Sistema de monitoramento e avaliação de empresas incubadas: Aplicação em uma Incubadora da UFRN. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de monitoramento e avaliação de empresas incubadas: Aplicação em uma Incubadora da UFRN. Resumo"

Transcrição

1 Sistema de monitoramento e avaliação de empresas incubadas: Aplicação em uma Incubadora da UFRN Resumo Autores: Raquel Siqueira Maciel Anderson Paiva Cruz Rafael Vidal Aroca Valéria Maria Ferreira da Cruz Objetivo: criar um sistema de monitoramento e avaliação para as empresas incubadas em uma incubadora de base tecnológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), utilizando indicadores de desempenho e adotando como base os elementos adotados pelo Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE). Metodologia: para realização desta pesquisa foram utilizados dois procedimentos básicos, a revisão bibliográfica da literatura para criar os indicadores de desempenho utilizados pela incubadora e o estudo de caso como instrumento de verificação de adequação dos indicadores. O modelo foi aplicado nas dez empresas incubadas em uma incubadora de base tecnológica. Resultados alcançados: a criação do sistema de monitoramento e avaliação permitiu um acompanhamento preciso do desempenho das empresas e com a sua aplicação foi possível identificar em quais áreas do negócio os novos empreendimentos possuem maior dificuldade. Palavras chaves: Incubadoras de Empresas; Monitoramento e avaliação; Indicadores de Desempenho; CERNE. Raquel Siqueira Maciel - Engenheira de Produção - UFRN - Campus Universitário Lagoa Nova Natal/RN Telefone: (84) Ramal Anderson Paiva Cruz - Doutor em Ciências da Computação - UFRN - Campus Universitário Lagoa Nova Natal/RN Telefone: (84) Ramal Rafael Vidal Aroca - Doutor em Engenharia Elétrica e da Computação - UFSCAR - Jardim Guanabara São Carlos, SP - Telefone: (16) Valéria Maria Ferreira da Cruz - Mestre em Engenharia Química - Consultora Credenciada do Sebrae/RN - Av. Lima e Silva nº Lagoa Nova, Natal/RN -

2 Abstract Objective: to create a system of monitoring and evaluation to incubated companies in a technology-based incubator located at the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN), using performance indicators and using as a basis the elements adopted by the Reference Center for New Ventures Support (CERNE). Methodology: for this research two basic procedures were used, the literature review to create performance indicators used by the incubator and the case study as a tool for verifying the suitability of the indicators. The model was applied in the ten companies incubated in an technology-based incubator. Results: the establishment of the monitoring and evaluation system allowed accurate monitoring of corporate performance and with the application of the instrument was possible to identify in which areas of the business the new enterprises have more difficulty. Keywords: Business Incubator; Monitoring and Evaluation; Performance Indicators; CERNE. 2

3 1. Introdução Uma incubadora de empresas é um ambiente voltado para o apoio e fortalecimento de micro e pequenas empresas, fornecendo determinados serviços e facilidades para ajudá-las no seu desenvolvimento e preparação para o mercado. As incubadoras são entidades promotoras de inovação e empreendedorismo e devem gerar condições favoráveis para o sucesso das empresas incubadas. Para isso devem disponibilizar infraestrutura física e tecnológica e oferecer serviços que contribuam para o aumento da produção e da produtividade; para a melhoria da qualidade dos processos e produtos; e para o fortalecimento, a consolidação e a sustentabilidade dos negócios. Dornelas (2002) afirma que uma incubadora tem como principal objetivo produzir empresas de sucesso em constante desenvolvimento, viáveis financeiramente e competitivas em seu mercado. Para que a incubadora seja eficiente em cumprir seu papel, é fundamental a existência de um processo de gestão para que possam acompanhar e avaliar o seu desempenho e das empresas incubadas. A incubadora necessita de um planejamento adequado, apoio financeiro e fomentar parcerias com outros órgãos e agentes de empreendedorismo e inovação. A medição de desempenho é um fator chave para o controle gerencial e sucesso de uma empresa, que permite avaliar se os objetivos estabelecidos pela organização estão sendo alcançados e quais ações corretivas podem ser tomadas para melhoria dos resultados. A utilização de indicadores e estruturas de medição de desempenho ajuda a identificar áreas e atividades que precisam ser aperfeiçoadas, proporcionando benefícios para os processos da incubadora e das empresas incubadas. A incubação de empresas é um assunto que vêm recebendo cada vez mais destaque no Brasil por causa de ações promovidas pelo Sebrae, Anprotec e univeridades, e academicamente, o trabalho irá contribuir com o avanço e aplicação do tema de gestão, medição de desempenho e utilização de indicadores pelas incubadoras nos seus processos de avaliação das empresas incubadas. 3

4 Do ponto de vista da incubadora, o presente trabalho irá contribuir para a melhoria da sua estruturação e gestão, visto que a incubadora estudada foi criada recentemente, em 2013, e precisa ainda desenvolver e aprimorar seu apoio às empresas incubadas. A pesquisa também será importante para a comunidade empreendedora perceber a importância e o papel desempenhado pelas incubadoras no suporte ao desenvovimento de novos negócios. 2. Objetivo Geral Criar um sistema de monitoramento e avaliação para as empresas incubadas em uma incubadora de base tecnológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), utilizando indicadores de desempenho e adotando como base os elementos adotados pelo Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE). 2.1 Objetivos específicos Identificar, na literatura disponível, e analisar os principais indicadores de desempenho utilizados; Permitir que a incubadora realize um acompanhamento periódico das empresas incubadas de maneira formal e seguindo padrões estabelecidos pelo CERNE; Aperfeiçoar o apoio oferecido aos empreendedores incubados; Verificar as principais dificuldades dos novos empreendimentos e quais áreas do negócio precisam ser melhoradas. 3. Referencial Teórico 3.1 Micro e pequenas empresas De acordo com relatório publicado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em julho de 2013 a taxa de mortalidade de novas empresas no Brasil foi de 24,4%, tomando como referência as empresas constituídas em 2007, e as informações disponíveis sobre elas até No estado do Rio grande do Norte, essa taxa aumenta para 29%. 4

5 Apesar da taxa de mortalidade das empresas ter diminuído a cada ano, como mostrado no gráfico 1, ainda é alta a quantidade de empresas que enfrentam dificuldades nos primeiros anos de funcionamento. De acordo com notícia publicada no site do governo brasileiro, no ano de 2010, 58% das empresas de pequeno porte fecharam antes de completarem cinco anos. Gráfico 1 : Taxa de Mortalidade de empresas de 2 anos no Brasil Fonte: Sobrevivência das empresas no Brasil, Sebrae, 2013 Em muitos casos, a mortalidade ocorre pela falta de conhecimento sobre como conduzir os negócios (DE SORDI et. al., 2004). A principal causa de desaparecimento das micro e pequenas brasileiras, correspondendo a 41,64% dos casos, é a falta de planejamento e informações do mercado (INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO, 2013). Durante a fase inicial e crítica do empreendimento, a incubadora pode apoiar e estimular as pequenas empresas a competirem e se adaptarem ao mercado atual. Entretanto, muitas incubadoras ainda não dispõem de mecanismos fortes de suporte à gestão empresarial, permanecendo limitadas ao fornecimento de estrutura física e serviços de apoio, não conseguindo auxiliar de forma benéfica no processo de negócio da nova empresa (FERREIRA et. al., 2008). 5

6 O uso de um modelo de gestão adequado, a utilização de indicadores de desempenho para a incubadora e suas empresas incubadas podem determinar o sucesso e eficiência do processo de incubação. O processo de gestão do desempenho é a forma pela qual a empresa administra o desempenho de acordo com suas estratégias e seus objetivos (MARTINS, 1999). 3.2 Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE) A Associação Nacional de Entidades Promotora de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) afirma que é preciso buscar a excelência na própria gestão da incubadora para que se consiga apoiar empreendimentos nascentes com eficácia. E por isso, a Anprotec em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), criou o Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE) (DIAS, 2011). O CERNE é um programa de certificação para atestar a qualidade das incubadoras do Brasil e tem como objetivo a criação de uma plataforma de soluções, de forma a ampliar a capacidade da incubadora em gerar, sistematicamente, empreendimentos inovadores bem sucedidos (DIAS, 2011; ANPROTEC, 2011). O modelo CERNE é uma plataforma baseada em boas práticas, que foram elencadas a partir de um processo coletivo e participativo, que considerou pontos discutidos em diversas incubadoras de diferentes áreas do território nacional. Criou-se uma base de referência para que seja possível reduzir o nível de variabilidade na obtenção de sucesso das empresas incubadas (ANPROTEC, 2011). O modelo foi desenvolvido a partir de três níveis de abordagem: a empresa, o processo de incubação e a incubadora. No nível da empresa foram considerados elementos referentes ao perfil da equipe, gestão da empresa, produto, mercado e capital. A incubadora deve manter um processo sistemático e documentado de avaliação, monitoramento e orientação do desempenho e da evolução da empresa envolvendo os cinco eixos: empreendedor, tecnologia, capital, mercado e gestão (CERNE, 2013). 6

7 3.3 Medição de desempenho e indicadores A necessidade básica de uma atividade de controle no processo de gerenciamento está focada nas futuras incertezas que alteram o desempenho de um plano. O processo de controle permite que se adotem ações corretivas para realinhar o desempenho real com o planejado (BALLOU, 2006). Neely, Gregory e Platts (1995) explicam que a mensuração de desempenho é a medida utilizada para quantificar a eficiência e eficácia de uma ação. Pires (2004) define desempenho como a informação quantificada do resultado de processos, que pode ser comparada com metas, padrões, resultados passados e outros processos. De acordo com Lima Jr. (2001) existem duas abordagens para tratar a questão de desempenho. A primeira refere-se à monitoração do desempenho, com o objetivo de acompanhar seu comportamento, e a segunda abordagem identifica e excuta ações no sistema para alterar o comportamento do desempenho e resultados econômicos da empresa, através de comparações com referência, outras empresas ou metas estabelecidas. Os indicadores são utilizados para medir um desempenho e compará-los a metas já estabelecidas. Faria e Costa (2010) explicam que os indicadores de desempenho possuem a finalidade de mostrar uma visão direta dos elementos essenciais no processo de gestão, no qual um bom controle requer medidas que relacionem tempo, lugar, quantidade, qualidade e custos. Lima Jr. (2001) retrata que os indicadores de desempenho possibilitam que as avaliações sejam realizadas através de fatos, dados e informações quantitativas, gerando maior confiabilidade às conclusões. Para criação dos indicadores de desempenho que vão ser utilizados pela organização, devem-se levar em consideração os objetivos das medidas para que se possa atuar sobre as causas do desempenho (FARIA e COSTA, 2010). Para Flores, Kardec e Seixas (2002) o principal objetivo dos indicadores de desempenho é indicar oportunidades de melhoria dentro da organização. Eles devem ser utilizados para ajudar a encontrar os pontos fracos da empresa e quais ações devem ser tomadas para corrigir os problemas. Na tabela 1 observam-se alguns indicadores encontrados na literatura que podem ser utilizados para medir o desempenho de uma empresa, divididos de acordo com os cinco eixos trabalhados no CERNE. 7

8 Eixo Indicadores (Fontes) Determinação e dedicação (Dornelas, 2001). Empreendedor Iniciativa (Dornelas, 2001). Assumir riscos calculados (Kaufman, 1991; Dornelas 2001). Planejamento das ações (Dornelas, 2001). Tecnológico Investimento em pesquisa e desenvolvimento (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Produtividade (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Qualidade da produção (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Faturamento da empresa (REINC, 2001). Geração de impostos (REINC, 2001). Faturamento por produto/serviço (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Planejamento e acompanhamento do fluxo de caixa (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Capital Grau de dependência da incubadora (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Resultados dos indicadores financeiros (retorno sobre investimento, sobre patrimônio, margens de lucro operacional, lucratividade, liquidez) (Uggioni, 2002). Cumprimento dos compromissos financeiros relativos a impostos, contribuições, despesas operacionais, aquisições junto a fornecedores e parceiros e despesas para com a Incubadora (Uggioni, 2002). Mercado Conhecimento e segmentação do mercado (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Parceria com clientes (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). 8

9 Grau de dependência de poucos clientes (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Necessidade dos clientes incorporadas aos produtos (Uggioni, 2002). Canais de relacionamento com a sociedade (Uggioni, 2002). Número de estágios gerados (REINC, 2001). Interação com a universidade Projetos desenvolvidos em parceria (REINC, 2001). Uso de laboratórios e dependências da universidade (REINC, 2001). Gestão Estratégia e Planejamento Elaboração e atualização do plano de negócios (Uggioni, 2002). Definição de indicadores de desempenho (Uggioni, 2002). Indicadores de desempenho da empresa são comparados com os concorrentes e referenciais externos (Uggioni, 2002). Gestão de Processos Gestão de Pessoas Metodologia ou ferramenta específica para gestão dos processos (Uggioni, 2002). Medidas de desempenho dos sócios e colaboradores - individual e em equipe (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). 9

10 Sistema de recrutamento e seleção de pessoas (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Planos de cargos, salários e participação (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009) Planos de capacitações (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Políticas de relacionamento (Bulgacov, Bulgacov e Canhada, 2009). Tabela 1 Indicadores de desempenho Fonte: Elaboro pelos autores 4. Metodologia Para o presente trabalho foi escolhida uma incubadora de empresas de base tecnológica instalada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A seleção dessa incubadora deu-se pela facilidade de acesso e rapidez na obtenção das informações necessárias para o presente trabalho, baseado na experiência de trabalho dos autores dentro da incubadora. A incubadora foi criada em setembro de 2013 e recebeu, para a etapa de incubação, sete empresas transferidas de outra incubadora da UFRN que deixou de existir. No final de 2013 a incubadora lançou um edital para atrair novos empreendimentos, aprovando no final do processo seletivo cinco empresas para a fase de incubação e dez para a fase de préincubação do seu processo de incubação. No início de 2014, duas empresas incubadas optaram pelo desligamento da incubadora, por não conseguirem dar mais continuidade aos seus projetos. 10

11 Em relação aos procedimentos que vão ser utilizados para a realização da pesquisa, adotam-se dois procedimentos básicos, a revisão bibliográfica da literatura para criar os indicadores de desempenho utilizados pela incubadora e o estudo de caso como instrumento de verificação de adequação dos indicadores. O instrumento de monitoramento e avaliação foi aplicado pela equipe da incubadora individualmente com cada empresa. 5. Sistema de monitoramento e avaliação O sistema de incubação da incubadora estudada apresenta duas etapas: préincubação e incubação. Na pré-incubação a incubadora apoia empreendedores que tenham ideia de produto ou processo inovador na área de tecnologia da informação (TI) e que necessitem de apoio para desenvolvê-la e transformá-la em negócio, com duração de até doze meses, podendo ser prorrogado por até seis meses segundo decisão do Conselho Deliberativo da incubadora. Na etapa de pré-incubação, os empreendedores ainda estão na fase de idealização/concepção da ideia e não possuem uma empresa formalmente constituída. Já a etapa de incubação tem o objetivo de apoiar empresas formalmente constituídas que tenham produto ou processo inovador na área de TI e que necessitem de apoio para aumentar sua competitividade e assegurar sua sustentabilidade. Tem duração mínima de seis meses e no máximo de vinte e quatro, podendo ser prorrogada por uma única vez por mais doze meses, à vista das especificidades e dos resultados do instrumento de monitoramento e avaliação da empresa. O sistema de monitoramento e avaliação construído para a incubadora da UFRN segue a avaliação proposta pelo CERNE, baseada nos cinco eixos: empreendedor, tecnologia, capital, mercado e gestão. As empresas são avaliadas a cada quatro meses, podendo obter uma pontuação, variando de zero a cinco pontos, para cada item do instrumento. O instrumento foi elaborado para avaliação das empresas da etapa de incubação. Como na pré-incubação ainda não existem empresas formalmente constituídas, os empreendedores passam por diversas capacitações e por uma avaliação mais simples, verificando se o modelo de negócios do empreendimento já está validado, se o produto está finalizado e com condições de ser lançado no mercado. 11

12 De acordo com os resultados do processo de monitoramento e avaliação, a empresa poderá ser considerada apta à graduação e preparada para enfrentar o mercado sem o suporte da incubadora. Para que isso seja possível, a empresa terá que obter no mínimo uma pontuação de três para cada eixo de avaliação. Para a construção do modelo de monitoramento e avaliação foram elaborados indicadores para verificar a situação da empresa em cada um dos eixos. O eixo empreendedor avalia determinadas características e qualidades pessoais dos sócios das empresas e se estão de acordo com o perfil empreendedor. No eixo tecnologia o produto é o foco, são estabelecidos critérios para averiguar a evolução e possíveis melhorias no processo produtivo e no produto. Na parte financeira da empresa é verificada a capacidade de planejamento e gestão dos recursos, assim como os resultados financeiros. No eixo de mercado são utilizados indicadores para medir o crescimento das vendas, conhecimento de mercado de atuação, segmentação dos clientes, planejamento de marketing e relacionamento da empresa com seus clientes, a sociedade e a universidade. No item de gestão observa-se se a empresa adota um planejamento estratégico para as suas ações, se estabelece metas e resultados a serem alcançados. É verificado se empresa estabelece uma gestão adequada dos seus processos e dos seus recursos humanos. É primordial que os empreendedores tenham uma visão clara do seu negócio e do seu direcionamento para geri-lo da melhor forma. MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DAS EMPRESAS INCUBADAS 1. EIXO EMPREENDEDOR 1.1.Valores do empreendedor ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO Pontuação - 1 a 5/ Observações a) Aplica seus valores pessoais ao seu perfil empreendedor? b) Tem dedicado a maior parte de seu tempo à empresa? I. Dedicação a empresa c) Ser empreendedor tem lhe proporcionado crescimento e satisfação pessoal? II. Posicionamento pessoal (bom senso) frente aos resultados (perseverança x teimosia) 12

13 1.2.Características do comportamento empreendedor d) Costuma definir objetivos, planejar ações e estabelecer metas mensuráveis, desafiantes e com significado pessoal? III. Tem foco IV. Planeja as ações V. Estabelece metas (de curto, médio e longo prazo) VI. Impõem-se desafios e) Costuma buscar oportunidades, avaliar as alternativas e calcular os riscos? VII. Assume riscos calculados f) É pró-ativo ou age forçado pelas circunstâncias quando precisa enfrentar um desafio ou superar um obstáculo? g) Adota estratégias deliberadas para influenciar ou persuadir os outros? h) Desenvolve / utiliza procedimentos para assegurar o cumprimento de prazos? i) Prioriza boas relações com clientes e fornecedores ou o lucro em curso prazo? 2. EIXO TECNOLOGIA 2.1.Inovação em processos e produtos (bens e serviços) a) O processo produtivo vem se desenvolvendo satisfatoriamente? I. Evolução do processo II. Aumento da produção III. Aumento da produtividade b) Os produtos vêm evoluindo satisfatoriamente? IV. Evolução dos produtos V. Redução dos custos VI. Melhoria da qualidade c) Tem investido em pesquisa, desenvolvimento e inovação (P&D&I)? VII. Número de ideias que chegaram a ser executadas VIII. Número de ideias executadas que tiveram sucesso IX. Número de patentes X. Valor do investimento d) A equipe da empresa tem qualificação adequada às suas necessidades? XI. % Graduação XII. % Especialização XIII. % Mestrado XIV. % Doutorado 13

14 3. EIXO CAPITAL 3.1.Gestão financeira a) Efetua regularmente os registros e controle econômicos e financeiros? I. Registra e controla contas a pagar e a receber II. Calcula e controla o custo de cada produto III. Calcula e controla o faturamento por produto b) Tem conhecimento de como é composto o capital da empresa? IV. % de recursos próprios V. % de recursos de terceiros c) Tem conhecimento de como é composto os custos da empresa? VI. % recursos humanos VII. % custeio da produção VIII. % investimentos em P&D&I IX. % outros d) Tem conhecimento de como são cobertos os custos da empresa? X. % coberto com recursos próprios XI. % coberto com recursos de terceiros e) Tem prospectado recursos financeiros reembolsáveis? f) Tem acessado recursos financeiros não reembolsáveis? XII. Editais de fomento a inovação XIII. Bolsas: tipo, quantidade e prazo de utilização g) A empresa apresenta adimplência no cumprimento dos passivos? XIV. Despesas operacionais XV. Impostos e contribuições XVI. Fornecedores XVII. Colaboradores XVIII. Incubadora h) Os resultados financeiros têm se mostrado satisfatórios? XIX. Comparativo entre despesas x receitas XX. Evolução do faturamento bruto XXI. Evolução da geração de impostos 3.2.Planejamento financeiro i) Qual a tendência apresentada pelos indicadores econômicos e financeiros da empresa? XXII. Retorno sobre o investimento XXIII. Patrimônio XXIV. Margem de lucro operacional XXV. Lucratividade 14

15 XXVI. Liquidez j) Qual o grau de dependência da incubada com a incubadora? XXVII. Utilização da infraestrutura física XXVIII. Utilização da infraestrutura tecnológica XXIX. Capacitação XXX. Assessoria / Consultoria XXXI. Outros k) Tem feito planejamento para pós-incubação? 4. EIXO MERCADO 4.1.Imagem e Conhecimento de Mercado a) A empresa utiliza critérios para segmentar o mercado? I. Prospecção de clientes alvos II. Captação de clientes da concorrência III. Identificação de mercados em potencial b) A comercialização tem evoluído satisfatoriamente? IV. Crescimento do mercado V. Crescimento do mercado c) Conhece o posicionamento da empresa no mercado? VI. Análise comparativa com os concorrentes VII. Grau de dependência de poucos clientes VIII. Expectativa de expansão do mercado a) Local b) Regional c) Nacional d) Internacional d) A empresa possui um plano de marketing? 4.2.Relacionamento com os clientes e) A empresa utiliza estratégias de marketing para se relacionar com o cliente? IX. Suporte à força de venda X. Vendas diretas XI. Promoção de vendas XII. Programas de fidelidade f) Quais os tipos de mídias utilizadas pela empresa para impulsioná-la no mercado? XIII. marketing XIV. Mídias sociais XV. Sites XVI. Google adwords XVII. Outros 15

16 g) A empresa dispõe de uma sistemática para acompanhamento da satisfação do cliente? XVIII. Eficácia do SAC Serviço de Atendimento ao Cliente XIX. Utilização das informações do SAC para implementação de melhorias nos produtos ou processos h) As necessidades dos clientes são incorporadas aos atributos dos produtos? XX. Customização dos produtos XXI. Serviço de pós venda i) Há compatibilidade entre a produção (quanto produz) e a comercialização (quanto vende)? j) A empresa estabelece parceria com seus principais clientes? 4.3.Relacionamento com a sociedade e com a UFRN k) A empresa interage efetivamente com a UFRN? XXII. Projetos desenvolvidos em parceria com a universidade XXIII. Geração de postos de trabalho (bolsas) para alunos da universidade XXIV. Geração de postos de trabalho para egressos da universidade XXV. Participação em eventos realizados / promovidos pela universidade XXVI. Parceria estabelecida com a universidade a) Aquisição de tecnologia b) Prestação de serviços l) A empresa possui canais de relacionamento estabelecidos com a sociedade? XXVII. Eficácia na comunicação da empresa com a sociedade XXVIII. Imagem da empresa perante a sociedade 5. EIXO GESTÃO 5.1.Estratégia e Planejamento a) A empresa possui um Plano de Negócio? b) A empresa adota planejamento estratégico? I. Análise estratégica:, missão, visão, objetivos e metas. II. Atenção às necessidades dos clientes e do mercado III. Atenção aos riscos associados a novos concorrentes IV. Atenção a produtos substitutos V. Análise comparativa com o desempenho dos concorrentes VI. Análise comparativa com relação aos referenciais externos 5.2.Gestão de Processos 16

17 c) A empresa adota requisitos de projetos incorporados aos produtos? VII. Novas tecnologias VIII. Aspectos ambientais IX. Aspectos legais X. Necessidades dos clientes XI. Identificação de oportunidade ou nicho de mercado d) A empresa possui metodologia ou ferramenta específica para gestão dos processos? XII. Registro, controle e redução do tempo de produção XIII. Registro, controle e melhoria da qualidade do produto XIV. Registro, controle e redução do tempo de entrega do produto (período entre o recebimento do pedido até a entrega do produto) e) A empresa adota estratégias para assegurar qualidade aos produtos? XV. Teste de integridade e desempenho dos produtos XVI. Seleção e avaliação de fornecedores XVII. Controle rigoroso de versões e de ambientes de software 5.3.Gestão de Pessoas f) A empresa possui uma sistemática de seleção de colaboradores? XVIII. Seleção por habilidades e competências g) A empresa estabelece padrões de trabalho? XIX. Orientação dos colaboradores quanto aos padrões de trabalho XX. Divulgação das práticas de gestão junto aos colaboradores XXI. Possui plano de cargos, carreira e salários XXII. Avaliação do desempenho dos colaboradores XXIII. Avaliação da satisfação dos colaboradores a) Identificação de fatores que influenciam o bem estar b) Identificação de fatores que os motivam h) A empresa utiliza metodologia ou ferramentas para assegurar bem estar das pessoas? XXIV. Condições ambientais, de risco e saúde XXV. Segurança ocupacional e ergonômica i) A empresa possui estratégias motivacionais em todos os níveis da organização? XXVI. Estímulo ao alcance de metas XXVII. Estímulo ao aprendizado 17

18 XXVIII. Reconhecimento do desempenho das pessoas a) Individual b) Em grupo XXIX. Retribuição financeira pelo desempenho das pessoas XXX. Promoção dos colaboradores em função do perfil e do desempenho j) Adota metodologia para identificar as necessidades de capacitação da equipe considerando os perfis requeridos? XXXI. Planejamento do perfil dos profissionais a serem contratados k) Sócios e colaboradores participam das ações de capacitação tecnológica oferecidas pela incubadora? l) Promove capacitações tecnológicas para sócios e colaboradores fora da incubadora? 5.4.Cumprimento dos compromissos assumidos com a incubadora m) Está executando a proposta aprovada quando do ingresso na incubadora? n) Evoluiu o modelo de negócio apresentado quando do ingresso na incubadora a um Plano de Negócio? o) A empresa tem utilizado a infraestrutura física destinada para seu uso individual? p) A empresa tem utilizado infraestrutura tecnológica da UFRN? q) Tem participado das reuniões para as quais foi convocado? r) Participou de: seminários, workshops, feiras, rodadas de negócios, para os quais foi convidado? s) Sócios e colaboradores têm participado de capacitações oferecidas pela incubadora? t) A empresa demandou consultorias / assessorias à incubadora? u) Está em dia com o pagamento das taxas e contribuições? Tabela 2 : Monitoramento e Avaliação das empresas incubadas Fonte: Elaborado pelos autores O instrumento de monitoramento e avaliação apresentado na tabela 2 foi aplicado pela primeira vez, em março de 2014, com as dez empresas na etapa de incubação da incubadora. Na tabela 3 encontram-se os resultados quantitativos da aplicação. Além do resultado quantitativo, é elaborado um relatório técnico para as empresas com um parecer para cada eixo e quais ações, cursos, capacitações ou consultorias precisam ser feitas para melhorar os resultados dos eixos e das empresas. 18

19 Eixo Empresas Eixo Empreendedor 2,98 4,38 2,74 3,90 3,64 3,86 4,55 3,88 1,79 4,27 2. Eixo Tecnologia 3,25 5,00 2,25 4,75 0,75 4,75 3,75 2,50 4,00 4,25 3. Eixo Capital 1,94 4,69 1,69 2,17 2,02 3,52 4,69 4,17 1,10 3,25 4. Eixo Mercado 1,36 3,31 1,25 1,78 0,67 2,50 2,11 2,11 1,08 1,06 5. Eixo Gestão 1,43 2,36 1,14 2,66 1,17 1,97 2,28 1,21 1,24 1,30 Tabela 3: Resultados quantitativos do monitoramento e avaliação das empresas incubadas Fonte: Elaborado pelos autores Verificou-se que todas as empresas possuem uma carência no eixo de gestão, constando-se que apenas uma possui um plano de negócios definido. Todas apresentaram dificuldades para fazer um planejamento correto das ações do negócio, pensando somente nas estratégias de curto de prazo. Nove empresas apresentaram deficiência na dimensão de mercado, muitas não sabendo a melhor forma de segmentar o mercado, prospectar novos clientes e consequentemente aumentar o seu faturamento. Com a criação do instrumento de monitoramento e avaliação é possível realizar um acompanhamento sistemático da evolução dos empreendimentos incubados e melhorar o apoio oferecido as empresas. O modelo abordou os cinco eixos do negócios que puderam ser aplicadas a todas as empresas incubadas que encontram-se em estágios diferentes de evolução. 6. Considerações Finais O presente trabalho teve como objetivo principal a criação de um sistema de monitoramente e avaliação para as empresas incubadas em uma incubadora de base tecnológica da UFRN, utilizando indicadores de desempenho e adotando como base os elementos adotados pelo CERNE. Pesquisou-se na literatura indicadores utilizados para cada um dos eixos aborados no CERNE para que fosse possível a construção de um instrumento adequado para analisar o desempenho das empresas. 19

20 A utilização de um sistema de monitoramente e avaliação permitiu que a incubadora pudesse verificar quais áreas das empresas incubadas precisam ser melhoradas e como a incubadora pode fornecer apoio a tais áreas. A incubadora deve promover o desenvolvimento e fortalecimento da empresa para quando cessado o período de incubação, os empreendimentos estarem aptos a permanecerem no mercado por conta própria. Por meio da aplicação do instrumento de monitoramento e avaliação identificouse que as áreas que as empresas apresentam pior desempenho são a de gestão e de mercado. As ações da incubadora devem priorizar a melhoria desses indicadores, através de consultoria e cursos como: construção de plano de negócio, como prospectar clientes, estratégias de marketing e vendas, gestão de processos, dentre outros. 7. Referências ANPROTEC. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas. Disponível em: <http://anprotec.org.br/publicacao.php?idpublicacao=2212> Acesso em 15 de janeiro de Barbosa, L. F. G; Hoffmann, V.E. Incubadora de empresas de base tecnológica- percepção dos empresários quanto aos apoios recebidos - RAI - Revista de Administração e Inovação, vol. 10, núm. 3, julho-setembro, 2013, pp Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, BRASIL. Portal Brasil. Economia e Emprego: Sobrevivência e mortalidade. Disponível em < Acesso em 16 de janeiro de BULGACOV, S. BULGACOV, Y.L.M. CANHADA, D.I.D. Indicadores qualitativos de gestão para incubadoras e empresas empreendedoras incubadas: um estudo longitudinal. Revista de Administração FACES Journal. Belo Horizonte, v. 8, nº 2, p , CERNE. Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos. Manual de Implantação do CERNE 1. ANPROTEC, Brasília, DF, Brasil, DE SORDI, J. O; SOUZA, J. H; TACHIZAWA, T.; BONILHA, I. D. A Inovação no Processo de Incubação: Viabilidade Para o Sucesso do Empreendedorismo. EGEPE- 20

Planejamento Estratégico Inova Metrópole

Planejamento Estratégico Inova Metrópole UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL IMD INOVA METRÓPOLE Planejamento Estratégico Inova Metrópole Natal/ RN 2013 Sumário 1. Apresentação do Instituto Metrópole Digital...

Leia mais

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR RESUMO Maria Luiza Azevedo de Carvalho Anderson Paiva

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS

EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS CAPÍTULO I Do Programa Art. 1º O BP Instituto, doravante denominado BPI, pessoa jurídica, responsável pela gestão do Condomínio Empresarial

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas Maria Clara Fonteque Scacchetti 1 Aparecido Rudnick 2 Washington Fernando Silva 3 Lucia Braga Sousa 4 Resumo: Este artigo tem o objetivo

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 1. APRESENTAÇÃO: A Universidade Salvador UNIFACS torna público o seu Programa de Empreendedorismo desenvolvido pela Incubadora de Negócios da Unifacs como um instrumento de

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da empresa (Descrever em uma página toda a empresa).

ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da empresa (Descrever em uma página toda a empresa). CAPA Nome da Empresa; Endereço, telefone; Logotipo (se houver); Nome do principal responsável; Data em que o Plano foi elaborado. ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação. da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará - RITU.

O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação. da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará - RITU. O estímulo ao empreendedorismo na universidade: o caso da préincubação da Rede de Incubadoras de Tecnologia da Universidade do Estado do Pará. Luciana Leal Sampaio (UEPA) luciana_engprod@yahoo.com.br Anderson

Leia mais

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015

EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 EDITAL UnC REITORIA - 031/2015 Dispõe sobre a chamada de Projetos de Inovação para ingresso nas Incubadoras Tecnológicas e Empresariais da UnC. A Reitora da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA Edital nº 002/2015 de 07 de Maio de 2015. O Coordenador Geral do Núcleo de Ensino a Distância

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 2015

SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 Realização: ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Francilene Procópio Garcia Presidente Jorge Luis Nicolas Audy Vice-Presidente Francisco

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC EDITAL Nº 02/2015 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO

CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO CARTILHA DO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO MOD.INC. Data:/ / Rev.:01 1 Introdução O que é uma Incubadora de Empresas? Incubadora de empresas é uma estrutura disponibilizada a empreendedores para auxiliar na criação

Leia mais

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Manual do Aluno. Escola de Engenharia Kennedy. Faculdade Kennedy. Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato

Manual do Aluno. Escola de Engenharia Kennedy. Faculdade Kennedy. Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato Manual do Aluno Escola de Engenharia Kennedy Faculdade Kennedy Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato Apresentação 01 Missão Escola de Engenharia e Faculdade Kennedy Missão Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE Anexo I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Modalidade Tipo 1 Aplicação do modelo CERNE 1 Brasília, 2011 Código da Proposta: (Uso do Sebrae): 1. DADOS

Leia mais

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ PRÁTICA-CHAVE 2.2 AVALIAÇÃO ANEXO I Edital de Incubação EDITAL Nº 03/2014 DA CRIATEC - INCUBADORA DE EMPRESAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIJUI CAMPUS IJUÍ, PANAMBI E SANTA ROSA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE O roteiro e normas abaixo discriminados foram aprovados pela Congregação da FEA em 17.8.2005. ROTEIRO E NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSOS DA CARREIRA DOCENTE NA FEA SUMÁRIO (para

Leia mais

EDITORIAL. Grande abraço. Equipe do Programa de Desenvolvimento de Negócios Equipe da Incubadora Santos Dumont

EDITORIAL. Grande abraço. Equipe do Programa de Desenvolvimento de Negócios Equipe da Incubadora Santos Dumont EDITORIAL Desde 2006 a Incubadora Santos Dumont trabalha com foco no desenvolvimento de empresas de produtos e serviços inovadores, totalizando mais de 220 empreendimentos atendidos. A partir do segundo

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região CRB 7ª PLENÁRIA Programação 18:00 às 19:30 Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo CRB 7ª 19:30 às 20:30 Palestra Empreendedorismo e Intraempreendedorismo

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LUZERNA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE LUZERNA - ITL

PREFEITURA MUNICIPAL DE LUZERNA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE LUZERNA - ITL PREFEITURA MUNICIPAL DE LUZERNA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE LUZERNA - ITL Chamada Pública 02/2015 A Prefeitura Municipal de Luzerna, através da Incubadora Tecnológica - Luzerna torna pública que estão abertas

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP Processos de Gestão de Incubadoras de s: As Melhores Práticas da Rede de Incubadoras do Rio de Janeiro Juliana Calfa de Assis Graduando em Engenharia de Produção Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA

Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA. Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Programa de Incubação de Empresas de Inovação Tecnológica/UNIFRA Prof.º Lissandro Dorneles Dalla Nora Coordenador Incubadora UNIFRA Roteiro Incubadora Histórico / UNIFRA Programa de Incubação UNIFRA Organograma

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO A Incubadora Uninorte Empreende, incubadora de empresas do Centro Universitário do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INGRESSO NA ITSM/UFSM INCUBADORA DE EMPRESAS,

Leia mais

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA O FRANCHISE COLLEGE é um centro de referência em educação e geração de conhecimento em franchising. Valorizamos a pesquisa fundamentada em soluções reais que contribuam para o aprimoramento do franchising

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO EDITAL DE CREDENCIAMENTO 01 Convênio ATN/ME- 11533-BR Cooperação Técnica Não- Reembolsável. Desenvolvimento de Metodologia para Implantação de Microfranquias 02 Identificação do Edital de Credenciamento

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE PARA INCUBADORAS DE EMPRESAS NO BRASIL: ESTRATÉGIAS PARA OBTENÇÃO DOS SELOS CERNE

CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE PARA INCUBADORAS DE EMPRESAS NO BRASIL: ESTRATÉGIAS PARA OBTENÇÃO DOS SELOS CERNE XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV Autores: Ronise Suzuki- Mestre em Administração - UFV Andréa Furtado de Almeida- Especialista em Gestão

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO CERNE NO SERIDÓ

UTILIZAÇÃO DO CERNE NO SERIDÓ UTILIZAÇÃO DO CERNE NO SERIDÓ Autor: Guedes, Iara Lúcia Vaz 1 Co-autora: Santos, Dione Maria Fernandes dos 2 RESUMO O presente artigo pretende discorrer sobre a experiência de implantação do Centro de

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA ECONOMIA CRIATIVA - 01/2015 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS 1. APRESENTAÇÃO A Fundação

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO S.A. CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO

Leia mais

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA?

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O IEL O Instituto Euvaldo Lodi é uma entidade vinculada à CNI - Confederação Nacional da Indústria. Com 101 unidades em 26 estados e no Distrito

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente A ELEIÇÃO OCORRERÁ DIAS 14 E 15 DE ABRIL Para votar é necessário apresentar o crachá ou documento oficial com foto. Neste caso, é preciso saber o número

Leia mais