Ciclo de Palestras Regulação: entre o Público e o Privado

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de Palestras Regulação: entre o Público e o Privado"

Transcrição

1 Ciclo de Palestras Regulação: entre o Público e o Privado Interfaces Regulatórias e Análise de Casos dos Setores de Energia, Telecomunicações e Gás Natural Myller Kairo Coelho de Mesquita Brasília, 9 de outubro de 2015

2

3

4 Sumário I. Introdução: ordem econômica e regulação. II. Análise de casos: energia elétrica, gás natural, telecomunicações. III. Concorrência. IV. Regulação e concorrência. IV.1. Análise de caso: compartilhamento de infraestrutura. IV.2. Conflito de competências. IV.3. Conclusão.

5 I. Introdução: ordem econômica e regulação.

6 Ordem Econômica Valorização do trabalho humano Livre iniciativa Estado Imperativos da segurança nacional ou relevante interesse coletivo (Ressalvados os casos previstos na CF) Funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado Direta Agente normativo e regulador

7 Técnica Regulação Econômica Concorrencial

8 II. Análise de casos: energia elétrica, gás natural, telecomunicações.

9 Energia Elétrica MP nº 579/2012. (LEI Nº , DE 11 DE JANEIRO DE 2013) Prorrogação das concessões de geradores de energia elétrica. STJ: MS n.º

10

11 Gás Natural Definição de gasoduto de transporte (União) e de distribuição (Estado). Constituição Federal: art. 25, 2º c/c art. 177, IV. STF: Reclamação n.º Transporte de gás natural por conduto Gás canalizado

12 Externalidade Efeito de rede Economia de escala Monopólio Natural

13 Telecomunicação Chamadas on-net e off-net Valor de Uso de Rede Móvel (VU-M): remunera a interconexão com as redes das empresas de telecomunicações que prestam o Serviço Móvel Pessoal (SMP). Efeito Clube STJ: REsp n.º (GVT)

14 III. Concorrência. Lei n.º /2011.

15 Estrutura Controle Conduta 1. Fusão de duas os mais empresas anteriormente independentes (art. 90, I); 2. Aquisição por uma ou mais empresas, direta ou indiretamente: 2.1. Por compra ou permuta de ações, de: i) quotas, ii) títulos ou valores mobiliários conversíveis em ações, iii) ativos, tangíveis ou intangíveis Por via contratual ou por qualquer outro meio ou forma, de: i) controle, ii) partes de uma, iii) outras empresas. (art. 90, II) 3. Incorporação por uma ou mais empresas de i) outra ou ii) outras empresas (art. 90, III); 4. Celebração por duas ou mais empresas de: i) contrato associativo, ii) consórcio, iii) joint venture. (art. 90, IV) Art. 36. Constituem infração da ordem econômica, independentemente de culpa, os atos sob qualquer forma manifestados, que tenham por objeto ou possam produzir os seguintes efeitos, ainda que não sejam alcançados: I - limitar, falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência ou a livre iniciativa; II - dominar mercado relevante de bens ou serviços; III - aumentar arbitrariamente os lucros; e IV - exercer de forma abusiva posição dominante.

16 Âmbito de incidência: A Lei n.º /2011 aplica-se às pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, bem como a quaisquer associações de entidades ou pessoas, constituídas de fato ou de direito, ainda que temporariamente, com ou sem personalidade jurídica, mesmo que exerçam atividade sob regime de monopólio legal (Art. 31). Conceitos: Mercado relevante: geográfico e de produto Exercício de poder de mercado Barreiras à entrada Exemplo: caso AMBEV Processo Administrativo n.º / Recurso Voluntário n.º /

17 IV. Regulação e concorrência. IV.1. Análise de caso: compartilhamento de infraestrutura.

18

19 Fundamento jurídico Art. 73 da Lei n.º 9.472/1997 (LGT): As prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo terão direito à utilização de postes, dutos, condutos e servidões pertencentes ou controlados por prestadora de serviços de telecomunicações ou de outros serviços de interesse público, de forma não discriminatória e a preços e condições justos e razoáveis. A partir desse artigo da LGT, podemos concluir que o acesso ao poste: (i) deve ocorrer de forma não discriminatória e a preços e condições justos e razoáveis; (ii) é um direito de que é titular o prestador de serviço de telecomunicações de interesse coletivo. (iii) deve ser suportado tanto por prestadoras de serviços de telecomunicações quanto por outras empresas que executem serviço de interesse público, a exemplo das distribuidoras de energia elétrica.

20 Devido à intersecção de competências regulatórias de diferentes agências quanto ao compartilhamento de infraestrutura, foram emitidas sucessivas resoluções com o fim de garantir a efetividade do art. 73 da LGT, a saber: (i) Resolução Conjunta ANEEL/ANATEL/ANP n.º 1/1999, que aprovou o regulamento conjunto para compartilhamento de infraestrutura entre os setores de energia elétrica, telecomunicações e petróleo; (ii) Resolução Conjunta ANEEL/ANATEL/ANP n.º 2/2001, que aprovou o regulamento conjunto de resolução de conflitos das agências reguladoras dos setores de energia elétrica, telecomunicações e petróleo; (iii) Resolução ANEEL n.º 581/2002, que estabelece requisitos de qualidade, segurança e proteção ao meio ambiente, cujo atendimento é necessário para que se obtenha o compartilhamento de infraestrutura de empresas de energia elétrica; (iv) Resolução Conjunta ANEEL/ANATEL n.º 4/2014, que aprovou o preço de referência para o compartilhamento de postes entre as distribuidoras de energia elétrica e as prestadoras de serviços de telecomunicações, a ser utilizado nos processos de resolução de conflitos, e estabelece regras para uso e ocupação dos pontos de fixação.

21 Representante: Walberg Comunicações Ltda. Representado: ELETROPAULO

22

23 IV.2. Conflito de competências.

24 A atuação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica no âmbito de mercados regulados é condicionada à efetiva constatação de infração à ordem econômica. Nas palavras do ex-conselheiro ROBERTO AGUSTO CASTELLANOS PFEIFFER, a atuação do CADE nos setores regulados pode ser sintetizada da seguinte forma: [Cabe ao CADE] punir os agentes regulados caso estes, a pretexto de cumprimento da norma reguladora, cometerem (sic) abuso de posição dominante ou outra conduta anti-concorrencial. Porém, o simples cumprimento da norma reguladora, sem qualquer configuração de deturpação ou abusividade, não teria o condão de configurar infração contra a ordem econômica. (Processo Administrativo n.º /2002.)

25 ADMINISTRATIVO E ECONÔMICO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DANOS DIFUSOS AOS CONSUMIDORES. INFRAÇÕES À ORDEM ECONÔMICA. GLP. DISTRIBUIDORAS. FORMAÇÃO DE CARTEL. NÃO OCORRÊNCIA. APLICAÇÃO DA STATE ACTION DOCTRINE. ATUAÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS IMUNES AO CONTROLE DO ÓRGÃO ANTITRUSTE. ATIVIDADE REGULADA E FISCALIZADA PELO ESTADO. ADVOCACIA DA CONCORRÊNCIA OU EDUCATIVA PARA PROMOÇÃO DE AMBIENTE LIVRE E COMPETITIVO. RECURSOS ESPECIAIS PROVIDOS. 1. O mercado de GLP - gás liquefeito de petróleo - tinha seu preço tabelado pelos órgãos reguladores competentes no período em que se alega a formação de cartel por parte das distribuidoras, o que afasta a possibilidade de punição delas. 2. Aplicação, ao caso, da state action doctrine foi formulada nos EUA para definir os casos em que a regulação estatal afastaria o controle concorrencial feito pelo órgão antitruste, quando presentes determinados requisitos: (i) a regulação estatal deve servir a um fim de política pública; e (ii) o Estado deve efetivamente obrigar determinada conduta e supervisioná-la: lição do Professor CALIXTO SALOMÃO FILHO (Direito Concorrencial: As Estruturas, São Paulo, Malheiros, 2007, pp ). 3. No caso, não há dúvidas de que se está diante de um mercado regulado, o de distribuição de GLP, que seria imune, portanto, ao controle do órgão antitruste, pois facilmente se verifica que: (i) o CNP aprovou a implantação de mercado de empresas que tinha como objetivo organizar a distribuição do GLP, facilitar a sua fiscalização, evitar a proliferação de revendedores clandestinos e propiciar melhores condições de segurança ao consumidor; e (ii) o Sistema Integrado de Abastecimento era elaborado pelo próprio órgão regulador, sendo mensalmente auditado pelo DNC (Departamento Nacional de Combustíveis). Assim, está claro que a regulação servia a uma política pública, era imposta às empresas reguladas e supervisionadas pelo órgão competente. (...) (REsp /RS, Rel. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 09/06/2015, DJe 19/06/2015)

26 Várias condutas anticompetitivas podem ser adotadas pelo detentor da infraestrutura, tais como a discriminação de preços e a recusa de contratar. A atuação do CADE para reprimir essas condutas, no entanto, não se confunde com a competência do órgão antitruste para, substituindo agências reguladoras, fixar o preço do acesso à infraestrutura. Nesse sentido, é bastante claro o voto do ex-conselheiro ALESSANDRO OCTAVIANI, que seguiu a conclusão da Superintendência-Geral do CADE: não cabe a este Conselho substituir os agentes de mercado a fim de arbitrar o preço do compartilhamento que melhor atenda as partes negociantes, muito menos quando se trata de mercado regulado por agência específica. (Processo Administrativo n.º / )

27 IV.3. Conclusão.

28 Limites da análise concorrencial (i) entidades regulatórias competentes; (ii) racionalidade econômica da conduta.

REGULAÇÃO SETORIAL E ANTITRUSTE NO DIREITO BRASILEIRO

REGULAÇÃO SETORIAL E ANTITRUSTE NO DIREITO BRASILEIRO CICLO DE PALESTRAS REGULAÇÃO SETORIAL: OS MODELOS REGULATÓRIOS BRASILEIROS REGULAÇÃO SETORIAL E ANTITRUSTE NO DIREITO BRASILEIRO MYLLER KAIRO COELHO DE MESQUITA BRASÍLIA, 04 DE ABRIL DE 2014 Na língua,

Leia mais

Regina Ribeiro do Valle Advocacia rervalle@gmail.com. Comitê Brasileiro de Arbitragem

Regina Ribeiro do Valle Advocacia rervalle@gmail.com. Comitê Brasileiro de Arbitragem Regina Ribeiro do Valle Advocacia rervalle@gmail.com Comitê Brasileiro de Arbitragem TELECOMUNICAÇÕES (ANATEL) 1- Lei Geral De Telecomunicações Lei Nº 9.472/97 Anatel Poder Compor Conflitos Serviços De

Leia mais

Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência

Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência Maria Paula Dallari Bucci (DF) Palestra proferida no I Fórum Brasileiro sobre Agências Reguladoras, Brasília, 6 de abril

Leia mais

PEDRO DUTRA Advogado. São Paulo, 09 de outubro de 1998

PEDRO DUTRA Advogado. São Paulo, 09 de outubro de 1998 São Paulo, 09 de outubro de 1998 À ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações Protocolo Geral SAS, Quadra 6, Bloco H 70313-900 Brasília-DF Via E-mail PEDRO DUTRA, advogado inscrito na OAB-SP sob o nº

Leia mais

CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS

CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS Brasil 01452-002 SP CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS Ana Carolina Rovida de Oliveira acoliveira@almeidalaw.com.br I

Leia mais

FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS

FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS CENÁRIO ATUAL DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO NOTÁRIO (LEI 8.935/94) FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS RODRIGO TOSCANO DE BRITO COMO

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 1º, 2º, 3º e 4º Mercado interno do gás e da electricidade Contratos de concessão Taxa de ocupação de solos. Processo: nº 2258, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS Vagner Hörz - Universidade Federal de Santa Maria-UFSM. Maiara Talgatti - Universidade Federal

Leia mais

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012 Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Gás natural: todo hidrocarboneto que permaneça em estado gasoso nas condições

Leia mais

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 208, de 2005, que altera a redação do art. 58 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL. Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL. Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO 1 2 Conceituação: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Apelação nº 0198645-79.2011.8.26.0100 - São Paulo - VOTO Nº 4/9. fls. 4

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Apelação nº 0198645-79.2011.8.26.0100 - São Paulo - VOTO Nº 4/9. fls. 4 fls. 4 da cláusula porque realizado somente por ocasião da apelação, No recurso a autora passou a dizer que o pedido de indenização por danos morais é motivado pela privação da coisa, enquanto na inicial

Leia mais

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA Seminário Direitos & Deveres do Consumidor de Seguros Desembargador NEY WIEDEMANN NETO, da 6ª. Câmara Cível do TJRS Introdução O contrato de seguro, regulado pelos artigos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Dispõe sobre normas gerais referentes a aspectos das políticas urbana, ambiental e de saúde associadas à instalação de infraestrutura de telecomunicações no País. O

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA Objetivo: melhorar a competitividade dos serviços portuários no Brasil A implantação da norma para exploração de áreas e instalações portuárias pela agência reguladora é uma das poucas oportunidades atuais

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES?

O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES? O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES? O presente estudo analisa brevemente a alegada livre parada supostamente

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

IUS RESUMOS. Impostos Municipais - IPTU. Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso

IUS RESUMOS. Impostos Municipais - IPTU. Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso Impostos Municipais - IPTU Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso SUMÁRIO I. IMPOSTOS MUNICIPAIS - IPTU... 3 1. Do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU.... 3 1.1 Características

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA PSDB e o DEMOCRATAS - DEM, agremiações partidárias com representação no Congresso Nacional e com sede nesta Capital,

Leia mais

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 1 M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS 1. OBJETIVO 1.1

Leia mais

Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários. Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com.

Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários. Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com. Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com.br Setembro, 2013 Introdução Nova Lei Anticorrupção se estende aos ilícitos tributários?

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

Lei nº 9.933, de 20 de Dezembro de 1999

Lei nº 9.933, de 20 de Dezembro de 1999 Lei nº 9.933, de 2 de Dezembro de 1999 O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - Todos os bens comercializados no Brasil, insumos, produtos

Leia mais

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade 1 O Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - SBDC Conselho Administrativo

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS CONTRATOS PÚBLICOS As entidades públicas celebram contratos para assegurar o fornecimento de obras e a prestação de serviços. Estes contratos, concluídos mediante remuneração com um ou mais operadores,

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS E ADMINISTRADORES POR DÍVIDAS DA PESSOA JURÍDICA E LEI ANTICORRUPÇÃO

RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS E ADMINISTRADORES POR DÍVIDAS DA PESSOA JURÍDICA E LEI ANTICORRUPÇÃO RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS E ADMINISTRADORES POR DÍVIDAS DA PESSOA JURÍDICA E LEI ANTICORRUPÇÃO SUMÁRIO I) Tendência à Responsabilização dos Sócios e Administradores por dívidas das empresas; II) Conceitos

Leia mais

O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO

O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO 15 de outubro 2013 O NOVO REGIME DO SECTOR PÚBLICO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO Motivados pelas exigências constantes do Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica celebrado entre

Leia mais

DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO ILUSTRÍSSIMO SENHOR(A) REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA TNL PCS Processo de Licitação nº 142/2012 Pregão Eletrônico nº 018/2012 O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO CRA-ES, entidade de direito público interno,

Leia mais

Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil. Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados

Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil. Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil da Câmara dos Deputados Regulação dos Cartões de Pagamento Cronologia dos Trabalhos Junho/2009 Mesa redonda na Comissão de Defesa

Leia mais

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Painel: Telecomunicações, acessibilidade, TICs e inovação As telecomunicações constituem um setor de infra-estrutura de importante impacto no crescimento

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

!+,(-. / %01213"&$$(

!+,(-. / %01213&$$( !"#$%&$'"$(%)"*(%!+,(-. / %01213"&$$( Com base nas informações apresentadas na Nota Técnica em referência, apresentamos algumas contribuições que julgamos oportunas para auxiliar nas diversas questões

Leia mais

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL Projeto de Lei Nº 368/XII Protecção dos direitos individuais e comuns à água O projecto de Lei para Protecção dos direitos

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Responsabilidade Objetiva dos Administradores

Responsabilidade Objetiva dos Administradores Responsabilidade Objetiva dos Administradores Richard Blanchet (11) 98426-1866 rblanchet@uol.com.br São Paulo, 19 de março de 2014 Carlos Eduardo Lessa Brandão 02/03/2011 1 Agenda Introdução Responsabilidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.847, DE 15 DE MARÇO DE 2004. Autoriza a criação da Empresa de Pesquisa Energética EPE e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel

TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel Alfredo Gioielli CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 21. Compete

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente ao exercício profissional das atividades de aplicação de terapêuticas não convencionais Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados Federais Marco Maia

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados Federais Marco Maia Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados Federais Marco Maia Proposição n RCP 0013/12 As entidades signatárias, reunidas na Campanha Banda Larga é um direito seu!, instituída desde fevereiro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 27 de julho de 2009, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. Apelação Cível nº 968.409-00/3 Comarca de São Paulo Foro Central

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Resolução SS 65, de 12 de Abril de 2005. ( Publicado no D.O.E de 13/04/2005, seção 1. pág. 18 ) Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para

Leia mais

POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL. Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov.

POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL. Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov. POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA: ANÁLISE LEGAL COMPARATIVA BRASIL

Leia mais

Relação Agências Reguladoras e CADE o caso ANATEL

Relação Agências Reguladoras e CADE o caso ANATEL Relação Agências Reguladoras e CADE o caso ANATEL Seminário IBRAC UFMG Setembro de 2015 CADE e Agências Reguladoras: o caso da ANATEL sob a ótica do administrado Agenda 1. Histórico 2. Lei 12.529/2011

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico Programa 0276 Gestão da Política de Energia Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de energia. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s) 32 - Ministério

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de EMENTA RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da CURITIBA - PR, sendo Recorrentes ADVOGADO ASSOCIADO - VÍNCULO DE EMPREGO - NÃO CONFIGURADO - Comprovado que a parte autora firmou "contrato de associação com advogado"

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE DEFINIÇÕES CONCURSO PÚBLICO, NOMEAÇÃO E POSSE Cód.: CNP Nº: - Versão: 02 Data: 22/02/2016 Concurso público Processo de seleção de natureza competitiva, aberto ao público geral, para provimento de cargo

Leia mais

ECAD E OS NOVOS CONTORNOS DA GESTÃO COLETIVA NO BRASIL. Guilherme Coutinho Silva guilhermecoutinho@usp.br

ECAD E OS NOVOS CONTORNOS DA GESTÃO COLETIVA NO BRASIL. Guilherme Coutinho Silva guilhermecoutinho@usp.br ECAD E OS NOVOS CONTORNOS DA GESTÃO COLETIVA NO BRASIL Guilherme Coutinho Silva guilhermecoutinho@usp.br Constituição Federal Art. 5º - XXVIII - são assegurados, nos termos da lei: b) o direito de fiscalização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo:

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: ESTATUTO DA CAIXA Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: 1 - Complete: A Caixa é Instituição integrante do e auxiliar da execução da do Governo Federal, a CEF sujeita-se às decisões

Leia mais

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0100686-34.2014.4.02.5006 (2014.50.06.100686-0) RELATOR : LUIZ ANTONIO SOARES APELANTE : PARANÁ GRANITOS LTDA ADVOGADO : EDGAR LENZI E OUTROS APELADO

Leia mais

LOCAL DA PRESTAÇÃO. Local em que se considera ocorrido o fato jurídico tributário (local onde foi efetuada a prestação de serviço)

LOCAL DA PRESTAÇÃO. Local em que se considera ocorrido o fato jurídico tributário (local onde foi efetuada a prestação de serviço) Betina Treiger Grupenmacher Advogada. Professora UFPR CRITÉRIO ESPACIAL Local em que se considera ocorrido o fato jurídico tributário (local onde foi efetuada a prestação de serviço) Espaço territorialdo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 37, DE 2015

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 37, DE 2015 PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 37, DE 2015 Propõe que a Comissão de Fiscalização e Controle, com o auxílio do Tribunal de Contas da União realize ato de fiscalização e controle sobre a aquisição

Leia mais

I N F O R M A T I V O

I N F O R M A T I V O I N F O R M A T I V O L E G A L N.º 002/2011-17/01 ASSUNTOS GERAIS: - VALOR MÍNIMO DE BENEFÍCIOS PORTARIA MPS/MF N.º 568: Portaria dos ministérios da Fazenda e da Previdência, publicada no dia 03, fixou

Leia mais

PROCURADOR-GERAL DO TCU LUCAS ROCHA FURTADO

PROCURADOR-GERAL DO TCU LUCAS ROCHA FURTADO O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO E O CONTROLE DAS AGÊNCIAS REGULADORAS PROCURADOR-GERAL DO TCU LUCAS ROCHA FURTADO Palestra proferida no I Fórum Brasileiro sobre as Agências Reguladoras, Brasília, 05 de abril

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008:

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: Procedimentos para análise dos limites, condições e restrições para participação de agentes econômicos nas atividades do setor de energia elétrica

Leia mais

Contratos Associativos

Contratos Associativos Contratos Associativos Atos de Concentração vs. Atos de Cooperação Atos de Concentração: unificação de centros decisórios(controle societário) caráter permanente Atos de Cooperação: empresas permanecem

Leia mais

Legislação e Ética Profissional

Legislação e Ética Profissional Legislação e Ética Profissional Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas Pregoeiro / Bolsa de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006. Art. 1º Esta lei estabelece pena para interceptação ou a recepção não

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006. Art. 1º Esta lei estabelece pena para interceptação ou a recepção não PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 Altera dispositivo no Art. 155 e insere parágrafo no Art. 180 no decreto-lei n.º 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal - Parte Especial. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DIRETORIA COMERCIAL JUN/21 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS, DE CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA...1 3 CLASSES DE INFRAESTRUTURAS DISPONIBILIZADAS...2

Leia mais

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras CP 013/14 Sistemas Subterrâneos Questões para as distribuidoras 1) Observa-se a necessidade de planejamento/operacionalização de atividades entre diversos agentes (distribuidoras, concessionárias de outros

Leia mais

PROJETO DE LEI N O 4.746, DE 1998 (I)

PROJETO DE LEI N O 4.746, DE 1998 (I) PROJETO DE LEI N O 4.746, DE 1998 (I) Emile Boudens Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais, Diversões e Espetáculos Públicos ESTUDO JULHO/2000 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.799, DE 4 DE AGOSTO DE 2003. Dispõe sobre a comunicação de governo do Poder Executivo Federal e dá outras providências.

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO I. Sistema Tributário Nacional e Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar... 02 II. Tributos... 04 III. O Estado e o Poder de Tributar. Competência Tributária... 08 IV. Fontes

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

A nova responsabilidade civil escolar

A nova responsabilidade civil escolar A nova responsabilidade civil escolar Introdução Atualmente, constata-se enorme dificuldade em relação à busca e à definição dos reais limites da responsabilidade civil das escolas particulares e públicas

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 9.074, de 7 de junho de 1995, e as Leis nº 10.847 e nº 10.848, ambas de 15 de março de 2004, para condicionar a realização

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR TERMO DE ABERTURA Preparado por: Cláudio França de Araújo Gestor do Programa CD Aprovado por: Ricardo Antônio de Arruda Veiga Representante

Leia mais

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA São Paulo, 16 de outubro de 1998 À Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa SAS - Quadra 06 - Bloco H - 2º andar - Biblioteca 70313-900 - Brasília - DF

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 15/06 ENTENDIMENTO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE AS AUTORIDADES DE DEFESA DE CONCORRÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL PARA O CONTROLE DE CONCENTRAÇÕES ECONÔMICAS DE ÂMBITO REGIONAL TENDO

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

EIRELI ASPECTOS TRIBUTÁRIOS

EIRELI ASPECTOS TRIBUTÁRIOS EIRELI ASPECTOS TRIBUTÁRIOS André Henrique Lemos - Bacharel em Direito pela UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí. - Advogado militante em Direito empresarial. - Pós-graduado em administração tributária

Leia mais

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0054-06/99-1 Identidade do documento: Acórdão 54/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Centro Psiquiátrico Pedro II. Exercício de 1997. Garantias

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu Faculdade de São Paulo Regimento Consu 2 REGMENTO DO CONSELHO SUPEROR (CONSU) TTULO DA NATUREZA, COMPOSÇÃO, COMPETÊNCA, ORGANZAÇÃO E FUNCONAMENTO CAPÍTULO DA NATUREZA Art. 1º - O CONSELHO SUPEROR (CONSU)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 16 DE 02 DE JULHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 16 DE 02 DE JULHO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 16 DE 02 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre a tributação do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza ISS incidente sobre serviços de informática e intermediação de licenciamento

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 ALTERADA PELA PORTARIA MPA Nº 30/2015 PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 Cria o Comitê de Nomenclatura das Espécies de Pescado - CONESPE, no âmbito do Ministério da Pesca e Aquicultura. O MINISTRO

Leia mais

Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples

Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma brevíssima análise sobre situações especiais em relação ao fundo

Leia mais

I Fórum Lusófono das Comunicações MARCOS TAVOLARI. Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da CPLP Brasília, 30/04/2010

I Fórum Lusófono das Comunicações MARCOS TAVOLARI. Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da CPLP Brasília, 30/04/2010 Futuro das (Tele)Comunicações e a Regulação na Convergênica: ponderando interesses, estimulando negócios e promovendo o acesso à informação e ao bem cultural diversificado. I Fórum Lusófono das Comunicações

Leia mais

Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Reestruturação Institucional

Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Reestruturação Institucional Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - Reestruturação Institucional Atual Lei 8.884/94 Projeto de Lei nº 5.877/2005 Instrução SDE SEAE Dirigentes demissíveis ad nutum Superintendência Geral Filtro

Leia mais

NEWSLETTER I CONCORRÊNCIA

NEWSLETTER I CONCORRÊNCIA NEWSLETTER I CONCORRÊNCIA NEWSLETTER CONCORRÊNCIA I 1.º Trimestre 2016 I Destaques Nacionais 2 II Destaques Europeus 4 NEWSLETTER CONCORRÊNCIA I DESTAQUES NACIONAIS Tribunal da Concorrência Tribunal da

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS - CNPG

CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS - CNPG CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS - CNPG GRUPO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS GNDH COMISSÃO PERMANENTE DE DEFESA DA SAÚDE COPEDS Enunciados aprovados pela Comissão Permanente de Defesa da Saúde (COPEDS)

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais