Exercícios ME-R, ME-Rx e Mapeamento para Modelo Relacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios ME-R, ME-Rx e Mapeamento para Modelo Relacional"

Transcrição

1 1. Desenhe os seguintes diagramas entidade-relacionamento identificando três atributos relevantes a cada uma das entidades: a) Um aluno realiza vários trabalhos. Um trabalho é realizado por um ou mais alunos. b) Um diretor dirige no máximo um departamento. Um departamento tem no máximo um diretor. c) Um autor escreve vários livros. Um livro pode ser escrito por vários autores. d) Uma equipe é composta por vários jogadores. Um jogador joga apenas numa equipe. e) Um cliente realiza várias encomendas. Uma encomenda diz respeito apenas a um cliente. 2. Uma escola de nível superior deseja controlar as informações de forma a atender os seguintes requisitos: a) Para um departamento, deseja-se manter seu número e nome. b) Para um professor, armazenar seu código, nome e número do departamento ao qual ele pertence. c) Para uma disciplina, armazenar o código da disciplina e o seu nome. d) Para um aluno, armazenar seu número e nome. Para cada disciplina na qual o aluno se matricula, armazenar também o código da disciplina, o nome da disciplina e a nota final recebida pelo aluno. Além disso, para cada aluno, armazenar o código e o nome do orientador quando existir. 3. Uma agência de turismo deseja armazenar as informações relevantes. Tais informações se referem a recursos oferecidos pelas cidades que fazem parte da programação de turismo da agência. As informações a serem mantidas sobre cada cidade dizem respeito a hotéis, restaurantes, e pontos turísticos. Para os hotéis, deseja-se guardar seu nome, endereço, categoria (5 estrelas, 4 estrelas, etc), os tipos de apartamentos existentes, o valor da diária de acordo com o tipo do apartamento. Para cada cidade, deve-se armazenar seu nome e estado. Para os restaurantes é de interesse guardar o nome, endereço e a categoria (luxo, simples, etc.) Para o ponto turístico, deseja-se manter uma descrição do mesmo e seu endereço. 4. Uma empresa de reboque (guincho) de veículos deseja controlar as informações. Deve-se registrar todos os dados do veículo rebocado, as ocorrências atendidas com os respectivos endereços de busca e de entrega do cliente solicitante do serviço. Ainda deve-se registrar os dados da pessoa que está conduzindo o veículo. 5. Uma Escola tem várias turmas. Uma turma tem vários professores. Uma turma tem sempre aulas na mesma sala, mas uma sala pode estar associada a várias turmas (com horários diferentes). Elabore um DER mostrando 3 atributos relevantes para cada entidade. 6. Uma empresa de importação efetua a sua compras através de contratos. Cada contrato (identificado por um número) firmado com um fornecedor, diz respeito a várias mercadorias (identificadas por um código e com um nome). Do contrato consta também a data da assinatura, o prazo de validade, a moeda e o valor. É fixado no contrato o preço unitário de compra de cada mercadoria, a quantidade especificada numa unidade de medida que é sempre a mesma para cada mercadoria independentemente do contrato. É necessário manter informação sobre os fornecedores (nome, endereço, telefone e fax) que são identificados por um código. As mercadorias envolvidas num contrato são todas enviadas num único transporte (identificado por um número). Para cada transporte é necessário conhecer o tipo de transporte, a data de partida e a data de chegada. 7. Uma biblioteca guarda registros sobre os livros existentes e sobre empréstimos aos seus sócios. Cada sócio é identificado por um número de sócio e cada exemplar de livro por um número de exemplar. É necessário guardar informação dos sócios para possíveis contatos. As informações registradas sobre os livros são: ISBN, título, autores, editor, data de publicação e preço. O ISBN de um livro é um código de dez dígitos. Cada sócio pode ter em seu poder em cada momento um certo número de livros emprestados. Quando um sócio requisita empréstimo de um livro do qual não existe de momento nenhum exemplar disponível, é feita uma reserva que posteriormente será satisfeita. Reservas para o mesmo livro são satisfeitas por ordem de chegada. 8. Uma locadora de vídeos cadastra cada um de seus clientes quando ele retira alguma fita, dando a ele um número e registrando seu nome, endereço, telefone e carteira de identidade. Existe ainda uma informação importante sobre o cliente: ele pode estar regular, em atraso, em cobrança judicial, ou cancelado. Um cliente só retira uma fita se estiver regular. Cada filme pode possuir, no acervo, de zero a diversas fitas. Cada filme tem um código, título, atriz principal e ator principal,

2 podendo ser comédia, drama, aventura etc. Já cada fita tem um número, duração e pode estar: disponível, em conserto ou reservada. Cada fita tem um e só um filme gravado nela. Quando uma fita é emprestada, é marcada a data de retirada da fita; quando ela retorna, é registrada a data de devolução. Cada cliente pode retirar várias fitas. 9. Uma empresa possui diversos estúdios cinematográficos, cada um caracterizado por um nome único, um dono, data de fundação, e o faturamento do ano anterior. Estes estúdios produzem filmes que possui um nome único, o número de meses que levou sendo feito, o ano de lançamento, o número do "copyright", e o custo total do filme. Em cada filme atuam atores, que possuem um nome artístico único, um número de seguro social (também único), uma nacionalidade, idade, sexo, e um conjunto de tipos de papéis para o qual seu tipo físico é aconselhável (ex: avó, mocinha jovem, galã com idade avançada, adolescente). Estes tipos de papéis não são pré-definidos, constituindo uma lista preenchida a critério de cada ator. Em cada filme onde atua, um ator ganha um cachê, e desempenha um personagem que possui um nome. Estúdios podem existir mesmo que não estão produzindo filme, mas só são considerados atores que já atuaram. 10. A empresa possui diversos depósitos espalhados pelo estado, de modo a melhor atender seus clientes. Cada depósito tem endereço, cidade e telefone. Assim, um item de mercadoria pode possuir saldo estocado em um ou mais depósitos, interessando sempre saber, obviamente, qual o saldo de cada item em cada depósito, para poder programar as entregas. Cada item é fornecido por um ou mais fornecedores, a respeito dos quais a empresa precisa saber CPF ou CGC, razão social ou nome, endereço e dois telefones. Portanto, o preço unitário de um item pode variar conforme o fornecedor, dando ao cliente uma variedade de escolha. Com o crescimento do número de vendedores, a empresa resolveu dividi-los em pequenas equipes, chefiadas por um dos vendedores que, assim, passou a acumular a função de Supervisor Regional de Vendas, sem deixar de ser um vendedor. Para diferenciar um dos outros, foi incluída a informação status ao rol dos dados de cada vendedor, indicando se ele é supervisor ou não. Cada vendedor está vinculado obrigatoriamente à somente um supervisor. 11. Considere uma base de dados para descrição de nascimentos. Num nascimento estão envolvidos bebês, mães, enfermeiros e médicos. Apresente mais do que uma solução plausível especificando atributos para as entidades e cardinalidade. 12. Uma empresa deseja informatizar o acervo de receitas que ela inventa, e comercializa sob a forma de livros. Estão envolvidos na elaboração das receitas e dos livros os cozinheiros, os degustadores (que controlam a qualidade das receitas), e os editores dos livros. Todas estas pessoas são empregados da empresa, e são caracterizados por um RG, nome, data de ingresso na firma, e salário recebido. Cada receita tem código único, um nome, foi inventada por um cozinheiro numa dada data, e pertence a uma categoria. Podem existir diferentes receitas com o mesmo nome, mas um mesmo cozinheiro não elabora duas receitas com o mesmo nome. Uma categoria é extraída de uma lista de categorias fixas elaborada pela empresa (ex: carne, ave, bolo, torta, sopa, etc). É norma da empresa não permitir a elaboração de receitas que não pertençam a categorias registradas pela firma, sendo possível não existirem receitas para categorias recém criadas. Diversos ingredientes (ex: açúcar, farinha, leite) são usados para elaborar uma receita, cada um deles usado numa certa quantidade (ex: 2) e numa certa medida (ex: colher de cha, xícara, ml). A medida pode ser opcional para certos ingredientes (ex: ovo). Uma receita possui também uma descrição de seu modo de preparação, e o número de porções que rende. Cada ingrediente possui um nome único e uma descrição, particularmente útil para ingredientes exóticos tais como blachan, kiri ou umeboshi. Os cozinheiros renomados podem, para efeito de publicidade dos livros, fornecer um nome fantasia, bem como uma lista de restaurantes importantes nos quais já trabalhou. Esta lista é fornecida pelo cozinheiro no momento de sua contratação, sendo que nenhum cozinheiro informá-la. Todo cozinheiro deve produzir um certo número de receitas por mês, sendo que os cozinheiros recém-contratados têm um prazo de até 45 dias para entregar suas primeiras receitas. Receitas podem ser testadas por degustadores. Cada teste envolve um degustador, é executado numa data, e envolve a atribuição de uma nota. Podem existir receitas sem teste, mas todo degustador contratado pela firma já executou pelo menos um teste. A empresa edita livros de receitas, nos quais, obviamente, constam diversas receitas. Essas receitas podem ou não ser inéditas, ou seja, já terem sido publicadas em outros livros. Além de suas receitas, cada livro é caracterizado por um título único, um código ISBN (também único), e pelo editor do livro.

3 13. Um comboio ou é local ou é expresso. Cada comboio é identificado por um número único e possui um determinado tipo de máquina. As estações são também locais ou expresso e nunca ambas as coisas. A cada estação está associado um nome único e uma localidade. Os comboios locais param em todas as estações e os comboios expresso param apenas nas estações expresso. Cada parada está associada uma hora. 14. Considere uma empresa organizada em direções e departamentos. Os empregados desta empresa trabalham para um departamento ou diretamente para uma direção. Para cada um dos casos elabore diagramas entidade-relacionamento e diga a que responde ou não responde cada um dos diagramas apresentados. Dois relacionamentos: um entre direções e departamentos e outro entre departamentos e empregados. Dois relacionamentos: um entre direções e empregados e outro entre departamentos e empregados. Dois relacionamentos: um entre direções e departamentos e outro entre direções e empregados. Três relacionamentos: um entre direções e departamentos, outro entre departamentos e empregados e outro entre direções e empregados. 15. A companhia aérea WARIGUI deseja oferecer um programa de milhagens a todo passageiro seu que o solicitar. Com estas milhas, passageiros podem usufruir de várias promoções, como vôos gratuitos, upgrade de classe, descontos em redes de hotéis credenciados, etc. Para boa gestão do programa, ela deseja um sistema de informação que controle o crédito das milhas e a emissão de certificados para usufruto dos benefícios. Um passageiro é admitido no programa quando este encaminha à companhia uma solicitação com dados cadastrais (nome, endereço, cpf, rg, telefone(s) de contato, profissão, renda mensal e opcionalmente tipos de cartão de crédito que já possui - VISA, MASTERCARD, etc), junto com pelo menos um bilhete de avião acompanhado do respectivo cartão de embarque usado, comprovante de renda, e cópia dos documentos de identidade (RG, CPF). A companhia analisa a solicitação, e se positiva, atribui a este cliente um número de cartão SORRISO (único), cadastrando o passageiro como cliente. Ela também fabrica e envia o cartão ao cliente, que deve apresentar o cartão ou informar seu número para obtenção de créditos. Ao cadastrar o cliente, já são atribuídos seu(s) primeiro(s) crédito(s) no programa de milhagens. Um mesmo passageiro não pode ter dois cartões SORRISO, e esta verificação é feita através dos documentos de identificação fornecidos. As solicitações indeferidas são descartadas, e não interessam ao sistema, isto é, o sistema somente gerencia clientes do programa SORRISO. Todo crédito tem um número, único entre os créditos de um mesmo cliente (isto é, dois clientes distintos podem ter créditos com o mesmo número). Além do número do crédito, devem ser registrados a data do crédito, o número de milhas creditadas, e opcionalmente as milhas bônus, atribuídas somente em promoções. Estas informações servem para emissão de correspondência para informe de crédito de milhas e milhas acumuladas, bem como para emissão de certificados de millhagem. Todo o crédito já utilizado para emissão de certificado deve ser marcado com esta informação. O programa SORRISO de milhagens atualmente credita créditos por três tipos de serviço: vôos da companhia e das companhias associadas, compra de produtos em estabelecimentos credenciados, e hospedagem em hotéis credenciados. Para crédito de milhas, a WARIGUI necessita saber o código do vôo (e.g. RG230, TR450), o trecho voado pelo passageiro daquele vôo (origem e destino), a classe utilizada, e a data de partida do passageiro. Todos os trechos (combinação de origem e destino) devem estar cadastrados no sistema junto com a milhagem correspondente, independentemente dos vôos que servem o trecho (e.g. o vôo de Porto Alegre a São Paulo credita 900 milhas). A WARIGUI não se interessa através deste sistema controlar os vôos por ela oferecidos, nem por suas companhias associadas: somente as milhagens correspondentes a trechos, e os vôos realizados por clientes que dão origem a créditos. Os créditos podem ser atribuídos na recepção do aeroporto por ocasião do embarque, ou posteriormente, quando o cliente envia os comprovantes necessários (passagem e cartão de embarque). Para créditos obtidos através de compras ou de hospedagem, o sistema necessita saber dados sobre o estabelecimento conveniado, tais como nome, código do convênio (único), endereço para correspondência (rua, nro, complemento - opcional, cidade, estado, país, código postal), percentagem de milhas sobre valor de consumo no estabelecimento acertado no convênio. Para o crédito é necessário, além do estabelecimento, a data da compra ou hospedagem, valor comprado ou do total de diárias, e uma descrição do consumo efetuado (e.g. compra de jóia, estadia fim de semana, compra de coleção em promoção). Para obtenção deste crédito, o cliente deve enviar a gestão do programa SORRISO a nota fiscal comprovando o consumo (compra ou estadia), e o número desta é armazenado junto com o crédito. Todo o mês, a WARIGUI emite avisos de créditos para aqueles clientes com novos créditos no mês. Ela também verifica se a soma dos créditos não usados pode dar origem a um ou mais certificados. Em caso positivo, os créditos são marcados como usados, e os certificados de

4 milhagem são emitidos. Cada certificado tem um número único, é pessoal de um cliente do programa, e possui uma data de emissão e uma de validade. Quando o cliente usa o certificado para obtenção de benefícios, os certificados são marcados como usados. A WARIGUI deseja guardar todas as informações sobre créditos e certificados já atribuídos/emitidos a seus clientes, pois deseja analisar como o programa de milhagem está funcionando, e fazer modificações conforme necessidade. 16. O CBBD é o maior evento científico anual no Brasil na área de banco de dados. A cada ano, sua organização fica a cargo de alguma universidade brasileira, que fica encarregada de controlar todos os aspectos científicos e operacionais do evento. Sabendo da dificuldade desta complexa tarefa, e que o congresso tem atraído um número cada vez maior de interessados, os organizadores do ano que vem resolveram se antecipar, e projetar um sistema de informação que os auxilie na melhor organização do evento. O sistema deve dar apoio a todo o processo de seleção de trabalhos científicos, submetidos pelos membros da comunidade. Ele também deve numa etapa ulterior auxiliar a gestão da organização, mantendo informações sobre toda a programação e os participantes do evento. O evento científico começa com a designação de um comitê de programa (CP), que tem como função avaliar os artigos científicos submetidos, selecionando os melhores. Para cada membro do CP (revisor), registra-se seu nome (único), a instituição (há no máximo um representante por instituição), suas áreas de especialidade para revisão dos trabalhos (e.g. data warehouse, data mining, bancos de dados orientados a objetos), seu endereço eletrônico (único), e coordenadas para contato (endereço regular, telefone, fax). Alguns meses depois, os artigos começam a ser recebidos, e cada artigo deve ser cadastrado. Para cada artigo gerar-se-á um código único, que o identificará ao longo de todo o processo de avaliação. Além disso, devem ser cadastrados o título, seus autores, a instituição de cada um de seus autores, o endereço eletrônico do primeiro autor, e as palavras-chaves. Tanto as palavras-chaves quanto as especialidades dos revisores são itens de uma lista de assunto divulgada junto à chamada de trabalhos. Encerrado o prazo para submissão de artigos, o presidente atribui a cada artigo 3 revisores, e envia-os para avaliação. Os avaliadores têm um prazo para lê-los, e atribuir uma nota ao artigo. Como os revisores sempre se atrasam, é imperativo saber quem está com que artigo para revisar, para poder cobrar os pareceres na época adequada. Os artigos com melhores notas são selecionados, e devem ser enviados s para o primeiro autor dos artigos selecionados e dos não selecionados para comunicação do resultado. Os autores dos artigos aceitos, com base no parecer, fazem modificações e enviam a versão final de seu artigo, usando um formato eletrônico pré-definido. Deseja-se saber quem já mandou a versão final, e qual o nome do respectivo arquivo. Começam então os preparativos para a organização do evento. A universidade realizará o evento em suas dependências, e já reservou uma série de salas e auditórios para este fim. Cada local é identificado por seu nome, e descrito pela sua capacidade. O evento contará com sessões técnicas (onde serão apresentados os trabalhos aceitos), bem como palestras convidadas e minicursos, ministrados por cientistas de renome nacional e internacional. Estes 3 tipos de atividades compõem o programa da conferência. Cada atividade ocorre em um local em uma dada data/hora, sendo que algumas atividades podem ocorrer em paralelo. Obviamente, não há duas atividades iniciando no mesmo local ao mesmo tempo. Para montar o programa, os organizadores atribuem as atividades aos locais, determinando horário de inicio e fim, quais recursos devem estar disponíveis (ex. retroprojetor, canhão, computador), e quem é o responsável pela coordenação da atividade. Os recursos e o responsável podem ser informados posteriormente ã definição da atividade. Cada sessão técnica tem um nome único (data warehouse I, KDD II), e é descrita pelos artigos que serão nela apresentados, e em que ordem (1, 2, etc). Cada artigo é apresentado uma única vez. As palestras e minicursos possuem um título, um autor, uma instituição, e além destas informações técnicas, devem ser informados, quando sabido, a data/hora de chegada e partida, e as informações dos vôos de ida e volta (companhia, código de cada voo), já que, por serem pessoas mais importantes, é de bom tom buscá-los e levá-los ao aeroporto. A diferença entre um minicurso e uma palestra convidada é que na primeira os participantes devem se inscrever e pagar uma taxa. A taxa de cada curso deve ser mantida junto à descrição do curso, bem como o número de vagas disponíveis e as pessoas inscritas. As informações sobre a programação são muito importantes, pois é a partir delas que são divulgadas as atividades do evento (e.g. página web, livreto, cartazes, etc). Por fim, a organização quer poder controlar os inscritos. Cada participante possui um nome, instituição (opcional), endereco, telefone, , categoria (sócio, não sócio, estudante, estudante não sócio, já que há descontos para sócios da SBC). Pelo menos um autor de cada artigo selecionado deve se inscrever no evento até uma dada ocasião (divulgada aos autores), condição

5 necessária de publicação do artigo nos anais da conferência. O sistema deve permitir o registro da inscrição de um autor associada ao(s) seu(s) respectivo(s) artigo(s). Também, porque são cobrados e porque são distribuídas apostilas, deseja-se saber em qual(quais) minicursos um participante eventualmente se inscreveu. Com estas informações são gerados os crachás, é definido o número de cópias das apostilas de cada miniscurso bem como a quem devem ser distribuídas, além dos certificados de participação no evento e nos minicursos. 17. As regiões do mundo atual podem ser regiões 3D reais que não se sobrepõem e são caracterizadas pelo seu volume que é localizado pelo ponto central de sua latitude, longitude e altitude que juntos são únicos. As regiões do mundo também podem ser regiões 3D virtuais que também não se sobrepõem, onde seu volume é localizado pelo ponto central de suas coordenadas x, y, z e dimensão a qual está inserida que juntos são únicos. Máquinas e humanos habitam essas regiões. As máquinas foram concebidas com o uso de inteligência artificial, sendo que podem ser implementadas por software de inteligência artificial, também conhecidos como agentes. Os agentes habitam regiões virtuais e são caracterizados pelo ICS (identificador de controle por software) único, nome e versão. Um agente é criado por um outro agente. As máquinas também podem ser implementadas por hardware de inteligência artificial e são conhecidas por sentinelas. Os sentinelas habitam regiões reais e são caracterizado por ICH (identificador de controle por hardware) único, nome, versão. Os humanos podem habitar qualquer tipo de região e possuem um nome e um codinome que juntos são únicos, além de uma data de nascimento. Os humanos podem ser gerados de forma natural (tradicional) recebendo um codzion único que é um código de barras tatuado em sua pele, ou podem ser gerados pelas máquinas que introduzem um plug no bulbo raquidiano onde é gravado um número único de 4096 bits chamado CAH (controle de acesso humano). Os humanos gerados pelas máquinas podem invadir uma região virtual através do número do CAH. Para invadir precisa haver de um telefone de conexão em uma região virtual. Entretanto para saírem do da invasão devem ser desconectar usando o mesmo telefone ou outro telefone que está em outra região virtual. Quando invadem uma região virtual podem ou não ser atacados por um ou mais agentes. Durante a invação os humanos podem libertar um ou mais humanos gerados pelas máquinas. Além disso, qualquer humanos podem fazer parte de uma ou mais tripulação de uma nave, mas apenas um humano é o capitão, sendo que uma nave contém um nome único, capacidade máxima de tripulantes e o número de horas de voo. As naves somente se deslocam de uma região real de origem para uma outra região real de destino. Quando se deslocam marcam uma data e horário de origem e de saída. Construa um modelo entidade relacionamento e o mapeamento para o relacional dessa especificação. Esse modelo relacional deve ser capaz de responder as seguinte questões: qual tripulante da nave é o capitão? qual a origem e destino do deslocamento de uma nave? qual o local virtual de conexão e desconexão da invasão pelo humano gerado pelas maquinas? Se existirem generalizações devem ser mapeadas como uma única tabela contendo os atributos das entidades genéricas e das entidades especificas, no entanto relacionamentos que envolvam essas entidades devem utilizar suas respectivas chaves para isso utilize a chave primária ou a chave secundária da única tabela criada. 18. As escolas de magia formam vários bruxos em um determinado ano. Uma escola contém um nome único, uma data de fundação, e o nome de um fundador. A escola é formada por várias casas que são caracterizadas pelo nome único e mascote. Um aluno bruxo ao entrar na escola é selecionado para morar em uma casa pelo chapéu seletor. Os alunos bruxos são caracterizados pelo nome, data de nascimento, CodEscola único e varinha que também é única. Os alunos compram materiais escolares nas lojas do beco diagonal. As lojas são caracterizadas pelo nome único e dono. Os materiais escolares são caracterizados por um preço e podem ser espécies de animais, ingredientes de poções e objetos mágicos. Os animais são identificados pela espécie, os ingredientes de poções pelo nome único, e o objeto mágico pelo nome e fabricante. Um aluno pode apenas ter um único espécie de estimação, mas a mesma espécie pode ser de vários alunos. Um aluno pode fazer um feitiço usando um ou mais objetos mágicos e um ou mais ingredientes de poções. Os alunos recebem um valor de pontos em uma determinada data. Existe uma tabela de pontuações podem ser positivas quando executam um triunfo, mas podem ser negativas quando realizam um maufeito. Todas as pontuações possuem um valor mínimo e um valor máximo. Na escola existem vários professores bruxos que são caracterizados pelo número da varinha único, nome, data nascimento. Para cada casa existe um único professor responsável e um único monitor aluno bruxo. Uma casa disputam torneios de quadribol contra outra casa, sendo que nessa disputa existem uma quantidade pontos para cada casa. Os professores ministram uma ou mais disciplinas em um determinado ano. Os alunos frequentam as disciplinas ministradas pelos professores e no final do

6 ano recebem o conceito de aprovados ou reprovados. As disciplinas possuem nome único, uma ementa. Uma escola pode enfrentar duas outras escolas em um torneio tribruxo, sendo que para cada escola existe um único representante nessa disputa. Construa o modelo entidade relacionamento para esse modelo e seu mapeamento para o modelo relacional. As generalizações devem ser mapeadas como uma única tabela contendo os atributos das entidades genéricas e das entidades específicas. No entanto, relacionamentos que envolvam essas entidades devem utilizar suas respectivas chaves, para isso utilize a chave primária ou chave secundária da única tabela criada. 19. A indústria está organizada em departamentos. Cada departamento possui um nome único e um orçamento que equivale ao somatório dos orçamentos de todos os seus projetos. Funcionários trabalham em um departamento, sendo um deles o gerente do departamento. Cada funcionário tem uma matrícula única, um nome, uma data de início no departamento, um salário e pode participar de diversos projetos. Um projeto é vinculado a um departamento e identificado por um número. Dentro do mesmo departamento não há dois projetos com o mesmo número, mas dois departamentos podem ter projetos com o mesmo número. Um projeto é gerenciado por um dos seus funcionários (não necessariamente o gerente do departamento) e tem um orçamento associado. É preciso saber o tempo que cada funcionário dedica a um projeto durante a semana de trabalho. Cada projeto utiliza um conjunto de componentes que podem ser fornecidos por diversos fornecedores. É preciso saber quais são os componentes usados em um projeto, e mais especificamente, qual fornecedor fornece um determinado componente para um projeto, e a quantidade de cada componente fornecido para o projeto. Os componentes podem ser usados em diferentes projetos, podendo inclusive ser fornecidos por diferentes fornecedores para diferentes projetos. É preciso, ainda, saber quais são os fornecedores potenciais de um determinado componente, independentemente de este componente estar sendo utilizado em algum projeto. Tanto os componentes efetivamente utilizados em projetos quanto os que não estão alocados para um projeto são armazenados em depósitos que a indústria possui. Alguns componentes são formados de outros componentes mais simples. Dado um componente, é necessário saber os componentes que entram em sua formação. Também é preciso saber a quantidade de cada componente armazenada em um depósito. 20. Em uma competição para ganhar 1 milhão, competidores são caracterizados pelo nome, apelido único e sexo. Para serem mais fortes durante a competição esses competidores podem formar um grupo que é caracterizado pelo nome e um símbolo. Essa competição consiste que os competidores participem de provas. A prova contém um nome, um inventor e é identificado pela tipo da prova e número da semana em que a prova esta sendo realizada. As provas podem ser de 3 tipos: prova de líder, prova de dinheiro, prova de anjo. Na prova de líder existe um único competidor que ganha e pode ou não existir um prêmio material associado (um carro, uma televisão, etc) a prova. Na prova de dinheiro existe um valor que é distribuído a todos os competidores que completarem a prova. Na prova do anjo existe apenas um único ganhador que recebe um prêmio sentimental (um telefone ao pai, uma realização de sonho, etc) associado a prova. Na convivência na casa existem situações onde um competidor fala mau de outro competidor em uma determinada data. Para o funcionamento da casa os próprios competidores compram determinados produtos em uma data, sendo que o produto é caracterizado pela marca e modelo. Somente os produtos comprados podem fazer parte um preparo de um prato. Um prato é preparado por um ou mais competidores em uma data, sendo que cada prato é caracterizado pelo nome e o tipo (doce, salgado, etc). A eliminação de competidores é feita através de votações que são realizadas em um número de semana e podem ser de dois tipos: interna e externa. Na votação interna um competidor indica um outro competidor para saída. Na votação externa um competidor indicado internamente e um outro competidor indicado pelo líder computam votos entre si para verificar quem vai sair do programa. Construa o modelo entidade relacionamento para essa competição e seu mapeamento para o modelo relacional. As generalizações devem ser mapeadas como uma única tabela contendo os atributos das entidades genéricas e das entidades específicas. No entanto, relacionamentos que envolvam essas entidades devem utilizar suas respectivas chaves, para isso utilize a chave primária ou chave secundária da única tabela criada.

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento

Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Bancos de Dados Exercícios de Modelagem Entidade Relacionamento Desenhe o diagrama entidade relacionamento para os bancos de dados nos seguintes problemas: 1. LIVRARIA Uma livraria mantém o cadastro de

Leia mais

Lista de exercícios - MER

Lista de exercícios - MER Lista de exercícios - MER Teoria: 1. Quais as fases do desenvolvimento do ciclo de vida de um banco de dados? Explique cada uma delas. 2. Quais os componentes de um DER? Defina-os. 3. Como podemos classificar

Leia mais

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados

Exercícios de Modelagem de Dados - Disciplina: Banco de Dados Exercícios - Modelagem de Dados 1) CADASTRO NACIONAL DE VEÍCULOS: Você apresentará um modelo de dados para o cadastro nacional de veículos. Sabe-se que: O veículo possui sempre uma placa única em todo

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS LISTA 002 Projeto Conceitual

PROJETO DE BANCO DE DADOS LISTA 002 Projeto Conceitual LISTA DE EXERCÍCIOS 002 6. AGÊNCIA DE TURISMO Faça a modelagem de dados de uma agência de turismo, que tenha: controle de clientes, com todas as informações detalhadas; controle de companhias aéreas que

Leia mais

A fim de gerenciar as vendas em uma loja, os seguintes requisitos devem ser atendidos pela modelagem de dados:

A fim de gerenciar as vendas em uma loja, os seguintes requisitos devem ser atendidos pela modelagem de dados: A fim de gerenciar as vendas em uma loja, os seguintes requisitos devem ser atendidos pela modelagem de dados: Vendas são efetuadas por um Vendedor em um determinado momento (indicado por uma data e um

Leia mais

3) A partir do DER modifique as cardinalidades mínimas de forma a especificar o seguinte:

3) A partir do DER modifique as cardinalidades mínimas de forma a especificar o seguinte: Lista de Exercícios Capítulo 3 1) Identifique as entidades: Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina Curso de Ciência da Computação Disciplina: Banco de Dados Profa. Rossana de Paula Junqueira

Leia mais

1. Desenvolva o Diagrama Entidade-Relacionamento para as seguintes situações:

1. Desenvolva o Diagrama Entidade-Relacionamento para as seguintes situações: 1. Desenvolva o Diagrama Entidade-Relacionamento para as seguintes situações: Um aluno realiza vários trabalhos. Um trabalho é realizado por um ou mais alunos. Um diretor dirige no máximo um departamento.

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Tarifa Operadora GOL Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes GOL Tarifa Operadora

Tarifa Operadora GOL Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes GOL Tarifa Operadora Novembro/2012 Tarifa Operadora GOL Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes GOL Tarifa Operadora Clube Turismo Matriz Av. Pres. Epitácio Pessoa, 724, Torre CEP 58040-000

Leia mais

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos Exercícios Diagrama de Casos de Uso Disciplina: Engenharia de Requisitos Gilmar Luiz de Borba 2010-1 Página: 1 1. CASO DE USO CONTROLE DE PROVAS OBJETIVO: Construir um diagrama de caso de uso simples.

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS:

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS: Sumário 1. Tela Inicial... 02 2. Venda [F1]... 03 a. Cliente [F2]... 03 b. Importar [F9]... 04 c. Produtos [F3]... 04 d. Fechamento [F4]... 05 e. Impressão, Ponto de Referência e Observações... 07 f. Consulta

Leia mais

CATEGORIA TOUR DE COMPRAS EM RIO BRANCO - URUGUAI 89 PREÇOS EM REAIS POR PESSOA, SEM REFEIÇÕES. GRUPO MÍNIMO DE 08 PESSOAS

CATEGORIA TOUR DE COMPRAS EM RIO BRANCO - URUGUAI 89 PREÇOS EM REAIS POR PESSOA, SEM REFEIÇÕES. GRUPO MÍNIMO DE 08 PESSOAS HOSPEDAGEM HOTEL Jacques Georges Tower Curi Palace Manta sob consulta DISTÂNCIA DO EVENTO Hotel Oficial 2.000 m 1,500 m 1.300 m CATEGORIA PREÇOS EM REAIS, POR PESSOA INDIVIDUAL DUPLO TRIPLO DIÁRIA DIÁRIA

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS?

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? FMU - Graduação em Ciência da Computação - BANCO DE DADOS I - Prof. Fernando Alberto Covalski - pág 1 1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? SISTEMAS ISOLADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE VENDAS SISTEMA DE COMPRAS

Leia mais

Lista de Exercícios Engenharia de Software 29/08/2012. Grupo de 4 Pessoas, atividade para ser entregue em aula

Lista de Exercícios Engenharia de Software 29/08/2012. Grupo de 4 Pessoas, atividade para ser entregue em aula Lista de Exercícios Engenharia de Software 29/08/2012 Grupo de 4 Pessoas, atividade para ser entregue em aula 1) Para cada caso a) classifique os requisitos b) inclua mais dois requisitos não funcionais

Leia mais

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento Acadêmico

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Exercícios sobre UML - 02

Exercícios sobre UML - 02 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE E PROJETO DE SOFTWARE I PERIODO: 2008.1 BIMESTRE: 6. PROF: RICARDO ROBERTO DE LIMA Exercícios

Leia mais

Todos os imóveis são comprados pela imobiliária para, então, serem colocados a venda.

Todos os imóveis são comprados pela imobiliária para, então, serem colocados a venda. Como base nas especificações abaixo, elabore o modelo conceitual de dados (DER), contendo todos os objetos (Entidades, Atributos relacionamentos e cardinalidades). 1) Clínica Médica Uma clínica deseja

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO CARTÃO CONQUISTA PLUS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO CARTÃO CONQUISTA PLUS 1. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO CARTÃO CONQUISTA PLUS 1.1. O presente regulamento ( Regulamento ) estabelece as regras para participação, bem como as vantagens e benefícios do Programa

Leia mais

EDITAL 001/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO

EDITAL 001/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO EDITAL 001/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO A Universidade Federal do Tocantins UFT, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPESQ,, torna público que estarão abertas as inscrições para seleção

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016 A Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins FAPTO, personalidade jurídica de direito privado, CNPJ: 06.343.763/0001-11, situada à Orla 14, Praia da

Leia mais

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo.

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 1/8 1. OBJETIVO Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO DHO Desenvolvimento Humano Organizacional; SISTEMA RUBI Sistema operacional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES CONVENIADAS

ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES CONVENIADAS ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES CONVENIADAS CADASTRAMENTO E RECADASTRAMENTO DO RNTRC Resolução ANTT nº 4.799/2015 VERSÃO 1.4 25 DE NOVEMBRO DE 2015 GERENCIA DE REGISTRO E ACOMPANHAMENTO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos Documento de Requisitos Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 3.0 Responsável: Ricardo Falbo 1. Introdução Este documento apresenta os requisitos de usuário para a informatização da Vídeo Locadora

Leia mais

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento I. Termos e Condições Gerais de Venda da MAGIX Software GmbH Estado: junho 2014 1 Âmbito de aplicação 1. Todas as entregas, serviços e ofertas da MAGIX Software GmbH (de ora avante denominada MAGIX ) são

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1-

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1- A Universidade Castelo Branco torna público o presente Edital com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Processo Seletivo para ingresso no 1º semestre de 2014 nos Cursos de Graduação, na modalidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Operacionalização - Solicitação de Viagem 1 CADASTRAMENTO DE VIAGEM 1.1 Como reativar uma PCDP já cancelada? 1.2 -

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos Documento de Requisitos Projeto: Videolocadora Passatempo Responsáveis: Ricardo Falbo Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 1.0 Ricardo Falbo 25.07.2013 1. Introdução Este documento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA FINANX

MANUAL DO SISTEMA FINANX MANUAL DO SISTEMA FINANX www.meusoft.com.br Indice Item Descrição Pg 1. Objetivo e Principais Funcionalidades 3 2. Para acessar e instalar a aplicação 4 3. Conhecendo o FinanX 6 3.0 Tela inicial de LOGIN

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

2.1. As inscrições estarão abertas no período de 10 de fevereiro a 05 de maio de 2014.

2.1. As inscrições estarão abertas no período de 10 de fevereiro a 05 de maio de 2014. EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO A Universidade Federal do Tocantins UFT, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPESQ, torna pública a abertura de inscrições para selecionar candidatos

Leia mais

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal)

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal) Modelagem Conceitual C O objetivo É: Representar a semântica da informação, independente de considerações de eficiência. D O objetivo NÃO É: Descrever a estrutura do armazenamento do banco de dados. I

Leia mais

REGULAMENTO CLUBE DE RELACIONAMENTO DROGARIA CATARINENSE

REGULAMENTO CLUBE DE RELACIONAMENTO DROGARIA CATARINENSE REGULAMENTO CLUBE DE RELACIONAMENTO DROGARIA CATARINENSE 1. PROGRAMA DE RELACIONAMENTO 1.1. O presente instrumento tem por objetivo regulamentar a participação dos clientes da COMPANHIA LATINO AMERICANA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO TÍTULO I 3 DA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU E SEUS OBJETIVOS 3 TÍTULO II 5 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 5 CAPÍTULO I 5 DA ESTRUTURA 5 CAPÍTULO II 6 DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU 6 CAPÍTULO

Leia mais

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA"

PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1 PCS-408 - LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE E METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO ESTUDO DE CASO: "PROBLEMA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA" 1. ENUNCIADO Maria Alice Grigas Varella Ferreira 1995/1996 Uma academia

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MONOGRAFIA / CERTIFICAÇÃO

PROCEDIMENTO DE MONOGRAFIA / CERTIFICAÇÃO COMPANHIA DOS CURSOS Página: 1 de 14 1.0 OBJETIVO A Companhia dos Cursos tem como objetivo informar o aluno sobre o trâmite de realização de monografia e de orientação ao Trabalho de Conclusão de Curso.

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada. EDITAL Aluno Especial

Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada. EDITAL Aluno Especial EDITAL Aluno Especial Seleção de alunos especiais do (PPG-MAT) 2 Semestre de 2016 O (PPG-MAT) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) torna pública a abertura de inscrições e estabelece normas para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA Edital de seleção de Mestrado Edital 01/2010 Ingresso: 2011 Este edital estabelece as regras para

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO CIENTÍCO E TECNOLÓGICO DO TOCANTINS NÚCLEO DE GESTÃO DE PESSOAS

FUNDAÇÃO DE APOIO CIENTÍCO E TECNOLÓGICO DO TOCANTINS NÚCLEO DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 01/2016 A Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins FAPTO, personalidade jurídica de direito privado, CNPJ: 06.343.763/0001-11, situada à Orla 14, Praia da

Leia mais

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas nº 05/2013 Assunto: - Processo de Ingresso Pronatec-Tec/RS e Idiomas 02/2013 1- Encontros de Formação Regional de Gestores Locais Pronatec Tec e Idiomas nas CREs

Leia mais

Lista de Exercício Resolvido 01 Modelagem Conceitual parte I

Lista de Exercício Resolvido 01 Modelagem Conceitual parte I Lista de Exercício Resolvido 01 Modelagem Conceitual parte I Vitor Valerio de Souza Campos Exercício 01 Desenvolva o Diagrama Entidade- Relacionamento para as seguintes situações: 1. Um aluno realiza vários

Leia mais

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT Perguntas Frequentes Atração de Jovens Talentos BJT Diretoria de Relações Internacionais Coordenação-Geral de Bolsas e Projetos CGBP Coordenação de Acompanhamento de Bolsistas no Exterior CBE Brasília,

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º PROCESSO SELETIVO DE 2014

REGULAMENTO DO 1º PROCESSO SELETIVO DE 2014 REGULAMENTO DO 1º PROCESSO SELETIVO DE 2014 REGULAMENTO PARA ABERTURA DE INSCRIÇÕES E REALIZAÇÃO DO 1º PROCESSO SELETIVO DE ESTUDANTES, PELO AGENTE DE INTEGRAÇÃO SUPER ESTÁGIOS LTDA ME, PARA INGRESSO NO

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analisado por: Assessor da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Aprovado por: Secretário da Secretaria-Geral

Leia mais

XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE E PRÉ-ALAS BRASIL

XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE E PRÉ-ALAS BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL DEPARTAMENTOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DCIES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

Leia mais

Tema 1: Sistema de Controle de Cinema!

Tema 1: Sistema de Controle de Cinema! DAELN - UTFPR IF62C - Temas para os Projetos Page 1 of 10 Tema 1: Sistema de Controle de Cinema! Desenvolver um Sistema de Controle de Cinema. Os requisitos funcionais mínimos do sistema são: Um cinema

Leia mais

Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas. SENAC Rio Preto

Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas. SENAC Rio Preto Curso de Pós Graduação Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas SENAC Rio Preto Laboratório: Modelo Entidade Relacionamento Juliano Augusto Carreira Profº. Dr. Carlos Roberto Valêncio 23/08/2008

Leia mais

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04 Como Baixar FS133.1 Boletos? Sistema: Futura Server Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa Referência: FS133.1 Versão: 2016.07.04 Como Funciona: Esta tela é utilizada para gerar arquivos que informarão

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

Engenharia de Software Folha 1 - UML - Casos de Uso/Utilização DI-UBI

Engenharia de Software Folha 1 - UML - Casos de Uso/Utilização DI-UBI 1. Considere o diagrama de casos de uso/utilização para um controlo remoto de TV, o qual garante que inclui todas as funções do controlo remoto como casos de uso/utilização do seu modelo. 2. Descreva textualmente

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DOM HELDER CÂMARA Curso de Direito Graduação. Edital Processo Seletivo 2015/2

ESCOLA SUPERIOR DOM HELDER CÂMARA Curso de Direito Graduação. Edital Processo Seletivo 2015/2 ESCOLA SUPERIOR DOM HELDER CÂMARA Curso de Direito Graduação Edital Processo Seletivo 2015/2 O Curso de Direito Graduação, da Escola Superior Dom Helder Câmara foi autorizado pelo MEC, Portaria nº 2.161,

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012 Processo Seletivo para Mestrado em Matemática Quadrimestre 2013.1

EDITAL Nº 01/2012 Processo Seletivo para Mestrado em Matemática Quadrimestre 2013.1 EDITAL Nº 01/2012 Processo Seletivo para Mestrado em Matemática Quadrimestre 2013.1 O curso de Pós-graduação em Matemática da Universidade Federal do ABC (UFABC) torna pública a abertura das inscrições

Leia mais

Em hipótese alguma haverá devolução da taxa de inscrição.

Em hipótese alguma haverá devolução da taxa de inscrição. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA VAGA REMANESCENTE DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VOTUPORANGA A Santa Casa de Misericórdia de Votuporanga e o Centro Universitário de Votuporanga,

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COORDENADORIA DE CULTURA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COORDENADORIA DE CULTURA Edital PROEC nº 02/2015 Edital de seleção de propostas para espetáculos - 25º Festival de Inverno da UFPR. A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio da Coordenadoria de Cultura (COC) da Pró-Reitoria

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos Comercial.

Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Gerência Comercial. Referência: Versão: Revisado 1.1 Data: 21/07/2014 21de Julho de 2014 Sumário Definição da Área Comercial.... 3 Representação da área comercial....

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E PROJETOS DE BANCO DE DADOS E SQL O trabalho consiste na resolução de um exercício e na confecção de um relatório. 17/10/2005 é o último dia para entrega. O trabalho deverá entregue impresso e o seu conteúdo gravado numa mídia. O formato

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO MEC-SETEC INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ Gerência de Tecnologia da Informação TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO Janeiro de 2009 NOTA DE CONFIDENCIALIDADE

Leia mais

Portal de Aprendizado Tutorial do Aluno

Portal de Aprendizado Tutorial do Aluno Portal de Aprendizado Tutorial do Aluno Índice 1 Acessando o Portal... 2 1.1 Verificação do Browser... 2 1.2 Entre em contato... 3 1.3 Portal Autenticado... 5 2 Meus Cursos... 6 2.1 Matriculando-se em

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6.

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6. Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos 3. Análise Orientada a Objetos 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML 6. Métodos Ágeis Análise Orientada a Objetos Exercícios Exercício 1 Defina o diagrama

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPREENDEDORA, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO EM COOPERATIVAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPREENDEDORA, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO EM COOPERATIVAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPREENDEDORA, SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO EM COOPERATIVAS EDITAL Nº 1/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO A Universidade Federal

Leia mais

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS EDITAL Nº 010/CCEI, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS DA ABERTURA O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS CEILÂNDIA DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM 1 1. RESPONSABILIDADE A Bon Voyage Operadora, registrada na Embratur nr 07921-00-41-5,

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Manual do Usuário: SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Em 2013 foi adquirido o Sistema de Gerenciamento de Bibliotecas Pergamum para todas Bibliotecas do IFRS. A implantação está sendo feita de acordo com as

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO INTRODUÇÃO O SIGProj é um sistema para elaboração, acompanhamento e gestão de projetos. Ele foi criado e é mantido pela Universidade Federal do Mato

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

A qualquer usuário é permitido o acesso à Biblioteca de Saúde Pública, bem como a consulta aos seus acervos, nos dias e horários de funcionamento.

A qualquer usuário é permitido o acesso à Biblioteca de Saúde Pública, bem como a consulta aos seus acervos, nos dias e horários de funcionamento. A BIBLIOTECA DE SAÚDE PÚBLICA A Biblioteca de Saúde Pública, que integra a Rede de Bibliotecas da Fiocruz, foi criada em 1954 e tem como missão contribuir para o desenvolvimento da Saúde Pública através

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Edital Nº 09/ 2007 Estabelece normas do Processo Seletivo para ingresso no Curso de Especialização

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Modelo de Casos de Uso (Casos de Uso Expandidos + Diagrama de Casos de Uso) Modelo Conceitual Diagramas de Sequência de Eventos do Sistema

Modelo de Casos de Uso (Casos de Uso Expandidos + Diagrama de Casos de Uso) Modelo Conceitual Diagramas de Sequência de Eventos do Sistema Sistema para uma biblioteca A biblioteca a ser automatizada trabalha com os seguintes tipos de obra: livros e periódicos. Para cada periódico são mantidos: nome, volume, mês, ano; para cada livro são mantidos

Leia mais

1 Atualização... ERP 8.8.2

1 Atualização... ERP 8.8.2 DEAK SISTEMAS 2 MANUAL - Deak Frente de Caixa 8.8.2 Sumário I 1 - Introdução 4 II 2 - Instalação 4 1 Atualização... ERP 8.8.2 8 III 3 - Configurações 9 1 3.1... - Cadastros de Bancos 10 2 3.2... - Cadastro

Leia mais

1.2. Documentação exigida para a inscrição no exame de seleção para o Curso de Mestrado

1.2. Documentação exigida para a inscrição no exame de seleção para o Curso de Mestrado PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ZOOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MUSEU NACIONAL QUINTA DA BOA VISTA, S/N, SÃO CRISTÓVÃO 20940-040 RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL 2562-6061 Edital

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

Manual do Aluno e Regulamento Interno

Manual do Aluno e Regulamento Interno Manual do Aluno e Regulamento Interno Índice Principais Atividades 3 Cursos 3 Treinamentos 3 Convênios 3 Premiações 3 Certificação 4 Publicações 4 Biblioteca 4 Centro de Memória 4 Visitas à Bolsa 4 Localize-se

Leia mais

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica franciscogerson10@gmail.com Prof. rancisco Gerson A. de Meneses Conteúdo Programático Introdução Comparação (Estruturada / Essencial)

Leia mais

REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP

REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP 1. DO OBJETIVO A Seleção de Aplicadores de Provas em Processos Seletivos - Vestibulares e Processos Isolados

Leia mais