CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA"

Transcrição

1 CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela PUC/SP. 1 Introdução 1.1 Escopo do trabalho e abordagem do tema No presente artigo, procuraremos discutir, ainda que de forma breve, os conceitos de democracia e Constituição, assim como verificar qual a relação que pode ser estabelecida entre ambos, a fim de respondermos à seguinte questão: está a noção de Constituição necessariamente ligada à de democracia? Para tanto, apresentaremos os conceitos de Constituição e de Poder Constituinte, com menção às suas principais características e singularidades, fazendo-se referência à idéia de soberania popular e de nação de Sieyès; na seqüência, devemos abordar a concepção de democracia, com seus princípios básicos, ao que retomaremos as idéias de soberania popular e participação popular no poder, e sua divisão clássica entre democracia representativa e democracia participativa, conceitos estes que pretendemos tratar em tópico próprio. Por fim, traremos à discussão o conceito de Estado Democrático de Direito, ao que será mencionada a evolução histórica observada a partir do Estado Liberal, característico do século XVIII, passando pela sua decadência a partir do início do século XX, culminando com sua passagem para o denominado Estado Social, marcado pela Constituição de Weimar de Constituição A palavra constituição apesar de poder assumir diversos significados, deverá ser tratada aqui no seu sentido de lei fundamental de um Estado, lei esta que organiza juridicamente o Estado por ela regulado. Nesse sentido, uma Constituição estatal poderá ser classificada, em materiais ou formais; dogmáticas ou históricas; imutáveis, rígidas, flexíveis ou semirrígidas; analíticas ou sintéticas e ainda em escrita ou não-escrita e democrática ou outorgada, sendo estas últimas duas classificações as que mais nos interessam nesse momento.

2 Como escrita, deverá ser classificada a constituição positivada, ou seja, sistematizada em um texto escrito por um órgão constituinte, encerrando todas as normas tidas como fundamentais sobre a estrutura do Estado, a organização dos poderes, seu modo de exercício e limites de atuação, os direitos fundamentais (políticos, individuais e sócioeconômicos) 1. Canotilho 2 a denomina de constituição instrumental, ao que aponta seu efeito racionalizador, estabilizante, de segurança jurídica e de calculabilidade e publicidade. Já nãoescrita, será a Constituição cujas normas não constam em um texto escrito, sistematizado, baseando-se estas nos costumes, jurisprudência, convenções, etc, podendo ser mencionada a título de exemplo a Constituição inglesa, ao que afirma Jorge Miranda 3 que: Diz-se muitas vezes que a Constituição inglesa é uma Constituição não escrita (unwritten Constitution). Só em certo sentido este asserto se afigura verdadeiro: no sentido de que uma grande parte das regras sobre organização do poder político é consuetudinária; e, sobretudo, no sentido de que a unidade fundamental da Constituição não repousa em nenhum texto ou documento, mas em princípios não escritos assentes na organização social e política dos Britânicos. Democráticas, por sua vez, serão as Constituições que se originam a partir da participação popular, de forma direta, ou mesmo através de representantes eleitos; no outro extremo, serão outorgadas aquelas elaboradas e impostas sem a participação popular, mas sim diretamente pelo rei, imperador, presidente, ditador, etc. Dessa forma, para tratar do tema a que nos propusemos Constituição e Democracia far-se-á imprescindível a menção à noção de poder constituinte, por vincular-se este diretamente à idéia de democracia, desde que, por razões óbvias, adeque-se aos pressupostos exigidos para o que poderíamos chamar de a elaboração de uma Constituição democrática. 2.1 Poder Constituinte Poder constituinte deve ser visto como aquele poder conferido ao povo de dar-se uma Constituição, o que traz à tona a distinção traçada originalmente na obra de Sieyès 4 entre Poder Constituinte e Poder Constituído, sendo a idéia da existência de um Poder Constituinte o suporte lógico da idéia de Constituição, ou seja, é a justificativa da superioridade da Constituição, que, derivando do Poder Constituinte não pode ser modificada pelos poderes constituídos, porque estes são obra daquele, por intermédio da própria Constituição 5. 1 SILVA, José Afonso da. Poder Constituinte e Poder Popular. 1ª ed. São Paulo: ed. Malheiros, 2002.p CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, p MIRANDA. Jorge. Manual de Direito Constitucional. 4ª ed. Coimbra: Coimbra editora, 1990, t. 1. p Emmanuel Joseph Sieyès ( ) é o autor do livro Qu est-ce que le tiers État? (O que é o terceiro Estado?), onde define a burguesia como titular do poder constituinte. 5 FERREIRA FILHO, Manuel Gonçalves. O Poder Constituinte. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, p. 13.

3 De acordo ainda com Sieyès 6, é a nação quem deve titularizar mencionado poder, nação esta, entretanto, que não pode ser confundida com o conjunto de homens que a compõe, num determinado momento histórico, ou seja, para o autor, o conceito de nação encarna a permanência de uma comunidade, o que acaba por contrapor os interesses da nação, com os interesses dos homens em um determinado momento histórico. Entretanto, modernamente, podemos afirmar que a titularidade do Poder Constituinte é exercida pelo povo, conceito este mais abrangente do que o de nação, o que nos traz a idéia de soberania popular. Distingue-se ainda o Poder Constituinte em originário e derivado, sendo o primeiro, aquele que estabelece a Constituição de um novo Estado, organizando-o e criando os poderes destinados a reger os interesses de uma comunidade. Pelo fato de tratar-se de suporte lógico de uma Constituição que deverá ser hierarquicamente superior ao restante do ordenamento jurídico, não poderá, em regra, ser modificado pelos poderes constituídos sendo, portanto, mencionado Poder Constituinte, distinto, anterior e fonte da autoridade dos poderes constituídos, com eles não se confundindo. 7 Dessa forma, será o Poder Constituinte autônomo, uma vez que não está condicionado pelo direito anterior; ilimitado, por não dever respeito aos limites impostos pelo direito positivo anterior e incondicionado, pois não está sujeito a qualquer forma prefixada, não devendo seguir qualquer procedimento anteriormente determinado. Já o Poder Constituinte derivado está previamente inserido na Constituição, sujeitando-se, portanto, às limitações anteriormente impostas, assim como ao controle de constitucionalidade; nesse sentido, diversamente do Poder Constituinte originário, é subordinado e condicionado, pelo fato de encontrar-se limitado pela própria Constituição, devendo seu exercício seguir regras previamente estabelecidas pelo Poder Constituinte originário. Por tratar o presente artigo da relação existente entre Constituição e democracia, devemos verificar o significado da idéia de Constituição legítima, no sentido de apoiar-se na vontade soberana do povo. No sentido acima exposto, o conceito de legitimidade está dissociado do de legalidade, ou seja, o conceito de legalidade estará sempre ligado à idéia de conforme o direito positivo, ao passo que o conceito de legítimo refere-se ao consenso daqueles que estão subordinados à determinada lei, sendo a legitimação, portanto, a conquista direta ou indireta da aceitação dos governados 8, o que se liga diretamente com a noção de eficácia, uma vez que 6 Nesse sentido afirma Manuel Gonçalves Ferreira Lima, em O Poder Constituinte, ao citar Sieyès, ao que conclui à pág. 13 da obra citada que: O Poder Constituinte, portanto, pertence à nação, e manifesta a vontade dela, logicamente no estabelecimento das instituições que vão governar a comunidade. 7 MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 24ª ed. São Paulo: Atlas, p FERREIRA FILHO, Manuel Gonçalves. Ob. cit. p. 48/49.

4 antes de se operar esse processo de legitimação, não ocorre a eficácia, não se implementa a condição de eficácia 9. Entretanto, apesar de Constituição legítima ser aquela fundada na vontade soberana do povo, não podemos afirmar que uma Constituição democrática assim o será pelo simples fato de ter sido criada por meio de uma Assembléia Constituinte livre e soberana; mas, em assim o sendo, somente teremos uma Constituição democrática em sua origem, mas não necessariamente em seu conteúdo. Deverá, portanto, uma Constituição dita democrática, expressar valores que assim o sejam, permitindo a efetiva participação popular no processo de poder, através de mecanismos como o veto popular, a iniciativa popular para a elaboração de leis, o referendo popular, etc. Por outro lado, como bem leciona o professor José Afonso da Silva 10, há de ser o meio pelo qual se refaça o pacto político-social, buscando o real restabelecimento dos três equilíbrios primordiais que constituem o objetivo de um regime democrático: a) o equilíbrio entre o poder estatal e os direitos fundamentais do Homem, tomada a expressão no sentido mais amplo, que abrange os direitos individuais (liberdades públicas), os direitos políticos e de nacionalidade e os direitos econômicos, sociais e culturais; b) o equilíbrio entre o poder central e os poderes estaduais e municipais (equilíbrio federativo); c) o equilíbrio entre os poderes governamentais, com respeito às prerrogativas dos Poderes Legislativo e Judiciário, a fim de que o Poder Executivo se contenha nos limites de observância dos direitos democráticos. Para o que nos interessa mais diretamente no desenvolvimento do presente artigo, mister se faz esmiuçarmos o conceito de Poder Constituinte, verificando qual a relação que pode ser estabelecida entre este e o conceito de democracia adiante exposto. Temos, portanto, que verificar quais as formas democráticas de exercício do Poder Constituinte, as quais, somente poderão ser assim conceituadas, uma vez realizadas através de procedimentos populares, podendo ser divididos, basicamente, em quatro mencionadas formas democráticas: (i) exercício direto, ou seja, a criação da Constituição pela própria população, e não através de representante eleitos para tanto, devendo o projeto de Constituição preparado pelo governo ser submetido diretamente ao referendo popular, sem a necessidade de sua aprovação por uma Assembléia Constituinte; (ii) exercício indireto, no qual a aprovação de uma nova Constituição dar-se-á pelo povo, mas através de representantes eleitos para compor a Assembléia Constituinte; (iii) exercício por forma mista, sendo este um modo popular de elaboração da Constituição que combina a forma representativa com a participação direta do povo, devendo uma Assembléia eleita por este elaborar um projeto de Constituição 9 Idem. 10 SILVA, José Afonso da. Ob. cit. p. 70.

5 que deverá ser posteriormente aprovado por referendo popular; (iv) exercício pactuado, que na história apresenta exemplos de duas naturezas. Um primeiro corresponde a uma forma híbrida ou ambígua da titularidade do poder constituinte, em que os documentos constitucionais eram formados por meio de pactos entre o Rei e representantes da sociedade... Outra forma consensual de exercício do poder constituinte é a dos pactos entre Estados ou províncias que conduzem à reunião de um congresso, assembléia ou convenção que estabeleça uma nova forma de Estado por meio de um procedimento federal Democracia Democracia é conceito histórico. Não sendo por si um valor-fim, mas meio e instrumento de realização de valores essenciais de convivência humana que se traduzem basicamente nos direitos fundamentais do Homem, compreende-se que a historicidade destes a envolva também na mesma medida, enriquecendo-lhe o conteúdo a cada etapa do evolver social, mantido sempre o princípio básico de que ela revela um regime político em que o poder repousa na vontade do povo. Sob esse aspecto, a democracia não é mero conceito político abstrato e estático, mas é um processo de afirmação do povo e de garantia dos direitos fundamentais que o povo vai conquistando no correr da História. 12 A importância que ganha o conceito de democracia, e sua relação com o tema ora proposto, refere-se ao fato de que a idéia de Constituição democrática, está intimamente ligada à noção de que o poder reside e deve ser exercido pelo povo, fundando-se o conceito de democracia em dois princípios básicos, quais sejam, (i) a soberania popular e (ii) a participação do povo no poder. O conceito de democracia pode ser dividido em três classificações, de acordo com seu exercício; a democracia poderá ser direta, quando exercida diretamente pelo povo, elaborando leis, administrando e julgando; será indireta ou representativa quando o povo outorga os poderes que lhe são inatos, aos representantes eleitos para determinados fins; por fim, temos a democracia semidireta, que nada mais é do que democracia representativa, com alguns institutos de participação direta do povo nas funções de governo. 3.1 Democracia Representativa A noção de democracia representativa vem necessariamente ligada à de eleições, através das quais deverá o povo escolher os representantes que exercerão os poderes que lhe foram outorgados, em nome daqueles que os elegeram Idem. p Ibdem. p Nesse sentido, afirma o professor José Afonso da Silva que: A eleição consubstancia o princípio da representação, que se efetiva pelo mandato político representativo, que constitui situação jurídico-política com base na qual alguém, designado por via eleitoral, desempenha uma função político-governamental na democracia representativa.

6 Diz-se que o mandato é representativo, em oposição ao denominado mandato imperativo que vigorou anteriormente à Revolução Francesa, de acordo com o qual seu titular vinculava-se aos seus eleitores, cujas instruções deveria seguir nas assembléias parlamentares. O mandato representativo pode ser afirmado como criação do Estado burguês de cunho liberal, como uma forma de manter de certa forma segregados Estado e sociedade, tornando, dessa forma, abstrata a relação entre governo e povo, uma vez que aquele eleito para representar seus eleitores, não ficava à este vinculado, por não tratar-se de uma relação obrigacional. Dessa forma, verifica-se que, apesar de eleitos pelo povo, seus representantes estariam de certa maneira distante destes, uma vez que, após eleitos, não poderia o eleitor influir diretamente na vida política de seu representante; entretanto, podemos afirmar que a evolução do processo democrático acaba por incorporar outros elementos na democracia representativa que estreitam os laços entre representante e representado, o que se observa por meio de uma imprensa livre, sindicatos, partidos políticos, etc. 3.2 Democracia Participativa Em primeiro lugar, devemos tomar como premissa, a idéia de que democracia participativa caracteriza-se pela participação direta do povo no poder, ou seja, não há que falarse em eleição ao tratar do tema, uma vez que um conceito exclui o outro. Dessa forma, a democracia participativa em seu conceito clássico, deverá ser vista como aquela exercida diretamente pelo povo, e não através de representantes eleitos; portanto, a soberania popular, no sentido de que o poder emana do povo, atinge aqui seu ápice. É certo ainda que mencionada forma de participação popular no poder figura atualmente como reminiscência histórica, até pela sua inviabilidade prática em grande parte dos Estados modernos; há, entretanto, diversas formas de participação direta do povo na vida política de determinado Estado, sem que seja afastada a noção de democracia representativa mas, pelo contrário, a estimule e reforce, tais como a iniciativa legislativa de origem popular; o referendo e o veto popular; a revocação e mesmo a ação popular. 4 Estado Democrático de Direito Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil Preâmbulo da Constituição Federativa do Brasil de 1988.

7 A atual Constituição brasileira estabelece em seu preâmbulo parte que precede o texto articulado das Constituições o objetivo da Assembléia Constituinte de instituir um Estado Democrático, com a destinação precípua de assegurar valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos. O conceito de Estado de Direito surge como expressão jurídica da democracia liberal, possuindo como objetivo primordial, o estrito cumprimento do principio da legalidade, de acordo com o qual toda a atividade estatal deveria estar submetida à lei. Entretanto, como é sabido, mencionada concepção liberal pós-absolutismo, mostrou-se insuficiente para atender aos anseios de uma sociedade cada vez mais massificada, na qual a pregada igualdade ganhou contornos meramente formais. Dessa forma, com a concepção de que somente é direito aquilo que está positivado, ou seja, o direito escrito, destituído de qualquer valor ou conteúdo, atinge-se, sem dificuldade, uma concepção formalista do Estado de Direito ou mesmo Estado Formal de Direito, servindo, também, a interesses ditatoriais, atingindo seu ponto extremo, principalmente no início do século XX, sendo marco de seu fim, a Constituição de Weimar de A partir, portanto, da mencionada Constituição de Weimar, verifica-se uma gradual transformação do Estado Liberal em Estado Social de Direito, onde procurou-se compatibilizar o crescente capitalismo com o bem-estar social coletivo. Afirma nesse sentido José Afonso da Silva que: Mas, ainda é insuficiente a concepção do Estado Social de Direito, mesmo que, como Estado Material de Direito, revele um tipo de Estado que tende a criar uma situação de bem-estar geral que garanta o desenvolvimento da pessoa humana. Sua ambigüidade, porém, é manifesta. Primeiro porque a palavra social está sujeita a várias interpretações... Em segundo lugar, o importante não é o social, qualificando o Estado, em lugar de qualificar o Direito... Por tudo isso, a expressão Estado Social de Direito manifesta-se carregada de suspeição, ainda que se torne mais precisa quando se lhe adjunta a palavra democrático, como fizeram as Constituições da República Federal da Alemanha e da República Espanhola, para chamá-lo Estado Social e Democrático de Direito. 15 Entretanto, mencionadas concepções de Estado Liberal e Estado Social não estão necessariamente designando Estado Democrático, o qual se funda no principio da soberania popular já exposto, de acordo com o qual o poder deve emanar do povo e ser por este exercido. 5 Conclusão Neste artigo, buscamos traçar um paralelo entre as noções de democracia e Constituição, apresentando seus caracteres principais. 15 SILVA, José Afonso da. Ob. cit. p. 118/119.

8 Procuramos ainda, estabelecer o conceito de Estado Democrático de Direito, deixando claro que somente o será aquele Estado fundado na soberania popular. Dessa forma, pretendemos encerrar o artigo ora escrito, com a menção ao texto Norma Básica, Contitución e Decisión por Mayorias 16 de Francisco J. Laporta, no qual o autor faz a distinção entre uma Constituição de raízes democráticas e uma norma jurídica de máxima hierarquia de um regime não democrático. No mencionado texto, Francisco Laporta conclui mencionando o que poderíamos denominar decisão coletiva de apoio e aceitação de algumas normas, ou seja, quando, diante de uma situação, podemos afirmar que o povo decide, então podemos dizer que nos encontramos diante de uma sociedade regida por uma lei fundamental democrática; entretanto, caso o contrário ocorra, então podemos afirmar que se trata de uma lei de máxima hierarquia, mas não de uma lei democrática. Dessa forma, a argumentação de Francisco Laporta coaduna-se com tudo quanto procuramos demonstrar no decorrer do presente artigo, ou seja, a diferença entre uma Constituição democrática e a lei fundamental de uma ordem autoritária reside no fato de que a primeira exprime o princípio da soberania popular, enquanto a segunda não. Por fim, o autor afirma que a soberania do povo é um conceito que se cristaliza historicamente em torno da idéia de liberdade política, ao que invoca Kant, a fim de explorar a idéia de uma Constituição democrática em função do mencionado princípio da soberania popular. Portanto, concluímos o presente artigo, com a idéia central de que Constituição e democracia não devem necessariamente andar unidas mas, ao juntarmos essas figuras, devemos, necessariamente, trazer à tona o princípio de soberania popular. Bibliografia CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, FERREIRA FILHO, Manuel Gonçalves. O Poder Constituinte. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, LAPORTA, Francisco J. Norma Básica, Constitución y Decisión por Mayorias. In Constitucion: problemas filosóficos. Madrid: Centro de Estúdios Políticos y Constitucionales, MIRANDA. Jorge. Manual de Direito Constitucional. 4ª ed. Coimbra: Coimbra editora, 1990, t LAPORTA, Francisco J. Norma Básica, Constitución y Decisión por Mayorias. In Constitucion: problemas filosóficos. Madrid: Centro de Estúdios Políticos y Constitucionales, 2003.

9 MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 24 a ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Afonso da. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros, SILVA, José Afonso da. Poder Constituinte e Poder Popular. 1 a ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO)

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) Toda sociedade política pressupõe um ordenamento. Este ordenamento constituiu, por sua vez, fundamental e indispensável condição para a

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Este trabalho trará um conceito de prescrição e mostrará que como

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação Democracia Burguesa e Apatia Política Luciano Cavini Martorano 1 Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação popular e a plenitude da transformação social, o socialismo deveria

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor Doutor José Melo Alexandrino

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor Doutor José Melo Alexandrino PROGRAMA DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor Doutor José Melo Alexandrino (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2015/2016 INTRODUÇÃO 1. O objecto e o método do Direito constitucional

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE. Ana Luísa de Souza Beleza

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE. Ana Luísa de Souza Beleza A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E DA POSSE Ana Luísa de Souza Beleza Belo Horizonte Março de 2009 1 INTRODUÇÃO Iustitĭa est constans et perpetŭa voluntas ius suun cuĭque tribŭens - a justiça é a constante

Leia mais

Palavras-chave: direitos e garantias fundamentais; origem e evolução; conceito e características; distinção; classificação, eficácia.

Palavras-chave: direitos e garantias fundamentais; origem e evolução; conceito e características; distinção; classificação, eficácia. 1 DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS SHIRLEY ALONSO RODRIGUES SILVERIO LOPES 1 DOMITILA DUARTE ALVES 2 RESUMO O presente trabalho tem por objetivo analisar os valores fundamentais do homem que se originam

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS 1 GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1. Administração Pública x Privada Afinal, o que difere a administração pública da administração de empresas privadas? O que impede

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1 Domingos Benedetti Rodrigues 2. 1 O presente trabalho é resultado dos estudos relacionados à construção da minha Tese do Doutorado em Educação nas

Leia mais

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL Jairo da Luz Silva Departamento de Filosofia da UFMT jairoluz@brturbo.com.br Resumo: Este trabalho pretende abordar, divulgar,

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA, RENDA DIGNA E EMANCIPAÇÃO SOCIAL 1

ECONOMIA SOLIDÁRIA, RENDA DIGNA E EMANCIPAÇÃO SOCIAL 1 ECONOMIA SOLIDÁRIA, RENDA DIGNA E EMANCIPAÇÃO SOCIAL 1 Francelino Sanhá 2, Eloisa Nair De Andrade Argerich 3. 1 Projeto de Extensão Economia Solidária e Cooperativismo Popular na Região dos Campus da Unijuí

Leia mais

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades A FIGURA DO ESTADO 1. Generalidades Naturalmente que no contexto das instituições, há uma que, pela sua dimensão e pelo momento histórico que atravessamos 1, tem especial interesse: o Estado. Uma série

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV. Autora: Laura Martins Maia de Andrade. I - Introdução

2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV. Autora: Laura Martins Maia de Andrade. I - Introdução 2PHLRDPELHQWHGRWUDEDOKRHDVFRQVWLWXLo}HVHVWDGXDLV Autora: Laura Martins Maia de Andrade I - Introdução O Direito Ambiental não deve ser concebido a partir de um enquadramento rígido, como ocorre com outros

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL ESTÁCIO-CERS DIREITO CONSTITUCIONAL Professora Ana Paula Teixeira Delgado Tema: Poder Constituinte Poder Constituinte Definição: Poder de elaborar (originário)ou de atualizar uma

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005 (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) Define o crime de discriminação dos portadores do vírus da imunodeficiência

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Marcos Augusto de Queiroz A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA.

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. TEREZA EMÍLIA LIJMA DE PAULA Fortaleza - CE 01. OBJETIVOS Outubro, 2007 4.1 OBJETIVO GERAL: Apresentar

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Ms. Marilu Pohlenz marilupohlenz@gmail.com Período/Fase: 2º Semestre: 1º Ano: 2015

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

O TERCEIRO SETOR Breves considerações. Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito

O TERCEIRO SETOR Breves considerações. Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito O TERCEIRO SETOR Breves considerações Nelson R. Bugalho Promotor de Justiça e Professor Universitário Mestrando em Direito SUMÁRIO: I- Introdução; II- A ética da responsabilidade social; III- O Terceiro

Leia mais

Projeto de Lei do Senado Federal nº, de 2005

Projeto de Lei do Senado Federal nº, de 2005 1 Projeto de Lei do Senado Federal nº, de 2005 Acrescenta parágrafos ao art. 12 e um artigo 23-A à Lei nº 5.250, de 9 de fevereiro de 1967 ( Lei de Imprensa ), para disciplinar a divulgação de informações

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil 15 O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil Amarilis Maria Muscari Riani Costa Magali das Graças Machado Rafael de Oliveira Tavares Ruth Gelehrter da Costa Lopes Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO.

EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO. EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO. Prof. Ronny Carvalho da Silva Professor e Coordenador do Curso de Direito da Faculdade de Educação,

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS Nota Técnica nº 001/2009 CNS Em 02 de setembro de 2009. Assunto: A Natureza Deliberativa e a Executoriedade das Decisões do Conselho Nacional de Saúde. I. DO OBJETIVO Trata a presente nota jurídica de

Leia mais

Criação dos Conselhos Municipais de

Criação dos Conselhos Municipais de Criação dos Conselhos Municipais de Educação Ada Pimentel Gomes Fernandes Vieira Fortaleza 02.08.2009 Por que criar Conselhos de Educação? O Art. 1º da Constituição Federal/1988 traduz a nossa opção por

Leia mais

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal Graziela Feltrin Vettorazzo Formada pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo em 2012, advogada atuando na área do

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

DIREITO PENAL DO INIMIGO UMA AFRONTA AO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

DIREITO PENAL DO INIMIGO UMA AFRONTA AO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO DIREITO PENAL DO INIMIGO UMA AFRONTA AO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ROZANA DE OLIVEIRA GOMES Discente do Curso de Direito das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS DANIELA BORGES FREITAS Docente

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO Para conceituar o Direito Administrativo, deve-se partir do significado e da classificação do próprio Direito. Segundo Hely Lopes Meirelles, Direito é o conjunto de regras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO Procuradoria de Urbanismo, Meio Ambiente e Regularização Fundiária

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO Procuradoria de Urbanismo, Meio Ambiente e Regularização Fundiária 1 PARECER N 1163/2010 REQUERENTE: CAADHAP ASSUNTO: Consulta sobre aplicação da Resolução nº 420/09 CONAMA no processo de licenciamento urbano ambiental do Município. Abordagem restrita à etapa de AVALIAÇÃO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 320/XII/2.ª. Reorganização Administrativa do Território das Freguesias. Exposição de Motivos

PROJETO DE LEI N.º 320/XII/2.ª. Reorganização Administrativa do Território das Freguesias. Exposição de Motivos PROJETO DE LEI N.º 320/XII/2.ª Reorganização Administrativa do Território das Freguesias Exposição de Motivos A necessidade de reformar um mapa de freguesias que não conheceu alterações significativas

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

- Jornada de trabalho máxima de trinta horas semanais, seis horas diárias, em turno de revezamento, atendendo à comunidade às 24 horas do dia...

- Jornada de trabalho máxima de trinta horas semanais, seis horas diárias, em turno de revezamento, atendendo à comunidade às 24 horas do dia... Parecer Coletivo Lei 14.691/15. Agentes Municipais de Fiscalização de Trânsito. Servidores Locais. Competência Constitucional do Município. Cláusula Pétrea da CF/88. Lei Estadual Inconstitucional. Interposição

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

A organização dos meios humanos na empresa

A organização dos meios humanos na empresa António Malta A organização dos meios humanos na empresa 1. Para poder desempenhar a sua função económica geral produção de bens ou prestação de serviços a empresa tem necessariamente que contar com uma

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório Janeiro, 2014 Direito ao trabalho Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com 1 I. Apresentação do

Leia mais

A Administração Pública pode ser entendida como um conjunto de órgãos e de servidores que, mantidos com recursos públicos, são encarregados de

A Administração Pública pode ser entendida como um conjunto de órgãos e de servidores que, mantidos com recursos públicos, são encarregados de A Administração Pública pode ser entendida como um conjunto de órgãos e de servidores que, mantidos com recursos públicos, são encarregados de decidir e implementar as normas necessárias ao bem-estar social

Leia mais

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA 95 O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA Ana Augusta Rodrigues Westin Ebaid Docente do Núcleo de Pesquisa e Extensão do curso de Direito

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO CURRÍCULO UM GRANDE DESAFIO PARA O PROFESSOR 1. Nereide Saviani 2

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO CURRÍCULO UM GRANDE DESAFIO PARA O PROFESSOR 1. Nereide Saviani 2 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO CURRÍCULO UM GRANDE DESAFIO PARA O PROFESSOR 1 Nereide Saviani 2 Falar de currículo como desafio para o professor remete para a discussão de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Constituição Federal e o meio ambiente Lucas Britto Tolomei A Constituição Federal de 1988 revelou a importância que a sociedade, Estado e os instrumentos jurídicos devem ter quando

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Juros e multa da dívida ativa tributária e a sua inclusão na base de cálculo do repasse ao legislativo municipal Alberto Jatene I - Relatório Trata-se de questionamento acerca da

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA GESTÃO DE POLÍTICA SOCIAL

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA GESTÃO DE POLÍTICA SOCIAL 1 ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA GESTÃO DE POLÍTICA SOCIAL CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: KAUCHAKJE, Samira. Gestão Pública de Serviços Sociais. 3ª. Edição - Curitiba-IBPEX, 2013 MÓDULO A 2015 FASE

Leia mais

Pareceres Jurídicos CCDRAlentejo - http://www.ccdr-a.gov.pt

Pareceres Jurídicos CCDRAlentejo - http://www.ccdr-a.gov.pt Título: DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL. CONCESSÕES. Data: 24-11-2015 Parecer N.º: 50/2015 Informação N.º: 173-DSAL/2015 Sobre o assunto mencionado em título, solicitou o Município de... a esta Comissão de Coordenação

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X SUGESTÃO DE METODOLOGIA PARA INVENTÁRIO DE PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

Temas de Direito Constitucional

Temas de Direito Constitucional ATUALIDADE JURÍDICA Temas de Direito Constitucional CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL PELO PROFESSOR JORGE MIRANDA, DA UNIVERSIDADE DE LISBOA A Faculdade de Direito da UFMG fez realizar, sob o patrocínio

Leia mais

PARECER N.º 256/CITE/2014

PARECER N.º 256/CITE/2014 PARECER N.º 256/CITE/2014 Assunto: Parecer sobre queixa relativa a pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhadora com responsabilidades familiares nos termos do n.º 5 do

Leia mais

Texto integral de Proposições

Texto integral de Proposições Texto integral de Proposições PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Altera a Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951, para atualizar a regulamentação do exercício da profissão de Economista e dá outras providências.

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino

OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA CRP DE 1976: ZONAS DE DIFERENÇA NO CONFRONTO COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988* José de Melo Alexandrino Prólogo Os direitos fundamentais constituem hoje em dia

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

Sistemas eleitorais. http://jus.uol.com.br/revista/texto/16930. Afonso de Paula Pinheiro Rocha

Sistemas eleitorais. http://jus.uol.com.br/revista/texto/16930. Afonso de Paula Pinheiro Rocha Sistemas eleitorais http://jus.uol.com.br/revista/texto/16930 Publicado em 07/2010 Afonso de Paula Pinheiro Rocha Sumário: 1. Introdução 2. Importância da escolha do sistema 3. Tipos de sistemas eleitorais

Leia mais