SEMINÁRIO DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO DIRETRIZES DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO PARA O BIÊNIO 2014/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO DIRETRIZES DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO PARA O BIÊNIO 2014/2015"

Transcrição

1 SEMINÁRIO DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO DIRETRIZES DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO PARA O BIÊNIO 2014/2015 DIRETORIA GERAL DIRETORIA DE CONTEÚDO E PROGRAMAÇÃO DIRETORIA DE PRODUÇÃO DIRETORIA DE JORNALISMO Tema 1: Seleção e avaliação do conteúdo das plataformas EBC DIRETRIZ 1 A discussão sobre a inclusão ou a permanência de conteúdos nas grades de programação dos veículos da EBC deve ser balizada em critérios e parâmetros que atendam às necessidades e às especificidades da comunicação feita pela EBC. Critérios e Parâmetros: 1. Missão É pressuposto e, algumas vezes, critério único. O atendimento aos critérios previstos na Lei de Criação da EBC, tanto da Missão quanto das Finalidades previstas, deve ser claro e inequívoco. 2. Relevância É a capacidade do conteúdo/programa tem de gerar repercussão positiva na mídia, mídia especializada, outros produtores ou programadores de conteúdo, público prioritário do conteúdo, etc. Alguns aspectos que devem ser utilizados para verificação são: - Análise de Mídia (incluindo as mídias sociais) - Premiações recebidas - Inovação: É a capacidade de organizar técnicas e ferramentas narrativas, apropriando-se das tecnologias disponíveis para construir obras audiovisuais novas e capazes de gerar valor, relevância e conhecimento. 3. Visibilidade É capacidade que o conteúdo/programa tem em captar a atenção do público (telespectador/ouvinte/leitor) em geral, mas em especial do público para o qual é dirigido prioritariamente. Alguns aspectos que devem ser utilizados para verificação são: - Posição na Grade (o quanto recebe e o quanto entrega de audiência) - Atinge o público para o que foi feito? - Estabilidade de audiência (audiência em um intervalo de tempo definido) - Repercussões na Ouvidoria/Central do Ouvinte - Análise de Mídia (incluindo mídias sociais) sob o aspecto quantitativo - Monitoramento em tempo real (web) 4. Custo-Benefício (Recurso/Receita) É a relação entre o investimento feito pela EBC/Parceiro e a capacidade de retorno financeiro que o conteúdo/programa pode ter ao longo de sua trajetória de circulação e fruição. Alguns aspectos que devem ser utilizados para verificação são: - Potencial de geração de recurso

2 - Recursos efetivamente gerados Ação necessária: - Realizar benchmarking de custos de produção por hora e tipo/gênero de produção 5. Convergência com outros meios e plataformas É a potencialidade que o conteúdo tem de ser trabalhado em suas possibilidades convergentes (trans, cross e multi) desde sua concepção, permitindo que o desenvolvimento do produto, e consequentemente sua produção, incorpore todas as possibilidades de distribuição, fruição e formatos, ampliado suas potencialidades de ser distribuído, exibido ou complementado em várias plataforma. O conteúdo infantil deve priorizar a integração entre as plataformas (todo conteúdo infantil deve ter desdobramentos na web, necessariamente). DIRETRIZ 2 A definição do modelo de negócio mais adequado à realidade da EBC e ao tipo de produção/produto é fundamental para utilizar melhor os recursos humanos e financeiros da empresa, além de contribuir para o cumprimento da legislação. No caso de novas produções, além de serem apontados parâmetros claros a partir dos critérios de análise (Diretriz 1), as definições deverão seguir as diretrizes de modelo de negócio, por plataforma, conforme sugestão abaixo: MODELO DE NEGÓCIO Produção Própria Coprodução Licenciamento* PLATAFORMA TV FORMATO/GÊNERO PRIORITÁRIOS Jornalismo, debates, entrevistas e eventos Animações seriadas, séries dramaturgicas e show de realidade Obras independentes seriadas e não seriadas de animação, ficção, documenrários e show de realidade RNCP Todos os formatos e gêneros * licenciamento com ônus e sem ônus (parceria institucional) OBSERVAÇÕES Priorizar produção ao vivo É desejável priorizar o licenciamento de obras independentes nacionais. MODELO DE NEGÓCIO Produção Própria Coprodução Licenciamento* PLATAFORMA RÁDIO FORMATO/GÊNERO PRIORITÁRIOS Jornalismo, debates, entrevistas, eventos, variedades e artístico Artístico, musicais, radiodramaturgia e infantojuvenil Obras independentes seriadas e não seriadas de OBSERVAÇÕES Priorizar produção ao vivo

3 radiodocumentários, experimentação sonora, artísticos e musicais RNCP Todos os formatos e gêneros * licenciamento com ônus e sem ônus (parceria institucional) MODELO DE NEGÓCIO Produção Própria PLATAFORMA WEB FORMATO/GÊNERO PRIORITÁRIOS OBSERVAÇÕES Coprodução Jogos, sistemas e aplicativos Utilizar os hackatons (gincanas de desenvolvimento de sistemas) Licenciamento Jogos, sistemas e aplicativos DIRETRIZ 3 É necessário aprimorar nossos mecanismos de relacionamento com os produtores de conteúdo e o mercado, em especial com o produtor independente. Nesse sentido, o Banco de Projeto e o Pitching devem ser consideradas as portas de entrada prioritárias da produção independente e ter na coprodução seu modelo de negócio mais importante. Além disso é necessário atualizar as normativas desses instrumentos. - Rever a Norma do Banco de Projetos e dos Pitchings Tema 2: Definição dos princípios da Lei de Criação e outras conceituações DIRETRIZ 4 A regionalização da programação dos veículos da EBC, para além de uma obrigação legal, pode ser uma estratégia de diferenciação e inovação. Ele deve incorporar às grades a linguagem e estética da produção do Brasil, os sotaques das várias regiões. Serão priorizadas, para atendimento desta diretriz, os conteúdos produzidos pela Rede Nacional de Comunicação Pública (RNCP). As produções também devem atender a padrões de qualidade técnica mínimos, que serão analisados pelo Comitê de Programação caso a caso. - Para efeito de cumprimento da cota de 10% de conteúdo regional na televisão serão considerados apenas os conteúdos nacionais cuja origem da produção, coprodução ou licenciamento não forem do Rio de Janeiro, São Paulo ou Brasília; - Para efeito de cumprimento da cota de 10% de conteúdo regional nas rádios serão considerados os conteúdos produzidos com equipe residente no local/região da área cobertura da emissora. - Fazer uma ação sistemática para preencher a 'faixa de rede' da TV Brasil; - Atuar na capacitação (técnica, artística e de gestão) das parceiras da RCNP para atendimento da Norma de Coprodução; - Utilizar os recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, com foco nas cotas para as regiões N, NE e

4 CO; - Reorganizar a área de Rede e o fluxo de gestão desse conteúdo; - Utilizar a web e a TVBI para distribuir conteúdo da Rede. DIRETRIZ 5 O conceito de produção independente na Lei da EBC define que para uma obra ser considerada independente a EBC não pode ser detentora majoritária dos direitos patrimoniais. Assim, não é apenas pela caracterização do parceiro como produtor independente que devemos analisar o cumprimento desta cota. Para continuar fortalecendo o relacionamento com a produção independente em todos os veículos da EBC, deve-se definir o Banco de Projetos como porta de entrada de obras prioritariamente independentes. Neste caso, deve-se atentar para a proporcionalidade do investimento e da participação patrimonial. - Criar Norma/Política relacionada à aquisição de obras da Produção Independente DIRETRIZ 6 Defini o escopo de atuação e de trabalho das Diretorias de Jornalismo e de Produção, em todas as plataformas, segundo os critérios abaixo: a) Conteúdo Jornalistico: Hardnews (telejornais e radiojornais), decumentais, investigativos, esporte, entrevistas e debates com linha editorial jornalística; b) Conteúdo Não Jornalísticos: Programas de Variedades, entrevistas e debates, além dos claramente não jornalísticos, como dramaturgia, animação, etc. Tema 3: Estratégia de comunicação, marketing e negócios DIRETRIZ 7 É necessário o alinhamento das áreas de produção, programação, comunicação e marketing com vistas ao planejamento de lançamento de cada produto, com definição de ações, cronograma e de um líder de produto/projeto. É importante também que seja destinado e garantido no orçamento do produto um valor para o item promoção e divulgação. Por fim, deve-se pensar estratégias de comunicação/divulgação internas de cada novo produto ou produção. - Padronização de uso de marcas e crédito. - Criar um protocolo/norma de lançamento de produtos - Usar o projeto 50 anos do Golpe Militar como experiência de um projeto, inclusive com a escolha de um líder; - Realização de reuniões semanais dos três diretores (produção, programação e jornalismo) para tratar de conteúdos, produções, oportunidades, etc. DIRETRIZ 8 A WEB pode e deve ser um importante vetor de divulgação e fortalecimento das plataformas TV e Rádio, não apenas disponibilizando seus conteúdos em formato digital (acervo), mas também criando sinergias entre os produtos, os veículos e o público (multitelas). Para isso, é essencial a inclusão nos contratos de produção, coprodução e licenciamento a inclusão, sempre que possível, dos direitos de exibição ao vivo e sob demanda de áudio e vídeo na Web e outras plataformas.

5 - Ampliar a equipe de profissionais que cuidam dos sites da TV Brasil e Rádios EBC e dos seus perfis nas redes sociais; - Aproveitar estúdios para programas piloto para WebTV como testes para a TV Brasil e TVB Internacional; - É fundamental também iniciar a distribuição dos conteúdos por outras plataformas, como as OTTs. Tema 4: Plataforma TV DIRETRIZ 9 A grade de programação da TV Brasil deve ser formada pelo tripé estratégico baseado em programação infantil de excelência, jornalismo e informação com credibilidade e entretenimento com conhecimento. Diante dos desafios de melhorar nossa programação e nossos patamares de audiência gerais, o Comitê de Programação e Rede deve desenvolver uma análise detalhada inicialmente do prime time (18:00 às 23:00) e da faixa infantil (Hora da Criança). - Organizar a grade a partir da lógica vertical; - Ampliar a faixa destinada à RNCP/TV; - Criação da Faixa LAB (experimentação); - Realizar piloto de interatividade para TVDigital; - Iniciar a gestação de um projeto para um canal exclusivo de conteúdo infantil, para as plataformas TV e Rádio; - Criação da faixa você faz tv, com produções de grupos e organizações sociais - Pensar a questão do modelo do break (1h tem 3, meia-hora tem 2) DIRETRIZ 10 A TVBI deve ampliar sua cobertura e também a produção voltada para o seu público específico. Ela também deve voltar a ter atenção especial com o público latinoamericano, que tem necessidade de conteúdo brasileiro em língua espanhola. Deve utilizar mais conteúdos da RNCP e de outras TV Públicas, em especial manter parceria com a TV Justiça, TV Câmara e TV Senado. Ação possíveis: - Produção em língua espanhola faixa castelhano. Priorizar a legendagem. - Aumentar a programação própria - Coproduções com tvs públicas da África e AL - Ter um programa carro-chefe - Aumentar a cobertura da TVBI, que está em 63 países. Tem que chegar em 80 até o final de Tema 5: Plataforma WEB DIRETRIZ 11 A EBC precisa fortalecer a Plataforma WEB, composta por Portal EBC, TV Brasil, TV Brasil Internacional e Rádios EBC, para distribuir conteúdos da Empresa e interagir com a rede, reforçando o alcance de público em uma plataforma com linguagem própria.

6 Ações possíveis: - Parcerias exclusivas para web; - Uso de conteúdo de outras TVs e Rádios Públicas; - Repositório multimídia de conteúdos públicos (plataforma para conteúdos de parceiras e apoio à regionalização); - Ampliar utilização do monitoramento em tempo real entre as equipes de produção de conteúdo; - Definir estratégias para a WebTV e para os vídeos sob demanda (Acervo). DIRETRIZ 12 As redes sociais são uma forma diferente de consumo de informação e entretenimento. A EBC precisa, de forma coordenada, criar meios de interagir com esse público e atraí-los para a nossa programação. É Necessário colocar em prática o Manual de Mídias Sociais, manter perfis prioritários e congelar perfis inativos. Também é importante começar imediatamente a inserir #hashtag na tela da TV em transmissões ao vivo. - Treinamento das equipes de diferentes áreas; - Adoção de ferramentas de monitoramento de mídias sociais; - Sucom, em conjunto com as áreas, deve apresentar uma proposta de prioridades de perfis e quais perfis devem ser encerrados e apresenta ao CPR. Tema 6: Plataforma Rádio DIRETRIZ 13 Redefinir a lógica de organização das emissoras por eixos de afinidade. Essa nova dimensão organizacional, em sintonia com o planejamento estratégico, irá propiciar uma maior sinergia entre as emissoras de rádio e outras plataformas da EBC, além de permitir uma otimização na produção e na veiculação de conteúdos de forma que possam ser aproveitados em um maior número de grades de programação, sem, contudo, desconsiderar as características históricas e as identidades de cada emissora. Para isso, propomos a seguinte organização: 1. Criação dos Eixos de afinidade: a) Eixo 1 Informativo, esportivo e de utilidade pública: Tem como principal objetivo ampliar significativamente a produção de conteúdo informativo, por meio de um jornalismo diferenciado com foco no cidadão. O esporte tratado como vetor de inclusão social e como importante expressão da cultura brasileira. As informações de utilidade pública e serviço como forma de fazer diferença na vida cotidiana da população e na promoção dos direitos humanos. b) Eixo 2 Educativo, colaborativo e experimental: Fortalecer o legado do rádio educativo e artístico de forma lúdica e ousada, dialogando com universidades, escolas, rádios experimentais e comunitárias, a fim de consolidar uma rede de conteúdo radiofônico colaborativo que possa atender a sociedade brasileira. Se transformar em um "laboratório" de inovações radiofônicas enquanto linguagem e em diferentes plataformas, com o objetivo de formar novos públicos para o veículo rádio, entre eles o infantil e o juvenil. c) Eixo 3 Cultural e musical: Fortalecer e potencializar a programação musical e cultural, ampliando a complementariedade entre os eixos e a diversidade de atuação das Rádios EBC. Ampliar a variedade de conteúdos para a inclusão de outros gêneros musicais, sem perder a principal característica das emissoras. 2. Posicionamento das emissoras dentro dos eixos propostos*:

7 - Eixo 1: Nacional do Rio AM, Nacional de Brasília AM, Nacional da Amazônia OC e Nacional do Alto Solimões AM; - Eixo 2: MEC AM Rio e MEC AM Brasília; - Eixo 3: Nacional FM Brasília, MEC FM Rio de Janeiro e Nacional FM do Alto Solimões. * O fato de uma emissora ser encaixada em um eixo, não exclui a possibilidade de conteúdos prioritários de outros eixos entrarem em sua programação. Caso da Diretriz 13 seja aprovada, as Rádios EBC vão atualizar e rever suas grades de programação a fim de que possam se adequar aos eixos temáticos, observando, no entanto, suas características essenciais e históricas. Algumas ações que devem ser implementadas: - Atualizar os Planos Editoriais das emissoras com base nos planos editoriais dos eixos de afinidades; - Ampliar momentos de rede, em especial entre as Rádios do mesmo eixo, sem abandonar o caráter local e regional das emissoras; - Ampliar o intercâmbio de conteúdos, em especial entre as Rádios do mesmo eixo; - Aumentar a participação da sociedade na produção de conteúdos colaborativos, em especial nas Rádios do Eixo 2; - Fortalecer os núcleos Infantojuvenil e Radiodramaturgia, em especial nas Rádios do Eixo 2; - Participar de coberturas de eventos e feiras culturais e musicais, em especial nas Rádios do Eixo 3; - Criar o Núcleo Musical para atender a todas as emissoras, em especial as do Eixo 3; - Aprimorar linguagem e formatos com o objetivo de renovar conteúdos e linguagens; - Modernizar a plástica de todas as emissoras com a criação de novas vinhetas, trilhas e jingles; - De forma transversal aos três eixos, manter na programação das emissoras o lúdico, a diversão e o lazer; Tema 7: Plataforma Agências DIRETRIZ 14 Consolidar o modelo de produção de conteúdos das Agências EBC, com foco em veículos de comunicação como público prioritário, considerando agilidade e linguagem. Convergir para uma plataforma única de distribuição de conteúdos (agencia.ebc.com.br). DIRETRIZ 15 A Agência Brasil deve ter como meta aprimorar a cobertura de matérias não factuais, ampliando seu leque de cobertura e levando ao leitor um trabalho diferenciado, com séries e grandes reportagens. Implantar o novo site, com layout mais moderno, que privilegia mais a imagem, sem desprezar a informação. Além disso, deve diversificar o conteúdo com uma área específica para especiais e material infográfico e também uma área exclusiva para conteúdo de pesquisa e inovação, inclusive com artigos científicos. Por fim, deve ampliar as parcerias internacionais, com agências de notícias públicas, fortalecendo a interlocução na América Latina, aumentar sua cobertura regional, utilizando-se, para isso, do trabalho das praças. - Ter um plano de negócio para a AB;

8 - Ter um plano de regionalização da produção de conteúdo; - Ampliar a cobertura das questões relativas aos países da América Latina; - Criar uma área exclusiva para pesquisa & inovação; - Credenciamento de correspondentes DIRETRIZ 16 A Radioagência Nacional deve integrar-se à nova plataforma de agências da EBC, fortalecendo seu papel de agência de conteúdo radiofônico ao mesmo tempo em que impulsiona o novo canal de distribuição de conteúdo da empresa. Além disso, deve estreitar a relação com seu público, ampliar as parcerias institucionais, buscar formas de captação de recursos, abrir espaço para a publicação de produções independentes e regionais, diversificar o perfil de conteúdos e ampliar a oferta de programetes radiofônicos. Ações principais: - Realizar seminário com rádios e radioagências públicas e comunitárias/colóquio de parcerias - Realizar pesquisa de audiência com usuários Tema 8: Outras questões DIRETRIZ 17 A gestão da programação e dos conteúdos deve ser pautada pelo planejamento integrado, antecedência, coordenação, organização interna e fluxos claros. Para isso, é necessário a estruturação e profissionalização do Comitê de Programação e Rede, com definição de equipe/secretariado, calendário semestral de reuniões, relatorias e atas. - Definir calendário anual da área de conteúdo envolvendo: relatórios de prestação de contas (trimestral, semestral e anual), plano de trabalho anual (planejamento de conteúdo e programação), planejamento integrado das grades de programação (grandes coberturas, etc), etc; - Realizar em 2014 três novos encontros de caráter estratégico e de planejamento. Janeiro, Maio e Novembro (logo após a eleição); - Fazer gestão por projetos, com indicação de um líder para cada; - Reunião em dezembro (4 e 5/12) para planejar a cobertura integrada, multimídia e ao vivo das coberturas prioritárias de 2014; DIRETRIZ 18 Ampliar o investimento em tecnologia e infraestutura de TI. Ações possíveis: - Ampliação de equipes de Desenvolvimento e de Infraestrutura; - Capacitação constante; - Ferramentas de monitoramento em tempo real e mídias sociais; - PDTI como fórum; - Estruturação/profissionalização do CTIC; DIRETRIZ 19 Acompanhar e atuar nas decisões do novo cenário do rádio brasileiro em relação às novas tecnologias, principalmente os assuntos relativos ao rádio digital.

9 Propostas: - Defender a manutenção da faixa de AM, independente da decisão sobre a migração para o FM; - Continuar defendendo a digitalização de todas as faixas de frequência e a política do receptor universal, para todas as faixas digitalizadas; - Continuar atuando de forma contundente no Conselho Consultivo do Rádio Digital a fim de defender os interesses da comunicação pública; - Organizar uma frente de radiodifusores públicos e privados para garantir o fortalecimento da freqüência de Ondas Curtas tanto no ambiente digital como no analógico. - Fortalecer e participar da criação do Museu das Rádios Públicas, a partir do acervo e memória das rádios MEC e Nacional do Rio de Janeiro;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

fórum social temático

fórum social temático fórum social temático Sobre a EBC Criada em 2007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil, Radioagência

Leia mais

AMAZONAS JAZZ FESTIVAL

AMAZONAS JAZZ FESTIVAL AMAZONAS JAZZ FESTIVAL sobre a EBC Criada em 2007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil, Radioagência

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Feira de Música de Fortaleza

Feira de Música de Fortaleza Feira de Música de Fortaleza Sobre a EBC Criada em 2007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

semana nacional do meio ambiente

semana nacional do meio ambiente semana nacional do meio ambiente Sobre a EBC Criada em 2007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão . Indice 1 Introdução 2 Quem Somos 3 O que Fazemos 4 Planejamento 5 Serviços 6 Cases 9 Conclusão . Introdução 11 Segundo dados de uma pesquisa Ibope de 2013, o Brasil ocupa a terceira posição em quantidade

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

NORMA DE UTILIZAÇÃO E GESTÃO DE NOVAS MÍDIAS - NOR 703 MANUAL DE TECNOLOGIA COD. 700 15/07/2013 VIGÊNCIA: ASSUNTO:

NORMA DE UTILIZAÇÃO E GESTÃO DE NOVAS MÍDIAS - NOR 703 MANUAL DE TECNOLOGIA COD. 700 15/07/2013 VIGÊNCIA: ASSUNTO: MANUAL DE TECNOLOGIA COD. 700 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO E GESTÃO DE NOVAS MÍDIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 115/2013, de 15/07/2013 VIGÊNCIA: 15/07/2013 NORMA DE UTILIZAÇÃO E GESTÃO DE NOVAS MÍDIAS - NOR

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ Paulo Gadelha Vice-presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Fundação Oswaldo Cruz 1900: Instituto Soroterápico Federal Objetivo

Leia mais

FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO

FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO SOBRE A EBC Criada em 2007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional,

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 34/2015, de 23/04/2015 REGIMENTO INTERNO

REGIMENTO INTERNO. APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 34/2015, de 23/04/2015 REGIMENTO INTERNO APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 34/2015, de 23/04/2015 REGIMENTO INTERNO 1 / 157 REGIMENTO INTERNO EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO S/A EBC 1. NATUREZA 1.1 A EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO S.A. EBC é uma

Leia mais

Gerência de Comunicacão

Gerência de Comunicacão Gerência de Comunicacão Quem somos? Representação política e institucional Representação sindical Educação cooperativista, promoção social e monitoramento Gecom Marketing Publicidade e propaganda Assessoria

Leia mais

APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 001, de 30/01/2014 REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO

APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 001, de 30/01/2014 REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 001, de 30/01/2014 REGIMENTO INTERNO 1/116 REGIMENTO INTERNO EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO S/A EBC 1. NATUREZA 1.1. A EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO S.A. - EBC é uma Empresa

Leia mais

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC 1. Contexto A transmissão e o acesso às informações é uma preocupação constante do ser humano. Ser bem informado e informar bem são, portanto,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE Tutorial básico para realização de atividades de formação livre em campi temporários ÍNDICE Apresentação, 03 Como funcionam os campi temporários?, 04 O que

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

Revista Meio Ambiente Industrial. Revista Meio Ambiente Industrial. m u. s D. rc e. P a. P a tr. r ia F a i. Mídia Kit 2012

Revista Meio Ambiente Industrial. Revista Meio Ambiente Industrial. m u. s D. rc e. P a. P a tr. r ia F a i. Mídia Kit 2012 Projeto Site Porta l Ace rvo La nça me nto Not ícias A rtigo s Colu nistas Eventos Meio Ambiente Ofere cime nto D inâ m ico At u aliz ad o P a tr o cín io P a rc e r ia F im a i Revista Mídia Kit 2012

Leia mais

Sumário Executivo. Planejamento de Marketing

Sumário Executivo. Planejamento de Marketing Sumário Executivo Planejamento de Marketing 2013 Histórico Em 2012 a EBC adotou a prática do marketing de atitude. Com a criação do Plano de Comunicação 2M s Momento Movimento, foram desenvolvidas ações

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores.

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. MÍDIA KIT 2016 A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. PÚBLICO-ALVO Profissionais de RH, presidentes, vice-presidentes e executivos com papel

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos registro dos resultados OFICINA OFICINA IDEIAS DE S Ifes 1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos SUBS Programa de capacitação e Qualificação Programa de capacitação implantado Estratégia de

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais