CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro Medas PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9.º º ANO TEMA: Viver melhor na Terra CAPÍTULO I EM TRÂNSITO 1 SEGURANÇA E PREVENÇÃO Descrição do movimento Distinguir os conceitos de repouso e de movimento. Indicar diferentes tipos de trajectória. Referir a diferença entre espaço percorrido e deslocamento escalar. Referir que o movimento é um conceito relativo. Aplicar a noção de referencial. Analisar situações em que um corpo pode estar em repouso ou em movimento, dependendo do referencial escolhido. Distinguir entre rapidez média, velocidade escalar média e velocidade. Distinguir diferentes trajectórias. 1/25

2 Apresentar exemplos que permitam distinguir as duas grandezas físicas: espaço percorrido (distância) e deslocamento escalar. Recordar o cálculo da rapidez média. Realizar conversão entre unidades de rapidez média: km/h m/s. Distinguir grandezas escalares de grandezas vectoriais. Definir velocidade média, evidenciando o seu carácter vectorial. Caracterizar a velocidade média de um corpo. Ficha formativa 1.2 Movimento rectilíneo uniforme Descrever o movimento rectilíneo uniforme. Interpretar e construir gráficos posição tempo e velocidade tempo. Explicar que no movimento rectilíneo uniforme o espaço percorrido (distância) e o tempo gasto a percorrê-lo são grandezas directamente proporcionais. Determinar o espaço percorrido por um corpo a partir de gráficos velocidade tempo. Analisar os gráficos distância tempo e valor da velocidade tempo para o M.U. Calcular distâncias a partir de gráficos valor da velocidade tempo. 2/25

3 1.3 Movimento rectilíneo uniformement e variado Aplicar o conceito de aceleração média. Distinguir o movimento rectilíneo uniformemente acelerado do movimento rectilíneo uniformemente retardado. Interpretar os gráficos velocidade tempo e aceleração tempo para os movimentos rectilíneos. Explicar o conceito de aceleração média. Referir a unidade de aceleração no SI. Determinar valores de aceleração média num dado intervalo de tempo. Referir que o movimento rectilíneo uniformemente variado pode ser acelerado e retardado. Calcular o valor da aceleração média de um corpo e do espaço percorrido (distância) por esse corpo a partir de gráficos velocidade tempo. 1.4 Condução em segurança Referir normas de segurança rodoviária. Relacionar a distância de segurança rodoviária com a distância de reacção e a distância de travagem. Relacionar a energia cinética de um corpo com a massa desse corpo e a sua velocidade. Relacionar a estabilidade de um corpo com o seu centro de gravidade. Dialogar sobre os factores responsáveis pelos acidentes rodoviários. Consciencializar os alunos para uma condução em segurança, respeitando os valores de velocidade máxima e mínima no Código da Estrada. Analisar a importância das regras de segurança de veículos e peões. Explicar o significado de tempo e distância de reacção; tempo e distância de travagem e distância de segurança rodoviária Referir alguns factores que podem afectar a distância de segurança rodoviária. 3/25

4 Relacionar os valores da velocidade de um veículo com a distância de segurança rodoviária. Determinar a partir de gráficos velocidade tempo a distância de reacção, a distância de travagem e a distância de segurança rodoviária. Definir as duas formas básicas de energia: energia potencial e energia cinética. Relacionar a energia cinética de um veículo com os acidentes rodoviários. 2 MOVIMENTO E FORÇAS Forças e seus efeitos Exemplificar tipos de forças. Referir os efeitos resultantes da actuação das forças. Representar vectorialmente as forças. Enunciar a 3ª Lei de Newton. Aplicar a lei da acção reacção. Distinguir forças de contacto e forças de acção à distância. Referir alguns efeitos resultantes da actuação das forças nos corpos. Representar as forças por meio de vectores. Referir os elementos que caracterizam o vector força. Recordar a unidade SI de força. 4/25

5 Efectuar leituras em dinamómetros. Referir que durante uma interacção entre dois corpos, as forças actuam aos pares. Representar para diferentes situações os pares acção reacção que resultam da interacção entre corpos. Dinamómetros Pesos diversos 2.2 Os sistemas de forças Distinguir entre forças componentes e força resultante. Representar graficamente a resultante de um sistema de forças. Exemplificar situações diversas para que os alunos possam representar graficamente e determinar a resultante de um sistema de forças. 2.3 Forças de atrito Explicar a origem das forças de atrito. Exemplificar situações em que as forças de atrito são úteis e outras em que são prejudiciais. Referir alguns factores de que dependem as forças de atrito. Identificar diferentes situações em que ocorrem forças de atrito. Referir o efeito do atrito no movimento dos corpos. Exemplificar situações em que as forças de atrito se manifestam quando os corpos se movem no ar, na água ou são devidas ao contacto de superfícies sólidas. Dinamómetros Verificar experimentalmente algumas variáveis de que depende o atrito. Materiais diversos 5/25

6 2.4 Pressão Aplicar o conceito de pressão. Relacionar a pressão com a intensidade da força e a área da superfície onde essa força actua. Analisar situações com base no conceito de pressão. Demonstrar experimentalmente os efeitos da pressão. Referir a unidade de pressão no SI. Referir a importância da utilização do cinto de segurança nos automóveis e dos capacetes dos motociclistas, como medida de prevenção de segurança. Materiais diversos 2.5 Força, massa e aceleração Relacionar a aceleração adquirida por um corpo com a resultante das forças que sobre ele actuam e a respectiva massa do corpo. Enunciar a Lei Fundamental da Dinâmica. Aplicar o conceito de inércia. Enunciar a 1ª Lei de Newton. Realizar actividades experimentais que permitam relacionar as grandezas físicas: força, massa e aceleração. Informar sobre o significado de equilíbrio de um corpo, associando-o à existência de força resultante nula, para, de seguida, analisar situações concretas de equilíbrio estático (repouso) e dinâmico (velocidade constante). Dinamómetros Carrinhos Referir situações onde se manifesta a Lei da Inércia. Discutir o papel dos cintos de segurança com base na lei da Inércia. 6/25

7 2.6 Flutuação Interpretar a flutuação no ar e nos líquidos. Aplicar o conceito de impulsão. Explicar a flutuação com base nos conceitos de densidade e de impulsão. Enunciar a Lei de Arquimedes. Compreender a flutuação dos corpos, com base no conceito de impulsão. Verificar experimentalmente a impulsão. Explicar a flutuação com base no conceito de densidade. Efectuar demonstrações experimentais simples, comparando a densidade de diferentes materiais com a densidade da água e aplicar os resultados a situações quotidianas. Dinamómetros Objectos diversos Gobelés com água 7/25

8 TEMA: Viver melhor na Terra CAPÍTULO III CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS 1 ESTRUTURA ATÓMICA A constituição dos átomos Caracterizar as unidades estruturais da matéria, atendendo às suas dimensões, constituição e representação. Realçar os modelos atómicos como aproximações que ajudam a visualizar o átomo. Referir a evolução do modelo atómico ao longo dos tempos. Recordar a constituição do átomo e as características dos seus constituintes. Realçar as dimensões dos átomos e dos seus constituintes. Referir a carga nuclear e a carga electrónica dos átomos. 8/25

9 1.2 A identificação de átomos e iões Distinguir número atómico de número de massa. Identificar o significado de isótopos. Indicar os tipos de iões que os átomos podem formar. Informar sobre o conceito de número de massa, distinguindo-o de número atómico. Interpretar a representação simbólica de átomos e iões com base em informações fornecidas. Apresentar o conceito de elemento químico como um conjunto de átomos que têm o mesmo número atómico. Introduzir o conceito de isótopo a partir de exemplos concretos. Referir o significado de ião, exemplificando com átomos que podem formar iões positivos e negativos. Salientar os iões poliatómicos. 2 TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS A organização da Tabela Periódica: Explicar a organização da Tabela Periódica dos elementos. Utilizar a Tabela Periódica para identificar os elementos naturais e os elementos artificiais. Apresentar a diversidade dos materiais e a necessidade da sua classificação. Exemplificar os diferentes modelos da Tabela Periódica, incluindo a de Mendeleev. Referir o número de ordem dos elementos 9/25

10 metais e nãometais Distinguir através das suas propriedades físicas e químicas, duas categorias de substâncias elementares: metais e não-metais. químicos, números atómicos, grupos e períodos. Observar alguns metais e não-metais para referir algumas propriedades físicas e químicas. Metais Não-metais 1.3 A estrutura electrónica e a Tabela Periódica Identificar a estrutura electrónica de alguns átomos e iões monoatómicos. Relacionar a posição dos elementos na Tabela Periódica com a estrutura electrónica dos seus átomos. Apresentar uma explicação para as semelhanças de propriedades físicas e químicas das substâncias elementares estudadas. Apresentar algumas estruturas electrónicas de átomos e iões, com bases na teoria atómica de Bohr. Salientar a importância dos electrões de valência. Relacionar a estrutura electrónica dos iões com a estabilidade associada ao número máximo de electrões no último nível de energia. Associar o grupo e o período de um elemento da Tabela Periódica à estrutura electrónica dos seus átomos, a partir da análise de algumas situações concretas. Explicar a semelhança das propriedades físicas e químicas das substâncias elementares estudadas, a partir das estruturas electrónicas dos átomos que constituem os metais alcalinos, os halogéneos e os gases nobres. Referir a variação das dimensões dos átomos ao longo dos grupos e dos períodos da Tabela Periódica. Actividades de consolidação. 10/25

11 2.2 Algumas regularidades periódicas Classificar as substâncias com bases nas semelhanças e diferenças de comportamento químico. Investigar a semelhança de propriedades das substâncias elementares: metais alcalinos, halogéneos e gases nobres. Indicar diferentes elementos químicos, utilizados pelos seres vivos, através da sua localização na Tabela Periódica. Situar os metais, os não-metais e os semimetais na Tabela Periódica. Fazer referência ao lugar especial na Tabela Periódica do elemento Hidrogénio. Indicar como variam as propriedades dos elementos, por exemplo, do terceiro período da Tabela Periódica. Verificar, experimentalmente, a reacção do lítio, do sódio e do potássio com a água. Metais alcalinos Gobelé com água Referir algumas propriedades químicas dos halogéneos e dos gases nobres. Fenolftaleína 3 LIGAÇÃO QUÍMICA Como se formam as moléculas Distinguir entre ligações covalentes polares e apolares. Referir a geometria molecular. Explicar como se formam as moléculas. Indicar as ligações químicas que ocorrem em diferentes moléculas. Representar as moléculas segundo a notação de Lewis. Modelos moleculares Referir as ligações covalentes simples, duplas e triplas. 11/25

12 Explicar que os átomos se associam para formar moléculas, as quais apresentam forma espacial diferente. Distinguir entre comprimento da ligação e ângulo de ligação. Estabelecer a diferença entre ligações intermoleculares e intramoleculares. 3.2 Tipos de ligações químicas Referir as ligações covalentes, as ligações iónicas e as ligações metálicas. Utilizar a Tabela Periódica para identificar o tipo de ligação química: metálica, covalente ou iónica. Indicar algumas propriedades gerais que permitem distinguir as substâncias moleculares, covalentes, iónicas e metálicas. 12/25

13 3.3 Compostos de carbono Distinguir entre hidrocarbonetos saturados e insaturados. Referir outros compostos orgânicos simples. Caracterizar as proteínas, as gorduras e os hidratos de carbono. Realçar a importância da química dos compostos de carbono. Explicar a natureza das ligações carbono carbono. Representar os diversos tipos de hidrocarbonetos (alcanos, alcenos e alcinos). Exemplificar hidrocarbonetos saturados e hidrocarbonetos aromáticos. Referir algumas reacções de combustão dos hidrocarbonetos. Indicar as fórmulas de estrutura de e os grupos característicos de outros compostos orgânicos tais como: álcoois, aldeídos, cetonas e ácidos carboxílicos. Explicar que os ésteres são outro tipo de compostos orgânicos, que se obtêm a partir da reacção de um ácido orgânico e de um álcool. Exemplificar alguns aminoácidos, hidratos de carbono e lípidos. 13/25

14 TEMA: Terra em transformação 2 ENERGIA Fontes e formas de energia Referir a importância da energia no dia-a-dia. Identificar diferentes manifestações de energia. Referir as duas formas básicas de energia. Utilizar a unidade de energia no Sistema Internacional e as unidades práticas de energia. Apresentar situações diversas sobre a importância da energia no dia-a-dia. Explorar diferentes manifestações de energia. Realizar experiências com materiais simples para distinguir as duas formas básicas de energia. Carrinhos Objectos diversos Identificar algumas fontes de energia. Distinguir entre fontes de energia renováveis e não renováveis. Explorar de onde provém a energia necessária para a realização de todas as transformações que se operam na Terra. Indicar a unidade de energia no SI e as unidades práticas de energia. Referir as fontes de energia renováveis e não renováveis, indicando as vantagens e desvantagens da sua utilização. Realçar a necessidade de exploração de energias renováveis para fazer face à escassez energética. 14/25

15 2.2 Transferênci as de energia Admitir que a energia é uma propriedade dos sistemas e pode ser transferida de uns para outros. Identificar as fontes e os receptores de energia em transferências de energia. Distinguir entre transferência e transformação de energia. Usar, num dado contexto, os termos "calor" e "temperatura". Apresentar situações do dia-a-dia cujas descrições incluem transferências de energia. Dar exemplos de sistemas físicos, admitindo que a energia é uma propriedade desses sistemas. Indicar as fontes e os receptores de energia em diferentes situações, referindo as transferências e as transformações de energia que nelas ocorrem. Distinguir os termos calor e temperatura. Descrever algumas situações nas quais a condução e a convecção podem ser identificadas. Dar exemplos de bons e maus condutores térmicos. Interpretar os significados físicos dos conceitos de conservação e dissipação de energia. Calcular o rendimento de um aparelho, a partir da energia (ou potência) transferida para o aparelho e da energia (ou potência) aproveitada de forma útil. Descrever situações da vida quotidiana nas quais há transferências de energia como calor. Dar exemplos de situações nas quais ocorrem a condução e a convecção. Verificar, experimentalmente, os bons e os maus condutores térmicos. Dialogar sobre a conservação de energia nos sistemas. Relacionar a energia fornecida a um sistema com a energia útil e a energia dissipada. Objectos metálicos Objectos não metálicos Lamparina Referir algumas medidas relacionadas com o isolamento térmico das casas. Usar o conceito de rendimento para efectuar cálculos simples. Indicar a unidade de potência no SI. 15/25

16 Calcular a potência de uma máquina usando a expressão E P = t Indicar alguns problemas de isolamento térmico numa casa e seleccionar os materiais necessários para minimizar as perdas de energia sob a forma de calor. 16/25

17 TEMA: Viver melhor na Terra CAPÍTULO II SISTEMAS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS 1 CIRCUITOS ELÉCTRICOS Componentes de um circuito eléctrico Indicar os nomes dos componentes (ou elementos) de um circuito eléctrico simples. Seleccionar bons condutores e maus condutores (isoladores) da corrente. Identificar, num circuito eléctrico, os pólos da pilha seca e os terminais dos receptores. Indicar o sentido real e o sentido convencional da corrente eléctrica. Identificar os componentes de um circuito eléctrico. Representar esquematicamente circuitos eléctricos simples. Distinguir entre circuitos eléctricos em série e em paralelo, dando relevância aos seus esquemas. Realçar a importância dos circuitos eléctricos. Apresentar alguns componentes didácticos. Distinguir entre fontes de energia, receptores de energia, materiais condutores e maus condutores. Referir que os componentes de um circuito têm dois terminais. Referir como é conduzida a corrente eléctrica nos condutores metálicos. Apresentar os símbolos convencionais dos componentes dos circuitos eléctricos. Apresentar o significado de circuito aberto, circuito fechado e sentido da corrente eléctrica. Montar circuitos com lâmpadas de Quadro Interactivo Componentes eléctricos Pilhas Lâmpadas 17/25

18 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS Referir algumas regras de segurança no manuseamento do equipamento eléctrico. incandescência instaladas em série e em paralelo. Analisar situações incorrectas na utilização da energia eléctrica e discutir os perigos que isso pode acarretar. Fios condutores Interruptores 1.2 Diferença de potencial eléctrico Identificar a diferença de potencial com a quantidade de energia eléctrica transferida por unidade de carga eléctrica para um determinado componente do circuito. Identificar a unidade SI de diferença de potencial. Indicar como se mede a diferença de potencial entre dois pontos de um circuito, por meio de um voltímetro. Relacionar a diferença de potencial nos terminais de lâmpadas de incandescência e da sua associação em série e em paralelo Ligar pilhas de diferentes voltagens à mesma lâmpada e observar a sua luminosidade, tendo em vista a introdução do significado físico de diferença de potencial. Apresentar voltímetros e multímetros para as medições da diferença de potencial e referir o facto de estes serem associados em paralelo num circuito eléctrico. Montar e esquematizar alguns circuitos para medir a diferença de potencial nos terminais de uma associação de lâmpadas de incandescência em série e em paralelo. Pilhas Lâmpadas Fios condutores Voltímetros Amperímetros 1.3 Intensidade da corrente Referir que a intensidade da corrente é uma grandeza física que caracteriza a corrente eléctrica. Identificar a unidade SI de intensidade da corrente. Apresentar amperímetros, miliamperímetros e multímetros para as medições da intensidade da corrente e referir o facto de estes serem associados em série num circuito eléctrico. Montar circuitos eléctricos para medir a Amperímetros Multímetros Lâmpadas 18/25

19 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS Indicar como se mede a intensidade da corrente utilizando amperímetros e miliamperímetros. Determinar a intensidade da corrente em diferentes pontos de circuitos em série e em paralelo. intensidade de corrente em diferentes pontos, tendo os receptores instalados em série e em paralelo. Fios condutores Fonte de alimentação 1.4 Resistência eléctrica Referir que a resistência eléctrica é uma propriedade dos condutores eléctricos. Indicar a unidade em que se exprime a resistência eléctrica. Demonstrar experimentalmente o efeito, no valor da intensidade da corrente ou no brilho de uma lâmpada, provocado pela substituição de um condutor por outro num circuito eléctrico. Fios condutores Lâmpadas Resístores Utilizar o código de cores das resistências de carvão. Calcular a resistência eléctrica de condutores eléctricos. Mostrar resístores, assinalando o seu código de cores. Referir resistências variáveis, sendo algumas utilizadas nos circuitos electrónicos. Medir a resistência de vários condutores para estabelecer a relação U R = I Pilhas Quadro Interactivo Demonstrar experimentalmente que a resistência dos fios condutores depende do comprimento, da espessura e do material de que são feitos. Concluir sobre o interesse da utilização de reóstatos nos circuitos a partir da observação 19/25

20 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS da variação de I ou da intensidade luminosa de uma lâmpada num circuito com um reóstato instalado em série. 1.5 Lei Ohm Reconhecer a existência de uma razão constante entre a diferença de potencial nos terminais de um condutor metálico e a intensidade da corrente que o percorre a uma dada temperatura. Interpretar gráficos da intensidade da corrente em função da diferença de potencial. Distinguir entre condutores óhmicos e não óhmicos a partir de gráficos. Aplicar a Lei de Ohm para resolver questões de circuitos eléctricos. Verificar, experimentalmente, a Lei de Ohm. Analisar o enunciado da Lei de Ohm, resolvendo algumas questões. Analisar gráficos que traduzam a proporcionalidade directa entre a diferença de potencial de um condutor metálico e a intensidade de corrente que o percorre, para uma mesma temperatura. Seleccionar condutores óhmicos e não óhmicos através de gráficos. Reóstato Pilhas Lâmpadas Fios condutores Voltímetro Amperímetro Quadro Interactivo 1.6 Potência eléctrica Referir o significado de potência eléctrica. Indicar a unidade SI de potência eléctrica. Relacionar a potência de um motor com a diferença de potencial nos seus terminais e a intensidade da corrente que o percorre. Reconhecer o quilowatt-hora como uma Indicar características de pequenos electrodomésticos e assinalar a sua potência eléctrica para representar o seu significado. Explorar as transformações de energia que ocorrem num motor eléctrico em funcionamento para relacionar a energia e a potência. Quadro Interactivo 20/25

21 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS unidade prática de energia. Aplicar o conceito de potência em situações concretas. Realizar algumas aplicações numéricas da expressão P E t = a situações concretas. Facturas da EDP Apresentar a expressão P = U I Relacionar a potência útil, a potência total e a potência dissipada. Relacionar o quilowatt-hora e o Joule. Analisar facturas da electricidade. 1.7 Os efeitos da corrente eléctrica Reconhecer os efeitos da corrente eléctrica. Determinar o valor da energia dissipada por efeito Joule. Referir aplicações práticas dos efeitos da corrente eléctrica. Demonstrar, experimentalmente, os feitos da corrente eléctrica. Associar o efeito térmico da corrente eléctrica ao efeito Joule e referir a expressão matemática que permite calcular a energia dissipada por efeito Joule. Lâmpadas Fios condutores Pilhas Abordar os efeitos dos curto-circuitos e o papel dos fusíveis de segurança. 21/25

22 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS 2 ELECTROMAGNETIS MO 2.1 A corrente eléctrica e o campo magnético Indicar o significado físico de campo magnético. Reconhecer a relação entre a corrente eléctrica e o campo magnético. Identificar um electroíman. Verificar, experimentalmente, as interacções magnéticas, utilizando ímanes e outros materiais. Realizar experiências para visualizar o padrão do campo magnético. Descrever a experiência de Oersted. Ímanes Limalha de ferro Quadro Interactivo 6 Construir um electroíman rudimentar para observar e explicar o seu funcionamento. Apontar algumas aplicações do electroíman: o guindaste electromagnético, o galvanómetro, o voltímetro, o amperímetro, o motor, a campainha eléctrica e o telefone. Prego Pilha Fio condutor 22/25

23 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS 2.2 Efeitos eléctricos do magnetismo: correntes induzidas Reconhecer a existência de correntes induzidas. Indicar os factores que afectam o sentido e a intensidade das correntes induzidas. Distinguir entre corrente contínua e corrente alternada. Demonstrar a produção de correntes de indução, movimentando, um em relação ao outro, um íman e uma bobina. Verificar os factores de que depende a intensidade da corrente produzida. Distinguir turbina, gerador, dínamo e alternador. Quadro Interactivo Dínamo de bicicleta Identificar vantagens associadas à utilização de correntes alternadas. Reconhecer a importância dos transformadores no processo de transferência de energia eléctrica. Apresentar um dínamo de bicicleta. Analisar o trajecto da corrente eléctrica desde a produção nas centrais, passando pelo transporte em cabos condutores, com sucessivas mudanças de tensão nos transformadores, até à sua utilização nos receptores. 3 CIRCUITOS ELECTRÓNICOS E APLICAÇÕES DA ELECTRÓNICA Circuitos electrónicos simples Distinguir entre circuito eléctrico e circuito electrónico. Identificar alguns componentes que permitam estabelecer circuitos electrónicos. Componentes electrónicos Identificar os componentes electrónicos mais comuns. Apresentar esquemas de circuitos electrónicos. Quadro Interactivo 23/25

24 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS SUGESTÕES METODOLÓGICAS Referir a função dos componentes de alguns circuitos electrónicos simples. 3.2 Algumas aplicações da electrónica Identificar a utilidade do transístor em circuitos electrónicos simples. Referir o significado de entrada (input) e saída (output) num circuito electrónico. Indicar a utilidade de alguns circuitos electrónicos. Realizar experiências com componentes electrónicos. Explicar o funcionamento de sistemas automáticos de iluminação e abertura de portas. Componentes electrónicos Seleccionar sistemas de comunicação baseados na electrónica. Nota: O número de tempos lectivos contempla a apresentação, as fichas sumativas, as actividades formativas e de diagnóstico e a auto-avaliação. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Parâmetros a avaliar A Conhecimentos 1. Fichas de controlo de aprendizagem B Capacidades 2. Participação (Espontaneidade, espírito crítico, pertinência e adequação de todo o tipo de participação oral) 3. Resolução de problemas (teórico-práticos, laboratoriais, realizados individualmente) Ponderação 60% 25% 24/25

25 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Parâmetros a avaliar 4. Criatividade / Iniciativa (ex: apresentação de trabalhos sugeridos) / Autonomia 5. Comunicação (Utilização da Língua Portuguesa) 6. Auto-avaliação (Nível de autoconsciência do aluno sobre as suas reais capacidades C Atitudes e Valores 7. Relacionamento com os outros (Respeito, solidariedade, comportamento) 8. Responsabilidade (Pontualidade, material escolar, TPC ) 9. Envolvimento com a escola e interesse demonstrado pelas actividades Ponderação 15% INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Fichas de controlo de aprendizagem Ficha de Diagnóstico (a efectuar conforme o ano de escolaridade, o tipo de curso e conhecimento prévio dos discentes) Actividades de consolidação de conhecimentos Grelha (s) de observação / registo Grelha de auto-avaliação 25/25

Aula de apresentação 2011/2012

Aula de apresentação 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO RODRIGUES LOBO Aula de apresentação 2011/2012 1 Apresentação O programa: planificação; recursos. Física em Acção. Trabalho experimental. Avaliação. Teste diagnóstico. 2 1.º

Leia mais

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 Competências Gerais Conteúdos programáticos /Temas Objectivos Gerais Aulas Previstas (blocos

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA (Componente de Formação Científica) ANO LECTIVO: 2008/2009 2º ano (11º ano) Nº AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA (Componente de Formação Científica) ANO LECTIVO: 2008/2009 2º ano (11º ano) Nº AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO Módulo Q2 - SOLUÇÕES 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante. 1.2. Dispersão sólida, líquida e gasosa. 1.3. Critérios para a classificação de dispersões em soluções, colóides e suspensões. 2. Soluções

Leia mais

Física e Química 1º ano (107 aulas de 45 minutos)

Física e Química 1º ano (107 aulas de 45 minutos) AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM CURSO VOCACIONAL DE ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS Planificação de Física e Química (2 anos) ANO LECTIVO 2014-2015 Física e Química 1º

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO 2015/201 1.º Período DISCIPLINA: Ciências Físico-Químicas ANO: 7.º CURSO: 3.º Ciclo do Ensino Básico Total de aulas previstas: 38 Domínio: I. Espaço Subdomínio: I.1. Universo Objetivo Geral: 1. Conhecer

Leia mais

Ciências Físico - Químicas. Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas

Ciências Físico - Químicas. Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas ESCOLA SECUNDÁRIA NUNO ÁLVARES CASTELO BRANCO Ciências Físico - Químicas Planificação de uma Actividade Laboratorial No contexto dos Novos Programas Trabalho elaborado por: Célia Maria Antunes Dias Castelo

Leia mais

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo.

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo. ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O D E

E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O D E E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O P L A N I F I C A Ç Ã O D E S I S T E M A S A N A L Ó G I C O S E D I G I T A I S 0 º A N O Ano Lectivo 004 / 005 Professor José Matias PlanifSAD0-004

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Um circuito eléctrico µu^u]vz}_ }Œ}v passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar outros componentes como interruptores, motores

Leia mais

Nome Nº turma Data / /

Nome Nº turma Data / / Ciências Físico-Químicas 9º Ano Corrente Eléctrica FICHA DE TRABALHO Nome Nº turma Data / / Produção de energia eléctrica À escala industrial, a corrente eléctrica (corrente alternada) produz-se, principalmente,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de Física e Química A, do 10.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS CONTÚDOS COMPTÊNCIAS CONTÚDOS GOVRNO DO STADO D MATO GROSSO DO SUL SCRTARIA D STADO D DUCAÇÃO SUPRINTNDÊNCIA D POLÍTICAS D DUCAÇÃO COORDNADORIA D NSINO MÉDIO DUCAÇÃO PROFISSIONAL RFRNCIAL CURRCULAR - CIÊNCIAS

Leia mais

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41 DE FÍSICO-QUÍMICA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: o Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos

Leia mais

Tipos de Movimento. Classificam-se se de acordo com: ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo

Tipos de Movimento. Classificam-se se de acordo com: ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo Tipos de Movimento Classificam-se se de acordo com: a trajectória ria descrita pelo corpo a velocidade do corpo A velocidade mantémse constante Movimento Rectilíneo Uniforme Movimento Rectilíneo Uniformemente

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho, e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12º Ano Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO ESCOLAS PROF. CARLOS TEIXEIRA (Cód.150502) Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química PLANIFICAÇÃO ANUAL (7º ANO) Ano letivo 2015/2016 Ciências Físico-Químicas Planificação

Leia mais

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ Ana Célia Alves dos Santos² Débora da Cruz Alves² Gustavo Gomes Benevides² Júlia Fabiana de Oliveira Barboza² Stefanie Esteves da Silva² Stephanye

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais

PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário EDITORA:

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO Página 1 de 6 ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.1 FÍSICA 11º ANO DOIS ATLETAS COM MASSAS DIFERENTES, EM QUEDA LIVRE, EXPERIMENTAM OU NÃO A MESMA ACELERAÇÃO? O que se pretende 1. Distinguir força, velocidade e

Leia mais

Ministério da Educação Departamento do Ensino Secundário. Programa de Sistemas Analógicos e Digitais. 10º Ano

Ministério da Educação Departamento do Ensino Secundário. Programa de Sistemas Analógicos e Digitais. 10º Ano Ministério da Educação Departamento do Ensino Secundário Programa de Sistemas Analógicos e Digitais 0º Ano Curso Tecnológico de Electrotecnia e Electrónica Autores António José Póvoa Ferreira José Campos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais Programa novo implementado em 2005/2006 PROVA 615/16 Págs. Duração da prova: 120 minutos

Leia mais

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO O magnetismo é uma propriedade que alguns corpos têm. É o caso dos ÍMANES Os ímanes atraem objectos de ferro ou de aço. Por exemplo clipes, pregos de aço e alfinetes.

Leia mais

Capacidade térmica mássica

Capacidade térmica mássica AL 1.3. Capacidade térmica mássica Em grupo de trabalho e com ajuda do professor os alunos planificam um procedimento experimental que os vai ajudar a dar resposta ao problema. Durante a realização da

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA COMPONENTE CURRICULAR:

MATRIZ DE REFERÊNCIA COMPONENTE CURRICULAR: I. MECÂNICA Conteúdo 1. Introdução à Física - Sistemas métricos. Conversão de unidades de medida. Notação científica. Ordem de grandeza. Operações com algarismos significativos. Regras de arredondamento.

Leia mais

Considerando o seguinte eixo de referência:

Considerando o seguinte eixo de referência: FORÇA É uma interacção que se estabelece entre dois corpos capaz de alterar o seu estado de movimento ou de repouso ou de lhes causar deformação. Podem ser interacções à distância ou interacções de contacto.

Leia mais

PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário EDITORA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO I.S.P.V. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU Departamento de Engenharia Electrotécnica. Ficha de Disciplina

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO I.S.P.V. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU Departamento de Engenharia Electrotécnica. Ficha de Disciplina Ficha de Disciplina Disciplina: Máquinas Eléctricas III Curso: Licenciatura em Engenharia Electrotécnica Ano: 4º Semestre: 1º Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária Semanal: 2T; 2TP 1 ; 2TP 2 ; 2P 1 ; 2P

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

Os Fundamentos da Física Vol 3 - Mecânica

Os Fundamentos da Física Vol 3 - Mecânica Os Fundamentos da Física Vol 3 - Mecânica - Livro de Fisica - Ensino Médio 3ª série - 8ª Edição - Autor Ramalho - Nicolau - Toledo - ISBN 85-16-03702-9 - Editora Moderna CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo

Leia mais

Efeito magnético da corrente elétrica

Efeito magnético da corrente elétrica Efeito magnético da corrente elétrica Descoberta Um condutor percorrido por uma corrente elétrica faz desviar uma agulha magnética - efeito magnético da corrente elétrica. Observação Um condutor percorrido

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA QUÍMICA 12º ANO Metas curriculares Metais e ligas metálicas Combustíveis, energia e ambiente

Leia mais

Sistemas eléctricos e magnéticos

Sistemas eléctricos e magnéticos Sistemas eléctricos e magnéticos A corrente eléctrica como forma de transferência de energia Prof. Luís Perna 2010/11 Geradores de corrente eléctrica Um gerador eléctrico é um dispositivo que converte

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando TC UECE 01 FASE 1 PROF. : Célio Normando Conteúdo: Cinemática - MRUV 1. Um avião vai decolar em uma pista retilínea. Ele inicia seu movimento na cabeceira da pista com velocidade nula e corre por ela com

Leia mais

Estime, em MJ, a energia cinética do conjunto, no instante em que o navio se desloca com velocidade igual a 108 km h.

Estime, em MJ, a energia cinética do conjunto, no instante em que o navio se desloca com velocidade igual a 108 km h. 1. (Uerj 016) No solo da floresta amazônica, são encontradas partículas ricas em 1 fósforo, trazidas pelos ventos, com velocidade constante de 0,1m s, desde o deserto do Saara. Admita que uma das partículas

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 1ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste: 90 minutos Data: 07 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DIRETORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICOS-PEDAGÓCIAS DEPARTAMENTO ACADÊMICO: ELETROELETRÔNICA CURSO: ELETROTÉCNICA TURMA: 102 ANO/SEMESTRE:

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Prova de Equivalência à Frequência de Físico-Química Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Química. Sistema Positivo de Ensino 112

Química. Sistema Positivo de Ensino 112 A proposta A proposta, para ser elaborada, buscou um panorama que explicitasse os rumos e objetivos do ensino de Química na escola. Sendo assim, priorizou um trabalho que integra diversas dimensões do

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Projecto Piloto para o Ensino à

Projecto Piloto para o Ensino à Projecto Piloto para o Ensino à Distância Universidade do Porto Abril de 2000 Disciplina: Curso de Física Geral Docente coordenador: Jaime Villate, Prof. Auxiliar, Faculdade de Engenharia. Identificação

Leia mais

Referencial - sistema de referencia em relação ao qual se pode classificar se determinado objecto de encontra em repouso ou em movimento.

Referencial - sistema de referencia em relação ao qual se pode classificar se determinado objecto de encontra em repouso ou em movimento. http://web.educom.pt/%7epr1258/9ano/a6_movimento9ano.htm O ESTUDO DO MOVIMENTO Referenciais - Movimento e Repouso Referencial - sistema de referencia em relação ao qual se pode classificar se determinado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE PROGRAMA DAS PROVAS 1- REDAÇÃO Construção de textos dissertativos objetivos e/ou subjetivos abordando temas da atualidade. 2- LINGUA PORTUGUESA 2.1- Literatura Brasileira Literatura: conceito e funções,

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO OFICINA DE FORMAÇÃO: TRABALHO PRÁTICO NA PERSPECTIVA DOS NOVOS PROGRAMAS DE FÍSICA, MATEMÁTICA E BIOLOGIA. UMA ABORDAGEM À EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

A FÍSICA EM DESAFIOS

A FÍSICA EM DESAFIOS A FÍSICA EM DESAFIOS DESAFIO 3 O nosso projecto: Porque também achamos a Física divertida, lá conseguimos arranjar um pouquinho de espaço e tempo, para respondermos ao Desafio 3 proposto. AS LEIS de NEWTON.

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

Transferências de energia como calor: condutividade térmica

Transferências de energia como calor: condutividade térmica Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Actividades laboratoriais para os 10º e 11º anos do Ensino Secundário Transferências de energia como calor: condutividade térmica Trabalho realizado por:

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE III... 4 Capítulo 3: Eletromagnetismo... 4 3.1 Introdução... 4 3.2 Campo Magnético (B)... 6 3.3 Campo Magnético Gerado Por Corrente... 7 3.4 Campo

Leia mais

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos;

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; Recuperação Capítulo 01 Movimento e repouso - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; - Um corpo está em movimento quando sua posição, em relação a um referencial escolhido, se altera com o

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E

Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013. Nome: Nº: turma: 11E Ficha de avaliação Física e Química A - Versão 1 Outubro de 2013 Nome: Nº: turma: 11E CLASSIFICAÇÃO: Valores Professor: Cotação - 10V 1. Observa a figura 1 seguinte, que representa um corpo em movimento,

Leia mais

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011 Movimento Linear Nome: Nome: Nome: Nome: Nº: Nº: Nº: Nº: Leia com atenção a totalidade deste enunciado antes de começar, e responda

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

2ª Ficha de Avaliação Física e Química 9ºAno

2ª Ficha de Avaliação Física e Química 9ºAno Página1 2ª Ficha de Avaliação Física e Química 9ºAno Ano Letivo: 2014/2015 Data: dezembro 2014 Prof: Paula Silva Nome: Nº. Turma: 9ºH Avaliação: Professor: E. Educação: VERSÃO 1 1. Lê atentamente o texto

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia Escolas João de Araújo Correia DEPARTAMENTO MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina Física e Química A QUÍMICA MÓDULO INICIAL MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 10º Ano de escolaridade 2014-2015

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico B - Áreas Vocacionais Empregado(a) Comercial Acompanhante de Ação Educativa Operador(a) de Informática C - Matriz curricular Componentes de Formação Cada disciplina

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção

Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção 1 Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção A noção de trabalho Trabalho potente, resistente e nulo Trabalho realizado por mais do que uma força constante Representação

Leia mais

Aula 5_1. Corrente Elétrica. Capítulo 5. (Eletrodinâmica) Prof. Cláudio Graça. Física Geral e Experimental III

Aula 5_1. Corrente Elétrica. Capítulo 5. (Eletrodinâmica) Prof. Cláudio Graça. Física Geral e Experimental III Aula 5_1 Corrente Elétrica (Eletrodinâmica) Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica Dinâmica do movimento Velocidade de deriva Lei de Ôhm Resistência

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta aceleração da gravidade na Terra, g = 10 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, ρ = 1000 kg/m 3 = 1 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo = 3,0 10 8 m/s calor específico da água 4 J/( o C g) 1 caloria

Leia mais

Agrupamento de Escolas Padre Himalaia EBI/ JI de Távora Físico-Química

Agrupamento de Escolas Padre Himalaia EBI/ JI de Távora Físico-Química Agrupamento de Escolas Padre Himalaia EBI/ JI de Távora Físico-Química Trabalho realizado por: -José Eduardo Pinto Amorim Nº9 9ºA O que é um circuito eléctrico? A corrente eléctrica chega até nós através

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

PROGRAMA DE QUÍMICA 11ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE QUÍMICA 11ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE QUÍMICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário EDITORA:

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação Físico-Química 3º Ciclo - 7.º Ano de Escolaridade Despacho

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA AULA 22 GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA 1- GERADORES ELÉTRICOS Gerador elétrico é todo elemento que transforma energia não elétrica em energia elétrica. Observe que o gerador não gera energia e sim transforma

Leia mais

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR

SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE FÍSICA- FORMAÇÃO CONTÍNUA 29 SIMULAÇÃO DO MOVIMENTO DE QUEDA DE UM CORPO COM E SEM RESISTÊNCIA DO AR Actividades de sala de aula com a calculadora

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS

ANÁLISE DE CIRCUITOS NÁLISE DE CIRCUITOS Corrente Contínua 1 Na figura seguinte representa um voltímetro e um amperímetro. Se indicar 0,6 m, quanto deverá marcar? U 50kΩ Figura 1 2 Se R b = 3R a, qual a tensão entre e B (sabendo

Leia mais

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL 5 ESTUDO DA MATÉRIA 1 DEFINIÇÕES Matéria é tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa. Nem tudo que existe no universo e matéria. Por exemplo, o calor e

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17 Ano Lectivo 2010/2011 FÍSICO-QUÍMICA QUEDA LIVRE Mariana Figueiredo 11ºB nº17 QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS Escola Secundária de Oliveira do Bairro 1- a) Na queda, o movimento é uniformemente acelerado porque

Leia mais

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal LIGAÇÃ QUÍMICA Introdução: s átomos, ao se unirem, procuram perder ou ganhar elétrons na última camada até atingirem a configuração eletrônica de um gás nobre. Teoria do octeto: s átomos dos elementos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR 4 META Estudar o movimento de um corpo sob a ação de uma força conhecida e estudar e classificar os diferentes tipos de colisões unidimensionais. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

COLÉGIO MANUEL BERNARDES INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

COLÉGIO MANUEL BERNARDES INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA COLÉGIO MANUEL BERNARDES ANO LETIVO 2014/2015 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO 1ª e 2ª FASES PROVA DE FÍSICA CÓDIGO 315 Caracterização e estrutura da prova Tempo total para

Leia mais