CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL"

Transcrição

1 I ISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA - CEPEL PROJETO META Projeto de Assistência Técnica dos Setores de Energia e Mineral BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: a095-br Termo de Referência Número 12 CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL Ricardo Penldo Dutt-Ro81 Matricula: /Setembro/2014 Página 1 de 13

2 1. CONTEXTO A implantação no Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL do oratório de referência para Pesquisa Experimental, Ensaios de Certificação e Ensaios Especiais, voltado a produtos para aplicação em Redes Elétricas Inteligentes visa ampliar a capacidade de atuação técnica do Centro na área de Redes Elétricas Inteligentes com foco principal nas aplicações nas redes de distribuição. Este laboratório a ser projetado e construído no CEPEL contará com áreas interna e externa e pretende abranger os níveis de baixa (BT) e média tensão (MT) o presente Termo de Referência visa á contratação de consultoria especializada no tema. No trabalho da consultora está prevista a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação, o projeto do laboratório contendo um detalhamento dos principais requisitos de sua infraestrutura e uma estimativa do custo total de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e também para permitir ampliações futuras. Cumpre ressaltar que este trabalho deverá ser realizado com a efetiva participação da equipe técnica do CEPEL. Uma característica desejável deste projeto é que a infraestrutura a ser definida seja composta preferencialmente por equipamentos e materiais disponíveis no mercado ou cujos fabricantes possuam projetos catalogados prontos para a fabricação sob demanda. A empresa contratada deverá sugerir estratégias licitatórias, ou seja, divisão das licitações de obras, projetos e equipamentos em lotes para assegurar soluções tecnicamente seguras e de baixo custo fundamentadas nas diretrizes do Banco Mundial. o conceito "smart-gríd' ("Redes Elétricas Inteligentes") é fruto da evolução das tecnologias de medição, comunicação, computação, informação, automação e controle, da demanda crescente por melhor controle, qualidade e segurança no fornecimento de energia elétrica, e da inovação nas próprias características das redes de distribuição, com a introdução da geração distribuída, elementos de armazenamento de energia e de novas cargas como veículos elétricos. Este conceito atende ainda às expectativas de melhoria da eficiência no uso da energia garantindo menor impacto ambiental, incentivando a redução das emissões de carbono, o uso sustentável dos recursos naturais e busca novas oportunidades de negócios ao estimular a participação do consumidor. Particularmente para o Brasil, a aplicação do conceito de Redes Elétricas Inteligentes associado ao segmento de distribuição de energia elétrica, vem atender ímportantes prioridades quanto a melhorias na eficiência no uso da energia, ao proporcionar avançados meios para a redução de perdas e controle da qualidade do fornecimento de energia. o oratório a ser desenvolvido deverá incorporar características de flexibilidade de forma a possibilitar a realização de ensaios, pesquisas experimentais e o desenvolvimento de técnicas e equipamentos, devendo possuir infraestrutura e equipamentos para atender aos requisitos listados no Anexo I. Ricardo Penido Dutl Ross Matricula: 677 Página 2 de 13

3 No Brasil, não existe um laboratório de referência, com as características acima e contendo uma infraestrutura flexível e abrangente para pesquisas em dispositivos e equipamentos voltados para o conceito de Redes Elétricas Inteligentes. 2. JUSTIFICATIVA Dentre as áreas de atuação do CEPEL está o desenvolvimento de equipamentos e de ferramentas computacionais voltadas para o aumento de desempenho das redes de distribuição de energia elétrica. Entre estes produtos estão soluções voltadas para medição de energia elétrica, sistemas de automação, ferramentas de planejamento e operação de redes, bem como pesquisas em fontes de geração de energia alternativa. As aplicações e funcionalidades que envolvem o conceito das Redes Elétricas Inteligentes estão diretamente relacionadas com as pesquisas citadas. A atuação do CEPEL no campo de pesquisas e desenvolvimento o credencia a prestar suporte tecnológico em atividades ligadas ao Ministério de Minas e Energia, bem como a atuar nos projetos desenvolvidos no âmbito das Empresas Eletrobras e outras do setor. Como exemplo destas atividades, tem-se a participação em grupos de trabalho com o objetivo de analisar e identificar ações necessárias para subsidiar o estabelecimento de políticas públicas para implantação de um Programa Brasileiro de Redes Elétricas Inteligentes, e o projeto de P&D Aneel - Parintins: "Desenvolvimento de um Modelo de Referência, para as Empresas de Distribuição da Eletrobras (EDE), fundamentado na experimentação de aplicações de um conjunto de tecnologias dentro do conceito de Redes Elétricas Inteligentes", proposto pelas EDEs Apesar de toda a experiência supracitada, o CEPEL, no momento, não conta com a expertise plena para especificar, projetar e implantar laboratório com características adequadas para a avaliação e o desenvolvimento de tecnologias que atendam as necessidades de Redes Elétricas Inteligentes. Desta forma, para se obter o máximo de abrangência e eficiência do laboratório, há necessidade de uma consultoria com experiência em laboratórios semelhantes, para complementar a experiência do CEPEL supramencionada. Considerando as características do laboratório almejado descritas no Anexo I, buscase uma consultoria com experiência em projeto e operação de laboratórios de Redes Elétricas Inteligentes, envolvendo: 2.1- Certificações ou ensaios normatizados de dispositivos e equipamentos para uso em Redes Elétricas Inteligentes, em instalação abrigada, em diversas condições de carga e de variação de tensão, inclusive de curta duração Certificações ou ensaios normatizados que verifiquem a interoperabilidade entre dispositivos e sistemas de comunicação e informação permitindo atestar a integração dos dados entre os mesmos Emulação de redes elétricas em MT e BT visando a verificação no ambiente do laboratório do desempenho integrado de uma rede elétrica inteligente composta por alguns equipamentos reais e outros que emulam componentes do sistema. Estas emulações têm por objetivo desenvolvimentos experimentais e ensaios de desempenho da rede tanto do ponto de vista elétrico como da troca de dados e informações. Ricardo Penido Dutl.Ross MatrIcula: 677 Página 3 de 13 o presente Termo de Referência tem por objetivo a contratação de consultoria especializada para a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação do laboratório, o proj~to básico con~endo a especificação técnica geral, um detalhamento dos principais requisitos de sua Infraestrutura (equipamentos e obras) e uma estimativa dos custos de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e considerar as diretrizes do Banco Mundial relativas ao processo licitatório de maneira a garantir uma divisão em lotes que resulte em soluções otimizadas do ponto de vista técnico e econômico. É importante enfatizar que a equipe do CEPEL deverá ser consultada em cada etapa _1- --~:_.l._ -J_..J_c... :_,.:;._... 1_h._r_"'A..;""" n~... t...,... ç_ _:t-:i;".. :_J. ':_

4 3. OBJETIVO Ministério de Minas e Energia o presente Termo de Referência tem por objetivo a contratação de consultoria especializada para a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação do laboratório, o projeto básico contendo a especificação técnica geral, um detalhamento dos principais requisitos de sua infraestrutura (equipamentos e obras) e uma estimativa dos custos de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e considerar as diretrizes do Banco Mundial relativas ao processo licitatório de maneira a garantir uma divisão em lotes que resulte em soluções otimizadas do ponto de vista técnico e econômico. É importante enfatizar que a equipe do CEPEL deverá ser consultada em cada etapa do projeto de definição do laboratório. Dessa forma, para possibilitar uma interação efetiva, a Consultora deverá prever, dentre as atividades propostas, a necessidade de realizar, no mínimo, uma oficina de trabalho ("workshop"), na sede do CEPEL, e uma reunião presencial, no Brasil, para cada etapa do trabalho. Neste contexto, a Consultoria a ser contratada será responsável, entre outros itens, por: 3.1- Prospectar em nível acionai e Internacional laboratórios existentes e normas técnicas pertinentes sobre o tema de Redes Elétricas Inteligentes sob o enfoque de suas características básicas, certificações, ensaios e serviços providos pelos mesmos Elaborar o Termo de Referência detalhando as características básicas do laboratório. A elaboração deste Termo deve refletir o resultado do consenso entre a consultoria e o CEPEL sobre o escopo de atuação do laboratório. O escopo de atuação está relacionado com a pesquisa experimental, ensaios de referência ou de certificação e serviços que o mesmo irá prover Elaborar o Projeto Básico do oratório incluindo a infraestrutura necessária, a localização dos diversos equipamentos, as dimensões físicas de cada área de teste. O Projeto Básico deverá ter características modulares de forma que sua implantação possa ser realizada em etapas e expansível no futuro. Cumpre destacar que a consultora deverá priorizar um projeto básico que obedeça ás diretrizes de segurança e flexibilidade na operação, isto é, que a operação seja segura, mas, que seja simples configurar e reconfigurar as ligações entre os componentes dependendo do tipo de teste ou ensaio a ser realizado. Reforçando o conceito de flexibilidade é importante prever automação e a sinalização do laboratório de forma que o diagrama unifilar e as principais informações estejam disponíveis em um painel em uma sala de controle Elaborar a especificação dos componentes do laboratório e sua interligação com vistas á futura construção por parte de empreiteiras contratadas para este fim. A Consultora deverá priorizar a clareza no projeto básico e na especificação dos componentes de forma que em uma futura etapa projetista e construtor tenham os elementos necessários e suficientes para elaborar Ricardo Penido DUI1.Ross Matrfcula: 677 Gestor de ContraIO Página 4 de 13

5 adequadamente o projeto de construção civil e elétrica e realizar a obra correspondente. Destacam-se: interligação entre equipamentos, instalações e proteções associadas, a automação do laboratório e sua visualização da sala de controle, a malha de aterramento e as conexões dos principais equipamentos à mesma; as utilidades necessárias (água, ar comprimido, ar condicionado e outros) bem como a interligação de equipamentos elétricos. é importante ressaltar que a especificação geral deverá levar em consideração os aspectos construtivos e operacionais para obtenção das certificações consensadas entre o CEPEL e a Consultora Preparar a especificação técnica detalhada dos principais equipamentos e bens a serem adquiridos. Dentre estes destacam-se as fontes de potência de corrente alternada e contínua, os transformadores com variação de taps controlados, os dispositivos para emulação das cargas elétricas, equipamentos de armazenamento de energia, bem como a interface entre microrrede e a rede; e um ou mais simuladores visando as atividades 1 a 3 relacionadas no Anexo I. A Consultora deverá identificar aqueles equipamentos que devem ser comprados mediante concorrência internacional, atendendo sempre as diretrizes do BIRD e prever sua distribuição em lotes coerentes de forma a minimizar os custos quando da licitação. Deverão ser especificados produtos disponíveis no mercado ou cujos fabricantes possuam projetos catalogados prontos para fabricação sob demanda Elaborar relatório contendo os requisitos e procedimentos necessários para a certificação do oratório de Redes Elétricas Inteligentes perante Instituições certificadoras em nível nacional e internacional. Cabe ressa'ltar que as propostas técnica, comercial e o contrato deverão ser elaborados segundo os modelos do Banco Mundial. 4. ALCANCE Os beneficiários deste projeto são: 4.1- As Empresas Eletrobras e demais concessionárias de distribuição de energia elétrica que poderão usufruir dos resultados de pesquisas do Cepel, com o objetivo de conhecer e antecipar o comportamento de novas tecnologias e sistemas antes de serem conectadas às suas redes de distribuição; a. Destacam-se os empreendimentos, estudos, e desenvolvimento de protótipos e tecnologias para a redução das perdas na distribuição e para o incremento da qualidade e segurança do fornecimento de energia elétrica. Ricardo Penido Dutt-Ross Página 5 de 13 Matricula: 6n

6 b. Auxiliar-se-á ainda às empresas no que tange aos aspectos tecnológicos do planejamento e operação de redes de distribuição levando-se em consideração as novas funcionalidades das Redes Inteligentes; c. As atividades do oratório visam também minimizar os riscos de falhas de fornecimento resultantes das conexões de novos equipamentos às redes de distribuição de energia pela possibilidade de submeter os equipamentos às condições a serem encontradas nas redes de distribuição provendo a segurança da operação; 4.2- Os fabricantes de equipamentos e sistemas que poderão em parceria com a instituição desenvolver novas soluções/equipamentos, ou ainda levantar as características dos seus produtos através de ensaios em ambiente controlado antes que os mesmos sejam instalados no campo; 4.3- Profissionais do setor elétrico através de treinamentos que poderão ser ministrados pela instituição; 4.4- Outros institutos de pesquisas e universidades que poderão, mediante parcerias com o Cepel, complementar suas pesquisas e desenvolvimentos; 4.5- A sociedade como um todo através da maior eficiência dos serviços de energia elétrica, da melhor utilização dos recursos existentes, e dos benefícios ambientais traduzidos por menores emissões de carbono. Os resultados, em termos de conhecimentos gerados, serão repassados de forma continuada através de: Intercâmbio com outras instituições de pesquisas ou universidades recebendo profissionais destas instituições, ou ainda através da cooperação no desenvolvimento das pesquisas; Formação complementar dos profissionais do setor de energia elétrica (estágios, mestrado, doutorado); Participação em grupos de trabalhos e instituto (ABNT, CIGRE, IEEE); Divulgação dos resultados através de artigos publicados, teses e dissertações defendidas; Intercâmbio técnico com as concessionárias de distribuição de energia elétrica no Brasil através de programas de pesquisa e desenvolvimento. Transferência de tecnologia à indústria através de programas de pesquisa e desenvolvimento. 5. PRODUTOS Produto no Relatório com o resultado do levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes a Redes Elétricas Intel'igentes apontando a correlação entre ambos. Este relatório deverá discriminar os laboratórios existentes em nível Internacional e Nacional e destacar suas características básicas bem como as certificações, ensaios e serviços providos. Produto no Relatório com o escopo de atuação e as caracteristicas básicas planejadas do futuro oratório de Redes Elétricas Inteligentes do CEPEL. Neste relatório estará contido o Termo de Referência que deve refletir o Ricardo Penido Dutt.lk,. MatrIcula: 677 Gestor de Conlralo Página 6 de 13

7 resultado do consenso entre a Consultoria e o CEPEL sobre o escopo de atuação do laboratório. É importante ressaltar que os procedimentos necessários para se obter as certificações consen adas deverão estar descritos neste relatório. Produto no Relatório descrevendo o Projeto Básico do oratórioconsiste em relatório descrevendo detalhadamente a infraestrutura necessária incluindo a localização dos diversos equipamentos, as dimensões físicas de cada área de teste, as potências nominais dos equipamentos necessários e a estimativa do custo total do laboratório. O item 3.3 contém as principais diretrizes para este produto. Produto no Relatório com a especificação detalhada do laboratório. Consiste na especificação detalhada dos componentes do laboratório. Neste relatório é importante constar todas as informações necessárias para a correta elaboração do projeto executivo, a realização de obras civis e elétricas que serão objeto de futura contratação incluindo as necessidades oriundas dos processos de certificação. O item 3.4 contém as principais diretrizes para este produto. Produto no. 05 ~ Relatório com as especificações detalhadas dos equipamentos principais a serem adquiridos: especificações detalhadas das fontes geradoras CA e CC, transformadores, chaves, sistema de armazenamento de energia, interface entre a microrrede e a rede, cubículos, simuladores, proteções, cargas e outros. O item 3.5 contém as principais diretrizes para este produto. Os produtos listados deverão ser acompanhados da memona técnica de sua formulação com o registro das análises efetuadas e histórico. 6. ATIVIDADES Para o desenvolvimento de cada produto deverão ser realizadas atividades específicas em conformidade com o quadro abaixo: PRODUTOS ATIVlDADES Produto no, 01 - Relatório com o resultado do Levantamento dos laboratórios de Redes Elétricas levantamento dos principais laboratórios existentes e Inteligentes existentes. das normas técnicas pertinentes a Redes Elétricas Levantamento das normas têcnicas pertinentes. Inteligentes apontando a correlação entre ambos Análise da correlação entre laboratórios e normas. Elaboração do relatório. Produto na, 02 - Relatório com o escopo de atuação e Oficina de trabalho "workshop" com o CEPEL. as caracteristicas básicas planejadas do futuro Definição do escopo de atuação e das caracteristicas oratório de Redes Elétricas Inteligentes do CEPEL básicas do laboratório (Termo de Referência) Elaboracão do relatório. Produto no, 03 - Relatório descrevendo o projeto Desenvolvimento do projeto básico do laboratório. básico do laboratório Elaboração do relatório. Produto na, 04 - Relatório com a especificação Elaboração da especificação detalhada do laboratório. detalhada do laboratório Elaboração do relatório. Produto n, 05 - Relatório com as especificações Elaboração das especificações detalhadas dos detalhadas dos equipamentos principais a serem equipamentos e instalações pnncipais adquiridos Elaboração do relatório. 7. FORMA DE APRESENTAÇÃO Os produtos deverão ser apresentados em forma de relatórios. Deverão ser entregues também os arquivos relativos aos relatórios em meio ótico/eletrônico tais como CD ROM/DVD-ROM/I"pen-drive". Os produtos deverão ser apresentados nos idiomas ~ e português. Ricardo Penldo Dutt Ross Matricula: 677 Página 7 de 13

8 8. PRAZO I CRONOGRA A BÁSICO N TIPO PRODUTO PREVISTO DESCRiÇÃO I PRAZO DE ENTREGA (DIAS) VALOR (%) 1 Relatório Relatório com o resultado da prospecção Até 90 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 15% 2 Relatório Relatório com caracteristicas básicas e atividades planejadas para o laboratório Até 120 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 15% 3 Relatório Relatório descrevendo o Projeto Básico do laboratório Até 210 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 20% 4 Relatório Relatório com a especificação detalhada do laboratório incluindo as informações necessárias aos projetistas e construtores de obras civis e elétricas. Até 270 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 25% 5 Relatório Relatório com as especificações detalhadas dos equipamentos principais a serem adquiridos Até 330 dias da data efetiva de entrada em viqor do contrato(*) 25% (*) - De acordo com o especificado no contrato. Os produtos listados deverão ser acompanhados da memória técnica de sua formulação com o registro das análises efetuadas e histórico. 9. CUSTOS Todos os custos relativos ao projeto deverão ser apresentados na proposta comercial e discriminados de acordo com as planilhas do BIRD. É importante destacar que para cada consultor especialista principal devem ser fornecidos o nome, o número de horas previstas de trabalho e o valor da remuneração diária que não deve ultrapassar o teto estabelecido pelo Banco Mundial. Para os consultores não especialistas os custos e as horas devem ser fornecidos por categoria. As despesas reembolsáveis também devem ser especificadas com destaque para viagens internacionais, transporte local e outras que serão reembolsadas contra a apresentação dos comprovantes 10. QUALIFICAÇÃO A empresa de consultoria contratada deverá contar com um corpo técnico de consultores composta por profissionais com experiência na execução das tarefas especificadas no programa de trabalho e elaboração de todos os produtos previstos no Ricardo Penido Dutt Ross Página 8 de 13 Matricula: 677

9 projeto. Os currículos detalhados dos especialistas principais que integrarão a equipe do projeto deverão ser anexados à proposta técnica. 11. FISCALIZAÇÃO A fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais será realizada pelo CEPEL. A evolução dos serviços será controlada através de cronograma de realizações apresentado pelo fornecedor e aprovado pelo CEPEL. A aceitação dos serviços será feita depois de verificada a entrega de toda a documentação pertinente aos serviços realizados. Após a verificação dos produtos pelo CEPEL este efetuará os pagamentos à contratada, em até 30 (trinta) dias, na moeda estabelecida no contrato. 12. ELEMENTOS DISPO iveis A contratação da empresa de consultoria será realizada diretamente pelo CEPEL. O CEPEL providenciará, sempre que necessário, o ambiente físico apropriado para reuniões de trabalho entre as partes. 13. ENQUADRAMENTO DAS DESPESAS As despesas decorrentes da contratação dos serviços de consultoria de que trata o presente Termo de Referência se enquadram no Programa de Trabalhos no N123.13E Projeto de Assistência dos Setores de Energia e Mineração - META 14. VEDAÇÃO LEGA É vedada a contratação, a qualquer título, de servidores ativos da Administração Pública Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, díreta ou indireta, bem como de empregados de suas subsidiárias e controladas, no âmbito dos projetos de cooperação técnica internacional. RESPONSÁVEL TÉCNICO: Nome: Ricardo Penido Dutt-Ross Órgão: DTO Assinatura: APROVAÇÃO: Nome: Albert Cordeiro Geber de Melo Cargo: Diretor-Geral I Assinatura:.+f,t.~i:%'" Página 9 de 13

10 ANEXO I ATIVIDADES, REQUISITOS E CARACTERíSTICAS DO LABORATÓRIO 1. Ensaios de certificação ou de referência em equipamentos ou sistemas a serem conectados nas redes elétricas de BT ou MT da concessionária de energia, em diversas condições sob carga. Tais ensaios consistem na verificação se os equipamentos ou sistemas satisfazem ás normas de conexão locais ou internacionais quanto ao desempenho das grandezas elétricas tanto do ponto de vista estático (regime permanente) como do ponto de vista dinâmico (variações com duração de milissegundos). A tabela A1 mostra exemplos de equipamentos ou sistemas que possam ser certificados ou ensaiados e dentro do conhecimento disponível lista-se os ipos de ensaios, a ordem de grandeza das variáveis elétricas para se proceder aos ensaios e algumas normas conhecidas aplicáveis. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Tabela A1 - Exemplos de equipamentos ou sistemas que serão certificados ou ensaiados no oratório Equipamento ou Sistema sob teste Conversor a ser usado em aerogerador Classe de Tensão CA (a) até 1.2kV f-f Classe de Tensão CC até 600 V Classe de Corrente (b) Classe de Potência (b) Máxdisp. Tipos de Ensaio (e) LVRT, harmônicos, flicker Algumas Normas eonheeídas IEC , Proc. Rede ONS Inversor a ser usado em painéis fotovoltaico até 400 V f-f até 220 V LVRT, harmônicos, flicker IEEE1547, IEEE1547.1, IEC62116,IEC61727, UL1741,ABNTNBR 16150:2013 Sistema a ser usado na proteção de microgeração e minigeração distribuída até 400 V f-f até 220 V Ilhamento, LVRT NBR 16150:2013 Conversor a ser usado como interface de microrrede BT até 1,2 kv f-f até 380 V Máx dlsp IIhamento, LVRT, sincronismo Conversor a ser usado como interface de microrrede MT até 15kV f-f até 600 V Ilhamento, LVRT, sincronismo Sistema de Religador automático MT ci controlador até 15kV f-f subtensão, direcionalidade do fluxo, LVRT IEC /2012. IEEEC3760/2012 Sensor de Tensão BT até 1,2 kv f-f Sensor de Tensão MT até 15kV f-f Sensor de Corrente BT até 1,2 kv f-f Sensor de Corrente MT até 15kV f-f Vanação de TensãO Variação de Tensão Variação de corrente Variação de corrente Ricardo Penido Dutt Ross Matr!cula: 671 Página 10 de 13

11 Variação de Sensor de Tensão e Máx disp. tensão, até 15kV f-f Corrente MT corrente e fator de potência Sistema de Medição de Energia MT com Máx disp Máx disp. Direcionalidade até 15kV f-f controlador e do fluxo, LVRT comunicação Sistema de controle de Máx disp. Direcionalidade até 1,2 kv f-f tensão e reativo BT do fluxo, LVRT Direcionalidade IEC , Máxdisp. até 15kV f-f do fluxo, LVRT, IEC , IEEE- hanmônicos 519 Sistema de controle de tensão e reativo MT Conversor a ser usado Máx dlsp. Harmônicos, até 1,2 kv f-f até 380 V em filtros ativos BT LVRT Conversor a ser usado Máx disp. Harmônicos, até 15kV f-f até 600 V em filtros ativos MT lab LVRT IEC IEC Uninterruptible Power Máx disp. Harmônicos, IEC , até 1,2 kv f-f Supply (UPS) LVRT IEC Observaçoes - sobre a Tabela 1. a) A classe de tensão de 15 kvf-f na MT se refere à mais usual no Brasil Para este nível de tensão é indispensável que as fontes do laboratório sejam controláveis com resolução inferior a 10 V. Entretanto, é desejável que o laboratório contemple até o nivel de 34,5 kvf-f que corresponde ao nlvel máximo de tensão de distribuição no Brasil admitindo-se uma maior discretização no controle das fontes de tensão. b) As classes de corrente e potência não foram quantificadas, pois se sabe que o custo de implantação da infraestrutura laboratorial é proporcional a este nível Cumpre destacar que a consultora deverá ajudar na definição do nível de potência instalada (kva) de maneira que seja possível ao laboratório a realização de certificações ou ensaios compatíveis com os equipamentos a serem conectados na rede de distribuição. Pode-se considerar a potência de 270 kva como um limite mínimo. Entretanto, é desejável que o projeto do laboratório contemple o nível de pelo menos 500 kva c) O acrânimo "LVRT" significa Low Voltage Ride Through" cujo objetivo é a aplicação sobre o equipamento ou sistema de variações de tensão de curta duração de forma a verificar a imunidade do equipamento ou sistema ensaiado Verificações dos padrões tecnológicos garantindo a interoperabilidade entre dispositivos e sistemas de comunicação e informação permitindo a integração dos dados entre os mesmos. Para tanto é necessário que no futuro oratório de Redes Elétricas Inteligentes seja posslvel a realização de testes conjugando recursos de redes de TI e comunicações para verificação se os dispositivos e sistemas atendem aos protocolos e normas comunicando-se pelos canais de comunicação com outros elementos de rede. Os objetivos destes testes são: Verificar os novos produtos do ponto de vista do seu desempenho e interoperabilidade. Verificar a compatibilidade e a aderência às normas de interoperabilidade existentes de sistemas de medição AMI "Advanced Meter Infraestructure" e outros produtos e serviços usados em Redes Elétricas Inteligentes. Realizar provas de conceito e testes de protótipos de novos produtos ou sistemas em fase inicial de desenvolvimento. Determinar se um produto ou serviço tem capacidade de trabalhar de forma integrada com outro produto ou serviço. Ricardo Penido OU\\ R,,:.~ MatrIcula: 677 Gestor de Conlralo Página 11 de 13

12 A tabela 2 mostra exemplos de comunicações entre dispositivos cuja adequabilidade às normas e os meios de comunicação podem ser verificados. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Tabela 2 - Exemplos de verificações de comunicação que podem ser realizadas no oratório Verificação da comunicação entre dispositivos e sistemas Comunicação entre IEDs usados em subestações Comunicação entre controladores de Religadores e chaves automát"cas usados na rede de distribuição Comunicação entre medidores eletrônicos de energia (AMI) usados na rede de distribuição Comunicação entre sensores e concentradores de dados Comunicação entre diversos equipamentos eletrônicos conectados na rede de distibuição e concentradores de dados Comunicação entre dispositivos que integram uma microrrede: conversores, relés, IEDs, geração distribuida Alguns Protocolos e Normas Conhecidas IEC IEEE-Std 2030, IEC , IEEE-Std 2030, IEC , IEC IEEE-Std 2030, IEC IEEE-Std 2030, IEC IEEE Std 2030, IEC Pesquisa experimental, de envolvimento e ensaios visando à verificação no ambiente do laboratório do comportamento integrado de uma rede elétrica inteligente composta por alguns equipamentos reais e outros que emulam alguns componentes de redes elétricas de MT e BT. Além da emulação prevê-se também a possibilidade de simulação computacional em tempo real da rede elétrica para verificação, através das interfaces, de sua interação com os sistemas de controle reais. Para compor a rede elétrica são previstos equipamentos conectados em ambiente interno e externo: Redes elétricas experimentais de MT e BT conectadas através de transformadores, incluindo a presença de chaves automáticas, religadores, equipamentos de proteção, rede de comunicação, sala de controle e automação. Interligação de geração distribuída com destaque a painéis fotovoltaicos de diversas potências, mini aerogeradores e equipamentos armazenadores de energia. A geração distribuída poderá ser agregada aos poucos ao longo da vida útil do laboratório. Equipamentos que emulem cargas elétricas ativas e reativas de diversas potências que possam ser conectados às redes experimentais. A tabela 3 mostra exemplos de desenvolvimentos e ensaios que podem ser realizados através das redes experimentais. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Ricardo Penido Dutt Ross Matr!cula: 677 Gestor de ContraIo Página 12 de 13

13 Tabela 3 - Exemplos de Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento no oratório Verificacão da operacão coniunta de Rede Elétrica Inteligente (pesquisa e desenvolvimento) Emulação de microrrede para verificar o seu desempenho na operação conectada e na operação ilhada com os controles adequados: tensão, frequência, fator de potência. A microrrede deverá permitir a conexão de múltiplas fontes com destaque a painéis fotovoltaicos, affi1azenadores de energia, emuladores de cargas elétricas ativas e reativas Emulação da operação da rede de distribuição com comunicações entre medidores AMI e armazenadores de dados de forma a verificar se as comunicações ocorrem de maneira apropriada Emulação de uma situação de curto-circuito com corrente da ordem de 1000 A para verificar se os controladores dos religadores e chaves atuam corretamente provendo a situação de auto-recuperação Emulação de subtensão em um trecho de forma a verificar se equipamentos de controle de tensão atuam de foffi1a satisfatória Simulação computacional em tempo real de redes de distribuição operando com geração distribuida, e controle de Volt-Var Ricardo Penido Dutt Ros:. Matricula: 677 Gestor de ContraIo Página 13 de 13

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 04/2009 ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS...3

Leia mais

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte:

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1.1.1.2 Nos CSR, os quais executarão ações comandadas pelo CM e supervisionarão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO. Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO. Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: 7884 - BR TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: Contratação de

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: 7884 - BR Termo de Referência ELABORAÇÃO DE NORMAS E

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de sistema de monitoramento por câmeras para todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente.

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. ENERGIA SOLAR Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. Energy Team - experiência Vem analisando o mercado brasileiro desde 2006 e em 2008 participou da primeira feira de fonte de energias

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

EMPRESA. Realizamos distribuição direta das melhores marcas de produtos no segmento industrial.

EMPRESA. Realizamos distribuição direta das melhores marcas de produtos no segmento industrial. APRESENTAÇÃO EMPRESA Somos uma empresa de distribuição, projetos e serviços técnicos e de engenharia, consultoria, planejamento, gerenciamento e fornecedora de soluções tecnológicas para empreendimentos

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Roteiro Pedagógico e Metodológico Parte 1. Identificação do Projeto 1.1. Instituição de ensino proponente, com a respectiva identificação 1.2. Título do Projeto/Objeto

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa?

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Guia de microgeradores fotovoltaicos EXPEDIENTE ÍNDICE Projeto Editorial e Conteúdo Revisão Textual Paula Scheidt Revisão técnica Giovanni Secco Projeto

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

PROJETO DE REABILITAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO ELETROBRAS BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - IBRD - Empréstimo: 7884 BR

PROJETO DE REABILITAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO ELETROBRAS BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - IBRD - Empréstimo: 7884 BR PROJETO DE REABILITAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO ELETROBRAS BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - IBRD - Empréstimo: 7884 BR TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: FORNECER ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

A solução certa para qualquer situação. Totally Integrated Power

A solução certa para qualquer situação. Totally Integrated Power Totally Integrated Power A solução certa para qualquer situação Painéis de distribuição isolados a gás 8DJH e 8DJH Compact para sistemas de distribuição secundários até 24 kv www.siemens.com/8djh Totally

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA ,r Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Proposta de atualização da tabela de remuneração de pessoa física para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Divisão de Planejamento e Projetos

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1. O objetivo deste Termo de Referência é disponibilizar aos interessados em atender a solicitação de propostas da PPP ESPLANADA SUSTENTÁVEL

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Assunto: NOTA DE ESCLARECIMENTO N.º 03 Processo: CONCORRÊNCIA N.º 001/2010 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS DE SUBESTAÇÕES E LINHAS DE TRANSMISSÃO DO SISTEMA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de equipamentos para infraestrutura de redes de todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

In f r a e s t r u t u r a

In f r a e s t r u t u r a In f r a e s t r u t u r a Contamos com toda infraestrutura pronta para atender empresas de qualquer porte, dos mais diversos segmentos. Nossa sede localizada na Vila Mariana, zona sul da cidade de São

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-6.012

NORMA TÉCNICA NT-6.012 Página 1 de 25 NORMA TÉCNICA NT-6.012 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO COM PARALELISMO PERMANENTE ATRAVÉS DO USO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultor para a elaboração e execução do Projeto Conceitual e do Planejamento

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais