GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09"

Transcrição

1 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os acionistas, comprometida com a realização das pessoas e com o desenvolvimento sustentado da sociedade. A Gerdau é o grupo siderúrgico líder na produção de aços longos nas Américas. Iniciou sua trajetória de expansão há mais de um século, sendo um dos principais players no processo de consolidação do setor siderúrgico global. Conta com colaboradores constantemente treinados e preparados para enfrentar novos desafios e mantém operações nas Américas, Europa e Ásia. Produz aços longos comuns e especiais e aços planos, principalmente por meio do processo de produção em fornos elétricos (mini mills). Seus produtos atendem os setores de construção civil, indústria, automotivo e agropecuário. Suas ações são negociadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova York, Toronto, Madri e Lima, contando com mais de 140 mil acionistas. Destaques do primeiro trimestre de 2009 Teleconferência 7 de maio de 2009 Português 14h30m (horário de Brasília) Telefones: - do Brasil: de outros países: Código: Gerdau Inglês (Tradução simultânea) 14h30m (horário de Brasília) Telefones: - dos EUA e Canadá: de outros países: do Brasil: Código: Gerdau (em Português) Contato com RI Tel.: Website: 1º Trim. 4º Trim. Informações selecionadas de 2009 de 2008 Variação Produção (1.000 t) Aço bruto (placas/blocos/tarugos) ,2% Laminados ,4% Vendas (1.000 t) ,7% Receita líquida (R$ milhões) ,0% EBITDA (R$ milhões) ,7% Lucro líquido (R$ milhões) ,7% Patrimônio líquido (R$ milhões) ,1% Ativos totais (R$ milhões) ,0% Margem bruta 11,3% 17,9% Margem EBITDA 8,6% 15,4% Margem líquida 0,5% 3,3% Lucro líquido / Patrimônio líquido ¹ 15,9% 19,7% Dívida bruta / Capitalização total 47,5% 48,1% Dívida bruta / EBITDA ² 2,6x 2,3X 1) Lucro líquido dos últimos 12 meses sobre o patrimônio líquido final 2) EBITDA acumulado dos últimos 12 meses Produção O setor siderúrgico global apresentou forte redução de produção no 1º trimestre deste ano com o objetivo de adequação ao novo patamar de demanda. Nesse sentido, a produção de aço bruto (placas, blocos e tarugos) da Gerdau alcançou 2,5 milhões de toneladas no 1º trimestre de 2009 e a de laminados, por sua vez, atingiu 2,4 milhões de toneladas, apresentando redução em relação aos volumes obtidos no 4º trimestre de 2008.

2 Vendas As vendas consolidadas do 1º trimestre de 2009 atingiram 3,1 milhões de toneladas, apresentando redução em relação ao 4º trimestre de É importante salientar que, no último trimestre de 2008, as vendas de outubro, em particular, apresentaram ainda um desempenho bastante favorável, mantendo-se nos níveis dos primeiros 9 meses de 2008 e, portanto, não influenciado pela crise mundial. Outro fator a ser considerado, e neste caso bastante positivo, é o crescimento de 20,7% observado na evolução das vendas do mês de dezembro de 2008 para o mês de março de 2009, o que evidencia sinais de recuperação. Receita líquida Vendas Consolidadas ¹ 1º Trim. 4º Trim. Variação (1.000 toneladas) de 2009 de T09/4T08 Brasil ,7% Mercado Interno ,8% Exportações ,4% América do Norte ,5% América Latina ,7% Aços Especiais ,0% Total ,7% 1 - Excluídas as vendas para empresas controladas Obs.: as informações acima não contemplam dados das empresas com controle compartilhado e joint ventures. No 1º trimestre de 2009, a receita líquida de vendas consolidada atingiu R$ 7,0 bilhões, apresentando uma redução em relação ao 4º trimestre de 2008, devido à queda dos preços no mercado internacional e aos menores volumes vendidos no período. A receita líquida foi constituída da seguinte forma nos segmentos de negócios da Companhia: EBITDA Receita líquida (R$ milhões) 1º Trim de 09 4º Trim de 08 Variação Participação Brasil ,1% 34,0% América do Norte ,9% 34,4% América Latina ,3% 13,1% Aços Especiais ,5% 18,5% Total ,0% 100,0% Obs.: as informações acima não contemplam dados das empresas com controle compartilhado e joint ventures. A geração de caixa operacional, representada pelo EBITDA (lucro líquido antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), alcançou R$ 599,0 milhões no período de janeiro a março deste ano. A margem EBITDA alcançou 8,6% no período. O EBITDA alcançado no trimestre apresentou a seguinte performance por segmento de negócio da Companhia:

3 EBITDA (R$ milhões) 1º Trim de 09 4º Trim de 08 Variação Brasil ,8% América do Norte América Latina ,0% Aços Especiais Total ,7% Obs.: o EBITDA não é uma medida utilizada nas práticas contábeis e também não representa o fluxo de caixa para os períodos apresentados, não devendo ser considerado como uma alternativa ao fluxo de caixa na qualidade de indicador de liquidez. O EBITDA não é padronizado, não podendo, portanto, ser comparado ao EBITDA de outras companhias. Lucro líquido Nos primeiros três meses de 2009, face ao menor resultado operacional, o lucro líquido consolidado foi de R$ 35,0 milhões. A margem líquida foi de 0,5% no período. Lucro líquido (R$ milhões) 1º Trim de 09 4º Trim de 08 Variação Brasil ,2% América do Norte ,9% América Latina ,2% Aços Especiais Total ,7% Dividendos A Metalúrgica Gerdau S.A. e a Gerdau S.A. possuem políticas de distribuição de dividendos claras e alinhadas ao mercado, pagando, no mínimo, 30% do lucro líquido ajustado em cada ano, enquanto a lei vigente no Brasil exige um mínimo de 25%. Tendo em vista o cenário econômico atual e alinhado ao objetivo de preservar o caixa, não está prevista antecipação de dividendos para o 1º trimestre de 2009, posição esta que será revista para os próximos trimestres, sempre respeitando o dividendo mínimo obrigatório anual previsto no estatuto das Companhias.

4 Desempenho no 1 o trimestre de 2009 As Demonstrações Financeiras Consolidadas da Gerdau S.A. são apresentadas em conformidade com o padrão contábil internacional estabelecido pelo International Accounting Standards Board IASB (conhecido como International Financial Reporting Standards IFRS) e consubstanciado na Instrução CVM nº 457, de 13 de julho de Segmentação dos negócios As informações apresentadas neste relatório obedecem a seguinte segmentação dos negócios da Gerdau, conforme estabelecido na sua governança corporativa: Brasil inclui as operações de Aços Longos e Açominas; América do Norte inclui todas as operações na América do Norte, exceto as do México e as de aços especiais (Macsteel); América Latina inclui todas as operações na América Latina, com exceção do Brasil; Aços Especiais inclui as operações de aços especiais no Brasil, na Europa e nos EUA. Produção Em termos consolidados, a menor produção do 1º trimestre de 2009 em relação ao 4º trimestre de 2008 fez parte da adequação da Companhia à retração da demanda verificada nos mercados mundiais. Nos segmentos de negócios, observa-se uma recuperação nas operações da América Latina e América do Norte, mercados que atingiram o menor nível de produção no 4º trimestre do ano passado. As operações do Brasil e o segmento de Aços Especiais, que ainda apresentaram maiores níveis de produção no trimestre anterior, passaram a sentir a redução da demanda com mais intensidade no 1º trimestre de 2009, diminuindo, assim, seus níveis de produção. No Brasil, particularmente, a redução da produção de aço bruto no 1º trimestre de 2009 em relação ao 4º trimestre de 2008 deve-se, principalmente, à antecipação da parada do alto-forno de três milhões de toneladas na Gerdau Açominas. A parada, inicialmente com retorno programado para o final de março foi estendida, considerando as condições atuais do mercado internacional. O outro alto-forno da Gerdau Açominas, com 1,5 milhão de toneladas de capacidade, segue em operação. As operações na América do Norte, em compensação, apresentaram uma recuperação no mesmo período. Já a operação de Aços Especiais apresentou redução de produção em todos os países em que atua. Na América Latina, onde o mercado vinha de um esforço para diminuir os estoques desde o final do 3º trimestre de 2008, as condições atuais de demanda permitiram um aumento de produção em relação ao 4º trimestre de Produção 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (1.000 toneladas) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Aço Bruto (placas, blocos e tarugos) Brasil ,3% ,6% América do Norte ,4% ,6% América Latina ,1% ,0% Aços Especiais ,5% ,2% Total ,2% ,4% Laminados Brasil ,3% ,8% América do Norte ,2% ,6% América Latina ,9% ,3% Aços Especiais ,5% ,1% Total ,4% ,1% Obs.: as informações acima não contemplam dados das empresas com controle compartilhado e joint ventures.

5 Produção de Aço Bruto (placas, blocos e tarugos) (1.000 toneladas) % 9% 43% % 15% 9% 9% 40% 39% 37% 36% 37% % 7% 29% 46% % 12% 41% 35% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 Brasil América do Norte América Latina Aços especiais Produção de Produtos Laminados (1.000 toneladas) % 13% 48% 27% % 12% 46% 26% % 11% 45% 28% % 12% 33% 34% % 14% 45% 28% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 Brasil América do Norte América Latina Aços especiais Em laminados, a produção consolidada alcançou 2,4 milhões de toneladas no 1º trimestre deste ano, comparado com os 2,7 milhões de toneladas produzidos no 4º trimestre de Assim como em aço bruto, também em laminados, a Companhia buscou adequação da produção às novas condições de demanda. Nos segmentos de negócios, destaca-se a forte recuperação da produção de laminados na América do Norte ao longo do 1º trimestre de 2009 em comparação com o trimestre imediatamente anterior. Essa recuperação também pode ser verificada nas operações da América Latina. Vendas As vendas consolidadas do 1º trimestre de 2009 atingiram 3,1 milhões de toneladas, apresentando redução em relação ao 4º trimestre de É importante salientar que, no último trimestre de 2008, as vendas de outubro, em particular, apresentaram ainda um desempenho bastante favorável, mantendo-se nos níveis dos primeiros 9 meses de 2008 e, portanto, não influenciado pela crise mundial. Outro fator a ser considerado, e neste caso bastante positivo, é o crescimento de 20,7% observado na evolução das vendas do mês de dezembro de 2008 para o mês de março de 2009, o que evidencia sinais de recuperação. Vendas Consolidadas ¹ 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (1.000 toneladas) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Brasil ,7% ,4% Mercado Interno ,8% ,6% Exportações ,4% ,9% América do Norte ,5% ,1% América Latina ,7% ,1% Aços Especiais ,0% ,3% Total ,7% ,6% 1 - Excluídas as vendas para empresas controladas Obs.: as informações acima não contemplam dados das empresas com controle compartilhado e joint ventures. No segmento Brasil, o menor consumo de produtos siderúrgicos verificado no 1º trimestre deste ano em conseqüência da redução da produção industrial, bem como da atividade de construção civil, fez com que as vendas ao mercado doméstico apresentassem uma redução quando comparadas com o 4º trimestre de As melhores condições para embarques ao exterior compensaram parcialmente a redução das vendas domésticas. Por outro lado, a evolução mensal de vendas no mercado doméstico apresentou um crescimento de 12,2%, comparando-se o mês de março de 2009 com dezembro de As exportações do segmento Brasil totalizaram 374,7mil toneladas no 1º trimestre de 2009, um aumento de 38,4% em relação ao 4º trimestre de 2008, gerando receitas de R$ 397,4 milhões.

6 Na América do Norte, apesar da redução da demanda verificada no 1º trimestre de 2009, as vendas do mês de março apresentaram um crescimento de 10,1% em relação às vendas do mês de dezembro de Na América Latina, as vendas do 1º trimestre de 2009 apresentaram aumento em relação ao 4º trimestre de 2008, resultante da recuperação do mercado. O segmento de Aços Especiais também foi afetado pela crise mundial no 1º trimestre de 2009, apresentando uma redução de vendas mais forte em relação ao 4º trimestre de Especificamente no Brasil, houve um descompasso entre as vendas de automóveis e a produção de autopeças devido a estoques elevados na cadeia. Ainda assim, as vendas do mês de março de 2009 apresentaram um crescimento de 9,6% sobre as do mês de dezembro de % 12% 44% Vendas Consolidadas 1 (1.000 toneladas) % 11% 42% % 11% 37% 9% 10% 10% 24% 23% 27% % % 13% 16% 35% 35% 8% 12% 28% 24% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 Brasil - Mercado interno América do Norte Aços especiais Brasil - Exportações América Latina 1 Excluídas as vendas para empresas controladas Resultados Receita Líquida No 1º trimestre de 2009, a receita líquida de vendas consolidada atingiu R$ 7,0 bilhões, apresentando uma redução em relação ao 4º trimestre de 2008, devido à queda dos preços no mercado internacional e aos menores volumes vendidos no período. As operações no Brasil (mercado interno mais exportações) e na América do Norte contribuíram, cada uma, com aproximadamente 34% para a receita líquida consolidada do trimestre. As empresas na América Latina foram responsáveis por 13% e a operação de negócios Aços Especiais contribuiu com 19% da receita líquida do período. Receita líquida 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (R$ milhões) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Brasil ,1% ,6% América do Norte ,9% ,7% América Latina ,3% 950-4,0% Aços Especiais ,5% ,2% Total ,0% ,1% Obs.: as informações acima não contemplam dados das empresas com controle compartilhado e joint ventures. Custo das vendas A Companhia, buscando alinhar-se ao novo patamar de demanda, efetuou reduções de custos totais de produção no valor de R$ 1,8 bilhão no 1º trimestre de 2009 em relação ao 4º trimestre de Com isso, conseguimos manter os custos fixos num patamar histórico de, aproximadamente, 25% dos custos totais de produção. Porém, o reflexo dessa redução nos custos de vendas ainda não pode ser observado na sua totalidade, em virtude da realização de estoques formados em períodos anteriores. O custo das vendas, comparado com a receita líquida, teve sua proporção aumentada de 82,1%, no 4º trimestre de 2008, para 88,7%, no 1º trimestre de 2009, resultando em uma queda da margem bruta no período, ocasionada, principalmente, pela queda na receita líquida em função da redução dos preços no mercado internacional e menores volumes de vendas.

7 As operações do segmento Brasil apresentaram preços com ligeira queda, o que mesmo assim proporcionou uma margem bruta de 31,7% no 1º trimestre de Na América do Norte, os ajustes efetuados na estrutura de custos contribuíram para um ganho de margem no 1º trimestre de 2009, apesar do volume ter sido inferior ao do 4º trimestre de Os demais segmentos (América Latina e Aços Especiais) apresentaram redução da margem bruta no período, principalmente pela redução de preços. Despesas com vendas, gerais e administrativas Da mesma forma que nos custos, também foram feitos ajustes nas despesas com vendas, gerais e administrativas visando adaptar a estrutura da Companhia ao cenário atual, apresentando uma redução de 14,8% no 1º trimestre de 2009 em relação ao 4º trimestre de No entanto, essas despesas registraram um aumento em relação à receita líquida, passando de 8,1% no 4º trimestre de 2008 para 9,3% no 1º trimestre de EBITDA EBITDA 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (R$ milhões) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Brasil ,8% ,5% América do Norte ,1% América Latina ,0% Aços Especiais Total ,7% ,8% Obs.: o EBITDA não é uma medida utilizada nas práticas contábeis e também não representa o fluxo de caixa para os períodos apresentados, não devendo ser considerado como uma alternativa ao fluxo de caixa na qualidade de indicador de liquidez. O EBITDA não é padronizado, não podendo, portanto, ser comparado ao EBITDA de outras companhias. Composição do EBITDA 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (R$ milhões) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Lucro líquido ,7% ,8% Provisão para IR e CS ,1% Resultado financeiro líquido ,3% 164 8,5% Depreciação e amortizações ,9% ,1% EBITDA ,7% ,8% O EBITDA (lucro líquido antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), considerado também como a geração de caixa operacional, alcançou R$ 599,0 milhões no 1º trimestre de 2009, com margem de 8,6%. O Brasil, com uma margem Ebitda ainda robusta, foi o principal responsável pela geração de caixa operacional no período. As operações da América do Norte mostraram um início de recuperação de margem Ebitda em relação ao 4º trimestre de As margens da América Latina foram afetadas pela forte redução dos preços de aço e de Aços Especiais principalmente pelas menores vendas Margem EBITDA (%) 28,2% 27,6% 22,2% 20,6% 19,4% 16,4% 8,6% 3,7% -0,2% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 Brasil América Latina Aços especiais -15,3% América do Norte Consolidado Equivalência Patrimonial O resultado da equivalência patrimonial sobre os investimentos em empresas não-consolidadas foi negativo em R$ 65,0 milhões no 1º trimestre deste ano e negativo em R$ 114,8 milhões no 4º trimestre de 2008.

8 Resultado Financeiro No 1º trimestre deste ano, o resultado financeiro (receitas financeiras menos despesas financeiras) foi negativo em R$ 177,9 milhões enquanto que no 4º trimestre de 2008 houve um resultado financeiro também negativo de R$ 951,8 milhões. Esse melhor resultado financeiro é conseqüência do menor efeito cambial do trimestre (valorização do real frente ao dólar norte-americano) sobre os financiamentos em moeda estrangeira contratada pelas empresas no Brasil. No 4º trimestre de 2008 o real apresentou uma desvalorização de 22,1% em relação ao dólar, enquanto que no 1º trimestre de 2009 ocorreu uma valorização de 0,9%. Lucro Líquido Como conseqüência da queda no desempenho operacional, o lucro líquido consolidado foi de R$ 35,0 milhões no 1º trimestre de 2009, com margem líquida de 0,5%. Lucro líquido 1º Trim. 4º Trim. Variação 1º Trim. Variação (R$ milhões) de 2009 de T09/4T08 de T09/1T08 Brasil ,2% 523-9,8% América do Norte ,9% América Latina ,2% 95 - Aços Especiais Total ,7% ,8% Capital de Giro O capital de giro, representado por contas a receber de clientes, estoques e fornecedores, somou R$ 9,5 bilhões em março de 2009, uma redução de R$ 1,7 bilhão em relação a dezembro de Investimentos O plano de investimentos em ativo imobilizado para os próximos cinco anos é de US$ 3,6 bilhões, passíveis de redução, considerando os custos dos investimentos no cenário econômico futuro. Para 2009, a previsão de desembolso de caixa para esses investimentos é de US$ 550,0 milhões. No 1º trimestre de 2009, os desembolsos de caixa para investimentos em ativo imobilizado somaram US$ 242,0 milhões, ainda reflexo dos investimentos realizados em Desse total, 57,9% foram aplicados no segmento de negócios Brasil e os demais 42,1% nos outros segmentos de negócios. Passivo Financeiro A dívida bruta (empréstimos e financiamentos, mais debêntures) totalizava R$ 22,1 bilhões em 31 março de 2009, dos quais 15,6% era de curto prazo (R$ 3,4 bilhões) e 84,4% de longo prazo (R$ 18,7 bilhões). Cabe salientar que no 1º trimestre deste ano, houve uma redução da dívida bruta em R$ 1,1 bilhão. A dívida bruta em 31 de março representava 2,6 vezes o EBITDA dos últimos 12 meses. Em 31 de março, a dívida bruta era composta por 15,2% em reais, 35,0% em moeda estrangeira contratada pelas empresas no Brasil e 49,8% em diferentes moedas contratadas pelas subsidiárias no exterior. As disponibilidades de caixa, somadas às aplicações financeiras, totalizavam R$ 5,8 bilhões em março, dos quais 53,5% eram detidas pelas empresas Gerdau no exterior, principalmente em dólares norte-americanos. A dívida líquida (empréstimos e financiamentos, mais debêntures, menos caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras), em 31 de março deste ano, totalizava R$ 16,3 bilhões, representando 1,9 vezes o EBITDA gerado nos últimos doze meses.

9 Endividamento (R$ milhões) Curto prazo Moeda nacional (Brasil) Moeda estrangeira (Brasil) Empresas no exterior Total Longo prazo Moeda nacional (Brasil) Moeda estrangeira (Brasil) Empresas no exterior Total Dívida bruta Disponibilidades e aplicações financeiras Dívida líquida Conforme já comunicado ao mercado, a Gerdau não realiza operações alavancadas em qualquer tipo de derivativo. A prática de derivativos está limitada ao gerenciamento da exposição cambial dos fluxos de caixa de nossas operações, bem como swaps de taxas de juros. O cronograma de pagamento da dívida de longo prazo, incluindo as debêntures, era o seguinte em 31 de março: Ano R$ milhões 2010 (abril a dezembro) e após Total Os principais indicadores do endividamento das empresas Gerdau, no final de março, eram os seguintes: Indicadores Dívida bruta / Capitalização total ¹ 47,5% 48,1% Dívida bruta / EBITDA ² 2,6x 2,3x Dívida líquida / EBITDA ² 1,9x 1,8x 1 - Capitalização total = Patrimònio líquido + Dívida bruta 2 - Acumulado dos últimos 12 meses Resultados das empresas não-consolidadas No 1º trimestre de 2009, as empresas nas quais a Gerdau tem controle compartilhado ou joint ventures, ou são empresas associadas, não foram consolidadas, e seus resultados foram avaliados por equivalência patrimonial. Tais empresas, considerando-se as respectivas participações acionárias, comercializaram 192 mil toneladas de produtos siderúrgicos no trimestre, o que resultou em uma receita líquida de vendas de R$ 330,5 milhões. A equivalência patrimonial dessas participações acionárias foi negativa em R$ 65,0 milhões no 1º trimestre de 2009, influenciada principalmente pelos resultados das empresas Gallatin Steel Company, nos EUA, e Multisteel Business Holdings Corp., na República Dominicana. A ADMINISTRAÇÃO

10 Tendo em vista a alteração de padrão contábil, as Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS são arquivadas na CVM e na Bovespa via Sistema IPE, na categoria Dados Econômico-Financeiros, não havendo, portanto, informações consolidadas pelas normas contábeis brasileiras nos Grupos 6 a 8 das Informações Trimestrais - ITR. GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS CONDENSADOS (Valores expressos em milhares de reais) 31/03/ /12/2008 ATIVO CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa Aplicações financeiras Títulos para negociação Títulos disponíveis para venda Contas a receber de clientes Estoques Créditos tributários Pagamentos antecipados Ganhos não realizados com derivativos Outras contas a receber ATIVO NÃO-CIRCULANTE Aplicações financeiras Créditos tributários Imposto de renda/contribuição social diferidos Ganhos não realizados com derivativos Pagamentos antecipados Depósitos judiciais Outras contas a receber Gastos antecipados com plano de pensão Investimentos avaliados por equivalência patrimonial Outros investimentos Ágios Intangível Imobilizado TOTAL DO ATIVO

11 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS CONDENSADOS (Valores expressos em milhares de reais) 31/03/ /12/2008 PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e financiamentos Debêntures Impostos e contribuições sociais a recolher Salários a pagar Dividendos a pagar Perdas não realizadas com derivativos Outras contas a pagar PASSIVO NÃO-CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos Debêntures Imposto de renda/contribuição social diferidos Perdas não realizadas com derivativos Provisão para passivos tributários, cíveis e trabalhistas Beneficios a empregados Obrigações por compra de ações Outras contas a pagar PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Ações em tesouraria ( ) ( ) Outras reservas ( ) ( ) Reserva legal Lucros acumulados Ajustes cumulativos de conversão para moeda estrangeira ATRIBUÍDO A PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS CONTROLADORES PARTICIPAÇÕES DOS ACIONISTAS NÃO-CONTROLADORES TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

12 GERDAU S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS CONDENSADOS (Valores expressos em milhares de reais) Períodos de 3 meses findos em 31/03/ /12/ /03/2008 RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS Custo das vendas ( ) ( ) ( ) LUCRO BRUTO Despesas com vendas ( ) ( ) ( ) Despesas gerais e administrativas ( ) ( ) ( ) Outras receitas operacionais Outras despesas operacionais (35.421) (75.177) (24.810) LUCRO OPERACIONAL Resultado da equivalência patrimonial (64.963) ( ) LUCRO ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO E DOS IMPOSTOS Receitas financeiras Despesas financeiras ( ) ( ) ( ) Variação cambial, líquida (Perdas) Ganhos com derivativos, líquido (33.048) ( ) (16.564) (PREJUÍZO) LUCRO ANTES DOS IMPOSTOS (53.272) ( ) Provisão para imposto de renda e contribuição social Corrente ( ) Diferido LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO ATRIBUÍDO A: Participação dos acionistas controladores Participação dos acionistas não-controladores (53.433) Lucro básico por ação - ordinária e preferencial 0,06 0,16 0,66 Lucro diluído por ação - ordinária e preferencial 0,06 0,17 0,66

13 GERDAU S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CONDENSADOS (Valores expressos em milhares de reais) Períodos de 3 meses findos em 31/03/ /12/ /03/2008 Fluxo de caixa da atividade operacional Lucro líquido do período Ajustes para reconciliar o lucro líquido ao fluxo de caixa das atividades operacionais: Depreciação e amortização Equivalência patrimonial (60.833) Variação cambial ( ) (43.622) Perdas (Ganhos) com derivativos, líquido (25.906) Benefícios pós-emprego e remuneração baseada em ações (1.921) Imposto de renda e contribuição social (88.271) ( ) (Ganho) Perda na alienação de imobilizado e investimento (10.891) (5.399) Provisão para perda em aplicações financeiras disponíveis para venda Provisão de créditos de liquidação duvidosa Provisão (Reversão) para passivos tributários, cíveis e trabalhistas (58.947) Distribuição de joint ventures Receita de juros de aplicações financeiras (76.615) (45.528) (85.419) Despesa de juros sobre dívidas financeiras (Reversão) Provisão para obsolescência e ajuste ao valor de mercado (56.175) Variação de ativos e passivos: Redução (Aumento) de contas a receber ( ) Redução (Aumento) de estoques ( ) (Redução) Aumento de contas a pagar ( ) ( ) Redução (Aumento) de outros ativos ( ) (Redução) Aumento de outros passivos ( ) ( ) Aplicações financeiras de títulos para negociação e disponíveis para venda (52.539) ( ) ( ) Resgate de aplicações financeiras de títulos para negociação e disponíveis para venda Caixa gerado pelas atividades operacionais Pagamento de juros de empréstimos e financiamentos ( ) ( ) ( ) Pagamento de imposto de renda e contribuição social (47.604) ( ) ( ) Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais Fluxo de caixa das atividades de investimento Adições de imobilizado e intangível ( ) ( ) ( ) Pagamentos na aquisição de empresas - ( ) ( ) Juros recebidos sobre aplicações financeiras Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento ( ) ( ) ( ) Fluxo de caixa das atividades de financiamentos Aumento de capital/ações em tesouraria - (67.167) - Dividendos e juros sobre o capital próprio pagos ( ) ( ) ( ) Financiamentos obtidos Pagamentos de financiamentos ( ) ( ) ( ) Financiamentos com empresas ligadas, líquido (7.110) Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamentos ( ) ( ) ( ) Efeito de variação cambial sobre o caixa e equivalentes de caixa (44.204) Aumento do caixa e equivalentes de caixa ( ) Caixa e equivalentes de caixa no início do período Caixa e equivalentes de caixa no final do período Este documento pode conter afirmações que constituem previsões para o futuro. Essas previsões são dependentes de estimativas, informações ou métodos que podem estar incorretos ou imprecisos e podem não se realizar. Essas estimativas também estão sujeitas a riscos, incertezas e suposições, que incluem, entre outras: condições gerais econômicas, políticas e comerciais no Brasil e nos mercados onde atuamos e regulamentações governamentais existentes e futuras. Possíveis investidores são aqui alertados de que nenhuma dessas previsões é garantia de futuro desempenho, pois envolvem riscos e incertezas. A empresa não assume, e especificamente nega, qualquer obrigação de atualizar quaisquer previsões, que fazem sentido apenas na data em que foram feitas.

GERDAU S.A. Informações consolidadas

GERDAU S.A. Informações consolidadas Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Destaques do 3º trimestre de 2015

Destaques do 3º trimestre de 2015 Destaques do 3º trimestre Principais Destaques Manutenção dos níveis de EBITDA consolidado e de margem EBITDA, apesar da sobreoferta de aço mundial e das adversidades econômicas no Brasil. Redução de 5,9%

Leia mais

GERDAU S.A. e empresas controladas

GERDAU S.A. e empresas controladas GERDAU S.A. e empresas controladas Desempenho no 2 o trimestre de 2010 As Demonstrações Financeiras Consolidadas da Gerdau S.A. são apresentadas em conformidade com o padrão contábil internacional estabelecido

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 Aviso Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 LUPATECH S.A. CNPJ/MF nº 89.463.822/0001-12 NIRE 43300028534 Companhia Aberta de Capital Autorizado Novo Mercado Relatório da Administração Mensagem da Administração Senhores

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/28 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 49% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 35% MARGEM DE EBITDA ATINGIU 29% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 3T06. As demonstrações financeiras

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD PRESS RELEASE Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD Segunda-feira, 3/5/2004 Divulgação dos Resultados do 1 º trimestre 2004 O Banco Bradesco apresentou Lucro Líquido de R$ 608,7 milhões no 1 º

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

INFORME AOS INVESTIDORES 2T14

INFORME AOS INVESTIDORES 2T14 INFORME AOS INVESTIDORES 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)] anuncia os resultados referentes ao 2T14. Estrutura dos

Leia mais

Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro

Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro As contas externas do país registraram a seqüência de cinco anos de superávits em transações correntes entre 2003 e 2007, proporcionando a ocorrência de

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2013

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2013 ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2013 A Itautec S.A., companhia brasileira de capital aberto atuante no setor de tecnologia em soluções de automação bancária, automação

Leia mais

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0%

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0% Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 26 de abril de 2006 Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) (NYSE:EMT;BOVESPA:EBTP4, EBTP3) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações

Leia mais

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016.

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Marcelo Moojen Epperlein Diretor-Presidente e de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

Resultados do 1T06 Teleconferência

Resultados do 1T06 Teleconferência Resultados do 1T06 Teleconferência 0 Considerações Iniciais AVISO - INFORMAÇÕES E PROJEÇÕES O material exibido é uma apresentação de informações gerais de antecedentes da Rossi Residencial S.A. na data

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS (R$ MILHÕES) 3T13 3T14 Var.% 9M13 9M14 Var.% RECEITA LÍQUIDA 315,8 342,8 8,5% 858,4 937,5 9,2% EBITDA AJUSTADO¹ 67,1 78,3 16,7% 157,5

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. 949.176.907,56 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Outras Receitas (Despesas) Operacionais A tabela a seguir detalha os principais itens desta rubrica, em R$ milhões.

Outras Receitas (Despesas) Operacionais A tabela a seguir detalha os principais itens desta rubrica, em R$ milhões. Desempenho Operacional e Financeiro Consolidado As informações contidas neste comunicado são apresentadas em Reais e foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil que compreendem

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15

RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15 RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15 São Paulo, 11 de maio de 2015 - A Abril Educação S.A. (BM&FBOVESPA: ABRE3) divulga seus resultados do 1º trimestre de 2015 (1T15). Os comentários aqui incluídos

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A.

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A. Resultados 2T15 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação

Leia mais

AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14

AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14 AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14 Barueri, 29 de Julho de 2014 A Cielo S.A. (BM&FBOVESPA: CIEL3 / OTCQX: CIOXY) anuncia hoje seus resultados do segundo trimestre

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 Brasília, 22 de março de 2016 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Mês/Ano: 31 de março de 2016 Nome do Fundo: Alfa I - Fundo Mútuo de CNPJ: 03.919.892/0001-17 Administrador: Banco Alfa de Investimento S.A. CNPJ:

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CENÁRIO E MERCADO Ao final do primeiro semestre de 2001, a necessidade de racionamento de energia elétrica e o agravamento da situação argentina provocaram uma pressão mais acentuada

Leia mais

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%)

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%) o Margem Bruta atinge 42% no 3T07 e distribuição de proventos chega a R$ 40 milhões nos 9M07. 3T07 Cotação (31/10/07) ETER3 R$/ação 8,46 US$/ação 4,83 Base Acionária (31/10/07) Total 72.555.934 Free Float

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2015 está demonstrando ser muito desafiador, apresentando um cenário macroeconômico incerto, onde as expectativas do mercado preveem redução do PIB, aumento da inflação e da taxa

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resultados 2T11. 12 de agosto de 2011. Português 12h (BR) / 11h (US ET) Acesso: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F Replay: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F

Resultados 2T11. 12 de agosto de 2011. Português 12h (BR) / 11h (US ET) Acesso: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F Replay: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F Resultados 2T11 12 de agosto de 2011 Português 12h (BR) / 11h (US ET) Acesso: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F Replay: +55 (11) 2188-0155 Código: T4F Inglês 11h (BR) / 10h (US ET) Acesso: +1 (877) 317-6776

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015 POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15 17 de agosto de 2015 Seção I Destaques & Conjuntura Positivo Informática registra crescimento de 3,1% na receita líquida no varejo no 2T15 Mesmo em um trimestre de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42

HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42 HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV

COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2007 Companhia de Bebidas das Américas - AMBEV 1ª Emissão de Debêntures Relatório

Leia mais

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto,

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 Conteúdo Relatório

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000 TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. João Cox Vice Presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores jcox@telepart.com.br 0XX61-429-5600 Leonardo Dias Gerente de Relações com Investidores

Leia mais

Estudo Especial. Evolução do EC Bahia Finanças e Marca 2008/2012

Estudo Especial. Evolução do EC Bahia Finanças e Marca 2008/2012 Estudo Especial Evolução do EC Bahia Finanças e Marca 2008/2012 1 Sumário Introdução... pg 04 Análise do Balanço Patrimonial... pg 05 Highlights... pg 06 Principais Indicadores... pg 16 Valor da Marca...

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais