Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico"

Transcrição

1 Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico

2 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2

3 Moçambique Plano Estratégico Introdução Dados chave População (2009) : 22.4 milhões 1 Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,284 (165 de 169 países) 1 Esperança de vida: 48.4 anos 1 Cuidados médicos: <5 Médicos por habitantes 1 Prevalência de cegueira: 1 % 2 Moçambique é um dos países mais pobres do mundo com poucos doadores institucionais directamente orientados para as necessidades das pessoas com deficiência. O governo moçambicano adoptou várias políticas de inclusão com apoio do movimento das pessoas com deficiência, e alcançou grande sucesso ao introduzir a inclusão na agenda política ao longo dos últimos anos. Porém, a implementação das políticas por todos os sectores e os parceiros de desenvolvimento, continua sendo um desafio que necessitará de um comprometimento contínuo por parte do governo e da sociedade civil. Desde 2003, Moçambique é um dos países prioritários para o apoio da LI- GHT FOR THE WORLD. Nos próximos quatro anos, a LIGHT FOR THE WORLD não só renovará este comprometimento; também expandirá significativamente o seu programa a nível nacional. A estratégia de implementação de pretende continuar a fortalecer Projectos a decorrer apoiados pela LIGHT parcerias existentes e a expansão de projectos FOR THE WORLD 2011 em curso. O objectivo deste Plano Estratégico é de enfatizar as ligações entre os projectos para que se forme um programa abrangente, desenhado para promover o desenvolvimento inclusivo e ajudar a criar uma sociedade inclusiva. A presente estratégia foi desenvolvida através de um processo amplo, incluindo uma análise situacional e consultas externas com agentes chaves em Moçambique e na Europa, realizado entre Abril de 2010 e Setembro de A implementação começou no Relatório de Desenvolvimento Humano 2010, UNDP 3

4 LIGHT FOR THE WORLD O quadro de orientação da estratégia global da LIGHT FOR THE WORLD O objectivo estratégico global da LIGHT FOR THE WORLD é uma sociedade inclusiva, na qual todas pessoas possam participar equitativamente no seu ambiente social, politico, económico e cultural. O nosso trabalho baseia-se nos direitos humanos: os princípios da não discriminação, da participação, da emancipação e da responsabilização. O nosso apoio promove o desenvolvimento efectivo nos países parceiros. Estamos comprometidos com estratégias de desenvolvimento locais e ajustamos o nosso trabalho de acordo com estas estratégias. Nas nossas iniciativas coordenamos e trabalhamos em parceria com outros actores. As principais áreas de apoio da LIGHT FOR THE WORLD são: Saúde ocular/ prevenção da cegueira: O nosso principal objectivo é eliminação das barreiras físicas, sociais, culturais e de comunicação que impedem o acesso equitativo aos serviços de cuidados oculares de elevada qualidade para todos, em especial, para os que vivem na pobreza extrema. Reabilitação e educação inclusiva: Temos como objectivo utilizar sistemas de intervenção abrangentes e sustentáveis orientados para os direitos e as necessidades de pessoas com deficiência e assegurar que estas possam utilizar o seu potencial, as suas competências e as suas capacidades para participar plenamente na sociedade. Desenvolvimento inclusivo e direitos das pessoas com deficiência: Temos como objectivo o desenvolvimento inclusivo que assegure a participação e inclusão de pessoas com deficiência em todos processos de desenvolvimento do país. Outras áreas de trabalho Adicionalmente às áreas principais acima descritas, outros assuntos de relevância particular para Moçambique, são situações como o HIV/SIDA, as práticas tradicionais nocivas ou a violência contra pessoas com deficiência, os quais também podem requerer atenção. Embora a LIGHT FOR THE WORLD não prevê intervenções específicas nestas áreas, mantém uma flexibilidade para responder necessidades urgentes e incluir-os como parte da abordagem programática abrangente dos nossos parceiros de projecto. Em casos de catástrofes, também irá assegurar que a preparação e a resposta face a esses fenómenos possam ser incluídas dentro do programa abrangente à medida que as necessidades de apoio a nível local aumentam dependendo de magnitude da emergência. 4

5 Moçambique Plano Estratégico Um Moçambique inclusivo: Apoiando o desenvolvimento inclusivo Os objectivos da LIGHT FOR THE WOLRD para o seu programa em Moçambique até 2015 são: Estar activamente envolvida na promoção da saúde ocular em cinco províncias do centro e norte de Moçambique: Sofala, Zambézia, Tete, Cabo Delgado e Niassa; Ser um dos actores principais na promoção da reabilitação baseada na comunidade, da educação inclusiva e da promoção dos direitos de pessoas com deficiência no centro de Moçambique, com enfoque em Sofala. Saúde ocular/prevenção da cegueira A cegueira é um dos problemas de saúde pública em Moçambique, que necessita de esforços conjuntos do governo e da sociedade civil. A LIGHT FOR THE WORLD estabeleceu com êxito parcerias com estruturas governamentais em 5 das 11 províncias, concretamente em Sofala, Tete, Niassa, Zambézia e Cabo Delgado, sendo actualmente um dos actores principais na saúde ocular no país. Entre manteremos os nossos esforços para a promoção da saúde ocular com o objectivo de assegurar o acesso de pessoas cegas e de pessoas com deficiência visual no centro e norte de Moçambique a serviços de saúde ocular de elevada qualidade, abrangentes e acessíveis, visando especialmente para aqueles que vivem em condições de pobreza extrema, particularmente nas zonas rurais. Campanha de cirurgia do Hospital Central da Estão previstos os seguintes resultados: Recursos Humanos estão disponíveis para fornecer serviços a nível provincial e distrital em 5 províncias do centro e norte de Moçambique. Formação de técnicos de oftalmologia na Beira e desenvolvimento profissional contínuo do pessoal existente de nível médio na área da saúde ocular; Formação em gestão e liderança para Responsaveis Provincais de Saúde Ocular e outros líderes; Integração de cuidados oculares primários na formação geral do pessoal técnico de saúde, dos agentes polivalentes elementares e activistas. Beira no distrito de Gorongosa 5

6 LIGHT FOR THE WORLD Serviços de cuidados oculares permanentes e descentralizados estão disponíveis nas 5 províncias apoiadas pela LIGHT FOR THE WORLD. A qualidade e variedade dos serviços são melhoradas. Apoio às Direcções Provinciais de Saúde na nomeação de Responsaveis Provinciais do Programa de Saúde Ocular, os quais terão um papel crucial na implementação e coordenação de actividades do Plano Nacional de Saúde Ocular a luz da Visão 2020 a nível provincial; Apoiar na aquisição de materiais, consumíveis, equipamentos e fortalecimento de infra-estruturas para todas as unidades sanitárias com serviços de oftalmologia a nível distrital e provincial; Desenvolvimento de estratégias CARA nos distritos identificados com epidemia de tracoma com autoridades da saúde e outros parceiros não-governamentais; ONGs internacionais, actores da sociedade civil e entidades governamentais empenhados na planificação, supervisão e harmonização de actividades de saúde ocular. O reforço da Mozambique Eye Care Coalition enquanto órgão de coordenação da sociedade civil com o fim de promover advocacia e pesquisas conjunta; Desenvolvimento de um Plano Nacional de Saúde Ocular a luz da Visão 2020 e de um Comité Nacional da Visão 2020 através de assessoria técnica e facilitação ao Ministério da Saúde. Reabilitação Baseada na Comunidade (RBC) A maioria da população pobre em Moçambique não tem acesso a serviços de reabilitação adequados. Actualmente o número de intervenientes com iniciativas de reabilitação baseada na comunidade em Moçambique ainda é limitado. Nos programas existentes há muitas diferenças especificamente no enfoque e dimensão das iniciativas. Nota-se uma fraqueza na coordenação e intercâmbio entre os programas. No entanto, um número crescente de actores da sociedade civil nacional e internacional, assim como as autoridades governamentais em Moçambique têm demonstrado interesse no modelo de Reabilitação Baseada na Comunidade, criando um impulso para promover o modelo internacionalmente reconhecido como estratégia para a promoção da inclusão a nível comunitário por todo Moçambique. No período a LIGHT FOR THE WORLD continuará a investir no trabalho pioneiro da Reabilitação Baseada na Comunidade para assegurar que as pessoas com deficiência vivendo na pobreza tenham acesso à reabilitação, educação, saúde, subsistência e participem activamente nas suas comunidades em cinco áreas piloto apoiadas pela LIGHT FOR THE WORLD na província de Sofala. O acesso à reabilitação, educação, saúde e subsistência é melhorado para aproximadamente 1,000 pessoas com deficiência em 5 diferentes áreas de implementação na província de Sofala. A expansão da Reabilitação Baseada na Comunidade (RCB) para uma terceira área de imple- 6

7 Moçambique Plano Estratégico mentação dentro da Beira e o estabelecimento de duas novas iniciativas de Reabilitação Baseada na Comunidade em zonas rurais (em dois distritos da Província de Sofala); O desenvolvimento das capacidades dos parceiros de RCB na resposta à todos os elementos das Directrizes de RBC (de acordo com orientações da Organização Mundial de Saúde), com enfoque na integração de pessoas com deficiência nas estruturas e serviços existentes; Continuar a promover o desporto para jovens com deficiência; O desenvolvimento de estratégias adequadas de sustentabilidade para parceiros de RCB e associações desportivas para pessoas com deficiência. O governo provincial de Sofala assume o seu papel quanto à promoção, coordenação, facilitação e supervisão de actividades de Programas de Reabilitação Baseada na Comunidade. Edivania, Programa de Reabilitação Baseada Desenvolvimento de uma estratégia provincial de Reabilitação na Comunidade em Macarungo (Beira) Baseada na Comunidade; Desenvolvimento de capacidades internas da Direcção Provincial da Mulher e Acção Social em matéria de RBC; Desenvolvimento de capacidades de formação local que facilitará uma futura réplica de Programas de RBC. A nível nacional, o governo adopta o modelo de Reabilitação Baseada na Comunidade como estratégia de intervenção para promover a inclusão de pessoas com deficiência de nível comunitário. Promoção de estabelecimento de uma rede de trabalho de Reabilitação Baseada na Comunidade; Promoção de uma estratégia nacional de RBC focalizada nas linhas orientadoras da OMS através da rede de trabalho de RBC, incluindo todos actores chaves e representantes de pessoas com deficiência. Educação Inclusiva Apenas um número muito limitado de crianças com deficiência em Moçambique tem acesso a educação formal. Recentemente, o governo Moçambicano abriu 3 novos centros de recursos para promover a educação inclusiva. Vários doadores institucionais têm mostrado um compromisso crescente na promoção da educação para todos. No entanto, as actividades concretas a um nível local continuam a ser importantes no sentido de promover desenvolvimentos a nível comunitário. No período a LIGHT FOR THE WORLD continuará a assegurar que pessoas com 7

8 LIGHT FOR THE WORLD deficiência nos programas por si apoiados tenham acesso e adiram à educação inclusiva. As experiências locais de várias iniciativas pilotos na Província de Sofala serão capitalizadas. As iniciativas de modelo para educação inclusiva em cooperação com parceiros de projecto e associações de pessoas com deficiências são fortalecidas. A expansão da iniciativa piloto de ensino primário inclusivo em Mangunde para um segundo distrito em Sofala. Promoção de aprendizagem interno, consolidação de ligações ao movimento de pessoas com deficiência e partilha de lições aprendidas com outros actores chaves na educação inclusiva; A promoção da sensibilização e apoio técnico á centros de formação vocacional, promovendo a adopção de modelos de educação inclusiva e concedendo bolsas para estudantes com deficiência. Victoria, Programa de Reabilitação Baseada na Comunidade em Macarungo (Beira) As crianças com deficiência nas áreas abrangidas pelos Programas de Reabilitação Baseada na Comunidade apoiados pela LIGHT FOR THE WORLD são inscritas e mantidas nas escolas inclusivas locais. A formação de professores e o reforço da consciencialização em escolas locais, sensibilização das famílias e das comunidades através de parceiros de RBC; A coordenação e o diálogo permanente entre programas de RBC e as autoridades de educação. Promovendo o Desenvolvimento Inclusivo e os Direitos das Pessoas com Deficiência O quadro legal de Moçambique determina objectivos claros relativamente aos direitos humanos de pessoas com deficiência em todos os aspectos da vida. Em Janeiro de 2012, Moçambique também ratificou oficialmente a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos de Pessoas com Deficiência (CRPD) e está actualmente a desenvolver o seu segundo Plano de Acção Nacional relativo à Deficiência (PNAD II). Os recentes desenvolvimentos criam oportunidades de fortalecer o desenvolvimento de estratégias para implementação dos direitos estabelecidos com o fim de convertê-las em acções concretas no terreno. No período a LIGHT FOR THE WORLD irá apoiar o movimento de pessoas com deficiência em Sofala para desenvolver acções de promoção dos direitos das pessoas com deficiência. Também irá apoiar organizações de desenvolvimento no sentido de tornar os seus programas mais inclusivos e acessíveis a pessoas com deficiência. 8

9 Moçambique Plano Estratégico Aspectos chaves do Segundo Plano de Acção Nacional de Deficiência são implementados na província de Sofala num esforço conjunto entre o governo e o movimento de pessoas com deficiência. Facilitar o Fórum das Associações Moçambicanas dos Deficientes (FAMOD) a fazer parte de um processo participativo na elaboração, implementação e supervisão do PNAD II, na província de Sofala; Assessorar o FAMOD em Sofala no desenvolvimento de estratégias para sensibilizar, influenciar, apoiar e monitorar as autoridades governamentais provinciais; Assessorar à Direcção Provincial da Mulher e Acção Social de Sofala na coordenação e supervisão da implementação do PNAD II entre as diferentes autoridades governamentais envolvidas a nível provincial. Cinco programas de educação e empoderamento económico na província de Sofala são mais acessíveis e inclusivos para pessoas com deficiência. Martinho DANIEL Sensibilização dos parceiros de desenvolvimento existentes (dois Associação de Deficientes Moçambicanos (ADEMO) actuais) para a adopção de uma abordagem mais inclusiva nas várias áreas do seu trabalho; Assegurar a inclusão e a acessibilidade de pelo menos 3 novos programas de desenvolvimento, com enfoque nas iniciativas de empoderamento económico; Reforçar a capacidade do Escritório Local da LIGHT FOR THE WORLD e das Associações de Pessoas com Deficiência em Sofala para o seu papel como assessores das organizações de desenvolvimento em aspectos de desenvolvimento inclusivo. Tornar a Estratégia de Moçambique uma Realidade A LIGHT FOR THE WORLD apoia iniciativas de organizações parceiras locais para salvaguardar a propriedade local e cultural, assim como promover sustentabilidade estrutural. No trabalho com os parceiros, sublinhamos o desenvolvimento de capacidades locais, respeitando ao mesmo tempo as necessidades expressas pelos parceiros. A LIGHT FOR THE WORLD pode adoptar diferentes papéis, dependendo das necessidades do projecto: Conceder apoio financeiro; Conceder apoio técnico profissional e recursos técnicos; Implementar directamente actividades; Facilitar comunicação (p. e. promovendo ligações entre parceiros para partilha de experiências, participando em redes de trabalho). 9

10 LIGHT FOR THE WORLD Em Moçambique, a LIGHT FOR THE WORLD adopta todos estes papéis em âmbitos diferentes, mas tem um papel cada vez mais relevante no atendimento das necessidades locais de formação e na assessoria técnica. Parceiros O papel mais importante na implementação dos projectos é dos parceiros locais. Segue-se a lista de parceiros (por ordem alfabética) que actualmente implementam projectos apoiados pela LIGHT FOR THE WORLD. A lista detalhada e actualizada dos projectos apoiados pode ser encontrada no relatório anual de actividade da LIGHT FOR THE WORLD disponível em www. light-for-the-world.org: Associação dos Deficientes Moçambicanos (ADEMO) Associação ADPP (Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo) Associação Amigos Unidos Associação AMJUDE (Associação Moçambicana de Ajuda aos Deficientes) Associação Desportiva para Pessoas Portadores de Deficiência de Niassa Associação Desportiva para Pessoas Portadores de Deficiência de Manica Associação Desportiva para Pessoas Portadores de Deficiência de Sofala Associação Desportiva para Pessoas Portadores de Deficiência de Tete Associação EsMaBaMa (Estaquinha, Mangunde, Barada, Machanga) Associação NUDESMO (Núcleo de Desenvolvimento dos Surdos de Moçambique) Associação OREBACOM (Organização de Reabilitação Baseada na Comunidade em Moçambique) Hospital Central da Beira (Oftalmologia) Instituto de Ciência de Saúde da Beira Direcção Provincial da Mulher e Acção Social de Sofala Direcção Provincial da Saúde de Cabo Delgado / Hospital Provincial de Pemba (Oftalmologia) Direcção Provincial da Saúde de Niassa / Hospital Provincial de Lichinga (Oftalmologia) Direcção Provincial da Saúde de Sofala Direcção Provincial da Saúde de Tete / Hospital Provincial de Tete (Oftalmologia) Direcção Provincial da Saúde de Zambézia / Hospital Provincial de Quelimane (Oftalmologia) Adicionalmente, mantemos cooperações com várias redes e Associações, incluindo: Mozambique Eye Care Coalition (Fórum das ONGs activas na área de Saúde Ocular em Moçambique) Programa Nacional de Oftalmologia a luz da Visão 2020 no Ministério da Saúde Delegação do Fórum das Associações Moçambicanas dos Deficientes (FAMOD) na Beira Várias associações de pessoas com deficiência na Beira, incl. ACAMO, ASUMO, AJODEMO, ADEMO, ACRIDEME, AMOPUDESO Instituto de Deficientes Visuais da Beira Direcção Provincial da Educação e Cultura de Sofala Fórum Provincial das ONG s em Sofala Secretaria Provincial de Sofala 10

11 Moçambique Plano Estratégico Estrutura de apoio O escritório local da LIGHT FOR THE WORLD na Beira é o primeiro ponto de contacto para os nossos parceiros e irá desempenhar um papel vital em apoiá-los na implementação desta estratégia. Suas principais responsabilidades são: monitorar e apoiar a gestão da qualidade dos projectos; facilitar a aprendizagem e troca de expêriencia entre parceiros; aconselhar os parceiros sobre questões de gestão e governação; identificação de novos / potenciais parceiros de implementação; advocacia e disseminação dos objectivos desta estratégia. Com base no sucesso do apoio fornecido por especialistas nacionais e internacionais, vamos continuar a expandir o nosso grupo de especialistas internos e externos nas áreas de saúde ocular, reabilitação baseada na comunidade, promoção dos direitos das pessoas com deficiência e educação inclusiva. Também promoveremos ainda mais a troca de experiência com outros países apoiados pela LIGHT FOR THE WORLD. A Coordenadora do Programa de Moçambique baseada na LIGHT FOR THE WORLD Áustria ainda apoiará a implementação da presente estratégia através das seguintes actividades: apoiar e administrar as finanças e actividades do programa; estabelecer ligações com especialistas e a cooperação para o desenvolvimento internacional / actores / tendências internacionais de desenvolvimento; apoiar e desenvolver a abordagem holística; promover o co-financiamento através do estabelecimento de relações com doadores; avaliação global do programa de país. Recursos financeiros Em 2011, o total de despesas da LIGHT FOR THE WORLD em Moçambique atingiu aproximadamente os 700,000 euros. O orçamento previsto para os próximos quatro anos considera um crescimento significativo no nosso trabalho através de: apoio para nova infra-estrutura e formação de recursos humanos para prevenção da cegueira; expansão de programas de RCB; continuidade das nossas actividades na educação inclusiva; novos projectos de desenvolvimento inclusivo. As despesas e orçamentos e relatórios financeiros detalhados para o programa em Moçambique são publicadas no relatório anual de actividades da LIGHT FOR THE WORLD. 11

12 LIGHT FOR THE WORLD em Moçambique Avenida Mártires da Revolução 1817 Macuti, Beira Moçambique Tel: +258 (23) LIGHT FOR THE WORLD Áustria Niederhofstraße Viena Áustria Tel: Edição e publicação: LIGHT FOR THE WORLD Áustria Responsável pelo conteúdo: Rupert Roniger Editor: Irmgard Neuherz, Ruth Coleman Gráficos: Barbara Weingartshofer Fotografias: LIGHT FOR THE WORLD, Ulrich Eigner Todas as estatísticas e dados a vigorar desde 01/01/2012.

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE

DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE 1. FOCO DO ESTUDO 2. OBJECTIVOS 3. CONCEITO DE ESPAÇO DE DIÁLOGO 4. METODOLOGIA 5. LIMITAÇÕES DO ESTUDO 6. PRINCIPAIS RESULTADOS 7. INDICADORES DO RESULTADO 2 8. RECOMENDAÇÕES PARA O PROGRAMA Espaços de

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI)

Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI) Open Society Initiative for Southern Africa (OSISA) Iniciativa de Prevenção do Crime e da Violência (Crime and Violence Prevention Initiative - CVPI) Apresentação do Programa em Moçambique Antecedentes

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objectivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social 6 Meta 2: Estrutura e programas de organização 8 Meta 3: Comunicação 10 Meta 4:

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Trabalhadores de Saúde Suficientes e Competentes para Mais e Melhores Serviços de Saúde Para o Povo Moçambicano

Trabalhadores de Saúde Suficientes e Competentes para Mais e Melhores Serviços de Saúde Para o Povo Moçambicano Ministério da Saúde Direcção Nacional de Recursos Humanos Plano Nacional de Desenvolvimento dos Recursos Humanos da Saúde Trabalhadores de Saúde Suficientes e Competentes para Mais e Melhores Serviços

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Relatório dos seminários de definição das prioridades do GEF 5 para Moçambique 1. INTRODUÇÃO Moçambique beneficiou- se dos fundos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Plano Nacional da Área da Deficiência PNAD II 2012 2019

Plano Nacional da Área da Deficiência PNAD II 2012 2019 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Plano Nacional da Área da Deficiência PNAD II 2012 2019 NADA PARA NÓS SEM NÓS! Maputo, Setembro de 2012 Plano nacional de Acção para a Área da Deficiência 1 Índice ABREVIATURAS.

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES GOVERNO DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E TÉCNICOS DE EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2004 2015 PROPOSTA DE POLÍTICAS Maputo 2004 Índice

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades PROJECTO DE NUTRIÇÃO INFANTIL RESUMO DAS ACTIVIDADES MOÇAMBIQUE Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades Apresentação do projecto IYCN em Moçambique O Projecto de

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Manual de Monitoria e Avaliação

Manual de Monitoria e Avaliação Cabo Delgado Gaza Manica e Sofala Nampula Niassa Tete Zambézia Rua 1 Maio, N o 1355 Av. Samora Machel, Rua da Zâmbia, N 453 Rua da Beira N 4, Bairros Av. Filipe S. Magaia Av. Keneth Kaunda, Av. Samora

Leia mais

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 O Pacto Global Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 Em nome do Secretário-Geral Kofi Annan e do Gabinete do Pacto Global, que

Leia mais

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP)

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP) MULTI STAKEHOLDERS PARTICIPATION IN THE CFS BUILDING INSTITUTIONS FOR NATIONAL AND REGIONAL FOOD SECURITY AND NUTRITION GOVERNANCE Side Event to the FAO Regional Conference for Africa Luanda, Angola, 5th

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE

Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento CEDE Política de Género e HIV-SIDA do Centro de Estudos de Democracia e Desenvolvimento (PG e HIV/SIDA-CEDE) Page 1 of 11 Índice Visão, Missão, Valores

Leia mais

ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE

ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE Contexto do Centro de Conhecimento FASE I do INGC Necessidade de um corpo de Moçambicanos preparados para responder os desafios

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país.

itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter parceiro dos sectores de cadastro e de florestas do país. itc newsletter N o. 3, Julho 2012 itc newsletter Caros leitores, Estamos de volta com a 3 a edição do newsletter da itc. Esta e as próximas edições do nosso newsletter, vão partilhar os resultados alcançados

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Publicado por: Programa Pró-Educação. Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado

Publicado por: Programa Pró-Educação. Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado Publicado por: Programa Pró-Educação Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado Promoção do Ensino Básico e Técnico Profissional em Moçambique No âmbito

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

STEPS FORWARD: LINKING AGRICULTURE TO NUTRITION IN MOZAMBIQUE

STEPS FORWARD: LINKING AGRICULTURE TO NUTRITION IN MOZAMBIQUE STEPS FORWARD: LINKING AGRICULTURE TO NUTRITION IN MOZAMBIQUE Hosted by Abt Associates Reduzir a desnutrição crónica em Moçambique: contexto internacional e assistência dos parceiros de desenvolvimento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015

ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015 Aprovado pela 5º Sessão Ordinária do Conselho de Ministros de 14/03/06 ÍNDICE ÍNDICE...2

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA)

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) PRIMEIRA EDIÇÃO/JANEIRO DE 2008 Um conjunto de notas informativas sobre a CQLA e as obrigações associadas da UE. A primeira edição fornece

Leia mais

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010 Apresentação Do Banco Setembro de 2010 Conteúdos Onde estamos Missão Valores Accionistas Nosso mercado Responsabilidade social Factos Contactos Onde estamos Onde Estamos O Banco Terra está representado,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE ORAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE ORAL Introdução REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE RELATÓRIO DA CAMPANHA NACIONAL DE SAÚDE ORAL NAS ESCOLAS Na semana de 20 a 24 de Agosto de 2012, decorreu a Campanha Nacional de Saúde Oral nas escolas, onde as cerimónias

Leia mais

2.1 As pessoas com deficiências e a estratégia dos direitos humanos

2.1 As pessoas com deficiências e a estratégia dos direitos humanos 2. A condição das pessoas com deficiências Objectivos de aprendizagem O participantes adquirirão um conhecimento básico sobre: - a nova imagem das pessoas com deficiências baseada no modelo direitos humanos

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala

TREDD. Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala TREDD Testando Opções e Arranjos Institucionais Eficientes para a Promoção da Extracção Sustentável da Energia de Biomassa Carvão Vegetal em Sofala As causas do desmatamento e degradação florestal são

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08)

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Proposta da Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Igualdade de oportunidades

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL Ele diz respeito aos Actores Não Estatais (ANE): ONG, centros de pesquisa, sindicatos, Câmaras de Comércio, organizações do sector privado,... O

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação. Departamento de Monitoria e Avaliação. Maputo, Junho de 2012

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação. Departamento de Monitoria e Avaliação. Maputo, Junho de 2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação Departamento de Monitoria e Avaliação Maputo, Junho de 2012 Índice 1. Introdução e Contexto... 1 1.1 Justificação para

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes Plano DOM Desafios, Oportunidades e Mudanças Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes De um Modelo Institucional, para um Modelo Especializado e Terapêutico. 29 de Setembro de 2008 2 Idade das crianças

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 4ª Edição, 2015 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em todas as fases do processo orçamental

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO DE MERCADO PARA IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POSSÍVEIS ACTIVIDADES GERADORAS DE RENDIMENTO NOS MUNICIPIOS DE KUITO E ANDULO, PROVINCIA DE BIÉ, ANGOLA

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades Emprego Digno: Inclusão Social e Protecção Social O aumento da longevidade está a criar uma nova fronteira para a humanidade, a ampliar as nossas perspectivas

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais