Relatório Encontro Nacional dos Núcleos ODM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Encontro Nacional dos Núcleos ODM"

Transcrição

1 Relatório Encontro Nacional dos Núcleos ODM Dia 23 de agosto de Abertura Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós Podemos MNCS/NP, Secretaria Geral da Presidência da República SGPR e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil PNUD Parceiros: Petrobrás, Sebrae, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Sistema FIEP e Instituto HSBC - Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade: Rodrigo da Rocha Loures Secretário Executivo Nacional do Movimento Em 2015 se encerra o ciclo dos ODM, e o Brasil tem todas as condições para brilhar neste processo, já que existe uma forte articulação entre os três setores esse é o único caminho para que os ODM sejam alcançados e mais, mantidos. O Brasil é referência nesta articulação entre informações e reuniões de pessoas para pensarem projetos e ações para os ODM. Quando acontece a mobilização de voluntários, aquilo que é discurso se converte em ação concreta, e esta só é possível quando os atores conversam entre si, de forma horizontal, movidos apenas pelas metas e objetivos a serem alcançados. É importante que esse diálogo aconteça em todos os lugares: escolas, universidades, empresas, etc. Nossa experiência mostrou que é possível transformar/alcançar as metas, sempre que houver a mobilização entre todos. É por isso que o Brasil poderá comemorar, possivelmente, a redução das desigualdades. Para tal, é fundamental o processo de municipalização ter em cada localidade um núcleo (auto gerenciável) estimulado a atuar e desenvolver atividades, ações e projetos para a melhoria municipal este é o nosso desafio! Não é uma tarefa simples, mas também não é impossível. Nestes dois dias o convite é fazer esta reflexão e integração das atividades dos diversos núcleos estaduais. Cada estado deverá analisar como fará este processo de municipalização. Ferramentas: transferência de tecnologias sociais, para que o trabalho seja realizado de forma orquestrada! - HSBC Ivana Von Linsingen Superintendente executiva de RH

2 Está no DNA do HSBC os ODM. Apresentação de vídeo institucional. Aquecimento solar para os chuveiros. Iluminação eficiente. Wifi. Reaproveitamento da água da chuva. Isolamento térmico. Ar condicionado eficiente. - IPD Sandro Nelson Vieira Diretor Presidente - Petrobrás José Barbosa Gerente de Relacionamento Comunitário A Petrobrás está presente desde o início deste processo no Brasil e isso tem promovido uma transformação individual nos colaboradores da nossa empresa. A regional sul da Petrobrás vem sendo construída nestes anos e é fruto deste engajamento e comprometimento da empresa com as Metas do Milênio. Não basta ser eficiente na busca e na transformação de petróleo, é importante contribuir para a emancipação das pessoas e das comunidades. Tratase de uma instituição competitiva, eficiente na produção de energia, mas efetivamente engajada no desenvolvimento social e nos grandes temas brasileiros do mundo. - SEBRAE André Silva Spnínola Gerente da Unidade Desenvolvimento Territorial Sebrae se incorporou recentemente a este processo de desenvolvimento territorial e inclusão produtiva. São atendidos mais de município e o Sebrae está à disposição deste movimento de transformação do Brasil em prol dos ODM. - Banco do Brasil Luciano Muller Gil Cardoso Gerente de Divisão da Unidade de Desenvolvimento Sustentável O Banco do Brasil é parceiro dos ODM desde Tem diversas ações que objetivam o alcance dos ODM. Estes esforços do BB e da Fundação Bando do Brasil, também se refletem no Prêmio ODM, onde diversos projetos apoiados pelo Banco foram premiados. - Caixa Econômica Federal Marcia B. Lacerda Krambeck Gerente de Gestão de Pessoas

3 A Caixa é aderente desde aos ODM desde Diversos projetos vêm sendo apoiados pela CEF através de edital crianças, adolescentes e mulheres. Presença em diversos municípios brasileiros. - PNUD Maria Celina Arraes Coordenadora da Unidade de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento de Capacidades Os ODM são uma agenda mínima de direitos humanos e foram construídos com base nas principais e grandes conferências realizadas pelas Nações Unidas na década de O PNUD e a ONU enxergam seu papel como articuladores e convocadores e o resultado disso são as ações desenvolvidas na ponta. Trago o compromisso do Representante Residente do PNUD em participar dos eventos que ocorram nos estados. - FIEP Ovaldir Nardin Superintendente Corporativo do Sistema FIEP O Sesi PR reconhecidamente vem funcionando como grande estimulador deste movimento no estado do Paraná desde Mensagem de renovação deste compromisso: o Sesi continuará sendo o sponsor do Nós Podemos Paraná tanto em ações de incentivo à comunidade e a empresários, como em ações pontuais. Por orientação da atual diretoria será dada ênfase nos municípios de baixo IDH, sem esquecer-se que grandes cidades também têm suas localidades de baixo desenvolvimento. Compromisso em manter o funcionamento do Orbis, aprimorando a ferramenta e incluindo novos indicadores. O SESI e a FIEP são âncoras deste processo em todo o Paraná. - Secretaria Geral Presidência Wagner Caetano Secretário Nacional de Estudos e Projetos Político-Institucional Estou satisfeito e otimista. Satisfeito pela presença de todos os estados brasileiros, com representação de governos estaduais e municipais. E otimista porque o Movimento pela Cidadania e Solidariedade está baseado no tripé: governo, cidadania e empresariado. Estamos dando um passo a frente, firme, concreto e objetivo na direção do sucesso. Tenho a convicção de que estamos crescendo nesta caminhada. O Brasil é um país diferente e melhor que há dez anos porque as políticas públicas estão respondendo à ansiedade do povo brasileiro, especialmente aos mais pobres. Ao mesmo tempo, a sociedade brasileira está cada vez mais

4 organizada neste processo (com ferramentas tradicionais e novas) e o MNCS surge justamente neste contexto, e se apresenta como uma ferramenta nova. Ainda existem muitos desafios, mas é organizando, conversando e articulando que poderemos avançar neste processo para o alcance dos ODM. Sairemos daqui diferentes do que entramos: mais fortes e maiores. Representantes de cada estado: Acre 2 Mato Grosso do Sul 2 Roraima 2 Alagoas 2 Minas Gerais 3 Santa Catarina 3 Amapá 2 Pará 2 São Paulo 3 Amazonas 3 Paraíba 5 Sergipe 2 Bahia 4 Paraná 3 Tocantins 2 Ceará 2 Pernambuco 3 CPCE 1 Distrito Federal 2 Piauí 3 MNPP 7 Espírito Santo 2 Rio de Janeiro 2 Orbis 1 Goiás 3 Rio Grande do Norte 3 PNUD 4 Maranhão 2 Rio Grande do Sul 7 SG PR 5 Mato Grosso 2 Rondônia 2 Apresentação da programação Olavo: estamos aqui por uma causa nobre, humano somos privilegiados em podermos participar desta iniciativa. 2. Rio+20 e os ODM Maria Celina Arraes O encontro congregou governos, a sociedade civil e o setor privado. As decisões: Rio+20 o futuro que queremos a ONU trabalhará em prol de um acordo para os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis) que serão aplicáveis a todos os países (aplicação global), já que os ODM, em sua concepção, foram uma iniciativa para os países em desenvolvimento, e agora está claro que os ODS devem ser uma iniciativa de todos os países (meio ambiente, social e econômico). Deve ser em número reduzido, conciso e de fácil comunicação, a exemplo dos ODM. Deve ser um processo participativo (ODM não foi tão participativo). Acordado um processo de trabalho: grupos de governos, como grupos de trabalho de assessoramento (Adriana Petrelli, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Ipea, representará o Brasil neste Comitê internacional, composto por 30 pessoas do mundo fazendo do Brasil uma referência) devem apresentar em setembro de 2013 suas propostas para consideração da Assembleia Geral da ONU. Haverá processo de consultas eo Brasil deverá estar incluído.

5 As especulações: Porque surgiu a ideia dos ODS? O mundo atual não é mais igual ao mundo quando os ODM foram criados. Algumas mudanças: a ciência comprovou que estamos utilizando nossos recursos num ritmo mais acelerado que o prazo para sua renovação; enchentes e chuvas; mudança nos centros dinâmicos da economia mundial com a emergência dos BRICS crescimento populacional, globalização acentuou algumas desigualdades, desemprego, especialmente entre os jovens, reversão de algumas conquistas, etc. A meta da pobreza foi alcançada no âmbito mundial, no entanto, continua sendo um desafio pelo número de pobres ainda existentes no mundo. Os ODS trarão um olhar especial de sustentabilidade para a redução da pobreza, é mais um olhar sobre os ODM que uma substituição. Independentemente de definição é aceito que existem três pilares do desenvolvimento sustentável e os ODS terão que considerar estes três aspectos: ODS econômico inclusão e acesso a bens mínimos ODS meio ambiente que requer participação forte com o setor privado, já que requer investimentos em novas tecnologias, para viabilizar que a redução da pobreza seja eficiente. ODS social redução de desigualdades. Algumas sugestões: 17 ODS, alguns: energia limpa, agricultura sustentável, consumo e produção sustentáveis. Colômbia e Guatemala: consumo, cidades sustentáveis, biodiversidade e florestas, segurança alimentar, energia. Wagner Caetano A Cúpula dos Povos reuniu mais de lideranças mundiais e foram mais de mil mesas de debates e discussões e a Reunião dos Chefes de Estado/ Reunião de Cúpula contou com a presença de mais de 140 chefes de estados. Foi a maior conferencia da ONU em toda sua história em número de participantes e de chefes de estado. O ambiente foi pacífico e as diversas brigas internacionais foram esquecidas. Momento de intensa participação social e civilidade. A presidenta Dilma disse na Conferência que o documento final é um ponto de partida e não de chegada. O encontro foi uma vitória, porque nem todas as reuniões produzem um documento final. Portanto, podemos considerar o evento um sucesso, uma vez que tivemos um consenso mínimo. Define alguns elementos: tríade o Desenvolvimento Sustentável está baseado no desenvolvimento Econômico, na inclusão social e no desenvolvimento ambiental não foi um encontro para discutir apenas os aspectos ambientais. Para se chegar aos ODS é necessário concluir os ODM. Ficou claro nas discussões que não poderíamos deixar de lado a plataforma dos ODM. Os ODS serão uma nova etapa. A caminhada do MNCS é um processo de transição e 2015 não é o ponto final! Este encontro de hoje e amanhã é para que definamos os próximos passos, em direção aos ODS. Queremos que o Brasil seja também referência quanto aos ODS e isso é possível pelas lições aprendidas com este trabalho dos ODM. Ter uma representante brasileira (Ipea) no Comitê Internacional é um privilegio e manteremos contato para colocar a experiência dos estados na promoção dos ODM no documento.

6 Documento Cúpula dos Povos: diferença significativa entre os dois documentos os movimentos sociais devem pressionar os governos a ter uma postura mais progressista, os governos, por outro lado, têm uma limitação para construir um consenso mínimo. Por isso, é um documento mais crítico. Mensagem principal: teremos que incluir em nosso discurso e em nossa reflexão os ODS, que agora fazem parte de nossa agenda. Somos partícipes deste processo e responsáveis por preparar os diferentes setores a incluir esta ideia. MNCS visa promover o debate e a mobilização social em torno do debate dos ODS. A sociedade civil, que se organiza para defender seus interesses e para pressionar os governos, tem um papel fundamental neste processo. 3. Apresentação do projeto Movimento ODM Brasil 2015 Projeto de desenvolvimento das atividades em prol dos ODM no Brasil inteiro. SG/PR Wagner Caetano MNCS/NP- Cidinha/ Odilon PNUD Maria do Carmo Rebouças/ Maria Celina Arraes Cidinha Histórico: no lançamento da 3ª edição do Prêmio ODM viu-se a necessidade de realizar uma atividade mais intensa. Surgiam assim as Oficinas de Mobilização para a formação de Núcleos Estaduais, que tem papel de articulação, de protagonista na discussão sobre os ODM. Como fortalecer esta atividade nos estados: em 2012 surge o Projeto ODM Brasil 2015, que foi assinado por diversas instituições na cerimônia de premiação do Prêmio ODM. Nosso propósito hoje é apresentar essa proposta. Wagner Em 2009 teve inicio a regionalização do MNCS, com o surgimento dos Núcleos Estaduais. Estratégia: envolvimento de várias instituições (Caixa, Banco do Brasil, Petrobrás, etc.) para a definição de um projeto que garantisse apoio aos Núcleos Estaduais (resultado: o Projetão). Maria do Carmo Apresentação do Projetão: propõe as diretrizes para alcançar os objetivos estratégicos definidos no projeto. Gerente do Projetão: alocada no PNUD

7 Projeto: Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para o alcance dos ODM no Brasil. É o instrumento que viabilizará a realização das atividades em prol dos ODM até Ideias força: 1) Estabelecimento de estratégias sobre os ODM de forma articulada entre todos os Núcleos Estaduais. 2) Enfoque na municipalização 3) Sistematização das informações para acompanhamento das metas. Parcerias: não só com um papel financiador, mas também com envolvimento na articulação e mobilização. Estratégia geral: Fortalecer as capacidades dos governos locais, da sociedade civil e do setor privado. Eixos: - Produção de conhecimento e monitoramento - Mobilização - Desenvolvimento de capacidades (próprios beneficiários das iniciativas desenvolvem e administram as ações). Estrutura lógica do projeto: Resultados: produção e sistematização sobre os ODM; participação dos diversos setores; Estimular a vinculação de políticas públicas do governo federal; gestão eficiente de todo o projeto. Metas Atividades Insumos Orçamento a) Produção de conhecimento sobre os ODM: parceria com institutos oficiais de medidas; análises executiva dos avanços por estado; aperfeiçoamento do Portal ODM; relatório de Desenvolvimento Humano, com cálculo do IDH municipal e dados do Censo de 2010; monitoramento das práticas premiadas desde a primeira edição do Prêmio ODM. b) Participação de diversos setores: capacitação individual e institucional. Resultados: fortalecimento da gestão municipal para o alcance dos ODM; desenvolvimento e fortalecimento dos Núcleos Estaduais de ODM para capacitar, mobilizar e dinamizar a agenda dos ODM; realização do Prêmio ODM Brasil; Realização da Conferência Nacional sobre os ODM (previsão 2013 ou 2014); Estabelecimento e fortalecimento de parcerias

8 com instituições da sociedade civil em prol dos ODM; estabelecimento de parcerias com o setor privado e o Pacto Global; Desenvolvimento de estratégia de comunicação para sensibilização e promoção dos ODM no Brasil (tanto do projeto, como dos ODM, dos Núcleos estaduais). c) Estimular a vinculação de políticas públicas do governo federal: sensibilização de ministérios e demais órgãos federais; promoção dos ODM de forma articulada com as políticas públicas do governo federal. d) Gestão eficiente de todo o projeto Este projeto será fortalecido com os Planos estaduais de trabalho em prol dos ODM (que serão apresentados no dia 24). Espaço para perguntas: 1. Como serão as atividades de convencimento, na linha política, (CAP) junto aos governos nos estados? Ainda não temos o envolvimento do poder público estadual em todos os estados? (Espírito Santo) 2. Câmara Interministerial que garanta envolvimento dos Ministérios nesta mobilização e desenvolvimento das atividades lideradas por estas, focadas nos ODM. Proposta que a Câmara Interministerial fique sob a coordenação da SG/PR (Amazonas) 3. Parabeniza pela iniciativa do encontro. Sinto-me muito feliz, pois este momento é um oxigênio para mim. (Paraíba) 4. Declaração de tranquilidade: este projeto apresenta-se como guia fundamental para o trabalho em prol dos ODM no Brasil. (Sergipe) 5. Estabelecimento de parcerias e o Pacto Global: existe algum tipo de cobrança em relação ao cumprimento das metas do Pacto Global? (Rio Grande do Sul) 6. Existe possibilidade de focar em determinada meta ou ODM? (Pará) 7. Ação de empoderamento dos Núcleos estaduais? (Ceará) 8. Envolvimento dos Conselhos de Desenvolvimento federal e estadual: sugestão de que haja uma ação específica com os Conselhos. (Minas Gerais) 9. Registra a importância da segurança alimentar (ODM1). O momento da Conferencia será uma oportunidade para a celebração. Reforça a importância do encontro destes dois dias para renovar as energias. (Paraíba)

9 10. Podemos utilizar indicadores regionais? Existe a ideia de pensar e se rediscutir os parâmetros do IDH? (Rio Grande do Sul) Maria Celina: Pacto Global estabelece princípios para o comprometimento das empresas. As metas são estabelecidas pelas próprias empresas. Em relação ao GRI é uma ótima ferramenta para relatar os avanços do Pacto Global, mas não é obrigatória sua utilização. As empresas devem também, apoiar as iniciativas da ONU, entre elas os ODM. Já estão sendo promovidas discussões em relação ao IDH. Wagner: Governos estaduais o envolvimento não é obrigatório. Mesmo os grandes programas federais, quando importados para os estados e municípios adotam outros nomes, isso revela a autonomia dos governos estaduais e locais. É importante passar por processo de sensibilização para os governos trabalhem com a plataforma dos ODM de forma estratégica. Oferecemos ferramentas e estratégia para que governos deem visibilidades às ações que desenvolvem. É um processo de convencimento. Já temos alguns exemplos: Rio Grande do Sul, Bahia, etc. ainda são a minoria, mas o processo de adesão deverá ser conquistado. Está sendo estruturado, como iniciativa da SG/PR, o Sistema Nacional de Participação Social: espaço de discussão entre os Conselhos, espaço de interconselhos. No plano estadual a proposta é construir um Fórum com os Secretários estaduais de participação social objetivo: transformar a participação social em uma política de estado. Carminha: Formalização dos Núcleos limitador: a não personalidade jurídica, alternativa? Utilização de instituição parceira. Em processo de discussão. Haverá avaliação do plano de trabalho. A formalização será feita através de memorando de entendimento entre Núcleo e PNUD, com o apoio institucional da SG/PR (com participação de reuniões, por exemplo). Considera-se importante realizar parcerias com instituições de pesquisa estaduais. Diva: Orbis está ajustando o Portal ODM para que contemple as diferenças regionais dos indicadores. 4. Apresentação das Diretrizes atuais do MNCS/NP Proposta de atualização da coordenação do Movimento e atualização das diretrizes do MNCS/NP Cidinha Histórico das Diretrizes:

10 Uma dúvida: esta proposta do Lula não teve mais impacto no surgimento do Prêmio ODM? O Movimento não foi mais uma continuidade das ideias do Betinho? Inspiração: Presidente Lula fez visita na indústria gaúcha Tevah. Trabalho e produção dos sábados eram voluntários e destinados a pessoas carentes. Propósito é de Movimento! Que não tenha personalidade jurídica. Fundadores: Petrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, FIEP, FIESP, FIEMG e outras com capilaridade nacional. 9 de agosto de 2004 lançamento da Campanha encontros regionais para discutir mudanças nas Diretrizes do MNCS Explicação sobre as Diretrizes Odilon: - Objetivo a longo prazo é caminhar rumo aos ODS. No curto prazo a nossa prioridade é municipalizar até 2015, com mais ferramentas, recursos e organização para viabilizar este processo. Então, a atualização das diretrizes se justifica pelos novos desafios que temos pela frente, seja o de ampliar a municipalização dos ODM ou para melhorar a participação dos estados e setores no movimento. Este momento do encontro é dedicado a apresentar uma melhor forma de organização do MNCS para garantir o alcance dos objetivos anteriores. Objetivo da nova proposta: horizontalizar (e ter presença em todos os estados) e verticalizar (com o envolvimento de todos os setores). Propõe-se a direção do MNCS/NP através de Colegiado: Secretaria Executiva Nacional; Secretaria Executiva Nacional Adjunta, Secretaria Nacional de Mobilização, Secretaria Nacional de Mobilização Adjunta - Atribuições de cada Secretaria - Propõe a realização de Fórum de decisão e participação - Mandato dos secretários: três anos para ficarmos alinhados com o calendário do final de 2015 (avaliação sobre o futuro do Movimento Nacional) - Sugestão que esta norma seja extensiva aos estados e municípios. Neste momento houve várias perguntas e dúvidas do plenário: 1. Materiais impressos (Roraima) 2. Importância de garantir a história dos trabalhos (Paraíba) 3. Sugestão é que a proposta seja ainda estudada. O coordenador estadual pode ocupar mais de um cargo? (Rio de Janeiro)

11 4. Modelo proposto é arrojado. No entanto, não podemos tomar uma decisão de um dia para o outro. É importante discutir ainda algumas questão. (Sergipe) 5. Comunicação: qual é o funcionamento da Política Nacional de Comunicação do MNCS? (Brasília) 6. A palavra Movimento não combina com estrutura física, tal como se propõe. O plano de trabalho, de quem é? Núcleo Estadual/ Regional/ Nacional? Preocupação com as metas: o Censo de 2010 demonstra que muitos indicadores ainda são preocupantes. (Rio Grande do Sul) 7. Núcleos estaduais - não era Nós Podemos.... Cuidado com a nomenclatura cidade trocar por municípios. (Rio Grande do Sul) 8. Material de divulgação para levar para os Estados? Programa do Governo Federal? (Goiás) (Goiás) 9. Organização do Movimento: é importante esta preocupação, no entanto, neste momento é importante a apropriação do documento dos Núcleos Regionais. Dificuldade de conexão entre os estados (estradas, etc.), no momento considero inviável. Quem fomentaria as reuniões regionais? Proposta de região norte I e II. (Amazonas) 10. Importância da Comunicação interna. (Ceará) 11. Região norte é territorialmente muito grande, é importante pensarmos em dividir. Os Secretários regionais ficarão ligados a uma instituição, ou ao contrário? (Pará) 12. Sugestão que a comunicação seja feita a partir da Presidência da República (Mato Grosso) 13. Sugerir incluir a representação institucional à horizontal e vertical. (Minas Gerais) 14. Qual foi o critério utilizado para definir as regiões? Região amazonas I: Pará, Amapá, Tocantins. Região Amazonas II: Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima. (Roraima) 15. Qual o critério utilizado de participação da Rio+20? Houve parceria do MNCS para participar na Rio+20? Onde estará o Nós Podemos Rio na Copa e na Olimpíada? (Rio de Janeiro) Odilon

12 As perguntas não foram respondidas especificamente, mas foi orientado para aprofundar nos trabalhos de grupos por região. Os trabalhos do dia de amanhã serão realizados com o documento impresso. Quanto ao acúmulo de cargos, está aberto a discussão. Sugestão do Odilon é que não se acumulem funções. Com maturidade e consenso o caminhar do MNCS será decidido. A regionalização dos trabalhos tem por objetivo fortalecer a presença nacional na condução dos trabalhos. Política de Comunicação: proposta é que neste encontro se defina um cronograma para avançar na política e nas estratégias mais adequadas para comunicação. Wagner A novidade nas Diretrizes é apenas em relação às novas divisões esta necessidade surgiu com o crescimento do Movimento Nacional, acelerando os processos decisórios, de atuação e agilidade. As divisões propostas podem ser facilmente modificadas. O empoderamento é uma conquista. Não se dá. É o Núcleo e o Movimento que conquistarão este reconhecimento. Cidinha Reforço que o MNCS/NP é da sociedade! Dia 24 de agosto de 2012 A proposta das diretrizes tem um objetivo: fortalecer o MNCS/NP. E quem vai decidir a melhor forma e como o MNCS/NP vai funcionar melhor somos nós. Odilon Algumas sugestões para aprofundamento no trabalho de grupos por região: 1. Estamos falando de MNCS/NP que é composto pela sociedade civil, mas se relaciona com o governo e com as Nações Unidas por meio do PNUD. Não representamos o governo, mas nos relacionamos com o governo. Somos da sociedade civil que quer trabalhar junto com os governos em diferentes âmbitos do Brasil (governo federal, governos estaduais e governos municipais); 2. Ter claro que o MNCS/NP está numa nova etapa. A Cidinha fez uma retrospectiva histórica e começamos uma nova fase: ter clareza que nos próximos três anos nós temos que acelerar as ações em prol dos ODM, e ao mesmo tempo, prestar atenção na agenda pós 2015 que são os ODS. Acelerar, fazer mais em três anos do que fizemos nos últimos dez anos. 3. Pensar no projeto do MNCS/NP 2015: esse plano nacional está articulado com 26 planos estaduais e do Distrito Federal: o quê vamos fazer, como vamos fazer, ter mais qualidade e mais iniciativa. Cada estado tem que monitorar o andamento dos projetos.

13 4. Melhorar a participação de todos os estados e como o MNCS/NP está trabalhando atualmente. O objetivo é democratizar e fortalecer a participação dos núcleos dos estados nas decisões. Para isso, teremos um encontro nacional do MNCS/NP por ano, com ampla participação dos estados para decidir e avaliar as ações do MNCS/NP. Assim como será instituído um colegiado nacional (articuladores regionais) para um maior diálogo, maior articulação, presença, envolvimento e alinhamento do que se faz no país com as realidades dos estados. É ter um fortalecimento nacional com autonomia e aprofundamento dos pontos descritos. Núbia (Paraíba) destacou o sentimento participacionista e o entendimento de ter cooperação, e não competição, para fortalecer e ter o pensamento de construção coletiva, pelas lideranças e pela caminhada que, inclusive nos espelhou o Nós Podemos Paraná, repassando esse exemplo de mobilização. Construirmos juntos é a oportunidade de termos uma responsabilidade compartilhada. Jacimar (Acre) inicia pensando articulação propositiva de representação regional; Fazer reuniões regionais para estabelecer momentos democráticos de escolha e, passando os representantes eleitos localmente para a Secretaria Nacional. Complementa dizendo sobre uma Conferência local, tirando delegados regionais, para uma Assembleia Nacional. 5. Apresentação da Agenda de Compromissos 2013 a 2016 Cidinha O Governo Federal juntamente com a Secretaria Executiva da Presidência estão olhando para os ODM e, por meio da Agenda de Compromissos, estão contribuindo para a municipalização, pois os prefeitos colocarão metas para cada ODM e o cidadão, por meio dos indicadores, poderão cobrar os gestores públicos. Olavo Os tratados da ONU são uma letra que se não tiver o recheio de ação social fica morto, sem vida. Municipalizar é ir até os municípios e mobilizar todos os líderes do município para o alcance das metas. Dia 27 de fevereiro de 2013, a presidenta Dilma se encontrará com os prefeitos para a divulgação da Agenda de Compromissos no mesmo dia do encontro nacional dos prefeitos. Para isso, foi desenvolvido um sistema pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) que conversa com o portal ODM e assim estipular metas para os objetivos.

14 E os desafios da Agenda são: Induzir a Gestão Municipal Estratégica alinhada às principais Políticas Sociais Federativas X ODM; Apoiar a gestão municipal com um instrumento de planejamento e monitoramento (questão primordial para os municípios pequenos que não possuem um instrumento de gestão administrativa); Promover a mudança cultural para a utilização de informação como apoio à decisão estratégica; Promover a partilha de informações ao cidadão (o acesso é livre e o cidadão pode cobrar os prefeitos) Essa agenda está dividida em três momentos: 2012 Candidatos a prefeitos e vereadores podem assumir o compromisso com os ODM. Paraná, Santa Cataria e Paraíba elaboraram termos de compromisso para os candidatos assinarem Disseminar a ideia da Agenda de Compromisso por meio da sociedade civil que deve ser mobilizada para acompanhar políticas públicas 2013 Difundir a ideia entre os prefeitos em um encontro com a Presidenta Dilma. Diretrizes básicas da Agenda: Foco nos ODM e nos principais Planos de Governo; Simplicidade no preenchimento de dados; Disponibilização Automática de Indicadores; Apenas um indicador por Programa; Disponibilizar diagnóstico (indicadores de impacto); Contextualizar os indicadores por tempo e território; Alinhamento estratégico para atingir metas; Melhoria da Gestão Municipal com suporte de informação. Duas realidades no acesso ao site da Agenda de Compromissos: uma do gestor público que pode fazer alterações e colocar as metas para cada objetivo. E uma do cidadão que pode ter conhecimento das metas e dos indicadores e verificar como andam as ações para o alcance dos objetivos, quais os programas que existem para objetivo, panorama de cada objetivo a nível nacional, explicação de cada programa, mas tudo sem possibilidade de edição. Quem alimenta o site da Agenda? Os números são do portal ODM, cujos dados são oficiais e a base são informações dos Ministérios. Lembrando que podem não estar atualizados conforme a realidade do município, mas atualizado conforme os órgãos oficiais. Os prefeitos que estipularem metas para os ODM e assim que foram atingindo os objetivos, receberão um selo (certificado) para cada objetivo. Se no ano a Prefeitura alcançar todos os objetivos, receberá um certifico de êxito total. Estratégia para divulgação da Agenda: Divulgação de Folder da Agenda de Compromissos; Teste piloto com prefeituras e órgãos/entidades envolvidas agosto de 2012 (12 prefeitos de diferentes estados do Brasil foram convidados para testar o sistema); Sensibilização das Associações Municipais, prefeitos e dos candidatos a prefeitos - Reuniões nos estados de agosto a setembro de 2012; Divulgação nas Conferências Estaduais de Desenvolvimento Regional em todos os estados

15 Link está no Portal Federativo 6. Orientações Gerais sobre atuação dos Núcleos do MNCS/NP Orientação para finalização dos Planos de Ação por Núcleo Estadual Wagner Caetano Visão com relação ao encontro: postura politica de alto nível e de bom conteúdo Os grupos servem para que cada um saia do encontro e vá para seu estado pronto para agir e com todas as informações alinhadas. O plano de trabalho é exatamente o que vãos fazer em cada lugar, como municipalizar, como disseminar as informações no município. E por mais que o gestor esteja trabalhando para a municipalização, é necessário que haja participação da sociedade. E o MNCS/NP tem o papel de fazer com que a sociedade participe, afinal o objetivo do movimento é justamente o de envolver as pessoas da sociedade para a formação de núcleos regionais para a execução de boas práticas. Por isso é necessário que cada núcleo estadual trace estratégias (plano de trabalho) para que todos os municípios do Brasil sejam atingidos. O objetivo é chegar aos municípios, mas o caminho cada um escolhe, afinal cada núcleo municipal vai discutir os objetivos a partir da realidade local. Carminha Estratégias do projeto para os núcleos estaduais fortalecer a capacidade dos núcleos Para a municipalização, o Projeto Movimento ODM Brasil 2015 apoiará os Núcleos na implementação de estratégias estaduais, regionais e municipais de atuação, visando disseminar dados e indicadores sobre os Objetivos do Milênio, aprimorar ferramentas para capacitar os parceiros envolvidos diretamente na atuação dos Núcleos, assim como diferentes atores sociais. Da mesma forma, apoiará a realização de encontros, de oficinas de mobilização e de capacitação por meio de repasses de recursos, previstos em instrumento próprio a ser elaborado pelo Projeto. A municipalização pode ser realizada em duas vertentes: a primeira, pela sensibilização de prefeitos para a adequação da gestão municipal à plataforma ODM e a adesão à Agenda de Compromissos. A segunda, pela mobilização da sociedade para o monitoramento dos compromissos municipais em prol dos ODM e a ação direta na esfera de atuação das organizações da sociedade civil, empresas e outros. Essas duas vertentes são complementares e convergentes, pois têm como objetivo o alcance das metas do milênio e a melhoria da qualidade de vida da população. Com a finalidade de subsidiar as ações de municipalização, o Projeto ODM Brasil 2015 apoiará os Núcleos ODM em suas atividades de mobilização e capacitação em prol dos ODM, com foco

16 em três objetivos: fortalecimento institucional do núcleo (Capacitar participantes do Núcleo para qualificar a articulação e mobilização); produção de conhecimento e comunicação (conhecer, analisar e disseminar os indicadores do milênio do Município, Estado e Região e materiais necessários para a realização das ações); municipalização e mobilização dos municípios (realizar ações para engajar o poder público, o setor privado e a sociedade civil em prol dos ODM no âmbito dos municípios) No arranjo para a realização das ações dos Núcleos em 2012, o PNUD ficará responsável pelo pagamento das ações acordadas e aprovadas no Plano de Trabalho. Inicialmente os planos devem ser levados para discussão no âmbito do Comitê Gestor do Projeto. A versão final deverá ser encaminhada ao PNUD em data a ser informada, via preenchimento de informações no Google Docs, cujo link será enviado aos Núcleos. Uma vez recebidos os planos, os mesmos serão discutidos durante o encontro nacional dos Núcleos. A formalização se dará mediante a assinatura de um Memorando de Compromisso dos Núcleos com o PNUD, no qual se comprometem a cumprir o plano de trabalho e seguir as regras, procedimentos e prazos estabelecidos pelo PNUD na execução das ações, bem como quaisquer exigências de prestação de contas que se façam necessárias. Em termos iniciais e indicativos, o Projeto apoiará atividades de mobilização com insumos de: Transporte; Alimentação; Aluguel de equipamentos para eventos; Material gráfico promocional dos ODM; Capacitação (passagens e diárias para facilitadores/capacitadores). 7. Atividades em Grupo Orientações para o trabalho em grupos por regiões: a) Compartilhar nos grupos os planos de trabalho de cada estado identificando desafios e oportunidades no estado e região (verificar o que tem em comum entre os estados). Identificar questões comuns em torno das seguintes questões: 1.Fortalecimento Institucional, 2.Produção de conhecimento e comunicação e 3. Mobilização. b) Identificar as expectativas dos movimentos estaduais e municipais em relação ao movimento nacional. c) Funcionamento no MNCS/NP baseado nas diretrizes (propostas das diretrizes para o fortalecimento do movimento nacional) Cada grupo deve indicar um coordenador e um relator para apresentar a síntese em plenário. 8. Apresentação dos 3 sites

17 ODM BRASIL Raquel - Ferramenta estratégica do MNCS, pois é possível consultar o que acontece em cada Estado (ODM nos Estados) - Ideia de apresentar um pouco sobre o Estado, dados geográficos, notícias e contatos dos responsáveis - Feed de noticias sempre atualizadas - Cada estado pode mandar noticias para que o site seja atualizado - Cada estado deve verificar se as informações estão corretas - As notícias, textos, documentos ou publicações a serem inseridas neste site devem ser enviadas para: ou ainda, PORTAL ODM BRASIL Diva - Portal para auxílio na municipalização - Utilizar as informações para andamento dos projetos - Hoje há 5546 municípios com informações no portal (faltam menos de 50 municípios para completar o Brasil) - Possibilidade para relatórios dinâmicos (com atualizações das informações conforme os órgãos oficiais) - Curso a distância para Monitorar e Avaliar os ODM NOS PODEMOS Aline - Site do Movimento Nacional - Informações sobre diretrizes, download das logos para divulgação, guia de mobilização, modelo de materiais para mobilização, passo a passo de como montar a logo do Nós Podemos - Cada estado pode mandar notícias para que o site seja atualizado - Sugestão para colocar ícones das mídias sociais para compartilhamento - Canal no youtube para compartilhamento de vídeos 9. Plenária apresentação dos trabalhos ao grande grupo NORTE I Estados: Pará, Amapá e Tocantins

18 Estratégias Parametrizadas 1. Fortalecimento institucional do núcleo: Capacitar os membros regionais sobre a temática dos ODM; Estimular a participação dos núcleos nos conselhos, sugerindo, inclusive, a criação de cadeiras; Elaboração de memorando padrão de parceria; Criar observatórios estaduais de ODM; Elaborar plano de sustentabilidade nas ações com pilar social, econômico ambiental e cultural. 2. Produção de conhecimento e comunicação: Conhecer, analisar e disseminar os indicadores no município através das ferramentas existentes; Trabalhar os dados de maneira regionalizada, com incentivo de parcerias com universidade e instituições de pesquisas. 3. Municipalização: Divulgação dos ODM para prefeitos e associações dos municípios; Capacitação de agentes municipais; Realização de círculos de diálogos em parcerias com os consórcios ou associações de municípios. 4. Perspectivas regionais: Fortalecimento dos núcleos através de realização de oficina e nivelamento; Reconhecer práticas através da criação dos observatórios estaduais para integração dos trabalhos e das práticas relacionadas aos ODM; Municipalização com criação de núcleos regionais voluntários; Núcleos utilizando como ferramenta comum a Agenda de Compromissos. 5. O que o núcleo norte I espera do movimento: Apoie a criação dos fóruns regionais; Trabalhe para integração das organizações regionais. 6. Aprovação de diretrizes e secretarias do movimento. Secretarias nacionais vinculadas aos núcleos estaduais; Mandatos compartilhados de 01 um ano; Avaliar no próximo encontro o modelo que foi aprovado (avaliação por resultados). NORTE II Estados: Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima Acre - Falta finalizar alguns itens de custo e cronograma de ações.

19 Amazonas Rondônia Roraima O grupo apresentou proposições complementares para as ações propostas pelo projeto. - Projeto finalizado. - O Estado em si apresenta uma realidade muito complexa, como por exemplo os territórios de cidadania; articulação por calhas de rios. - Projeto em fase de elaboração, faltando somente às ações e custo. - Projeto finalizado - falta finalizar custos e cronograma de ações O grupo não tem a cultura de se reunir mensalmente, toda comunicação e articulação do grupo e via . Pontos Comuns - Metas; - Logística para acesso aos municípios; - Núcleos em articulação; - Disponibilidade de utilização de equipamentos, mas não exclusivamente do ODM Brasil Expectativas - Sustentabilidade Institucional do Movimento por parte SGP/MNCS/NP; - Estreitamento com as Instituições; - Oportunizar cursos, treinamentos, oficinas; - Como será o reembolso via PNUD; - Articular a Comunicação regional via Amazon sat. (SG e MNCS/NP a fazer a interface com a TV). Desafios - Integrar o Sistema S - os Institutos de pesquisa nos Movimentos Estaduais; - Maior envolvimento do poder público e setor privado e instituições financeiras; - Internalização dos ODM nas esferas do poder público; - Articulação da Secretaria Regional com os Estados da Região Norte 2. Oportunidades - Utilização da Amazon sat. como parceira; - Videoconferência entre os Estados; - Divulgação das ações; - Implantação da plataforma DEVinfo em parceria com IE. NORDESTE I Estados: Alagoas, Bahia, Sergipe e Pernambuco Desafios - Capacitação dos membros do Núcleo; - Manutenção das articulações; - Estratégias de Capilaridade;

20 - Mobilização; - Interpretação dos dados; - Mapeamento das iniciativas do Estado; - Busca ativa de novos parceiros. Oportunidades - Integrar as Associações Municipais do Estado; - Integrar o sistema S Instituições de ensino; - Participação de conselhos; - Articulação intergovernamental das Secretarias estaduais e municipais; - Articulação com o Ministério Público; - Articulação com diversos setores da sociedade. Expectativas - Melhor organização dos núcleos; - Melhorar a comunicação estre os núcleos; - Apoio na realização das atividades; - Participação nas decisões nacionais; - Troca de experiências entres estados da mesma região; - Capacitação dos núcleos; - Criação de uma secretaria regional adjunta. NORDESTE II Estados: Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte Demandas regionais - Produção de material para divulgação e comunicação; - Realização de seminários, congressos ou encontros ODM; - Treinamento para municipalização / Capacitação para elaboração de projetos; - Apoio ao Termo de compromisso com candidatos a prefeitos e eleitos; - Estrutura operacional do núcleo do Maranhão; - Envolver os conselhos de políticas públicas na disseminação dos ODM. - Metodologia para a criação do selo ODM; - Prêmios regionais; - Observatório. Oportunidades e desafios - Representatividade dos núcleos como referência referendando sua representação (PNUD, Secretaria presidência, Estado) /Carta de apresentação; - Comunicação interna circulação e compartilhamento de informação dos movimentos; - Articulação dos parceiros regionais para fortalecimento dos núcleos; - Padronizar material de divulgação e de identificação;

21 - Criar um domínio comum para o ; - Padronizar páginas de redes sociais dos núcleos regionais. Avaliação do modelo proposto - O grupo concorda com o modelo; - Proposta do grupo: ter uma gestão compartilhada. SUL Estados: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul - Movimento Nós Podemos Paraná bastante estruturado, plano de ação elaborado e em execução. - Praticamente todos os municípios mobilizados núcleos municipais organizados. - Inúmeros projetos em andamento - Trabalho bastante avançado, com plano de ação estabelecido, estrutura administrativa atuante e projetos em andamento, com muitas parcerias privadas - Núcleo estadual independente, em parceria com Instituto Primeiro Plano núcleos municipais organizados - Trabalho na fase de reestruturação, com Associações de Municípios engajados na municipalização. - O plano de ação precisa de alguns ajustes para ser finalizado. - Governo estadual baixou decreto determinando aos secretários um inventário das ações e programas e seus impactos nos ODM. - 5 Núcleos Regionais organizados. Encaminhamentos - Realização de um Fórum Anual dos ODM do Sul do Brasil: 2013 Santa Catarina, 2014 Rio Grande do Sul, 2015 Paraná; - Desenvolver estratégia de comunicação para atingir a grande massa, tornando os ODM linguagem comum nas cidades; - Desenvolver trabalho para fortalecer núcleos em cidades eminentemente agrícolas; - Associações dos Municípios devem fomentar o balizamento dos PPAs pelos ODM; - Governo Federal deve apresentar agenda de compromissos dentro do próprio governo, fazendo as conexão dos ODM e a respectiva divulgação nos programas; - Modelo de Gerenciamento com participação regional: Serão indicados três nomes, um de cada estado; - O "mandato" será dividido em três períodos de 1 ano, ficando 1 ano para cada estado; - O suplente do primeiro ano será o titular do segundo ano e assim, sucessivamente.

22 CENTRO OESTE Estados: Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul - União Planetária credenciada pela ONU para divulgar ODM através da TV SUPREN - O Movimento Brasil sem Pobreza foi criado para alcançar especialmente o primeiro objetivo, mas une parceiros trabalhando em diversas áreas e em cerca de 20 regiões administrativas - O movimento Nós Podemos Goiás passou por uma reformulação este ano e incrementou suas atividades, se estruturando para a articulação junto aos setores públicos, privado e terceiro setor. Atualmente o maior apoio vem de uma organização social - Para marcar essa reestruturação, foram promovidos dois grandes eventos: um seminário com os parceiros e uma atividade pública, com campanha de doação de sangue, que despertou atenção e trouxe apoio da imprensa - Em realização a municipalização, estão fechando parceria com a Associação Goiana de Municípios. Em setembro haverá solenidade de assinatura de cooperação. Os principais prefeitos assinarão termo de compromisso - Dividiram estado em 5 regiões, criando núcleos fortes que trabalharão com os municípios - Núcleo sendo estruturado. Foi feito lançamento, formado o núcleo, que está em estruturação. Discussão reiniciada com perspectiva muito boa e com apoio do governo local. - Acreditam que além das parcerias com grandes empresas temos também que conseguir divulgar os ODM indo para as ruas, pois a população tem que ser envolvida - As ações do Núcleo são voltadas para levar para os centros comunitários, bairros, praças públicas, etc - São ações simples e lúdicas que atraem a atenção da população. Acreditam que a difusão dos ODM deva ser pensada de forma humanista, ou seja, articulando com entidades ações efetivas - Fizeram Círculos de Diálogos com prefeitos de 16 municípios, mas os núcleos não estão funcionando de forma independente, o que mostra a necessidade de envolver a população - Propõem reconhecer pessoas que trabalham em prol dos ODM e nem sabem disso. Para tanto, a questão do selo é importante. - Vão trabalhar uma carta de adesão para criar comprometimento na questão dos ODM Planejamento - Reunião de articulação com parceiros; - Articulação com empresários que possam contribuir com o núcleo; - Solicitar junto ao movimento capacitadores para o núcleo; - Formar grupo de multiplicadores e de gestores municipais;

23 - Formalizar com os candidatos a prefeitos o termo de compromisso com os ODM; - Acompanhamento e monitoramento das ações governamentais com relação aos ODM; - Manter informativo mensal ODM/DF; - Fazer atualização constante dos relatórios por objetivo e cidades da Área Metropolitana de Brasília no site da CODEPLAN/GDF; - Modernizar site do observatório ODM/DF; - Acompanhar execução orçamentária com relação aos ODM; - Organizar seminário regional sobre ODM na Área Metropolitana de Brasília; - Realizar Seminário nacional sobre ODM nas áreas metropolitanas especificidade de Brasília; - Criar uma rede de comunicação entre membros do núcleo; - Promover oficina de capacitação de mobilizadores para os membros de núcleo; - Promover seminário regional de divulgação dos ODM; - Veicular em canal televisivo as ações que são realizadas para alcançar as metas noticiário diário; - Manter produção do programa Convivência e Paz sobre ODM; - Produzir documentário sobre ações que ganharam o Prêmio ODM para divulgá-las e inspirar outras ações; - Projeto Desbravadoras Sem Fronteiras: Projeto ODM, para criar um banco de dados de ações e difundir os ODM; - Divide o estado em sete regiões e conta com apoio da sociedade civil, governo e empresariado para montar esse banco de dados e unir iniciativas, também reconhecendo e legitimando essas iniciativas. Divide as iniciativas em categorias e as cataloga; - Servirá também como uma forma de mapear e avaliar o que deve ser feito; - Tem um prazo de dois anos, começando em 2013 e terminando em 2014, para apresentar em 2015; - Capacitar pessoal interno como multiplicadores nos municípios; - Aperfeiçoar comunicação, com fortalecimento das redes sociais - precisam de site (explicitam dificuldade); - Promover assinatura do termo de compromisso com os prefeitos; - Realizar encontros regionais a partir de novembro em 5 regiões ; - Produzir reportagens para o programa de responsabilidade social Agente do Bem; - Disseminar os ODM nas escolas; - Elaborar um balanço anual de resultados; - Realizar parceria com o Hemocentro para evento anual de doação de sangue; - Arquivar toda a documentação e material produzido nas reuniões, consolidando-os no final de sua gestão para acesso dos participantes. Municipalização - Realizar Seminário de municipalização para criar núcleos; - Lançar o comitê gestor ODM com empresários assumindo compromisso público; - Lançar prêmio ODM estadual - incentivo para montar um banco de dados; - Realizar eventos em cidades polo;

24 - Realizar reuniões periódicas com administradores as regiões administrativas e prefeitos da área metropolitana para incentivar criação de núcleos; - Promover integração e compartilhamento de informações e de iniciativas de sucesso das regiões; - Incentivar a criação de núcleos de inclusão social que difundam e trabalhem em prol dos ODM, especialmente nas Regiões Administrativas mais vulneráveis (Itapoã, Varjão, Sol Nascente, Estrutural e Paranoá). Oportunidades - Agregar parceiros; - Trabalhar junto área metropolitana com Goiás - fazer seminário conjunto e propor ações em parceria. Desafios - Conquistar parceiros. Representação: articulador - Formar rede de comunicação efetiva para que o articulador conheça as práticas dos demais estados e divulgue os resultados das reuniões; - Articulador ser anual e eleito a cada encontro; - Ter um sub-articulador eleito, para o caso de impossibilidade de participação do articulador em determinadas atividades. Encaminhamentos e observações - É urgente montar uma política de comunicação para o movimento; - Todos os estados pedem capacitação por parte do PNUD; - Sugerem lançar propagandas do Governo, do MNCS e do PNUD falando sobre ODM; - Os Núcleos se comprometem a enviar as versões finais dos planos até 10 de setembro. 10. Conclusões - Exemplo das atividades Nós Podemos Maringá (Paraná): lema do núcleo é Nós Podemos... com muita articulação, mobilização e solidariedade... nós fazemos!! - Exemplo das atividades Nós Podemos Campos Gerais (Paraná): reuniões periódicas, sem cobrança das pessoas e trabalham como uma oficina de ideias. Fazem memória de todas as reuniões e encaminhada para todos os participantes do núcleo para que saibam o que está acontecendo.

25 - Reunião em setembro/2012 para estabelecer a politica de comunicação do Movimento - Manter encontro nacional anual com representação de todos os estados - Viabilizar encontros regionais a cada três meses pelo projeto - A cada dois meses, reunião do colegiado nacional - Mudança do nome do secretário do colegiado para articulador regional - 7 regiões (Norte I, Norte II, Nordeste I, Nordeste II, Sul, Sudeste, Centro-oeste) para plano de trabalho - Mandato das secretarias: compartilhado de um ano, tendo um efetivo e um adjunto (para eventuais ausências do efetivo no colegiado nacional) até o próximo encontro nacional - Mandato dos articuladores: compartilhado de um ano, tendo um efetivo e um adjunto (para eventuais ausências do efetivo no colegiado nacional) - Estrutura de funcionamento do Colegiado: Secretaria Executiva Nacional, Secretaria Executiva Adjunta, Secretaria Nacional de Mobilização, Secretaria Nacional de Mobilização Adjunta, Articuladores Regionais (titular e adjunto) Colegiado: Secretário Executivo Nacional: Rodrigo da Rocha Loures Secretário Executivo Nacional Adjunto: Odilon Faccio Secretária Nacional de Mobilização: Maria Aparecida Zago Udenal (Cidinha) Secretária Nacional de Mobilização Adjunta: Inalda Barros Beder Articuladores Regionais (efetivos e Adjuntos): Norte I: João Addario (Pará) - Genilson Pereira da Silva (Pará) Norte II: João Ferreira (Roraima) - Maria Nazaré (Amazonas) Nordeste I: Selda Cabral (Pernambuco) - Edla Simas (Bahia) Nordeste II - Beatriz Ribeiro (Paraíba) - Eliene Brasileiro (Ceará) Sul: Aline Calefi (Paraná) - João Batista Tomé (Santa Catarina) Sudeste: Girlene de Oliveira (Minas Gerais) - Sandra Albuquerque (Rio de Janeiro) Centro Oeste: Ulisses Riedel (Distrito Federal) - Alexsandro Lima (Goiás) Colegiado MNCS/NP

26 Maria Aparecido Zago Udenal Secretária Nacional de Mobilização Ivana Von Linsingen Superintendente executiva de RH do HSBC Rodrigo da Rocha Loures Secretário Executivo Nacional do Movimento José Barbosa Gerente de Relacionamento Comunitário da Petrobrás

27 André Silva Spnínola Gerente da Unidade Desenvolvimento Territorial do Sebrae Marcia B. Lacerda Krambeck Gerente de Gestão de Pessoas da Caixa Econômica Federal Luciano Muller Gil Cardoso Gerente de Divisão da Unidade de Desenvolvimento Sustentável do Banco do Brasil Maria Celina Arraes Coordenadora da Unidade de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento de Capacidades do PNUD

28 Ovaldir Nardin Superintendente Corporativo do Sistema FIEP Olavo José Perondi Assessor da Secretaria Geral da Presidência da República Wagner Caetano Secretário Nacional de Estudos e Projetos Político-Institucional da Secretaria Geral da Presidência da República Odilon Faccio Secretário Executivo Nacional Adjunto

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE (MNCS)

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE (MNCS) MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE (MNCS) MEMÓRIA DA 2ª REUNIÃO DO COLEGIADO NACIONAL Brasília (DF), 29 e 30 de agosto de 2013 Local: Palácio do Planalto Secretaria Geral da Presidência

Leia mais

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS DIRETRIZES NACIONAIS

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS DIRETRIZES NACIONAIS MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS DIRETRIZES NACIONAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, VISÃO, MISSÃO, VALORES E FINALIDADES Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE

MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE MEMÓRIA DA 4ª REUNIÃO DO COLEGIADO NACIONAL DO MNCS Brasília (DF), 16 e 17 de dezembro de 2013 Principais assuntos tratados Informes gerais Avaliação do

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Edital 29/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA Salvador, Bahia Brasil, 19 e 20 de novembro de 2009 Mobilização Mundial Conferências

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA Plano de Ação A - MISSÃO Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam diretamente para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (UNITRABALHO), criada em 1996 com a missão de integrar universidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM Faça parte desse abraço A Fundação Solidariedade ponto focal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,braço social do Sistema Correio de Comunicação, é uma Associação

Leia mais

ANEXO A 1º TRIMESTRE ATIVIDADE OBJETIVO RESULTADO ESPERADO PÚBLICO ALVO QTDE PARTICIPANTES PREVISTA DISSEMINAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

ANEXO A 1º TRIMESTRE ATIVIDADE OBJETIVO RESULTADO ESPERADO PÚBLICO ALVO QTDE PARTICIPANTES PREVISTA DISSEMINAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS ANEXO A 1º TRIMESTRE TEMA: MUNICIPALIZAÇÃO OBJETIVO: REALIZAR AÇÕES PARA ENGAJAR O PODER PÚBLICO, O SETOR PRIVADO E A SOCIEDADE CIVIL EM PROL DOS OBJETIVOS DO MILÊNIO. ATIVIDADE OBJETIVO RESULTADO ESPERADO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010 Círculos de Diálogos no Município Municipalização dos ODM - 2010 Desde 2006, o Movimento Nós Podemos Paraná articula os Círculos de Diálogo que são encontros para incentivar o trabalho voluntário dos três

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Contribuição das Conferências de SAN ao debate da educação e formação

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPACTO SGE 2014

RELATÓRIO DE IMPACTO SGE 2014 RELATÓRIO DE IMPACTO SGE 2014 ÍNDICE I.SEMANA GLOBAL DO EMPREENDEDORISMO NO MUNDO II. SEMANA GLOBAL DO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL III. QUEM FEZ A SGE ACONTECER IV. RESULTADOS 2014 V. COMUNICAÇÃO DA SGE

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

Portal TRILHAS em números

Portal TRILHAS em números Portal TRILHAS Portal TRILHAS em números Projeção dos Acessos Número de usuários cadastrados: 14.289 * - 20.381 acessos (duração aproximada de 15 minutos); - 12 páginas, em média, acessadas por visita.

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo www.nossasaopaulo.org.br Facebook, Youtube e G+: Rede Nossa São Paulo Twitter: @nossasaopaulo Ata da oficina da Rede Social Brasileira

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Comitê de Cooperação e Desenvolvimento

Comitê de Cooperação e Desenvolvimento Comitê de Cooperação e Desenvolvimento Resolução n º 02 referente à Ata da Reunião de 23 de Abril de 2009 Local: Universidade Tuiuti Horário: 14:30 Participantes: Diego Baptista, Bruno Hendler, Adriana

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2016 - Política para as Mulheres: Promoção da Autonomia e Enfrentamento à Violência 20O0 - Políticas Culturais de Incentivo à Igualdade de Gênero Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

XV Marcha a Brasília em defesa dos municípios

XV Marcha a Brasília em defesa dos municípios XV Marcha a Brasília em defesa dos municípios XV Marcha a Brasília em defesa dos municípios 1.Programação 2.Problemas 3.Possíveis anúncios (retirado) 4.Produtos Programação Tema: O Poder local na construção

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA A UNIÃO NACIONAL DE COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA (Unicafes), inscrita no CNPJ sob o n. 07.738.836/0001-37

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO O PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD), EM PARCERIA COM A SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

PROJETO ESTRADA SUSTENTÁVEL

PROJETO ESTRADA SUSTENTÁVEL PROJETO ESTRADA SUSTENTÁVEL PATROCÍNIO CATEGORIA PRATA CATEGORIA OURO CATEGORIA BRONZE PARCEIRO TÉCNICO INSTITUCIONAL APOIO INSTITUCIONAL CONSULTORIA I ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 26 de

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais