e um forte elemento coesivo, que contribui para a organ!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e um forte elemento coesivo, que contribui para a organ!"

Transcrição

1 D IXIS E caesrae tu1'vm. * o CASU DO "1l6ORA" M RIA GUAOAl.UPf Of CASTItO UF MT (CPBG) Objet ivamos demonstrar que 0 deitico "490Jl4",por suas caracteristicas semantico/pragmaticas e discursivas e um forte elemento coesivo, que contribui para a organ! zacao textual, proporcionando elos referenciais relativos ao triingulol pessoa, espaco e tempo. Para a feitura desses el08 referenciais, 0 "490Jl4" aclona, tambem, a categ ria da coerencia para satisfazer as exigencias do ouvinte e/ou leitor, no que se relaciona com a compreensibilidade, 0 que aponta para uma certa flexibilidade de limites IMeCaniSDOS Coesivos e Dilxisl Conforme Koch (1989), os mecanismos de coesao e! tao ligados diretamente a "li.e6ejlel1c.tacacl" e a "4eqUel1c.t4- cao". Com esses mecanismos Ii po sslvel detectar um certo d! namismo, feito de progressoes e de recorrencias. Estamos entendendo que as recorrencias propor«ionadas pelo "a90jl.ci~, nio sio exatamente anaforicas, uma vez que este deitico ~ penas projeta elos referenclais ligados a trilogia pes-

2 *Yer.. (1976), ao anal1s&r pronomes da L1!l gua Portuguesa, prlncipalmentc os demonstrativos(con~ Hn~ que!t.", por e~lo, quando.e fa- referineia ao paasado) nio oa aponta como permitindo urna relacao anafarica. 0 autor apreaenta urnaoutra forma de relacao, que ele chama de "~t.l4c4o-~e6e4inci4h. que na realidade e a rela cao entre elementos do componente lingl1istico no ato comu nicativo. 0 seu funcionamento ocorre da seguinte forma: a travea do polo falante, 0 enunciado fornece algumas instrucoes (gramaticais, aemantico/sintiticas) ao ouvinte.c~ be a este a decisao de verificar a compatibilidade do li~ gl11stico e a situacaotextual, atraviis.dessa"~e lacdo-lle n! ~eltc,(,4". A proposta de Reinhart (19801 de certa forma cor robora a de Mayer-Hermann nesseparticular de "llelacao - It':' 6e~enci4", embora ela nao de tal nome. 0 que Reinhart faz e alertar para 0 fato de que na conversa espontanea os to picos mudam/ portanto, sac muito mais variiveis. Os elos que mantim um fio de coe8io nessa variacao de tapicos 0- correm atraves de el08 referenciais a nivel ~tico/pragmatico/dia.cursivo. No caso particular do deitico "ago~a". esses elo. sac referenciais espacio-temporais, principalmente. Referem-se, portanto, mais a uma armacao desses re ferenciais do que propriamente a informacao que constitui um topico (no sentido de contelido ou informacao principal). Alim das relacoes espacio-temporais, que promovem tambem uma seqoenciacao, principalmente I nos textos mais narrativos, hi tambem, em larga escala, casos em que o "ago44" apresenta funcoes mais proximll"sas de conjuncao,

3 11940do dois bloco8 8l\unc1aU,voj. De uma maneira geral, quando tratamos dos elos re fereneia1s, 0 que ocorre e ~ amalgama entre referenciacio e seqqeneiaeio: (1) Contexto: d~ilogo entre doeumentador e informante para 0 Projeto NURC 1nf ah ai fica entao uma espiga de milho com:as varias fileiras de milho presas na espiga. (al agora depois disso pode por colocar urn apare- Ihinho que chama debulhador de milho. (h) Doc. agora na espiga 0 senhor poderia descrever a espiga pra gente na hora que se que ela 5e.. que ela esta no pi? 118:231. cador (Marcuschi: 1985), ou seja, como elo referencial e~ tre 0 que esta sendo dito e a situacao interacional entre os interlocutoresl e como elo entre os seguimentos textuais anterior e posterior", promovendo a seqqenciacio do te~ o " " (b) marca: elo referencial entre temp2 -espaco da enunc1acao; elo referencial entre a texto e a.._ situacio de interacao; e elo referencial entre 08 dol. 8esl mentos textuais: anterior a ele e post~rior, eom funcoes semelhantes a urnoperador discursivo. Se nos voltarmos p~ ra a seqdene'1a da colocacao do" " (al e do "4g01t4" lbl, a funcao deles como seq6eneiadores fiea mais explleita.

4 I'onapto. 0 4i1~~ "49oU. apr nta pot.i 80 a. noese. de t:.ipo de pool "490lt4" > hac + bora" - (Souaa auve!_.,(1"3113s.*~;;;''''' hi.inda."categoda de pessoa. na _dida ea <Jue.~;i~IlBOltll" 80 pode,:8er enunciado por UJa' N&U" e. correlaeio').:,:u1ii".tu" dentj;'ode wna situ! eio e8pacio~t poral. LeV~D (1984), afirma que nas re~ gras dos participantes do~ento falado, a categoria dei-.::,:;r;,' tica apresenta uma gr at~lizaeio do falante sobre 51, enquanto que a diix1., ~1 refere-se acodificacao da lacacio espacial relativ&,.i locaeio dob participantes do 'i" o "Ilgolta", port~~, entra n~ssa,correlacaoeutu, por proxilllidadee.paci~..,telllpo.ral tantados falantes~. to do proprio evento nar~o, Q centro deitico, con'forme LevinsoD (1984», demon.tr~~~rtanto, a pessoa central do falante, oteapo central ~. que 0 falanta produz a expre! "t.' sac e 0 lugar central da',~,cio dos participantes do dis rj' o diitico "llgolt4~~pa~ece ~:~.. ponto central de onde i pq~lvel ~t1.~" \l.:":: ~". (2) Contezto: diilogo ent~'1nforjlla.ntee docwnentador do Projeto NO~i",... ~ioo: Censura na ~,polltica e p~ofissional. Inf. nio tea nada:\'}l,,':colao::acab.ide dlzer:: a n08sa vida poll~~~.ela foi eh:: retirada p! la Censura recserjj"!lh11nio foi na epoca... foi WI pouoo depois.~.chegamos afazar wnas quatro.presentacoe~.~! censuracomeeou a dar urn pouquinho ell,."e agora foi oficialmente

5 Tomando-se 0 "~go~4"como centro de onde passl vel :outras projeqoes, temo8t vida politica foi retirada pela censura (chegamos a fazer urnasqu~ tro apresentacoes) al tempo-espaco da enunciacao; bl el0 referencialentre 08 eventos; 01 -elo refe rencial situando os falan Genericamente, as funcoes coesivas do "a.guila.",.e malgamadas em referenciacao e sequenciacao sao as seguinel0 referencial de tempo-espaco dos eventos, elo referencial situando 0 falant~ no evento comunicativo, ou seja, de interaqi~ entre os interlocutores; e elo referenciale~ tre dois fragmentos ou partes do enunciado, ou seja, como um operador discursivo. Ao situar, principalmente aspectos mais interacionais, ocorre urna flutua io entre as categorias de coe- Reinhart (1980), que considera a coesao urna subcategoria da coerencia, urnavez que para a autora, urn texto coeren-

6 te ~ que Bat1.f er tria cond10o.a fundamental8:conectlvldade, conalstlnela relevincia. A conectividade e c~ ractedzada pelll aqtor.a C011lO coeaib, que ela define COlllO condiqio para a coneatenacia linear de senten(:as em urnte~ to. Essas sentenoas devem ser formalrr.enteeoneetadas (liestar referencialmente ligadas atraves de elos refereneials. 8e1nhart (1980), adverte que a condlcao para essa co~ sao mals referenelal, nao impliea que todas as sentenoas aejam sobre 0 mesmo topiea, mas sim que haja refereneiais ligados entre elas. Conforme analisamos, 0 "ago~a~sepre~ ta a esse papel de projetar esses el08 refereneiais. NOTA: Este trabalho sera publicado integralmente na Revista LETRAS - PUC. Canpinali. em seu pr~ximo numero. CASTILHO~ A.T PRE'l'I,0.(1987) A ti.nguagern 6atada c.f::. ~a n4 eldad~ d~ Sio Pauto. Queiroz/FAPESP, Sao Paulo. KOCH, 1.V.G. (19891 P~.i.nc..ipai4mec.ani4mo4 de co e4ao textual em Pc~tu9ue4. Copia mimeografada. MAYER-HERMANN, R. (19761 "Some topics in the study of referentials in Portugueses". R~ading in Po~tugue4e t.i.ngu.i.4tic.4.north-holland - Publishing Company - Amsbe~. PRETI, D URBANO, H. (19881 A tinguagem 6atada cutta na c..i.dadede S40 Paulo. Vol. III, Queiroz/FAPESP - Sao Pau 10.

7 HI", '1'. UI8O) CondiUotta for text Cohen,.. Inl POf.t.iu Todttl/, vol. 114, , ~l Av1'v.

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES Roseli Cabral Calil (Unifran) Juscelino Pernambuco (Unifran) Introdução Esta pesquisa terá como objetivo analisar a construção dos versos desse poeta, buscando

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

Apresentação 7 Apresentação

Apresentação 7 Apresentação Apresentação 7 Apresentação Uma pequena síntese para que você, leitor(a), comece a se sentir em casa. A obra abrange todo o conteúdo exigido pela banca CESPE. Uma questão importante, que não deve ser desprezada,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM

ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM ORGANIZAÇÃO TÓPICA: ANÁLISE DE UMA REDAÇÃO DO ENEM Simone Maria Rossetto i () A temática deste trabalho baseia-se no estudo da organização tópica, através da análise de uma das redações do Enem (Exame

Leia mais

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com SILVA, Jobson Soares da. PIBIC/Universidade

Leia mais

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO DIOCESE DE AVEIRO - CAMINHADA DE ADVENTO 2014 - ANO B semana 1 semana 2 semana 3 semana 4 Natal O Tempo do Advento tem dupla característica: é tempo

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS RESUMO

A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS RESUMO A PRESENÇA DOS DÊITICOS EM JINGLES PUBLICITÁRIOS Francislene Godoi Jenifer de Fátima Leite Leandro Manzalli Marcelo Gonçalves Mendes Marcos Antonio Ramos (Gdos- CLCA- UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes

Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes Inti Queiroz 1 Juliana Zanelato 2 Katiene Oliveira 3 Resumo Neste ensaio buscaremos desenvolver um estudo de análise da conversação e

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL NA INTERNET? - ANÁLISE DO BLOG CAPRICHO PAPO DE AMIGA

PRODUÇÃO TEXTUAL NA INTERNET? - ANÁLISE DO BLOG CAPRICHO PAPO DE AMIGA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PRODUÇÃO TEXTUAL NA INTERNET? - ANÁLISE DO BLOG CAPRICHO PAPO DE AMIGA Gislaine Gracia Magnabosco

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

o objetivo da comunica ao e rediscutir a questao da

o objetivo da comunica ao e rediscutir a questao da REDISCUTINDO A COESAO E A COERENCIA Leonor Lopes Favero - FFLCH - USP o objetivo da comunica ao e rediscutir a questao da coesao e da coerencia. I. COESAO 1. Ha inumeras propostas de classifica ao das

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

1 Para início de conversa...

1 Para início de conversa... 1 Para início de conversa... Ainda bem que o que eu vou escrever já deve estar na certa de algum modo escrito em mim. (Lispector, 1999[1977] :20) O estudo das interações no contexto pedagógico é, sem dúvida,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul INF01047 - Fundamentos de Computação Gráfica. Sim City Car 3D

Universidade Federal do Rio Grande do Sul INF01047 - Fundamentos de Computação Gráfica. Sim City Car 3D Universidade Federal do Rio Grande do Sul INF01047 - Fundamentos de Computação Gráfica Sim City Car 3D Professor: Marcelo Walter Jorge Wichrowski Krieger de Mello 143283 jwkmhdr@hotmail.com 55 51 99598796

Leia mais

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS Folha: 1/7 RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS De acordo com o Artigo 16 da Lei Nr. 8.666, de 21 de Junho de 1993, alterada pela Lei Nr. 8.883, de 08 de Junho de 1994, Maio/2008. esta é a relação de todas as compras

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL?

MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul MANUTENÇÃO (OU NÃO) DO REFERENTE: UM TIPO DE PARALELISMO REFERENCIAL? Ivanilde da SILVA (UFSC) ABSTRACT: Studies on syntactic variation

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana

Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana Gil Roberto Costa Negreiros 1 1 Programa de Pós-Graduação em Língua Portuguesa Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

1 A surdez e algumas implicações na produção de textos escritos

1 A surdez e algumas implicações na produção de textos escritos 1709 ASPECTOS DO SISTEMA COESIVO DE TEXTOS ESCRITOS POR SURDOS UNIVERSITÁRIOS USUÁRIOS DE LIBRAS Gláucia R. P. do Nascimento FACHO / FAFIRE Os surdos constituem uma minoria lingüística que vive em contextos

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

Teorema da Mudança de Coordenadas

Teorema da Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Coordenadas 1 Mudança de Coordenadas Definição 1 eja n um aberto. Diz-se que uma

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE

FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE : P.C. SEXO: Masculino IDADE: 15 anos Faixa I ESCOLARIZAÇÃO: 5 a 8 anos (6ª série) LOCALIDADE: Alto da Penha (Zona Urbana) DOCUMENTADORA: Maria do Socorro Inácio TRANSCRITORA:

Leia mais

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS Gilianne Vicente dos Santos; Aline Giseli da Silva Lima; JacineideVirgínia Borges O. da Silva

Leia mais

Versa o 003 11-mai-15

Versa o 003 11-mai-15 Versa o 003 11-mai-15 Curso de PÓS-MBA GESTA O LEGAL Os PO S-MBAs sa o programas de po s-graduac a o, em ni vel de atualizac a o, voltados aos profissionais que ja conclui ram a Po s-graduac a o (MBA)

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Agradecimento ao Ceale, em especial, no âmbito do programa PNAIC Renovo meus

Leia mais

Versa o 005 31-mar-15

Versa o 005 31-mar-15 Versa o 005 31-mar-15 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU JORNALISMO DIGITAL A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente conhecimentos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

OS PROCESSOS DE CONSTITUIÇÃO DA TEXTUALIDADE NAS PRODUÇÕES ORAIS INFANTIS: RESULTADOS, CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE UM PROJETO DE PESQUISA

OS PROCESSOS DE CONSTITUIÇÃO DA TEXTUALIDADE NAS PRODUÇÕES ORAIS INFANTIS: RESULTADOS, CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE UM PROJETO DE PESQUISA 2753 OS PROCESSOS DE CONSTITUIÇÃO DA TETUALIDADE NAS PRODUÇÕES ORAIS INFANTIS: RESULTADOS, CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE UM PROJETO DE PESQUISA Neilson Alves de Medeiros PROLING/UFPB 1 Evangelina M. B.

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias:

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: MORFOLOGIA A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: 1. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem

Leia mais

FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS

FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS FUNÇÕES COGNITIVO-DISCURSIVAS DE EXPRESSÕES REFERENCIAIS EM NARRATIVAS DE CRIANÇAS DE 7 ANOS Profa. Dra. Graziela ZAMPONI Universidade de Taubaté Resumo Este trabalho focaliza os processos referenciais

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

MARCAS DA NARRATIVA ORAL EM NARRATIVAS ESCRITAS DE CRIANQAS EM IDADE ESCOLAR MARIA ROSA PETRONI - UFMT/CUR

MARCAS DA NARRATIVA ORAL EM NARRATIVAS ESCRITAS DE CRIANQAS EM IDADE ESCOLAR MARIA ROSA PETRONI - UFMT/CUR MARCAS DA NARRATIVA ORAL EM NARRATIVAS ESCRITAS DE CRIANQAS EM IDADE ESCOLAR MARIA ROSA PETRONI - UFMT/CUR o objetivo deste artigo e apontar a influencia e as consequencias do discurso oral no comportamento

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS NA SALA DE AULA

O TRABALHO COM TEXTOS NA SALA DE AULA O TRABALHO COM TEXTOS NA SALA DE AULA Jauranice Rodrigues Cavalcanti (UFTM) RESUMO: Este artigo discute a entrada do texto para a sala de aula e como este passa a ser trabalhado pelo professor. Com a mudança

Leia mais

MA QUINA DE CORTE E GRAVAÇA O A LASER

MA QUINA DE CORTE E GRAVAÇA O A LASER 2014 MA QUINA DE CORTE E GRAVAÇA O A LASER Representante Exclusivo: 1.1 - Modelo P-6040 Informações Básicas: Modelo P-6040 (220v) Area de Corte: 600mm X 400mm Tamanho: 1,60m x 0,85m x 1,05m Pote ncia:

Leia mais

Versa o 003 11-mai-15

Versa o 003 11-mai-15 Versa o 003 11-mai-15 Curso de PÓS-MBA em ESTRATE GIAS EMPRESARIAIS PARA A GERAC A O DE VALOR DURAVE L Os PO S-MBAs sa o programas de po s-graduac a o, em ni vel de atualizac a o, voltados aos profissionais

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com.

A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com. A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com. A CONSTRUÇÃO DO TEXTO A noção de texto é central na lingüística textual e na teoria

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO ENTRE O PLANO DE ESTUDOS EM VIGOR ATÉ AO ANO LETIVO 2014/2015 E O NOVO PLANO Artigo 1º (Âmbito) O presente plano regula o processo de transição

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Versa o 002 24-fev-15

Versa o 002 24-fev-15 Versa o 002 24-fev-15 PO S-MBA GESTA O DE TRANSPORTE MARI TIMO E ATIVIDADES PORTUA RIAS A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente conhecimentos e pra ticas

Leia mais

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 Gil Roberto Costa Negreiros (PUC-SP, UNIVERSITAS) 2 Nesta comunicação, temos como objetivo analisar as correções,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL Ederson Henrique de Souza Machado 1 Introdução Os fenômenos textuais ingressam essencialmente no âmbito epistemológico

Leia mais

01 PL 01-0691/91-0 PROJETO DE LEI /91

01 PL 01-0691/91-0 PROJETO DE LEI /91 Folha n o 5 7. do prup 19. a 01 PL 01-0691/91-0 PROJETO DE LEI /91 I LEDO HOJE /Ás COmiSsÓLS ur..w:dez 1991 4:1A-VIVR?...1E-:.J.3.? 4 5-D. 5.-n - _..IFY03-e_(0:-/-_

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Fernanda Couto Guimarães Casagrande RESUMO Podemos perceber que há nas aulas de Língua Portuguesa um maior incentivo

Leia mais

Versa o 006 27-mar-15

Versa o 006 27-mar-15 Versa o 006 27-mar-15 Certificate Gestão de Recursos Humanos Certificate Pós-Graduação Gestão de Recursos Humanos (428 h/a) Módulos Transdisciplinares (104 h/a) Módulos EPR Educação Presencial em Rede

Leia mais

Prof. António C. Mendes

Prof. António C. Mendes Laborat6rio de Mecanica de Fluidos MECANICA DE FLU IDOS EXPERIMENTAL 1. Viscosimetro de esferas Antonio Carlos Mendes Guiao do trabalho laboratorial 1 Interior VI scosimetro DE ESFERAS D e termi n a ~

Leia mais

Versa o 003 10-jul-15

Versa o 003 10-jul-15 Versa o 003 10-jul-15 PO S- MBA EM EDUCAC A O EMPRESARIAL, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO - ET&D Os PO S-MBAs sa o programas de po s-graduac a o, em ni vel de atualizac a o, voltados aos profissionais que

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

MIGRAMED Migração médica no Brasil: tendências e motivações. Autores: Paulo Henrique D Ângelo Seixas Aniara Nascimento Corrêa José Cássio de Moraes

MIGRAMED Migração médica no Brasil: tendências e motivações. Autores: Paulo Henrique D Ângelo Seixas Aniara Nascimento Corrêa José Cássio de Moraes MIGRAMED Migração médica no Brasil: tendências e motivações Autores: Paulo Henrique D Ângelo Seixas Aniara Nascimento Corrêa José Cássio de Moraes CONTEXTO Observatório de RH em Saúde de SP Eixo: Formação

Leia mais

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Disciplina Curso Profª Série REDACÃO Ensino Médio Silvia Zanutto 3º Lembre-se: ESTUDO APROVAÇÃO SUCESSO OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Aluno,LEIA COM ATENÇÃO! Na redação, o ENEM avalia

Leia mais

A FALA E A ESCRITA EM QUESTÃO: RETEXTUALIZAÇÃO Vera Lúcia de A. S. Ferronato Assessora Pedagógica do Sistema de Ensino Positivo Curitiba Paraná.

A FALA E A ESCRITA EM QUESTÃO: RETEXTUALIZAÇÃO Vera Lúcia de A. S. Ferronato Assessora Pedagógica do Sistema de Ensino Positivo Curitiba Paraná. A FALA E A ESCRITA EM QUESTÃO: RETEXTUALIZAÇÃO Vera Lúcia de A. S. Ferronato Assessora Pedagógica do Sistema de Ensino Positivo Curitiba Paraná. O curso de capacitação de professores do Sistema de Ensino

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com 1. Introdução Ao longo de toda a história e apesar de toda a tecnologia, a escrita

Leia mais

31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS

31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS Paulo da Silva Lima Universidade Federal do Pará (UFPA) Introdução O ensino de língua

Leia mais

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2.

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2. EXPRESSÃO ESCRITA Sejam bem-vindos à segunda videoaula de Expressão Escrita. Sou a Maj Anna Luiza professora de Português da Seção de Idiomas da ECEME. Esta aula se destina a você, aluno do CP/ECEME e

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais