Religiosidade / Espiritualidade Fernanda Oliveira e Ranielly Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Religiosidade / Espiritualidade Fernanda Oliveira e Ranielly Lopes"

Transcrição

1 Religiosidade / Espiritualidade Fernanda Oliveira e Ranielly Lopes

2 Stallwood e Stoll (1975) Definiram as necessidades espirituais como quaisquer fatores necessários para se estabelecer e se manter um relacionamento pessoal dinâmico entre as pessoas e Deus (conforme definido por aquele indivíduo) duo). A espiritualidade é uma qualidade mais ampla que a religião. Esta tenta obter inspiração, reverência e respeito, mesmo dos que não acreditam em nenhum Deus.. (Murray Zemtner, 1975).

3 Fatores que afetam as necessidades espirituais : Crise: Os mecanismos habituais de manejo não funcionam mais. Sistemas de apoio: : O indivíduo duo deve estar deve estar em posição de dependência. Religião: : As crenças religiosas pode oferecer uma base de apoio para o cliente. Hospitalização durante dias santos: O cliente pode desenvolver um potencial mais elevado para a solidão.

4 Avaliação das Necessidades espirituais Dados que indicam necessidades espirituais: - Você pertence a um grupo religioso? Você gostaria de falar sobre sua fé? f Você gostaria que um capelão o visitasse, enquanto estiver no hospital?

5 Quatro áreas de interesse espiritual foram identificadas por Stoll (1979): A fonte de força a e esperança a para a pessoa, O conceito que ela tem sobre Deus ou uma deidade, O significado das práticas e rituais religiosos para a pessoa, E o relacionamento percebido por ela entre as crenças espirituais e o estado de saúde.

6 Diagnósticos de enfermagem relacionados às necessidades espirituais Durante os trabalhos do Fourth National Conference for Classification of Nursing Diagnosis em 1980 um dos diagnósticos de enfermagem aceitos foi o de sofrimento espiritual. Vários V outros diagnósticos foram sugeridos por uma líder l de enfermagem :

7 Dor espiritual : Alteração no relacionamento que alguém m tem com Deus Alienação espiritual: : relacionamento rompido com Deus Ansiedade espiritual : expressões de temor de que Deus não dará apoio ao indivíduo duo Culpa espiritual : expressões relacionadas a não ter correspondido as expectativas de Deus Rancor espiritual : dirigida a Deus Perda espiritual : ameaça a de perda do amor de Deus Desespero espiritual : falta de esperança a a respeito do relacionamento com Deus.

8 Intervenções de enfermagem para satisfazer as necessidades espirituais: O enfermeiro pode satisfazer as necessidades espirituais sem um conhecimento extenso sobre religião, uma vez que todas as pessoas têm necessidades espirituais semelhantes. No entanto, é importante aprender sobre várias religiões e culturas, a fim de dar uma assistência de enfermagem eficiente.

9 Estabelecendo a aceitação Muitas pessoas revelam bastante sobre si mesmas, quando sentem que o enfermeiro as aceita como são, com seus pontos fortes e suas limitações. É fácil querer mudar os indivíduos duos e então aceitá-los. As pessoas estão representadas por seus pontos fortes e suas fraquezas. Se ambos não podem ser reconhecidos, existe, então, falta de aceitação, a mudança é possível. Sem aceitação, existe uma necessidade de proteger o eu do trauma da rejeição.

10 Comunicação A escuta atenta e o encorajamento para que o cliente compartilhe os sentimentos positivos quanto os negativos ajudam-no a sentir-se aceito. Isso ajuda o doente a desenvolver confiança a no relacionamento, e sentir-se mais confortável em pedir que desejos mais íntimos sejam satisfeitos, p. ex., orações e leituras das escrituras.

11 Oração O enfermeiro pode oferecer-se para rezar com o cliente e pode agir baseado nas pistas fornecidas pelo cliente quanto ao conteúdo da oração. A oração muita das vezes traz conforto e mostra como lidar com o medo sobre o resultado final de sua doença.

12 Trabalhando com líderes l espirituais É útil que se desenvolva um bom relacionamento com o capelão e trocar informações sobre os serviços que cada um pode fornecer, e os critérios rios para o encaminhamento.

13 Rituais e cultos especiais Os rituais e cultos especiais são importantes para muitos clientes. Para os clientes que desejam assistir aos cultos, o enfermeiro planeja os seus cuidados físicos de uma forma que encoraje a participação.

14 ESPIRITUALIDADE OU UTOPIA Espiritualidade é vivência de desenvolvimento íntimo. Espiritualidade traduz-se sempre num processo de mudança a e não um processo de adaptação, de equilíbrio beirando à noção de estagnação ou de linearidade; nesse sentido, espiritualidade é uma utopia.

15 Utopia é palavra inventada por Thomas Morus: utopia é poiésis no sentido arcaico e grego de poiésis sis,, ou seja, ação a criadora, produtora de algo fora do sujeito criador ou produtor ou de sua atividade, ao contrário rio de práxis, ou seja, uma ação a não criadora ou produtora de objeto alheio ao sujeito ou à atividade do sujeito(1). Conforme se verifica, houve uma troca conceitual entre atividade poiésica (ou poética) e atividade práxica xica. Nesse sentido, utopia é ação e não uma ilusão ou um sonho.

16 Espiritualidade e utopia se interconectam quando as entendemos na categoria de ações a possíveis (e incomuns) de vivenciar e de experienciar realidades não lineares e geralmente não perceptíveis ao cotidiano da vida de pessoas e de coletividades. Eis a função educativa, pedagógica, gica, social, revolucionária ria tanto da espiritualidade quanto da utopia: sua teleologia é criar algo além, diferente do que está posto; nesse caso, sem espiritualidade e sem utopia não háh desenvolvimento humano. FERNANDES, Carlos Roberto. Espiritualidade e utopia. Recanto das Letras. Disponível em Acesso em: 11/06/2010 às s 20:27:59.

17 Diagnósticos de Enfermagem da NANDA Definições e Classificações

18 Disposição para RELIGIOSIDADE* aumentada (2004, NE 2.1) Definição Capacidade de aumentar a confiança a em crenças religiosas e/ou participar de ritos de uma féf religiosa em particular

19 Características Definidoras Expressa desejo de reforçar costumes religiosos que proporcionaram conforto no passado Expressa desejo de reforçar costumes religiosos que proporcionaram religiosidade no passado Expressa desejo de reforçar modelos de crenças religiosas que proporcionaram religiosidade no passado Expressa desejo de reforçar modelos de crenças religiosas que proporcionaram conforto no passado

20 Características Definidoras Questiona padrões de costumes que são nocivos Questiona padrões de crenças que são nocivos Rejeita padrões de costumes que são nocivos Rejeita padrões de crenças que são nocivos

21 Características Definidoras Solicita ajuda para aumentar a participação nas crenças religiosas por meio de: Adoração/servi ão/serviços os religiosos Cerimônias religiosas Comportamentos religiosos privados/leitura de material religioso/mídia Oração Regras/ritos alimentares Respeito a feriados Uso de vestimentas específicas

22 Características Definidoras Solicita ajuda para aumentar opções religiosas Solicita encontrar-se com líderes/facilitadores religiosos Solicita experiências religiosas Solicita materiais religiosos Solicita perdão Solicita reconciliação

23 RELIGIOSIDADE* Prejudicada (2004, NE 2.1) Definição Capacidade prejudicada de confiar em crenças e/ ou participar de ritos de alguma féf religiosa.

24 Características Definidoras Dificuldade em aderir a ritos ou crenças religiosas prescritas (p. ex., cerimônias religiosas, regras alimentares restritivas, roupas, oração, adoração/servi ão/serviços os religiosos, comportamentos religiosos privados/leitura de material religioso/mídia, respeito a feriados, encontros com líderes l espirituais) Expressa angústia emocional por separação de uma comunidade religiosa Expressa necessidade de reconectar-se com costumes anteriores Expressa necessidade de reconectar-se com crenças anteriores Questiona costumes religiosos Questiona padrões de crenças religiosas

25 Fatores Relacionados Físicos Doença Dor Crise pessoal Enfrentamento ineficaz Falta de proteção Medo da morte Uso da religião para manipular

26 Fatores Relacionados Psicológicos Ansiedade Apoio ineficaz

27 Fatores Relacionados Socioculturais Barreiras ambientais para praticar a religião Barreiras culturais para praticar a religião Falta de integração social Falta de integração sociocultural

28 Fatores Relacionados Espirituais Crise espiritual Sofrimento

29 Fatores Relacionados Desenvolvimentais e situacionais Crises do estágio final da vida Envelhecimento Transições da vida

30 Risco de RELIGIOSIDADE* prejudicada (2004, NE 2.1) Definição Risco de ter uma capacidade prejudicada de confiar em crenças religiosas e/ ou participar de ritos de alguma féf religiosa.

31 Fatores Relacionados Físicos Doença Dor Hospitalização

32 Fatores Relacionados Psicológicos Apoio ineficaz Cuidado ineficaz Depressão Enfrentamento ineficaz Falta de segurança

33 Fatores Relacionados Socioculturais Barreira cultural para praticar a religião Falta de interação social Isolamento social

34 Fatores Relacionados Espirituais Sofrimento

35 Fatores Relacionados Ambientais Barreiras para praticar a religião Falta de transporte

36 Fatores Relacionados Desenvolvimentais Transição da vida

37 Disposição para bem-estar estar ESPIRITUAL aumentado (1994, 2002, NE 2.1) Definição Capacidade de experimentar e integrar significado e objetivo à vida por meio de uma conexão consigo mesmo, com outros, arte, música, m literatura, natureza e/ ou um ser maior que poder ser aumentada.

38 Características Definidoras Ligações consigo mesmo Desejo de aumentar a aceitação Desejo de aumentar a alegria Desejo de aumentar a coragem Desejo de aumentar a entrega Desejo de aumentar a esperança Desejo de aumentar a finalidade da vida Desejo de aumentar o amor

39 Características Definidoras Desejo de aumentar o autoperdão Desejo de aumentar o enfrentamento Desejo de aumentar o significado da vida Desejo de aumentar uma filosofia de vida satisfatória Expressa falta de serenidade (p. ex., paz) Meditação

40 Características Definidoras Ligações com os outros Pede para integrar-se com líderes l espirituais Pede para integrar-se com pessoas significativas Pede perdão a outros Presta serviços a outros

41 Características Definidoras Ligações com arte, música, m literatura e natureza Demonstra energia criativa (p. ex., escrever, fazer poesias, cantar) Lê literatura espiritual Ouve músicam Passa tempo ao ar livre

42 Características Definidoras Ligações com um ser maior Expressa maravilhamento Expressa reverência Participa de atividades religiosas Relata experiências místicasm Reza

43 Angústia ESPIRITUAL ( 1978, 2002, NE 2.1) Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo à vida por meio de uma conexão consigo mesmo, com os outros, arte, música, m literatura, natureza e/ ou um ser maior

44 Características Definidoras Ligações consigo mesmo Culpa Enfrentamento insatisfatório Expressa falta de aceitação Expressa falta de amor Expressa falta de autoperdão Expressa falta de coragem Expressa falta de esperança Expressa falta de finalidade na vida Expressa falta de serenidade ( p. ex., paz) Expressa falta de significado na vida Raiva

45 Características Definidoras Ligações com outros Expressa alienação Recusa integrar-se com líderes l espirituais Recusa integrar-se com pessoas significativas Verbaliza estar separado de seu sistema de apoio

46 Características Definidoras Ligações com arte, música, m literatura e natureza É incapaz de expressar estado de criatividade anterior ( p. ex., cantar/ouvir música/ escrever) Não se interessa pela natureza Não se interessa por literatura espiritual

47 Características Definidoras Ligações com um ser maior É incapaz de experimentar o transcendente É incapaz de participar de atividades religiosas É incapaz de rezar Expressa desesperança Expressa raiva de Deus Expressa sofrimento Expressa ter sido abandonado Incapacidade de introspecção Mudanças as repentinas nas práticas espirituais Solicita conversar com um líder l religioso

48 Fatores Relacionados Alienação social Ansiedade Auto-aliena alienação Doença a crônica Dor Morrer ativo Morte Mudança a na vida Privação sociocultural Solidão

49 Risco de angústia ESPIRITUAL ( 1998, 2004, NE 2.1) Definição Risco de apresentar prejuízo em sua capacidade de experimentar e integrar significado e objetivo à vida por meio de uma conexão consigo mesmo, com outros, arte, música, m literatura, natureza e/ou um ser maior.

50 Fatores de Risco Físicos Abuso de substancia Doença a crônica Doença a física f

51 Fatores de Risco Psicossociais Ansiedade Baixa auto-estima Bloqueios para experimentar o amor Conflito cultural Conflito racial Depressão Estresse Incapacidade de perdoar Mudança a das praticas religiosas Mudança a dos ritos religiosos Perda Relacionamentos não satisfatórios Separação dos sistemas de apoio

52 Fatores de Risco Desenvolvimentais Mudanças as na vida

53 Fatores de Risco Ambientais Desastres naturais Mudanças as no meio ambiente

54 Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) 4ª Edição

55 Disposição para BEM-ESTAR ESTAR ESPIRITUAL Aumentado Definição Processo de desenvolvimento/revelação do mistério por meio da interconexão harmoniosa que brota de forças internas.

56 Intervenções de Enfermagem Sugeridas para a Solução do Problema: Apoio ESPIRITUAL Assistência na AUTOMODIFICAÇÃO Melhora da AUTO- ESTIMA Melhora da AUTOPERCEPÇÃO BIBLIOTERAPIA Facilitação da AUTO- RESPONSABILIDADE Facilitação do processo de MEDITAÇÃO Facilitação do Crescimento ESPIRITUAL Estímulo a Rituais RELIGIOSOS Melhora do PAPEL Promoção da Capacidade de RECUPERAÇÃO

57 ANGÚSTIA Espiritual Definição Ruptura do principio da vida que permeia todo o ser e que integra e transcende sua natureza biológica e psicossocial.

58 Intervenções Adicionais Optativas: Esclarecimento de VALORES Promoção de ESPERANÇA Melhora da IMAGEM Corporal MUSICOTERAPIA Orientação para a Focalização da IMAGEM Prevenção de Dependência RELIGIOSA Terapia de REMINISCÊNCIAS Treinamento de AUTO-SUGESTÃO

59 Intervenções de Enfermagem Sugeridas para a Solução do Problema: ACONSELHAMENTO Apoio à tomada de DECISÃO Apoio ESPIRITUAL Assistência ao MORRER Esclarecimento de VALORES Facilitação do Crescimento ESPIRITUAL Facilitação do Processo de PESAR Facilitação do Processo de PERDÃO Facilitação do Trabalho Relacionado a CULPA GRUPO de Apoio Promoção de ESPERANÇA Intervenção na CRISE Melhora do ENFRENTAMENTO ORIENTAÇÃO Antecipada PRESENÇA Promoção da Capacidade de RESILIÊNCIA Suporte EMOCIONAL

60 Intervenções Adicionais Optativas Apoio ao CUIDADOR ARTETERAPIA Aumento da SEGURANÇA Aumento da SOCIALIZAÇÃO Dizer a VERDADE Controle do HUMOR DISTRAÇÃO ENCAMINHAMENTO MUSICOTERAPIA ESCUTAR Ativamente Prevenção de Dependência RELIGIOSA Redução da ANSIEDADE Suporte à FAMÍLIA Apoio à Proteção contra ABUSO: Religioso Terapia com ANIMAIS Terapia OCUPACIONAL Terapia de REMINISCÊNCIAS TOQUE Planejamento FAMILIAR: Gravidez Não-Planejada

61 Risco de ANGÚSTIA Espiritual Definição Risco de uma sensação alterada da conexão harmoniosa com a vida e o universo, em que dimensões que transcendem e fortalecem o eu podem estar rompidas.

62 Intervenções de Enfermagem Sugeridas para a Solução do Problema ACONSELHAMENTO Apoio à tomada de DECISÃO Apoio ESPIRITUAL Controle do HUMOR Esclarecimento de VALORES Facilitação do Crescimento ESPIRITUAL Facilitação do Processo de PESAR Facilitação do Processo de PERDÃO GRUPO de Apoio Promoção de ESPERANÇA Melhora do ENFRENTAMENTO ORIENTAÇÃO Antecipada ESCUTAR Ativamente Promoção da Capacidade de RESILIÊNCIA Redução da ANSIEDADE Suporte EMOCIONAL

63 Intervenções Adicionais Optativas Apoio ao CUIDADOR Aumento da SOCIALIZAÇÃO Dizer a VERDADE ENCAMINHAMENTO Estímulo a Rituais RELIGIOSOS MUSICOTERAPIA Prevenção de Dependência RELIGIOSA Suporte à FAMÍLIA Apoio à Proteção contra ABUSO: Religioso Terapia com ANIMAIS Terapia de REMINISCÊNCIAS

64 Apoio ESPIRITUAL Definição Assistência ao cliente para que sinta equilíbrio e conexão com um poder maior

65 Atividades Usar comunicações terapêuticas para estabelecer confiança a e demonstrar empatia Utilizar ferramentas para monitorar e avaliar o bem-estar estar espiritual, se adequado Encorajar a pessoa a revisar fatos passados de sua vida e focalizar os eventos e os relacionamentos que tenham oferecido força a e apoio espirituais Tratar o cliente com dignidade e respeito Encorajar uma revisão da vida através s da reminiscência Encorajar a participação em interações com familiares, amigos e outras pessoas Oferecer momentos de privacidade e silêncio para as atividades espirituais

66 Atividades Encorajar a participação em grupos de apoio Ensinar métodos m de relaxamento, meditação e imagem orientada Compartilhar as próprias prias crenças sobre sentido e a finalidade da vida, quando apropriado Compartilhar a própria pria perspectiva espiritual, quando apropriado Oferecer oportunidades para discutir os vários v tipos de crença a e visão de mundo Estar aberto a expressões individuais de preocupação Rezar com o cliente Oferecer música, m literatura, ou programas espirituais de rádio ou televisão ao cliente

67 Atividades Estar aberto às s manifestações de solidão e impotência do cliente Encorajar a freqüência a cerimônias religiosas na capela Encorajar o uso de recursos espirituais, se desejado Oferecer artigos espirituais desejados, conforme as preferências do cliente Encaminhar o cliente a um conselheiro espiritual escolhido por ele Usar técnicas t de esclarecimento de valores para ajudar o cliente a esclarecer crenças e valores, se apropriado Estar disponível para escutar os sentimentos do cliente Manifestar empatia pelos sentimentos do cliente

68 Atividades Facilitar o uso, pelo cliente, da meditação, da oração e de outras tradições e rituais espirituais Escutar com atenção a comunicação do cliente e ser sensível ao momento adequado à oração ou aos rituais espirituais Assegurar ao paciente que o enfermeiro estará disponível para apoiá-lo em momentos de sofrimento Estar aberto aos sentimentos do cliente em relação à doença a e a morte Auxiliar o cliente a expressar e a aliviar a raiva de forma apropriada

69 Facilitação do Crescimento ESPIRITUAL Definição Facilitação do crescimento da capacidade do cliente para identificar, conectar-se com e chamar a fonte de sentido, propósito, conforto, força a e esperança a em sua vida

70 Atividades Demonstrar interesse e oferecer conforto passando algum tempo com o cliente, seus familiares e pessoas significativas Encorajar um diálogo que auxilie o cliente a distinguir preocupações espirituais Modelar habilidades saudáveis de relação e raciocínio Auxiliar o cliente a identificar barreiras e atitudes que prejudiquem o crescimento e a autodescoberta Oferecer apoio individual e grupal de oração, se apropriado Encorajar a participação em eventos religiosos, retiros e programas especiais de oração/estudo Promover relacionamentos com outras pessoas na busca de companheirismo e préstimos Encorajar o uso de celebrações e ritos espirituais

71 Atividades Encorajar o exame pelo cliente de seu comprometimento espiritual, com base em suas crenças e valores Proporcionar um ambiente que estimule uma atitude contemplativa/meditativa para a auto-reflexão Auxiliar o cliente a explorar crenças que estejam relacionadas à cura do corpo, da mente e do espírito Encaminhar o cliente a grupos de apoio, a programas de auto-ajuda ajuda mútua m ou a outros programas com base espiritual, se adequado Encaminhar o cliente a atendimento pastoral ou a provedor de atendimento espiritual primário, rio, na medida em haja justificativa para isso Encaminhar o cliente pra orientação apoio adicionais referentes ao corpo, à mente e ao espírito, se necessário

72 Estímulos a Rituais RELIGIOSOS Definição Facilitação da participação em práticas religiosas

73 Atividades Identificar as preocupações do cliente quanto à manifestação religiosa (p. ex., uso de celas, jejum, cerimônias de circuncisão ou práticas alimentares) Coordenar ou propiciar serviços de cura, comunhão, meditação ou oração em casa ou em outros locais Encorajar a participação em rituais e práticas religiosas comuns que não prejudiquem a saúde Oferecer material de vídeo v ou áudio obtido em serviços religiosos, se possível

74 Atividades Tratar o indivíduo duo com dignidade e respeito Oportunizar a discussão de vários v sistemas de crença a e visões de mundo Coordenar ou providenciar transporte ao local de culto Encorajar o planejamento e a participação em rituais, quando adequado Encorajar a freqüência em rituais, quando adequado Investigar alternativas ao culto Encorajar e discernir o momento certo para a oração e o ritual Encaminhar o cliente a conselheiro religioso de sua escolha Auxiliar nas modificações do ritual, de modo a atender às necessidades dos incapacitados ou dos enfermos

75 INTERVENÇÕES ADICIONAIS OPTATIVAS

76 Prevenção da Dependência RELIGIOSA Definição Prevenção de um estilo de vida religiosa controlador e auto-imposto

77 Atividades Identificar indivíduos duos em risco de dependência excessiva de religião, de líderes l religiosos e /ou de prática religiosa Examinar as práticas religiosas em termos de equilíbrio de crenças e relações Investigar e encorajar comportamentos que contribuam para o crescimento e o desenvolvimento da féf Investigar com as pessoas elementos de dependência e de liberdade para a formação religiosa Explicar a forma como as pessoas que se sentem culpadas são vulneráveis veis à dependência religiosa e a rituais Examinar a gratidão e o perdão como formas de defender- se da formação de processos religiosos ou de outros processos de dependência

78 Atividades Oferecer-se para rezar por relações saudáveis consigo, com Deus/Poder Maior e com os outros e para agradecer pela vida, quando adequado Orientar os indivíduos duos sobre o processo de desenvolvimento da féf Orientar os indivíduos duos sobre os perigos de usar a religião para controlar outras pessoas Promover a formação de grupos de auto-ajuda ajuda ou de apoio para investigar o equilíbrio religioso Identificar e partilhar recursos de grupos e serviços de aconselhamento profissional na comunidade

79 Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC) 3ª Edição

80 Disposição para o BEM-ESTAR ESTAR ESPERITUAL Aumentado Definição Capacidade de experimentar e integrar significado e objetivo à vida através s de conexão consigo mesmo, terceiros, arte, música, literatura, natureza, um poder maior

81 Resultados Sugeridos: Bem-estar estar Pessoal Esperança Qualidade de vida Saúde Espiritual

82 Resultados Associados Adicionais: Adaptação Psicossocial: Mudança a de Vida Estado de Saúde Pessoal Final de Vida Digno Resolução do Pesar Satisfação do Cliente: Atendimento das Necessidades Culturais

83 ANGÚSTIA ESPIRITUAL Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo à vida através s de uma conexão pessoal consigo mesmo, terceiros, arte, música, m literatura, natureza, ou um ser maior.

84 Resultados Sugeridos: Final de Vida Digno Esperança Saúde Espiritual

85 Resultados Associados Adicionais: Adaptação Psicossocial: Mudança a de Vida Autocontenção do Suicídio Autonomia Pessoal Bem-estar estar Pessoal Final de Vida Digno Nível de Ansiedade Nível de Estresse Qualidade de Vida Resolução do Pesar Vontade de Viver

86 Risco de ANGÚSTIA ESPIRITUAL Definição Estar em risco de ter percepção alterada da conexão harmoniosa com toda a vida e o universo, na qual dimensões que transcendem e fortalecem o eu podem estar desordenadas.

87 Resultados Sugeridos: Adaptação Psicossocial: Mudança a de Vida Autonomia Pessoal Bem-estar estar Pessoal Controle de Riscos Detecção de Riscos Enfrentamento Equilíbrio do Humor Esperança Final de Vida Digno Gravidade da Solidão Habilidades de Interação Social Morte com Conforto Nível de Ansiedade Qualidade de Vida Resolução do Pesar Satisfação do Cliente: Atendimento das Necessidades Culturais Saúde Espiritual

88 Saúde Espiritual (2001) Domínio: Saúde Percebida (V) Classe: Saúde e Qualidade de Vida (U) Escala: Severamente comprometido (a) a Não comprometido (a) (a)

89 Saúde Espiritual (2001) Definição Conexão consigo mesmo, com os outros, com um poder superior, com a totalidade da vida, com a natureza e com o universo eu transcende e fortalece a própria pria pessoa

90 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação / North American Nursing Diagnosis Association; ; tradução Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed,, 2008 DOCHTERMAN, Joanne McCloskey; ; BULECHEK, Gloria M. - Nursing Interventions Classification - Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC); tradução Regina Machado Garcez 4. ed. Porto Alegre: Artmed, MOORHEAD, Sue; JOHNSON, Marion; MAAS, Meridean. Nursing Outcomes Classification - Classificação dos resultados de enfermagem (NOC). Tradução Marta Avena. 3. ed. Porto Alegre: Artmed,, FERNANDES, Carlos Roberto. Espiritualidade e utopia. Recanto das Letras. Disponível em Acesso em: 11/06/2010 às s 20:27:59. ATKINSOM, LESLIE D., MURRAY, MARY ELLEN. Fundamentals of Nursing (Fundamentos de Enfermagem). A Nursing Process Approach Copyright (c) 1985, Macmillan Publishing Company, a division of Macmillan, Inc.

91 Obrigada pela atenção,tenham todos uma Boa Tarde

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Sofrimento Espiritual (NANDA) Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo a vida por meio

Leia mais

PROCESSOS DE PENSAMENTO PERTUBADOS LUZIANI SANTANA BOOSTEL MAYARA CELESTINA F. DA SILVA

PROCESSOS DE PENSAMENTO PERTUBADOS LUZIANI SANTANA BOOSTEL MAYARA CELESTINA F. DA SILVA PROCESSOS DE PENSAMENTO PERTUBADOS LUZIANI SANTANA BOOSTEL MAYARA CELESTINA F. DA SILVA O QUE É PENSAMENTO? Cognição, senciência, consciência, idéia e imaginação. O pensamento é considerado a expressão

Leia mais

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Diagnóstico de Enfermagem e a Taxonomia II da North American Nursing Diagnosis Association NANDA MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Taxonomia I A primeira taxonomia da NANDA foi

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

AUTOCUIDADO AUTO-ESTIMA. Ana Sara Semeão Bruna Scherrer

AUTOCUIDADO AUTO-ESTIMA. Ana Sara Semeão Bruna Scherrer AUTOCUIDADO AUTO-ESTIMA Ana Sara Semeão Bruna Scherrer Déficit no AUTOCUIDADO para alimentação (1980, 1998) NANDA Definição: Capacidade prejudicada de desempenhar ou completar atividades de alimentação.

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti

CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti MORTE- ANTIGUIDADE DOMADA Evento público, Social Casa ao lado dos familiares e amigos Espaço para dor e sofrimento,

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO QUE REALIDADE É ESTA QUE SE DEPARA O PACIENTE QUE TEM UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL? A MEDICINA MODERNA TEM MOSTRADO TENDÊNCIA A FOCALIZAR SUA ATENÇÃO APENAS

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Stress. Saúde Mental. ão.

Stress. Saúde Mental. ão. Saúde Mental Stress Se dura o tempo necessário para proteger o organismo de uma situação de risco, é saudável. Quando passa dias e dias sem controle, vira doença. O Stress, além de ser ele próprio e a

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura.

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura. QUESTÕES ÉTICAS EM PSICOTERAPIA Dilemas éticos para o século XXI Roberto Faustino de Paula ÉTICA O termo ética vem do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa), significando um conjunto de valores

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION 1. Valores individuais 1. Dignidade 2. Respeito por si próprio 3. Respeito pela natureza e pelo meio ambiente 4. Respeito pelo próximo 5. Igualdade 6. Liberdade 7. Amor 8. Conexão com o próximo ou interdependência

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade.

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. APHILAV 10 ENCONTRO DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA HOSPITALAR DA REGIÃO SUL Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. Rejania Guido Dias rejania@terra.com.br

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

Orientação à Família de um Adulto Afásico

Orientação à Família de um Adulto Afásico 1 Orientação à Família de um Adulto Afásico Fernanda Papaterra Limongi Nunca é demais enfatizar a importância do aconselhamento familiar quando se trabalha com adultos afásicos. Em geral, o início repentino

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

Espiritualidade e Saúde

Espiritualidade e Saúde 21º Pesquisando em Enfermagem 17ª Jornada Nacional de História da Enfermagem 14º Encontro Nacional de Fundamentos do Cuidado de Enfermagem INTEGRALIDADE DO SER HUMANO: espiritualidade e práticas complementares

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos

Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos Português RESUMO ESTENDIDO Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos Ms. CARUNCHIO, Beatriz Ferrara 1 São chamadas experiências de quase morte as vivências de algumas pessoas

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos Adotada pela 18ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial (Helsinque, Finlândia,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

SITUAÇÃO E VISÃO DE ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS ESTUPRO,PEDOFILIA E VIOLÊNCIA MORAL. Thaís Delabarba Valéria Pignaton Luz Wena Dantas Marcarini

SITUAÇÃO E VISÃO DE ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS ESTUPRO,PEDOFILIA E VIOLÊNCIA MORAL. Thaís Delabarba Valéria Pignaton Luz Wena Dantas Marcarini SITUAÇÃO E VISÃO DE ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS ESTUPRO,PEDOFILIA E VIOLÊNCIA MORAL Thaís Delabarba Valéria Pignaton Luz Wena Dantas Marcarini VIOLÊNCIA MORAL Violência Moral VIOLÊNCIA MORAL, mais conhecido

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Conheça suas opções:

Conheça suas opções: Conheça suas opções: Guia para pacientes com progressão de doenças graves Em Massachusetts, todos os pacientes com progressão de uma doença grave têm o direito legal de ser informados sobre o seu problema

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO

EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES A INTERATIVIDADE Unidade I O ser humano e o fenômeno religioso. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES A INTERATIVIDADE Aula 3.2 Conteúdos Dimensões do ser humano

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável.

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável. MENTE E ESPÍRITO EQUILIBRIO ENTRE CORPO, Em busca da cura, por uma vida mais saudável. Que a felicidade deve ser construída de dentro para fora e pode ser definida como um estado de espírito que não depende

Leia mais

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve BREVE CURTA DURAÇÃO INTERVENÇÃO QUALQUER INTERFERÊNCIA NOS ASSUNTOS DE OUTROS! INTERVENÇÃO BREVE CONSISTE

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Profº Ms. Daniel Resende

Profº Ms. Daniel Resende Profº Ms. Daniel Resende * Ao longo desta exposição dialogada serão debatidos aspectos referentes à: Aspectos históricos dos Diagnósticos de Enfermagem Etapas mais utilizadas do Processo de Enfermagem

Leia mais

O meu filho e o psicólogo

O meu filho e o psicólogo O meu filho e o psicólogo Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com As 10 questões de muitos pais antes de marcarem consulta do seu filho 1)O meu filho não é maluco! Algumas crianças bem como alguns

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Meditações para os 30 dias de Elul

Meditações para os 30 dias de Elul 1 Meditações para os 30 dias de Elul O Zohar explica que quanto mais preparamos a alma durante o mês que precede Rosh Hashaná, melhor será o nosso ano. De acordo com a Kabbalah, o Recipiente para receber

Leia mais

Comunicação Não Violenta

Comunicação Não Violenta Comunicação Não Violenta Ana Paula Franke Eder Conrado de Oliveira Mariangela Marini SIPAT 2013 21 de outubro O QUE É CNV? A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL O Programa do curso de Educação Emocional contempla: Perceber, identificar, nomear e lidar melhor com as emoções em si e no outro para o bem estar físico, mental

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA 86 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTAGIÁRIAS DE PSICOLOGIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA Amanda Mendes Silva - Uni-FACEF Marília Batarra Lima - Uni-FACEF Thais Silva Cintra -

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

Observações para consultas em Instituições Médicas para. Pacientes Estrangeiros

Observações para consultas em Instituições Médicas para. Pacientes Estrangeiros Observações para consultas em Instituições Médicas para Pacientes Estrangeiros (O que os estrangeiros devem observar ao fazer uma consulta médica) 1.Informações sobre os tipos de entidades médicas As entidades

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Francinubia Nunes Barros¹; Elainy Fabrícia Galdino Dantas Malta² Faculdade Leão Sampaio, nubinha20082008@hotmail.com¹.

Leia mais

Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios

Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios pwc Atuamos de forma profissional. Fazemos negócios com integridade. Preservamos a reputação da Firma e de nossos clientes. Respeitamos as pessoas e o meio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP

CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP Quem Somos Fundada em 06 de janeiro de 1984, a Casa do Menino Jesus de Praga - CMJP situa-se à Rua Nelson Zang, nº 285, bairro Intercap, Porto Alegre

Leia mais

PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO

PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO 15/04/15 PROFISSIONALISMO INTERATIVO E ORIENTAÇÕES PARA A AÇÃO A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Michael Fullan e Andy Hargreaves. Escolas que aprendem são as que

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

Dependência Emocional {Codependência} Criando liberdade de viver Amando sem dependência

Dependência Emocional {Codependência} Criando liberdade de viver Amando sem dependência Dependência Emocional {Codependência} Criando liberdade de viver Amando sem dependência Nossa missão é apresentar informações relevantes, de modo simples e direto, para esclarecer e conscientizar sobre

Leia mais

Facilitadora: Ana Leila Moura

Facilitadora: Ana Leila Moura Facilitadora: Ana Leila Moura RELAÇÕES INTERPESSOAIS FÁBULA A UNIÃO DE FLORA - RAINHA DA VEGETAÇÃO E ZÉFIRO - O VENTO OESTE. Diz-se que um dia ambos se encontraram: No momento do encontro, a senhora da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR

ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR ANEXO I AÇÃO EDUCATIVA: CURSO CUIDANDO DO CUIDADOR SUMÁRIO 1. identificação da atividade 02 2. Caracterização da atividade 02 3. Resumo das ações 04 4. Justificativa 04 5. Objetivos 05 6. Metodologia 05

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Resumo Márcia Maria Rovani A proposta deste trabalho é entender o comportamento agressivo através de estudos na abordagem da psicologia

Leia mais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Direitos e Deveres Comissão de Ética Instituto S. João de Deus ÍNDICE 3 NO ASPECTO CLÍNICO, CONSTITUEM DIREITOS DOS UTENTES: 6 8 10 TAMBÉM

Leia mais

Manual. de cuidados com a. pessoa idosa

Manual. de cuidados com a. pessoa idosa Manual de cuidados com a pessoa idosa Envelhecer é um privilégio. Envelhecer com dignidade, um direito. O Estatuto do Idoso representa um avanço na garantia de um envelhecimento digno. A defesa dos direitos

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 Rosana Rodrigues dos SANTOS 2 Marister PICCOLI 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO

Leia mais