MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS"

Transcrição

1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Em termos globais, a redução do consumo de sódio pelas populações tem ocupado posição de destaque entre as prioridades de saúde pública, tendo em vista a relação direta do consumo alimentar com o aumento da morbimortalidade por doenças crônicas. Nesse sentido, essas iniciativas vêm sendo apoiadas e estimuladas por organismos internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), buscando, também, a articulação de iniciativas regionais e globais para que os impactos dessas políticas sejam globalizados. No âmbito das Américas, o Ministério da Saúde vem participando da iniciativa de redução do consumo de sal conduzido pela Opas, iniciada em 2009, com destaque para as discussões do monitoramento do consumo de sal e sódio no continente e das políticas para sua redução, que reforçaram a construção de sistemas de monitoramento baseados nas diferentes bases de dados existentes nos países e na incorporação de novas fontes primárias e secundárias para permitir análises mais detalhadas da situação dos países e de suas políticas de redução. O Plano de Redução do Sódio em Alimentos Processados é componente do Plano de Redução do Consumo de Sal pela População Brasileira, cujo sistema de monitoramento e avaliação deve adotar estratégias interligadas e constitui-se de um conjunto de instrumentos para o acompanhamento e análise dos processos do, com vistas a avaliar periodicamente o desempenho de suas atividades, o alcance das metas propostas e os resultados e efeitos com base em indicadores de consumo alimentar, perfil nutricional dos alimentos processados e fatores de risco da população. Nesse sentido, são necessárias fontes primárias e secundárias de informações para acompanhar o consumo alimentar da população, o conteúdo de sódio nos alimentos, a adição de sal à mesa e durante a preparação dos alimentos e o acompanhamento dos impactos da redução sobre internações hospitalares e óbitos, bem como as prevalências de doenças e agravos relacionados ao consumo excessivo de sódio. Para cada eixo de intervenção, serão definidos indicadores, assim como seus mecanismos e instrumentos de avaliação, metas e responsabilidades institucionais em sua execução, que serão detalhados, em particular, para a melhoria do perfil nutricional dos alimentos processados em relação ao teor de sódio, na sequência deste documento. Eixo - Consumo de alimentos A avaliação do consumo de alimentos em nível nacional é de caráter transversal, tendo como principais fontes as pesquisas de gastos familiares e ingestão dos alimentos. Sempre que possível, serão utilizadas informações que possam ser desagregadas em função de grupo etário, consumo dentro e fora do domicílio, renda familiar e recortes regionais. As Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF), realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a cada 5 anos, por meio de seus módulos de despesas com alimentos e, mais recentemente, de consumo efetivo de alimentos serão fundamentais neste análise. Tendo em vista aspectos como o consumo domiciliar e o conteúdo de sódio, assim como critérios de vulnerabilidade de públicos específicos (particularmente crianças), foram selecionadas doze categorias de

2 alimentos para os quais o consumo e de perfil nutricional devem ser pactuados e monitorados prioritariamente no âmbito deste Plano. Até o momento, estão disponíveis somente as estimativas referentes à POF 2002/03 em relação ao consumo de sódio, contudo as análises dos dados da última Pesquisa (2008/09), revelarão o retrato mais atual deste consumo, assim como da participação das categorias de alimentos. Destaca-se, porém, que as evidências das publicações já lançadas, de despesas e de aquisição alimentar domiciliar, apontam, em relação a 2002/03, um expressivo aumento no consumo de alimentos processados, que representará um aumento ainda maior na participação deste grupo no consumo de sódio pela população. Além disso, informações indiretas adicionais sobre o consumo de alimentos podem ser obtidas a partir de dados provenientes da indústria e do comércio interno de alimentos, principalmente no que se refere à informações econômicas, tais como a participação no mercado, que podem contribuir para um retrato mais completo das principais fontes de sódio entre os alimentos processados e os impactos potenciais da redução em seus teores em cada categoria. Gráfico Participação das categorias de alimentos, excluídos os temperos e caldos à base de sal, na ingestão diária de sódio da população brasileira (POF 2002/03/ Tabela Brasileira de Composição de Alimentos Taco).

3 Tabela Categorias e alimentos prioritários para pactuação e monitoramento da redução do teor de sódio. Categorias Pães Caldos e temperos Laticínios Biscoitos Margarina vegetal Embutidos Massas semi-prontas Bolos Maionese Snacks Derivados de cereais Refeições prontas Alimentos Bisnaguinhas Pão de forma Pão francês Caldo para preparo de refeição Tempero completo Bebidas lácteas Queijo petit suisse Queijo mussarela Requeijão Biscoitos salgados (cream cracker) Biscoitos recheados Biscoitos maisena Salsicha Presunto Hambúrguer (normal e light) Empanados Lingüiça Salame Mortadela Macarrão instantâneo Bolos prontos Preparação para bolo Batata frita Salgadinhos de milho Cereais matinais Pizza Lasanha Papa infantil salgada Sopas

4 CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA PRELIMINAR DE METAS PARA A REDUÇÃO DE SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS O modelo de redução dos teores de sódio nos alimentos processados proposto para o Brasil apóia-se nas experiências internacionais bem sucedidas neste campo, particularmente no Reino Unido e no Canadá, que envolvem o estabelecimento de metas voluntárias e de seus respectivos cronogramas com o setor produtivo, bem como estratégias de monitoramento para permitir sua avaliação permanente, de forma a garantir sua sustentabilidade, viabilidade e impactos. A experiência inglesa com a redução do sódio em alimentos processados iniciou-se em 2006, com o estabelecimento de metas voluntárias para 85 categorias de alimentos, como referência para as indústrias de alimentos, enfatizando, na sequência dessas iniciativas, a importância de trabalhar com diminuições graduais nos conteúdos de sódio, baseadas em novas metas para cada período de dois anos e apoiadas por informações sobre consumo alimentar da população, níveis de sal nos alimentos e questões técnicas e de mercado (como segurança sanitária, processo de produção, aceitação dos consumidores etc.). Considerando-se apenas a primeira avaliação da redução no Reino Unido, em 2008, os resultados alcançados demonstram reduções relevantes em todas as categorias: mais de 30% nos pães de forma industrializados, 44% nos cereais matinais, entre 16% e 50% nos bolos e biscoitos, entre 13% e 32% nos salgadinhos, entre 21% e 50% nos diferentes tipos de queijos, até 30% nos molhos e de 25% nas sopas. No Canadá, o processo de redução do sódio em alimentos processados, iniciado em 2009, foi fortemente influenciado pela experiência britânica, adotando princípios e critérios semelhantes, com metas visando a redução do consumo per capita diário de sódio pela população para 2.300mg, até O modelo canadense também propõe o estabelecimento de metas voluntárias e graduais com a indústria, a partir de reuniões técnicas e outros mecanismos de consulta e pactuação e baseadas em informações como o consumo alimentar da população, os níveis de sódio nos alimentos, a participação relativa das marcas e produtos no mercado e análises do processo produtivo, do comércio e da aceitação do consumidor. No Brasil, em novembro de 2010, com a renovação do Fórum de Alimentação Saudável, entre o Ministério da Saúde e a Associação Brasileira de Indústrias de Alimentos (Abia), foi definido o compromisso pela redução voluntária do teor de sódio nos alimentos processados, como contribuição do setor produtivo às ações para a redução do consumo de sal/sódio no Brasil, cujo objetivo é a redução do consumo de para abaixo de 5g de sal per capita diários (equivalentes a 2000mg de sódio) até Dessa forma, no sentido de subsidiar o processo de definição e pactuação de metas de redução e seu monitoramento no Brasil, vem sendo construída a presente proposta, referenciada nas experiências internacionais e adaptada à realidade brasileira em termos de perfil alimentar, mercado interno e organização institucional. Para a determinação da variação do teor de sódio por marcas, foi utilizada como fonte primária de dados o Informe Técnico no 42/2010 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sobre o Perfil Nutricional de Alimentos Processados, que inclui análises do teor de sódio em batatas fritas, salgadinhos de milho, hambúrgueres, requeijão, salsichas, macarrões instantâneos, carne de frango empanada e biscoitos salgados (cream cracker). Para os alimentos prioritários que não fizeram parte das primeiras análises encomendadas pela Anvisa, foram utilizadas informações de pesquisas de rotulagem nutricional de alimentos realizadas pela Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde.

5 No sentido de fortalecer as ações de monitoramento das metas de redução do sódio nos alimentos processados, será papel da Anvisa buscar a incorporação de todos os alimentos prioritários ao rol de alimentos analisados, em informes técnicos anuais, sendo, ainda, desejável, a gradual incorporação de novos alimentos nas análises com vistas a subsidiar a expansão da gama de categorias incluídas no plano de redução do sódio. METAS DE REDUÇÃO DO TEOR DE SÓDIO As metas de redução devem ser voluntárias, significantes, graduais, realistas, viáveis, mensuráveis e sustentáveis. As metas devem se aplicar a todos os produtos de cada categoria de alimento, estabelecendo um padrão mínimo para toda a categoria. Ainda, é desejável que as modificações empreendidas no conteúdo nutricional dos alimentos não resultem em aumento de preço em relação aos produtos originais. Atenção especial deve ser dada à redução do sódio, aos menores níveis possíveis, nos alimentos direcionados ao público infantil, tendo em vista que seus níveis máximos recomendados de ingestão de sódio chegam a ser duas vezes menores do que os dos adultos. O Ministério da Saúde encoraja que as indústrias de alimentos reduzam o conteúdo de sódio em seus produtos aos menores níveis possíveis ao longo do tempo, levando em consideração a segurança sanitária e a qualidade dos alimentos, assim como a aceitação dos consumidores. Critérios: 1- As metas serão estabelecidas em termos de miligramas de sódio por 100g do produto. 2- As metas propostas para a redução do teor de sódio serão pactuadas considerando o nível máximo dos alimentos dentro de cada categoria. Desse modo, como resultado do alcance das metas propostas, os níveis médios de sódio de cada categoria devem ser inferiores às respectivas metas. 3- A redução do conteúdo de sódio nos alimentos processados deverá ser gradual e estabelecida por meio de metas intermediárias bianuais, quando haverá avaliação de cada etapa do plano de redução, com discussão dos resultados, avanços e dificuldades e, se necessário, com base nos dados do monitoramento, as metas de redução poderão ser revisadas. 4- É desejável que os níveis máximos de sódio nos produtos no Brasil adotem, como meta final, para 2020, valores iguais ou menores do que as referências internacionais de redução (FSA, do Reino Unido, e do Canadá), sempre que houver correspondência entre as categorias de alimentos. 5- No caso da ausência de correspondente internacional ao alimento ou da existência, no mercado brasileiro, de produtos com limites inferiores às metas destes correspondentes, servirá como valor de referência para o estabelecimento da meta de redução o limite inferior do teor de sódio naquele tipo de alimento na linha de base (Informe Técnico 42/2010, da Anvisa, pesquisas de rotulagem nutricional/cgan-ms e informações cedidas pelo setor produtivo de alimentos). 6- O Fórum de Alimentação Saudável, reunindo o Ministério da Saúde e a Abia, constitui a instância de pactuação das metas de redução do sódio em alimentos processados.

6 7- As discussões técnicas que subsidiarão as decisões do Fórum de Alimentação Saudável serão conduzidas por meio de Grupos de Trabalho relacionados a temáticas específicas (como categorias de alimentos) com representação da Abia e dos órgãos responsáveis no âmbito do Ministério da Saúde (Secretarias de Atenção à Saúde e de Vigilância em Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e de outros convidados do Grupo (representantes de outras áreas da Administração Pública, de entidades de comprovada e reconhecida capacidade técnico-científica, bem como especialistas em assuntos ligados ao tema). 8- O Fórum de Redução do Consumo de Sódio no Brasil, que reúne o Ministério da Saúde, a Organização Pan-Americana da Saúde, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a Abia, associações médicas, instituições científicas e representações de defesa do consumidor, constituem a instância principal de avaliação das estratégias que visem o alcance da meta de consumo de sódio para CRONOGRAMA DE TRABALHO Fórum de Alimentação Saudável - periodicidade anual (mínima). Grupos de trabalho Discussão das metas de redução e monitoramento por categorias de alimentos 17/02/11 18/04/11; 16/06/11; 17/08/11; 17/10/11; 15/12/11. Fórum de Redução do Consumo de Sódio periodicidade anual (mínima)

7 REFERÊNCIAS ABIA. Redução do Consumo de Sal/Sódio na Dieta da População Brasileira. Mimeo Aquisição Alimentar Domiciliar Per Capita. Rio de Janeiro, Análise da Disponibilidade Domiciliar de Alimentos e do Estado Nutricional no Brasil. Rio de Janeiro, Aquisição Alimentar Domiciliar Per Capita. Rio de Janeiro, Despesas, Rendimentos e Condições de Vida. Rio de Janeiro, BRASIL Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Informe Técnico n 42/2010 Perfil Nutricional dos Alimentos Processados. Brasília, NEPA-UNICAMP Tabela brasileira de composição de alimentos (Taco). Campinas, SARNO, F.; CLARO, R.C.; LEVY, R.B.; BANDONI, D.H.; FERREIRA, S.R.G.; MONTEIRO, C.A. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, Revista de Saúde Pública. 43(2): (2009) HEALTH CANADA. Sodium Reduction Strategy for Canada - Recommendations of the Sodium Working Group. Ottawa, Canadá, 2010 (http://www.hc-sc.gc.ca/fnan/alt_formats/pdf/nutrition/sodium/strateg/index-eng.pdf). HEALTH CANADA. Stakeholder Consultation on Setting Sodium Reduction Targets. Ottawa, Canadá, 2011 (http://www.hc-sc.gc.ca/fn-an/alt_formats/pdf/consult/2011-sodium/consultation-eng.pdf). FOOD STANDARDS AGENCY. UK Salt Reduction Initiatives (http://www.food.gov.uk/multimedia/pdfs/saltreductioninitiatives.pdf) FOOD STANDARDS AGENCY. Agency publishes 2012 salt reduction targets (http://www.food.gov.uk/news/pressreleases/2009/may/salttargets)

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

Segurança alimentar e nutricional:

Segurança alimentar e nutricional: Segurança alimentar e nutricional: Políticas para a garantia da alimentação segura e saudável Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde/ Ministério

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados

Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados Informe especial / Special report Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados Eduardo Augusto Fernandes Nilson, 1 Patrícia Constante Jaime 1 e Denise de

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 50/2012 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 50/2012 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 5/212 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1. Introdução A Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 28-29), avaliou o consumo

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

REDUÇÃO DE SÓDIO EM ALIMENTOS. alimentos UMA ANÁLISE DOS ACORDOS VOLUNTÁRIOS NO BRASIL

REDUÇÃO DE SÓDIO EM ALIMENTOS. alimentos UMA ANÁLISE DOS ACORDOS VOLUNTÁRIOS NO BRASIL Cadernos Idec Série alimentos REDUÇÃO DE SÓDIO EM ALIMENTOS UMA ANÁLISE DOS ACORDOS VOLUNTÁRIOS NO BRASIL SODIUM CONTENT REDUCTION IN FOODS AN ANALYSIS ON THE VOLUNTARY AGREEMENTS IN BRAZIL REDUÇÃO DE

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura

Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura 4º Simpósio de Segurança Alimentar sbcta - RS Alimento Industrializado Redução de Sal, Açúcares e Gordura Eliane Miyazaki FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. Maio/2012 1988 equipe multidisciplinar

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Cardápios na Alimentação Escolar

Cardápios na Alimentação Escolar PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Cardápios na Alimentação Escolar Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional - COSAN Stella Lemke Nutricionista Agente PNAE CECANE UFPR Cardápio, segundo a

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios PNAE Mais antigo programa social do Governo Federal na área de alimentação e nutrição, considerado como um dos maiores programas na área de alimentação escolar do mundo, com atendimento universalizado

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

INFORME TÉCNICO n. 42/2010 PERFIL NUTRICIONAL DOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO n. 42/2010 PERFIL NUTRICIONAL DOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO n. / PERFIL NUTRICIONAL DOS ALIMENTOS PROCESSADOS. Introdução Atualmente, observa-se um aumento na prevalência de doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT) em todo o mundo. Segundo a Organização

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? ROTULAGEM NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL

Leia mais

Você sabe o que está comendo?

Você sabe o que está comendo? Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de orientação

Leia mais

Saudabilidade no Food Service. Tendências

Saudabilidade no Food Service. Tendências Saudabilidade no Food Service Tendências Introdução ao Mercado de Food Service Introdução Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, bebidas, insumos, equipamentos e serviços

Leia mais

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Seminário Frutas e Hortaliças Florianópolis/SC 07 de agosto de 2014 Câmara Intersetorial

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO Setor: N o. do quest QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO PARA TODAS AS PESSOAS COM 20 ANOS OU MAIS Data da entrevista / / Hora de início: Nome do entrevistador: Nº de identificação: Nome: Sexo

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

O mercado de Food Service no Brasil. Enzo Donna

O mercado de Food Service no Brasil. Enzo Donna O mercado de Food Service no Brasil Enzo Donna 1 PANORAMA DO MERCADO BRASILEIRO DE FOOD SERVICE 2 FOOD SERVICE Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, bebidas, insumos,

Leia mais

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança Recomendações para a prática dietética do pré-escolar: Intervalo

Leia mais

Adequação ao termo de compromisso público privado para redução de sódio de alimentos industrializados

Adequação ao termo de compromisso público privado para redução de sódio de alimentos industrializados Adequação ao termo de compromisso público privado para redução de sódio de alimentos industrializados Fitness for the term of commitment public private for reduction of sodium of industrialized food Jaqueline

Leia mais

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezada Senhora: Estamos desenvolvendo uma pesquisa cujo título é ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE GRÁVIDAS QUE PARTICIPAM DO GRUPO DE GESTANTES

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor Renata Maria Padovani e Jaime Amaya-Farfan (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação) Segurança a Alimentar Segurança alimentar Inocuidade

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP CARDÁPIO DO LANCHE DA MANHÃ/TARDE- Educação Infantil Mês de Janeiro e Fevereiro 2ª FEIRA 1 iogurte (beber) sabor morango 4 biscoitos cream cracker c/ manteiga

Leia mais

SE-CAISAN Secretaria-Executiva da Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional

SE-CAISAN Secretaria-Executiva da Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional RELATO DA 9ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO COMITÊ TÉCNICO DA ESTRATÉGIA DA PREVENÇÃO E CONTROLE DA OBESIDADE DA CAISAN DATA: 16 de julho de 2015 HORÁRIO: 10h00 às 12h00 LOCAL: Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde

ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde ÁGUA MINERAL: sódio, ph e saúde POR QUE FALAR SOBRE SÓDIO? O sódio é essencial para regular os fluidos intra e extracelulares do corpo, atuando para manter a pressão arterial e o volume sanguíneo. Também

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL Autora: Luísa Arantes Vilela Coautora: Juliana de Oliveira Abrahão O excesso de peso e a obesidade aumentam continuamente ao

Leia mais

Cardápio Mensal - Integral a partir de 2 anos

Cardápio Mensal - Integral a partir de 2 anos Cardápio Mensal - Integral a partir de 2 anos Semana 1 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA Suco de com pão na chapa feijão, purê de batatas e Rosquinha com, bife de panela e salada de maisena

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável Orientações Programáticas 1 - Enquadramento Portugal era um dos poucos países Europeus que não dispunha de um programa nacional de alimentação,

Leia mais

As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna

As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna São Paulo, 11 de agosto de 2010 As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna DEFINIÇÃO DE FOOD SERVICE O mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, insumos, equipamentos

Leia mais

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007 AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Reunião Nacional 18/05/2007 Proposta do trabalho em grupo Construindo um Manual de Promoção da Alimentação Saudável em nível local Objetivos: Atualizar as ações

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015

ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015 ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015 Nº ITEM UNIDADE DE MEDIDA 1 ABACATE 2 ABACAXI 3 ABÓBORA 4 ACHOCOLATADO EM PÓ EMBALAGEM DE 800G FARDO COM 24 PCT DE 400G 5 ACHOCOLATADO EM PÓ DIET EMBALAGEM DE 210G 6 ACHOCOLATADO

Leia mais

O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl).

O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl). SODIO O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, mas é constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl). Em quantidades excessivas, este mineral pode prejudicar a saúde. Mas você

Leia mais

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

Índice de Qualidade da Dieta

Índice de Qualidade da Dieta Veris Faculdades Curso de Nutrição Avaliação Nutricional II Índice de Qualidade da Dieta O estudo da dieta com suas diversas combinações de alimentos, mais do que o consumo de itens alimentares individuais

Leia mais

A Importância do Trigo na Alimentação Humana

A Importância do Trigo na Alimentação Humana SIMONE FREIRE Doutoranda em Ciências Pediátricas- UNIFESP Mestre em Ciência dos Alimentos - FCF-USP Especialista em Saúde Pública - UNIFESP Especialista em MKT - CESMA- ESPANHA A Importância do Trigo na

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Publicado no DOU de 09.04.12 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

Setembro/2013 Sonho Mágico Educação Infantil 02.09.13 2ª feira 03.09.13 3ª feira 04.09.13 4ª feira 05.09.13 5ª feira 06.09.

Setembro/2013 Sonho Mágico Educação Infantil 02.09.13 2ª feira 03.09.13 3ª feira 04.09.13 4ª feira 05.09.13 5ª feira 06.09. Café manhã Cardápio Setembro/2013 Sonho Mágico Educação Infantil 02.09.13 2ª feira 03.09.13 3ª feira 04.09.13 4ª feira 05.09.13 5ª feira 06.09.13 6ª feira Leite integral com café Leite integral com achocolatado

Leia mais

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades SuperHiper é a publicação oficial do setor, pertence à Abras e este ano completa 35 anos Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades Representa o setor

Leia mais

Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Health in Brazil 4. Chronic

Leia mais

CARDÁPIO JUNHO 2015. Sopa: Caldo verde ( alho, fubá, carne, óleo de soja, cebola, couve manteiga, tomate molho e ervas naturais)

CARDÁPIO JUNHO 2015. Sopa: Caldo verde ( alho, fubá, carne, óleo de soja, cebola, couve manteiga, tomate molho e ervas naturais) EXTERNATO SANTO ANTÔNIO 1ª SEMANA 01/06 (segunda-feira) 02/06 (terça-feira) 03/06 (quarta-feira) 04/06 (quinta-feira) 05/06 (sexta-feira) Leite com achocolatado Leite fermentado Iogurte CARDÁPIO JUNHO

Leia mais

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS SUAS RESPOSTAS SÃO MUITO IMPORTANTES.

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS SUAS RESPOSTAS SÃO MUITO IMPORTANTES. Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 Número do Centro l l ID do Participante Data do Atendimento / / 201l l Iniciais do Participante l ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO PAN-AMERICANA DE INOCUIDADE DOS ALIMENTOS (COPAIA 5) Rio de Janeiro, Brasil, 10 de junho de 2008 Tema 8 da agenda provisória COPAIA5/8 (Port.) 09 junho 2008 ORIGINAL: ESPANHOL Adaptação

Leia mais

Semana 1 Desjejum Almoço Lanche tarde Jantar

Semana 1 Desjejum Almoço Lanche tarde Jantar Semana 1 Desjejum Almoço Lanche tarde Jantar Carne moída refogada Couve refogada Leite com sucrilhos preto Frango cubos ensopado Cubinhos de legumes Salada agrião Bolinho de laranja Pão de forma com patê

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS WILLIAM CESAR LATORRE Diretor de Alimentos Centro de Vigilância Sanitária SES / SP Decreto Lei 986, de 21/10/1969 Institui normas

Leia mais

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha:

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha: Café da manha: Dieta opção 1 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês sem miolo na chapa com 1 col. (sopa) rasa de margarina ou 1 fatia de queijo fresco ½ xíc. (chá) de cereal 1 xíc. (chá)

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo V Encontro de Especialistas Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo Profª Raquel Botelho Universidade de Brasília Problemática Consumo excessivo Oferta excessiva Adaptação do Paladar Escolha de

Leia mais

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, tem como

Leia mais

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Silvia Saldiva Instituto de Saúde smsaldiva@isaude.sp.gov.br SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE Transição Nutricional A partir da década de 60, as

Leia mais

SOU CELÍAC@: Posso brincar e comer em sua casa? ACELBRA-RJ. www.riosemgluten.com

SOU CELÍAC@: Posso brincar e comer em sua casa? ACELBRA-RJ. www.riosemgluten.com SOU CELÍAC@: Posso brincar e comer em sua casa? ACELBRA-RJ www.riosemgluten.com GLÚTEN Cozinhar para compartilhar uma refeição com alguém que é celíaco pode ser trabalhoso...mas, é possível: sempre se

Leia mais

Unidade IV Nutrição no diabetes melitus e doenças cardiovasculares NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade IV Nutrição no diabetes melitus e doenças cardiovasculares NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade IV Nutrição no diabetes melitus e doenças cardiovasculares NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Diabetes melitus A dieta adequada para pacientes diabéticos poderá reduzir

Leia mais

1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e

1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e Dez Passos para uma Alimentação Saudável 1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições. Fazendo todas as refeições, você evita

Leia mais

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN/ DAB/ SAS/ MS)

Leia mais

Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015

Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015 Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015 1 a SEMANA: 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 de Presunto e queijo Pão de Forma c/ queijo e tomate Manga picada Bolo de chocolate recheado Bolacha Salgada Salada

Leia mais

Centro de Conhecimento em Agronegócios. Universidade de São Paulo

Centro de Conhecimento em Agronegócios. Universidade de São Paulo Realização: SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO CÂMARA SETORIAL DE LEITE E DERIVADOS Centro de Conhecimento em Agronegócios Centro de Conhecimento em Agronegócios Faculdade de Economia, Administração

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

1. O que é gordura trans?

1. O que é gordura trans? GORDURA TRANS 1. O que é gordura trans? É um tipo de gordura produzida industrialmente a partir de um processo químico, a hidrogenação. Usada desde o início do século passado, ela passou a ser consumida

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Gerência-Geral de Alimentos AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA

Leia mais

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física LAHOR CLÍNICA MÉDICA Tatiana Oliveira Nutricionista - CRN 7508 Rua Mário Amaral, 267 - Paraíso - SP Tel/Fax: (11) 3884-7127 Tel: (11) 3051-5554 Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Leia mais

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos 20% redução DCNT 31% redução DCV Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes

Leia mais

CARDÁPIO URSINHO PIMPÃO Novembro 2015 Infantil I, II, III, IV, V. Sobremesa Banana Gelatina Pudim de chocolate Maçã

CARDÁPIO URSINHO PIMPÃO Novembro 2015 Infantil I, II, III, IV, V. Sobremesa Banana Gelatina Pudim de chocolate Maçã CARDÁPIO URSINHO PIMPÃO Novembro 2015 Infantil I, II, III, IV, V 1ª SEMANA 2ª FEIRA 02/11 03/11 Feriado Suco, pão francês Frango grelhado Quibebe Salada de acelga 04/11 Iogurte com biscoitos de polvilho

Leia mais

O Cardápio é montado seguindo a sequência de dias úteis do mês. MÊS: / CARDÁPIO nº 1. Dia do mês REFEIÇÃO Café da manhã 8:00hs

O Cardápio é montado seguindo a sequência de dias úteis do mês. MÊS: / CARDÁPIO nº 1. Dia do mês REFEIÇÃO Café da manhã 8:00hs Grupo 1 e Grupo 2 e 3 O Cardápio é montado seguindo a sequência de dias úteis do mês. MÊS: / CARDÁPIO nº 1 Carne Moida Batata doce Frita Repolho c/ cenoura Arroz/feijão Frango ensopado Purê Acelga Arroz

Leia mais

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES. Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES. Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição PRINCÍPIOS GERAIS PARA MANUTENÇÃO DA GLICEMIA (GLICOSE NO SANGUE) ADEQUADA: Perder peso, se estiver acima do adequado. Fazer

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA... 2 SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...14 FIQUE SABENDO...16 3 O QUE É A dislipidemia é o aumento

Leia mais

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) JUNHO/2015 Observações: A utilizada será sem lactose. Oferecer água durante todo dia. Não oferecer bebida durante o almoço ou jantar somente depois de no

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Instrumento imagético para orientação nutricional

Instrumento imagético para orientação nutricional UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIA GONÇALVES MICALI ROSA WANDA DIEZ GARCIA Instrumento imagético para orientação nutricional Ribeirão Preto 2014 FLÁVIA GONÇALVES MICALI

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 1 A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Cardápio de OUTUBRO 2015 Berçário e Maternal - BARRA

Cardápio de OUTUBRO 2015 Berçário e Maternal - BARRA 01/out 02/out Biscoito passatempo / Alface lisa Vagem com champignon Berinjela com cebola e orégano Caldo verde Bife de panela Suco de goiaba Biscoito sal integral Maçã / Manga Maionese de legumes com

Leia mais