O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO"

Transcrição

1 O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA Leonardo José de Souza Resende RESUMO O Programa Bolsa Família, é um programa social de transferência direta de renda condicionada, criado em outubro de 2003 no Governo Lula. O programa surgiu com o objetivo de combater a pobreza e a extrema pobreza. Neste estudo foram levantados dados do programa a nível nacional, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Além disso, foi realizado um levantamento sobre os beneficiários do programa no município de Ewbank da Câmara localizado na Zona da Mata do Estado de Minas Gerais. O objetivo deste trabalho é levantar informações e analisar o perfil dos beneficiários do programa em Ewbank da Câmara e fazer um paralelo com algumas informações pesquisadas para o Brasil. O programa atende a 206 pessoas, correspondendo a 15,96% dos domicílios do município. As bolsas variam de R$ 18,00 a R$ 172,00, sendo responsável por participar com valores entre 1,4% e 100% da renda total das famílias beneficiárias. Além disso, cerca de 50% dos beneficiários recebem bolsas de até R$70,00 por mês. Por fim, a maior freqüência de beneficiários possui 4ª série incompleta do ensino fundamental e não trabalha. Tem-se portanto, um programa de elevada importância municipal. Palavras-chave: Programa Bolsa Família. Renda. Pobres.

2 13 INTRODUÇÃO O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa social do Governo Federal, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS). Este programa foi criado em outubro de 2003, com o objetivo de combater a pobreza e a extrema pobreza. O PBF é um dos pilares que integra o Programa Fome Zero e atende atualmente mais de 11 milhões de famílias em todo o país. Nesse estudo procurou-se levantar informações primárias do município de Ewbank da Câmara, localizado na mesorregião da Zona da Mata de Minas Gerais. Foram também levantadas informações secundárias de diversas outras fontes. O município possui atualmente grande dependência do Fundo de Participação Municipal (FPM). A atividade econômica local ainda é muito pequena e o Produto Interno Bruto per capita é inferior a média das diversas regiões político-administrativas do Brasil. A oferta de trabalho também é restrita e a cidade não consegue atender a demanda por trabalho de seus moradores. Como metodologia para elaboração desse estudo, utilizou-se, levantamento de informações secundárias sobre o Programa Bolsa Família no Brasil. Além disso, houve a elaboração e aplicação de questionários na região de estudo e por fim, tabulação e análise dos dados. Este estudo está dividido em quatro partes, além da conclusão. Na primeira parte fez uma caracterização geral do PBF e do município estudado. Em seguida, descreveu-se a metodologia empregada para alcançar os objetivos propostos. Na terceira parte houve a análise dos dados primários e secundários levantados e por fim, a conclusão. O objetivo geral dessa pesquisa foi levantar informações sobre o Programa Bolsa Família e analisar o perfil dos beneficiados no município de Ewbank da Câmara. Além disso, procurou-se fazer um paralelo com informações do programa a nível nacional. Como objetivos específicos citam-se: levantar a participação do PBF na renda total dos domicílios; quantificar os valores mínimos, máximos e médios pagos pelo PBF no município de Ewbank da Câmara; levantar o perfil educacional e os estado civil dos beneficiários do PBF em Ewbank da Câmara;

3 14 comparar o percentual de domicílios que recebem o PBF em Ewbank da Câmara, com os valores das Unidades da Federação e do Brasil.

4 15 1 CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E PERFIL DO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA 1.1 O Programa Bolsa Família O Programa Bolsa Família é um programa social do Governo Federal, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS), de transferência direta de renda condicionada, que tem como objetivo romper o círculo de perpetuação da miséria e emancipar economicamente e socialmente as famílias em situação de risco (MDS, 2008). O programa foi criado em outubro de 2003 pela lei nº /04 e beneficia famílias pobres, com renda mensal per capita que varia de R$ 60,00 até R$ 120,00, e extremamente pobres, com renda per capita inferior a R$ 60,00. O PBF unificou alguns programas sociais do Governo Federal (Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e o Auxílio Gás) e atende atualmente cerca de 11,1 milhões de famílias, em todos os municípios brasileiros. O PBF é um dos pilares que integra o Programa Fome Zero e possui três dimensões essenciais à superação da fome e da pobreza, conforme MDS (2008): 1) promoção do alívio imediato da pobreza, por meio da transferência direta de renda à família; 2) reforço ao exercício de direitos sociais básicos nas áreas de Saúde e Educação, por meio do cumprimento das condicionalidades, o que contribui para que as famílias consigam romper o ciclo da pobreza entre gerações; 3) coordenação de programas complementares, que têm por objetivo o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários do Bolsa Família consigam superar a situação de vulnerabilidade e pobreza. Podem fazer parte do Programa Bolsa Família as famílias com renda mensal de até R$ 120,00 (cento e vinte reais) por pessoa devidamente cadastrada no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico). A renda da família é calculada a partir da soma do dinheiro que todas as pessoas da casa ganham por mês, como salários e aposentadorias. Esse valor deve ser dividido pelo número de pessoas que vivem no domicílio, obtendo assim a renda per capita da família. Nessa conta não entram os benefícios de outros programas como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e Agente Jovem, portanto uma família pode obter benefício de mais de um programa social. Famílias que se encontram na faixa de

5 16 renda de até meio salário mínimo - R$ 207,50 per capita - também podem se cadastrar, pois existem outros programas sociais, tanto no nível Federal, quanto Estadual e Municipal, destinados a essa faixa de renda (MDS, 2008). A seleção das famílias beneficiárias do PBF é feita com base nas informações inseridas pelo município no CadÚnico. Cada município tem uma estimativa de famílias pobres, considerada como a meta de atendimento do Programa naquele território. Essa estimativa é calculada com base em uma metodologia desenvolvida com apoio do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e tem como referência os dados do Censo de 2000 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2004, ambos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Todavia, o cadastramento não implica na entrada imediata dessas famílias no Programa e no recebimento do benefício. Com base nas informações inseridas no CadÚnico, o MDS seleciona, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas no Programa a cada mês. O critério principal é a renda per capita da família e são incluídas primeiro as famílias com a menor renda. Os valores pagos pelo PBF variam de R$18,00 a R$172,00, de acordo com a renda mensal por pessoa da família e o número de crianças e adolescentes até 17 anos 1. No caso de famílias que migraram de programas remanescentes (Programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio-gás) o valor do benefício pode ser maior, tendo como base o valor recebido anteriormente. É de grande importância que os benefícios sociais sejam em dinheiro. Suplicy (2002, p.141) diz que: Se o objetivo é erradicar a fome e a miséria, é preciso compreender que a pessoa pobre necessita mais do que matar a fome. Se está fazendo frio, precisa comprar um agasalho ou um cobertor. Se a telha ou a porta de sua casa estão avariadas, é preciso consertá-las. Se um filho ficou doente, é preciso comprar remédio com urgência. Se é o dia do aniversário de uma filha, é possível que a mãe queira lhe dar de presente um par de sapatos. Se a vizinha está vendendo um tipo de alimento muito barato, é bom comprar, porque vai sobrar mais outras coisas. Os benefícios financeiros estão classificados em dois tipos, de acordo com a composição familiar (MDS, 2008): i) básico: no valor de R$ 58,00, concedido às famílias com renda mensal de até R$ 60,00 por pessoa, independentemente da composição familiar; ii) 1 No dia 25 de junho de 2008 os valores concedidos pelo Programa Bolsa Família, foram reajustados em 8% (oito por cento). Os valores pagos hoje variam de R$ 20,00 (vinte reais) a R$ 182,00 (cento e oitenta e dois reais).

6 17 variável: no valor de R$ 18,00, para cada criança ou adolescente de até 15 anos, no limite financeiro de até R$ 54,00, equivalente a três filhos por família. Existe ainda o Benefício Variável de Caráter Extraordinário (BVCE), que é concedido às famílias dos Programas Remanescentes, cuja migração para o PBF implique perdas financeiras à família. Nestes casos, o valor concedido é calculado caso a caso e possui prazo de prescrição, além do qual deixa de ser pago, nos termos da Portaria MDS/ GM nº 737, de 15/12/2004. A tabela abaixo mostra os valores de benefícios que as famílias integrantes do Programa podem receber: Tabela 1 - Critérios de Elegibilidade e Benefícios do PBF Ocorrência de Critério de Elegibilidade Situação das Renda Mensal per Famílias capita crianças / adolescentes 0-15 anos, gestantes e nutrizes Quantidade e Tipo de Benefícios Valores do Benefício (R$) 1 Membro (1) Variável 18,00 Situação de De R$ 60,01 a 2 Membros (2) Variável 36,00 Pobreza R$ 120,00 3 ou + (3) Variável 54,00 Membros Sem ocorrência Básico 58,00 1 Membro Básico + (1) 76,00 Situação de Variável Extrema Pobreza Até R$ 60,00 2 Membros Básico + (2) Variável 94,00 3 ou + Básico + (3) 112,00 Membros Variável Fonte: MDS, Elaboração do autor.

7 18 Apesar da oferta de serviços públicos existentes no Brasil, geralmente as políticas públicas, em especial as políticas sociais, são acessadas em maior medida e com mais intensidade pelas famílias menos pobres do que pelas famílias pobres ou extremamente pobres. Em grande parte, isso deve-se ao histórico do desenho da oferta pública de serviços de saúde, educação e assistência social, com base em um modelo de espera que fornece serviços e benefícios àqueles grupos que os demandam. Esse modelo também pressupõe que aqueles que não demandam esses serviços e benefícios não necessitam deles (MDS, 2008). O grupo da população que se encontra em condições de maior pobreza tem tradicionalmente mais dificuldade para acessar os serviços e benefícios sociais de que necessitam. Esse problema ocorre, em parte, devido à dificuldade na acessibilidade da oferta existente e, em parte, à situação de desvinculação dessas famílias das redes sociais existentes. Com base nesse diagnóstico, conclui-se, então, que seria necessário desenvolver estratégias que, de um lado, facilitassem o acesso das famílias mais pobres aos serviços e benefícios disponibilizados para elas pelo Estado, e, de outro, as vinculassem às redes sociais existentes. A estratégia escolhida pelo Bolsa Família foi condicionar a transferência monetária a compromissos socias que deveriam ser cumpridos pela família e garantidos pelo poder público no âmbito da saúde e da educação (MDS, 2008). Portanto, as condicionalidades foram propostas como um mecanismo para elevar o grau de efetivação de direitos sociais por meio da indução da oferta e da demanda por serviços de saúde e de educação na esfera municipal. Para as famílias beneficiárias, o cumprimento da agenda de condicionalidades visa à indução aos cuidados essenciais com a saúde e a promoção de avanços na escolarização. Para o poder público, as condicionalidades servem para estimular a ampliação da oferta local de serviços públicos de saúde e de educação, monitorar as políticas executadas em âmbito municipal e identificar as famílias em situação de maior vulnerabilidade e risco social, para que se dirijam a elas ações específicas. 1.2 O Município de Ewbank da Câmara Ewbank da Câmara pertenceu ao Município de Juiz de Fora MG, como povoado do distrito de Paula Lima, até a criação e instalação do distrito. No dia 06 de Janeiro de 1926 através da emenda n 119, apresentada pelo então Senador José Vieira Marques, e por decisão

8 19 do então Exmo.Sr. Governador de Minas Gerais, Raul Soares, o distrito de Ewbank da Câmara foi anexado ao município de Palmyra, hoje, Santos Dumont. Em virtude dos documentos apresentados à Comissão Especial de Divisão Administrativa do Estado de Minas Gerais, pelo então Deputado Estadual Wilson Modesto Ribeiro, conforme consta do processo nº. 162, datado de 13/02/1962, foi o distrito de Ewbank da Câmara incluído no Projeto de Lei nº , oriundo da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais e transformada na Lei Estadual nº , sancionada pelo então Governador de Minas Gerais, doutor José de Magalhães Pinto, no dia 30/12/1962, criando o Município de Ewbank da Câmara (PREFEITURA, 2008). O município de Ewbank da Câmara está localizado na zona da mata mineira, fazendo parte da micro-região 65 (Juiz de Fora), sendo esta formada por 33 municípios. Com uma área de 104 km² o município responde por cerca de 1,9% da superfície da micro-região, tendo uma densidade demográfica de 34,29 hab/km² (BRASIL CHANNEL, 2008; IBGE, 2008; IGA, 2008). Na Figura 1, o município de Ewbank da Câmara está localizada na posição nº. 134 da mesorregião da Zona da Mata de Minas Gerais. O município está localizado a cerca de 40 Km de Juiz de Fora, a 14,9 km de Santos Dumont e 243 Km de Belo Horizonte. A população total do município é de habitantes, segundo estimativa do IBGE (2008). Fonte: Brasil Channel (2008). Figura 1 Municípios da Zona da Mata e Destaque para Ewbank da Câmara

9 20 O município possui atualmente grande dependência do Fundo de Participação Municipal (FPM). A atividade econômica local ainda é muito pequena e baseia-se praticamente na agropecuária, indústrias de pequeno porte e prestação de serviços, sendo este último o mais representativo. O Produto Interno Bruto (PIB), a preço de mercado, do município foi de R$ mil em 2005, sendo desagregado em: Agropecuária, R$ mil; Indústria, R$ mil; Serviço R$ mil. Com isso, o PIB per capita do município está em torno de R$ reais por ano, bem abaixo da média brasileira e de Minas Gerais que foi de R$ e R$ , respectivamente em 2005 (IBGE, 2007). A oferta de trabalho ainda é muito restrita e a cidade não consegue atender a demanda por trabalho de seus moradores, ocorrendo um deslocamento diário para cidades vizinhas. Assim, o município de Ewbank da Câmara caracteriza-se como uma cidade pendular ou dormitório, ou seja, há uma migração diária de grande parte de sua população até os postos de trabalho. O Programa Bolsa Família fechou o ano de 2007 com um número de 206 famílias beneficiadas no município. O número de domicílios cadastrados atualmente no município gira em torno de registros, sendo assim, um em cada seis domicílios recebe o benefício do PBF.

10 21 2 METODOLOGIA A metodologia empregada nessa pesquisa pode ser divida em quatro partes principais. Na primeira parte procurou-se levantar informações sobre o Programa Bolsa Família no Brasil. Para isso foi feito um levantamento bibliográfico e pesquisas oficiais relativas ao tema. A principal fonte de informação nessa etapa foi a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada pelo IBGE (2006). Também foram consultados sites, cartilhas disponibilizadas pelo MDS, arquivos históricos e livros, tendo como âncora a obra do Senador Eduardo Suplicy, Renda de Cidadania a Saída é Pela Porta (2002). Em seguida procurou-se elaborar um questionário para levantamento do perfil dos beneficiários do PBF no município de Ewbank da Câmara. A estruturação do questionário foi uma adaptação do CadÚnico, que contem informações socioeconômicas das famílias que possuem uma renda mensal de até meio salário mínimo per capita. O questionário aplicado encontra-se no Anexo 1 e possui variáveis qualitativas e quantitativas. A terceira etapa constou da aplicação dos questionários no município de Ewbank da Câmara e ocorreu durante o mês de julho de Do total de 206 famílias que foram atendidas pelo PBF em 2007, aplicou-se o questionário em 157, ou seja, 76,2% dos beneficiários. Ressalta-se que todas as localidades do município foram visitadas e os questionários foram aplicados em residências de todas as ruas do município. A quarta e última etapa foi a tabulação e análise dos dados. Assim, os dados foram tabulados no Microsoft Excel e exportados para o software estatístico SPSS for Windows Com isso algumas medidas estatísticas foram calculadas, como freqüência, média, mediana, valores máximos e mínimos e percentis. Em paralelo a essas, etapas, algumas iniciativas foram tomadas e que trouxeram benefícios para o estudo. Assim, foram feitas visitas aos gestores e assistentes sociais responsáveis pela coordenação e execução do programa no município. Houve também a participação em seminário regional sobre o programa Bolsa Família que ocorreu nos dias 12 e 13 de março de 2008 na escola de governo do município de Juiz de Fora Mg (SEMINÁRIO, 2008). Neste seminário, estiveram presentes representantes das diversas esferas de governo, entre eles o Ministério do Desenvolvimento Social. Durante o evento foram discutidos temas

11 22 em relação ao PBF no que tange a gestão regional e municipal do programa e também em relação a questões no âmbito da gestão nacional.

12 23 3 RESULTADOS 3.1 Análise dos Programas Sociais no Brasil A avaliação sintetizada de alguns programas sociais baseou-se na Pesquisa Nacional de Amostragem por Domicílio do IBGE (2006). Entre os programas sociais governamentais, das esferas federal, estadual e municipal, encontram-se aqueles que visam a dar suporte às unidades domiciliares com rendimentos mais baixos por meio de transferência em dinheiro. São exemplos disso o Programa Bolsa-Família, o Benefício Assistencial de Prestação Continuada e o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI. É interessante notar que em um grupo familiar pode existir mais de uma pessoa recebendo programa social. O fato de existir uma pessoa recebendo, por exemplo, o Benefício Assistencial de Prestação Continuada, não impede que outro idoso ou portador de deficiência física residente no mesmo domicílio solicite e passe a receber esse benefício. Esta situação é conseqüência de que o recebimento de um programa social não é incluído no cômputo do rendimento familiar, que é usado como parâmetro para determinar a inclusão ou não de outro morador, ou da família, como beneficiário de outro programa. Do total estimado de 54,7 milhões de domicílios particulares a partir da PNAD (IBGE, 2006), em cerca de 10 milhões houve recebimento de dinheiro de programa social do Governo Federal, o que correspondia a 18,3% dos domicílios particulares do País em 2006 (Figura 2). Na observação regional, os percentuais mais elevados de domicílios em que houve recebimento monetário de programa social por algum morador em 2006 foram registrados no Nordeste (35,9%) e Norte (24,6%). Também, em 2004, as parcelas de domicílios com recebimento de dinheiro de programas foram maiores no Nordeste (32,0%) e Norte (18,2%), seguidas pelo Centro-Oeste (14%). Essa ordenação foi mantida em 2006, com o Centro-Oeste alcançando 18%, sendo que a proporção registrada na Região Sudeste se ampliou de 7,9% (2004) para 10,3% (2006), o que a aproximou da participação observada no Sul (10,5%, em 2004, e 10,4%, em 2006). Assim, excetuando-se o Sul, onde houve estabilidade desses percentuais, em todas as demais regiões foram observados crescimentos expressivos, de 2004

13 24 para 2006, da parcela de domicílios em que se houve recebimento de programas sociais por algum morador. 40,00% 35,00% 35,90% 32% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 18,30% 15,60% 18,20% 24,60% 18% 14% 10,50% 10,30% 10,40% 7,90% ,00% 0,00% Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- Oeste Fonte: IBGE (2006). Figura 2 Percentual de Famílias que Recebem Dinheiro de Programas Sociais do Governo, por Grandes Regiões 2004 e 2006 Em termos estaduais, verifica-se que o percentual de domicílios que recebem dinheiro de programas sociais é maior em Rondônia, Maranhão e Piauí, todos acima de 40% dos domicílios (Figura 3). Por outro lado, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina registraram percentuais de moradias que recebem programas sociais inferiores a 10%. No Estado de Minas Gerais cerca de 19,1% dos domicílios receberam o benefícios de algum programa social, ficando muito próximo do valor médio observado para o Brasil. O Estado de Minas Gerais é o décimo primeiro estado com menor participação de domicílios recebendo benefícios de programas sociais.

14 25 Santa Catarina Rio de Janeiro São Paulo Rio Grande do Sul Distrito Federal Paraná Amapá Mato Grosso Espirito Santo Rondônia Brasil Minas Gerais Mato Grosso do Sul Goiás Amazonas Sergipe Pará Acre Tocantins Bahia Rio Grande do Norte Pernambuco Alagoas Paraíba Ceará Piaui Maranhão 5,80% 6% 7,60% 11% 11,80% 12,40% 13,20% 13,80% 16% 16,20% 18,30% 19,10% 20,10% 21,50% 24% 24,60% 24,70% 28,20% 31,40% 33,30% 33,50% 34,90% 36,80% 37,90% 39% 40,20% 41,30% Roraima 50% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Fonte: IBGE (2006). Figura 3 Percentual de Famílias que Recebem Dinheiro de Programas Sociais do Governo, por Unidade da Federação em 2006

15 26 Em 2006, comparando três importantes programas e mais o somatório dos registros de outros programas, observou-se a marcante supremacia do Programa Bolsa-Família que foi referido por 14,9% do total de domicílios no País (Tabela 2). Entre as regiões, o percentual dos domicílios que receberam dinheiro desse programa pode ser assim classificado: Nordeste (31,3%); Norte (19,4%); Centro-Oeste; Sudeste (8,2%) e por fim, a região Sul (8,0%). O recebimento do Benefício Assistencial de Prestação Continuada ocorreu em 2,2% dos domicílios e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil em 0,5% dos domicílios. O agrupamento de outros programas de governo foi citado por 2,2% dos domicílios. No contexto de cada uma das cinco regiões brasileiras, os percentuais de domicílios em que houve rendimentos a partir do Programa Bolsa-Família foram superiores aos dos demais programas. Destaca-se a maior diferença relativa entre aquele programa e os demais nas regiões Norte e Nordeste. Em referência ao Benefício Assistencial de Prestação Continuada, observaram-se dois patamares de percentuais de domicílios em que houve recebimento, um primeiro para Norte (3,8%), Nordeste (3,9%) e Centro-Oeste (3,1%) e um segundo, mais baixo, para o Sudeste (1,3%) e o Sul (1,2%). Tabela 2 - Distribuição dos Domicílios Segundo o Recebimento de Dinheiro de Programas Sociais em 2006 (em %) Recebimento de dinheiro de Grandes Regiões programa social do governo Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Bolsa-Família 14,9 19,4 31,3 8,2 8,0 9,5 Benefício Assistência de Prestação Continuada 2,2 3,8 3,9 1,3 1,2 3,1 Programa de Erradicação do Trabalho Infantil 0,5 0,8 1,0 0,1 0,4 0,8 Total de Programas 18,3 24,6 35,9 10,3 10,4 18,0 Fonte: IBGE (2006). Elaboração do autor. A transferência de renda que ocorre através dos programas sociais, tem como objetivo principal alcançar as famílias com os menores rendimentos. O rendimento médio mensal domiciliar per capita, estimado em 2006 foi de R$ 601,00 para o total de domicílios particulares (Tabela 3). Já o valor estimado para aqueles domicílios em que houve recebimento de dinheiro por programas foi de R$ 172,00. Para os que não são atendidos pelos programas sociais analisados, o rendimento foi de R$ 699,00. Partindo de uma análise regional sobre o rendimento médio mensal per capita dos domicílios em que houve recebimento de programa social, pode-se observar que nas regiões Nordeste (R$ 145,00),

16 27 Norte (R$ 177,00) ocorreram os menores valores, seguidos pelas regiões Sul (R$ 197,00), Sudeste (R$ 200,00) e Centro-Oeste (R$231,00). O PBF está presente nos domicílios de acordo com a seguinte ordem em que o rendimento médio per capita foi de: R$ 129,00 (Nordeste), R$ 154,00 (Norte), R$ 175,00 (Sudeste e Sul) e R$ 190,00 (Centro-Oeste). Tabela 3 - Rendimento Médio Mensal Domiciliar per capita, por Grandes Regiões, Segundo o Recebimento de Dinheiro de Programa Social e o Tipo de Programa em 2006 Rendimento médio mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares (R$) Grandes Regiões Recebimento de dinheiro de programa social do governo, no mês de referência, e tipo de programa social do governo Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- Oeste Total (1) Houve Bolsa-Família Benefício Assistencial de Prestação Continuada - BPC Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI Outro Programa Social Não Houve Fonte: IBGE (2006). Nota: 1. Em um mesmo domicílio pode haver recebimento de dinheiro de mais de um programa social de transferência de renda do governo. (1) Inclusive as informações dos domicílios sem declaração de recebimento de dinheiro de programa social do governo, no mês de referência. Do total de domicílios pesquisados em que houve recebimento de dinheiro, através de programas sociais por algum morador, em 25,1% das residências os rendimentos mensais per capita foram inferiores a ¼ de salário mínimo, em 36,5% dos domicílios ficou entre ¼ e menos de ½ salário mínimo, em 28% entre ½ e 1 salário mínimo, em 8,5% entre 1 e menos de 2 salários mínimos e 0,9% equivalente a 2 salários mínimos ou mais (Figura 4).

17 28 40,00% 35,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% 36,50% 28% 25,10% 8,50% 0,90% Houve 31,70% 24,30% 26,70% 10,30% 4,70% Não Houve Sem rendimento a menos de 1/4 do sálario mínimo 1/4 a menos de 1/2 salário mínimo 1/2 a menos de 1 salário mínimo 1 a menos de 2 salários mínimos 2 salários mínimos ou mais Fonte: IBGE (2006). Figura 4 - Distribuição dos Domicílios Particulares, por Recebimento de Dinheiro de Programa Social do Governo, Segundo as Classes de Rendimento Mensal Domiciliar per capita no Brasil em 2006 (em %) Por fim, o número médio de moradores por domicílio no Brasil foi de 3,4. As regiões Sul e Sudeste apresentam domicílios menores, de 3,2 moradores. Os domicílios com maior número de moradores estão localizados nas regiões Nordeste e Norte, com 3,7 e 4,0 moradores por domicílio, respectivamente. No entanto, quando se compara o número de moradores em domicílios onde houve recebimento de programa social com aqueles em que não houve recebimento, o primeiro grupo aparece com maior número de moradores, tanto no caso do Brasil quanto para as diversas regiões.

18 29 Tabela 4 - Número Médio de Moradores em Domicílios Particulares Permanentes, por Grandes Regiões, Segundo o Recebimento de Dinheiro de Programa Social do Governo em 2006 Recebimento de dinheiro de programa Número de moradores em domicílios particulares permanente Grandes Regiões social do governo Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- Oeste Total (1) 3,4 4,0 3,7 3,2 3,2 3,3 Houve 4,6 5,1 4,7 3,2 3,2 3,3 Não houve 3,2 3,6 3,2 3,1 3,1 3,2 Fonte: IBGE (2006). Elaboração do autor. (1) Inclusive os moradores em domicílios sem declaração de recebimento de dinheiro de programa social do governo. 3.2 Análise do Bolsa Família em Ewbank da Câmara Nos imóveis onde o Programa Bolsa Família está presente, 94,3% dos domicílios se encontram na área urbana, correspondendo a um total de 148 domicílios, enquanto que 5,70% dos imóveis ficam na área rural, somando um total de 9 domicílios. Foram levados em conta todos os questionários válidos dando um total de 157, sendo que cada questionário corresponde a uma única residência. Da Figura 5 conclui-se que o programa, atende em sua grande maioria no município, moradores do perímetro urbano da cidade. 100,00% 90,00% 80,00% 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% 94,30% Urbanos 5,70% Rurais Imoveis

19 30 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Figura 5 - Localização dos Domicílios Beneficiários do Programa Bolsa Família A maioria dos imóveis em que os beneficiados do PBF moram são próprios, ou 71,3% do total pesquisado. Isso totaliza 112 residências. Cerca de 19,7% são imóveis cedidos à família, o que dá um total de 31 residências e 8,9% dos imóveis são alugados, correspondendo ao um somatório de 14 residências. Sendo assim pode-se concluir que, apenas uma pequena parcela da população, menos de 10%, possui gastos com moradia, o que acaba sendo um bom indicador, já que grande parte dos beneficiados pode direcionar sua renda mensal para outros gastos (Figura 6). 80,00% 70,00% 71,30% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 19,70% 8,90% 0,00% Próprio Cedido Alugado Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Imóveis Figura 6 - Situação dos Imóveis dos Beneficiários do Programa Bolsa Família Os responsáveis pelo recebimento do programa em sua grande maioria são casados representando uma parcela de 48,40% (76 pessoas), os solteiros aparecem na segunda posição com 31,80% (50 pessoas) da população, os separados judicialmente e os viúvos apresentaram números percentuais bem próximos, 10,2% (16 pessoas) e 9,6% (15 pessoas) respectivamente (Figura 7).

20 31 60,00% 50,00% 48,40% 40,00% 30,00% 31,80% 20,00% 10,00% 0,00% 10,20% 9,60% Casado Solteiro Separado Viúvo Estado Civil Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Figura 7 - Estado Civil dos Responsáveis pelo Recebimento do Programa Bolsa Família Quanto a raça ou a cor dos responsáveis pelo recebimento do PBF, 44,6% (70 pessoas) são pardas, que representa a grande maioria dos beneficiados, 32,5% (51 pessoas) são brancas e 22,9% (36 pessoas) representando a menor parcela, são negras (Figura 8). 50,00% 45,00% 40,00% 35,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% 44,60% 32,50% 22,90% Parda Branca Negra Raça ou Cor

21 32 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Figura 8 - Raça ou Cor dos Responsáveis pelo Recebimento do Programa Bolsa Família Os níveis escolares dos responsáveis por estarem recebendo o programa se apresentaram muito baixos em sua grande maioria, 31,8% (50 pessoas) não apresentaram a 4º série completa, 23,6% (37 pessoas) concluíram a 4º série, 17,8% (28 pessoas) tem de 5º a 8º série incompleta, 10,2% (16 pessoas) são indivíduos analfabetos, 6,4% (10 pessoas) possuem o ensino médio completo, 5,1% (8 pessoas) concluíram o ensino fundamental, 3,8% (6pessoas) tem o ensino médio incompleto e apenas 1,3% (2 pessoas) chegaram ao ensino superior, mas ainda não o concluíram. Através deste levantamento, pode-se concluir que realmente o grau de instrução dos responsáveis por estar recebendo o benefício ainda é muito baixo (Figura 9). 4º Série Incompleta 31,80% 4º Série Completa 23,60% 5º a 8º Série Incompleta 17,80% Analfabeto 10,20% Ensino Médio Completo 6,40% Ensino Fundamental Completo 5,10% Ensino Médio Incompleto 3,80% Superior Incompleto 1,30% Nível Escolar 0,00 % 5,00 % 10,00 % 15,00 % 20,00 % 25,00 % 30,00 % 35,00 % Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Figura 9 - Nível Escolar dos Responsáveis pelo Recebimento do Programa Bolsa Família Dos responsáveis por estar recebendo o programa 45,9% (72 pessoas) não trabalham, 27,4% (43 pessoas) possuem uma outra ocupação informal no mercado de trabalho, 12,1% (19 pessoas) são aposentados ou pensionistas, 8,3% (13 pessoas) atuam no mercado de

22 33 trabalho formalmente, ou seja, possuem a carteira de trabalho devidamente assinada, 4,5% (7 pessoas) dos beneficiados atuam no mercado de trabalho e recebem salário, más não tem a carteira de trabalho regularizada, e apenas 1,9% (3 pessoas) trabalham mas se encontravam desempregadas até o fechamento da pesquisa (Figura 10). Não Trabalha 45,90% Outro 27,40% Aposentado ou Pensionista Assalariado com Carteira Assalariado sem Carteira 4,50% 8,30% 12,10% Desempregado 1,90% 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% Situação no Mercado de Trabalho Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Figura 10 - Nível Situação no Mercado de Trabalho dos Responsáveis pelo Recebimento do Programa Bolsa Família No total dos domicílios pesquisados atendidos pelo Programa Bolsa Família, em apenas 28% ou 44 domicílios, houve renda de aposentadoria ou pensão por algum morador residente, enquanto em 72% dos domicílios, o que representa um número de 113 residências, nenhum morador possui renda advinda de aposentadoria ou pensão (Figura 11).

23 34 80% 70% 72% 60% 50% 40% 30% 28% 20% 10% 0% Não Sim Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Aposentadoria ou Pensão Figura 11 - Renda de Aposentadoria ou Pensão Presente nos Domicílios Atendidos Pelo Programa Bolsa Família Nos domicílios em que residem os beneficiados pelo PBF, apenas 1,9% (3 domicílios) das residências, algum morador recebe seguro desemprego. Na sua grande maioria nenhum dos moradores das residências recebem seguro desemprego, estes representam uma parcela de 98,1% (154 domicílios) conforme tabela 5. Tabela 5 - Renda de Seguro Desemprego Presente nos Domicílios Atendidos pelo Programa Bolsa Família Percentual Freqüência Percentual Percentual Valido Acumulado Não ,1 98,1 98,1 Sim 3 1,9 1,9 100,0 Total ,0 100,0 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Apenas 3,8% (6 pessoas) dos responsáveis por estarem recebendo o PBF receberam renda advindas de pensão alimentícia, e uma maioria esmagadora de 96,2% (151 pessoas) não possuem esse tipo de renda (Tabela 6).

24 35 Tabela 6 - Renda de Pensão Alimentícia Presente Recebida pelos Beneficiados pelo Programa Bolsa Família no Município de Ewbank da Câmara Freqüência Percentual Percentual Válido Percentual Acumulado Não ,2 96,2 96,2 Sim 6 3,8 3,8 100,0 Total ,0 100,0 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Nas residências onde o Programa Bolsa Família está presente, em 68,2% o que representa um número de 107 domicílios, houve uma renda informal participando das despesas da casa. Por outro lado, em 31,8% ou 50 residências não houve nenhuma outra renda participando do dia a dia familiar. Portanto, pode-se dizer que mesmo possuindo uma renda fixa mensal, as famílias sentem a necessidade de complementar os ganhos financeiros a fim de melhorarem suas condições de vida (Tabela 7). Tabela 7 - Renda Informal Presente nos Domicílios Atendidos pelo Programa Bolsa Família no Município de Ewbank da Câmara Freqüência Percentual Percentual Válido Percentual Acumulado Não 50 31,8 31,8 31,8 Sim ,2 68,2 100,0 Total ,0 100,0 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Nas residências pesquisadas verifica-se que a renda média das famílias que possuem algum membro recebendo benefício do PBF é de R$447,28 (equivalente a 1,07 salário mínimo). Nesse grupo a renda varia de zero a R$1.245, ou seja, até no máximo três salários mínimos (Tabela 8). O valor médio do benefício Bolsa Família recebido é de R$72,85, equivalente a 17,5% do salário mínimo. Neste caso os valores mínimo e máximo estão entre R$ 18 a R$ 142 por mês. Em relação ao salário mínimo essas representam de 4% a 34% do valor do salário. Por fim, a participação média do benefício na renda total da família está em torno de 21,68%, variando de 1,4% da renda familiar a 100% da renda familiar. Ou seja, em alguns domicílios a única renda existente é do Bolsa Família.

25 36 Tabela 8 - Renda Total Familiar, Renda do Bolsa Família e Participação do Benefício na Renda Familiar em 2007 N Mínimo (R$) Máximo (R$) Média (R$) Renda Total ,28 Renda do Bolsa Família ,85 Participação do Bolsa Família na renda total 157 1,4 100,0 21,684 Valid N (listwise) 153 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. Analisando a distribuição do benefício nos percentis, verifica-se que 25% dos beneficiários recebem bolsa de até R$36 e para estes 25% o Bolsa Família participa com até 8,65% na renda total (Tabela 9). Nessa mesma linha, cerca de 50% dos beneficiários recebem bolsa de até R$76 e está participa com até 18,31% da renda total familiar. Por fim, 75% dos beneficiários ou três em cada quatro beneficiários recebem bolsa de até R$94 e esta bolsa representa até 29,56% da renda total familiar. Tabela 9 - Renda do Bolsa Família e Análise dos Percentis N Percentiles Renda do Bolsa Participação do Bolsa Família na Renda Total Valid Missing ,00 8, ,00 18,313 Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor ,00 29, Análise Comparativa: Ewbank versus Brasil A tabela 10 ilustra alguns dados comparativos do município de Ewbank da Câmara com o Brasil e regiões político-administrativas. No que tange ao PIB per capita, verifica-se que o município de Ewbank apresenta valor bem aquém da média nacional e das demais

26 37 regiões. Mesmo as regiões mais carentes de renda, como Norte e Nordeste, apresentam PIB per capita superior a do município de Ewbank. No âmbito da renda média dos beneficiários o resultado é diferente, indicando que os beneficiários do PBF no município possuem renda média familiar superior ao verificado no Brasil e nas demais regiões. Em parte isso pode ser explicado pela existência de famílias relativamente grande no município. Já com relação ao benefício do programa vale destacar que o valor médio pago no município é bem inferior ao ocorrido nas outras partes do país, sendo por exemplo, a metade do valor do benefício médio nacional. Ou seja, enquanto a população brasileira recebe em médio uma bolsa de R$149, em Ewbank este valor é de apenas R$70, indicando certa defasagem em relação ao país. Com relação ao percentual de domicílios atendidos, o município possui um valor próximo ao do Brasil. No entanto, o valor da bolsa, conforme já comentado é a metade do existente no país. Além disso, o percentual de domicílios atendidos no município está muito aquém do verificado no Norte e Nordeste, regiões que possuem PIB per capita superiores ao de Ewbank da Câmara. No Nordeste, cujo PIB per capita é de R$ 5.498, o percentual de famílias atendidas é de 31,3% do total. Já em Ewbank da Câmara, apenas 15,9% dos domicílios recebem o bolsa família para um PIB per capita de R$ Por fim, o número médio de moradores por domicílio onde existe algum beneficiário do PBF em Ewbank da Câmara é de 4,8 habitantes e perde apenas para a região Norte do Brasil, que possui 5,1 habitantes por domicílio. Portanto, verifica-se que os domicílios do município são bastante densos em termos populacionais. Nas regiões Sudeste e Sul existem cerca de 3,2 moradores por domicílio e no Centro-Oeste, 3,3 habitantes. Tabela 10 - Indicadores Comparativos do Município de Ewbank, Brasil e Regiões Centro- Indicador Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Oeste Ewbank PIB per capita (R$) Renda média da família (R$)(1) Renda do bolsa família (R$)(1) Moradores por família (unid.) 4,6 5,1 4,7 3,2 3,2 3,3 4,8 Percentual de domicílios 14,9 19,4 31,3 8,2 8,0 9,5 15,9 atendidos (%) Fonte: Pesquisa. Elaboração do autor. (1) Os dados de Ewbank foram deflacionados pelo IPCA-IBGE e colocados a preços de 2006

27 38 CONCLUSÃO O programas sociais estão em forte expansão, hoje cerca de 18,3% dos domicílios particulares do Brasil recebem algum benefício, o que gira em torno de 10 milhões de residências. Dentro de um aspecto regional os percentuais mais elevados de domicílios em que houve recebimento monetário de programa social por algum morador em 2006 foram registrados no Norte e Nordeste. No município de Ewbank da Câmara cerca de 15,96% das residências são atendidas pelo Programa Bolsa Família, e recebem valores que variam de R$ 18,00 a R$ 172,00, o que equivale por participar com valores entre 1,4% e 100% da renda total das famílias beneficiárias. E em alguns domicílios chega ser a única fonte de renda. Alem disso, cerca de 50% das famílias beneficiadas recebem bolsas de até R$ 70,00 mensais. Ficou registrado nesta pesquisa o baixo nível escolar dos responsáveis por estarem recebendo a quantia monetária repassada pelo programa. A maioria dos beneficiários possui 4ª série incompleta do ensino fundamental e não trabalha. Dos beneficiários do PBF, menos de 10% possuem gastos com moradia, em sua maior parte moram em imóveis próprios ou cedidos. Sendo que 94,3% das residências ficam dentro do perímetro urbano da cidade e o restante na área rural. O PIB per capita, observado no município apresentou um valor bem abaixo da média nacional e das demais regiões. Más no que tange a renda média dos beneficiados, o resultado é diferente, mostrou que as pessoas que recebem o programa no município têm uma renda média familiar superior ao verificado no Brasil e nas demais regiões. Em parte isso pode ser explicado pela existência de famílias com um número relativamente maior de moradores. O número médio de moradores por unidade domiciliar no município é bem alta (4,8 habitantes) e perde apenas para a região Norte do país (5,1 habitantes). O percentual de domicílios atendidos pelo PBF no município é bem similar ao constatado no país. Porém, os valores monetários que são concedidos pelo PBF no município é a metade da média nacional. Verificou-se também um número maior de bolsas concedidas mesmo em regiões que possuem um PIB per capita bem superior ao registrado em Ewbank da Câmara.

28 39 Por fim, o Programa Bolsa Família é importante para seus beneficiados e também para o município no entanto, outros aspecto podem ser analisados em futuras pesquisas. Será que o programa tem ajudado na inclusão social? Será que seus beneficiários tendem a procurar emprego ou se acomodam com a renda recebida? Quais os impactos do programa nas finanças do país? Portanto, esses são apenas alguns dos problemas reais que podem ser futuramente avaliados e respondidos.

29 40 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL CHANNEL. Municípios. Disponível em: < na%20da%20mata>; Acesso em: 15 jun IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Rio de Janeiro, Disponível em: < Acesso em: 21 jul IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais, Rio de Janeiro. Disponível em: < Acesso em: 01 jun IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas regionais do Brasil Rio de Janeiro, Disponível em: < ; Acesso em: 01 jun IGA Instituto de Geociências Aplicadas. Mg Mapas. Minas Gerais. Disponível em: < Acesso em: 15 jun MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. O Programa Bolsa Família, Brasília Distrito Federal, Disponível em: < Acesso em: 5 mai MDS. Guia de Políticas e Programas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS. Brasília, DF, MDS. Manual de Gestão de Condicionalidades do Programa Bolsa Família. Brasília, DF, MDS. Praticas Inovadoras na Gestão do Programa Bolsa Família. Brasília, DF, MDS. Programa Bolsa Família Guia do Gestor. Brasília, DF, PREFEITURA MUNICIPAL DE EWBANK DA CÂMARA. Arquivos Históricos. Ewbank da Câmara, MG, SEMINÁRIO REGIONAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, 1º., 2008, Juiz de Fora. Anais...Prefeitura de Juiz de Fora: Escola de Governo, SUPLICY, Eduardo Matarazzo. Renda de Cidadania: a saída é pela porta/ Eduardo Matarazzo Suplicy. São Paulo: Cortez: Fundação Perseu Abramo, 2002.

30 41 ANEXO - QUESTIONÁRIO APLICADO NA PESQUISA DE CAMPO PESQUISA AMOSTRAL PROBABILISTICA DOS DOMICÍLIOS ATENDIDOS PELO PROGRAMA SOCIAL BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA MG 1- Tipo de localidade do domicílio: ( ) Urbano ( ) Rural 2- Situação do domicílio: ( ) Próprio ( ) Cedido ( ) Outra ( ) Alugado ( ) Invasão ( ) Arrendado ( ) Financiado 3- Quantidade de pessoas residentes no domicílio: 4- Estado civil do responsável pelo recebimento do programa: ( ) Solteiro(a) ( ) Divorciado(a) ( ) Viúvo(a) ( ) Casado(a) ( ) Separado(a) 5- Número de Filhos que residem no domicílio: 6- Raça ( ) Branca ( ) Parda ( ) Negra ( ) Indígena 7- Grau de Instrução ( ) Analfabeto ( ) Ensino médio completo ( ) Até 4º série incompleta do ensino fundamental ( ) Superior incompleto ( ) Com 4º série completa do ensino fundamental ( ) Superior completo ( ) De 5º a 8º série incompleta do ensino fundamental ( ) Especialização ( ) Ensino fundamental completo ( ) Mestrado ( ) Ensino médio incompleto ( ) Doutorado 8- Situação no mercado de trabalho do responsável pelo recebimento do programa: ( ) Empregador ( ) Aposentado/ Pensionista ( ) Assalariado com carteira de trabalho ( ) Trabalhador rural ( ) Assalariado sem carteira de trabalho ( ) Empregador rural ( ) Autônomo com previdência social ( ) Não trabalha ( ) Autônomo sem previdência social ( ) Outro ( ) Desempregado

31 42 9- A família Possui renda de aposentadoria ou pensão: ( ) Sim ( ) Não 10- A família Possui renda de seguro desemprego: ( ) Sim ( ) Não 11- A família Possui renda de pensão alimentícia: ( ) Sim ( ) Não 12- A família Possui alguma outra renda: ( ) Sim ( ) Não 13- Renda total mensal da família: 14- Despesa total mensal da família: 15- Renda do bolsa família:

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Transferência condicionada de renda Objetivos Focalizado Condicionado Entrega de recursos diretamente à família por intermédio de cartão magnético 1) Alívio

Leia mais

ACE - ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FGG - FACULDADE GUILHERME GUIMBALA

ACE - ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FGG - FACULDADE GUILHERME GUIMBALA EDITAL Nº 03/2011 EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA BOLSA DE ESTUDO 2011 REMATRÍCULA E INGRESSANTES A Faculdade Guilherme Guimbala, FGG, torna público o presente Edital para os alunos matriculados nos Cursos de

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício

A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício CONGEMAS MAR/2016 Importância da inclusão no Cadastro Único O QUE É O CADASTRO ÚNICO Instrumento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Julho de 2015 Introdução O presente estudo visa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 A Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa acredita que, ao conceder uma bolsa de estudo, está investindo no aluno, na família e no

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG 1 CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG Adriana de Souza Lima Queiroz 1 Cynthia Silva Machado 2 RESUMO Esta

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 10 de maio de 2016 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão?

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES)

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF em processo composto por três etapas que considerou os seguintes procedimentos:

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA

ANEXO II PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA ANEXO II PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA A Pró-Reitoria de Ensino e Pós-Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato

Leia mais

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros?

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Luísa Cardoso 1 Medir de forma multidimensional o quão desigual é a situação das mulheres em relação aos homens é uma iniciativa empreendida

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE

EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA O ANO LETIVO DE 2015 (Em conformidade com a Lei nº 12.101/2009, Lei nº 12.868/2013 e Decreto nº 8.242/2014) A Associação Antônio

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

DOS CRITÉRIOS DE ISENÇÃO:

DOS CRITÉRIOS DE ISENÇÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS PROEST ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO VESTIBULAR UFT/ 2010.2 EDITAL Nº 001/2010, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2010

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME Governador do Estado de São

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal Transferência de Renda no Brasil: o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada Tatiana Britto Senado Federal Do que estamos tratando? Benefício de Prestação Continuada (BPC) Início: 1995 Público-alvo:

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Será concedida a Bolsa Filantrópica com base nos critérios básicos consignados

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Notas Técnicas. Educação Básica (Creches) em Caruaru

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Notas Técnicas. Educação Básica (Creches) em Caruaru COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS Notas Técnicas Educação Básica (Creches) em Caruaru Projeto Georeferenciamento de Dados Convênio ASCES/PMC Diretor

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO - CAMPUS SALTO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PAE EDITAL Nº. 003/2013

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO - CAMPUS SALTO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PAE EDITAL Nº. 003/2013 INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO - CAMPUS SALTO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PAE EDITAL Nº. 003/2013 1. ABERTURA O Diretor Geral do Campus Salto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE GRATUIDADE EDUCACIONAL. Informações sobre a documentação que deverá ser anexada:

SOLICITAÇÃO DE GRATUIDADE EDUCACIONAL. Informações sobre a documentação que deverá ser anexada: SOLICITAÇÃO DE GRATUIDADE EDUCACIONAL Informações sobre a documentação que deverá ser anexada: RG ou Certidão de Nascimento do aluno; Cópia do Boletim Escolar; Foto 3X4. Documentos Pessoais do Grupo Familiar:

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUCMINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015 1. INSCRIÇÃO 1.1 Poderão participar do Processo, de que trata este

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 945/2010 Institui o Programa Vida Melhor e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Idosos c/limitação

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

EDITAL DE BOLSA DE ESTUDO E PESQUISA ART. 170-2014. Para candidatar-se a Bolsa de Estudo ou Bolsa de Pesquisa o aluno deverá:

EDITAL DE BOLSA DE ESTUDO E PESQUISA ART. 170-2014. Para candidatar-se a Bolsa de Estudo ou Bolsa de Pesquisa o aluno deverá: EDITAL DE BOLSA DE ESTUDO E PESQUISA ART. 170-2014 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, através do seu Diretor Regional Sérgio Roberto Arruda, faz saber aos interessados que, de acordo com a

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados Nº 56 Março 2013 Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa

NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI. ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa 1 NOTA TÉCNICA PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI ASSUNTO: Consulta do município de Sarandi Implantação, Orçamento e Valor Bolsa O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI é um

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA OBJETIVO GERAL: Estimular o crescimento e o desenvolvimento econômico e social do DF, por meio do fortalecimento do Sistema Público de Emprego, garantindo

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS FILANTRÓPICA INTEGRAL E PARCIAL-2013

EDITAL Nº 01/2012 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS FILANTRÓPICA INTEGRAL E PARCIAL-2013 INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Colégio Cor Jesu Endereço SGAS, 615. Bloco G Asa Sul, Brasília /DF Fone: (61) 2105-6800 Fax (61) 2105-6843 E-mail: colegio@corjesu.org.br CNPJ 61.015.087/0020-28

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES IGUALDADE RACIAL AGENDA IGUALDADE RACIAL O Governo Federal vem promovendo a incorporação da perspectiva da igualdade racial nas políticas governamentais, articulando ministérios e demais órgãos federais,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA PARA INCLUSÃO NOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRACE PNAES- UNIFAL-MG

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA PARA INCLUSÃO NOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRACE PNAES- UNIFAL-MG FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA PARA INCLUSÃO NOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRACE PNAES- UNIFAL-MG Categoria do estudante em relação à UNIFAL -MG: ( ) Ingressante ( ) Veterano ou 2º ingresso

Leia mais

Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia

Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Título Sistema de Gerenciamento da Universalização do Serviço Público de Energia Elétrica na COELBA Nº de Registro (Resumen) 13 Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Autores

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais