A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão 2011"

Transcrição

1 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão 2011

2 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 (Valores expressos em euros) EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS a volume de negócios decresceu cerca de 17% em comparação com o período anterior, passando de ,14 em 2010 para ,65 em a capital social manteve-se inalterado no corrente exercício. a capital próprio diminuiu cerca de 54%, apresentando actualmente o valor de ,68. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA DO EXERCíCIO A evolução da sociedade ao nível económico e financeiro caracterizou-se no período de 2011, pelo seguinte: Resultados Resultados antes de depreciações, gastos , ,71 de financiamento e impostos Resultado operacional (antes dos gastos de , ,85 financiamento e impostos) Resultado antes de impostos , ,24 Imposto sobre o rendimento do período -993,06-508,59 Resultado líquido do período , ,65 Como podemos verificar, face ao decréscimo do volume de negócios, a empresa apresenta um quebra generalizada dos seus resultados que passaram de positivos em 2010 para negativos em De referir apenas a variação do Resultado líquido do período que passou de 1.241,65 em 2010 para em EVOLUÇÃO PREViSíVEL Para os próximos exercícios económicos a empresa espera voltar a apresentar um crescimento gradual dos seus resultados passando novamente a valores positivos. Para tal, aposta numa reestruturação da sua carteira de clientes, bem como na racionalização e optimização dos seus recursos internos. I

3 ASPECTOS LEGAIS A empresa adquiriu em 29 de Dezembro de 2011 uma quota própria no valor nominal de 5.00, pelo valor de 35.00, que corresponde a 10% do capital social. Com a escritura foi tornada indispensável uma reserva livre face ao valor de aquisição da quota própria. Em virtude de em 31/12/2011 terem ocorrido variações patrimoniais negativas originadas pelos resultados verificados no último trimestre do ano, a reserva livre tornada indisponível no momento da escritura carece de uma reposição de cerca de Nestes termos a Gerência propõe para que a situação seja regularizada, que os sócios realizem um aumento de capital para cobertura de prejuízos com a correspondente diminuição de capital, ou deliberem a realização de prestações suplementares de capital. PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS A gerência vem submeter à Assembleia Geral a aprovação de que o resultado líquido do período de 2011, no valor de ,40, transite para a rúbrica de resultados transitados pela totalidade do seu valor. Alverca, 29 de Fevereiro de 2012

4 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Anexo às Demonstrações Financeiras para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 (Valores expressos em euros) Nota 1. Identificacão da entidade A lia. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda" (A. Morais, Lda.), com o número de identificação fiscal , matriculada sob o nº 1251 na Conservatória do Registo Comercial de Vila Franca de Xira, foi constituída em 11 de Abril de 1983 sob a forma de sociedade por quotas, com capital social no valor de totalmente realizado. A sede da A. Morais, Lda. situa-se na Rua de Diu, nº Alverca do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira onde exerce a sua actividade principal de mediação de seguros A A. Morais, Lda.é detida por sócios individuais, não sendo participada por qualquer empresa mãe. Nota 2. Referendal contabilístico de preparacão das demonstracões financeiras 2.1. As demonstrações financeiras anexas foram preparadas em conformidade com todas as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro que integram o Sistema de Normalização Contabilística (SNC).Assim, tais demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com as Basespara a Apresentação de Demonstrações Financeiras, os Modelos de Demonstrações Financeiras, o Código de Contas, as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF)e as Normas Interpretativas. Sempre que o SNCnão responda a aspectos particulares de transacções ou situações, são aplicadas, supletivamente, e pela ordem indicada, as Normas Internacionais de Contabilidade, adoptadas ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho, as Normas Internacionais de Contabilidade (IAS) e as Normas Internacionais de Relato Financeiro (lfrs)emitidas pelo IASBe respectivas interpretações SIC-IFRIC Na preparação das demonstrações financeiras anexas, não foram derrogadas quaisquer disposições constantes do SNC As políticas contabilísticas e os critérios de mensuração adoptados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 são comparáveis com as políticas contabilísticas e os critérios de mensuração utilizados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Assim, os conteúdos das contas do balanço e da demonstração dos resultados de 31 de Dezembro de 2011 são, em todos os aspectos materialmente relevantes, comparáveis com os conteúdos das contas de balanço e da demonstração dos resultados do exercício anterior. Nota 3. Principais políticas contabilísticas, estimativas e julgamentos relevantes 3.1. Activos fixos ta ngíveis Os activos fixos tangíveis, encontram-se registados de acordo com o modelo do custo, deduzido das correspondentes depreciações acumuladas. As depreciações são calculadas em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo de bens. O processo do registo contabilístico das depreciações inicia-se no exercício em que os bens entraram em funcionamento, sendo as respectivas quotas anuais calculadas e registadas como se os bens tivessem entrado em funcionamento no início de tal exercício. As taxas de depreciação utilizadas correspondem aos seguintes períodos de vida útil estimada (em anos): Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Equipamento administrativo Equipamentos biológicos Outros activos fixos tangíveis 10 a 50 2 a 15 2 alo 2 alo 8 a 20 2 a 15

5 ' dispêndios <em reparações que "'0 aumentem a vida útll do, activos nem resultem em melhorlas,lg",2~, activos fixos tangíveis são registados como gastos dos períodos em que são incorridos. Os dispêndios com manutenção e conservação destes activos são registados como gastos dos períodos em que ocorrem. As mais ou menos valias resultantes da alienação ou abate de activos fixos tangíveis são determinadas como a diferença entre o preço de venda e o valor líquido contabilístico na data de alienação ou abate, sendo registadas na demonstração dos resultados nas rubricas "Outros rendimentos e ganhos" ou "Outros gastos e perdas". 3.2 Investimentos financeiros Os investimentos financeiros representativos de partes de capital encontram-se registados ao custo de aquisição. 3.3 Instrumentos financeiros Clientes e outras contas a receber Osclientes e as outras a receber, encontram-se mensurados de acordo com o método do custo Fornecedores e outras contas a pagar As dívidas a fornecedores ou a outras contas a pagar são registadas pelo seu valor nominal, dado que não vencem juros e o efeito do desconto é considerado imaterial Imposto sobre o rendimento O gasto relativo a "Imposto sobre o rendimento do período" representa a soma do imposto corrente e do imposto diferido. O imposto corrente sobre o rendimento é calculado com base nos resultados tributáveis da A. Morais, Lda. de acordo com as regras fiscais em vigor, enquanto o imposto dlferldo resulta das diferenças temporárias entre o montante dos activos e passivos para efeitos de relato contabilístico (quantia escriturada) e os respectivos montantes para efeitos de tributação (base fiscal). Os impostos diferidos activos e passivos são calculados e anualmente avaliados utilizando as taxas de tributação em vigor ou anunciadas para vigorar à data expectável da reversão das diferenças temporárias. Os activos por impostos diferidos, só são reconhecidos quando existem expectativas razoáveis de lucros fiscais futuros suficientes para a sua utilização, ou nas situações em que existam diferenças temporárias tributáveis que compensem as diferenças temporárias dedutíveis no período da sua reversão. Em 31 de Dezembro de 2010 e 31 de Dezembro de 2011, não foram identificadas situações justificativas da constituição de impostos diferidos activos, dado não ser expectável que de forma significativa os prejuízos fiscais de 2010 virem a ser dedutíveis nos quatro exercícios seguintes. Os impostos diferidos são registados como gasto ou rendimento do exerct CIO, excepto se resultarem de valores registados directamente em capital próprio, situação em que o imposto diferido é também registado na mesma rubrica Juízos de valor e estimativas Na preparação das demonstrações financeiras anexas, a gerência da A. Morais, Lda. adoptou certos pressupostos e estimativas que afectam os activos e passivos, rendimentos e gastos relatados. Todas as estimativas e assunções efectua das pela gerência da A. Morais, Lda. foram efectuadas com base no melhor conhecimento existente à data de aprovação das demonstrações financeiras, dos eventos e transacções em curso. As estimativas contabilísticas mais significativas reflectidas nas demonstrações financeiras dizem respeito à definição das vidas úteis dos activos fixos tangíveis e análises de imparidade, nomeadamente das contas de inventários, clientes e outras contas a receber. As estimativas foram determinadas com base na melhor informação disponível à data da preparação das demonstrações financeiras e com base no melhor conhecimento e na experiência de eventos passados e/ou correntes. No entanto, poderão ocorrer situações em períodos subsequentes que, não sendo previsíveis à data, não foram consideradas nessas estimativas. As alterações a essas estimativas, que ocorram posteriormente à data das demonstrações financeiras, serão corrigi das na demonstração de resultados de forma prospectiva.

6 Nota 4. Fluxos de caixa Os saldos de caixa e seus equivalentes encontram-se disponíveis para uso imediato. Nota S. Políticas contabilísticas. alteracões nas estimativas e erros (a) (b) (c) Tal como mencionado na nota 2.3., as políticas contabilísticas e os critérios de mensuração adoptados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 são comparáveis com os utilizados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Não foram efectuadas alterações significativas nas estimativas contabilísticas incluídas nas demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 quando comparadas com as estimativas contabilísticas incluídas nas demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Não foram identificados erros materiais que afectem as demonstrações financeiras de períodos anteriores. Nota 6. Activos fixos tangíveis Quantia escriturada bruta inicial Depreciações acumuladas iniciais Quantia escriturada liquida inicial Adições Aquisições de activos Revalorizações Depreciações acumuladas de activos abatidos Outras '. dasadições Diminuições Depreciações Perdas por impa ridade Alienações Abates Outras dasdiminuições Quantia escriturada líquida final Equipa mento Equipamento Transporte Administrativo , , , , , , , ,88-878,05-878,05-878,05 ' -878,05 847,83 847,83 Nota 7. Participacões financeiras e outros activos financeiros Outros Titu los Allianz Portugal, 5A , , , ,00 Nota 8. Clientes Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica clientes apresentava as seguintes maturidades: < 90 dias dias > 180 dias Perdas por impa ridade acumuladas ,99 152,50,, 1.648,99 152, ,99 152,50

7 ~ Nota 9. Estado e outros entes públicos Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica Estado e outros entes públicos apresentava as seguintes quantias: ~ A-c-ti-vo--~2,lr1~1---pa-s-s-iV-O A-c-ti-vo--~2~1~_1~0_-~~p~a~s-~s-i~V-O:::::1 Imposto sobre o valor acrescentado Imposto sobre o rendimento pessoas colectivas Imposto sobre o rendimento pessoas singulares Contribuições para a segurança social 4.902,84 912, , , ,72 465,55 844, , , , , ,46 Nota 10. Outras contas a receber Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica outras contas a receber apresentava os seguintes valores: Devedores por acréscimo de rendimentos (1) , ,18 Devedores e credores diversos Reci bos pa ra cobra nça - Segura dos (2) , , , , , ,62 (1) - Conforme decla rações de rendimentos das compa nhias e recibos emitidos em 2012 referentes a comissões (2)-Conforme listagem de recibos á cobrança mensal Nota 11. Caixa e depósitos bancários Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica caixa e depósitos bancários apresentava os seguintes saldos: Caixa Depósitos ba ncá rios , , , ,64,, , ,09 Nota 12. Capital e reservas legais o capital está representado por quatro quotas, três no valor de 5.00( cada e uma de 35.00(. O capital encontra-se totalmente subscrito e realizado. O Código das Sociedades Comercias estabelece que, pelo menos, 5% do resultado líquido anual tem de ser destinado ao reforço da reserva legal até que esta represente 20% do capital. Esta reserva não é distribuível a não ser em caso de liquidação das entidades, podendo ser utilizada para absorver prejuízos depois de esgotadas as outras reservas, ou incorporada no capital. A empresa adquiriu em 29 de Dezembro de 2011 uma quota própria no valor nominal de 5.00(, pelo valor de 35.00(, que corresponde a 10% do capital social. Com a escritura foi tornada indispensável uma reserva livre face ao valor de aquisição da quota própria. Em virtude de em 31/12/2011 terem ocorrido variações patrimoniais negativas originadas pelos resultados verificados no último trimestre do ano, a reserva livre tornada indisponível no momento da escritura carece de uma reposição de cerca de 17.00(

8 Nota 13. Fornecedores Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica fornecedores apresentava as seguintes maturidades: <90 dias 985, , dias > 180 dias, 985,35 ' 1.019,14 Nota 14. Outras contas a pagar Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica outras contas a pagar apresentava os seguintes valores: Remunerações a liquida r , ,72 Devedores e credores diversos Devedores de Imobilizado Compa nhias de seguros - recibos a cobra r (1) 2.897, , , ,60 Maria Angelina Cera -Aquisição Quotas , , , ,43 (1) - Conforme listagem de recibos á cobrança mensal Nota 15. Diferimentos Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica diferimentos apresentava os seguintes valores: Rendimentos a reconhecer Comissões factura das não disponíveis (1) ,70,, 5.792,70 (1) - Conforme decla rações de rendimentos das companhias e recibos emitidos em 2011 referentes a comissões Nota 16. Vendas e serviços prestados Vendas mercadorias Vendas de produtos Serviços prestados , , , ,65 ' ,14 (Ver nota 27)

9 Nota 17. Fornecimentos e servicos externos 4~<,. 2011, Subcontratos Serviços especializados: Trabalhos especializa dos 4.366, ,00 Publicidade e propaga nda 585,98 Vigilancia e segurança 113,63 121,44 Honorários 5.551, ,77 Comissões Conservação e reparação 2.002, ,26 Serviços ba ncá rios 440, ,13 504, ,22 Materiais: Ferramentas e utensílios desgaste rápido 39,89 404,53 Livros e documentação técnica Materia I de escritório 932, ,48 Artigos p/ ofe rta Outros 972, ,01 Energia e fluídos Electricidade 1.289,37 942,43 Combustíveis 513, ,72 Água 121,37 25,87 Outros 1.924, ,02 Deslocações, estadas e transportes: Deslocações e estadas 6.526, ,37 Transportes de pessoal 3,50 Transportes de mercadorias Outros 6.526, ,87 Serviços diversos: Rendas e alugueres , ,82 Comunicação 4.260, ,69 Seguros 1.048, ,73 Contencioso e notariado 561,13 76,50 Despesas representação Limpeza higiene e conforto 185,59 157,25 Outros serviços , , , ,11 Nota 18. Gastos com o pessoal Remunerações dos orgãos sociais Remunerações do pessoal Encargos sobre remunerações Seguros Outros gastos com pessoal , , , , , , , ,34 295,20 145,20, ,40 ' ,04

10 Os outros gastos com o pessoal englobam, nomeadamente, indemnizações, formação, gastos relacionados com a medicina, higiene e segurança no trabalho. O número médio de empregados da A. Morais, lda. ao longo do ano e o número no fim do período foram de: Número médio de empregados Número de empregados no fim do período Nota 19. Outros rendimentos e ganhos Ganhos em inventários Ganhos em investimentos não fina nceiros Diferenças de câ mbio favoráveis Imputação de subsídios para investimentos Juros obtidos Outros rendimentos e ganhos 4, ,87, 4,70 ' 1.101,87 Nota 20. Outros gastos e perdas Impostos Perdas em inventários Diferenças de câ mbio desfavoráveis Outros gastos e perdas , ,54, 2.097,61, 2.678, , ,15 Nota 21. Juros e rendimentos similares obtidos Juros obtidos Dividendos obtidos Outros rendimentos simila res ,52 222,05, 372,52 ' 222,05 Nota 22. Juros e gastos similares suportados Juros suportados Diferenças de câmbio desfavoráveis Outros gastos e perdas de financiamento ,66, ' 99,66

11 Nota 23. Imposto sobre o rendimento do período Os impostos sobre o rendimento reconhecidos na demonstração dos resultados dos exercícios findos em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 podem ser detalhados como segue: Imposto corrente Imposto diferido, ,06 508,59 993,06 ' 508,59 A estimativa do imposto corrente do período foi efectuada da seguinte forma: Resultado antes de impostos Gastos não aceites fisca Imente Deduções aceites fiscalmente Prejuízos fiscais dedutíveis Matéria colectável (1) Taxade imposto (2) Imposto sobre o rendimento Tributações autónomas Imposto corrente , ,24, , ,34 26,5%, 993,06 993,06,. 26,5% 26,25 482,34 508,59 (1)Matériacolectáveltributada sevalor> O (2)Ataxanormalde impostoé de 12.50%paraa matériacolectávelaté 12,500( e de 25.00%paraa matériacolectávelacimadestevalor.a taxadederramaaplicávelé de 1,50%.. Nota 24. Passivoscontingentes Em 31 de Dezembro de 2010 e 31 de Dezembro de 2011, não se considerou nenhuma provisão devida a eventuais passivos contingentes, pelo facto do órgão de gestão não ter identificado quaisquer situações justificativas para o fazer. Nota 25. Acontecimentos após a data do Balanco A gerência não tem conhecimento de quaisquer acontecimentos em 2012 que possam ter um efeito significativo nas demonstrações financeiras da A. Morais, Lda.do período findo em 31 de Dezembro de Nota 26. Data de autorizacão para emissão As demonstrações financeiras do período findo em 31 de Dezembro de 2011 foram aprovadas pela gerência e autorizadas para emissão em 29 de Fevereiro de Nota 27. Prestacão do servico de mediação de seguros ai Politicas contabilísticas adopta das para reconhecimento das remuneracões O corretor/agente de seguros reconhece o rédito/remuneração de acordo com as normas em vigor, sendo que, em particular e por regra - embora admita excepções - no exercício da actividade de mediação de seguros, reconhece contabilisticamente o rendimento aquando da prestação de contas do mediador ás empresas de seguros e da prestação de contas das empresas de segurosao mediador.

12 bl das remuneracões recebidas desagrega das por natureza e por tipo Por natureza Numerário Espécie Remunerações 2010 I , , , ,65 Por tipo Comissões Honorários Outras remunerações Remunerações 2010 I , , , ,65 cl das remuneracões relativas aos contratos de seguro desagregadas por Ramo "Vida". Fundos de Pensões e conjunto dos ramos "Não Vida. e por origem Por entidade (origem) Empresas de seguros Outros mediadores Clientes Remunerações RamoVida I Ramo Não Vida I Fundos de Pensões 2010 I 2011 I 2010 I 2011 I 2010 I ,95 427, , ,69 772,95 427, , ,69 di Niveis de concentracão das remuneracões auferidas pela carteira Por entidade (origem) Empresas de seguros Outros mediadores Clientes ~ R~e~m~u~n~er~a~ç~õ~e~s~~~_ 2010 I % 100% 100% 100%

13 el Valores das contas "Clientes" Início do exercício Final do exercíco Volume movimentado Adébito Acrédito no exercício Valores das contas "clientes" , , , , , , , ,84 fl Contas a receber e a pagar desagregadas por origem Por entidade (origem) Tomadores de seguro, segurados ou beneficiá rios Empresas de seguros Empresas de resseguros Outros mediadores Clientes (outros) SaIdo conta bilístico exitente no fina I do exercício Conta s a rece be r I Contas a casar 2010 I 2011 I 2010 I , , , , , , , , , ,10 gl Valores agregados incluídos nas contas a receber e a pagar Por natureza Fundos recebidos com vista a serem transferidos para as empresas de (res)seguros para paga mento de prémios de (res)seguro Fundos em cobra nça com vista a serem tra nsferidos pa ra as empresas de (res)seguros para paga mento de prémios de (res)seguro Fundos que lhe fora m confiados pelas empresas de (res)seguros com vista a serem transferidos para tomadores de seguro, segurados ou beneficiá rios (ou empresas de seguros no caso da actividade de mediação de resseguros) Remunerações respeitantes a prémios de (res)seguro já cobrados e por cobra r Outras qua ntias Saldo conta bilístico exitente no final do exercício Contas a receber I Contas a paga r 2010 I 2011 I 2010 I , , , , , , , , , ,10

14 h) Idade das contas a receber vencidas à data de relato (final do período) Até 30 dias Contasa receber Sem imparidade , , , ,71 Com imparidade,,, ,75 ' ,86 ' , ,71 ' il empresas de seguros cujas remunerações pagas ao corretor de seguros representem. cada uma. pelo menos 5% do total das remunerações Remunerações Ramo Vida / Não Vida / Fundo de Pensões Valor I % 2010 I 2011 I 2010 I 2011 Empresas de seguros Companhia de seguros Allianz Portugal, SA , ,54 21,85% 25,55% Victória Seguros, SA 1.680,63 901,90 1,10% 0,70% Companhia de Seguros Fidelidade Mundial, SA 8.800, ,39 5,78% 4,32% Global Companhia de Seguros, SA , ,29 39,62%,8,16% Império Bonança Companhia de Seguros, SA , ,19 13,42% 12,76% Lusitânia, Companhia de Seguros, SA 2.256, ,08 1,48% 1,82% Companhia de 5eguros Açoreana, SA 2.951, ,81 1,94% 33,38% Companhia de Seguros Tranquilidade, SA , ,10 10,33% 5,77% Generali Comapnhia de Seguros, SA 5.035, ,64 3,31% 3,01% AJ<aPortugal, Companhia de Seguros, SA 59,58 102,47 0,04% 0,08% Mapfre Seguros Gerais, SA 30,60 70,89 0,02% 0,05% Liberty Seguros, SA 1.682, ,65 1,11% 4,30% Metlife,lnc 143,13 % 0,11% , ,08 10% 10% Alverca, 28 de Fevereiro de 2011 o Técnico Oficial de Contas ~o

15 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Anexo às Demonstrações Financeiras para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 (Valores expressos em euros) Nota 1. Identificacão da entidade A lia. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda" (A. Morais, Lda.), com o número de identificação fiscal , matriculada sob o nº 1251 na Conservatória do Registo Comercial de Vila Franca de Xira, foi constituída em 11 de Abril de 1983 sob a forma de sociedade por quotas, com capital social no valor de totalmente realizado. A sede da A. Morais, Lda. situa-se na Rua de Diu, nº Alverca do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira onde exerce a sua actividade principal de mediação de seguros A A. Morais, Lda.é detida por sócios individuais, não sendo participada por qualquer empresa mãe. Nota 2. Referendal contabilístico de preparacão das demonstracões financeiras 2.1. As demonstrações financeiras anexas foram preparadas em conformidade com todas as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro que integram o Sistema de Normalização Contabilística (SNC).Assim, tais demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com as Basespara a Apresentação de Demonstrações Financeiras, os Modelos de Demonstrações Financeiras, o Código de Contas, as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF)e as Normas Interpretativas. Sempre que o SNCnão responda a aspectos particulares de transacções ou situações, são aplicadas, supletivamente, e pela ordem indicada, as Normas Internacionais de Contabilidade, adoptadas ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho, as Normas Internacionais de Contabilidade (IAS) e as Normas Internacionais de Relato Financeiro (lfrs)emitidas pelo IASBe respectivas interpretações SIC-IFRIC Na preparação das demonstrações financeiras anexas, não foram derrogadas quaisquer disposições constantes do SNC As políticas contabilísticas e os critérios de mensuração adoptados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 são comparáveis com as políticas contabilísticas e os critérios de mensuração utilizados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Assim, os conteúdos das contas do balanço e da demonstração dos resultados de 31 de Dezembro de 2011 são, em todos os aspectos materialmente relevantes, comparáveis com os conteúdos das contas de balanço e da demonstração dos resultados do exercício anterior. Nota 3. Principais políticas contabilísticas, estimativas e julgamentos relevantes 3.1. Activos fixos ta ngíveis Os activos fixos tangíveis, encontram-se registados de acordo com o modelo do custo, deduzido das correspondentes depreciações acumuladas. As depreciações são calculadas em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo de bens. O processo do registo contabilístico das depreciações inicia-se no exercício em que os bens entraram em funcionamento, sendo as respectivas quotas anuais calculadas e registadas como se os bens tivessem entrado em funcionamento no início de tal exercício. As taxas de depreciação utilizadas correspondem aos seguintes períodos de vida útil estimada (em anos): Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Equipamento administrativo Equipamentos biológicos Outros activos fixos tangíveis 10 a 50 2 a 15 2 alo 2 alo 8 a 20 2 a 15

16 ' dispêndios <em reparações que "'0 aumentem a vida útll do, activos nem resultem em melhorlas,lg",2~, activos fixos tangíveis são registados como gastos dos períodos em que são incorridos. Os dispêndios com manutenção e conservação destes activos são registados como gastos dos períodos em que ocorrem. As mais ou menos valias resultantes da alienação ou abate de activos fixos tangíveis são determinadas como a diferença entre o preço de venda e o valor líquido contabilístico na data de alienação ou abate, sendo registadas na demonstração dos resultados nas rubricas "Outros rendimentos e ganhos" ou "Outros gastos e perdas". 3.2 Investimentos financeiros Os investimentos financeiros representativos de partes de capital encontram-se registados ao custo de aquisição. 3.3 Instrumentos financeiros Clientes e outras contas a receber Osclientes e as outras a receber, encontram-se mensurados de acordo com o método do custo Fornecedores e outras contas a pagar As dívidas a fornecedores ou a outras contas a pagar são registadas pelo seu valor nominal, dado que não vencem juros e o efeito do desconto é considerado imaterial Imposto sobre o rendimento O gasto relativo a "Imposto sobre o rendimento do período" representa a soma do imposto corrente e do imposto diferido. O imposto corrente sobre o rendimento é calculado com base nos resultados tributáveis da A. Morais, Lda. de acordo com as regras fiscais em vigor, enquanto o imposto dlferldo resulta das diferenças temporárias entre o montante dos activos e passivos para efeitos de relato contabilístico (quantia escriturada) e os respectivos montantes para efeitos de tributação (base fiscal). Os impostos diferidos activos e passivos são calculados e anualmente avaliados utilizando as taxas de tributação em vigor ou anunciadas para vigorar à data expectável da reversão das diferenças temporárias. Os activos por impostos diferidos, só são reconhecidos quando existem expectativas razoáveis de lucros fiscais futuros suficientes para a sua utilização, ou nas situações em que existam diferenças temporárias tributáveis que compensem as diferenças temporárias dedutíveis no período da sua reversão. Em 31 de Dezembro de 2010 e 31 de Dezembro de 2011, não foram identificadas situações justificativas da constituição de impostos diferidos activos, dado não ser expectável que de forma significativa os prejuízos fiscais de 2010 virem a ser dedutíveis nos quatro exercícios seguintes. Os impostos diferidos são registados como gasto ou rendimento do exerct CIO, excepto se resultarem de valores registados directamente em capital próprio, situação em que o imposto diferido é também registado na mesma rubrica Juízos de valor e estimativas Na preparação das demonstrações financeiras anexas, a gerência da A. Morais, Lda. adoptou certos pressupostos e estimativas que afectam os activos e passivos, rendimentos e gastos relatados. Todas as estimativas e assunções efectua das pela gerência da A. Morais, Lda. foram efectuadas com base no melhor conhecimento existente à data de aprovação das demonstrações financeiras, dos eventos e transacções em curso. As estimativas contabilísticas mais significativas reflectidas nas demonstrações financeiras dizem respeito à definição das vidas úteis dos activos fixos tangíveis e análises de imparidade, nomeadamente das contas de inventários, clientes e outras contas a receber. As estimativas foram determinadas com base na melhor informação disponível à data da preparação das demonstrações financeiras e com base no melhor conhecimento e na experiência de eventos passados e/ou correntes. No entanto, poderão ocorrer situações em períodos subsequentes que, não sendo previsíveis à data, não foram consideradas nessas estimativas. As alterações a essas estimativas, que ocorram posteriormente à data das demonstrações financeiras, serão corrigi das na demonstração de resultados de forma prospectiva.

17 Nota 4. Fluxos de caixa Os saldos de caixa e seus equivalentes encontram-se disponíveis para uso imediato. Nota S. Políticas contabilísticas. alteracões nas estimativas e erros (a) (b) (c) Tal como mencionado na nota 2.3., as políticas contabilísticas e os critérios de mensuração adoptados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 são comparáveis com os utilizados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Não foram efectuadas alterações significativas nas estimativas contabilísticas incluídas nas demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2011 quando comparadas com as estimativas contabilísticas incluídas nas demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Não foram identificados erros materiais que afectem as demonstrações financeiras de períodos anteriores. Nota 6. Activos fixos tangíveis Quantia escriturada bruta inicial Depreciações acumuladas iniciais Quantia escriturada liquida inicial Adições Aquisições de activos Revalorizações Depreciações acumuladas de activos abatidos Outras '. dasadições Diminuições Depreciações Perdas por impa ridade Alienações Abates Outras dasdiminuições Quantia escriturada líquida final Equipa mento Equipamento Transporte Administrativo , , , , , , , ,88-878,05-878,05-878,05 ' -878,05 847,83 847,83 Nota 7. Participacões financeiras e outros activos financeiros Outros Titu los Allianz Portugal, 5A , , , ,00 Nota 8. Clientes Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica clientes apresentava as seguintes maturidades: < 90 dias dias > 180 dias Perdas por impa ridade acumuladas ,99 152,50,, 1.648,99 152, ,99 152,50

18 ~ Nota 9. Estado e outros entes públicos Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica Estado e outros entes públicos apresentava as seguintes quantias: ~ A-c-ti-vo--~2,lr1~1---pa-s-s-iV-O A-c-ti-vo--~2~1~_1~0_-~~p~a~s-~s-i~V-O:::::1 Imposto sobre o valor acrescentado Imposto sobre o rendimento pessoas colectivas Imposto sobre o rendimento pessoas singulares Contribuições para a segurança social 4.902,84 912, , , ,72 465,55 844, , , , , ,46 Nota 10. Outras contas a receber Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica outras contas a receber apresentava os seguintes valores: Devedores por acréscimo de rendimentos (1) , ,18 Devedores e credores diversos Reci bos pa ra cobra nça - Segura dos (2) , , , , , ,62 (1) - Conforme decla rações de rendimentos das compa nhias e recibos emitidos em 2012 referentes a comissões (2)-Conforme listagem de recibos á cobrança mensal Nota 11. Caixa e depósitos bancários Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica caixa e depósitos bancários apresentava os seguintes saldos: Caixa Depósitos ba ncá rios , , , ,64,, , ,09 Nota 12. Capital e reservas legais o capital está representado por quatro quotas, três no valor de 5.00( cada e uma de 35.00(. O capital encontra-se totalmente subscrito e realizado. O Código das Sociedades Comercias estabelece que, pelo menos, 5% do resultado líquido anual tem de ser destinado ao reforço da reserva legal até que esta represente 20% do capital. Esta reserva não é distribuível a não ser em caso de liquidação das entidades, podendo ser utilizada para absorver prejuízos depois de esgotadas as outras reservas, ou incorporada no capital. A empresa adquiriu em 29 de Dezembro de 2011 uma quota própria no valor nominal de 5.00(, pelo valor de 35.00(, que corresponde a 10% do capital social. Com a escritura foi tornada indispensável uma reserva livre face ao valor de aquisição da quota própria. Em virtude de em 31/12/2011 terem ocorrido variações patrimoniais negativas originadas pelos resultados verificados no último trimestre do ano, a reserva livre tornada indisponível no momento da escritura carece de uma reposição de cerca de 17.00(

19 Nota 13. Fornecedores Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica fornecedores apresentava as seguintes maturidades: <90 dias 985, , dias > 180 dias, 985,35 ' 1.019,14 Nota 14. Outras contas a pagar Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica outras contas a pagar apresentava os seguintes valores: Remunerações a liquida r , ,72 Devedores e credores diversos Devedores de Imobilizado Compa nhias de seguros - recibos a cobra r (1) 2.897, , , ,60 Maria Angelina Cera -Aquisição Quotas , , , ,43 (1) - Conforme listagem de recibos á cobrança mensal Nota 15. Diferimentos Em 31 de Dezembro de 2011 e 2010, a rubrica diferimentos apresentava os seguintes valores: Rendimentos a reconhecer Comissões factura das não disponíveis (1) ,70,, 5.792,70 (1) - Conforme decla rações de rendimentos das companhias e recibos emitidos em 2011 referentes a comissões Nota 16. Vendas e serviços prestados Vendas mercadorias Vendas de produtos Serviços prestados , , , ,65 ' ,14 (Ver nota 27)

20 Nota 17. Fornecimentos e servicos externos 4~<,. 2011, Subcontratos Serviços especializados: Trabalhos especializa dos 4.366, ,00 Publicidade e propaga nda 585,98 Vigilancia e segurança 113,63 121,44 Honorários 5.551, ,77 Comissões Conservação e reparação 2.002, ,26 Serviços ba ncá rios 440, ,13 504, ,22 Materiais: Ferramentas e utensílios desgaste rápido 39,89 404,53 Livros e documentação técnica Materia I de escritório 932, ,48 Artigos p/ ofe rta Outros 972, ,01 Energia e fluídos Electricidade 1.289,37 942,43 Combustíveis 513, ,72 Água 121,37 25,87 Outros 1.924, ,02 Deslocações, estadas e transportes: Deslocações e estadas 6.526, ,37 Transportes de pessoal 3,50 Transportes de mercadorias Outros 6.526, ,87 Serviços diversos: Rendas e alugueres , ,82 Comunicação 4.260, ,69 Seguros 1.048, ,73 Contencioso e notariado 561,13 76,50 Despesas representação Limpeza higiene e conforto 185,59 157,25 Outros serviços , , , ,11 Nota 18. Gastos com o pessoal Remunerações dos orgãos sociais Remunerações do pessoal Encargos sobre remunerações Seguros Outros gastos com pessoal , , , , , , , ,34 295,20 145,20, ,40 ' ,04

21 Os outros gastos com o pessoal englobam, nomeadamente, indemnizações, formação, gastos relacionados com a medicina, higiene e segurança no trabalho. O número médio de empregados da A. Morais, lda. ao longo do ano e o número no fim do período foram de: Número médio de empregados Número de empregados no fim do período Nota 19. Outros rendimentos e ganhos Ganhos em inventários Ganhos em investimentos não fina nceiros Diferenças de câ mbio favoráveis Imputação de subsídios para investimentos Juros obtidos Outros rendimentos e ganhos 4, ,87, 4,70 ' 1.101,87 Nota 20. Outros gastos e perdas Impostos Perdas em inventários Diferenças de câ mbio desfavoráveis Outros gastos e perdas , ,54, 2.097,61, 2.678, , ,15 Nota 21. Juros e rendimentos similares obtidos Juros obtidos Dividendos obtidos Outros rendimentos simila res ,52 222,05, 372,52 ' 222,05 Nota 22. Juros e gastos similares suportados Juros suportados Diferenças de câmbio desfavoráveis Outros gastos e perdas de financiamento ,66, ' 99,66

22 Nota 23. Imposto sobre o rendimento do período Os impostos sobre o rendimento reconhecidos na demonstração dos resultados dos exercícios findos em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 podem ser detalhados como segue: Imposto corrente Imposto diferido, ,06 508,59 993,06 ' 508,59 A estimativa do imposto corrente do período foi efectuada da seguinte forma: Resultado antes de impostos Gastos não aceites fisca Imente Deduções aceites fiscalmente Prejuízos fiscais dedutíveis Matéria colectável (1) Taxade imposto (2) Imposto sobre o rendimento Tributações autónomas Imposto corrente , ,24, , ,34 26,5%, 993,06 993,06,. 26,5% 26,25 482,34 508,59 (1)Matériacolectáveltributada sevalor> O (2)Ataxanormalde impostoé de 12.50%paraa matériacolectávelaté 12,500( e de 25.00%paraa matériacolectávelacimadestevalor.a taxadederramaaplicávelé de 1,50%.. Nota 24. Passivoscontingentes Em 31 de Dezembro de 2010 e 31 de Dezembro de 2011, não se considerou nenhuma provisão devida a eventuais passivos contingentes, pelo facto do órgão de gestão não ter identificado quaisquer situações justificativas para o fazer. Nota 25. Acontecimentos após a data do Balanco A gerência não tem conhecimento de quaisquer acontecimentos em 2012 que possam ter um efeito significativo nas demonstrações financeiras da A. Morais, Lda.do período findo em 31 de Dezembro de Nota 26. Data de autorizacão para emissão As demonstrações financeiras do período findo em 31 de Dezembro de 2011 foram aprovadas pela gerência e autorizadas para emissão em 29 de Fevereiro de Nota 27. Prestacão do servico de mediação de seguros ai Politicas contabilísticas adopta das para reconhecimento das remuneracões O corretor/agente de seguros reconhece o rédito/remuneração de acordo com as normas em vigor, sendo que, em particular e por regra - embora admita excepções - no exercício da actividade de mediação de seguros, reconhece contabilisticamente o rendimento aquando da prestação de contas do mediador ás empresas de seguros e da prestação de contas das empresas de segurosao mediador.

23 bl das remuneracões recebidas desagrega das por natureza e por tipo Por natureza Numerário Espécie Remunerações 2010 I , , , ,65 Por tipo Comissões Honorários Outras remunerações Remunerações 2010 I , , , ,65 cl das remuneracões relativas aos contratos de seguro desagregadas por Ramo "Vida". Fundos de Pensões e conjunto dos ramos "Não Vida. e por origem Por entidade (origem) Empresas de seguros Outros mediadores Clientes Remunerações RamoVida I Ramo Não Vida I Fundos de Pensões 2010 I 2011 I 2010 I 2011 I 2010 I ,95 427, , ,69 772,95 427, , ,69 di Niveis de concentracão das remuneracões auferidas pela carteira Por entidade (origem) Empresas de seguros Outros mediadores Clientes ~ R~e~m~u~n~er~a~ç~õ~e~s~~~_ 2010 I % 100% 100% 100%

24 el Valores das contas "Clientes" Início do exercício Final do exercíco Volume movimentado Adébito Acrédito no exercício Valores das contas "clientes" , , , , , , , ,84 fl Contas a receber e a pagar desagregadas por origem Por entidade (origem) Tomadores de seguro, segurados ou beneficiá rios Empresas de seguros Empresas de resseguros Outros mediadores Clientes (outros) SaIdo conta bilístico exitente no fina I do exercício Conta s a rece be r I Contas a casar 2010 I 2011 I 2010 I , , , , , , , , , ,10 gl Valores agregados incluídos nas contas a receber e a pagar Por natureza Fundos recebidos com vista a serem transferidos para as empresas de (res)seguros para paga mento de prémios de (res)seguro Fundos em cobra nça com vista a serem tra nsferidos pa ra as empresas de (res)seguros para paga mento de prémios de (res)seguro Fundos que lhe fora m confiados pelas empresas de (res)seguros com vista a serem transferidos para tomadores de seguro, segurados ou beneficiá rios (ou empresas de seguros no caso da actividade de mediação de resseguros) Remunerações respeitantes a prémios de (res)seguro já cobrados e por cobra r Outras qua ntias Saldo conta bilístico exitente no final do exercício Contas a receber I Contas a paga r 2010 I 2011 I 2010 I , , , , , , , , , ,10

25 h) Idade das contas a receber vencidas à data de relato (final do período) Até 30 dias Contasa receber Sem imparidade , , , ,71 Com imparidade,,, ,75 ' ,86 ' , ,71 ' il empresas de seguros cujas remunerações pagas ao corretor de seguros representem. cada uma. pelo menos 5% do total das remunerações Remunerações Ramo Vida / Não Vida / Fundo de Pensões Valor I % 2010 I 2011 I 2010 I 2011 Empresas de seguros Companhia de seguros Allianz Portugal, SA , ,54 21,85% 25,55% Victória Seguros, SA 1.680,63 901,90 1,10% 0,70% Companhia de Seguros Fidelidade Mundial, SA 8.800, ,39 5,78% 4,32% Global Companhia de Seguros, SA , ,29 39,62%,8,16% Império Bonança Companhia de Seguros, SA , ,19 13,42% 12,76% Lusitânia, Companhia de Seguros, SA 2.256, ,08 1,48% 1,82% Companhia de 5eguros Açoreana, SA 2.951, ,81 1,94% 33,38% Companhia de Seguros Tranquilidade, SA , ,10 10,33% 5,77% Generali Comapnhia de Seguros, SA 5.035, ,64 3,31% 3,01% AJ<aPortugal, Companhia de Seguros, SA 59,58 102,47 0,04% 0,08% Mapfre Seguros Gerais, SA 30,60 70,89 0,02% 0,05% Liberty Seguros, SA 1.682, ,65 1,11% 4,30% Metlife,lnc 143,13 % 0,11% , ,08 10% 10% Alverca, 28 de Fevereiro de 2011 o Técnico Oficial de Contas ~o

26

27

28 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão 2012

29 \ A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Relatório de Gestão para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2012, (Valores expressos em euros) EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS o volume de negócios decresceu cerca de 1% em comparação com o período anterior, passando de ,65 em 2011 para ,07 em O capital social manteve-se inalterado no corrente exercício. O capital próprio aumentou cerca de 31%, apresentando actualmente o valor de ,42. A empresa detém uma quota própria no valor de No corrente exercício os sócios efectuaram uma prestação suplementar de capital no valor de ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA DO EXERCíCIO A evolução da sociedade ao nível económico e financeiro caracterizou-se no período de 2012, pelo seguinte: Resultados Resultados antes de depreciações, gastos 3.333, ,81 de financiamento e impostos Resultado operacional (antes dos gastos de 2.232, ,86 financiamento e impostos) Resultado antes de impostos 2.416, ,34 Imposto sobre o rendimento do período -971,34-993,06 Resultado líquido do período 1.444, ,40 e Como podemos observar, apesar do ligeiro decréscimo do volume de prestações de serviços, a empresa apresenta uma melhoria generalizada dos seus resultados globais que passaram de negativos em 2011 para positivos em De salientar apenas a variação do Resultado líquido do período que passou de ,40 em 2011 para 1.444,74 em EVOLUÇÃO PREViSíVEL É de prever que a empresa nos próximos exercícios económicos consiga apresentar uma melhoria gradual dos seus resultados, resultante da reestruturação interna, optimização de recursos, prospecção e alargamento da sua carteira de clientes.

30 PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS A gerência vem submeter à Assembleia Geral a aprovação de que o resultado líquido do período de 2012, no valor de 1.444,74, transite para a rúbrica de resultados transitados pela totalidade do seu valor. Alverca, 28 de Fevereiro de 2013 A. Morais h'co"':it","d,s,g~, -If1\J4-~." ~\[ O~ A Gerência

31 A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda. Anexo às Demonstrações Financeiras para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 (Valores expressos em euros) Nota 1. Identificação da entidade A "A. Morais - Corretores e Consultores de Seguros, Lda" (A. Morais, Lda.), c0rl) o número de identificação fiscal , matriculada sob o nq 1251 na Conservatória do Registo Comercial de Vila Franca de Xira, foi constituída em 11 de Abril de 1983 sob a forma de sociedade por quotas, com capital social no valor de totalmente realizado. A sede da A. Morais, Lda. situa-se na Rua de Diu, n Q Alverca do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira onde exerce a sua actividade principal de mediação de seguros A A. Morais, Lda. é detida por sócios individuais, não sendo participada por qualquer empresa mãe. Nota 2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1. As demonstrações financeiras anexas foram preparadas em conformidade com todas as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro que integram o Sistema de Normalização Contabilística (SNC). Assim, tais demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com as Bases para a Apresentação de Demonstrações Financeiras, os Modelos de Demonstrações Financeiras, o Código de Contas, as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF) e as Normas Interpretativas. Sempre que o SNC não responda a aspectos particulares de transacções ou situações, são aplicadas, supletivamente, e pela ordem indicada, as Normas Internacionais de Contabilidade, adoptadas ao abrigo do Regulamento (CE) n. Q 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho, as Normas Internacionais de Contabilidade (IAS) e as Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB e respectivas interpretações SIC-IFRIC Na preparação das demonstrações financeiras anexas, não foram derrogadas quaisquer disposições constantes do SNC As políticas contabilísticas e os critérios de mensuração adoptados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de 2012 são comparáveis com as políticas contabilísticas e os critérios de mensuração utilizados na preparação das demonstrações financeiras de 31 de Dezembro de Assim, os conteúdos das contas do balanço e da demonstração dos resultados de 31 de Dezembro de 2012 são, em todos os aspectos materialmente relevantes, comparáveis com os conteúdos das contas de balanço e da demonstração dos resultados do exercício anterior. Nota 3. Principais políticas contabilísticas, estimativas e julgamentos relevantes 3.1. Activos fixos tangíveis Os activos fixos tangíveis, encontram-se regista dos de acordo com o modelo do custo, deduzido das correspondentes depreciações acumuladas. As depreciações são calculadas em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo de bens. O processo do registo contabilístico das depreciações inicia-se no exercício em que os bens entraram em funcionamento, sendo as respectivas quotas anuais calculadas e registadas como se os bens tivessem entrado em funcionamento no início de tal exercício. As taxas de depreciação utilizadas correspondem aos seguintes períodos de vida útil estimada (em anos): Edifícios e outras construções Equipamento básico Equipamento de transporte Equipamento administrativo Equipamentos biológicos Outros activos fixos tangíveis 10 a 50 2 a 15 2 alo 2 alo 8 a 20 2 a 15 J

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL AS COSTUREIRINHAS CAVERNÃES ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/12/2014 Nota - 1 Identificação da entidade 1,1 Associação de Solidariedade Social "As Costureirinhas"

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

Associação Orquestras Sinfónicas Juvenis Sistema Portugal AOSJSP

Associação Orquestras Sinfónicas Juvenis Sistema Portugal AOSJSP Associação Orquestras Sinfónicas Juvenis Sistema Portugal AOSJSP RELATÓRIO DE GESTÃO Ano 2014 Relatório elaborado por: FAC Fiscalidade, Administração e Contabilidade, Lda 1 1-Natureza e composição dos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 INTRODUÇÃO A sociedade SEGURSENA-MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA (doravante designada por sociedade) Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA. Balanço 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 3. RECURSOS HUMANOS 4. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA Balanço Demonstração dos Resultados Gastos Rendimentos Resultados 5. FACTOS RELEVANTES OCORRIDOS APÓS O

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Relatório e Contas 2013

Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas ÍNDICE PRINCIPAIS INDICADORES 3 SÍNTESE DO ANO 5 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL 5 QUALIDADE DE SERVIÇO 5 RECURSOS HUMANOS 5 SUSTENTABILIDADE 5 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 6 PROPOSTA DE APLICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Relatório de Contas 2013 Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Anexo às Demonstrações Financeiras Aon Portugal Corretores de Seguros, S.A. 31 de Dezembro de 2013 Aon Portugal Corretores

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira GLOSSÁRIO Capítulo 5 Informação Financeira Este Glossário foi elaborado unicamente para apoiar os slides do Cap.5 da disciplina de Gestão e destina-se a ser utilizado exclusivamente pelos alunos de Gestão

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

RIO AVE FC FUTEBOL SDUQ, LDA. RELATÓRIO E CONTAS 14-15

RIO AVE FC FUTEBOL SDUQ, LDA. RELATÓRIO E CONTAS 14-15 RIO AVE FC FUTEBOL SDUQ, LDA. RELATÓRIO E CONTAS 14-15 RIO AVE FUTEBOL CLUBE FUTEBOL, SDUQ, LDA. Sociedade Unipessoal por Quotas Capital Social: 250.000 euros Sede Social - Rua D. Sancho I, freguesia e

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas 8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Nota Introdutória No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do Decreto-lei nº 54-A/99 de 22 de Fevereiro,

Leia mais

Clube de Futebol Os Belenenses

Clube de Futebol Os Belenenses Clube de Futebol Os Belenenses Em Preparado por: 1 Índice das Balanços em 30 de Junho 2015 e 30 Junho de 2014 3 Demonstrações dos Resultados por Naturezas dos exercícios findos em 30 Junho 2015 e 2014

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015

5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 5008 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 ANEXO 11 BALANÇO (INDIVIDUAL ou CONSOLIDADO) EM XX DE YYYYYYY DE 20NN UNIDADE MONETÁRIA (1) RUBRICAS NOTAS DATAS XX YY N XX YY N-1 ATIVO

Leia mais

INFORMAÇÃO SEMESTRAL IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO PARÁ. Relatório do Conselho de Administração

INFORMAÇÃO SEMESTRAL IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO PARÁ. Relatório do Conselho de Administração 2014 IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO PARÁ INFORMAÇÃO SEMESTRAL Imobiliária Construtora Grão Pará,SA (Informação financeira não sujeita a auditoria ou revisão limitada, nos termos do nº 3 do artº 8º do Código

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 www.galpenergia.com Relatório de Contas Individuais 2014 01 02 03 04 Contas individuais

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras

Anexo às Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações Financeiras EXERCÍCIO DE 2012 1. Nota introdutória A Empresa «António Marques, Corretor de Seguros EIRL», foi constituída em 07-12-1999, tem a sua sede na Rua António José Baptista,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 EMPRESA: UNISEGUROS- CORRETORES DE SEGUROS, LDA SEDE: Rua de Castilho nº 65 2º Dto. Sala 10 Lisboa, Concelho de Lisboa Nº CONTRIBUINTE

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Energia cria valor. Relatório de Contas Individuais 2015. Relatório de Governo Societário 2015 3

Energia cria valor. Relatório de Contas Individuais 2015. Relatório de Governo Societário 2015 3 Energia cria valor Relatório de Contas Individuais 2015 A Galp Relatório de Governo Societário 2015 3 Energia cria valor Relatório de Contas Individuais 2015 galp.com Página intencionalmente deixada em

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012

NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2012 é elaborada de acordo com o SNC 1. Não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. As presentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 67 000 000 euros Capital Próprio: (118 030 000) euros aprovado em Assembleia Geral de 01 de Outubro de 2014 Sede Social: Estádio

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 O presente relatório analisa a actividade desenvolvida pelo OPART no primeiro trimestre de 2008 e enquadrada na temporada 2007/08.

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais