UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Curitiba 2011

2 JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Trabalho de conclusão de curso de Engenharia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná. Orientadora: Prof. Dra. Giselle Lopes Ferrari Ronque Curitiba 2011

3 JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Trabalho apresentado ao curso de Engenharia Elétrica, da Universidade Federal do Paraná, como requisito à obtenção do título de graduação. COMISSÃO EXAMINADORA PROF. DRA. GISELLE LOPES FERRARI RONQUE UFPR PROF. DR. ALESSANDRO ZIMMER UFPR PROF. Ph.D. ANDRÉ AUGUSTO MARIANO UFPR Curitiba 2011

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela possibilidade de desenvolver esse trabalho e pela determinação necessária para concluir o curso de graduação. À minha família pelo apoio durante essa etapa da minha vida. Aos professores que prestaram auxílio durante esse desenvolvimento. Ao Instituto Tecnológico SIMEPAR e seus funcionários, por terem possibilitado minha participação em um de seus projetos.

5 RESUMO Existe a necessidade no SIMEPAR de tornar o sistema de aquisição e transmissão de dados de monitores de precipitação a laser em um equipamento autônomo, sem a necessidade de computadores ligados diretamente ao sensor via cabo. Por isso foi necessária a elaboração de um firmware em Java para uso em um sistema embarcado para coleta remota de dados de um monitor de precipitação a laser da Thies Clima utilizando o módulo GPRS TC65 da Siemens. Também foi feito o desenvolvimento de um software complementar para apresentação gráfica dos dados. Esse projeto irá colaborar para pesquisas meteorológicas desenvolvidas no SIMEPAR. Palavras-chave: sistema embarcado, Java 2 ME, GPRS.

6 ABSTRACT There is a need in SIMEPAR to create a system of data acquisition and transmission of laser monitors rainfall in a stand-alone device, without the need of computers directly connected to the sensor cable. So it was necessary to create a Java firmware for use in an embedded system for remote collection of data from a Thies Clima laser precipitation monitor using Siemens TC65 GPRS module. It was also developed a complementary software for graphical presentation of the data. This project will contribute to weather research carried out in SIMEPAR. Keywords: embbeded system, Java 2 ME, GPRS.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Laser do disdrômetro.. 15 Figura 2 - Disdrômetro Thies Clima..16 Figura 3 - TC Figura 4 - Vista frontal e posterior do terminal...18 Figura 5 - Sistema completo..22 Figura 6 - Diagrama de classes do firmware..23 Figura 7 - Interfaces 27 Figura 8 - Local da instalação. 28 Figura 9 - Nivelamento do disdrômetro..28 Figura 10 - Caixa com os equipamentos de transmissão. 29 Figura 11 - Sistema instalado. 29 Figura 12 - Janela inicial. 30 Figura 13 - Janela com histograma..31 Figura 14 - Janela informativa de ausência de chuva..31 Figura 15 - Dados estatísticos. 31 Figura 16 - Tabela do banco de dados...32 Figura 17 - Fluxograma do software..35

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Modos de operação Tabela 2 Classes de diâmetro

9 LISTA DE SIGLAS Capes DC DSP FTP GPRS GPS GSM HTTP IP Laser M2M SIM SIMEPAR SMS SMTP TCP TDMA UDP WWW Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Direct Current Digital Signal Processor File Transfer Protocol General Packet Radio Service Global Positioning System Global System for Mobile Hypertext Transfer Protocol Internet Protocol Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Machine-to-Machine Subscriber Identity Module Sistema Meteorológico do Paraná Short Message Service Simple Mail Transfer Protocol Transmission Control Protocol Time Division Multiple Access User Datagram Protocol World Wide Web

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER SISTEMA EMBARCADO Estudo dos Comandos Disponíveis AT^SICS AT^SISS AT^SISW AT^SISR AT^SJRA DESENVOLVIMENTO PROGRAMAÇÃO DO TERMINAL Classe Inicial Classe de Comunicação Serial Classe Auxiliar Classe de Tratamento de Dados Classe de Comunicação FTP Classe de Monitoração de Memória Classe para Ajuste de Hora e Data Classe de Monitoração do Sistema INSTALAÇÃO SOFTWARE Tela Inicial Banco de Dados Histograma Dados Estatísticos Classes Classe Inicial Classe de Geração de Janela Classe de Tratamento de Dados Classe do Banco de Dados... 36

11 Classe de Geração do Gráfico Classe de Conexão FTP RESULTADOS TESTES INICIAIS TESTES INTERMEDIÁRIOS TESTES FINAIS CONCLUSÃO E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS... 41

12 12 1 INTRODUÇÃO O Instituto Tecnológico SIMEPAR (Sistema Meteorológico do Paraná) tem por finalidade consolidar uma infra-estrutura física e humana para o provimento de informações (dados e previsões) de natureza meteorológica, hidrológica e ambiental. Além disso, vem atuando na concepção, desenvolvimento e execução de atividades ligadas à pesquisa científica e tecnológica bem como junto à formação e capacitação de pessoal. Existe a necessidade no SIMEPAR de tornar o sistema de aquisição e transmissão de dados em um equipamento autônomo, sem a necessidade de computadores ligados diretamente ao sensor via cabo. O SIMEPAR utiliza módulos GPRS (General Packet Radio Service) TC65 da Siemens para a transmissão de dados de estações meteorológicas e é necessário produzir um sistema embarcado para uso em um dos sensores, o monitor de precipitação a laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation), também chamado de disdrômetro. Esse sistema embarcado deve realizar as funções de receber os dados do disdrômetro pela porta serial, tratar os dados e enviá-los por FTP (File transfer Protocol) para o servidor do SIMEPAR. Será criada pelo SIMEPAR uma rede de disdrômetros pelo Estado do Paraná para a aquisição de dados de intensidade de chuva fornecidos pelo disdrômetro, que servirá para ajustar a refletividade do radar meteorológico em tempo real e posteriormente para pesquisa dos dados por meteorologistas. O disdrômetro tem uma interface serial, porém limita a distância entre ele e o computador. Será necessário o envio de dados a uma distância maior de 300 quilômetros, dos disdrômetros ao centro de operações do SIMEPAR. Por isso optou-se pelo GPRS, já que, onde serão instalados os disdrômetros, a cobertura celular do estado é boa. 1.1 JUSTIFICATIVA A informação disponibilizada, com os dados sobre as gotas de chuva, será utilizada pelos meteorologistas do SIMEPAR para estudos e análises meteorológicas,

13 13 uma vez que através das medidas de diâmetro e velocidade das gotas de chuva é possível especificar qual o tipo de chuva que está acontecendo, não somente a quantidade de chuva, como em um pluviômetro. Com a implementação proposta nesse projeto também é possível alocar disdrômetros por todo o Estado do Paraná. Através desse sistema torna-se possível fazer um ajuste da refletividade do radar meteorológico do SIMEPAR. O radar utilizado é banda S Doppler, modelo DWSR-93S, da EEC Corporation, já com algumas modernizações em seu hardware. Ele está localizado na parte central do Paraná. A refletividade do radar meteorológico, medida em dbz, indica a quantidade de potência emitida que retorna ao radar e é representada, na imagem tratada, por uma escala de cores. A refletividade R, medida em dbz, indica a taxa de quantidade de chuva T, em mm/hr, representada na equação (1). A refletividade também pode ser obtida pela taxa de intensidade de chuva através da equação (2). Esses dados de refletividade obtidos através do radar são utilizados para: - monitorar a precipitação, vento e granizo; - estimar a intensidade de chuva; e - previsão meteorológica em curto prazo, de no máximo três horas, usando essas observações aliadas a imagens de satélite e outros sistemas. 1.2 OBJETIVO O objetivo geral desse trabalho é desenvolver um sistema embarcado para ser utilizado em monitores de precipitação a laser com a finalidade de proporcionar que um

14 14 sistema desses equipamentos possa ser distribuído pelo Paraná, enviando informações de forma wireless e as disponibilizando de forma gráfica. Os equipamentos utilizados foram disponibilizados pelo SIMEPAR, sendo a contribuição da aluna para esse trabalho o desenvolvimento de um programa em Java 2 ME para o terminal e o desenvolvimento de um programa em Java para uso em computador.

15 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Alguns conceitos que devem ser passados são sobre os equipamentos e plataformas utilizadas para o projeto. 2.1 MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER O monitor de precipitação a laser, disdrômetro, serve para medir e detectar o tipo, a intensidade e a quantidade de diferentes precipitações, como chuvisco, chuva, granizo, neve e uma mistura de diferentes tipos de precipitação. O disdrômetro possui um laser que é emitido em um dos lados do sensor e no outro lado fica o receptor, um fotodiodo que mede a intensidade ótica do sinal, transformando em um sinal elétrico. Quando uma precipitação passa pela luz, o sinal recebido é reduzido. O diâmetro da partícula é calculado pela amplitude da redução. Já a velocidade da partícula é obtida pela duração do sinal reduzido. Os sinais medidos são processados por um DSP (Digital Signal Processor). O tipo de precipitação é obtido em comparação desses dados com dados estatísticos de diâmetro e velocidade. Além disso, ainda é verificada a temperatura para melhorar essa identificação. A Figura 1 apresenta uma ilustração do laser emitido pelo disdrômetro, capaz de efetuar as medidas de diversos tipos de precipitação. Figura 1 - Laser do disdrômetro. Fonte: Thies Clima.

16 16 A interface de saída do disdrômetro é uma porta RS485 full duplex com baudrate ajustável de 1200 até Na Figura 2 é apresentada uma imagem desse equipamento. Figura 2 - Disdrômetro Thies Clima. Fonte: Thies Clima. A precisão dos mais importantes tipos de precipitação medidos por esse equipamento são os seguintes: - Chuva: >99% (>= 2 partículas/minuto, sem precipitação sólida). - Granizo: >95% (>= 2 partículas/minuto). - Neve: >99% (sem outras precipitações). Nesse disdrômetro, os dados são memorizados por um minuto e então transmitidos via serial. Como não existe a necessidade dos meteorologistas do SIMEPAR de receberem todos os dados gerados, deve ser feito um tratamento de quais os dados serão transmitidos.

17 SISTEMA EMBARCADO Existem diversas tecnologias disponíveis para a comunicação celular, porém o módulo utilizado nesse trabalho opera com GSM (Global System for Mobile). A utilização desse módulo pelo SIMEPAR já foi justificada por Klinguelfus (2005). O SIMEPAR já disponibiliza de vários terminais TC 65 Siemens comercializados pela DuoDigit, sendo esse o motivo principal de sua utilização nesse projeto. O terminal utilizado possui uma plataforma de desenvolvimento em Java 2 ME, uma versão do Java específica para sistemas embarcados. Ele opera GSM com GPRS(General Packet Radio Service), podendo ser integrado em aplicações M2M (Machine-to-Machine). O padrão GSM possibilitou a digitalização do telefone celular e junto com o GPRS possibilita o acesso à Internet em uma tecnologia que transporta dados por pacotes com protocolo IP (Internet Protocol). Figura 3 - TC65. Fonte: DuoDigit. Na Figura 3 acima é apresentado o terminal visto externamente. O módulo possui um processador ARM Core, com memória RAM de 400 KB e 1.7MB de memória flash. Suas interfaces de saída são duas portas DB9, protocolo ITU-T V.24, chamadas ASC1 e ASC0. Sua alimentação é de 12 V DC e possui um conector para a

18 18 antena, assim como dois conectores para cartão SIM, um interno e outro externo. Opera com GSM Quad-Band de 850/900/1800/1900 MHz e GPRS classe 12. A seguir na Figura 4 é possível ver o esquema das interfaces disponíveis externamente no terminal utilizado. Figura 4 - Vista frontal e posterior do terminal. 1 Conector para antena. 2 Porta serial. 3 Led de energizado. 4 Led de status. 5 Led de configuração. 6 Cartão SIM. 7 Botão liga/desliga/configuração.

19 19 8 Alimentação. 9 Conexão USB. 10 Porta Serial. Os modos de operação do terminal são apresentados na Tabela 1, seguidos de uma breve explicação. Tabela 1 Modos de operação. Desligado O terminal fica desligado, ou seja, interfaces e software não disponíveis. Operação Normal GSM/GPRS Sleep É ativado o modo de baixo consumo de energia. GSM Idle GSM Talk GPRS Idle GPRS Data Software ativo e terminal pronto para enviar e receber dados. Conexão em andamento. Terminal pronto para envio ou recepção de dados GPRS, mas nenhuma transmissão está ocorrendo. Transferência GPRS em andamento. Modo Avião Todas as funções GSM/GPRS ficam indisponíveis Estudo dos Comandos Disponíveis O módulo utilizado já possui uma plataforma com diversos comandos que servem de auxílio para o desenvolvimento, esses comandos estão disponíveis no manual da Siemens. Muitos deles servem de auxílio nas implementações em Java para os serviços de Internet. Esses comandos foram testados em um Hyper Terminal no computador, ao conectá-lo via serial.

20 20 Para o uso desses comandos no programa desenvolvido em Java 2 ME no terminal, foi utilizada a classe abaixo. protected synchronized boolean sendat(string command, String expect) { try { String response = ata.send(command + "\r"); if (response.indexof(expect) >= 0) { return true; } else { Logger.error(CLASSNAME, "Erro response sendat: "+command+" - "+response); } } catch (ATCommandFailedException e) { Logger.error(CLASSNAME, "Erro sendat: "+command); return false; } return false; } AT^SICS Através desse comando são feitas as configurações para a conexão de Internet. São definidos os parâmetros obrigatórios de tipo de conexão, usuário, senha e endereço de ponto de acesso, além de outros parâmetros opcionais. Após ser configurada, a conexão é aberta com o uso do comando AT^SICO e encerrada com AT^SICC. A seguir é apresentado um breve exemplo de como esse comando é utilizado no Java 2 ME. Sendo apn o ponto de acesso, user o usuário e pass a senha. sendat("at^sics=0,contype,gprs0", "OK"); sendat("at^sics=0,inactto,\"0\"", "OK"); sendat("at^sics=0,alphabet,\"1\"", "OK"); sendat("at^sics=0,apn,\""+apn+"\"", "OK"); sendat("at^sics=0,user,"+user, "OK"); sendat("at^sics=0,passwd,"+pass, "OK"); AT^SISS Nesse comando são definidos padrões para serviços de Internet, como FTP, HTTP e SMTP. No caso do FTP, por exemplo, é obrigatória a definição de tipo de serviço, perfil definido de conexão de Internet a ser utilizado e endereço para o servidor FTP. O serviço é aberto pelo uso do comando AT^SISO e fechado com AT^SISC.

21 21 A seguir é possível verem um exemplo simplificado como é feita a configuração do serviço FTP com o uso desse comando no Java 2 ME. sendat("at^siss=1,srvtype,\"ftp\"", "OK") sendat("at^siss=1,alphabet,\"1\"", "OK"); sendat("at^siss=1,conid,\"0\"", "OK"); ta/" + arquivo + ";type=i\"", "OK") AT^SISW É utilizado para escrita ou upload. Ele é usado após ter sido feita a conexão com a Internet e com o serviço a ser empregado AT^SISR Comando utilizado para leitura de dados ou download. Também deve ser usado após ter sido feita a conexão com a Internet e com o serviço a ser empregado AT^SJRA Usado para executar aplicações Java no módulo.

22 22 3 DESENVOLVIMENTO abaixo. O sistema completo elaborado nesse trabalho é esquematizado na Figura 5 Figura 5 - Sistema completo. 3.1 PROGRAMAÇÃO DO TERMINAL A linguagem de programação suportada pelo terminal e utilizada para esse trabalho é a Java, uma linguagem de programação orientada a objetos da Sun Microsystems, empresa da Oracle Corporation. O firmware foi desenvolvido utilizando as ferramentas Java 2 ME e Netbeans, distribuídos pela Oracle. O módulo TC65 é capaz de enviar as informações através de porta serial RS232, SMS (Short Message Service), e também dos mais diversos serviços na Internet, como FTP ou SMTP (Simple Mail Transfer Protocol). A Siemens disponibiliza bibliotecas específicas para auxiliar a programação de seu módulo TC65. Essas bibliotecas foram utilizadas, além das bibliotecas já disponibilizadas como padrão para o Java 2 ME.

23 23 Na Figura 6 é apresentado um breve diagrama de classes do firmware desenvolvido para o terminal. Figura 6 - Diagrama de classes do firmware Classe Inicial Essa é uma classe MIDlet e é a primeira a ser chamada na execução do programa. Ela inicializa variáveis e outras classes que serão utilizadas. São iniciadas as classes thread (multiprocessamento) de ajuste de hora e data, controle de memória disponível, monitoração do sistema, comunicação FTP e comunicação serial. Métodos: Construtor Inicia variáveis de configuração. StartApp Inicia threads: Ajuste de hora e data Controle de memória disponível Monitoração do sistema Comunicação FTP Comunicação serial

24 Classe de Comunicação Serial A classe para a comunicação serial é implementada como thread. Essa classe é a última a ser chamada pelo principal, devendo ficar em loop por todo o tempo para captar os dados que chegarem do disdrômetro. Ela verifica se a mensagem está completa e capta os caracteres de informações até receber o aviso de final de mensagem, então chama a classe auxiliar, enquanto permanece verificando a chegada de novos dados. Métodos: Construtor Configura serial. Run Abre comunicação, fica em loop e recebe os dados, ao recebê-los aciona classe auxiliar Classe Auxiliar É uma classe chamada dentro da classe de comunicação serial após ter sido recebida uma leitura completa do disdrômetro. Ela coloca os dados na fila do vetor, notificando para a próxima classe thread, a de tratamento de dados. Métodos: Construtor Leitura Fila do vetor e notificação à classe de tratamento de dados Classe de Tratamento de Dados É uma classe thread que faz o tratamento dos dados para envio, criando um novo vetor. Esse vetor sincronizado chama a classe para a comunicação FTP. O módulo só envia 1500 bytes por vez, por isso uma simplificação foi necessária após a seleção dos dados. No tratamento são retirados os dados que não são importantes para os meteorologistas e na simplificação são retirados caracteres desnecessários para manter a informação, como o separador ;. Métodos: Construtor

25 25 Run São retirados os dados desnecessários, assim como o separador ;. São obtidos os bytes dos dados e colocados em um novo vetor. É notificada a classe para envio FTP Classe de Comunicação FTP Essa comunicação é feita por eventos, utilizando a classe ATEvent disponíveis na biblioteca da Siemens. Isso deve ser utilizado, já que é necessário esperar uma resposta nos eventos da comunicação. Aqui é feita a configuração do serviço FTP, é definido o título do documento com base na data e na hora e é feito o envio do documento. Métodos: Construtor Configuração de conexão. FTP Envio FTP. ATEvent Recebe o evento de resposta do módulo para o envio FTP Classe de Monitoração de Memória Nos testes iniciais foi reparado um problema de memória após cerca de meia hora de execução do programa, que ocasionava em um travamento do sistema. Por isso foi criada uma classe thread para monitorar e limpar a memória periodicamente. Métodos: Construtor Run Loop que libera a memória periodicamente Classe para Ajuste de Hora e Data O SIMEPAR disponibiliza um endereço na Internet com a data e o horário UTC (Coordinated Universal Time) em tempo real. Foi elaborada uma classe thread no firmware, aliada a uma classe que faz a organização do formato de data e hora para posteriormente enviar ao módulo por comandos AT.

26 26 A classe thread para ajuste de hora estabelece uma conexão por HTTP com o endereço do servidor de data e hora do SIMEPAR. Após ser efetuada a leitura ele envia o comando de ajuste para o módulo. O módulo apresentou um problema para o ajuste de horário, pois ele não efetuava o ajuste todas as vezes que solicitado, mesmo após ter sido enviado o comando correto. Devido a esse defeito do módulo, é feita uma verificação da data e hora ajustada. Caso esteja incorreta ele efetua outra tentativa daqui a um minuto. Isso é feito três vezes até que o módulo seja reiniciado. Caso a hora seja ajustada de maneira correta, o próximo ajuste ocorrerá em um dia. Métodos: Construtor Run Conecta HTTP com o Simepar para ler data e hora UTC. Faz o ajuste do módulo uma vez ao dia Classe de Monitoração do Sistema Essa classe auxilia a verificação do funcionamento do sistema. Caso ele permaneça em uma mesma função por cinco minutos, o módulo é reiniciado. É elaborada utilizando a classe Watchdog, que faz parte da biblioteca disponibilizada pela Siemens. Métodos: Start Inicia Watchdog e a run(). Check Verifica estado da SerialDisdrometro e FtpDisdrometro. Run Reinicia a contagem de cinco minutos. 3.2 INSTALAÇÃO O sistema foi montado na estação meteorológica do SIMEPAR do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná. Na Figura 7 a seguir é possível ver um esquema de como foram conectados o sensor, que é o disdrômetro, e o terminal de transmissão, módulo TC65.

27 27 Figura 7 - Interfaces A seguir são apresentadas algumas imagens de processo de instalação do sistema. Na Figura 8 é possível ver o local onde foi feita a instalação, com o suporte pronto para início da montagem.

28 28 Figura 8 - Local da instalação. Na Figura 9 é apresentado o procedimento de nivelamento do disdrômetro, para garantir seu correto posicionamento na hora de fixá-lo ao suporte. Figura 9 - Nivelamento do disdrômetro.

29 29 Na Figura 10 tem-se a caixa de plástico onde foram armazenados os equipamentos: módulo, adaptador, conversor, fonte de alimentação e demais cabos necessários. Figura 10 - Caixa com os equipamentos de transmissão. Figura 11 - Sistema instalado.

30 30 A Figura 11 mostra o sistema após sua instalação, com a antena posicionada do lado de fora da caixa que abriga os demais equipamentos. 3.3 SOFTWARE O software foi desenvolvido também em Java, com auxílio da biblioteca JFreeChart, que serve de apoio para desenvolvimento de gráficos. Esse software possibilita ao usuário a visualização dos dados coletados pelo disdrômetro e armazenados no servidor Tela Inicial A janela inicial do software apresenta um espaço para o preenchimento do intervalo de data e hora para a visualização dos dados e é apresentada na Figura 12. Figura 12 - Janela inicial. Caso a opção Gráfico esteja selecionada e tenha sido feita a medida de chuva naquele período, o software retornará uma janela com o histograma dos respectivos valores de diâmetros, que pode ser visto na Figura 13.

31 31 Figura 13 - Janela com histograma. Se não existir chuva no período, o programa apenas retornará uma janela com a informação Sem chuva, conforme visto na Figura 14. Figura 14 - Janela informativa de ausência de chuva. Caso a opção Dados Estatísticos esteja selecionada e tenham sido efetuadas medidas no período, será retornada a janela da Figura 14, com as informações de média e desvio padrão no período. Figura 15 - Dados estatísticos.

32 Banco de Dados Para armazenar os dados foi utilizado um banco de dados MySQL. É feita a verificação nesse banco para verificar se já existem os dados da data e hora fornecidas pelo usuário. Se não existir é feita a busca no FTP e um insert no banco, se existir é feito um select para leitura desses dados. Abaixo é vista a estrutura da tabela na Figura 16. Figura 16 - Tabela do banco de dados Histograma O histograma apresentado pelo programa é elaborado através da separação dos dados por classes de diâmetro, conforme são apresentados pelo próprio disdrômetro. Na tabela a seguir são apresentadas essas classes.

33 33 Tabela 2 Classes de diâmetro. Classe Diâmetro [mm] Classe Diâmetro [mm] Fonte: Thies Clima Dados Estatísticos A média e o desvio padrão são feitos utilizando o valor médio de cada intervalo de classe de diâmetro apresentado na Tabela 1 para o cálculo. A média é obtida pela Equação (3) e o desvio padrão pela Equação (4).

34 34 Sendo: - a média; - o desvio padrão; - o índice que representa a classe de diâmetro; - o total de pingos de chuva medidos para o diâmetro ; e - o diâmetro médio para a classe de diâmetro Classes O software elaborado possui cinco classes: a classe inicial, a de geração da janela principal, a de tratamento dos dados, a que trabalha com o banco de dados, a de geração de gráfico e a de conexão FTP. O fluxograma simplificado do software é apresentado na Figura 17.

35 Figura 17 - Fluxograma do software. 35

36 Classe Inicial da janela inicial. Na classe inicial é aquela que inicia o programa e chama a classe de geração Classe de Geração de Janela É configurada e apresentada a janela inicial do programa, que tem as entradas de dados: texto para o usuário inserir o intervalo de medidas que deseja, dois campos para seleção das opções de geração de gráfico e de dados estatísticos e um botão para gerar a opção selecionada. Métodos: - Construtor - Janela: Configura os parâmetros a serem apresentados na janela e a apresenta ao usuário Classe de Tratamento de Dados Na classe de tratamento de dados estão os métodos para leitura dos dados recebidos do servidor e para geração dos dados estatísticos. Métodos: - Construtor - Leitura: É feita a leitura dos dados do arquivo. - Estatística: São feitos os cálculos de média e desvio padrão Classe do Banco de Dados A comunicação necessária com o banco de dados local é realizada nessa classe, como o envio dos comandos de SELECT e INSERT. Métodos: - Construtor - Select: Faz a seleção do arquivo no banco de dados. - Insert: Insere os dados no banco de dados.

37 Classe de Geração do Gráfico A geração do histograma é feita nessa classe com a utilização da biblioteca JFreeChart. Métodos: - Construtor - Gráfico: Gera o gráfico com os dados do diâmetro Classe de Conexão FTP A conexão FTP é realizada nessa classe, fazendo o download do arquivo se necessário. Métodos: - Construtor - FTP: Abertura da conexão FTP, transferência de dados e fechamento da conexão.

38 38 4 RESULTADOS Os testes foram realizados ao longo de seu desenvolvimento. Nos itens a seguir são apresentados os testes e os requisitos que deveriam ser atingidos para seu resultado positivo. 4.1 TESTES INICIAIS Estes testes foram realizados ao longo do estudo dos comandos disponibilizados pelo módulo e também no desenvolvimento do programa a ser utilizado no módulo TC65. Na primeira parte tinha como propósito apenas verificar o funcionamento dos comandos AT. Depois, ao longo do desenvolvimento da programação em Java, os testes realizados foram através da compilação do próprio software Netbeans, apenas verificando a existência de erros. 4.2 TESTES INTERMEDIÁRIOS Testes realizados na conexão do sistema incluindo módulo TC65 e disdrômetro Thies Clima. Sua saída RS485 half duplex foi conectada a um adaptador RS232/RS485 da Henry e conectado à porta serial do computador. Foi configurado um Hyper Terminal para fazer a recepção dos dados. As configurações de fábrica desse equipamento especificam um baudrate de 9600, oito bits de dados, sem paridade e um bit de parada. Assim foi verificado o funcionamento do disdrômetro, com a chegada de dados a cada minuto. Para conectá-lo ao módulo, foi necessário também colocar um adaptador que invertesse os pinos dois e três da RS232 vinda do disdrômetro, para que os dados transmitidos por ele fossem interpretados como dados de recepção na porta serial do módulo. Após a verificação do funcionamento correto, verificando trinta medições do disdrômetro com aquelas recebidas no FTP, o disdrômetro e o módulo ficaram no laboratório para testes por duas semanas sem serem desligados. Durante os testes foram

39 39 observados problemas com a memória do módulo, surgindo a necessidade da classe de monitoração de memória. 4.3 TESTES FINAIS Os testes finais foram realizados após a elaboração do software, sendo feito com a integração do sistema completo. Foi feita a verificação comparando as informações recebidas no FTP e aquelas que constam nos gráficos e estatísticas, foram verificadas trinta medições, obtendo um resultado igual para o total de gotas de chuva por diâmetro apresentados no gráfico e nos dados.

40 40 5 CONCLUSÃO E TRABALHOS FUTUROS Os objetivos do trabalho foram atingidos, sendo elaborado o primeiro protótipo do sistema a ser implantado pelo SIMEPAR. O trabalho da aluna foi importante para a instituição, fazendo possível o funcionamento do terminal TC65 para uso no disdrômetro, assim como disponibilizando um software para melhor apresentação dos dados aos funcionários. O sistema desenvolvido está sendo atualmente utilizado no SIMEPAR pelos meteorologistas para realizarem estudos pertinentes dos dados coletados. Está instalado na estação meteorológica do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná e em breve também estará também presente em outras estações. Esse trabalho será importante para outros projetos realizados no SIMEPAR, como o estudo dos dados meteorológicos e o estudo do ajuste da refletividade do radar através do sistema de disdrômetros.

41 41 REFERÊNCIAS DUO DIGIT; Terminal Java TC65. Disponível em: <http://www.duodigit.com.br/downloads/catalogo-duodigit-terminal-javatc65/download_pt.html>. Acesso em: 24 mar JFREE; JFreeChart. Disponível em: <http://www.jfree.org/jfreechart>. Acesso em: 16 mai KLINGUELFUS, M. C.; GPRS em Redes de Coletas de Dados Monografia de Pós-Graduação, XI Curso de Especialização em Teleinformática e Redes de Computadores, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, ORACLE. Oracle Software Downloads. Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/indexes/downloads/index.html>. Acesso em: 3 jan. de SIEMENS; TC65 AT Command Set Versão , Siemens, SIEMENS; TC65 Terminal Siemens Cellular Engine Hardware Interface Description Versão , Siemens, SIEMENS; TC65 User s Guide Versão , Siemens, SIMEPAR. Instituto Tecnológico SIMEPAR. Disponível em: <http://www.simepar.br >. Acesso em: 3 jan THIES CLIMA. Instruction for Use Laser Precipitation Monitor, V2.1x STD, Thies Clima, Alemanha. THIES CLIMA. Laser Niederschlags - Monitor (Distrometer). Disponível em: <http://www.thiesclima.com/distrometer.html>. Acesso em: 3 jan

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

RASTREADOR AUTOBRASIL N7

RASTREADOR AUTOBRASIL N7 SUMÁRIO: Manual do Usuário 2 Funcionamento 2 Funcionalidades 2 Sistema 2 Instalação 3 Procedimentos Iniciais 3 Esquema de Instalação 4 Locais de Instalação 4 Operação 5 Funções Técnicas 5 Descrição do

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões

Manual de Instruções. Rastreador Via Satelite para Automóveis e Caminhões Manual de Instruções Manual de Instruções Esta embalagem contém: Módulo AT1000 1 relé de potência 1 alto falante 1 antena GPS 1 antena GSM 1 soquete p/ relé com cabo 1 conector com cabo Manual de instruções

Leia mais

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT Rastreador RST Manual do Usuário Versão 1.3 Rastreador Emissão: Revisão 1.4 Data: 12/03/2012 Número de Páginas 24 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 06/10/2011 1.3 05/10/2011 1.2 19/09/2011

Leia mais

Manual do Usuário Manual: Rev5.3 Equipamento: PRO7N Firmware: P1 Placa: ABA0513

Manual do Usuário Manual: Rev5.3 Equipamento: PRO7N Firmware: P1 Placa: ABA0513 1 Manual do Usuário Manual: Rev5.3 Equipamento: PRO7N Firmware: P1 Placa: ABA0513 A Smartcar agradece sua escolha, em adquirir o novo rastreador PRO7N Funcionamento: Ao detectar movimento ou ligar o veiculo,

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Modem GSM/GPRS MC55iT-BR 78989115288-2

Modem GSM/GPRS MC55iT-BR 78989115288-2 Modem GSM/GPRS MC55iT-BR 78989115288-2 CONFIGURAÇÃO VIA SOFTWARE INTERFACE RS232/RS485 SELECIONÁVEL VIA SOFTWARE RELÓGIO INTERNO TRÊS REBOOTS DIÁRIOS PROGRAMÁVEIS... EXCLUSIVA FUNÇÃO SMS DIRECT SUPORTA

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Manual de Uso e Configuração do Terminal Serial GPRS TSG Introdução O TSG (Terminal Serial GPRS) é uma solução para telemetria

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos Manual Software de Monitoração NHS 3.0 1 Software de Monitoração NHS 3.0 Versão 3.0.30 Manual Software de Monitoração NHS 3.0 2 Sumário 1 Introdução...3 2 Iniciando a Monitoração do Nobreak...4 2.1 Instalando

Leia mais

CONECTO. Tecnologia Java. Rua Henrique Setter, 85 Itoupava Central 89062-440 - Blumenau SC www.cechinel.com.br Página - 1

CONECTO. Tecnologia Java. Rua Henrique Setter, 85 Itoupava Central 89062-440 - Blumenau SC www.cechinel.com.br Página - 1 Apresentação CONECTO Tecnologia Java Página - 1 Sumário 1. Descrição...3 2. Estrutura da comunicação... 4 3. Apresentação...5 4. Funcionamento...6 5. Transmissão das Ocorrências...7 6. Mensagens...8 7.

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso!

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso! Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular Location Based System Monitoramento 24 Horas www.portpac.com.br +55 (16) 3942 4053 Uma parceria de sucesso! SeG Sistemas de Controle Ltda ME CNPJ:

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

www.lojatotalseg.com.br

www.lojatotalseg.com.br Manual do Aplicativo de Configurações J INTRODUÇÃO Este manual visa explicar a utilização do software embarcado do equipamento Prisma. De fácil utilização e com suporte a navegadores de internet de todos

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 Guia de Instalação 1) Instalação do Software Coletor Executar o programa

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais

DIGITAL. Inovando seu futuro! MANUAL DE INSTRUÇÕES TS 9020-T TRANSPORT STREAM MONITOR. Assistência Técnica CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

DIGITAL. Inovando seu futuro! MANUAL DE INSTRUÇÕES TS 9020-T TRANSPORT STREAM MONITOR. Assistência Técnica CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Características Gerais Entrada de Sinal Conector Interface de Saída Conector Configurações mínima do PC Memória HD Porta USB A a H - compatível com TTL (vide Tabela 1) DB 25 -

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR Flash Systems - Manual de Funções do DVR Manual de Funções do DVR Descrevemos aqui as principais funções do DVR. Para acesso, na tela inicial do DVR, clique o botão direito do

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE

SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE Manual do usuário: SEJA BEM VINDO A IWEIC RASTRACK VIA SATÉLITE Atuamos dentro dos mais altos padrões nacionais de qualidade, para cumprir nossa missão de proporcionar a nossos clientes o máximo de dedicação,

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Manual do Aplicativo de Configurações

Manual do Aplicativo de Configurações Registrador Eletrônico de Ponto Manual do Aplicativo de Configurações Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis Código Postal 83.322-010 Pinhais - Paraná

Leia mais

O produto Rastrear Light tem uma funcionalidade que permite a recepção de mensagens SMS (Short Message Service) para acordar do modo sleep.

O produto Rastrear Light tem uma funcionalidade que permite a recepção de mensagens SMS (Short Message Service) para acordar do modo sleep. 1 ÍNDICE Introdução... 2 Configuração da Função SMS... 3 1 INTRODUÇÃO 1.1 FUNÇÃO SMS O produto Rastrear Light tem uma funcionalidade que permite a recepção de mensagens SMS (Short Message Service) para

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

RASTREAR LIGHT QUAD BAND MANUAL

RASTREAR LIGHT QUAD BAND MANUAL RASTREAR LIGHT QUAD BAND MANUAL Versão: 2.6 Data (Mês/Dia/Ano): 02/08/2011 LISTA DE VERSÕES: Versão Data Autor Comentários (dia/mês/ano) 2.6 18/08/2011 Ricardo Graça Liberado. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 10

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Velti Ponto (REP) O Velti Ponto está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 10 modelos que se diferenciam pela tecnologia de identificação (leitores),

Leia mais

Rastreadores Portáteis:

Rastreadores Portáteis: Rastreadores Portáteis: MXT120: Rastreador/comunicador que permite ao usuário, familiares e/ou responsáveis por pessoas que necessitam de cuidados especiais a localização imediata pela Internet, o recebimento

Leia mais

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2 Estação Hidrológica Automática Mod EHA-2 Fabricantes: JCTM Ltda Xi an Chinastar A Estação Hidrológica Automática EHA-2 é composta por: 01 Sensor Pluviométrico Mod SP-3 (JCTM); 01 Sensor Linimétrico Mod

Leia mais

Manual de Instruções Docuware Adminsitrator. Tipo de Documento: MANUAL DE INSTALAÇÃO NEXTEL OTC. Área do Autor: SUPI Suporte e Implantação de Soluções

Manual de Instruções Docuware Adminsitrator. Tipo de Documento: MANUAL DE INSTALAÇÃO NEXTEL OTC. Área do Autor: SUPI Suporte e Implantação de Soluções 1 NEXTEL OTC Autor: Flávio dos Santos Carlos Área do Autor: SUPI Suporte e Implantação de Soluções Data de Criação: 26/05/2011 Última Atualização: 26/05/2011 Versão: 1.0 Este documento descreve os principais

Leia mais

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações Exigências de Sistema 1. Processador Pentium 200MHZ ou mais 2. Windows 98SE, Windows Me, Windows 2000, Windows XP, Windows Vista e Windows 7. 3. 64MB de RAM ou mais. 4. 25MB de espaço livre no disco Significado

Leia mais

Manual de Instalação. BC-2C Módulo GPRS

Manual de Instalação. BC-2C Módulo GPRS Manual de Instalação BC-2C Módulo GPRS INTRODUÇÃO O BC-2C Módulo GPRS Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos:

O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos: Características O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos: --Prisma E - Display alfa numérico (biometria + código de barras); --Prisma F - Display

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

O RVSToolKit é uma ferramenta que permite a configuração dos parâmetros do Rastrear Light utilizando uma porta serial do computador.

O RVSToolKit é uma ferramenta que permite a configuração dos parâmetros do Rastrear Light utilizando uma porta serial do computador. 1 ÍNDICE Introdução... 2 Instalação RVSToolKit... 3 Acessando o RVSToolKit... 4 Acesso ao modo de alteração de dados... 6 Opções do RVSToolKit... 7 1 INTRODUÇÃO 1.1 FERRAMENTO RVSTOOLKIT O RVSToolKit é

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A interface de comunicação WebGate,, permite que controladores programáveis com protocolo ALNET I possam ser conectados a uma rede Ethernet TCP/IP. O WebGate permite que estes controladores

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008)

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO POR GPS DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto. Universidade Federal de Pelotas

Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto. Universidade Federal de Pelotas 768 FACILIDADE DE ACESSO À IMAGENS METEOROLóGICAS Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto Universidade Federal de Pelotas RESUMO Apresenta-se um sistema para multiplicação de acesso imediato e controlado

Leia mais

Rastreador RST-VT. Manual de Instalação RST - VT. Versão 1.4 RST-VT

Rastreador RST-VT. Manual de Instalação RST - VT. Versão 1.4 RST-VT Rastreador Manual de Instalação RST - VT Versão 1.4 Rastreador Emissão: Revisão 1.5 Data: 18/09/2013 Número de Páginas 23 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 18/09/2013 1.5 16/12/2012 1.4

Leia mais

CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn

CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn ...6 CAPA Área de utilização para ilustração MANUAL w-vpn 20/01/2012 Versão 1.4 Sumário 1.0 Pré Requisitos de instalação do w-vpn...2 2.0 Instalação do Serviço...2 3.0 Dicas...8 4.0 Suporte...11 1 1.0

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

W-R2000nl Guia de instalação

W-R2000nl Guia de instalação W-R2000nl Guia de instalação Sumário Introdução...3 Instalação...5 Configurando seu computador...6 Acessando a tela de configurações...7 Configuração de Roteamento...8 Trocando senha de sua rede sem fio...13

Leia mais

Modelo Tecnologia de Identificação Display Impressora. Gráfico; Gráfico; Alfanumérico; Gráfico; Alfanumérico; Alfanumérico; Alfanumérico;

Modelo Tecnologia de Identificação Display Impressora. Gráfico; Gráfico; Alfanumérico; Gráfico; Alfanumérico; Alfanumérico; Alfanumérico; O Velti Ponto está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 10 modelos que se diferenciam pela tecnologia de identificação (leitores), tipo de display

Leia mais

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Apresentação...2 Ligando o terminal...3 Configurações iniciais...3 Configuração de IP...3 Teclas especiais...4 Cabo de rede...4 Leitor externo...4

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader

WL4i Smart. WL4i Smart. Manual do Usuário. Manual do Usuário. 4-Port Enterprise UHF RFID Reader WL4i Smart Capítulo 1 - Introdução ao rádio WaveLabs WL4i O rádio WaveLabs WL4i é um leitor RFID UHF Gen 2 fixo de 4 canais com conectividade cabeada (Ethernet) ou sem fio (WiFi) com o sistema empresarial.

Leia mais

Guia do usuário ITC MANAGER

Guia do usuário ITC MANAGER Guia do usuário ITC MANAGER ITC MANAGER Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000i/ ITC

Leia mais

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral Março 2012 Como o funciona Fluxogramas da visão geral 2012 Visioneer, Inc. (licenciada da marca Xerox) Todos os direitos reservados. XEROX, XEROX and Design e DocToMe são marcas comerciais da Xerox Corporation

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto RICS Remote Integrated Control System Release 2.76 Apresentação do Produto Índice Informações Principais Instalação do RICS Configuração do RICS Introdução Capítulo I Requisitos dos Instrumentos Requisitos

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Manual Operacional SAT TS-1000

Manual Operacional SAT TS-1000 Manual Operacional SAT TS-1000 APRESENTAÇÃO O TS-1000 é o equipamento SAT da Tanca destinado a emissão de Cupons Fiscais Eletrônicos. Equipado com o que há de mais moderno em Tecnologia de Processamento

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM.

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Utilizando Modems GSM Guia Prático Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Luiz Henrique Corrêa Bernardes Cada vez mais estamos envolvidos

Leia mais