Gilson Liborio de Oliveira Mendes Controladoria-Geral da União

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gilson Liborio de Oliveira Mendes liborio@cgu.gov.br Controladoria-Geral da União"

Transcrição

1 Inteligência de Fontes Abertas: um estudo sobre o emprego das redes sociais na prevenção à corrupção Eduardo Amadeu Dutra Moresi Osvaldo Spíndola da Silva Junior Newton Castilho Lavoyer Cláudio Chauke Nehme Universidade Católica de Brasília Gilson Liborio de Oliveira Mendes Controladoria-Geral da União Resumo Atualmente a atividade de inteligência é considerada um dos elementos críticos para a estratégia de diversos tipos de organizações, sejam públicas ou privadas. Os avanços das tecnologias de informação e comunicação, ocasionaram mudanças significativas no ambiente informacional. As redes sociais ancoradas na internet possuem um papel de destaque entre as formas de comunicação existentes. Embora ocorram em múltiplas variedades, todas possuem o dado, a imagem e a informação como legados. Essa pesquisa apresenta um arcabouço conceitual do emprego de redes sociais na prevenção à corrupção. Palavras-chave: Inteligência de Fontes Abertas; Redes Sociais Virtuais; Prevenção à Corrupção Abstract Currently, the intelligence activity is considered a critical element in the strategy for different types of organizations, in the public or private sector. Advances in information technology and communication, caused significant changes in the information environment. Social networks anchored on the internet have a prominent role among the existing forms of communication. Although occurring in many varieties, all have the data, image and information as legacies. This research presents a conceptual framework of the employment of social networks in corruption prevention. Keywords: Open Source Intelligence; Virtual Social Networks; Corruption Prevention

2 Inteligência de Fontes Abertas: um estudo sobre o emprego das redes sociais na prevenção à corrupção 1. Introdução A prevenção da corrupção no Brasil é uma atividade complexa, que envolve ações de predominância governamental, contudo, a participação de movimentos organizados da sociedade tem contribuído para a efetividade das ações do Estado. A difusão em meio eletrônico de informações sobre a distribuição de recursos, somada a outras ações de controle, contribuem para a redução dos eventuais desvios na finalidade dos investimentos e gastos públicos. Entretanto, estas ações não são suficientes para coibir as tentativas e a realização de atos de aproveitamento ilícito por parte de indivíduos e organizações, necessitando do apoio de outros instrumentos de enfrentamento, destacando a importância da inteligência e da obtenção de informações capazes de mitigar os efeitos danosos da corrupção para a sociedade. Na última década, em decorrência da modernização e utilização massiva das tecnologias de informação e comunicação, o ambiente virtual tornou-se um elemento social. Nesse ambiente concentram-se informações provenientes de variadas fontes, cujo crescimento e utilização exponencial justificam a participação da inteligência, nas ações governamentais, que envolvem o controle das informações que afetam a ordem social. No contexto que envolve os ambientes virtuais baseados na web, sob suas diversas formas, encontram-se as redes sociais. Criadas a partir da necessidade natural de comunicação humana, possuem dinâmica própria, movimentam grandes quantidades de informação e tem poder para influenciar comunidades e parcelas significativas da sociedade. O estudo do comportamento das redes sociais, como parcela significativa do fluxo de informação que circula entre os ambientes virtuais, pode trazer luz à compreensão deste fenômeno social e sua possível participação como elemento informacional e de disseminação das práticas de prevenção da corrupção. O objetivo deste trabalho é apresentar a possibilidade do emprego da inteligência em fontes abertas no ambiente que envolve as redes sociais, como opção para a obtenção de informações estratégicas, utlizaveis na prevenção da corrupção no Brasil. Este trabalho reúne estudos bibliográficos e pesquisa, na tentativa de fornecer subsídios que orientem a Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas da CGU, no desenvolvimento de um método de aplicação de conceitos doutrinários sobre inteligência de fontes abertas. 2. Corrupção A corrupção não é um fenômeno recente, pelo contrario, desde o inicio da convivência em sociedade, a caracterização deste comportamento humano foi retratado. O conceito inerente à corrupção é por si só, impregnado de valores, crenças e pré-concepções. As definições de corrupção são apresentadas por autores que se preocupavam com a harmonia do convívio em sociedade. O termo Corrupção é definido pelo Banco Mundial como o abuso do poder público para a obtenção de benefícios privados, presentes principalmente em atividades de monopólio estatal e poder discricionário por parte do Estado (WORLD BANK, 1997).

3 De modo geral, corrupção implica em trocas entre quem detém poder decisório na política e administração e quem detém poder econômico, para obter vantagens ilícitas, ilegais ou ilegítimas, para indivíduos ou grupos envolvidos (SCHILLING, 1999, p. 15). O conceito é abrangente e sua aplicação exige um referencial normativo a delimitar o que é público e o que é privado, o que configura mal uso da coisa pública e quais são os deveres do servidor. Todavia, a presença desses requisitos legais é à base do combate a promiscuidade entre público-privado, traço típico da corrupção. A participação massiva de parcela significativa da sociedade aos meios de comunicação trouxe, particularmente para o Brasil, maior interesse na investigação da governança do Estado e com os assuntos que passam interferir no bem estar coletivo. A nova sociedade, conhecida também como sociedade da era da informação e em rede, apresenta-se como mais um dos fenômenos da modernidade, procurando cada vez mais, mobilizar-se em torno da correta utilização dos recursos públicos. Nesse período começaram os movimentos que promoviam a percepção na sociedade, de que as atribuições do Estado, dependem de eficiência na alocação e no controle dos recursos disponíveis. Pode-se perceber a existência de um conjunto de forças sociais formada pelas instituições e mecanismos denominados de controle social, que envolvem a atuação da sociedade civil em suas mais variadas formas de organização e manifestação. Mannheim (1971, p. 178) define o controle social como o conjunto de métodos pelos quais a sociedade influencia o comportamento humano, tendo em vista manter determinada ordem. Não há, no âmbito do pensamento social e político brasileiro, uma teoria da corrupção no Brasil. Durante muito tempo o tema foi deixado de lado nas reflexões acadêmicas e teóricas sobre o Brasil, não havendo, nesse sentido, uma abordagem que dê conta do problema da corrupção no âmbito da política, da economia, da sociedade e da cultura de forma abrangente. Os estudos sobre corrupção no Brasil são recentes, realizados a partir de abordagens comparativas e institucionalistas, sem a pretensão de uma teoria geral, de cunho interpretativo (FILGUEIRAS 2008). A corrupção, para Johnston (2002), não é algo que acontece em uma sociedade como um desastre natural. Para esse autor, trata-se da atividade de pessoas e grupos reais que traficam influências em um dado ambiente de oportunidades, de recursos e de limitações. Essas ações e escolhas costumam, muitas vezes, provocar estragos em governos e regimes inteiros, mas quase sempre afetam a política de maneira mais específica, refletindo a natureza e a continuidade do desenvolvimento das sociedades em que ocorrem. Assim, a corrupção depende fortemente das relações entre Estado e sociedade, e dos modos pelos quais riqueza e poder são mantidos e utilizados. O Índice de Percepções de Corrupção é um indicador de opiniões sobre corrupção em países, produzida anualmente pela organização não-governamental Transparência Internacional. Cada país recebe uma nota de 0 a 10, e os países são listados na ordem dessas notas, formando um ranking. No ano de 2006, a lista relaciona 163 países. Três ocupam o primeiro lugar: Finlândia, Islândia e Nova Zelândia. No pé da relação estão a Guiné, o Iraque, Mianmar e o Haiti. O Brasil encontra-se na posição de número 70, juntamente com China, Egito, Gana, Índia, México, Peru, Arábia Saudita e Senegal. Restringindo-se a atenção aos 154 países que

4 comparecem simultaneamente nas listas de 2005 e 2006, o Brasil caiu cinco posições (LAMBSDORFF, 2006 a, 2006b). Caracterizado como uma atitude perversa de membros do governo e da sociedade parte-se então para as ações que visam o seu combate. Pereira (2004) sugere que o combate à corrupção passa pelo controle dos governantes, que pode ser exercido por meio de: voto; controle parlamentar; controle dos procedimentos burocráticos (via controladorias, tribunais de contas, comissões de inquérito); controle social (via mídia ou grupos da sociedade civil). O autor indica ainda que o conjunto de ações necessárias para o combate à corrupção envolve educação à cidadania e, de forma imprescindível, a transparência da gestão da coisa pública. Ainda que o problema da corrupção possa ser considerado de difícil ou até utópica solução, existem forças sinérgicas que se propõem ao enfrentamento do problema. Instituições governamentais como o Ministério Público, os Tribunais de Conta e a Controladoria Geral da União, vêm nos últimos anos agregando esforços na prevenção e no combate a fraude e a corrupção que envolve os recursos e os agentes públicos. A tecnologia também desempenha um papel de destaque nesses esforços. Após a criação da Lei 8666/93, que regulamentou o processo de aquisição de bens e serviços pelos órgãos da administração pública, pôde-se utilizar uma série de ferramentas tecnológicas de apoio ao controle dos recursos do Estado. A criação dos portais Comprasnet e da Transparência, promoveram mudanças significativas na maneira de tratar os recursos públicos. Por meio do Comprasnet é possível acompanhar as informações referentes às licitações e contratações promovidas pelo Governo Federal, bem como permitir a realização de processos eletrônicos de aquisição. O Portal da Transparência lançado em novembro de 2004, é um canal pelo qual o cidadão pode acompanhar a execução financeira dos programas de governo, em âmbito federal. Estão disponíveis informações sobre os recursos públicos federais transferidos pelo Governo Federal a estados, municípios e ao Distrito Federal, para a realização descentralizada das ações do governo, e diretamente ao cidadão, bem como dados sobre os gastos realizados pelo próprio Governo Federal em compras ou contratação de obras e serviços. Diante do desafio de combater a corrupção de forma eficaz, faz-se necessário a adoção de um sistema de inteligência, a ação contra a fraude e a corrupção no serviço público requer cada vez mais o processamento de informações de diferentes fontes, sejam elas provenientes ou não de sistemas informatizados (SIAPE, SIAFI, SICRO, CPF, SIDOR). È imperativo que os sistemas e seus mecanismos sejam conhecidos pelos atores que participam das ações de controle. A partir desses conhecimentos pode-se orientar, de forma objetiva, o processo de fiscalização para áreas mais sensíveis ou que tenham indícios de tentativas ou perpetração de fraudes, aumentando-se assim o potencial de detecção e de apuração desses eventos. Para um controle eficiente da burocracia é essencial que a informação sobre o que está ocorrendo, com níveis detalhados, esclareça os procedimentos internos que permitem falhas. Registre-se, entretanto, que a obtenção de informações sobre o que se passa nos caminhos da burocracia do serviço público é uma tarefa bastante complexa. Os meios utilizados para buscar essas informações nem sempre são suficientemente eficientes, eficazes e efetivos, além de terem um custo elevado.

5 A importância do estudo da corrupção para a sociedade brasileira é tanto maior quanto a compreensão do real significado deste problema, que ameaça os principais valores do estado democrático e ataca a estabilidade dos seus arranjos institucionais. A corrupção atinge o princípio da igualdade e da justiça, destrói a confiança dos cidadãos e deslegitima as instituições. As tecnologias que surgem a cada momento, fruto da melhoria do arcabouço técnicocientífico, dos recursos alocados nas instituições e programas que visam a prevenção e o combate a corrupção, são um alento às estratégias das instituições que atuam no combate a corrupção. O estudo e a descoberta de novas formas de controle social sobre os recursos públicos, utilizando-se dos modernos instrumentos tecnológicos de comunicação, pode contribuir para a diminuição da corrupção e a consequente melhoria dos investimentos em áreas que trazem benefícios a qualidade de vida da sociedade. As redes e comunidades baseadas na internet podem contribuir de muitas formas no combate a corrupção, tanto de maneira preventiva, exercendo um controle social sobre os atos dos administradores públicos, quanto à maneira educativa, difundindo as boas práticas no trato com os bens e recursos públicos. Embora a convergência da literatura conceitue a corrupção como um fenômeno social sistemico, a disposição governamental, em consonância com a ação de redes sociais organizadas, representando parcela significativa da sociedade, está dispondo uma nova realidade ao trato do dinheiro público, trazendo esperança quanto a melhoria da qualidade do controle, respaldando o combate intensivo a corrupção. 3. Inteligência em Fontes Abertas Em uma linguagem técnica, a palavra informação deve assumir um contexto amplo. Ultrapassando a referência aos tipos de conhecimento e as fontes de produção da informação, esta deve representar o resultado de um raciocínio, que transmite a certeza, para quem a analisa, do significado contextualizado a respeito de um fato ou ação e suas consequências, tanto no passado quanto no presente. Kent (1966) descreve inteligência sob três aspectos: - como produto: é a representação do resultado do processo de produção de conhecimento, atendendo a demanda do tomador de decisão, tornando o resultado obtido por meio do processo de inteligência, um produto de inteligência; - como organização: apresenta as estruturas funcionais, que tem como missão crítica a obtenção de informações e a produção de conhecimento de inteligência, podendo ser caracterizados como os operadores da inteligência; - como atividade ou processo: refere-se aos caminhos pelos quais certos tipos de informação são requeridos, coletados, obtidos, analisados e difundidos. Determinação dos procedimentos para a obtenção de determinados dados, em especial aqueles protegidos.

6 Outros autores que merecem destaque pela definição abrangente da atividade de inteligência são Shulsky e Schimtt (2002), para eles a inteligência compreende informação, atividades e organizações. Para estes autores a inteligência esta relacionada à informação que é relevante para se formular e implementar políticas voltadas aos interesse de segurança nacional e para lidar com ameaças, atuais ou mesmo potenciais, a esses interesses. No que diz respeito à atividade em sí, a inteligência compreende a coleta, e a análise de informações e inclui as atividades destinadas a conter as atividades de inteligência adversas. Neste contexto Shulsky e Schimtt (2002) afirmam que, a contra-inteligência estaria contida na inteligência e concluem que o termo também diz respeito a organizações que exerçam a atividade, atribuindo a essas organizações um de suas características mais importantes, o secretismo necessário a conduta de suas atividades. Reforçando a diferenciação entre inteligência e informação, o Glossário da Organização do Tratado do Atlântico Norte - OTAN, define em sua perspectiva, que a informação se refere aos dados brutos, que serão analisados para a produção de um conhecimento de inteligência, informação processada com vistas a subsidiar o processo decisório. Na percepção de Washington Platt (1974), informações (intelligence) é um termo específico e significativo, derivado da informação, informe, dado ou fato que foi selecionado, avaliado, interpretado e, finalmente expresso de forma tal que evidencie a sua importância para determinado problema de política nacional corrente. Platt acrescenta que essa definição traz a tona o problema da distorção entre informe bruto (raw information) e a informação acabada (finished intelligence), distinção que é objeto de tanto orgulho profissional da Comunidade de Informações. Após apresentar definições sobre a atividade de inteligência, e constatar a abrangência de áreas em que a atividade pode ser utilizada, trazendo benefícios para o tomador de decisão, torna-se evidente a definição de escopo, ou até categorias da atividade de inteligência. O ciclo da inteligência, apresentado na Figura 1, é habitualmente ilustrado como um processo repetitivo de 5 passos, conforme abaixo: - planejamento e direção, que abrangem o esforço inteiro de gerenciamento do processo e envolvem, em particular, determinar as exigências da coleta baseadas em pedidos dos clientes; - coleta refere-se ao recolhimento de dados in natura para encontrar o objeto dos requerimentos dos clientes. Estes dados podem ser derivados (obtidos) de fontes abertas ou secretas; - processamento refere-se ao tratamento dos dados in natura para convertê-los a um formato que os analistas de informação possam usar; - análise e produção descrevem o processo de avaliação dos dados em sua confiabilidade, validação e relevância, integrando-os e analisando-os, e convertendo o produto deste esforço em um inteiro significativo, o qual inclui avaliações de eventos e de informações coletadas; - disseminação é a etapa em que o produto da Análise e Produção é distribuído para a audiência pretendida.

7 Figura 1: O ciclo tradicional da inteligência (JOHNSTON, 2005: 46). A campo abordado neste trabalho, envolve especificamente as atividades de inteligência em fontes abertas, por isso, cabe apresentar algumas definições que possam esclarecer este tipo de atividade e como seus resultados podem ser utilizados para o controle social, aplicando a capilaridade das redes sociais, na prevenção e combate a corrupção. Neste trabalho todas as pesquisas estão voltadas a atividade de inteligência com dados provenientes de fontes abertas. Segundo Shulsky e Schmitt (2002, p.208) um meio importante para a reunião de dados para a produção do conhecimento de inteligência é a coleta, ou seja a reunião de informações a partir de fontes abetas. Para Lowenthal (2003) os dados obtidos a partir de fontes abertas, apresentam variedade de classificação, detacando-se aquelas relacionadas a: Mídia: jornais, revistas, rádio, televisão e informações de base de dados de informática. Dados públicos: relatórios governamentais, dados oficiais como orçamentoe sensos, audiencias públicas, debates legislativos, conferencia de imprensa e discursos. Informações profissionais e academicas: conferencias, simposios, produção de associações profissionionais, eriodicos academicos e trabalhos de especialistas. Entretanto, a evolução dos meios eletronicos de comunicação também propriciou o surgimento de diversos formatos de interação via web, as chamadas redes sociais. Estas redes são criadas e acessadas por pessoas de todos os paises, permitindo a troca de dados, imagens, arquivos e outros formatos de mídia, passiveis de monitoramento via ferramentas de eletrônicas de idenificação de textos e sinais. 4. Redes Sociais Para este trabalho, serão estudas as redes sociais baseadas na web, sua estrutura, o comportamento de seus membros e sua utilização como fonte aberta de informação e ferramenta de difusão e disseminação do controle social na prevenção da corrupção no Brasil do século XXI.

8 Manuel Castells (1999) tece considerações de suma importância para a construção de um debate sobre a morfologia social das sociedades de tecnologia avançada neste início de novo século. Fundamentado por um conjunto de informações empíricas e na teoria sociológica, descreve a sociedade contemporânea como uma sociedade globalizada, centrada no uso e aplicação de informação e conhecimento, cuja base material está sendo alterada aceleradamente por uma revolução tecnológica concentrada na tecnologia da informação e em meio a profundas mudanças nas relações sociais, nos sistemas políticos e nos sistemas de valores. Seguindo as contribuições de Castells, à discussão apresentam quatro aspectos principais: a centralidade da tecnologia da informação; o refinamento da teoria sociológica, com a proposição da articulação do conceito clássico de modo de produção à noção, por ele desenvolvida, de modo de desenvolvimento; a compreensão do papel do Estado no desenvolvimento econômico e tecnológico, deixando de lado a visão reducionista e ideologizada das perspectivas liberais do Estado mínimo; e a caracterização da sociedade informacional como uma sociedade em rede, com a morfologia social definida por uma topologia em forma de rede. Uma Rede Social, entre outros usos, representa os relacionamentos afetivos, bem como relacionamentos profissionais entre grupos de pessoas, sendo responsável pelo compartilhamento de informações entre indivíduos que possuem objetivos e valores em comuns a serem compartilhados. Partindo desta definição, surgem as Redes Sociais Virtuais que são aquelas onde se estabelece uma comunicação entre indivíduos através do computador. O aprimoramento das tecnologias da informação e comunicação possibilitou a dispersão das informações de forma diferenciada, com a utilização de ferramentas específicas para a comunicação eletrônica. A criação da internet transformou a maneira como os indivíduos, as redes ou associações passaram a trocar informações. As redes sociais deram origem às comunidades virtuais, que nos últimos anos, fez surgir à cultura de colaboração on-line. Rheingold (1996) compara as comunidades virtuais do ciberespaço a colônias de microorganismos diversos que por ele se alastram. Na definição de Lemos (2001) o ciberespaço pode ser entendido sob duas perspectivas: "como o lugar onde estamos quando entramos em um ambiente virtual", ou seja, num ambiente como as salas de chat, por exemplo, ou ainda, como o "conjunto de redes de computadores, interligadas ou não, em todo o planeta". Ciberespaço seria caracterizado como um espaço virtual, não oposto ao real, mas que o torna complexo, público, imaterial, constituído através da circulação de informações. As informações que circulam nas redes sociais, objeto de estudo da Ciência da Informação, apresentam uma série de condicionamentos e análises para tentar mostrar de uma forma lógica o fluxo informacional e suas características dinâmicas quando isso ocorre em rede. Ao estudar o fluxo de informação nas redes sociais é preciso considerar as relações de poder que advêm de uma organização não-hierárquica e espontânea e procurar entender até que ponto a dinâmica do conhecimento e da informação interfere nesse processo. A informação circula socialmente e, para o sujeito, esta circulação deve ser percebida como conjunto de opções.

9 Percebendo-se que os fluxos de informação movimentam as redes, o direcionamento desses fluxos pode fortalecer e delinear uma rede, proporcionando sinergia às funções nela desdobradas. A informação mobiliza a rede e traz possibilidades de interação e expansão: mediante o uso da informação, o estado existente modifica-se, expandindo o conhecimento que vai fortalecer o fluxo da informação e respaldar os processos individuais e coletivos(tomaél, 2008). A popularização do acesso aos provedores de internet, a efetivação da banda larga e os programas sociais de difusão e inclusão digital, permitiram o incremento do acesso aos meios eletrônicos de comunicação. A redistribuição de renda, conseqüência da manutenção da estabilidade econômica nos últimos dez anos, possibilitou a inserção de um maior número de consumidores a bens de consumo como os computadores e celulares, aumentando participação de parcelas significativas da população nos meios de comunicação. As novas possibilidades e maneiras de utilizar a tecnologia da comunicação possibilitaram a criação e a participar em comunidades virtuais e outros formatos de interação via web, influenciando e alterando o convívio social, refletindo também em aspectos da economia e da política. Nos últimos anos os estudos sobre as redes ganharam maior importância. Watts (2003) afirma que a diferença entre os novos estudos de redes e os antigos é que no passado, as redes foram vistas como objetos de pura estrutura, cujas propriedades estavam fixadas no tempo. Nenhuma dessas assertivas poderia estar mais distante da verdade. Para Watts, é preciso levar em conta que nas redes, os elementos estão sempre em ação, "fazendo algo", e que elas são dinâmicas, estão evoluindo e mudando com o tempo. Portanto, a questão crucial para a compreensão dessas redes sociais passava também pela sua dinâmica de sua construção e manutenção. Portanto, a novidade das novas abordagens sobre redes e sua possível contribuição para o estudo das redes sociais está no fato de perceber a estrutura não como determinada e determinante, mas como mutante no tempo e no espaço. No Brasil, o fenômeno das redes sociais baseados na web também já registrou acontecimentos e mobilizou a opinião de milhares de pessoas em torno de assuntos polêmicos. Um fato que merece registro foi a escândalo envolvendo os cartões de crédito corporativos do governo federal. Por meio dos sites de organizações não governamentais que acompanhavam a transparências dos gastos públicos, foi possível detectar o mal uso de recursos por meio de cartões corporativos. Esse episódio, até então considerado corriqueiro no cotidiano da administração pública, foi amplamente divulgado nas diversas redes sócias interligadas nacionalmente que fazem parte da comunidade do controle social, acompanhando a utilização dos recursos públicos. Roberts (2009) apresenta uma série de conceitos que ajudam a entender o que é o processo de marketing viral e como se estabelece. Segundo o autor, marketing viral pode ser traduzido como uma estratégia que irá encorajar indivíduos a passar adiante uma mensagem de marketing à outra pessoa. Este processo cria um potencial de exposição da mensagem e de influencia sobre os participantes da rede. Nesse processo que é suportado por pesquisa e tecnologia os consumidores são encorajados a dialogar sobre produtos e serviços da organização. O marketing viral é mais poderoso que a propaganda de massa porque convence através de um endosso implícito de um amigo, conhecido ou familiar.

10 Uma das primeiras organizações a utilizar o marketing viral foi o Hotmail em 1996 que criou um mecanismo onde todo incluía uma promoção acessível através de uma URL clicável e deste momento em diante todos os usuários se tornaram vendedores potencias daquela organização. Outra estratégia que prova o potencial do marketing viral foi à utilizada pelo Gmail no início de suas operações. As primeiras contas de foram criadas pelo mecanismo de afiliação por indicação. Esta é outra das chaves deste tipo de mecanismo a afiliação: Eu quero ser membro deste grupo? Neste caso um grupo de amigos, pessoas em quem eu confio. A curva de afiliados foi exponencial e hoje o Gmail é um dos grandes recipientes mundiais de , junto com Hotmail, Yahoo e outros. Segundo Roberts, David (2009) o boca a boca ocorre em grande parte desconectado da rede (85% do total) sendo bastante poderoso, pois o comunicador usualmente é uma pessoa conhecida da comunidade que influencia o que acrescenta um forte componente de confiabilidade a comunicação. Segundo o WOMMA (Word of Mouth Marketing Association) 1 um episódio boca a boca envolve quatro componentes, a saber: - participantes os criadores, pessoas que enviam ou recebem, que podem ser medidas pela propensão de atuar, demografia, credibilidade e por terem sido atingidas; - unidade de boca a boca é uma unidade singular de informação sobre marketing relevante; - ações aquilo que os participantes fazem para criar, repassar ou responder a uma unidade de boca a boca; ações podem ser mensuradas quanto a velocidade, distribuição e densidade de assuntos; - foro é a mídia ou local físico onde a comunicação se estabelece. Foro pode ser mensurado através do potencial total da população / a audiência atual recebida. Um único episódio atinge um dos cinco resultados abaixo os quais servem como um evento que pode ser mapeado: 1. Consumo: O recebedor absorve a informação, mas não age; 2. Inquérito: O recebedor procura por informações adicionais; 3. Conversão: O recebedor toma a ação desejada; 4. Retransmissão: O recebedor redistribui a unidade para outra pessoa; 5. Recriação: O recebedor cria uma nova unidade. Goldenberg, Libai e Muller (2001) descreveram a propagação da informação nos sistemas sociais como um sistema complexo adaptativo. Um sistema que consiste de um número muito grande de entidades individuais que interagem umas com as outras em larga escala. Embora as interações entre os indivíduos possam ser simples em muitos sistemas adaptativos, a larga escala do sistema propicia o surgimento de padrões de difícil predição, de difícil mapeamento e de difícil analise. Os autores trabalharam com uma técnica para relacionar o boca a boca micro ao macro fenômeno, empregando autômatos celulares estocásticos, uma ferramenta para analise de sistemas complexos. Modelos celulares autômatos são simulações de conseqüências 1

11 agregadas, baseados em interações locais entre indivíduos de uma população. No caso do boca a boca as interações locais são os diversos tipos de interações interpessoais e o surgimento de macro efeitos a partir de micro efeitos foram baseados nos fundamentos da teoria da comunicação conhecida como força dos laços/nós fracos. Granovetter (1973) criador da teoria da força dos laços fracos afirmou que indivíduos são freqüentemente influenciados por outros com quem tem relações tênues ou randômicas denominadas de laços/nós fracos, distinguindo estas relações de outros mais estáveis, freqüentes e intimas chamadas de laços/nós fortes as quais caracterizam as redes pessoais. A importância dos laços fracos reside no seu potencial de expor as redes interpessoais a influencias externas, pavimentando o caminho para a propagação da informação pela sociedade. Brown e Reingen (apud GOLDENBERG, LIBAI, MULLER, 2001) afirmaram que os laços/nós fortes são mais comuns de serem ativados e percebidos como influenciadores nas decisões de consumo, enquanto os laços fracos servem para facilitar os fluxos de encaminhamento da informação. As pesquisas de Goldenberg, Libai e Muller(2001) apresentaram resultados interessantes quanto ao comportamento da disseminação das informações pelas redes sociais: 1. a influência dos laços fracos na velocidade com que a informação é disseminada é pelo menos tão forte quanto a influencia dos laços fortes; 2. apesar de ser importante no inicio do processo de disseminação da informação, o efeito do marketing externo rapidamente diminui e os laços fortes e fracos passam a ser as principais forças propulsoras no processo; 3. o efeito dos laços fortes na velocidade de disseminação da informação diminui quando o tamanho da rede diminui; 4. quanto maior o número de laços fracos, maior é o efeito destes laços e menor e o efeito dos laços fortes sobre a disseminação da informação; 5. com o aumento do nível de propaganda externa, o efeito de ambos (laços fortes e fracos) é marginalmente impactado, mas em direções inversas: o efeito dos laços fortes aumenta, enquanto o efeito dos laços fracos diminui. Todavia, o impacto da propagação da informação em redes sociais passa necessariamente pelo convencimento dos influenciadores, ou seja, identificar os evangelizadores e torná-los clientes mais empolgados para tirar proveito do marketing viral e alcançar objetivos bem definidos e planejados. A WOMMA define os influenciadores como uma pessoa que tem um alcance ou um impacto maior que a média no boca a boca em um ambiente informacional. Saber quem são os influenciadores e influenciáveis em determinado contexto, qual é o seu perfil e como se comportam é chave para estabelecer uma política de influência bem sucedida. Mas não basta conhecer os evangelizadores que atuam no contexto de uma organização é necessário conquistá-los e estabelecer uma relação de confiança onde os influenciadores passem a ser mais do que parceiros, co-criadores, clientes entusiasmados, vendedores de campanhas informacionais. Uma boa oportunidade para trazer os influenciadores para perto da organização é atender suas expectativas, dar a eles combustível (informações relevantes) - assunto para suas publicações,

12 promover sua popularidade, conquistá-los fazendo com que tenham importante papel no desenvolvimento de campanhas informacionais, trabalhar junto ao seu ego e à sua vaidade. A tarefa de criar um ciclo virtuoso que faça com que a marca, as informações atinjam um patamar de reverberação nos meios de comunicação social não é fácil e necessita de alinhamento com as políticas e metas da organização além de um bom de planejamento, de ações precisas e focadas, de monitoramento quanto aos objetivos a serem alcançados e de avaliação dos resultados. 5. Redes Sociais e Inteligência de Fontes Abertas A chegada da sociedade eletrônica de informação modificou drasticamente a delimitação de tempo e espaço da informação. A importância do instrumental da tecnologia da informação forneceu a infra-estrutura para modificações, sem retorno, das relações da informação com seus usuários. As transformações associadas à interatividade e à interconectividade no relacionamento dos receptores com a informação, mostram como tempo e espaço modificam as relações com o receptor (BARRETO, 2010): - interatividade ou inter-atuação multitemporal representa a possibilidade de acesso em tempo real, o que representa o tempo de acesso no entorno de zero, pelo usuário à diferentes fontes de informação; possibilita o acesso em múltiplas formas de interação entre o usuário e a própria estrutura da informação contida neste espaço. A interatividade modifica o fluxo: usuário - tempo - informação. Reposiciona os acervos de informação, o acesso à informação e a sua distribuição; - inteconectividade reposiciona a relação usuário - espaço - informação; opera uma mudança estrutural no fluxo de informação que se torna multiorientado. O usuário passa a ser o seu próprio mediador na escolha de informação, o determinador de suas necessidades. Passa a ser o julgador da relevância da informação que procura e do estoque que o contêm em tempo real, tempo igual a zero, como se estivesse colocado virtualmente dentro do sistema de armazenamento e recuperação da informação. Nesse sentido, a era da Internet, da globalização e do trabalho centrado em rede, impõe à atividade humana a tendência de se inserir mais em espaços do que em locais físicos, onde a informação e o conhecimento se difundem e se dispersam num determinado espaço, ainda que associado a pessoas, processos e tecnologias. Assim, as mudanças tecnológicas que tiveram lugar nas últimas décadas deram um lugar de destaque à utilização da informação no nosso dia a dia, visando alcançar diversos objetivos organizacionais. A informação passou a ser um elemento fundamental vida das organizações sendo fundamental refletir sobre a sua importância, quanto aos diversos aspectos e setores que influencia. Para compreender melhor toda essa mudança, pode-se reduzir essa nova realidade a três mundos: o mundo subjetivo dos sistemas cerebrais, o mundo objetivo dos sistemas materiais e o mundo dos sistemas simbólicos cibernéticos e informatizados. A realidade subjetiva dos conteúdos de informação, da sua geração e assimilação, a realidade objetiva dos seus equipamentos e seus instrumentos, e a realidade do ciberespaço, de tempo zero, da existência

13 pela não presença, da realidade virtual. A Figura 2 apresenta uma ilustração da intersecção desses três mundos e o Quadro 1 as respectivas descrições. Figura 2. Os três mundos da informação (BARRETO, 2010). No relacionamento com uma estrutura de suporte da informação, um receptor realiza reflexões e interações, que lhe permitem evocar conceitos relacionados explicitamente com a informação recebida (BARRETO, 2005). O receptor mostra aspectos de um pensamento que é seduzido por condições quase ocultas, silenciosas, de um meditar próprio de sua privacidade ambientada no: contexto da informação; contexto particular do sujeito, no tempo e no espaço de interação com a informação; estoque de informação do sujeito; competência simbólica do receptor em relação ao sub-código lingüístico na qual a informação se insere; contexto físico e cultural do sujeito que interpreta a informação. Portanto, a interseção entre os três mundos da informação é o espaço de interesse para o emprego de inteligência de fontes abertas no âmbito das redes sociais virtuais. Trata-se de espaço virgem, que pode ser explorado para campanhas informacionais com foco na prevenção e combate à corrupção. Cabe o aproveitamento de conceitos de marketing viral aplicados em um novo domínio. O diagrama da Figura 3 sintetiza o ciclo de inteligência aplicado no contexto das redes sociais. As 5 fases são: - Planejamento e Direção inclui os seguintes passos: definir escopo; definir temas; definir estratégia de diálogo, monitoria e de influência; definir ações de relacionamento entre a organização e os evangelizadores; elaborar do plano de influencia; definir métricas de avaliação e de resultado; - Coleta e Processamento referem-se à coleta, ao tratamento, à classificação e ao armazenamento de informações sobre evangelizadores, grupos, temas, entre outros dados; - Preparação da Campanha Informacional é o processo de identificação de matérias em diversas mídias que possam ser utilizadas para prevenção e combate à corrupção, além da preparação de conteúdo e contra-conteúdo de acordo com o plano de influência; - Publicação de Informações é a etapa em que as matérias produzidas são publicadas em diversas mídias sociais virtuais;

14 - Avaliação de Impacto compreende o monitoramento dos resultados de acordo com as métricas planejadas, alem da avaliação o comportamento da propagação das informações nos diversos canais. Quadro 1. Descrição dos espaços dos três mundos da informação [4]. Identificador A Mundos da Informação Espaço da Realidade Subjetiva B Espaço Realidade dos Objetos C Espaço Realidade do Ciberespaço 1 Espaço de interseção das realidades subjetivas e dos objetos 2 Espaço de interseção das realidades subjetivas e do ciberespaço 3 Espaço de interseção das realidades dos objetos e do ciberespaço N Espaço de interseção das realidades subjetivas, dos objetos e do ciberespaço Exemplos espaço das construções teóricas, dos conteúdos, dos processos de geração, interpretação e apropriação da informação. espaço dos artefatos dos sistemas, dos computadores e das comunicações. espaço dos símbolos cibernéticos, da interação entre os indivíduos e as máquinas. espaço das tecnologias de informação e comunicação, dos estoques de conteúdos e das redes. espaço das construções dos agentes inteligentes para interação do homem com a máquina - os softwares. espaço dos processos das comunicações e das redes interativas. espaço das atividades de interatividade da interconectividade,,da inteligência artificial, da realidade virtual e dos novos desenvolvimentos. 6. Conclusão Este trabalho os primeiros passos para a construção de um arcabouço conceitual para emprego Inteligência de Fontes Abertas no âmbito de redes sociais virtuais, visando o combate e a prevenção à corrupção. Algumas das conclusões possíveis diante do referencial teórico estudado apontam que, a corrupção pode ser comparada a um vírus, que se adapta as mudanças do ambiente, tentado manter-se vivo, em detrimento das tentativas de eliminação.

15 Figura 3 O ciclo de inteligência aplicado ao contexto das redes sociais. Atualmente a atividade de inteligência é considerada um dos elementos críticos para a estratégia de diversos tipos de organizações, sejam públicas ou privadas. Os avanços das tecnologias de informação e comunicação, ocasionaram mudanças significativas no ambiente informacional, que incorporou novas ferramentas tecnológicas de análise textual, em função do grande volume de informação e da diversificaçãos dos meios de comunicação, que dificultam a qualidade do resultado das atividades de inteligência. Utilizando as informações obtidas em fontes abertas, com foco nos meios eletrônicos, que propagam variados formatos de dados e informações utilizando a internet, pode-se obter resultados que agregem valor a outras fontes de informação já utilizadas como subsidio a atividade de inteligência. As redes sociais ancoradas na internet possuem um papel de destaque entre as formas de comunicação existentes. Embora ocorram em múltiplas variedades, todas possuem o dado, a imagem e a informação como legados. As pessoas que habitam as redes sociais expressam pensamentos, comunicam fatos, discutem assuntos variados, expõem opiniões, relatam experiências e atos praticados ou que pretendem praticar. Todo esse conjunto de ações deixa registro, que depois de tratados, podem oferecer material informativo relevante para a atividade de inteligência. 7. Agradecimentos Esse trabalho é financiado pelo Escritório Sobre Drogas e Crime (UNODC/Nações Unidas), sendo executado na Universidade Católica de Brasília (UCB) em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU).

16 Referências Bibliográficas BARRETO, A. de A. A estrutura do texto e a transferência da informação. DataGramaZero - v.6 n.3 jun/2005. BARRETO, A. de A. O tempo e o espaço da ciência da informação. Disponível em: <http://aldoibct.bighost.com.br/tempespa.htm>. Acesso em 25/07/2010. CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, FILGUEIRAS, Fernando. Corrupção, Democracia e Legitimidade. Belo Horizonte, Editora UFMG, Disponível em: corrup%c3%a7%c3%a3o&source=bl&ots=k0n84xmzev&sig=moqwuj5scik2-- kuqhcdbwbmya0&hl=ptbr&ei=lsaotnpcdmeyuaexo9ghdq&sa=x&oi=book_result& ct=result&resnum=2&ved=0cbkq6aewaq#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 08 jun GOLDENBERG, J.; LIBAI, B. ; MULLER, E. Talk of the network: A complex systems look at the underlying process of word-of-mouth. Marketing Letters, 12(3), pp , 2001 GRANOVETTER, M. S. The Strength of Weak Ties. The American Journal of Sociology, 78(6), pp JOHNSTON, M. Agentes públicos, interesses particulares e democracia sustentável: Quando política e corrupção se unem. In: ELLIOT, K. A. (Org.). A corrupção e a economia mundial. Brasília: Editora Universidade de Brasília, Johnston, R. Analytic Culture in the US Intelligence Community an Ethnographic Study. Washington, DC: The Center for the Study of Intelligence KENT, Sherman. Strategic Intelligence for American World Policy. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, LAMBSDORFF, Johann Graf. The Validity and Precision of Subjective Indicators: The Corruption Perception Index, In: Measuring Corruption, ed. by J.G. Sampford London, UK: Ashgate Publishing, 2006a. pp LAMBSDORFF, Johann Graf. The Methodology of the Corruption Perceptions Index University of Passau, 2006b. Disponível em: methodology.pdf Acesso em: 23 abr LOWENTHAL, Mark. Intelligence: From Secrets to Policy. Washington, D.C.: CQ Press, MANNHEIM, K. Sociologia Sistemática: uma introdução ao estudo de sociologia. 2.ed.São Paulo: Pioneira, 1971.

17 PEREIRA, Jose Matias. Reforma do Estado, transparência e democracia no Brasil Disponível no: https://bvc.cgu.gov.br/handle/ /3066 Acesso em 08/06/2010. PLATT, Washington. Produção de informações estratégicas. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exercito/Livraria Agir Editora, 1974, p, 30. ROBERTS, D. Word of Mouth and Influencer Marketing Literature Review Summary. London: The Knowledge Partnership, SCHILLING, Flávia. Corrupção: ilegalidade intolerável. Comissões parlamentares de inquérito e a luta contra a corrupção no Brasil ( ). São Paulo: IBCCrim, p.15. SHULSKY, Abraham; SCHMITT, Gary J. Silent warfare: understanding the world of intelligence. Washington D.C.: Brassey 3ªedition: 2002, pp.1-3. WATTS, Duncan J. Seis graus de Separação - A Evolução de Ciência de Redes em uma era conectada. São Paulo: Leopardo Editora, pp WORLD BANK. Introduction to Corruption. In: Youth for Good Governance Distance Learning Program,. USA, 1997, p 2.

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA Agenda do Futuro Iniciativa do Grupo TV1 criada em 2008 para gerar conhecimento e incentivar a reflexão sobre as mudanças em curso na Comunicação

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

A importância da boa comunicação na prática da engenharia

A importância da boa comunicação na prática da engenharia A importância da boa comunicação na prática da engenharia Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. Introdução Após alguns anos de trabalho no desenvolvimento de comunicação voltada

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Estamos muito próximos da próxima revolução tecnológica. O setor de TIC está se expandindo para

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009 Governo 2.0 Inclusão, participação e inovação como estratégia Dr. José Cláudio C. Terra Junho 2009 TerraForum www.terraforum.com.br/governo Agenda Contexto e Tendências Governo 2.0 Objetivos Os 3 poderes

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação.

A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação. A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação José Maria Jardim UNIRIO Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos

Leia mais

Estudo sobre Portais Públicos como fontes confiáveis para inteligência de Fontes Abertas

Estudo sobre Portais Públicos como fontes confiáveis para inteligência de Fontes Abertas Estudo sobre Portais Públicos como fontes confiáveis para inteligência de Fontes Abertas RESUMO Eduardo Amadeu Dutra Moresi Wesley Vaz Silva Universidade Católica de Brasília Gilson Libório de Oliveira

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense.

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 RESUMO A participação popular e a ação coletiva na gestão e

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Projeto BRA/12/018 Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional Proposta Núcleo Técnico da Rede QPC Compromisso com a Excelência 7ª EDIÇÃO 250 pontos Rede de Qualidade, Produtividade

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Priscila Grison 2 Carlos Augusto Locatelli 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Resumo: Este

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Experiência: Portal da Transparência. Controladoria-Geral da União Presidência da República. Responsável: Vânia Lúcia Ribeiro Vieira

Experiência: Portal da Transparência. Controladoria-Geral da União Presidência da República. Responsável: Vânia Lúcia Ribeiro Vieira Experiência: Portal da Transparência Controladoria-Geral da União Presidência da República Responsável: Vânia Lúcia Ribeiro Vieira Equipe: Izabela Moreira Correa, José Geraldo Loureiro Rodrigues e Tereza

Leia mais

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Óticas para o Desenho, Monitoramento

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO

PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO PRESERVAÇÃO DIGITAL MIGUEL ÁNGEL MÁRDERO ARELLANO 2 MOVIMENTO AMBIENTALISTA PRESERVAÇÃO DIGITAL OS DOCUMENTOS PROCESSADOS POR UM COMPUTADOR PODEM SER MANIPULADOS SEM DEIXAR QUALQUER VESTÍGIO, SENDO INSTÁVEIS

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

Transparência, participação e colaboração para ampliar a efetividade da ação governamental

Transparência, participação e colaboração para ampliar a efetividade da ação governamental Transparência, participação e colaboração para ampliar a efetividade da ação governamental Acesso à informação, governo aberto e gestão orientada para resultados Informação confidencial e proprietária

Leia mais