UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS REGIMENTO GERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS REGIMENTO GERAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS REGIMENTO GERAL Aprovada pelo CEPEA na sessão plenária realizada em 21 de dezembro de 2006 e homologado pelo Presidente da SGC 1

2 Conselheiros do CEPEA/2006 Prof. Wolmir Therezio Amado/Presidente Pe. Rubens Sodré Miranda/Vice-Reitor Profa. Olga Izilda Ronchi/PROGRAD Prof. José Nicolau Heck/PROPE Profa. Sandra de Faria/PROEX Profa. Helenides Mendonça/PRODIN Profa. Daniel Rodrigues Barbosa/PROAD Profa. Maria Salete S. Pontieri Nascimento/DFTP Prof. Giuseppe Bertazzo/CG Sra. Lucíola Linhares S. S. Correia/SG Sra. Irene Lima Toscano/BC Prof. Irineu Gomes/ADM Prof. Ornides Cintra Kindelan/DEFD Prof. Brasilino José Ferreira Neto/CON Prof. Eduardo Rodrigues da Silva/ECO Profa. Carmem Regina Paro/SER Profa. Eduvirgens Carlita de Andrade/EDU Prof. Lorenzo Lago/FIT Profa. Elizabete Bicalho/HGSR Profa. Lacy Guaraciaba Machado/LET Prof. Dirceu Lima da Trindade/ARQ Prof. Piero Martelli/CMP Prof. José Alves de Freitas/ENG Prof. Antônio Newton Borges/MAF Prof. Aparecido Divino da Cruz/BIO Profa. Rosângela Alves S. Montefusco/ENF Profa. Helenisa Maria G. de Oliveira Neto/JUR Profa. Maria das Graças Gomes/PSI Prof. Paulo Roberto de Melo Reis/CBB Profa. Maione Maria Miléo/FONO Prof. Bruno de Souza Mariano/ZOO Prof. Paulo Luiz Carvalho Francescantônio/MED Prof. Onofre Guilherme dos Santos Filho/SGC Prof. Antônio César Caldas Pinheiro/IPEH-BC Profa. Sônia Margarida Gomes Sousa/IDF Prof. Mardônio Pereira da Silva/Rep. Comunidade Maior Sr. Eduardo Oliveira Silva/Rep. Estudantil Profa. Sônia Maria Ribeiro dos Santos/APUC Sra. Eliveth Alves/ASC Prof. Roberto Malheiros/ITS Prof. Jézus Marco Ataídes/IGPA Profa. Solange Rassi/Campus IV 2

3 APRESENTAÇÃO A Universidade Católica de Goiás, desde sua fundação, em 1959, tem a preocupação e empenho constante em acompanhar as mudanças que ocorrem na sociedade, adequando-se às sempre renovadas exigências. É necessário, portanto, um contínuo rejuvenescimento e, ao mesmo tempo, manter fidelidade à missão confiada: a formação de pessoas para que colaborem e acompanhem com competência o desenvolvimento da sociedade, num espírito cristão. É por isso que, nos últimos anos, vários documentos foram elaborados e divulgados, renovando e atualizando a legislação e as normas que regem a nossa comunidade universitária. A Série Legislação e Normas chega ao seu número 12 com o presente Regimento Geral da Universidade Católica de Goiás. Fruto do trabalho de uma Comissão constituída para esse fim, foi elaborado num processo de diálogo, incorporando sugestões das várias instâncias e órgãos da Instituição. O processo culminou num Seminário ampliado para discussão e revisão do texto, na aprovação pelo Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração - CEPEA, em 21 de dezembro de 2006, e na homologação pelo Presidente da Sociedade Goiana de Cultura. O Regimento Geral acompanha o dia-a-dia de todos que compõem a Universidade Católica de Goiás: alunos, funcionários administrativos, professores. Esclarece competências, indica caminhos a serem seguidos, determina responsabilidades. É um dos códigos básicos de nossa vida universitária. 3

4 Ao acolher o Regimento Geral, ao conhecê-lo e na observância do que prescreve, certamente se manterá fidelidade à missão da Católica, mas com espírito sempre novo, como necessário a uma instituição nascida há quase 50 anos, mas ainda viva e atuante nos dias de hoje. Prof. Wolmir Therezio Amado Reitor da Universidade Católica de Goiás

5 SUMÁRIO Apresentação... 3 Título I - Da estrutura organizacional... 9 Capítulo I - Da nomenclatura de cargos... 9 Capítulo II - Do Grão-Chanceler Capítulo III - Da Constituição, Organiz. e Funcionamento da Reitoria Seção I - Do Reitor Seção II - Do Vice-Reitor Seção III - Da Chefia de Gabinete do Reitor Seção IV- Das Pró-Reitorias Sub-Seção I- Da Pró-Reitoria de Graduação Sub-Seção II- Da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Sub-Seção III- Da Pró-reitoria de Extensão e Apoio Estudantil Sub-Seção IV- Da Pró-reitoria de Administração Sub-Seção V- Da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional.. 21 Capítulo IV - Do funcionamento dos Órgãos Colegiados Capítulo V - Dos Órgãos Auxiliares de Apoio Geral Seção I- Da Secretaria Geral Seção II- Do Sistema de Bibliotecas Capítulo VI - Das unidades Acadêmico-Administrativas Título II - Do Regime Acadêmico Capítulo I - Dos Cursos Seção I - Da coordenação de Curso Seção II - Do colegiado de Curso Capítulo II - Do regime Acadêmico da Graduação Seção I - Do Ingresso e da Matrícula Seção II - Do Trancamento de Matrícula Seção III- Da Mudança de Turno

6 Seção IV- Dos Sistemas de Avaliação Seção V - Dos pedidos de Revisão de Notas e Freqüências Seção VI- Do regime Especial de Acompanhamento Seção VII - Do Regime de Avaliação Especial Seção VIII - Da matrícula do Aluno Ouvinte Seção IX- Do Aproveitamento Extraordinário de Estudos Seção X - Dos Exercícios Domiciliares Seção XI- Do Aluno Extraordinário Seção XII - Da Liberação de Pré-Requisitos Seção XIII - Do Aproveitamento de Créditos Seção XIV- Da Transferência Ex-Ofício Seção XV - Do Aluno com Necessidades Especiais Seção XVI - Do Teste de Nível Seção XVII- Da colação de Grau Seção XVIII - Dos Diplomas e Certificados Capítulo III - Da Pós-Graduação Seção I - Da Pós-Graduação Stricto Sensu Seção II - Da Pós-Graduação Lato Sensu Capítulo IV - Da Representação Estudantil Capítulo V - Da Concessão de Títulos Título III - Do Regime Disciplinar Capítulo I - Das Disposições Preliminares Seção I - Da Conciliação Capítulo II - Do Corpo Docente Seção I - Dos Deveres Seção II - Das Proibições Seção III - Das Penalidades Aplic. aos Memb. do Corpo Docente Capítulo III - Dos Funcionários Administrativos Seção I - Dos Deveres Seção II - Das Proibições Seção III - Das Penalidades Capítulo IV- Do Corpo Discente Seção I - Dos Direitos e Deveres do Corpo Discente Seção II - Das Proibições

7 Seção III - Das Penalidades Aplic. aos Membros do Corpo Discente Capítulo V - Das responsabilidades Comuns do Corpo Docente, Administrativo e Discente Capítulo VI - Da Competência Capítulo VII - Dos Impedimentos, da Susp. e da Incompatibilidade Capítulo VIII - Da Sindicância Capítulo IX - Do Afastamento Preventivo Capítulo X - Do Processo Disciplinar Capítulo XI - Do Julgamento Capítulo XII - Da Suspensão do Processo Capítulo XIII - Dos Recursos Capítulo XIV - Da Reconsideração Capítulo XV- Da Revisão Título IV- Das Disposições Transitórias Título V- Das Disposições Gerais

8

9 REGIMENTO GERAL DA UCG Art. 1º - Este Regimento Geral disciplina as atividades acadêmicas e o funcionamento administrativo dos diversos órgãos da Instituição, de acordo com o Estatuto da UCG Católica de Goiás (UCG) e a legislação que rege a matéria. TÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO I DA NOMENCLATURA DOS CARGOS Art 2º - Os órgãos que compõem a estrutura administrativa e acadêmica da UCG e seus respectivos titulares são assim definidos: I Grã-Chancelaria, pelo Presidente da SGC; II Reitoria, por um Reitor; III a Vice-Reitoria, por um Vice-Reitor; IV as Pró-Reitorias, por Pró-Reitores; V as Unidades Acadêmico-administrativas, na sede, e os Campi, fora da sede, por Diretores; VI o Gabinete do Reitor e as Divisões, por Chefes; VII os Campi na sede, os Cursos de Graduação, os Cursos Seqüenciais, os Cursos ou os Programas de Pós-Graduação e as Coordenações de Reitoria, por Coordenadores; VIII as Seções administrativas, por Supervisores; IX os Setores de Seção administrativa, por Encarregados; X as Comissões, por Membros; XI as Assessorias, por Assessores. 1º - Cabe à Reitoria determinar a ordem hierárquica e as subdivisões dos cargos de Diretor, Chefe, Coordenador, Supervisor, Encarregado e Assessor, bem como eventuais gratificações ligadas ao exercício do cargo. 9

10 2º- À exceção do Grão-Chanceler, todos os demais titulares dos cargos enunciados no caput do presente Artigo são demissíveis ad nutum pela autoridade que os nomeou. 10 CAPÍTULO II DO GRÃO-CHANCELER Art. 3º - O Grão-Chanceler tem as seguintes atribuições: I zelar pela identidade católica da UCG, bem como assegurar sua autonomia institucional e liberdade acadêmica; II consolidar as finalidades da UCG, na fidelidade à mensagem cristã, no testemunho de comunhão eclesial e no empenho institucional a serviço do povo de Deus; III orientar a Pastoral Universitária e a admissão de Pessoal Docente para as disciplinas teológicas, conforme estabelecido na Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae nos 2º e 3º do Art. 4º e no 1º do Art. 6º. IV assinar os títulos honoríficos conferidos pela UCG, de acordo com os critérios fixados no Regimento Geral. V presidir a Comunidade Universitária nas solenidades de entrega de títulos honoríficos, nas aulas magnas e outras equivalentes. VI presidir todas as reuniões na UCG, às quais comparecer; VII acompanhar as atividades universitárias no que compete à gestão acadêmica, financeira e patrimonial. VIII decidir, respeitadas as disposições legais civis e canônicas, sobre a contratação, a promoção e/ou a permanência de pessoal para o magistério ou serviços administrativos, bem como a respeito das decisões de órgão colegiado ou singular, que contrariem a orientação e as normas da Mantenedora ou as normas da UCG, especialmente as referentes ao Art. 4, parágrafos 1 ao 5 da Constituição Ex Corde Ecclesiae; IX priorizar o laicato católico, dentre os integrantes do Quadro Efetivo, para ocupar cargos de Direção Superior;

11 X participar nos processos de criação e incorporação de Unidades e Entidades Universitárias, bem como na fixação da política salarial e das taxas acadêmicas, respeitadas as disposições legais. CAPÍTULO III DA CONSTITUIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA REITORIA Art. 4º - A Reitoria, dirigida pelo Reitor nomeado pelo Presidente da SGC com mandato de 4 (quatro) anos, é órgão superior executivo que coordena, fiscaliza e superintende todas as atividades universitárias, dando cumprimento à legislação vigente e às deliberações do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração (CEPEA), assim se constituindo: I Reitor II Vice-Reitor III Pró-Reitor de Graduação IV Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa V Pró-Reitor de Extensão e Apoio Estudantil VI Pró-Reitor de Administração VII Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional VIIIChefe de Gabinete do Reitor. Parágrafo Único A Administração Superior zela pela observância: I da indissociabilidade de ensino, pesquisa e extensão e da qualidade dos serviços oferecidos pela Instituição; II do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), do Plano Estratégico Participativo da Instituição (PEGP), do Projeto Pedagógico Institucional (PPI), do Projeto Pedagógico de cada Curso (PPC) e das políticas que regem os programas, projetos e ações dos órgãos da Reitoria. 11

12 12 SEÇÃO I DO REITOR Art. 5º - Além das atribuições que lhe são expressamente conferidas no Estatuto da UCG (Art. 32, inc. I a XVIII) e no Estatuto da SGC ou que lhe são delegadas pelo Grão-Chanceler da UCG, compete ao Reitor: I promover a gestão colegiada e a co-responsabilidade na administração da Instituição; II presidir o CEPEA e, quando presente, presidir os demais órgãos colegiados da Instituição na ausência do Grão- Chanceler; III conferir graus acadêmicos bem como assinar diplomas, certificados acadêmicos, títulos honoríficos expedidos pela UCG, por si ou por delegado seu; IV apreciar e submeter a distribuição de carga horária docente ao Grão-Chanceler para aprovação; V baixar atos de provimento e vacância de cargos nos Quadros de carreira da UCG, bem como demais atos relativos à administração do pessoal docente e administrativo; VI sustar ex-ofício atos de órgãos acadêmicos ou administrativos que julgue contrários à natureza, missão, objetivos e finalidades da Instituição, estando o ato suspensivo sujeito à apreciação do CEPEA e, no que couber, do Grão- Chanceler, no prazo de trinta dias; VII delegar ao Vice-Reitor ou a Pró-reitor a coordenação de órgãos integrantes do Gabinete do Reitor. Art. 6º- Com aprovação prévia do Presidente da SGC, cabe ao Reitor criar ou extinguir órgãos de apoio à Reitoria, bem como definir suas funções. Parágrafo único - A composição, estrutura, funcionamento e atribuições de cada órgão da Reitoria são definidos em regulamento próprio, aprovado pelo Reitor.

13 SEÇÃO II DO VICE-REITOR Art. 7º - Compete ao Vice-Reitor, nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4 (quatro) anos: I substituir o Reitor em sua ausência ou impedimento, em todas as atividades da administração da Instituição de competência do Reitor ou nos atos por ele delegados, observadas as disposições legais pertinentes; II coordenar e superintender as atividades dos órgãos integrantes do Gabinete do Reitor cuja administração lhe for por ele confiada; III administrar a UCG no caso de vacância do cargo de Reitor, mantendo-se no exercício da Reitoria até a nomeação e posse do novo titular; IV acompanhar as atividades da Pastoral da UCG e da Paróquia Universitária. SEÇÃO III DA CHEFIA DE GABINETE DO REITOR Art. 8º - A Chefia de Gabinete do Reitor é órgão de apoio que dá assistência técnico-administrativa ao Reitor e ao Vice-Reitor. Art. 9º - Ao Chefe de Gabinete, nomeado pelo Presidente da SGC com mandato de 4 anos, compete: I supervisionar as atividades administrativas desenvolvidas pelos órgãos que integram o Gabinete; II auxiliar o Reitor e o Vice-Reitor no encaminhamento e na solução de problemas administrativos; III orientar a tramitação dos documentos, selecionando-os e realizando sua triagem e distribuição para os devidos despachos, bem como assinar documentos, por delegação do Reitor ou do Vice-Reitor; 13

14 IV V VI VII VIII IX X acompanhar atos de sucessão, posses, reuniões e demais atividades de ordem acadêmica e administrativa; organizar a pauta e secretariar as reuniões do Gabinete do Reitor e da Reitoria; examinar, instruir e despachar expedientes oficiais que tramitam no Gabinete; divulgar no âmbito da UCG as determinações da Reitoria; superintender à execução das atividades das Assessorias do Gabinete e Secretaria do Reitor; promover e acompanhar a organização do cerimonial do Gabinete do Reitor; exercer outras atividades que lhe sejam atribuídas pelo Reitor. 14 SEÇÃO IV DAS PRÓ-REITORIAS Art As Pró-Reitorias são órgãos integrados da Administração Superior, responsáveis pelo planejamento, coordenação, execução, controle e avaliação das atividades da UCG, supervisionando a execução articulada dos programas, projetos e ações acadêmico-administrativas. Art Para ocupar o cargo de Pró-reitores responsáveis pelas áreas de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração, são nomeados e designados pelo Grão-Chanceler docentes do quadro efetivo da UCG. Art Cabe aos titulares das Pró-Reitorias compatibilizar as atividades acadêmicas e administrativas entre as Unidades Acadêmico-administrativas e os demais órgãos da Instituição, submetendo às instâncias competentes as soluções cabíveis para cada caso. Art A natureza, a identidade, os componentes e as funções dos órgãos de cada Pró-Reitoria são normatizados em Regimento próprio e por Atos expedidos pelo Reitor.

15 SUB-SEÇÃO I DA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Art A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) é o órgão da Administração Superior que promove, superintende, coordena, fomenta e controla o ensino de graduação da UCG. Art O Pró-Reitor de Graduação é nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4 (quatro) anos. Art À PROGRAD compete, no âmbito da graduação: I propor a política de ensino para os órgãos colegiados e para a Administração Superior; II exercer a administração acadêmica, sua expansão e qualificação; III promover o contínuo aperfeiçoamento do ensino; IV propor diretrizes para a elaboração, implantação e execução dos projetos pedagógicos dos cursos; V coordenar e supervisionar a execução das políticas e diretrizes institucionais para o ensino; VI coordenar a organização acadêmica e os processos relativos ao ensino; VII orientar e avaliar a elaboração do PPC (Projeto Pedagógico do Curso), encaminhando-o para aprovação dos órgãos competentes, fiscalizando sua execução; VIII organizar, com base no Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e nos Planos de Gestão das Unidades Acadêmico-adminstrativas, o planejamento global e anual da vida acadêmica, no que diz respeito aos cursos e atividades pertinentes ao ensino; IX examinar e avaliar as propostas curriculares e suas alterações e encaminhá-las, com parecer, aos órgãos competentes, para apreciação; X emitir parecer sobre propostas de convênios com entidades que ofereçam campo de aplicação e de formação para as atividades de aprendizagem dos alunos de cursos de graduação; 15

16 XI propor ao CEPEA, em conjunto com as demais Pró-Reitorias, o calendário acadêmico anual; XII coordenar, por meio dos órgãos próprios, o planejamento e a execução do ensino e informar os processos dele decorrentes, tanto os administrativos (admissão, matrícula, registro dos assentamentos oficiais, horários, calendário), como os acadêmicos (avaliação e conferência dos currículos, projetos pedagógicos, processos de avaliação); XIII supervisionar as atividades dos Cursos de Graduação, na forma prevista na legislação vigente; XIV coordenar os processos de avaliação acadêmica dos Cursos de Graduação; XV coordenar os processos de ensino a distância dos Cursos de Graduação; XVI avaliar e emitir parecer sobre os processos de provimento de professores no Quadro Docente da Instituição; XVII supervisionar as atividades do Processo de Admissão Discente na Instituição; XVIII promover e incentivar o aperfeiçoamento e melhoria do Corpo Docente; XIX exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência e tomar providências em relação às faltas, abusos ou omissões praticados por pessoas sob sua responsabilidade; XX publicar guias acadêmicos e catálogos dos Cursos de Graduação, de acordo com critérios e políticas institucionais; XXI orientar e supervisionar as atividades didático-pedagógicas dos Institutos e órgãos que se relacionam com o ensino de graduação; XXII cumprir e fazer cumprir as decisões emanadas dos órgãos superiores; XXIII apreciar o processo de nomeação, promoção e transferência de quadros de professores; XXIV supervisionar o planejamento e execução dos processos de admissão, de matrícula, do controle e do registro acadêmico; 16

17 XXV XXVI propor à Reitoria e assinar, em conjunto com o Reitor, Atos Próprios Normativos que visam disciplinar a vida acadêmica, visando melhor rendimento das atividades universitárias; aprovar normas para o funcionamento do Sistema de Bibliotecas da UCG e superintender suas atividades; XXVII promover a coordenação da programação acadêmica dos Cursos, de acordo com as normas legais, estatutárias e regimentais; XXVIII planejar e coordenar, juntamente com a PROEX, as políticas e os programas de monitoria e de estágio; XXIX planejar e programar, com as Pró-Reitorias, a ocupação do espaço físico dos campi. XXX promover programas de formação continuada do corpo docente; XXXI exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência; XXXII exercer demais funções atribuídas pelo Reitor. SUB-SEÇÃO II DA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Art A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPE) é o órgão da Administração Superior que promove, superintende, coordena, fomenta e controla os programas e cursos de pós-graduação stricto sensu, os programas de capacitação docente individual e coletiva, as linhas e os projetos de pesquisa, os cursos de pós-graduação lato sensu e a editoração da produção acadêmica. Art O Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa é nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4 (quatro) anos. Art À PROPE compete: I integrar o ensino de pós-graduação com o ensino de graduação, com a pesquisa e com a extensão; 17

18 II III IV V VI VII VIII estimular o desenvolvimento da pesquisa acadêmico-científica em suas diversas modalidades; zelar pela qualificação do pessoal docente, capacitando-o para o exercício das funções docentes de ensino superior; qualificar pesquisadores e alunos de iniciação científica para as demandas acadêmicas, sociais e econômicas da região e do País; fomentar a inovação científica, sua aplicação tecnológica e a socialização do conhecimento, criando condições favoráveis à investigação e divulgação do saber nas diversas áreas de conhecimento; socializar, por meio de instrumentos de reconhecida qualidade acadêmica, os resultados das pesquisas e da produção científico-cultural; exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência; exercer demais funções atribuídas pelo Reitor. SUB-SEÇÃO III DA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL Art A Pró-Reitoria de Extensão e Apoio Estudantil (PROEX) é o órgão da Administração Superior, responsável pela coordenação, supervisão e execução das políticas institucionais de extensão, estágio, cultura e as relacionadas com a comunidade estudantil. Art O Pró-Reitor de Extensão e Apoio Estudantil é nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4(quatro) anos. Art À PROEX compete: I propor, coordenar, articular e avaliar a execução dos programas institucionais de extensão universitária, enriquecendo o diálogo da UCG com as organizações da sociedade civil, do Estado e do mundo do trabalho. 18

19 II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII incentivar e apoiar os projetos de extensão que compreendam o processo educativo, cultural e cientifico como articulador do ensino, pesquisa e extensão; programar, coordenar, executar e avaliar os Cursos de extensão, Cursos Seqüenciais e Programas de Educação Continuada, de acordo com critérios e políticas institucionais; coordenar, em articulação com a PROGRAD e com a PRODIN, as modalidades de estágio na instituição; coordenar e supervisionar os programas de acompanhamento dos alunos egressos; coordenar e executar as políticas estudantis de assistência e de qualificação da vida acadêmica discente; elaborar, promover e apoiar eventos artístico-culturais, priorizando os que consolidam a tradição e a cultura da região Centro-Oeste; analisar, programar e supervisionar o cumprimento das normas e procedimentos acadêmicos e administrativos nas áreas de sua competência; supervisionar, coordenar e emitir parecer sobre os convênios referentes às suas áreas de competência de interesse da UCG; supervisionar e aprovar a programação de carga horária docente de extensão, de acordo com as normas internas que regulam a matéria e em articulação com a PROGRAD; supervisionar as atividades desenvolvidas por funcionários técnico-administrativos, nas áreas de sua competência; exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência; exercer demais funções atribuídas pelo Reitor. SUB-SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Art A Pró-Reitoria de Administração (PROAD) é o órgão da Administração Superior que promove, superintende, coordena, fomenta e controla as atividades relativas à administração financeira, contábil e patrimonial da UCG. 19

20 Art O Pró-Reitor de Administração é nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4 (quatro) anos. Art À PROAD compete: 20 I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV XV assessorar o Reitor e os diversos órgãos da UCG em assuntos de competência da Pró-Reitoria; elaborar normas de organização e procedimentos administrativos, em consonância com a legislação vigente; elaborar a proposta orçamentária a ser submetida, por meio do Reitor, ao CEPEA para aprovação; coordenar o fluxo de despesas e disponibilidades financeiras da UCG; supervisionar os serviços de contabilidade, finanças e orçamento; receber, analisar e emitir parecer sobre propostas de alteração orçamentária, encaminhadas pelos diversos órgãos; executar, atualizar e supervisionar os balancetes mensais e o balanço geral; elaborar prestação de contas e relatório com balancetes periódicos e balanços anuais para apreciação da Administração Superior da UCG e da Entidade Mantenedora; analisar e emitir parecer sobre pedidos de aquisição de equipamentos, máquinas e serviços; proceder à distribuição de materiais nos órgãos da UCG; estabelecer programação de compras em consonância com disponibilidades orçamentárias e financeiras; planejar e supervisionar, com as Pró-Reitorias, a ocupação do espaço físico dos campi, sua utilização e manutenção adequadas; identificar e organizar as dependências dos diversos imóveis utilizados pela UCG em seus diversos campi; estruturar os serviços de transporte e utilização de veículos de qualquer natureza em serviços da Instituição; administrar os serviços de telefonia, água, energia, fotocópia, zeladoria, limpeza, jardinagem e segurança;

21 XVI XVII XVIII XIX XX XXI executar os serviços gráficos em geral; exercer o controle sobre o patrimônio da Universidade e implementar ações para a sua preservação; planejar, fiscalizar e executar obras de construção e de adequação de espaço físico e demais serviços; analisar e acompanhar a execução dos contratos firmados pela UCG, bem como propor ajustes, quando necessário; exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência; exercer demais funções atribuídas pelo Reitor. SUB-SEÇÃO V DA PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Art A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional (PRODIN) é órgão de Administração Superior que promove, superintende, coordena, fomenta e controla as atividades de Planejamento e Avaliação, do Desenvolvimento Institucional, da Gestão de Pessoal e do sistema de informação gerencial da Instituição. Art O Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional é nomeado pelo Presidente da SGC para um mandato de 4 (quatro) anos. Art À PRODIN compete: I elaborar e acompanhar a execução do planejamento institucional; II gerenciar o sistema de avaliação institucional, em conjunto com as Unidades Acadêmico-Administrativas, administrando dados do sistema de informação gerencial, estratégias e instrumentos; III elaborar e acompanhar a execução da política de pessoal docente e administrativo, aprovado no CEPEA; IV administrar as estruturas de serviços de atendimento em saúde, segurança e medicina do trabalho; 21

22 V VI VII gerenciar os sistemas e as tecnologias de informação institucional; exercer a ação disciplinar no âmbito de sua competência; exercer demais funções atribuídas pelo Reitor. 22 CAPÍTULO IV DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS Art Os Órgãos Colegiados são estruturas acadêmico-administrativas regulamentadas por regimentos próprios, aprovados pelo Reitor e homologados pelo Grão-Chanceler. Art 30 - O regimento de cada órgão colegiado em conformidade com os estatutos da SGC e UCG, define sua identidade, sua composição com indicação da representação de cada membro, organiza seu funcionamento em sessão plenária e/ou em regime cameral, bem como estabelece o procedimento para as comissões especiais constituídas para o estudo de assuntos específicos e emissão de parecer destinado a fundamentar qualquer decisão do órgão. Art As convocações dos Órgãos Colegiados são feitas por escrito pelo presidente, por iniciativa própria ou em atenção ao pedido de, pelo menos, 1/3 (um terço) de seus membros, com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas, contendo a pauta de assuntos da reunião. 1º - Em caso de urgência, a convocação pode ser feita sem atender aos quesitos relativos ao prazo contendo a pauta, com justificativa prévia ou comunicada no início da reunião. 2º - As convocações para reuniões de caráter solene são feitas com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas. Art O comparecimento às reuniões dos Órgãos Colegiados é obrigatório e seu caráter preferencial é estabelecido no respectivo regimento.

23 Art Os membros dos Órgãos Colegiados que, por motivo justo, não podem comparecer à reunião convocada, comunicam essa impossibilidade à secretaria do respectivo Órgão Colegiado. Art Os membros dos Órgãos Colegiados indicados como representantes pelas entidades dos docentes, dos funcionários administrativos e dos estudantes têm seus mandatos em conformidade com os Estatutos ou Regimentos das respectivas representadas, com mandato de um ano, podendo ser renovado. Art Ressalvados os casos preceituados neste Regimento Geral e no Estatuto da UCG, a constituição dos membros do Órgão Colegiado é estabelecida por seu regimento próprio. Art. 36 As reuniões dos Órgãos Colegiados são instaladas com a presença de metade mais um de seus membros, deliberando pelo voto da maioria simples dos presentes à reunião, salvo nos casos mencionados no Estatuto da SGC e neste Regimento Geral. 1º - A modalidade da votação, aberta ou secreta, é determinada pelo Presidente do Colegiado, de acordo com a natureza da matéria em pauta. 2º - Além do voto comum, têm os presidentes dos Órgãos Colegiados, nos casos de empate, o voto de qualidade. 3º - Excetuada a hipótese do parágrafo anterior, os membros dos Órgãos Colegiados têm direito a apenas 1 (um) voto nas deliberações, mesmo quando a eles pertençam em dupla condição. 4º - Nenhum membro de Órgão Colegiado pode votar nas deliberações que, diretamente, digam respeito a seus interesses particulares. 5º - Não são aceitos votos por procuração. 23

24 6º - O Grão-chanceler pode, a qualquer momento, intervir, vetar ou emitir decisão final em qualquer Órgão Colegiado e de Administração Superior da UCG, em conformidade com os Estatutos da SGC e da UCG. Art As reuniões de caráter solene ou meramente consultivo são realizadas com qualquer quorum. Art Ressalvados os casos expressamente mencionados no Estatuto e neste Regimento Geral, na falta ou impedimento do Presidente, a Presidência é exercida: I no CEPEA pelo Vice-Reitor ou, na ausência deste, por um Pró-Reitor por ele designado; II nos demais Órgãos Colegiados pelo substituto previsto no regimento próprio. Parágrafo Único - Mediante consulta ao plenário, por iniciativa própria ou através de requerimento, pode o Presidente inverter a ordem dos trabalhos ou suspender a parte de comunicações, bem como dar preferência ou atribuir urgência a determinados assuntos dentre os itens constantes da pauta. Art De cada reunião dos Órgãos Colegiados é lavrada a respectiva ata, assinada pelo secretário e, após aprovada, subscrita pelo presidente, salvo disposição em contrário definida no Estatuto e neste Regimento. Art O Regimento do Órgão Colegiado determina o prazo e a modalidade de publicação das decisões da reunião, bem como o prazo para uso do poder de veto e os registros de secretaria para assegurar o cumprimento das medidas aprovadas na reunião, salvo disposição em contrário definido nos casos expressamente mencionados no Estatuto e neste Regimento. Art Das decisões dos Órgãos Colegiados cabe pedido de reconsideração à própria autoridade ou ao órgão, ou apresentação de recurso à instância imediatamente superior, quando for o caso, no pra- 24

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regimento Geral contém as disposições básicas sobre as atividades dos órgãos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FACULDADE

REGIMENTO INTERNO FACULDADE 2014 REGIMENTO INTERNO FACULDADE Este é o Regimento Interno em vigor, e tem como objetivo normatizar e disciplinar o funcionamento da FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC - RJ. SUMÁRIO TÍTULO I... 7

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU Aprova Regimento Geral da Universidade Federal de Sergipe. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO INTERNO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E LATO SENSU DA UFSM TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UFAL Maceió - Alagoas 2006 CORPO DIRIGENTE DA UFAL Ana Dayse Rezende Dorea Reitora Eurico de Barros Lôbo Filho Vice-reitor João Carlos Cordeiro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO Aprovado no Conselho de Ensino e Pesquisa - CEP Parecer n.º 23/2006 Aprovado no Conselho de Administração

Leia mais

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Resoluções atuais: Nº 36/1999 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar) Nº 18/2002 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar foi incorporada) Nº

Leia mais

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA REGIMENTO DO CREA-SE TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de Sergipe Crea-SE, é autarquia federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESTATUTO E REGIMENTO GERAL ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUMÁRIO ESTATUTO TÍTULO I Da Universidade de seus fins 2 TÍTULO II Da Estrutura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO Nº 171/2013-CONSEPE, de 5 de novembro de 2013. Aprova o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO 014/02 CAS. Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica;

RESOLUÇÃO 014/02 CAS. Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica; RESOLUÇÃO 014/02 CAS APROVA NORMAS DE CONTROLE E REGISTRO DA ATIVIDADE ACADÊMICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica; O

Leia mais

COMISSÃO DE REVISÃO DO REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

COMISSÃO DE REVISÃO DO REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1 TÍTULO I - DA TERMINOLOGIA Art. 1º - Para efeito da aplicação do Regulamento dos Cursos de Graduação é adotada a seguinte terminologia: ABANDONO DE CURSO Configura-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO O atual Regimento Interno do CNE foi instituído por força da Portaria MEC nº 1.306 de 02/09/1999, resultante da homologação do Parecer CNE/CP nº 99, de julho de 1999. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional BRASÍLIA - 2005 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

ESTATUTOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA 1 2 ESTATUTOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CAPÍTULO I - NATUREZA, SEDE E FINALIDADES...4 CAPÍTULO II - PRINCIPIOS ENFORMADORES...5 CAPÍTULO III - EMBLEMA E SELO...7 CAPÍTULO IV - ESTRUTURA DA UCP...8

Leia mais

Equipe de Gestores. Colaborador. Cargo. E-mail paulogoncalves@fasam.edu.br italocastro@fasam.edu.br. Diretor-Geral Diretor Administrativo e Financeiro

Equipe de Gestores. Colaborador. Cargo. E-mail paulogoncalves@fasam.edu.br italocastro@fasam.edu.br. Diretor-Geral Diretor Administrativo e Financeiro Apresentação Com o intuito de interagir alunos e administração, a Faculdade Sul-Americana preparou este Manual do Aluno da Fasam, contendo o informações importantes sobre a Faculdade, procedimentos administrativos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP 1 ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP Supervisora Geral Profª Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves Diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis FMP Prof. Paulo Cesar Guimarães Diretora da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DE GRADUAÇÃO São Paulo, junho de 2014 Texto em discussão para aprovação na CEPE Sumário REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNVERSDADE VRTUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CAPÍTULO 1 FNALDADES

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROMULGADA EM 09 DE JUNHO DE 1994 REIMPRESSA, COM A INCLUSÃO DAS EMENDAS. Nº 01/95, 02/95, 03/95, 04/97,05/97, 06/97, 07/97, 08/97, 09/97, 010/98, 011/99, 012/00, 013/00 e 014/01, 015/01, 016/01,017/01,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA TÍTULO I. Princípios e disposições comuns. Diário da República, 2.ª série N.º 204 22 de outubro de 2012 34807

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA TÍTULO I. Princípios e disposições comuns. Diário da República, 2.ª série N.º 204 22 de outubro de 2012 34807 Diário da República, 2.ª série N.º 204 22 de outubro de 2012 34807 pedimentos, e Rosalina Emília Simões Antunes, Assistente Operacional do ACES VI -Loures; Vogais suplentes: Adelaide Maria Jesus Matias

Leia mais

TÍTULO I MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. 42474 Diário da República, 2.ª série N.º 202 17 de Outubro de 2008

TÍTULO I MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. 42474 Diário da República, 2.ª série N.º 202 17 de Outubro de 2008 42474 Diário da República, 2.ª série N.º 202 17 de Outubro de 2008 Despacho n.º 26129/2008 Com base no Despacho n.º 7465, de 13 de Março de 2008, eu Maria Mestre Manuel, professora titular do grupo 300,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Câmara dos Deputados D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D Regimento dos Deputados Câmara Interno da Brasília 2012 10ª edição REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Leia mais

Normas Regimentais e Instruções Gerais

Normas Regimentais e Instruções Gerais Normas Regimentais e Instruções Gerais 1. Ano Acadêmico e Calendário Escolar O ano acadêmico consta de dois períodos letivos regulares (semestres), cada um com a duração mínima de 100 dias de trabalho

Leia mais

Lei Orgânica do Município de Limeira - Atualizado até Emenda nº 43/13

Lei Orgânica do Município de Limeira - Atualizado até Emenda nº 43/13 Lei Orgânica do Município de Limeira Resolução Nº 44, DE 1992. Atualizado até Emenda nº 44/13 1 Sumário TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 CAPÍTULO I - DO MUNICÍPIO... 4 SEÇÃO I - DOS DIREITOS DOS

Leia mais

DIREITÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO

DIREITÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO Capítulo I DIREITÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO Estatuto do Diretório Acadêmico do curso de Direito da Faculdade de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul Denominação, Sede, Prazo, Símbolos e Finalidades Art.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB Dispõe sobre o Regulamento Geral previsto na Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994. O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições conferidas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE PARTE I Da Natureza, Composição, Organização E Competência Do Cade 3 TÍTULO I Do Tribunal Administrativo De Defesa Econômica 3 CAPÍTULO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO NÓS, REPRESENTANTES DO POVO, INVESTIDOS DE PODERES CONSTITUINTE, CONTINUADORES DE NOSSA TRADIÇÃO DE LUTA E HEROÍSMO HERDADOS

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ Documento obtido no site http://www.al.ce.gov.br. Atualizada até a Emenda Constitucional nº 74, de 19.04.2012 Atualizada em 24.07.2012. TÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

Leia mais

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs)

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs) Como criar uma ONG Esta publicação foi editada pela Revista IntegrAção - CETS/EAESP/FGV em abril de 2000. Tem como principal fonte de informação o Programa Estadual de Apoio às ONGs PROAONG, da Secretaria

Leia mais