Do ponto de vista profissional realizo o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do ponto de vista profissional realizo o"

Transcrição

1 HIFU: Terapia Focal (Sob Medida) para o Câncer da Próstata Dr. Marcelo L. Bendhack* Divulgação * Associação de Uro-Oncologia, UROLA Latinoamérica & Brasil. Diretor Técnico Médico Clínica Uro-Onco de Curitiba. CRM-PR CRM-SP Do juramento do médico: Senhor: Dá-me a correção nas atitudes e força para poder aliviar ao menos uma parte da carga de sofrimentos dos meus semelhantes. Dá-me a graça de compreender o privilégio que Tu me concedes. Dá-me a graça de confiar em ti com a fé simples de uma criança. Do ponto de vista profissional realizo o exame de detecção precoce, a biópsia transretal da próstata guiada por ultrassonografia (US), o tratamento cirúrgico e outros para o câncer da próstata (CAP) localizado, o tratamento hormonal e da doença hormônio independente, p. ex. com bisfosfonatos e quimioterapia. Não somente conduzo o paciente com doença localizada, mas também quando os sofrimentos pessoais e familiares se tornam intensos, nos casos de doença metastática e terminal. Esta conduta (a mais completa possível para o CAP) me permite avaliar as consequências de um tratamento realizado na fase inicial da doença, i.é correlacionar a conduta escolhida e, no momento da eventual progressão, tentar estabelecer causa/efeito e, desta feita, procurar compreender melhor as vantagens e desvantagens do específico tratamento primariamente efetuado. Assunto apontado por nosso grupo de trabalho, em 1997, continua sendo absolutamente atual neste contexto: Uma tarefa importante ainda não resolvida é a de encontrar parâmetros capazes de estimar o potencial de malignidade do tumor no período pré-operatório. (1) Fundamentos (ciência básica) Uma célula-tronco cancerosa não é somente a origem do tumor, mas também pode mantê-lo vivo e causar metástases e recidiva. Estas células são resistentes às terapias clássicas disponíveis. Novos tratamentos devem basear seu foco nas células-tronco tumorais. Estes são conceitos apresentados no evento 6 Simpósio Internacional de Uro-Oncologia, Latino-Americano (UROLA), em 2008, no México, pelo Professor Ackermann. Eles continuam sendo altamente relevantes para os que se dedicam à pesquisa e busca da cura das doenças neoplásicas malignas. Outros dados nos são gentilmente apresentados pelo Prof. Fábio Faucz, biólogo molecular e professor da Pós-Graduação da PUC-PR, além de responsável pelos estudos, nesta área, para a UROLA. Seguem os seus comentários. Segundo o Prof. Fábio, atualmente muitos pesquisadores têm levado mais a sério aspectos relacionados a particularidades genéticas 74 Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/2011

2 Estudos em andamento têm tido, como principal objetivo, a definição dos mecanismos pelos quais a transcrição de ESR1 super-regula a expressão e atividade de CYP19 como modificadoras de características relacionadas diretamente a determinadas doenças, incluindo o CAP. Numerosos laboratórios de pesquisa estão focados em correlacionar variantes genéticas encontradas em genes específicos com o diagnóstico, prognóstico ou mesmo o resultado terapêutico do tratamento do CAP. Mais do que isto, os investigadores estão, cada vez mais, reconhecendo a importância de analisar vias metabólicas em vez de um único gene. O CAP é uma das doenças malignas urológicas que já foi estudada a esse respeito e dois genes podem ser apontados: o receptor de estrogênio alfa (ESR1-ER) e genes da aromatase. (2,3) O receptor de estrogênio alfa é um fator de transcrição que pertence à superfamília de receptores hormonais nucleares e é ativado pelo estrogênio. Ele é expresso principalmente no útero, próstata (estroma), ovário (células da teca), testículos (células de Leydig), epidídimo, ossos, mama, várias regiões do cérebro, fígado e tecido adiposo branco. Este receptor regula a ativação da transcrição, ligando a sequência de DNA, que são alvos principais de outros fatores de transcrição. Já a aromatase, também chamada de estrogênio sintetase, é um membro da superfamília do citocromo P450 e é codificada pelo gene CYP19. A enzima é capaz de converter andrógenos em estrógenos. A sua ampla distribuição gênica sugere que o estrogênio produzido por esta enzima tem funções fisiológicas, não só como um hormônio esteroide sexual, mas também no crescimento e/ou diferenciação. (4,5) Estudos em andamento têm tido, como principal objetivo, a definição dos mecanismos pelos quais a transcrição de ESR1 super-regula a expressão e atividade de CYP19. (6) Podemos usar como exemplo o trabalho desenvolvido por Sissung e colaboradores (7) que, numa tentativa de explicar os vários níveis interindividuais de resposta ao tratamento com docetaxel (incluindo a sobrevida global), fizeram uma análise de polimorfismos genéticos nos genes do receptor de estrogênio alfa e da aromatase em pacientes com CAP resistentes a castração (CPRC) tratados com terapia baseada em docetaxel. Os autores analisaram a distribuição de polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) nestes dois genes em 111 pacientes com CPRC tratados com docetaxel. Duas importantes observações feitas pelo grupo foram: 1) pacientes portadores de polimorfismos nas duas cópias do gene ESR1 apresentaram menor sobrevida livre de progressão com docetaxel do que outros pacientes e, 2) em relação ao gene CYP19, eles identificaram uma relação entre a duração da sobrevida após docetaxel em pacientes com mais de 70 anos de idade e a variante R264C. Além dos resultados diretos obtidos por Sissung e cols., (7) seu trabalho continua sendo muito valioso, principalmente pela tentativa de compreensão da relação entre a tríade gene-droga-doença. Esta forma de análise tem se tornado muito utilizada, porque os resultados obtidos através da mesma podem fornecer informações importantes relacionadas ao risco, diagnóstico, prognóstico e terapêutica. Este tipo de análise pode resultar na caracterização e no desenvolvimento de drogas com toxicidade reduzida quando aplicado a grupos de indivíduos classificados de acordo com sua característica genética. Ainda de acordo com o Prof. Faucz, visto que esta abordagem, que objetiva a caracterização de novos agentes terapêuticos com base no genótipo de genes relacionados a vias metabólicas, tem se mostrado eficaz, poderemos pensar, para os próximos anos, em adquirir o potencial de mudar a perspectiva do tratamento do câncer, e assim ter medicamentos/dosagens diretamente desenvolvidos a grupos específicos de pacientes. Esta seria também, com bases em estudos de biologia molecular, uma forma de realizar terapias sob medida para grupos específicos de pacientes com CAP. Screening Todo homem deveria ter uma avaliação inicial, de seu antígeno prostático específico (PSA), aos 40 anos de idade. Homens com mais de 75 anos de idade e PSA total inferior ou igual a 3 ng/ml praticamente não necessitariam de futuras avaliações, pois o seu risco de morte por CAP seria muito baixo. Estas são recomendações apresentadas na última edição das diretrizes da Associação Europeia de Urologia (EAU, 2011). (8) Sessão plenária da AUA (AssocIAÇÃO Americana de Urologia) de 2011 Em homens com CAP localizado detectados na era inicial do PSA, a prostatectomia radical, ao ser comparada com a observação, produziu reduções em todas as causas de e na mortalidade por CAP que foram não significativas e menores que 3% em termos absolutos. Enquanto a cirurgia não reduziu a mortalidade mais que a observação em pacientes com CAP com PSA baixo ou de baixo risco, os resultados sugerem um benefício da cirurgia para homens com PSA mais elevado ou doença de mais alto risco. Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/

3 CAP localizado O conhecimento sobre a história natural, os trabalhos sobre active surveillance e os resultados científicos do tratamento do CAP com novas tecnologias nos permite classificar, estratificar e apresentar um novo paradigma acerca da terapia desta doença. Atualmente podemos resumir as formas terapêuticas da doença localizada como apresentado da figura 1. Como se verifica nesta figura, podemos considerar três como os principais métodos de tratamento: a cirurgia, a radioterapia externa e, mais recentemente, a ultrassonografia focada de alta intensidade (HIFU). A classificação de D Amico é a mais utilizada, mundialmente, para determinar o risco do CAP. De acordo com ela, a doença de baixo risco apresenta resultados de tratamento bons e relativamente semelhantes, independentemente do tipo de terapia empregado. Para a doença de alto risco, no entanto, a cirurgia se constitui no método de escolha, pois apresenta os melhores resultados em longo prazo. (9) A braquiterapia, de acordo com o trabalho de Cooperberg et al., (10) se comparados os anos de vs , apresentou redução de cerca 50% no número indicações para tratamento da doença de alto risco. Os tumores localmente avançados, em especial os ct3, já recebiam desde , por personalidades como os Professores Frohmuller de Wurzburg, Ackermann de Dusseldorf e Zincke da Mayo Clinic, a indicação preferencial de cirurgia. No seu trabalho de julho de 1997, publicado na revista UROLOGE A, o primeiro deles já apontava: não há justificativa para excluir a prostatectomia radical como forma de tratamento para os tumores da próstata pt3pn0. Estes conceitos foram reforçados nos eventos UROLA de 2003 e Assim temos tratado pacientes com doença localmente avançada e de alto risco, desde 1994, preferencialmente com cirurgia. Verificamos um crescente número de apresentações, nos últimos eventos, sobre o tratamento cirúrgico da doença de alto risco. Esse tema é muito relevante, mas, como apontamos, há muito se conhece o resultado superior do tratamento cirúrgico para pacientes com doença localizada de alto risco. Sobre a cirurgia podemos comentar que seus aspectos técnicos são bastante conhecidos, que a técnica de preservação da potência e continência está bem estabelecida e que o estudo intraoperatório de congelação para verificação das margens parece ter uma utilidade limitada, porém se torna interessante em casos selecionados. Este estudo intraoperatório, quando comparado com os resultados de parafina e evolução clínica, se constitui num aspecto técnico especial que pode contribuir para determinar um dos conceitos aplicados na terapia sob medida. O estudo de congelação serviu não somente para conhecer o estado específico das margens de um único paciente, mas para desenvolver ainda mais o que uma patologista apresentou durante o Congresso da SIU (Sociedade Internacional de Urologia), no ano de 2009, em Xangai (China), que é: em última análise o que determina a escolha do melhor tratamento é a intuição do urologista. Tratamento cirúrgico do CAP O desenvolvimento da intuição, do meu ponto de vista, se baseia em vários fatores: treinamento, conhecimento técnico e científico, sensibilidade pessoal, caráter, desejo de sucesso terapêutico e, sobretudo, capacidade de se colocar na condição clínica específica em que o paciente se encontra. O profissional que não correlaciona a condição clínica do paciente com a conduta que irá tomar e o possível (consequente) resultado, pode estar mais próximo da insensibilidade, provavelmente destituído de intuição. Acredito que a intuição nos auxilie, mas devemos sempre respeitar os conhecimentos obtidos pela revisão da literatura e pela medicina baseada em evidências. Talvez a melhor recomendação deva ser: intuição baseada em ciência, i.é, dentro dos limites desta última. De acordo com os trabalhos apresentados no último (sétimo) Simpósio Internacional de Uro-Oncologia (UROLA), na cidade de Curitiba, em 2010, a cirurgia convencional ABERTA foi considerada como PADRÃO OURO. A cirurgia laparoscópica foi apontada como sendo inferior, do ponto de vista de resultados funcionais e oncológicos. A cirurgia laparoscópica Figura 1. Tratamentos para o câncer da próstata localizado 76 Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/2011

4 robótica parece ter bons resultados em centros superespecializados, mas dados concretos que possam justificar seu emprego ainda não foram apresentados, sobretudo em longo prazo. Logo, se a doença de baixo risco tem bons resultados com os vários tipos de tratamento disponíveis, devemos buscar aquele que proporcione o menor índice de complicações. Terapia focal (HIFU) Figura 2. Concentração de energia solar à semelhança da energia acústica no HIFU. Figura 3. Visualização da energia acústica e elevação da temperatura no ponto focal (em laranja). Figura 4. Necrose de coagulação em outros tecidos. Se a doença de baixo risco tem bons resultados com os vários tipos de tratamento disponíveis, devemos buscar aquele que proporcione o menor índice de complicações Recentemente, numa de minhas palestras, no Brasil, surgiu a seguinte indagação: o que você quer dizer com focal? Ao que eu respondi: trata-se do foco da ultrassonografia aplicada, relacionado ao emprego da HIFU (ultrassonografia focada de alta intensidade, ou do inglês high intensity focused ultrasound). Neste contexto, o termo FOCAL pode ser ainda empregado de diversas maneiras: 1) Tratamento focal da próstata inteira: conceito clássico e amplamente difundido. Técnica aplicada atualmente em 30 países, já utilizada para mais de pacientes. 2) Tratamento focal da metade da próstata (hemihifu) ou, ainda, em L. Neste último cenário se trata uma metade inteira e a porção posterior da outra, p.ex. na condição de se ter biópsia positiva apenas de um lado. 3) Tratamento focal localizado, isto é, especial na área de positividade de uma biópsia ou, p.ex. onde exames como a ressonância (de acordo também com a biópsia) apontem para uma única área com doença. Este conceito, bem como o anterior, são objetos de estudo pelo grupo do Dr. Mark Emberton, de Londres. Terapia focal (HIFU) sob medida De acordo com publicação recente na revista Urologia Essencial, um dos meios oficiais da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), a ultrassonografia (US) transretal diagnóstica está muito bem estabelecida e a terapêutica robótica (HIFU) vem sendo realizada, no Brasil, no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, desde janeiro de 2011, com o equipamento Sonablate 500. O treinamento para atuar com este equipamento vem sendo realizado em várias localidades, inicialmente em Dusseldorf, na Alemanha, durante minha residência em Urologia, nos anos de 1995 e 1996, tendo continuado no México, no ano de 2007, e na Argentina, em 2009, retornando ao México, para uma atualização, em A diferença entre estas formas está na frequência e intensidade da energia acústica aplicada, além de sua profundidade no tecido (penetração). A HIFU determina elevação focal da temperatura (figs. 2 e 3) e promove necrose de coagulação (fig. 4). Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/

5 O resultado esperado, de acordo com a ilustração, é a cavitação do tecido, ou seja, sua eliminação. O nosso conceito de terapia focal sob medida se baseia nas tabelas de nomogramas, em especial o nomograma de Sobreiro-Bendhack publicado como tese de Doutorado do primeiro em 2002, no Brasil. Naquele estudo foram incluídos 374 pacientes operados no nosso Departamento (HNSG) e 330 na Clínica Urológica da USP (fig. 5). A intenção de fato, ao se utilizar tal ferramenta em conjunto com a classificação de D Amico para o risco do CAP, é indicar a terapia focal (próstata Figura 5. Pacientes e Método Casuística Período do estudo: janeiro dezembro 2002 Centros participantes: 1) Departamento de Urologia do HNSG (n=374) 2) Divisão de Clínica Urológica HCFMUSP (n=330) Amostra inicial: 704 pacientes Exclusões: 14 pacientes (hormonioterapia/radioterapia) Amostra final: 690 pacientes Sobreiro-Bendhack inteira) para casos selecionados. Também a forma como se aplica o tratamento HI- FU pode ser mais ampla ou mais restrita, personalizada a cada paciente. O transdutor possui, simultaneamente, Doppler colorido, US preto e branco, além do terapêutico (figs. 6 e 7). Na figura 7 se pode identificar a próstata em azul e os pontos focais em amarelo. A somatória de tratamento dos vários pontos focais, nas regiões anterior, média e posterior da próstata (nesta ordem), permite determinar a ablação completa da mesma. A HIFU primária deve ser considerada, sobretudo, para pacientes com idade mais Figura 6. Sonablate 500 Transdutor. elevada e comorbidades importantes, e aqueles que não aceitam tratamento cirúrgico. O paciente ideal apresenta (fig. 8). 1- diâmetro ântero-posterior da próstata 3,7 cm (pode ser reduzido por hormonioterapia, medicamentos como dutasterida e/ou ressecção transuretral); 2 - calcificações prostáticas 1,0 cm (podem ser eliminadas por ressecção transuretral); 3 - PSA total 10 ng/ml; 4 - escore de Gleason 7 e 5 - câncer restrito ao órgão. Algumas vantagens da HIFU incluem o fato de poder ser reaplicada, se necessário. Após sua aplicação, terapias como cirurgia e radioterapia podem ser realizadas. HIFU primária apresenta taxas de eliminação da doença entre 92,4% (média de 346 dias) e 83% (8 anos). O uso de terapias minimamente invasivas para o CAP localizado oferece o potencial intermediário entre seguimento ativo e tratamentos radicais. Na América Latina, além do Brasil, HIFU está aprovada no México e Argentina. O índice de incontinência, após HIFU primária, se encontra entre 1 e 3%, com média de 2%. Os índices de disfunção erétil atingem valores entre 20 e 30%. As indicações de HIFU de salvamento incluem falhas após cirurgia radical (desde que se permita visualizar área de recidiva), falhas após radioterapia externa e/ou braquiterapia. Para falhas nestes 2 últimos modos, a taxa livre de recidiva bioquímica em 5 anos (após HIFU) foi de 52%. HIFU de Figura 7. Figura 8. O paciente ideal (tamanho, PSA, Gleason, estadiamento) Diâmetro AP 3.7cm Calcificações 1.0cm PSA 10ng/ml Score de Gleason 7 CAP restrito à próstata R. Chaluisan UROLA Meeting Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/2011

6 salvamento pode ser considerada opção promissora de tratamento. Com relação aos pacientes tratados nestes meses iniciais em que introduzimos HIFU robótica no Brasil, posso citar alguns exemplos de condições clínicas: 1 - CAP de baixo risco em pacientes que não desejavam cirurgia. Aqui foram incluídas, além dos casos habituais (apresentado previamente neste texto como paciente ideal ), três condições especiais: a. Paciente com próstata de 81 g, a qual foi submetida primariamente a uma ressecção transuretral (preparo para o critério de inclusão, que é dimensão ântero-posterior inferior a 37 mm) 35 dias antes da HIFU. HIFU foi realizada num segundo tempo, Figura 9. com boa evolução, na próstata que estava então com 32 g; b. Paciente com próstata de 64 g, a qual foi submetida há 1 semana a uma ressecção transuretral (preparo para o critério de inclusão). Este retornará em dias para realizar HIFU. c. Paciente com desejo de tratamento mínimo, i.é focal localizado. Este apresentava apenas uma região positiva à biópsia (do total de 6 regiões) e escore de Gleason 6. Realizamos tratamento em L, conforme discussão prévia com consultores internacionais. A biópsia de controle (13 fragmentos), realizada 6 meses após HIFU, se mostrou negativa. O paciente se encontra em seguimento rigoroso. O mesmo não apresentou nenhuma complicação (continência urinária e função erétil adequadamente preservadas). 2 - CAP localmente recidivado após radioterapia externa; 3 - CAP localmente recidivado após cirurgia radical (este com imagem de estrutura compatível com recidiva); 4 - CAP localmente recidivado após cirurgia radical e radioterapia externa adjuvante. A figura 9 refere-se a imagens produzidas durante os tratamentos e que nos permitem orientar e aplicar, em tempo real, a terapia focal (HIFU). CONCLUSÕES Não há justificativa para excluir a terapia focal (HIFU) sob medida como forma de tratamento para os tumores da próstata localizados e de baixo risco, especialmente para os pacientes que apresentam comorbidades, idade mais avançada e/ou não aceitação à cirurgia. Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/

7 Tumores localmente recidivados após radioterapia externa, braquiterapia e/ou cirurgia (neste caso se a recidiva pode ser visualizada) podem também ser tratados com a terapia focal. O CAP pode receber indicação, desde que respeitada a condição de risco da doença e do paciente, para ser tratado de forma individualizada, sob medida. t REFERÊNCIAS 1. Bendhack ML, Miller S, Ackermann R. Surgical therapy of locally confined prostate carcinoma. Schweiz Rundsch Med Prax 1997 Nov 12;86(46): Sun T, Lee GS, Werner L, Pomerantz M, Oh WK, Kantoff PW et al. Inherited variations in AR, ESR1, and ESR2 genes are not associated with prostate cancer aggressiveness or with efficacy of androgen deprivation therapy. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 2010;19: Desarnaud F, Geck P, Parkin C, Carpinito G, Makarovskiy AN. Gene expression profiling of the androgen independent prostate cancer cells demonstrates complex mechanisms mediating resistance to docetaxel. Cancer Biol Ther 2011;11: Harada N, Ogawa H, Shozu M, Yamada K. Genetic studies to characterize the origin of the mutation in placental aromatase deficiency. Am J Hum Genet 1992;51: Dahlman-Wright K, Cavailles V, Fuqua SA, Jordan VC, Katzenellenbogen JA, Korach KS et al. International Union of Pharmacology. LXIV. Estrogen receptors. Pharmacol Rev 2006;58: Kumar P, Kamat A, Mendelson CR. Estrogen receptor alpha (ERalpha) mediates stimulatory effects of estrogen on aromatase (CYP19) gene expression in human placenta. Mol Endocrinol 2009;23: Sissung TM, Danesi R, Kirkland CT, Baum CE, Ockers SB, Stein EV et al. Estrogen Receptor {alpha} and Aromatase Polymorphisms Affect Risk, Prognosis, and Therapeutic Outcome in Men with Castration-Resistant Prostate Cancer Treated with Docetaxel-Based Therapy. J Clin Endocrinol Metab 2011;96:E368-E Heindenreich A, Bellmut J, Bolla M, Joniau S, Mason MD, Matveev V et al. European Association of Urology Guidelines: Prostate Cancer, D Amico AV, Whittington R, Malkowicz SB, Schultz D, Blank K, Broderick GA et al. Biochemical outcome after radical prostatectomy, external beam radiation therapy, or interstitial radiation therapy for clinically localized prostate cancer. JAMA 1998 Sep 16;280(11): Cooperberg MR, Cowan J, Broering JM, Carroll PR. High-risk prostate cancer in the United States, World J Urol Jun;26(3): Epub 2008 Mar Freeman A, Ogden C, Allen C, Emberton M. High-intensity-focused ultrasound in the treatment of primary prostate cancer: the first UK series. Br J Cancer 2009 Jul 7;101(1): Uchida T, Nakano M, Shoji S, Omata T, Harano Y, Nagata Y et al. Ten-year biochemical disease-free survival after high intensity focused ultrasound (HIFU) for localized prostate cancer: comparison with three different generation devices. Abstract. Presented at AUA 2009 Chicago. 13. Uchida T, Shoji S, Nakano M, Hongo S, Nitta M, Usui Y et al. High-intensity focused ultrasound as salvage therapy for patients with recurrent prostate cancer after external beam radiation, brachytherapy or proton therapy. BJU Int 2011 Feb; 107(3): Heidenreich A, Bolla M, Joniau S, Mason MD, Matveev V, Mottet N et al. Guidelines on Prostate Cancer. European Association of Urology, Endereço para correspondência: R. Mauá, CEP Curitiba - PR. * Sites para consulta: ** Não há conflitos de interesse com companhias farmacêuticas e/ou fabricantes de produtos médicos. Os artistas Marcelo Airoldi, Sarah Oliveira, Odilon Wagner, Amandha Lee, Caco Ciocler, Camila Morgado, Reynaldo Gianecchini, Drica Moraes e Mateus Solano apóiam essa causa! 80 Prática Hospitalar Ano XIII Nº 78 Nov-Dez/2011 Participe do Movimento você também! O Movimento contra o Linfoma (câncer do sangue) começa com você. Faça o auto-exame periodicamente, levando a mão ao pescoço, axilas e virilha (se você sentir seus gânglios inchados, procure um médico ou a ABRALE ). Passe estas informações adiante e divulgue esta ação para o máximo de pessoas que puder. Com uma atitude simples, você pode salvar sua vida ou a de alguém que ama. Entre no movimento:

Ultrassonografia terapêutica (HIFU) para o câncer da próstata

Ultrassonografia terapêutica (HIFU) para o câncer da próstata IMAGEM EM UROLOGIA www.urologiaessencial.org.br Marcelo L. Bendhack Professor da Pós-Graduação Universidades PUC-PR e Positivo Presidente da Sociedade de Oncologia Urológica Seção Latino América - UROLA

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Linfadenectomia em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Diagnóstico do acometimento linfonodal em câncer de próstata Tomografia VPP:50% e VPN: 33% Ressonância magnética = TC

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD Câncer de próstata O que você deve saber Marco A. Fortes HNMD Incidência do câncer em homens no Brasil em 1999 Localização Homens % Pele 19500 15,0 Pulmão 14800 11,6 Próstata 14500 11,4 Estômago 13600

Leia mais

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE Quais as principais doenças da próstata? Que tratamentos existem para estas doenças? Qual o melhor tratamento para o cancro da próstata? Esclareça todas as suas dúvidas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Câncer de Próstata Localmente Avançado

Câncer de Próstata Localmente Avançado Urologia Fundamental CAPÍTULO Câncer de Próstata Localmente Avançado Marcos Francisco Dall Oglio Alexandre Crippa UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Terapia Focal HIFU Sob Medida Para o Câncer da Próstata: Recentes Avanços

Terapia Focal HIFU Sob Medida Para o Câncer da Próstata: Recentes Avanços Terapia Focal HIFU Sob Medida Para o Câncer da Próstata: Recentes Avanços Dr. Marcelo L. Bendhack* O Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), em Curitiba, é o primeiro do país a utilizar o ultrassom robótico

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

uro-oncologia da américa

uro-oncologia da américa UROLOGIA entrevista URO-ONCO POR associação de uro-oncologia da américa do sul: NOVOS RUMOS PARA A AMÉRICA DO SUL (UROLA) Prof. Dr. Marcelo Bendhack* urologia deaaz *Professor da Pós-Graduação - Ciências

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE PRÓSTATA

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE PRÓSTATA DIRETRIZES PR O ÂNER DE PRÓSTT (Texto atualizado em Fevereiro de 2012). Heidenreich (presidente), P.J. astian, J. ellmunt, M. olla, S. Joniau, T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V. Matveev, N. Mottet, T.

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 V Congresso Internacional de Uro-Oncologia Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 Afonso C Piovisan Faculdade de Medicina da USP São Paulo Ari Adamy Hospital Sugusawa e Hospital Santa

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia

Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Eu NÃO escolho vigilância ativa Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia SBU EUA A cada 2 minutos

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Local: Minas Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Quem é a paciente com mutação BRCA1/2? Ansiedade Penetrância dos genes BRCA1 e BRCA 2 até os 70 anos Meta-análise

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA RM NO CA PROSTÁTICO Estadiamento loco-regional Detecção tumoral Pesquisa de recidiva local pósprostatectomia

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr American Urological Association (guideline 2013) 1. Nunca rastrear < 40 anos 2. Não rastrear de rotina

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal.

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal. Câncer de próstata Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal Robson Ferrigno RT + HT Bloqueio hormonal isolado: sem intuito curativo Associado

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC

Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC Qual a melhor sequência de tratamento no câncer da próstata resistente à castração CPRC Marcus V Sadi Disciplina de Urologia Escola Paulista de Medicina - Unifesp Câncer da próstata resistente à castração

Leia mais

Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos

Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos Dr. André Molina Cirurgião Oncológico Mestre em Oncologia Núcleo de Câncer de Pele e Dermatologia Hospital A. C. Camargo - SP Conflitos de Interesse

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA: SOBREVIDA E PROGNÓSTICO EM UNIDADE REFERÊNCIA REGIONAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA

CÂNCER DE PRÓSTATA: SOBREVIDA E PROGNÓSTICO EM UNIDADE REFERÊNCIA REGIONAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA CÂNCER DE PRÓSTATA: SOBREVIDA E PROGNÓSTICO EM UNIDADE REFERÊNCIA REGIONAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA CÂNCER DE PRÓSTATA: SOBREVIDA E PROGNÓSTICO EM UNIDADE REFERÊNCIA REGIONAL DE ALTA COMPLEXIDADE

Leia mais

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia III Congresso Internacional de Uro- Oncologia Como interpretar o ASAP e o PIN? Qual o valor do Gleason Terciário na biópsia? Qual a acurácia do tumor de baixo risco na biópsia ser de baixo risco na Prostatectomia

Leia mais

URO RESUMOS. Cirurgia vs. Fisioterapia para Incontinência Urinária de Esforço

URO RESUMOS. Cirurgia vs. Fisioterapia para Incontinência Urinária de Esforço URO RESUMOS www.urologiaessencial.org.br BRASIL SILVA NETO Professor Adjunto - Depto Cirurgia UFRGS Chefe do Serviço de Urologia HCPA ANDRÉ GORGEN NUNES Médico Residente - Serviço de Cirurgia Geral HCPA

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

ANOTAÇÕES DO CURSO EDUCAÇÃO PARA PACIENTES. CURSO: Câncer de próstata

ANOTAÇÕES DO CURSO EDUCAÇÃO PARA PACIENTES. CURSO: Câncer de próstata ANOTAÇÕES DO CURSO EDUCAÇÃO PARA PACIENTES CURSO: Câncer de próstata Data da publicação: Maio de 2004 Informações sobre o curso Bem-vindo ao curso de Educação para Pacientes em Câncer de Próstata. Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA TRATAMENTO IDEAL DO CÂNCER DE PRÓSTATA LOCALIZADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA TRATAMENTO IDEAL DO CÂNCER DE PRÓSTATA LOCALIZADO - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia TRATAMENTO IDEAL DO CÂNCER DE PRÓSTATA LOCALIZADO José Gabriel de Freitas Silva Benevides

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA

ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA (Texto actualizado em Março de 2005: está prevista a publicação de uma actualização em 2010. Aconselha-se os leitores a consultar o texto impresso completo de 2009

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO (Texto actualizado em Março de 2008) A. Stenzl (Presidente), N.C. Cowan, M. De Santis, G. Jakse, M. Kuczyk, A.S. Merseburger, M.J. Ribal, A.

Leia mais

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial ISTOÉ - Independente Imprimir Especial BRASIL POTÊNCIA Edição: 2095 30.Dez.09-15:00 Atualizado em 06.Fev.13-12:48 Na Dianteira Do Conhecimento Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 3ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de abril de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Definição da Estratificação

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Lapatinibe para câncer de mama

Lapatinibe para câncer de mama Data: 05/11/2013 NTRR 212/2013 Solicitante: Desembargador Geraldo Augusto de Almeida Mandado de Segurança: nº1.0000.13.083981-4/000 Impetrado: Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais. Medicamento

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A O Câncer de próstata (Cap) É o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos,

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROPOSTA DE PROTOCOLO E FLUXO ASSISTENCIAL PARA CÂNCER DE PRÓSTATA Autor: Paulo Roberto F. de Oliveira, Rodrigo Alves Tristão e Wilson Alvarenga

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM

SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM 21 a 27 de setembro de 2009 Marcelo Bendhack Presidente da UROLA Assoc. Latinoamericana de Uro-Oncologia Ângelo Palma Contar Professor de Urologia Gerardo Lopez Secchi Presidente

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

A. Heidenreich(presidente), J. Bellmunt, M.Bolla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel, F.

A. Heidenreich(presidente), J. Bellmunt, M.Bolla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel, F. DIRETRIZES SORE ÂNER DA PRÓSTATA (Texto atualizado em março de 2011) A. Heidenreich(presidente), J. ellmunt, M.olla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel,

Leia mais

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Hospital São José; São Paulo, SP Introdução Câncer de próstata castração-resistente (CRPC) A maioria dos

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado NOTA TÉCNICA 152/2014 Solicitante: Juiz Fernando de Moraes Mourão Número do processo: 0042.14.002900-2 Réu: MUNICÍPIO DE ARCOS e ESTADO DE MINAS GERAIS Data: 23/07/2013 Medicamento x Material Procedimento

Leia mais