Incômodos para consumidores, impactos para a economia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Incômodos para consumidores, impactos para a economia"

Transcrição

1 Incômodos para consumidores, impactos para a economia Ainda que o setor elétrico não estivesse passando por um preocupante e oneroso momento de stress, ainda que quase todos os agentes e consumidores do setor não estivessem sendo penalizados pela necessidade de se aprimorar o modelo e por uma das piores conjunturas hidrológicas dos últimos oitenta anos, precisaríamos atentar para temas que, embora não diretamente relacionados à situação atual, têm afetado de maneira significativa a competitividade da indústria para a qual a energia responde por importante parcela do custo de produção e precisam de solução. Assim, concordando e complementando a (não usual) convergência dos agentes em torno da necessidade de se aprimorar o modelo atual, chamamos a atenção neste artigo para três questões que interferem nos planos de investimentos das grandes indústrias no Brasil: i) a incerteza acerca do encargo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um problema que está afetando as decisões de produção da indústria a partir da capacidade hoje ociosa, mas que também compromete a previsibilidade do custo futuro, e, portanto as decisões de investimento na produção; ii) a qualidade do fornecimento de energia, que tem impactos indiretos, porém muito significativos, sobre o custo de produção, e iii) a participação voluntária de grandes consumidores livres nos leilões de expansão, viabilizando a contratação de longo prazo a preço competitivo, fundamental para as decisões de investimentos da indústria. Estes temas, de tão relevantes e incômodos, foram estabelecidos como prioritários no Projeto Energia Competitiva (PEC), que congrega associações das indústrias química (Abiquim), vidreira (Abividro), alumínio (Abal), cloro e soda (Abiclor) e ferro ligas (Abrafe) para discutir, sob a coordenação dos grandes consumidores (Abrace), alternativas viáveis e sustentáveis para devolver competitividade à energia brasileira. A importância do desafio aumenta pelo fato de que essas associações representam empresas do primeiro elo de diversas cadeias produtivas. Ou seja, embora esses temas possam estar hoje em menor evidência no setor, afetam de maneira muito significativa as bases da economia. CDE, uma guilhotina no pescoço da indústria? Se por um lado a Medida Provisória nº 579 (MP) reduziu os encargos para todos os consumidores brasileiros através da suposta isenção de pagamento da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) e da extinção da Reserva Global de Reversão (RGR), por outro criou a Super CDE. Esse novo encargo agrega receitas e despesas de natureza diversas e pode - ou

2 não, contar com o aporte de recursos do Tesouro Nacional para garantir que seja cumprida nos próximos anos a promessa, feita quando do lançamento da MP, de que os custos de políticas públicas até então desenvolvidas com recursos da conta de luz dos consumidores passariam a ser custeados pelo governo e que as despesas com encargos seriam minoradas. Explicamos. A partir da MP, todos os anos a Aneel faz uma previsão de despesas que envolvem o pagamento de recursos para a CCC (que deveria ter sido extinta), para os subsídios ao carvão, para o Programa Luz para Todos, para políticas públicas de subsídios à população de baixa renda, incentivos a fontes alternativas e outras despesas (felizmente) menores. E avalia, também, quais são os recursos disponíveis, provenientes de pagamentos de multas no setor e do Uso do Bem Público (UBP). Da diferença entre essas duas contas decorre a parcela a ser rateada entre todos os consumidores e que pode contar com recursos do Tesouro. Para se ter uma ideia, das despesas previstas para 2014 (R$ 18 bilhões), apenas R$ 800 milhões não foram rateados entre consumidores e União. Ocorre também, e aqui reside o maior problema, que a União não tem qualquer obrigação legal de aportar recursos na CDE. Ou seja, caso não tenha disponibilidade de recursos nos próximos anos, toda essa conta recairá sobre os consumidores. Se as despesas da CDE em 2015 se mantiverem no mesmo patamar deste ano, o que pode até ser considerada uma estimativa otimista, e se o Tesouro optar por não aportar recursos 1, a conta para os consumidores pode passar dos R$ 14 bilhões, o que representaria um encargo de cerca de R$ 40/MWh pra os consumidores da região Sudeste, Sul e Centro-Oeste 2. Esse valor equivale a 10 vezes o valor da quota paga em Neste caso, o custo da CDE representaria 26% do custo da energia consumida quando considerado o atual mix médio de contratação das distribuidoras, da ordem de R$ 170/MWh, ou ainda, quase quatro vezes o valor da transmissão, cerca de R$11/MWh. Para a grande indústria, já combalida com tantas dificuldades, isso pode ser tão fatal quanto uma guilhotina. Para ela, o problema tem um perverso agravante: custos antes rateados com base no custo marginal de cada nível de tensão e cobrados na forma de demanda,ao migrarem para a CDE, passaram a ser rateados igualmente entre todos os níveis de tensão (na forma de selo) e cobrados pela energia consumida. Com isso, caso o Tesouro não honre o compromisso assumido, mas não formalizado, estes custos serão redistribuídos de forma extremamente prejudicial aos grandes 1 Outro cenário possível seria considerar que o Tesouro aportará, no mínimo, o equivalente aos créditos da União provenientes de Itaipu, estimados em R$ 4 bilhões, porém, não há clareza sobre o futuro desses aportes. 2 Consumidores das regiões Norte e Nordeste pagam cerca de 25% do valor da CDE pago pelos demais consumidores.

3 consumidores, criando mais um subsídio cruzado em favor dos pequenos consumidores e contra a competitividade da produção nacional. Há, porém, alternativas que se complementam para lidar com esse problema. A primeira delas refere-se à previsibilidade. O Tesouro poderia publicar um plano plurianual de aporte de recursos à conta. Em conjunto com projeções da Aneel para as despesas no mesmo horizonte de tempo, haveria alguma informação sobre qual seria o valor pago pelos consumidores nos próximos anos. Hoje, como demonstrado, o valor pode ser algo entre R$ 4 e R$ 40/MWh. A segunda refere-se ao aumento da eficiência das despesas pagas pela CDE. É preciso que se avalie onde há espaço para economia nas principais despesas, como a CCC, a Tarifa Social e as despesas com a conta subvenção descontos tarifários 3, que representam 26%, 23% e 11%, respectivamente, das despesas previstas para este ano. A terceira passa por um programa de política industrial, a exemplo do que ocorre em grandes economias concorrentes 4, em que a indústria fica isenta do pagamento do encargo como forma de desoneração de seus custos de produção. Esta solução virá inclusive favorecendo os pequenos consumidores, que acabam pagando pela CDE embutida nos preços dos produtos consumidos e ainda aumentada pelo peso de impostos adicionais ao longo das cadeias produtivas. Energia descontínua para a indústria A indústria tem observado - e sido penalizada - com a deterioração da qualidade do fornecimento de energia tanto no nível da distribuição, como no da transmissão. No caso dos consumidores conectados aos sistemas de distribuição, além da percepção dos associados da Abrace de que interrupções têm aumentado e que a qualidade tem caído nos últimos anos, indicador da Aneel aponta para a necessidade de se aprimorar os incentivos à melhoria da qualidade. O indicador de Desempenho Global de Continuidade da agência apontou que em , dentre as 34 maiores distribuidoras analisadas, cerca de metade piorou seu desempenho em relação a Vale ressaltar que o indicador considera como interrupção apenas aquelas superiores a três minutos, mas, para a indústria, interrupções de alguns segundos podem ter impactos similares a interrupções de minutos: o prejuízo é o mesmo. Há casos registrados em que o tempo de 3 Inclui despesas como subsídios para produtores rurais, irrigação, aquicultura e fontes incentivadas. 4 Para maiores informações sobre essas políticas, referir-se a Energia, diferencial de competitividade nacional, disponível no acervo do Visões do Setor Elétrico. 5 Indicador e ranking com base no Desempenho Global de Continuidade:

4 retomada de produção para o patamar anterior a uma interrupção com duração de uma hora e meia foi o mesmo daquele de duas interrupções de 30 segundos: de quatro horas e meia. No que diz respeito à transmissão, a percepção de piora na qualidade do fornecimento para as indústrias é corroborada pelo indicador de severidade 6 do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que acompanha a evolução da razão entre a energia total interrompida devido a blecautes ao longo de cada ano e a demanda máxima anual. O indicador tem piorado desde 2010 e encontra-se acima dos níveis considerados aceitáveis pelo próprio ONS 7. Algumas medidas podem contribuir com a melhora desse problema. São elas: i) a criação de indicadores de interrupção de curta duração (inferiores a 3 minutos) para as distribuidoras, o que permitiria ao regulador ter um diagnóstico mais adequado sobre a qualidade do fornecimento para a indústria; ii) a criação de indicador similar para os sistemas de transmissão, com a divulgação, inclusive, de ranking de qualidade das transmissoras e iii) aprimoramento dos incentivos regulatórios baseados nos indicadores propostos, por meio de penalidades ou bônus para que concessionárias invistam na melhoria da qualidade do fornecimento. A transparência certamente permitirá aos consumidores apoiar a Aneel no processo de fiscalização e exigir, de seus concessionários, serviços coerentes com o nível tarifário vigente. Assegurar hoje a energia do futuro A indústria grande consumidora do mercado livre acaba de sofrer um grave golpe quando não teve acesso à energia das concessões renovadas. Mas se o acesso à energia competitiva do passado é importante, igualmente necessário é o acesso à nova energia. E tão importante quanto assegurar a atratividade dos investimentos no setor elétrico, a rentabilidade de seus acionistas e o estímulo à eficiência e ganhos de produtividade, é oferecer condições adequadas para que a indústria possa olhar para o futuro e ter a segurança de que o preço de energia não será um entrave ao retorno de seus investimentos. É nesse contexto que se faz necessária uma discussão sobre a participação da grande indústria livre consumidora de energia nos leilões de expansão. Os grandes leilões estruturantes, que oferecem energia a preços mais competitivos, alocam para o mercado regulado (e sob a premissa de preço-teto) a maior parcela da energia proveniente das novas usinas. Nesse modelo, há um incentivo para que o investidor ofereça a energia para o mercado regulado ao menor preço possível e, para compensar, majore o preço para o mercado livre, de forma a ter um preço médio que lhe dê o retorno necessário. Com 6 Índice de severidade do serviço conforme submódulo 23.3 dos procedimentos de rede do ONS. 7 Energy Report Setembro de 2013 Edição 81.

5 isso, a grande indústria não só não tem acesso à energia competitiva desses empreendimentos, como acaba pagando mais pela energia no mercado livre. Além de afetar a competitividade da indústria, o mecanismo provoca desequilíbrio entre os dois mercados e não aproveita o potencial de consumo do mercado livre para apoiar na expansão da oferta. É importante, assim, que se desenvolvam mecanismos que permitam aos grandes consumidores participarem voluntariamente e em condições coerentes com a natureza de seus negócios no pool de compradores da energia (hoje apenas as distribuidoras) proveniente dos projetos licitados. Soluções para entraves estão sendo estudadas pelos consumidores, mas o problema também precisa ser enfrentado pelos formuladores de políticas públicas e agentes do mercado livre.

OS IMPACTOS DA MP 579/2012: A UTILIZAÇÃO DA CDE E A PERDA DE SUSTENTABILIDADE DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

OS IMPACTOS DA MP 579/2012: A UTILIZAÇÃO DA CDE E A PERDA DE SUSTENTABILIDADE DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO OS IMPACTOS DA MP 579/2012: A UTILIZAÇÃO DA CDE E A PERDA DE SUSTENTABILIDADE DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Tribunal de Contas da União 08 de maio de 2015 MP 579 (Lei 12.783) Objetivo viabilizar a redução

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL. Outubro 2015

FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL. Outubro 2015 FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL Outubro 2015 CUSTOS DECORRENTES DA AQUISIÇÃO DA ENERGIA DA ITAIPU NO MERCADO BRASILEIRO DE ENERGIA ELÉTRICA ITAIPU BINACIONAL Luciana Piccione Colatusso Engenheira

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor 1 Cenário Geral A composição da tarifa de energia elétrica (ACR) Cálculo: por dentro, ou seja, o ICMS

Leia mais

A FALTA DE GÁS NATURAL E O ABASTECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

A FALTA DE GÁS NATURAL E O ABASTECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA C n l g o e Consultoria Legislativa do Senado Federal COORDENAÇÃO DE ESTUDOS A FALTA DE GÁS NATURAL E O ABASTECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Omar Alves Abbud TEXTOS PARA DISCUSSÃO 36 Brasília, novembro /

Leia mais

PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE

PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE 2005 DEZEMBRO/2004 PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS 2005 TÍTULO CONTA DE CONSUMO

Leia mais

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Agosto/2013 O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial

Leia mais

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas Mario Veiga mario@psr-inc.com LIGHT, 3 de dezembro de 2014 1 Provedora de ferramentas analíticas e serviços de consultoria (estudos econômicos,

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A.

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A. 4 º Congresso de Consumidores CELESC Copel Distribuição S.A. Novembro 2014 Agenda 1. Contextualização Estrutura da Copel Sistema Elétrico Composição Tarifária 2. Entenda a atual crise no setor elétrico

Leia mais

ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES. Palestra - Osório Gatto

ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES. Palestra - Osório Gatto ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE 12/06/2015 Palestra - Osório Gatto ABNT Parte 1-14653 Estrutura apresentação Histórico e principais propostas no novo texto normativo Novos Conceitos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011.

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011. Nota Técnica nº 076/2012-SRG-SRE-SEM/ANEEL Em 1º de outubro de 2012. Processo nº: 48500.002031/2010-71 Assunto: Resolução Normativa nº 467/2011 Análise do alcance do dispositivo previsto no art. 8º. I.

Leia mais

A influência do PIE no custo de energia elétrica na cidade de Manaus

A influência do PIE no custo de energia elétrica na cidade de Manaus RESUMO Revista Brasileira de Energia A influência do PIE no custo de José Luiz Gonzaga do Nascimento 1 Rubem Cesar Rodrigues Souza 2 Atlas Augusto Bacellar 2 Este trabalho apresenta uma avaliação do custo

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Destaques 3T08 MERCADO Crescimento do consumo na área de concessão de 3,3% no trimestre Redução de 0,30 p.p nas perdas não-técnicas de energia no ano

Leia mais

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Agenda I - COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA - CI Agenda CI 2013/2014 - Investimento

Leia mais

Regulamentação da Cobrança de RTE de Consumidores Livres

Regulamentação da Cobrança de RTE de Consumidores Livres Regulamentação da Cobrança de RTE de Consumidores Livres Abril de 2006 1 Das Origens da Cobrança! Lei 8.987/95 garantia de equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão de distribuição de

Leia mais

Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez

Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez Falta de chuvas, turbulências regulatórias e rombas financeiras levaram a um caos energético. Além de equacionar esses problemas,

Leia mais

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE 07/04/10 FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE Mercados de Contratação de Energia Geração (ambiente competitivo) Preços resultantes de licitações Preços livremente negociados ou

Leia mais

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ)

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Energia eólica no Brasil: potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Introdução As mudanças climáticas

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A Pelo presente Instrumento: De um lado, VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5.1 Introdução A idéia principal deste capítulo é apresentar a avaliação econômica da conversão de uma usina termelétrica a Gás Natural,

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 1. Considerações iniciais Recentemente a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), por meio de sua Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado (SEM),

Leia mais

Estado de Minas online 01/03/2014 Chuvas ficam abaixo da média em fevereiro e cresce risco de racionamento

Estado de Minas online 01/03/2014 Chuvas ficam abaixo da média em fevereiro e cresce risco de racionamento Estado de Minas online 01/03/2014 Chuvas ficam abaixo da média em fevereiro e cresce risco de racionamento http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2014/03/01/internas_economia,503426/cresce-o-riscode-racionamento.shtml

Leia mais

LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS

LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS Eduardo Moreno - Diretor Vitalux Eficiência Energética Ltda. O que éesco? ESCO Energia Energy Service Company ou Empresa de Serviços

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

No atual modelo, os contratos bilaterais

No atual modelo, os contratos bilaterais A comercialização de energia elétrica no Brasil Dilcemar de Paiva Mendes* Aenergia elétrica pode ser comercializada por intermédio de contratos de compra e venda ou no mercado de balcão (também chamado

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA O MERCADO DE ENERGIA COM ÊNFASE NAS FONTES DE ENERGIA ALTERNATIVA Diego Correia do Prado Silva Leister Carneiro

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 688, de 18 de agosto de 2015. Repactuação do Risco Hidrológico de Geração de Energia Elétrica Publicada em 18 de agosto de 2015 (DOU EXTRA). Dispõe sobre a repactuação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

Leia mais

3 Os Leilões de Energia

3 Os Leilões de Energia 3 Os Leilões de Energia O novo modelo institucional do Setor Elétrico Brasileiro que passou a vigorar em 2004, disciplinado pela Lei n o 10.848/2004 e pelo Decreto nº 5.163/2004, estabeleceu que as concessionárias,

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA

DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA Desconto de PVI em FT Transformação Trifásica Contextualização No regulamento em vigor, os Transformadores Trifásicos são considerados para efeito de aplicação

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL INSTITUIÇÃO DE INDICADORES PÚBLICOS DE SUSTENTABILIDADE PARA A FISCALIZAÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO E FINANCEIRO DAS DISTRIBUIDORAS

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA Pedro Augusto Pinto Vallone Engenheiro Master III de Subestações Departamento de Engenharia Diretoria de

Leia mais

Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato de Nafta firmado entre PETROBRAS e BRASKEM.

Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato de Nafta firmado entre PETROBRAS e BRASKEM. São Paulo, 29 de julho de 2015. Ilmo. Sr. Dr. Eduardo Mauat da Silva DD. Delegado da Polícia Federal DPF/PR Senhor delegado Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Mario Veiga mario@psr-inc.com ENASE Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 Temário Evolução histórica da tarifa de fornecimento Evolução dos preços de energia

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

Entenda a tributação dos fundos de previdência privada O Pequeno Investidor 04/11/2013

Entenda a tributação dos fundos de previdência privada O Pequeno Investidor 04/11/2013 Entenda a tributação dos fundos de previdência privada O Pequeno Investidor 04/11/2013 Antes de decidir aplicar seu dinheiro em fundos de previdência privada, é preciso entender que é uma aplicação que

Leia mais

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA?

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? FERNANDO B. MENEGUIN 1 A Análise Econômica do Direito Tributário promove uma união entre o direito tributário e a economia, com o intuito de melhorar a

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006

ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS. Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 052/2007 Aprimoramento da Resolução Normativa ANEEL nº 234/2006 ULHÔA CANTO, REZENDE E GUERRA - ADVOGADOS AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, 1847 - TEL.:(55-11)3066-3066 - FAX: (55-11)3081-5804 - E-mail: ucrgsp@ucrg.com.br - CEP 01451-001 - SÃO PAULO - SP AV. PRES. ANTONIO

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho GOVERNO DO ESTADO SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA EXERCÍCIO - 2013 ELABORAÇÃO: Assessoria Planejamento Estratégico - APE INTRODUÇÃO O Governo

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ?

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? Edmundo Montalvão 1 e Marcos Mendes 2 (12/02/2012) Há diversos preços na economia que são fixados ou submetidos a regras e restrições pelo

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra. Modelo de negócio proposto

Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra. Modelo de negócio proposto www.pwc.com Technical assistance to conduct studies and works of the restructuration of Electra Ministério do Turismo, Indústria e Energia de Cabo Verde Unidade de Gestão de Projectos Especiais Modelo

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico Vencimento das Concessões do Setor Elétrico O problema O Lobby de concessionárias do setor elétrico pela re-prorrogação dos contratos que vencem a partir de 2015 O que vence a partir de 2015 Geração Transmissão

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GCR.26 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IV GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO - GCR VANTAGEM COMPETITIVA

Leia mais