Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro."

Transcrição

1 TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. Corrigir e superar preconceitos que desvalorizam a experiência religiosa do outro. Aprender a conhecer, respeitar, valorizar e conviver com os outros. Discutir coletivamente ações que demonstram respeito pelas diferentes religiões. Perceber como estas ações influencia positivamente na vida coletiva. Favorecer o respeito mútuo e a liberdade; Possibilitar a exteriorização de idéias religiosas. 05. FUNDAMENTAÇÃO PEDAGÓGICA

2 A criança que esta cursando a 2ª série do ensino fundamental encontra-se na faixa etária de sete a oito anos de idade. As principais características nesta fase é a capacidade de interação e/ ou socialização. Neste aspecto, ocorre por parte destes indivíduos a necessidade de ampliar horizontes; partindo consecutivamente da família para a escola e da escola para a comunidade. Iniciamse, também o processo de interiorização de regras, normas de conduta e convívio humano, bem como, sua função social. O 1º ciclo é o período escolar marcado pela ritualização formal em que o educando é introduzido no trabalho metódico que envolve a codificação e decodificação de signos e símbolos, construção e comunicação de idéias. apresenta-se com: Frente á vida e ao fenômeno religioso o educando nesta fase Atitude de contemplação, admiração e encantamento. Interesse pelo o que e por que das coisas. Facilidade para interiorizar valores. Gosto em ritualizar e expressar-se através de gestos e movimentos. Necessidade de tempo para olhar, admirar, escutar, silenciar, valorizar, falar. Valorização do que a experiência, mais do que aquilo que lhe dizem. Relacionamento interpessoal que ultrapassa o ambiente familiar. Relacionamento com o Transcendente, pelas relações afetivas. Necessidade de organização do superego e fortalecimento da idéia do Transcendente que traz ou não em si.

3 Sendo assim, não basta que o aluno conheça sua realidade religiosa apenas, pois, ele vive a realidade sócio-interacionista, onde a diferença e a variedade configuram a realidade maior. Portanto, é necessário o uso do conhecimento religioso para compreender a relação com o outro e como ele faz uso do seu próprio conhecimento. O preconceito é evidente na própria sociedade em que vivemos onde encontramos pessoas que vivem em condições desiguais. A diferença entre as classes sociais é muito presente em nossa sociedade capitalista. Assim, muitas são as formas pelas quais o preconceito se manifesta nas relações sociais. Além das distinções de pessoas de diferentes classes sociais, existem ainda as discriminações entre pessoas de grupos sociais diferentes, ainda que pertencentes a uma mesma classe sócio-econômica. O preconceito, certamente faz parte do comportamento humano. Frequentemente nos defrontamos com atitudes preconceituosas, em todas as suas formas de manifestação. As manifestações de intolerância religiosa estão entre os mais antigos e complexos conflitos humanos. A partir da alteridade baseada no respeito mútuo busca-se estabelecer novas relações na convivência com as diferenças, valorizando a singularidade de cada pessoa e das tradições religiosas presentes em nosso contexto social. Em cada individuo, em cada povo, em cada cultura, existe algo que é relevante para os demais, por mais diferentes que sejam entre si. Enquanto cada grupo pretender ser o dono exclusivo da verdade, enquanto perdurar

4 essa estreiteza de visão, a paz mundial permanecera um sonho inatingível. (PCN s Ensino Religioso, p. 20). Segundo os PCN s de ensino religioso, o ser humano na sua essência é um ser em relação, que busca sobreviver e dar sentido á sua existência. Ao longo da história vai construindo e reconstruindo formas de relacionamento na tentativa de superar sua limitação, fragilidade, provisoriedade, ou seja, sua finitude. No decorrer da vida humana, desde que desenvolve a capacidade de raciocinar e intuir, o individuo tem formulado indagações que o inquietam e exigem dele uma postura diante da vida e do universo. A resposta a cada uma das perguntas diárias implica na busca do autoconhecimento, do sentido de vida e do Transcendente. É inerente ao ser humano o desejo de Transcendência, ou seja, de ultrapassar seus limites, de experenciar o sagrado, o Infinito, e este anseio manifesta de maneira diferenciada e cada pessoa. A função básica da escola é a construção e socialização do conhecimento historicamente produzido e acumulado pela humanidade. A escola deve instrumentalizar o educando favorecendo-lhe o desenvolvimento integral, ou seja, contemplando todos os aspectos da pessoa: físico, emocional, intuitivo, espiritual, racional e social. Assim, a escola deve possibilitar condições para as aprendizagens múltiplas. Conhecer significa captar e expressar as dimensões da comunidade de forma cada vez mais ampla e integral. Assim, entendendo a educação escolar como um processo de desenvolvimento global da consciência e da comunicação entre educador e educando, á escola compete integrar dentro de uma visão de totalidade, os vários níveis de conhecimento: o sensorial, o intuitivo, o afetivo, o racional e o religioso. (PCN s Ensino Religioso, p. 29).

5 Sendo assim, é valido ressaltar as informações encontradas no art.32 da LDB, a respeito do ensino fundamental, com a duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuito na escola publica, que terá por objetivo a formação básica dos cidadãos, mediante: I. O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio, da escrita e do cálculo; II. A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III. O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e a formação de atitudes e valores; IV. O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. seguintes considerações: Em relação à prática do ensino religioso na escola, o art.33, tece as Art.33 O ensino religioso, de matricula facultativa, é parte integrante da formação do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer forma de proselitismo. Conforme sinalizado na legislação o Ensino Religioso é visto como área integrante na formação dos indivíduos envolvidos na educação básica, e, uma vez que vivenciado no âmbito escolar proporciona aos educandos habilidades e competências que os tornam capaz de se desenvolver integralmente, no que se refere à construção da cidadania: a formação do cidadão e a inclusão social.

6 Sendo assim, este ensino, conforme descrito no inciso citado anteriormente; valoriza as diversas manifestações religiosas e, desta forma miniminiza e repudia toda e qualquer forma de preconceito entre as diferentes tradições religiosas. Percebe-se que esta proposta de ensino, está baseada no respeito às diferenças. Nesta perspectiva, o outro é sempre mais importante em sua totalidade, ao invés de suas preferências ou manifestações pessoais. Por isso, é possível afirmar que toda forma de preconceito é prejudicial para a formação da cidadania, pois desrespeita as singularidades humanas, que são importantíssimas na diversidade cultural da nossa sociedade. A educação, neste sentido, tem um papel imprescindível nesta formação social; cabe a ela, mais propriamente dito, aos educadores, despertar os envolvidos ao respeito à pluralidade cultural como uma espécie de superação ao preconceito religioso. Na verdade, essa disciplina tem como objetivo determinado, agregar as diversas manifestações religiosas, de tal maneira que católicos, evangélicos, budistas, membros de ritos e seitas; quaisquer que sejam; e até mesmo aqueles em que nada se apegam; ou seja, não manifestam crença alguma, possam ter a possibilidade de serem inseridos e respeitados na sociedade, em que não tenham o sentimento de inferioridade ou discriminação. Quando o artigo 32 aborda em relação à formação no educando no que diz respeito às atitudes e valores é culminante com a proposta de erradicação do preconceito religioso. A escola deve considerar a complexidade cultural e religiosa e assim, trabalhar os conteúdos específicos de Educação Religiosa enfocando os valores da alteridade e respeito mútuo.

7 Segundo a Lei são vedadas quaisquer formas de proselitismo, isto é, a escola é aconfessional, portanto, nenhuma religião será imposta de forma proselitista e monopolista dentro deste espaço educacional. Portanto, a partir desta concepção a educação religiosa baseia-se no respeito e busca estabelecer novas relações na convivência com as diferenças, valorizando a singularidade de cada individuo e das tradições religiosas presentes em nosso contexto social; sem propor a adesão a esta ou aquela denominação religiosa, pois esta responsabilidade cabe ao meio familiar em que este educando está inserido. Além disso, o ensino religioso favorece a reflexão crítica e a informação, mecanismos necessários no combate ao preconceito e a discriminação religiosa. De acordo com o material elaborado pela ASSINTEC Associação Interconfessional de Educação, as diretrizes representam à modernização e adequação da disciplina de Ensino Religioso, conforme a nova redação do artigo 33 da Lei nº de 20 de dezembro de 1996, que estabelecem as diretrizes e bases da educação nacional. A educação que se pretende alcançar é aquela que auxilia o aluno a compreender o mundo que o rodeia, compreensão esta que passa pela obtenção de um saber crítico, voltado para análise das forças sociais antagônicas presentes, inerentes ao modo de produção capitalista. Com isso objetiva-se instrumentalizar o aluno para busca de soluções políticas para os problemas que vivem no seu dia a dia. Eis aí o projeto de ser humano que esta escola pretende atingir, um indivíduo capaz de pensar, decidir

8 e agir, caracterizando-se desta forma com sujeito de sua própria história. Tal ser humano deve estar comprometido com a construção de uma nova sociedade, mais justa e democrática, onde todos possam ter melhores condições de vida e de trabalho, através de uma distribuição mais eqüitativa dos benefícios sociais e econômicos do desenvolvimento, visando o respeito e a dissipação do preconceito.

9 06. PLANO DE TRABALHO 1º dia Desenvolvimento das atividades: Iniciaremos a proposta de trabalho com uma roda de conversa discutindo sobre a clonagem da ovelha Dolly, nesta conversa será salientado que nós fomos criados não como clones uns dos outros, mas bem diferentes em todos os aspectos: físicos, étnicos, culturais, sociais e religiosos. religiões. Em seguida serão abordadas as diferentes crenças, igrejas e/ou seu grupo religioso acredita. Os alunos que quiserem poderão falar qual a sua religião e em que o Logo após receberão uma folha para listarem quais as qualidades que cada um precisa desenvolver para aprender a respeitar a religião alheia. Após estas anotações serão entregues papéis para que anotem todas as qualidades apontadas (sem repeti-lás) confeccionando um cartaz para expor na sala. Em seguida farão um desenho demonstrando pessoas convivendo bem, com características religiosas diferentes. Finalmente, levaram para casa uma pesquisa sobre as principais igrejas ou religiões mais comuns no bairro onde moram.

10 2º dia Desenvolvimento das atividades: Iniciaremos com a roda de conversa discutindo os seguintes assuntos: A dificuldade de viver sozinho. Com quem compartilhar a vida? As diferenças não atrapalham? Em seguida, os alunos receberão uma folha estruturada para que elaborem uma história em quadrinhos que represente a importância da convivência entre as pessoas que acreditam que não foram criadas para viverem sozinhos. Ao final, cada aluno, poderá contar sua história para o grande grupo; realizando, debates e interpretações pessoais. Finalmente, os alunos irão pesquisar e confeccionar coletivamente, em grupos de 3 a 4 alunos, cartazes com recortes de gravuras de pessoas de diferentes religiões. Serão orientados a colar as figuras coletadas dentro de um circulo por eles desenhado previamente para representar a experiência da boa convivência. 3º dia Desenvolvimento das atividades: Iniciaremos recordando os seguintes assuntos estudados anteriormente a respeito do tema:

11 Os ensinamentos das diferentes religiões. A convivência baseada no respeito á diversidade religiosa. Atitudes de respeito perante as diferenças presentes na vida humana. Relembrando estes estudos, propor que façam um desenho que represente um pouco do que aprenderam nas aulas ministradas. Em seguida propor a brincadeira do espelho - as crianças ficam de 2 em 2 e uma será o espelho que imita o que a outra se faz troca. Colocar uma música suave de fundo. Conduzir o questionamento para comparação entre o tipo de pele, cabelo, cor de olhos, através deste questionamento perceber que as pessoas são diferentes, como seres humanos, somos todos iguais, temos o mesmo valor diante da vida e do universo, portanto, todos podemos respeitar os outros como são e merecemos respeito. Em seguida montaremos um painel com frases curtas, registrando nele o que devemos fazer aos outros, e quais coisas que gostaríamos que fizessem a nós. Após, pedir que desenhem com giz de cera algum símbolo que represente a paz. Criar uma pequena história sobre a paz na convivência entre as pessoas de diferentes culturas e religiões. Organizar uma exposição dos trabalhos. Encerrar a aula cantando e recitando numa roda o poema: Paz

12 Nós lançamos a semente e retomamos nossa paz que o futuro hoje nos dê de presente a paz em cada um de nós. Ao final, pedir que tragam para o próximo encontro uma tarefa de pesquisa junto as tradições religiosas da comunidade: o que a sua igreja ou religião está fazendo para promover a paz em nossa comunidade e no mundo? Ao retornarem com as pesquisar socializar a pesquisa com outras turmas. 4º dia Desenvolvimento das atividades: Trazer para a sala de aula, e entregar para os alunos, revistas e jornais para que procurem assuntos relacionados à vida social, destacando os assuntos que lhes despertem maior interesse. Os alunos devem se organizar em equipes por temas específicos, por exemplo: pessoas que contribuíram para o bem estar da sociedade das mais diferentes maneiras; reportagens que enfoque situações problemas entre os povos como: o racismo, as guerras, conflitos religiosos entre demais assuntos positivos e negativos relacionados ao mundo secular. Ao término das pesquisas, discussões e leituras serão confeccionadas caixas de assuntos, que poderão ser de: papelão, compensado ou outro material qualquer. pelo qual se refere. Cada caixa receberá um nome, de acordo com o foco do assunto Os alunos deverão fazer colagens de desenhos e gravuras alusivas ao conteúdo geral das noticias, nas paredes da caixa. Dentro poderão ser guardados objetos, reportagens, textos, fotos, por eles encontrados.

13 Em seguida cada grupo irá redigir textos coletivos ou individuais referente à notícia, expressando opinião e sensibilidade ao tema; em que farão trocas em forma de debate com os demais colegas. Ao concluírem a atividade será realizada uma exposição para a escola e comunidade, e o material ficará na biblioteca para ser consultado.

14 07. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Nesse contexto, a avaliação da aprendizagem efetuada na escola deve ser entendida com parte do processo ensino aprendizagem, deve servir ao professor para estudar e interpretar os dados da aprendizagem e do seu próprio trabalho. Visa acompanhar e aperfeiçoar o processo de aprendizagem dos alunos, podendo assim diagnosticar seu resultado. A avaliação é contínua, permanente e cumulativa, tomada na sua melhor forma, preponderando os aspectos qualitativos da aprendizagem. Os critérios de avaliação do aproveitamento estão embasados na proposta pedagógica, obedecendo à ordenação e á seqüência do ensino e da aprendizagem. Com o objetivo de democratizar as informações, propor mudanças ou não nas estratégias pedagógicas, envolvendo toda a comunidade escolar (família, professores, funcionários e alunos). É fundamental que os alunos se situem no seu tempo, como agentes históricos, críticos e sociais e entendam que devemos sempre demonstrar interesse pela vida alheia no sentido de contribuir para o bem-estar das pessoas, dentre estas características destaca-se o respeito mútuo; sendo assim os alunos poderão ser capazes de vivenciar a fé bíblica, assumindo assim uma preocupação com a justiça e a responsabilidade social. A avaliação será através do desenvolvimento das atividades realizadas pelos alunos.

15 08. RECURSOS DIDÁTICOS Os recursos utilizados neste projeto serão: retro projetor, vídeos/ filmes e documentários, transparências, textos de diferentes fontes, pesquisa de campo, livros didáticos, jornal, papel para anotações, lápis, papel bobina, revistas, caixas de papelão ou outro material, rádio, CD, textos diversos.

16 09. REFERÊNCIAIS ARAÚJO, C. Avivamento e vida espiritual - revista de estudos bíblicos. Paraná; Brasil, AQUINO, J. Diferenças e Preconceito na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Sumus, BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, v. CRUZ, T.M. Irmãos a Caminho. São Paulo: FTD, CRUZ, T.M. Prática de Educação Religiosa. São Paulo: FTD, CRUZ, T.M. Reinventar a vida. São Paulo: FTD, TUMA, M. Viver é descobrir: história e geografia. São Paulo; FTD, 1992.

17 10. CONTEÚDO Conteúdo Temas Alteridade (as orientações para o relacionamento com o outro permeado por valores). A alteridade significa o reconhecimento do outro. Esse outro que me é diferente, que me questiona e exige um posicionamento. A alteridade é reconhecer cada pessoa com suas diferenças e singularidades. Para conviver numa sociedade pluralista a pessoa precisa reconhecer o direito á diferença, aceitando a si mesma e ao outro com naturalidade e respeito. O respeito às diferenças é valor básico 2ª Série O meu jeito de ser. O outro com seu jeito de ser. Convivendo com os outros. A riqueza das diferenças. O valor da amizade. O que significa ter paz e viver em paz. Eu e o outro. Eu me respeito e respeito os outros. O diferente é interessante. As pessoas são mais importantes do que coisas. Juntos podemos construir a paz. Participar é crescer junto com os outros. para a construção da paz e do entendimento mútuo, dissipando toda

18 forma de preconceito e exclusão humana. A responsabilidade é a capacidade de dar respostas, e estas respostas significam a qualidade e o cuidado para com os outros, valorizando a si mesmo e reconhecendo o valor do outro. Todas as relações permeadas de valores que se expressam no agir podem qualificar experiências, o encontro entre Tu e o Eu. A singularidade de cada um se fortalece na medida em que o respeito ao outro se solidifica e acontece de forma natural, como resultado do processo de aprendizagem. Fonte: Apostila de Educação Religiosa: Planejamento de aulas- ciclo I- Borres Guilouski

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós).

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós). 1. TEMA: Somos crianças e temos deveres 2. CICLO: 1ª Etapa 1º Ciclo 1ª série 3. ALUNA: Daiani Fernandes de Oliveira 4. E-MAIL: daiapink@hotmail.com 5. EIXOS: Ensino religioso: Alteridade (O Eu/ Eu sou

Leia mais

PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE

PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE 165 PRÁTICAS ESCOLARES NORTEADAS POR PROJETOS DE TRABALHO QUE FOMENTAM A FORMAÇÃO DOCENTE Fausiene Pereira Resende Victor-UFU fausiene_ped_ufu@hotmail.com Vivian Moreira Batista-UFU vivisacra@gmail.com

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES Luciana Bessa Silva (bessaluciana@hotmail.com) RESUMO Como humanos, narramos nossos sentimentos, nossos desejos, nossas emoções, nossas

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS COLÉGIO CAETANO CAPRÍCIO Rua Manoel Valim, 639 - Vila Aparecida CEP 14401-255 Franca /SP Telefone: (16) 3724-2999 www.caetanocapricio.com.br caetanocapricio@caetanocapricio.com.br Orientações 2012 Nossa

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Prof. MSc. Paulo Cesar Lopes Krelling Universidade Federal do Paraná Núcleo de Educação a Distância Praça

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

ATLAS.ti: UM SOFTWARE PARA ANÁLISE DE IMAGENS

ATLAS.ti: UM SOFTWARE PARA ANÁLISE DE IMAGENS ATLAS.ti: UM SOFTWARE PARA ANÁLISE DE IMAGENS RODRIGUES *, Edile M. Fracaro edile@celulas.com.br Resumo O software ATLAS.ti tem se mostrado um instrumento eficiente na análise de questionários com questões

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Camila Ely 1 Mateus Lorenzon 2 Resumo: Neste artigo, decorrente da disciplina de Estágio Supervisionado em

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós! Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!.turma: 1º Período A Professora

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO 1º PERÍODO Prezados pais, Encaminhamos a Programação da 3ª Etapa de 2015, material que serve de apoio para o acompanhamento das habilidades que serão desenvolvidas. Lembramos que este planejamento é flexível

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES EMEF ANTÔNIO ANDRADE GUIMARÃES PROJETO CONSCIÊNCIA NEGRA: EDUCAÇÃO NÃO TEM COR. PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando

Leia mais

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC)

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) 1 FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) IES: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA ORIENTADOR: Prof. DARTAGNAN PINTO GUEDES ÁREA CURRICULAR: EDUCAÇÃO FÍSICA DEZEMBRO 2008 LONDRINA

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica

Educação Moral e Religiosa Católica Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Ano letivo: 205/6 Educação Moral e Religiosa Católica Planos de Unidade do 7º ano de escolaridade Unidade letiva : As origens Metas: B. Construir uma chave de

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA ENFERMAGEM DA FAMÍLIA A CIÊNCIA É APENAS UM DOS OLHOS POSSÍVEIS NA IMENSA BUSCA DE SIGNIFICADOS INFLUÊNCIAS NAS FAMÍLIAS Valores Tamanho Cuidados de saúde Hábitos sociais EMOÇÕES: MEDO PAZ CULPA ESPERANÇA

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente

MESTRADO PROFISSIONAL Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente MESTRADO PROFISSIONAL Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente Responsável pelo projeto: Maria Helena Machado Orientadora: Rosane Meirelles MESTRADO PROFISSIONAL Ensino em Ciências da Saúde e do

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL Renata Fonseca Bezerra¹, Eliete Alves de Sousa¹, Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Francisco Cleiton da Rocha²

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

Diretrizes para o Ensino Religioso - 2011

Diretrizes para o Ensino Religioso - 2011 PARAMETRO DE ENSINO RELIGIOSO - 6º AO 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL REDE MUNICIPAL DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o Ensino Religioso - 2011 1 Ensino Religioso na LDB 9394/96: Com a nova L.D.B., o Ensino

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES.

LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. AUTORA: Flavia Wegrzyn Martinez¹- UEPG CO- AUTORA: Susana Soares Tozetto²- UEPG Resumo: O

Leia mais

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Resumo ATAÍDE, Sandra Terezinha Guimarães 1 - UNIPLAC Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NO COTIDIANO DA ESCOLA ESTADUAL MANOEL ALVES GRANDE 1

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NO COTIDIANO DA ESCOLA ESTADUAL MANOEL ALVES GRANDE 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NO COTIDIANO DA ESCOLA ESTADUAL

Leia mais

Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento

Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento Carolina Romano de Andrade Prof.Coord. Pós Graduação Dança- Educação Faculdades Integradas de Bauru Prof.Universidade

Leia mais

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES Estruturas responsáveis pela implementação das ações de melhoria: 1. Conselho Geral/Direção/ Conselho Pedagógico; 2. Departamentos curriculares; 3. Conselhos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE TOYODA-2014 PROJETO IDENTIDADE MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA TURMA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (AZALÉIA E ACÁCIA) PROFESSORAS: GENISMEYRE E LUCILEILA Projeto Identidade Público

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS 1. Por que você decidiu fazer esse curso? 57% para ampliar conhecimentos, aperfeiçoar o trabalho, ampliar horizontes, permanecer na área 26% pelo sonho de ser educadora, gostar e acreditar na educação,

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges

Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges Município/Escola Bandeirantes/ Ernesto Solon Borges Ações desenvolvidas (maio a novembro/2013)

Leia mais

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. Resumo: MIGUEL, Rebeca Signorelli UNICAMP rebs.rebequinha@gmail.com PRODÓCIMO, Elaine UNICAMP elaine@fef.unicamp.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE EIXO. çzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa

ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE EIXO. çzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçz xcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn mqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE INTRODUÇÃO Patrícia Aparecida Mendes * Thiago Henrique da Silva ** A Geografia

Leia mais

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Prezados Pais: Este documento foi preparado com o objetivo de oferecer a vocês informações sobre o trabalho que será realizado com as crianças durante

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida *

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Mariene Helena Duarte¹, Maria da Gloria Bastos de Freitas Mesquita² marieneduarte@hotmail.com ¹ Graduanda em Química Bolsista Iniciação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 Mantena-MG INTRODUÇÃO A Faculdade de Mantena FAMA - é um estabelecimento particular de ensino superior, que visa a atender

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP DEZEMBRO DE 2003 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO...

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III 1ª ETAPA COMPONENTE CURRICULAR - BRINCAR Objetos e Significados na brincadeira Participar das brincadeiras exploradas. Utilizar os brinquedos de maneira cuidadosa. Participar de jogos com ou sem a intervenção

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL Morgana Bica Szadkoski 1 e Laís Ferraz Teixeira Ávila 1 Ricardo Antonini 2 RESUMO O trabalho aqui apresentado é o resultado de estudos

Leia mais

VII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 08 a 10 novembro de 2011 - ISSN 2175-960X Pg.

VII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Londrina de 08 a 10 novembro de 2011 - ISSN 2175-960X Pg. TERAPIA CORPORAL: UM PROJETO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA QUE ATENDE PAIS E CUIDADORES DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SÔNIA BERTONI 1 FAEFI/UFU MARIA HELENA

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade.

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Ministério da Educação Início do Conteúdo A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Autor e Co-autor(es) Autor Fátima Rezende Naves Dias UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

Projeto Brinquedoteca Hospitalar Nosso Cantinho - Relato de Experiência de Brincar

Projeto Brinquedoteca Hospitalar Nosso Cantinho - Relato de Experiência de Brincar Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Brinquedoteca Hospitalar Nosso Cantinho - Relato de Experiência de Brincar Área Temática de

Leia mais

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): DULCELENA RIBEIRO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA ICP n. 007-B/2011 Criação e Implementação do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Boa Vista. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RORAIMA, por meio de sua Representante

Leia mais

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO:

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO: DENOMINAÇÃO DO PROJETO : Convivência Social, Ética e Valores Humanos na Educação Infantil INÍCIO EM: 06 e 07 / 02 / 12 TÉRMINO EM : 05 / 12 / 12 TOTAL DE 156 HORAS Nunca estamos preparados para a surpresa

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL DE VALORES E ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA PROJETOS DE VOLUNTARIADO CRID MIMAR As professoras: Ana Paula Ramalho Paula Cristina Baptista Maria João Coelho Pinto Susana Costa 5.º ANO A 6.º ANO B 7.º ANO A SAIR DE NÓS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE)

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE) Núcleos de Estudo Caderno de Apoio Núcleos de Estudo 1 Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? [perguntou a Alice] Isso depende muito de para onde é que queres ir disse o Gato.

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO Na vida de uma criança, para além do entretenimento, o jogo

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA INTERCULTURAL PARA PROFESSORES DE ESCOLAS DE FRONTEIRAS. Modalidade a Distância

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA INTERCULTURAL PARA PROFESSORES DE ESCOLAS DE FRONTEIRAS. Modalidade a Distância PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA INTERCULTURAL PARA PROFESSORES DE ESCOLAS DE FRONTEIRAS Modalidade a Distância Coordenação geral: Profa. Dra. Eliana Povoas Estrela Brito

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205 OS NOMES DE LUGARES DE ORIGEM INDÍGENA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO 6º AO 9º DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE ESTUDO TOPONÍMICO

Leia mais

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO AGRICULTURA FAMILIAR Comissão Nacional da UNESCO ; u r l: h t t p : / / w w w. u n e s c o p o r t u g a l. m n e. p t Concurso para a Rede de Escolas

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 5, DE 9 DE MAIO DE 2006. Dispõe sobre a oferta de ensino religioso nas escolas públicas integrantes do Sistema de Ensino do

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais