Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul"

Transcrição

1 Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos

2 Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos Risco de Crédito Risco de Mercado Risco de Liquidez Risco Operacional 6 4. Alocação de Capital Regulatório Composição do Patrimônio de Referência PR Compatibilidade do PR com o Patrimônio de Referência Exigido PRE 8 5. Composição da P EPR Detalhamento da Ponderada ao Risco EPR e P EPR Detalhamento do EPR por Fator de Ponderação de Risco FPR 9 6. Detalhamento da Carteira de Crédito Composição Detalhada da Carteira Operações em Atraso e Provisões Distribuição por Setor Econômico Mitigadores de Risco Operações Compromissadas e Derivativos Operações Compromissadas Derivativos Cessões de Crédito Detalhamento das Operações 20 2

3 1. Introdução Em atendimento à Circ /09 do Banco Central do Brasil, o Conglomerado Cruzeiro do Sul divulga este relatório de gestão de riscos, contendo informações sobre a sua carteira própria de operações, o Patrimônio de Referência exigido PRE, a adequação do seu Patrimônio de Referência PR ao risco de suas operações e outras informações que julgamos relevantes, de forma a assegurar a adequada transparência do seu processo de gerenciamento de riscos. Este relatório contém informações para as seguintes datas-base: 31/03/2010, 30/06/2010, 30/09/2010, 31/12/2010, 31/03/2011, 30/06/2011 e 30/09/2011. As informações aqui demonstradas serão atualizadas trimestralmente para as datas-base 31 de março, 30 de junho e 30 de setembro em até 60. Para a database 31de dezembro, a atualização ocorrerá em até 90, conforme determinado pelo Art. 14 da Circ / Perímetro Este documento refere-se exclusivamente às operações de carteira própria do Conglomerado Financeiro, incluindo o Banco Cruzeiro do Sul S/A, Cruzeiro do Sul S/A Corretora de Valores e Mercadorias e Cruzeiro do Sul S/A Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários e do Conglomerado Econômico-Financeiro, composto pelo Conglomerado Financeiro mais as seguintes empresas: BCS Seguros S/A, Cruzeiro do Sul S/A Securitizadora de Créditos Financeiros, Cruzeiro do Sul Comercial, Importadora e Exportadora Ltda. e Proveban Companhia Promotora de Vendas. É importante observar que a partir de mar/11 a instituição adotou o IFRS (International Financial Report Standard) como padrão de contabilidade para a preparação das DF's Consolidadas, utilizando-se da faculdade dada pela Carta Circ /10 BACEN. 3. Estrutura de Gestão de Riscos A gestão de riscos no Conglomerado Cruzeiro do Sul está estruturada de acordo com a complexidade de seus produtos e a dimensão dos riscos assumidos. O Comitê de Riscos e Liquidez é a instância responsável pelas decisões estratégicas de gestão de risco do Conglomerado Cruzeiro do Sul. A ele cabe definir as políticas e diretrizes globais a serem seguidas e o apetite de risco da Instituição. A seguir, as estruturas relativas aos riscos de crédito, mercado, liquidez e operacional serão expostas em maior detalhe. 3.1 Risco de Crédito A estrutura de risco de crédito adotada pelo Conglomerado Cruzeiro do Sul, em conformidade com a Resolução 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, foi 3

4 adequada à complexidade e relevância de cada produto, abrangendo as seguintes operações: Operações com Instituições Financeiras; Operações de Crédito Atacado; Operações de Crédito Consignado. O gerenciamento de risco de crédito do Conglomerado é realizado de forma contínua e integrada, com base na consolidação das informações oriundas das áreas de processamento das operações de crédito. A política de gestão está de acordo com a norma vigente, e entende, como Risco de Crédito, a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, a redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na negociação e aos custos de recuperação. O nível de risco aceito pelo Conglomerado e as estratégias a serem adotadas para mitigação dos mesmos são definidos pelos Comitês específicos de cada linha de negócios. A estrutura de gerenciamento de risco de crédito é composta pelas seguintes esferas, cujas atribuições podem ser verificadas nos respectivos regulamentos e políticas: Conselho de Administração; Comitê de Crédito; Comitê de Riscos e Liquidez; Comitê de Crédito para Instituições Financeiras; Diretoria Responsável pelo Gerenciamento do Risco de Crédito; Superintendência de Riscos; Processamento de Crédito; Auditoria Interna. Os critérios e procedimentos adotados para estimação de perdas e retenção de riscos, assim como a estratégia de recuperação do crédito, são específicos para cada produto e aplicados de acordo com a característica de cada operação, conforme descritos nos manuais e políticas próprios. Resumidamente, a fase de controle e monitoramento da qualidade da carteira de crédito é realizada de forma contínua e busca manter o nível de risco no mínimo próximo ao da época da con. Para tanto; a carteira é constantemente analisada, no que se refere a níveis de exposição e concentração: por tipo de contraparte, tipo de operação, prazos de vencimento, qualidade e níveis de garantias. Toda a gestão de risco de crédito é realizada com o objetivo de: identificar, mensurar, controlar e mitigar a exposição ao risco de crédito; de forma adequada à complexidade e relevância de cada produto, abrangendo as linhas de negócio da instituição. 4

5 Também compõem a estrutura de gerenciamento de risco de crédito as áreas responsáveis pela operacionalização de cada produto, incluindo os sistemas informatizados, que suportam e armazenam as informações. 3.2 Risco de Mercado Em atendimento à Resolução nº 3.464/07, do Conselho Monetário Nacional, o Conglomerado do Cruzeiro do Sul implantou estrutura de gerenciamento de risco de mercado, a fim de estabelecer os limites operacionais e controles necessários à manutenção do nível de exposição ao risco assumido pela Instituição. O risco de mercado é definido como a possibilidade da ocorrência de perdas oriundas da variação do valor de mercado sobre as operações, incluindo os riscos de variação cambial, taxas de juros, preços de ações e de mercadorias (commodities), sendo aplicável seu gerenciamento às operações de carteira própria do Conglomerado. A estrutura de gerenciamento de risco de mercado atende às empresas do Conglomerado Financeiro e Econômico-Financeiro e é composta por duas instâncias, com as seguintes atribuições: Comitê de Riscos e Liquidez Responsável pelas decisões estratégicas referentes ao risco de mercado, definição e con de limites operacionais, análise dos fluxos de caixa, análise e definição dos critérios e regras de precificação das transferências internas de recursos e exposições de risco de mercado. Formado por componentes do Comitê de Gestão, da Diretoria e Superintendência de Riscos; Superintendência de Riscos Responsável pelo controle do risco de mercado, pelo monitoramento da implementação das diretrizes aprovadas pelo Comitê de Riscos e Liquidez e por todas as demais atividades cotidianas ligadas ao processo de gestão de riscos. Está subordinada, hierarquicamente, ao Diretor Superintendente do Conglomerado Cruzeiro do Sul. O monitoramento do risco a que o Conglomerado está exposto é realizado por meio de ferramenta específica, onde são integradas das informações dos sistemas legados e atualizados os dados de mercado, para mensuração do risco. Os relatórios gerenciais gerados pela ferramenta apresentam a exposição ao risco da carteira do Conglomerado com base em três indicadores: Valor em Risco (VaR) calculado através de simulação histórica com amostra de 1 ano e nível de confiança de 99%, Sensibilidade (choque paralelo absoluto de 1% nas curvas de mercado) e Teste de Estresse. 3.3 Risco de Liquidez Conforme disposto na Resolução 3.804/10, o Risco de Liquidez é definido como aquele decorrente dos descasamentos de fluxos de caixa entre ativos negociáveis e passivos exigíveis, que podem afetar a capacidade de pagamento. 5

6 O gerenciamento do Risco de Liquidez abrange as empresas do Conglomerado Cruzeiro do Sul, sendo realizado de forma individualizada para cada instituição; assim como, de forma consolidada, a fim de possibilitar o controle e a projeção do comportamento esperado da posição de caixa para todas as empresas. A estrutura adotada pelo Conglomerado para acompanhamento e avaliação diária das operações é composta pela estrutura a seguir: Comitê de Riscos e Liquidez Responsável pela definição das políticas e diretrizes relacionadas à gestão de liquidez; Superintendência de Riscos Responsável pelo monitoramento do nível mínimo de liquidez e outros indicadores definidos pelo Comitê de Riscos e Liquidez; Diretoria de Câmbio e Tesouraria Responsável pela implementação das decisões e diretrizes determinadas pelo Comitê de Riscos e Liquidez na gestão diária da posição de liquidez do BCSul, e também pela negociação das operações de Cessão de Crédito; Os instrumentos utilizados pelo Conglomerado Cruzeiro do Sul para diversificação do financiamento de suas operações, Funding, além dos recursos próprios, são os seguintes: Depósitos a prazo CDB, CDI e DPGE; Fundos de investimento cotas seniores de FIDCs geridos por instituição parceira Verax; Captações no mercado externo; Acordos de de crédito com Instituições parceiras no mercado. Os critérios adotados para gestão da posição de caixa das instituições integrantes do Conglomerado podem ser observados na Política de Gestão Risco de Liquidez, assim como as atividades atribuídas à sua estrutura para garantir a correta aplicação dos procedimentos de monitoramento. 3.4 Risco Operacional Em atendimento à Resolução 3.380, do Conselho Monetário Nacional, que regula o gerenciamento do risco operacional, o Conglomerado do Cruzeiro do Sul adotou um conjunto de iniciativas fundamentadas nas melhores práticas de mercado. A Instituição assume como definição de risco operacional a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos. Para realizar um efetivo gerenciamento dos riscos operacionais inerentes aos processos da Instituição, se estabeleceu estrutura única abrangendo a todo o Conglomerado, a fim de unificar a metodologia aplicada a todas as empresas do grupo econômico. A estrutura de gerenciamento de risco operacional compreende: 6

7 Comitê de Riscos e Liquidez Formado por componentes do Comitê de Gestão, da Diretoria e Superintendência de Riscos; Diretoria Responsável por Riscos Operacionais Indicada pela Alta Administração e cadastrada no UNICAD; Grupo de Acompanhamento e Monitoramento dos Riscos Operacionais Equipe multidisciplinar composta por Gestores das áreas de Controles Internos e Riscos, assim como representantes das áreas referentes aos processos mapeados; Agentes de Compliance e Risco Colaboradores diretos das áreas do Conglomerado, relativos aos produtos, processos ou atividades identificados. Como suporte a esta estrutura foi adquirido sistema informatizado para cadastro e avaliação dos riscos e controles inerentes aos processos, bem como dos planos de ação propostos, quando necessário. O cadastro nesta base de dados foi iniciado em Além da avaliação dos riscos e controles, as perdas operacionais associadas ao risco operacional são captadas pelos Agentes de Compliance, documentadas e armazenadas no sistema e alocadas em relação ao risco mapeado. O nesta base de dados foi iniciado em Ainda, em atendimento à Resolução 3.383, o Conglomerado do Cruzeiro do Sul adotou, para o cálculo da parcela do Patrimônio de Referência Exigido (PRE) referente ao risco operacional POPR, a metodologia de Abordagem do Indicador Básico. O comprometimento de todos os níveis da Instituição e a disponibilização dos recursos necessários para o bom andamento deste arcabouço se dá com o apoio da Alta Administração, a fim de que cada um cumpra o seu papel na busca da mitigação dos riscos e, conseqüentemente, da otimização dos resultados. 4. Alocação de Capital Regulatório Neste tópico, apresentaremos a composição detalhada do Patrimônio de Referência PR e sua compatibilidade com o Patrimônio de Referência Exigido PRE. 4.1 Composição do Patrimônio de Referência PR 7

8 4.2 Compatibilidade do PR com o Patrimônio de Referência Exigido PRE 5. Composição da PEPR 8

9 Neste tópico, apresentamos informações detalhadas a respeito da composição da exposição ponderada a risco EPR e da parcela de alocação de capital para cobertura do risco de crédito PEPR. 5.1 Detalhamento da Ponderada ao Risco EPR e PEPR 5.2 Detalhamento do EPR por Fator de Ponderação de Risco FPR 9

10 6. Detalhamento da Carteira de Crédito Neste tópico apresentaremos em detalhes a composição da carteira de crédito do Conglomerado Cruzeiro do Sul e indicadores de risco destas operações. 6.1 Composição Detalhada da Carteira Composição dos créditos por modalidade - Consolidado set/11 jun/11 mar/11 Carteira Carteira Carteira Adiantamento a depositantes Conta garantida Cheque especial Capital de giro Crédito pessoal parcelado (i)(ii) Títulos descontados Cartão de crédito consignado (ii) Financiamentos de títulos e valores mobiliários Outros créditos - Títulos e créditos a receber TOTAL Impairment (ii) Composição dos créditos por modalidade - Consolidado dez/10 set/10 Carteira Provisão Líquido Carteira Provisão Líquido Adiantamento a depositantes Conta garantida Cheque especial Capital de giro Crédito pessoal parcelado (iii) Crédito pessoal parcelado antecipação da Res. nº (iv) Títulos descontados Cartão de crédito consignado Financiamentos de títulos e valores mobiliários Outros créditos - Títulos e créditos a receber TOTAL Composição dos créditos por modalidade - Consolidado jun/10 mar/10 Carteira Provisão Líquido Carteira Provisão Líquido Adiantamento a depositantes Conta garantida Cheque especial Capital de giro Crédito pessoal parcelado (iii) Crédito pessoal parcelado antecipação da Res. nº (iv) Títulos descontados Cartão de crédito consignado Financiamentos de títulos e valores mobiliários Outros créditos - Títulos e créditos a receber TOTAL (i) A partir de mar/11, todas as operações de Crédito Pessoal do obedecem o critério de retenção de risco, conforme determinado no IAS39. (ii) A partir de mar/2011 a instituição adotou o IFRS (International Financial Report Standard) como padrão de contabilidade para a preparação das DF's Consolidadas, utilizando-se da faculdade dada pela Carta Circular 3.447/10, do Banco Central do Brasil, causando dois impactos: - não há mais a constituição da provisão para devedores duvidosos, regida pela Resolução 2.682/01. E passase a calcular o valor do impairment: Perdas por Valor Recuperável de Ativos Financeiros, conforme divulgado no Formulário de Informações Trimestrais, disponível na página eletrônica da instituição. - os valores de Crédito Pessoal do CPP e Cartão de Crédito Consignado CCC; foram classificados como disponíveis para venda e estão mensurados a valor justo. (iii) Inclui o montante de R$ ( R$ ) dos créditos em garantia das operações de CDB. 10

11 (iv) Refere-se a crédito consignado cedido com retenção de risco, que a partir de novembro de 2008, em função da adoção antecipada da Resolução nº 3.533/08, continua registrado no ativo. Este procedimento foi utilizado até outubro de 2009, quando o CMN através da Resolução nº 3.809/09 vedou, a partir da data de publicação da citada resolução, a aplicação antecipada dos mencionados procedimento e através da resolução 3.895/10 adiou para 1º janeiro de 2012 a adoção pelas instituições financeiras dos procedimentos que trata a Resolução nº 3.533/08. A partir desta data as cessões de créditos voltaram a ser realizadas de acordo com a Circular nº 3.213/ Operações em Atraso e Provisões Operações em atraso (Valores em R$ Mil) - Valor na curva set/11* jun/11* mar/11* Vencimento Crédito pessoal parcelado Cartão de crédito consignado Crédito pessoal parcelado Cartão de crédito consignado Crédito pessoal parcelado Cartão de crédito consignado Atraso até Entre 61 e 90 Entre 91 e 180 Acima de 180 ATRASO TOTAL Apresentamos a carteira distribuída por nível de risco, conforme Res. 2682/99 do Bacen: 11

12 6.3 Distribuição por Setor Econômico 6.4 Mitigadores de Risco 12

13 VALOR MITIGADO POR FPR Código Mitigador 7 Conglomerado Financeiro - Valores 1T T T 2010 em R$ Milhões 4T T T T 2011 FPR Percentual 1 0% % % % % % % % % % % % TOTAL (passível de mitigação) Código Mitigador 7 Conglomerado Ecônomico- Financeiro - Valores em R$ Milhões 1T T T T T 2011 FPR Percentual 1 0% % % % % % % % % % % % TOTAL (passível de mitigação) Mé trimestrais; 2. FPR = Fator de Ponderação de Risco; 3. Cod. Mit. 7 = Multiplicar exposição por 4. Valor mitigado por Fator de Ponderação de Risco, pelo instrumento definido no Art. 20 3º, Inc. V: "Depósitos a vista, depósitos a prazo, depósitos de poupança, em ouro ou títulos públicos federais." da Circ /07 BACEN. 1T T Operações Compromissadas e Derivativos Neste tópico apresentaremos o detalhamento das operações do Conglomerado Cruzeiro do Sul envolvendo compromissos de recompra/revenda e produtos derivativos. 7.1 Operações Compromissadas O quadro abaixo traz as operações compromissadas bancadas do Conglomerado Cruzeiro do Sul abertas por lastro (Título Público Federal): Aplicações em operações compromissadas - Consolidado set/11 jun/11 mar/11 dez/10 set/10 jun/10 mar/10 Operações compromissadas - Posição bancada Letras Financeiras do Tesouro Letras do Tesouro Nacional Notas do Tesouro Nacional Derivativos 13

14 Apresentamos o detalhamento da carteira de opções: Contratos de opções - Consolidado set/11 Até 90 Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Venda de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Contratos de opções - Consolidado Contraparte negociação Até 90 mercado Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Venda de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Contratos de opções - Consolidado Contraparte jun/11 negociação mercado Até 90 Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Contratos de opções - Consolidado Contraparte Contraparte mar/11 negociação dez/10 negociação Até 90 mercado mercado Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL

15 Contratos de opções - Consolidado Até 90 Apresentamos abaixo o detalhamento da carteira de Swaps: Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Contratos de opções - Consolidado Contraparte set/10 negociação Até 90 mercado Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Contratos de opções - Consolidado Contraparte Contraparte jun/10 negociação mar/10 negociação Até 90 mercado mercado Compra de opções: Opções de Compra IBOVESPA PJ BM&F Opções de Venda IBOVESPA PJ BM&F TOTAL Operações de Swap - Consolidado set/11 jun/11 mar/11 dez/10 set/10 jun/10 mar/10 Local - CETIP referência Diferencial a receber Diferencial a pagar a receber/(pagar) e ganho/(perda)

16 set/11 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (43.790) (595) (29.010) (7.285) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP Ponta passiva: Pré CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) mar/11 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (2.914) (24.318) (48.140) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP Ponta passiva: Pré CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (34) (39)

17 dez/10 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (4.612) (2.651) (65.055) ( ) ( ) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP Ponta passiva: Pré CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) set/10 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (2.514) (3.835) (19.462) ( ) ( ) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) Ponta ativa: Ações - CZRS4 CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) jun/10 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (10.542) (2.024) (3.949) (54.348) (70.863) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (24.944) (24.743) - Ponta ativa: Ações - CZRS4 CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda)

18 mar/10 Operações de Swaps - Consolidado referência Até 90 mercado De 181 a 360 Acima de 360 Ponta ativa: Dólar CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) (9.698) (4.090) (57.974) (69.121) Ponta ativa: CDI CETIP Ponta ativa: Pré CETIP Ponta passiva: Pré CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) Ponta ativa: Ações - CZRS4 CETIP Ponta passiva: CDI CETIP a receber/(pagar) e ganho/(perda) Apresentamos a seguir, a posição em Contratos Futuros. Contratos futuros - Consolidado Até 90 set/11 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F Venda DI BM&F Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Venda US$ BM&F Compra diversas BM&F Venda diversas BM&F TOTAL

19 Contratos futuros - Consolidado Até 90 mar/11 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F Venda DI BM&F Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Venda US$ BM&F Compra diversas BM&F TOTAL Contratos futuros - Consolidado Até 90 dez/10 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F - Venda DI BM&F - Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Venda US$ BM&F - Compra diversas BM&F TOTAL Contratos futuros - Consolidado Até 90 set/10 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F Venda DI BM&F Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Compra diversas BM&F TOTAL Contratos futuros - Consolidado Até 90 jun/10 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F Venda DI BM&F Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Venda US$ BM&F - Compra Euro BM&F TOTAL

20 Contratos futuros - Consolidado Até 90 mar/10 De 181 a 360 Acima de 360 Mercado interfinanceiro: Compra DI BM&F Venda DI BM&F Moeda estrangeira: - Compra US$ BM&F Venda US$ BM&F Compra Euro BM&F TOTAL Cessões de Crédito As operações de de créditos constituem fonte de captação de recursos relevante para o Conglomerado Cruzeiro do Sul. As carteiras são cedidas a parceiros de mercado, Instituições Financeiras e FIDCs, com retenção substancial de riscos, seja por coobrigação (Instituições Financeiras) ou compra substancial de cotas subordinadas (FIDCs). É política do Conglomerado Cruzeiro do Sul realizar operações de cessões de crédito de acordo com as condições de mercado e seguindo o planejamento estratégico de sua liquidez. O Conglomerado Cruzeiro do Sul eventualmente pode atuar como cessionário em operações de de créditos. Neste caso, sua atuação será norteada pela análise criteriosa dos créditos a serem adquiridos e da instituição cedente dos respectivos créditos. 8.1 Detalhamento das Operações Estoque de cessões de crédito set/11 jun/11 mar/11 dez/10 set/10 jun/10 mar/10 Posição Final no Trimestre Com coobrigação (1) Outras instituições com retenção de risco Sem FIDC s coobrigação com retenção (2) de riscos - BCSul cotas subordinadas FIDC s sem retenção de riscos TOTAL Fluxo de cessões de crédito Operações Ocorridas Durante o Trimestre set/11 jun/11 dez/10 set/10 jun/10 mar/10 Com coobrigação (1) Outras instituições com retenção de risco Sem FIDC s coobrigação com retenção (2) de riscos - BCSul cotas subordinadas FIDC s sem retenção de riscos TOTAL Referem-se a cessões realizadas de acordo com a Circ /03 BACEN. 2. Referem-se a cessões realizadas de acordo com a Circ /03 BACEN, cujos efeitos são eliminados na consolidação. mar/11 20

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 DCI Quartafeira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 Société Générale Brasil S.A. e Controladas CNPJ 61.533.584/000155 Avenida Paulista, 2300 9º andar Cerqueira César CEP 01310300 São Paulo SP Telefone:

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1 Conceito O Conglomerado Cruzeiro do Sul, em acordo com a norma vigente, entende como Risco de Crédito a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN 1. Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos no Banco Schahin S.A. é o processo onde: - São identificados os riscos existentes e potenciais de uma

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital 2015 2º Trimestre Índice 1. Introdução... 4 2. Tipos de Riscos... 4 2.1. Risco de Crédito... 4 2.2. Risco Operacional... 4 2.3. Risco de Mercado... 4 2.4.

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 CARTA CIRCULAR Nº 3.628, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013 Circular 3.477 Junho de 2013 Banco Original S.A. Rua Gen. Furtado do Nascimento, 66 Alto de Pinheiros, 05465-070 - São Paulo www.bancooriginal.com.br ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Gestão de Negócios...

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional.

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

POLÍTICA RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA RISCO OPERACIONAL POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL 1 POLITICA DE RISCO OPERACIONAL Conceito A definição de Risco Operacional adotada pelo Conglomerado Cruzeiro do Sul, em acordo com a norma vigente, é a seguinte: Risco Operacional

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional Crédito, Mercado e em: 30/12/2015 Política de Gerenciamento de Risco de Processos Página 2 de 9 SUMÁRIO 1- Definição... 3 2- Projeções de Perdas... 4 3- Classificação e Mitigação do Risco... 5 4- Estrutura...

Leia mais

Brazilian Securities Companhia de Securitização Informações Trimestrais Setembro de 2015

Brazilian Securities Companhia de Securitização Informações Trimestrais Setembro de 2015 Brazilian Securities Companhia de Securitização Informações Trimestrais Setembro de 2015 03 de novembro de 2015 Brazilian Securities Cia de Securitização Relatório da Administração 3T15 03 de novembro

Leia mais

Circular 3.477 Gestão de Riscos Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Adequação do Patrimônio de Referência (PR)

Circular 3.477 Gestão de Riscos Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular 3.477 Gestão de Riscos Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Basiléia II - Pilar III - Transparência e Disciplina de Mercado Data-Base: 30 de junho

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL 2015 GERENCIAMENTO DE RISCOS Objetivo Este documento tem como objetivo definir políticas para o gerenciamento de riscos da Agoracred SA SCFI conforme Resoluções

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 ÍNDICE OBJETIVO 3 PRINCIPAIS INDICADORES 3 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS E CAPITAL 4 1.1 Estrutura Organizacional 4 1.2 Governança de Riscos e Capital 5

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. ESCOPO 1.

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão. realizada em 25 de março de 2009, tendo em conta o disposto na

A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão. realizada em 25 de março de 2009, tendo em conta o disposto na CIRCULAR 3.445 -------------- Dispõe sobre a remessa de informações relativas às operações de crédito para registro no Sistema de Informações de Créditos (SCR), de que trata a Resolução nº 3.658, de 2008.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial em 30 de junho de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial em 30 de junho de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas do 30 de junho de KPDS 98281 30 de junho de Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos Auditores Independentes sobre às Demonstrações Contábeis Consolidadas

Leia mais

9 Anexo I 34 10 Anexo II 37

9 Anexo I 34 10 Anexo II 37 S U M Á R I O 1 Objetivo... 5 2 A Instituição... 5 2.1 Estrutura Organizacional... 6 3 Políticas de Gestão de Riscos... 8 4 Risco de Crédito... 9 4.1 Modelos de Avaliação do Risco de Clientes... 13 4.2

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO SET/2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 ATIVO BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) CIRCULANTE 2.239 2.629 DISPONIBILIDADES

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 SUMÁRIO I Objetivo 1 II Orientações Gerais 2 III Orientações Gerais Sobre

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A Trimestre findo em 31/03/2015 ÍNDICE PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PERFIL CORPORATIVO... 4 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 4 3.1. Comitê

Leia mais

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Março 2012 Page 2/18 Colophon Title Subtitle Version 2.0 Project Relatório BACEN 3678 Author Email Date Error! Reference source not

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 Agosto de 2013. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS. Alexandre de Oliveira

RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS. Alexandre de Oliveira RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS Alexandre de Oliveira Agenda Introdução Regulação Mercado Riscos Qualitativos Quantitativos Introdução Comunhão de recursos que destina parcela mínima de 50%

Leia mais

Em 23 de dezembro de 2009, o Grupo Carlyle ( Carlyle ), adquiriu 63,6% das ações da CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A.

Em 23 de dezembro de 2009, o Grupo Carlyle ( Carlyle ), adquiriu 63,6% das ações da CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. 1. Informações gerais A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. ( CVC ou Companhia ) é uma sociedade anônima, de capital aberto, com sede em Santo André, Estado de São Paulo, listada na BM&FBOVESPA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

Banco Indusval S.A. (Indusval & Partners) e Banco Indusval S.A. e suas controladas (Indusval & Partners Consolidado) Relatório dos auditores

Banco Indusval S.A. (Indusval & Partners) e Banco Indusval S.A. e suas controladas (Indusval & Partners Consolidado) Relatório dos auditores Banco Indusval S.A. (Indusval & Partners) e Banco Indusval S.A. e suas controladas (Indusval & Partners Consolidado) Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 30 de junho

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos http://www.bcb.gov.br/?especialnor GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 4º Trimestre de 2011 Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09

Leia mais