CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL"

Transcrição

1 I ISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA - CEPEL PROJETO META Projeto de Assistência Técnica dos Setores de Energia e Mineral BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: a095-br Termo de Referência Número 12 CONTRATAÇÃO DE CO SULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O LABORATÓRIO DE REDES ELÉTRICAS INTELIGEN ES DO CEPEL Ricardo Penldo Dutt-Ro81 Matricula: /Setembro/2014 Página 1 de 13

2 1. CONTEXTO A implantação no Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL do oratório de referência para Pesquisa Experimental, Ensaios de Certificação e Ensaios Especiais, voltado a produtos para aplicação em Redes Elétricas Inteligentes visa ampliar a capacidade de atuação técnica do Centro na área de Redes Elétricas Inteligentes com foco principal nas aplicações nas redes de distribuição. Este laboratório a ser projetado e construído no CEPEL contará com áreas interna e externa e pretende abranger os níveis de baixa (BT) e média tensão (MT) o presente Termo de Referência visa á contratação de consultoria especializada no tema. No trabalho da consultora está prevista a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação, o projeto do laboratório contendo um detalhamento dos principais requisitos de sua infraestrutura e uma estimativa do custo total de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e também para permitir ampliações futuras. Cumpre ressaltar que este trabalho deverá ser realizado com a efetiva participação da equipe técnica do CEPEL. Uma característica desejável deste projeto é que a infraestrutura a ser definida seja composta preferencialmente por equipamentos e materiais disponíveis no mercado ou cujos fabricantes possuam projetos catalogados prontos para a fabricação sob demanda. A empresa contratada deverá sugerir estratégias licitatórias, ou seja, divisão das licitações de obras, projetos e equipamentos em lotes para assegurar soluções tecnicamente seguras e de baixo custo fundamentadas nas diretrizes do Banco Mundial. o conceito "smart-gríd' ("Redes Elétricas Inteligentes") é fruto da evolução das tecnologias de medição, comunicação, computação, informação, automação e controle, da demanda crescente por melhor controle, qualidade e segurança no fornecimento de energia elétrica, e da inovação nas próprias características das redes de distribuição, com a introdução da geração distribuída, elementos de armazenamento de energia e de novas cargas como veículos elétricos. Este conceito atende ainda às expectativas de melhoria da eficiência no uso da energia garantindo menor impacto ambiental, incentivando a redução das emissões de carbono, o uso sustentável dos recursos naturais e busca novas oportunidades de negócios ao estimular a participação do consumidor. Particularmente para o Brasil, a aplicação do conceito de Redes Elétricas Inteligentes associado ao segmento de distribuição de energia elétrica, vem atender ímportantes prioridades quanto a melhorias na eficiência no uso da energia, ao proporcionar avançados meios para a redução de perdas e controle da qualidade do fornecimento de energia. o oratório a ser desenvolvido deverá incorporar características de flexibilidade de forma a possibilitar a realização de ensaios, pesquisas experimentais e o desenvolvimento de técnicas e equipamentos, devendo possuir infraestrutura e equipamentos para atender aos requisitos listados no Anexo I. Ricardo Penido Dutl Ross Matricula: 677 Página 2 de 13

3 No Brasil, não existe um laboratório de referência, com as características acima e contendo uma infraestrutura flexível e abrangente para pesquisas em dispositivos e equipamentos voltados para o conceito de Redes Elétricas Inteligentes. 2. JUSTIFICATIVA Dentre as áreas de atuação do CEPEL está o desenvolvimento de equipamentos e de ferramentas computacionais voltadas para o aumento de desempenho das redes de distribuição de energia elétrica. Entre estes produtos estão soluções voltadas para medição de energia elétrica, sistemas de automação, ferramentas de planejamento e operação de redes, bem como pesquisas em fontes de geração de energia alternativa. As aplicações e funcionalidades que envolvem o conceito das Redes Elétricas Inteligentes estão diretamente relacionadas com as pesquisas citadas. A atuação do CEPEL no campo de pesquisas e desenvolvimento o credencia a prestar suporte tecnológico em atividades ligadas ao Ministério de Minas e Energia, bem como a atuar nos projetos desenvolvidos no âmbito das Empresas Eletrobras e outras do setor. Como exemplo destas atividades, tem-se a participação em grupos de trabalho com o objetivo de analisar e identificar ações necessárias para subsidiar o estabelecimento de políticas públicas para implantação de um Programa Brasileiro de Redes Elétricas Inteligentes, e o projeto de P&D Aneel - Parintins: "Desenvolvimento de um Modelo de Referência, para as Empresas de Distribuição da Eletrobras (EDE), fundamentado na experimentação de aplicações de um conjunto de tecnologias dentro do conceito de Redes Elétricas Inteligentes", proposto pelas EDEs Apesar de toda a experiência supracitada, o CEPEL, no momento, não conta com a expertise plena para especificar, projetar e implantar laboratório com características adequadas para a avaliação e o desenvolvimento de tecnologias que atendam as necessidades de Redes Elétricas Inteligentes. Desta forma, para se obter o máximo de abrangência e eficiência do laboratório, há necessidade de uma consultoria com experiência em laboratórios semelhantes, para complementar a experiência do CEPEL supramencionada. Considerando as características do laboratório almejado descritas no Anexo I, buscase uma consultoria com experiência em projeto e operação de laboratórios de Redes Elétricas Inteligentes, envolvendo: 2.1- Certificações ou ensaios normatizados de dispositivos e equipamentos para uso em Redes Elétricas Inteligentes, em instalação abrigada, em diversas condições de carga e de variação de tensão, inclusive de curta duração Certificações ou ensaios normatizados que verifiquem a interoperabilidade entre dispositivos e sistemas de comunicação e informação permitindo atestar a integração dos dados entre os mesmos Emulação de redes elétricas em MT e BT visando a verificação no ambiente do laboratório do desempenho integrado de uma rede elétrica inteligente composta por alguns equipamentos reais e outros que emulam componentes do sistema. Estas emulações têm por objetivo desenvolvimentos experimentais e ensaios de desempenho da rede tanto do ponto de vista elétrico como da troca de dados e informações. Ricardo Penido Dutl.Ross MatrIcula: 677 Página 3 de 13 o presente Termo de Referência tem por objetivo a contratação de consultoria especializada para a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação do laboratório, o proj~to básico con~endo a especificação técnica geral, um detalhamento dos principais requisitos de sua Infraestrutura (equipamentos e obras) e uma estimativa dos custos de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e considerar as diretrizes do Banco Mundial relativas ao processo licitatório de maneira a garantir uma divisão em lotes que resulte em soluções otimizadas do ponto de vista técnico e econômico. É importante enfatizar que a equipe do CEPEL deverá ser consultada em cada etapa _1- --~:_.l._ -J_..J_c... :_,.:;._... 1_h._r_"'A..;""" n~... t...,... ç_ _:t-:i;".. :_J. ':_

4 3. OBJETIVO Ministério de Minas e Energia o presente Termo de Referência tem por objetivo a contratação de consultoria especializada para a realização de um levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes de Redes Elétricas Inteligentes tanto em nível Internacional como Nacional, a definição do escopo de atuação do laboratório, o projeto básico contendo a especificação técnica geral, um detalhamento dos principais requisitos de sua infraestrutura (equipamentos e obras) e uma estimativa dos custos de implantação. O projeto do laboratório deve prever sua implantação de forma modular para que possa ser realizado em etapas e considerar as diretrizes do Banco Mundial relativas ao processo licitatório de maneira a garantir uma divisão em lotes que resulte em soluções otimizadas do ponto de vista técnico e econômico. É importante enfatizar que a equipe do CEPEL deverá ser consultada em cada etapa do projeto de definição do laboratório. Dessa forma, para possibilitar uma interação efetiva, a Consultora deverá prever, dentre as atividades propostas, a necessidade de realizar, no mínimo, uma oficina de trabalho ("workshop"), na sede do CEPEL, e uma reunião presencial, no Brasil, para cada etapa do trabalho. Neste contexto, a Consultoria a ser contratada será responsável, entre outros itens, por: 3.1- Prospectar em nível acionai e Internacional laboratórios existentes e normas técnicas pertinentes sobre o tema de Redes Elétricas Inteligentes sob o enfoque de suas características básicas, certificações, ensaios e serviços providos pelos mesmos Elaborar o Termo de Referência detalhando as características básicas do laboratório. A elaboração deste Termo deve refletir o resultado do consenso entre a consultoria e o CEPEL sobre o escopo de atuação do laboratório. O escopo de atuação está relacionado com a pesquisa experimental, ensaios de referência ou de certificação e serviços que o mesmo irá prover Elaborar o Projeto Básico do oratório incluindo a infraestrutura necessária, a localização dos diversos equipamentos, as dimensões físicas de cada área de teste. O Projeto Básico deverá ter características modulares de forma que sua implantação possa ser realizada em etapas e expansível no futuro. Cumpre destacar que a consultora deverá priorizar um projeto básico que obedeça ás diretrizes de segurança e flexibilidade na operação, isto é, que a operação seja segura, mas, que seja simples configurar e reconfigurar as ligações entre os componentes dependendo do tipo de teste ou ensaio a ser realizado. Reforçando o conceito de flexibilidade é importante prever automação e a sinalização do laboratório de forma que o diagrama unifilar e as principais informações estejam disponíveis em um painel em uma sala de controle Elaborar a especificação dos componentes do laboratório e sua interligação com vistas á futura construção por parte de empreiteiras contratadas para este fim. A Consultora deverá priorizar a clareza no projeto básico e na especificação dos componentes de forma que em uma futura etapa projetista e construtor tenham os elementos necessários e suficientes para elaborar Ricardo Penido DUI1.Ross Matrfcula: 677 Gestor de ContraIO Página 4 de 13

5 adequadamente o projeto de construção civil e elétrica e realizar a obra correspondente. Destacam-se: interligação entre equipamentos, instalações e proteções associadas, a automação do laboratório e sua visualização da sala de controle, a malha de aterramento e as conexões dos principais equipamentos à mesma; as utilidades necessárias (água, ar comprimido, ar condicionado e outros) bem como a interligação de equipamentos elétricos. é importante ressaltar que a especificação geral deverá levar em consideração os aspectos construtivos e operacionais para obtenção das certificações consensadas entre o CEPEL e a Consultora Preparar a especificação técnica detalhada dos principais equipamentos e bens a serem adquiridos. Dentre estes destacam-se as fontes de potência de corrente alternada e contínua, os transformadores com variação de taps controlados, os dispositivos para emulação das cargas elétricas, equipamentos de armazenamento de energia, bem como a interface entre microrrede e a rede; e um ou mais simuladores visando as atividades 1 a 3 relacionadas no Anexo I. A Consultora deverá identificar aqueles equipamentos que devem ser comprados mediante concorrência internacional, atendendo sempre as diretrizes do BIRD e prever sua distribuição em lotes coerentes de forma a minimizar os custos quando da licitação. Deverão ser especificados produtos disponíveis no mercado ou cujos fabricantes possuam projetos catalogados prontos para fabricação sob demanda Elaborar relatório contendo os requisitos e procedimentos necessários para a certificação do oratório de Redes Elétricas Inteligentes perante Instituições certificadoras em nível nacional e internacional. Cabe ressa'ltar que as propostas técnica, comercial e o contrato deverão ser elaborados segundo os modelos do Banco Mundial. 4. ALCANCE Os beneficiários deste projeto são: 4.1- As Empresas Eletrobras e demais concessionárias de distribuição de energia elétrica que poderão usufruir dos resultados de pesquisas do Cepel, com o objetivo de conhecer e antecipar o comportamento de novas tecnologias e sistemas antes de serem conectadas às suas redes de distribuição; a. Destacam-se os empreendimentos, estudos, e desenvolvimento de protótipos e tecnologias para a redução das perdas na distribuição e para o incremento da qualidade e segurança do fornecimento de energia elétrica. Ricardo Penido Dutt-Ross Página 5 de 13 Matricula: 6n

6 b. Auxiliar-se-á ainda às empresas no que tange aos aspectos tecnológicos do planejamento e operação de redes de distribuição levando-se em consideração as novas funcionalidades das Redes Inteligentes; c. As atividades do oratório visam também minimizar os riscos de falhas de fornecimento resultantes das conexões de novos equipamentos às redes de distribuição de energia pela possibilidade de submeter os equipamentos às condições a serem encontradas nas redes de distribuição provendo a segurança da operação; 4.2- Os fabricantes de equipamentos e sistemas que poderão em parceria com a instituição desenvolver novas soluções/equipamentos, ou ainda levantar as características dos seus produtos através de ensaios em ambiente controlado antes que os mesmos sejam instalados no campo; 4.3- Profissionais do setor elétrico através de treinamentos que poderão ser ministrados pela instituição; 4.4- Outros institutos de pesquisas e universidades que poderão, mediante parcerias com o Cepel, complementar suas pesquisas e desenvolvimentos; 4.5- A sociedade como um todo através da maior eficiência dos serviços de energia elétrica, da melhor utilização dos recursos existentes, e dos benefícios ambientais traduzidos por menores emissões de carbono. Os resultados, em termos de conhecimentos gerados, serão repassados de forma continuada através de: Intercâmbio com outras instituições de pesquisas ou universidades recebendo profissionais destas instituições, ou ainda através da cooperação no desenvolvimento das pesquisas; Formação complementar dos profissionais do setor de energia elétrica (estágios, mestrado, doutorado); Participação em grupos de trabalhos e instituto (ABNT, CIGRE, IEEE); Divulgação dos resultados através de artigos publicados, teses e dissertações defendidas; Intercâmbio técnico com as concessionárias de distribuição de energia elétrica no Brasil através de programas de pesquisa e desenvolvimento. Transferência de tecnologia à indústria através de programas de pesquisa e desenvolvimento. 5. PRODUTOS Produto no Relatório com o resultado do levantamento dos principais laboratórios existentes e das normas técnicas pertinentes a Redes Elétricas Intel'igentes apontando a correlação entre ambos. Este relatório deverá discriminar os laboratórios existentes em nível Internacional e Nacional e destacar suas características básicas bem como as certificações, ensaios e serviços providos. Produto no Relatório com o escopo de atuação e as caracteristicas básicas planejadas do futuro oratório de Redes Elétricas Inteligentes do CEPEL. Neste relatório estará contido o Termo de Referência que deve refletir o Ricardo Penido Dutt.lk,. MatrIcula: 677 Gestor de Conlralo Página 6 de 13

7 resultado do consenso entre a Consultoria e o CEPEL sobre o escopo de atuação do laboratório. É importante ressaltar que os procedimentos necessários para se obter as certificações consen adas deverão estar descritos neste relatório. Produto no Relatório descrevendo o Projeto Básico do oratórioconsiste em relatório descrevendo detalhadamente a infraestrutura necessária incluindo a localização dos diversos equipamentos, as dimensões físicas de cada área de teste, as potências nominais dos equipamentos necessários e a estimativa do custo total do laboratório. O item 3.3 contém as principais diretrizes para este produto. Produto no Relatório com a especificação detalhada do laboratório. Consiste na especificação detalhada dos componentes do laboratório. Neste relatório é importante constar todas as informações necessárias para a correta elaboração do projeto executivo, a realização de obras civis e elétricas que serão objeto de futura contratação incluindo as necessidades oriundas dos processos de certificação. O item 3.4 contém as principais diretrizes para este produto. Produto no. 05 ~ Relatório com as especificações detalhadas dos equipamentos principais a serem adquiridos: especificações detalhadas das fontes geradoras CA e CC, transformadores, chaves, sistema de armazenamento de energia, interface entre a microrrede e a rede, cubículos, simuladores, proteções, cargas e outros. O item 3.5 contém as principais diretrizes para este produto. Os produtos listados deverão ser acompanhados da memona técnica de sua formulação com o registro das análises efetuadas e histórico. 6. ATIVIDADES Para o desenvolvimento de cada produto deverão ser realizadas atividades específicas em conformidade com o quadro abaixo: PRODUTOS ATIVlDADES Produto no, 01 - Relatório com o resultado do Levantamento dos laboratórios de Redes Elétricas levantamento dos principais laboratórios existentes e Inteligentes existentes. das normas técnicas pertinentes a Redes Elétricas Levantamento das normas têcnicas pertinentes. Inteligentes apontando a correlação entre ambos Análise da correlação entre laboratórios e normas. Elaboração do relatório. Produto na, 02 - Relatório com o escopo de atuação e Oficina de trabalho "workshop" com o CEPEL. as caracteristicas básicas planejadas do futuro Definição do escopo de atuação e das caracteristicas oratório de Redes Elétricas Inteligentes do CEPEL básicas do laboratório (Termo de Referência) Elaboracão do relatório. Produto no, 03 - Relatório descrevendo o projeto Desenvolvimento do projeto básico do laboratório. básico do laboratório Elaboração do relatório. Produto na, 04 - Relatório com a especificação Elaboração da especificação detalhada do laboratório. detalhada do laboratório Elaboração do relatório. Produto n, 05 - Relatório com as especificações Elaboração das especificações detalhadas dos detalhadas dos equipamentos principais a serem equipamentos e instalações pnncipais adquiridos Elaboração do relatório. 7. FORMA DE APRESENTAÇÃO Os produtos deverão ser apresentados em forma de relatórios. Deverão ser entregues também os arquivos relativos aos relatórios em meio ótico/eletrônico tais como CD ROM/DVD-ROM/I"pen-drive". Os produtos deverão ser apresentados nos idiomas ~ e português. Ricardo Penldo Dutt Ross Matricula: 677 Página 7 de 13

8 8. PRAZO I CRONOGRA A BÁSICO N TIPO PRODUTO PREVISTO DESCRiÇÃO I PRAZO DE ENTREGA (DIAS) VALOR (%) 1 Relatório Relatório com o resultado da prospecção Até 90 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 15% 2 Relatório Relatório com caracteristicas básicas e atividades planejadas para o laboratório Até 120 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 15% 3 Relatório Relatório descrevendo o Projeto Básico do laboratório Até 210 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 20% 4 Relatório Relatório com a especificação detalhada do laboratório incluindo as informações necessárias aos projetistas e construtores de obras civis e elétricas. Até 270 dias da data efetiva de entrada em vigor do contrato(") 25% 5 Relatório Relatório com as especificações detalhadas dos equipamentos principais a serem adquiridos Até 330 dias da data efetiva de entrada em viqor do contrato(*) 25% (*) - De acordo com o especificado no contrato. Os produtos listados deverão ser acompanhados da memória técnica de sua formulação com o registro das análises efetuadas e histórico. 9. CUSTOS Todos os custos relativos ao projeto deverão ser apresentados na proposta comercial e discriminados de acordo com as planilhas do BIRD. É importante destacar que para cada consultor especialista principal devem ser fornecidos o nome, o número de horas previstas de trabalho e o valor da remuneração diária que não deve ultrapassar o teto estabelecido pelo Banco Mundial. Para os consultores não especialistas os custos e as horas devem ser fornecidos por categoria. As despesas reembolsáveis também devem ser especificadas com destaque para viagens internacionais, transporte local e outras que serão reembolsadas contra a apresentação dos comprovantes 10. QUALIFICAÇÃO A empresa de consultoria contratada deverá contar com um corpo técnico de consultores composta por profissionais com experiência na execução das tarefas especificadas no programa de trabalho e elaboração de todos os produtos previstos no Ricardo Penido Dutt Ross Página 8 de 13 Matricula: 677

9 projeto. Os currículos detalhados dos especialistas principais que integrarão a equipe do projeto deverão ser anexados à proposta técnica. 11. FISCALIZAÇÃO A fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais será realizada pelo CEPEL. A evolução dos serviços será controlada através de cronograma de realizações apresentado pelo fornecedor e aprovado pelo CEPEL. A aceitação dos serviços será feita depois de verificada a entrega de toda a documentação pertinente aos serviços realizados. Após a verificação dos produtos pelo CEPEL este efetuará os pagamentos à contratada, em até 30 (trinta) dias, na moeda estabelecida no contrato. 12. ELEMENTOS DISPO iveis A contratação da empresa de consultoria será realizada diretamente pelo CEPEL. O CEPEL providenciará, sempre que necessário, o ambiente físico apropriado para reuniões de trabalho entre as partes. 13. ENQUADRAMENTO DAS DESPESAS As despesas decorrentes da contratação dos serviços de consultoria de que trata o presente Termo de Referência se enquadram no Programa de Trabalhos no N123.13E Projeto de Assistência dos Setores de Energia e Mineração - META 14. VEDAÇÃO LEGA É vedada a contratação, a qualquer título, de servidores ativos da Administração Pública Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, díreta ou indireta, bem como de empregados de suas subsidiárias e controladas, no âmbito dos projetos de cooperação técnica internacional. RESPONSÁVEL TÉCNICO: Nome: Ricardo Penido Dutt-Ross Órgão: DTO Assinatura: APROVAÇÃO: Nome: Albert Cordeiro Geber de Melo Cargo: Diretor-Geral I Assinatura:.+f,t.~i:%'" Página 9 de 13

10 ANEXO I ATIVIDADES, REQUISITOS E CARACTERíSTICAS DO LABORATÓRIO 1. Ensaios de certificação ou de referência em equipamentos ou sistemas a serem conectados nas redes elétricas de BT ou MT da concessionária de energia, em diversas condições sob carga. Tais ensaios consistem na verificação se os equipamentos ou sistemas satisfazem ás normas de conexão locais ou internacionais quanto ao desempenho das grandezas elétricas tanto do ponto de vista estático (regime permanente) como do ponto de vista dinâmico (variações com duração de milissegundos). A tabela A1 mostra exemplos de equipamentos ou sistemas que possam ser certificados ou ensaiados e dentro do conhecimento disponível lista-se os ipos de ensaios, a ordem de grandeza das variáveis elétricas para se proceder aos ensaios e algumas normas conhecidas aplicáveis. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Tabela A1 - Exemplos de equipamentos ou sistemas que serão certificados ou ensaiados no oratório Equipamento ou Sistema sob teste Conversor a ser usado em aerogerador Classe de Tensão CA (a) até 1.2kV f-f Classe de Tensão CC até 600 V Classe de Corrente (b) Classe de Potência (b) Máxdisp. Tipos de Ensaio (e) LVRT, harmônicos, flicker Algumas Normas eonheeídas IEC , Proc. Rede ONS Inversor a ser usado em painéis fotovoltaico até 400 V f-f até 220 V LVRT, harmônicos, flicker IEEE1547, IEEE1547.1, IEC62116,IEC61727, UL1741,ABNTNBR 16150:2013 Sistema a ser usado na proteção de microgeração e minigeração distribuída até 400 V f-f até 220 V Ilhamento, LVRT NBR 16150:2013 Conversor a ser usado como interface de microrrede BT até 1,2 kv f-f até 380 V Máx dlsp IIhamento, LVRT, sincronismo Conversor a ser usado como interface de microrrede MT até 15kV f-f até 600 V Ilhamento, LVRT, sincronismo Sistema de Religador automático MT ci controlador até 15kV f-f subtensão, direcionalidade do fluxo, LVRT IEC /2012. IEEEC3760/2012 Sensor de Tensão BT até 1,2 kv f-f Sensor de Tensão MT até 15kV f-f Sensor de Corrente BT até 1,2 kv f-f Sensor de Corrente MT até 15kV f-f Vanação de TensãO Variação de Tensão Variação de corrente Variação de corrente Ricardo Penido Dutt Ross Matr!cula: 671 Página 10 de 13

11 Variação de Sensor de Tensão e Máx disp. tensão, até 15kV f-f Corrente MT corrente e fator de potência Sistema de Medição de Energia MT com Máx disp Máx disp. Direcionalidade até 15kV f-f controlador e do fluxo, LVRT comunicação Sistema de controle de Máx disp. Direcionalidade até 1,2 kv f-f tensão e reativo BT do fluxo, LVRT Direcionalidade IEC , Máxdisp. até 15kV f-f do fluxo, LVRT, IEC , IEEE- hanmônicos 519 Sistema de controle de tensão e reativo MT Conversor a ser usado Máx dlsp. Harmônicos, até 1,2 kv f-f até 380 V em filtros ativos BT LVRT Conversor a ser usado Máx disp. Harmônicos, até 15kV f-f até 600 V em filtros ativos MT lab LVRT IEC IEC Uninterruptible Power Máx disp. Harmônicos, IEC , até 1,2 kv f-f Supply (UPS) LVRT IEC Observaçoes - sobre a Tabela 1. a) A classe de tensão de 15 kvf-f na MT se refere à mais usual no Brasil Para este nível de tensão é indispensável que as fontes do laboratório sejam controláveis com resolução inferior a 10 V. Entretanto, é desejável que o laboratório contemple até o nivel de 34,5 kvf-f que corresponde ao nlvel máximo de tensão de distribuição no Brasil admitindo-se uma maior discretização no controle das fontes de tensão. b) As classes de corrente e potência não foram quantificadas, pois se sabe que o custo de implantação da infraestrutura laboratorial é proporcional a este nível Cumpre destacar que a consultora deverá ajudar na definição do nível de potência instalada (kva) de maneira que seja possível ao laboratório a realização de certificações ou ensaios compatíveis com os equipamentos a serem conectados na rede de distribuição. Pode-se considerar a potência de 270 kva como um limite mínimo. Entretanto, é desejável que o projeto do laboratório contemple o nível de pelo menos 500 kva c) O acrânimo "LVRT" significa Low Voltage Ride Through" cujo objetivo é a aplicação sobre o equipamento ou sistema de variações de tensão de curta duração de forma a verificar a imunidade do equipamento ou sistema ensaiado Verificações dos padrões tecnológicos garantindo a interoperabilidade entre dispositivos e sistemas de comunicação e informação permitindo a integração dos dados entre os mesmos. Para tanto é necessário que no futuro oratório de Redes Elétricas Inteligentes seja posslvel a realização de testes conjugando recursos de redes de TI e comunicações para verificação se os dispositivos e sistemas atendem aos protocolos e normas comunicando-se pelos canais de comunicação com outros elementos de rede. Os objetivos destes testes são: Verificar os novos produtos do ponto de vista do seu desempenho e interoperabilidade. Verificar a compatibilidade e a aderência às normas de interoperabilidade existentes de sistemas de medição AMI "Advanced Meter Infraestructure" e outros produtos e serviços usados em Redes Elétricas Inteligentes. Realizar provas de conceito e testes de protótipos de novos produtos ou sistemas em fase inicial de desenvolvimento. Determinar se um produto ou serviço tem capacidade de trabalhar de forma integrada com outro produto ou serviço. Ricardo Penido OU\\ R,,:.~ MatrIcula: 677 Gestor de Conlralo Página 11 de 13

12 A tabela 2 mostra exemplos de comunicações entre dispositivos cuja adequabilidade às normas e os meios de comunicação podem ser verificados. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Tabela 2 - Exemplos de verificações de comunicação que podem ser realizadas no oratório Verificação da comunicação entre dispositivos e sistemas Comunicação entre IEDs usados em subestações Comunicação entre controladores de Religadores e chaves automát"cas usados na rede de distribuição Comunicação entre medidores eletrônicos de energia (AMI) usados na rede de distribuição Comunicação entre sensores e concentradores de dados Comunicação entre diversos equipamentos eletrônicos conectados na rede de distibuição e concentradores de dados Comunicação entre dispositivos que integram uma microrrede: conversores, relés, IEDs, geração distribuida Alguns Protocolos e Normas Conhecidas IEC IEEE-Std 2030, IEC , IEEE-Std 2030, IEC , IEC IEEE-Std 2030, IEC IEEE-Std 2030, IEC IEEE Std 2030, IEC Pesquisa experimental, de envolvimento e ensaios visando à verificação no ambiente do laboratório do comportamento integrado de uma rede elétrica inteligente composta por alguns equipamentos reais e outros que emulam alguns componentes de redes elétricas de MT e BT. Além da emulação prevê-se também a possibilidade de simulação computacional em tempo real da rede elétrica para verificação, através das interfaces, de sua interação com os sistemas de controle reais. Para compor a rede elétrica são previstos equipamentos conectados em ambiente interno e externo: Redes elétricas experimentais de MT e BT conectadas através de transformadores, incluindo a presença de chaves automáticas, religadores, equipamentos de proteção, rede de comunicação, sala de controle e automação. Interligação de geração distribuída com destaque a painéis fotovoltaicos de diversas potências, mini aerogeradores e equipamentos armazenadores de energia. A geração distribuída poderá ser agregada aos poucos ao longo da vida útil do laboratório. Equipamentos que emulem cargas elétricas ativas e reativas de diversas potências que possam ser conectados às redes experimentais. A tabela 3 mostra exemplos de desenvolvimentos e ensaios que podem ser realizados através das redes experimentais. Esta tabela poderá ter o seu escopo ampliado em função do resultado do trabalho da consultora. Ricardo Penido Dutt Ross Matr!cula: 677 Gestor de ContraIo Página 12 de 13

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-/N-007 /03/26 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3

Leia mais

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA DISTRIBUIÇÃO Assessoria de Gestão do Projeto Energia + BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO BIRD Loan: 7884 - BR Termo de Referência ELABORAÇÃO DE NORMAS E

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-6.012

NORMA TÉCNICA NT-6.012 Página 1 de 25 NORMA TÉCNICA NT-6.012 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO COM PARALELISMO PERMANENTE ATRAVÉS DO USO

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 MPN-DP-01/N-6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3 Disposições

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-1/N-7 19/11/213 RES nº 14/213, 19/11/213 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos Conexão de Minigeração ao Sistema de Distribuição em Média Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.08-01.009 2ª Folha 1 DE 23 27/12/2013 HISTÓRICO DE

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Dezembro / 2012 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DOS IMPACTOS DE ELEVADOS ÍNDICES DE PENETRAÇÃO DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA ON-GRID EM ALIMENTADORES Michele Araújo Pereira 1 ; Antonio Manoel Batista da Silva 2 1 Universidade de Uberaba - UNIUBE,

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Fevereiro / 2013 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA

NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA - NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA Procedimentos para a Conexão de Acessantes ao Sistema de Distribuição da Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Palavras-chave:

Leia mais

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS OBJETIVOS Reduzir as incertezas nas definição e quantificação de riscos associados a implantação

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 PÁGINAS 1 de 42 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 Requisitos para conexão de Micro e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CHESP PÁGINAS 2 de 42 Treinamento recomendado: ( X ) Formal ( ) Leitura

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO NDU-013 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA SANTA MARIA REVISÃO DEZEMBRO/2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 TERMINOLOGIA 3 CRITÉRIOS E PADRÕES TÉCNICOS 4 - SOLICITAÇÃO

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários. Conexão de Microgeradores ao Sistema de Distribuição em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.14-01.011 5ª Folha 1 DE 31 30/06/2014 HISTÓRICO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Termo de Referência Curso ISO 17025:2005

Termo de Referência Curso ISO 17025:2005 Termo de Referência Curso ISO 17025:2005 Número e título do Projeto: Projeto PNUD BRA/08/G32 Estabelecimento de gerenciamento e disposição de Bifenilas Policloradas (PCB). 1. Título Consultoria técnica,

Leia mais

Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012

Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Procedimentos para a Conexão de Microgeração e Minigeração ao Sistema de Distribuição da Light SESA BT e MT Até 34,5kV Palavras-chave: Paralelismo,

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D Especificação e Padronização NTC-71 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO MPN-DC-1/N-6 RES nº 14/213, ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia...

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NTD 09 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO PARA CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA CEA. CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO DEZEMBRO/2013

Leia mais

Geração Própria NT 07 05 014

Geração Própria NT 07 05 014 Geração Própria NT 07 05 014 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. DEFINIÇÕES 05 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 06 5. INSTRUÇÕES GERAIS 06 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-01/07/2014 31/07/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES RODNEY PEREIRA MENDERICO

Leia mais

Capítulo XI. Energias renováveis alternativas. Requisitos técnicos para a conexão de sistemas fotovoltaicos à rede elétrica

Capítulo XI. Energias renováveis alternativas. Requisitos técnicos para a conexão de sistemas fotovoltaicos à rede elétrica 34 Capítulo XI Energia solar fotovoltaica Sistemas conectados à rede elétrica: requisitos para a conexão e proteções Por Jonas Rafael Gazoli, Marcelo Gradella Villalva e Juarez Guerra* Neste artigo vamos

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

6 Redes Elétricas Inteligentes

6 Redes Elétricas Inteligentes 6 Redes Elétricas Inteligentes Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ sobre a temática redes elétricas inteligentes. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Marcraft Green STEM GT1500

Marcraft Green STEM GT1500 PAINÉIS DE TREINAMENTO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS 3 EM 1 CÉLULAS A COMBUSTÍVEL ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA EÓLICA Programa de 90 Horas de Treinamento Literatura técnica sobre energias renováveis e instruções

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO NDU-015 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: 10/04/2013 REVISÃO: --/--/---- PÁG. 1/42 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Documentos de Referência... 3 4. Definições...

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DP-1/N-5 19/11/213 RES nº 169/213, 19/11/213 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos...

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição de Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.005 2ª Folha

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i HIVERTER - Série NP201i Os Inversores Fotovoltaicos da Hitachi são do tipo Grid-Tied (GT Conectados à Rede) com controle reativo de potência e alta eficiência,

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA 2012 ÍNDICE 1 OBJETIVO 1 2 ABRANGÊNCIA 1 3 TERMINOLOGIA 1 4 DISPOSIÇÕES GERAIS 9 5 REQUISITOS TÉCNICOS

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL Aplicação massiva de Geração Distribuída Solar em diferentes tipologias de telhados na cidade de Campinas Sumário 1 Apresentação...

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 Acesso de Microgeração e Minigeração com Fontes Renováveis e Cogeração Qualificada ao Sistema de Distribuição Processo: Expansão Versão: 3.0 Início de Vigência: 24-11-2014 Órgão

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Fotovoltaico de Qualidade

Fotovoltaico de Qualidade Análise de Problemas ao Longo da Vida Útil de um Sistema Solar Rodolfo Henrique Engº de Aplicações SICES BRASIL Conteúdo da Palestra o o o o Inversor Solar Introdução Topologias de Conversão Problemas

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE www.grupotse.com.br I. A EMPRESA II. SERVIÇOS III. CLIENTES IV. CERTIFICAÇÕES V. CASES www.grupotse.com.br A Empresa Com Matriz em São

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO. Especificações Técnicas de Distribuição

DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO. Especificações Técnicas de Distribuição COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO Especificações Técnicas de Distribuição Medidores de Energia e Acessórios para

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seus desafios em vantagens Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seu negócio As negociações de sempre? Aqueles dias fazem parte do passado. As empresas de hoje devem

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais