UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL FARELO DA RAIZ INTEGRAL DE MANDIOCA (FRIM) COMO FONTE ENERGÉTICA ALTERNATIVA AO MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE TIPO CAIPIRA CRIADOS NO SISTEMA SEMI-INTENSIVO CASSAVA ROOT MEAL AS ALTERNATIVE ENERGETIC SOURCE AT THE CORN IN THE FEEDING OF FREE-RANGE BROILER CHICKENS REARING IN SEMI-INTENSIVE SYSTEM Karina Márcia Ribeiro de Souza CAMPO GRANDE MATO GROSSO DO SUL BRASIL FEVEREIRO 2008

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL FARELO DA RAIZ INTEGRAL DE MANDIOCA (FRIM) COMO FONTE ENERGÉTICA ALTERNATIVA AO MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE TIPO CAIPIRA CRIADOS NO SISTEMA SEMI-INTENSIVO CASSAVA ROOT MEAL AS ALTERNATIVE ENERGETIC SOURCE AT THE CORN IN THE FEEDING OF FREE-RANGE BROILER CHICKENS REARING IN SEMI-INTENSIVE SYSTEM Karina Márcia Ribeiro de Souza Zootecnista Orientador: Prof. Dr. Alfredo Sampaio Carrijo Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, como requisito à obtenção do título de Mestre em Ciência Animal. Área concentração: Produção Animal CAMPO GRANDE MATO GROSSO DO SUL BRASIL FEVEREIRO 2008

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Coordenadoria de Biblioteca Central UFMS, Campo Grande, MS, Brasil) S729f Souza, Karina Márcia Ribeiro de. Farelo da raiz integral da mandioca (FRIM) como fonte energética alternativa ao milho na alimentação de frangos de corte tipo caipira criados no sistema semi-intensivo / Karina Márcia Ribeiro de Souza. -- Campo Grande, MS, f. ; 30 cm. Orientador: Alfredo Sampaio Carrijo. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. 1. Frango de corte Alimentação e rações. 2. Mandioca como ração. I. Carrijo, Alfredo Sampaio. II. Título. CDD (22)

4 i

5 ii Quem de três milênios, não é capaz de se dar conta, Vive na ignorância, na sombra, À mercê dos dias, do tempo. J.W von Goethe

6 iii À minha família, meus pais José e Marina e meu irmão José Marcelo. Pelo esforço que fizeram para me dar a oportunidade de realizar os meus estudos com dedicação. Pelo apoio, amparo e palavras de incentivo nos momentos em que precisei e principalmente pelo amor, carinho, respeito e paciência em todos esses anos. Ao Prof. Dr. Marcelo de O. Andreotti. Por ter me dado a primeira oportunidade de trabalhar em pesquisa. Pela confiança e pela força de vontade transmitida a qual me fez continuar nessa caminhada. Dedico.

7 iv AGRADECIMENTO ESPECIAL Ao Prof. Dr. Alfredo Sampaio Carrijo, pela acolhida em um momento tão difícil, pela orientação, pela alegria de sempre, pela amizade, ensinamentos, confiança, contribuindo para meu crescimento e formação profissional e pessoal. Meus sinceros agradecimentos.

8 v AGRADECIMENTOS À Deus e à NS a Sra. Aparecida pela proteção, por iluminar e guiar a minha caminhada; À Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado do Mato Grosso do Sul (FUNDECT) pela bolsa de estudo durante o curso; Ao Programa Mestrado em Ciência Animal, representado pela Profa. Dra. Maria da Graça Morais, pelo apoio durante o curso; Aos professores do Mestrado, por compartilharem seus conhecimentos durante o exercício do ensino e pela disposição e atenção despendida sempre que os solicitei; Ao Prof. Dr. Ruy Alberto Caetano Correa Filho, pela confiança, amizade, ensinamentos, apoio e palavras de incentivo em todos os anos de graduação e sempre; Ao Prof. Dr. Charles Kiefer pela amizade, ensinamentos, apoio e colaboração na realização dos trabalhos; Aos meus grandes amigos Ivan Bezerra Allaman e Vitor Barbosa Fascina, pela amizade, apoio nos trabalhos, pela seriedade, dedicação e alegria em todos os dias de convivência; Aos "meus meninos" Amélia Garcia, Adriany Falco, Gabriel Manvailer, Rafael Rodrigues, Juliano Higa (Jão), Rodrigo Caetano, Guilherme Augusto, Evellize Morara, Rafael Rosa, Daniela Arakaki, Renata Rigoni, Ingrid Medina, Claire Tulux, Carina Bastos, Antônio de Souza e Vinícius Coelho, alunos de mestrado e graduação (Zootecnia e Veterinária), que sempre trabalharam em prol da avicultura, colaborando imensamente na condução dos experimentos, proporcionando além disso, momentos de aprendizagem e, principalmente de muita alegria, descontração e amizade; Aos queridos colegas da turma de mestrado, em especial à Andréa, Fábio, Maurílio, Fabíola, Larissa, Lívia, Marcelo e Patrícia, pela amizade, convivência, o inesquecível grupo de estudo de Bioquímica e pelas nossas longas conversas na hora do almoço na cantina da faculdade; À Marilete, secretária do mestrado, pelos conselhos, ajuda, disposição, simpatia, carinho e atenção; Ao Sr. Antônio, técnico do Laboratório de Nutrição Animal e ao Miguel, funcionário de campo, pela colaboração na execução dos serviços e pelas conversas junto às rodas de tereré; Enfim, à todos que direta ou indiretamente me acompanharam, ajudaram, deram força e proporcionaram a realização das minhas atividades. O meu muito obrigada!

9 vi LISTA DE FIGURAS "Página" Figura 1 - Cianogênese em mandioca a partir da linamarina 5 Figura 2 Composição da fibra do farelo de mandioca 7 Figura 3 - Peso corporal final (PF) e ganho de peso (GP) de frangos de corte tipo caipira submetidos à dietas com diferentes níveis de farelo da raiz integral de mandioca (FRIM) no período de 1 a 28 dias de idade 34 Figura 4 Cor de pele de peito (CPPT) e cor de pele de canela (CPCN) de frangos de corte tipo caipira submetidos a dietas contendo farelo da raiz integral de mandioca (FRIM) de 56 a 84 dias 37

10 vii LISTA DE TABELAS "Página" Tabela 1 - Composição percentual e calculada das dietas referências utilizadas nas fases inicial e de crescimento/engorda Tabela 2 Peso corporal inicial de frangos de corte de crescimento lento submetidos à ensaio de digestibilidade nas fases inicial, de crescimento e engorda Tabela 3 - Composição bromatológica do milho, do farelo da raiz integral de mandioca (FRIM) e do resíduo da cultura de mandioca (RCM) Tabela 4 - Coeficientes de digestibilidade da matéria seca (CMMS), da proteína bruta (CMPB), do extrato etéreo (CMEE) e da energia bruta (CMEB) do milho, FRIM e RCM, determinados com frangos de corte de crescimento lento em diferentes idades Tabela 5 - Valores energéticos do milho, frim e rcm determinados com frangos de corte de crescimento lento em diferentes idades Tabela 6 - Composição percentual e calculada das dietas experimentais Tabela 7 - Desempenho de frangos de corte tipo caipira, em três fases de criação, submetidos a dietas contendo farelo de raiz integral de mandioca (FRIM) Tabela 8. Rendimentos de carcaça, de partes e propriedades funcionais da carne de frango de corte tipo caipira submetidos a dietas contendo farelo da raiz integral de mandioca (FRIM) de 56 a 84 dias de idade... 36

11 viii SUMÁRIO "Página" INTRODUÇÃO Frangos de corte do tipo caipira Uso da mandioca (Manihot esculenta crantz) na alimentação animal Digestibilidade e valor energético Características de carcaça e qualidade da carne...8 REFERÊNCIAS...11 VALORES ENERGÉTICOS DE SUBPRODUTOS DA MANDIOCA E DO MILHO DETERMINADOS COM FRANGOS DE CORTE DE CRESCIMENTO LENTO...14 Resumo...14 Abstract...15 Introdução...16 Material e métodos...17 Resultados e discussão...19 Conclusões...24 Literatura citada...24 FARELO DA RAIZ INTEGRAL DE MANDIOCA EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE TIPO CAIPIRA...26 Resumo...26 Abstract...27 Introdução...28 Material e métodos...29 Resultados e discussão...32 Conclusões...38 Literatura citada...38

12 ix FARELO DA RAIZ INTEGRAL DE MANDIOCA COMO ALTERNATIVA AO MILHO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE TIPO CAIPIRA Resumo - Os grandes avanços científicos e tecnológicos ocorridos nas últimas décadas, nos mais diversos setores das atividades agropecuárias e, principalmente na avicultura de corte industrial, tem gerado enorme desconfiança entre os consumidores, pois eles acreditam que as aves recebem produtos que possam prejudicar a saúde do ser humano. Nota-se que a procura por alimentos com melhores atributos de qualidade e diferenciados têm aumentado nos últimos anos e a criação de frangos de corte do tipo caipira é uma alternativa para suprir a necessidade dessa parcela. Entretanto, as rações da criação do frango tipo caipira representam aproximadamente 70% dos custos de produção. Uma forma de diminuir os custos da alimentação na avicultura seria a utilização de produtos alternativos, por exemplo, subprodutos da mandioca como o farelo integral da raiz de mandioca (FRIM) e o resíduo da cultura da mandioca (RCM). O FRIM e o RCM podem substituir o milho como fonte energética na alimentação de frangos do tipo caipira, em sistema de criação semi-intensivo, sem prejudicar o desempenho e o desenvolvimento das aves. Assim, o objetivo do trabalho foi determinar o valor energético do milho, do FRIM e do RCM e avaliar níveis de inclusão do FRIM em rações de frangos de corte tipo caipira, sobre o desempenho, rendimento de carcaça, de cortes e propriedades funcionais da carne. Foram conduzidos três ensaios de digestibilidade para determinar os coeficientes de metabolização e as energias metabolizável aparente e aparente corrigida do milho, do FRIM e do RCM com aves de crescimento lento nas fases inicial, de crescimento e final, utilizando a metodologia de coleta total de excreta e um outro experimento, compreendendo todo o período de criação para verificar o efeito dos percentuais de inclusão do FRIM em 0, 20, 40 e 60% da ração total sobre os parâmetros de desempenho, de rendimento de carcaça, e de cortes, e avaliando também as modificações causadas nas propriedades funcionais da carne (ph, capacidade de retenção de água (CRA) e perda de água por cozimento (PPC)), as quais influenciam diretamente na qualidade da carne. Foi observado que nas fases de crescimento e de engorda a EMA e a EMAn do milho e do FRIM foram maiores do que as determinadas para o RCM, provavelmente devido aos maiores CMEB obtidos para os primeiros alimentos nas mesmas idades. Os valores de EMA e EMAn do milho em kcal/kg, determinados com frangos de corte de crescimento lento, nas fases inicial, de crescimento e engorda são: e 1.808; e 3.319; e 3.213, respectivamente. Os valores de EMA e EMAn do FRIM em kcal/kg, determinados com

13 x frangos de corte de crescimento lento, nas fases inicial, de crescimento e engorda são: e 1.796; e 3.342; e 3.234, respectivamente. Os valores de EMA e EMAn do RCM em kcal/kg, determinados com frangos de corte de crescimento lento, nas fases inicial, de crescimento e engorda são: e 1.626; e 1.995; e 1.995, respectivamente. Em relação ao desempenho das aves, verificou-se que peso corporal final (PF) e ganho de peso (GP) apresentaram diferenças significativas somente na fase inicial de criação, ocorrendo um efeito linear à medida que se aumentou o nível de inclusão de FRIM na ração dos frangos de corte tipo caipira, permitindo dizer que o FRIM pode ser utilizado nas dietas de frangos de corte tipo caipira na proporção de 60 % da ração total sem prejudicar o desempenho das aves. Além disso, os valores para ph, CRA e PPC não foram influenciados pelos níveis de inclusão de FRIM nas dietas. Foi verificado que os escores para cor de pele de peito e para cor de pele de canela reduziram linearmente à medida que aumentou a proporção de inclusão de FRIM nas dietas. Portanto, o FRIM pode ser incluído nas dietas de frangos tipo caipira na proporção de 60%, sem prejudicar os rendimentos de carcaça e de cortes e as propriedades funcionais da carne. No entanto promove descoloração das peles das pernas e do peito. Palavras-chave: desempenho, digestibilidade, pescoço pelado, qualidade da carne, rendimento de carcaça, valor energético

14 xi CASSAVA ROOT MEAL AS AN ALTERNATIVE TO CORN IN THE FEEDING OF FREE-RANGE BROILER CHICKENS Abstract The large scientific and technological advances occurred in recent decades, in different sectors of agricultural activities, mainly in poultry industry, has generated enormous suspect among consumers because they believe that the birds are feeding with products that can damage the health of the human. Note that the demand for food with the best attributes of quality and differentiated have increased in recent years and the rearing of free-range broiler chickens is an alternative to supply the need for the plot. Nevertheless, the ration of free-range broiler chickens represent approximately 70% of production costs. One way to reduce the cost of food on poultry would be the use of alternative products, for example, by-products of cassava as the cassava root meal (CRM) and cassava crop waste (CCW). The CRM and CCW can replace corn as a source of energy in feeding free-range broiler chickens, without bad the performance and development of birds. Thus, the aim of this work was to determine the energy value of corn, CRM and CCW and evaluate CRM levels in feed for free-range broiler chickens, on the performance, yield of carcass, parts and functional properties of the meat. Three assessment of digestibility were conducted to determine of coefficients of metabolization and apparent metabolizable energy and apparent metabolizable energy corrected for nitrogen of CRM and CCW with slower-growing broilers the initial phase, growth and fattening, using the methodology of collecting total of excreta. And another experiment, including the whole period of creation to see the effect of the percentage of inclusion of CRM at 0, 20, 40 and 60% of the total ration on the parameters of performance, yield of carcass, parts, evaluating also the changes caused in the functional properties of the meat (ph, water holding capacity (WHC) and cooking loss (CL)), which directly affect the quality of the meat. It was observed that in the phases of growth and fattening the AME and AMEn maize and CRM were higher than those determined for the CCW, probably due to increased CMCE obtained for the first food in the same ages. The values of AME and AMEn of maize in kcal/kg, determinated with slower-growing broilers, in the initial phases, of growth and fattening are: 1.867, 1.808; 3.404, 3.319; and 3.213, respectively. The values of AME and AMEn of CRM in kcal/kg, determinated with slower-growing broilers, in the initial phases, of growth and fattening are: 1.854, 1.796; 3.411, 3.342; and 3.234, respectively. The values of AME and AMEn of CCW in kcal/kg, determinated with slowergrowing broilers, in the initial phases, of growth and fattening are: 1.753, 1.626, 1.415, 1.995,

15 xii and 1.995, respectively. On the performance of the birds, it was found that body weight final (BW) and weight gain (WG) had significant differences only in the initial phase of creation, occurring an effect linear as they increased the level of inclusion of CRM in ration of free-range broiler chickens, allowing say that the CRM can be used in the diets of free-range broiler chickens in the proportion of 60% of the total ration without poorly the performance of the birds. Furthermore, the levels of inclusion of CRM in diets did not influence the values for ph, WHC and CL. It was found that the scores for skin color of breast and skin color of shank decreased linearly as we increased the proportion of inclusion of CRM in diets. So the FRIM can be included in the diets of free range broiler chickens in the proportion of 60%, without prejudice yield of carcass and cuts and functional properties of the meat. However promotes discoloration of the skin of the legs and breast. Key words: digestibility, energetic value, meat quality, naked neck, performance, yield of carcass

16 INTRODUÇÃO Devido aos grandes avanços científicos e tecnológicos ocorridos nas últimas décadas, nos mais diversos setores das atividades agropecuárias, a avicultura de corte industrial vem sofrendo um processo de transformação muito intenso, decorrente basicamente dos avanços da genética e nutrição das aves. Entretanto, a alta velocidade de ganho de peso e a baixa conversão alimentar tem gerado enorme desconfiança entre os consumidores, principalmente aqueles mais tradicionais, que acreditam ser estas aves criadas com produtos que possam prejudicar a saúde do ser humano. Esse consumidor passou a se interessar por questões como bem estar animal, higiene, conservação, apresentação e valor nutricional, preferindo produtos obtidos de criações em que se adotam técnicas de manejo para que as aves tenham livre acesso a piquetes e não sofram as condições estressantes daquelas criadas em alta densidade populacional, apresentando um crescimento consideravelmente rápido. Diante disso, a procura por alimentos com maiores atributos de qualidade e diferenciados tem aumentado e a criação de frangos de corte do tipo caipira tornou-se uma alternativa para suprir a necessidade dessa parcela de consumidores. Devido o sistema permitir a utilização de instalações mais simples e, conseqüentemente, apresentar menor custo de implantação, a criação de frangos de corte tipo caipira pode ser uma exploração ideal para pequenos e médios produtores. Entretanto, as rações para as aves caipiras, assim como das industriais, representam aproximadamente 70% dos custos de produção, fazendo com que o frango abatido ou o produto final, chegue ao consumidor com um preço elevado. Uma forma de reduzir os custos da alimentação na avicultura seria a utilização de ingredientes alternativos, como por exemplo, a mandioca. Considerando que o estado de Mato Grosso do Sul está entre os dez maiores produtores de mandioca e de seus derivados no Brasil, os subprodutos de mandioca podem ser uma alternativa viável e menos onerosa para compor as dietas dos frangos caipiras sem prejudicar o desempenho e o desenvolvimento das aves.

17 2 Além disso, a mandiocultura sofre os efeitos da falta de planejamento de produção, com reflexos significativos no rendimento financeiro de pequenos e médios produtores rurais, principais responsáveis pela produção do estado, que ficam dependentes da indústria. Assim, a alimentação de frangos de corte tipo caipira com rações que contenham, por exemplo, farelo da raiz integral de mandioca possibilita agregar valor à cultura da mandioca, transformando-a em proteína animal de alta qualidade, permitindo que os produtores permaneçam na propriedade com tranqüilidade e dignidade. 1 Frangos de Corte do Tipo Caipira Nos últimos anos, tem-se aumentado a demanda por alimentos de origem animal com maiores atributos de qualidade, principalmente, em relação a produtos avícolas em que as discussões sobre segurança do alimento se aprofundam no nível das conseqüências do uso de antibióticos promotores de crescimento sobre a saúde humana, e isso tem influenciado o sistema de criação comercial de frangos de corte. Uma alternativa para satisfazer essa procura é a criação de frangos de crescimento lento no sistema semi-intensivo ou caipira onde a ração fornecida às aves não é constituída de produtos de origem animal nem de antibióticos. Além disso, têm-se rotulado que os frangos criados nesse sistema apresentam melhores características sensoriais, como a textura, quando comparados às aves criadas no sistema intensivo ou de criação comercial (FARMER et al., 1997). A criação alternativa de frangos de corte do tipo caipira representa pouco mais de 1% do mercado avícola do Brasil e a atividade no país vem crescendo desde a década de 90. No entanto, seu crescimento ainda não acompanha o potencial do mercado consumidor que é cada vez mais exigente em alimentos saudáveis e de qualidade (BUNGE, 2007). O crescimento desta atividade deve-se ao maior interesse do consumidor pela qualidade dos alimentos em suas dietas e pelo consumo de carne de frango com sabor diferenciado e menor teor de gordura na carcaça (CARRIJO et al., 2002). Na França, a gama de produtos naturais, obtida a partir de conceitos ecologicamente corretos, abrange mais de 20% de um segmento que surgiu inicialmente com o objetivo de suprir a demanda por produtos considerados básicos para uma vida mais saudável (AVICULTURA, 2007). Em conseqüência dessa tendência dos consumidores e do interesse de produtores em atender a demanda existente por carne de frango do tipo caipira, o Ministério da Agricultura,

18 3 através da Divisão de Operações Industriais DOI, do DIPOA resolveu normatizar a produção e comercialização do Frango Caipira ou Frango Colonial, também denominado Frango Tipo ou Estilo Caipira ou Tipo ou Estilo Colonial, através do Ofício Circular DOI/DIPOA N. 007/99, de 19/05/1999 (BRASIL, 1999). O sistema de criação do frango tipo caipira ou colonial é um pouco diferente daquele utilizado nas explorações industriais. Algumas adaptações são possíveis, tendo em vista a grande rusticidade e resistência dos frangos em relação às linhagens comerciais. As aves são criadas em galpões até os 25 dias de idade, posteriormente são soltas ao campo, em criação extensiva, onde é recomendada a utilização de três metros quadrados de pasto por ave, no entanto, há o fornecimento de uma alimentação concentrada, constituída por ingredientes exclusivamente de origem vegetal e livre de promotores de crescimento de qualquer tipo ou natureza, até a idade de abate a qual é, no mínimo, de 85 dias (BRASIL, 1999). Apesar do exercício contínuo, o desempenho dos frangos de corte do tipo colonial não é afetado pelo acesso ao piquete (TAKAHASHI et al., 2006). As aves destinadas ao sistema semi-intensivo podem ser de raças ou linhagens que apresentam um baixo potencial genético de crescimento, alta rusticidade e boa adaptabilidade à criação (ZANUSSO & DIONELLO, 2003). Dentre as principais aves utilizadas em criação alternativa no Brasil, tem-se o frango Colonial 041 do Centro Nacional de Pesquisa em Suínos e Aves da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA CNPSA), o Caipirinha da ESALQ (USP), o Paraíso Pedrês (Fazenda Aves do Paraíso), o frango Carijó e algumas linhagens de pescoço pelado. O Paraíso Pedrês é a linhagem que apresenta os melhores resultados de desempenho e rendimento (TAKAHASHI et al., 2006), porém as linhagens de pescoço pelado são as mais utilizadas em função de sua maior adaptabilidade ao clima tropical, e por fazer referência ao tipo de produção avícola francês o qual é o mais desenvolvido nesse aspecto (ZANUSSO & DIONELLO, 2003). 2 Uso da Mandioca (Manihot esculenta Crantz) na Alimentação Animal A mandioca cultivada (Manihot esculenta Crantz) é uma planta da família das euforbiáceas, constituindo uma das poucas espécies do gênero Manihot que é utilizada para alimentação humana e animal, possuindo a dupla capacidade fisiológica de sintetizar amido nas folhas e armazená-lo nos tecidos de reserva (OTSUBO & PEZARICO, 2002).

19 4 A Nigéria é o maior produtor de mandioca do mundo, em segundo lugar está o Brasil (GARCIA & DALE, 1999), produzindo anualmente mais de 23 milhões de toneladas, sendo que a Região Centro-Sul, onde estão os Estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, contribui com 23% da produção (OTSUBO & LORENZI, 2004). O rendimento médio brasileiro é de aproximadamente 13,3 T/ha, sendo que os três principais estados produtores têm produtividade média superior a 22 T/ha, além disso, a produção de mandioca no Mato Grosso do Sul tem aumentado nos últimos 20 anos, mesmo ficando concentrada em pequenas e médias propriedades (OTSUBO & LORENZI, 2003). A mandioca apresenta-se como um arbusto de 2 a 3m de altura, de cor verde arroxeada cujas folhas são longas, possuindo de 3 a 7 lóbulos, constituída de raiz tuberosa, comprida e espessa a qual é de alto valor como alimento quando seca ou cozida (DALLAQUA & CORAL, 2002). A Manihot esculenta Crantz cv. IAC 576 é o material mais cultivado em Mato Grosso do Sul devido à boa adaptabilidade às condições edafoclimáticas da região (SEBRAE, 2007). A cultivar IAC 576 apresenta raízes tuberosas uniformes, cuja polpa crua é de cor creme, superficiais (facilita a colheita), película marrom e de formato cilíndrico, e ainda tem média resistência à bacteriose e ao superalongamento que são as principais doenças observadas em Mato Grosso do Sul (OTSUBO et al., 2003). No entanto, uma das características das plantas de mandioca é a presença de um glicosídeo, a linamarina, potencialmente hidrolisável que libera cianeto (CAGNON et al., 2002). Quando o tecido é dilacerado a linamarina é hidrolisada enzimaticamente por β- glicosidases, das quais se destaca a linamarase, iniciando-se a cianogênese, havendo, portanto, a produção de glicose e α-hidroxinitrilas que se dissociam espontaneamente em phs maiores de 5,0, ou por ação da hidroxinitrila liase (HNL), formando ácido cianídrico (HCN) e as cetonas correspondentes, conforme demonstrado na Figura 1 (PANTAROTO & CEREDA, 2001). No caso da mandioca, seu uso como alimento está sujeito a presença desses glicosídeos cianogênicos que são potencialmente tóxicos, mas que na maior parte são removidos com o processamento, como por exemplo, a desidratação das raízes à sombra (CAGNON et al., 2002), tanto que o farelo da raiz de mandioca possui potencial zero para o HCN (CEREDA, 2001).

20 5 Figura 1 - Cianogênese em mandioca a partir da linamarina Fonte: Pantarotto & Cereda, (2001) Na avicultura industrial, comercial ou caipira, que utiliza como base alimentar a ração concentrada, o custo da alimentação tem representado cerca de 70% do custo total da atividade (UBA, 2007). Embora o método semi-intensivo proporcione aos animais um local de pastejo onde as aves vão encontrar outras fontes de alimentação, é necessário o fornecimento de uma alimentação concentrada ad libitum em que é permitida a utilização de produtos alternativos como, por exemplo, a mandioca, diminuindo os custos da alimentação, sem perder a qualidade da mesma. As experiências mostram que a mandioca pode ser incluída na formulação de todos os animais domésticos. Para aves, esse produto pode ser utilizado como ingrediente de ração na forma de farelo da raiz integral de mandioca (FRIM) o qual é obtido pela desidratação das raízes trituradas com posterior moagem. Além disso, o processamento das raízes para a fabricação da farinha de mandioca e extração de fécula, gera partes da própria planta, como a cepa ou calcanhar, folhas e o caule, também chamado de rama ou maniva, que são abandonadas nas lavouras (CEREDA, 2001). Essas partes caracterizam o resíduo da cultura da mandioca (RCM) que, igualmente ao FRIM, pode ser utilizado na alimentação das aves. O uso da mandioca na alimentação animal não é uma prática recente, pois vários estudos foram realizados com o intuito de avaliar a substituição de cereais por subprodutos de mandioca em dietas de aves e os resultados variaram em relação aos valores alimentares, problemas nutricionais e desempenho produtivo (ENRIQUEZ & ROSS, 1967; GARCIA & DALE, 1999; CARRIJO et al., 2002). Entretanto, pouco se sabe sobre a utilização do resíduo da cultura da mandioca (RCM) na alimentação animal. Trabalhos publicados em relação à utilização do farelo da raiz de mandioca em rações para frangos de corte relataram que a inclusão pode ser de até 30% sem prejudicar o

21 6 desempenho das aves (ENRIQUEZ & ROSS 1967; MONTILLA et al. 1970; ARMAS & CHICO, 1973). No entanto, frangos machos da linhagem comercial ISA S757-N, de pescoço pelado e crescimento lento, alimentados com rações contendo 55% de FRIM como fonte de energia, em substituição ao milho não apresentaram prejuízos no peso final, ganho de peso e conversão alimentar, desde que fosse incluída metionina na formulação da ração (CARRIJO et al., 2002). Contudo, a inclusão de 10% de um concentrado de mandioca nas dietas de frangos de corte já é suficiente para resultar em redução dos custos de produção sem prejudicar o desempenho e as características de carcaça das aves, além de possibilitar uma melhor eficiência alimentar (ERUVBETINE et al., 2003), demonstrando que a mandioca pode ser uma alternativa viável na criação de frangos de corte tipo caipira, agregando valor à cultura produzida em Mato Grosso do Sul. 3 Digestibilidade e Valor Energético A alimentação básica utilizada na avicultura é uma ração concentrada constituída principalmente de grãos os quais possuem altos teores de carboidratos. A função principal dos carboidratos é servir de fonte de energia nos processos metabólicos, sendo o amido o elemento energético mais importante para aves (VIEIRA, 2002). O milho é a principal fonte de energia utilizada na alimentação das aves de produção e como surgem novos caminhos de utilização para esse ingrediente, faz-se a necessidade de se avaliar alimentos alternativos para as formulações de rações (MICHELAN et al., 2007). A disponibilidade dos carboidratos para os animais depende de três fatores básicos: digestibilidade, absorção dos produtos finais da digestão e o metabolismo dos produtos da absorção, entretanto, a digestibilidade parece ser o fator que representa a maior contribuição na eficiência total de utilização, sendo diretamente relacionada com o tipo de alimento e suas características intrínsecas (VIEIRA, 2002). São vários os fatores que podem alterar a capacidade de digestão dos animais, entre eles, a quantidade de alimento consumido, distúrbios digestivos, deficiências de nutrientes, freqüência de fornecimento da dieta, tratamento a que foram submetidos os alimentos e efeitos da associação dos alimentos (CHURCH & POND, 1977), além da idade, espécie e linhagem dos animais (PENZ JÚNIOR et al., 1999).

22 7 Figura 2 Composição da fibra do farelo de mandioca Fonte: Leonel, (2001) A mandioca (Manihot esculenta Crantz) está entre as raízes mais produtivas em termos de matéria seca e de produção de energia por unidade de área, sendo uma das culturas tropicais com melhor potencial para a produção de carboidratos (SCOTT et al., 1969). É considerada um alimento energético, sendo o amido o seu principal componente, porém os teores de proteína e aminoácidos são muito baixos. Comparativamente ao milho, a mandioca possui maior teor de amido, 75% (LEONEL, 2001), porém o uso na ração é dependente da finalidade de utilização, devido aos variados teores de compostos fibrosos (VIEIRA, 2002). O farelo de mandioca, forma do ingrediente como é utilizado nas dietas de frangos de corte, apresenta-se como um material rico em fibras insolúveis em água, sendo a fração hemicelulose a mais significativa (Figura 2), as quais aceleram o trânsito intestinal, aumentam o peso das excretas, desaceleram a hidrólise do amido e retardam a absorção da glicose (LEONEL, 2001), podendo reduzir o valor nutricional e, conseqüentemente, o aproveitamento da energia do farelo (VIEIRA, 2002). Essas fibras insolúveis também denominadas de polissacarídeos não-amiláceos (PNA's) (LESSON & SUMMERS, 2001) representam 3,1% dos carboidratos da mandioca dos quais 1,7% são de açúcares não redutores (1,7% de sacarose e 0,01% rafinose) (CEREDA, 2001). Os PNA's, não sendo digeridos pelas aves, interferem na absorção intestinal dos lipídeos, reduzindo a deposição de gordura abdominal e diminuem a digestibilidade de diversos nutrientes, produzindo menor eficiência da dieta e menor ganho diário (FONSECA et al., 2000). Além disso, nas formulações das rações, utilizam-se valores energéticos dos alimentos tabelados que foram obtidos de experimentos realizados somente com frangos de corte de crescimento rápido e em apenas uma fase de criação. As aves utilizadas para os ensaios de

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Características da Carne de Frango

Características da Carne de Frango Características da Carne de Frango Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 ARTIGO NU MERO 187 EFEITOS DA DENSIDADE DE ALOJAMENTO SOBRE A PRODUÇA O DE FRANGOS DE CORTE Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG Mário Ozeas Sampaio dos Santos Filho 1, Josefino de Freitas Fialho 1, Eduardo Alano Vieira 1, Marilia Santos Silva 1, Silvana Vieira de Paula-Moraes

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do farelo de soja por suínos Ferdinando N. Almeida e Hans H. Stein Department of Animal Sciences, University of Illinois, EUA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA João Paulo Silva Paes 1, Henrique Jorge de Freitas 2, Marcelo Bastos Cordeiro 3 1. Graduando do Curso de Medicina

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO

MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO 1. Introdução DE FRANGOS CAIPIRAS Gregori Alberto Rovadoscki¹ Johanna Ramirez-Díaz¹ Tiago Almeida de Oliveira² Rachel Santos Bueno³ Antonio Augusto

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo Elvania Maria da Silva Costa 1, Agustinho Valente de Figueirêdo

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica 140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica SIGNOR, Arcângelo Augusto. UEM, angelo_signor@gmail.com; CORRÊIA, Arlindo

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Manejo pré-abate de aves

Manejo pré-abate de aves Jejum Alimentar Manejo pré-abate de aves Reduz a taxa de mortalidade e evita vômito durante o transporte. Segurança alimentar: previne a liberação e a disseminação de contaminação bacterina pelas fezes

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião A. Borges et al. 89 Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião Aparecido Borges (Doutor) Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA.

CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA. CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA. Rodolpho César dos Reis Tinini, Silvia Renata Machado Coelho (Orientador/UNIOESTE), Victor Hugo Monteiro,

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU)

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JULHO DE 2005 ISSN 1679-7353 ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Desenvolvimento e Avaliação Sensorial de Produtos Alimentícios Elaborados com Farinha de Puba em Substituição a Farinha de Trigo

Desenvolvimento e Avaliação Sensorial de Produtos Alimentícios Elaborados com Farinha de Puba em Substituição a Farinha de Trigo Desenvolvimento e Avaliação Sensorial de Produtos Alimentícios Elaborados com Farinha de Puba em Substituição a Farinha de Trigo Nayara Lizandra LEAL 1; Romilda A,B,M, ARAUJO 2. 1 Estudante de Tecnologia

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1.

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. Mauto de Souza DINIZ 2 ; Arlene Maria Gomes OLIVEIRA 2 ; Nelson Luz PEREIRA 3 ; Jackson Lopes de OLIVEIRA 4 RESUMO:

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Avaliação do desempenho e do rendimento de carcaça de quatro linhagens de frangos de corte em dois sistemas de criação

Avaliação do desempenho e do rendimento de carcaça de quatro linhagens de frangos de corte em dois sistemas de criação Revista Brasileira de Zootecnia 2010 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Avaliação do desempenho e do rendimento de carcaça de quatro linhagens de frangos de corte em dois sistemas

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE RAÍZES DE MANDIOCA NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA Douglas Gonçalves GUIMARÃES 1 ; Welber Freire MUNIZ 2 ; Eduardo de Souza MOREIRA 2 ; Anselmo Eloy Silveira VIANA 3 ; Carlos Estevão

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras

Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras CADERNO DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras CATEGORIA: ATER E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (a. sistemas

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Treinamento RLM Corte Campo Grande MS

Treinamento RLM Corte Campo Grande MS Treinamento RLM Corte Campo Grande MS Data: 12 e 13 de novembro de 2015 Patrocínio Apoio Introdução Desenvolvido na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ, USP, Piracicaba, este software

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A Tecnologia de Alimentos (T.A.) é das mais novas especialidades da necessidade da obtenção de mais fartas e constantes fontes alimentares. FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte

Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte Energia metabolizável e formulação de ração para frangos de corte 107 Energia metabolizável de alimentos na formulação de ração para frangos de corte Ednardo Rodrigues Freitas (1), Nilva Kazue Sakomura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária CÂMPUS DE JABOTIBAL RELATÓRIO TÉCNICO I IDENTIFIÇÃO DO PROJETO A Título: Avaliação do desempenho de suínos suplementados com DBI Probiótico, fabricado por IMEVE Indústria de Medicamentos Veterinários Ltda,

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Como produzir suínos sem milho?

Como produzir suínos sem milho? Página 1 de 8 Como produzir suínos sem milho? Curtir Cadastre-se para ver do que seus amigos gostam. Luiz Fernando Teixeira Albino Professor Titular DZO/UFV Viçosa, MG Fernando de Castro Tavernari Pesquisador

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Integração de aves com lavouras na transição agroecológica da agricultura familiar: relato de experiência em Jaguaré, Espírito Santo Resumo:

Integração de aves com lavouras na transição agroecológica da agricultura familiar: relato de experiência em Jaguaré, Espírito Santo Resumo: Integração de aves com lavouras na transição agroecológica da agricultura familiar: relato de experiência em Jaguaré, Espírito Santo Integrating poultry and crops during the transition to agroecological

Leia mais

Avaliação de Equações de Predição de Exigências Energéticas na Alimentação de Frangas de Postura 1

Avaliação de Equações de Predição de Exigências Energéticas na Alimentação de Frangas de Postura 1 Avaliação de Equações de Predição de Exigências Energéticas na Alimentação de Frangas de Postura 1 Nilva Kazue Sakomura 2, Mônica Reis Bittencourt Benatti 3, Roberta Basaglia 3, Rafael Neme 3, Flávio Alves

Leia mais

Ajuste de modelos não lineares em linhagem de frango caipira

Ajuste de modelos não lineares em linhagem de frango caipira Ajuste de modelos não lineares em linhagem de frango caipira Gregori Alberto Rovadoscki 1 Fabiane de Lima Silva 1 Fábio Pértille 1 Renato Alves Prioli 1 Vicente José Maria Savino 2 Antônio Augusto Domingos

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira

Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira IV Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 454 Pesos e Rendimentos dos Cortes Comerciais de Cordeiros Alimentados com Níveis Crescentes de Manipueira Erick Yanomami

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS 65 Efeitos de diferentes níveis de resíduo de pré-limpeza de soja (G. Max) sobre o...] 2004 (E) Silvio de Paula Mello, Andréa Bueno, Marcelo Garcia Macedo EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Felipe Azevedo Ribeiro

Felipe Azevedo Ribeiro Implicações para Autenticação Isotópica da Carne Felipe Azevedo Ribeiro Engenheiro Agrônomo (UFSCar) Mestrando em Zootecnia (UNESP) Setembro de 2013 Importância da pecuária no Brasil Maior rebanho comercial

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Apoio: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Restinga Sêca 23 a 25 de fevereiro de 2012 ASPECTOS NUTRICIONAIS DE PRODUTOS DERIVADOS DO ARROZ Informações

Leia mais