Silvio Carvalho Neto 1. Alba Valéria Penteado 2. Noemia Lopes Toledo 3 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Silvio Carvalho Neto 1. Alba Valéria Penteado 2. Noemia Lopes Toledo 3 RESUMO"

Transcrição

1 Uso de Redes Sociais no Ensino Superior: Relato de uma Experiência de Utilização das Redes Sociais para aproximação do Jovem Universitário em uma IES Paulista Silvio Carvalho Neto 1 Alba Valéria Penteado 2 Noemia Lopes Toledo 3 RESUMO Redes sociais na internet são sistemas de informação baseados no protocolo web compostos por um conjunto de pessoas ou organizações que se unem em torno de ideias e recursos com interesses e valores compartilhados. Elas têm se apresentado como uma real tendência para complemento do processo de ensino e aprendizagem, além de serem um meio fundamental para acompanhar a nova geração de estudantes e ampliar a comunicação entre instituição, docentes e discentes. O objetivo deste artigo é apresentar um relato sobre um caso de utilização de redes sociais online em uma instituição de ensino superior localizada no interior do Estado de São Paulo. Por meio de pesquisa exploratória, bibliográfica e por meio de entrevistas qualitativas informais, o texto apresenta uma descrição da experiência da IES na utilização das redes sociais, especialmente com vistas à aproximação da IES do jovem universitário. Também são apresentadas a definição de redes social web e uma breve discussão sobre sua importância para o processo educacional. Por fim são relatadas as ações e os resultados iniciais que a IES obteve com a utilização de redes sociais online. PALAVRAS-CHAVE Redes Sociais Ensino Superior - IES 1 Coordenador de Pós-Graduação e Professor do PPGDR do Centro Universitário de Franca Uni-FACEF 2 Assessora de Comunicação e discente do PPGDR do Centro Universitário de Franca Uni-FACEF 3 Oficial de Tecnologia da Informação e discente do PPGDR do Centro Universitário de Franca Uni-FACEF 1

2 INTRODUÇÃO As redes sociais disponibilizadas na web vêm sendo apontadas como uma tendência para complementar as ações empresariais, seja em qualquer campo de negócios. O campo educacional, que tem a informação como bem primordial, pode usufruir das redes sociais de diversas maneiras, seja no marketing, no campo de relacionamento com a comunidade, mas principalmente, no âmbito de processo de ensino e aprendizagem. Atualmente, possuir um perfil em uma rede social online se tornou uma importante atitude de busca e compartilhamento de informação, não só para as pessoas em geral, mas também para organizações. Por meio das redes sociais, as instituições podem acompanhar a nova geração de estudantes. Ampliar a comunicação e fazer parte do processo de mudança intercomunicacional devem ser objetivos primordiais para as instituições de ensino superior, que devem considerar as redes sociais não mais como uma tendência, mas sim, como uma convergência natural do processo de comunicação. O propósito deste trabalho é o de apresentar um relato sobre um caso de utilização de redes sociais online em uma instituição de ensino superior localizada no interior do estado de São Paulo. Para tanto apresenta um descrição da recente experiência desta IES na utilização das redes sociais, especialmente com vistas à aproximação da IES do jovem universitário, que já utiliza amplamente este tipo de tecnologia fora dos limites da instituição. Procura-se ainda neste trabalho apresentar uma definição das redes sociais web e de sua importância para o processo educacional. Acredita-se que este trabalho é importante, pois é relevante discutir as experiências dos diversos tipos de instituições em termos de utilização das redes sociais. A instituição em estudo é uma autarquia municipal, de caráter público, que não recebe auxílio financeiro da prefeitura e, portanto, cobra mensalidade do corpo discente. Com as amarras burocráticas de uma instituição pública, e a competição enérgica com o setor privado, a IES tem que, com poucos recursos, conhecer seu corpo discente para manter e fomentar a qualidade no processo educacional. REDES SOCIAIS WEB Uma das diversas definições de redes é a de um sistema de nódulos e ligações interligados e excluídos de fronteiras. Pela derivação do conceito, a rede social representa um conjunto de pessoas que unem ideias e recursos em torno de interesses e valores compartilhados [1]. No senso comum, uma rede social é uma estrutura composta por duas ou mais pessoas e/ou organizações que são ligadas em torno de propósitos comuns. As características principais das redes sociais envolvem a horizontalidade, a ausência de hierarquia, a descentralização, a autogeração de seu design e à sua abertura. Ultimamente, o avanço dos sistemas de informação baseados na plataforma web (web based systems) fomentou o uso da internet em vários setores da economia. Tal avanço culminou no surgimento de redes sociais web (RCW), comumente denominadas de redes sociais online. As RCW são sistemas de informação que conectam pessoas e organizações em torno de comunidades online. Elas normalmente estão relacionadas às redes de relacionamento interpessoal, comunitárias, educacionais, profissionais, dentre outras. Este tipo de rede tem adquirido alta relevância na sociedade moderna, especialmente no tocante à comunicação interpessoal e pelo compartilhamento e disseminação de informações e conhecimento. O papel fundamental da RCW no cenário organizacional moderno se deve principalmente às ações realizadas por empresas e corporações para divulgar seus negócios, fidelizar e conquistar clientes. Em um primeiro momento de comunicação empresarial feita essencialmente por meio de blogs e páginas estáticas na internet, as redes sociais ampliaram o espectro de comunicação, permitindo que os empreendedores pudessem se comunicar diretamente com seus consumidores. Muitas empresas, inclusive pequenas e médias, estão descobrindo que é possível utilizar as ferramentas interativas disponíveis na web para conhecer melhor seu cliente, seus concorrentes, ou mesmo para o desenvolvimento e testes de novos produtos. As RSW são importante mecanismo do Marketing de Relacionamento, especialmente na relação pós venda e de sistema de atendimento ao cliente/usuário. O uso da RCW no relacionamento com o público alvo da organização tem como propósito principal estimular a lealdade à marca através da humanização do contato IMPORTÂNCIA DAS RSW PARA O SETOR EDUCACIONAL A evolução de tecnologias de desenvolvimento para sistemas de informação baseados na web permitiu uma mudança em torno da visão das aplicações estáticas na web para o paradigma de serviços colaborativos na web. Tal paradigma culminou com o surgimento de um termo comercial chamado Web 2.0 [2]. Este termo foi empregado para identificar uma mudança de paradigma, embora existam críticas em relação ao seu conceito, pelo fato de ele não expressar de fato nenhuma mudança tecnológica significativa [3]. A web passou a ser vista como uma plataforma de serviços com o aproveitamento da inteligência coletiva, com cooperação e colaboração, por meio de ferramentas como wikis, blogs e demais espaços de construção de conteúdo interativo. Os bancos de dados começam a ser parte fundamental dos sistemas, uma vez que os softwares passam a ser vistos como serviços, não como produtos. Isto inclui não apenas a aparência dos sites, mas sim os métodos de interação, os estilos de desenvolvimento e as fontes de conteúdo. O conteúdo dinâmico é uma importante força das redes sociais. As informações podem ser acessadas a partir de múltiplas fontes em tempo real e agrupadas em uma única página web [4]. Outro conceito fundamental das redes sociais para a educação, cerne da Web 2.0 é o de compartilhamento de informações feito por usuários geradores de conteúdo. A educação pode se tornar potencializadas por ferramentas de compartilhamento e criação colaborativa de informações, como por exemplo, o wiki, um conjunto de documentos web que, a princípio, se parece com páginas web padrão, mas que são possíveis de serem editadas por qualquer usuário. O estudante então passa a ser gerador ativo de conteúdo, 2

3 conceito denominado Computer Supported Collaborative Work (CSCW). Como confirma Craig [5], o efeito natural das novas aplicações web aplicadas à educação, é uma mudança radical de paradigma de como a web é vista no processo educativo. Schons e Ribeiro [6] sustentam que os conceitos de compartilhamento e criação coletiva de conteúdo são potencializadores para o processo de aprendizado virtual por meio da internet, pois na medida em que a capacidade de interação torna-se seu principal atributo, as ferramentas da Web 2.0 possibilitam ofertar ao ensino um novo olhar com ênfase no conhecimento coletivo. De acordo com Patrício e Gonçalves [7], as tecnologias de redes sociais no conceito da Web 2.0 estão cada vez mais fazendo parte do dia-a-dia dos alunos e os professores procuram acompanhá-los utilizando tecnologias e ferramentas Web em atividades de interação. Segundo eles, redes sociais como o Facebook, estão sendo utilizadas em todo o mundo como espaço de encontro, partilha, interação e discussão de ideias e temas de interesse comum. Desta forma, as redes sociais possibilitam diversas oportunidades para a criação de um ambiente de aprendizagem efetivo, eficaz e envolvente. Ferreira [8] confirma a importância das RSW para o setor educacional ao mencionar que os avanços na capacidade de armazenamento e na velocidade de processamento dos computadores têm favorecido de forma crescente a inserção das diversas mídias, de forma integrada, nas mais variadas aplicações, dentre elas, destaca-se que as redes sociais online têm obtido papel de destaque em relação ao uso por parte do corpo discente. Como afirma Araújo [9], o que garante a eficácia e o ganho no processo educacional por meio da utilização das redes sociais no processo de ensino aprendizagem é o fato de que estas já fazem parte do cotidiano de boa parte dos alunos e são utilizadas por estes em outros momentos, ou seja, a utilização das redes sociais na educação é algo que, pela familiaridade e identificação que a geração net apresenta em relação as mesmas, pode viabilizar uma melhora no rendimento dos mesmos em relação à aprendizagem. Como destacam Machado e Tijiboy [10], as redes sociais tem papel importante no processo educativo pois podem contribuir para a mobilização dos saberes, o reconhecimento das diferentes identidades e a articulação dos pensamentos que compõem a coletividade. As redes sociais têm a capacidade de criar uma relação forte extra sala de aula. Como confirmam Melo e Vieira [11] o que move a nova teia de relações integrantes da educação fora dos limites temporais e físicos da sala de aula tradicional é o fortalecimento do capital social, formado a partir das conexões e interações realizadas em rede. CASO DE UTILIZAÇÃO DE RSW EM UMA IES PAULISTA O uso das redes sociais é fundamental para a educação, especialmente no âmbito do ensino superior, que trata de um público já maduro (ou em amadurecimento) e que forma profissionais para o mercado de trabalho e futuros pesquisadores, mestres e doutores que irão formar a base do processo educacional no futuro. Desta forma, é crucial entender como estas novas tecnologias, especialmente as RSW, afetam as instituições de ensino superior. Procura-se, a seguir, apresentar um caso de utilização das redes sociais em uma IES localizada em uma cidade de médio porte, do interior do estado de São Paulo. Em um primeiro momento é feita uma caracterização da IES e apresentação das ações que envolvem as RSW nesta instituição, para depois serem apresentados os principais resultados destas ações. Caracterização e Ações que Envolvem as RSW na IES A IES objeto do estudo é um Centro Universitário Municipal, localizado na cidade de Franca-SP, denominado no presente artigo de UniAlpha. Esta IES atua na área de ciências sociais aplicadas. Possui, atualmente, cerca de dois mil estudantes na graduação e trezentos em cursos de pós-graduação. Os cursos de graduação e pós-graduação oferecidos pela IES são presenciais, sendo que não são oferecidos cursos à distância ou semipresenciais, nem tampouco, são oferecidas disciplinas isolada à distância. A partir de 2007, a IES se mobilizou para viabilizar a implantação de um AVA que funcionasse como infraestrutura para projetos de EAD. Foi definido um grupo de trabalho interdisciplinar composto por docentes e oficiais de tecnologia da informação que remodelou o site da IES e estudou alternativas de implantação de sistemas de informação educacionais que funcionassem como apoio ao ensino presencial. Foi escolhido para implantação o ambiente Moodle, (Modular Object Oriented Development of Learning Environment), baseado em código aberto que se caracteriza por ter funcionalidades de uma comunidade virtual de ensino e aprendizagem suportada pela tecnologia internet. A implantação do Moodle teve como premissa a criação de comunidades em torno das disciplinas e deveria funcionar principalmente como apoio ao ensino presencial. O ambiente implantado permitiu a disponibilização de uma série de funcionalidades, como a divulgação do aluno de suas informações pessoais, participação de comunidades e disciplinas, obtenção de arquivos de aula, participação de fóruns e chats, além da possibilidade de um contato próximo com o conteúdo didático discutido em sala de aula. Seu acesso ocorre pela página inicial do site da IES. O Ambiente Virtual de Aprendizagem está disponível no Uni-FACEF para todos os cursos de graduação, de pósgraduação lato e stricto sensu, e também está disponível para comunidades que queiram formar grupos de pesquisa. Por ser modular, cada disciplina tem sua própria área de acesso e o docente tem disponível recursos e atividades que complementam o ensino dado presencialmente. Os principais recursos em torno das comunidades virtuais criadas pelo AVA foram: disponibilização de arquivos de diversos tipos (texto, planilhas, slides, imagens, sons, vídeos, etc), disponibilização de textos para aulas e páginas web, links para outros sites, lista e diretório de arquivos e textos informativos organizadores de conteúdo. Foram oferecidas ainda diversas atividades de interação e comunicação, tanto síncrona quanto assíncrona. As atividades disponíveis são basicamente os fóruns, chats, glossários, questionários, tarefas para entrega de atividades (carregamento de arquivos, texto único ou atividades online), blogs e wikis. 3

4 A implantação do ambiente virtual de aprendizagem foi um primeiro estágio do processo de tentativa da IES de se inserir no meio virtual, por meio de comunidades acadêmicas e de aprendizagem, com a colaboração e comunicação entre docentes e discentes. Mais recentemente, o avanço das RSW, fez com que o corpo administrativo da IES, procurasse também o desenvolvimento de canais de comunicação nessas áreas. O primeiro passo tomado foi a liberação do uso de redes sociais para todos os discentes e docentes da instituição. Em um primeiro momento, o acesso a estas redes não era permitido pelos discentes em seus laboratórios de informática e em sua rede wireless. Após discussão nas reuniões de reitoria, entre os chefes de departamento de cursos, nas reuniões do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, foi decidido que ficasse aberto à comunidade acadêmica o acesso às redes sociais online nas dependências das duas unidades da instituição e no campo de abrangência de sua rede sem fio. Em um segundo momento à IES começou a fomentar o uso das ferramentas de comunicação online, especialmente as redes sociais disponíveis e com mais utilização, para fazer a comunicação com o corpo discente. Foi contratado um profissional especialista em comunicação social, e com expertise em redes sociais, para exclusivamente tratar sobre a comunicação da IES com o corpo docente, discente e a comunidade em geral. Também foram incentivados os chefes de departamento para que começassem a atuar também nas redes sociais para acompanhar e ter uma relação mais próxima com os alunos também no meio virtual. A discussão da importância da atuação nas redes sociais começou a se fazer presente com mais frequência nas reuniões da reitoria, dos conselhos universitários e dos departamentos. Não houve incentivos formais, como bônus salarial ou plano de recompensas, para o uso dos de redes sociais pelos docentes, por parte do corpo administrativo da IES. Contudo, os docentes e chefes de departamento foram encorajados a atuar nestas plataformas, como forma de monitorar o feedback dos alunos e como incentivo às ações educacionais e também as de extraclasse. Paralelamente a este processo, a IES investiu na criação e disponibilização de perfis em algumas redes sociais. Foram escolhidas as redes sociais de mais utilização nos últimos anos, especialmente as redes Facebook, Twitter, LinkedIn e Youtube. Por meio dos perfis da IES criados nas redes Facebook, Twitter e LinkedIn, a IES disponibiliza informações sobre as mais diversas ações que a instituição realiza e deseja divulgar à comunidade. Além do mais, a IES iniciou uma campanha de mobilização institucional nas redes com o slogan EusouUniAlpha, incentivando os alunos a usarem a hashtag 4 no Twitter #EusouUniAlpha. Nestas redes, são disponibilizadas informações sobre eventos da instituição, sobre processos seletivos, vagas de estágio e empregos, programas de bolsas de estudo e intercâmbios internacionais, dentre outras. Estes perfis também foram disponibilizados com o caráter de manter aberto um canal direto de contato do corpo discente com a IES. Os alunos publicam e compartilham informações diversas sobre resultados de trabalhos, eventos relacionados ao curso, reclamações, sugestões, oportunidades de estágios, etc. Os departamentos de curso foram alertados (informalmente) para a importância de criarem perfis destinados à comunidade docente e discente pertencente ao respectivo curso. Algumas iniciativas isoladas ocorreram. Foi observada uma série de perfis criados por próprios alunos em torno de salas de aula, anos ou mesmo curso. A intenção era a de que os perfis do curso ficassem a cargo dos chefes de departamento. Apenas alguns cursos criaram seus próprios perfis. A RSW preferida para a criação de perfis dos cursos foi o Facebook. Algumas iniciativas de criação de comunidades em grupo também utilizaram a ferramenta do Google de criação de Grupos, o Google Groups e o Google+ (plus). Estas redes de cursos são utilizadas principalmente para a disponibilização de informações do curso, das disciplinas, troca de material de aula, troca de ideias a respeito do curso, troca de informações sobre eventos, congressos e viagens técnicas, troca de links com material informativo e últimas novidades a respeito do curso. Além das redes sociais citadas, a IES investiu na divulgação de suas ações por meio da rádio online e da TV online. Os programas são veiculados na Web Rádio no site, podendo se estender para o sistema interno de som e espera telefônica da IES. A web rádio implantada visou fortalecer a comunicação da instituição, estabelecendo uma conexão direta com qualquer pessoa que acesse a rádio pelo site, independente de sua localidade. Por se tratar de uma rádio na Web, pode contar também com a interatividade dos ouvintes com as redes sociais, Twitter, Facebook, estabelecendo uma comunicação direta, com participação de ouvintes, professores e alunos. Com uma programação segmentada a Web rádio acompanha as inovações da comunicação e dá um salto para as novas formas de se fazer rádio. A TV Online foi elaborada com a plataforma de disponibilização de vídeos Youtube. Foi criado um canal denominado TV UniAlpha, no qual são disponibilizados vídeos da IES. São disponibilizados vídeos com entrevistas de docentes, vídeos sobre eventos, como por exemplo, o Trote Solidário, realizado anualmente pela IES com os alunos calouros, ações de Responsabilidade Social, vídeos institucionais, dentre outros. As ações da TV e rádio online da IES foram orientadas com os seguintes propósitos: produzir e veicular programas sócio-educativos e culturais, divulgar e promover, as diversas manifestações de cultura da IES, despertar, através da informação e do debate a interdisciplinaridade, oferecer entretenimento e informações que proporcionem elevação do nível de qualidade de vida da população, contribuir para a formação de profissionais dos diversos cursos da IES, através da oferta de estágio e de incentivo à capacidade criadora dos estudantes e divulgar a produção de conhecimento, valorizando o ensino, a pesquisa e a extensão. Resultados obtidos com as RSW na IES O uso do ambiente virtual foi facultativo aos docentes. A IES promoveu cursos de capacitação e incentivos como esforço para conscientização e motivação do corpo docente quanto ao uso da plataforma. Apesar do incentivo, apenas 4 Hashtag é uma palavra-chave antecedida pelo símbolo "#" que se comporta como um hiperlink dentro da rede indexável pelos mecanismos de busca que designa o assunto o qual está se discutindo em tempo real no Twitter. 4

5 metades dos docentes da IES participaram do programa de capacitação. O uso efetivo do sistema por parte dos professores só foi crescer razoavelmente após três anos de implantação, e mesmo assim, o nível de uso ainda não é tão elevado. Mais da metade dos docentes ainda não utiliza o ambiente com efetividade. O uso de atividades e recursos disponíveis se concentra principalmente na disponibilização de material de aula e fóruns. Algumas iniciativas começam a surgir em outros recursos e atividades, como chat, livros online, questionário, entregas de tarefas e wikis. Nota-se que há uma forte resistência dos professores ao uso do ambiente. Provavelmente esta resistência ocorrer por uma ausência de política de remuneração de uso do ambiente e pala pouca familiaridade de grande parte dos docentes com as novas tecnologias de informação e comunicação. Observa-se o pouco uso de atividades de interação, sendo a disponibilização de arquivos, material de aula e links para outros sites, os recursos mais utilizados no ambiente virtual de aprendizagem. O pouco uso do ambiente virtual também pode ser justificado por uma ausência de cultura de uso das tecnologias na educação e pela pouca disponibilização de treinamentos que capacitem o corpo docente para o uso das funcionalidades do ambiente. Também não há formalmente e institucionalizado um plano de incentivo aos alunos e docentes para as atividades de interação por meio do AVA. Problemas técnicos também podem explicar o baixo nível de uso do ambiente virtual, como problemas de integração com o sistema legado de controle de alunos da IES, problemas de acessos ao AVA e no processo de rematrícula de alunos. Contudo, apesar dos problemas e do baixo nível de uso na graduação, nota-se que a implantação do sistema trouxe uma mudança de visão da organização e disponibilização de materiais, passando do meio físico para o meio virtual. Nota-se tal transição de paradigma principalmente nos cursos de pós-graduação da IES, em que todo o material de ensino é disponibilizado essencialmente via internet. O uso do AVA, de certa forma, fomentou em um grupo restrito de professores, à discussão de como utilizar as novas tecnologias de informação e comunicação no processo de ensino. O surgimento e o fortalecimento das redes sociais web, vieram para complementar o uso da tecnologia como apoio à sala de aula. Os perfis no Facebook criados recentemente para alguns cursos mostram resultados em torno da criação de comunidades foram do ambiente virtual da IES. Percebe-se que a comunidade no AVA fica restrita à disponibilização de materiais, links, entrega de tarefas, enquanto as atividades de comunicação migram para o espaço virtual de comunidades abertas. Pode-se então considerar que as funcionalidades de comunicação e colaboração no AVA podem facilmente ser substituídas pelas mesmas funcionalidades em redes sociais externas, como o Facebook, por exemplo, ainda mais quando aquelas funcionalidades não são efetivamente incentivadas em seu uso, como é o que acontece na IES. Cabe observar, que a interação no ambiente virtual fortalece a imagem da IES, uma vez que as interações acontecem sob a plataforma disponibilizada pela instituição, mas nota-se, que há uma maior predisposição de colaboração em redes sociais externas. As comunidades do Google Groups criadas para um recente curso de bacharelado da IES têm efetiva participação de grande parte dos docentes e discentes do curso. Nestas comunidades ocorrem diversas trocas de novidades tecnológicas (o curso recém criado é da área de tecnologia), links para congressos, últimas atualizações de sistemas, publicações, divulgações de teses, dissertações e artigos, trocas de experiências e oportunidades de estágios e empregos, dentre outras ações que fortalecem o grupo em torno do curso. Nos perfis dos cursos, o complemento à sala de aula ocorre principalmente pela ação isolada de professores e discentes na disponibilização de links com informações que complementam as atividades e explicações feitas e dadas em sala de aula. Os professores também estão utilizando as redes sociais para postarem avisos, como a disponibilização de notas no sistema administrativo da IES, datas de provas, eventos, atividades a serem feitas, textos a serem lidos, etc. Os alunos estão realizando troca de informações nas redes sociais, solicitando o esclarecimento de dúvidas, além de outras informações de interesse coletivo. A disponibilização das redes sociais nas dependências da IES, nos horários de aula presencial causa um conflito entre corpo docente e discente. É comum observar grande parte do corpo discente em acesso às redes, tratando de assuntos pessoais em horários destinados às explicações e ou tarefas. Também é comum o acesso, em horário de aula, aos jogos online comunitários, em que os alunos jogam em rede. A IES não trata desta questão de um modo formal institucionalizado, deixando para os docentes a tarefa de controlar o uso dos recursos teleinformáticos em sala de aula. Apesar de não ter nenhum estudo efetivo sobre o tema na IES, acredita-se que o uso das redes sociais para outros fins em momentos da aula presencial atrapalha a concentração do estudante, especialmente durante momentos expositivos de conteúdo educacional. Apesar das iniciativas de uso das RSW ainda serem restritas a um pequeno grupo de professores, é notório que tal uso tende a crescer. Não há até o momento um estudo formal que verifica o efetivo uso e benefício da aplicação dos perfis nas RSW no processo de aprendizagem dos alunos. No entanto, nota-se que houve uma aproximação na comunicação entre corpo docente, administrativo e corpo discente. Professores e administradores da IES começaram a ter mais um canal de contato com o corpo discente, formado por jovens, que já utilizam amplamente a tecnologia fora do âmbito da IES. Os alunos estão crescentemente se comunicando com a IES, com professores e coordenadores de curso via redes sociais. A equipe de comunicação e de tecnologia da informação da IES vem monitorando as ações dos alunos nas redes, em busca de conhecer e obter as opiniões dos mesmos perante a IES e seu corpo docente e administrativo. Alguns exemplos ilustram que o monitoramento das redes sociais pode ser benéfico para a imagem da instituição. Para ilustrar, são apresentados dois casos de ações realizadas pela IES, a partir do monitoramento do Facebook e do Twitter, respectivamente. 5

6 No primeiro caso, uma aluna graduanda do terceiro anos do curso de administração de empresas, publicou no Facebook que se sentiu ofendida pelo fato de a mesma turma do ano anterior do mesmo curso realizar uma visita técnica a bolsa de valores, sendo que a turma dela ainda não havia visitado. A aluna reforçou a dica, mencionando que ainda havia tempo hábil e interesse por parte da turma em realizar tal visita. Num curto prazo de tempo, a coordenação do curso e o corpo administrativo da IES tomou conhecimento da publicação e consequentemente providenciou uma viagem técnica de acordo com o interesse da aluna e da respectiva turma. Em outro exemplo ilustrativo, no Twitter, durante uma aula no período diurno, ao se sentir incomodado com barulhos de construção civil que acontecia ao redor do prédio ao lado da IES, um aluno publicou ( tuitou ) o fato ocorrido. Na mesma manhã, a publicação do aluno foi monitorada e a informação chegou ao conhecimento do pró-reitor administrativo que tomou as providências necessárias em relação ao barulho de construção, se dirigiu até a sala do reclamante, posicionando a turma sobre tais providências tomadas, inclusive mencionando o nome do reclamante dizendo que o problema havia sido solucionado. Todos se demonstraram surpresos e ao mesmo tempo satisfeitos pela velocidade na qual a solução foi concretizada. Estes dois exemplos são apenas alguns, dentre vários que aconteceram por meio das redes sociais. Os professores que seguem estas redes e participam da comunidade dos alunos conseguem com mais facilidade captar a demanda proveniente do corpo discente, pois estes estão cada vez mais expondo estas nas comunidades online. A IES está atenta para as ações dos alunos nas redes, inclusive no sentido de orientar o que eles podem ou não podem expor nas RSW. Neste sentido, programou uma palestra institucional dentro de seu fórum de estudos com um especialista em direito comercial, para tratar do tema dos direitos e responsabilidades dos alunos no uso das redes sociais da internet. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo teve como objetivo relatar um caso de utilização de redes sociais em uma instituição de ensino superior localizada no interior do Estado de São Paulo. Apresentou, inicialmente uma definição das redes sociais web, uma reflexão sobre sua importância para o processo de ensino e aprendizagem e uma descrição das ações e dos resultados da experiência da IES na utilização das redes sociais. Os desafios da IES com relação ao uso de redes sociais na educação podem ser resumidos e agrupados em relação à gestão de pessoas e de processos e à gestão tecnológica. Com relação às pessoas, os desafios são: expandir a cultura de uso de redes sociais e do ambiente virtual de aprendizagem, capacitar os professores para o uso correto e máximo das funcionalidades disponíveis na web, capacitar constantemente o setor de tecnologia da informação no ambiente e nas possibilidades que as redes oferecem à IES, incentivar alunos e docentes para atividades de interação e expansão do uso das RSW, a partir da difusão de cursos de extensão à distância. Os desafios tecnológicos se resumem em agregar novas atividades de interação, desenvolvimento de atividades e uso constante de design instrucional para a criação de conteúdo para o processo de aprendizagem via web. Acredita-se que o investimento em redes sociais é fundamental para aproximar a instituição e o corpo docente do corpo discente, que é formado por uma geração que usa constantemente tais ambientes interativos. Os resultados obtidos até o momento pela IES, em termos de aproximação do aluno, nas poucas iniciativas isoladas que ocorreram, sustentam tal importância. REFERÊNCIAS [1] MARTELETO, R.M. Análise de Redes Sociais Aplicação nos estudos de Transferência da Informação. Ci. Inf., Brasília, v.30. nr.1, p , jan/abr, [2] O'REILLY, T. What Is Web 2.0? Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software Disponível em: <http://www.oreillynet.com/pub/a/ oreilly/tim/news/2005/ > Acesso em: 10/10/2008 [3] BRODKIN, J. Web 2.0: Buzzword, or Internet revolution? Network World, Disponível em: < Acesso em: 01/10/2008 [4] LEWIS, D. What is Web 2.0? The Association of Computer Machinery, Crossroads archive. Volume 13, Issue 1 Disponível em: <http://www.acm.org/crossroads/xrds13-1/ Web20.html> Acesso em: 17/10/2008 [5] CRAIG, E. M. Changing Paradigms: Managed Learning Environments and Web 2.0. Emerald Campus-Wide Information System. Vol. 24, Nr. 03, p , [6] SCHONS, C. H.; RIBEIRO, A.C. A Contribuição da Web 2.0 nos Sistemas de Educação OnLine. In: Anais do 4º Congresso Brasileiro de Sistemas, 2008, Franca/ SP. 4º Congresso Brasileiro de Sistemas v. 1, [7] PATRÍCIO, M.R.; GONÇALVES, V.M.B. Utilização Educativa do Facebook no Ensino Superior. Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Educação, Portugal, Disponível em: https:// bibliotecadigital.ipb.pt/ bitstream/10198/2879/4/7104.pdf Acesso em 05/05/2012. [8] FERREIRA, B. Entrevista Assunto: Redes Sociais e Educação. Revista de Informática Aplicada Vol. 6 - Nº 02 - Jul/Dez 2010 [9] ARAÚJO, V.D.L. O impacto das redes sociais no processo de ensino e aprendizagem. Anais Eletrônicos do 3º Simpósio Hipertexto e Tecnologia na Educação. UFPE, Recife [10] MACHADO, J.R.; TIJIBOY, A.V. Redes Sociais Virtuais: um espaço para efetivação da aprendizagem cooperativa. CINTEG UFRGS. Novas Tecnologias para a Educação. v 3, nr. 1, maio, [11] MELO, L.C.O.R.; VIEIRA, S.S. Redes sociais : uma nova ferramenta pedagógica para a graduação à distância. Anais Eletrônicos do 3º Simpósio Hipertexto e Tecnologia na Educação. UFPE, Recife

A OPINIÃO DOS DISCENTES EM RELAÇÃO AOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR PRESENCIAL. São Paulo, 04/05/2009

A OPINIÃO DOS DISCENTES EM RELAÇÃO AOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR PRESENCIAL. São Paulo, 04/05/2009 1 A OPINIÃO DOS DISCENTES EM RELAÇÃO AOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR PRESENCIAL São Paulo, 04/05/2009 Silvio Carvalho Neto Universidade de São Paulo / Uni-FACEF Centro

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA

SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA Ouro Preto/ 05/2014 Biancca Nardelli Schenatz Universidade Federal de Ouro Preto

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Recife PE - Abril 2010 Ivanda Maria Martins Silva - UFRPE martins.ivanda@gmail.com Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação - Modalidade a Distância Coordenação FACULDADE DE INFORMÁTICA - FACIN Profa. Dr. Adriana Beiler FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Profa. Msc. Sônia

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Uma experiência educativa na Pós-Graduação O uso do Moodle no curso de Gestão da Tecnologia da Informação em Ambientes Educacionais

Uma experiência educativa na Pós-Graduação O uso do Moodle no curso de Gestão da Tecnologia da Informação em Ambientes Educacionais Uma experiência educativa na Pós-Graduação O uso do Moodle no curso de Gestão da Tecnologia da Informação em Ambientes Educacionais André Batista andre@okidatainformatica.com.br (IST - Rio/ FAETEC) Carlos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES

UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES Prof. Dr. Ariel Behr ariel.behr@ufrgs.br UFRGS/FCE/DCCA Prof. Msc. Camila Furlan da Costa camilacosta@unipampa.edu.br UNIPAMPA/Campus Santana do Livramento Fortaleza,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

PROPOSTA PARA FOMENTO AO USO DE TIC NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPR

PROPOSTA PARA FOMENTO AO USO DE TIC NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPR 1 PROPOSTA PARA FOMENTO AO USO DE TIC NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPR Curitiba PR Maio 2012 Categoria: A Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro:C / Meso:I / Micro:N Natureza:B

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Dúvidas e Suporte

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Gestão Trabalho em Equipe. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Gestão Trabalho em Equipe. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

O USO DAS FERRAMENTAS DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PELOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PROCESSOS GERENCIAIS DO NEAD-CESUMAR

O USO DAS FERRAMENTAS DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PELOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PROCESSOS GERENCIAIS DO NEAD-CESUMAR O USO DAS FERRAMENTAS DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PELOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PROCESSOS GERENCIAIS DO NEAD-CESUMAR Maringá PR Abril 2011 Adriana Maria Pavezi CESUMAR adriana.pavezi@ead.cesumar.br

Leia mais

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP 182 NOVAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO EDUCACIONAL RESUMOS DE DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

EDITAL Nº 04/2013 1 DAS VAGAS

EDITAL Nº 04/2013 1 DAS VAGAS EDITAL Nº 04/2013 A UNIVERSIDADE CEUMA, nos termos deste edital, torna público que, no período de 12/07/2013 a 29/07/2013, das 14:00h às 20:00h estarão abertas às inscrições do processo de seleção para

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época.

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época. Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação), por vezes designada erradamente por ensino à distância, é a modalidade de ensino que permite que o aprendiz não esteja fisicamente presente em

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

05/2009. Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ana_silvia@ibb.unesp.

05/2009. Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ana_silvia@ibb.unesp. 1 Concepção, desenvolvimento e implantação de educação não presencial na área da saúde: graduação, pós-graduação, especialização e extensão universitária 05/2009 Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira

Leia mais

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IC PRO-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EaD PRO-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO MÓDULO EaD 2013 PROCD Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO Porto Velho - RO - 03/2010 Sara Luize Oliveira Duarte, Universidade de Taubaté, saralod@msn.com Walace

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

Congresso CONSAD de Gestão Pública

Congresso CONSAD de Gestão Pública Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília DF, 26 a 28 de maio de 2008 Múltiplas Mídias na Formação e Desenvolvimento dos Servidores Públicos do diagnóstico ao modelo de capacitação: a experiência da

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Educacional Cidade de São Paulo

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

Redes sociais : uma nova ferramenta pedagógica para a graduação à distância.

Redes sociais : uma nova ferramenta pedagógica para a graduação à distância. Redes sociais : uma nova ferramenta pedagógica para a graduação à distância. Liz Cristiane de O. Roma de Melo i Sebastião da Silva Vieira ii Resumo: A expansão das novas tecnologias de informação e a popularização

Leia mais

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG CAPÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS. Art. 1º - A Educação a Distância EaD é uma modalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais