Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde"

Transcrição

1 Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Instrumento de Apreciação Conjunta: Os atributos de una Estratégia nacional solida Versão 2: Setembro de 2011 Informação complementar em:

2 Introdução à apreciação conjunta de estratégias e planos nacionais de Saúde A Apreciação Conjunta é uma abordagem partilhada para apreciar os pontos fortes e fracos de uma estratégia nacional 1 que é aceite pelas multiplas partes interessadas (stakeholders) e pode ser usada como base para o apoio técnico e financeiro. A Apreciação Conjunta não é uma ideia nova, mas existem várias razões para um interesse renovado na abordagem. Existe um forte consenso de que o desenvolvimento sustentável exige um apoio harmonizado aos processos nacionais. Na saúde, o aumento do número de atores internacionais levou, nos últimos anos, a um ressurgimento dos esforços para coordenar a utilização dos recursos e levar mais parceiros a apoiar uma única estratégia nacional de saúde. Os supostos benefícios da apreciação conjunta incluem o aumento da qualidade das estratégias nacionais e uma maior confiança dos parceiros nestas estratégias, garantindo assim um financiamento mais previsível e mais alinhado. Também é previsível que a inclusão de multiplos parceiros numa apreciação conjunta conduza a uma reducção dos custos de transacção associados a processos separados de apreciação. Um grupo de trabalho Inter Agências da IHP+ 2 desenvolveu este instrumento de apreciação conjunta e as suas orientações técniçãs associadas. Estes foram revistos por sete países, testados por organismos internacionais 3 e aprovados pelos parceiros da IHP numa reunião do Grupo de Direcção (SuRG) em 2009, prontos para serem testados. Em 2010, o instrumento foi utilizado em varios países como parte do processo de planificação nacional de saude 4. O instrumento tem sido utilizado também para a apreciação de estratégias de programas e para outras revisões de planos nacionais 5. Com base nas lições aprendidas destas primeiras utilizações do instrumento, esta versão foi desenvolvida sob a supervisão dum grupo inter agencias. COMO USAR ESTE INSTRUMENTO E AS ORIENTAÇÕES TÉCNIÇÃS QUE O ACOMPANHAM O instrumento de Apreciação Conjunta é deliberadamente genérico define os "ingredientes essenciais" de qualquer estratégia nacional sólida mas, dada a diversidade de conjunturas dos países, não prescreve o que esses elementos deveriam conter. Pode ser utilizado para apreciar uma estratégia nacional de saúde no seu conjunto ou estratégias específiçãs subsectoriais e multi sectoriais. Examina os pontos fortes e fracos dos cinco conjuntos de atributos considerados como alicerces de qualquer estratégia nacional boa e abrangente: A análise da situação e a programação: clareza e pertinência das estratégias, com base numa correcta análise da situação O processo de desenvolvimento dos planos e estratégias nacionais Custeio e financiamento da estratégia Modalidades de implementação e de gestão Resultados e mecanismos de monitorização e de revisão Não se pode supor que todos os atributos serão detalhados no documento da estratégia ou du plano alguns aspectos podem ser incluidos em outros documentos de política de saúde, estratégia ou operacional. A apreciação de uma estratégia nacional de saúde inclui uma revisão da estratégia em si e o seu alinhamento com o quadro de referência para o desenvolvimento nacional; estratégias 1 O termo estratégia nacional é utilizado aqui para incluir os vários tipos de planos de saúde e a diferente terminologia utilizada nos países, incluindo planos estratégicos do sector de saúde, planos nacionais de saúde, etc. 2 Uma lista completa das agências e instituições envolvidas pode se encontrar na p Consultas a múltiplos parceiros e atores relevantes realizadas em: Burundi, Etiópia, Gana, Mali, Tajiquistão, Vietname e Zâmbia 4 Países que utilizaram o instrumento JANS em 2010 incluem: Bangladesh, Etiópia, Gana, Nepal, Uganda, Vietname e Zâmbia 5 O Fundo Global utilizou já este instrumento, numa primeira roda de aprendizagem, em çãndidaturas a fundos para estratégias nacionais no âmbito de VIH/SIDA, TB e malária. A GAVI contratualizou a aplicação deste instrumento à analise da documentação de estratégias nacionais e de documentos relacionados em 26 países. 2

3 relacionadas multi sectoriais e subsectoriais / estratégias específicas para controle de doenças; plano de monitorização e avaliação e processos orçamentais. Isto significa que a apreciação exige a revisão de um portfólio de documentos e não de um único documento. Um documento complementar a este de Orientações para Apreciação Conjunta, e as respostas a um conjunto de Perguntas Mais Frequentes estão disponíveis em A forma como uma Apreciação Conjunta é conduzida será específica para cada país, mas sempre terá como base alguns princípios chave: terá orígem na iniciativa do país; será dirigida pelo país, de acordo com os processos existentes; incluirá um elemento independente e envolverá a sociedade civil e outras partes interessadas. O resultado não vai ser uma recomendação de sim/não em relação a um financiamento. Será sim, uma apreciação sobre os pontos fortes e fracos da estratégia nacional, que dará recomendações. Os resultados podem ser discutidos pelas entidades nacionais e pelos parceiros do desenvolvimento e ser utilizados para revisar a estratégia. ATRIBUTOS E CRITÉRIOS DA APRECIAÇÃO CONJUNTA Atributos Nº Característiçãs Essenciais dos Atributos 1. ANÁLISE DA SITUAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Clareza e pertinência das prioridades e estratégias seleccionadas, com base numa análise solida da situação Atributo 1: A estratégia nacional é baseada numa sólida analise da situação e da resposta, incluindo uma apreciação do contexto (aspectos políticos, sociais, culturais, de género, epidemiológicos, legais, da governança e institucionais). Atributo 2: A estratégia nacional define claramente as prioridades, as metas, as politicas, os objectivos, as intervenções e os resultados esperados que contribuem para melhorar os indicadores de saúde e a equidade, e o cumprimento dos compromissos nacionais e globais. Atributo 3: As intervenções planeadas são exequíveis, localmente adequadas, equitativas e baseadas em evidência e boas prátiças, incluindo considerações de efectividade, eficiência e sustentabilidade. 1.1 A análise da situação é baseada numa análise abrangente e participativa que considera os determinantes de saúde e as tendências dos resultados de saúde, de acordo com o contexto epidemiológico, político, socio económico e organizacional vigente no país. 1.2 A análise utiliza dados desagregados para descrever os progressos para alcançar os objetivos das políticas do sector da saúde, de acordo com os cuidados de saúde primários: Cobertura universal para melhorar a equidade em saúde Prestação de serviços, para desenvolver sistemas de saúde centrados nas pessoas Políticas públicas, para promover e proteger a saúde das comunidades Liderança, para melhorar a competência e a obrigação das autoridades de saúde de prestar contas. 1.3 A análise das respostas, anteriores e actuais, do sector da saúde e das modalidades de financiamento do sector identifica os problemas prioritários e as áreas para melhoria. 1.4 Os objetivos são bem definidos, mensuráveis, realistas e com prazos fixados. 1.5 As metas, objectivos e intervenções são orientados para as prioridades em saúde, acesso equitativo, qualidade e indicadores de saúde em todos os grupos da população, especialmente os vulneráveis. Isto inclui planos para o financiamento dos serviços de saúde que identificam como os fundos serão angariados; como enfrentar as barreiras financeiras ao acesso, e minimizar os riscos de empobrecimento devido às despesas de saúde. 1.6 As abordagens e intervenções planeadas são baseadas na análise de eficácia e eficiência e são pertinentes em relação às necessidades priorítarias identificadas. As abordagens à ampliação e aceleração dos serviços de saúde parecem exequíveis tomando em conta a capacidade de implementação, e identificam maneiras de aumentar a eficiência. 1.7 O plano identifica e intervém sobre estrangulamentos sistémicos que impactam sobre a equidade, eficiência e sustentabilidade, incluindo os recursos financeiros e humanos e os constrangimentos de sustentabilidade técnica. 1.8 Os planos de contingência para necessidades de saude em 3

4 Atributo 4: A apreciaçao de riscos e as estratégias propostas são presentes e críveis. emergências (catástrofes naturais e doenças emergentes / re emergentes), em conformidade com os Regulamentos Internacionais da Saúde são incluidos em todos os planos a todos os niveis. 1.9 As analíses dos riscos incluem potenciais obstáculos à implementação bem sucedida. As estrategias de mitigação identificam como enfrentar estes riscos. 2. PROCESSO Solidez e abrangência dos processos de desenvolvimento e aprovação da estratégia nacional. Atributo 5: Envolvimento dos múltiplos parceiros e atores no desenvolvimento da estratégia nacional e dos planos operacionais e na aprovação final da estratégia nacional. 2.1 Existência de um mecanismo transparente que garante a liderança do governo e a participação significativa de todos os parceiros e atores, de maneira que possam contribuir sistematicamente no desenvolvimento da estratégia e na planificação anual operacional. As partes interessadas incluem as instituições nacionais e locais do governo; representantes públicos; sociedade civil; prestadores privados de cuidados de saúde; e parceiros de desenvolvimento. Atributo 6: Há sinais de compromisso político ao mais alto nível para com a estratégia nacional. Atributo 7: A estratégia nacional é coerente com as estratégias pertinentes de mais alto a/ou baixo nível, com os quadros de referência financeiros e com os planos. 2.2 Existência de políticas sectoriais e multi sectoriais e legislação pertinentes, num espírito da "saúde em todas as políticas", para facilitar o sucesso da implementação. 2.3 A estratégia reconhece problemas com a implementação de regulamentos e do quadro de referência legislativo e tem abordagens para superar os problemas de execução. 2.4 O compromisso político é evidenciado pela decisão de manter o preferivelmente aumentar o financiamento da estratégia nacional pelo governo. 2.5 Discussões politicas ao mais alto nível (por exemplo, na assembleia nacional) e aprovação formal do orçamento são planificadas, de acordo com o contexto nacional. 2.6 Coerência entre a estratégia nacional de saúde, programas para doenças específicas, outras sub estratégias, com objetivos abrangentes de desenvolvimento nacional. 2.7 Existência, em sistemas de saúde federais e descentralizados, de mecanismos para garantir que os planos sub nacionais sejam congruentes com as metas e os alvos de nível nacional. 3. GASTOS E QUADROS DE REFERÊNCIA ORCAMENTAL PARA A ESTRATÉGIA Solidez e exequibilidade Atributo 8: A estratégia nacional contempla um quadro de despesas com orçamento/custos que cobrem as áreas programáticas da estratégia nacional. 3.1 A estratégia é acompanhada por um sólido quadro de despesas e por um plano custeado integrado no orçamento. Inclui as necessidades de financiamento dos custos recorrentes e de investimento para implementar a estratégia, incluindo os gastos para os recursos humanos, medicamentos, gestão descentralizada, infraestruturas e mecanismos de protecção social. Quando apropriado, o quadro de referência inclui gastos para actividades, atores e parceiros além do sector público de saúde. 3.2 As estimativas de gastos são claramente explicadas, justificadas come realistas, e baseadas em métodos economicamente sólidos. 4

5 Atributo 9: A estratégia tem um quadro de referência orçamental realista e projeções de financiamento. Se a estratégia não está completamente financiada, há 3.3 As projecções de financiamento incluem todas as fontes, especificamente os compromissos financeiros das principais fontes de financiamento locais e internacionais (incluindo empréstimos), e contemplam despesas para eventuais imprevistos e riscos. mecanismos para garantir a priorização, de acordo com os objetivos gerais da estratégia. 3.4 As projecções de financiamento são realistas à luz das condições económicas, planos de despesa a médio prazo, e constrangimentos do espaço fiscal. 3.5 Se o nível de financiamento não está claro, ou há um déficit financeiro, então as prioridades para despesas são definidas junto com as implicações para os resultados (ou mostrando os planos e alvos de acordo com cenários de financiamento altos, baixos e mais provável, ou esclarecendo o processo para determinar as prioridades das despesas). 4. IMPLEMENTAÇÃO E GESTÃO Solidez das disposições e sistemas para implementar e gerir os programas contidos na estratégia nacional. Atributo 10: Planos operacionais são regularmente desenvolvidos através de um processo participativo, detalhando como é que os objetivos da estratégia nacional serão alcançados. Atributo 11: A estratégia descreve claramente como os recursos serão atribuídos para alcançar os resultados e melhorar a equidade, incluindo como os recursos serão alocados ao nível sob nacional e aos atores não governamentais. Atributo 12: A adequação da capacidade institucional existente para implementar a estratégia tem sido avaliada e há planos para desenvolver a capacidade necessária. Atributo 13: A gestão financeira e as disposições relativas às aquisições são apropriadas, adequadas e transparentes. Os planos de acção para melhorar a gestão financeira pública e as aquisições são dirigidos para os pontos fracos identificados na estratégia e em outro trabalho diagnóstico. 4.1 Os papéis e as responsabilidades dos parceiros de implementação são descritos. Si novas políticas ou abordagens são planificadas, a responsabilidade pela su implementação está definida. 4.2 Há mecanismos para garantir que os planos sub sectoriais operacionais tais com os planos distritais, os planos para controle das doenças e os planos para agências e instituições autônomas estão relacionados às prioridades estratégicas da estratégia nacional de saúde, e conectados com as mesmas. 4.3 A organização da prestação de serviços está definida e a estratégia identifica os papéis e as responsabilidades dos prestadores dos serviços e os recursos que eles precisam. 4.4 Os planos tem critérios transparentes para a alocação dos recursos (recursos humanos, produtos, fundos) entre os diferentes programas e ao nível sub nacional e aos atores não governamentais (quando apropriado), que ajudarão a aumentar a equidade e eficiência. 4.5 Os constrangimentos logísticos e os sistemas de informação e de gestão são descritos, e acções corretivas credíveis são propostas para superar os constrangimentos. 4.6 As necessidades de recursos humanos (gestão e capacidade) são identificadas, incluindo os níveis de pessoal, combinação de competências, distribuição, formação, salários e incentivos. 4.7 Existem sistemas chave, e com recursos adequados, ou planos para as melhorias necessarias, incluindo sistemas e capacidade para planificar e orçamentar; supervisão técnica e gerencial, e manutenção. 4.8 A estratégia descreve abordagens para satisfazer as necessidades de assistência técnica para sua implementação. 4.9 O sistema de gestão financeira satisfaz os padrões nacionais e internacionais, e produz relatórios appropriados para a tomada de decições, a supervisão e a análise. Os pontos fortes e fracos dos sistemas de gestão financeira, da capacidade e das práticas no sector são identificados, a partir de outros estudos. Planos de acção para mitigar os riscos fiduciários da gestão financeira pública são exéquiveis dentro de um periodo razoável e são custeados completamente. 5

6 Atributo 14: Os mecanismos de governação, de obrigação de dar contas, de gestão e de coordenação para implementação são especificados Os sistemas de acquisição satisfazem os padrões nacionais e internacionais. As áreas que precisam de reforço são identificadas, com base em outros estudos, e há um plano realista de acções dirigidas para estas áreas As auditorias independentes internas e externas fornecem uma garantia razoável, assim como o controle do parlamento. As auditorias incluem a apreciação da melhor utilização do dinheiro. Existem mecanismos funcionais para acompanhar os achados das auditorias Está claro como os fundos e outros recursos irão chegar aos beneficiários destinados, incluindo as modalidades para canalizar os fundos externos e prestar contas. Existem mecanismos sistemáticos para garantir desembolsos em tempo oportuno, um eficiente fluxo de fundos e para ultrapassar os estrangulamentos. Nos sistemas de saúde descentralizados, isto inclui processos eficaces a nivel sub nacional de fluxo de fundos e supervisão financeira Existência de mecanismos de governação, internos e externos, envolvendo múltiplos parceiros e atores, que especificam a gestão, supervisão, coordenação e producção de relatórios para a implementação da estratégia Descrição de políticas nacionais relacionadas com os mecanismos de governação, de prestação de contas, de supervisão e produção de relatórios no Ministério e em departamentos pertinentes. Os planos demonstram como questões do passado relacionadas com a prestação de contas e governação cumprem completamente com os regulamentos nacionais e as boas práticas internacionais. 5. MONITORIZAÇÃO, AVALIAÇÃO E REVISÃO Solidez de mecanismos de revisão e de avaliação e como os seus resultados são utilizados Atributo 15: o plano de 5.1 Existe um quadro abrangente de referência que guia o trabalho monitorização e avaliação é sólido, na area de monitorização e avaliação (M&A), que reflete as corresponde à estratégia e inclui metas e os objetivos da estratégia nacional. os indicadores principais; as fontes 5.2 Existe um conjunto central e equilibrado de indicadores e alvos de informação; os métodos e para medir o progresso, a equidade e o desempenho. responsabilidades para a recolha 5.3 O plano M&A especifica as fontes dos dados e os métodos de dos dados, a gestão, a analise e a recolha, identifica as lacunas de dados e as abordagens para os garantia de qualidade. preencher e define os fluxos de informação. 5.4 A análise e síntese estão especificadas e os problemas de qualidade dos dados estão antecipados e resolvidos. 5.5 A disseminação dos dados e a comunicação são eficazes e regulares, incuindo relatórios analíticos para a revisão do desempenho e a partilha dos dados. 5.6 Os papéis e as responsabilidades em M&A estão claramente definidos, com um mecanismo de coordenação e planos para reforçar a capacidade. Atributo 16: Existe um plano para avaliações conjuntas periódicas do desempenho e processos para retroalimentação feedback- dos resultados na tomada de decisões e na acção. 5.7 Existe um mecanismo de acompanhamento, envolvendo múltiplos parceiros, que está relacionado sistematicamente com a avaliação do desempenho do sector ou do programa em relação às metas anuais e de longo prazo. 5.8 As avaliações regulares de progresso e desempenho são utilizadas como base para o diálogo sobre as políticas de saúde e a revisão de desempenho. 5.9 Existem processos para identificar medidas correctivas e as traduzir em acção, incuindo mecanismos de dar feedback aos niveis sub nacionais e ajustar as alocações financeiras. 6

7 Os Grupos de Trabalho Interagências da IHP + estão mandatados por períodos de tempo limitados, e compostos por peritos técnicos de entre os signatários da IHP +. As agencias e países representados no Grupo original de Trabalho Interagências sobre JANS e no subsequente Grupo de Emenda (que concordou a versão 2) incluem: AusAID; Conselho Africano para o Desenvolvimento Sustentável em Saúde; Ministério do VIH & SIDA, Burundi; Ministério da Saúde, Etiópia; Comissão Europeia; Aliança Global Vacinas e Imunização GAVI; Centro de Desenvolvimento Social Integrado ISODEC Gana); Ministério da Saúde, Gana; Fundo Global de Combate a SIDA, Tuberculose e Malária; Projeto de Acesso Global a Saúde; Ministério da Saúde, Mali; Ministério dos Negócios Estrangeiros, Holanda; Roll Back Malária; Ministério dos Negócios Estrangeiros, Espanha; Treatment Action Group; Ministério da Saúde, Uganda; UNAIDS; UNFPA; UNICEF; Departamento para Desenvolvimento Internacional DFID, Reino Unido; Banco Mundial, Organização Mundial da Saúde. 7

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 2015

Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 2015 Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 5 A fim de garantir esforços de responsabilização mútua para o fomento da nutrição, foi estabelecido em um Quadro de M&A abrangente do Movimento

Leia mais

Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos. sobre

Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos. sobre Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos sobre As Recomendações do Grupo de Trabalho de Alto Nível sobre o Financiamento Internacional Inovador aos Sistemas

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário

Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário Empreender acções para apoiar o envolvimento activo e significativo do sector comunitário 1.1. Como pode ser descrito o envolvimento activo e significativo do sector comunitário? O envolvimento do sector

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012

AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012 AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012 RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO: SUMÁRIO EXECUTIVO Em 2012-2013, no seu quinto ano

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Roteiro Passo a Passo sobre Desenho

Roteiro Passo a Passo sobre Desenho Roteiro Passo a Passo sobre Desenho Esta secção providencia orientação detalhada sobre os passos seguir na fase de desenho do seu projecto ABC. Leva-o através dos passos chave na fase de desenho, dando

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação Bureau des Fonds et Programmes des Nations Unies au Cap Vert O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação O que é a Abordagem Harmonizada de Transferência

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde TRADUÇÃO LIVRE, ADAPTADA AO PORTUGUÊS PELA OPAS/OMS BRASIL. Organização Mundial da Saúde Uma Resposta Sustentável do Setor Saúde ao HIV Estratégia mundial do setor da saúde contra o HIV/aids para 2011-2015

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES CMSC-FAC COMUNICAÇÃO PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES PARTE II: FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO Esta publicação é tornada possível graças

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

-Dominios do Exame CCSA

-Dominios do Exame CCSA -Dominios do Exame CCSA Os tópicos do exame de CCSA são divididos em seis Domínios 1 : I - Fundamentos de CSA (5-10%) II - Integração do Programa de CSA (15-25%) III - Elementos do Processo de CSA (15-25%)

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

DIRECTRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA PARA UM PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO

DIRECTRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA PARA UM PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO DIRECTRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA PARA UM PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO Preparadas pelo: Grupo de Trabalho sobre Financiamento da Aliança Mundial para as Vacinas

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola 09 de Junho de 2014

www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola 09 de Junho de 2014 www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola Estrutura 1. Introdução ao tema 2. Estado actual da profissão 3. Definindo o caminho para aumentar o valor da auditoria interna:

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM SAÚDE DA CPLP (PECS/CPLP) 2009-2012 Maio de 2009 Página 1 de 20 ÍNDICE 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 3 2. OBJECTIVOS 4 3. DIRECTRIZES

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA FUNDAMENTO A Directora-Geral da OMS estabeleceu em 2000 uma Comissão sobre a Macroeconomia e a Saúde (CMS), composta por economistas de

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Relatório de Desempenho 2014

Relatório de Desempenho 2014 Sumário Executivo Progressão da Parceria Internacional para a Saúde e Iniciativas relacionadas (IHP+) Relatório de Desempenho 2014 Sumário Executivo A Parceria Internacional para a Saúde (IHP +), lançada

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO ASSUNTOS-CHAVE DE ÁGUA E SANEAMENTO Princípios Institucionais e de Gestão RESPOSTAS POSSIVEIS As alterações dos objectivos políticos e dos factores económicos ocorridos

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) Grupo de Trabalho em Educação Farmacêutica Plano de Ação 2008-2010

Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) Grupo de Trabalho em Educação Farmacêutica Plano de Ação 2008-2010 Federação Internacional de Farmacêuticos (FIP) Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) Organização Mundial de Saúde (WHO/OMS) Grupo de Trabalho em Educação Farmacêutica

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO MODELO DE GOVERNAÇÃO Praia, 07 de Julho de 2009 João Renato Lima REGULAÇÃO EM CABO VERDE De acordo com Constituição da República revista em 2002, cabe ao Estado regular o mercado e a actividade económica

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

Introdução ao controlo de gestão

Introdução ao controlo de gestão Introdução ao controlo de gestão Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 3ºANO 2ºSEM 2014/15 PROGRAMA 1. Introdução 2. Planeamento 3. Orçamentação 4. Controlo orçamental

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PARA HARMONIZAÇÃO DE REQUISITOS TÉCNICOS PARA REGISTRO DE MEDICAMENTOS PARA USO HUMANO GUIA ICH HARMONIZADO PELO TRIPARTITE SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 Versão atual

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL. Projeto CVE/056. Apoio ao Plano de Desenvolvimento Sanitário da Região de Santiago Norte

AVALIAÇÃO FINAL. Projeto CVE/056. Apoio ao Plano de Desenvolvimento Sanitário da Região de Santiago Norte AVALIAÇÃO FINAL Projeto CVE/056 Apoio ao Plano de Desenvolvimento sanitário da Região de Santiago Norte DADOS SINTÉTICOS País Título longo do projeto Título curto do projeto Código LuxDev Cabo Verde Apoio

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais