Colégio de Pós-Graduações. Regulamento dos Cursos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colégio de Pós-Graduações. Regulamento dos Cursos"

Transcrição

1 Regulamento dos Cursos PREÂMBULO O presente Regulamento resulta da necessidade de dar cumprimento ao disposto na lei e nos Estatutos do INUAF, bem como da necessidade de se dispor de um conjunto de regras e princípios estruturados num documento coerente, onde estejam compiladas as diversas normas aplicáveis. Neste Regulamento agruparam-se e incorporaram-se as disposições legais, relevantes em matéria de cursos de pós-graduação, conducentes à obtenção de diploma de especialização e dos graus de Mestre e de Doutor. São ainda estabelecidos os princípios gerais e as regras de funcionamento e de gestão dos cursos, os critérios de selecção dos seus candidatos, assim como as normas para orientação e discussão da dissertação dos mestrados. O (CPG), um órgão informal que congrega todos os doutores envolvidos em actividades pós-graduadas do Instituto, constitui-se como entidade tutelar do desenvolvimento desta vertente de ensino/investigação, procurando, nomeadamente, contribuir, com as experiências e saberes individuais dos seus membros, para a definição de linhas de trabalho e de projectos estruturantes para a instituição e que se revelem sinérgicos na interacção com a comunidade envolvente. Para efeitos de registo, os Serviços Académicos do INUAF têm a colaboração directa do Secretariado do, serviço criado para conferir maior proximidade e especialização no atendimento dos estudantes de pós-graduação. CAPÍTULO I Princípios Gerais Artº 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. Os cursos de pós-graduação são actividades formais de ensino curricular conducentes à obtenção de um diploma de especialização/pós-graduação ou dos graus de Mestre ou de Doutor. 2. As disposições contidas neste Regulamento destinam-se aos seguintes cursos de pósgraduação: a) Cursos conferentes de grau de Doutor, organizados de acordo com o previsto nos artigos 28º a 37º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março. 1

2 b) Cursos conferentes de grau de Mestre, organizados de acordo com o previsto nos artigos 15º a 26º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março. c) Cursos conducentes ao diploma de Especialização Avançada (E.A), com creditação variável. Estes cursos, quando creditados acima de 55 ECTS, podem conferir títulos próprios do INUAF, com as designações alternativas de Master em Filosofia ou Master of Philosophy (M.Phil), de Master em Ciência ou Master of Science ou Magister Scientiarum (M.Sc), de Master em Artes ou Magister Artium (M.A), ou Master (MBA), podendo ainda assumir uma designação que indica a preparação para uma prática profissional especializada, ou para a prática de investigação numa área profissional, como, por exemplo, Master em Psicologia ou Magister Psychologiae (M.Psy), Master em Ciências do Desporto ou Master of Sports Sciencies. Estes títulos foram criados pelo INUAF de acordo com a alínea a) do art. 76º da Constituição da República Portuguesa, que refere que As universidades gozam, nos termos da lei, de autonomia estatutária, científica, pedagógica, administrativa e financeira, sem prejuízo de adequada avaliação da qualidade do ensino, com o nº 1 do art. 15º da Lei de Bases do Sistema Educativo, republicado pela Lei nº 49/2005 de 30 de Agosto, que refere que Os estabelecimentos de ensino superior podem realizar cursos não conferentes de grau académico cuja conclusão com aproveitamento conduza à atribuição de um diploma, e com o nº 1 do art. 39º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, que refere que Os estabelecimentos de ensino superior podem atribuir diplomas, designadamente: d) Pela realização de outros cursos não conferentes de grau académico. d) Cursos de Formação Especializada (Dec.-Lei nº 15/2007 e RJFE - Regime Jurídico da Formação Especializada de Professores) cursos para educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário, licenciados, profissionalizados e com pelo menos cinco anos de serviço docente. e) Cursos conducentes ao diploma de Especialização, criados também de acordo com o art. 76º da Constituição da República Portuguesa, com o art. 15º da Lei nº 49/2005 de 30 de Agosto (Lei de Bases do Sistema Educativo) e com o art. 39º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março. Estes cursos têm uma creditação até 60 ECTS. 3. Os diplomas previstos nas alíneas c) e e) do número anterior podem ser atribuídos, também, aos que concluam com aproveitamento a parte curricular dos cursos referidos nas alíneas a), b) e c) do mesmo número. Artº 2º (Concessão do grau de Mestre e dos diplomas de Especialização Avançada, de Formação Especializada e de Especialização) 2

3 1. O grau de Mestre comprova nível aprofundado de conhecimentos numa área específica e capacidade para a prática da investigação, sendo conferido numa especialidade, podendo, quando necessário, a especialidade ser desdobrada em áreas de especialização. 2. A concessão do grau de Mestre é feita mediante a frequência e aprovação nas unidades curriculares que integram o plano de estudos do respectivo curso e a aprovação na defesa de uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projecto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional objecto de relatório final, conforme os objectivos específicos visados, realizado nos termos do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, consubstanciado no art. 30º deste Regulamento. 3. O grau de Mestre é certificado por uma Carta Magistral. 4. A classificação final do mestrado é atribuída de acordo com o artigo 24º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, consubstanciado no art. 34º do presente Regulamento. 5. O diploma de Especialização Avançada comprova capacidade científica, técnica e prática, associada a capacidade de investigação e pesquisa adequadas à resolução de problemas e/ou situações novas, correspondendo a uma formação profissional e científica de alto nível. É concedido mediante a aprovação em todas as componentes de formação que integram o plano de curso. 6. O diploma de Formação Especializada qualifica para o exercício de cargos, funções ou actividades educativas especializadas, de natureza pedagógica ou administrativa, com aplicação directa no funcionamento do sistema educativo e das escolas (nº2 do artº 13º da LBSE e RJFE): 7. O diploma de Especialização comprova capacidade científica, técnica e prática num determinado domínio duma actividade profissional e é concedido mediante a aprovação na totalidade das disciplinas, seminários e estágios que integram o plano de estudos de cursos conferentes do grau de Mestre, ou mediante aprovação em cursos realizados de acordo com a alínea d) do nº 2 do art. 1º deste regulamento. Artº 3º (Designação) 1. O grau de Mestre é designado pela área científica específica e pela área de especialização em que eventualmente se estruture. 2. O diploma de Especialização Avançada é titulado pela área científica e/ou domínio em que é ministrada a formação. 3

4 3. O diploma de Formação Especializada é designado pela área e domínio em que é ministrada a formação especializada. 4. O diploma de Especialização é designado pela área ou domínio em que é ministrada a formação respectiva. Artº 4º (Duração) 1. O curso de Mestrado tem uma duração de acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, compreendendo a frequência do curso de especialização e a aprovação na defesa de uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projecto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional objecto de relatório final, conforme os objectivos específicos visados, realizado nos termos do referido Decreto-Lei. Este curso é precedido, no caso do Mestrado Integrado, da frequência do respectivo 1º ciclo. 2. Os Mestrados destinados a habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário têm uma duração e uma estrutura de acordo com o Decreto- Lei nº 43/2007 de 22 de Fevereiro. 3. O curso conducente ao diploma de Especialização Avançada tem a duração correspondente à sua creditação, entre 55 e 90 ECTS. 4. O curso conducente ao diploma de Formação Especializada tem uma duração mínima de 22 semanas, estrutura-se em três componentes: Ciências da Educação (20% da carga horária presencial), Formação Específica (60% da carga horária presencial) e Projecto na área de especialização (20% da carga horária presencial e não menos de 50 horas). Tem como creditação 60 ECTS e o número de créditos relevando para a formação contínua da carreira docente que lhe sejam atribuídos pelo CCPFC/FE de acordo com o art. 14.º, n.º 1, do D.L. 207/96). 5. O curso conducente ao diploma de Especialização tem a duração mínima de um semestre e a duração máxima de dois semestres. Artº 5º (Organização e estrutura curricular) 1. Os cursos de pós-graduação são organizados de acordo com o sistema de unidades de crédito previsto no Decreto-Lei nº 42/2005 de 22 de Fevereiro, obedecendo a um mínimo de 30 ECTS. 2. Para cada curso são obrigatoriamente fixados: 4

5 a) a estrutura curricular do curso, de acordo com o referido Decreto; b) o plano de estudos do curso, de acordo com o referido Decreto; c) as unidades curriculares obrigatórias e optativas; d) o número total de unidades de crédito necessárias à concessão do grau ou do diploma Os cursos de Formação Especializada respeitam o determinado no Regulamento próprio, integrando específica e obrigatoriamente: a) Designação do Curso, área e domínio (CFE); b) Objectivos e competências e sua adequação ao perfil de formação respectivo; c) Plano de estudos (indicando as disciplinas ou módulos por componente de formação e respectivas escolaridades; d) Explicitação da relação entre as disciplinas e os objectivos e perfil de competências definidos; e) Explicitação, por disciplina ou módulo, dos docentes, dos objectivos/competências, conteúdos programáticos, estratégias e métodos de formação e de avaliação; f) Regime de avaliação e frequência (com referência ao órgão e data de aprovação); g) Regulamento da componente de projecto (com referência ao órgão e data de aprovação); h) Autorização da entidade onde presta serviço, no caso dos estudantes/docentes em acumulação/colaboração). 3. No caso dos mestrados, os restantes elementos, obrigatoriamente constantes dos regulamentos, de acordo com o art. 26º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, remetem para o articulado do presente regulamento. Artº 6º (Candidatura à inscrição nos cursos) 1. A candidatura à inscrição num curso de Mestrado, num curso de Especialização Avançada, num curso de Formação Especializada ou num curso de Especialização, está condicionada à titularidade do grau de licenciado, ou habilitação legalmente equivalente. 2. Podem ser aceites candidatos que não satisfaçam ao número anterior quando sejam detentores de um currículo escolar, científico ou profissional que seja reconhecido pelo Concelho Científico como atestando capacidade para realização destes cursos. Artº 7º (Acesso aos cursos) 1. Para cada curso são indicadas, no respectivo regulamento, quais as licenciaturas que lhe facultam o acesso. 2. Os regulamentos poderão prever a admissão à candidatura e à matrícula candidatos possuidores de outras licenciaturas não referenciadas como habilitando para acesso ao curso, desde que o seu curriculum demonstre uma adequada preparação científica de base. 5

6 Artº 8º (Limitações quantitativas e prazos) O número de vagas em cada especialidade, a percentagem de vagas que será reservada prioritariamente a docentes de estabelecimentos de ensino superior, o número mínimo de inscrições indispensável ao funcionamento do curso, os prazos de candidatura e de inscrição e o calendário lectivo são fixados, por despacho do Director do INUAF, sob proposta do Conselho Científico, sendo publicitados através de édito interno e publicação no portal do INUAF na Internet, para cada edição ou reedição dos cursos. Artº 9º (Diploma de estudos) Os alunos que terminem, com aproveitamento, a parte curricular do Mestrado, têm direito à obtenção de um diploma de Especialização, especificando a área de especialização frequentada e a classificação global, obtida em conformidade com o disposto no nº 6 do artº 25º. Artº 10º (Condições e requisitos de (re)edição) 1. A (re)edição dos cursos de pós-graduação é fixada por despacho do Director do INUAF, mediante parecer do Conselho Científico e depende, para cada curso, das disponibilidades de recursos humanos, materiais e financeiros existentes, da procura potencial do curso e da avaliação do funcionamento de edições anteriores. 2. Para cada edição do curso, o Conselho Científico, em conformidade com a calendarização dos procedimentos administrativos, definida por despacho Director do INUAF, enviará ao mesmo: a) documento indicativo de que existe procura do curso e comprovativo de que existem na instituição os recursos necessários; b) plano de estudos do curso; c) proposta de números mínimo e máximo de alunos; d) proposta de prazos de candidatura, de matrícula e de inscrições. CAPÍTULO II Selecção dos candidatos à matrícula nos cursos 6

7 SECÇÃO I Da selecção Artº 11º (Critérios de selecção) 1. Compete à Coordenação do Curso a elaboração da proposta, a apresentar ao Conselho Científico, de critérios de selecção dos candidatos, a integrar o respectivo Regulamento. 2. A selecção dos candidatos à matrícula no curso de mestrado terá em consideração os seguintes critérios: a) uma primeira prioridade, por classificação, para os alunos que transitem directamente de cursos do 1º ciclo do INUAF; b) uma segunda prioridade, por classificação, dentro dum primeiro grupo de licenciaturas; c) uma terceira prioridade, por classificação, dentro dum segundo grupo de licenciaturas; d) um grupo de critérios de desempate. 3. Os critérios/prioridades específicos de seriação dos candidatos à frequência dos cursos de Formação Especializada, para cada Curso, serão obrigatoriamente explicitados. 4. O Conselho Científico poderá aprovar, mediante proposta da Coordenação do Curso, outros critérios específicos de selecção, consoante as características do curso. 5. Os candidatos a que se refere o nº2 do artº 7º só serão considerados após selecção dos candidatos detentores das licenciaturas referidas no nº1 do mesmo artigo. Artº 12º (Apresentação de candidaturas) 1. A apresentação de candidaturas é efectuada no local indicado no respectivo edital, através do preenchimento de um boletim de candidatura. 2. Deverão ainda ser anexados os seguintes documentos: a) Cópia autenticada da certidão da licenciatura; b) "Curriculum vitae" detalhado segundo o modelo europeu; 7

8 c) Outros elementos solicitados no edital ou que os candidatos entendam relevantes para apreciação da sua candidatura. 3. No caso dos cursos de Cursos de Formação Especializada, no momento de apresentação das candidaturas deverão ser entregues os seguintes documentos: a) Curriculum Vitæ, com indicação do serviço ou instituição onde se encontram arquivados os comprovativos das declarações mencionadas, nomeadamente os respectivos certificados das habilitações declaradas; b) Declaração da Escola relativa ao tempo de serviço docente; c) Fotocópia do B.I. e do Cartão de Contribuinte. d) Outros elementos solicitados no edital ou que os candidatos entendam relevantes para apreciação da sua candidatura. Artº 13º (Competência para a selecção) A selecção dos candidatos é efectuada pela Coordenação do Curso, de acordo com as condições e critérios aprovados. Artº 14º (Classificação e ordenação dos candidatos) 1. Finda a aplicação dos métodos de selecção, a Coordenação do Curso procederá à classificação e ordenação dos candidatos e elaborará acta fundamentada da qual constará a lista de admitidos (incluindo os suplentes), sua classificação final obtida pela aplicação de cada um dos critérios definidos no artº 11º e a lista de candidatos não admitidos. 2. A acta a que se refere o número anterior a) está sujeita a homologação do Conselho Científico; b) será fornecida em certidão a qualquer candidato que a solicite ao Conselho Científico. 3. Da decisão de selecção não cabe recurso, salvo se arguida de vício de forma. Artº 15º (Resultados do processo de selecção e seriação) 8

9 1. A Coordenação do Curso promoverá a divulgação dos resultados do processo de selecção e seriação aos candidatos, através de édito interno e do portal do INUAF na Internet, com fotocópia da lista e indicação dos motivos determinantes da não admissão, quando for caso disso. 2. Simultaneamente, a Coordenação do Curso enviará ao Secretariado do Colégio das Pós- Graduações, adiante designado por CPG, para posterior envio aos Serviços Académicos, a documentação relativa ao processo de selecção e seriação, nomeadamente: a) a acta referida no artº 14º; b) a lista ordenada dos candidatos seleccionados indicando os admitidos à matrícula e inscrição (efectivos e suplentes) e os não admitidos; c) a lista de candidatos não seleccionados; d) os endereços, postal e electrónico, dos candidatos admitidos, incluindo os suplentes. SECÇÃO II Das Matrículas e Inscrições Artº 16º (Matrículas e inscrições) 1. Os candidatos admitidos deverão proceder à matrícula e inscrição no CPG, no prazo fixado no aviso de abertura do concurso. 2. No caso de algum candidato admitido desistir expressamente da matrícula e inscrição ou não comparecer a realizar a mesma, o CPG, no prazo de 3 dias após o termo do período de matrícula e inscrição, convocará para a inscrição o(s) candidato(s) suplente(s) na lista ordenada, até esgotar as vagas ou aqueles candidatos. 3. Os candidatos a que se refere o número anterior terão um prazo improrrogável de 6 dias úteis após a notificação para procederem à matrícula e inscrição. 4. A decisão de admissão apenas tem efeito para o ano lectivo a que se refere o início do curso. 5. Os alunos inscritos em cursos de pós-graduação que não tenham completado a parte curricular e/ou a dissertação do curso, nos prazos legais, poderão fazê-lo no âmbito da edição subsequente do mesmo curso, obedecendo aos seguintes princípios: 9

10 a) Os alunos referidos deverão apresentar requerimento fundamentado ao Director do INUAF para a inscrição nas disciplinas e/ou na dissertação em falta; o requerimento deverá ser acompanhado de informação da Coordenação do Curso; b) O parecer da Coordenação do Curso a que se refere a alínea anterior deverá incluir informação sobre a equivalência de disciplinas já efectuadas e sobre as disciplinas que o aluno terá que frequentar para completar a parte curricular do curso e, no caso de dissertação, sobre o plano de trabalhos e orientação científica; c) Os requerimentos devem ser apresentados no Secretariado do Colégio das Pós- Graduações, no prazo previsto para inscrição e matrícula na edição do curso à qual submetem nova inscrição; d) Os alunos que frequentem uma nova edição dos cursos nas condições referidas serão considerados como alunos supranumerários; e) Aos alunos abrangidos pelas condições previstas nas alíneas anteriores só é concedida a possibilidade de efectuar uma nova inscrição. 6. Aos alunos não enquadrados no número anterior e admitidos a cursos de pós-graduação por candidatura, poderá também ser concedida equivalência de disciplinas respeitando os seguintes procedimentos: a) a equivalência será requerida à Coordenação do Curso, devendo o requerimento ser entregue no CPG, no prazo previsto para inscrição e matrícula na edição do curso ao qual submetem inscrição; b) a concessão ou denegação da equivalência a que se refere a alínea anterior é da competência da Coordenação do respectivo Curso; c) das deliberações da Coordenação do Curso não caberá recurso, excepto se arguidas de vício de forma. 1. São devidas: Artº 17º (Taxas de candidatura e de matrícula e propinas de inscrição) a) uma taxa de candidatura a cursos de Mestrado, de Especialização Avançada, de Formação Especializada e de Especialização, não reembolsável; b) uma taxa de matrícula e propinas de inscrição no curso de mestrado, cabendo também o pagamento de propinas pela frequência de disciplinas; 10

11 d) uma taxa de propinas da nova inscrição e frequência aos alunos referidos no número 5 do artigo 16º, cujos requerimentos sejam deferidos. 2. O valor das propinas de inscrição e taxas de candidatura e de matrícula, assim como os termos em que poderão ser atribuídas isenções, descontos ou bolsas, são fixados anualmente pela Direcção da CEUPA, entidade instituidora do INUAF. CAPÍTULO III Gestão dos Cursos Artº 18º (Gestão das actividades de pós-graduação) O modelo de gestão das actividades de pós-graduação do Instituto Superior Dom Afonso III assenta nos seguintes princípios e níveis de competência: a) A Direcção do INUAF, ouvido o Colégio das Pós-Graduações, coordena e promove os programas de pós-graduação nas diferentes áreas científicas, em conformidade com a política global de pós-graduação definida com o Conselho Científico, competindolhe designadamente: - fixar a data de início do funcionamento de cada curso, bem como a composição da respectiva Coordenação do Curso; - homologar a selecção dos candidatos; - designar os júris para discussão das dissertações; - designar um funcionário administrativo para colaborar com o CPG na organização dos processos dos candidatos admitidos; b) A Coordenação de cada Curso promove a gestão académica corrente do curso em estreita colaboração com o(s) Departamento(s) envolvido(s). c) A gestão administrativa é assegurada pelos Serviços Académicos com a colaboração da Secretaria do CPG. Esta gestão compreende: - o registo da informação sobre cada curso; - as inscrições, matrículas e propinas dos candidatos admitidos, nos prazos previstos no Calendário Escolar; - o registo da informação sobre os alunos; 11

12 - a emissão das pautas das disciplinas de cada curso e o seu envio à Coordenação de cada Curso; - a emissão de diplomas e certidões; -a elaboração de impressos (folhas de presença, sumários, programas, etc.) e demais documentação necessária. Artº 19º (Órgãos de direcção e gestão) Os cursos de pós-graduação são objecto de direcção e gestão próprias através dos seguintes órgãos: a) Comissão Científica do Curso; b) Coordenação do Curso. Artº 20º (Constituição da Comissão Científica do Curso) 1. Constituem a Comissão Científica do Curso: a) o Coordenador(a) do Curso; b) os professores doutorados do Curso. Artº 21º (Reuniões e Competência da Comissão Científica do Curso) 1. A Comissão Científica do Curso reunirá ordinariamente no início e no fim de cada semestre lectivo e extraordinariamente quando convocada por iniciativa da Coordenação do Curso ou a solicitação de dois terços dos seus membros. 2. Compete à Comissão Científica: a) colaborar no processo de selecção dos candidatos à matrícula nos cursos; b) promover a coordenação entre as disciplinas e seminários, estágios e outras actividades do curso; 12

13 c) aprovar os critérios de avaliação; d) incentivar actividades complementares e de intercâmbio com instituições similares do mesmo domínio científico; e) acompanhar o desenvolvimento do curso e, a partir dos resultados da experiência, propor eventuais correcções, em edições futuras, ao plano de estudos, ao elenco de disciplinas ou à estrutura curricular; f) exercer as demais competências que lhe sejam atribuídas pelos regulamentos ou delegadas pelo Conselho Científico. Artº 22º (Director do Curso) 1. O Coordenador do Curso será um professor doutorado de uma das áreas científicas obrigatórias do curso, nomeado pelo Director do INUAF. 2. Compete ao Coordenador do Curso: a) representar a comissão científica do curso; b) coordenar os respectivos trabalhos e presidir às reuniões; c) despachar os assuntos correntes; d) assegurar a gestão corrente dos cursos; e) elaborar o regulamento de cada curso, em conformidade com o disposto no artº 35º; f) elaborar o calendário e o horário do curso; g) organizar o calendário de exames; h) organizar um "dossier do curso contendo os seguintes elementos preconizados pelo Grupo de Missão para a Avaliação; i) enviar as pautas de exame devidamente preenchidas ao Secretariado do CPG; j) proceder ao levantamento e propostas de afectação dos recursos humanos, físicos e financeiros; 13

14 k) exercer as competências gerais que lhe forem delegadas pela Comissão Científica do Curso. Artº 23º (Calendário escolar e regime de funcionamento) 1. O Calendário Escolar dos cursos de pós-graduação será aprovado anualmente pela Direcção do INUAF, ouvido o Conselho Científico. 2. Os planos de estudo dos cursos são organizados de acordo com o regime trimestral, semestral ou anual. 3. A parte escolar dos cursos de mestrado só poderá exceder dois semestres lectivos em casos excepcionais, devidamente justificados. 4. Os planos de estudo de cada curso devem indicar o número total de horas de contacto de cada unidade curricular/disciplina, bem como a tipologia das aulas. 5. Tendo em consideração a natureza e diversidade destes cursos, os mesmos poderão funcionar: - em regime normal; ou - em regime intensivo. O regime normal é ministrado durante a totalidade de cada período lectivo do Calendário Escolar. Se a natureza de uma unidade curricular ou as limitações temporais impostas pela colaboração de especialistas convidados assim o exigir, essa unidade curricular poderá ser leccionada em regime intensivo, devendo no entanto respeitar-se o número total de horas de contacto previstas. 6. Para além dos regimes estabelecidos no número anterior e no que se refere aos cursos de especialização, poderão os mesmos funcionar em regime de tempo parcial. Este regime de funcionamento será definido no regulamento de cada curso, em conformidade com o disposto no artigo 35º deste regulamento. 7. A elaboração dos horários de cada curso é da responsabilidade da respectiva Comissão Coordenação de Curso, a qual deverá consultar o órgão de gestão dos espaços pedagógicos comuns, sempre que estes forem necessários. 8. Uma vez elaborados, os horários devem ser enviados ao Secretariado do CPG e ao órgão de gestão dos espaços pedagógicos. Artº 24º 14

15 (Faltas) 1. A participação nas horas de contacto, à excepção das tutoriais, é obrigatória. 2. O controlo das faltas é da responsabilidade do regente de cada disciplina. 3. Salvo disposição mais restritiva no regulamento próprio de cada ciclo de estudos, considera-se sem frequência a uma dada unidade curricular o estudante cujo número de faltas a essa unidade seja superior a 20% da respectiva carga lectiva total, salvo no caso dos Cursos de Formação Especializada, em que o limite tolerado de faltas é de 1/3 das horas de trabalho presencial previstas para cada disciplina ou módulo. Artº 25º (Avaliação e classificação) 1. Os elementos de avaliação de cada unidade curricular poderão ser de natureza diversa, de acordo com a índole de cada curso e disciplina, podendo incluir: testes, temas de desenvolvimento, trabalhos individuais ou de grupo, escritos, orais ou experimentais. 2. A natureza e o número de elementos de avaliação a adoptar em cada unidade curricular é da competência do respectivo regente, o qual deve informar, por escrito, os alunos da sua escolha na 1ª semana de aulas. 3. A avaliação e consequente classificação são individuais, mesmo quando respeitante a trabalhos realizados em grupo. 4. A classificação dos elementos de avaliação compete aos docentes das respectivas unidades curriculares e é da sua exclusiva responsabilidade. 5. Todas as classificações obtidas nas unidades curriculares serão expressas na escala de 0 a 20 valores. 6. A classificação global, obtida após aprovação nas unidades curriculares do curso, é a média ponderada calculada até às décimas e arredondada (considerando como unidade a fracção não inferior a 5 décimas) das classificações obtidas em cada uma das unidades curriculares do curso. Artº 26º (Exames) 1. Sempre que a aprovação numa unidade curricular incluir a realização dum exame final, este realizar-se-á numa das épocas normais do Calendário Escolar. 15

16 2. Os exames respeitantes a unidades curriculares leccionadas em regime intensivo podem ser antecipados relativamente às épocas referidas em 1., por acordo entre o docente e os discentes. 3. Para cada disciplina haverá um só exame de recurso, não havendo número limite de exames a realizar na época de recurso. 4. Cada formando poderá candidatar-se a melhoria de nota mediante a realização de um exame ou a apresentação de outros elementos de avaliação, na época de recurso dessa disciplina. 5. Compete à Coordenação de cada Curso a marcação das datas dos exames, em conformidade com o Calendário Escolar. 6. A realização de exames de recurso ou de melhoria está sujeita ao pagamento de uma propina. CAPÍTULO IV (Mestrados - Apresentação e discussão da dissertação) Artº 27º (Admissão à dissertação ou projecto) 1. Independentemente da inscrição no 2º ano, a realizar dentro do período anualmente fixado, os mestrandos, nos casos em que o 2º ano é constituído apenas por dissertação, deverão formalizar o pedido de admissão à preparação de dissertação até ao fim da parte lectiva, sem o que esta não fica completa; nos restantes casos, o pedido deverá ser formalizado dentro dos prazos previstos na calendarização de cada curso. Em ambas as situações deverão ser apresentados os seguintes documentos: a) requerimento de admissão, mencionando a área científica do curso em que teve aprovação e a área de especialização, se for caso disso, o tema da dissertação e o parecer do orientador proposto; b) o projecto, incluindo objectivo(s), hipótese(s) e plano de trabalhos. 2. A Comissão Científica examinará e informará todos os requerimentos de admissão à preparação da dissertação no prazo de 10 dias úteis. Artº 28º (Orientação da dissertação ou projecto) 16

17 O orientador, proposto pela Comissão Científica do Curso, terá que estar habilitado com o grau de Doutor por Universidade ou equivalente, ou com curriculum de investigação nas áreas científicas do mestrado reconhecido pelo órgão competente do INUAF, podendo, quando necessário, ser coadjuvado por um co-orientador especialista, devendo a(s) sua(s) designação(ões), pelo Director do INUAF, ser precedida(s) de parecer favorável do Conselho Científico. Artº 29º (Requerimento das provas) O requerimento para a realização das provas de Mestrado, dirigido ao Director do INUAF, será acompanhado de: a) 4 exemplares da dissertação ou projecto; b) 4 exemplares do curriculum vitae; c) 4 exemplares do resumo da dissertação ou projecto em Português e Francês e/ou Inglês, com a dimensão máxima de uma página; d) parecer do orientador; e) declaração emitida pelo Secretariado do CPG, comprovativa da aprovação na parte curricular onde constem as classificações obtidas. Artº 30º (Júri) 1. Recebido o requerimento do candidato e verificada a regularidade da situação académica do mestrando, o júri para apreciação da dissertação ou projecto é nomeado pelo Director do INUAF, sob proposta da Comissão Científica do Curso ouvida a Direcção do Centro de Investigação a que o Curso está adstrito, nos 30 dias posteriores à respectiva entrega. 2. O júri é constituído no mínimo por: a) o Director do INUAF, que presidirá, podendo fazer-se substituir; b) o Director do Centro de Investigação a que estiver afecto o curso ou, no seu impedimento, quem o Director do INUAF nomear em sua substituição, que presidirá na ausência do Director; c) um Doutor, da área científica específica do mestrado, sempre que possível pertencente a outra instituição; d) o orientador da dissertação ou projecto. 17

18 3. O júri integrará também, quando for caso disso, o(s) co-orientadore(s), se tiver(em) sido designado(s), os quais, se forem doutores, terão direito a voto. 4. Quando o Director do INUAF não possa estar presente, será substituído, naturalmente, pelo Director do Centro de Investigação que tenha sobre sua responsabilidade o bom e normal funcionamento do Mestrado. Artº 31º (Suspensão da contagem dos prazos e prolongamentos) 1. A contagem dos prazos para a entrega e para a defesa da dissertação pode ser suspensa pelo Director do INUAF, a requerimento do interessado, ouvida a Comissão Científica do Curso, nos seguintes casos: a) maternidade; b) doença grave e prolongada do aluno, quando a situação ocorra no decurso do prazo para a entrega e para a defesa da dissertação; c) exercício efectivo de uma das funções a que se refere o artº 73º do D.L. nº448/79, de 13 de Novembro, ratificado, com alterações, pela Lei nº19/80, de 16 de Julho; d) outros casos previstos na lei. 2. A contagem de prazos para entrega da dissertação pode também ser objecto de suspensão pelo Director do INUAF, por tempo equivalente a 20 ou 30 ECTS (um trimestre ou um semestre), por uma ou duas vezes, a requerimento do interessado, ouvida a Comissão Científica do Curso, por alegada razão superveniente que possa ser julgada atendível, devendo neste caso ser satisfeita a taxa administrativa estipulada. Artº 32º (Tramitação do processo) 1. O júri profere um despacho liminar, no prazo de 30 dias a contar da data do despacho que o nomeou, a aceitar a dissertação ou projecto ou a recomendar fundamentadamente ao candidato a sua reformulação. 2. Verificada a situação a que se refere a parte final do número anterior, o candidato dispõe de um prazo de 90 dias, improrrogável, para optar por: a) proceder à reformulação da dissertação ou projecto; b) declarar que a pretende manter tal como a apresentou. 18

19 3. Esgotado o prazo referido no número anterior e não se verificando nenhuma das hipóteses aí previstas, considera-se ter havido desistência do candidato. 4. Recebida a dissertação ou projecto reformulado ou feita a declaração referida na alínea b) do nº2, proceder-se-á, no prazo de 15 dias, à marcação da data da prova, a ter lugar no prazo de 30 dias. Artº 33º (Discussão da dissertação ou projecto) 1. A discussão da dissertação ou projecto só pode ter lugar com a presença de um mínimo de três membros do júri. 2. A discussão da dissertação ou projecto não pode exceder noventa minutos e nela podem intervir todos os membros do júri. 3. Deve ser proporcionado ao candidato tempo idêntico ao utilizado pelos membros do júri. Artº 34º (Deliberação do júri) 1. Concluída a prova referida no artigo anterior, o júri reúne para a sua apreciação e deliberação através de votação nominal fundamentada, não sendo permitidas abstenções. 2. Em caso de empate, o presidente do júri dispõe de voto de qualidade. 3. O resultado final da prova será expresso pelas fórmulas de Recusado ou Aprovado. 4. Aos candidatos aprovados será atribuída uma classificação final expressa no intervalo da escala numérica inteira de 0 a 20, e a equivalente menção qualitativa: Suficiente, de 10 a 13 valores; Bom, 14 e 15 valores; Muito Bom, 16 e 17 valores, Excelente, 18 a 20 valores. 5. Na deliberação sobre a classificação final, o júri deverá tomar em consideração as classificações obtidas nas unidades curriculares, eventual estágio, a dissertação ou projecto e a discussão respectiva. 6. Da prova e das reuniões do júri é lavrada acta, da qual constarão, obrigatoriamente, os votos emitidos por cada um dos seus membros e a respectiva fundamentação. 7. Da deliberação do júri não haverá recurso, salvo se arguida de vício de forma. CAPÍTULO V Disposições finais 19

20 Artº 35º (Regulamento do curso) Para cada curso será elaborado um regulamento próprio, que especifique os elementos exigidos pelo presente regulamento bem como as normas de funcionamento que sejam específicas do curso, a ser homologado pelo Director do INUAF. Artº 36º (Avaliação) A Comissão Coordenadora da Avaliação deverá criar e implementar mecanismos de auditoria interna dos cursos de pós-graduação, estabelecendo as metodologias apropriadas para a melhoria contínua da qualidade. Artº 37º (Colaboração com outras instituições) Sempre que os cursos de pós-graduação sejam realizados em colaboração com outras instituições, deverá ser celebrado um protocolo de cooperação definindo os termos em que a cooperação se realizará, bem como os órgãos de coordenação e respectivas competências. Actualizado em

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 2015 PREÂMBULO O presente regulamento fixa as normas de funcionamento do curso de mestrado

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos)

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos) REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO (2º Ciclo de Estudos) - não se aplica aos perfis da formação de professores - 1/8 O grau de mestre é conferido aos que demonstrem: a) possuir conhecimentos e capacidade

Leia mais

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental Regulamento do Mestrado em Gestão Ambiental Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre em Gestão Ambiental. Artigo 2º Objectivos Gerais O curso de Mestrado em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

Regulamento dos Mestrados

Regulamento dos Mestrados Regulamento dos Mestrados 4.2.14 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Organização... 3 1.1 Coordenação... 3 1.2 Programas... 3 1.3 Planos curriculares... 3 1.4 Unidades curriculares... 3 2 Candidatura... 5 2.1

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização Encenação, é um programa de segundo ciclo, constituído por quatro semestres e

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico do Nordeste/Macedo de Cavaleiros Escola Superior de Educação Jean Piaget/Nordeste REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Joaquim Luís Oliveira Costa, na categoria de Assistente Convidado, a 55 %, pelo prazo de oito meses, com efeitos a partir de 26 de março

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE da MADEIRA. Madeira (UMa). CaPítulo I Condições de Ingresso. Artigo 1'e Admissão do curso. Artigo 2'e Critérios de serioção

UNIVERSIDADE da MADEIRA. Madeira (UMa). CaPítulo I Condições de Ingresso. Artigo 1'e Admissão do curso. Artigo 2'e Critérios de serioção REGULAMENTO EspECíFtCO DO e CICLO EM ESTUDOS LINGUíSICOS r CULTURAIS O presente regulamento estabelece as normas previstas no "Regulamento dos cursos de e ciclo de estudos" da Universidade Madeira (UMa).

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) do Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento A experiência de duas décadas de funcionamento de programas de pós-graduação em Filosofia revelou a necessidade de conceber

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG Índice

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Nos termos do n.º 1 do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia. Regulamento dos Mestrados

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia. Regulamento dos Mestrados UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia Regulamento dos Mestrados Setembro, 2012 Preâmbulo O ensino e a aprendizagem constituem um processo gradual de formação dos mestrandos no qual a progressão

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO O curso de Mestrado em Serviço Social inscreve-se na dinâmica académica que caracteriza a função de ensino universitário e no desenvolvimento do pensamento

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Escola Superior de Educação Jean Piaget / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO BIÉNIO 2012-2014 Índice ÂMBITO, ESTRUTURA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre na especialidade de Marketing,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL OUTUBRO - 2003 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO Artigo 1.º - Criação Artigo 2.º - Objectivos Artigo 3.º - Estrutura Artigo

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO 6 DE ABRIL DE 2005 ÍNDICE PREÂMBULO. CAPÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS Artº 1º - Âmbito Artº 2º

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (artigos 4.º a 32.º) SECÇÃO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Portaria n.º /2010 Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006, de 11 de Agosto,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais SECÇÃO I Princípios Fundamentais Artigo 1.º Missão A Escola Superior de Educação de Portalegre, adiante

Leia mais

Artigo 1º (Objecto e âmbito)

Artigo 1º (Objecto e âmbito) Artigo 1º (Objecto e âmbito) 1. O presente Regulamento tem por objectivo complementar o Regulamento de Mestrados (2º Ciclo) do Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) com procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO 7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO De acordo com o estipulado no artigo 20º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre conferido pelo IST

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Preâmbulo Explicação, contexto, fundamento legal A Lei do Ensino Superior (Lei n o 27/2009 de 29 de Setembro) estabelece que as

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Despacho. Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Despacho. Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Despacho Regulamento dos Concursos de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Tendo em consideração que: a) De acordo com o estipulado no artigo 10º da Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril, o Regulamento

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito 1. São abrangidos por este concurso: a) Os titulares de um curso superior; b) Os titulares dos extintos cursos do Magistério Primário, de Educadores de Infância

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais