USING SOCIAL NETWORKS FOR GEO-COLLABORATION THROUGH ORIENTED ARCHITECTURE SERVICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USING SOCIAL NETWORKS FOR GEO-COLLABORATION THROUGH ORIENTED ARCHITECTURE SERVICE"

Transcrição

1 USING SOCIAL NETWORKS FOR GEO-COLLABORATION THROUGH ORIENTED ARCHITECTURE SERVICE Flávio Rocha dos Anjos (Universidade Salvador, Bahia, Brasil) Marcio Henriques Saeger (Universidade Salvador, Bahia, Brasil) - Colaborador: Paulo Caetano da Silva (Universidade Salvador, Bahia, Brasil) - The growth of companies and geotechnology has inspired people to create software in different environments and for various functions. Their integration with other software environments that use different paradigms is not a trivial task. What motivated the proposal of this article, was the difficulty of finding an environment that integrates social networks and tools geocolaboração in order to use the data generated to support this integration decisions. Generated information on this integration range from simple georeferenced points in a given space complex information to route aircraft, better ways to transition into a space, and information of the best establishments with the same qualifications. This information may be shared so geocolaborativa through services that unify the information from different sources and, finally, make it available for public access so concentrated. The objective of this paper is to discuss location-based social networks. Adding, expanding and integrating these networks, features and concepts of social networks and geocollaboration tools. Keywords: Geo-collaboration, Social Networks, Georeference, API, Geoprocessing GEOCOLABORAÇÃO VIA REDES SOCIAIS ATRAVÉS DE ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS O crescimento da geotecnologia tem inspirado empresas e pessoas a criar softwares em diversos ambientes e para funções variadas.entretanto a integração destes softwares a outros ambientes que utilizam diferentes paradigmas não é uma tarefa trivial. O que motivou a proposta deste artigo, foi a dificuldade de encontrar um ambiente que integre redes sociais e ferramentas de geocolaboração com o propósito de utilizar as informações geradas nesta integração para apoiar decisões pessoais.as informações geradas nesta integração variam de simples pontos georreferenciados em um determinado espaço até informações complexas de rotas de aviões, melhores caminhos para transitar em um espaço, e informações dos melhores estabelecimentos com as qualificações dos mesmos. Essas informações podem ser compartilhadas de forma geocolaborativa através de serviços que unifiquem as informações de diversas origens e, por fim, as disponibilizem de modo concentrado ao acesso publico. O objetivo deste artigo é discutir sobre redes sociais baseadas em localização. Agregando,expandindo e integrando,a estas redes, funcionalidades e conceitos de redes sociais e de ferramentas geocolaborativas. Palavras-chave: Geocolaboração, Redes Sociais, Georeferencia, API, Geoprocessamento 3741

2 1. Introdução A busca por conhecimento e o desejo de compartilhar informação é teoricamente um dos objetivos dos usuários das redes sociais. Entretanto, novas tecnologias e novos paradigmas 1 como geoprocessamento e geocolaboração surgem para potencializar o atual paradigma das redes sociais. Usuários de redes sociais tem a sua disposição uma ferramenta de amplo alcance para obter informações e também para compartilhar informações. Estas informações podem ser utilizadas de forma a agregar valor,conforto e comodidade a seus usuários. O que motiva a proposta deste artigo é a possibilidade de integrar novas tecnologias ao paradigma das redes sociais, possibilitando assim uma perspectiva de utilização de novas funcionalidades pelos seus usuários. Como exemplo de utilização e justificativa da proposta é exposto o seguinte cenário : - Um usuário desta nova rede que quer decidir um local para ir almoçar com base em informações de checkins dos restaurantes próximos (redes sociais baseada em localização ) sendo estes checkins validados por seus amigos da rede (redes Sociais) e para a apoiar a decisão de para onde ir seria também avaliado a situação do trânsito (ferramentas geocolaborativas). Todas estas informações podem ser relevantes no momento de decidir onde ir, almoçar, para onde viajar nas férias para se distrair na sua cidade, entre outras atividades. Este artigo é organizado como se segue: na Seção 2 é discutido os conceitos e histórico das redes sociais, e exemplos das redes sociais baseadas em localização e geocolaboração. Na Seção 3 são expostos alguns trabalhos correlatos e na Seção 4 é exposto o paradigma de redes sociais geocolaborativas de ponto a ponto com base na integração de novas tecnologias a os atuais paradigmas das redes sociais. 2. Conceitos 2.1 Redes sociais e Redes sociais baseada em localização O SixDegrees.com, primeiro site de rede social surgiu em 1997, permitia que seus usuários cadastrassem perfis e montassem uma lista de amigos, com perfis de outros usuários (Body,2007:4). A partir de 1998, os usuários do SixDegrees.com podiam visualizar a lista de amigos dos amigos. A geração seguinte de sites de rede social surgiu com o Ryze.com, o Fotolog e o Friendster. Ryze.com, criado em 2001, ajudava as pessoas a montar redes sociais de negócios (Body,2007:4). O Fotolog surgiu em 2002, com um propósito semelhante ao de um blog, entretanto, utilizando fotos como tema central. O Friendster, criado em 2002, surgiu como um complemento ao Ryze. Enquanto todos os sites sociais da época objetivavam facilitar encontros amorosos entre estranhos, o Friendster tinha como propósito estabelecer relacionamentos entre 1 Paradigma é um modelo, um tipo exemplar, que se encontra em um mundo abstrato, e do qual existem instâncias, como cópias imperfeitas, em nosso mundo concreto (MARCONDES,2002:15) 3742

3 amigos (friends-of-friends). Seus criadores Jonathan Abrams e Cris Emmanuel assumiram que encontros amorosos em que o casal possuía um amigo em comum, eram mais bem sucedidos (Boyd,2007:5). Entretanto, os usuários do Friendster também o usavam para aumentar as suas redes de amigos de modo mais rápido do que com encontros presenciais (Rivlin,2006). Em apenas um ano o Friendster já possuía mais de 30 milhões de usuários (Boyd,2007:4). Contudo, esse sucesso acarretou dificuldades técnicas, gerando uma evasão de usuários. A partir de 2003, redes sociais tornaram-se comuns em sites da Web, como pode ser visto na Figura 1. Sites como LinkedIn, Visible Path e Xing formam redes sociais profissionais. No LinkedIn, por exemplo, os usuários podem cadastrar em seu perfil um currículo acadêmico e profissional. Tal currículo pode ser usado por empresas na seleção de profissionais. No Couchsurfing os usuários compartilham hospedagens. Um usuário pode oferecer hospedagem a outro usuário que deseja viajar para a sua cidade. O MyChurch conecta igrejas cristãs e seus membros. Alguns sites usam os conceitos de redes sociais online para compartilhamento de conteúdo multimídia. A exemplo, o Flickr para compartilhamento de fotos, o YouTube para vídeos e o Last.FM para músicas (Boyd,2007:5). O MySpace, criado em 2003, cresceu rapidamente, como sendo uma alternativa ao então saturado Friendster. Apesar de ter sido criado com propósito similar ao do Friendster, o MySpace ganhou popularidade entre bandas de rock. Até 2004, a maioria dos seus usuários eram músicos. Em 2005, ele tornou-se o maior site de rede social (em número de usuários e visitantes) do mundo (Boyd,2007:5). O Orkut, criado em 2004, é a rede social do Google,que desde sua criação, ganhou popularidade entre os brasileiros, tornando-se a rede social mais usada no Brasil (Rivlin,2006). O Facebook, criado em 2004, possuía um foco diferente de seus precursores. Ele foi criado para a formação de redes em faculdades específicas. Inicialmente, estava disponível apenas para os estudantes de Harvard. Em 2005, ele se expandiu para escolas de ensino médio, posteriormente para profissionais e redes corporativas e atualmente para qualquer pessoa. O principal diferencial do Facebook desde sua criação era a API que possibilitava aos usuários desenvolver suas próprias aplicações embutidas ao Facebook (Boyd,2007:6). 3743

4 Figura 1: Linha do tempo do surgimento dos principais sites de rede social até 2006.(Boyd,2007:5) A utilização crescente das redes sociais tem proporcionado para seus participantes experiências cada vez mais proveitosas, este fato ocorre devido a união de ideias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados (Marteleto, 2001, p.72). As redes sociais podem estar divididas ou agrupadas por áreas de interesse ou restritas a certo numero de pessoas.existem alguns aspectos que unem os participantes das redes, (Choo,1998) relaciona estes aspectos como : a necessidade da informação que se define no conteúdo de elementos cognitivos, afetivos e situacionais, que conforme esse sentimento vai diminuindo, a necessidade de informação progressivamente vai chegando à consciência e então a questão é formalizada. Outro aspecto é a busca pela informação, no qual o modelo é analisado, valendo-se das etapas de iniciação, encadeamento, pesquisa, diferenciação, monitoramento, extração, verificação e conclusão. A escolha das fontes de informação depende da inserção do indivíduo e da motivação que gerou a busca. Em aspectos gerais o uso da informação é definido pela seleção e processamento da informação, resultando em um novo conhecimento ou ação. Nesse aspecto a informação é frequentemente usada para responder a questões, resolver problemas, tomar decisões, negociar posições, ou construir significados para determinada situação. As pessoas sentem satisfação e confiança quando suas 3744

5 pesquisas têm bons resultados, mas, quando ocorre o contrário, sentem desapontamento e frustração. É possível considerar as redes sociais com base em localização, uma extensão das redes sociais. Entretanto deve-se considerar que neste paradigma existe uma algo a mais, que é a importância da localização do usuário e o que a sua volta é de seu interesse. Para apoiar este paradigma as ferramentas que suportam estas redes utilizam a comunicação de uma forma espacial. Segundo (FALKHEIMER & JANSSON, 2006) existem formas de comunicação que ocorrem no espaço, e todos os espaços são produzidos através de representação, a qual ocorre por meios de comunicação. Sendo assim, não somente o espaço ou o ponto onde se está é importante. O fundamental nestas redes é a soma entre o espaço geográfico e as informações pertinentes a cada determinado ponto neste espaço. Na (Figura 2) é possível visualizar um exemplo de uma rede social baseada em localização, no qual em determinados pontos do mapa estão espalhadas imagens e ao lado,no quadro, estão comentários referente a estas imagens. Figura 2 : Pagina principal da rede social FourSquare baseada em localização 2.2 Geocolaboração Geocolaboração é uma área emergente de estudo para examinar como a informação espacial e tecnologias de comunicação podem ser projetadas e adaptadas para suportar interações de grupos que as utilizam de forma georeferenciadas (Springer, 2010:1). Essas interações de grupo normalmente se concentram em tarefas como acesso a dados espaciais e de exploração, resolução de problemas, planejamento e tomada de decisão. Em uma recente classificação de áreas de conhecimento dentro da ciência da informação geográfica, geocollaboration tem sido interpretado como uma implementação específica de sistemas de decisão de grupo espaciais de apoio (GSDSS), que por sua vez é um componente do SIG. A fim de apoiar as interações colaborativas, os participantes dos grupos precisam ser capaz de navegar, explorar e consultar dados espaciais e informações. Algumas ferramentas com este fim vêm se destacando no atual cenário tecnológico como, por exemplo : - Waze (waze,2012): é um aplicativo gratuito para telefones móveis baseado na teoria da geocolabaração aplicada para o trânsito das grandes cidades. Tem como 3745

6 foco principal a colaboração em tempo real de seus próprios usuários para passar informações de fluxo de trânsito nas vias em que estão se deslocando, com o objetivo de fornecer rotas alternativas para quem esta tendo acesso a estas informações. Waze lançou sua primeira aplicação móvel em Israel em 2011, onde foi baixado por mais de motoristas. As informações de trânsito são construídas em tempo real atingindo cerca de 90% de cobertura e prevendo o tempo estimado de chegada com mais de 85% de precisão. O Waze tem dezenas de milhares de usuários sendo que várias estações de TV e rádio tem aderido ao sistema para atualizar seus ouvintes e telespectadores sobre questões relacionadas ao transito (Vanessa,2012). - Flightradar24 (Flightradar24,2012): é um serviço de monitoramento de voo que fornece em tempo real informações sobre milhares de aeronaves em todo o mundo, na Figura 4 é exposta uma tela da ferramenta Flightradar24 com imagens de aviões transitando no espaço aéreo.o Flightradar24 Iniciou como um hobby em 2006 quando dois especialistas da aviação sueca decidiram construir uma rede de receptores baseados no Sistema Automático de Transmissão e Vigilância Auxiliar(ADS-B) A Figura 3 representa a estrutura de funcionamento de uma rede ADS-B. Em 2009 a rede tornou-se pública para qualquer usuário com um receptor de ADS-B e permitindo carregar dados para a rede. Muitas partes do mundo foram rapidamente cobertas, mas a busca de fornecer cobertura ADS-B global ainda está em curso.o Flightradar24 está atualmente disponível on-line e para dispositivo moveis (Flightradar24,2012). Figura 3: Funcionamento ADS-B (Flightradar24.com) Figura 4: Mapa de visualização dos aviões no Flaightradar24 (Flightradar24.com) 3. Trabalhos Correlatos O artigo Geocollaboration using Peer-Peer GIS escrito por Damon D. Judd discute sobre as tendências futuras no desenvolvimento de aplicações geoespaciais e cobre a inclusão de métodos de colaboração para trabalhar com o novo termo geoespacial (Damon,2005:1). Alguns pesquisadores definem esta abordagem como geocollaboration.o autor cita que em situações de gestão de crises,que envolvem segurança e desastre, equipes de especialistas de várias organizações diferentes, muitas vezes precisam compartilhar mapas, localização GPS, e dados. Essas equipes também têm a necessidade de cooperar na tomada 3746

7 de decisões com base na análise e visualização das informações. O autor conclui que ferramentas geoespaciais utilizando uma abordagem geocolaborativa podem ser úteis para permitir uma efetiva colaboração no processo de tomada de decisão geoespacial (Damon,2005:1). O artigo Desenvolvimento de Aplicações Sociais a partir de APIs em Redes Sociais Online escrito por Otávio C. Xavier e Cedric L. de Carvalho aborda as inovações disponíveis nas redes sociais e a forma com que estas redes tornam disponíveis suas informações através de APIs. Essas APIs são descritas com exemplos de implementações e também são expostas tecnologias que auxiliam no desenvolvimento de aplicações para redes sociais (Otávio & Cedric,2013:1). O artigo Geoprocessamento: Conceito e Prática escrito por Leandro Couto discute sobre Geoprocessamento enquanto ferramenta de trabalho útil à resolução de questões que têm na dimensão espacial. O trabalho apresenta conceitos e definições referentes ao geoprocessamento e também expõe aplicações praticas para essa tecnologia. Também é discutido e apresentado tecnologias que fazem confluência com o geoprocessamento. O artigo Developing a conceptual framework for visually-enabled geocollaboration (MacEachren & Brewer,2013:1) discute que a maioria dos trabalhos com dados geoespaciais, seja para a análise científica, planejamento urbano e ambiental, ou tomada de decisão de negócios é realizado por grupos. Entretanto as tecnologias de informação geográfica foram construídas e avaliadas apenas para uso individual. O artigo apresenta a proposta de que para apoiar a colaboração com informações geoespaciais, uma atenção específica deve ser dada às ferramentas que medeiam a compreensão e negociação entre os participantes. São apresentados no trabalho dois protótipos que tem o objetivo de ilustrar um modelo geocolaborativo com o propósito de mediar a interação entre as ferramentas geoespaciais. 4. Modelo de Integração de redes sociais Geocolaborativas A cooperação, a colaboração e a livre expressão seriam os instrumentos que uniria usuários através da livre comunicação em um ambiente de negócio cooperativo e integrado (ANTOUN, 2008:20). A possibilidade de ter um ambiente de apoio à decisão e ao mesmo tempo um espaço no qual é possível buscar e compartilhar conhecimento é algo possível de acontecer neste contexto. Na Seção 2 deste artigo foram expostos conceitos e ferramentas que unidos podem gerar uma forma de utilização das redes sociais. O que é proposto neste trabalho é integrar os pontos fortes das ferramentas e conceitos, citados na Seção 2, tomando proveito do melhor de cada domínio. Deste modo expõem-se na Tabela 1 as tecnologias e conceitos com seus respectivos pontos fortes, as ferramentas que utilizam estes conceitos e algumas das formas que torna possível a integração destas tecnologias com softwares externos. Tecnologia Pontos fortes Ferramentas atualmente Forma de Integração 3747

8 Redes Sociais Redes Sociais com base em localização Ferramentas Geocolabora tivas - grupo fechado - comentários e dicas de pessoas do grupo de confiança Informações georreferenciadas -informações relevantes sobre um dominio especifico. -Apoio a tomada de decisão. disponíveis - Facebook - Orkut - Twitter - LinkedIn - flickr - FourSquare - bliin - FacebookPlace Waze Flightradar24 Tabela 1. Lista de Ferramentas e tecnologias para formar o modelo de redes sociais Geocoladobrativas APIs APIs APIs Integrar estes conceitos, tecnologias e ferramentas não é algo trivial. Entretanto como exposto nas seções anteriores, já existem meios que tornam esta atividade possível. Com isso a proposta deste trabalho é criar uma rede social que possibilite a Geocolaboração. A Figura 5 ilustra o modelo proposto para essa rede, e as seções 4.1 e 4.2 discutem as funcionalidades deste modelo. Figura 5 : Modelo unificador gerando um novo paradigma de redes sócias geocolaborativas. 3748

9 4.1 Unificador de serviços via APIs Muitas ferramentas fornecem APIs que podem ser usadas por terceiros para agregar valor aos seus sistemas. Algumas dessas,ferramentas citadas na Tabela 1, são: Twitter, Facebook, flickr e FourSquare. Nesses sites normalmente as APIs são acessadas via autenticação do usuário, ou seja, é necessário ter um usuário autenticado para obter os dados. Como exemplo é possível citar o Twitter, para que uma aplicação possa enviar uma mensagem (tweet) em nome do usuário, este precisa do login e senha. Para fazer o acesso de forma mais segura as APIs utilizam o padrão OAuth (Hammer-Lahav,2009). OAuth ou Open Authorization é um padrão aberto que permite que usuários de um site garantam acesso, aos seus recursos privados por meio de uma aplicação externa sem ter que compartilhar senhas e logins. O objetivo principal do OAuth está na autorização e não na autenticação. Sendo assim, ele prevê níveis de autorização, que o usuário pode aceitar. O OAuth foi construído baseado nos padrões proprietários Google AuthSub, Yahoo BBAuth e Flickr API Auth. O OAuth pode ser caracterizado como um protocolo. Sua especificação consiste de duas partes. A primeira parte define no navegador um processo para redirecionamento do usuário para autorização de acesso aos seus recursos por outro usuário. A segunda parte define um método para realização de requisições HTTP autenticadas usando dois conjuntos de credenciais. Um conjunto destinado à identificação do cliente e outro à identificação do proprietário do recurso a ser requisitado (Hammer- Lahav,2009). Esse protocolo segue o seguinte fluxo: 1 a aplicação consumidora requisita ao servidor um token de requisição 2 a aplicação consumidora recebe o token e redireciona o usuário para a tela de autenticação do servidor; 3 o token de requisição é enviado, bem como um link para redirecionamento, assim que o usuário autenticar-se; 4 uma vez autenticado, o usuário recebe um questionamento acerca da autorização para a aplicação consumidora; 5 caso o usuário autorize o acesso, o servidor marca o token de requisição, enviado no passo 1, como autorizado; 6 quando o fluxo retorna à aplicação consumidora, ela encarrega-se de fazer um intercâmbio do token de requisição por um token de acesso. O token de requisição tem como único objetivo a aprovação, pelo usuário. Entretanto, o token de acesso é destinado às requisições dos recursos privados; 3749

10 7 com o token de acesso, a aplicação consumidora pode consultar todos os recursos privados, aos quais o usuário concedeu permissão. 4.2 Unificando Redes Socias / Redes socias baseda em Localização via APIs As APIs do Facebook e Foursquare permitem a leitura e gravação de dados utilizando um paradigma orientado a objetos, no qual estes objetos são: perfis de usuário, amigos, postagens, fotos, checkins, preferências e relacionamentos ou conexões entre eles. Na Figura 6 é ilustrada a representação da utilização do unificador de serviço (Figura 5) que tem a função de autenticar e obter informações das redes sociais, redes sociais baseadas em localização e ferramentas geocolaborativas através dos métodos disponíveis em suas APIs. Figura 6: Arquitetura base para rede social Geocolaborativa Na Tabela 2 estão descritos os métodos expostos na Figura 6. Métodos Descrição Enviar credenciais Enviar informação de Login e Senha do usuário para o Unificador através do unificador - Autenticar usuário Unificador solicita autenticação via APIs através do padrão OAuth Validar usuário API valida autenticação e da acesso aos outors métodos da API. Buscar Informações Unificador após autenticado solicita informações a API. - Enviar informações API responde solicitação de informações feita pelo unificador 3750

11 Consolidar informações Unificador consolida as informações de forma sistêmica. Enviar informações Consolidadas Unificador envia informações consolidadas para a rede social geocolaborativa. Receber Informações Consolidadas Rede social geocolaborativa recebe as informações consolidadas para formatação e exibição. Tabela 2: Descrição dos métodos utilizados na arquitetura da rede social geocolaborativa. 5. Conclusão A proposta de gerar colaboração através de unificação de sistemas é algo já aplicado, como pode ser verificado pelos trabalhos correlatos discutidos na seção 2. Deste modo, este artigo não propõe criar uma forma nova de colaboração em sistemas convencionais, mas um modelo para obter informações em paradigmas como: redes sociais e redes sociais baseada em localização. Com o objetivo de consolidar sistemicamente essas informações para gerar novas informações que agrupadas, colaborarão para apoiar a tomada de decisão dos usuários usando um paradigma geocolaborativo de redes sociais. Portanto a idéia final deste artigo é propor através do modelo de integração de redes sociais geocolaborativas exposto na seção 4. Um novo paradigma geocolaborativo unificado em redes sociais para agregar valor as redes sociais e disponibilizar ao usuário final uma ferramenta potencialmente útil para auxilio a decisões cotidianas. 3751

12 6. Referencias Bibliográficas ANTOUN, Henrique (org.). Web 2.0: participação e vigilância na era da comunicação distribuída. Rio de Janeiro: Mauad X, BOLIN, Göran. Electronic Geographies. In FALKHEIMER, Jesper; JANSSON, André. Geographies of Communication, p , Boyd, d. m., & Ellison, N. B. (2007). Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, 13(1) 4-8. Recuperado em 25 dezembro, 2012, de COUTO, Leandro C. O. GEOPROCESSAMENTO: CONCEITO E PRÁTICA Recuperado em 20 de janeiro de 2013, de CHOO, Chun Wei. The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. New York: Oxford Univerty, Damon D. Judd. Geocollaboration using Peer-Peer GIS. Recuperado em 21 janeiro, 2013, de Facebook. Developers. Disponível em: < Acesso em: 25 dez FourSquare. Developers. Disponível em: < https://developer.foursquare.com/>. Acesso em: 25 dez flightradar24. about. Disponível em: <http://www.flightradar24.com/about>. Acesso em: 25 dez Fragoso, S. Wtf a crazy brazilian invasion. Fifth International Conference on Cultural Attitudes Towards Technology and Communication, 1: ,

13 Hammer-Lahav, E. The authoritative guide to oauth 1.0. Hueniverse, Hammer-Lahav, E. The oauth 1.0 protocol. Internet Engineering Task Force (IETF),2010. MacEachren.Alan M.,Brewer.Isaac. Developing a conceptual framework for visually-enabled geocollaboration. Recuperado em 27 de janeiro de 2013 de MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr Maria Inês Tomaél,Adriana Rosecler Alcará, Ivone Guerreiro Di Chiara. Das redes sociais à inovação.ci. Inf., Brasília, v. 34, n. 2, p , maio/ago MARCONDES, Danilo. A crise de paradigmas e o surgimento da modernidade. In:BRANDÃO, Zaia (org.). A crise dos paradigmas e a educação. 8. ed. _ São Paulo: Cortez, 2002 (Coleção Questões da Nossa Época; v. 35). Otávio C. Xavier, Cedric L. de Carvalho y. Desenvolvimento de Aplicações Sociais A Partir de APIs em Redes Sociais Online Recuperado em 21 janeiro, 2013, de INF_ pdf Rivlin, G. Wallflower at the web party. The New York Times, Recuperado em 05 janeiro, 2013, de nted=all&_r=0 Springer. GeoCollaboration. Recuperado em 25 dezembro, 2012 de <http://www.springerreference.com/docs/html/chapterdbid/62110.html>. Vanessa.Waze atinge usuários no Brasil e se prepara para bater a marca de 1 milhão. Recuperado em 25 dez, 2012 de <http://grupocasa.com.br/?p=1169>. Waze. API Documentation. Recuperado em 28 dezembro, 2012 de < 3753

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Capítulo 3. Redes Sociais 24

Capítulo 3. Redes Sociais 24 3 Redes Sociais No contexto da Internet, redes sociais podem ser definidas como locais (sites) em que pessoas se conectam umas às outras através de laços sociais baseados em afinidades, interesses em comum

Leia mais

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software Baidu Spark Browser Documento de Especificação de Requisitos de Software Campus Party Brasil 2014 Desafio Baidu Quero um estágio na China Autor: Thiago Pinheiro Silva E-mail: eu@thiageek.com.br Índice

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Oficina de Inclusão Tecnológica

Oficina de Inclusão Tecnológica 1 Oficina de Inclusão Tecnológica Ementa: O curso LinkedIn apresenta, de forma geral, como desenvolver seu networking através desta rede social. Demonstra como fazer parte dela (inscrição), montagem do

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer Tecnologia para Crescer Com o crescimento da banda larga e smartphones/ tablets, conteúdos têm sido criados e consumidos em uma taxa alarmante. Atualmente, a definição de conteúdo mudou e não se trata

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa _capa Integrando Aplicações Java com o Facebook Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook Desde o lançamento oficial do Facebook, em 2004, o número de usuários vem aumentando a cada

Leia mais

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Dinâmica Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Arquivos & Certificados Webinar 10 Mitos Geo Resultados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES Autores: Luciano GONÇALVES JUNIOR, Natália Maria Karmierczak DA SILVA, Paulo César Rodacki GOMES,

Leia mais

Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais?

Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais? Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais? GeoSocial Dinâmica social para conectar e coordenar os usuários com as pessoas ou locais/eventos que correspondem

Leia mais

2 Sistemas de recomendação

2 Sistemas de recomendação 14 2 Sistemas de recomendação 2.1. Introdução É comum fazer escolhas sem uma experiência pessoal suficiente sobre as alternativas que estão disponíveis (que músicas ouvir, que livros comprar, etc.). Os

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Todo o Potencial do WiFi Social para Clientes

Todo o Potencial do WiFi Social para Clientes Todo o Potencial do WiFi Social para Clientes # Cenário A Importância das Redes Sociais & Dispositivos Móveis para o Marketing e o Negócio Os dispositivos móveis seguirão de forma crescente, adquirindo

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Por quê Sistema ArcGIS?

Por quê Sistema ArcGIS? Por quê Sistema ArcGIS? Analise e Manipule seus dados Diversas fontes de Dados Sistema de Informação Geográfica Execute ações Transfome dados em Informação Ferramentas para Tomada de Decisão (COP) Informações

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center Versão: 5.2 PDF-ACCGATEWAY5-B-Rev1_PT 2013 2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que expressamente concedida por escrito,

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Prof. Dr. Anselmo C. Paiva Prof.Dr. Aristófanes C. Silva Núcleo de Computação Aplicada NCA UFMA Contexto Projeto: Desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 Wilson Laizo Filho 2 Antônio César de Araújo Freitas 3 Ludmila Rodrigues Fernandes 4 Eduardo do Carmo Silva

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

PRIVACIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE. Talita Lopes Gomes

PRIVACIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE. Talita Lopes Gomes PRIVACIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE Talita Lopes Gomes Redes Sociais Online Importante meio de comunicação e socialização Permite aos usuários: Criação de um perfil do usuário Instalação de aplicativos

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Currículo Lattes 2.0

Currículo Lattes 2.0 Currículo Lattes 2.0 Índice da Apresentação Login...5 Tela Principal...6 Itens de menus disponíveis...7 Avisos...9 Link de acesso...12 Do que você Precisa?...15 Rede de colaboradores...18 Identificação

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

Manual Backup Online. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Backup Online 2014. https://backuponlinegvt.com.br

Manual Backup Online. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Backup Online 2014. https://backuponlinegvt.com.br Manual Backup Online Manual do Usuário Versão 1.0.1 Copyright Backup Online 2014 https://backuponlinegvt.com.br 1 Manual Backup Online 1 Índice 1 Índice... 2 2 Backup Online...Erro! Indicador não definido.

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral Março 2012 Como o funciona Fluxogramas da visão geral 2012 Visioneer, Inc. (licenciada da marca Xerox) Todos os direitos reservados. XEROX, XEROX and Design e DocToMe são marcas comerciais da Xerox Corporation

Leia mais

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Iara Ferrugem Velasques 1 Rejane Vargas Dornelles 1, Tânia Regina Prauchner 1 pnmaii, rejanevd, taniarp@fepam.rs.gov.br

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema

Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema Guia do usuário SGV versão 3.0.7 Modulo I Introdução ao Sistema Versão 3.0.7 BBTUR VIAGENS E TURISMO 27/08/2014 1 Sumário Modulo I Introdução ao Sistema...3 Requisitos mínimos para utilização do Sistema...3

Leia mais

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 índice Passo 1: Visão geral 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online? 3 Passo 3: Recursos disponíveis 4 Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 Pesquisa de histórico

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br O QUE SÃO MÍDIAS SOCIAIS? De acordo com Telles

Leia mais

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana APLICAÇÕES GEOGRÁFICAS NA WEB PARA INTEGRACÃO DE DADOS DO MONITORAMENTO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NA BACIA CARBONÍFERA DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA Jonathan J. Campos,

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS Miguel Airton Frantz 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO A proposta básica desse projeto consiste em criar uma base de conhecimento a partir

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

Grupo Projeção. Portal Acadêmico. - Ambiente do Aluno -

Grupo Projeção. Portal Acadêmico. - Ambiente do Aluno - Grupo Projeção Portal Acadêmico - Ambiente do Aluno - Março / 2011 1 Índice Apresentando o Portal Acadêmico: Ambiente do Aluno... 3 Iniciando no ambiente do Aluno... 4 Meu Perfil... 6 Avisos... 6 Processos

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do Mídias Sociais Inteligência coletiva Em 1996, a web (1.0) era predominantemente um ambiente de leitura. Só uma pequena fração do conteúdo era criada pelo usuário; Dez anos depois, duas grandes mudanças:

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza Aula 03 - Redes e Conectividade Prof. Hugo V. L. Souza Agenda Introdução as Redes de Computadores Fundamentos das redes de alta velocidades e a internet Redes locais e privadas - LANs Redes locais sem

Leia mais

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 50 milhões de usuários IDADE MÍDIA 90 milhões de brasileiros na WEB, 70 milhões na rede social Facebook e mais de 30 milhões no Twitter ADEUS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS E SERVIÇOS GOOGLE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO 1. Introdução A empresa Google Inc. nasceu em 1998, quando Larry Page e Sergey Brin,

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa Escola disponibiliza acesso wireless de qualidade para alunos, funcionários e visitantes, e contribui para um aprendizado cada vez mais dinâmico. Com o objetivo de aperfeiçoar a iniciativa BYOD (Bring

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais