Treinamento Distribuidores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento Distribuidores"

Transcrição

1 Realização Coordenação Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas Treinamento Distribuidores Operação O Programa Cidade Sustentável livre de embalagens vazias é realizado pela ABAS, coordenado pela PHCFOCO e operacionalizado pela Atitude Ambiental. Este ano, o objetivo do programa é dar a destinação correta de 35 mil quilos.

2 Índice 1. Regulação 2. Histórico 3. Liderança 4. Funcionamento 5. Devolução 6. Coleta e destinação 7. Resumo

3 Regulação Lei Nacional de Resíduos Sólidos (LNRS) Fonte: Atitude Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº , DE 2 DE AGOSTO DE Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: DECRETO Nº 7.404, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010.

4 Regulação Resolução CONAMA Art 12 Fonte: Atitude não produzido Grupo A - RiscoResíduo Biológico A1,A2,A3,A4,A5 Grupo B - Risco Químico Desinfetantes e desinfestantes / saneantes Resíduo Radiativo não produzido Grupo C - Rejeito Grupo D - Lixo Orgânico/Reciclável Composteira - Prefeitura Resíduo não produzido Grupo E - Perfurocortante

5 Regulação Resíduos perigosos LNRS Fonte: Atitude Resíduos perigosos aqueles que, em razão de suas características de apresentam significativo risco à saúde pública ou à qualidade Ambiental, de acordo com Lei, Regulamento ou Norma Técnica.

6 Regulação Responsabilidade compartilhada LNRS Responsabilidade Compartilhada é instituída a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo: Fonte: Atitude Fabricantes Importadores Comerciantes Titulares dos serviços de manejo de resíduos sólidos Usuários

7 Regulação Logística reversa LNRS Obrigados a estruturar e implantar sistemas de LOGÍSTICA REVERSA, mediante retorno dos produtos após o uso pelo usuário, independente dos serviços públicos: Fonte: Atitude Fabricantes e Importadores Distribuidores Comerciantes Usuários

8 Regulação Natureza LNRS Responsabilidade compartilhada Usuário devolve Comerciante recebe Fabricante destina

9 Liderança Objetivos Ter os associados da ABAS devidamente regularizados com as questões Ambientais com um PGRS que atenda às condições de acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e destinação final em cumprimento ao regulamento técnico e legislação vigente. Meta mil kg 25 Municípios 80 pontos de coleta

10 Funcionamento Participantes

11 Funcionamento Participantes Agente Função Empresa 1. Associação Realização ABAS 2. Fabricantes Logística reversa Acordo setorial 3. Comerciantes Recebimento Distribuidores 4. Usuários Devolução Dedetizadoras/Prefeituras 5. Fornecedor Transporte Atitude Ambiental Ltda. 6. Fornecedor Reciclagem Atitude Ambiental Ltda. 7. Fornecedor Incineração Atitude Ambiental Ltda. 8. Fornecedor Coordenação PHCFOCO

12 Funcionamento Atitude: destinação Nome Fantasia e Razão Social Atitude Ambiental Ltda. Ramo de atividade Prestadora de serviços Principais produtos ou serviços Coleta de Resíduos CLASSE I Funcionários 62 Atendimento 16 Estados + DF Matriz: Dois Vizinhos/PR Filiais: RS (Porto Alegre e Gaurama), SC (Chapecó), PR (Guarapuava, Cascavel e Francisco Beltrão) e MS (Campo Grande e Dourados). Fonte: Atitude IAP Instituto Ambiental do Paraná. Estado do Paraná L.O. nº 9336 FEPAM Fundação Estadual de Proteção Ambiental nº 218/2008 RS FATMA Licença Ambiental de Operação LAO nº 155/08. SC IMASUL Licença Operacional nº 17 do Instituto de Meio Ambiente MS SEMA Licença Operacional Individual por Cliente no Mato Grosso MT IBAMA Cadastro Técnico Federal Certificado de Regularidade nº POLÍCIA FEDERAL Licença/AE nº Goiás/GO - Brasília/DF - Minas Gerais/MG - São Paulo/SP

13 Funcionamento Atribuições ABAS Comunicar órgãos oficiais e disponibilizar documentos necessários; Organizar reuniões para treinar e difundir o PROGRAMA; Definir rotas e período de coleta nas respectivas regiões; Disponibilizar Laudo Técnico ao órgão ambiental; Coordenar o andamento do programa; Registrar, comunicar e acompanhar não conformidades assertivamente.

14 Funcionamento Atribuições dos Fabricantes Manter o programa; Implantar a logística reversa; Registrar, comunicar e acompanhar não conformidades assertivamente.

15 Funcionamento Atribuições dos Distribuidores Divulgação do programa e do calendário; Receber as embalagens (desde que esteja devidamente licenciado); Receber embalagens do programa, com rótulo original e vazias; Fornecer documento comprobatório de recebimento das embalagens; Dar suporte à empresa de coleta; Disponibilizar uma área de armazenamento temporário; Registrar, comunicar e acompanhar não conformidades assertivamente.

16 Funcionamento Atribuições dos Usuários Guardar a nota fiscal; Fazer a tríplice lavagem das embalagens laváveis; Inutilizar as embalagens antes da sua devolução (furá-las); Devolver as embalagens no prazo máximo de um ano da data de compra; Separar os resíduos conforme a destinação (orientação do programa); Devolver a embalagem vazia no prazo definido pelo distribuidor. Guardar os recibos de devolução.

17 Funcionamento Atribuições da Atitude Atendimento à legislação Ambiental; Documentação registro e controle; Realizar a coleta segundo calendário estabelecido; Transportar segundo as normas técnicas; Destinar conforme política de resíduos.

18 Consulte o Calendário de recebimento e coleta em

19 Devolução O que pode ser devolvido? Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Exclusivamente embalagens vazias de saneantes desinfestantes de uso restrito à empresas especializadas (Lei 6360/ RDC 52), comercializadas nos 16 Estados abrangidos pelo Programa Cidade Sustentável.

20 Devolução Embalagens recicláveis Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Tipo Embalagem Lavável Não Lavável Rígida Flexível Reciclável Não Reciclável Garrafa PET X X X Metálica X X X Plástica Rígida X X X Tampas X X X Caixas de papelão* X X X Balde plástico X X X Bandeja bloco parafinado X X X Latas de aerossol X X X Seringa X X X Tambor de fibra X X X Cartucho de papel X X X Flexível alumínio X X X Flexível plástica X X X Sachê papel raticida X X X Sachê plástico raticida X X X Saco plástico X X X *As caixas de papelão podem não ser recicláveis se tiverem tido contato com algum produto químico. Quem avaliará sobre a capacidade de reciclagem é o profissional operacional.

21 Devolução Rígidas não laváveis e não recicláveis Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Tipo Embalagem Lavável Não Lavável Rígida Flexível Reciclável Não Reciclável Garrafa PET X X X Metálica X X X Plástica Rígida X X X Tampas X X X Caixas de papelão X X X Balde plástico X X X Bandeja bloco parafinado X X X Latas de aerossol X X X Seringa X X X Tambor de fibra X X X Cartucho de papel X X X Flexível alumínio X X X Flexível plástica X X X Sachê papel raticida X X X Sachê plástico raticida X X X Saco plástico X X X

22 Devolução Embalagens flexíveis Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Tipo Embalagem Lavável Não Lavável Rígida Flexível Reciclável Não Reciclável Garrafa PET X X X Metálica X X X Plástica Rígida X X X Tampas X X X Caixas de papelão X X X Balde plástico X X X Bandeja bloco parafinado X X X Latas de aerossol X X X Seringa X X X Tambor de fibra X X X Cartucho de papel X X X Flexível alumínio X X X Flexível plástica X X X Sachê papel raticida X X X Sachê plástico raticida X X X Saco plástico X X X

23 Devolução Tríplice Lavagem: passo-a-passo Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 IMPORTANTE: Realizar a operação durante o preparo da calda.

24 Tríplice Lavagem Informações complementares Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Perfuração das Embalagens A embalagem deve estar tampada A embalagem deve ser perfurada no fundo O rótulo deve ser mantido intacto para facilitar a identificação Não furar embalagens NÃO LAVADAS!

25 Tríplice Lavagem Benefícios Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 SEGURANÇA Reduzir riscos de contaminação AMBIENTE Proteger a natureza ECONOMIA Aproveitar o produto até a última gota

26 Devolução Embalagens de resgate Fonte: Proj. Piloto inpev/abas 2012 Dimensão (referência): 50 ou 100 L Transparente Lacrado Identificado Fornecedores Empresa Telefone Contato Indústria de Plásticos Perus Ltda. (11) Gilberto Carlos de Oliveira Plásticos Scipião S/A Ind. e Com. (11) Evandra Baum Destro Indústria e Comércio de Plásticos Ltda. (11) João Roberto

27 Etiquetas Identificação dos resíduos devolvidos Nome do Gerador quem está devolvendo Classe embalagem vazia de inseticida ou raticida Nome do Receptor quem está recebendo Tipo de Embalagem lavável ou não lavável Status/Estado contaminada ou não contaminada Data Destinação reciclagem ou incineração

28 Devolução Regras complementares para recebimento Embalagens das empresas do programa Com rótulo original Vazias 3 vias da declaração de devolução

29 Declaração de Devolução Identificando os resíduos devolvidos Fonte: Atitude Nome do Gerador quem está devolvendo Nome do Receptor quem está recebendo Classe embalagem vazia de inseticida ou raticida Tipo de Embalagem lavável ou não lavável Status/Estado contaminada ou não contaminada Data Destinação reciclagem ou incineração

30 Devolução Não podem ser colocados na bombona Fonte: Atitude Saco Plástico Preto Frascos de Agrotóxicos Resíduo comum

31 Coleta e destinação Normas para transporte Fonte: Atitude Art. 8º Os veículos utilizados para coleta e transporte externo dos resíduos de serviços de saúde devem atender às exigências legais e às normas da ABNT. SEGURO AMBIENTAL APÓLICE Nº HDI seguradora

32 Fonte: Atitude

33 Coleta e destinação Reservatório 50 litros Fonte: Atitude

34 Coleta e destinação Incineração Fonte: Atitude

35 Coleta e destinação Tratamento de Efluentes Fonte: Atitude

36 Coleta e destinação Documentos de Coleta Fonte: Atitude

37 Coleta e destinação Ficha de emergência Fonte: Atitude

38 Resumo Distribuidor 1) Usuário: devolve 2) Distribuidor/Revenda: recebe e armazena em área de armazenamento temporário (licenciamento). 3) Atitude: Operação - Coleta e destinação segundo calendário de coleta publicado em 4) ABAS: Realização 5) PHCFOCO: Coordenação 6) Dúvidas e sugestões?

39 Realização Coordenação Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas Treinamento Distribuidores Operação O Programa Cidade Sustentável livre de embalagens vazias é realizado pela ABAS, coordenado pela PHCFOCO e operacionalizado pela Atitude Ambiental. Este ano, o objetivo do programa é dar a destinação correta de 45 mil quilos.

controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011

controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011 Embalagens vazias de saneantes de uso profissional para controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011 Agenda Agenda RDC 52/09 inpev e ABAS: prestação de serviços Objetivos

Leia mais

O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas

O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas O inpev - Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias - é uma entidade sem fins lucrativos que representa a indústria

Leia mais

Saiba como lavar e devolver suas embalagens vazias de agrotóxicos

Saiba como lavar e devolver suas embalagens vazias de agrotóxicos Saiba como lavar e devolver suas embalagens vazias de agrotóxicos Por que lavar e devolver? As embalagens vazias de agrotóxicos devem ser lavadas e devolvidas em cumprimento à Lei Federal no. 9974/00.

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite UNOPAR Ituiutaba MG RESOLUÇÃO CONAMA 334 / 2003 Art. 2º Para efeito desta Resolução serão adotadas as seguintes definições: POSTO: unidade que se destina ao recebimento,

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º Processo n.º 1944 / 2013-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5103 / 2014-DL Identificador de Documento 647141 Folha 1/4 LO N.º 5103 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 2329 / 2014-DL Identificador de Documento 623205 Folha 1/4 LO N.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos. Luiz Carlos da Fonseca e Silva Tratamento de materiais explantáveis: polêmica do descarte de resíduos Luiz Carlos da Fonseca e Silva RDC ANVISA 306/04 8 - GRUPO A4 8.1 - Kits de linhas arteriais... recipientes e materiais resultantes

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Programa para Implementação de Sistema de Logística Reversa de Embalagens Plásticas Usadas de Óleos Lubrificantes para o Comerciante Atacadista

Programa para Implementação de Sistema de Logística Reversa de Embalagens Plásticas Usadas de Óleos Lubrificantes para o Comerciante Atacadista Programa para Implementação de Sistema de Logística Reversa de Embalagens Plásticas Usadas de Óleos Lubrificantes para o Comerciante Atacadista 1 . A Lei Federal nº 12.305/10 - instituiu a PNRS e a responsabilidade

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014 USP Transporte Interno Consiste no traslado dos resíduos dos Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 pontos

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

Projeto Piloto para a destinação de embalagens vazias de saneantes desinfestantes de uso profissional

Projeto Piloto para a destinação de embalagens vazias de saneantes desinfestantes de uso profissional Projeto Piloto para a destinação de embalagens vazias de saneantes desinfestantes de uso profissional Perguntas e Respostas 1- Qual o objetivo central e o escopo do Projeto Piloto? O Projeto Piloto para

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO. Mario Kazuchira Fujii. Belém - PA

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO. Mario Kazuchira Fujii. Belém - PA LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO Mario Kazuchira Fujii Belém - PA LINHA DO TEMPO GT Lei Federal 9.974/00 Decreto 4.074/02 Campo Limpo. Dia Nacional do CampoLimpo 300 mil Tons Projeto

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES EAP - Estudo Ambiental de Perfuração Blocos PAMA-M-265 e PAMA-M-337 - Bacia do Pará-Maranhão ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Outubro/2015 Revisão 00

Leia mais

Proposta de revisão da Resolução CONAMA nº 334/03. CT Controle Ambiental - 2014

Proposta de revisão da Resolução CONAMA nº 334/03. CT Controle Ambiental - 2014 Proposta de revisão da Resolução CONAMA nº 334/03 CT Controle Ambiental - 2014 Pauta O problema e a solução. A experiência comprovada do inpev. O funcionamento do Sistema Campo Limpo. Motivação da revisão

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Estudo de Impacto Ambiental Atividade de Perfuração Marítima de Poços no Bloco FZA-M-90, Bacia da Foz do Amazonas ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Junho/2015

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES SISTEMA CAMPO LIMPO L O G I S T I C A BRASIL POSSUI 1,7 MILHÕES DE KM DE RODOVIAS 12% PAVIMENTADAS (90% PISTAS SIMPLES) 62% APRESENTAM ALGUM TIPO DE PROBLEMA RESPONDE POR 61% DE TODO TRAFEGO DE MERCADORIAS

Leia mais

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais Alexssandro Sanches DF 08/07/2010 Programa de Gestão de Resíduos - FCA Nossa localização estratégica e a interligação com a Estrada

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. António Lopes Dias Director-Geral Sigeru, Lda.

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. António Lopes Dias Director-Geral Sigeru, Lda. Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura António Lopes Dias Director-Geral Sigeru, Lda. Sumário O que é o VALORFITO Como funciona Situação actual Evolução e desafios para o futuro

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada.

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada. GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 17.269, DE 31 DE MARÇO DE 2014. Aprova a Instrução Normativa SSP nº 002/2014 : O Prefeito Municipal de Colatina, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS

INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS SISTEMA CAMPO LIMPO INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS LEI 9.974/00 Criada em dezembro de 2001, o inpev é uma entidade sem fins lucrativos com sede em São Paulo Promove a correta

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

O agronegócio representa 22,54% do Produto Interno Bruto e vem registrando crescimento acima da economia

O agronegócio representa 22,54% do Produto Interno Bruto e vem registrando crescimento acima da economia Eficiência e qualidade 21 Eficiência e qualidade G4-26 e DMA SCL amplia seu alcance e supera desafios com investimentos estruturados em logística, informação, capacitação e segurança NESTE O agronegócio

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS MTR e dá outras providências. A DIRETORA PRESIDENTA DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS:

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS é documento integrante

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

Manual de Armazenamento e Transporte de Embalagens de Agrotóxicos e Produtos de Uso Veterinário

Manual de Armazenamento e Transporte de Embalagens de Agrotóxicos e Produtos de Uso Veterinário ISBN 978-85-89461-04-7 Manual de Armazenamento e Transporte de Embalagens de Agrotóxicos e Produtos de Uso Veterinário Dra. Roberta Mara Züge Coordenadoria e Edição João Carlos da Rosa Sobrinho Edição

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO

LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICO Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpev) - Entidade sem fins lucrativos - Criado em dezembro de 2001 - Sede em São Paulo -

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos OBSERVAÇÕES: Todas as metas e estratégias sugeridas neste documento

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE. AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº. 01/2008

TERMO DE COMPROMISSO DE. AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº. 01/2008 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE AMARANTE TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº. 01/2008 Aos 10 dias do mês de abril do ano de 2008, na sede da Promotoria

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS -

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - I. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa subsidiar os diversos empreendimentos quanto à elaboração e apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº 12.305, de

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

RELAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PARA DESTINAÇÃO AMBIENTALMENTE ADEQUADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

RELAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PARA DESTINAÇÃO AMBIENTALMENTE ADEQUADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS RELAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PARA DESTINAÇÃO AMBIENTALMENTE ADEQUADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Principais Resíduos PAPEL/ PAPELÃO Legislação Como Minimizar os Impactos Onde e Como Armazenar Onde Descartar * Localidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS a) Requerimento através do Formulário N o 01, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; b) Declaração de Destino de Resíduos

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Apresentação DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS O principal motivo para darmos a destinação final correta para as embalagens vazias dos agrotóxicos é diminuir o risco para a saúde das

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

NORMA CETESB P4.262 (2007)

NORMA CETESB P4.262 (2007) NORMA CETESB P4.262 (2007) (Versão Agosto/2007) Gerenciamento de Resíduos Químicos provenientes de Estabelecimentos de Serviços de Saúde - Procedimento 1 - Objetivo Esta norma estabelece procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. João Cesar M. Rando Março/2012

Política Nacional de Resíduos Sólidos. João Cesar M. Rando Março/2012 Política Nacional de Resíduos Sólidos João Cesar M. Rando Março/2012 Visão geral da Política Nacional Lei 12.305/2010 Decreto 7.404/2010 Obrigações Logística Reversa Planos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais