS/CRESS Manaus, 4 a 7 de setembro de 2005 2

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Cartilha do Orçamento Público

Cartilha do Orçamento Público Cartilha do Orçamento Público O QUE É O ORÇAMENTO? Nós cidadãos comuns, ganhamos e também gastamos dinheiro. Podemos receber dinheiro de uma ou várias fontes: salário, aluguel de imóveis, prestação de

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016

Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Cenário Fiscal Brasil 2015/2016 Participação dos Grandes Grupos de Despesa Primária do Governo Federal em 2014 Capital 7,6% Transferência de Renda às Famílias 49,4% Outras Despesas Correntes 21,5% Pessoal

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br 5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br Introdução Poupar versus investir É possível investir dinheiro nos mercados: Imobiliário Empresarial Financeiro Fatores a serem

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar com as seguintes alterações:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar com as seguintes alterações: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.10 Aspectos fiscais: receita e necessidade de financiamento do governo central (20h) (Aula 2: O Orçamento na Política Econômica) Professor: José

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015 Análise das Medidas Provisórias 664 e 665 Análise de Conjuntura Janeiro 2015 Medidas Sociais Seguro Desemprego Abono Salarial Pensão por Morte Seguro Defeso Auxílio doença Impacto das medidas R$ + de 18

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro Resultado do ajuste fiscal: Dados acumulados de janeiro a agosto/2015 revelam deterioração

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) ROL DE DOCUMENTOS 1. PROJETO DE LEI 2. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 3. MENSAGEM 4. LEGISLAÇÃO CITADA PROJETO DE LEI Nº 36, DE 2014 Altera

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 04 de março de 2013. CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA BATE NOVO RECORDE HISTÓRICO EM 2012 - PIB de

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010)

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) O que pode ser destacado sobre o Seminário Internacional sobre os sistemas de saúde do Brasil e da Espanha: compartilhando experiências?

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Desafios para Sustentabilidade do RPPS da União. Brasília, 15 de outubro de 2014 raul_velloso@uol.com.br

Desafios para Sustentabilidade do RPPS da União. Brasília, 15 de outubro de 2014 raul_velloso@uol.com.br Desafios para Sustentabilidade do RPPS da União Brasília, 15 de outubro de 2014 raul_velloso@uol.com.br jan/05 mai/05 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09

Leia mais

Desemprego, salário menor e inflação devem reduzir rendimento médio real

Desemprego, salário menor e inflação devem reduzir rendimento médio real Boletim 820/2015 Ano VII 26/08/2015 Desemprego, salário menor e inflação devem reduzir rendimento médio real Paralelamente, com a redução de produção e folha das firmas, deve crescer o número de pessoas

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Princípios de Previdência. Eduardo Luiz S. Silva Diretor do Instituto IDEAS Supervisor de Outsourcing da SFR-PREVITEC

Princípios de Previdência. Eduardo Luiz S. Silva Diretor do Instituto IDEAS Supervisor de Outsourcing da SFR-PREVITEC Princípios de Previdência Eduardo Luiz S. Silva Diretor do Instituto IDEAS Supervisor de Outsourcing da SFR-PREVITEC Por que pensar em Previdência Complementar? Rejuvenescimento do quadro de pessoal; Reter

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 MOEDA E CRÉDITO Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 SUMÁRIO Em sua reunião de 20 de janeiro último, o Copom manteve a meta para a Selic estável em 14,25%. A decisão parece ter surpreendido o mercado, como

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Uma das mais importantes conquistas sociais alcançadas com a Constituição Federal de 1988 foi a institucionalização da Seguridade Social, organizada

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

Influências das políticas públicas de inclusão

Influências das políticas públicas de inclusão artigo Rodrigo Perla Martins Diretor do Sinpro/RS Doutor em História, Mestre em Ciência Política e graduado em História. Influências das políticas públicas de inclusão na educação superior e os benefícios

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

NFSP (% PIB) ' 8. indexador: dezembro (%) 9. produto potencial (% a.a.) 15. idade (%) 24. anual (%) 24

NFSP (% PIB) ' 8. indexador: dezembro (%) 9. produto potencial (% a.a.) 15. idade (%) 24. anual (%) 24 Sumário de tabelas TABELA 1.1 Taxas de crescimento - médias por período (% a.a.) 5 TABELA 1.2 Indicadores sociais 6 TABELA 1.3 Brasil - Dívida externa - fim de período (US$ bilhões) 7 TABELA 1.4 Necessidades

Leia mais

PREVIDENCIA SOCIAL ASPECTOS GERAIS SOBRE RPPS. RPPS Consult Consultoria e Assessoria em RPPS

PREVIDENCIA SOCIAL ASPECTOS GERAIS SOBRE RPPS. RPPS Consult Consultoria e Assessoria em RPPS PREVIDENCIA SOCIAL ASPECTOS GERAIS SOBRE RPPS RPPS Consult Consultoria e Assessoria em RPPS O que é Previdência Social? Previdência Social é que um seguro que o indivíduo faz durante o período em que está

Leia mais

Operadora: Alexandre Dias:

Operadora: Alexandre Dias: Operadora: Boa tarde, senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados do 3T da Anhanguera Educacional. Hoje nós temos a presença do Sr. Alexandre Dias, CEO da Companhia, Sr. Ricardo

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Eleição presidencial e o pensamento econômico no Brasil 1 I - As correntes do pensamento econômico

Leia mais