AUDIÊNCIA PÚBLICA - ANEEL - N 043/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDIÊNCIA PÚBLICA - ANEEL - N 043/2011"

Transcrição

1 AUDIÊNCIA PÚBLICA - ANEEL - N 043/2011 Contribuição de: Alexandre Grigorieff Entidade: COPELMI MINERAÇÃO LTOA. ~ Data: 13/10/2011 A Nota Técnica no34/2011 da ANEEL, especialmente nos itens 41, 45 e 46, dá margem a interpretação de que as minas de carvão a céu aberto do Brasil sejam operadas de forma ineficiente, com exceção da Mina de Candiota da CRM, e, assim, procura mostrar que esta ineficiência acaba impactando sobre a Conta de Desenvolvimento Energético - COE. Para demonstrar isto, a ANEEL se baseou no preço de venda de carvão FOB médio praticado nos EUA com base na tabela 28 do relatório Annual Coa I Report 2009, publicado pelo DOE (Departamento de Energia americano). Nesta tabela, o valor médio para as minas americanas operadas a céu-aberto é de US$ 23.24/t curta. Este valor FOB por t curta é comparado com os preços CIF por tonelada métrica praticados nas UTES brasileiras localizadas em Candiota, Charqueadas e São Jerônimo. Vejam, aqui já existe uma imperfeição, pois são comparados valores CIF com valores FOB e toneladas curtas com toneladas métricas. Verifica-se na nota da ANEEL que o único preço brasileiro compatível com a média americana é o de Candiota. Todos os outros carvões brasileiros apresentam preços bem acima da referida média. Assim, afirma a ANEEL que as minas brasileiras produzem carvões de alto custo. Entendemos que a ANEEL foi muito simplista e superficial em sua análise, pois além de utilizar os preços americanos para comparar com a situação brasileira, o que não concordamos, ela não efetuou esta comparação na mesma base de produção. Se verificarmos a tabela 32 do mesmo relatório do DOE, observamos que ela mostra os preços FOB médios praticados nos EUA por faixa de produção. Ou seja, para a escala de produção (venda) da Copelmi Mineração, por exemplo, o preço médio seria na ordem de US$ 52.85/t curta e não os US$ 23,24/t curta considerados pela ANEEL. O preço médio do carvão americano é fortemente puxado para baixo (US$ 23,24/t curta) quando são considerados os preços praticados pelas grandes minas americanas, as quais, além de condições geológicas excepcionais, apresentam elevada escala de produção, muitas vezes maior do que a produção das maiores minas brasileiras. Por outro lado, se considerarmos os preços americanos praticados para a escala de produção da Copelmi, o preços americanos FOB COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 0 andar- Porto Alegre - RS CEP Tel.: Fax: BR290. km 178 Butiá - RS CEP Tel.: 55 Sl Fax:SSSl S

2 por tonelada curta são similares ao preço CIF por tonelada métrica hoje praticado para a UTE de Charqueadas. Logo, se colocarmos estes preços na mesma base, CIF por tonelada métrica, por exemplo, o preço americano torna-se mais caro. Assim, embora não concordemos com o uso de preços praticados nos EUA na comparação com os preços de carvão praticados no Brasil, como já mencionado, a ANEEL ao menos deveria rever as comparações que fez. Desta forma, entendemos que, pelo menos no tocante às minas, toda a análise da ANEEL ficou prejudicada. Cabe ainda explicar o porquê de não concordarmos com o uso do preço do carvão americano para comparar com os preços praticados no Brasil. Em primeiro lugar, porque o carvão brasileiro nunca foi considerado ou tratado como commodity. Os EUA não deveriam ser considerados como referencia internacional para o preço de carvão, pois praticamente não participam desse mercado, apesar de ser hoje o segundo maior produtor de carvão do mundo, sendo considerado um vendedor de "oportunidade" no mercado internacional. Os preços da commodity carvão são regulados pela ARA (portos de entrada do carvão na Europa, situados na Holanda), pelo porto de Richards Bay (Africa do Sul) e pelo porto de Newcastle na Austrália. Em segundo lugar, entendemos que não faz nenhum sentido compararmos um mercado internacional, que tem a sua dinâmica de preços associada à relação de produção/consumo entre alguns países produtores e consumidores, com um mercado regional e local como o brasileiro, onde não existem alternativas do lado da oferta e, muito menos, do lado da demanda. Esse mercado é único, indivisível na sua associação mina-usina, cujo preço final do produto está intimamente relacionado às características da jazida de exploração, à qualidade da matéria-prima e qualidade requerida do produto final. Carvão mais caro não significa que a mina seja ineficiente ou atrasada tecnologicamente, pois existe uma série de fatores que acabam influenciando a formação do preço do carvão. Podemos exemplificar isto observando o que ocorre com as minas de Candiota da CRM e B3 da Copelmi que atendem as UTEs Presidente Médici e Charqueadas, respectivamente. Neste caso, o preço do carvão fornecido à UTE Charqueadas é maior. Isto é devido basicamente aos seguintes fatores: - condições de geologia distintas - embora ambas as minas sejam operadas a céu-aberto, existem grandes diferenças na geologia de cada mina, especialmente, no que se refere a relação estéril/minério. A relação estéril/minério é o volume de estéril (rocha) que deve ser removido para descobrir 1 tonelada de carvão. Qualquer minerador sabe do impacto que esta relação traz sobre o custo do carvão minerado a céu-aberto. Pois bem, esta relação é cerca de três vezes maior na mina B3 da Copelmi que atende a UTE CH comparada com a COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre- RS CEP Te!.: Fax: BR290, km 178 Butiã - RS CEP Te!.: Fax:

3 Mina de Candiota. Ou seja, a mina B3 é mais profunda do que a de Candiota e necessita remover cerca de 3 vezes mais estéril para obter a mesma quantidade de carvão. É, por natureza, um carvão mais caro. - outro fator está relacionado com as questões ambientais - a UTE Charqueadas, por estar situada na região metropolitana de Porto Alegre, possui restrições ambientais mais rigorosas do que a UTE Presidente Médici, especialmente no que se refere ao teor de enxofre. Assim, a especificação do teor de enxofre é mais restritiva (teor de enxofre máximo igual a 1.0%) exigindo um beneficiamento maior do carvão fornecido para a UTE Charqueadas, implicando em menor rendimento (relação entre a tonelagem de produto e a tonelagem de carvão extraída da mina) e, por conseqüência, em maiores custos de produção. - por fim, devemos considerar a distancia existente entre as minas e as UTEs - a UTE Presidente Médici está localizada a cerca de 2 km da mina de Candiota, enquanto que a UTE de Charqueadas está localizada a cerca de 70 km da mina 83 da Copelmi. Obviamente, esta diferença de distancias acaba trazendo impacto sobre o custo do carvão. Portanto, embora as minas sejam a céu-aberto, elas apresentam situações distintas que resultam ou provocam a diferenciação dos preços. Cabe lembrar, ainda, que a UTE Charqueadas até o ano de 1990 era abastecida pela mina de Charqueadas (subterrânea). Neste ano, a lavra desta mina foi paralizada e a UTE passou a ser abastecida com carvão oriundo das minas a céu-aberto da Copelmi localizadas em Butiá. Esta medida foi adotada para propiciar o atendimento da UTE com carvão mais barato, embora o aumento da distância entre as minas e a usina. Aproveitando a oportunidade, gostaríamos de frisar que a Copelmi Mineração, ao longo de seus quase 130 anos de história, tem se preocupado em buscar eficiência e a excelência em todas as suas operações, seja na lavra, no beneficiamento, no controle de qualidade, seja na reabilitação ambiental das áreas impactadas pela mineração. A questão da sustentabilidade ambiental é trabalhada de forma incessante e persistente nos últimos 30 anos, com resultados bastante satisfatórios que estão aí para quem quiser ver. Isto é feito através da busca de soluções inovadoras, espírito competitivo e através da implementação de parcerias com muitas instituições de pesquisa no Brasil, dentre as quais podemos citar o CEPAC da PUC-RS, o Departamento de Minas da UFRGS, a Universidade Federal de Santa Maria, entre outros. Somente nos últimos 10 anos foram defendidas mais de 20 teses de mestrado e doutorado com temas ligados à mineração da Copelmi. COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre- RS CEP Te!.: Fax: BR 290, km 178 Butiá - RS CEP Te!.: Fax:

4 Certamente estas teses agregaram conhecimento, auxiliaram na melhoria de processos e trouxeram benefícios à atividade mineira da empresa. Vale lembrar que, em passado recente, a Copelmi esteve associada com a Rio Tinto, uma das três maiores mineradoras mundiais. A Rio Tinto contribuiu em muito para a implantação das mais recentes técnicas de lavra de carvão nas minas da Copelmi. Recentemente, a Copelmi também foi convidada pela empresa MPX para ser a operadora de duas minas de 2.5 Milhões t/ano em implantação na Colômbia, as quais efetuarão o suprimento de carvão às usinas da MPX em construção no Nordeste e/ou serão empregadas para a exportação de carvão aos grandes consumidores mundiais. Todo este esforço permitiu que a Copelmi hoje detenha mais de 80% do mercado de carvão nacional para uso industrial, embora o mercado de geração termelétrica atendido pela mesma seja de fundamental importância para a continuidade de suas operações. COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre - RS CEP Tel.: Fax: BR 290, km 178 Butlá - RS CEP Tel.:55 Sl Fax: SS S S

5 Tabela 32. Annual Coal Report DOE - Departamento de Energia dos EUA. Table 32. Average Sales Price of Coal by Mine Production Range and Mine Type, 2009 (Dollars per Short Ton) Mine Production Range (thousand short tons) Over 1/ to 1/ to to to to 50. USe Total. Underground Surface Total Note: An average sales price is calculated by dividing the total free on board (f.o.b) rail/barge value of the coal sold by the total coal sold. Excludes mines producing less than 10,000 short tons, which are not required to provide data. Excludes silt, culm, refuse bank, slurry dam, and dredge operations. Totais may not equal sum of components because of independent rounding. Source: U.S. Energy Information Administration Form EIA-7A, "Coal Production and Preparation Report," and U.S. Department of Labor, Mine Safety and Health Administration Form , "Quarterly COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre - RS CEP Tel.: Fax: BR 290, km 178 Butiã - RS CEP Tel.: Fax: S

6 Fotos da Operação da Copelmi Mineração 1- Mina B3 - Butiá Leste em operação Mina B3 - Butiá Leste em operação COPELMIMINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre - RS CEP Tel.: SSS1 32S Fax: S734 BR290, km 178 Butiã - RS CEP Tel.: Fax:

7 3- Mina S2 - Butiá Leste área reabilitada e empregada hoje para criação de gado de corte 4- Mina do Recreio - Sutiá - lago formado na cava final da mina utilizado como reservatório de água auxiliar da cidade de Sutiá e lago para piscicultura. COPELMI MINERAÇÃO LTDA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre - RS CEP Te!.: Fax: BR 290, km 178 Butiã - RS CEP Te!.: Fax:

8 ~ C~~E~~!JII 5- Mina do Cerro - Cachoeira do Sul - área minerada e reabilitada empregada para plantio de soja. 6- Área minerada Mina do Recreio em Butiá/RS e utilizada com aterro de resíduos sólidos urbanos - atende cerca de 35 % da população do estado do RS. COPELMI MINERAÇÃO LTOA Largo Visconde de Cairú, 12/3 andar- Porto Alegre Tel.: Fax: RS CEP BR 290, km 178 Butiã - RS CEP Te!.: Fax: S S

Geração Termelétrica a Carvão. Desenvolvimento de Novos Projetos

Geração Termelétrica a Carvão. Desenvolvimento de Novos Projetos Geração Termelétrica a Carvão Desenvolvimento de Novos Projetos Julho 2008 PRINCIPAIS RESERVAS DE CARVÃO MINERAL NO MUNDO (BILHÕES DE TONS) PRODUÇÃO DE CARVÃO MINERAL NO MUNDO (BILHÕES DE TONS) Produção

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Belo Horizonte, 17 de Setembro de 2015 170915 A curva do esquecimento de Ebbinghaus www.carvaomineral.com.br Contato:

Leia mais

CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA

CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 07 de Outubro de 2008 Agenda Carvão no mundo Carvão no Brasil

Leia mais

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Assembléia Legislativa de Santa Catarina Florianópolis/SC - 09

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Brasília, 14 de junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Observações Iniciais Carvão Mineral no Mundo Tecnologias para uso do carvão na

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Parte III Fontes não-renováveis

Parte III Fontes não-renováveis Derivados de Petróleo Capítulo 7 Stock Xchng Parte III Fontes não-renováveis 9 Carvão Mineral 129 Capítulo 7 Derivados de Petróleo Box 9 O processo de produção de energia elétrica a partir do carvão mineral

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL Leandro Fagundes, Eng. Minas, P&D Gerente, pedcons@via-rs.net Cleber José Baldoni Gomes, Eng. Minas, SIECESC Gerente Luciane Garavaglia, Geóloga,

Leia mais

Carvão Mineral 1. INTRODUÇÃO

Carvão Mineral 1. INTRODUÇÃO Carvão Mineral carbono e hidrogênio ou a fluorescência, são propriedades que permitem estimar o rank, uma vez que a elevação da carbonificação aumenta o poder refletor e reduz o hidrogênio e as matérias

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Boletim Informativo Energia

Boletim Informativo Energia Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é uma empresa líder internacionai envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O Grupo é composto pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda 30.07.2008 2 GDF-SUEZ: Principais atividades Participações GDF-SUEZ no Brasil 100,00 % 21,47 % SUEZ Energy South America Participações SUEZ Energy Brasil

Leia mais

A Indústria Brasileira de Extrusão de Alumínio: situação e desafios da sustentabilidade

A Indústria Brasileira de Extrusão de Alumínio: situação e desafios da sustentabilidade A Indústria Brasileira de Extrusão de Alumínio: situação e desafios da sustentabilidade Seminário APAL Aveiros Portugal 28 de Fevereiro de 2012 Preparado por: Ayrton Filleti Associação Brasileira do Alumínio

Leia mais

Viabilidade ambiental e a retomada do CARVÃO MINERAL

Viabilidade ambiental e a retomada do CARVÃO MINERAL Viabilidade ambiental e a retomada do CARVÃO MINERAL Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Porto Alegre /RS - 19 de Maio de 2014 23/10/09 www.carvaomineral.com.br Contato: zancan@carvaomineral.com.br (48)34318350

Leia mais

Análise do Mercado de Alumínio

Análise do Mercado de Alumínio Análise do Mercado de Alumínio 5º. Seminario de Trefilação - ABM 24.11.2014 Preparado por: Eng. Ayrton Filleti Diretor Técnico/ Presidente Emérito Associação Brasileira do Alumínio - ABAL Roteiro Introducão

Leia mais

. 3. Indicadores de Execução do Plano de Negócios

. 3. Indicadores de Execução do Plano de Negócios APIMEC MPX 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua administração

Leia mais

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000)

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000) Novas Tecnologias para o desenvolvimento sustentável: a viabilidade da produção de gás natural à partir do armazenamento geológico de CO 2 na Jazida de Charqueadas Letícia Hoppe Agenda 1. Contextualização

Leia mais

Boletim Informativo Tecnologia e inovação

Boletim Informativo Tecnologia e inovação Boletim Informativo 01 Buscamos contar com a melhor tecnologia de mineração e processamento disponível e inovar com novas maneiras de operação que irão beneficiar nossos negócios, funcionários, clientes

Leia mais

Perspectivas para a geração termelétrica a carvão

Perspectivas para a geração termelétrica a carvão Juliana de M. Marreco 1 Amaro Pereira Jr 2 Marina E. Tavares 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma análise da expansão do uso do carvão para geração de eletricidade no Brasil e no mundo. Com base em uma

Leia mais

Perspectivas da Mineração no Mundo e no Brasil

Perspectivas da Mineração no Mundo e no Brasil Perspectivas da Mineração no Mundo e no Brasil 2ª edição ISEE Brazil Porto Alegre, 24 de outubro de 2014 UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul PERSPECTIVAS DA MINERAÇÃO NO MUNDO E NO BRASIL SUMÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL Marcio Soares Dias Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear- CNEN Tel. (031) 3499

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Carvão Mineral: Perspectivas e Tendências nos Mercados Nacional e Internacional

Leia mais

CARVÃO MINERAL *Roberto Ferrari Borba

CARVÃO MINERAL *Roberto Ferrari Borba *Roberto Ferrari Borba O carvão mineral ou simplesmente carvão é um combustível fóssil sólido formado a partir da matéria orgânica de vegetais depositados em bacias sedimentares. Por ação de pressão e

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012 Sumário...03 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ Onde estamos?? Quem somos?? Número de indústrias de Cal e Calcário: 95. Principais Municípios integrantes do APL: Colombo, Rio Branco

Leia mais

sólidos em cavas. Workshop Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos

sólidos em cavas. Workshop Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos Avaliação do impacto ambiental causado pela disposição de resíduos sólidos em cavas. Workshop Cavas de Mina: Uso para disposição de resíduos Flávio Vasconcelos Ph.D. Geoquímico Ambiental 24/10/2008. SUMÁRIO:

Leia mais

Geografia Energia. Maurinto

Geografia Energia. Maurinto Geografia Energia Maurinto 1951/56 1957 1962 Estiagem No Brasil *JK Furnas MG (Rio Grande) Eletrobrás (Holding do Sist. Energético) Energia está sob controle Do capital externo. (Não investe) Empresas

Leia mais

K Fertilizantes Potássios

K Fertilizantes Potássios Fertilizantes - Informações Brasil N Fertilizantes Nitrogenados P Fertilizantes Fosfatados K Fertilizantes Potássios Fertilidade do Solo Brasileiro e a importância dos fertilizantes para a produtividade

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA

PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA 1 ÍNDICE DE PROJETO Introdução O uso diversificado de calcário Estudo de mercado PCC (carbonato de cálcio precipitado) GCC (carbonato de cálcio moído) Potencialidade econômica

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

República Federativa do Brasil

República Federativa do Brasil República Federativa do Brasil Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará S/A - ADECE COMPETE À ADECE: Executar a política de desenvolvimento econômico do estado do Ceará. Atrair e Incentivar Investimentos.

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil SEMINÁRIO ABRAGET 2007 João Carlos de Oliveira Mello Presidente Andrade & Canellas Consultoria e Engenharia Rio de Janeiro, 26 de abril de 2007

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE CAVAS REMANESCENTES DA MINERAÇÃO DE CARVÃO E A IMPLANTAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS: ESTUDO DE CASO CANDIOTA/CRM

A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE CAVAS REMANESCENTES DA MINERAÇÃO DE CARVÃO E A IMPLANTAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS: ESTUDO DE CASO CANDIOTA/CRM A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE CAVAS REMANESCENTES DA MINERAÇÃO DE CARVÃO E A IMPLANTAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS: ESTUDO DE CASO CANDIOTA/CRM Raul Oliveira Neto & Régis Sebben Paranhos Engs. de Minas e Profs.

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PETROBRAS BIOCOMBUSTÍVEL S/A COMISSÃO ESPECIAL DE ENERGIAS RENOVÁVEIS ABRIL DE 2009 1 Agenda Planejamento Estratégico da Petrobras Biocombustível

Leia mais

INFORMAÇÃO DE ACESSO. AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO

INFORMAÇÃO DE ACESSO. AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO INFORMAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO URBANO (RSU) BARUERI REV. 01 20 de junho de 2012 INDICE 1. INTRODUÇÃO 2.

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 FATO RELEVANTE MPX e E.ON Formam Joint Venture para Promover Crescimento no Brasil -- E.ON alcançará 10% de participação na

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE DISPERSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS ISC3-ST COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE E PLANEJAMENTO DE USINAS TERMELÉTRICAS

A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE DISPERSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS ISC3-ST COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE E PLANEJAMENTO DE USINAS TERMELÉTRICAS GIA/11 21 a 26 de Outubro de 21 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIETAIS (GIA) A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE DISPERSÃO DE POLUETES ATMOSFÉRICOS ISC3-ST COMO ISTRUMETO DE

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Histórico 1930 fundação da Luchsinger Madörin & Cia Ltda 1964 fundação da Trevo

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios China e suas potencialidades comerciais A China será a maior economia do mundo. A dúvida é quando: em 2015, 2020, 2025? 23 4 5 2 . Comércio BR-CN, 2000-2010:

Leia mais

40.000 empregados Em mais de 250 municípios Brasileiros Presença em mais de 20 países

40.000 empregados Em mais de 250 municípios Brasileiros Presença em mais de 20 países 42º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ACIARIA 42º STEELMAKING SEMINAR - INTERNATIONAL NOVOS PROJETOS SIDERÚRGICOS Iran Oliveira de Medeiros GRUPO VOTORANTIM 1918 2010 Canadá Estados Unidos México Bahamas Colômbia

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

Climate Change - Coal Overview

Climate Change - Coal Overview CSLF : Capacity Building Climate Change - Coal Overview Fernando Luiz Zancan President - Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Salvador - 08 September 2008 BRAZILIAN COAL INDUSTRY Resources: 31,7

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CARVÃO NA MATRIZ ENÉRGETICA NACIONAL E NA INTERNACIONAL

A IMPORTANCIA DO CARVÃO NA MATRIZ ENÉRGETICA NACIONAL E NA INTERNACIONAL A IMPORTANCIA DO CARVÃO NA MATRIZ ENÉRGETICA NACIONAL E NA INTERNACIONAL José O. Silva 1, Hernani A.F. Chaves 1, Patrícia Maia 1, Francisco Dourado 2. 1 Departamento de Estratigrafia e Paleontologia da

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Norberto Medeiros dxcb-cme,brasil Agosto / 2002 Para discutir os recursos energéticos e a integração

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I - Concentração da produção por microrregião geográfica - Santa Catarina - Safra 2009 (Total = 11.553 t) Desempenho da produção vegetal Alho PARTE I Marco Antônio Lucini Engº Agrº Epagri/Curitibanos marcolucini@epagri.sc.gov.br

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa

Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa 15 de Março de 2011 Elog, Columbia e EADI Sul se unem para formar uma nova empresa As experiências se somam e os resultados, para os clientes, se multiplicam A sinergia de estrutura e serviços gera soluções

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 42, DE 1 o DE MARÇO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Departamento de Economia, Sociologia e Administração

Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Departamento de Economia, Sociologia e Administração Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Sociologia e Administração Impactos da logística na precificação do etanol: um estudo de caso sobre a

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007 Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa A Perdigão encerrou 2007 com faturamento bruto de R$ 7,8 bilhões, valor 27,6% superior ao registrado

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Hortaliças Brasília DF / 21-09-2011

Reunião Câmara Setorial Hortaliças Brasília DF / 21-09-2011 Reunião Câmara Setorial Hortaliças Brasília DF / 21-09-2011 PROPOSTA Natalino Shimoyama Gerente Geral ABBA Associação Brasileira da Batata www.abbabatatabrasileira.com.br G- ENEFICIOS REAIS Globalização

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Leilão A-5 de 2014 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas

Leilão A-5 de 2014 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas 1. OBJETIVO Este Informe Técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria MME nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa 2010 Disclaimer Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua

Leia mais