UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Curitiba 2011

2 JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Trabalho de conclusão de curso de Engenharia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná. Orientadora: Prof. Dra. Giselle Lopes Ferrari Ronque Curitiba 2011

3 JULIANA PADILHA LEITZKE SISTEMA EMBARCADO PARA USO EM MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER Trabalho apresentado ao curso de Engenharia Elétrica, da Universidade Federal do Paraná, como requisito à obtenção do título de graduação. COMISSÃO EXAMINADORA PROF. DRA. GISELLE LOPES FERRARI RONQUE UFPR PROF. DR. ALESSANDRO ZIMMER UFPR PROF. Ph.D. ANDRÉ AUGUSTO MARIANO UFPR Curitiba 2011

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela possibilidade de desenvolver esse trabalho e pela determinação necessária para concluir o curso de graduação. À minha família pelo apoio durante essa etapa da minha vida. Aos professores que prestaram auxílio durante esse desenvolvimento. Ao Instituto Tecnológico SIMEPAR e seus funcionários, por terem possibilitado minha participação em um de seus projetos.

5 RESUMO Existe a necessidade no SIMEPAR de tornar o sistema de aquisição e transmissão de dados de monitores de precipitação a laser em um equipamento autônomo, sem a necessidade de computadores ligados diretamente ao sensor via cabo. Por isso foi necessária a elaboração de um firmware em Java para uso em um sistema embarcado para coleta remota de dados de um monitor de precipitação a laser da Thies Clima utilizando o módulo GPRS TC65 da Siemens. Também foi feito o desenvolvimento de um software complementar para apresentação gráfica dos dados. Esse projeto irá colaborar para pesquisas meteorológicas desenvolvidas no SIMEPAR. Palavras-chave: sistema embarcado, Java 2 ME, GPRS.

6 ABSTRACT There is a need in SIMEPAR to create a system of data acquisition and transmission of laser monitors rainfall in a stand-alone device, without the need of computers directly connected to the sensor cable. So it was necessary to create a Java firmware for use in an embedded system for remote collection of data from a Thies Clima laser precipitation monitor using Siemens TC65 GPRS module. It was also developed a complementary software for graphical presentation of the data. This project will contribute to weather research carried out in SIMEPAR. Keywords: embbeded system, Java 2 ME, GPRS.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Laser do disdrômetro.. 15 Figura 2 - Disdrômetro Thies Clima..16 Figura 3 - TC Figura 4 - Vista frontal e posterior do terminal...18 Figura 5 - Sistema completo..22 Figura 6 - Diagrama de classes do firmware..23 Figura 7 - Interfaces 27 Figura 8 - Local da instalação. 28 Figura 9 - Nivelamento do disdrômetro..28 Figura 10 - Caixa com os equipamentos de transmissão. 29 Figura 11 - Sistema instalado. 29 Figura 12 - Janela inicial. 30 Figura 13 - Janela com histograma..31 Figura 14 - Janela informativa de ausência de chuva..31 Figura 15 - Dados estatísticos. 31 Figura 16 - Tabela do banco de dados...32 Figura 17 - Fluxograma do software..35

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Modos de operação Tabela 2 Classes de diâmetro

9 LISTA DE SIGLAS Capes DC DSP FTP GPRS GPS GSM HTTP IP Laser M2M SIM SIMEPAR SMS SMTP TCP TDMA UDP WWW Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Direct Current Digital Signal Processor File Transfer Protocol General Packet Radio Service Global Positioning System Global System for Mobile Hypertext Transfer Protocol Internet Protocol Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Machine-to-Machine Subscriber Identity Module Sistema Meteorológico do Paraná Short Message Service Simple Mail Transfer Protocol Transmission Control Protocol Time Division Multiple Access User Datagram Protocol World Wide Web

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER SISTEMA EMBARCADO Estudo dos Comandos Disponíveis AT^SICS AT^SISS AT^SISW AT^SISR AT^SJRA DESENVOLVIMENTO PROGRAMAÇÃO DO TERMINAL Classe Inicial Classe de Comunicação Serial Classe Auxiliar Classe de Tratamento de Dados Classe de Comunicação FTP Classe de Monitoração de Memória Classe para Ajuste de Hora e Data Classe de Monitoração do Sistema INSTALAÇÃO SOFTWARE Tela Inicial Banco de Dados Histograma Dados Estatísticos Classes Classe Inicial Classe de Geração de Janela Classe de Tratamento de Dados Classe do Banco de Dados... 36

11 Classe de Geração do Gráfico Classe de Conexão FTP RESULTADOS TESTES INICIAIS TESTES INTERMEDIÁRIOS TESTES FINAIS CONCLUSÃO E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS... 41

12 12 1 INTRODUÇÃO O Instituto Tecnológico SIMEPAR (Sistema Meteorológico do Paraná) tem por finalidade consolidar uma infra-estrutura física e humana para o provimento de informações (dados e previsões) de natureza meteorológica, hidrológica e ambiental. Além disso, vem atuando na concepção, desenvolvimento e execução de atividades ligadas à pesquisa científica e tecnológica bem como junto à formação e capacitação de pessoal. Existe a necessidade no SIMEPAR de tornar o sistema de aquisição e transmissão de dados em um equipamento autônomo, sem a necessidade de computadores ligados diretamente ao sensor via cabo. O SIMEPAR utiliza módulos GPRS (General Packet Radio Service) TC65 da Siemens para a transmissão de dados de estações meteorológicas e é necessário produzir um sistema embarcado para uso em um dos sensores, o monitor de precipitação a laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation), também chamado de disdrômetro. Esse sistema embarcado deve realizar as funções de receber os dados do disdrômetro pela porta serial, tratar os dados e enviá-los por FTP (File transfer Protocol) para o servidor do SIMEPAR. Será criada pelo SIMEPAR uma rede de disdrômetros pelo Estado do Paraná para a aquisição de dados de intensidade de chuva fornecidos pelo disdrômetro, que servirá para ajustar a refletividade do radar meteorológico em tempo real e posteriormente para pesquisa dos dados por meteorologistas. O disdrômetro tem uma interface serial, porém limita a distância entre ele e o computador. Será necessário o envio de dados a uma distância maior de 300 quilômetros, dos disdrômetros ao centro de operações do SIMEPAR. Por isso optou-se pelo GPRS, já que, onde serão instalados os disdrômetros, a cobertura celular do estado é boa. 1.1 JUSTIFICATIVA A informação disponibilizada, com os dados sobre as gotas de chuva, será utilizada pelos meteorologistas do SIMEPAR para estudos e análises meteorológicas,

13 13 uma vez que através das medidas de diâmetro e velocidade das gotas de chuva é possível especificar qual o tipo de chuva que está acontecendo, não somente a quantidade de chuva, como em um pluviômetro. Com a implementação proposta nesse projeto também é possível alocar disdrômetros por todo o Estado do Paraná. Através desse sistema torna-se possível fazer um ajuste da refletividade do radar meteorológico do SIMEPAR. O radar utilizado é banda S Doppler, modelo DWSR-93S, da EEC Corporation, já com algumas modernizações em seu hardware. Ele está localizado na parte central do Paraná. A refletividade do radar meteorológico, medida em dbz, indica a quantidade de potência emitida que retorna ao radar e é representada, na imagem tratada, por uma escala de cores. A refletividade R, medida em dbz, indica a taxa de quantidade de chuva T, em mm/hr, representada na equação (1). A refletividade também pode ser obtida pela taxa de intensidade de chuva através da equação (2). Esses dados de refletividade obtidos através do radar são utilizados para: - monitorar a precipitação, vento e granizo; - estimar a intensidade de chuva; e - previsão meteorológica em curto prazo, de no máximo três horas, usando essas observações aliadas a imagens de satélite e outros sistemas. 1.2 OBJETIVO O objetivo geral desse trabalho é desenvolver um sistema embarcado para ser utilizado em monitores de precipitação a laser com a finalidade de proporcionar que um

14 14 sistema desses equipamentos possa ser distribuído pelo Paraná, enviando informações de forma wireless e as disponibilizando de forma gráfica. Os equipamentos utilizados foram disponibilizados pelo SIMEPAR, sendo a contribuição da aluna para esse trabalho o desenvolvimento de um programa em Java 2 ME para o terminal e o desenvolvimento de um programa em Java para uso em computador.

15 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Alguns conceitos que devem ser passados são sobre os equipamentos e plataformas utilizadas para o projeto. 2.1 MONITOR DE PRECIPITAÇÃO A LASER O monitor de precipitação a laser, disdrômetro, serve para medir e detectar o tipo, a intensidade e a quantidade de diferentes precipitações, como chuvisco, chuva, granizo, neve e uma mistura de diferentes tipos de precipitação. O disdrômetro possui um laser que é emitido em um dos lados do sensor e no outro lado fica o receptor, um fotodiodo que mede a intensidade ótica do sinal, transformando em um sinal elétrico. Quando uma precipitação passa pela luz, o sinal recebido é reduzido. O diâmetro da partícula é calculado pela amplitude da redução. Já a velocidade da partícula é obtida pela duração do sinal reduzido. Os sinais medidos são processados por um DSP (Digital Signal Processor). O tipo de precipitação é obtido em comparação desses dados com dados estatísticos de diâmetro e velocidade. Além disso, ainda é verificada a temperatura para melhorar essa identificação. A Figura 1 apresenta uma ilustração do laser emitido pelo disdrômetro, capaz de efetuar as medidas de diversos tipos de precipitação. Figura 1 - Laser do disdrômetro. Fonte: Thies Clima.

16 16 A interface de saída do disdrômetro é uma porta RS485 full duplex com baudrate ajustável de 1200 até Na Figura 2 é apresentada uma imagem desse equipamento. Figura 2 - Disdrômetro Thies Clima. Fonte: Thies Clima. A precisão dos mais importantes tipos de precipitação medidos por esse equipamento são os seguintes: - Chuva: >99% (>= 2 partículas/minuto, sem precipitação sólida). - Granizo: >95% (>= 2 partículas/minuto). - Neve: >99% (sem outras precipitações). Nesse disdrômetro, os dados são memorizados por um minuto e então transmitidos via serial. Como não existe a necessidade dos meteorologistas do SIMEPAR de receberem todos os dados gerados, deve ser feito um tratamento de quais os dados serão transmitidos.

17 SISTEMA EMBARCADO Existem diversas tecnologias disponíveis para a comunicação celular, porém o módulo utilizado nesse trabalho opera com GSM (Global System for Mobile). A utilização desse módulo pelo SIMEPAR já foi justificada por Klinguelfus (2005). O SIMEPAR já disponibiliza de vários terminais TC 65 Siemens comercializados pela DuoDigit, sendo esse o motivo principal de sua utilização nesse projeto. O terminal utilizado possui uma plataforma de desenvolvimento em Java 2 ME, uma versão do Java específica para sistemas embarcados. Ele opera GSM com GPRS(General Packet Radio Service), podendo ser integrado em aplicações M2M (Machine-to-Machine). O padrão GSM possibilitou a digitalização do telefone celular e junto com o GPRS possibilita o acesso à Internet em uma tecnologia que transporta dados por pacotes com protocolo IP (Internet Protocol). Figura 3 - TC65. Fonte: DuoDigit. Na Figura 3 acima é apresentado o terminal visto externamente. O módulo possui um processador ARM Core, com memória RAM de 400 KB e 1.7MB de memória flash. Suas interfaces de saída são duas portas DB9, protocolo ITU-T V.24, chamadas ASC1 e ASC0. Sua alimentação é de 12 V DC e possui um conector para a

18 18 antena, assim como dois conectores para cartão SIM, um interno e outro externo. Opera com GSM Quad-Band de 850/900/1800/1900 MHz e GPRS classe 12. A seguir na Figura 4 é possível ver o esquema das interfaces disponíveis externamente no terminal utilizado. Figura 4 - Vista frontal e posterior do terminal. 1 Conector para antena. 2 Porta serial. 3 Led de energizado. 4 Led de status. 5 Led de configuração. 6 Cartão SIM. 7 Botão liga/desliga/configuração.

19 19 8 Alimentação. 9 Conexão USB. 10 Porta Serial. Os modos de operação do terminal são apresentados na Tabela 1, seguidos de uma breve explicação. Tabela 1 Modos de operação. Desligado O terminal fica desligado, ou seja, interfaces e software não disponíveis. Operação Normal GSM/GPRS Sleep É ativado o modo de baixo consumo de energia. GSM Idle GSM Talk GPRS Idle GPRS Data Software ativo e terminal pronto para enviar e receber dados. Conexão em andamento. Terminal pronto para envio ou recepção de dados GPRS, mas nenhuma transmissão está ocorrendo. Transferência GPRS em andamento. Modo Avião Todas as funções GSM/GPRS ficam indisponíveis Estudo dos Comandos Disponíveis O módulo utilizado já possui uma plataforma com diversos comandos que servem de auxílio para o desenvolvimento, esses comandos estão disponíveis no manual da Siemens. Muitos deles servem de auxílio nas implementações em Java para os serviços de Internet. Esses comandos foram testados em um Hyper Terminal no computador, ao conectá-lo via serial.

20 20 Para o uso desses comandos no programa desenvolvido em Java 2 ME no terminal, foi utilizada a classe abaixo. protected synchronized boolean sendat(string command, String expect) { try { String response = ata.send(command + "\r"); if (response.indexof(expect) >= 0) { return true; } else { Logger.error(CLASSNAME, "Erro response sendat: "+command+" - "+response); } } catch (ATCommandFailedException e) { Logger.error(CLASSNAME, "Erro sendat: "+command); return false; } return false; } AT^SICS Através desse comando são feitas as configurações para a conexão de Internet. São definidos os parâmetros obrigatórios de tipo de conexão, usuário, senha e endereço de ponto de acesso, além de outros parâmetros opcionais. Após ser configurada, a conexão é aberta com o uso do comando AT^SICO e encerrada com AT^SICC. A seguir é apresentado um breve exemplo de como esse comando é utilizado no Java 2 ME. Sendo apn o ponto de acesso, user o usuário e pass a senha. sendat("at^sics=0,contype,gprs0", "OK"); sendat("at^sics=0,inactto,\"0\"", "OK"); sendat("at^sics=0,alphabet,\"1\"", "OK"); sendat("at^sics=0,apn,\""+apn+"\"", "OK"); sendat("at^sics=0,user,"+user, "OK"); sendat("at^sics=0,passwd,"+pass, "OK"); AT^SISS Nesse comando são definidos padrões para serviços de Internet, como FTP, HTTP e SMTP. No caso do FTP, por exemplo, é obrigatória a definição de tipo de serviço, perfil definido de conexão de Internet a ser utilizado e endereço para o servidor FTP. O serviço é aberto pelo uso do comando AT^SISO e fechado com AT^SISC.

21 21 A seguir é possível verem um exemplo simplificado como é feita a configuração do serviço FTP com o uso desse comando no Java 2 ME. sendat("at^siss=1,srvtype,\"ftp\"", "OK") sendat("at^siss=1,alphabet,\"1\"", "OK"); sendat("at^siss=1,conid,\"0\"", "OK"); ta/" + arquivo + ";type=i\"", "OK") AT^SISW É utilizado para escrita ou upload. Ele é usado após ter sido feita a conexão com a Internet e com o serviço a ser empregado AT^SISR Comando utilizado para leitura de dados ou download. Também deve ser usado após ter sido feita a conexão com a Internet e com o serviço a ser empregado AT^SJRA Usado para executar aplicações Java no módulo.

22 22 3 DESENVOLVIMENTO abaixo. O sistema completo elaborado nesse trabalho é esquematizado na Figura 5 Figura 5 - Sistema completo. 3.1 PROGRAMAÇÃO DO TERMINAL A linguagem de programação suportada pelo terminal e utilizada para esse trabalho é a Java, uma linguagem de programação orientada a objetos da Sun Microsystems, empresa da Oracle Corporation. O firmware foi desenvolvido utilizando as ferramentas Java 2 ME e Netbeans, distribuídos pela Oracle. O módulo TC65 é capaz de enviar as informações através de porta serial RS232, SMS (Short Message Service), e também dos mais diversos serviços na Internet, como FTP ou SMTP (Simple Mail Transfer Protocol). A Siemens disponibiliza bibliotecas específicas para auxiliar a programação de seu módulo TC65. Essas bibliotecas foram utilizadas, além das bibliotecas já disponibilizadas como padrão para o Java 2 ME.

23 23 Na Figura 6 é apresentado um breve diagrama de classes do firmware desenvolvido para o terminal. Figura 6 - Diagrama de classes do firmware Classe Inicial Essa é uma classe MIDlet e é a primeira a ser chamada na execução do programa. Ela inicializa variáveis e outras classes que serão utilizadas. São iniciadas as classes thread (multiprocessamento) de ajuste de hora e data, controle de memória disponível, monitoração do sistema, comunicação FTP e comunicação serial. Métodos: Construtor Inicia variáveis de configuração. StartApp Inicia threads: Ajuste de hora e data Controle de memória disponível Monitoração do sistema Comunicação FTP Comunicação serial

24 Classe de Comunicação Serial A classe para a comunicação serial é implementada como thread. Essa classe é a última a ser chamada pelo principal, devendo ficar em loop por todo o tempo para captar os dados que chegarem do disdrômetro. Ela verifica se a mensagem está completa e capta os caracteres de informações até receber o aviso de final de mensagem, então chama a classe auxiliar, enquanto permanece verificando a chegada de novos dados. Métodos: Construtor Configura serial. Run Abre comunicação, fica em loop e recebe os dados, ao recebê-los aciona classe auxiliar Classe Auxiliar É uma classe chamada dentro da classe de comunicação serial após ter sido recebida uma leitura completa do disdrômetro. Ela coloca os dados na fila do vetor, notificando para a próxima classe thread, a de tratamento de dados. Métodos: Construtor Leitura Fila do vetor e notificação à classe de tratamento de dados Classe de Tratamento de Dados É uma classe thread que faz o tratamento dos dados para envio, criando um novo vetor. Esse vetor sincronizado chama a classe para a comunicação FTP. O módulo só envia 1500 bytes por vez, por isso uma simplificação foi necessária após a seleção dos dados. No tratamento são retirados os dados que não são importantes para os meteorologistas e na simplificação são retirados caracteres desnecessários para manter a informação, como o separador ;. Métodos: Construtor

25 25 Run São retirados os dados desnecessários, assim como o separador ;. São obtidos os bytes dos dados e colocados em um novo vetor. É notificada a classe para envio FTP Classe de Comunicação FTP Essa comunicação é feita por eventos, utilizando a classe ATEvent disponíveis na biblioteca da Siemens. Isso deve ser utilizado, já que é necessário esperar uma resposta nos eventos da comunicação. Aqui é feita a configuração do serviço FTP, é definido o título do documento com base na data e na hora e é feito o envio do documento. Métodos: Construtor Configuração de conexão. FTP Envio FTP. ATEvent Recebe o evento de resposta do módulo para o envio FTP Classe de Monitoração de Memória Nos testes iniciais foi reparado um problema de memória após cerca de meia hora de execução do programa, que ocasionava em um travamento do sistema. Por isso foi criada uma classe thread para monitorar e limpar a memória periodicamente. Métodos: Construtor Run Loop que libera a memória periodicamente Classe para Ajuste de Hora e Data O SIMEPAR disponibiliza um endereço na Internet com a data e o horário UTC (Coordinated Universal Time) em tempo real. Foi elaborada uma classe thread no firmware, aliada a uma classe que faz a organização do formato de data e hora para posteriormente enviar ao módulo por comandos AT.

26 26 A classe thread para ajuste de hora estabelece uma conexão por HTTP com o endereço do servidor de data e hora do SIMEPAR. Após ser efetuada a leitura ele envia o comando de ajuste para o módulo. O módulo apresentou um problema para o ajuste de horário, pois ele não efetuava o ajuste todas as vezes que solicitado, mesmo após ter sido enviado o comando correto. Devido a esse defeito do módulo, é feita uma verificação da data e hora ajustada. Caso esteja incorreta ele efetua outra tentativa daqui a um minuto. Isso é feito três vezes até que o módulo seja reiniciado. Caso a hora seja ajustada de maneira correta, o próximo ajuste ocorrerá em um dia. Métodos: Construtor Run Conecta HTTP com o Simepar para ler data e hora UTC. Faz o ajuste do módulo uma vez ao dia Classe de Monitoração do Sistema Essa classe auxilia a verificação do funcionamento do sistema. Caso ele permaneça em uma mesma função por cinco minutos, o módulo é reiniciado. É elaborada utilizando a classe Watchdog, que faz parte da biblioteca disponibilizada pela Siemens. Métodos: Start Inicia Watchdog e a run(). Check Verifica estado da SerialDisdrometro e FtpDisdrometro. Run Reinicia a contagem de cinco minutos. 3.2 INSTALAÇÃO O sistema foi montado na estação meteorológica do SIMEPAR do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná. Na Figura 7 a seguir é possível ver um esquema de como foram conectados o sensor, que é o disdrômetro, e o terminal de transmissão, módulo TC65.

27 27 Figura 7 - Interfaces A seguir são apresentadas algumas imagens de processo de instalação do sistema. Na Figura 8 é possível ver o local onde foi feita a instalação, com o suporte pronto para início da montagem.

28 28 Figura 8 - Local da instalação. Na Figura 9 é apresentado o procedimento de nivelamento do disdrômetro, para garantir seu correto posicionamento na hora de fixá-lo ao suporte. Figura 9 - Nivelamento do disdrômetro.

29 29 Na Figura 10 tem-se a caixa de plástico onde foram armazenados os equipamentos: módulo, adaptador, conversor, fonte de alimentação e demais cabos necessários. Figura 10 - Caixa com os equipamentos de transmissão. Figura 11 - Sistema instalado.

30 30 A Figura 11 mostra o sistema após sua instalação, com a antena posicionada do lado de fora da caixa que abriga os demais equipamentos. 3.3 SOFTWARE O software foi desenvolvido também em Java, com auxílio da biblioteca JFreeChart, que serve de apoio para desenvolvimento de gráficos. Esse software possibilita ao usuário a visualização dos dados coletados pelo disdrômetro e armazenados no servidor Tela Inicial A janela inicial do software apresenta um espaço para o preenchimento do intervalo de data e hora para a visualização dos dados e é apresentada na Figura 12. Figura 12 - Janela inicial. Caso a opção Gráfico esteja selecionada e tenha sido feita a medida de chuva naquele período, o software retornará uma janela com o histograma dos respectivos valores de diâmetros, que pode ser visto na Figura 13.

31 31 Figura 13 - Janela com histograma. Se não existir chuva no período, o programa apenas retornará uma janela com a informação Sem chuva, conforme visto na Figura 14. Figura 14 - Janela informativa de ausência de chuva. Caso a opção Dados Estatísticos esteja selecionada e tenham sido efetuadas medidas no período, será retornada a janela da Figura 14, com as informações de média e desvio padrão no período. Figura 15 - Dados estatísticos.

32 Banco de Dados Para armazenar os dados foi utilizado um banco de dados MySQL. É feita a verificação nesse banco para verificar se já existem os dados da data e hora fornecidas pelo usuário. Se não existir é feita a busca no FTP e um insert no banco, se existir é feito um select para leitura desses dados. Abaixo é vista a estrutura da tabela na Figura 16. Figura 16 - Tabela do banco de dados Histograma O histograma apresentado pelo programa é elaborado através da separação dos dados por classes de diâmetro, conforme são apresentados pelo próprio disdrômetro. Na tabela a seguir são apresentadas essas classes.

33 33 Tabela 2 Classes de diâmetro. Classe Diâmetro [mm] Classe Diâmetro [mm] Fonte: Thies Clima Dados Estatísticos A média e o desvio padrão são feitos utilizando o valor médio de cada intervalo de classe de diâmetro apresentado na Tabela 1 para o cálculo. A média é obtida pela Equação (3) e o desvio padrão pela Equação (4).

34 34 Sendo: - a média; - o desvio padrão; - o índice que representa a classe de diâmetro; - o total de pingos de chuva medidos para o diâmetro ; e - o diâmetro médio para a classe de diâmetro Classes O software elaborado possui cinco classes: a classe inicial, a de geração da janela principal, a de tratamento dos dados, a que trabalha com o banco de dados, a de geração de gráfico e a de conexão FTP. O fluxograma simplificado do software é apresentado na Figura 17.

35 Figura 17 - Fluxograma do software. 35

36 Classe Inicial da janela inicial. Na classe inicial é aquela que inicia o programa e chama a classe de geração Classe de Geração de Janela É configurada e apresentada a janela inicial do programa, que tem as entradas de dados: texto para o usuário inserir o intervalo de medidas que deseja, dois campos para seleção das opções de geração de gráfico e de dados estatísticos e um botão para gerar a opção selecionada. Métodos: - Construtor - Janela: Configura os parâmetros a serem apresentados na janela e a apresenta ao usuário Classe de Tratamento de Dados Na classe de tratamento de dados estão os métodos para leitura dos dados recebidos do servidor e para geração dos dados estatísticos. Métodos: - Construtor - Leitura: É feita a leitura dos dados do arquivo. - Estatística: São feitos os cálculos de média e desvio padrão Classe do Banco de Dados A comunicação necessária com o banco de dados local é realizada nessa classe, como o envio dos comandos de SELECT e INSERT. Métodos: - Construtor - Select: Faz a seleção do arquivo no banco de dados. - Insert: Insere os dados no banco de dados.

37 Classe de Geração do Gráfico A geração do histograma é feita nessa classe com a utilização da biblioteca JFreeChart. Métodos: - Construtor - Gráfico: Gera o gráfico com os dados do diâmetro Classe de Conexão FTP A conexão FTP é realizada nessa classe, fazendo o download do arquivo se necessário. Métodos: - Construtor - FTP: Abertura da conexão FTP, transferência de dados e fechamento da conexão.

38 38 4 RESULTADOS Os testes foram realizados ao longo de seu desenvolvimento. Nos itens a seguir são apresentados os testes e os requisitos que deveriam ser atingidos para seu resultado positivo. 4.1 TESTES INICIAIS Estes testes foram realizados ao longo do estudo dos comandos disponibilizados pelo módulo e também no desenvolvimento do programa a ser utilizado no módulo TC65. Na primeira parte tinha como propósito apenas verificar o funcionamento dos comandos AT. Depois, ao longo do desenvolvimento da programação em Java, os testes realizados foram através da compilação do próprio software Netbeans, apenas verificando a existência de erros. 4.2 TESTES INTERMEDIÁRIOS Testes realizados na conexão do sistema incluindo módulo TC65 e disdrômetro Thies Clima. Sua saída RS485 half duplex foi conectada a um adaptador RS232/RS485 da Henry e conectado à porta serial do computador. Foi configurado um Hyper Terminal para fazer a recepção dos dados. As configurações de fábrica desse equipamento especificam um baudrate de 9600, oito bits de dados, sem paridade e um bit de parada. Assim foi verificado o funcionamento do disdrômetro, com a chegada de dados a cada minuto. Para conectá-lo ao módulo, foi necessário também colocar um adaptador que invertesse os pinos dois e três da RS232 vinda do disdrômetro, para que os dados transmitidos por ele fossem interpretados como dados de recepção na porta serial do módulo. Após a verificação do funcionamento correto, verificando trinta medições do disdrômetro com aquelas recebidas no FTP, o disdrômetro e o módulo ficaram no laboratório para testes por duas semanas sem serem desligados. Durante os testes foram

39 39 observados problemas com a memória do módulo, surgindo a necessidade da classe de monitoração de memória. 4.3 TESTES FINAIS Os testes finais foram realizados após a elaboração do software, sendo feito com a integração do sistema completo. Foi feita a verificação comparando as informações recebidas no FTP e aquelas que constam nos gráficos e estatísticas, foram verificadas trinta medições, obtendo um resultado igual para o total de gotas de chuva por diâmetro apresentados no gráfico e nos dados.

40 40 5 CONCLUSÃO E TRABALHOS FUTUROS Os objetivos do trabalho foram atingidos, sendo elaborado o primeiro protótipo do sistema a ser implantado pelo SIMEPAR. O trabalho da aluna foi importante para a instituição, fazendo possível o funcionamento do terminal TC65 para uso no disdrômetro, assim como disponibilizando um software para melhor apresentação dos dados aos funcionários. O sistema desenvolvido está sendo atualmente utilizado no SIMEPAR pelos meteorologistas para realizarem estudos pertinentes dos dados coletados. Está instalado na estação meteorológica do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná e em breve também estará também presente em outras estações. Esse trabalho será importante para outros projetos realizados no SIMEPAR, como o estudo dos dados meteorológicos e o estudo do ajuste da refletividade do radar através do sistema de disdrômetros.

41 41 REFERÊNCIAS DUO DIGIT; Terminal Java TC65. Disponível em: <http://www.duodigit.com.br/downloads/catalogo-duodigit-terminal-javatc65/download_pt.html>. Acesso em: 24 mar JFREE; JFreeChart. Disponível em: <http://www.jfree.org/jfreechart>. Acesso em: 16 mai KLINGUELFUS, M. C.; GPRS em Redes de Coletas de Dados Monografia de Pós-Graduação, XI Curso de Especialização em Teleinformática e Redes de Computadores, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, ORACLE. Oracle Software Downloads. Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/indexes/downloads/index.html>. Acesso em: 3 jan. de SIEMENS; TC65 AT Command Set Versão , Siemens, SIEMENS; TC65 Terminal Siemens Cellular Engine Hardware Interface Description Versão , Siemens, SIEMENS; TC65 User s Guide Versão , Siemens, SIMEPAR. Instituto Tecnológico SIMEPAR. Disponível em: <http://www.simepar.br >. Acesso em: 3 jan THIES CLIMA. Instruction for Use Laser Precipitation Monitor, V2.1x STD, Thies Clima, Alemanha. THIES CLIMA. Laser Niederschlags - Monitor (Distrometer). Disponível em: <http://www.thiesclima.com/distrometer.html>. Acesso em: 3 jan

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000

MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000 MANUAL TÉCNICO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO DE FIRMWARE P/ FAMÍLIA WOM 5000 1. Introdução Eventualmente, caso o WOM 5000 seja desligado no meio de uma atualização de firmware ou restauração de backup (mesmo

Leia mais

Transferência de Arquivo: Protocolo FTP

Transferência de Arquivo: Protocolo FTP Para iniciar uma sessão FTP (File Transfer Protocol) típica e acessar uma conta, o usuário deve fornecer uma identificação e uma senha; Após a identificação o usuário pode realizar operações de transferência

Leia mais

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW "Este artigo tem como proposta apresentar uma plataforma para monitoramento

Leia mais

DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65. Manual

DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65. Manual DGA21 SISTEMA FIXO COM SUPERVISÓRIO PARA DETECÇÃO DE GASES NOCIVOS E AMÔNIA IP 65 Manual Apresentação DGA21 Sistema Fixo com Supervisório para Detecção de Gases Nocivos e Amônia foi desenvolvido para atender

Leia mais

Manual DETECTOR NH (11) (62) (11) (62)

Manual DETECTOR NH (11) (62) (11) (62) Manual DETECTOR NH3 1 APRESENTAÇÃO PHANTOM 2000 Sistema Detector Digital de NH3 foi desenvolvido para atender a NR 36 promovendo assim a avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades

Leia mais

IPS 7.X: Autenticação de login de usuário usando ACS 5.X como o exemplo da configuração de servidor RADIUS

IPS 7.X: Autenticação de login de usuário usando ACS 5.X como o exemplo da configuração de servidor RADIUS IPS 7.X: Autenticação de login de usuário usando ACS 5.X como o exemplo da configuração de servidor RADIUS Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Configurar

Leia mais

Arquitetura do Microcontrolador Atmega 328

Arquitetura do Microcontrolador Atmega 328 Governo do Estado de Pernambuco Secretaria de Educação Secretaria Executiva de Educação Profissional Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães ETEPAM Arquitetura do Microcontrolador Atmega

Leia mais

Comissionamento RBS6000 LTE. Elaborado por FERNANDO SOUZA SUPORTE N3 Em Março/2015

Comissionamento RBS6000 LTE. Elaborado por FERNANDO SOUZA SUPORTE N3 Em Março/2015 Comissionamento RBS6000 LTE Elaborado por FERNANDO SOUZA SUPORTE N3 Em Março/2015 Utilizar os seguintes programas: Hyper Terminal WS_FTP LE (PACOTE BÁSICO) The Personal FTP Server (UPGRADE) RBS Element

Leia mais

Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection)

Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection) Proxy e FIREWALL Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection) As primeiras gerações de firewall eram ditos "stateless". Cada pacote é analisado individualmente, sem levar em conta pacotes anteriores

Leia mais

Winstep Nexus Dock Guia de Instalação e utilização básica. Desenvolvido por: Leonardo Marques dos Santos

Winstep Nexus Dock Guia de Instalação e utilização básica. Desenvolvido por: Leonardo Marques dos Santos Winstep Nexus Dock Desenvolvido por: Leonardo Marques dos Santos leonardo.marques.dos.santos@hotmail.com Índice: 1. Objetivos deste manual [Pág. 2] 2. Processo de download e instalação[pág. 3 à 2.1 Requisitos

Leia mais

Manual de Instrução Módulo de Configuração

Manual de Instrução Módulo de Configuração Manual de Instrução Módulo de Configuração NetControl Pacote 49 Versão 2.1 Data 31/01/2017 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Configuração do Módulo... 3 2.1 Configuração do Assistente de Configuração...

Leia mais

Módulo de Conversão Serial-Ethernet

Módulo de Conversão Serial-Ethernet Descrição do Produto O módulo de comunicação é a interface de comunicação da Série FBs que realiza a conversão Serial- Ethernet. Realizando a conversão destes sinais de uma rede RS-485 para Ethernet este

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP

Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Aplicação da Arquitetura TCP/IP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Modbus Wireless. Site: - V 1.0 IEEE REV

Modbus Wireless. Site:  -   V 1.0 IEEE REV Modbus Wireless V 1.0 IEEE 802.15.4 REV 01-02082016 Fractum Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA - Av. Antônio Américo Junqueira 335 Pôr do Sol - Santa Rita do Sapucaí-MG - CEP 37540-000

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Terminal de Operação Cimrex 90

Terminal de Operação Cimrex 90 Descrição do Produto O Cimrex 90 agrega as mais novas tecnologias e a mais completa funcionalidade de terminais de operação. Possui visor de cristal líquido gráfico colorido com matriz ativa de 10,4. O

Leia mais

Arquitetura da Internet TCP/IP

Arquitetura da Internet TCP/IP Arquitetura da Internet TCP/IP A Internet Internet é a rede mundial de computadores, à qual estão conectados milhões de computadores do mundo todo; A idéia de concepção de uma rede mundial surgiu nos Estados

Leia mais

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP:

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: IT LOG 80 Datalogger Manual do Usuário Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: 03059-023 Tel: (55 11) 3488-0200 Fax:(55 11) 3488-0208 vendas@instrutemp.com.br www.instrutemp.com.br Registrador

Leia mais

Figura 1. Click Aqui. Deixe em BPSK

Figura 1. Click Aqui. Deixe em BPSK Manual de Instalação UPORTE TÉCNICO Este manual é para instalação da Interface para Emissões Digitais SMART. No caso deste produto, as dúvidas se resume apenas em solucionar problemas referentes à instalação

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Ajuste o nome do grupo de trabalho para ser o Domain

Leia mais

Gradual Tecnologia Ltda

Gradual Tecnologia Ltda Gradual Tecnologia Ltda Geral:... 2 Conhecendo o produto:... 3 Montagem do Dualtech CPU RS-485/TCP-IP... 5 Montagem Dualtech em MODO TCP-IP (Prisma)... 7 Montagem Dualtech em MODO RS-485 (Las Vegas)...

Leia mais

PlantVisor PRO - Supervisão e. PlantVisorPRO2. Gerenciamento de Dispositivos

PlantVisor PRO - Supervisão e. PlantVisorPRO2. Gerenciamento de Dispositivos PlantVisor PRO - Supervisão e PlantVisorPRO2 Gerenciamento de Dispositivos PlantVisorPRO2 Uma poderosa solução em um produto muito fácil de usar. Controle & Gerenciamento de Plantas. Soluções integradas

Leia mais

ZEUS STUDIO V2.11 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER

ZEUS STUDIO V2.11 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER ZEUS STUDIO V2.11 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 ZEUS STUDIO V2.11 - FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

1. Operações iniciais Configuração do endereço IP do PC

1. Operações iniciais Configuração do endereço IP do PC SENTRON PAC3200/4200 Comunicação do SENTRON PAC3200/4200 com o PC Rodrigo Peres - 27/01/2014 Objetivo: Estabelecer comunicação com o PAC3200/4200 com o Software Powerconfig Aviso: Este documento apresenta

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 2 Conceitos em Comunicação de Dados

Leia mais

Encaixe da importação RDP ASA 8.x para o uso com exemplo de configuração WebVPN

Encaixe da importação RDP ASA 8.x para o uso com exemplo de configuração WebVPN Encaixe da importação RDP ASA 8.x para o uso com exemplo de configuração WebVPN Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Etapa 1. Obtenha o plug-in de Java

Leia mais

Procedimentos para configuração de WDS With AP

Procedimentos para configuração de WDS With AP Procedimentos para configuração de WDS With AP No modo WDS with AP, o DWL-2100AP se conecta a várias redes, embora ainda funcionando como um Access Point wireless. WDS (Wireless Distribution System) permite

Leia mais

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

28. COMUNICAÇÃO WIRELESS

28. COMUNICAÇÃO WIRELESS 28. COMUNICAÇÃO WIRELESS Nos chips das famílias 1, 2, 3 e 4, a comunicação wireless é feita através dos tranceivers da Chipcom. As famílias CC tem diversos dispositivos, com freqüências de atuação desde

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO KIT MERCURIOIV OSCILOSCÓPIO E GERADOR DE SINAIS Revisão 02 agosto/2013 Versão do Firmware: 1.4.6 Versão do software Osciloscópio para Windows: 1.4.1 1. Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

Placa de desenvolvimento USB AFSmartBoard utiliza PIC18F4550 da Microchip, microcontrolador com o Flash 32kb, 2048 bytes de memória RAM

Placa de desenvolvimento USB AFSmartBoard utiliza PIC18F4550 da Microchip, microcontrolador com o Flash 32kb, 2048 bytes de memória RAM Guia rápido AFSmart Board PIC18F4550-I/P Placa de desenvolvimento USB AFSmartBoard utiliza PIC18F4550 da Microchip, microcontrolador com o Flash 32kb, 2048 bytes de memória RAM Características Placa para

Leia mais

Wireless N 300 ADSL2+ Router GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

Wireless N 300 ADSL2+ Router GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA Wireless N 300 ADSL2+ Router GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CONTEÚDO DA EMBALAGEM CONTEÚDO Wireless N 300 ADSL2+ Router PORTUGUÊS ADAPTADOR DE ENERGIA ADAPTADOR CABO ETHERNET (CABO RJ-45) CONECTE O MODEM NO

Leia mais

Manual Básico de Configuração para Acesso Remoto ao Portal de Periódicos CAPES Versão 1.0

Manual Básico de Configuração para Acesso Remoto ao Portal de Periódicos CAPES Versão 1.0 Manual Básico de Configuração para Acesso Remoto ao Portal de Periódicos CAPES Versão 1.0 NTI Núcleo Técnico de Informações Março/2012 Manual Básico de Configuração para Acesso Remoto ao Portal de Periódicos

Leia mais

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI A Internet é um sistema extremamente complicado e que possui muitos componentes: inúmeras aplicações e

Leia mais

SYS.003.MAN.004 MANUAL. Quick Start Guide Flexcomm3 FC3-GE24-1 Quadband GPRS Modem MANUAL DE CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO FC3-GE24-1.

SYS.003.MAN.004 MANUAL. Quick Start Guide Flexcomm3 FC3-GE24-1 Quadband GPRS Modem MANUAL DE CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO FC3-GE24-1. 1 de 22 CONTROLE DE VERSÕES Rev. Data Alterações Autor Aprovação 1 25/10/11 Versão Inicial Mauricio Mauricio 2 04/10/12 Atualização de Diagramas Ricardo Mauricio 3 17/10/13 Atualização de Especificações

Leia mais

Parte I: Introdução. O que é a Internet. Nosso objetivo: Visão Geral:

Parte I: Introdução. O que é a Internet. Nosso objetivo: Visão Geral: Parte I: Introdução Tarefa: ler capítulo 1 no texto Nosso objetivo: obter contexto, visão geral, sentimento sobre redes maior profundidade e detalhes serão vistos depois no curso abordagem: descritiva

Leia mais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link E1, com 30 canais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link E1, com 30 canais USER MEDIA GATEWAY COM 4 ETHERNET GIGA Principais Características Aplicações Típicas 4 portas de redes Ethernet Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link, com 30 canais por rede IP.

Leia mais

Manual do usuário M Parabéns,

Manual do usuário M Parabéns, Manual do usuário M-300+ Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade JFL Alarmes produzido no Brasil com a mais alta tecnologia de fabricação. Este manual mostra todas as funções do equipamento.

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01

Leia mais

SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO

SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO Gabriel Manoel da Silva Orientador: Prof. Dr. Fernando Rangel de Sousa Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Março de 2015 Sumário 1.

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I)

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e

Leia mais

Conhecimento do Firewall da ferramenta de segurança (ASA) e do ASDM adaptáveis. Conhecimento do dispositivo da potência de fogo.

Conhecimento do Firewall da ferramenta de segurança (ASA) e do ASDM adaptáveis. Conhecimento do dispositivo da potência de fogo. Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Configurar a política do arquivo para o /Network ampère do controle de arquivos Configurar o controle de acesso do

Leia mais

Nota Técnica. Podemos fazer a comunicação OPC de duas formas: através da porta serial ou pela porta Ethernet.

Nota Técnica. Podemos fazer a comunicação OPC de duas formas: através da porta serial ou pela porta Ethernet. Nota Técnica Assunto: Utilizar o recurso UniOPC com o Elipse E3. Objetivo: Descrever o procedimento para utilizarmos o UniOPC com o Vision 570 e o Elipse E3. 1 INTRODUÇÃO Podemos fazer a comunicação OPC

Leia mais

TOTVS Utilização dos Aplicativos. Arquitetura e Instalação

TOTVS Utilização dos Aplicativos. Arquitetura e Instalação Arquitetura e Instalação Sumário 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos do Treinamento... 3 1.2 TOTVS Application Server... 3 1.3 TOTVS SmartClient... 4 1.4 TOTVS DbAccess Monitor... 5 2 TOTVS SmartClient

Leia mais

Você precisa de executar uma fábrica de Cisco DCM restaurada caso que alguns dos seguintes eventos ocorrem:

Você precisa de executar uma fábrica de Cisco DCM restaurada caso que alguns dos seguintes eventos ocorrem: Índice Introdução Informações de fundo Como executar uma fábrica restaurou em Cisco DCM? Restauração remota da fábrica GUI Reiniciando o sistema Configuração DCM Restauração local D9900/D9901 da fábrica

Leia mais

INTRODUÇÃO A TV DIGITAL

INTRODUÇÃO A TV DIGITAL INTRODUÇÃO A TV DIGITAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO A TV DIGITAL DEFINIÇÃO EMISSORA DE TV ABERTA...02 TRANSMISSÃO ANALÓGICA...03 MULTIPERCURSO...04 TRANSMISSÃO DIGITAL...07 TRANSMISSÃO DE ALTA QUALIDADE...08

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR INTELBRAS IWR-3000N

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR INTELBRAS IWR-3000N MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR INTELBRAS IWR-3000N AVISO IMPORTANTE CARO CLIENTE, A NAXI FIBRA disponibiliza em sua residência/empresa, por padrão, dois equipamentos: ONU (Modem Óptico / Dispositivo Branco);

Leia mais

Online Help????????????????????? SOPAS-SUI SOPAS ET

Online Help????????????????????? SOPAS-SUI SOPAS ET Online Help????????????????????? SOPAS-SUI Versão de software Manual de instalação Software/Tool Função Versão Software para a parametrização de dispositivos V 2.36 Copyright Copyright 2012 SICK AG Erwin-Sick-Str.

Leia mais

Painel de controle. Impressora Multifuncional em Cores Xerox WorkCentre 6655 Tecnologia Xerox ConnectKey 2.0

Painel de controle. Impressora Multifuncional em Cores Xerox WorkCentre 6655 Tecnologia Xerox ConnectKey 2.0 Tecnologia Xerox ConnectKey.0 Painel de controle Os serviços disponíveis podem variar de acordo a configuração da impressora. Para obter detalhes sobre serviços e configurações, consulte o Guia do Usuário.

Leia mais

Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho

Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho Exemplo de Configuração de Ponto de Acesso como Ponte de Grupo de Trabalho Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Configuração Diagrama de Rede

Leia mais

Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS

Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS Manual SIGOSMS Aplicação de Gerenciamento e Envio SMS Sumário Introdução...3 Visão Geral do Software...4 Regras SMS...5 Ativar Inicialização Automática...6 Configurações...7 Log...8 Aplicação de Gerenciamento

Leia mais

PT Aviso antes da instalação NOTA: Desligue a Câmara de Rede se vir fumo ou sentir cheiros estranhos.

PT Aviso antes da instalação NOTA: Desligue a Câmara de Rede se vir fumo ou sentir cheiros estranhos. 500024701G Aviso antes da instalação Desligue a Câmara de Rede se vir fumo ou sentir cheiros estranhos. Não coloque a Câmara de Rede em superfícies instáveis. Não introduza nenhum objecto dentro da Câmara

Leia mais

Transferência de arquivo ASA com exemplo de configuração FXP

Transferência de arquivo ASA com exemplo de configuração FXP Transferência de arquivo ASA com exemplo de configuração FXP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Mecanismo de transferência de arquivo através de FXP

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento (21) (11) MSN: Skipe: cerne-tec

Cerne Tecnologia e Treinamento (21) (11) MSN: Skipe: cerne-tec Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa HC908LAB (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 E-mail: MSN: cerne-tec@hotmail.com Skipe: cerne-tec Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia A Cerne

Leia mais

Instruções importantes de segurança

Instruções importantes de segurança Manual do Usuário Por favor leia o Manual do Usuário cuidadosamente garantindo uma utilização correta deste produto e guarde este manual para uma referencia futura. Instruções importantes de segurança

Leia mais

WORKSHOP MICROWAVE COMO OBTER O MELHOR DESEMPENHO EM ENLACE PONTO A PONTO UTILIZANDO ROUTERBOARD SXT E CARTÕES MIKROTIK N

WORKSHOP MICROWAVE COMO OBTER O MELHOR DESEMPENHO EM ENLACE PONTO A PONTO UTILIZANDO ROUTERBOARD SXT E CARTÕES MIKROTIK N WORKSHOP MICROWAVE COMO OBTER O MELHOR DESEMPENHO EM ENLACE PONTO A PONTO UTILIZANDO ROUTERBOARD SXT E CARTÕES MIKROTIK 802.11N INTERFACE INICIAL ATUALIZAÇÃO Envie o pacote de atualização da versão SXT

Leia mais

Redes de Sensores sem Fio: Namimote. Prof. Ivan Müller

Redes de Sensores sem Fio: Namimote. Prof. Ivan Müller Redes de Sensores sem Fio: Namimote Prof. Ivan Müller Tópicos O projeto Namitec Características desejadas em um nó sensor para RSSF Características e desenvolvimento donamimote Sistema de avaliação e algumas

Leia mais

DS-1100KI Teclado para uso em rede. Especificações técnicas

DS-1100KI Teclado para uso em rede. Especificações técnicas DS-1100KI Teclado para uso em rede Especificações técnicas Avisos As informações contidas neste documento estão sujeitas a mudança sem prévio aviso e não representam nenhum compromisso em nome da HIKVISION.

Leia mais

Manual de Instrução Módulo de Configuração

Manual de Instrução Módulo de Configuração Manual de Instrução Módulo de Configuração NetControl Pacote 49 Versão 2.0 Data 06/05/2015 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Configuração do Módulo... 3 2.1 Configuração do Assistente de Configuração...

Leia mais

ET53C - SISTEMAS DIGITAIS

ET53C - SISTEMAS DIGITAIS ET53C - SISTEMAS DIGITAIS Barramentos de Comunicação Serial UART e I 2 C Prof.: Glauber Brante e Profa. Mariana Furucho gbrante@utfpr.edu.br marianafurucho@utfpr.edu.br UTFPR Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

Manual de Instruções do Cadastrador de Mesa Prox 125KHz USB

Manual de Instruções do Cadastrador de Mesa Prox 125KHz USB Manual de Instruções do Cadastrador de Mesa Prox 125KHz USB Sumário 1. Apresentação... 3 2. Especificações Técnicas... 3 3. Configuração do Sistema... 3 4. Cadastrar Cartões na NetControl... 4 5. Termo

Leia mais

ÍNDICE. 1. Requisitos de Sistema para o curso Smart English

ÍNDICE. 1. Requisitos de Sistema para o curso Smart English ÍNDICE 1. Requisitos de Sistema para o curso Smart English 2. Livro Digital Smart Course (EDO) a. Configuração de Navegadores b. Instalação Automática (System Check) das ferramentas para o EDO c. Solução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda n Parte I n Introdução n Protocolos de Transporte Internet n Multiplexação e n UDP n Parte II n TCP

Leia mais

Procedimento de configuração Técnica Multimídia HD DVB-S2

Procedimento de configuração Técnica Multimídia HD DVB-S2 Procedimento de configuração Técnica Multimídia HD DVB-S2 www.greatek.com.br Índice 1-Procedimento de Atualização de Firmware... 2 2-Procedimento de Inserção da Lista de Canais do Satélite StarOne C2...

Leia mais

AVG DataCenter MSSQL (AVGAdmin 7.1)

AVG DataCenter MSSQL (AVGAdmin 7.1) AVG DataCenter MSSQL (AVGAdmin 7.1) Guia de Instalação e Configuração Documento revisado 70.2 (09/03/2006) Copyright (c) 1992-2005 GRISOFT, s.r.o. Todos os direitos reservados. Este produto utiliza RSA

Leia mais

[ tima-datasheet-pt v8.3 ]

[ tima-datasheet-pt v8.3 ] concebido para aplicações em proteção, automação e controle de sistemas elétricos erro máximo de 60 ns (99%) uma ou duas portas Ethernet 10/100Base-T suporte a VLAN segundo padrão IEEE 802.1Q porta serial

Leia mais

Firmware para utilização de comandos AT no módulo ESP

Firmware para utilização de comandos AT no módulo ESP Firmware para utilização de comandos AT no módulo ESP8266-01 1. Utilizando o Arduino como adaptador USB TTL Atualmente, não existe método específico para realizar a gravação de firmwares nos módulos wifi

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO 1 SUMÁRIO REQUISITOS MÍNIMOS... 3 INSTALAÇÃO A PARTIR DO ARQUIVO RPM...4 Download do Arquivo...4 Instalação pela linha de comando...4 Regras de Firewall...4 Acessando o Monsta...5

Leia mais

1- Clique em Iniciar -> Executar, digite hypertrm para abrir o terminal. Configure de acordo com as configurações abaixo.

1- Clique em Iniciar -> Executar, digite hypertrm para abrir o terminal. Configure de acordo com as configurações abaixo. 1- Clique em Iniciar -> Executar, digite hypertrm para abrir o terminal. Configure de acordo com as configurações abaixo. Obs. Mudar a configuração para nenhum. Configure com 115200 (bits por segundo)

Leia mais

Manual de Instruções FK 50

Manual de Instruções FK 50 Manual de Instruções FK 50 Parabéns pela aquisição do identificador de forças de mola Feinmetall. Entre em contato conosco caso tenha perguntas, pedidos, ou sugestões. Leia este manual atentamente antes

Leia mais

Rev.:12/2013. Sices Monitor Network

Rev.:12/2013. Sices Monitor Network Rev.:12/2013 Sices Monitor Network O REWIND é um equipamento que tem possibilidade de trabalhar com diferente controladores e sem controladores também. REWIND tem diferente modalidade de operação. POR

Leia mais

Controlador de voo Pixhack de CUAV Manual de Instruções

Controlador de voo Pixhack de CUAV Manual de Instruções Controlador de voo Pixhack de CUAV Manual de Instruções Com uma melhor estabilidade e anti-interferência, Pixhack é uma versão atualizada desenvolvida pela CUAV, com hardware básico igual ao do pixhawk.

Leia mais

Receptor de trânsito GTM 35

Receptor de trânsito GTM 35 Receptor de trânsito GTM 35 Número da peça: 190-01170-34 Rev. A Novembro de 2010 Impresso em Taiwan Instruções do GTM 35 O GTM 35 Garmin fornece informações sobre o Canal de Mensagens de Trânsito, incluindo

Leia mais

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONTEÚDO 03 VISÃO GERAL TECNOLOGIA: COMUNICADOR MANUTENÇÃO MONITORAMENTO 04 ROTEADOR 10 PREDITIVA 11 DE VARIÁVEIS 12 EMS - ENERGY MANAGEMENT SYSTEMS 02 VISÃO GERAL

Leia mais

MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CONTEÚDO DA EMBALAGEM CONTEÚDO MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 ADAPTADOR DE ENERGIA ADAPTADOR CABO ETHERNET (CAT5 UTP) CONECTE O ROTEADOR

Leia mais

Plataforma de Jogos e Programas Manual de Instalação e Utilização

Plataforma de Jogos e Programas Manual de Instalação e Utilização VERSÃO 2.50.25.37 MANUAL DE INSTALAÇÃO E ULTILIZAÇÃO Desenvolvido por: Jones Rodrigues Rodrigo Silveira 1 Índice 1. Objetivo do Manual... 02 2. Requisitos... 02 3. Download... 03 4. Instalação... 04 5.

Leia mais

1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três perguntas e responda se a afirmação é verdadeira ou falsa.

1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três perguntas e responda se a afirmação é verdadeira ou falsa. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina DCC Departamento de Ciência da Computação REC Redes de computadores Quinta Lista de Exercícios 1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Verificador Slimterm TCP-IP

Verificador Slimterm TCP-IP Verificador Slimterm TCP-IP 1 Acessando a Configuração 1. Ao ligar o equipamento será exibido a tela de inicialização. 2. Indica que não localizou o cabo de rede. 3. Indica que está iniciando o modulo

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Transporte 2 Camada de Transporte Função: Fornecer comunicação lógica entre processos de aplicação em diferentes hospedeiros. Os protocolos de transporte são

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM

GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM GUIA RÁPIDO PARA INSTALAÇÃO DO CURUMIM Para poder utilizar o Curumim pela primeira vez, é necessário ter instalado no computador os seguintes arquivos: 1. Java JRE - máquina virtual java 2. Driver do Rádio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Prof. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul brivaldo@facom.ufms.br 16 de maio de 2017 Visão Geral 1 Introdução 2 3 Mensagem Eletrônica Os três componentes principais são: cliente de email. servidor

Leia mais

Guia de instalação do REIS

Guia de instalação do REIS Guia de instalação do REIS Este guia foi desenvolvido para explicar o processo de instalação e configuração do REIS em ambiente de produção. Organização do projeto: O projeto REIS é configurado em dois

Leia mais

Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos

Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos Universidade Católica de Pelotas Cursos de Engenharia da Computação Disciplina: Rede Computadores I 2 Agenda Estruturas básicas de redes A

Leia mais

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013

REVISÃO - Questões de Redes em Concursos. Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Redes de Computadores REVISÃO - Questões de Redes em Concursos Semestre: 2 Bimestre:2 Data: / / 2013 Disciplina: Redes de Computadores Professor: Jéfer Benedett Dörr Q234360 Prova: AOCP - 2012 - BRDE -

Leia mais

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes

Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Redes para Automação Industrial: Introdução às Redes de Computadores Luiz Affonso Guedes Conteúdo Definição Classificação Aplicações típicas Software de rede Modelos de referências Exemplos de redes Exemplos

Leia mais

abb Características Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Display gráfico de LCD com backlight com gráfico de barras de intensidade de corrente e tensão.

abb Características Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Display gráfico de LCD com backlight com gráfico de barras de intensidade de corrente e tensão. Ficha técnica IDM G5 Multimedidor Multimedidor para sistemas trifásicos ou monofásicos com medição de 58 variáveis elétricas. Possui display de LCD com backlight e gráfico de barras de intensidade de corrente

Leia mais

TCI 120 Conversor de interface USB RS232

TCI 120 Conversor de interface USB RS232 TCI 120 Conversor de interface USB RS232 Manual de Instalação O conversor modelo TCI 120 é um conversor de interface USB - RS232 desenvolvido para emular uma porta serial RS232 à partir da interface USB

Leia mais

Página 1 de 17 MANUAL DESTART RÁPIDO DA ESTAÇÃO H21-002

Página 1 de 17 MANUAL DESTART RÁPIDO DA ESTAÇÃO H21-002 Página 1 de 17 MANUAL DESTART RÁPIDO DA ESTAÇÃO H21-002 Página 2 de 17 MANUAL DESTART RÁPIDO DA ESTAÇÃO H21-002 Índice 1. CONFIGURANDO E PROGRAMANDO A ESTAÇÃO H21-002 03 2. BAIXANDO DADOS DA ESTAÇÃO H21-002

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - APP MONIVOX ROIP

MANUAL DO USUÁRIO - APP MONIVOX ROIP 1. INFORMAÇÕES DO PRODUTO 1.1 INTRODUÇÃO Bem vindo ao manual do usuário do app RoIP. Neste você encontrará instruções de como configurar e colocar em operação o MoniVox app RoIP. 1.2 DIREITOS AUTORAIS

Leia mais

GUIA GPS Quatro Rodas

GUIA GPS Quatro Rodas GUIA GPS Quatro Rodas Tutorial de soluções rápidas Introdução Objetivo: Suprir as necessidades de conhecimento sobre os produtos Aquarius Brasil junto a você, nosso cliente. Campo de aplicação: Este documento

Leia mais

Informática. Transferência de Arquivos e Dados. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Transferência de Arquivos e Dados. Professor Márcio Hunecke. Informática Transferência de Arquivos e Dados Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS E DADOS Upload e Download Em tecnologia, os termos download e

Leia mais

Aplicações Multimídia sobre Redes

Aplicações Multimídia sobre Redes Redes Multimídia 2016.2 Aplicações Multimídia sobre Redes Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

COMO CONFIGURAR UMA CONTA DE NO MICROSOFT OUTLOOK 2007

COMO CONFIGURAR UMA CONTA DE  NO MICROSOFT OUTLOOK 2007 COMO CONFIGURAR UMA CONTA DE EMAIL NO MICROSOFT OUTLOOK 2007 OBS: Em todos os campos onde é citado "seudominio", refere-se ao domínio do endereço do site. Ex: www.seudominio.com.br a. Abra o Outlook 2007.

Leia mais

smar Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

smar  Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais